PLANO DE CARREIRA DOCENTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CARREIRA DOCENTE"

Transcrição

1 PLANO DE CARREIRA DOCENTE

2 ÍNDICE CAPÍTULO I Do Regulamento 03 CAPÍTULO II Das Atribuições do Magistério no Ensino Superior 03 CAPÍTULO III Do Corpo Docente 04 CAPÍTULO IV Da Organização do Quadro de Carreira 04 CAPÍTULO V Do Regime de Trabalho e da Remuneração 06 CAPÍTULO VI Do Enquadramento e da Progressão 07 CAPÍTULO VII Do Comitê do Plano de Carreira 08 CAPÍTULO VIII Das Disposições Gerais e Transitórias 09 Apêndice A Tabela de Progressão de Carreira Docente 11 Apêndice B Sistema de Pontuação para Avaliação de Mérito 13 2

3 CAPÍTULO I DO REGULAMENTO Artigo 1º - Este regulamento tem por finalidade normatizar e institucionalizar a política a ser aplicada aos profissionais que atuam no magistério superior da ORGANIZAÇÃO EDUCACIONAL BARÃO DE MAUÁ, pessoa jurídica regularmente constituída, estabelecida na Rua Ramos de Azevedo, nº 423, Jardim Paulista, CEP.: no Município de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, regularmente inscrita no CNPJ/MF sob nº / , mantenedora do Centro Universitário Barão de Mauá, nos termos legais, estatutários e regimentais. Parágrafo único As relações de trabalho serão reguladas por dispositivos de ordem constitucional e legal, especialmente pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), pelas Convenções Coletivas, pelo Regimento e Estatuto do Centro Universitário Barão de Mauá e por este Plano de Carreira Docente. Artigo 2 - A finalidade deste Plano de Carreira Docente é normatizar as condições de enquadramento e progressão. Artigo 3 - Para os fins deste plano de carreira considera-se: a) categoria, a subdivisão do cargo em atribuições da mesma natureza; b) nível, a unidade básica da estrutura da categoria, responsável pelo estabelecimento da hierarquia funcional; c) faixa, subdivisão da categoria considerando o tempo de serviço na IES; d) progressão é a passagem de uma categoria ou nível para outro, na ordem crescente (progressão vertical/mérito), bem como a evolução de uma faixa para outra, na ordem crescente (progressão horizontal/tempo). CAPÍTULO II DAS ATRIBUIÇÕES DO MAGISTÉRIO NO ENSINO SUPERIOR Artigo 4 - São atribuições do Magistério no Ensino Superior: I - ministrar aulas no ensino de graduação e de pós-graduação; II - desenvolver atividades de práticas investigativas; III - realizar atividades de extensão; IV orientar estágio supervisionado. 3

4 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE Artigo 5 - O corpo docente é constituído por profissionais do Centro Universitário Barão de Mauá que desempenham as atribuições descritas no artigo anterior. Artigo 6 - O quadro do corpo docente será fixado pelo Centro Universitário Barão de Mauá, mediante proposta dos Colegiados de curso, referendada pelo Conselho Acadêmico Superior, e integrará o quadro de pessoal da Organização Educacional Barão de Mauá. Artigo 7 - A idoneidade profissional, a capacidade didática, a integridade moral e a boa conduta pública e privada são condições fundamentais para o ingresso e permanência no magistério superior do Centro Universitário Barão de Mauá. Artigo 8 - O corpo docente é constituído por: I - Professores integrantes do Quadro de Carreira Docente; II - Professores Visitantes e/ou Pesquisadores. Parágrafo único - A contratação de Professor Visitante e/ou Pesquisador pela Entidade Mantenedora é determinada por necessidade conjuntural e transitória. CAPÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DO QUADRO DE CARREIRA Artigo 9 - A carreira docente compreenderá as seguintes categorias de professores: I - II - III - Professor Assistente Professor Adjunto Professor Titular 1º. A categoria de Professor Assistente tem como características: I. Requisitos: I.1. Ser portador de diploma registrado de curso superior expedido por instituição credenciada e reconhecida, nos moldes da legislação na área de conhecimento pretendida; I.2. Ser portador, no mínimo, de certificado de conclusão de curso de especialização expedido por instituição credenciada e reconhecida pelo Ministério da Educação, obtido nos moldes da legislação vigente. 4

5 I.3. Possuir Produção Científica e intelectual pela publicação de textos, artigos, livros e/ou material congênere. II. Descrição ocupacional: II. 1. Ministrar aula em cursos de graduação; II. 2. Orientar atividades práticas e de estágio supervisionado; II. 3. Orientar trabalho de conclusão de curso; II. 4. Ministrar cursos de extensão; II. 5. Ministrar atividades de nivelamento. 2º. A categoria de Professor Adjunto tem como características: I. Requisitos: I.1. Ser portador, no mínimo, de diploma com grau de Mestre, obtido em instituição credenciada e reconhecida, nos moldes da legislação vigente; I.2. Possuir Produção Científica e intelectual pela publicação de textos, artigos, livros e/ou material congênere. II. Descrição ocupacional: II. 1. Ministrar aula em cursos de graduação e de pós-graduação; II. 2. Coordenar cursos de graduação; II. 3. Orientar e coordenar atividades práticas e de estágio supervisionado; II. 4. Orientar trabalho de conclusão de curso; II. 5. Ministrar e coordenar cursos de extensão; II. 6. Ministrar atividades de nivelamento; II. 7. Orientar alunos em projetos de iniciação científica. 3º. - A categoria de Professor Titular tem como características: I. Requisitos: I.1. Ser portador de diploma com grau de Doutor, obtido em instituição credenciada e reconhecida, nos moldes da legislação vigente; I.2. Possuir Produção Científica e intelectual pela publicação de textos, artigos, livros e/ou material congênere. II. Descrição ocupacional: II. 1. Ministrar aula em cursos de graduação e de pós-graduação; II. 2. Coordenar cursos de graduação e de pós-graduação; II. 3. Orientar e coordenar atividades práticas e de estágio supervisionado; II. 4. Orientar trabalho de conclusão de curso; II. 5. Ministrar e coordenar cursos de extensão; II. 6. Ministrar atividades de nivelamento; II. 7. Orientar alunos em projetos de iniciação científica; II. 8. Presidir Comitês de Ética em Pesquisa; II. 9. Coordenar Programas de Iniciação Científica; II. 10. Coordenar grupos de pesquisa. 5

6 Artigo 10 São designadas atividades especiais aquelas cuja atribuição depende de condições ocupacionais específicas. Parágrafo único - As atividades especiais são definidas pelo Colegiado de Curso, com aprovação da Reitoria, conforme a regulamentação profissional relativa ao curso. CAPÍTULO V DO REGIME DE TRABALHO E DA REMUNERAÇÃO Artigo 11 - Os regimes de trabalho para o desenvolvimento das atividades de Magistério Superior são: 1. regime de Trabalho Especial (TE) - para contratação de docente por hora/aula ou atividade; 1.1. regime de Tempo Parcial (TP) - docente contratado atuando com 12 ou mais horas semanais de trabalho na mesma instituição, reservado pelo menos 25% do tempo para estudos, planejamento, avaliação e orientação de estudantes; 1.2. regime de Tempo Integral (TI) - docente contratado com 40 horas semanais de trabalho na mesma instituição, reservado o tempo de pelo menos 20 horas semanais a estudos, pesquisa, trabalhos de extensão, gestão, planejamento, avaliação e orientação de estudantes. Artigo 12 - Os professores serão remunerados de acordo com o respectivo enquadramento no regime de trabalho e no plano de carreira. 1º. Entende-se por remuneração por hora/aula, as horas de trabalho exercidas junto aos alunos pelo docente em atividades previstas no conteúdo programático da disciplina, devidamente aprovado pelo coordenador do curso. 2º. Entende-se por remuneração por hora/atividade as horas de trabalho exercidas pelo docente em atividades previstas no projeto pedagógico entendidas por orientação de trabalhos de conclusão de curso ou monografias, de iniciação científica e de atividades práticas, atividades de extensão, planejamento e avaliação do ensino, nivelamento de alunos, orientações didáticas, bem como funções acadêmicas e administrativas designadas pela Reitoria. 3º. Entende-se por remuneração por hora/estágio as horas de trabalho exercidas pelo docente em atividades de estágio supervisionado previstas no projeto pedagógico. 6

7 CAPÍTULO VI DO ENQUADRAMENTO E DA PROGRESSÃO Artigo 13 O primeiro enquadramento dos docentes que constam do quadro da IES é feito de acordo com a titulação e a pontuação obtida na tabela de progressão de carreira. 1º. Para a pontuação do docente que consta do quadro do magistério da IES são considerados itens classificados em três grupos, a saber: a produção científica, tecnológica, artístico-cultural, de extensão e evolução profissional; dedicação à IES e ao magistério superior; e a avaliação de desempenho institucional (Apêndice B). 2º. Cada um dos grupos de pontuação estipulados na tabela para a progressão por mérito possui uma pontuação mínima que deverá ser atingida, dependendo da titulação do docente. Artigo 14 O cômputo dos pontos e respectiva avaliação serão realizados anualmente. Artigo 15 A progressão na carreira será bienal. Artigo 16 A primeira progressão após o enquadramento será por mérito e a partir dela, obedecendo ao intervalo de dois anos, a progressão se alternará por tempo e por mérito atendendo a Portaria número 2 de 25/05/2006 da Secretaria de Relações do Trabalho, no artigo 3º inciso II. Artigo 17 A análise de progressão será individual a depender da data e do tipo de sua análise. Artigo 18 A progressão por mérito seguirá o estabelecido no Artigo 13, 2º deste capítulo, considerando: quando há permanência de categoria a progressão se dará nível a nível; quando houver alteração de categoria, a progressão se dará para o primeiro nível da categoria alcançada. Artigo 19 A progressão por tempo respeitará a um conjunto de faixas de A até H, sendo o percentual atribuído a cada faixa de 0,5%. 1º. A faixa H, portanto é o limite a ser alcançado na progressão por tempo. Dessa forma, o professor que alcança-la não concorre mais a esse tipo de progressão, sendo submetido somente a avaliações para progressão por mérito. 2º. Nos casos em que o professor alcançar uma progressão por mérito já possuindo uma delimitação em alguma das faixas, esta deverá acompanhar a referida progressão no caso de alteração de categoria e nível. 7

8 Artigo 20 É de responsabilidade exclusiva do docente manter atualizado o seu cadastro curricular junto ao Departamento Didático Pedagógico, bem como a entrega dos comprovantes no referido Departamento. Artigo 21 Será aceita somente documentação referente à formação acadêmica/titulação de Instituições de Ensino Superior devidamente reconhecida pelo Ministério da Educação e, no caso de cursos no exterior deverão os mesmos estar convalidados, conforme prevê a legislação brasileira. Artigo 22 Caso o professor alcance a progressão, os reflexos salariais relativos serão percebidos a partir do mês subsequente. Artigo 23 A constatação de qualquer irregularidade no enquadramento, progressão ou na comprovação da documentação apresentada implica no cancelamento do enquadramento ou progressão aprovado, independente de outras sanções legais. Artigo 24 O docente terá direito a recorrer acerca de irregularidade no cômputo de seus pontos, por meio de recurso junto ao Comitê do plano de Carreira, no prazo de 30 (trinta) dias da divulgação dos resultados de progressão. Artigo 25 A progressão por mérito dar-se-á em função da ordem decrescente de pontos obtidos pelos docentes, mediante a previsão e dotação orçamentária previamente aprovada pela Mantenedora do CBM. Artigo 26 Em caso de vários docentes alcançarem o mesmo número de pontos, superando o limite da dotação orçamentária disponível para tal fim ou superando o número de vagas disponíveis para a progressão seguinte, o desempate se dará pelos critérios abaixo, na seguinte ordem: I produção científica, tecnológica, artístico-cultural, de extensão e evolução profissional; II - tempo de magistério na IES; III tempo de magistério em Instituição de Ensino Superior. Artigo 27º - O número de vagas disponíveis para a progressão de que trata o presente Plano de Carreira será publicado todo início do ano ou sempre que o Comitê entender necessário. CAPÍTULO VII DO COMITÊ DO PLANO DE CARREIRA Artigo 28 O Comitê do plano de Carreira constituído por indicação da Reitoria, com aprovação do Conselho Acadêmico Superior, será presidido por um membro da Pró- Reitoria e composto por um representante das seguintes categorias: Coordenação de Curso; Departamento Didático-Pedagógico; Departamento de Recursos Humanos; Departamento Administrativo/Financeiro e Corpo Docente. 8

9 Artigo 29 São atribuições do Comitê do plano de Carreira: criar e efetivar os instrumentos de avaliação docente; coletar dados para enquadramento e progressão docente e apresentar à reitoria a classificação dos candidatos à progressão conforme artigo 25; divulgar os resultados de enquadramento/progressão; analisar recursos dos docentes conforme artigo 24; revisar e atualizar o plano de carreira quando necessário. CAPÍTULO VIII DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Artigo 30 - O presente Plano de Carreira é aplicável a todos os docentes do CBM, a partir do início de sua vigência. 1 Caso haja interesse da IES em promover algum docente que não atenda às condições mínimas para promoção, este poderá ser indicado por meio de uma lista tríplice formulada pela Reitoria, Diretoria Administrativa e Comitê do Plano de Carreira Docente. 2 As alterações do quadro de carreira posteriores à publicação do despacho no Diário Oficial da União deverão ser submetidas ao órgão regional do ministério do Trabalho e Emprego para análise e homologação. Este Plano de Carreira Docente entrará em vigor na data de sua aprovação pelo órgão competente. Ribeirão Preto, 27 de novembro de Profa. Dra. Dulce Maria Pamplona Guimarães Reitora Organização Educacional Barão de Mauá O presente instrumento foi aprovado em 05 de dezembro de 2013 em Ata da reunião do Conselho Acadêmico Superior, passando a ter validade a partir de janeiro de

10 APÊNDICE A TABELA DE PROGRESSÃO DE CARREIRA DOCENTE 10

11 TABELA DE PROGRESSÃO DE CARREIRA DOCENTE (*) O percentual das categorias de adjunto e titular no seu nível I é referente ao salário base.

12 APÊNDICE B SISTEMA DE PONTUAÇÃO 12

13 Sistema de pontuação - É um sistema de pontuação para a progressão por mérito. - Esse sistema contempla um mínimo de pontuação para progressão cujos valores estão expressos na Tabela de Progressão de Carreira (Apêndice A). - Serão compostos por critérios de progressão, sendo que os mesmos são subdivididos em diversos itens de análise. - Cada item do critério de Produção tem um máximo de pontuação a ser atribuída exceto Produção Científica (CAPES). - O docente para estar apto a concorrer à progressão deverá: * Ter a titulação mínima necessária. * Obter a pontuação mínima necessária nos critérios de progressão. Os critérios de progressão por mérito são: 1) PRODUÇÃO Corresponde aos comprovantes dos itens de produção, desenvolvimento científico e profissional com data de realização nos últimos 4 anos da avaliação vigente, que não foram considerados no enquadramento e progressão por mérito anterior. Fazem parte deste critério: a) Produção Científica (CAPES) Produção científica publicada em veículos (periódicos / anais de eventos) indexados e classificados pelo sistema Qualis da CAPES. Não há teto máximo de pontuação que o docente possa atingir nesse item. A pontuação será atribuída de acordo com o Quadro 1. Quadro 1: Pontuação referente à Produção Científica (Capes) PRODUÇÃO CIENTÍFICA (CAPES) Artigo publicado em periódicos e/ou em anais de eventos indexados em: Qualis A 1, A 2 e B 1 (CAPES) Artigo publicado em periódicos e/ou em anais de eventos indexados em: Qualis B 2 e B 3(CAPES) Artigo publicado em periódicos e/ou em anais de eventos indexados em: Qualis B 4 e B 5 (CAPES) Artigo publicado em periódicos e/ou em anais de eventos indexados em: Qualis C (CAPES) Pontos

14 b) Produção Científica (outras) Serão atribuídos o máximo de 150 pontos nesse item. Fazem parte deste item: Produção Científica sem padrão CAPES Produção científica publicada em veículos que não constam da indexação e classificação Qualis (CAPES), mas são citadas e pontuadas pelas fichas de avaliação do MEC. Produção técnica e artístico-cultural Produção acadêmica e profissional que se distingue da produção científica publicada citada acima. Inclui produtos, atividades e processos. Atividades de extensão Planejamento e realização de ação de caráter educativo, social, cultural, científico e tecnológico desenvolvidas interna ou externamente à Instituição, solicitadas como tais nas avaliações do MEC e no Cadastro do Ensino Superior. A pontuação será atribuída de acordo com os Quadros 2, 3 e 4. Quadro 2: Pontuação referente à Produção Científica sem Padrão Capes PRODUÇÃO CIENTIFICA SEM PADRÃO CAPES Pontos Livro Publicado na área 50 Livro Publicado em outra área 25 Capítulo de livro ou organização de coletânea na área 25 Capítulo de livro ou organização de coletânea em outras áreas 10 Artigo publicado em periódico científico na área 40 Artigo publicado em periódico científico em outra área 20 Trabalho (completo) publicado em anais na área 25 Trabalho (completo) publicado em anais em outra área 10 Trabalho (resumo) publicado em anais na área 10 Trabalho (resumo) publicado em anais em outra área 05 Traduções de livros, capítulos de livros ou artigos publicados 10 Texto em jornais como opinião de especialista mínimo de cinco 02 Quadro 3: Pontuação referente à Produção Técnica e Artístico-Cultural PRODUÇÃO TÉCNICA E ARTISTICO-CULTURAL Pontos Softwares 30 Trabalhos técnicos (assessorias; consultorias; pareceres; projetos; relatórios; treinamentos, cartas; mapas e similares) 20 14

15 Desenvolvimento de material didático ou instrucional 15 Orientação de TCC por trabalho concluído 05 Participação em bancas de doutorado 10 Participação em bancas de mestrado 05 Participação em bancas de contratação e de concursos 05 Produção de programas de rádio, TV e vídeos 10 Produção intelectual depositada 10 Produção intelectual registrada 10 Produção artístico-cultural compatível com a área do docente 20 Quadro 4: Pontuação referente à Planejamento e Realização de Atividades/Projetos de Extensão PLANEJAMENTO E REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES/PROJETOS DE Pontos EXTENSÃO Até 30 horas 05 Mais de 30 horas 10 Até 30 horas inter/transdisciplinar 15 Mais de 30 horas inter/transdisciplinar 20 c) Evolução Técnica, Profissional e Conhecimento Atividades de aprimoramento e capacitação. São atribuídos no máximo 100 pontos nesse item. A pontuação será atribuída de acordo com o Quadro 5. Quadro 5 Pontuação referente à Evolução Técnica e de Conhecimento EVOLUÇÃO TÉCNICA E DE CONHECIMENTO Pontos Participação em congressos e afins como expositor / palestrante / painel internacional 20 (pela Mauá + 50%) Participação em congressos e afins como expositor / palestrante / painel nacional 15 (pela Mauá + 50%) Participação em congressos e afins como ouvinte internacional 10 Participação em congressos e afins como ouvinte nacional 05 Curso de extensão mais de 30 horas 10 Curso de extensão até 30 horas 05 Curso de especialização (pós) na área (exclui curso de titulação) 30 Curso de capacitação didático / pedagógica mais de 30 horas 20 Curso de capacitação didático / pedagógica até 30 horas 10 15

16 d) Mérito acadêmico Poderá receber 300 pontos o docente que requerer ao Comitê do Plano de Carreira, mediante apresentação de memorial acadêmico, o titulo de Mérito Acadêmico. Para concessão ou não desse título, o Comitê tomará por base os seguintes critérios: tempo de magistério, publicações de referência e reconhecimento em sua área de atuação, entre outros. 2) DEDICAÇÃO Corresponde aos itens referentes à dedicação do docente à IES e ao magistério no ensino Superior. Fazem parte deste critério: a) Tempo na IES Será considerado o tempo de magistério na IES. A pontuação será atribuída de acordo com o Quadro 6. Quadro 6: Pontuação referente ao Tempo na Instituição TEMPO NA INSTITUIÇÃO Pontos De zero até 02 anos 0 Acima de 02 até 04 anos 20 Acima de 04 até 06 anos 40 Acima de 06 até 08 anos 60 Acima de 08 até 10 anos 80 Acima de 10 anos 100 b) Dedicação na IES Será considerado o tempo de dedicação na IES somando horas aulas e atividades do período. Consideram-se atividades do período: tempo dedicado à coordenação, trabalho administrativo, horas atividades entre outros. A pontuação será atribuída de acordo com o Quadro 7. Quadro 7: Pontuação referente ao Tempo de Dedicação TEMPO DE DEDICAÇÃO Pontos De zero até 04 horas 0 Acima de 04 até 08 horas 20 Acima de 08 até 12 horas 40 Acima de 12 até 16 horas 60 Acima de 16 até 20 horas 80 Acima de 20 horas

17 c) Tempo de magistério superior Será considerado o tempo total que o docente leciona no ensino superior, independente da instituição. A pontuação será atribuída de acordo com o Quadro 8. Quadro 8: Pontuação referente ao Tempo de Magistério Superior TEMPO DE MAGISTÉRIO SUPERIOR Pontos De zero até 03 anos 0 Acima de 03 até 06 anos 10 Acima de 06 até 09 anos 20 Acima de 09 até 12 anos 30 Acima de 12 até 15 anos 40 Acima de 15 anos 50 3) AVALIAÇÃO Corresponde às avaliações de desempenho institucional dos docentes que será realizada pelos coordenadores, discentes e departamentos competentes, utilizando os Instrumentos de Avaliação descritos no Apêndice C. 17

18 APÊNDICE C INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO 18

19 Instrumentos de Avaliação I. Introdução Tendo em vista a elaboração e divulgação do Plano de Carreira do corpo docente do Centro Universitário Barão de Mauá, o Comitê nomeado para dar andamento à implantação das regras estipuladas no documento, se reuniu para formatar o instrumento de avaliação dos docentes, a ser aplicado junto aos coordenadores, discentes e departamentos competentes. O resultado da avaliação de cada docente fornecerá os dados para o respectivo enquadramento e progressão de carreira. Aos coordenadores será aplicado formulário compreendendo questões que avaliem o desempenho didático pedagógico e postura profissional dos seus docentes. Aos discentes será aplicado um formulário com questões sobre o desempenho didático pedagógico e a postura profissional de cada docente em cada semestre. O resultado de uma avaliação permite reconhecer a aplicação das competências e planejar o trabalho que será desenvolvido. O objetivo é utilizar a avaliação como instrumento de alinhamento entre coordenador e corpo docente. Os coordenadores serão orientados sobre a avaliação, no sentido de informar seus professores quanto à forma como será desenvolvida, seus objetivos e quais os interesses a serem pactuados por ambas as partes. Aos departamentos competentes, serão solicitados relatórios a serem pontuados de acordo com o desempenho do docente nas suas atribuições técnicoadministrativas inerentes à sua função. A pontuação da Avaliação de Desempenho Final do docente poderá atingir o máximo de 440 pontos, distribuídos segundo a tabela: Critérios de Avaliação Pontos Média dos conceitos dos coordenadores dos cursos a que pertence 170 Média dos conceitos dos discentes 110 Média das avaliações das obrigações profissionais 160 Avaliação de Desempenho Final 440 II. Da aplicação do instrumento Os instrumentos de avaliação do docente em relação ao desempenho pedagógico serão aplicados aos coordenadores e discentes. 19

20 O instrumento de avaliação do docente em relação ao comportamento profissional será aplicado aos coordenadores. Os instrumentos de avaliação do docente em relação às obrigações profissionais serão gerados pelos departamentos competentes. As avaliações realizadas pelo coordenador serão anuais em relação a todos os professores que compõem o corpo docente de seu curso. As avaliações realizadas pelos discentes serão feitas ao término de cada disciplina em relação ao desempenho do professor. Nas disciplinas onde há mais de um docente, o aluno avaliará cada um dos professores na disciplina. III. Descrição dos itens de avaliação no formulário destinado aos coordenadores A seguir são apresentadas as questões que fazem parte da avaliação do coordenador com a descrição dos aspectos a serem considerados em cada questão. Desempenho Didático Pedagógico 1. Elaborou o plano de ensino. O docente deverá elaborar seu plano de ensino no formato estipulado pela IES contendo: ementa, objetivo, metodologia, critérios de avaliação, conteúdo programático, bibliografia básica e bibliografia complementar. 2. Disponibilizou o plano de ensino. O docente disponibilizou o plano de ensino de acordo com o prazo estabelecido. 3. Cumpriu o plano de ensino. O docente cumpriu o plano de ensino. Postura Profissional 1. O professor se pré-dispõe a participar/colaborar na execução de eventos do curso? O docente demonstra interesse e pré-disposição para auxiliar na organização e execução de eventos, como: jornadas, visitas técnicas, palestras, participa de cerimônias de colação de grau, entre outros. 2. O professor participa das reuniões e trabalhos dos órgãos colegiados relacionados ao curso a que pertence? O docente demonstra disponibilidade em participar de reuniões do colegiado do curso. 3. Manteve uma conduta ética em relação ao Curso e à IES? O docente demonstrou um comportamento ético na execução de suas atividades profissionais e de relacionamento, sejam elas em sala de aula, em áreas comuns de convivência, em eventos acadêmicos, entre outros. 20

21 4. Mostrou-se solícito em atender recomendações e solicitações da coordenação e da IES O docente demonstrou uma postura colaborativa em relação às solicitações da coordenação e IES. 5. Manteve o coordenador informado sobre suas atividades acadêmicas? O docente deverá manter relação de proximidade com o coordenador, mantendo-o informado sobre o andamento da disciplina e sobre eventuais problemas e mudanças. O conceito final será a média aritmética dos conceitos atribuídos a cada questão, e a pontuação final desse item de avaliação (Avaliação do Coordenador) seguirá a tabela abaixo: Média dos conceitos - Coordenador Pontuação 0 a 0,9-1 a 1,9 0 2 a 2, a 3, a 4, discentes IV. Descrição dos itens de avaliação no formulário destinado aos A seguir são apresentadas as questões que fazem parte da avaliação do discente com a descrição dos aspectos a serem considerados em cada questão. Desempenho Didático Pedagógico Como os discentes precisarão preencher um formulário de avaliação para cada docente do semestre, todo o semestre, esse formulário foi elaborado com questões simples, que não demandam muito tempo para serem respondidas, e são elas: 1. É pontual com relação ao início e término das aulas? 2. Tem facilidade para explicar o conteúdo? 3. Apresenta domínio do conteúdo? 4. Utiliza várias formas de avaliação? 5. Estabelece um bom relacionamento com os alunos? 21

22 O conceito final será a média aritmética dos conceitos atribuídos a cada questão, e a pontuação final desse item de avaliação (Avaliação do Discente) seguirá a tabela abaixo: Média dos conceitos - Discente Pontuação 0 a 0,9-1 a 1,9 0 2 a 2, a 3, a 4, V. Descrição dos itens de avaliação destinado aos departamentos competentes Obrigações Profissionais 1. Cumprimento dos prazos para entrega de notas: Cumpre os prazos estipulados no Calendário Escolar para entrega de notas e de faltas. Como em cada disciplina devem ser entregues 3 notas (primeira nota, segunda nota e exame de recuperação), a pontuação seguirá a seguinte tabela, considerando todas as disciplinas de todos os cursos do semestre. Porcentagem de Notas inseridas dentro do prazo (%) Pontuação 0 a a a Manutenção do diário de classe atualizado e preenchido corretamente: Preenche o diário de classe conforme instruções da Secretaria da IES informadas no Manual do Professor. A pontuação seguirá a seguinte tabela, considerando todas as disciplinas de todos os cursos do semestre. 22

23 Porcentagem de preenchimento do diário de classe dentro do prazo (%) Pontuação 0 a a a a a Assiduidade Deve manter assiduidade. A pontuação seguirá a seguinte tabela, considerando todas as disciplinas de todos os cursos do semestre. Observar que as faltas justificadas não serão consideradas. Porcentagem de Faltas (%) Pontuação 0 a a a a a A pontuação final desse item de avaliação (Obrigações Profissionais) será de acordo com a média aritmética das três pontuações obtidas, considerando a tabela de conversão a seguir: Média Pontuação equivalente De 0 a 19 0 De 20 a De 40 a De 60 a De 80 a

24 INSTRUÇÕES: PREZADO COORDENADOR, PARA FAZER SUA AVALIAÇÃO ATRIBUA CONCEITOS DE ACORDO COM: Professor Disciplina Turma 0 Não se aplica 1 Não atende a atividade avaliada. 2 Atende a atividade de forma parcial. Atende a atividade de acordo com o estabelecido, somente após 3 intervenção da coordenação. 4 Atende de acordo com o estabelecido. Cumpre as atividades de maneira diferenciada, gerando resultado 5 acima do estabelecido. Desempenho Didático Pedagógico Postura Profissional Elaborou o plano de ensino? Disponibilizou o plano de ensino no prazo estipulado pelo coordenador? Cumpriu o plano de ensino Se pré-dispõe a participar/colaborar na execução de eventos do curso? Participa das reuniões e trabalhos dos órgãos colegiados relacionados ao curso a que pertence? Manteve uma conduta ética em relação ao Curso e à IES? Mostrou-se solícito em atender recomendações e solicitações da coordenação e da IES? Manteve o coordenador informado sobre suas atividades acadêmicas? Pontuação 24

25 INSTRUÇÕES: PREZADO ALUNO, PARA FAZER SUA AVALIAÇÃO ATRIBUA CONCEITOS DE ACORDO COM: 0 Não se aplica 1 Não atende a atividade avaliada. 2 Atende a atividade de forma parcial. Atende a atividade de acordo com o estabelecido, somente 3 após intervenção da coordenação. 4 Atende de acordo com o estabelecido. Cumpre as atividades de maneira diferenciada, gerando 5 resultado acima do estabelecido. Professor Disciplina Turma Desempenho Didático Pedagógico É pontual com relação ao início e término das aulas? Tem facilidade para explicar o conteúdo? Apresenta domínio do conteúdo? Utiliza várias formas de avaliação? Estabelece um bom relacionamento com os alunos? Pontuação 25

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM

QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACULDADE TRES DE MAIO SETREM O presente documento apresenta o Quadro de Carreira Docente (QCD) da Educação Superior da Sociedade Educacional Três de Maio

Leia mais

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários

Faculdade Adventista da Bahia. Plano de Cargos e Salários Plano de Cargos e Salários Abril de 2014 PLANO DE CARREIRA DO MAGISTÉRIO SUPERIORDA FADBA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Capítulo I DA NATUREZA E CONSTITUIÇÃO Art.1º. O Plano de Carreira do Magistério

Leia mais

DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE

DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE DO REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE FUNDAÇÃO CULTURAL XINGU FACULDADE DOM BOSCO DE GOIOERÊ REGULAMENTO DO QUADRO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º O presente Regulamento do

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA: ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º- O Curso de Especialização em Lingüística Aplicada, da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 846 Altera a denominação do Curso de Especialização em Redes de Computadores, criado pela Resolução CEPEC nº 422, e aprova o novo

Leia mais

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011.

Resolução nº 082, de 19 de outubro de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FEMA FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS PLANO DE CARREIRA DOCENTE SANTA ROSA MARÇO/2010 PLANO DE CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - O presente

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado, conforme anexo, o Plano de Carreira do Corpo Docente do Magistério Superior da Faculdade Franciscana. RESOLUÇÃO CSA N.º 14/2009 APROVA O PLANO DE CARREIRA DO CORPO DOCENTE DO MAGISTÉRIO SUPERIOR DA. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 7º,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 17/CEPE, DE 03 DE MAIO DE 2006 Aprova normas para os cursos de especialização da Universidade Federal do Ceará. O Reitor da UNIVERSIDADE

Leia mais

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS FACULDADE DE VIÇOSA PLANO DE CARGOS, SALÁRIOS E CARREIRA DOCENTE CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O presente documento tem por objetivo estabelecer uma política de administração de cargos, salários e carreira

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

ANEXO I SELEÇÃO DE COLABORADORES DA COORDENAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR - COESUP

ANEXO I SELEÇÃO DE COLABORADORES DA COORDENAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR - COESUP ANEXO I SELEÇÃO DE COLABORADORES DA COORDENAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR - COESUP I - ATRIBUIÇÕES GERAIS (para todos os encargos de curso ou concurso no âmbito da COESUP) a) Atuar sempre de acordo com os objetivos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM.

CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. CRONOGRAMA DO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES 2015/2º SEM. ATIVIDADES DATAS Publicação do Edital 29 de agosto de 2015 Período de inscrições de 31 de agosto a 29 de setembro de 2015 Período de realização

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DO RIO DE JANEIRO Prefeitura Municipal de Porciúncula LEI COMPLEMENTAR Nº 055/2007 Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração do Magistério Público do Município de Porciúncula/RJ e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE PORCIÚNCULA, no uso das

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍCAS E ECONÔMICAS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA Adaptado às normas do Regulamento Geral da Pós-Graduação da UFES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII...

ÍNDICE CAPÍTULO I...01 CAPÍTULO II...01 CAPÍTULO III...02 CAPÍTULO IV...05 CAPÍTULO V...06 CAPÍTULO VI...06 CAPÍTULO VII...07 CAPÍTULO VIII... ÍNDICE CAPÍTULO I...01 DAS FINALIDADES...01 CAPÍTULO II...01 DOS OBJETIVOS...01 CAPÍTULO III...02 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS...02 DO ENCAMINHAMENTO...02 DA ANÁLISE E DA APROVAÇÃO PRELIMINAR...03

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TITULO I Da Natureza, dos Fins e da Aprovação dos Cursos CAPÍTULO I Da Natureza e dos Fins dos Cursos Art. 1º Os cursos de pós-graduação Lato sensu

Leia mais

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional

Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional Regimento do Programa do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional TÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, em nível de Mestrado, tem por objetivos:

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) N.º 09/2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CONSEPE) (alterada pela Resolução Consepe n.º 24/2011) N.º 09/2010 Dispõe sobre as normas

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA

REGULAMENTO INSTITUCIONAL MONITORIA UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE MONITORIA São Paulo 2010 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO

REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE SÃO LOURENÇO SÃO LOURENÇO/2014 CAPÍTULO l DOS OBJETIVOS Artigo 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar a monitoria,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Gama DF fev./2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 4 DA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 E SEU APROVEITAMENTO...

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta normas para o funcionamento das Atividades Complementares no âmbito dos Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Cursos de Tecnologia da Faculdade

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA REGIMENTO DA EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA EM DERMATOLOGIA EMC-D CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGIMENTO Art. 1º - O presente regimento tem por objetivo normatizar a Educação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE PAULISTA - UNORP CAPÍTULO I DOS FUNDAMENTOS LEGAIS Artigo 1º- O presente regulamento de estágios do Centro Universitário do Norte Paulista

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Texto Aprovado CONSU Nº 2008-02 - Data:02/04/2008 Texto Revisado e Atualizado CONSU PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Nº 2011-05 - Data: 24/03/11 2012-29 de 29/11/2012 REGULAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS IFSULDEMINAS Conselho Superior Rua Ciomara de Paula, 167- Bairro

Leia mais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais

NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. CAPÍTULO I Das considerações gerais Sociedade de Educação e Cultura de Goiás www.faculdadearaguaia.edu.br Rua 18 n 81 Centro Goiânia Goiás Fone: (62) 3224-8829 NÚCLEO DE EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO- NEPG REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/054/2010 ESTABELECE NORMAS PARA ATRIBUIÇÃO DE ENCARGOS DOCENTES NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA O CONSELHO UNIVERSITARIO - CONSUNI da UNIVERSIDADE

Leia mais

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA

PROGRAMA DE MESTRADO EM PSICOLOGIA Resolução nº 01/PPGPSI/UFSJ de 16 de dezembro de 2011. Estabelece critérios e procedimentos de credenciamento e de recredenciamento de docentes junto ao Programa de Mestrado em Psicologia PPGPSI/UFSJ A

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU.

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU. PREÂMBULO. A Faculdade Cenecista de Osório, no uso de suas atribuições decorrentes da Resolução nº. 1 de junho

Leia mais

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO

CAPÍTULO II DA COORDENAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Art. 1º - O Programa de Pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA

FACULDADE BARÃO DE PIRATININGA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares constituem ações a serem desenvolvidas ao longo do curso, criando

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DA ÁREA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Fevereiro de 2008 I Da Exigência das Atividades Complementares As Atividades Complementares - AC dos Cursos de Jornalismo,

Leia mais

RÔMULO FEITOSA NAVARRO Presidente

RÔMULO FEITOSA NAVARRO Presidente SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 16/2010 Aprova o II Curso de Especialização em Economia: Economia Política

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Regulamento de Atividades Complementares Curso de Enfermagem Capítulo I- Disposições Gerais Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade regrar as Atividades Complementares para o curso de Enfermagem

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTOS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO II REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades Complementares

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO Nº. 074, DE 20 DE ABRIL DE 2016. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº 43/2016

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO Nº 036/2012, DE 14 DE SETEMBRO DE 2012 Aprova as normas para concurso público de provimento de cargos de Professor de Nível Médio/Profissionalizante, Administrador Escolar, Supervisor Pedagógico

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 44/15, de 09/12/2015. CAPÍTULO I AS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO UBERABA-MG RESOLUÇÃO N. 4, DE 16 DE ABRIL DE 2013, DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UFTM. Aprova as regras de transição do Sistema de Matrícula

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO

EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB, no uso de suas atribuições e cumprindo

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRETOS, ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N.º 3629, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2003. (Com alterações impostas pelas leis n. os 3.636, de 17 de dezembro de 2003; 3.727, de 27 de janeiro de 2005; 3.816, de 27 de dezembro de 2005; 4.048, de 07 de março

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. RESOLUÇÃO UNESP Nº 36, DE 28 DE MAIO DE 2015 Publicada no D.O.E. de 29.05.2015 - Seção I, pág.85. Regulamenta os Cursos de Especialização da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004

HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 RESOLUÇÃO Nº 145/04. Palmas, 08 de dezembro de 2004 HOMOLOGADA PELO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EM 09/12/2004 REVOGADA RESOLUÇÃO Nº 145/04 Palmas, 08 de dezembro de 2004 Fixa normas para criação e autorização de funcionamento de instituições de educação

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 001/2015 Aprovar ad referendum do Conselho Universitário- CONSUN, o Regulamento para a Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade do Contestado - UnC. A Presidente do Conselho Universitário

Leia mais

www.queroserprofessor.

www.queroserprofessor. www.queroserprofessor. Documento Revisado em março de 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. O QUE É A MONITORIA? 3. OBJETIVOS DA MONITORIA 4. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DA MONITORIA 5. INSCRIÇÃO 6. ATRIBUIÇÕES

Leia mais

EDITAL Nº 02/2012 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES INSTRUÇÕES ESPECIAIS I- DAS CONDIÇÕES DO TRABALHO DOCENTE

EDITAL Nº 02/2012 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES INSTRUÇÕES ESPECIAIS I- DAS CONDIÇÕES DO TRABALHO DOCENTE EDITAL Nº 02/2012 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES O Reitor do Centro Universitário de Franca (Uni-FACEF), no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo seu Regimento Geral

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU (Versão Professor) Botucatu - SP Junho 2015 SUMÁRIO

Leia mais

Esta Deliberação entra em vigor nesta data. São Caetano do Sul, 09 de setembro de 2013. Prof. Dr. Marcos Sidnei Bassi. Reitor

Esta Deliberação entra em vigor nesta data. São Caetano do Sul, 09 de setembro de 2013. Prof. Dr. Marcos Sidnei Bassi. Reitor DELIBERAÇÃO CONSEPE nº 027/2013, de 09 de setembro de 2013. Aprova Critérios para Credenciamento/Recredenciamento e Descredenciamento de Professores no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 321 DE 31 DE DEZEMBRO DE 2001 Dispõe sobre o Plano de Carreira, Remuneração e Valorização do Magistério Público Estadual e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

REGULAMENTO GERAL DOS GRUPOS DE PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS - DEX UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Em consonância

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD Telefones: (55) 3332-0545 e (55) 3332-0351 - Endereço eletrônico: http://www.unijui.edu.br/ppgd Correio eletrônico: ppgd@unijui.edu.br PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU)

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB) CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) RESOLUÇÃO N.º 346/2005 Publicada no D.O.E. de 20-09-2005 Pág.17 Estabelece normas para a alteração de Regime de Trabalho, Controle

Leia mais

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação.

das demais previsões relativas ao estágio previstas no Projeto Pedagógico do Curso, no Regimento Interno e na Legislação. DIRETRIZES E NORMAS PARA O ESTÁGIO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL DOS OBJETIVOS Art. 1 O Sistema de Estágio da FACULDADE REDENTOR DE PARAÍBA DO SUL terá por objetivos gerais:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA DE GRADUAÇÃO REGIMENTO INTERNO 2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA COORDENADORIA

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014

RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014 RESOLUÇÃO CRCRJ Nº 439/2014 APROVA NOVO REGULAMENTO DE CURSOS DE ATUALIZAÇÃO PROFISSIONAL REALIZADOS PELO CRCRJ. O Plenário do CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (CRCRJ), no

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * *

RESOLUÇÃO N.º 554/2011 * * * * * MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 554/2011 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Educação Especial e Inclusiva.

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº. 582/10/GS/SEDUC-MT. Dispõe sobre critérios e procedimentos a serem adotados para o processo de atribuição de classe e/ou aulas e o regime

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

CONSIDERANDO a decisão da Câmara de Pessoal Docente; CONSIDERANDO o que consta no Processo n.º 23108.037947/10-0, 98/10 -CONSEPE

CONSIDERANDO a decisão da Câmara de Pessoal Docente; CONSIDERANDO o que consta no Processo n.º 23108.037947/10-0, 98/10 -CONSEPE RESOLUÇÃO CONSEPE N. o 158, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre normas para distribuição de encargos didáticos, segundo o regime de trabalho dos docentes. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP

RESOLUÇÃO Nº. 04/12/CP INSEP FACULDADE INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ MANTENEDORA: INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E DA CIDADANIA IEC CNPJ: 02.684.150/0001-97 Maringá: Rua dos Gerânios, 1893 CEP: 87060-010 Fone/Fax:

Leia mais

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br

UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br UNESC Faculdades Integradas de Cacoal E-Mail: unesc@unescnet.br - Internet: www.unescnet.br REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) Cacoal RO. CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - PROPesq NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS - NCH DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - DED PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇAO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO ACADÊMICA EM CIÊNCIAS DA SAÚDE DA SOCIEDADE BENEFICENTE ISRAELITA BRASILEIRA ALBERT EINSTEIN CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1º O Programa de Pós-graduação Acadêmica

Leia mais

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia

Regulamento Interno do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Física e Astronomia Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Departamento Acadêmico de Física - Campus Curitiba Programa de Pós-Graduação em Física e Astronomia - PPGFA Regulamento Interno do Programa

Leia mais

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE

Centro Universitário do Maranhão UNICEUMA CEPE RESOLUÇÃO Nº 056/2010 Dispõe sobre a admissão à monitoria e seu exercício, e dá outras providências. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão do Centro Universitário do Maranhão, no uso

Leia mais

Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília. Capítulo I Das Normas Regulamentares do Curso

Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília. Capítulo I Das Normas Regulamentares do Curso Universidade de Brasília/UnB Instituto de Relações Internacionais Regulamento do XV Curso de Especialização em Relações Internacionais da Universidade de Brasília Capítulo I Das Normas Regulamentares do

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES. Planejamento e Controle de Sistemas de Produção 01

EDITAL Nº 01/2016 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES. Planejamento e Controle de Sistemas de Produção 01 EDITAL Nº 01/2016 Uni-FACEF CONCURSO PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA DOCENTES O Reitor do Centro Universitário Municipal de Franca (Uni-FACEF), no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo seu Regimento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006

PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006 PORTARIA NORMATIVA N.º 06, DE 09 DE MAIO DE 2006 Ementa: Avaliação de Desempenho Docente em Estagio Probatório. O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições e tendo em vista

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº XXXX DE XX DE XXXXXX DE 201X ALTERA A LEI Nº 6720, DE 25 DE MARÇO DE 2014, QUE INSTITUI PLANO DE CARGOS, CARREIRAS E REMUNERAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA EM SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA EM SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO INTEGRADA EM SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - NUTRIÇÃO/ CCS

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Contábeis e Atuariais EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO 2º/2016 Coordenadora: Profa. Dra. Neusa Maria Bastos F. Santos Estarão abertas, no período de 11/04/2016 a 29/04/2016, as inscrições para o processo seletivo destinado ao

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013

RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013 RESOLUÇÃO Nº 1/POSJOR/2013 Dispõe sobre os critérios para credenciamento e recredenciamento de docentes no Programa de Pós- Graduação em Jornalismo (POSJOR), define o número de orientandos por orientador

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas EDITAL Nº 424/15 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas EDITAL Nº 424/15 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO EDITAL Nº 424/15 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO Por delegação de competência do Magnífico Reitor da Universidade Federal do Paraná, conforme Portaria n.º 2.590 de 26/09/97, e considerando o disposto no Decreto

Leia mais

EDITAL Nº 409/14 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO

EDITAL Nº 409/14 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas EDITAL Nº 409/14 -PROGEPE CONCURSO PÚBLICO Por delegação de competência do Magnífico Reitor da Universidade Federal

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais