da Fazenda em São Paulo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "da Fazenda em São Paulo."

Transcrição

1 RELATÓRIO TÉCNICO DE IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. Dados da Instituição Nome da Instituição: Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda em São Paulo. Endereço: Avenida Prestes Maia, 733 Nº de servidores (Incluir o somatório dos servidores, estagiários e terceirizados) Área Construída (m2) 58877,06 Informar se é prédio próprio ou alugado Prédio próprio Informar se é Edifício Sede Edifício Sede O prédio é habitado além da SAMF(Superintendência de Administração do Ministério da Fazenda em São Paulo) por outros órgãos, CGU (Controladoria Geral da União), ESAF (Escola Fazendária), SPU (Superintendência do Patrimônio da União), RFB (Receita Federal do Brasil), PRF (Procuradoria da Fazenda Nacional), Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal. As despesas com água e esgoto e energia elétrica são compartilhadas/rateadas entre os órgãos que utilizam do espaço. 2. Dados do Relatório Data de apresentação: 12/08/14 Período de avaliação: Janeiro a Julho de 2014 Ciclo Semestral Nome do Responsável pelas informações Edson Carlos Oda dos Santos Contato do Responsável /(11) Nome dos Membros da Comissão A3P: A SAMF/SP está providenciando nomeação para compor a Comissão A3P. 3. Monitoramento das Ações Eixo 1. Uso Racional dos Recursos Naturais e Bens Públicos

2 1.1. Indicadores para uso de energia Consumo de energia elétrica Quantidade de kwh consumidos (deverá ser incluído o somatório dos valores mensais das faturas pagas no período considerado para a elaboração do relatório) Consumo de energia elétrica per capita Quantidade de Kwh consumidos / total de servidores kwh 1.379,03 kwh/pessoa Gasto com energia Valor total da fatura em reais (deverá ser incluído o somatório dos valores mensais pagos no período considerado para elaboração do relatório) E Uso de energia renovável - percentual E Energia elétrica economizada - percentual E Uso de lâmpadas fluorescentes eficientes E Uso de sistema de controle de iluminação por timer ou foto célula (Total de Kwh de energia elétrica a partir de fontes renováveis /total de kwh de energia elétrica) x 100 (Total de Kwh de energia elétrica no ano 2 total de kwh de energia no ano 1 / total de energia elétrica) x 100 Quantidade (unidades) de lâmpadas incandescentes substituídas por lâmpadas fluorescentes com selo Procel-Inmetro de desempenho na área de iluminação Informar se utiliza ou não sistema de controle de iluminação Item Consideramos pessoas que habitam o prédio. Item E1.1.5 Consumo de Consumo de ,033 Total Kwh. R$ ,31 0,00% ,16 Kwh 50 lâmpadas SIM 1.2. Indicadores para uso da água Consumo de água Quantidade de m3 consumidos = (deverá ser incluído o somatório dos valores mensais das faturas pagas) Volume de água per capita Quantidade de m3 de água consumidos/total de servidores m3 7,98 m3 / pessoa

3 Gasto com água Valor da fatura em reais (deverá ser incluído o somatório dos valores mensais das faturas pagas no período considerado para elaboração do relatório) A Consumo de água mineral Total de galões de água mineral (20 litros) adquiridos. A Gasto com aquisição de água mineral E Reutilização de água E Uso de hidrômetros individualizados para controle do consumo de água Valor total gasto com compra de galões de água mineral em reais Total de m3 de água cinza (servida) + Total de m3 de água captada da chuva Informar se possui ou não hidrômetros individualizados Item Consideramos pessoas que habitam o prédio. Item A A partir de junho, iniciou-se o processo de substituição dos galões por purificadores Itens E e E Fazem parte do projeto de modernização do Edifício (Retrofit). R$ , litros R$ ,00 00 m3 NÃO 1.3. Indicadores para uso de Copos Descartáveis Consumo de copos de 200 ml descartáveis Consumo de copos de 50 ml descartáveis Consumo per capita de copos de 200 ml descartáveis Quantidade (unidades) de copos descartáveis utilizados Quantidade (unidades) de copos descartáveis de 50 ml utilizados Quantidade (unidades) de copos de 200 ml / quantidade de servidores copos de 200 ml copos de 50 ml 336,28 copos de 200 ml/pessoa Consumo per capita de copos de 50ml descartáveis Gasto total com aquisição de copos descartáveis Quantidade (unidades) de copos de 50 ml / quantidade de servidores Valor total gasto com compra copos descartáveis em reais 69,20 copos de 50 ml/pessoa R$ 4.755,47

4 E Utilização de utensílios não descartáveis E Percentual de uso de utensílios não descartáveis Quantidade (unidades) de xícaras + copos + garrafas produzidos a partir de material permanente Quantidade total de utensílios não descartáveis (xícaras+copos permanentes)/ quantidade total de copos descartáveis utilizados (50 ml + 20ml) x 100 Itens e consideramos somente servidores da SAMF/SP, 328 pessoas. 00 utensílios 0,00% 1.4. Indicadores para Papel Consumo mensal de papel branco (clorado) Quantidade (unidades) de folhas de papel branco utilizadas folhas Consumo per capita de papel branco (clorado) Quantidade (unidades) de folhas de papel branco utilizadas / quantidade de servidores 500 folhas/pessoa Consumo mensal de papel não clorado e reciclado Gasto com aquisição de papel branco (clorado) Gasto com aquisição de papel reciclado Gasto com aquisição de papel não-clorado E Percentual de papel reciclado e não clorado E Emissão de CO2 Quantidade (unidades) de papel não clorado + Quantidade (unidades) de papel reciclado utilizado Valor total gasto com a compra de papel branco (clorado) em reais Valor total gasto com a compra de papel reciclado (clorado) em reais Valor total gasto com a compra de papel não-clorado em reais (Quantidade total de papel reciclado + quantidade total de papel não-clorado/ quantidade total de papel branco (clorado) x 100 Quantidade de resmas de papel (500 folhas) consumidas x 3,5 Kg de CO2 0 folhas de papel reciclado e/ou nãoclorado R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 00 % 532 Kg de CO2

5 Item Consideramos somente servidores da SAMF/SP, 328 pessoas Indicadores para Transporte Aéreo Gasto com passagens aéreas nacionais Gasto com passagens aéreas internacionais Valor total gasto com a compra de passagens aéreas nacionais Valor total gasto com a compra de passagens aéreas internacionais Milhas percorridas no país Quantidade de milhas percorridas no país Milhas percorridas no exterior Quantidade de milhas percorridas no exterior E E Utilização de videoconferências Quantidade de videoconferências realizadas Emissão de CO2 Distância (Km) percorrida x 0,11 Kg CO2 Sem ocorrência no período Sem ocorrência Nada consta Nada consta 05 (cinco) videoconferê ncias Nada consta 1.6. Indicadores para Transporte Terrestre Frota total Quantidade de veículos utilizados no transporte de funcionários Quilometragem percorrida Quantidade de quilômetros percorridos Consumo de Gasolina Quantidade de litros de gasolina consumida Consumo de Álcool Quantidade de litros de álcool consumido E Emissão de CO2 Quantidade de litros de gasolina consumida x 2,63 KgCO2/l 54 veículos Km 18904,59 litros 2250,75 litros 49719,07 Kg de CO2 Eixo 2. Gestão Adequada dos Resíduos Gerados 2.1. Indicadores para Coleta Seletiva Reciclagem de papel Quantidade (Kg) de papel destinado à reciclagem Kg

6 Reciclagem de papelão Quantidade (Kg) de papelão destinado à reciclagem Reciclagem de Toner Quantidade (unidades) de toner destinados à reciclagem Reciclagem de Plástico Quantidade (Kg) de plástico destinado à reciclagem E Total de material reciclável destinado às cooperativas Kg de Papel + Kg de Papelão + Kg de Plástico+ Kg de plástico destinados à reciclagem Kg 90 unidades Kg Kg E Reutilização de Papel Quantidade de papel reutilizado Kg Item E2.1.6 O papel utilizado é encaminhado para reciclagem Indicadores para Gestão de Resíduos Perigosos Descarte de lâmpadas fluorescentes Quantidade de lâmpadas trocadas unidades Descarte de pilhas e baterias Quantidade de pilhas e baterias descartadas E Logística reversa de lâmpadas fluorescentes Quantidade de lâmpadas recicladas pela empresa prestadora do serviço unidades Item 2.22 Não existe contagem oficial. Projeção aproximada de 200 unidades mensais. Existe uma caixa para descarte desse material. O recolhimento é feito semestralmente. Kg 2.3. Indicadores para Gestão de Resíduos Eletroeletrônicos Descarte de computadores Quantidade de computadores inutilizados e/ou obsoletos descartados Descarte de impressoras Quantidade de impressoras inutilizadas e/ou obsoletas descartadas Descarte de aparelhos telefônicos inutilizados Descarte de aparelhos de fax inutilizados/obsoletos Quantidade de aparelhos telefônicos inutilizados e/ou obsoletos descartadas Quantidade de aparelhos de fax inutilizados/ obsoletos descartados

7 Durante o período de 01 a 07/2014 não foram inutilizados equipamentos de informática e comunicação Plano de Gestão de Resíduos Definição de Plano de Gestão de Resíduos Eixo 3. Licitações Sustentáveis 3.1. Indicadores para aquisição de ar Condicionado Aquisição de sistema de ar condicionado eficiente Substituição de equipamentos antigos por equipamentos com sistema eficiente Informar se há Plano ou não SIM Existe coleta seletiva e destinação do lixo para locais de reciclagem. Quantidade de equipamentos adquiridos Quantidade de equipamentos substituídos por sistema eficiente Uso de sistema de automação Informar se utiliza ou não sistema automatizado NÃO Item 3.1 está em execução, com a substituição da CAG (Centrais de água gelada) Indicadores para Iluminação Aquisição de lâmpadas fluorescentes eficientes E Uso de reatores eletrônicos com alto fator de potência E Uso de luminárias reflexivas de alta eficiência O item E foi realizado em Quantidade de lâmpadas fluorescentes com selo Procel- Inmetro de desempenho adquiridas 6 Quantidade de reatores adquiridos 2 Quantidade de luminárias adquiridas 3.3. Indicadores para água Aquisição de torneiras com Quantidade de torneiras

8 válvulas redutoras de pressão e temporizadores Aquisição de torneiras com sensores ou fechamento automático Aquisição de sanitários com válvulas de descarga com duplo acionamento ou a vácuo Porcentagem de equipamentos economizadores de água adquiridos adquiridas Quantidade de torneiras adquiridas Quantidade de sanitários adquiridos (Quantidade de equipamentos economizadores de água adquiridos / total de equipamentos hidráulicos utilizados) x % Os itens e foram realizados em 2011 com a contratação de empresa para controlar a economia de água FOX IT Indicadores para aquisição de papel Aquisição de papel reciclado 100% para impressão Aquisição de papel não clorado para impressão Aquisição de envelope de papel 100% reciclado Porcentagem de papel 100% reciclado Quantidade de papel reciclado adquiridos Quantidade de papel não clorado adquirido Quantidade de envelopes de papel adquiridos (Quantidade de papel 100% reciclado adquirido / total de papel adquirido) x Kg 00 Kg 00 Kg 00 % 3.5. Indicadores para Madeira Aquisição de materiais produzidos com madeira certificada Informar materiais adquiridos que foram produzidos a partir de madeira certificada NÃO

9 3.6. Indicadores para Veículos Aquisição de veículos flex Quantidade de veículos flex adquiridos Aquisição de veículos movidos a biocombustíveis Quantidade de veículos movidos a biocombustíveis adquiridos 00 veículos 00 veículos 3.7. Indicadores para TI Verde Aquisição de estações de trabalho Quantidade de estações adquiridas com base na Portaria SLTI nº Aquisição de notebook Quantidade de notebook adquiridos com base na Portaria SLTI nº Aquisição de netbook Quantidade de netbook adquiridos com base na Portaria SLTI nº Aquisição de impressoras frenteverso Quantidade (unidades) de impressoras frente-verso adquiridas cerca de estações 00 notebook 00 netbook 00 impressoras 3.8. Indicadores para Serviços de Limpeza Utilização de Materiais biodegradáveis Informar sobre a inclusão, no contrato, de material de limpeza biodegradável Item NÃO DE FORMA EXPLÍCITA (Texto dos contratos: Substituição de substâncias tóxicas por outras atóxicas ou de menor toxicidade). NÃO DE FORMA EXPLÍCITA 3.9. Indicadores para Serviços de Copa Utilização de utensílios permanentes Quantidade (unidades) de copos plásticos substituídos por copos não descartáveis

10 Eixo 4. Qualidade de Vida no Trabalho 4.1. Qualidade de Vida no Trabalho Saúde e qualidade de vida Informar sobre os programas existentes para promoção da saúde e da qualidade de vida dos servidores Redução do stress no trabalho Informar as ações para diminuir o estresse e promover a interação dos servidores Programa de Gestão e Qualidade de Vida do Servidor PROGRAMA BEM VIVER do Ministério da Fazenda, de forma a contribuir para o desenvolvimen to dos valores e da filosofia da Qualidade de Vida e Trabalho, como veículo facilitador da evolução institucional, focalizando o ser humano como um todo integrado, elemento primordial da organização. Participação dos servidores da SAMF/SP no Espaço Conexão, onde tem aparelhos de ginástica, espaço de meditação, ginástica laboral, massagem relaxante e palestras motivacionais. Parceria com a Receita Federal do

11 Participação dos servidores nos programas e/ou ações voltadas para a qualidade de vida no trabalho Item Ações Semana da Mulher 2- Campanha de Prevenção da Diabetes e Hipertensão 3- Fale com o médico (Quantidade de servidores que participaram de programas ou ações de qualidade de vida/ total de servidores da instituição) x 100 Brasil. 1,96 % Item /169= 196 x 100% 4.2. Segurança no Serviço e Acessibilidade Comissão Interna de prevenção de acidentes Informar se há ou não Comissão NÃO Brigada contra incêndios Informar se há ou não Brigada SIM Acesso apropriado para portadores de deficiência Informar se há ou não acesso apropriado SIM Eixo 5. Sensibilização e capacitação 5.1. Ações de sensibilização para os servidores Curso para servidores Listar os cursos realizados: 1- Como planejar a aposentadoria 2- Como organizar o orçamento familiar 3- Como gastar conscientemente 4- Jogos das novas regras ortográficas reconhecendo texto e contexto 5- Gestão e Fiscalização de Contratos (Presencial/ESAF) 6- Nova Regra Ortográfica 7- Diversidade nas Organizações 8- Videoconferência Aposentadoria 9- Legislação Aplicada à Logístíca de Suprimentos 10- Orçamento Público Foram realizadas 34 ações de treinamento

12 11- Correio Expresso 12- Ética e Serviço Público 13- Ética e Administração Pública 14- Reforma no CPP 15- Atendimento ao Cidadão 16- SCDP Nova versão 17- SIAFI Operacional 18- Fundamentos da Lei 8.112/ COMPROTDOC 20- Caminhos Educação para aposentadoria 21- Gerência de Projetos / Teoria e Prática 22- Legislação Aplicada à Gestão de Pessoas 8.112/ Desenvolvimento de Equipes 24- ASP Estatística 25- Gestão de Fiscalização de Contratos Administrativos (ENAP/ EAD) 26- Controles na Administração Pública 27- Como fazer investimentos 28- Motivação nas organizações 29- Filosofia 30- Sociologia 31- Ética na Serviço Público 32- Gestão Estratégica de Pessoas e Planos de Carreiras 33- Administração do Tempo 34- Fundamentos de Rede Campanhas Listar as campanhas realizadas 1- Melhor utilização do papel. 2- Campanha de Diabetes e Hipertensão - GEAP/MF 1) Campa nha do Papel Dados inform ados nos itens 2.1 2) 136 atendi mentos de eferiçã o e orienta ção sobre diabet es e

13 Publicações Listar as publicações Informativo FAZ MELHOR produzido pela SPOA Comunicação Listar as estratégias de comunicação utilizadas ampla divulgação de ações realizadas para lista de distribuição de correio eletrônico repassando informativo de outras unidades; publicação de informações relevantes programadas em mural eletrônico nos elevadores; monitoramento de quantitativo de acesso nas postagens da intranet divulgadas para servidores. parcerias para promoção de palestras voltadas para qualidade de vida saúde e pessoal do servidor. Exemplo: GEAP Palestras Listar palestras realizadas 1- Saúde da Mulher 25/3 2-Comer Bem no Trabalho 21/31 3- Prevenção do Câncer na Mulher 19/3 4- Cuidado Nutricional na Diabetes e Hipertensão - 25/4 Dra. Regiane Ribeiro 5- Benefícios da Atividade Física Regular Educador Físico André Hernani 6- Hipertensão Dr. Ary Fernandes Soutello Filho 7- Viva com inspiração e movimento glicose feito durant e campa nha. Publicação divulgada para servidores 40 informativos FAZ MELHOR divulgados. Divulgação de palestras realizadas. Palestra 1 17 participantes: Palestra 2 46 participantes Palestra 3 35 participantes

14 Personal trainer Cecília Faipó 8- O ser e a estética Artista plástico Eduardo Cartinari 9- A mulher e a sua interatividade com sentimentos, emoções, autoridade e hierarquia profissional Psicóloga Agenilda Gomes de Medeiros 10- Dicas sobre decoração de ambientes Silvia Rubens 11- Saúde da Mulher Médica esportiva e nutróloga Dra. Maria Beatriz Meme Monteiro Campanha realizada início do ano para melhor utilização do papel enfatizando sobre a importância em separar papel seco de lixo orgânico, com divulgação de imagem institucional sobre o tema divulgadas em mídia eletrônica nos elevadores do prédio nos meses de janeiro, fevereiro e março de Capacitação de Servidores Plano/Programa de capacitação de servidores Informar se a instituição possui plano ou programas para capacitação dos servidores Servidores capacitados Informar o Número de servidores capacitados SIM 80 servidores Item 5.21 Plano Anual de Capacitação do Ministério da Fazenda/SP, elaborado em novembro/2013 junto com as áreas da SAMF/SP para capacitar os servidores no exercício de 2014 e enviado para a Coordenação de Gestão de Pessoas/SPOA/DF para aprovação e liberação de recursos para efetivação dos cursos programados. Promover a formação e a capacitação para o contínuo desenvolvimento e o aperfeiçoamento dos servidores do Ministério da Fazenda, nos níveis organizacional, gerencial e técnico, para o desempenho eficaz e efetivo de suas funções laborais, que contribuirão para o alcance dos objetivos estratégicos e institucionais e, consequentemente, fazer cumprir com o disposto no Decreto de 23 de fevereiro de Avaliação

15

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT. Secretaria Geral do TJDFT - SEG. Coordenação de Gestão Socioambiental - COGESA

Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT. Secretaria Geral do TJDFT - SEG. Coordenação de Gestão Socioambiental - COGESA Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT Secretaria Geral do TJDFT - SEG Coordenação de Gestão Socioambiental - COGESA 1 Sumário 1 Uso Racional dos Recursos Naturais e Bens Públicos...9

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Ações de Ecoeficiência na Caixa

Ações de Ecoeficiência na Caixa Ações de Ecoeficiência na Caixa Marcos Históricos 2003 Adesão ao Pacto Global 2004 Aprovada Política Ambiental CAIXA 2005: Instalação do Comitê de Política Ambiental; 2007 Criação das GN Meio Ambiente

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Guarapuava PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável UTFPR - Câmpus

Leia mais

Agenda Ambiental na Administração Pública

Agenda Ambiental na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental DCRS Agenda Ambiental na Administração Pública Um novo

Leia mais

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Diálogos do PES Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Cenário Histórico 2009 AGENDA SOCIOAMBIENTAL (REUNIÃO DAS AÇÕES EXISTENTES) 2010 CRIAÇÃO PROGRAMA VIVER DIREITO META 6 DO PODER

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E FEAM FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E FEAM FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE S I S T E M A E S T A D U A L D E M E I O A M B I E N T E FEAM FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Programa AmbientAÇÃO Ricardo Botelho Tostes Ferreira Frederico Batista Baião SISTEMA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 4, DE 2013. Institui a Política de Responsabilidade Socioambiental do Senado Federal. A COMISSÃO DIRETORA DO SENADO FEDERAL, no uso da competência que lhe foi conferida pelo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 RESULTADOS SEMESTRAIS Brasília Agosto de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MONITORAMENTO... 3 3

Leia mais

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2012. Estabelece regras para elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentável de que trata o art.

Leia mais

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade 46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade Durante o 46º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial serão desenvolvidas ações com o objetivo de conscientizar os participantes

Leia mais

A Importância da reciclagem

A Importância da reciclagem Texto 1 A Importância da reciclagem Vanessa Minuzzi Bidinoto Reciclar é economizar energia, poupar recursos naturais e trazer de volta ao ciclo produtivo o que jogamos fora. Para compreendermos a reciclagem

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2016

PLANO DE AÇÃO - 2016 PLANO DE AÇÃO - 2016 I - MATERIAL DE CONSUMO Papel A4 Branco - Consumo Quantidade de resmas de papel utilizadas no TJMG 269.733 Redução de 5% do consumo - fomentar a utilização de correio eletrônico para

Leia mais

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade?

Começa por você! Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? Resultados das ações da Campanha De quem é a responsabilidade? CAMPANHA DE QUEM É A RESPONSABILIDADE? Início da Campanha outubro de 2009 Objetivo: Implementar a A3P e incentivar os servidores para adoção

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS PLANO DE AÇÕES 5W2H

GESTÃO AMBIENTAL - SENGE-RS PLANO DE AÇÕES 5W2H LOCAL: SEDE DO SINDICADO DOS ENGENHEIROS DO RIO GRANDE DO SUL - SENGE RS DATA: JUNHO/2010 ENDEREÇO: AV. ÉRICO VERÍSSIMO, 960, PORTO ALEGRE - RS RESPONSÁVEIS: THOMAZ MENNA BARRETO MOOJEN LUCAS NOVELLO FAVERO

Leia mais

O que é o Programa Reciclando Atitudes?

O que é o Programa Reciclando Atitudes? O que é o Programa Reciclando Atitudes? É um programa que visa despertar a reflexão da sociedade para a gestão adequada dos resíduos sólidos, através de ações socioambientais de sensibilização, formação,

Leia mais

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável

PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável PROGRAMA SEBRAE AMBIENTAL Projeto SEBRAE Sustentável Palmas, 18 de março de 2014. Apresentação O projeto em questão é uma proposta de implantação de um Plano de Gestão Sustentável para o SEBRAE/TO para

Leia mais

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS

DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO DNOCS PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL DO COORDENAÇÃO DE RECURSOS LOGÍSTICOS Paulo César Lopes Barsi Comissão de Elaboração do Plano de Logística Sustentável (PLS) Carlos Henrique Feitosa Soares Fábio

Leia mais

Em busca da qualidade de

Em busca da qualidade de Diretoria de Gestão Corporativa-DG empresa Em busca da qualidade de gestão Inovações tecnológicas e gerenciais possibilitam mais eficiência à Eletrobras Furnas texto Leonardo da Cunha Valorizar o capital

Leia mais

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA

COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA COLETA SELETIVA SOLIDÁRIA O órgão público federal que aderiu ao Projeto Esplanada Sustentável PES, será considerado sustentável no tema Coleta Seletiva Solidária (Decreto 5.940/06), se alcançar 90% das

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL NÚCLEO DE GESTÃO AMBIENTAL NGA IFC - CÂMPUS VIDEIRA USO RACIONAL DE RECURSOS NATURAIS E PRESERVAÇÃO AMBIENTAL USO CONSCIENTE DO APARELHO DE AR CONDICIONADO COM OBJETIVO DE ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA Desligá-lo

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL 1 1. INTRODUÇÃO Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, com uma proposta singular de organização e gestão, traduzem a realidade com que dialogam,

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015

Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015 Plano de Gestão de Logística Sustentável - PLS Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Exercício 2015 ÍNDICE 1. Introdução...03 2. Objetivos...04 3. Diretrizes...05 4. Implementação, Monitoramento

Leia mais

Pesquisa de Percepção do Viver Direito

Pesquisa de Percepção do Viver Direito Metas lcançadas - Pesquisa de Percepção do Programa de Divulgação Viver Direito A pesquisa é um INDICADOR de efetividade do cumprimento da meta 1 do PRODVD: Atingir 60% do público interno com a campanha

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink

Diretrizes de Sustentabilidade Carelink 1 Para a, o que é sustentabilidade? É a forma mais eficaz para alcançarmos resultados consistentes, buscando soluções integradas que envolvam aspectos sociais, tecnológicos, econômicos e ambientais, de

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

Plano de Logística Sustentável do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

Plano de Logística Sustentável do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL SETEMBRO DE 2015 1 PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Desembargador José Renato Nalini NÚCLEO SOCIOAMBIENTAL Juízes Assessores da Presidência da Área de Administração

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA PRESIDÊNCIA RESOLUÇÃO 201, DE 3 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre a criação e competências das unidades ou núcleos socioambientais nos órgãos e conselhos do Poder Judiciário e

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

Convenção de Condomínio para prédios verdes

Convenção de Condomínio para prédios verdes Convenção de Condomínio para prédios verdes Por Mariana Borges Altmayer A tendência mundial da sustentabilidade na construção civil tem levado cada vez mais as empresas deste mercado a desenvolver empreendimentos

Leia mais

PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS-TST/CSJT

PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS-TST/CSJT PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS-TST/CSJT PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO E CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO (PLS-TST/CSJT) Conteúdo INTRODUÇÃO... 5 1. INDICADORES

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

Ministério da Previdência Social Redução de Gastos Julho - 2015 DESPESA 2012 2013 2014 2015 2016 DATAPREV DESPESA 2012 2013 2014 EXEC 1º SEM PROJEÇÃO Diárias e Passagens 562.609.894 587.443.620 609.750.166

Leia mais

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar!

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar! Sustentabilidade do Planeta Todo mundo deve colaborar! Situação no mundo atual O Planeta pede socorro!!!! A atividade humana tem impactado negativamente o meio ambiente. Os padrões atuais de consumo exploram

Leia mais

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade

Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade Laboratório Nacional de Computação Científica Ações de Sustentabilidade PLANO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS LNCC 2013 Petrópolis, 05 de agosto de 2013 Pedro Leite da Silva Dias Diretor Alexandre Grosjgold

Leia mais

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional

Programa Permanente de Coleta Seletiva. Solidária do Arquivo Nacional Solidária do Arquivo Nacional Programa Permanente de Coleta Seletiva Amparado pelo Decreto Federal 5.940/ 2006 - que prevê que todas as instituições federais passem a doar seus materiais recicláveis descartados

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento

CAPA. Ministério de Ministério do Ministério do Ministério do Minas e Energia Desenvolvimento Social Meio Ambiente Planejamento CAPA Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo, Técnico e Operacional Serviços

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

Relatório de atividades da Comissão de Responsabilidade Socioambiental TRT 3ª Região - referente ao ano de 2014

Relatório de atividades da Comissão de Responsabilidade Socioambiental TRT 3ª Região - referente ao ano de 2014 Relatório de atividades da Comissão de Responsabilidade Socioambiental TRT 3ª Região - referente ao ano de 2014 Metas para 2014 definidas no início de 2014 Elaborar Plano de Gerenciamento dos Resíduos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P. Cidade UF CEP DDD/Telefone PLANO DE TRABALHO PARA IMPLEMENTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão CNPJ/MF Endereço Cidade UF CEP DDD/Telefone Nome do Responsável CPF CI/Órgão Exp. Endereço CEP 2. DESCRIÇÃO DO PROJETO Título do Projeto

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE. Instituto Reinventar

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE. Instituto Reinventar RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE SUSTENTABILIDADE Instituto Reinventar Julho/2012 Apresentamos o Relatório do Nível de Sustentabilidade da Festa Junina da Escola da Vila 2012, evento realizado em junho

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO CAPA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Contextualização Crescimento das Despesas Administrativas Despesas Administrativas - comparáveis entre os órgãos; Suporte às despesas finalísticas. Apoio Administrativo,

Leia mais

Valéria D ria D Amico. Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo. March, 2005 1

Valéria D ria D Amico. Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo. March, 2005 1 Valéria D ria D Amico Amico Casa Civil Governo do Estado de São Paulo March, 2005 1 COMITÊ DE QUALIDADE DA GESTÃO PÚBLICAP CASA CIVIL - FAZENDA - PLANEJAMENTO - PGE March, 2005 2 OBJETIVO introduzir critérios

Leia mais

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

APO AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA RIO + 20 Estratégias e Ações sobre Resíduos para Cidades Sustentáveis Rio de Janeiro, 22 de junho de 2012 Rio: Oportunidades e Desafios para o Desenvolvimento Sustentável DESENVOLVIMENTO ALIADO À CONSERVAÇÃO

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior

Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro. O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior Apresentação: Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro Órgão integrante da Justiça Eleitoral O Estado do Rio de Janeiro atende ao 3º maior eleitorado do país (11.563.483 eleitores) 249 Cartórios Eleitorais

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR INTRODUÇÃO... 03 RECICLE SEU COMPUTADOR POSITIVO... 03 CICLO PRODUTIVO - LOGÍSTICA REVERSA... 04 RECICLAR É PRECISO... 04 DICAS DE USO CONSCIENTE... 05 CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL

Leia mais

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC.

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Decreto 5.940/06 Brasília, 13 de abril de 2012 Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Casa Civil da Presidência da República

Leia mais

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC.

Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Comitê Interministerial para Inclusão Social e Econômica dos Catadores de Materiais Reutilizáveis e Recicláveis CIISC. Casa Civil da Presidência da República Ministério da Educação Ministério da Saúde

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística.

A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. Layout: Silvio Bacheta A Divisão de Biblioteca e a sustentabilidade ambiental, econômica, de infraestrutura e logística. São Paulo, SP - Março 2012 Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Divisão

Leia mais

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20

Ass. de Comunicação www.ptexto.com.br. Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012. Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9 Assunto: Rio+20 Veículo: Site Correio Braziliense Data: 14/06/2012 Seção: Ser Sustentável Pág.: http://bit.ly/okj5q9

Leia mais

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo

CAU/SP. Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo Estudo para implantação do SGA, PE e A3P Sistema de Gestão Ambiental do CAU/SP Programa de Ecoeficiência do CAU/SP Agenda Ambiental na Administração

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Viver Confortável, Morar Sustentável

Viver Confortável, Morar Sustentável Viver Confortável, Morar Sustentável A Verde Lar foi criada em Março de 2009, dando início a uma jornada com o compromisso e ética das questões ambientais no mercado habitacional oferecendo soluções para

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

Gestão Ambiental. E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010

Gestão Ambiental. E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010 TRT- AMBIENTAL Gestão Ambiental E seu contexto no Tribunal Regional do Trabalho da ª Região - 2010 Coleta seletiva no Ed. Sede tem início nesta quarta-feira (03) A partir desta quarta-feira (03), será

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE CUSTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS Equipe Técnica o o o o Prefeito Municipal Luiz Goularte Alves Secretaria Municipal

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

O AMERIPREV participa de Programas de Sustentabilidade reciclando os resíduos produzidos pelo Instituto, assim pratica a Responsabilidade Social e

O AMERIPREV participa de Programas de Sustentabilidade reciclando os resíduos produzidos pelo Instituto, assim pratica a Responsabilidade Social e O AMERIPREV participa de Programas de Sustentabilidade reciclando os resíduos produzidos pelo Instituto, assim pratica a Responsabilidade Social e ajuda a preservar o Meio Ambiente, gerando economia e

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMAGU INSTALAÇÕES EFICIENTES E SUSTENTÁVEIS SP Pirassununga Rua Duque de Caxias, 1254 Centro Unidades: ERPGF Escritório de Representação

Leia mais

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA

Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Rio de Janeiro (RJ), 31 de Agosto de 2012. Heverthon Jeronimo da Rocha Gerente Técnico de Meio Ambienta - URBANA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos do Município de Natal Área 170,298

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade

Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade Catalogação na Fonte: Bibliotecária Tavita Rosa Barros CRB-5/1371 B151m Bahia Mineração Manual de Boas Práticas para Sustentabilidade da BAMIN / Bahia Mineração

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS

PLANO DE GESTÃO E DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE AÇÃO 2015 OBJETIVOS AÇÕES RESPONSÁVEIS CRONOGRAMA INDICADORES META 2015 RECURSOS MACROÁREA: ENERGIA Prover maior eficiência às Instalações elétricas gerais Prover maior eficiência na organização da manutenção Estimular boas práticas sustentáveis sobre energia elétrica Prover maior

Leia mais

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS PROJETO VAGA-LUME COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS ELABORAÇÃO DO PROJETO: - ASSESSORIA DE QUALIDADE ASQUA/AC Neusa Maria Cúgola - ASSESSORIA TÉCNICA PARA A QUALIDADE ASTEC-Q/DR/BSB

Leia mais

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: J&I Serviços Educacionais LTDA Nome Fantasia: Wizard Aparecidinha Data de fundação:

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

Treinamento dos CIPES

Treinamento dos CIPES Treinamento dos CIPES Cronograma Maio Cronograma Junho Cronograma Julho Sugestão de boas práticas: Boas práticas > Água e Esgoto: Implantar sistemas de monitoramento do consumo para identificar de forma

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PARQUE DE MATERIAL DE ELETRÔNICA DA AERONÁUTICA DO RIO DE JANEIRO DEFESA E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE PLS PLANO DE

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA

Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA Grupo:Amanda,Débora,Diogo,Flavia,Júlia,Luis,Melina e Nádia Introdução: Energia PROBLEMAS AMBIENTAIS IMPORTÂNCIA DESPERDÍCIO BENEFÍCIOS DEPENDÊNCIA Introdução: Energia

Leia mais

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS

ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS ESCOLA SENAI MARIO AMATO EQUIPE DE QUALIDADE AMBIENTAL PROGRAMA AMBIENTAL 4: CONTROLE E REDUÇÃO DO USO DE RECURSOS NATURAIS Resultados do Subprograma PR 04.30: Redução do Consumo de Papel 2010 São Bernardo

Leia mais

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3601 - SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E RELAÇÕES INTERNACIONAIS - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 15.506, de 31 de julho de 1991; Decreto nº 15.813, de 24 de abril de 1992; Lei nº 15.738, de

Leia mais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais

Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS. Departamento de Logística e Serviços Gerais Roteiro para Elaboração dos Planos de Gestão de Logística Sustentáveis PLS Departamento de Logística e Serviços Gerais ÍNDICE PREPARAÇÃO... 3 A) IDENTIFICAÇÃO DA COMISSÃO GESTORA... 4 B) INSTITUIR POR

Leia mais