Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro"

Transcrição

1 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

2 C l Si õ Carlos Simões, Divisão de Informação e Gestão Territorial Direção-Geral do Território

3 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

4 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

5 > Enquadramento É um sistema de Informação oficial, de âmbito nacional, desenvolvido e gerido pela DGT, e partilhado em rede pelas entidades públicas com responsabilidade na gestão territorial. Presta um serviço público de informação sobre o território nacional e o estado do seu ordenamento e serve finalidades de acompanhamento e avaliação da política de ordenamento do território e do urbanismo. É suportado em tecnologias Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e de Infraestruturas de Dados Espaciais i (IDE), segue a Diretiva INSPIRE e as normas internacionais.

6 > Enquadramento O SNIT dá cumprimento a um dever do Estado LBPPSOTU (Lei n.º 31/2014, de 30 de maio) - art.º 73 estabelece a criação de um sistema nacional de informação territorial que permita a disponibilização informática de dados sobre o território, articulado aos níveis nacional, regional e local.. RJIGT (Decreto-Lei n.º 80/2015, de 14 de maio) art.º 190 estabele a criação e o desenvolvimento de um sistema nacional de informação territorial. Lei Orgânica da DGT (Decreto Regulamentar n.º 30/2012, de 13 de março artº2 al.) o Desenvolver, coordenar e gerir os sistemas nacionais de informação territorial e de informação geográfica.

7 > Enquadramento Principais utilizadores Entidades públicas Institutos e Universidades Governo e outras instituições Público em geral Setor privado na área do planeamento terratorial

8 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

9 > Objetivos Facilitar o acompanhamento e avaliação regular das Políticas Públicas de Ordenamento do Território e do Urbanismo (OT&U) e das Políticas Sectoriais com impacte na organização do território. Melhorar o acesso à informação sobre Ordenamento do Território e Urbanismo e sobre as práticas de gestão territorial nos âmbitos nacional, regional, local e internacional.

10 > Objetivos Permitir o acesso, a partilha e o cruzamento de informação com outras entidades, nacionais e internacionais, interessadas no OT/U. Apoiar o funcionamento da DGT, dinamizando o seu relacionamento com o exterior (outras entidades e público em geral). Concretizar os objetivos do Governo Eletrónico, criando condições para o exercício mais efetivo dos direitos de cidadania.

11 > Objetivos Três grandes finalidades: Assegurar o direitoit de informação e o direito de acesso dos cidadãos aos instrumentos de gestão territorial e à informação sobre a sua aplicação. Ser um sistema colaborativo, partilhado em rede pelas entidades responsáveis pela gestão territorial, que ajude a concretizar o dever de coordenação eagilizar os fluxos de informação e os processos de decisão, com reflexos na eficácia e eficiência do sistema de gestão territorial. Plataforma de informação territorial Suportar e incentivar a reengenharia dos processos e métodos de trabalho da DGT, melhorando a eficiência do seu funcionamento e a qualidade dos serviços prestados no exercício da sua missão orgânica Sistema colaborativo Ferramenta de trabalho

12 > Objetivos Etapas Decisão de elaboração, alteração e resvião de planos e programas territoriais (Publicação em DR) Entrada em vigor de planos e programas (Publicação em DR e Depósito na DGT) Disponibilização ibili de planos e programas territoriais na IDE/SNIT Plataformas Acesso: DGT; CCDR; Público Acesso: AC (PCM); AL (CM) Acesso: AC; AL; Público Acesso: AC; AL; Público Acesso: Público Informação disponível IGT em curso (desde 2009) Sistematiza e disponibiliza informação sobre o estado dos procedimentos de gestão territorial que em cada momento se encontram em curso no território nacional IGT submetidos (desde ) Envio simultâneo dos planos e programas territoriais para publicação em DR e depósito na DGT, possibilitando a desmaterialização de procedimentos e assegurando a sua fiabilidade IGT em vigor e depositados (desde 1992) Regulamento Peças gráficas georreferenciadas Dinâmica Metadados Serviços Web CUP Equipamentos Públicos de Utilização Coletiva Disponibiliza informação alfanumérica e cartográfica relativa aos equipamentos públicos de utilização coletiva Servidões e Restrições de Utilidade d Pública Disponibiliza informação alfanumérica e cartográfica relativa a servidões e restrições de utilidade pública em vigor

13 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

14 > Infraestrutura SIG / SNIT (até 2011 / 12)

15 > Infraestrutura IDE SNIT (> 2011 / 12) WMS externos,(igp, IGeoE) Bing Maps PRESENTATION LAYER Técnicos DGT/DIGT Público Público/Entidades Entidades externas BackOffice SDI/SNIT Visualizador SDI/SNIT (SDI Portal) Sistemas Externos (acesso a swms/swfs) SSAIGT Web services SDI/SNIT (swms, swfs, CSW) BUSINESS LAYER Motor de workflows (GeoMedia Respublica) Motor de mapas e serviços de rede (GeoMedia WebMap Professional) Monitorização e segurança de serviços de rede (SDI Pro) Configuração de Workflows Informação Territorial SNIT Catálogo de Metadados Segurança e Monitorização Configuração de serviços SSAIGT

16 > Infraestrutura Backoffice IDE SNIT - Maior integração das diferentes ferramentas de administração existentes - Otimização do processo de disponibilização de IGT (workflow) e de acreditação de entidades externas

17 > Infraestrutura Backoffice IDE SNIT - Integração com SSAIGT e Acesso Simples -Um controlo mais eficiente do trabalho efetuado

18 > Infraestrutura Backoffice IDE SNIT 01. NOVA SUBMISSÃO 02. ACTUALIZAÇÕES 03. VERIFICAÇÃO E COMPLETUDE 04. PREPARAÇÃO DE CONTEÚDOS 05. PREPARAÇÃO SERVIÇO DE REDE Tipificação Processo GRÁFICOS Serviços existentes Configuração do Registo na Dinâmica Prazos de vigência Parâmetros de Serviço Caracterização IGT Conformidade Rasterização Mensagem IGT Actualização de Associação a Metadados Georreferenciação Metadados conteúdos existentes Mosaicos Publicação na IDE no SNIT Validação SNIT 06. PROCESSOS COMPLEMENTARES Integração na CRUS

19 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

20 > Concretização CUP

21 Concretização (2007 a 2012) 1 Estratégia PlanoEstratégico SNIT Constituição Equipa Procedimentos Administrativos 2 Preparação informação IGT; PGU (Histórico);CUP e CRUS POAP PE/SNIT Contratação bens e serviços F1 SAMA Preparação conteúdos IGT (PDM+ PROT+PEOT+PU+PP) Preparação conteúdos CUP + CRUS Preparação conteúdos AH (PGU) F2 F3 F4 F5 Atualização conteúdos IGT (inclui serviços web) Atualização conteúdos CRUS e CUP (inclui serviços web) Atualização conteúdos AH (PGU) Portal OT/U (F1) Portal OT/U (F2) 3 Desenvolvimento aplicacional PORTAL OT/U e IDE/SNIT SIG/SNIT (F1) SIG/SNIT (F2) IDE/SNIT (F5) SIG/SNIT (F2) Acesso simples Acesso avançado WMS Manutenção evolutiva 4 Desenvolvimento plataformas colaborativas PCGT/PEC (F2) SSAIGT (F3) PCGT/PEC (F5) Norma metadados (MOTU) 5 Qualidade; normas e orientações técnicas PGQIT (F1) Norma e Modelo de Dados PDM Simbologias e convenções gráficas PDM Controle qualidade informação e plataforma DGT

22 Concretização ( ) Estratégia F6 F7 F8 Procedimentos Administrativos Atualização conteúdos IGT (inclui serviços web) 2.1 Atualização informação IGT; PGU (Histórico);CUP e CRUS 2.2 Preparação informação SRUP E GEOEQUIP 4 Desenvolvimento aplicacional PORTAL OT/U e IDE/SNIT Atualização conteúdos CRUS e CUP (inclui serviços web) Atualização conteúdos AH (PGU) Preparação conteúdos SRUP Atualização conteúdos SRUP (inclui serviços web) Preparação conteúdos Geoequip Atualização conteúdos Geoequip (inclui serviços web) Portal DGT (F6) IDE/SNIT comercialização serviços web SRUP (F6) 5 Desenvolvimento plataformas colaborativas Geoequipe (F6) Dashboard /Barómetro (F6) SSAIGT V. 2.0 Manutenção evolutiva Articulação PCGT/PEC e SSAIGT (F8) 6 Qualidade; normas e orientações técnicas Modelo Dados SRUP e Geoequip Controle qualidade informação e plataformas Simbologias e convenções gráficas SRUP e Geoequip DGT

23 > Concretização Disponibilização

24 > Concretização Disponibilização Plano Diretor Municipal (PDM) Plano de Urbanização (PU) 239 Plano de Pormenor (PP) 811 Programas Especiais Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) 7 4 Plano Intermunicipal de Ordenamento do Território (PIOT) 2 Total Em cerca de 1600 plantas Em mais de 6500 plantas Taxa de disponibilização dos IGT s através de serviços WMS: 95.3% (1) (1) Não incluídos os Instrumentos de Gestão Territorial que não se encontram depositados na DGT

25 > Concretização Disponibilização Designação GLOBAL WMS CRIADO IGT NÃO DEPOSITADO IGT SEM CONDIÇÕES PARA DISPONIBILIZAÇÃO SNIT Âmbito Nacional Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território (PNPOT) Programas Setoriais EM EXECUÇÃO BACKOFFICE Rede Natura Plano Nacional da Água Plano de Gestão das Bacias Hidrográficas (PGBH) Plano Rodoviário Nacional Plano Regional de Ordenamento Florestal (PROF) Programas Especiais Plano de Ordenamento de Áreas Protegidas (POAP) Plano de Ordenamento de Albufeiras de Águas Públicas (POAAP) Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) Âmbito Regional Plano Regional de Ordenamento do Território (PROT) Âmbito Intermunicipal Plano Intermunicipal de Ordenamento do Território (PIOT) Âmbito Municipal Plano Diretor Municipal (PDM) Plano de Urbanização (PU) Plano de Pormenor (PP) Medidas Preventivas de PU

26 > Concretização

27 > Concretização - Antes IDE/SNIT Consulta presencial na DGT ou na entidade responsável pela elaboração do IGT 3500 presenças anuais ano 2006 (IGT) - Antes SSAIGT Publicação DR + Envio DGT para depósito Tempo médio 60 dias - Antes PCGT/PEC Disponibilização só após solicitação por escrito à DGT Etapas Decisão da elaboração; revisão; IGT (Publicação DR) Entrada em vigor IGT (Publicação DR e depósito DGT) + Disponibilização IGT na IDE/SNIT Plataformas Acesso: DGT;CCDR; Público Acesso: AC; AR; AL (CM) Acesso: Público Produção Tempos médios 24 horas (disponibilização informação 10 a 6 dias úteis (inclui i a publicação, depósito e disponibilização e a criação de serviços web) 10 a 6 dias úteis

28 > Concretização Dados desde 1 de julho de 2011 até a 28 de setembro de 2015 Processos Submetidos % 1% 2% 36% Anulados DGT 51 37% Em validação DGT 17 Em validação INCM 10 Publicados/Depositados 775 Rejeitados DGT * 478 Rejeitados INCM %

29 > Concretização Carta do Regime de Uso do Solo A Carta do Regime de Uso do Solo (CRUS) é um produto de informação territorial oficial, de âmbito nacional, produzida pela DGT, e que tem por base o regime do uso do solo estabelecido nas cartas de ordenamento dos Planos Diretores Municipais (PDM) em vigor. A CRUS visa, para efeitos estatístico e de avaliação das políticas públicas, a uniformização das diversas classes dos usos do solo ao nível do continente.

30 > Concretização Carta do Regime de Uso do Solo

31 > Concretização Carta do Regime de Uso do Solo Regime dos Usos do Solo por Região 89,38 Solo Rural Solo Urbano Solo não Classificado 98,53% 92,03% 95,90% 90% 92,41% 86,23% NORTE Solo Rural 89,38 % Solo Urbano 10,59 % Sem Classificação 0,03 % CENTRO Solo Rural 92,03 % Solo Urbano 7,84 % Sem Classificação 0,13 % Solo Urbano ha 7.42% 10,59% 7,84% 13,54% 1,28% 3,85% 7,42% Norte Centro LVT Alentejo Algarve TOTAL National Regime Usos do Solo Solo não Classificado ha 0.22% Solo Rural ha 92,41% LVT Solo Rural 86,23 % Solo Urbano 13,54 % Sem Classificação 0,23 % Solo Rural 98,53 % ALENTEJO Solo Urbano 1,28 % Sem Classificação 019% 0,19 ALGARVE Solo Rural 95,90 % Solo Urbano 3,85 % Sem Classificação 0,24 %

32 > Concretização Carta das Unidades de Paisagem CUP Caracteriza a Paisagem em Portugal Continental através da identificação de 128 unidades de paisagem, associadas em 22 grupos. A CUP, produzida à escala 1/ , foi elaborada com base em fatores físicos como a geologia, a geomorfologia, os solos e o clima

33 > Concretização Servidões e Restrições de Utilidade Pública Carta produzida pela DGT, que visa a delimitação georreferenciada de cada uma das servidões e restrições em vigor, associando à sua expressão cartográfica a descrição das respetivas normas habilitantes e demais atributos relevantes de caracterização. Informação foi sendo recolhida internamente desde meados Informação referente a 72 tipos de servidão.

34 > Concretização Servidões e Restrições de Utilidade Pública

35 > Concretização Equipamentos Públicos de Utilização Coletiva (GEOEQUIP) Domínio N.º de Equipamentos Finanças 339 Justiça 844 Saúde 2453 Segurança Pública 822 Administração Pública 2245 Educação e Ensino Segurança Social 2857 Comércio 5 Cultura e Lazer 27 Defesa 6 Desporto 77 Emprego e Formação Profissional 835 Turismo 9 Sem domínio 63 Total 23600

36 > Concretização Licenciamento Zero - Planta de Localização DL n.º 169/2012, de 1 de agosto de 2012

37 Infraestrutura Objetivos Concretização 2015 Enquadramento Resultados

38 > Resultados Ordenamento do Território e Urbanismo: Permite ao cidadão o acesso na hora aos Instrumentos de Gestão Territorial (IGT) em vigor, designadamente peças gráficas (planos territoriais) e respetivas peças escritas (diplomas legais e relatórios); Promove a divulgação de regras/normas e orientações para as entidades que tem competência na elaboração dos IGT (entidades públicas) e empresas desta área que executam esta tarefa mediante a contratação de serviços pelo Estado. Eficiência iê i e eficácia i dos serviços: Eliminados os tempos de circulação dos processos físicos entre entidades, possibilitando a consulta imediata do estado de cada procedimento de gestão territorial em curso; Reduzidos os encargos financeiros com a circulação dos processos em suporte analógico (papel), através da eliminação de passos e a redução dos recursos humanos que seriam necessários no molde tradicional.

39 > Resultados Boas práticas de modernização administrativa: Desmaterialização tão esperada dos IGT (peças escritas e gráficas); Estabelecimento de critérios de qualidade da informação territorial disponível ao publico; Boa governança, por via da difusão da informação através de plataformas colaborativas, possibilitando a interação e participação vertical e horizontal de todos os interessados nas matérias OT&U. Boas práticas em tecnologias IDE: Cumprimento das iniciativas no âmbito europeu e internacional dirigidas à harmonização da informação geográfica e à criação de infra-estruturas de dados espaciais (INSPIRE, OGC, CEN, ISO); Desenvolvendo soluçõesinovadoras capazes degerar valor.

40 Muito obrigado pela atenção Carlos Simões Direção-Geral do Território Artilharia Um, n.º 107, Lisboa Telefone: (+351)

Uma visão geral. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território

Uma visão geral. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território Sistema Nacional de Informação Territorial Uma visão geral Francisco M. Sequeira Direção Geral do Território fsequeira@dgterritorio.pt 1 ENQUADRAMENTO EOBJETIVOS 2 ÁREAS /PROJETOS 3 EVOLUÇÃO 4 INFRAESTRUTURA

Leia mais

O contributo do Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT) para o Ordenamento do Território

O contributo do Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT) para o Ordenamento do Território Geospatial 2013 World Tour - Lisboa O contributo do Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT) para o Ordenamento do Território Direção Geral do Território Divisão de Ordenamento e Planeamento do

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Seminário técnico Sistema Nacional de Informação ç Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial:

Leia mais

WORKSHOP 6. Geoportal SDI/SNIT. Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território

WORKSHOP 6. Geoportal SDI/SNIT. Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo. Francisco M. Sequeira. Direção Geral do Território WORKSHOP 6 Geoportal SDI/SNIT Uma referência na área do Ordenamento do Território e Urbanismo Francisco M. Sequeira Direção Geral do Território fsequeira@dgterritorio.pt Etapas Decisão da elaboração; revisão;

Leia mais

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e

Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e Apresentação para o Grupo Transversal da Área Metadados do SNIG Lisboa, 16 de Maio de 2011 O Perfil MOTU Enquadramento, âmbito de aplicação, antecedentes e ponto de situação sobre o seu desenvolvimento

Leia mais

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz;

A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território. AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; A relevância da Carta do Regime do Uso do Solo no Ordenamento do Território AFONSO, Luisa; FRANÇA, Luz; Ordenamento do Território Conceito História i e Desenvolvimento Enquadramento Metodologia CRUS e

Leia mais

Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT)

Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT) Sistema Nacional de Informação Territorial (SNIT) Regina Pimenta, Directora de Serviços de Informação Territorial (DSI), DGOTDU Logo preto e branco I Conceito: O que é o SINT; Objectivos; Finalidades e

Leia mais

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014

O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo. Abril, 2014 O novo Regime da Política de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo Abril, 2014 Porquê uma nova Lei? 1. A atual Lei de Solos data de 1976, encontra-se obsoleta face à atual conjuntura socioeconómica

Leia mais

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS

PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS PLANOS DE ORDENAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS PONTO DE SITUAÇÃO E PERSPETIVAS FUTURAS NORTE TERRITÓRIO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL EGIONAL O NOVO NOVO RJIGT 13 de julho de 2015 o O planeamento nas áreas protegidas

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS NA DGOTDU Direcção Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano Gabinete do Director-Geral Índice 1. Introdução 2. Perfil da DGOTDU como organização 3. Identificação das vulnerabilidades 4. Programa

Leia mais

Que desígnios ou ambições para a nossa terra?

Que desígnios ou ambições para a nossa terra? Que desígnios ou ambições para a nossa terra? BASE LOCAL Conferência RECURSOS E ECONOMIA Painel 2 Território e Recursos Tema ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Fernando Pau-Preto fernando@paupreto.net www.paupreto.net

Leia mais

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015

Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Diretiva INSPIRE CONTRIBUTOS PARA O SISTEMA DE MONITORIZAÇÃO TERRITORIAL NA REGIÃO NORTE BRAGA 26 DE NOVEMBRO DE 2015 As fontes As fontes SOLO URBANO SOLO RURAL R F C N PU / PP INFRAESTRUTURAIS ACOLHIMENTO

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

A plataforma igeo desenvolve-se em três vertentes essenciais: a) Um diretório de Web Services e dados de base de cariz georreferenciado;

A plataforma igeo desenvolve-se em três vertentes essenciais: a) Um diretório de Web Services e dados de base de cariz georreferenciado; igeo Plataforma online de informação geográfica de Portugal SEQUEIRA, Francisco M. A iniciativa igeo, disponível em http://www.igeo.pt, é uma plataforma online de informação geográfica relativa a Portugal,

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão)

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) 1ª Alteração PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DE PAÇÔ (3ª revisão) M U N I C Í P I O D E A R C O S D E V A L D E V E Z D I V I S Ã O D E D E S E N V O L V I MENTO E C O N Ó M I C O E U R B A N I

Leia mais

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015

Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro. Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Seminário técnico Sistema Nacional de Informação Territorial: Presente e Futuro Direção-Geral do Território, Lisboa, 29 de setembro de 2015 Sistema de Informação oficial, de âmbito nacional, que presta

Leia mais

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO

RELATÓRIO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO PLANO DIRETOR MUNICIPAL DE ODIVELAS FASE PROPOSTA DE PLANO VERSÃO PARA DISCUSSÃO PÚBLICA NOVEMBRO 2014 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO 3 2. ENQUADRAMENTO DO PROCESSO DE CONCERTAÇÃO 7 3. ALTERAÇÕES AOS ELEMENTOS

Leia mais

Seminário sobre Diretiva INSPIRE A interoperabilidade e a Diretiva INSPIRE na perspetiva Intergraph

Seminário sobre Diretiva INSPIRE A interoperabilidade e a Diretiva INSPIRE na perspetiva Intergraph Seminário sobre Diretiva INSPIRE A interoperabilidade e a Diretiva INSPIRE na perspetiva Intergraph Intergraph Corporation Security, Government, and Infrastructure Division (Geospatial Business Unit) Carlos

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

EFICÁCIA PESO: 65% EFICIÊNCIA PESO: 20% Data: 2015.09.24 Versão: V2 ANO: 2015. Ministério da Agricultura e do Mar. Designação do Serviço Organismo:

EFICÁCIA PESO: 65% EFICIÊNCIA PESO: 20% Data: 2015.09.24 Versão: V2 ANO: 2015. Ministério da Agricultura e do Mar. Designação do Serviço Organismo: ANO: 2015 Data: 2015.09.24 Versão: V2 Ministério da Agricultura e do Mar Designação do Serviço Organismo: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, I.P. Missão: MISSÃO: Propor, acompanhar e

Leia mais

Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS:

Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS: INDICE FAQ Plataformas ESRI - Procedimento para adicionar tema WMS (Web Map Server) em ArcGIS: É possível aceder aos serviços de mapas (WMS) em ArcGIS do seguinte modo: Criar a ligação: em ambiente ArcCatalog,

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente

A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Workshop - Regulamentação da cartografia a utilizar nos instrumentos de gestão territorial A cartografia nos planos municipais de ordenamento do território - experiência recente Luis Rebolo ESTRUTURA DA

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

CONTEÚDOS FUNCIONAIS:

CONTEÚDOS FUNCIONAIS: CONTEÚDOS FUNCIONAIS: Ref.ª A) TÉCNICO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO AMBIENTE Realizar análises, estudo e emissão de pareceres dos assuntos que lhe são submetidos, tendo como base as melhores praticas legais

Leia mais

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU

Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Francisco Pires de Morais, arquiteto DSOT/DPGU Consultas a Entidades da Administração Central no âmbito do RJUE Portal do SIRJUE Maior Eficácia e maior rapidez Correta análise e submissão do processo Procedimentos:

Leia mais

Nome: João Pedro Contente Godinho Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 08 de Out. de 1976 FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL

Nome: João Pedro Contente Godinho Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 08 de Out. de 1976 FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL INFORMAÇÃO PESSOAL Nome: João Pedro Contente Godinho Nacionalidade: Portuguesa Data de Nascimento: 08 de Out. de 1976 e-mail: JPCGodinho@gmail.com FORMAÇÃO ACADÉMICA E PROFISSIONAL 2011 Frequência de Doutoramento

Leia mais

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira

Situação actual na protecção do património geológico. Paulo Pereira Situação actual na protecção do património geológico Paulo Pereira o que é o património geológico? Elementos da geodiversidade Parte do património natural Ameaçado e não renovável Primeiras iniciativas

Leia mais

Balanço Social. Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P.

Balanço Social. Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. 203 Balanço Social Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Índice Índice.... Introdução... 3.. O Balanço Social... 3.2. Apresentação do IPDJ... 4.2.. Enquadramento legal e atribuições... 4.3.Organização

Leia mais

ESTATUTO 10 de setembro de 2014

ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTATUTO 10 de setembro de 2014 ESTRUTURA ORGÂNICA A Escola Artística e Profissional Árvore é um estabelecimento privado de ensino, propriedade da Escola das Virtudes Cooperativa de Ensino Polivalente

Leia mais

REGIÕES FUNCIONAIS, RELAÇÕES URBANO-RURAIS E POLÍTICA DE COESÃO PÓS-2013

REGIÕES FUNCIONAIS, RELAÇÕES URBANO-RURAIS E POLÍTICA DE COESÃO PÓS-2013 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL 13 Novembro 2012 REGIÕES FUNCIONAIS, RELAÇÕES URBANO-RURAIS E POLÍTICA DE COESÃO PÓS-2013 João Ferrão (coord.) João Mourato Luís Balula Olívia Bina Instituto de Ciências Sociais

Leia mais

Informação oficial EDITAL N.º 24/2014 EDITAL N.º 39/2014 Sines, 15 de maio de 2014. Nuno José Gonçalves Mascarenhas, presidente da Câmara Municipal de Sines, ao abrigo do n.º 1 do art.º 56.º da Lei 75/2013

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22

MANUAL DA QUALIDADE MQ_v5 MANUAL DA QUALIDADE. FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 MANUAL DA QUALIDADE FORM_001_v1 [Este documento depois de impresso constitui uma cópia não controlada] Página 1 de 22 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Promulgação... 4 1.2 Âmbito e campo de aplicação do SGQ...

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR 944 Diário da República, 1.ª série N.º 24 4 de fevereiro de 2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 18/2014 de 4 de fevereiro O Decreto -Lei n.º 86 -A/2011, de 12 de julho, estabeleceu,

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO. 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 3812 Diário da República, 1.ª série N.º 138 18 de julho de 2012 Artigo 11.º Norma revogatória É revogado o Decreto Regulamentar n.º 21/2007, de 29 de março, alterado pelo Decreto -Lei n.º 273/2007, de

Leia mais

Especificações anexas ao Alvará nq 057/2012

Especificações anexas ao Alvará nq 057/2012 2 7 Especificações anexas ao Alvará nq 057/2012 O presente Alvará é concedido à empresa João Manuel Carvalho Dias, Lda, na sequência do licenciamento ao abrigo do artigo 32Q do Decreto-Lei n.g 178/2006,

Leia mais

Ordenamento do Espaço Rural

Ordenamento do Espaço Rural Ordenamento do Espaço Rural Ano lectivo 2005/2006 Capítulo 4 Ordenamento do Espaço Rural 1 4.1 A Política Nacional de Ordenamento do Território 2 Ordenamento do Território Assenta no sistema de gestão

Leia mais

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0

manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 manual de gestão da qualidade Código: MGQ.01 π Revisão: 0 ÍNDICE 4 CAPÍTULO 1 estrutura 4 1. Objetivo e campo de aplicação 5 2. Organização 5 3. Preparação e aprovação 5 4. Revisão, atualização e edição

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO E MUNICÍPIO DO BARREIRO 1 Entre: O Município do Barreiro pessoa coletiva de direito público com o nº 506673626 com sede no

Leia mais

Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF

Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF Palestra Conheça o Natural.PT por João Carlos Farinha (DGACPPF/DVAC) 16 de abril 2015 Ciclo de Palestras ENCONTROS COM O ICNF Sede do ICNF, Lisboa, às quintas (14H-14H30) Foto: Pedro Soares O objetivo

Leia mais

Por uma Administração Pública em Tempo Real

Por uma Administração Pública em Tempo Real Por uma Administração Pública em Tempo Real 22 de Março de 2012 Auditório B, Reitoria UNL Patrocínio Principal Outros Patrocinadores Apoios Patrocinadores Globais APDSI Conferência Por uma Administração

Leia mais

Ministério do Urbanismo e do Ambiente

Ministério do Urbanismo e do Ambiente Ministério do Urbanismo e do Ambiente Conselho de Ministros Decreto n.º 2/06 de 23 de Janeiro Com a aprovação da Lei do Ordenamento do Território e do Urbanismo criaramse as condições para a implantação

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

CARTA DE MISSÃO Departamento: Organismo/Serviço: Cargo: Titular: Período da Comissão de Serviço: 1. Missão do organismo:

CARTA DE MISSÃO Departamento: Organismo/Serviço: Cargo: Titular: Período da Comissão de Serviço: 1. Missão do organismo: CARTA DE MISSÃO Departamento: Secretaria Regional dos Recursos Naturais Organismo/Serviço: Direção Regional do Ambiente Cargo: Diretor Regional do Ambiente Titular: Hernâni Hélio Jorge Período da Comissão

Leia mais

Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana

Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana Programação e Execução das Operações de Reabilitação Urbana Conferência Reabilitação Urbana e Arrendamento Oportunidades do novo regime jurídico Lisboa, 7 de Março de 2013 Claudio Monteiro Sumário Linhas

Leia mais

NOTA INFORMATIVA. O acompanhamento e a monitorização técnica da execução do Compromisso cabe ao Instituto da Construção e do Imobiliário (InCI).

NOTA INFORMATIVA. O acompanhamento e a monitorização técnica da execução do Compromisso cabe ao Instituto da Construção e do Imobiliário (InCI). NOTA INFORMATIVA Execução do Compromisso para a Competitividade Sustentável do Sector da Construção e do Imobiliário, celebrado entre o Governo e a CPCI Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário,

Leia mais

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT

Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Guião Orientador sobre a metodologia de abordagem dos transportes nos PMOT Luís Jorge Bruno Soares António Perez Babo Robert Stussi Maria Rosário Partidário Bruno Lamas brunosoares@brunosoaresarquitectos.pt

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 17/04/2009, 14/08/2009, 20/04/2010, 4/04/2011, 30/01/2012 e 20/03/2012 EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL ENTRADA EM VIGOR EM 21/03/2012

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projetos e Despesas TIC FAQ Folha de Controlo Nome do Documento: FAQs Evolução do Documento Versão Autor Data Comentários

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO PLANO DE PORMENOR DO DALLAS PROGRAMA DE EXECUÇÃO PLANO DE FINANCIAMENTO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

Leia mais

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação

ÍNDICE ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA. 3.1 História. 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação ÍNDICE 1. ÍNDICE 2. PROMULGAÇÃO 3. DESCRIÇÃO DA ESCOLA 3.1 História 3.2 Objetivo e Domínio da Certificação 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Processos 4.2 Requisitos da Documentação 4.3 Controlo dos

Leia mais

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos

CIRCULAR. N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15. ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos CIRCULAR N.Refª: 98/2015 Data: 02/12/15 ASSUNTO: ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 2/2015 Projetos de Formação-Ação Modalidade Projetos Conjuntos Exmos. Senhores, No seguimento da publicação do Aviso 34/SI/2015 e

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março

Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março Portaria n.º 376/2007 de 30 de Março O Decreto-Lei n.º 96/2007, de 29 de Março, definiu a missão e atribuições do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I. P., abreviadamente

Leia mais

Acesso à informação geográfica através do SNIG e da iniciativa IGEO. Direção-Geral do Território Paulo Patrício

Acesso à informação geográfica através do SNIG e da iniciativa IGEO. Direção-Geral do Território Paulo Patrício Acesso à informação geográfica através do SNIG e da iniciativa IGEO Direção-Geral do Território Paulo Patrício Serviços de Conjuntos de Dados Geográficos Serviços de Conjuntos de Dados Geográficos: informação

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA 300.35.01 Segurança Privada CIRCULAR N.º10 /SP/2014 23-05-2014 ASSUNTO: REGISTO PRÉVIO PROCEDIMENTOS E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Referências: - Lei n.º 34/2013, de 16 de maio - Portaria n.º 272/2013, de 20

Leia mais

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020

EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 RelatóriodaPonderaçãodoProcessodeDiscussãoPúblicada EstratégiaNacionalparaoMar2013-2020 Relatório da Ponderação do processo de Discussão Pública da Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 1. Introdução

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão e Visão A Missão da Parque Expo consiste na promoção da qualidade da vida urbana e da competitividade do território. Para cumprimento desta Missão, a empresa realiza operações

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016. Série. Número 14 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 Série Suplemento Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 2/2016/M Fixa o Valor do Metro Quadrado

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO E A CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Entre: O MUNICÍPIO DA LOUSÃ, pessoa coletiva n.º 501121528, com sede na Vila da Lousã, neste

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO-PILOTO DE INTEGRAÇÃO DOS ATRIBUTOS PROFISSIONAIS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS NO SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ATRIBUTOS PROFISSIONAIS (SCAP) Entre:

Leia mais

Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas. Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt

Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas. Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt Determinação da Aptidão para a Prática de Desportos de Natureza em Áreas Protegidas Luís Quinta-Nova lnova@ipcb.pt Enquadramento Decreto-Lei n.º 108/2009, de 15 de Maio - Enquadramento legal das atividades

Leia mais

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana

MANUAL DE APOIO. Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas de Reabilitação Urbana e de Operações de Reabilitação Urbana Abril de 2013 MANUAL DE APOIO Processos de delimitação e de aprovação de Áreas

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa

PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa PROJETO DE REGULAMENTO DO SISTEMA DA INDÚSTRIA RESPONSÁVEL (SIR) Nota justificativa A Lei nº 169/2012, de 1 de agosto, que entrou em vigor no dia 31 de março de 2013, criou o Sistema da Indústria Responsável

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA

RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA NORAS SIl~ &YlARRO DO VALE SOCIEDADE DE REVISORES OFICIAIS DE CONTAS RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA NO EXERCíCIOFINDO EM 31 DE DEZEMBRODE 2012 lo INTRODUÇÃO Nos termos e para os efeitos do disposto no

Leia mais

PLANO DE TRANSPORTES ESCOLARES - ANO LECTIVO 2015/2016

PLANO DE TRANSPORTES ESCOLARES - ANO LECTIVO 2015/2016 PLANO DE TRANSPORTES ESCOLARES - ANO LECTIVO 2015/2016 Introdução A educação é hoje reconhecida como um dos principais fatores de progresso das sociedades modernas, pelo que compete ao Estado a construção

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social

Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social Ter, 02 de Junho de 2009 18:38 Administrador REPÚBLICA DE ANGOLA Conselho de Ministros Decreto-lei nº 8 /07 de 4 de

Leia mais

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Orçamento Participativo de Vendas Novas Preâmbulo A participação dos cidadãos na gestão dos destinos de uma autarquia é uma abertura necessária à sociedade. As autarquias, sendo o poder

Leia mais

Decreto-Lei n.º 380/99 de 22 de Setembro* Estabelece o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial.

Decreto-Lei n.º 380/99 de 22 de Setembro* Estabelece o regime jurídico dos instrumentos de gestão territorial. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 380/99, de 22 de Setembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 53/2000, de 7 de Abril, e pelo Decreto-Lei n.º 310/2003,

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO CONTRIBUTOS PARA O REGIME ECONÓMICO-FINANCEIRO DO SOLO E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Estudo de Caso do Plano de Urbanização da Unidade de Planeamento 11 (Lagoa) Emília Malcata Rebelo 1 ÍNDICE CAPÍTULO 1.

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 18 de maio de 2016. Série. Número 89 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de maio de 2016 Série Sumário SECRETARIAS REGIONAIS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EDUCAÇÃO Portaria n.º 211/2016 Primeira alteração

Leia mais

REFERÊNCIA: Processo número zero seis DAGF barra SC de Dois Mil e Catorze. ---------

REFERÊNCIA: Processo número zero seis DAGF barra SC de Dois Mil e Catorze. --------- REUNIÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM, DE VINTE E QUATRO DE ABRIL DE DOIS MIL E CATORZE ---------------------------- -- Aos vinte e quatro dias do mês de março de dois mil e catorze,

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

EUE 2012 10º Encontro Utilizadores Esri Portugal I Os SIG e a Arte de Ser Português I 14 e 15 de março de 2012 Centro de Congressos de Lisboa

EUE 2012 10º Encontro Utilizadores Esri Portugal I Os SIG e a Arte de Ser Português I 14 e 15 de março de 2012 Centro de Congressos de Lisboa O Sistema Nacional de Informação Geográfica (SNIG) no contexto da implementação da Directiva INSPIRE (Infrastructure for Spatial Information in Europe) João GEIRINHAS Direção de Serviços de Investigação

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Plano para a igualdade de género 2014-2016

Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género Índice página 3 ÍNDICE 05 1 ENQUADRAMENTO 06 2 CARACTERIZAÇÃO DA INCM 07 3 SÍNTESE

Leia mais

P R O V E D O R D E J U S T I Ç A

P R O V E D O R D E J U S T I Ç A PLANO DE ATIVIDADES 2013 INTRODUÇÃO 1. A definição dos objetivos estratégicos e operacionais das organizações traduz um importante instrumento de trabalho do ciclo anual de gestão. As prioridades agora

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER

GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER GUIA DE LICENCIAMENTO DAS ZONAS EMPRESARIAIS RESPONSÁVEIS - ZER OUTUBRO 2015 Índice GLOSSÁRIO... 3 1. BREVE HISTORIAL LEGISLATIVO... 4 1.1. Principais alterações introduzidas pela revisão do Sistema da

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR)

FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) FAQ Sistema de Informação do Licenciamento de Operações de Gestão de Resíduos (SILOGR) 1. O que é o SILOGR?... 2 2. O que mudou no novo SILOGR?... 2 3. Como posso pesquisar no SILOGR os estabelecimentos

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA REFERENTE AO ANO CIVIL DE 2013. PONTO DE SITUAÇÃO REFERENTE ÀS ACTIVIDADES PLANEADAS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA REFERENTE AO ANO CIVIL DE 2013. PONTO DE SITUAÇÃO REFERENTE ÀS ACTIVIDADES PLANEADAS RELATÓRIO DE ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE GESTÃO ACADÉMICA REFERENTE AO ANO CIVIL DE 2013. PONTO DE SITUAÇÃO REFERENTE ÀS ACTIVIDADES PLANEADAS 1. Promover o alargamento da tipologia das certidões disponibilizadas

Leia mais

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público

Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal. Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Município de Vila Nova de Poiares Câmara Municipal Regulamento de Beneficiação de Pequenos Espaços do Domínio Público Nota Justificativa A beneficiação e promoção dos pequenos espaços do domínio público

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ CONTRATO PARA PLANEAMENTO

CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ CONTRATO PARA PLANEAMENTO CONTRATO PARA PLANEAMENTO ENTRE: MUNICÍPIO DE LOULÉ, pessoa coletiva n.º 502098139, com sede na Praça da República, em Loulé, neste ato representado por Sebastião Francisco Seruca Emídio, na qualidade

Leia mais

Gestão de Complexos Desportivos

Gestão de Complexos Desportivos Gestão de Instalações Desportivas Gestão de Complexos Desportivos Módulo 5 Curso profissional de técnico(a) de L/O/G/O apoio à gestão desportiva ÍNDICE 1. Complexos desportivos 1.1. Definição 1.2. Tipologias

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL

Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Sistema Nacional de Certificação Energética de Edifícios (SCE) Paulo Santos / ADENE PORTUGAL Inmetro, Brasil, 14 e 15 de Maio 2012 ÍNDICE ADENE - Apresentação Enquadramento e introdução ao SCE Formação

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201

Separata BTE, n.º 5, 28/11/2014 SEPARATA. N. o 5 28 novembro 201 SEPARATA N. o 5 28 novembro 201 Propriedade Ministério d Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Centro de Informação e Documentação PROPOSTA DE DECRETO-LEI QUE ESTABELECE O REGIME DE REGULAÇÃO DO

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2013 809

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2013 809 Diário da República, 2.ª série N.º 5 8 de janeiro de 2013 809 Regional do Alentejo (CCDRAlentejo), Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDRAlgarve), Instituto de Financiamento

Leia mais

CCDR-LVT. Perspectivas de Desenvolvimento

CCDR-LVT. Perspectivas de Desenvolvimento CCDR-LVT Processo de Informatização Perspectivas de Desenvolvimento Linhas Estratégicas A. Integração Lógica e Funcional do Sistema de Informação B. Normalização, Racionalização e Potenciação dos Circuitos

Leia mais

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal

Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Revisão do Plano Diretor Municipal de Alandroal Fase 4 Plano Diretor Municipal Relatório de Ponderação da Discussão Pública Junho 2015 E17133 RR - Planning, Lda. Av. Gomes Freire, n.º 18 2760 066 Caxias

Leia mais