Avaliação de Desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Desempenho"

Transcrição

1 Avaliação de Desempenho Fiocruz Ciclo / Monitoramentodo Desempenho Pactuação de Metas de quem não participou da Fase I; DDiretoria de Recursos Humanos Inclusão de Metas de quem retornou de licenças ou afastamentos; Repactuação e Ajuste das Metas. r reh DDiretoria de Recursos Humanos DrehAtende r

2 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PRESIDENTE Paulo Ernani Gadelha Vieira VICE-PRESIDENTE DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Pedro Ribeiro Barbosa DIRETOR DE RECURSOS HUMANOS - Direh Juliano de Carvalho Lima CHEFE DO DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DDRH/Direh Andréa da Luz Carvalho ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO - Direh Edição e editoração

3 Avaliação de Desempenho Ciclo 2011/2012 Sumário Apresentação...03 Composição da ADI...05 Etapas...06 Objetivo da Etapa de Monitoramento e Quem pode participar?...07 Servidores que Pactuarão Metas...08 Servidores que JÁ pactuaram suas metas...10 Avaliação e Mensuração de Resultados...11 Avaliação para os novos concusados (concurso 2010)...11 Devolução (Feedback)...12 Funcionamento da Avaliação Institucional...13 Glossário...15 Especial: formulação de metas...16 Contatos...20

4 Fase de Monitoramento do Desempenho Apresentação/Introdução No ciclo 2011/2012 a gestão de desempenho é composta de quatro etapas com destaque para o processo de pactuação de metas que se iniciou em outubro/2011. No primeiro período, os servidores elaboraram seus planos de trabalho individuais e houve a validação destes pelas chefi as com base em critérios e procedimentos estabelecidos no Decreto nº 7.133, de março de 2010, responsável por regulamentar as gratifi cações de desempenho, que compõem a remuneração dos servidores da Fiocruz, conforme as Leis (19/10/2006) e (02/02/2009). AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

5 A etapa teve início com a atualização cadastral e montagem das árvores. Foram constituídas equipes nessa primeira fase. Ao todo servidores tiveram suas metas individuais pactuadas e outros 477 foram desabilitados por motivos de afastamentos ou licenças. Visando dar sequência ao processo avaliativo, o sistema será reaberto para o servidor no intervalo de março a abril/2012, Etapa de Monitoramento. Nesta fase ele poderá mediante justifi cativa, alterar seu Plano de Trabalho Individual (PTI). Além disso, todos os servidores que não pactuaram suas metas na fase anterior deverão fazê-lo impreterivelmente durante esta Etapa de Monitoramento. Vale ressaltar que é obrigatória a participação de todos os servidores habilitados no processo de Avaliação de Desempenho. O servidor que não acessar o sistema para dar início à avaliação, pactuando suas metas assumirá as consequências decorrentes da ausência da nota ADI, instrumento utilizado para pagamento da GDACTSP/ GDACT. Lembramos, ainda, que as notas da Avaliação de Desempenho são utilizadas nos processos de progressão/promoção funcional e confi rmação do cargo de efetivo exercício. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

6 Composição da Avaliação de Desempenho 2011/2012 Avaliação Individual (20 pontos): 14 pontos Metas objetivas, pactuadas entre trabalhador, chefi a e equipe (Relatórios de Desempenho) + 6 pontos Avaliação 360º, das competências individuais corporativas (Avaliação de Desempenho de Servidores) + Avaliação Institucional (80 pontos): 50 pontos Metas Globais (Fiocruz) + 30 pontos Metas Intermediárias (Unidades) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

7 Etapas da Avaliação Individual A Avaliação individual será constituída das seguintes etapas: 1 Pactuação de Metas; 2 Monitoramento; 3 Avaliação e mensuração de resultados; 4 Devolução (Feedback).! Atenção: Todas as etapas serão realizadas pela internet, via sistema on line. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

8 Objetivo da Etapa de Monitoramento A Fase de Monitoramento visa permitir ao servidor e à chefi a imediata, durante o período de março a abril de 2012, a realização de análise do cumprimento das metas pactuadas na fase 1 para que, se for de comum acordo, haja os ajustes necessários, antes do momento de avaliação de desempenho. Quem pode participar da Etapa de Monitoramento? Condição 1: Servidores que não se encontrem afastados ou em licença; Ocupantes de cargos DAS 1, 2 e 3; Ocupantes de Funções Gratifi cadas FGs 1, 2 e 3. Condição 2: Servidores que não pactuaram suas metas na Etapa de Pactuação Fase 1; Servidores que quiserem repactuar (ajustar o PTI) mediante justifi cativa junto à chefi a; Todos os servidores que possuíam duas matrículas na fase anterior e somente pactuaram em uma delas. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

9 1. Para Servidores que Pactuarão Metas: Após defi nição das equipes de trabalho, cada servidor deverá se reunir com sua chefi a/líder e estipular um conjunto de metas que deverão cumprir até o fi m do período avaliativo (junho/2012). É aconselhável que a quantidade de metas, por pessoa, seja de duas a seis. Elas devem ser estabelecidas conforme natureza do trabalho. É recomendável também que o servidor tome conhecimento das metas intermediárias de sua unidade e da sua equipe antes do processo de pactuação. A formulação de metas deve seguir uma série de fatores, para que elas possam ser mensuráveis de forma objetiva ao término do processo. Por isso, vale observar as orientações contidas no fi m desta publicação, a partir da página 16. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

10 1.1. Elaboração do Plano de Trabalho Individual - PTI Após pactuar as metas com sua respectiva chefi a/líder e sua equipe de trabalho, cada servidor descreverá as mesmas no PTI, via sistema. O servidor deve registrar sua meta e a chefi a/líder realizar a validação para que o processo de pactuação seja concluído. O servidor que tenha sido removido na Etapa de Pactuação de metas deverá submeter seu Plano de Trabalho Individual à nova chefi a/líder que irá validá-lo ou alterá-lo em comum acordo. Os servidores que estiverem afastados ou em licença poderão pactuar suas metas. A avaliação de desempenho individual somente produzirá efeitos fi nanceiros se o servidor tiver permanecido em exercício nas atividades relacionadas ao plano de trabalho individual por no mínimo dois terços de um período completo de avaliação. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

11 2. Para Servidores que Já pactuaram suas Metas A Etapa de Monitoramento que se inicia, visa à análise e identifi cação pelo servidor de fatores facilitadores/difi cultadores do desempenho das metas previamente estipuladas no Plano de Trabalho Individual. Caso deseje realizar mudanças em suas metas (inclusão/exclusão/revisão) o servidor deverá fazê-lo mediante justifi cativa junto à chefi a imediata que será responsável por aprovar ou não a alteração. Caso a chefi a/líder não autorize, deverá justifi car a decisão que será comunicada ao servidor. Tanto a confi rmação de novas metas ou a alteração daquelas já existentes será comunicada por .! Atenção: os servidores que não forem modificar suas metas não terão necessidade de entrar no sistema. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

12 3. Avaliação e Mensuração de Resultados A data de abertura desta etapa e detalhamento dos procedimentos serão amplamente divulgados pela Diretoria de Recursos Humanos assim que fi nalizada a etapa de Monitoramento. A Avaliação e Mensuração de Resultados tem como objetivo aferir o cumprimento das metas. É nesta etapa, também, que os fatores mínimos obrigatórios serão avaliados pela chefi a/líder, equipe e o próprio servidor como foi feito no modelo de transição em Diretrizes para a Avaliação de Desempenho Individual (ADI) dos novos servidores (Concurso 2010) No ciclo 2011/2012, os novos servidores não participarão da Etapa de Monitoramento, com exceção daqueles que tenham sido nomeados a cargo de chefi a, que precisarão ser incluídos na árvore da unidade para pactuar ou revisar metas de suas equipes. Caso não estejam ocupando cargo de chefi a, os novos servidores participarão apenas da próxima etapa, de Avaliação e Mensuração de Desempenho junto com os demais servidores da instituição. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

13 Entretanto, vale ressaltar que os novos servidores terão avaliação de desempenho diferenciada composta pela avaliação institucional (Global e Intermediária) e avaliação de desempenho individual nos fatores mínimos obrigatórios. Ou seja, não haverá pactuação e apuração de metas individuais. Apenas os novos servidores que tiverem o mínimo de 2/3 de efetivo exercício até o fi nal do ciclo avaliativo (junho/2012) receberão a gratifi cação de desempenho individual baseado no resultado alcançado. A avaliação dos novos servidores que não alcançarem o mínimo de 2/3 de efetivo exercício até o fi nal do ciclo terá como objetivo servir de base para os processos de confi rmação no cargo de efetivo exercício, avaliação de estágio probatório (art. 20, Lei 8.112) e progressão/promoção funcional (art. 145 Lei n /2006). 4. Devolução (Feedback) Esta é a fase fi nal do processo de avaliação de desempenho voltada à Entrevista de Retorno, em que os chefes/lideres se reunirão com os servidores para divulgação, análise dos resultados e defi nição das ações de desenvolvimento individual necessárias para suprir as lacunas de competências apontadas na avaliação de desempenho. A abertura deste ciclo será divulgada assim que fi nalizada a etapa de Avaliação e Mensuração de Resultados. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

14 Entenda o Funcionamento da Avaliação de Desempenho Institucional A avaliação de desempenho institucional diz respeito à verifi cação do cumprimento das metas atribuídas à Fiocruz a cada ano. Estas metas foram defi nidas em consonância com as diretrizes e metas governamentais que constam no Plano Plurianual do Governo Federal e no Plano Quadrienal da Fiocruz. A partir deste ciclo de avaliação (2011/2012), as metas institucionais passaram a se dividir em globais (Fiocruz) e intermediárias (unidades). A mudança signifi ca que cada unidade terá nota correspondente à sua avaliação. 1. Metas Globais (50 pontos): Consistem nos compromissos corporativos da Fiocruz, com vistas ao cumprimento de suas metas estratégicas. Até 2010 as metas corporativas utilizadas para efeitos de avaliação e gratifi cação de desempenho se restringiam exclusivamente aos compromissos de produção fi rmados entre a Fiocruz e o Governo Federal. 2. Metas Intermediárias (30 pontos): As metas das unidades foram defi nidas em consonância com seus Planos Quadrienais e seus Planos Anuais, com especial ênfase à pactuação de indicadores e metas estratégicas para o alcance dos objetivos estratégicos da Fiocruz. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

15 Observações Gerais O Ciclo da Avaliação de Desempenho 2011/2012 contempla o período avaliativo de outubro de 2011 a junho de 2012; O servidor que não elaborar o Plano de Trabalho Individual e/ou o seu Relatório de Desempenho terá prejuízo em relação a sua nota fi nal de ADI; Durante a Etapa de Avaliação e Mensuração dos Resultados, serão verifi cados os afastamentos considerados como de efetivo exercício ocorridos no período de outubro de 2011 a junho de Nestes casos, será mantida a última pontuação recebida pelo servidor, até que seja avaliado após seu retorno, devendo o SRH inserir no sistema a pontuação obtida no período anterior, conforme formulário arquivado na pasta funcional. O servidor que estiver de férias, em viagem a serviço ou qualquer afastamento por período de até trinta dias, participará de todo o processo de avaliação. É obrigatória a participação de todos os servidores habilitados no processo. O servidor que não acessar o sistema para dar início à avaliação assumirá as consequências decorrentes da ausência da nota ADI, instrumento utilizado para o pagamento da GDACT/ GDACTSP, assim como efeitos da ausência desta nota que interfere nos processos de progressão/ promoção funcional e confi rmação do seu cargo de efetivo exercício (servidores em estágio probatório). Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

16 Glossário: Equipe de trabalho: Conjunto de servidores em exercício no mesmo grupo de avaliação. Chefia/Líder: Servidor responsável pela equipe de trabalho e pela supervisão da avaliação de desempenho dos demais servidores que compõem a equipe, independente do recebimento de DAS ou FG. Comissão de Acompanhamento de Avaliação de Desempenho (CAD): Grupo constituído por membros das diversas unidades da Fiocruz indicados para atuarem na Comissão Interna de Carreiras e tem como uma de suas atribuições, atuar de forma deliberativa nos confl i- tos ocorridos no processo de Avaliação de Desempenho Individual. Subcomissão de Avaliação de desempenho (Sub- CAD): Instância responsável por acompanhar o processo de Avaliação de Desempenho em cada unidade. É composta por quatro membros titulares e dois suplentes, ressaltando-se que pelo menos um representante seja eleito pelos servidores e são instituídas por portaria interna. Cada unidade poderá criar quantas SubCADs forem necessárias. Meta Global: Defi ne os compromissos corporativos da Fiocruz junto ao Governo Federal, com vistas ao cumprimento de suas metas estratégicas presentes nos seus Planos de Longo Prazo e Plano Quadrienal (PLP/PQ). Metas Intermediárias: São as metas que a unidade AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

17 os resultados da organização. O servidor é avaliado por aquilo que se compromete a realizar. Pactuação de Metas: Acordo estabelecido entre o servidor e sua chefi a/líder, para atingimento das metas intermediárias e globais já estabelecidas. Especial: Formulação de metas Dicas e conceitos para auxiliar a construção de metas individuais Definição de Meta: No âmbito do sistema de gestão de desempenho da Fiocruz, meta é defi nida como a quantifi cação dos resultados esperados. É aquilo que se quer alcançar durante o período de execução do plano anual. Uma meta deve ter, necessariamente, as seguintes características: Ser especifi ca: Identifi car eventos ou ações concretas que deverão ocorrer. Ser mensurável: Quantifi car os recursos, as atividades ou as mudanças desejadas estabelecidas. Ser apropriada: Relacionar, logicamente, o trabalho de cada servidor e os efeitos desejáveis estabelecidos. Ser realista: Dimensionar, realisticamente, a adequação entre os recursos disponíveis e o plano de implementação. Ser Temporal: Determinar prazo para sua execução. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

18 Uma meta deve ser SMART: ESpecífi ca, Mensurável, Apropriada, Realista e Temporal. Definições de Metas: Para efeitos do sistema de gestão do desempenho, a pactuação de metas não pode constituir-se no elenco das atribuições rotineiras do trabalhador, uma vez que estas fazem parte de suas obrigações. As metas devem estar relacionadas, ainda que indiretamente, aos objetivos do plano estratégico de cada unidade organizacional que, por sua vez, relacionam-se com o plano de longo prazo da Fiocruz, conforme já relatado. Elas são classifi cadas em: Metas Estratégicas São aquelas que focalizam resultados não rotineiros esperados da execução de um ou mais aspectos do trabalho. Estas metas estão diretamente relacionadas ao alcance de um objetivo da unidade ou do setor (departamento, laboratório, serviço) onde se situa o trabalhador, trazendo impactos ponderáveis nos resultados da unidade/setor. Traduzem desafi os e agregam valor a excelência da gestão. Metas de Melhoria/Inovação Ainda que não seja possível relacionar diretamente a meta individual de um trabalhador com a estratégia mais ampla da instituição, outros tipos de metas agregam valor ao trabalho e colaboram para elevar seu patamar de operação, além de melhorar os resultados dos serviços prestados. As metas AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

19 de melhoria/inovação são aquelas que introduzem avanços signifi cativos no processo de trabalho, gerando um bem/serviço novo ou diferenciado para o cliente, seja ele externo ou interno. Metas de Eficiência Operacional dos Processos Internos são aquelas voltadas para melhoria dos processos para obter maior efi cácia das ações que contribuem indiretamente para os resultados. Metas de Padrão de Qualidade inúmeras iniciativas voltadas para a Gestão da Qualidade têm sido desenvolvidas na Fiocruz. Uma das características destes instrumentos de gestão é a adoção de padrões de trabalho estabelecidos externa ou internamente. A adoção de metas individuais que remetam aos padrões pré-estabelecidos agrega valor ao trabalho e pode ser utilizada na pactuação e, consequentemente, na avaliação de desempenho. Metas Grupais com Foco Amplo Concentram-se em um aspecto abrangente da realização do trabalho e produção de resultados para a organização como um todo, ou um dos seus segmentos, como, por exemplo, uma unidade de produção. Neste caso, atribui-se a cada membro da equipe a mesma meta que, no entanto, só será alcançada por esforço coletivo. Ao fi nal, o sucesso ou insucesso do coletivo atingirá a cada indivíduo igualmente. Metas Pessoais são aquelas que concorrem para que o Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

20 trabalhador satisfaça as suas necessidades de autorrealização através da sua participação na organização. Devem ser consideradas como parte integrante da gestão de desempenho, porque infl uenciam o maior ou menor compromisso do trabalhador com as metas organizacionais. Cronograma e Material com o Passo a Passo da Fase II no Sistema de Avaliação de Desempenho: Saiba mais em AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento Ciclo 2011/ Fiocruz

21 CONTATOS SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS (SRHS) SERVIÇO DE GERENCIAMENTO DE CARREIRAS - SEGEC/DDRH/DIREH Leandro Mussauer Oliveira (Chefe) - ocruz.br - (21) ; Jaciara Maria Praxedes Campos - ocruz.br - (21) ; Fabia Cunha Ferreira Santos - ocruz.br - (21) ; Renato Santos - ocruz.br - (21) ; Fabio Pereira Alves - ocruz.br - (21) CONTATOS SERVIÇOS DE RECURSOS HUMANOS (SRHS) Biomanguinhos: (21) , responsável: Luiz Antônio de Assis Ferreira; Cecal: (21) , responsável: Silvia Soares; COC: (21) , responsável: Ana Paula Rodrigues Mastrange; Diplan: (21) , responsável: Claudia Martins; Dirac: (21) , responsável: Rita Elizabeth Menezes de Amorim; Dirad: (21) , responsável: Deise Nel Parada da Silveira; Ensp: (21) , responsável: Renata Albuquerque; ESPJV (Poli): (21) , responsável: Mayrilan Rolin dos Reis; Farmanguinhos: (21) , responsável: Lucimar Gomes Pereira Junior; Icict: (21) , responsável: Luciana Pereira Lindenmeyer; IFF: (21) , Av. Rui Barbosa, 716, Flamengo/RJ, responsável: Guiomar Cristina Nascimento Lira; INCQS: (21) , Prédio do INCQS, responsável: Andrea Raed Gandra Pinto; IOC: (21) , responsável: Wania Regina de Tolentino Santiago; Ipec: (21) , responsável: Elizabete Michel; Presidência: (21) , responsável: Deise Luci Alves. Regionais CPqRR (Minas): (31) , responsável: Aldo Nogueira Venâncio; CPqLMD (Manaus): (92) , responsável: Luciene Pereira de Araújo; CPqAM (Pernambuco): (81) , responsável: Ana Célia Bastos de Castro; ICC (Paraná): (41) , responsável: Luana Silvy de Lorenzi Tezza; CPqGM (Bahia): (71) , responsável: Carlos Letácio Silveira Lessa da Silva; Direb (Brasília): (61) , responsável: Edward Torres Maia. Ciclo 2011/ Fiocruz AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Monitoramento

22

VICE-PRESIDENTE DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Pedro Ribeiro Barbosa

VICE-PRESIDENTE DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Pedro Ribeiro Barbosa FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ PRESIDENTE Paulo Ernani Gadelha Vieira VICE-PRESIDENTE DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Pedro Ribeiro Barbosa DIRETOR DE RECURSOS HUMANOS - Direh Juliano de Carvalho Lima

Leia mais

Concurso Público 2013

Concurso Público 2013 Concurso Público 2013 Objetivos Aprovar o quadro de vagas a ser demandado ao MPOG Definir diretrizes gerais Pactuar próximas etapas Análise dos últimos concursos Total de ingressos por cargo e ano de concurso

Leia mais

Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT

Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT Sistemática de Avaliação de Desempenho 5º Ciclo GDPGPE, GDPST, GDAPIB 3º CICLO GDACE, GDACT REFERENCIAL LEGAL Decreto nº 7.133, de 19 de março de 2010 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para realização

Leia mais

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD)

Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Sistemática de Avaliação de Desempenho (AD) Referencial Legal A avaliação de desempenho tem como referência três institutos legais: Lei nº 11.090, de 07 de janeiro de 2005 Dispõe sobre a criação do Plano

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE

POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE POLÍTICA DE VOLUNTARIADO DA CEMIG SAÚDE Av. Barbacena, 472 8º andar Barro Preto CEP: 30190-130 Belo Horizonte/MG Tel.: 3253.4917 E-mail: renata.gontijo@cemigsaude.org.br Portal Corporativo: www.cemigsaude.org.br

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Manual de Orientações

Manual de Orientações Dúvidas? Fale Conosco! SRH/Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoal Seção de Educação e Desenvolvimento de Pessoal 3403-3752, 3403-3753, 3403-3757 Manual de Orientações Fevereiro / 2008 Penalidades

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO (AD) CURITIBA OUTUBRO 2008 PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AD DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 13/IN01/DSIC/GSIPR 00 30/JAN/12 1/5 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações DIRETRIZES PARA GESTÃO DE MUDANÇAS NOS ASPECTOS RELATIVOS

Leia mais

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação

Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação Informações sobre afastamento para qualificação e licença para capacitação O que é capacitação? A Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal assim define capacitação: Processo permanente e deliberado

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO O QUE É O ESTÁGIO PROBATÓRIO?

ESTÁGIO PROBATÓRIO O QUE É O ESTÁGIO PROBATÓRIO? ESTÁGIO PROBATÓRIO A Secretaria de Educação e Qualidade do Ensino do Estado do Amazonas está implantando em 2012 um novo programa destinado a avaliar de forma intensiva o desempenho profissional dos novos

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Fase 3 Vamos avaliar as metas? Material de Apoio para Treinamento do Servidor

Fase 3 Vamos avaliar as metas? Material de Apoio para Treinamento do Servidor Fase 3 Vamos avaliar as metas? Material de Apoio para Treinamento do Servidor Em qual etapa da Avaliação de Desempenho Individual estamos? Retorno dos Resultados da Avaliação Todo o processo de ADI 2011/2012

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997.

RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997. RESOLUÇÃO N 11/CUn/97, de 29 de julho de 1997. Dispõe sobre os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa Catarina,

Leia mais

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final

SGD. Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras. Versão Final SGD Sistema de Gestão do Desempenho Sistema Eletrobras Versão Final 2 APROVAÇÕES Resolução da Diretoria Executiva da Eletrobras DEE - 508/09, de 10.06.2009. Deliberação do Conselho de Administração da

Leia mais

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz. Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Ministério da Saúde Missão A Fundação Oswaldo Cruz é um centro polivalente e multidisciplinar na área da saúde, que exerce um papel social de grande relevância para o país. Realiza

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 23/2012 Aprova a implantação do Sistema de Gestão de Pessoas por Competências (SGPC) da UFPB. O Conselho Universitário

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB. REITOR Prof. José Bites de Carvalho. VICE-REITORA Prof.ª Carla Liane Nascimento dos Santos

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB. REITOR Prof. José Bites de Carvalho. VICE-REITORA Prof.ª Carla Liane Nascimento dos Santos 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB REITOR Prof. José Bites de Carvalho VICE-REITORA Prof.ª Carla Liane Nascimento dos Santos PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Marcelo

Leia mais

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno

Apresentação. Acompanhe a Plenária Extraordinária do VI Congresso Interno em: www.fiocruz.br/congressointerno Apresentação O Guia Prático do VI Congresso Interno (Plenária Extraordinária, maio de 2012), na forma de perguntas e respostas, visa facilitar a compreensão sobre os diversos elementos que compõem o processo

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO No- 8.068, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta os critérios e procedimentos gerais a serem observados para a realização das avaliações de desempenho individual e institucional e o pagamento da

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos COMITÊ GERAL DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE DESEMPENHO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Assegurado pelo Decreto

Leia mais

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.}

{Indicar o tema e objetivo estratégico aos quais o projeto contribuirá diretamente para o alcance.} {Importante: não se esqueça de apagar todas as instruções de preenchimento (em azul e entre parênteses) após a construção do plano.} {O tem por finalidade reunir todas as informações necessárias à execução

Leia mais

Manual Básico do Usuário. Monitoramento das Metas do Ciclo de Avaliação. de Desempenho Institucional - ADI

Manual Básico do Usuário. Monitoramento das Metas do Ciclo de Avaliação. de Desempenho Institucional - ADI Manual Básico do Usuário Monitoramento das Metas do Ciclo de Avaliação de Desempenho Institucional - ADI CICLO 2015/2016 Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário Pressupostos Legais da ADI:... 3 Monitoramento

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL 1 CONCEITO A Emenda Constitucional nº 19/98 estabelece que o servidor nomeado

Leia mais

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará

GUIA DO SGD. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS. Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará GUIA DO SGD Conheça mais sobre o novo Sistema de Gestão do Desempenho (SGD) que entrará em vigor em todas as empresas do Sistema Eletrobrás ainda este ano. Transformação SISTEMA ELETROBRÁS A T R A N S

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012

Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Publicada no D.O. de 14.06.2012 RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 714 DE 13 DE JUNHO DE 2012 NORMATIZA A SOLICITAÇÃO PARA INCLUSÃO, NOS

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP

Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP Roteiro para Aplicação da Avaliação de Desempenho dos Servidores da Administração Direta da Prefeitura de Rio Claro/SP 01 - APRESENTAÇÃO: Este roteiro tem por objetivo nortear a aplicação do Sistema de

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual

Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual Núcleo de Monitoramento de Ações Estratégicas do INEA NUMAE Contrato de Gestão e Avaliação de Desempenho Individual 1 Relatório de Apuração e Análise dos Resultados Institucionais e Estratégicos e de Resultados

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/9 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. Objetivo Este procedimento define o processo de elaboração, revisão, aprovação, divulgação e controle de documentos do Estaleiro Enseada

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de avaliação do servidor recém-nomeado para cargo efetivo, correspondente

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012.

REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012. REPUBLICAÇÃO DECRETO Nº 17.964, DE 6 DE SETEMBRO DE 2012. Regulamenta a Lei nº 11.248, de 4 de abril de 2012, que institui a Gratificação de Responsabilidade Ambiental e Alcance de Metas (GRAAM) nos serviços

Leia mais

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira

Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Gestão estratégica de pessoas e planos de carreira Módulo 3 Conceitos e Princípios Sobre Carreira e Remuneração Fundação Escola Nacional de Administração Pública Presidente Gleisson Rubin Diretor de Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012

DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012 DECRETO N 35178 DE 2 DE MARÇO DE 2012 Institui o Comitê de Gestão de Gente, o Grupo de Líderes Cariocas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, o Curso para Gestores, a Certificação Profissional em

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Data: 22de março de 2012 Local: CEFOR Vila Mariana Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho Maria Aparecida Novaes Rita

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

I - Gratificação de Desempenho de Atividade Técnica de Fiscalização Agropecuária (GDATFA),

I - Gratificação de Desempenho de Atividade Técnica de Fiscalização Agropecuária (GDATFA), MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 499, DE 6 DE JUNHO DE 2012 Fixar os critérios e procedimentos específicos da avaliação de desempenho institucional e

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Boletim trimestral produzido pela Direh - nº 1 - agosto/2008 FORÇA DE TRABALHO DA FIOCRUZ

Boletim trimestral produzido pela Direh - nº 1 - agosto/2008 FORÇA DE TRABALHO DA FIOCRUZ Boletim trimestral produzido pela Direh - nº - agosto/008 FORÇA DE TRABALHO DA FIOCRUZ Este boletim apresenta a Força de Trabalho da Fundação Oswaldo Cruz, cujos dados quantitativos foram obtidos no Sistema

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Comissão Especial para Elaboração da Minuta de Resolução sobre Distribuição da Carga Horária Docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS - UFAL Comissão Especial para Elaboração da Minuta de Resolução sobre Distribuição da Carga Horária Docente MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº XX/2013 - CONSUNI/UFAL, de XX/XX/2013. REGULAMENTA A DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA SEMANAL DE ATIVIDADES DO CORPO DOCENTE DA UFAL. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.010 Denominação: Controle de Documentos do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática e os critérios para a elaboração, revisão, aprovação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010

RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES RESOLUÇÃO Nº 022/2010-CONSU De 24 de novembro de 2010 EMENTA: Revoga a Resolução nº 020/06-CONSU e Normatiza

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA

Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Redução de impacto ambiental no consumo diário de líquidos. TERMO DE ABERTURA Preparado por Cassius Marcellus de Freitas Rodrigues Versão: 1.1 Renata Rossi de Oliveira Aprovado por 17/09/12 Nome do Projeto:

Leia mais

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório Belém/ Pará. Junho, 2013.

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

Modelo de Referência 2011-2012

Modelo de Referência 2011-2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI Modelo de Referência 2011-2012 Plano Diretor de Tecnologia de Informação Ministério do Planejamento,

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

TRABALHANDO PARA CRIAR OPORTUNIDADES. Governo do Estado do Amazonas. Secretaria de Estado de Saúde -SUSAM

TRABALHANDO PARA CRIAR OPORTUNIDADES. Governo do Estado do Amazonas. Secretaria de Estado de Saúde -SUSAM TRABALHANDO PARA CRIAR OPORTUNIDADES Governo do Estado do Amazonas Secretaria de Estado de Saúde -SUSAM Secretaria de Estado de Saúde SUSAM, 2011. É permitida a reprodução deste material desde que citada

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01

RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 RH EM AÇÃO INFORMATIVO Nº 01 A Superintendência de Administração de Recursos Humanos/SEDUC, em consonância com a política de gestão e valorização de pessoas, desenvolvida pela Secretaria de Estado da Educação,

Leia mais

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo

Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Decreto nº 40.536, de 12 de dezembro de 1995 de São Paulo Institui o Programa Permanente da Qualidade e Produtividade no Serviço Público e dá providências correlatas MÁRIO COVAS, Governador do Estado de

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre os procedimentos internos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, referentes ao Estágio Probatório, nos termos do Art. 41 4.º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Leia mais

Proposta Orçamentária 2012

Proposta Orçamentária 2012 Vice Presidência de Gestão e Desenvolvimento Institucional Diretoria de Planejamento Estratégico Proposta Orçamentária CD março Evolução do Orçamento Fiocruz, Ministério da Saúde e dos indicadores econômicos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 005/2015

INSTRUÇÃO Nº 005/2015 INSTRUÇÃO Nº 005/2015 Orienta os servidores da Administração Publica Direta, Entidades e Autarquias do Poder Executivo Estadual, quanto aos prazos e procedimentos a serem observados no segundo Processo

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais