NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE ARTIGOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO."

Transcrição

1 NORMAS PARA O PROCESSAMENTO DE - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. ATENÇÃO Para desenvolver esta atividade, sem risco de contaminação por material orgânico (sangue, fluídos orgânicos, secreções e excreções) através do contato e/ou respingos; por produto químico (soluções desinfetantes e/ou esterilizantes), seja através do contato, respingo ou inalação de vapores, todos os profissionais de saúde deverão fazer uso dos Equipamentos de Proteção individual (EPI) que são: - Luvas de borracha antiderrapante, de cano longo; - Capote impermeável; - Óculos de proteção e - Máscara com filtro CONCEITOS BÁSICOS I Limpeza Consiste na lavagem, enxágüe e secagem dos artigos. Tem por objetivo remover totalmente a matéria orgânica dos artigos, com utilização de soluções detergentes ou desincrostantes. Pode ser: Manual - com ajuda de escovas, estilete, seringas, etc. Mecânica - com ajuda de equipamentos: - Lavadora de ultra-som; II - Desinfecção É o processo de destruição de microorganismos patogênicos ou não, na forma vegetativa (não esporulada, presentes nos artigos). Para o processo de desinfecção o artigo deve estar totalmente limpo e seco. A desinfecção pode ser por processo físico ou químico, que deverá ser escolhido em função das características do artigo. Processo físico lavadora termo-desinfetadora Processo químico - imersão do artigo em solução química (ácido peracético) - fricção mecânica (álcool 70%) 1

2 III - Esterilização É o processo utilizado, para destruição de todas as formas de vida microbiana, isto é, bactérias, fungos, vírus e esporos presentes nos artigos. Para o processo de esterilização o artigo deve estar totalmente limpo e seco. A esterilização pode ser obtida por processos físicos, ou fisicoquímicos. Processo físico - vapor saturado sob pressão ou calor seco. Processo físico-químico - Óxido de Etileno. B - PROCESSAMENTO DOS - LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO. SOLUÇÕES MÉTODOS E PROCESSAMENTO DE I - Para Limpeza I.1 Solução Limpadora Enzimática (Desincrostante) I.2- Solução Detergente - após uso, Imergir totalmente os artigos em solução desincrostante por 5 minutos, ou solução detergente durante 10 minutos. Lavar com o auxílio de escovas estiletes seringas, retirando todos os resíduos (crostas, secreções, etc.) Enxaguar os artigos com água corrente Secar os artigos com: - pano limpo e seco. - ar comprimido medicinal Se Desinfecção - ver processo de desinfecção. Se Esterilização - encaminhar os artigos limpos e secos para a Central de Material Esterilizado (SME), para o processo de esterilização, física ou físicoquímico. Todos (metais, borrrachas e vidrarias). 2

3 SOLUÇÕES II - Para Desinfecção Química II.1 ácido peracético MÉTODOS E PROCESSAMENTO DE Após Limpeza, enxágüe e secagem Equipamentos de Imergir totalmente os artigos em anestesia gasosa (circuito, solução de ácido peracético 0,2% por máscaras, tubos 15 minutos, em recipientes de vidro ou endotraqueais, catéteres de plástico com tampa e ao abrigo da luz. sucção, conecções em Y, Preencher o interior das tubulações balão e válvula de ambu) dos artigos com solução desinfetante Conecções e acessórios com o auxílio de uma seringa. de respiradores artificiais. Remover os artigos da solução Endoscópios de fibra desinfetante com pegador,pinça, luva óptica. estéril. Enxaguar os artigos com água corrente, potável e filtrada. Secar os artigos com: Compressas esterilizadas ou Ar comprimido medicinal Acondicionar os artigos em embalagens limpas. Estocar em local limpo SOLUÇÕES II - Para Desinfecção química II.2 - Álcool etílico a 70% MÉTODOS E PROCESSAMENTOS DE Friccionar na superfície dos artigos solução de álcool etílico a 70%, deixar secar e repetir 3 vezes o processo. Vidros. Termômetros. Estetoscópios. Otoscópios.(cabos e cones). Laringoscópios(cabos e lâminas sem lâmpada). Artigos metálicos (espéculos, material odontológico); Superfícies externas de equipamentos metálicos. Macas, camas, colchões, mesas de exame e bancadas. 3

4 RECOMENDAÇÕES PASSO A PASSO PARA PROCESSAMENTO DE USADOS NA ASSISTÊNCIA AO PACIENTE PORTADOR OU COM SUSPEITA DE ENCEFALOPATIAS SUBAGUDAS ESPONGIFORMES (PRIONS) 1 - Usar equipamento de proteção individual (EPI) - Inativação dos Prions Imergir totalmente os artigos em solução de hidróxido de sódio a 2% por 1 hora (utilizar recipiente de plástico rígido). Enxaguar os artigos em água corrente. Secar com pano limpo e seco Encaminhar para o processamento de desinfecção ou esterilização. - Limpeza Imergir o material em solução desincrostante durante 05 minutos ou solução detergente durante 10 minutos. Lavar com auxílio de escovas retirando todos os resíduos. Enxaguar os artigos com água corrente. Secar com pano limpo e seco. - Desinfecção Seguir as orientações anteriores para desinfecção com ácido peracético ou álcool 70%. - Esterilização Seguir as orientações anteriores para processo esterilização física ou fisioquímicas. C- RECOMENDAÇÕES 1 - Independentemente do processo a ser submetido, todo o artigo deverá ser considerado como contaminado, sem levar em consideração o grau de sujidade presente. 2 - Os profissionais de saúde deverão usar EPI (Equipamento de proteção Individual), durante o processo de limpeza, desinfecção e esterilização. 3 - Os artigos com indicação de desinfecção ou esterilização por processo físico, químico ou físico-químico, necessitam previamente de limpeza com solução detergente ou solução limpadora enzimática, enxágüe e secagem. 4 - Após diluição, a solução limpadora enzimática 1% deve ser usada dentro de um período aproximado de 48 horas. 5 - A solução limpadora enzimática 1% em uso permanece ativa em um período de 6 horas quando não foram saturadas pela carga de material orgânico. 4

5 6- O enxágüe dos artigos submetidos à desinfecção deverá ser abundante, para eliminar os resíduos químicos que são tóxicos aos tecidos. 7 - Os artigos com indicação de esterilização por processo físico ou físico químico, não necessitam de desinfecção prévia. 8- As soluções desinfetantes deverão ser estocadas em área ventilada e ao abrigo da luz. Não acondicionar soluções químicas sob luz solar direta ou calor excessivo. 9- Não usar a solução de hidróxido de sódio a 2% em recipiente de metal, devido ao poder oxidante da solução. 10- Não manter os artigos nas soluções desinfetantes acima do tempo preconizado Não usar a solução de álcool etílico a 70% em acrílico(opacifica), borrachas e tubos plásticos (enrijece) e em equipamentos com lentes (danifica o cimento das lentes) A solução de hidróxido de sódio a 2% será fornecida pela farmácia somente para ser utilizado nos casos suspeitos de encefalopatia subaguda espongiforme (Prions) Nos artigos usados pelos pacientes com suspeita ou confirmação de encefalopatia subaguda espongiforme (Prions), não utilizar glutaraldeído como desinfetante ou esterilizante, pois estas substâncias não são eficazes para inativação dos prions. 14 Observar diariamente a validade da solução de ácido peracético, por meio de dita teste. 15- Após diluição do ácido peracético 0,2% a solução deve ser usada pelo período de 72 h. RECOMENDAÇÃO ESPECIAL ÀS UNIDADES DE INTERNAÇÃO: Todo material de Assistência Ventilatória (Ambús, Máscaras, Circuitos, Nebulizadores etc...) utilizado em pacientes com suspeita ou confirmação de Tuberculose, deverão ser recolhidos em saco plástico imediatamente após o uso, com identificação de contaminação (BK) e encaminhados ao SEME/ INALOTERAPIA, onde serão processados conforme rotina. 5

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Princípios e métodos de esterilização

Princípios e métodos de esterilização Princípios e métodos de esterilização FUNDAMENTOS DE ESTERILIZAÇÃO Bactérias (forma vegetativa ou esporulada) São os menores organismos vivos; Existem em maior número; São as maiores responsáveis pelos

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto;

ORIENTAÇÕES GERAIS. Aplique revestimento liso e impermeável em piso, paredes e teto; PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE MACEIÓ DIRETORIA DE VIGILÂNCIA À SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÄNCIA SANITÁRIA INSPETORIA DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL ORIENTAÇÕES GERAIS

Leia mais

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES

PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSO PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Belo Horizonte Setembro, 2013 PROJETO INOVAR OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS PARA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE SUPERFÍCIES Relatório técnico-científico

Leia mais

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec

Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Serviço de Endoscopia Prevenção e Controle de

Leia mais

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA

ROTEIRO PARA ESTABELECIMENTOS DE ENDOSCOPIA GÁSTRICA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE EQUIPE DE VIGILANCIA DE SERVIÇOS E PRODUTOS DE INTERESSE À SAÚDE Módulo I - Informações Gerais

Leia mais

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO

Áreas semicríticas: Áreas não críticas: Áreas críticas: CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO CENTRAL DE MATERIAL LIMPEZA, DESINFECÇÃO e ESTERILIZAÇÃO COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - COVISA GERÊNCIA DO CENTRO DE CONTROLE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS - CCD NÚCLEO MUNICIPAL DE CONTROLE DE INFECÇÃO

Leia mais

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Última revisão: 03/08/2011 ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS Protocolo: Nº 23 ELABORADO POR: Frederico Willer Ubiratam Lopes Última revisão: 03/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Frederico Willer ROTINA DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE ARTIGOS

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR

ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR ORIENTAÇÃO PARA O SERVIÇO DE LIMPEZA HOSPITALAR I- Introdução: A higiene e a ordem são elementos que concorrem decisivamente para a sensação de bem-estar, segurança e conforto dos profissionais, pacientes

Leia mais

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos

Técnica de higienização simples das mãos/higienização antisséptica das mãos HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Objetivos: As mãos constituem a principal via de transmissão de microrganismos durante a assistência prestada aos pacientes, pois a pele é um reservatório natural de diversos microrganismos

Leia mais

NOVO VEDAPREN PAREDE

NOVO VEDAPREN PAREDE Produto VEDAPREN PAREDE é uma pintura impermeável e elástica que protege as paredes contra fissuras e batidas de chuva, além de ter alta durabilidade. Características Densidade: 1,23 g/cm³ Aparência: Branco(a),

Leia mais

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS

AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS AEMS- FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS MS ASSEPSIA E CONTROLE DE INFECÇÃO Prof. MARCELO ALESSANDRO RIGOTTI LICENCIADO EM ENFERMAGEM e ESPECIALISTA EM CONTROLE DE INFEÇÃO Mestrando pela Escola de Enfermagem

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE, PROCESSAMENTO E PREPARO DE SUPERFÍCIE DOS EQUIPAMENTOS E CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO ANA LUÍZA 21289 LUCAS - 23122 ARTTENALPY 21500 MARCELINA - 25723 CLECIANE - 25456 NAYARA - 21402

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54

FICHA DE INFORMAÇÃO E SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS MATERIAL SAFETY DATA SHEET (MSDS) LAT 54 LAT 54 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do Produto: LAT 54 - DETERGENTE SEMIPASTOSO ESPUMANTE Identificação da Empresa: Química Foz do Iguaçu Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda.

Leia mais

Enfª Karin Bienemann

Enfª Karin Bienemann Enfª Karin Bienemann CONCEITOS BÁSICOS: CME É uma unidade voltada à prestação de serviços, onde é realizado o trabalho de limpeza, montagem, embalagem, esterilização e armazenamento de materiais. LIMPEZA

Leia mais

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T.

Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã. ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013. Equipe Técnica: T. Reunião o dos Serviços de Controle de Infecçã ção o Hospitalar dos Hospitais Municipais de São S o Paulo Ano 2013 Equipe Técnica: T -Ingrid Weber Neubauer -Maria Angela Kfouri S.G.Tenis -Maria do Carmo

Leia mais

Central de Material e Esterilização

Central de Material e Esterilização Central de Material e Esterilização Um pouco de história... 1536 - Ambroise Paré: cirurgiões barbeiros substituíram o tratamento de feridas com pó de múmia para limpeza e aplicação de gemas de ovo e essências

Leia mais

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos

LIMPEZA. Água / sabão /escova Solução multi - uso Soluções desencrostrantes Detergentes enzimáticos DESINFECÇÃO É o processo de eliminação de formas vegetativas, existentes em superfícies inanimadas, mediante a aplicação de agentes químicos e/ou físicos. LIMPEZA Antes do procedimento de Desinfecção deve-se

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO E LIMPEZA Classificação das Áreas: Critica Semicrítica Não critica Tipos de Limpeza: Limpeza concorrente Limpeza terminal Métodos e Equipamentos de Limpeza de superfície: Limpeza

Leia mais

ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS EM UNIDADES HOSPITALARES I INTRODUÇÃO

ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS EM UNIDADES HOSPITALARES I INTRODUÇÃO ESTERILIZAÇÃO DE ARTIGOS EM UNIDADES HOSPITALARES I INTRODUÇÃO Esterilização é o processo que se utiliza de agentes químicos ou físicos para destruir todas as formas de vida microbiana. Convencionalmente

Leia mais

Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espaços, Materiais e Equipamentos

Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espaços, Materiais e Equipamentos Prevenção e Controlo da Infeção na Higienização de Roupas, Espaços, Materiais e Equipamentos UFCD: 6563 Manualis Manuais de Formação Online 0 Manualis Manuais de Formação Online geral.manualis@gmail.com

Leia mais

Processamento de Artigos e Superfícies. em Estabelecimentos de Saúde

Processamento de Artigos e Superfícies. em Estabelecimentos de Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Assistência à Saúde Departamento de Assistência e Promoção à Saúde Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimentos

Leia mais

Orientação Técnica: Cuidado com o Material

Orientação Técnica: Cuidado com o Material Orientação Técnica: Cuidado com o Material 1 EM RELAÇÃO AO AÇO INOXIDÁVEL 1.1 Os produtos marca RICHTER são fabricados com aços inoxidáveis que seguem a norma NBR ISO 7153-1. Esta norma brasileira foi

Leia mais

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS

F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO TIPO DE PRODUTO : DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS F.I.S.P.Q. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA NOME DO PRODUTO ALCOOL NORD DESINFETANTE HOSPITALAR PARA SUPERFICIES FIXAS NOME DO FABRICANTE Cinord

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ PRODUTO: FLASH CLEAN POP REVISÃO Nº: 002 05/2013 1 INDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Desinfetante para uso geral. Nome comercial: Flash Clean Pop. Empresa: Quimifel Indústria e Comércio de Produtos de Limpeza Ltda. Autorização de

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO

MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO MANUAL DE BIOSSEGURANÇA DA CLÍNICA ESCOLA DEPUTADO SEBASTIÃO HELVÉCIO ALÉM PARAÍBA 2009 JUSTIFICATIVA Esta Instituição zela pela biossegurança e visa o preparo técnico e científico de profissionais aptos

Leia mais

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA

TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA HOSPITAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE CONTROLO DA INFECÇÃO HOSPITALAR Piso 6, Tel. 5401/1627 Recomendação n.º 09/2002 TRATAMENTO DE EQUIPAMENTO E MATERIAL DE ENDOSCOPIA Um dos principais problemas que se

Leia mais

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano

Profª Dra. Kazuko Uchikawa Graziano PROTOCOLOOPERACIONALPADRÃO (POP) para processamento de materiais utilizados nos exames de videonasoscopia, videolaringoscopia e videonasolaringoscopia nos consultórios e serviços de otorrinolaringologia

Leia mais

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish

Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish 950-0036-00, Rev. D Português Manual de inserção do acessório de rotação de endoscópio Arthrex Starfish Acessórios para endoscópio Arthrex, Inc. 1370 Creekside Blvd. Naples, FL 34108, EUA (800)-934-4404

Leia mais

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br

Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas. Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas Profª Drª Adriana Gibotti agibotti@ig.com.br Bem-estar e saúde: excelência nos atendimentos com aplicação de Boas Práticas

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Autoclave Vapor saturado sob pressão Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 CME Uso Esterilização,

Leia mais

PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA

PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA PROTOCOLO DE BIOSSEGURANÇA O controle da infecção é do interesse de todos que freqüentam um determinado ambiente clínico, sendo portanto, obrigação coletiva e indistinta a colaboração

Leia mais

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde

Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde D O AM B U L AT O R I O E S C O L A D R V AL T E R Elaborado por: Verificado por: Aprovado por: Profª Drª Josefa M. N. Rocha Coordenadora de Laboratórios de Saúde Esp. Cristiano da Silva Granadier Coordenador

Leia mais

Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades

Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades Algumas doenças infecciosas no âmbito destas atividades Virus AIOS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids) é a forma mais grave da infecção causada pelo Vírus da Irnunodeficiência Humana (HIV) que

Leia mais

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

PROTOCOLO HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS 1 páginas É um termo geral que se aplica às atividades de lavar as mãos ou friccioná-las com álcool gel. Essa higiene é considerada a medida mais eficaz para evitar a disseminação de infecções. PARA QUE

Leia mais

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T.

PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO. Nome do autor. Patrícia M.T. PROCESSAMENTO DE ENDOSCÓPIO Nome do autor Patrícia M.T. Abib Os Procedimentos Endoscópicos são métodos utilizados para diagnósticos precisos e terapias invasivas de várias especialidades, incluindo gastroenterologia,

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí.

CORES Além das cores de catálogo pode-se obter outros tons misturando as cores entre sí. TINTA ACRÍLICA PREMIUM MACTRA é uma tinta acrílica fosca com excelente desempenho. Sua FÓRMULA EVOLUTION oferece ótima cobertura, secagem rápida, fácil aplicação e baixo odor, proporcionando uma pintura

Leia mais

EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados

EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados II Seminário de Prevenção e Controle de Infecção em Serviços de Saúde em Santa Catarina EQUIPAMENTOS MÉDICO- HOSPITALARES: Higienização, Operação e Cuidados MINISTRANTE: Engº Alisson Tolotti IEB-UFSC Vinculado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio

Procedimento Operacional Padrão (POP) Centro Endoscópico: Assistencial Título. Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Centro Endoscópico: Assistencial Título Limpeza, Desinfecção, Transporte e Armazenamento do Broncoscópio Versão: 01 Próxima revisão: 2016 Elaborado

Leia mais

Lavanderia Hospitalar. Panorama no Brasil. Os precursores. Lavanderia Hospitalar SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR

Lavanderia Hospitalar. Panorama no Brasil. Os precursores. Lavanderia Hospitalar SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR SERVIÇO DE LAVANDERIA HOSPITALAR Cristiane Schmitt SCIH Hospital SEPACO Os precursores Século III antes de Cristo Fumigação e vapor dágua para purificar lençóis Semmelweis (1818-1865) Surto relacionado

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL- EPI Conforme Norma Regulamentadora nº.6, Equipamento de Proteção Individual EPI é todo dispositivo de uso individual utilizado pelo empregado, destinado à proteção de

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA

FISPQ FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA NOME DO PRODUTO: SOLUÇÃO 2 - ORTOTOLIDINA DATA DA ÚLTIMA REVISÃO: 09/08/2013 1/7 FISPQ NRº. 022 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. - Nome do Produto: Ortotolidina - Solução - Nome Comercial: Solução

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) LIMPEZA PESADA 01/05 1. DENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:. Aplicação: Limpa e desengordura superfícies laváveis, como fogões, coifas, azulejos, pisos, e similares. Diluição até 1:20 Telefone de emergência:

Leia mais

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA

Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 MATERIAL E TÉCNICAS BÁSICAS UTILIZADAS NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA Prática 1 Microrganismos Localização em todos os ambientes naturais; Populações mistas; Necessidade de isolamento. Cultura

Leia mais

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes

Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes Recomendações do grupo de qualidade (38) - Checklist para preparação de visitas pelas autoridades de inspeção competentes 223 ZENTRALSTERILISATION 13. Jahrgang 2005 O grupo de qualidade promoveu um checklist

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas

HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO. Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas HIGIENIZAÇÃO DO AMBIENTE CONSULTÓRIO Igor Bettarello Ravi Araújo Leandro Alex Douglas Brasília, 29/05/2013 Regras Básicas Deverão usar E.P.I Nunca efetuar varredura a seco para não provocar a presença

Leia mais

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR

Manual de Normas, Rotinas e Procedimentos Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR PROGRAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DE Sumário COMISSÃO DE CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR ORGANIZAÇÃO DA CCIH Estrutura Atividades FUNCIONAMENTO Coleta de Dados Análise dos Dados Divulgação dos Dados Recursos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: MATERIAIS BLH-IFF/NT- 45.04 - Lavagem, Preparo e Esterilização de Materiais FEV 2004 BLH-IFF/NT- 45.04 Rede Nacional de Bancos de Leite Humano FIOCRUZ/IFF-BLH

Leia mais

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações

Processo nº 2009-0.154.220-9 Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde SMS - 32 - Licitações EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 145/2009 PROCESSO Nº 2009-0.154.220-9 DATA DA REALIZAÇÃO :10 DE NOVEMBRO DE 2009 HORÁRIO : 10:00 HORAS LOCAL : RUA GENERAL JARDIM, 36 3º ANDAR SALA DE PREGÕES AMOSTRAS ATÉ

Leia mais

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA

Q LC 01. Produtor/ Fornecedor:... Quimil Indústria e Comércio LTDA Revisão: 00 Data de revisão: 12/2011 Página 1 de 9 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto:... Produtor/ Fornecedor:... Endereço:...Via periférica II, 2460 CIA SUL- Simões Filho. Bahia.

Leia mais

Orientações de Biossegurança aos Profissionais de Beleza. Apresentação

Orientações de Biossegurança aos Profissionais de Beleza. Apresentação Sumário Apresentação Prevenção contra doenças Estabelecimentos regularizados Como elaborar o Manual de Rotinas e Procedimentos Higienização do Ambiente Produtos e Equipamentos Esterilização Serviços Cabelereiros

Leia mais

Luiz Carlos da Fonseca e Silva

Luiz Carlos da Fonseca e Silva Legislação Centro de Material e Esterilização Consulta Pública 64/2011 Luiz Carlos da Fonseca e Silva Racional Teórico Segurança do Paciente; Segurança Ocupacional; Espaço Técnico de Trabalho; Equipamentos

Leia mais

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS

CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS CHECK LIST MICROPROCESSO ESTERILIZAÇÃO DAS UNIDADES DA APS SEMSA/MANAUS DISA: DATA: UNIDADE: RECURSOS HUMANOS ÍTEM AVALIAÇÃO FORMA DE VERIFICAÇÃO EM CONFORMI DADE NÃO CONFORMI DADE OBSERVAÇÃO 1) A unidade

Leia mais

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M.

UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011. Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. UNIMAR UNIVERSIDADE DE MARÍLIA CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DA CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIMAR 2011 Profª. Dr.ª Beatriz Flávia de M. Trazzi Objetivos: As normas descritas abaixo, deverão ser acatadas pelos

Leia mais

Adaptador Digital; Chave Digital. Sextavada; Chave Digital. Transferente; Chave de Catraca. com Referência de Torque; Conexão Catraca Fenda;

Adaptador Digital; Chave Digital. Sextavada; Chave Digital. Transferente; Chave de Catraca. com Referência de Torque; Conexão Catraca Fenda; instrumentos Kit Cirúrgico Instrumentos confeccionados em aço cirúrgico Estojo autoclavável Indicação de broca e do paralelizador referentes e ao diâmetro do implante através do de cores Instrumentos com

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Vidros Worker 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Produto: Limpa Vidros Worker. Aplicação: Limpeza de Vidros e Acrílicos Fabricante: Ivan P. Ramos Produtos

Leia mais

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista

AUTOCLAVES SS. Autoclave VITALE. 12 Litros R$: 3.260,00 à vista. ou 10 x R$: 326,00 sem juros. 21 Litros R$: 4.330,00 à vista SHOPPING DA BELEZA AUTOCLAVES SS TELE-VENDAS 3542-1030 / 3542-1803 DISTRIBUIDOR AUTORIZADO Autoclave AMORA 4 Litros R$: 1.999,00 à vista ou 10 x R$: 215,00 Autoclave Amora - Cristófoli 4 Litros Autoclave

Leia mais

Higienização do Ambiente Hospitalar

Higienização do Ambiente Hospitalar Higienização do Ambiente Hospitalar Enfª Mirella Carneiro Schiavon Agosto/2015 O serviço de limpeza tem por finalidade preparar o ambiente de saúde para suas atividades, mantê-lo em ordem e conservar equipamentos

Leia mais

Questão 1: Sobre a forma farmacêutica linimento, podemos afirmar que:

Questão 1: Sobre a forma farmacêutica linimento, podemos afirmar que: Questão 1: Sobre a forma farmacêutica linimento, podemos afirmar que: a) são preparações farmacêuticas semissólidas, contendo pós. b) são destinadas a leves aplicações sobre a pele. c) são preparações

Leia mais

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX

Ficha de informação de segurança de produto químico (FISPQ) DESINFETANTE NÁUTICO MALTEX 1.IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DO DISTRIBUIDOR Nome do produto: desinfetante náutico maltex. Aplicação: para um ambiente livre de germes e bactérias, utilize o desinfetante maltex na limpeza de louças sanitárias,

Leia mais

Eng. Paulo Roberto Laranjeira

Eng. Paulo Roberto Laranjeira Eng. Paulo Roberto Laranjeira 02/04/2014 April 2014 Enf. Giovana Abrahão de Araújo Moriya e-mail: giovana.moriya@einstein.br - Tel: 11-97166-2521 Quais os passos? RDC NO 15, DE 15 DE MARÇO DE 2012 Dispõe

Leia mais

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde

Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização de artigos em Serviços de Saúde Paulo Hartung GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Guia de referência para limpeza, desinfecção e esterilização

Leia mais

D99. JohnsonDiversey. Suma D9.9. Detergente em pó desengordurante para limpeza geral.

D99. JohnsonDiversey. Suma D9.9. Detergente em pó desengordurante para limpeza geral. JohnsonDiversey Suma D9.9 D99 Detergente em pó desengordurante para limpeza geral. Alto poder de remoção de sujidades pesadas Remove sujidades pesadas de qualquer origem, devido ao adequado balanceamento

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares

Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares Métodos de esterilização de artigos médico-hospitalares 1 Esterilização de artigos médico-hospitalares: qual a melhor solução? 3 1 A esterilização é um processo multiparamétrico Depende dos fatores físicos

Leia mais

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa

XISPA MD 17. Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa XISPA MD 17 Linha: Tratamento de Piso Limpador de resíduos de cimento, terra e argamassa Versátil O XISPA MD 17 é um limpador com poderosa ação sobre resíduos de cimento, argamassa e terra, recomendado

Leia mais

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização.

Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Caracterizar a estrutura e o funcionamento de um laboratório de microbiologia; Executar técnicas de preparo e montagem para esterilização. Uma laboratório de microbiologia destina-se principalmente em

Leia mais

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME

Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Título do Procedimento: Limpeza concorrente e terminal da CME Divisão de Enfermagem CME Página 1 de 6 Freqüência em que é realizado: Diário/semanal/quinzenal/mensal Profissional que realiza: Auxiliar ou Técnico de Enfermagem e servidor da empresa terceirizada de

Leia mais

ANEXO DE CIRURGIA BIOSSEGURANÇA E IMPLANTES. Prof. Dr. André Nosé

ANEXO DE CIRURGIA BIOSSEGURANÇA E IMPLANTES. Prof. Dr. André Nosé ANEXO DE CIRURGIA BIOSSEGURANÇA E IMPLANTES Prof. Dr. André Nosé 1 INTRODUÇÃO À IMPLANTODONTIA HISTÓRICO DESCOBERTAS ANTROPOLÓGICAS: Há muito tempo o homem tenta reparar a perda dos dentes utilizando dentes

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Kit de Instrumental para Cirurgia do Túnel do Carpo VOLMED Nome Técnico: KIT CIRÚRGICO Fabricante: VOLMED BRASIL EQUIPAMENTOS LTDA -ME AV. SÃO GABRIEL, 291 JD. PAULISTA CEP: 13574-540

Leia mais

Megaplasma Comercial Ltda

Megaplasma Comercial Ltda . Rua Dom Joaquim de Melo, 274 - Moóca CEP 03122-050 - São Paulo - SP - Brasil Fone: (11) 2601-5502 - Fax: (11) 2601-0512 megaplasma@megaplasma.com.br www.megaplasma.com.br P Utilizado nos sistemas de

Leia mais

IVAN P RAMOS PRODUTOS QUÍMICOS

IVAN P RAMOS PRODUTOS QUÍMICOS Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ Limpa Carpetes Worker 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Limpa Carpetes Worker Aplicação: Limpador de carpetes e tapetes

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza

Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos. Rafael Queiroz de Souza Centro de material e esterilização e a RDC ANVISA nº15 Análise e pontos críticos Rafael Queiroz de Souza São Paulo 2014 Aspectos críticos Críticos no bom sentido... Gestão de ambientes Gestão de pessoas

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CENTRAL DE MATERIAIS ESTERILIZADOS DO HOSPITAL MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES - MT

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA CENTRAL DE MATERIAIS ESTERILIZADOS DO HOSPITAL MUNICIPAL DE BARRA DO BUGRES - MT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn.

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS NOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Prof. João Paulo Batista Lollobrigida de Souza - DDS., Msc., Phdn. Verificar legislação e seguir orientação da Vigilância Sanitária Selecionar

Leia mais

COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA

COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA COMO TRATAR A ÁGUA DA PISCINA CAPACIDADE DA PISCINA Antes de iniciar qualquer tratamento na sua piscina, deve conhecer qual a capacidade (vol.) de mesma. Desta forma, poderá calcular exatamente as dosagens

Leia mais

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR

FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR FONTES GERADORAS EM UNIDADE HOSPITALAR NATAL/RN OUT/2013 Centro Cirúrgico Bolsas contendo sangue ou hemocomponentes Luvas, esparadrapo, algodão, gases, compressas, ataduras, equipos de soro, kits de linhas

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico FISPQ: 753.01/2016 FUNDO PREPARADOR DE PAREDES BASE ÁGUA PREMIUM CORIARTE Data 12/02/2016 Revisão: 002/2016 Página 1/6 1-IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

Auxiliar de Saúde. Nome: Inscrição: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos uxiliar de Saúde Nome: Inscrição: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 onceitua-se quipamentos de Proteção Individual (PI) como produtos usados na descontaminação do paciente. equipamentos de uso

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEURO CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DAS CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS Brasília, 2014 OBJETIVOS São objetivos deste regulamento: I. maximizar a eficiência no trabalho clínico; I disciplinar

Leia mais

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA

NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA NASOFIBROSCÓPIOS: COMO REPROCESSÁ-LOS? BUSCANDO EVIDÊNCIAS PARA A MELHOR PRÁTICA Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Israelita Albert Einstein A Associação Brasileira de Otorrinolaringologia

Leia mais

PRODUTO: QUIVI LIMPA VIDROS Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais.

PRODUTO: QUIVI LIMPA VIDROS Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais. FICHA TÉCNICA Nº 4 PRODUTO: Detergente para limpar e desengordurar superfícies lisas tais como vidros e cristais. CARACTERÍSTICAS ORGANOLÉPTICAS: Detergente líquido, baixa viscosidade, baixa espuma, cor

Leia mais

PROTOCOLO DE LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OFTALMOLOGIA INTRODUÇÃO

PROTOCOLO DE LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OFTALMOLOGIA INTRODUÇÃO PROTOCOLO DE LIMPEZA, DESINFECÇÃO E ESTERILIZAÇÃO OFTALMOLOGIA INTRODUÇÃO A limpeza e desinfecção de materiais e superfícies na área hospitalar sempre foram motivo de preocupação dos profissionais que

Leia mais

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS

Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Instruções de Uso ESTOJOS AUTOCLA- VÁVEIS Os estojos autoclaváveis são usados para acondicionamento, guarda e garantir a esterilização segura na autoclavagem. Foram desenvolvidos em materiais que suportam

Leia mais