arxiv: v1 [cs.lo] 21 Jan 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "arxiv:1301.4910v1 [cs.lo] 21 Jan 2013"

Transcrição

1 MÁRIO SÉRGIO FERREIRA ALVIM JÚNIOR arxiv: v1 [c.lo] 21 Jan 2013 ASPECTOS COMPUTACIONAIS DO CÁLCULO DAS ESTRUTURAS Belo Horizonte, Mina Gerai 04 de abril de 2008

2

3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ASPECTOS COMPUTACIONAIS DO CÁLCULO DAS ESTRUTURAS Diertação apreentada ao Curo de Pó- Graduação em Ciência da Computação da Univeridade Federal de Mina Gerai como requiito parcial para a obtenção do grau de Metre em Ciência da Computação. MÁRIO SÉRGIO FERREIRA ALVIM JÚNIOR Belo Horizonte, Mina Gerai 04 de abril de 2008

4

5 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FOLHA DE APROVAÇÃO Apecto computacionai do cálculo da etrutura MÁRIO SÉRGIO FERREIRA ALVIM JÚNIOR Diertação defendida e aprovada pela banca examinadora contituída por: Ph. D ELAINE GOUVÊA PIMENTEL Orientador Departamento de Matemática / UFMG Ph. D ROBERTO DA SILVA BIGONHA Co-orientador Departamento de Ciência da Computação / UFMG Ph. D JOÃO MARCOS Departamento de Informática e Matemática Aplicada / UFRN Ph. D LUCÍLIA CAMARÃO DE FIGUEIREDO Departamento de Computação / UFOP Belo Horizonte, Mina Gerai, 04 de abril de 2008

6

7 Reumo A lógica é a ciência da inferência correta, e um itema lógico formal é uma ferramenta para demontrar propoiçõe em uma certa lógica de maneira correta. Há muito itema lógico formai, e muita maneira de formalizá-lo, por exemplo, uando dedução natural ou cálculo de eqüente. O cálculo de etrutura (CoS) é um novo formalimo propoto por Aleio Guglielmi em 2004 que generaliza o cálculo de eqüente no entido de que regra de inferência podem er aplicada em qualquer profundidade dentro de uma fórmula, em vez de apena no conectivo principal. Com eta caracterítica, demontraçõe em CoS ão menore do que em qualquer outro formalimo que uporte prova analítica. Apear de er intereante ter eta nova liberdade e expreividade do cálculo de etrutura, ob o ponto de vita de contrução de demontraçõe, mai liberdade ignifica um epaço de buca maior. E ito deve er retringido quando e procura pela automação completa de itema dedutivo. Algun eforço foram realizado para reduzir ete não determinimo, ma e tratam de abordagen baicamente operacionai, e nenhum reultado teórico ólido a repeito do comportamento computacional do CoS foi obtido até agora. O foco principal deta diertação é dicutir caminho para propor uma etratégia de demontração para CoS adequada à implementação. Eta etratégia deve er teórica, e não puramente operacional. Nó introduzimo o conceito de número de incoerência de ubetrutura dentro de uma etrutura e uamo ete conceito para atingir noo reultado principal: um algoritmo que, de acordo com a noa conjectura, correponde a uma etratégia de demontração para toda etrutura demontrável no ubitema FBV (a lógica linear multiplicativa MLL etendida pela regra mix) contendo apena pare de átomo ditinto doi a doi. Noo algoritmo foi implementado e acreditamo que noa etratégia eja um bom ponto de partida para explorar o apecto computacionai do CoS em itema mai gerai, como o próprio itema BV. i

8

9 Abtract Logic i the cience of correct inference and a logical ytem i a tool to prove aertion in a certain logic in a correct way. There are many logical ytem, and many way of formalizing them, e.g., uing natural deduction or equent calculu. Calculu of tructure (CoS) i a new formalim propoed by Aleio Guglielmi in 2004 that generalize equent calculu in the ene that inference rule can be applied at any depth inide a formula, rather than only to the main connective. With thi feature, proof in CoS are horter than in any other formalim upporting analytical proof. Although it i great to have the freedom and expreivene of CoS, under the point of view of proof earch more freedom mean a larger earch pace. And that hould be retricted when looking for complete automation of deductive ytem. Some effort were made to reduce thi non-determinim, but they are all baically operational approache, and no olid theoretical reult regarding the computational behaviour of CoS ha been achieved o far. The main focu of thi thei i to dicu way to propoe a proof earch trategy for CoS uitable to implementation. Thi trategy hould be theoretical intead of purely operational. We introduce the concept of incoherence number of ubtructure inide tructure and we ue thi concept to achieve our main reult: there i an algorithm that, according to our conjecture, correpond to a proof earch trategy to every provable tructure in the ubytem of FBV (the multiplicative linear logic MLL plu the rule mix) containing only pairwie ditinct atom. Our algorithm i implemented and we believe our trategy i a good tarting point to exploit the computational apect of CoS in more general ytem, like BV itelf. iii

10

11 Sumário 1 Introdução Definição do problema Introdução Motivação Objetivo Contribuição Revião da literatura Sumário da diertação Conideração relevante Teoria da Demontração: conceito fundamentai Lógica cláica e itema formai Cálculo de eqüente Lógica intuicionita Lógica linear MLL: fragmento multiplicativo da lógica linear Regra mix Demontraçõe uniforme Cláuula de Horn e fórmula de Harrop demontraçõe uniforme em lógica linear Cálculo da etrutura O Cálculo da etrutura Vião geral Etrutura Rede de interação O Sitema BV O teorema de plitting Reduzindo o não determinimo no cálculo da etrutura Análie do etado da arte Apecto computacionai do cálculo da etrutura Objetivo v

12 4.2 Abordagem O problema do comportamento operacional O problema do não-determinimo A tentativa de olução propota Reultado fundamentai e definiçõe Reultado principai Implementação Entrada de dado Saída de dado Complexidade computacional Qualidade do reultado Concluão 107 vi

13 Lita de Figura 1.1 Sitema SKSg Cálculo de eqüente para a lógica cláica LK Cálculo de eqüente para a lógica intuicionita LJ Cálculo de eqüente para a lógica linear cláica LL Cálculo de eqüente de um lado ó para a lógica linear multiplicativa MLL Sitema G3c para a lógica cláica de primeira ordem Sitema de demontraçõe de Forum Equivalência intática = Propriedade do quadrado para Propriedade do quadrado para Sitema BV Sitema FBV Regra de inferência não criam relaçõe quando vita de baixo para cima vii

14

15 Lita de Tabela 2.1 Tabela de verdade para a lógica cláica propoicional Exemplo da principai contruçõe da gramática de etrutura para o CoSProver Repreentação de regra na aída ix

16

17 Capítulo 1 Introdução 1.1 Definição do problema Introdução A lógica é o etudo do princípio e critéiro de inferência e demontraçõe válida. Um itema lógico é compoto por trê parte: a intaxe (ou notação), uma epecificação de regra de inferência (ou de argumentação), e o ignificado da entença lógica (emântica). Em geral, para uma dada lógica, exitem divera forma de e definir o itema de regra de um itema lógico formal. Para a lógica mai difundida como a lógica cláica, a lógica intuicionita e a lógica linear, o itema de inferência mai utilizado ão baeado em formalimo como a dedução natural e o cálculo de eqüente, ambo propoto por Gentzen no éculo XX. A dedução natural é um formalimo cuja regra pouem uma apreentação mai intuitiva, emelhante ao raciocínio humano. Entretanto, contruir demontraçõe utilizando dedução natural é muito difícil, uma vez que não exite, começando da fórmula que e deeja demontrar e eguindo de baixo para cima 1, uma etratégia de demontração. Já o cálculo de eqüente é um formalimo meno intuitivo, ma computacionalmente muito mai poderoo, uma vez que a regra relativa ao conectivo lógico, quando analiada de baixo para cima, reduzem o número de conectivo utilizado, reduzindo aim também, a cada pao, o número de opçõe para e eguir com a demontração. Utilizando ete formalimo, foi poível a formulação do conceito de demontraçõe uniforme. Intuitivamente, um itema de demontraçõe é dito uniforme e exite um método único de demontraçõe para qualquer eqüente provável. Ete conceito facilita enormemente a contrução de demontraçõe, uma vez que o não-determinimo é reduzido ao máximo, permitindo uma implementação direta do itema. O ramo de pequia que e preocupa com a buca de demontraçõe em itema lógico é conhecido como Teoria da Demontração 2. 1 Em inglê: bottom-up 2 Em inglê: Proof Theory. Alguma traduçõe para o portuguê utilizam o termo Teoria da Prova. 1

18 2 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO Atualmente, exite um novo itema formal conhecido como cálculo da etrutura, propoto por Aleio Guglielmi em 2004, que é, ob algun apecto, ainda mai poderoo que o cálculo de eqüente. Para alguma lógica, ocorre que o problema de como tratar com o não-determinimo dete formalimo a fim de produzir uma interpretação computacional eficiente etá ainda engatinhando. Dicutir caminho para encontrar uma etratégia de demontração para ete formalimo é o foco principal dete trabalho Motivação Dede o urgimento da dedução natural e do cálculo de eqüente no ano de 1930, pouco foi feito no entido de e proporem novo formalimo de repreentação de regra de inferência. Apena em 2004 foi propoto um novo itema de inferência conhecido como cálculo da etrutura [?], que não ó revolucionou o conceito de demontraçõe, como também permitiu a obervação de uma érie de imetria nunca ante apreentada em itema dedutivo. Uma etrutura é uma expreão intermediária entre um eqüente repreentado em apena um lado 3 e uma fórmula. Mai preciamente, é uma fórmula lógica comum, módulo uma teoria equacional normalmente impota ao eqüente. Na prática, o conectivo deaparecem e a regra ão etruturai (em vez de lógica), no entido de que ela lidam com a poição relativa de uma ubetrutura dentro da etrutura mai geral. A etrutura ão o único tipo de expreão permitido, e a regra de inferência ão implemente regra de reecrita de etrutura. Daí o nome de cálculo da etrutura. O cálculo da etrutura apreenta um apecto único que repreenta uma grande vantagem obre o demai itema de inferência: a deep-inference. Deep-inference é um mecanimo que permite que, durante a contrução de uma demontração, a regra de inferência poam er aplicada tão profundamente quanto e queira dentro da etrutura. Io quer dizer que, ao contrário do cálculo de eqüente, por exemplo, não exite um lugar delimitado em cada pao onde e pode trabalhar na contrução de uma demontração (o conectivo principal). No cálculo da etrutura é poível aplicar regra de inferência em qualquer ubetrutura da etrutura principal. Eta caracterítica leva a dua coneqüência muito importante. Em primeiro lugar, a demontraçõe e tornam potencialmente menore, quando comparada à demontraçõe obtida com o cálculo de eqüente. Em contrapartida, devido à liberdade propiciada pela deep-inference, o não-determinimo na contrução de uma demontração e torna muito maior, uma vez que há muita maneira em cada pao de e aplicarem regra de inferência. O primeiro itema de cálculo da etrutura propoto, e também o mai imple, é o itema BV [?], que é o fragmento multiplicativo da lógica linear etendido com a regra mix e um operador auto-dual e não comutativo, o eq. Um fato notável é que BV não pode er formalizado em cálculo de eqüente [?]. Então, a pergunta que urge é e todo o itema 3 Em inglê: one-ided equent

19 1.1. DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 3 formalizado em cálculo de eqüente podem er formalizado em cálculo da etrutura. Para reponder a eta pergunta, houve inicialmente um grande interee em formalizar outra lógica no cálculo da etrutura. A figura apreenta um itema em cálculo da etrutura para lógica cláica, o SKSg. S{t} [R, R] i S(R, R) S{f} i S([R,U],T) S[(R,T),U] S{f} S{R} w S[R, R] S{R} c S{R} S{t} w S{R} S(R,R) c Figura 1.1: Sitema SKSg Além lógica cláica [?], outra lógica já foram formalizada utilizando o cálculo da etrutura como a lógica intuicionita [?], lógica linear [?] e modal [?]. Não pretendemo aqui trabalhar no entido de formalizar lógica. O noo interee é em formular ao cálculo da etrutura algo que ainda não tem: um ignificado computacional. Algun eforço no entido de diminuir o não-determinimo do formalimo têm ido empreendido ma, até hoje, nenhum reultado definitivo, como o conceito de demontraçõe uniforme para o cálculo de eqüente, foi encontrado Objetivo O objetivo principal do trabalho é: Dicutir caminho poívei para uma etratégia de buca por demontraçõe em cálculo da etrutura adequada para a implementação computacional. Eta etratégia deve er, de preferência, teórica e não puramente operacional. Ou eja, deejamo aprofundar o conhecimento exitente obre o cálculo da etrutura no entido de contribuir para, no futuro, coneguir um reultado imilar ao obtido atravé conceito de demontraçõe uniforme para o cálculo de eqüente Contribuição O cálculo da etrutura é um formalimo poderoo e vem endo etendido para divera lógica. Embora eu uo permita a contrução de demontraçõe menore (em comparação com o cálculo de eqüente), imétrica e elegante, eu apecto computacional ainda não

20 4 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO foi dicutido a fundo. O não-determinimo na contrução de demontraçõe por ete formalimo ainda é um limitador na ua utilização prática em implementaçõe para computador. Embora alguma tentativa de diminuir ete não-determinimo tenham ido empreendida, ela ainda têm um caráter operacional, e não teórico. A principai contribuiçõe dete trabalho ão: (i) apreentar de forma ucinta o cálculo da etrutura em portuguê, aim como uma breve compilação do etado da arte e (ii) propor uma tentativa de etratégia teórica que permita a implementação computacional do cálculo da etrutura para um ubconjunto do itema FBV (flat BV). 1.2 Revião da literatura O formalimo de cálculo da etrutura (CoS, do inglê Calculu of Structure) foi apreentado por Aleio Guglielmi em 2004 e publicado em 2007 [?]. Nete artigo foi introduzido o itema lógico BV, que etende o fragmento multiplicativo da lógica linear com a regra mix e um operador dual a i memo e não comutativo. Até então não e tinha coneguido realizar eta extenão para o cálculo de eqüente, ma no cálculo da etrutura ela ocorreu de forma natural. O cálculo da etrutura foi obtido como uma generalização do cálculo de eqüente de tal forma que exitie uma imetria top down de derivaçõe. No artigo também e dicute o conceito de deep-inference preente no CoS, que permite que a regra de inferência ejam aplicada tão profundamente quanto e queira em uma etrutura, havendo, portanto, muito maior liberdade na contrução de uma demontração. Um reultado importante do artigo é o Teorema de Splitting, que, em linha gerai, enuncia que derivaçõe complexa podem er dividida em derivaçõe mai imple e então o reultado dea ubderivaçõe pode er utilizado na compoição da derivação original mai complexa. Ete é um reultado importante porque motra a exitência de caminho alternativo de demontração para etrutura complicada, e a quebra em demontraçõe mai imple pode reduzir o epaço de buca por derivaçõe. Apear de er o artigo eminal em CoS, o trabalho não chegou a abordar o apecto computacionai do formalimo, no entido de que não e dicutiram maneira de lidar com o não-determinimo provocado pela deep-inference. Ete artigo cauou um grande movimento na comunidade de Teoria da Demontração ao redor do mundo, e motivou vário pequiadore a ecrever itema baeado em CoS para outra lógica que não o fragmento da lógica linear coberto pelo itema BV. Em [?] foram propoto itema dedutivo para a lógica cláica propoicional. Como no cálculo de eqüente, ete itema pouem uma regra Cut admiível 4. A regra Cut, weakening e contraction ão apreentada em ua forma atômica. Embora já houvee itema de CoS para a lógica linear [?], para a lógica cláica [?], e para vária lógica modai [?], ainda era um deafio a criação de um itema aim para a lógica intuicionita. A dificuldade principal e encontrava em criar um conjunto de regra de 4 Uma regra ρ é dita adimiível em um itema dedutivo e ρ ua ocorrência explícita pode er retirada do itema em afetar a ua completude. Em outra palavra, o conjunto de fórmula provávei em um itema e no itema emρexplicitamente ão idêntico.

21 1.3. SUMÁRIO DA DISSERTAÇÃO 5 inferência que não permitie a demontrabilidade do princípio do terceiro excluído 5. Ete problema foi reolvido por Tiu em [?], onde itema de inferência baeado em CoS para a lógica intuicionita de primeira ordem e alguma extenõe (a lógica intermediária de Dummett - LC, a lógica de Göedel e a lógica cláica) foram propoto. O itema propoto utilizam o conceito de contexto poitivo (lado direito de um eqüente) e negativo (lado equerdo de um eqüente). A regra de inferência ão poitiva ou negativa e ó podem er aplicada no contexto adequado (regra poitiva para contexto poitivo e regra negativa para contexto negativo). Eta neceidade de checagem de contexto para aplicação de regra compromete a noção pura de localidade, ma ainda a preerva no entido de que a regra ão toda atômica. A demontração de que a regra Cut é admiível nete itema foi feita de forma indireta, atravé da equivalência a outro itema de inferência. A grande contribuição do trabalho é o pioneirimo na aplicação de CoS para itema lógico aimétrico 6. Embora o cálculo da etrutura viee endo empregado com uceo na criação de itema de inferência para vária lógica, o problema de eu não-determinimo coneqüente da deep-inference ainda era uma quetão pouco explorada. A demontraçõe criada em itema baeado em CoS eram menore que a criada em itema baeado em cálculo de eqüente, ma o epaço de buca de demontraçõe no primeiro formalimo é muito maior. Em [?], Kahramanoğullari introduz uma nova técnica que reduz ete não-determinimo para o itema BV, em quebrar a propriedade teórica do itema. Eta técnica propicia um aceo mai imediato a demontraçõe menore. No artigo argumenta-e que a técnica, por e baear em apecto gerai do CoS, pode er facilmente etendida para outro itema que não o BV. Entretanto, a técnica propota é baicamente operacional, por tratar-e da introdução de regra de inferência que checam previamente e a decião tomada em um pao da derivação conduzirá a um etado obre o qual não erá mai poível avançar. Portanto, o problema teórico de e definir com clareza o comportamento computacional do cálculo da etrutura, aim como o conceito de demontraçõe uniforme fez com o cálculo de eqüente [?], continua em aberto. 1.3 Sumário da diertação O Capítulo 2 apreenta o conceito fundamentai de Teoria da Demontração utilizado neta diertação, incluindo o conceito de lógica cláica, intuicionita e linear, cálculo de eqüente e demontraçõe uniforme (em cálculo de eqüente). O Capítulo 3 apreenta o formalimo do cálculo da etrutura, com ua definição formal, o conceito de teia de interação, o teorema de plitting e uma etratégia já propota na literatura para reduzir eu não-determinimo. O Capítulo 4 contém a principai contribuiçõe deta diertação: uma 5 O princípio do terceiro excluído afirma que empre ou uma fórmula é verdadeira, ou então é fala. Trata-e de um princípio eencialmente não-contrutivo, uma vez que não exige a contrução de uma demontração para a fórmula. É um princípio caracterítico da lógica cláica, ma que não é válido para a lógica intuicionita 6 Aqui o termo imetria equivale à preença de negação involutiva e da poibilidade de repreentação de eqüente em um ó lado.

22 6 CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO dicuão obre a poívei abordagen para o problema de e encontrar uma etratégia de demontração em cálculo da etrutura, alguma definiçõe e teorema importante e o reultado principal dete trabalho, que conite numa tentativa de etratégia de demontração para um ubconjunto do itema FBV. O Capítulo 5 apreenta uma implementação do itema FBV egundo a tentativa de etratégia propota neta diertação. Por fim, o Capítulo 6 revia o conceito apreentado e dicute trabalho futuro. 1.4 Conideração relevante Apear de ete trabalho er uma diertação na área de teoria da computação, ele poui um caráter prático batante relevante, uma vez que o interee da comunidade acadêmica da área etá cada vez mai voltado para a implementação eficiente de itema dedutivo.

23 Capítulo 2 Teoria da Demontração: conceito fundamentai 2.1 Lógica cláica e itema formai A lógica cláica lida com a formalização e a análie de tipo de argumentação utilizado em matemática. Deta forma, o itema lógico formai utilizado para ee fim devem er ferramenta adequada para demontraçãor propoiçõe. Parte do problema com a formalização da argumentação matemática é a neceidade de e epecificar de maneira precia uma linguagem matemática formal. Linguagen naturai, tai como o portuguê ou inglê, não ervem a ete propóito: ela ão muito complexa, ambígua e em contante modificação. Por outro lado, linguagen formai como (alguma) linguagen de programação, que também ão rigidamente definida, ão muito mai imple e meno flexívei que a linguagen naturai. Utilizamo, então, um itema lógico formal que apreente um balanceamento entre expreividade e precião, em, entretanto, apreentar a ambigüidade da linguagen naturai ou er demaiado implita como uma linguagem de programação. Um itema lógico formal é compoto por trê parte: a intaxe (ou notação), uma epecificação cuidadoa de regra de argumentação (regra de inferência), e alguma noção de como interpretar e dar um ignificado a entença (ou propoiçõe) da linguagem adotada (emântica). Apreentaremo rapidamente o conceito citado acima para a lógica cláica de primeira ordem: Sintaxe A intaxe conite no ímbolo utilizado na repreentação do itema lógico. Na intaxe há um alfabeto, que é um conjunto de ímbolo pré-definido obre o quai e pode contruir entença e uma gramática, que define como a entença podem er contruída. A gramática para a lógica cláica de primeira ordem é: E ::= A (E E) (E E) (E E) x.e x.e 7

24 8 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS que ignifica que uma fórmula E pode er uma propoição atômica (em conectivo), verdadeiro, falo, a conjunção de dua fórmula, a dijunção de dua fórmula, uma implicação ou fórmula quantificada (quantificação de univeralidade ou de exitência). Não acrecentamo a negação como um conectivo primitivo da lógica, ma repreentamo E por E. De fato, ao longo do texto utilizaremo uma ou outra repreentação da maneira que for mai conveniente. Regra de inferência A regra de inferência determinam como e podem obter fórmula a partir de outra fórmula, num proceo equivalente a tirar concluõe válida a partir de premia. Exitem divera forma de e definir regra e axioma de um itema lógico formal. Ete trabalho tem como foco apena itema apreentado em cálculo de eqüente e cálculo da etrutura. Um exemplo de regra de inferência (em cálculo de eqüente) é a regra Cut: Γ 1 1,A A,Γ 2 2 Γ 1,Γ 2 1, 2 Cut Baicamente, ea regra formaliza o conceito de demontraçõe matemática utilizando lema auxiliare. Ou eja, e podemo demontraçãor um lema A (ou outro reultado 1 ) a partir de um conjunto de hipótee Γ 1 e, a partir de A (e poivelmente alguma outra hipótee Γ 2 ) é poível demontraçãor outro conjunto de reultado ( 2 ), então podemo demontraçãor 1, 2 diretamente a partir deγ 1,Γ 2. Semântica A emântica de um itema formal dá o ignificado do ímbolo utilizado. No cao da lógica cláica propoicional (em quantificadore), o ignificado da fórmula pode er trivialmente expreo atravé de uma tabela de verdade. Nea tabela, a cada ímbolo é atribuído um valor (V para verdadeiro ou F para falo). A partir dee valore, podemo calcular o valore da fórmula compota. Veja a tabela 2.1. A B A A B A B A B V V F V V V V F V F F F V V V F F V V F V F V F F F V F F V V F Tabela 2.1: Tabela de verdade para a lógica cláica propoicional

25 2.1. LÓGICA CLÁSSICA E SISTEMAS FORMAIS Cálculo de eqüente O cálculo de eqüente, introduzido no ano 1930 por Gerhard Gentzen [?], conite em um formalimo para tratar da verdade lógica 1 coniderando apena a forma da dedução. Definição 1. Um eqüente poui a formaγ, ondeγe ão multiconjunto finito (poivelmente vazio) de fórmula. Chamamo Γ de antecedente e de ucedente do eqüente. Uma demontração para o eqüente Γ é uma árvore finita, contruída utilizando a regra de inferência do itema tal que a raiz éγ. A principai caracterítica do cálculo de eqüente ão: poui apena regra de introdução de conectivo lógico 2 ; antecedente e ucedente ão tratado da mema forma e ão contruído imultaneamente; é tecnicamente imple: quando lida de baixo pra cima, a regra no cálculo de eqüente implificam o proceo de contrução de demontraçõe, com exceção da regra de contraction (cont) e da regra Cut. A regra do cálculo de eqüente para a lógica cláica LK etão litada na Figura 2.1. A regra à direita e à equerda ão chamada regra lógica, uma vez que definem o ignificado do conectivo lógico. Exemplo 2. Na lógica cláica vale o princípio do terceiro excluído. Ou eja, a propoição p p é empre válida. Io ignifica que uma fórmula é empre ou verdadeira, ou fala. Ea afirmação é extremamente não contrutiva, uma vez que nada e pode dizer de qual da opçõe é valida. A demontração do princípio do terceiro excluído no itema LK é dada abaixo. p,p Initial p, p R p,p p R 2 p p,p p R 1 contr p p Chamaremo de C-demontração qualquer demontração no itema LK. 1 A verdade do conhecimento, ou verdade lógica, é a conformidade da inteligência com o que é, ito é, com o objeto. 2 Outro formalimo propoto por Gentzen é a dedução natural, que poui regra de introdução e eliminação de conectivo lógico.

26 10 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Axioma inicial e a regra Cut Γ,A,A Initial Γ 1 1,A A,Γ 2 2 Γ 1,Γ 2 1, 2 Cut Regra à direita Γ, R Γ A, Γ B, Γ A B, R Γ,A B, Γ A B, R Regra à equerda Γ A, Γ A B, R 1 Γ A[x/y], Γ xa, R Γ B, Γ A B, R 2 Γ A[x/t], Γ xa, R Γ, L Γ,A Γ,A B L 1 Γ,B Γ,A B L 2 Regra etruturai Γ,A Γ,B Γ,A B L Γ,A[x/t] Γ, xa L Γ Γ,A weak L Γ,A,A Γ,A cont L Γ 1 A, 1 Γ 2,B 2 Γ 1,Γ 2,A B 1, 2 L Γ,A[x/y] Γ, xa L Γ Γ,A weak R Γ,A,A Γ,A cont R Figura 2.1: Cálculo de eqüente para a lógica cláica LK 2.2 Lógica intuicionita Como decrito na Seção 2.1, o entendimento cláico de lógica é baeado na noção de verdade. Ou eja, a veracidade de uma afirmativa é aboluta e independente de qualquer argumentação, crença ou ação. Deta forma, afirmativa ão ou verdadeira ou fala, onde falo é a mema coia que não verdadeiro. De fato, é fácil demontraçãor em LK a eguinte equivalência: e, onde éoímbolo de relação de equivalência entre fórmula. Claro que ea abordagem de penamento é muito intuitiva e baeada em experiência e

27 2.2. LÓGICA INTUICIONISTA 11 obervação. Para um matemático preocupado em demontraçãor um teorema, é importante a idéia de que toda afirmativa pode er demontraçãoda verdadeira e uma demontração é apreentada ou fala e exite um contra-exemplo. Além dio, vária técnica de demontração utilizam implicitamente o princpípio do terceiro excluído. A lógica intuicionita abandona a idéia de verdade aboluta, e afirmativa ão coniderada válida e, e omente e, exite uma demontração contrutiva da mema. Em cálculo de eqüente, o itema de demontraçõe mai conhecido para a lógica intuicionita é o itema LJ, onde o eqüente válido pouem exatamente uma fórmula como ucedente e a regra de weakening e contraction não ão válida à direita. O itema LJ é apreentado na Figura 2.2. Γ R Γ, A L Γ,A A Initial Γ A Γ B Γ A B R Γ A Γ A B R 1 Γ,A C Γ,B C Γ,A B C Γ A[x/y] Γ xa R Γ,A C Γ,A B C L 1 L Γ,A[x/t] C Γ, xa C L Γ C Γ,A C weak L Γ 1 A A,Γ 2 C Γ 1,Γ 2 C Γ B Γ A B R 2 Γ A[x/t] Γ xa R Cut Γ,A B Γ A B R Γ,B C Γ,A B C L 2 Γ 1 A Γ 2,B C Γ 1,Γ 2,A B C L Γ,A[x/y] C Γ, xa C L Γ,A,A C Γ,A C cont L Figura 2.2: Cálculo de eqüente para a lógica intuicionita LJ Exemplo 3. Todo o eqüente abaixo ão provávei em lógica cláica: 1. (p q) ( p q) 2. (p q) ( p q) 3. (p q) ( p q) 4. (p q) ( p q) 5. ((p q) p) p 6. (p q) (q p) Ma apena (1),(2) e (3) apreentam demontraçõe contrutiva, ito é, ão provávei intuicioniticamente.

28 12 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Chamaremo de I-demontração qualquer demontração no itema LJ. 2.3 Lógica linear Na lógica cláica (eção 2.1), matemático começam de um conjunto de axioma, demontraçãom algun lema e então o utilizam para demontraçãor teorema. Alguma da demontraçõe utilizada não ão contrutiva, e o uo da etratégia conhecida como redução ao aburdo é muito comum. Uma vez que um lema é demontraçãodo, ele pode er uado de novo para demontraçãor outra propoiçõe ou teorema, uma vez que um lema demontraçãodo verdadeiro erá verdadeiro para empre. Portanto, matemático trabalham com a lógica cláica, a lógica da verdade etável e de recuro e concluõe infinito. Já a lógica intuicionita (Seção 2.2) decarta ea noção de verdade aboluta e a veracidade de uma afirmativa depende da exitência de uma demontração (ou contrução) da afirmativa. Algun matemático preferem a lógica intuicionita à cláica, jutamente por acreditarem na importância de e contruir uma demontração, em vez de e contentar em apena aber que ela exite. A lógica intuicionita ainda é muito utilizada em ciência da computação, endo a bae de linguagen de programação como Prolog. Ma a lógica intuicionita ainda é uma lógica de infinito recuro ma não infinita concluõe, uma vez que permitir a demontração de todo o reultado poívei em lógica cláica implicaria em permitir o princípio do terceiro excluído. A lógica linear (deenvolvida por Girard [?]) é uma lógica de recuro conciente. É, portanto, um refinamento da lógica cláica e intuicionita, no entido que ubtitui a ênfae em verdade ou em demontraçãobilidade por recuro. Em lógica linear, afirmativa não podem er livremente copiada (contraction) ou decartada (weakening), apena em ituaçõe epeciai, onde aparece um tipo muito particular de conectivo: o exponenciai? e!. Intuitivamente,!B ignifica que o recuro B pode er uado tanta veze quanto neceária. De maneira dual,?b indica a poibilidade de produção de uma quantidade infinita da concluão B. A implicação linear é repreentada pelo ímbolo e o ignificado dea B é: conome-eadando origem a B Ito ignifica que, a partir do ponto em que B é produzido, o predicado A deixa de er válido. A implicação intuicionita então ignifica: A B!A B ou eja, um predicado A implica B intuicioniticamente e e omente e exite uma quantidade infinita deaque linearmente implica B. A auência de contraction e weakening muda a natureza do conectivo lógico. De fato, poderíamo propor uma variante da regra do itema LK, coniderando a regra para a

29 2.3. LÓGICA LINEAR 13 conjunção como: Γ,A,B Γ,A B L Γ 1 A, 1 Γ 2 B, 2 Γ 1,Γ 2 A B, 1, 2 R A regra acima ão chamada de multiplicativa, enquanto que a regra apreentada na Figura 2.1 ão chamada de aditiva. Ocorre que, na preença da regra cont e weak, ee doi formato ão equivalente. De fato, e upuermo a regra R, podemo derivar a regra R : Γ 1 A, 1 Γ 2 B, 2 weakr,weakl weakr,weakl Γ 1,Γ 2 A, 1, 2 Γ 1,Γ 2 B, 1, 2 R Γ 1,Γ 2 A B, 1, 2 e vice vera: Γ A, Γ B, Γ,Γ A B,, R Γ A B, contr,contl Se removermo contraction e weakening, então a regra não ão mai equivalente, e a conjunção (aim como a dijunção) é eparada em doi conectivo diferente. Portanto, exitem dua maneira ditinta de formular a conjunção, correpondendo a doi conectivo ditinto em lógica linear: o conectivo multiplicativo (A B ignifica amboaeb) e o aditivo & (A&B = ecolha entre A e B). O memo para a dijunção: multiplicativo (A B é igual a A paralelo ab) e aditivo (A B ignifica ouaoub). A lógica linear utiliza ainda o eguinte conectivo:, e 1 para a verão multiplicativa de falo e verdadeiro repectivamente; 0, para a verão aditiva dee conectivo; e e para quantificaçõe univeral e exitencial. Na Figura 2.3 apreentamo a regra de inferência para a lógica linear MLL: fragmento multiplicativo da lógica linear Oberve que a regra da Figura 2.3 apreentam uma imetria fantática. De fato, a regra à direita para o conectivo poui o memo formato da regra à equerda para o conectivo. O memo ocorre com o conectivo & e. Ete fato, juntamente com o fato de que, na lógica linear, a negação é involutiva 3 permitem a repreentação da lógica linear atravé de eqüente que pouem apena o ucedente. Deta forma, o conectivo pouem apena regra à direita. Na Figura 2.4 apreentamo a regra utilizando o cálculo de eqüente de um lado ó 4 para MLL, que é o fragmento da lógica linear contendo apena o conectivo multiplicativo. Tal itema erá importante para a definição do itema BV, no Capítulo A negação é dita involutiva e A A. 4 Em inglê: one ided equent calculu

30 14 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS A A Initial Γ 1 1,A A,Γ 2 2 Γ 1,Γ 2 1, 2 Cut Γ 1 1,!A (!A) n,γ 2 2 Γ 1,Γ 2 1, 2 Regra à direita Regra à equerda Regra para o exponenciai Cut! Γ, R Γ A, Γ B, Γ A&B, Γ A, Γ A B, R Γ 1 1,(?A) n?a,γ 2 2 Γ 1,Γ 2 1, 2 Cut? n > 1 Γ Γ, R & R Γ 1 A, 1 Γ 2 B, 2 Γ 1,Γ 2 A B, 1, 2 R Γ A[x/y], Γ l xa, lr 1 1R Γ A,B, Γ A B, R Γ B, Γ A B, R Γ,A B, Γ A B, R Γ A[x/t], Γ l xa, lr 0,Γ 0L L Γ 1,Γ 1L Γ,A Γ,A&B & L Γ,A Γ,B Γ,A B L Γ,B Γ,A&B & L Γ 1,A 1 Γ 2,B 2 Γ 1,Γ 2,A B 1, 2 L Γ,A,B Γ,A B L Γ 1 A, 1 Γ 2,B 2 Γ 1,Γ 2,A B 1, 2 L Γ,A[x/t] Γ, l xa ll Γ,A[x/y] Γ, l xa ll Γ Γ,!A! W Γ,A Γ,!A! D!Γ A,?!Γ!A,?! R Γ,!A,!A Γ,!A! C Γ Γ?A,? W!Γ,A?!Γ,?A?? L Γ A, Γ?A,? D Γ?A,?A, Γ?A,? C Figura 2.3: Cálculo de eqüente para a lógica linear cláica LL A, A Initial Γ 1,A A,Γ 2 Γ 1,Γ 2 Γ,A,B Γ,A B Γ 1,A Γ 2,B Γ 1,Γ 2,A B Figura 2.4: Cálculo de eqüente de um lado ó para a lógica linear multiplicativa MLL Cut

31 2.4. REGRA MIX Regra mix Outra regra que vai er de fundamental importância na Seção é a regra mix: Γ Γ, mix Tal regra e parece com a regra Cut, a diferença etá no fato de que nenhuma fórmula é eliminada, ela ão na verdade toda miturada. A preença da regra mix muda completamente a demontraçãobilidade de um itema lógico. Por exemplo, em MLL + mix é poível demontraçãor o eqüente A B, A B (que em cálculo de eqüente de doi lado correponde aa B A B): A, A Initial B, B Initial mix A,B, A, B A,B, A B A B, A B Oberve que, em lógica linear, a demontração poderia er contruída de baixo para cima apena até o eqüente A, B, A, B. Ete eqüente não é provável, poi não há nenhuma regra de inferência que poa er aplicada, e, além dio, o axioma inical não pode er empregado (em lógica linear o axioma inicial é relevante, no entido de que ó admite uma única fórmula e ua negação). Porém, com a regra mix, podem-e eparar a fórmula de modo que o axioma inicial e aplique, e o eqüente paa a er provável. Em reumo, a regra mix etende o conjunto de eqüente provávei em MLL, uma vez que permite a imulação de um axioma inical do tipo: A 1, A 1,...,A h, A n Initial 2.5 Demontraçõe uniforme Conidere o eqüente A B B A. Tal eqüente é abidamente demontrável em lógica cláica e em lógica intuicionita, por exemplo, uma vez que ele correponde à demontração de que a dijunção é comutativa. A princípio, poderia-e penar que eria uma tarefa imple demontraçãor tal eqüente. Entretanto, oberve que e decidirmo começar a demontração eliminando a dijunção da direita A B B A B B A R 1 ou A B A A B B A R 2 temo neceariamente que fazer primeiro a ecolha de qual fórmula demontraçãor (A ou B), para depoi proceder com a demontração. Entretanto, o eqüente da premia de amba derivaçõe não ão provávei: a única

32 16 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS regra aplicável é L,weakL oucontl, e nenhuma dela conduz a uma demontração. Deta forma, devemo obrigatoriamente adiar a ecolha, o que ignifica, na lógica intuicionita, que devemo começar a redução pela dijunção da equerda. A A Initial A B A R B B Initial 2 B B A R 1 L A B B A Ea é uma ituação que e deeja evitar na prática, e etamo preocupado com a automatização completa de itema lógico: a implementação teria que tentar toda a poibilidade até decidir o caminho certo, o que tornaria o tempo de execução exponencial, no pior cao. Deta forma, é importante aber quando um itema lógico poui uma etratégia de redução. Ou eja, um caminho único e bem determinado para e demontraçãor um eqüente qualquer. Ainda analiando o eqüente A B B A, vemo que, no itema LK, exite ainda outra poibilidade de demontração, duplicando a fórmula da direita: A B,A Initial B B,A Initial L A B B,A A B B,B A R 2 A B B A,B A R 1 contr A B B A Tal derivação egue a etratégia de começar a demontração pelo lado direito do eqüente, ma não pode er chamada de uma etratégia de redução. Ito porque, ao duplicar a fórmula B A, etamo na verdade aumentando o número de fórmula no eqüente, em vez de diminuir. De fato, quando derivaçõe ão analiada de baixo para cima, a regra etruturai de contração da Figura 2.1 podem empre er aplicada, duplicando fórmula e, conequentemente, aplicação de regra de inferência. Outra regra que pode empre er aplicada é a regra Cut, que cria uma fórmula na derivação. Ete é um problema extremamente ério, uma vez que o proceo de criação requer a preença de inteligência, que um programa de computador não poui. Um problema emelhante ocorre com a regra L e R, poi a aplicação de tai regra requer que e aiba, a priori, o termo t que deve er uado como intância. Claro que tai dificuldade podem er uperada parcialmente. Por exemplo, a regra etruturai podem vir implícita em alguma regra (dando origem ao itema G3c veja a Figura 2.5), a regra Cut pode er eliminada [?] na lógica cláica, intuicionita e linear e o problema com a aplicação de regra para o quantificadore pode er parcialmente reolvido utilizando unificação [?]. Subtituir o itema LK pelo itema G3c pode reolver algun problema relativo à implementação da lógica cláica, ma introduz outro.

33 2.5. DEMONSTRAÇÕES UNIFORMES 17 Γ, R Γ,A B, Γ A B, R Γ A[x/y], Γ xa, R Γ,A Γ,B Γ,A B Γ,A,A Initial Γ A, Γ B, Γ A B, R Γ A,B, Γ A B, R Γ xa,a[x/t], Γ xa, Γ, L Γ,A,B Γ,A B L L Γ,A[x/t], xa Γ, xa L R Γ A, Γ,B Γ,A B Γ,A[x/y] Γ, xa L L Figura 2.5: Sitema G3c para a lógica cláica de primeira ordem Exemplo 4. O eqüente p(a) p(b) x.p(x) é provável em lógica cláica. No itema LK, uma poibilidade de demontração é começando pelo antecedente: p(a) p(a) Initial p(a) x.p(x) R p(b) p(b) Initial p(b) x.p(x) ( R) L p(a) p(b) x.p(x) Claro que podemo empre começar pela contração da fórmula quantificada, deta forma começando pelo ucedente. Em G3c, a demontração correpondente eria: p(a) x.p(x),p(a),p(b) Initial p(b) x.p(x),p(a),p(b) Initial L p(a) p(b) x.p(x),p(a),p(b) R p(a) p(b) x.p(x),p(a) R p(a) p(b) x.p(x) O problema que urge é que a aplicação de R gera a duplicação da fórmula x.p(x) o que, na prática, cria um problema de implementação. Como a regra pode er aplicada indefinidamente, torna-e mai complicado controlar o eu uo, evitando que o programa entre em loop. Outro problema podem urgir com a procura por demontraçõe em eqüente que contenham mai de uma fórmula no ucedente. O principal, no cao da lógica cláica, é o de cope extruion. Para entender o que ignifica ete conceito, conidere o eqüente

34 18 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS Γ D G. Tal eqüente é provável e e omente e Γ,D G é provável 5. Fazendo a relação entre lógica e programação, a fórmula D pode er vita como uma unidade de programa que é adicionada ao programa Γ durante a computação 6. Para garantir que tal procedimento irá obedecer a noção correta de ecopo (ou eja, que a açõe emd terão reflexo apena obreg), preciamo de um cálculo que permita apena uma fórmula no ucedente. De fato, e G = G 1 (D G 2 ), uma redução no itema LJ começando pelo ucedente reultaria em uma buca por demontraçõe de um do eqüente: Γ G 1 ouγ,d G 2. Em particular, a fórmulad etá diponível apena para demontraçãor a fórmulag 2. Entretanto, a fórmulag 1 (D G 2 ) é claicamente equivalente a(d G 1 ) G 2 ed (G 1 G 2 ). Em particular, p (p q) não poui uma I-demontração, ma poui uma C-demontração. De fato, oberve que na demontração abaixo o módulo (a fórmula p) é utilizado para demontraçãor um programa que não etá no eu ecopo: p p,q (Initial) p,(p q) R p (p q) R Por ete motivo, para determinar uma etratégia de redução bem definida, que uporte eta noção de programação modular com uma diciplina correta para ecopo, é neceário, no preente momento, retringir a demontraçõe para I-demontraçõe. Iremo generalizar tal conceito para o cao da lógica linear, em Em [?] foi apreentada uma fundamentação teórica para caracterizar lógica como linguagen abtrata de programação. Tal fundamentação é baeada no conceito de demontraçõe uniforme, retrito ao cao de I-demontraçõe. Definição 5. Uma I-demontração livre da regra Cut 7 Ξ é uniforme e para toda ubdemontração Ξ de Ξ e para toda ocorrência de uma fórmula não atômica B no lado direito de um equente emξ, exite uma demontraçãoξ que é igual aξ a meno de permutação de regra de inferência e tal que a última regra de inferência deξ introduz o conectivo principal deb. Em outra palavra: uma demontração uniforme pode er contruída utilizando um algoritmo determinítico. Deta forma, a etratégia de redução é baeada em buca direcionada por objetivo 8. Ou eja, o eqüente P G denota um etado de um interpretador, onde P denota um programa e G o objetivo que queremo demontraçãor a partir de P. Além dio, uma demontração de tal eqüente repreenta uma eqüência de traniçõe de etado determinada pelo interpretador, que deve neceariamente reduzir o conectivo principal da fórmula G, cao exita. 5 A regra ( R) é inverível, veja [?]. 6 Ou eja, modularização. 7 Em inglê: cut-free proof 8 Em inglê, goal-directed earch.

35 2.5. DEMONSTRAÇÕES UNIFORMES 19 Com eta etratégia, podemo definir linguagen lógica de programação: Definição 6. Uma lógica com um itema de demontraçõe baeado em cálculo de eqüente é uma linguagem lógica de programação abtrata e, retrita a demontraçõe uniforme, não perde a completude 9. Pelo exemplo apreentado anteriormente, vimo que a lógica cláica e intuicionita não ão linguagen lógica de programação, uma vez que há eqüente que ão provávei, ma não há uma demontração uniforme para ele, como A B B veea. Para obter completude de linguagen lógica de programação, devemo ou retingir a gramática e a fórmula que podem er inerida no antecedente e ucedente, ou ecolher a lógica bae com muito cuidado. No que e egue, faremo ambo Cláuula de Horn e fórmula de Harrop Comecemo por limitar a gramática da lógica de primeira ordem. Pelo exemplo que vimo anteriormente, fica claro que a dijunção e o quantificador exitencial, quando preente no ucedente, trazem ério problema para uniformidade. Baeado nea obervação naceu o Prolog, baeado em Cláuula de Horn: G ::= A (G G) D ::= A G A x.d onde G é o objetivo e D é o programa. Objetivo (ucedente) ão conjunçõe de fórmula atômica e programa (antecedente) pouem a forma com m,n 0. x 1...x m [A 1... A n A 0 ] Pode-e obervar que, retrito à cláuula de Horn, I-demontraçõe e C-demontraçõe coincidem. Entretanto, a cláuula de Horn dão origem a um itema lógico muito fraco, que não comporta, por exemplo, modularização ou mecanimo de abtração de dado. Com eta motivação, em [?] a Cláuula de Horn foram generalizada para fórmula de Harrop 10 : G ::= A (G G) D G x.g D ::= A G A x.d Naceu aim a linguagem de programação λ-prolog [?]. Não há meio de etender mai a gramática de modo a obter um ubconjunto da lógica de primeira ordem que eja uniforme e completo. Ou eja, a gramática acima é maximal. Deta 9 Nete contexo, entende-e que não perder a completude ignifca que o conjunto de fórmula provávei continua endo exatamente o memo 10 Em inglê, hereditary Harrop formula.

36 20 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS forma, a única poibilidade de obtermo maior expreividade, ou eja, a demontrabilidade de fórmula mai intereante, é mudando o itema lógico demontraçõe uniforme em lógica linear É fácil ver que a lógica linear cláica, com regra de inferência apreentada no itema LL, não é, egundo a Definição 5, uma linguagem lógica de programação. Por exemplo, o eqüente a b b a!a!a!a!a&b!a b (b!a)!a 1 1 ão provávei em LL ma não pouem demontraçõe uniforme 11. Uma alternativa eria retringir a lógica linear de modo a não permitir o conectivo,! e 1 no ucedente, retrição parecida com a que foi feita na lógica de primeira ordem. Ma io reultaria em uma lógica muito retrita, e a linguagem que obteríamo não eria tão mai intereante queλ-prolog. Ocorre que não há neceidade de retringir a lógica linear poi ela é, completa 12, uma linguagem lógica de programação. Bata que tomemo o cuidado de apreentar ua regra de inferênciamaneira adequada a ete objetivo. De fato, o conectivo da lógica linear podem er claificado em íncrono e aíncrono [?], dependendo de e a regra de introdução à direita para aquele conectivo depende ou não do eu contexto. O dual De Morgan de um conectivo em uma dea clae é um conectivo na outra clae. Dada ea divião de conectivo, Miller propô em [?] a preentação Forum de lógica linear na qual fórmula ão contruída utilizando apena o conectivo aíncrono, a aber:?,,, &,, e, junto com a verão intuicionita da implicação B C. 13 O conectivo íncrono da lógica linear etão diponívei implicitamente, uma vez que conectivo que aparecem no antecedente do eqüente de cada regra comportam-e de modo íncrono. Como a negação em lógica linear é involutiva, podemo uar ete fato para imluar o conectivo ícrono, o que faz de Forum um itema completo para a lógica linear. O fato impreionante é que Forum é uma linguagem lógica de programação, uma vez que a buca por demontraçõe em eqüente com conectivo aíncrono no ucedente correponde à buca dirigida por objetivo, ao memo tempo que conectivo aíncrono no antecedente correpondem ao procedimento de backchaining obre cláuula de programa [?]. O itema de demontraçõe de Forum é apreentado na Figura 2.6. Seqüente em Forum pouem uma da formaσ: Ψ; Γ;Υ e Σ: Ψ; B Γ;Υ, ondeσéuma ainatura, eγão multiconjunto de fórmula,ψeυão conjunto de fór- 11 O problema é que a regra (1R), ( R) e (!R) não permutam com regra à equerda. 12 Ou eja, não etamo lidando com fragmento, ma com a lógica inteira. 13 Utilizamo aqui o ímbolo ao invé de para a implicação intuicionita para eguir a notação em [?].

37 2.5. DEMONSTRAÇÕES UNIFORMES 21 Σ: Ψ;,Γ;Υ R Σ: Ψ; B,Γ;Υ Σ: Ψ; C,Γ;Υ Σ: Ψ; B &C,Γ;Υ & R Σ: Ψ; Γ;Υ Σ: Ψ;,Γ;Υ R Σ: Ψ; B,C,Γ;Υ Σ: Ψ; B C,Γ;Υ R Σ: Ψ;B, C,Γ;Υ Σ: Ψ; B C,Γ;Υ R Σ: B,Ψ; C,Γ;Υ Σ: Ψ; B C,Γ;Υ R Σ: Ψ; y: τ,σ: Ψ; B[y/x],Γ;Υ Σ: Ψ; τ x.b,γ;υ R Σ: Ψ; Γ;B,Υ Σ: Ψ;?B,Γ;Υ? R Σ: B,Ψ; B A;Υ Σ: B,Ψ; A;Υ decide! Σ: Ψ; A,B;B,Υ Σ: Ψ; A;B,Υ decide? Σ: Ψ; L ;Υ Σ: Ψ; B A;Υ Σ: Ψ;B, A;Υ decide initial A A;Υ Σ: Ψ; Σ: Ψ; B i A;Υ & L Σ: Ψ; B i 1&B 2 A;Υ Σ: Ψ; 1 B A1 ;Υ Σ: Ψ; 2 C A2 ;Υ Σ: Ψ; 1, 2 B C A 1,A 2 ;Υ initial? A ;A,Υ L Σ: Ψ; 1 A 1,B;Υ Σ: Ψ; 2 C A2 ;Υ Σ: Ψ; 1, 2 B C A 1,A 2 ;Υ Σ: Ψ; B;Υ Σ: Ψ; C A;Υ Σ: Ψ; B C A;Υ Σ: Ψ;B ;Υ Σ: Ψ;?B ;Υ Σ: Ψ; B[t/x] A;Υ Σ: Ψ; τx.b A;Υ L L Figura 2.6: Sitema de demontraçõe de Forum? L L mula, e B é uma fórmula. Toda a fórmula no eqüente ão compota do conectivo aíncrono litado anteriormente (juntamente com ). O ignificado de tai eqüente em lógica linear ão!ψ, Γ,?Υ e!ψ,,b Γ,?Υ, repectivamente. No itema de demontraçõe da Figura 2.6, a regra à direita atuam apena obre eqüente da forma Σ: Ψ; Γ;Υ. A variável intática A na Figura 2.6 denota um multiconjunto de fórmula atômica. Regra à equerda ão aplicada apena à fórmula B, que é o label deσ: Ψ; B A;Υ. O conceito de demontraçõe uniforme foi então generalizado em [?] para eqüente com mai de uma fórmula no ucedente. Definição 7. Uma demontração livre da regra Cut Ξ é uniforme e para toda ubdemontração Ξ deξepara toda ocorrência de uma fórmula não atômica B no lado direito de um equente em Ξ, exite uma demontração Ξ que é igual a Ξ a meno de uma permutação

38 22 CAPÍTULO 2. TEORIA DA DEMONSTRAÇÃO: CONCEITOS FUNDAMENTAIS de regra de inferência e tal que a última regra de inferência de Ξ introduz o conectivo principal deb. A buca por demontraçõe em Forum é uniforme. De fato, podemo empre começar pelo ucedente, paando ao antecedente omente quando temo apena átomo do lado direito do eqüente.

39 Capítulo 3 Cálculo da etrutura 3.1 O Cálculo da etrutura Vião geral O cálculo da etrutura é um formalimo propoto por Aleio Guglielmi [?] que generaliza o cálculo de eqüente de tal forma que uma nova imetria vertical (top-down) é obervada na derivaçõe. Além dio, ete formalimo emprega regra de reecrita que podem er aplicada dentro da etrutura em qualquer profundidade. Uma da motivaçõe para a invenção do cálculo da etrutura foi a dificuldade em e exprear, uando o cálculo de eqüente, lógica com operadore auto-duai não comutativo. Ete operadore naturalmente geram uma clae de fórmula cuja demontração dependem de um aceo a ubfórmula em profundidade arbitrária, que é uma caracterítica que o cálculo de eqüente não uporta. O cálculo da etrutura upre ea neceidade, endo mai geral que o cálculo de eqüente para lógica com negação involutiva, como a lógica cláica e linear, em acrificar com io a implicidade. O cálculo da etrutura é uma generalização do cálculo de eqüente de um lado ó. Muita lógica com negação involutiva e lei de De Morgan podem er definida no cálculo de eqüente de um lado ó, e a tradução dela para cálculo da etrutura é uma tarefa direta e trivial. O que torna o cálculo da etrutura mai atraente é a poibilidade de definir lógica utilizando conceito fundamentalmente diferente daquele conceito utilizado no cálculo de eqüente. Doi conceito centrai dee formalimo ão: Deep inference: regra de inferência no cálculo da etrutura podem operar em qualquer lugar dentro da expreõe, e não apena na ubfórmula mai externa em torno da raiz da árvore de fórmula. Simetria vertical: ao contrário do cálculo de eqüente, da dedução natural e outro formalimo em que a derivaçõe ão eencialmente baeada em árvore, no cálculo da etrutura a derivaçõe podem er invertida de cima para baixo e negada, permanecendo ainda válida. 23

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80

CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE AV.Senador Levindo Coelho 130 Tirol CEP.30662-290 CNPJ: 21508312.0001/80 ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: CRECHE COMUNITARIA PINGO DE GENTE PROJETO : CUIDANDO EDUCANDO E CONSTRUINDO CIDADÃOS DO FUTURO. LINHA PROGRAMÁTICA DO PROJETO Creche, Educação Infantil, Socialização,Garantia de

Leia mais

www.inglesdojerry.com.br

www.inglesdojerry.com.br www.ingledojerry.com.br AGRADECIMENTOS Meu mai incero agradecimento, A Deu, que em ua incomenurável e infinita abedoria tem me dado aúde e força para atravé dete trabalho levar o enino do idioma a peoa

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES

O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES P A N Ó P T I C A O URBANO E A PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA EM CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM - ES Daniel Pitzer Zippinotti Univeridade Federal do Epírito Santo - UFES 1. INTRODUÇÃO O preente trabalho procura apreentar

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública PROBLEMA DE CORTE UNIDIMENSIONAL COM SOBRAS APROVEITÁVEIS: RESOLUÇÃO DE UM MODELO MATEMÁTICO Adriana Cherri Departamento de Matemática, Faculdade de Ciência, UNESP, Bauru adriana@fc.unep.br Karen Rocha

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA 329 A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NAS ÚLTIMAS DÉCADAS: OBSTÁCULOS E METAS DENTRO E FORA DA ESCOLA BRAZILIAN EDUCATION IN LAST DECADES: BARRIERS AND GOALS INSIDE AND OUTSIDE SCHOOL 1 t r a v e i a e d. 1 0 i n

Leia mais

EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS

EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES PESSOAIS E MARCADORES DE PESSOAS NAS LÍNGUAS AMERÍNDIAS CAMPINAS, 2015 i ii UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE ESTUDOS DA LINGUAGEM EDUARDO VIDAL VIOLA PRONOMES

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1

Usos do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expressão de Subjetividade e de Identificação 1 Uo do Orkut O Movimento Heavy Metal e o BuddyPoke Enquanto Expreão de Subjetividade e de Identificação 1 Élida Fabiani Morai de CRISTO; Haroldo França REBOUÇAS Neto; Jacklene de Souza CARRÉRA; Keila Marina

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns:

A notação utilizada na teoria das filas é variada mas, em geral, as seguintes são comuns: A notação utilizada na teoria da fila é variada ma, em geral, a eguinte ão comun: λ número médio de cliente que entram no itema or unidade de temo; µ número médio de cliente atendido (que aem do itema)

Leia mais

RECORRÊNCIAS DO TIPO FIBONACCI E APLICAÇÕES

RECORRÊNCIAS DO TIPO FIBONACCI E APLICAÇÕES RECORRÊNCIAS DO TIPO FIBONACCI E APLICAÇÕES JOSÉ H. DA CRUZ, MARINA T. MIZUKOSHI E RONALDO A. DOS SANTOS Reumo. O cláico problema envolvendo populaçõe de coelho propoto por Fibonacci em 1202 foi a bae

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO

COP Comunication on Progress EQÜIDADE DE GÊNERO COP Comunication on Progre São Paulo, 28 de fevereiro de 2011 A Ferol Indútria e Comércio SA declara eu apoio contínuo ao Pacto Global. A Ferol acredita na diveridade e na pluralidade como ferramenta de

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS

CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS CATÁLOGO DE CURSOS SELECIONADOS Laureate Network Product & Service Copyright 2013 Laureate Education, Inc. ÍNDICE C A T Á L O G O L N P S ÍCONE Nome do Curo Língua Duração Deenvolvimento do Corpo Acadêmico

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA Etudo comparativo entre o procedimento de amotragem... 67 ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS PROCEDIMENTOS DE AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES E AMOSTRAGEM SISTEMÁTICA EM INVENTÁRIOS DE ARBORIZAÇÃO URBANA Comparative

Leia mais

Lógica Linear e Aplicações em Computação

Lógica Linear e Aplicações em Computação Lógica Linear e Aplicações em Computação Francismario A. Xavier¹, Marco O. Medeiros de Menezes e Oliveira², Michel Santana de Deus², Roberto Buarque de Assunção Filho¹ ¹ Departamento de Informática e Matemática

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado.

operação. Determine qual o percentual de vezes que o servidor adicional será acionado. P r i m e i r o e m e t r e d e 2 4 Revião da Poion e da Exponencial. Suponha ue o aceo a um ervidor de web iga uma Poion com taxa de uatro aceo por minuto. (i) Encontre a probabilidade de ue ocorram aceo

Leia mais

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro

Rentabilidade das Instituições Financeiras no Brasil: Mito ou Realidade? Autores JOSÉ ALVES DANTAS Centro Universitário Unieuro Rentabilidade da Intituiçõe Financeira no Brail: Mito ou Realidade? Autore JOSÉ ALVES DANTAS Centro Univeritário Unieuro PAULO ROBERTO BARBOSA LUSTOSA PMIRPGCC - UNB/UFPB/UFPE/UFRN Reumo A dicuão obre

Leia mais

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade

Enterprise Quality Management [EQM] Excelência em Gestão da Qualidade Enterprie Quality Management [EQM] Excelência em Getão da Qualidade A Getão da Qualidade Total, do inglê Total Quality Management - TQM é uma etratégia de adminitração completa que tem como objetivo principal

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

P R O J E T O. Arte. Pneus

P R O J E T O. Arte. Pneus P R O J E T O Arte em C NSCIÊNCIA Promovendo a concientização ecológica utilizando como ferramenta a arte e o ecodeign, criando produto e artefato a partir de reíduo ólido de póconumo (pneu uado) como

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

Revista Agroambiental - Dezembro/2011

Revista Agroambiental - Dezembro/2011 evita Agroambiental - Deembro/211 Avaliação da correção gravimétrica do terreno calculada a partir de Modelo Digitai de Elevação e aociado ao Sitema Geodéico Braileiro e ao EGM28 Karoline Pae Jamur Univeridade

Leia mais

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS

PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PRE/OO UM PROCESSO DE REENGENHARIA ORIENTADA A OBJETOS COM ÊNFASE NA GARANTIA

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Técnicas Econométricas para Avaliação de Impacto. Problemas de Contaminação na Validação Interna

Técnicas Econométricas para Avaliação de Impacto. Problemas de Contaminação na Validação Interna Técnica Econométrica para Avaliação e Impacto Problema e Contaminação na Valiação Interna Rafael Perez Riba Centro Internacional e Pobreza Braília, 18 e junho e 28 Introução Valiação Interna é quano um

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Introdução ao Concreto

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Introdução ao Concreto DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Índice : ii 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Introdução ao Concreto... 1 1.2 Hitória do Concreto... 2 1.3 Vantagen e Devantagen do Concreto Armado... 4 1.3.1 Vantagen

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br

PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO. Leila Lage Humes lhumes@usp.br V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O M É T O D O S Q U A N T I T A T I V O S E I N F O R M Á T I C A PENSAMENTO SISTÊMICO APLICADO A SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO Leila Lage Hume lhume@up.br

Leia mais

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1

Afetação de recursos, produtividade e crescimento em Portugal 1 Artigo 65 Afetação de recuro, produtividade e crecimento em Portugal 1 Daniel A. Dia 2 Carlo Robalo Marque 3 Chritine Richmond 4 Reumo No período 1996 a 2011 ocorreu uma acentuada deterioração na afetação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PIAUÍ COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO 1 EDITAL CONVITE Nº 009/2011-CPL/GPDP Proceo Adminitrativo nº 0221/2011 -CPL/GDPG A, atravé da Comião Permanente de Licitação, intituída pela Portaria nº 383/2011-GDPG, datada de 08/07/2011, da Exma. Sra.

Leia mais

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço

Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Redes MPLS, com Duas Classes de Serviço Um Modelo de Encaminhamento Hierárquico Multi-Objectivo em Rede MPLS, com Dua Clae de Serviço Rita Girão Silva a,c (Tee de Doutoramento realizada ob upervião de Profeor Doutor Joé Craveirinha a,c e Profeor

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA

RECUPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA UPERAÇÃO DE DADOS CLIMATOLÓGICOS DO RIO GRANDE DO SUL E SANTA CATARINA Flavio Varone Gonçalve (1) Ilia S. Kim (1) Curo Pó-Graduação em Meteorologia, Faculdade de Meteorologia, UFPel. ABSTRACT Climatological

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS OM VAZÃO VARIÁVEL Renata Akemi Saaki TESE SUBMETIDA AO ORPO DOENTE DA OORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

Estudo Experimental da Erosão Localizada na Proximidade de Pilares de Pontes. Maria Manuela C. Lemos Lima 1

Estudo Experimental da Erosão Localizada na Proximidade de Pilares de Pontes. Maria Manuela C. Lemos Lima 1 Etudo Experimental da Eroão Localizada na Proximidade de Pilare de Ponte Maria Manuela C. Lemo Lima 1 Univeridade do Minho, epartamento de Engenharia Civil Azurém, P 4800-058 Guimarãe, Portugal RESUMO

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista. ÁREA INDUSTRIAL Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Exercício Reolvido 1 a lita Profeor: 1 de 7 Data: /03/008 Caruo Em todo o problema, ão upoto conhecido: água =1000kgm 3 e g= 9,80665m 1. Motrar que

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT

INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ESTUDANTES ERAMUS OUT INQUÉRITO - PROJECTO DE TUTORIA A ETUDANTE ERAMU OUT Dede já, agradecemo a ua participação neta nova etapa do Projecto de Tutoria a Etudante ERAMU verão OUT. Com ete inquérito, pretendemo dar a conhecer

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens

O boi é quem manda. Acostume seus ouvidos o termo. Pastagens O boi é quem manda Patejo rotatínuo não abre mão da rotação de piquete, ma repeita comportamento natural do animai, que conomem apena porção mai nobre do pato. Maritela Franco maritela@revitadbo.com.br

Leia mais

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014:

Pescando direitos. Medidas Provisórias nºs 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre as MP's 664 e 665 de 2014: Pecando direito Boletim Jurídico do CPP/ Abril de 2015. 1ª edição. Medida Proviória nº 664 e 665 de 30 dezembro de 2014. Sobre a MP' 664 e 665 de 2014: Em 30 dezembro de 2014 foram promulgada a Medida

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem?

Artigos. Comunicação organizacional e relações públicas: caminhos que se cruzam, entrecruzam ou sobrepõem? E t u d o17 Artigo Comunicação organizacional e relaçõe pública: caminho que e cruzam, entrecruzam ou obrepõem? IVONE DE LOUDES OLIVEIRA Metre em Ciência da Comunicação pela ECA-USP e doutora em Comunicação

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

BA.02: Vírus e Reino Monera BIOLOGIA

BA.02: Vírus e Reino Monera BIOLOGIA BA.02: Víru e Reino Monera ATIVIDADES 1. (CEFET) O víru podem er incluído na categoria do ere vivo por: a) erem contituído por proteína. b) reproduzirem-e por ciiparidade. c) crecerem por jutapoição de

Leia mais

Implementando modelos DEA no R

Implementando modelos DEA no R Implementando modelo DEA no R Joé Francico Moreira Peanha profeorfmp@hotmail.com UERJ Alexandre Marinho alexandre.marinho@ipea.gov.br UERJ Luiz da Cota Laurencel llaurenc.ntg@terra.com.br UERJ Marcelo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1.

3 Fuga de cérebros e investimentos em capital humano na economia de origem uma investigação empírica do brain effect 3.1. 3 Fuga de cérebro e invetimento em capital humano na economia de origem uma invetigação empírica do brain effect 3.1. Introdução Uma da vertente da literatura econômica que etuda imigração eteve empre

Leia mais

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate

ÍNDICE. 03 Desenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate. 10 Laureate Languages. 14 Produtos da Marca Laureate. 18 Melhores Práticas Laureate ÍNDICE 03 Deenvolvimento do Corpo Acadêmico Laureate 10 Laureate Language 14 Produto da Marca Laureate 18 Melhore Prática Laureate MY.LAUREATE.NET 3 Promovendo a Excelência de Enino Como Melhorar o Enino

Leia mais