2.4 (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) SIMULAÇÃO DO PERFIL DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DAS UNIV 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.4 (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) SIMULAÇÃO DO PERFIL DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DAS UNIV 1."

Transcrição

1 1 Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato 1.1 Perfil dos servidores envolvidos no acompanhamento do contrato 1.2 Dimensionamento da equipe envolvida no acompanhamento do contrato 2 Práticas voltadas para o aumento da eficiência Energética 2.1 Sistema de Monitoramento do consumo de EE 2.2 Projeção da demanda de EE 2.3 Base de dados com séries históricas de consumo e gasto de EE 2.4 Existência de Comissão/Grupo voltados para eficiência energética (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) 3 Infra-Estrutura da Rede Elétrica (rede/equipamentos) 3.1 Estado de conservação da rede 3.2 Estado de conservação dos equipamentos 3.3 Capacidade instalada em relacão a demanda existente 4 Serviço de Manutenção 4.1 Dimensionamento do pessoal de manutenção elétrica 4.2 Capacitação do pessoal de manutenção elétrica 4.3 Tempo de atendimento 4.4 Capacidade de resolucão de problemas SIMULAÇÃO DO PERFIL DE AVALIAÇÃO DA GESTÃO DAS UNIV 1 CRITÉRIO 1. Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato 1.1 Perfil dos servidores envolvidos no acompanhamento do contrato 1.2 Dimensionamento da equipe envolvida no acompanhamento do contrato 2 Práticas voltadas para o aumento da eficiência Energética 2.1 Sistema de Monitoramento do consumo de EE 2.2 Projeção da demanda de EE Excelente 2.3 Base de dados com séries históricas de consumo e gasto de EE Existência de Comissão/Grupo voltados para eficiência energética 2.4 (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) 3 Infra-Estrutura da Rede Elétrica (rede/equipamentos) 3.1 Estado de conservação da rede 3.2 Estado de conservação dos equipamentos 3.3 Capacidade instalada em relação a demanda existente 4 Serviço de Manutenção 4.1 Dimensionamento do pessoal de manutenção elétrica 4.2 Capacitação do pessoal de manutenção elétrica 4.3 Tempo de atendimento 4.4 Capacidade de resolução de problemas

2 A GESTÃO DAS UNIV 1 Ótimo 100 Bom Regular 0 Ruim

3 1 Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato 1.1 Perfil dos servidores envolvidos no acompanhamento do contrato Dimensionamento da equipe envolvida no acompanhamento do contrato Práticas voltadas para o aumento da eficiência Energética Sistema de Monitoramento do consumo de EE Projeção da demanda de EE Base de dados com séries históricas de consumo e gasto de EE Existência de Comissão/Grupo voltados para eficiência energética (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) Infra-Estrutura da Rede Elétrica (rede/equipamentos) Estado de conservação da rede Estado de conservação dos equipamentos Capacidade instalada em relacão a demanda existente Serviço de Manutenção Dimensionamento do pessoal de manutenção elétrica Capacitação do pessoal de manutenção elétrica 4.3 Tempo de atendimento Capacidade de resolucão de problemas -20 ENER

4 ENERGIA ELÉTRICA - ANÁLISE COMPARADA DAS IFES Bom Neutro UNIV 1 UNIV 2 UNIV 3 UNIV B N U U U U

5 A DAS IFES Bom Neutro UNIV 1 UNIV 2 UNIV 3 UNIV

6 1 Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato 1.1 Perfil dos servidores envolvidos no acompanhamento do contrato Dimensionamento da equipe envolvida no acompanhamento do contrato Práticas voltadas para o aumento da eficiência Energética Sistema de Monitoramento do consumo de EE Projeção da demanda de EE Base de dados com séries históricas de consumo e gasto de EE Existência de Comissão/Grupo voltados para eficiência energética (regulação, representatividade, composição, atribuições, posição organizacional) Infra-Estrutura da Rede Elétrica (rede/equipamentos) Estado de conservação da rede Estado de conservação dos equipamentos Capacidade instalada em relacão a demanda existente Serviço de Manutenção Dimensionamento do pessoal de manutenção elétrica Capacitação do pessoal de manutenção elétrica 4.3 Tempo de atendimento 4.4 Capacidade de resolucão de problemas PONTUAÇÃO EN

7 PONTUAÇÃO Bom Neutro UNIV 5 UNIV 6 UNIV ENERGA ELÉTRICA - ANÁLISE COMPARADA DAS IFES

8 RADA DAS IFES Bom Neutro UNIV 5 UNIV 6 UNIV

9 CRITÉRIOS Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato Práticas voltadas para o aumento da eficiência Energética Infra-Estrutura da Rede Elétrica (rede/equipamentos) Serviço de Manutenção AVALIAÇÃO GLOBAL

10 AVALIAÇÃO PARCIAL UNIV. 1 UNIV. 2 UNIV. 3 UNIV. 4 UNIV. 5 UNIV. 6 UNIV. 7 18,4-11,3 23,2 27,0 18,4 7,0 7,0 8,4-11,2 15,6 5,7 8,7 8,7 16,9 3,4 0,0 6,6 15,4 20,4 10,0-2,6 5,9 0,0 12,6 7,9 8,3-8,6-3,

11 Distribuição de Pesos entre os 4 Princiapis Critérios da Gestão de Energia Elétrica

12

13

14

15

Ordenação dos Critérios

Ordenação dos Critérios Ordenação dos Critérios Grau de Importância SAGEM Coleta das IFES Critérios 1 100 1 Qualidade do serviço no acompanhamento do contrato 2 40 1.1 Perfil dos servidores envolvidos no acompanhamento do contrato

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão SOF / SPI / DEST. Espelho da Despesa Plurianual 3,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,00

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão SOF / SPI / DEST. Espelho da Despesa Plurianual 3,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 2,00 Tipo Detalhamento: 1 - Demais Despesas Discricionárias Programa: 2119 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério de Minas e Energia 13E6 - Construção do Edifício Sede da ANEEL Tipo Projeto Localizador

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural. Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com. COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Ar Condicionado e Cogeração a Gás Natural Alexandre Breda Gerente de Climatização e Cogeração abreda@comgas.com.br - Outubro 2009-1 1 AGENDA 1. Up to Date Ar Condicionado

Leia mais

Geração, Transmissão e Distribuição de EE

Geração, Transmissão e Distribuição de EE Geração, Transmissão e de EE Instalações Elétricas Profs. Alexandre Mota / Lia Mota 1 o Semestre de 2011 ENERGIA 2 Muitas formas de energia na natureza: térmica, luminosa, cinética e potencial (energia

Leia mais

TESTE. Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? POLÍTICA DE SEGURANÇA. 2. Algum responsável pela gestão da política de segurança?

TESTE. Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? POLÍTICA DE SEGURANÇA. 2. Algum responsável pela gestão da política de segurança? TESTE Sua empresa está em conformidade com a ISO 27002? O objetivo do teste tem cunho prático e o objetivo de auxiliá-lo a perceber o grau de aderência de sua empresa em relação às recomendações de Segurança

Leia mais

Design de Sistemas Fotovoltaicos. Apresentação do Curso

Design de Sistemas Fotovoltaicos. Apresentação do Curso Design de Sistemas Fotovoltaicos Apresentação do Curso Sobre a Blue Sol A Blue Sol Energia Solar foi criada em 2008 com a finalidade de se especializar em soluções em energia solar e distribuição de produtos

Leia mais

Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização

Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização Gestão Processos para a tomada de decisão em uma Organização Palestrante: André Luis Sermarini Gerente Depto Desenvolvimento Organizacional ISA CTEEP Cia da Transmissão de Energia Elétrica Paulista Histórico

Leia mais

SENAI como plataforma para capacitação e serviços tecnológicos em biogás Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki

SENAI como plataforma para capacitação e serviços tecnológicos em biogás Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki SENAI como plataforma para capacitação e serviços tecnológicos em biogás Rodrigo Augusto F.O. Zawadzki SENAI. Nosso i é de indústria. Área de Atuação Aprendizagem Qualificação Profissional Treinamento

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 01/12/2003. INFRA-ESTRUTURA Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 7 Pág: 1/1 INFRA-ESTRUTURA Esta seção agrupa todos os componentes que se relacionam à gestão e à manutenção da infra-estrutura da organização. Subseções atuais: Gestão de Projetos

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO Proben Esplanada ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E A UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS,

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA

AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E RECURSOS HUMANOS - SEMA TERESINA 2013 AYLA SÂMYA SOUSA SOBRINHO O PRINCÍPIO DA EFICIÊNCIA NA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Roteiro. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões 27/10/2011. Histórico. Conceitos. Princípios. Dimensões. Pegada ecológica.

Roteiro. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões 27/10/2011. Histórico. Conceitos. Princípios. Dimensões. Pegada ecológica. Desenvolvimento Sustentável: Conceitos e dimensões Out/2011 Roteiro Histórico Conceitos Princípios Dimensões Pegada ecológica TI Verde Cidades Sustentáveis 1 Paradigma do desenvolvimento O desenvolvimento

Leia mais

Portal de Memória Técnica

Portal de Memória Técnica Portal de Memória Técnica 1. INTRODUÇÃO A atividade de consultoria é valorizada devido à vasta experiência em diversos cenários e culturas. Muitas vezes o serviço ou produto é o mesmo, no entanto a prática

Leia mais

REDES LEEN DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COBEE 2015. Tecnologia e Sustentabilidade na Construção Civil. Todos os direitos reservados

REDES LEEN DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COBEE 2015. Tecnologia e Sustentabilidade na Construção Civil. Todos os direitos reservados REDES LEEN DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA COBEE 2015 1 Expandir oferta x reduzir consumo 9 9 Barreiras 10 10 Ideia Redes de Eficiência Energética LEEN GmbH (Learning Energy Efficiency Networks) PSR Spinoff do

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Programa de Gestão Estratégica

Universidade Federal de Goiás Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Programa de Gestão Estratégica Missão: "Formar profissionais críticos, atuantes e capazes de contribuir desenvolvimento científico e tecnológico no Brasil e no mundo, através da pesquisa científica, ensino de qualidade e extensão na

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd

www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd www.tese.org.pt www.facebook.com/tese.ongd www.linkedin.com/in/teseongd Energias Renováveis e o Desenvolvimento Social 1. Apresentação da Instituição 2. Projectos da Área das Energias Renováveis e Impactes

Leia mais

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade?

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? CAMPANHA DE QUEM É A RESPONSABILIDADE? Início da Campanha outubro de 2009 Objetivo: Implementar a A3P e incentivar os servidores para adoção

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Objetivos do Compromisso Bahia

Objetivos do Compromisso Bahia Objetivos do Compromisso Bahia Geral Conferir qualidade ao gasto público estadual Específicos Desenvolver uma cultura de responsabilização dos servidores em relação à gestão pública Dotar o governo de

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS

PAINEL DE INDICADORES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS PAINEL DE ES ESTRATÉGICOS DO TRE-RS 2013 SOCIEDADE: Prestar serviços de excelência 1 Índice de respostas a contatos dirigidos à Ouvidoria Mede o percentual de contatos dirigidos à Ouvidoria que receberam

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

Especificação para o projeto elétrico de BT

Especificação para o projeto elétrico de BT Especificação para o projeto elétrico de BT O aluno deve escolher uma planta baixa de uma residência, que apresente carga instalada superior a 15 kw, considerando que a tensão da rede de distribuição seja

Leia mais

Práticas de Home Office na Ticket Brasil. Arnaldo Moral Gerente de RH

Práticas de Home Office na Ticket Brasil. Arnaldo Moral Gerente de RH Práticas de Home Office na Ticket Brasil Arnaldo Moral Gerente de RH Perfil Edenred Market Share Líder nos principais segmentos de atuação 41 países Sendo 59% de volume em países emergentes + 6.000 Colaboradores

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA DA 4ª REGIÃO PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA REGIONAL DA REPÚBLICA DA 4ª REGIÃO PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011. PORTARIA PRR4 N.º 054, DE 03 DE JUNHO DE 2011. Institui o Programa de Gestão Ambiental e Sustentabilidade e cria a Comissão de Gestão Ambiental e Sustentabilidade no âmbito da Procuradoria Regional da

Leia mais

Automação Residencial Mercado e soluções

Automação Residencial Mercado e soluções Automação Residencial Mercado e soluções Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Diretor - Presidente Neocontrol Desenvolvedora e fabricante de equipamentos para a o mercado de automação residencial. Possuímos

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA. www.b2bnetwork.com.br

DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA. www.b2bnetwork.com.br DESCRITIVO TÉCNICO DE INFRAESTRUTURA O B2BNetwork é uma plataforma, que é implantada em servidores conectados a uma infraestrutura de rede e/ou de internet. Descrevemos abaixo as possibilidades de ambientes

Leia mais

BRASÍLIA-DF INFRA-ESTRUTURA PREDIAL.

BRASÍLIA-DF INFRA-ESTRUTURA PREDIAL. 1 1-INTRODUÇÃO: CURSO DE CAPACITAÇÃO INFRA-PRED-BMC : Área : Predial (Residencial e Comercial) Carga Horária de cada Módulo: 40 horas -aula Duração Máxima: 120 dias Módulos : 08 ( oito)* * Que se complementam

Leia mais

CASO DE SUCESSO. Transformando Dados em Informação Certa no Tempo Certo. A solução auxiliou na redução de custos com manutenção MICROWARE

CASO DE SUCESSO. Transformando Dados em Informação Certa no Tempo Certo. A solução auxiliou na redução de custos com manutenção MICROWARE CASO DE SUCESSO MICROWARE CLIENTE: SUSEP - Superintendência de Seguros Privados SEGMENTO: Público Transformando Dados em Informação Certa no Tempo Certo A SUSEP amplia sua estrutura de Datacenter e adquire

Leia mais

Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799?

Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799? 44 Novembro de 2002 Teste: sua empresa está em conformidade com a ISO17799? O artigo deste mês tem cunho prático e o objetivo de auxiliá-lo a perceber o grau de aderência de sua empresa em relação às recomendações

Leia mais

Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin (CCEE), Nilton Lima (CCEE)

Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin (CCEE), Nilton Lima (CCEE) XVIII SEPEF FERRAMENTAS DE GESTÃO DE RISCO NA COMERCIALIZAÇÃO PARA AGENTES DO MERCADO DE ENERGIA ELÉTRICA Autores: Rodolfo S. Cabral (CCEE), Carlos Dornellas (CCEE), André Valverde (CCEE), Guilherme Borin

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01 Assunto: MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR-050 Revisão 01 PROCEDIMENTOS PARA DETERMINAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS NA SUPERINTENDÊNCIA DE AERONAVEGABILIDADE Revogação: Esta revisão substitui a revisão 00, de 29 de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES?

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES? FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÃO AO APERFEIÇOAMENTO DO TEXTO DA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI QUE ALTERA, REVOGA E ACRESCE DISPOSITIVOS DÀ LEI Nº 8.159, DE 1991, QUE DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

Experiência em Plano Gerencial

Experiência em Plano Gerencial Experiência em Plano Gerencial Maio 2004 CAPACITAÇÃO A Logos Engenharia é uma empresa com foco específico no mercado de prestação de serviços técnicos de gerenciamento e capacitada para o desenvolvimento

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais

Perspectiva Recursos - Tema Pessoas Objetivo - Desenvolver competências e valorizar pessoas

Perspectiva Recursos - Tema Pessoas Objetivo - Desenvolver competências e valorizar pessoas Indicador Responsável: SET Índice Mínimo de Capacitação dos Servidores em Competências (IMCSC) Servidores Capacitados x 100 Servidores em Exercício Variáveis Servidores Capacitados: servidores que tiveram

Leia mais

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100)

PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) PORTARIA N o 268, DE 30 DE JULHO DE 2013. (publicada no DOU de 31/07/2013, seção I, página 100) A MINISTRA DE ESTADO DO PLANEAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso

Leia mais

Licenciamento Ambiental de UHEs. Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG

Licenciamento Ambiental de UHEs. Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG Licenciamento Ambiental de UHEs Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG Conceitos O Licenciamento Ambiental Federal é um processo administrativo estabelecido pela Política Nacional do Meio Ambiente

Leia mais

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD)

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Referencial Legal A avaliação de desempenho tem como referência três institutos legais: Lei nº 11.090, de 07 de janeiro de 2005 Dispõe sobre a criação do Plano

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

PRODESP Tecnologia da Informação

PRODESP Tecnologia da Informação Congresso TI Verde - SUCESU História Início - 24 de julho de 1969. Anos 70 - A nova Sede da PRODESP. Anos 80 - Processo de Descentralização. Anos 90 - Referência em E-E Gov no país e no exterior. História

Leia mais

Serviços em Energia Agregando Valor

Serviços em Energia Agregando Valor Agregando Valor Antonio Carlos Messora Energia Como usar de forma racional e eficiente? Como diminuir custos? Mercado livre ou cativo? Curto Prazo, Longo Prazo ou Que Prazo? O preço vai subir ou descer?

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM INFORMÁTICA EtecMONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA EE: Eixo

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável Palmas, 18 de março de 2014. Apresentação O projeto em questão é uma proposta de implantação de um Plano de Gestão Sustentável para o SEBRAE/TO para

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO

A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS A Unidade HOSPITAL UNIMED-RIO Projeto Hospital UNIMED - RIO Construído em uma área de 30 mil m² o Hospital UNIMED RIO foi inaugurado em Dez / 2012 O Hospital tem como seus principais

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC

POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS DA SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PREVIC 1. CONCEITOS E DEFINIÇÕES 1.1 Políticas de Gestão de Pessoas são o conjunto de estratégias ou políticas específicas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 2.051, DE 23 DE OUTUBRO DE 2015 (D.O.M. 23.10.2015 N. 3.759 Ano XVI) DISPÕE sobre a estrutura organizacional da Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão Semad, suas finalidades

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013

Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Reunião de Trabalho PROPEE ANEEL e ABESCO 30 Set 2013 Aspectos Normativos e Legais da Eficiência Energética Lei no 8.987, de fevereiro de 1995, Art. 29. Incumbe ao poder concedente: Inciso X: estimular

Leia mais

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná

Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná Gabriel Assef Fernandes SENAI Centro Internacional de Inovação Federação das Indústrias do Paraná EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA INDÚSTRIA Custo da energia elétrica no Brasil é um dos mais caros do mundo. Crescimento

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental

2º Física I Retirar o pré-requisito Geometria Analítica 2º Física I Experimental MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 005, DE 07 ABRIL DE 2014. Aprova as adequações em disciplinas da matriz

Leia mais

Indicadores - Perspectiva Sociedade

Indicadores - Perspectiva Sociedade Indicadores - Perspectiva Sociedade Fortalecer a imagem institucional da Justiça do Trabalho IMAGEM ORGANIZACIONAL GRAU DE CONFIANÇA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Mede o grau de confiança dos advogados e partes

Leia mais

A Empresa 0940180 HTL

A Empresa 0940180 HTL A Empresa A HTL iniciou suas atividades em fevereiro de 2011, e desde então executa trabalhos de instalação, manutenção, prevenção e adequação de equipamentos e sistemas elétricos, assim como projetos

Leia mais

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos

1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos registro dos resultados OFICINA OFICINA IDEIAS DE S Ifes 1. RESULTADOS 1.1 Proposta de Portfólio de Projetos SUBS Programa de capacitação e Qualificação Programa de capacitação implantado Estratégia de

Leia mais

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio:

Catálogo. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Centro de Energia Eólica. Apoio: Catálogo Apoio: APRESENTAÇÃO O (CE-EÓLICA) se consolida como uma ação estratégica da PUCRS em função do crescimento das competências nesta área, a partir de atividades especificas realizadas pelo NUTEMA,

Leia mais

GenSys. Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades

GenSys. Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades GenSys Sistema de Gerenciamento de Energia Elétrica e Utilidades GenSys Software para Análise e Gerenciamento de Energia Elétrica Controle de Demanda Controle de Fator de Potência Automação de Grupos Geradores

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS

Portfólio Formal. Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS Portfólio Formal Projetos e consultorias prestadas pela EMPRESA JÚNIOR DO CURSO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS APRESENTAÇÃO Uma Empresa Júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída e

Leia mais

COMISSÃO PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO QUESTIONÁRIOS

COMISSÃO PARA ELABORAÇÃO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO QUESTIONÁRIOS QUESTIONÁRIOS Estes questionários têm como objetivo contribuir para o Planejamento Estratégico do Campus Bagé. Procura-se com essa aplicação, fazer uma Avaliação do Ambiente, identificando os Pontos Fortes

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Relatório de Informações Gerenciais Setorial Anual DIRETORIA GERAL DE FISCALIZAÇÃO E APOIO ÀS SERVENTIAS JUDICIAIS - DGFAJ Unidade Organizacional: DIRETORIA

Leia mais

TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS

TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS TÉCNICO(A) INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES FOTOVOLTAICOS QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD Duração (H) Sistemas solares fotovoltaicos 4587 50 Módulos solares fotovoltaicos 4588 50 Projeto de sistema solar fotovoltaico

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

Modelo de Gestão por Processos da Anatel

Modelo de Gestão por Processos da Anatel Modelo de Gestão por Processos da Anatel 1º Evento de Intercâmbio em Planejamento & Gestão das Agências Reguladoras 03 de abril de 2009 Superintendência de Administração-Geral - SAD Gerência-Geral de Talentos

Leia mais

ANEXO ÚNICO do Termo de Autorização de Uso. Termos de Entrega e Recebimento e de Devolução do PEAS TERMO DE ENTREGA E RECEBIMENTO

ANEXO ÚNICO do Termo de Autorização de Uso. Termos de Entrega e Recebimento e de Devolução do PEAS TERMO DE ENTREGA E RECEBIMENTO ANEXO ÚNICO do Termo de Autorização de Uso Termos de Entrega e Recebimento e de Devolução do PEAS Data entrega: TERMO DE ENTREGA E RECEBIMENTO Data aceite: Processo Administrativo nº: Termo de Autorização

Leia mais

Oportunidade e Competitividade. Thibault Perrigault Gerente de Eficiência Energética

Oportunidade e Competitividade. Thibault Perrigault Gerente de Eficiência Energética Contratos de Eficiência Energética Oportunidade e Competitividade Thibault Perrigault Gerente de Eficiência Energética Assuntos e Oportunidades Uma regulação cada dia mais rigorosa, visando a redução do

Leia mais

Concurso "III Prata da Casa" Edição 2013 "Ação Inovadora" Cadastro da Prática ou Ideia

Concurso III Prata da Casa Edição 2013 Ação Inovadora Cadastro da Prática ou Ideia 26 Concurso "III Prata da Casa" Nome do Participante ABIGAIL CRISTINE CARNEIRO Cargo Assessora Jurídica Email Institucional accarneiro@mp.pr.gov.br Contatos Telefônicos (41) 3279-3089 (41) 9921-7438 (41)

Leia mais

Projeto Rede QPC +20

Projeto Rede QPC +20 Projeto Rede QPC +20 O QUE É É uma rede nacional de entidades que possuem a missão de aumentar a competitividade das organizações e do Brasil, por meio da promoção da melhoria da Gestão Empresarial. QUEM

Leia mais

)))* "*+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'(

)))* *+$ Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação $%&'( )))* "*+$!"# Núcleo de Projetos Especiais Divisão de Processos e Segurança da Informação "$%&'( , $-. Cecom Centro de Computação: atendimento das demandas corporativas da universidade. LCC Laboratório

Leia mais

ORÇAMENTO 2015 07 DE JULHO DE 2015 - ADUFAC

ORÇAMENTO 2015 07 DE JULHO DE 2015 - ADUFAC ORÇAMENTO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE 07 DE JULHO DE 2015 - ADUFAC ORÇAMENTO 2015 LOA DESCRIÇÃO R$ % % PESSOAL E ENCARGOS 197.214.640 64 71 BENEFÍCIOS 8.493.791 3 3 OCC (CUSTEIO E CAPITAL) 72.511.959

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Conheça a nossa história

Conheça a nossa história 9 Conheça a nossa história É uma empresa goiana, formada por uma equipe que trabalha a mais de 8 anos com a comercialização de alimentos saudáveis no estado de Goiás, oferecendo sanduíches naturais e o

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Ciclo A2 Revisão do e Ciclo B Elaboração dos Planos de Ação Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado de Pernambuco SIMPEPE-PE IDENTIDADE ORGANIZACIONAL DO SINDICATO

Leia mais

Certificação de Meios de Hospedagens

Certificação de Meios de Hospedagens Certificação de Meios de Hospedagens NBR 15401:2006 - Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade Sistema A Norma NBR 15401:2006 Meios de Hospedagem Sistema de Gestão da Sustentabilidade

Leia mais

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Cidades Solares: iniciativa Campinas Campinas, 22 de novembro de 2007 Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Um estudo para a WWF do Brasil Rodolfo Dourado Maia Gomes International

Leia mais

ENSINO SUPERIOR ARQUITETURA BACEN CVM SUSEP PETROBRAS ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENSINO SUPERIOR ARQUITETURA BACEN CVM SUSEP PETROBRAS ENGENHARIA DE SEGURANÇA ENSINO SUPERIOR ARQUITETURA ENGENHARIA DE SEGURANÇA (PRÉ-REQUISITO: CERTIFICADO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NÍVEL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO, OU EM ENGENHARIA

Leia mais

Adoção de Requisitos da Qualidade e Produtividade em Software no Programa BIOTA-MS, Através de Implantação da Fábrica de Software do Batlab.

Adoção de Requisitos da Qualidade e Produtividade em Software no Programa BIOTA-MS, Através de Implantação da Fábrica de Software do Batlab. Adoção de Requisitos da Qualidade e Produtividade em Software no Programa BIOTA-MS, Através de Implantação da Fábrica de Software do Batlab. Universidade Federal do Mato Grosso do Sul Campo Grande - MS

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Inspeção em Serviços de Hemoterapia Goiânia Goiás 1º a 05 de setembro de 2014 Gestão de Qualidade e SETEMBRO DE 2014 Assessoria da Garantia da Qualidade Fundação Hemocentro de Brasília

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR ##ATO ANEXO II SÍNTESE DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR ##ATO ANEXO II SÍNTESE DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMISSÃO NACIONAL DE ENERGIA NUCLEAR ##ATO ANEXO II SÍNTESE DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS Carreira Carreira de Pesquisa em Ciência e Tecnologia Carreira de Desenvolvimento

Leia mais