A IMPORTÂNCIA E O IMPACTO DAS REMESSAS DOS IMIGRANTES EM PORTUGAL NO DESENVOLVIMENTO DE CABO VERDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A IMPORTÂNCIA E O IMPACTO DAS REMESSAS DOS IMIGRANTES EM PORTUGAL NO DESENVOLVIMENTO DE CABO VERDE"

Transcrição

1 A IMPORTÂNCIA E O IMPACTO DAS REMESSAS DOS IMIGRANTES EM PORTUGAL NO DESENVOLVIMENTO DE CABO VERDE ANDRÉ CORSINO TOLENTINO CARLOS MANUEL ROCHA NANCY CURADO TOLENTINO ABRIL 2008

2 Biblioteca Nacional - Catalogação na Publicação TOLENTINO, André Corsino, e outros Estudo da importância e do impacto das remessas dos imigrantes em Portugal no desenvolvimento de Cabo Verde / André Corsino Tolentino, Carlos Manuel Rocha, Nancy Curado Tolentino. - (Estudos OI; 27) ISBN I - ROCHA, Carlos Manuel II - TOLENTINO, Nancy Curado CDU PROMOTOR OBSERVATÓRIO DA IMIGRAÇÃO COORDENADOR DA COLECÇÃO PROF. ROBERTO CARNEIRO AUTORES ANDRÉ CORSINO TOLENTINO CARLOS MANUEL ROCHA NANCY CURADO TOLENTINO EDIÇÃO ALTO-COMISSARIADO PARA A IMIGRAÇÃO E DIÁLOGO INTERCULTURAL (ACIDI, I.P.) R. ÁLVARO COUTINHO, 14, LISBOA TELEFONE: (+351) FAX: (+351) EXECUÇÃO GRÁFICA GRÁFICA DE COIMBRA PRIMEIRA EDIÇÃO 1500 EXEMPLARES ISBN DEPÓSITO LEGAL /08 LISBOA, ABRIL 2008

3 Errata Página 129: Onde se lê "Os EUA detêm a maior comunidade imigrada (...)" deve ler-se "Os EUA detêm a maior comunidade emigrada (...)". Página 135, segundo parágrafo: Onde se lê "Em 2006 (...) e o IDE (18%)." deve ler-se "Em 2006 (...) e o IDE (10,8%).".

4 ÍNDICE GERAL LISTA DE QUADROS LISTA DE FIGURAS NOTA DE ABERTURA/ROSÁRIO FARMHOUSE, Alta Comissária para a Imigração e o Diálogo Intercultural NOTA DE ABERTURA/ISABEL MOTA, Administradora da Fundação Calouste Gulbenkian NOTA DO COORDENADOR INTRODUÇÃO GERAL 1. CONTEXTO, ANTECEDENTES E OBJECTIVOS DO ESTUDO 1.1 Contexto 1.2 Antecedentes 1.3 Objectivos do estudo 2. DEFINIÇÃO, DIMENSÃO E IMPORTÂNCIA DAS REMESSAS 2.1 Definição de remessas 2.2 Dimensão e importância das remessas 2.3 Remessas para os países menos avançados 2.4 Desafios e oportunidades dos PMA, Países Encravados e Pequenos Estados Insulares 3. METODOLOGIA E TERMOS TÉCNICOS FREQUENTEMENTE UTILIZADOS 3.1 Metodologia 3.2 Termos técnicos frequentemente utilizados CAP. 1. POLÍTICAS, PRÁTICAS E IMPACTO DAS REMESSAS NOS PMA 1. INTRODUÇÃO 1.1 Definição de remessas e objecto da investigação 1.2 Dimensão e importância das remessas para os PMA 1.3 Falar dos migrantes antes das remessas 2. PROBLEMAS COMUNS, TENDÊNCIAS E CANAIS MAIS UTILIZADOS 2.1 Os números oficiais pecam geralmente por defeito 2.2 Tendências no registo e tratamento da informação 2.3 Canais mais utilizados para as remessas A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (3)

5 3. UTILIZAÇÃO DAS REMESSAS 3.1 As relações entre remessas e desenvolvimento são controversas 3.2 Os diversos padrões de utilização de remessas 3.3 O processo de transferência de remessas 4. IMPACTO DAS REMESSAS NO DESENVOLVIMENTO 4.1 As migrações e as remessas continuam a crescer 4.2 As remessas reduzem a pobreza 4.3 As implicações negativas das remessas 5. POLÍTICAS E PRÁTICAS 5.1 Remessas obrigatórias 5.2 Produtos financeiros para atrair remessas 5.3 Conselho e orientação antes da emigração 5.4 Simplificação de procedimentos e expansão da rede financeira 5.5 Acesso aos imigrantes em situação irregular 5.6 Políticas macroeconómicas sãs e instituições transparentes 6. SÍNTESE 6.1 A regulação da globalização inclui as migrações 6.2 Os que partem empurrados pela instabilidade 6.3 PMA registam altas taxas de emigração 6.4 As mudanças de perspectivas nas últimas três décadas CAP. 2. UTILIZAÇÃO DAS REMESSAS E O SEU IMPACTO NO DESENVOLVIMENTO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Perguntas paradoxais e respostas ambivalentes 1.2 Evidências empíricas corroboram definições teóricas 1.3 Particularidades nos PMA da Ásia e Pacífico 1.4 A situação dos PMA africanos é a mais difícil 2. FUNDAMENTOS TEÓRICOS E ALCANCE DAS POLÍTICAS DE ATRACÇÃO DE REMESSAS 2.1 Entre 2001 e 2006 as remessas aumentaram mais de 100 por cento 2.2 Motivação dos remetentes 2.3 Ciclos e tendências 2.4 Quando não há renovação de estoque as remessas baixam (4) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

6 3. INFORMAÇÃO PARA O PERFIL IDEAL DE UM PAÍS DESTINATÁRIO DE REMESSAS 3.1 Um quadro de referência para o caso Portugal Cabo Verde 4. INFORMAÇÃO FUNDAMENTAL PARA UM PERFIL IDEAL 5. RECOLHA DA INFORMAÇÃO ACESSÍVEL PARA O PERFIL REAL 6. PERFIL DE CABO VERDE COMO DESTINATÁRIO DE REMESSAS 6.1 Órgãos de Governo responsáveis pela emigração e remessas 6.2 Dados sobre as transferências de fundos 6.3 Políticas macroeconómicas para estimular o investimento 6.4 Impostos sobre fundos transferidos 6.5 Taxas de câmbio 6.6 Acesso aos depósitos em divisas 6.7 Posse de contas exportáveis 6.8 Circuitos formais utilizados 6.9 Circuitos informais utilizados 6.10 Serviços de distribuição dos fundos transferidos 6.11 Serviços de apoio aos emigrantes 6.12 Acordos de cooperação com países de destino 7. UTILIZAÇÃO DAS REMESSAS 8. IMPACTO DAS REMESSAS NO DESENVOLVIMENTO 8.1 Efeito no nível de vida e bem-estar das famílias 8.2 Efeito indirecto no sector produtivo 8.3 Efeito multiplicador 8.4 Efeitos directos no investimento produtivo 8.5 Efeitos macroeconómicos 8.6 Efeitos na redistribuição da riqueza e redução da desigualdade 9. SÍNTESE CAP. 3. AS REMESSAS DOS IMIGRANTES CABO-VERDIANOS 1. CABO VERDE: PAÍS DE ORIGEM 1.1 De País Menos Avançado a País de Desenvolvimento Médio 1.2 O Estado depende do capital internacional 1.3 Remessas e ajuda pública sustentaram a construção do Estado A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (5)

7 1.4 Boom de investimento directo do estrangeiro a partir de FASES DA IMIGRAÇÃO RECENTE EM PORTUGAL 2.1 Quatro fases da imigração recente 2.2 As dez maiores comunidades estrangeiras em Portugal 3. MIGRAÇÕES CABO-VERDIANAS NO TEMPO E NO MUNDO 4. OS IMIGRANTES EM PORTUGAL E O DESENVOLVIMENTO DE CABO VERDE 5. UMA ANÁLISE COMPARADA DOS FLUXOS FINANCEIROS EXTERNOS 5.1 Introdução 5.2 Evolução dos principais fluxos 5.3 Transferências oficiais 5.4 Remessas 5.5 Investimento directo do estrangeiro 6. PORTUGAL, A IMIGRAÇÃO E AS REMESSAS 6.1 A importância relativa das remessas de Portugal 6.2 Síntese das conclusões do número cinco 6.3 O perfil de Cabo Verde como país de migrações e remessas 6.4 O défice de informação e o inquérito 6.5 O inquérito em Portugal 7. RESULTADOS DO INQUÉRITO EM PORTUGAL 7.1 Perfil do imigrante cabo-verdiano 7.2 Aspectos da imigração cabo-verdiana 7.3 Remessas de imigrantes cabo-verdianos 7.4 Poupança e investimento 8. BOAS PRÁTICAS PORTUGUESAS 9. O INQUÉRITO EM CABO VERDE 10. RESULTADOS DO INQUÉRITO EM CABO VERDE 10.1 Perfil do recebedor / beneficiário cabo-verdiano 10.2 Aspectos da emigração 10.3 Há quanto tempo recebe remessas? 10.4 Utilização das remessas 11. BOAS PRÁTICAS CABO-VERDIANAS 12. COMPARANDO OS RESULTADOS DO INQUÉRITO EM PORTUGAL E CABO VERDE (6) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

8 13. OS RESULTADOS DO INQUÉRITO CONFRONTADOS COM AS ASSUNÇÕES TEÓRICAS E INSTITUCIONAIS 14. INFORMAÇÃO NECESSÁRIA, INFORMAÇÃO DISPONÍVEL E DÉFICE DE INFORMAÇÃO 14.1 Informação necessária 14.2 Informação disponível 14.3 Défice de informação 14.4 O que o inquérito permitiu apurar 15. PERGUNTAS SEM RESPOSTA 16. PARA MELHORAR A ACÇÃO NO DOMÍNIO DAS MIGRAÇÕES E REMESSAS 16.1 Portugal 16.2 Cabo Verde 17. SÍNTESE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 191 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 199 ANEXOS ANEXO I: QUESTIONÁRIO APLICADO AO IMIGRANTE CABO-VERDIANO EM PORTUGAL ANEXO II: QUESTIONÁRIO APLICADO AO BENEFICIÁRIO DE REMESSAS EM CABO VERDE A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (7)

9

10 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Duzentos milhões (M) de migrantes por região, % da população, origem e destino Quadro 2 As dez maiores taxas de emigração qualificada em 2000 Quadro 3 Os dez maiores destinos de remessas como percentagem do PIB Quadro 4 As remessas e o perfil dos 50 PMA em 2005 Quadro 5 Termos técnicos frequentemente utilizados Quadro 6 Estimativa de remessas para os PMA em milhões de dólares (2005) Quadro 7 Entradas e saídas de remessas entre Quadro 8 Potenciais custos e benefícios das remessas Quadro 9 Canais de remessas predominantes em alguns países Quadro 10 Remessas internacionais globais em 2006 (milhar de milhões de dólares) Quadro 11 Informação 1-20 Quadro 12 Informação disponível Quadro 13 Fluxo de remessas totais em 2005 e em relação ao PIB (milhões de dólares) Quadro 14 Origens das remessas para Cabo Verde em 2006 (ordem decrescente) Quadro 15 Circuitos de remessas para os PMA Quadro 16 Qualidade dos serviços de transferência de fundos para as comunidades remotas Quadro 17 Incentivos existentes em Cabo Verde Quadro 18 Depósito de remessas Quadro 19 Medidas visando a regulamentação do trabalho e apoio aos imigrantes Quadro 20 Organismos incumbidos das migrações e transferência de remessas Quadro 21 Políticas e práticas de incentivo à diáspora cabo-verdiana Quadro 22 Informação 1 20 (preenchido) Quadro 23 Informação disponível (preenchido) Quadro 24 Fluxo de remessas totais em 2005 e em relação ao PIB (preenchido) Quadro 25 Origens das remessas para Cabo Verde em 2006 (preenchido) Quadro 26 Circuitos de remessas para 6 PMA (preenchido) Quadro 27 Qualidade dos serviços de transferência de fundos para as comunidades remotas (preenchido) Quadro 28 Incentivos existentes em Cabo Verde (preenchido) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (9)

11 Quadro 29 Depósito de remessas (preenchido) Quadro 30 Medidas de regulamentação do trabalho e apoio ao imigrante cabo-verdiano (preenchido) Quadro 31 Organismos incumbidos das migrações e transferência de remessas (preenchido) Quadro 32 Políticas de incentivo à diáspora cabo-verdiana (preenchido) Quadro 33 Fluxo de transferências (milhões de ECV) e proporção do PIB Quadro 34 Principais aplicações das remessas Quadro 35 Principais políticas macroeconómicas para estimular o investimento Quadro 36 Canais oficiais Quadro 37 Canais informais Quadro 38 Imigrante em situação regular por região de origem (2004) Quadro 39 As dez maiores comunidades estrangeiras em Portugal (Situação regular em 2004) Quadro 40 Emigrantes cabo-verdianos por ilha de origem e país de acolhimento Quadro 41 Os vinte principais núcleos de cabo-verdianos em Portugal Quadro 42 Remessas de emigrantes cabo-verdianos por origem em milhões de ECV ( ) Quadro 43 Estatísticas das transferências Quadro 44 Estatísticas das remessas Quadro 45 Posição de Portugal entre as cinco grandes origens de remessas Quadro 46 Balança de Pagamentos Normalizada (milhões de CVE) Quadro 47 O contributo dos imigrantes em onze países para as remessas totais em 2006 Quadro 48 Um retrato das migrações e remessas de Cabo Verde Quadro 49 Os cinco maiores problemas para 14,3% da amostra Quadro 50 Comissões praticadas pela Western Union em Cabo Verde (10) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

12 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Remessas e fluxos de capital para os países em desenvolvimento Figura 2 Os três passos típicos de uma transferência de remessas Figura 3 Evolução das remessas para os países em desenvolvimento Figura 4 Cabo Verde: APD em valor absoluto e como percentagem (%) do PIB ( ) Figura 5 Evolução das Remessas em USD e como % do PIB ( ) Figura 6 Evolução das remessas e das receitas do turismo em Figura 7 Todos os fluxos financeiros externos entre 1999 e 2006 em milhões de ECV Figura 8 Os dez principais destinos da emigração cabo-verdiana em 2000 Figura 9 Peso dos fluxos externos em % do PIB entre 1999 e 2006 Figura 10 Transferências oficiais entre 1991 e 2005 Figura 11 Remessas em milhões de ECV Figura 12 Distribuição regional das remessas Figura 13 Peso das remessas por país Figura 14 Percentagem dos depósitos de emigrantes nos passivos quase monetários Figura 15 IDE em percentagem do PIB Figura 16 Evolução das remessas totais para Cabo Verde Figura 17 As remessas em percentagem do total segundo a origem em 2006 Figura 18 Sexo e tempo de envio de remessas Figura 19 Ilha de origem por local de residência Figura 20 Tempo de estadia por intenção de regresso Figura 21 Remessas por motivo da imigração Figura 22 Remessas sociais por profissão Figura 23 Tempo por custos das transferências de remessas Figura 24 Idade dos beneficiários Figura 25 Profissão dos beneficiários Figura 26 Aspiração de juntar-se à família em Portugal Figura 27 Tempo de recebimento de remessas Figura 28 Canais utilizados Figura 29 Destino das remessas A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (11)

13 Figura 30 Beneficiários das remessas Figura 31 Importância das remessas Figura 32 Tipos de investimento Figura 33 Conhecimento de custos de envio/recepção Figura 34 Idade e aspiração de juntar-se à família Figura 35 Remessas via viajantes e tempo de recebimento Figura 36 Apoio à Família e tipo de investimento (12) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

14 Colaboradores nos inquéritos realizados em Portugal e Cabo Verde PORTUGAL Arlinda Cabral; Arsénio Monteiro; Avelino Leal; Cristina Morais; Diogo Moeda; Domingos Lopes; Eurídice Monteiro; Graciano Rocha; Joaquim Fernandes; Joaquim Tavares; José Aires; Madalena Semedo; Osvaldo Rodrigues; Pedro Fontes; Rolando Borges; Rui Machado; Sheila Mendes; Silvino Évora; Walter Neves CABO VERDE Carmen Varela; Elizângela Moniz

15

16 NOTA DE ABERTURA DA ALTA COMISSÁRIA A comunidade cabo-verdiana é uma das mais antigas e numericamente mais representativas em Portugal. A importância de aprofundar o estudo acerca do impacto das remessas dos imigrantes (que residem em Portugal) nos seus países de origem é fundamental. Em boa hora o ACIDI, através do seu Observatório de Imigração, em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, decidiram promover o estudo acerca da Importância e do Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde. Respondendo a este desafio, uma equipa coordenada pelo Professor Doutor André Corsino Tolentino, dedicou-se a aprofundar o conhecimento das remessas de imigrantes Cabo-verdianos, através da avaliação da sua dimensão, das motivações e mecanismos de envio de remessas por imigrantes, e o seu papel no desenvolvimento de Cabo Verde. Pela primeira vez na colecção de estudos do Observatório de Imigração, este livro apresenta e confronta resultados de investigação empírica desenvolvida em Portugal e num país de origem de imigração Cabo Verde. Dessa análise resultam importantes recomendações para melhorar a acção de Portugal e Cabo Verde no domínio das migrações, das remessas e do desenvolvimento. ROSÁRIO FARMHOUSE ALTA COMISSÁRIA PARA A IMIGRAÇÃO E O DIÁLOGO INTERCULTURAL A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (15)

17

18 NOTA DE ABERTURA Atenta às tendências e aos desafios que se lhe vão colocando numa sociedade em constante evolução, a Fundação Calouste Gulbenkian orienta a sua actividade com o desígnio primordial da defesa dos valores fundamentais da dignidade humana. Assim, questões como a promoção do desenvolvimento humano e da coesão social são áreas para as quais está especialmente vocacionada. No domínio social, a imigração e a ajuda ao desenvolvimento, temas reconhecidamente indissociáveis, têm vindo a ocupar um papel cada vez mais importante nas agendas mundiais e também na da Fundação. A escolha do acolhimento e integração das comunidades imigrantes, e da relação destas com o desenvolvimento dos países de origem, como uma das prioridades de intervenção da Fundação Calouste Gulbenkian no domínio social, tem por base a preocupação de contribuir para encontrar respostas e ensaiar soluções para estes desafios, avançando recomendações que suportem quer as políticas públicas quer a acção da sociedade civil e que incentivem o exercício da cidadania responsável. Neste contexto, foi com grande interesse que a Fundação Calouste Gulbenkian decidiu co-financiar o Estudo da Importância das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde, coordenado pelo Prof. Doutor André Corsino Tolentino, agora publicado na colecção de estudos do Observatório da Imigração do Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural. Esta importante investigação veio confirmar pré-noções do senso comum relativamente à importância e impacto para o desenvolvimento do país de origem das remessas dos imigrantes cabo-verdianos presentes em Portugal. À semelhança do que se passou com Portugal nas décadas de 60 e 70, hoje as remessas dos emigrantes cabo-verdianos são, segundo os autores, os mais previsíveis e estáveis A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (17)

19 de todos os fluxos de financiamento externo da economia cabo-verdiana, representando mesmo o dobro dos valores da ajuda pública ao desenvolvimento. Combinando ferramentas metodológicas diversas, os autores procuram aprofundar cientificamente questões essenciais como: a real dimensão do número de imigrantes cabo- -verdianos em Portugal; a canalização das remessas dos emigrantes no país de origem, destacando a deslocação de fracções cada vez mais significativas do consumo para a poupança e o investimento ; ou a opinião dos remetentes, crentes de que podem contribuir com conhecimento, atitudes e técnicas para melhorar a vida política, económica e social de Cabo Verde. Creio que a qualidade deste trabalho vem de encontro aos propósitos que orientam a actuação da Fundação Gulbenkian sendo ainda de louvar a compilação de recomendações, de entre as quais destaco a importância de se fomentar a concentração de medidas estimuladoras de associação das remessas a projectos e programas de desenvolvimento local e nacional. É mais um contributo que o Prof. Doutor André Corsino Tolentino presta à causa do desenvolvimento de Cabo Verde, agora em estreita colaboração com o Observatório da Imigração do Alto-Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural. ISABEL MOTA ADMINISTRADORA DA FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN (18) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

20 NOTA DO COORDENADOR As remessas de emigrantes para o seu país de origem têm vindo a registar crescimentos muito significativos no decurso dos últimos anos. Segundo estimativas oficiais do Banco Mundial o volume total de remessas ultrapassa já o limiar dos 200 mil milhões de dólares anuais. Todavia, é também reconhecido que este cálculo é largamente ultrapassado pela realidade, estimando-se que as remessas não documentadas acrescentem pelo menos 50 % ao valor acima referido. As remessas são, assim, de longe, a maior fonte de financiamento externo do mundo em desenvolvimento, ultrapassando largamente os montantes anuais quer da Ajuda Pública ao Desenvolvimento, quer do Investimento Directo Estrangeiro. O seu impacto sobre a atenuação da pobreza e promoção do crescimento é amplamente reconhecido. Estudos actuais demonstram que um aumento de 10% no total das remessas per capita tem como consequência uma redução média de 3,5% na proporção de população pobre. A terça parte do total das remessas para países em desenvolvimento tem origem noutros países em desenvolvimento. Este facto realça a importância do estudo dos corredores Sul-Sul e da necessidade de reduzir os custos associados ao processamento de remessas. Por este conjunto alargado de razões, o Observatório da Imigração e o ACIDI não podiam eximir-se a investir na melhor compreensão do fenómeno, tendo por pano de fundo as comunidades mais representativas e o estudo dos impactos que as remessas respectivas têm sobre as sociedades e economias dos países de origem. Em vista da grande complexidade da temática resolveu-se promover um primeiro estudo tendo por objecto a vasta comunidade cabo-verdiana em Portugal. Cálculos feitos a partir do inquérito incluído nesta investigação apontam para imigrantes cabo-verdianos em Portugal. Por outro lado, todas as estimativas mais recentes A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (19)

21 situam a emigração cabo-verdiana entre 50% e 75% da população total, ou seja entre e pessoas. O certo é que Cabo Verde tem a quarta ou quinta taxa de emigração mais alta do mundo. A segunda comunidade cabo-verdiana mais numerosa no estrangeiro, depois dos Estados Unidos da América, vive em Portugal. É a segunda em dimensão, mas a primeira em proximidade, taxa de renovação e envio de remessas. Foi, assim, perfeitamente natural a escolha da comunidade cabo-verdiana para a realização de um primeiro ensaio metodológico de análise das remessas de imigrantes a partir de Portugal. Os principais objectivos deste estudo foram: (i) a avaliação da dimensão e natureza das remessas dos imigrantes de Cabo Verde em Portugal; (ii) a análise das motivações e dos mecanismos das remessas financeiras e em produtos; (iii) o cálculo do impacto das remessas no desenvolvimento. Especial atenção é dada às opções, aos incentivos e às ferramentas que os governos de ambos os países põem à disposição dos migrantes para reduzir os custos das transferências e aumentar a sua eficácia no financiamento do desenvolvimento. O estudo, além de original, permitiu decantar um conjunto interessante de recomendações de política pública e de conclusões que são credoras da melhor atenção por parte dos diversos públicos interessados. A título de amostragem permitimo-nos chamar a atenção para algumas dessas conclusões, a saber: Embora lentamente, a utilização das remessas está a evoluir no sentido da deslocação de fracções cada vez mais significativas do consumo para a poupança e o investimento; (20) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

22 Os sectores privilegiados pelos ainda poucos investidores emigrantes são: construção de casa própria, aquisição de casa e propriedade agrícola, restauração e hotelaria e transportes. A formação de capital humano através do investimento na educação e saúde dos familiares é notável; Os imigrantes cabo-verdianos têm consciência de que os custos das transacções são muito altos (81,3% dos inquiridos) e que obstáculos burocráticos ou tarifários, principalmente nas alfândegas e transportes aéreos, constituem barreiras ao aumento das remessas e da sua eficácia como factor de desenvolvimento; Existem dados mais ou menos fiáveis e em quantidade suficiente para sustentar a tese de que os emigrantes e as remessas têm desempenhado papel vital nas estratégias de sobrevivência pessoal, afirmação do Estado e financiamento da economia familiar e nacional; As remessas apresentam a vantajosa peculiaridade de serem os mais previsíveis e estáveis de todos os fluxos de financiamento externo da economia cabo-verdiana. Além disso, são factores eficazes de transformação social. A este propósito, a emigração feminina e o papel preponderante da mulher nas redes de comércio informal internacional parecem desempenhar uma função verdadeiramente aceleradora da mudança social horizontal e ascendente. Cumpre, pois, a concluir, louvar o pioneiro trabalho de investigação laboriosamente levado a cabo por André Corsino Tolentino, Carlos Manuel Rocha e Nancy Curado Tolentino, equipa que pacientemente formulou a metodologia e metodicamente levou a bom termo o estudo que lhe foi cometido. O ACIDI e o Observatório da Imigração viram sensivelmente valorizado o seu acervo de conhecimentos científicos numa área onde são ainda escassos os estudos em Portugal e onde importa estender o labor analítico a outras comunidades presentes no nosso país. ROBERTO CARNEIRO COORDENADOR DO OBSERVATÓRIO DA IMIGRAÇÃO DO ACIDI Lisboa, 6 de Fevereiro de 2008 A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (21)

23

24 INTRODUÇÃO GERAL 1. CONTEXTO, ANTECEDENTES E OBJECTIVOS DO ESTUDO 1.1 Contexto No princípio do século XXI, estima-se que 200 milhões de pessoas, o equivalente a 3% da população mundial, vivem mais de um ano fora dos seus países de origem. E contrariamente à percepção generalizada nos países industrializados, só cerca de 40% dos migrantes se movimentam no sentido sul-norte, ou seja, dos países em desenvolvimento para os países desenvolvidos. Os restantes migram no sentido sul-sul. O quadro 1 mostra onde estão, de onde vêm e qual é a percentagem das populações nativas que representam esses 200 milhões de migrantes. QUADRO 1: Duzentos milhões (M) de migrantes por região, % da população, origem e destino ONDE M % Origem M Destino M % Total Europa 56,1 7,7 China 35 EUA 35,0 20,0 América Norte 40,8 12,9 Filipinas 7 Alemanha 7,3 4,2 Austrália 5,8 18,7 Afeganistão 4 França 6,3 3,2 Ásia 49,9 1,4 Índia 20 Rússia 13,3 7,6 África 16,3 2,0 México 6 Ucrânia 6,9 3,6 América Latina 5,9 1,1 Bangladesh 4 Índia 6,3 3,2 Fonte: Relatório da Comissão Mundial sobre as Migrações Internacionais 2005: F C Gulbenkian, Lisboa A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (23)

25 Por outro lado, países simultaneamente de origem e acolhimento são um quarto dos países do mundo. Portugal pertence a esta categoria. Sendo tradicionalmente de emigrantes, acolhe entre 450 e 500 mil imigrantes que representam cerca de 10% da população activa e 5% da população total. É também o 16.º destinatário mundial de transferências financeiras de emigrantes. 1 Ao mesmo tempo, saem de Portugal remessas para os países dos imigrantes equivalentes a um quinto das que recebe dos seus emigrantes. Portugal apresenta uma taxa líquida de 3,31 imigrantes por 1000 habitantes. Sendo a taxa líquida de migração a diferença entre o número de imigrantes e o número de emigrantes durante um período determinado, geralmente um ano, dividida por 1000, os valores positivos indicam mais entradas do que saídas e, os negativos, o fenómeno inverso. Cabo Verde é um país de emigrantes. É geralmente aceite a afirmação segundo a qual o número de cabo-verdianos no estrangeiro é maior do que o número de residentes no território nacional. A investigadora Marzia Grassi, do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, diz que são os residentes nas ilhas e cerca de os que vivem no estrangeiro, nomeadamente nos Estados Unidos da América ( ), Portugal ( ), Holanda (37 500), Angola (35 000), Senegal (22 500), Espanha, Brasil, Canadá, Itália e Alemanha (50 000). 2 Para a OCDE, a diáspora representa dois terços da nação cabo-verdiana, mais de 800 mil pessoas em 25 países. Yves Boudet e Hans Falck (2003) falam de Em 2006, o Instituto Nacional de Estatísticas de Cabo Verde estimou o número de residentes no território nacional em Não fugindo à regra da dupla condição de país de emigrantes e imigrantes, embora ainda em pequena escala, Cabo Verde já recebe migrantes principalmente da costa ocidental do continente africano. Numa lista de 219 Estados soberanos e territórios autónomos estudados, apresenta a quarta maior taxa líquida de migração 1 Javier Santiso (2006), The Trees and the Forest: mapping development finance towards developing countries. OCDE. 2 Marzia Grassi e Iolanda Évora (organizadoras) (2007), Género e Migrações Cabo- -Verdianas, ICS, Lisboa. (-11,83/1000 habitantes). É antecedido de Trindade e Tobago (-11,13) e seguido de Granada (-11,90), Micronésia (-21,02) e Samoa Americana (-21,21). O contexto em que este estudo se realiza é de crescente interesse para o conhecimento científico e para o aperfeiçoamento das polí- (24) A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde

26 ticas das migrações nos países de origem e destino. As remessas dos emigrantes constituem uma das principais fontes dos fluxos financeiros internacionais e um motor de desenvolvimento. Organizações internacionais tais como a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE), o Banco Mundial (BM), o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Organização Internacional das Migrações (OIM) dão cada vez mais atenção ao assunto. No plano técnico, procuram adequar a terminologia e aperfeiçoar os métodos de recolha de informação e, no plano político, a preocupação maior é facilitar as transferências e aumentar o seu impacto nos países em desenvolvimento. Entre estes, os países menos desenvolvidos têm sido objecto de atenção especial, através do Grupo de Luxemburgo, criado em 2005 pelo Eurostat, BM, FMI e G-8 3 para melhorar as definições e as metodologias de recolha, tratamento e transmissão de informação relativa às remessas. 1.2 Antecedentes No primeiro estudo realizado pelo Observatório da Imigração e divulgado pelo Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas (ACIME), 1 Impacto da Imigração em Portugal nas Contas do Estado, Maio de 2003, o Alto Comissário, P. e António Vaz Pinto, dizia na «Nota de Abertura» que «desde a primeira hora, nos pareceu mais do que conveniente, indispensável um estudo científico sobre a problemática da imigração.» Na «Nota do Coordenador» do Observatório da Imigração na mesma altura, o Eng.º Roberto Carneiro prosseguiu afirmando que «com este dossiê se inicia, pois, uma série de muitos outros que se lhe sucederão, com o objectivo de divulgar um conhecimento mais rigoroso da realidade migratória entre nós e de fundamentar a política pública neste importante domínio da acção do Estado.» 4 Entretanto, o Observatório da Imigração realizou e o ACIME (hoje ACIDI) publicou mais de duas dúzias de estudos, entre os quais: Atitudes e Valores Perante a Imigração; Representações (Imagens) dos Imigrantes e das Minorias Étnicas nos Media; Contributos dos Imigrantes na Demografia Portuguesa O papel das popu- 3 Grupo dos Oito (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão, Reino Unido e Rússia). 4 André Corrêa d Almeida (2003), Impacto da Imigração em Portugal nas Contas do Estado, ACIME. A Importância e o Impacto das Remessas dos Imigrantes em Portugal no Desenvolvimento de Cabo Verde (25)

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD

DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD DIRETIVA BLUE CARD :: Fundação Evert Vermeer DIRETIVA BLUE CARD Em Maio de 2009, os Estados-Membros da UE aprovaram a adopção de uma directiva referente à entrada e residência de migrantes no seio da União

Leia mais

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso

Flash Comunidades. Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso Flash Comunidades Este Boletim apresentará, de forma resumida, algumas acções implementadas ou em curso 1 CABO VERDE Nação Global O Ministério das Comunidades (MDC) vem implementando medidas que permitem

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE. Documento de sessão. Comissão dos Assuntos Sociais e do Meio Ambiente

ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE. Documento de sessão. Comissão dos Assuntos Sociais e do Meio Ambiente ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Documento de sessão ACP-EU/100.012/B/2007/fin. 8.03.2007 RELATÓRIO sobre a migração de trabalhadores qualificados e as suas consequências para o desenvolvimento

Leia mais

2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL

2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL Fórum Gulbenkian Migrações 2009 A CRISE DOS MODELOS DE INTEGRAÇÃO DOS MIGRANTES: UMA COMPARAÇÃO INTERNACIONAL Sessão de Abertura, 25 Novembro, 10h00, Aud. 2 Senhores Deputados Senhores Embaixadores Caros

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC

ESPECIAL DIVULGAÇÃO DO PROJECTO. O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: Portugal França Holanda Luxemburgo BOLETIM SEMANAL MDC BOLETIM SEMANAL MDC ESPECIAL 19 Fev. 2015 Nº 2 DIVULGAÇÃO DO PROJECTO O projecto foi dividido em 3 componentes, nomeadamente: O Projecto RCCVGM, que teve como propósito o apoio à reintegração económica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS

NOTA DE INFORMAÇÃO. (12:00 Nova York, 18:00 Genbra, 22:30 Déli, 02:00 26 de novembro de 2015 Tóquio) FATOS E DADOS NOTA DE INFORMAÇÃO EMBARGO O conteúdo deste Nota de Informação e do Relatório a que ela se refere não podem ser reproduzidos ou resumidos na mídia escrita, televisiva, radiofônica ou digital antes do dia

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU 31.12.2005 PT C 336/109 BANCO CENTRAL EUROPEU PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 15 de Dezembro de 2005 sobre uma proposta de regulamento (CE) relativo às informações sobre o ordenante que acompanham

Leia mais

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA.

A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. A IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL E NO ALENTEJO. A SINGULARIDADE DO CONCELHO DE ODEMIRA. - RESULTADOS PRELIMINARES - Alina Esteves Ana Estevens Jornadas de Reflexão 29 de Maio A Realidade da Imigração em Odemira

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 10.01.2000 COM(1999) 749 final 2000/0019 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 2223/96 no que

Leia mais

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação

Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação Rede de Avaliação do CAD Normas do CAD para a Qualidade da Avaliação (para aplicação em fase experimental) As normas em anexo são provisórias e foram aprovadas pelos membros da Rede de Avaliação do CAD,

Leia mais

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas

Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Seminário FMI e Sindicatos Aprofundando nosso diálogo e afinando nossas políticas Victor Lledó Representante Residente do FMI Hotel Avenida, Maputo, 17 de Novembro de 2010 Estrutura da apresentação O papel

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique, de forma legível, a versão da prova. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos

Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos Questões Fundamentais do Desenvolvimento na CPLP: O Caso dos Países Africanos João Estêvão ISEG Universidade Técnica de Lisboa Mestrado em Estudos Africanos e do Desenvolvimento IEE/UCP Colóquio CPLP e

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP

V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP V Reunião de Ministros do Turismo da CPLP Intervenção do Secretário Executivo da CPLP Senhor Presidente, Senhores Ministros, Senhor Secretário de Estado do Turismo, Senhores Embaixadores Senhores Representantes

Leia mais

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino Conceição Rego Maria Filomena Mendes José Rebelo Graça Magalhães Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação

Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Uma Estratégia de Crescimento com base no Conhecimento, Tecnologia e Inovação Tópicos da Intervenção do Senhor Ministro da Economia e da Inovação 24 de Novembro de 2005 Plano Tecnológico - Inovação e Crescimento

Leia mais

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179.

O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o artigo 179. REGULAMENTO (CE) N.º 806/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 relativo à promoção da igualdade entre homens e mulheres na cooperação para o desenvolvimento O PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS

GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO ADVOGADOS GUIA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E AO FINANCIAMENTO AO TERRORISMO 1. OBJECTIVO ADVOGADOS O presente Guia visa concretizar os pressupostos para o cumprimento dos

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015

Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde Estatísticas do Turismo Movimentação de Hospedes 2º Trimestre 2015 FICHA TÉCNICA Presidente António dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Divisão de Estatísticas do Turismo Av. Amilcar

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

A Imigração em Portugal

A Imigração em Portugal Immigrant Language Learning A Imigração em Portugal Relatório síntese elaborado pela DeltaConsultores - Projecto financiado pela UE no âmbito do Programa Sócrates Luísa Falcão Lisboa, Fevereiro de 2002

Leia mais

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL

ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL Banco Interamericano de Desenvolvimento Fundo Multilateral de Investimentos Financiado pelo Fundo Português de Cooperação Técnica ANÁLISE DO MERCADO DE REMESSAS PORTUGAL/BRASIL SUMÁRIO EXECUTIVO Equipa

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO

CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO CONTRIBUTOS PARA O DISCURSO DO SR. PRIMEIRO MINISTRO EM PORTUGAL ESTRATÉGIA E POLÍTICAS PARA A EMIGRAÇÃO PASSADO: OS PRIMEIROS PASSOS 1 Procura e estabelecimento de um relacionamento profícuo com os países

Leia mais

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO

NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO NOVO CODIGO DE INVESTIMENTO Lei nº 13/VIII/2012 De 11 de Julho Por mandato do povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea b) do artigo 175º da Constituição, o seguinte: CAPÍTULO I Considerações

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P.

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural, I.P. PRESS RELEASE Lançamento do MAPA DE BOAS PRÁTICAS DE ACOLHIMENTO E INTEGRAÇÃO DE IMIGRANTES EM PORTUGAL,

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO

DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO N. o 035/B/2010-DBS/AMCM Data: 05/10/2010 DIRECTIVA RELATIVA À CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS HIPOTECÁRIOS PARA AQUISIÇÃO DE HABITAÇÃO A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013

Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 Evaluación del Plan de Comunicación del Programa Operativo de Cooperación Territorial del Sudoeste Europeo (SUDOE) 2007 2013 UNIÓN EUROPEA 1 de junio de 2011 3. SUMÁRIO EXECUTIVO A avaliação do Plano de

Leia mais

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos

Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Sessão 3: Envolvendo empregadores e sindicatos Senhor Ministro Chris Alexander, Senhoras e senhores, Primeiramente, gostaria cumprimentar a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)

Leia mais

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS

Planificação Anual. Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência ANO LECTIVO - 2010/ 2011 COMPETÊNCIAS GERAIS Planificação Anual Escola Secundária de Pombal - (400634) Referência Direcção Regional de Educação do Centro Equipa de Apoio às Escolas - Leiria ANO LECTIVO - 2010/ 2011 ÁREA DISCIPLINAR DE ECONOMIA E

Leia mais

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO

PERSPETIVAS SOCIAIS EMPREGO sumário executivo Organização Internacional do Trabalho PERSPETIVAS SOCIAIS E DE EMPREGO NO MUNDO Mudança nas modalidades do emprego 2 015 perspetivas sociais e de emprego no mundo Mudança nas modalidades

Leia mais

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento

Saber mais. Comércio & Desenvolvimento Comércio & Desenvolvimento Saber mais O comércio tem sido um poderoso motor de crescimento para vários países, contribuindo para tirar milhões de pessoas de situações de pobreza. A política comercial da

Leia mais

Documento temático Sessão 3

Documento temático Sessão 3 ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO Fórum da OIT sobre Trabalho Digno para uma Globalização Justa FDW Lisboa 31 de Outubro 2 de Novembro de 2007 Documento temático Sessão 3 Migração laboral interna e

Leia mais

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores,

Senhor Secretário de Estado, Senhores Embaixadores, Senhores Governadores, Minhas Senhoras e meus Senhores, Intervenção do Governador do Banco de Portugal, Carlos da Silva Costa, no XXV Encontro de Lisboa sobre Governação das instituições de crédito e estabilidade financeira 1 Senhor Secretário de Estado, Senhores

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas

Responsabilidade Social das Empresas Responsabilidade Social das Empresas A responsabilidade social das empresas, também designada por cidadania empresarial, começa a assumir um relevo crescente. É uma área que interliga as acções e os objectivos

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

A emigração portuguesa qualificada: êxodo ou diáspora?

A emigração portuguesa qualificada: êxodo ou diáspora? Projeto BRADRAMO Brain Drain and Academic Mobility from Portugal to Europe Instituto de Sociologia (IS/FL/UP) Centro de Investigação do Desporto e da Actividade Física (CIDAF) Centro de Investigação e

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU

ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL DA GUINÉ-BISSAU A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA - CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI) E A A ELO - ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15

Rua Amílcar Cabral, LUANDA ANGOLA Tlm.: +244 931 169 381/380 geral@sme.ao www.sme.ao. Página 1/15 Decreto-Lei n.º 17/09 de 26 de Junho Regras e procedimentos a observar no recrutamento, integração, formação e desenvolvimento dos trabalhadores no sector petrolífero Página 1/15 Considerando que a formação

Leia mais

No seu programa de 2000, no

No seu programa de 2000, no O Pacote IVA novas regras de localização das prestações de serviços P o r C l o t i l d e C e l o r i c o P a l m a Foram estabelecidas a nível comunitário novas regras de localização das prestações de

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS

CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS laboratório associado Encontro de Ciência em Portugal 12 e 13 de Abril de 2007 Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa LINHAS ESTRATÉGICAS Boaventura de Sousa Santos Comunidade ces

Leia mais

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria

As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC. na á rea de auditoria As melhores prá ticas adoptadas pelas ISC na á rea de auditoria Cabo Verde, 24-26 de Outubro de 2012 VII Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução 2. Mudanças nos contextos societais e de governação

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização

Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Instrumentos Financeiros de Apoio à Internacionalização Castelo Branco, 04.10.2012 Elisabete Grosso Gabinete de Comércio Externo e Bancos Correspondentes (GCB) 1 Comércio Externo Agenda Principais instrumentos

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG Bósnia e Herzegovina, Croácia, Sérvia e Montenegro Regulamento (CE) n 2666/2000 do Conselho de 5 de Dezembro de 2000, com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) n 2112/2005 do Conselho

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Mandar dinheiro para casa, em África Habilitando os pobres rurais a superar a pobreza

Mandar dinheiro para casa, em África Habilitando os pobres rurais a superar a pobreza Mandar dinheiro para casa, em África Habilitando os pobres rurais a superar a pobreza 100 Mercados de remessas, criação de condições favoráveis e perspectivas Introdução Há séculos que as pessoas passam

Leia mais