Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal?"

Transcrição

1 Continua a valer a pena investir em Olival em Portugal? 10 Outubro 2012 Manuela Nina Jorge

2 Índice Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos 3. Quais as alterações na última década? 4. Análise de rentabilidade do investimento em olival 5. Oportunidades e ameaças

3 Índice Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial

4 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial PRODUÇÃO MUNDIAL 04 A produção de azeite mundial está limitada, por questões edafo climáticas, a duas zonas do globo: entre os paralelos 30 e 45 dos hemisférios norte e sul. Actualmente, 95% da superfície oleícola mundial está concentrada na Bacia Mediterrânica. Os países produtores da UE (Espanha, Itália, França, Grécia e Portugal) representam 72% da produção mundial (média ). Espanha representa 60% da produção mundial. Os restantes são a Tunísia (5,2%), a Turquia (5,2%), a Síria (5,6%), Marrocos (4%) e a Argélia (1,6%).

5 05 Evolução das quantidades produzidas de azeite a nível mundial (1000 ton) Outros Marrocos Siria Turquia Tunisia Algeria União Europeia Média Média Média Média

6 Evolução das quantidades produzidas na UE (1000 ton) Eslovénia Chipre Portugal Espanha Grécia Itália França 500 0

7 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial CONSUMO DE AZEITE 07 Investigação científica sobre os benefícios do azeite para a saúde Campanhas promocionais (UE, COI) Mundo Últimos 15 anos crescimento 37% (2,1% crescimento médio anual) UE 63 % do Consumo Mundial PAÍSES NÃO TRADICIONALMENTE CONSUMIDORES USA (3º consumidor mundial ton ) em 15 anos o consumo duplicou

8 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial PRODUÇÃO E CONSUMO Evolução da produção e consumo mundial (1000 ton) PRODUÇÃO CONSUMO

9 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial PRINCIPAIS CONSUMIDORES MUNDIAIS 09 Consumo médio anual nos principais consumidores mundiais de azeite período (1000 ton) 140,0 120,0 Evolução do consumo dos países terceiros (1000 ton) ,0 80,0 60, ,0 20,0 0,0 UE EUA Siria Turquia Marrocos Brasil Argelia Australia Japão Tunisia Jordania Israel média média

10 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial PRINCIPAIS CONSUMIDORES DE AZEITE Evolução do consumo de azeite nos principais países consumidores da Europa (1000 ton) Chipre Suécia Finlandia Áustria Portugal Espanha Grécia BeL e Lux Reino Unido Países Baixos Itália Irlanda França Dinamarca Alemanha

11 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial EVOLUÇÃO DO CONSUMO PER CAPITA 011 Evolução do consumo per capita , (kg/ano) Suissa Russia Japão Canada Arabia Saudita Libia EUA Brasil Australia Turquia Tunisia Siria Marrocos Libano Jordania Israel Croácia União Europeia Argentina Argelia - 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 consumo per capita ( ) Consumo per capita ( )

12 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial EVOLUÇÃO CONSUMO PER CAPITA UE 012 Evolução do consumo per capita , (kg/ano) Eslovénia Eslovaquia Rép. Checa Polonia Malte Lituania Letónia Hungria Estónia Chipre Suécia Finlandia Áustria Portugal Espanha Grécia BeL e Lux Reino Unido Países Baixos Itália Irlanda França Dinamarca Alemanha 2,18 6,01 6,52 7,88 11,16 12,03 12,99 14,98 20,24 25,31-5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 consumo per capita ( ) Consumo per capita ( )

13 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial TROCAS INTERNACIONAIS 013 TROCAS INTERNACIONAIS: 691 mil toneladas (os principais países exportadores são, naturalmente, os principais produtores) PRINCIPAIS PAÍSES EXPORTADORES: (média das quatro últimas campanhas) EU: 64% Tunísia: 18 % PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES: (63% das importações): EUA: 39,7% Brasil :7,4% Austrália: 4,6% Canadá: 5,3% Japão: 5,7%

14 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial BALANÇO DE AUTOAPROVISIONAMENTO EM QUANTIDADES Balanço de auto-aprovisionamento mundial (1000 ton) / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /12 PRODUÇÃO UE PRODUÇÃO OUT. PAÍSES IMPORTAÇÕES UE IMPORTAÇÕES OUT. PAISES EXPORTAÇÕES UE EXPORTAÇÕES OUT. PAISES CONSUMO UE CONSUMO OUT. PAISES

15 1 - Enquadramento do sector do azeite e evolução mundial PREÇOS PRINCIPAIS MERCADOS UE ,00 400,00 350,00 300,00 250,00 200,00 150,00 100,00 50,00 Evolução do preço do azeite virgem nos principais mercados (euros/ton),00 O-04 D F A J A O-05 D F A J A O-06 D F A J A O-07 D F A J A O-08 D F A J A O-09 D F A J A O-10 D F A J A O-11 D F A J Bari Heraklion./Chania Jaén Valores médios a preços correntes euros/ton Bari Heraklion./Chania Jaén

16 Evolução do sector em Portugal nos últimos anos

17 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos ÁREAS E PRODUTIVIDADE 017 Evolução das áreas de olival em Portugal Continental (ha) Evolução da produtividade (kg/ha) Algarve Alentejo Ribatejo e Oeste Beira Interior Beira Litoral Trás-os-Montes Entre Douro e Minho Algarve Alentejo Ribatejo e Oeste Beira Interior Beira Litoral Trás-os-Montes Entre Douro e Minho

18 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos QUANTIDADES POR REGIÃO Quantidade produzida por região em 1995 e 2011 (hl) ALG ALE RO BI BL TM EDM

19 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos QUALIDADE DO AZEITE POR REGIÃO 019 Produção do azeite por região 1995 (hl) Produção do azeite por região 2004 (hl) > 2, > 2, ,1 a ,9 a 2, até até 0, EDM TM BL BI RO ALE ALG EDM TM BL BI RO ALE ALG Produção do azeite por região 2011 (hl) > 2,0 0,9 a 2,0 até 0,8 0 EDM TM BL BI RO ALE ALG

20 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos QUANTIDADE PRINCIPAIS REGIÕES PRODUTORAS E CONTINENTE Evolução da produção de azeite por grau de acidez em TM (hl) Evolução da produção de azeite por grau de acidez no ALE (hl) > 2,0 1,1 a 2 até > 2,0 1,1 a 2 até 1 Evolução da produção de azeite por grau de acidez no Continente (hl) > 2,0 1,1 a 2 até 1

21 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos QTA TRANSFORMADA POR TIPO DE LAGAR E RESPECTIVO EVOLUÇÃO EM NUMERO 021 Evolução da quantidade transformada por tipo de lagar (hl) Industrial Cooperativo Particular Evolução do número de lagares por tipo

22 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos AUTOAPROVISIONAMENTO EM QUANTIDADE Evolução do auto-aprovisionamento em quantidades ( 1000 ton) Produçao Importações consumo aparente Variação de stocks Exportações

23 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos EVOLUÇÃO DO GRAU DE AUTO-APROVISIONAMENTO Evolução do grau de auto-aprovisionamento (%)

24 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos AUTOSUFICIÊNCIA Evolução da auto-suficiência ( 1000 euros) exportacoes importações - ( ) ( ) saldo da balança comercial ( ) ( )

25 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos PREÇO AO PRODUTOR Evolução dos preços dos vários tipos de azeite ao produtor (euros/ton) Azeite Virgem extra (até 0,8 graus) Virgem (de 0,8 a 2,0 graus) Lampante ( superior a 2,0) preços médios (euros/ton) Azeite 244 Virgem extra (até 0,8 graus) 271 Virgem (de 0,8 a 2,0 graus) 252 Lampante ( superior a 2,0) 210

26 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos TROCAS INTERNACIONAIS 026 Portugal é, tradicionalmente, um país com vocação exportadora (em %). Entre os mercados de destino das exportações nacionais, destaca-se o mercado brasileiro que absorve cerca de 65% do total das exportações nacionais de azeite, fazendo com que este produto seja igualmente o produto português mais exportado para aquele país. A taxa de penetração do azeite português no Brasil é de 50% (representa metade do consumo)

27 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos VALOR DE EXPORTAÇÃO POR MERCADO Valores das exportações portuguesas por paises em 2010 (1000 $) Venezuela (Bolivarian Republic of) (Value) United States of America (Value) United Kingdom (Value) Switzerland (Value) Venezuela (Bolivarian Republic of)); 7035 United States of America ; 6122 Spain ; Germany ; 646 Brazil; Angola; 9458 Spain (Value) Netherlands (Value) Mozambique (Value) Luxembourg (Value) South Africa (Value) Japan (Value) Guinea-Bissau (Value) Germany (Value) France (Value) China, Macao SAR (Value) Canada (Value) Brazil (Value)

28 2. Evolução do sector em Portugal nos últimos anos VARIAÇÕES EM VOLUME E PREÇO E VALOR DE EXPORTAÇÃO % Valores de exportação (dolares), variação de volume e variação de preço entre 2000 e 2010 v a r i a ç ã o d p r e ç o 270% 220% 170% Japan ; -60%; 235% China, Macao ; -36%; 76% Brazil ; 110%; 58% e 70% Canada 17%; 51% South Africa ; -36%; 61% Belgium ; 144%; 186% France ; -54%; 142% Germany ; 48%; 130% 120% Venezuela; -12%; 88% 20% Angola; 381%; 73% Mozambique ; 84%; 48% Switzerland; 343%; 36% United States of America; 90%; 38% United Kingdom; 617%; 17% Spain; 1472%; 84% -100% 0% 100% 200% 300% 400% 500% 600% 700% 800% 900% 1000% 1100% 1200% 1300% 1400% 1500% 1600% -30% Guinea-Bissau ; -13%; -13% variação de volume Netherlands; 1500%; -11%

29 Quais as alterações na última década?

30 3 - Quais as alterações na última década 030 No mundo 1. Duplicação da produção e consumo em 20 anos 2. Nos últimos 10 anos o aumento da produção deveuse aos países do Norte de África 3. Diferenciação do preço dos azeites de qualidade 4. Manutenção da pequena representatividade do consumo de azeite face aos óleos (2%) 5. Reforço do reconhecimento das qualidades nutricionistas e saudáveis do consumo de azeite 6. Aumento do consumo em países não produtores (EUA, Brasil, Canadá, Japão, Rússia, Suíça)

31 3 - Quais as alterações na última década 031 Em Portugal 1. A duplicação da produção sobretudo á custa dos grandes investimentos em olival regado na região do Alentejo 2. A grande melhoria de qualidade 3. A aquisição do conhecimento técnico da produção em sebe 4. O aumento do consumo global devido ao aumento do consumo per capita 5. O grande investimento industrial nos lagares e a concentração da capacidade de transformação 6. O duplicar da exportação 7. O alcançar da auto-suficiência 8. O Saldo positivo da balança comercial (50 milhões 10% do saldo do vinho)

32 Análise de rentabilidade do investimento em olival

33 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival CARACTERISTICAS DOS OLIVAIS 033 Variedade Arbosana Arbosana Arbosana Arbosana Arbosana Várias Compasso 5 x 2 m 3,75x 1,35 m 6 x 1,5 m 6 x 2 m 6 x 2 m 6,5x5,5 m Nº de árvores/há Tipo regadio regadio Sistema de condução Investimento inicial Média de produtividade de kg/há Custos no pleno aproveitamento regadio de apoio regadio de apoio sequeiro regadio sebe sebe sebe sebe sebe intensivo

34 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival CONTAS DE CULTURA Desagregação dos custos de produção de vários tipos de olival no pleno aproveitamento (euros/ha) 2000 Apoio técnico 1500 Gasóleo e reparação Moenda da azeitona Transporte Colheita 1000 Poda Rega Tratamentos fitossanitários Tratamentos com herbicida 500 Adubação Preparação de terreno 0 5 x 2 m 3,75x 1,35 m 6 x 1,5 m 6 x 2 m 6 x 2 m 6,5x4,5 m Sebe - Regadio Sebe - Regadio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Sequeiro Intensivo - regadio

35 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival CUSTOS DE PRODUÇÃO POR KG DE AZEITE 035 2,00 Custo de produção limiar por kg de azeite de vários tipos de olival (euros/kg) 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 1,02 1,01 1,03 1,06 1,15 1,44 custo de produção na plena produção por kg de azeite 0,80 custo da amortização por kg de azeite 0,60 0,40 0,20 0,45 0,59 0,47 0,47 0,39 0,45 0,00 5 x 2 m 3,75x 1,35 m 6 x 1,5 m 6 x 2 m 6 x 2 m 6,5x4,5 m Sebe - Regadio Sebe - Regadio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Sequeiro Intensivo - regadio

36 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival CUSTOS DE PRODUÇÃO POR KG DE AZEITONA 036 0,40 Custo de produção limiar por kg de azeitona de vários tipos de olival (euros/kg) 0,35 0,30 0,25 0,20 0,15 0,18 0,18 0,18 0,19 0,21 0,26 custo de produção na plena produção por kg de azeitona custo da amortização por kg de azeitona 0,10 0,05 0,08 0,11 0,08 0,08 0,07 0,08 0,00 5 x 2 m 3,75x 1,35 m 6 x 1,5 m 6 x 2 m 6 x 2 m 6,5x4,5 m Sebe - Regadio Sebe - Regadio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Regadio de apoio Sebe - Sequeiro Intensivo - regadio

37 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival RENTABILIDADE COM APOIO (TAXA DE 40%) E SEM APOIO % TIR (%) do investimento de instalação de olival sem apoio e com apoio (preço 2,15 euros/kg de azeite) 25% 26% 25% 24% 23% 21% 20% 18% 18% 17% 18% 15% 14% 13% 10% 9% 5% 0% regadio em sebe 5 x 2 m regadio em sebe 3,75x 1,35 m reg. de apoio em sebe 6 x 1,5 m reg. de apoio em sebe 6 x 2 m sequeiro em sebe 6 x 2 m intensivo de regadio 6,5x5,5 m

38 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival Vla por hectare com e sem apoio para vários níveis de preço Análise de sensibilidade do vla por ha em várias hipóteses de instalação de olival em (euros) com subsídio (preço 2,15 euros/kg) sem subsídio (preço 2,15 euros/kg) com subsídio (preço 1,73 euros/kg) sem subsídio (preço 1,73 euros/kg) com subsídio (preço 1,3 euros/kg) sem subsídio (preço 1,3euros/kg) regadio em sebe 5 x 2 m regadio em sebe 3,75x 1,35 m reg. de apoio em sebe 6 x 1,5 m reg. de apoio em sebe 6 x 2 m sequeiro em sebe 6 x 2 m intensivo de regadio 6,5x5,5 m -584

39 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DA TIR (%) A VARIAÇÕES NO PREÇO DO AZEITE AO PRODUTOR % Análise de sensibilidade da TIR (%) da instalação de vários olivais á variação no preço (c. apoio) 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% -5% regadio em sebe 5 x 2 m regadio em sebe 3,75x 1,35 m reg. de apoio em sebe 6 x 1,5 m reg. de apoio em sebe 6 x 2 m sequeiro em sebe 6 x 2 m intensivo de regadio 6,5x5,5 m -10% preço 2,8 preço 2,15 preço 1,73 preço 1,5 preço 1,3

40 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival EXEMPLO DE CASH-FLOW E EFEITO DO APOIO AO INVESTIMENTO NA RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO Cash-flow do olival regado com apoio compasso 5x2 m Efeito do apoio ao investimento no cas-flow acumulado e no numero de anos de recuperação - olival em sebe regado com apoio compasso 5x2 m cash-flow acumulado atualizado com apoio cash-flow acumulado atualizado sem apoio

41 4 - Análise de rentabilidade do investimento em olival EFEITO DO APOIO AO INVESTIMENTO NA RECUPERAÇÃO DO INVESTIMENTO DO OLIVAL INTENSIVO DE REGADIO Efeito do apoio ao investimento no cash-flow acumulado e no numero de anos de recuperação - olival intensivo regado com apoio compasso 6,5x5,5m olival intensivo sem apoio olival intensivo com apoio

42 Oportunidades e ameaças

43 Continua a valer a pena investir em olival em Portugal? 043 Oportunidades de investir em Olival: Know-how adquirido no sector Caracteríticas edafo-climáticas para a produção Boa rentabilidade e baixa sensibilidade ao preço Existência de apoios ao investimento que minimiza o impacto financeiro do empate de capital Aumento do consumo de azeite em Portugal e no mundo Aumento do valor das exportações portuguesas Associação de marcas de azeite ao vinho com provas dadas na exportação Elevada quantidade de importações (substituição de importações) Sector com grande dinamismo na última década Reconhecimento da qualidade azeite Português (muitos prémios internacionais).

44 Continua a valer a pena investir em olival em Portugal? 044 Ameaças/fragilidades do investimento em olival: Necessidades financeiras (período de recuperação do investimento de pelo menos 7 anos, tendo em conta os encargos financeiros) Menor poder de compra do consumidor português Concentração da oferta Portuguesa Concentração das exportações em poucos mercados Necessidade de trabalhar novos mercados de exportação

45 Av. da República Cascais Portugal Tel.: (+351) Fax: (+351)

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez

A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL. Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez A RENTABILIDADE FUTURA DO OLIVAL DE REGADIO UMA OPORTUNIDADE PARA PORTUGAL Manuela Nina Jorge Prof. Francisco Avillez SUMÁRIO Uma oportunidade Definição das tecnologias Conceitos Análise da Rentabilidade

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional

Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional Análise da Rentabilidade do Olival Tradicional 11 de Maio de 2012 Carlos Trindade (Agro.Ges (Agro Ges / E.S.A.Santarém) E S A Santarém) João Ribeiro (Coop. Moura e Barrancos) Mª Dolores Humanes (Cotecnisur)

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015

Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09-2015 EUR / Kg Peso Carcaça CONJUNTURA SEMANAL Newsletter Informação Semanal 21-09 a 27-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010

Descubra um mundo de sensações O maior evento de exportação dos produtos agro-alimentares em Portugal. 22/23/24 Fevereiro 2010 Lisboa. Portugal International Trade Fair for Portuguese Food and Beverage Salão Internacional do Sector Alimentar e Bebidas 22/23/24 Fevereiro 2010 EDITION EDIÇÃO #1 Descubra um mundo de sensações O maior

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL 2014 EXPORTAÇÕES (POR CAPÍTULO) 2013 2014 50 Artigos de seda 462 282-38,9% 51 Artigos de lã 60.801 63.996 5,3% 52 Artigos de algodão 145.006 154.454 6,5% 53 Outras fibras têxteis vegetais 4.839 4.169-13,8%

Leia mais

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010

Exportação Brasileira de Tangerinas por País de Destino 2010 Exportação Brasileira de Laranjas por País de Destino 2010 ESPANHA 5.293.450 12.795.098 PAISES BAIXOS (HOLANDA) 4.669.412 10.464.800 REINO UNIDO 2.015.486 5.479.520 PORTUGAL 1.723.603 3.763.800 ARABIA

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004

III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004. III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicadores do comércio internacional por NUTS II, 2004 III.4.1 - Indicators of international trading by NUTS II, 2004 Unidade: % Unit:% Taxa de cobertura das pelas para os 4 principais mercados

Leia mais

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE 9. o ANO FUNDAMENTAL PROF. ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas. 2

Leia mais

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010

Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Newvision Quando a Internacionalizaçao faz parte do código genético. Marketing 07.10.2010 Institucional \ Quem Somos A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo disponibilizar

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012

Náutica. Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima. Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Náutica Desenvolvimento Económico e Cultura Marítima Lisboa, 8 de Fevereiro de 2012 Aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro para

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite

NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite NOS Empresas 4Pro Satélite Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Satélite Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos

Importações e Exportações Portuguesas de Produtos Energéticos Em Análise Walter Anatole Marques 1 Importações e Exportações Portuguesas de Produtos A balança comercial de produtos de Portugal é fortemente deficitária, tendo o peso do seu défice no PIB aumentado mais

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra

NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra NOS Empresas 4Pro Fibra Detalhe das condiçoes do pacote 4Pro Fibra Telemóvel Comunicações incluidas no pacote: Cada cartão tem 4.000 minutos ou SMS para redes fixas e móveis nacionais. : Depois de atingir

Leia mais

1. Valor da produção florícola... 5. 2. Explorações e Área e sua evolução... 5. 3. Orientações produtivas... 9. 4. Modo de Instalação...

1. Valor da produção florícola... 5. 2. Explorações e Área e sua evolução... 5. 3. Orientações produtivas... 9. 4. Modo de Instalação... FLORES 2007 Índice Geral 1. Valor da produção florícola... 5 2. Explorações e Área e sua evolução... 5 3. Orientações produtivas... 9 4. Modo de Instalação...10 5. Preços...11 6. Escoamento da Produção...12

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC

Seminário. 12 novembro 2013. Iniciativa conjunta INE LNEC Seminário 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Casa própria ou arrendamento perfil da ocupação residencial emportugal Bárbara Veloso INE 12 novembro 2013 Iniciativa conjunta INE LNEC Sumário Aumentaram

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015

Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09-2015 EUR / Kg Peso Vivo CONJUNTURA SEMANAL - AVES Newsletter Informação Semanal 31-08 a 06-09- As Newsletter do SIMA podem também ser consultadas no facebook em: https://www.facebook.com/sima.portugal Na semana

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012

SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE FUTEBOL ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 SUPER RANKING MUNDIAL DE CLUBES DE ( SRM) MELHORAMENTOS ANUAIS 2012 Dezembro 2011 1- Introdução A metodologia do SRM estabelece que o modelo seja revisto no final de cada ano. As alterações resultantes

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão

4Pro. Telemóvel Telefone Internet Televisão 4Pro A oferta mais competitiva, desenhada para empresas e profissionais que lhe garante os melhores resultados 2 cartões de telemóvel com comunicações ilimitadas para todas as redes nacionais, para uma

Leia mais

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS.

LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Soluções de Telecomunicações para Empresas LIGAMOS PEQUENAS EMPRESAS A GRANDES NEGÓCIOS. Permanência mínima para todos os serviços de 24 meses. IVA não incluido. Válido até Outubro de 2012 ZON Office ZON

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007

Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 21/12 Economia 20/12 Demografia Instituto Nacional de Estatística divulgou A Península Ibérica em Números - 2007 http://www.ine.pt/portal/page/portal/portal_ine/publicacoes?publicacoespub_boui=10584451&publicacoesm

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

Transportes em Portugal

Transportes em Portugal Transportes em Portugal Transportes em Portugal 1 PROCURA CARGA MOVIMENTADA TRANSPORTE PROFISSIONAL RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS Segmentos de 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Mercado 10 3 ton % 10 3 ton % 10

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14

Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 Ranking Mundial de Juros Reais SET/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira

Crescimento Econômico. Professor Afonso Henriques Borges Ferreira Crescimento Econômico Professor Afonso Henriques Borges Ferreira PIB do Brasil 1947 / 2006 R$ de 1980 PIB do Brasil tendência linear Y t = Y 0 e rt ln Y t = ln Y 0 + rt 3 2 1 0-1 50 55 60 65 70 75 80 85

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Destaques do Education at a Glance 2014 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Destaques do Education at a Glance 2014 Diretor de Estatísticas Educacionais Carlos Eduardo Moreno Sampaio

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo PROINSO consolida assim a sua liderança internacional Desde a sua colocação em marcha, em 2010,

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão

Cafés e Restaurantes. Telefone Internet Televisão Cafés e Internet A solução HORECA que lhe dá tudo O pacote é a solução para o segmento HORECA que conjuga os melhores conteúdos de desporto nacional e internacional, com telefone e internet. Chamadas ilimitadas

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Seu guia completo para nossos serviços móveis

Seu guia completo para nossos serviços móveis Seu guia completo para nossos serviços móveis Entre na maior comunidade de serviços móveis das Ilhas do Canal Guernsey GRÁTIS www.jtglobal.com Pesquise por Jtsocial A JT oferece mais Custo/benefício A

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14

Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 Ranking Mundial de Juros Reais Jan/14 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2013

Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2013 Volume 40 Ano base 2012 Guia de leitura Guia de leitura O Guia de Leitura tem o propósito de orientar

Leia mais

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja

Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos Consumo Mundial de Suco de Laranja Câmara Setorial da Citricultura Brasília, 6 de setembro de 2011. TRANSPARÊNCIA E INFORMAÇÃO AGO/2010 OUT/2010 NOV-DEZ/2010

Leia mais

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13

Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 Ranking Mundial de Juros Reais Mar/13 O Ranking Mundial de Juros Reais é um comparativo entre as taxas praticadas em 40 países do mundo e os classifica conforme as taxas de juros nominais determinadas

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais