Principais desafios da indústria em Portugal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais desafios da indústria em Portugal - 2013"

Transcrição

1 Processos concertados desencadeiam ação Principais desafios da indústria em Portugal Uma abordagem coerente para a dinamização do setor

2

3 Conteúdos Enquadramento 4 Sumário executivo 8 Produtividade e custo dos fatores Variáveis chave para a indústria 10 A inovação na indústria portuguesa (Saber) valorizar o conhecimento existente! 18 O tamanho importa? Sim! Mas para quê? 26 O papel do Estado É imperativo rever o seu papel 32 O valor social da indústria Pilar fundamental do modelo económico-social 38 Localização e internacionalização Uma questão de geografia ou de geopolítica? 42

4 Enquadramento Hermínio Afonso Sócio responsável pelo setor de Industrial Manufacturing e líder deste projeto A PwC acredita que a indústria portuguesa pode e deve ser um motor de desenvolvimento preponderante da economia para os próximos anos. A crise, que atualmente vivemos, está usualmente identificada como uma crise financeira e imobiliária. Contudo, não podemos esquecer o seu profundo impacto no setor industrial, derivado do forte aumento dos impostos e da consequente redução do rendimento disponível, que provocou uma forte diminuição da procura interna, a qual tem, até agora, conseguido ser parcialmente compensada por um aumento significativo das exportações. De facto, o setor industrial tem vindo a perder relevância, sendo importante que se consiga a sua revitalização, de forma a se conseguir recuperar a competitividade da nossa economia. Apesar de tudo este setor ainda representa uma fatia muito importante do PIB em Portugal (24%), empregando 24% dos trabalhadores ativos. 4 PwC

5 Valor acrescentado bruto por ramo de atividade Contribuição dos sub-setores industriais Milhões de Euros % % % % % 100% % 25% 23% 24% 24% 4% 65% 62% 58% 57% 56% 58% 61% % 6% 29% 68% 72% 73% 74% 74% 74% 10% 9% 13% 13% 15% 16% 15% 66% 24% 29% 29% 30% 29% 26% 24% P Agricultura, silvicultura e pesca Setor industrial Serviços Fonte: INE - Março P Indústrias extrativa e transformadora Energia, água e saneamento Construção P - Dados preliminares Postos de trabalho por ramo de atividade Contribuição dos sub-setores industriais % 14% 30% 13% 13% 13% 26% 25% 24% 12% 24% 100% 30% 66% 60% 59% 59% 59% 59% 54% 56% 61% 62% 63% 64% 4% 3% 3% 3% 4% 4% 30% 37% 38% 38% 37% 37% Agricultura, silvicultura e pesca Setor industrial Serviços Fonte: INE - Dezembro Indústrias extrativa e transformadora Energia, água e saneamento Construção Principais desafios da indústria em Portugal

6 Enquadramento A PwC elaborou o presente documento tendo como base reflexões, ideias e propostas geradas a partir de um grupo de trabalho no qual participaram vários representantes de empresas, de diferentes dimensões, do setor industrial em Portugal. Gostaríamos de referir e voltar a agradecer o desafio lançado à PwC, por parte do Prof. Ricardo Bayão Horta e Eng. Mira Amaral, que nos alertaram da premência da execução deste projeto em Portugal e mantiveram o seu total empenhamento e disponibilidade em todas as suas fases. Uma equipa de especialistas da PwC analisou, estruturou e sintetizou as ideias debatidas, convertendo-as nos assuntos-chave do presente e do futuro da indústria em Portugal. Um setor industrial dinâmico, moderno e inovador é parte essencial de um crescimento equilibrado e insubstituível na competitividade da economia portuguesa. A intenção da PwC com este projeto é contribuir e estimular o debate atual sobre os assuntos que mais preocupam a indústria em Portugal, de forma a enfrentar os desafios dos próximos anos. Consideramos de extrema relevância poder contribuir para o relançamento da indústria em Portugal como uma das estratégias fundamentais de saída da crise. Esta saída deve centrar-se em potenciar novas formas de crescimento, como por exemplo, a internacionalização, a inovação ou a economia do conhecimento. Gostaríamos, uma vez mais, de agradecer os valiosos contributos de todos os participantes e o entusiamo manifestados durante as sessões de debate efetuadas em Lisboa e no Porto. De entre as ideias debatidas por este grupo de trabalho, selecionaram-se os seguintes temas, que consideramos serem os de maior impacto e atualidade no setor: 1. produtividade e custo dos fatores; 2. inovação na indústria portuguesa; 3. o tamanho importa? ; 4. o papel do Estado; 5. o valor social da indústria; 6. localização e internacionalização. 6 PwC

7 Participantes externos à PwC Dr. Álvaro Alvarez, Administrador da Siderurgia Nacional Eng. Álvaro Bastos, COO da Cimertex Amândio Santos, CEO da Derovo Prof. António Cunha, da Universidade do Minho Dr. António Manuel Gonçalves, CEO da Têxtil Manuel Gonçalves Dr. António Marques, CFO do Grupo Sapec Dr. António Pires de Lima, CEO da Unicer Dr. António Rios Amorim, CEO da Corticeira Amorim Dr. Avelino Mota Gaspar Francisco, Presidente da Lusiaves Eng. Belmiro de Azevedo, Chairman do Grupo Sonae Dr. Carlos Tavares, Presidente Conselho Diretivo da CMVM Eng. Ilídio de Ayala Serôdio, Presidente do Grupo PCG Profabril e Vice-Presidente da Proforum Eng. João Nuno Macedo Silva, Presidente do Grupo RAR Eng. João Paulo Oliveira, CEO da Bosch Termotecnologia Prof. Dr. João Pereira Bento, CEO da Efacec Dr. João Pedro Azevedo, CEO da Soja de Portugal Dr. João Serrenho, CEO da CIN Dr. Jorge Martins, Administrador da Martifer Dr. José Honório, CEO da Semapa Eng. José Manuel Fernandes, Presidente do Grupo Frezite Eng. José Ramalho Fontes, Diretor-Geral da AESE Eng. José Ramos, Presidente da Salvador Caetano Dr. Luís Palha da Silva, Vice-presidente executivo da Galp Dra. Manuela Gameiro, Diretora do Departamento de Assuntos Económicos da CIP Eng. Paulo Oliveira Queiroz, CEO da Nanium Dr. Pedro Capucho, Diretor Coordenador do Departamento de Assuntos Económicos da CIP Prof. Pinto de Sá, Professor Associado do IST Prof. Ricardo Bayão Horta, Presidente da Cires Dr. Rui Amorim Sousa, CEO da Cerealis Moderadores dos debates Hermínio Afonso, Sócio responsável pelo setor de Industrial Manufacturing e líder deste projeto Eng. Mira Amaral, CEO do Banco BIC Portugal e vice-presidente do conselho geral da CIP Responsáveis da PwC pela preparação do documento António Brochado Correia, Deputy Senior Partner Jaime Carvalho Esteves, Sócio responsável pelo setor de Governo e setor público e líder do departamento fiscal Jorge Costa, Sócio responsável pelo setor dos produtos industriais e de consumo e serviços e líder do departamento de Assurance Luís Boquinhas, Sócio líder de consultoria de gestão Pedro Deus, Sócio de consultoria de gestão, líder da área de inovação Especialistas da PwC Ana Cláudia Coelho, Senior Manager de consultoria de gestão, da área de Sustainable Business Solutions José Ricardo Pessoa, Manager de consultoria de gestão, da área de Governance, Risk & Compliance Ricardo Sousa Valles, Senior Manager de Deals, da área de Estratégia Rui Rodrigues Matos, Manager de consultoria de gestão, da área de Finance & Operations Vera Oliveira Santos, Manager de consultoria de gestão, da área de Inovação Principais desafios da indústria em Portugal

8 Sumário executivo Muito já se tem escrito em Portugal acerca da necessidade de voltar a dinamizar o setor industrial em Portugal. Esta publicação mantém e reforça essa opinião e não ambiciona ser disruptiva nessa matéria. Procura sim sistematizar ideias, que possam desencadear ações, por parte das empresas e por parte das Entidades Publicas. Precisamos reduzir e alterar a concentração da atividade económica no setor terciário, verificada ao longo dos últimos anos em Portugal, e a consequente redução da atividade dos setores produtivos de bens transacionáveis, que tem vindo a fragilizar a ambicionada competitividade nacional. Mas, quais as principais características das empresas industriais portuguesas? As empresas industriais em Portugal são, fundamentalmente, de dimensão reduzida (PMEs), mas são também as empresas que mais se reinventam e procuram inovar a cada dia, a cada período económico e em cada ciclo político. São a base empresarial da nossa economia e que, apesar da atual conjuntura, se mantêm muitas vezes como os melhores exemplos. É óbvio que continuamos a ter em Portugal muito bons exemplos de grandes empresas industriais, de dimensão internacional, de qualidade reconhecida e cuja atividade cria um valor acrescentado quantificável ao nosso país, quer seja através da criação de empregos ou através do seu contributo para as exportações. No entanto, também os gestores destas grandes empresas têm os mesmos desafios estratégicos e operacionais das maioritárias PMEs. Em Portugal o custo do trabalho não é neste momento um fator relevante, mas a flexiblidade laboral pode ainda ser melhorada. Quando comparamos Portugal com outros países europeus, verificamos que a nossa competitividade é inferior. Conclui- -se que o custo do trabalho não é neste momento um fator relevante, mas a flexibilidade laboral pode ainda ser melhorada. As dificuldades operacionais relacionadas com os custos da atividade, alicerçadas aos processos internos ou externos, são inúmeras e, apesar da evolução tecnológica que já fizemos e os investimentos em inovação, ainda nos mantemos na mesma posição periférica Europeia e estamos ainda longe de potenciar a nossa costa ou ter alternativas logísticas, exemplo das melhores práticas internacionais. As infra-estruturas ferroviárias são ainda incipientes, comparadas com outros países Europeus, assumindo-se o transporte rodoviário, com todas as suas vantagens e inconvenientes, como o grande responsável pela movimentação de bens de e para Portugal. As empresas industriais devem continuar a investir na modernização dos seus processos produtivos, em inovação, no alargamento dos seus mercados principais (através do aumento das exportações) e nas competências que necessitam para executar esses projetos. Os bons exemplos de clusters industriais devem ser identificados, caracterizados e partilhados com outros potenciais subsegmentos industriais que desejem crescer, diversificar o seu negócio e criar sustentabilidade e massa crítica, para que consigam ser concorrenciais no mercado global. O acesso ao financiamento a custos razoáveis é neste momento um handicap importante para que o relançamento do investimento se concretize, pelo que a melhoria do rating da República Portuguesa é fundamental, mas é também necessário que as empresas efetuem um esforço adicional na melhoria do seus Capitais Próprios de forma a reduzir a elevada alavancagem existente. 8 PwC

9 É também imperativo rever o papel do Estado, na criação das condições e soluções necessárias à dinamização da economia e, especificamente, do setor industrial, não só tornando os custos operacionais, energéticos e outros, equivalentes aos de países concorrentes, como também reduzindo os custos de contexto ainda existentes, em particular no licenciamento industrial. A diplomacia económica pode assumir um papel relevante, principalmente na atração de investimento estrangeiro e na eliminação de algumas barreiras ainda existentes à entrada de produtos Portugueses noutros mercados. A indústria está a reassumir uma posição cada vez mais relevante na agenda política, enquanto pilar fundamental de sustentabilidade do modelo económico-social para Portugal. As conclusões a que chegamos são de que muito já se tem vindo a fazer em Portugal, que os fatores chave para estimular o investimento estão identificados e que os esforços têm obrigatoriamente de ser concertados, tanto entre as empresas, como entre as empresas e o Estado, através de uma abordagem coerente e de longo prazo. A ligação aos estabelecimentos de ensino, não só às Universidades, pode ser um fator relevante no sentido de se conseguir melhorar os sistemas e processos a custos controlados. Para se atingirem níveis elevados de produtividade é necessário investir em modernização, não apenas tecnológica, mas também operacional e dos métodos de trabalho. Principais desafios da indústria em Portugal

10 Produtividade e custo dos fatores Variáveis chave para a indústria Quando falamos em produtividade e custo dos fatores, falamos em competitividade, que é um conceito sistémico porque depende do comportamento de diversas variáveis e não pode ser explicado por nenhuma delas de forma isolada. Os temas abordados neste capítulo são fulcrais não só para a o relançamento da indústria como setor de relevância para o país mas também para a sobrevivência da indústria atual. No que respeita à criação de novas indústrias, consideramos que, para que esta iniciativa tenha sucesso, é necessário encará-la não como um regresso ao passado, mas pensá-la na ótica do posicionamento do país nas cadeias de valor internacionais mais atrativas às nossas competências, com uma aposta em produtos transacionáveis de elevado valor acrescentado e recorrendo a tecnologia de ponta para posicionar a indústria portuguesa no estado da arte da indústria internacional. Ser mais produtivo é um desígnio nacional Para se atingirem níveis elevados de produtividade é necessário investir em modernização, não apenas no que diz respeito à evolução tecnológica (que é muito importante e necessária), mas também no que diz respeito à componente operacional e aos métodos de trabalho, como por exemplo, adotar métodos do tipo Lean ou Kaizen. Existem casos de empresas portuguesas que adotaram estes métodos e rapidamente verificaram ganhos significativos de produtividade. 10 PwC

11 As empresas industriais não podem almejar padrões elevados de produtividade se não estiverem atualizadas face às tendências internacionais e às melhores práticas do seu setor. Este investimento em modernização, para além dos benefícios diretos de curto prazo, gera também benefícios de médio-longo prazo, nomeadamente, uma maior qualificação dos recursos humanos, que por sua vez gera maior valor acrescentado na hora de trabalho. Em Portugal temos um problema de reduzido valor acrescentado bruto por capital empregue ou por trabalhador, devido, em grande parte, a métodos de trabalho pouco estruturados e não tanto ao número de horas trabalhadas por semana. Índice de produtividade por hora trabalhada EU (27 países) Portugal República Checa Espanha Alemanha Holanda Fonte: Eurostat Principais desafios da indústria em Portugal

12 Produtividade e custo dos fatores Existe uma correlação forte entre a produtividade dos trabalhadores e as condições que as organizações lhes proporcionam e temos vários exemplos de empresas que provam que quando bem formados e enquadrados, os trabalhadores da indústria portuguesa conseguem ombrear com os melhores do mundo. Outra forma de incrementar o grau de modernização das empresas industriais portuguesas e reduzir os custos dessa modernização é aproximar as universidades e os centros de investigação das empresas industriais, de forma a facilitar e acelerar a transferência de tecnologia e a aplicação do conhecimento. Outro fator inibidor da melhoria da produtividade é a denominada economia paralela ou informal, uma vez que ainda subsistem muitas empresas que a usam como fator de competitividade, deteriorando a capacidade concorrencial de empresas mais organizadas, produtivas e cumpridoras das regras estabelecidas. Para além das empresas que operam na economia paralela, existem ainda distorções à normal concorrência na economia formal, devido à existência de empresas que incumprem de forma sistemática as regras de operação e que não são punidas atempadamente. O custo dos fatores é um tema que carece de uma análise cuidada O custo dos fatores é uma questão muito relevante para a indústria portuguesa e, devido à heterogeneidade dos fatores, estes devem ser analisados de forma desagregada. A componente de custos laborais não é considerada prioritária Para ser possível fazer uma análise bem enquadrada dos custos laborais, tem de ser mencionado à partida que esta análise parte do pressuposto que se compara Portugal com países semelhantes ao nível das leis do trabalho e da aspiração coletiva para as condições de vida e conforto da população, ou seja, a título de exemplo, quando se refere que Portugal tem uma mão-de-obra barata, a comparação é feita com a média europeia e não com países asiáticos, como é o caso da China. Para a generalidade das empresas industriais portuguesas, a componente de custos laborais não é considerada prioritária. A mão-de-obra em Portugal é de baixo custo relativamente à média da UE, o que por vezes tem até um efeito negativo para a produtividade, uma vez que, sendo o retorno do investimento em tecnologia mais prolongado do que num cenário de custo de mão-de-obra elevado, existe um incentivo menor ao investimento. Um país com mão-de-obra barata é geralmente um país de baixa produtividade. Não é no custo da mão-de-obra que podem ser encontradas as soluções para o problema da produtividade na indústria portuguesa. Contudo, é necessária uma legislação laboral mais adaptada às necessidades de algumas empresas, nomeadamente as empresas que trabalham por turnos. 12 PwC

13 Os custos com a energia ocupam um lugar cimeiro nas preocupações das empresas industriais Os custos com energia representam um peso enorme e crescente para a generalidade das empresas, tanto pelo impacto direto dos custos nas receitas, como pelo enfraquecimento da competitividade face a concorrentes globais, com acesso a energia mais barata. Este problema pode significar, num futuro próximo, a inviabilidade de algumas das empresas que exercem atualmente a sua atividade em áreas onde o custo da energia é muito relevante. Para além dos custos da energia serem elevados devido à carga fiscal e à necessidade de recuperar os défices tarifários, as notícias para o futuro são ainda menos animadoras para a indústria portuguesa, uma vez que com a liberalização do mercado da eletricidade e do gás, o défice tarifário será imputado a todos os consumidores. Assim, não será possível discriminar entre particulares e empresas, o que acarreta um aumento da já pesada fatura energética das empresas industriais portuguesas e, logo, uma maior degradação da nossa competitividade. Acresce a este problema o desincentivo ao investimento em cogeração. Combustíveis Portugal 1,499 Dinamarca 1,482 Alemanha 1,479 Média EU 1,464 Espanha 1,479 1,392 República Checa 1,435 1,424 Nota: Os preços apresentados não incluem IVA 1,555 Valores em Euros por litro 1,667 1,653 1,709 Gasolina sem chumbo 95 Gasolina Diesel É possível verificar que Portugal não tem os custos de energia mais elevados da UE. Contudo, o grande problema é que, para a indústria portuguesa, os custos de energia são muito elevados e superiores aos custos de concorrentes diretos, como as empresas industriais espanholas. Gás natural Eletricidade Cêntimos de Euro por kwh Cêntimos de Euros por kwh Portugal 5,99 4,97 Portugal 10,09 18,61 Alemanha 6,00 8,43 Alemanha 11,42 25,98 República Checa 4,19 5,45 República Checa 9,99 14,87 Dinamarca 3,77 11,14 Espanha 9,93 19,49 Espanha 3,68 5,33 Dinamarca 9,77 30,22 Doméstico Indústrial Nota: Os preços apresentados não incluem os impostos dedutíveis (por exemplo: IVA) Fonte: Europe s Energy Portal - Principais desafios da indústria em Portugal

14 Produtividade e custo dos fatores Acresce a este facto a preocupação resultante das movimentações internacionais relativamente a este tema. O caso do shale gas nos EUA pode significar uma reviravolta no panorama competitivo internacional. Se os EUA, que também estão a passar por um processo de relançamento da sua indústria, conseguirem ter energia muito mais barata do que a Europa, poderá ser possível existir uma deslocalização de empresas industriais para o seu território. Daqui pode resultar uma alteração da atual posição competitiva dos diferentes players internacionais. A logística é estrutural. O transporte é maioritariamente rodoviário Atualmente, os custos com a logística são também uma preocupação das empresas exportadoras portuguesas. O problema da logística é estrutural e começou a sentir-se com as alterações verificadas recentemente no panorama económico português. Até ao início do período de ajustamento, Portugal era um país mais importador do que exportador e a tipologia das infraestruturas logísticas está adaptada a essa realidade passada. Com o início do período de ajustamento, a realidade do país alterou-se e Portugal começou a exportar mais do que importa, o que se revelou benéfico para a balança de transações correntes, mas trouxe problemas de adequação das infraestruturas de suporte. Por exemplo, as empresas industriais que pretendam exportar por via marítima, a partir de Portugal, têm de incorrer em custos de desalfandegagem que passam por ter camiões imobilizados nas suas fábricas à espera que os funcionários da alfândega procedam à desalfandegagem. Por outro lado, têm que incorrer em custos relativos à mobilização de contentores, tanto nas suas instalações (para transporte dos produtos a exportar) como nos camiões (para percorrerem os portos portugueses e levarem os contentores vazios para as instalações industriais). Para além destes exemplos, existem ainda os custos inerentes à utilização dos portos, que são mais elevados do que na generalidade dos portos da UE. Em Portugal, a opção logística mais dinamizada é a do transporte rodoviário, uma vez que é o tipo mais adequado para as importações provenientes dos países europeus, mas que coloca Portugal na periferia quando pensamos em exportar, representando, por vezes, uma fatura pesada para as empresas exportadoras. Quando Portugal importava mais do que exportava, pagava um custo marginal dos fretes de exportação, uma vez que aproveitava o regresso dos camiões que transportavam as mercadorias para Portugal. No cenário atual, Portugal exporta mais do que importa, pelo que, o custo do frete de transporte subiu significativamente. Tendo como objetivo uma posição estratégica central para exportar para os principais mercados mundiais, os meios mais adequados são o marítimo e o ferroviário. Atualmente, o meio ferroviário não está capacitado para constituir um elemento dinamizador e facilitador das exportações portuguesas pelo seu nível de desadequação, nomeadamente a nível das linhas férreas. Por outro lado, as infraestruturas de suporte à exportação por via marítima padecem de problemas relacionados com os seus processos e com a sua organização, que geram ineficiências onerosas para as empresas industriais que pretendam usar estes meios. 14 PwC

15 A morosidade dos processos de licenciamento e as duplicações, são um entrave à competitividade da indústria portuguesa. Os atuais processos de licenciamento são inibidores Outro custo que não deve ser descurado é o custo relativo ao licenciamento industrial em Portugal e a toda a burocracia em que as empresas se veem envolvidas para iniciar e manter a sua atividade. Estes processos em Portugal são um inibidor do investimento e representam custos elevados para as empresas, tanto ao nível dos custos diretos dos processos, como também do tempo perdido e consequente perda de receitas pela inatividade nesse período. Estes fatores, assim como o problema do atraso na chegada ao mercado devido à morosidade dos processos, é mais um entrave à competitividade da indústria portuguesa. Principais desafios da indústria em Portugal

16 Produtividade e custo dos fatores Por exemplo, quando comparamos os atuais processos legais de avaliação de impacto ambiental com os processos de obtenção de licença ambiental, ambos apresentam muitas similaridades. No entanto, estes procedimentos têm de ser feitos em separado, através de diferentes interlocutores e com prazos distintos, o que gera obvias duplicações e ineficiências. Novas dinâmicas de financiamento para implementar os projetos Os custos financeiros são mais um dos problemas atuais das empresas industriais portuguesas. A generalidade das empresas portuguesas apostou numa estrutura de capital muito alavancada, aproveitando décadas de crédito barato. Muitas das empresas que recorreram a este mecanismo de financiamento das operações não têm agora facilidade em substituir o financiamento bancário por outras formas de financiamento das operações. No cenário atual, as empresas portuguesas são penalizadas pelo risco da República Portuguesa e, por isso, pagam um prémio de risco superior ao que pagaram nos últimos anos. Para além de este facto pesar na demonstração dos resultados, é mais uma agravante da nossa competitividade, pois as nossas empresas competem com empresas de países com menor risco e, consequentemente, com acesso a financiamento menos oneroso. Taxas de juro para novas operações em Portugal 7,54% 7,05% 6,90% 7,08% 6,18% 5,69% 5,75% 6,24% 5,24% 5,94% 5,71% 5,43% 5,34% 5,44% 4,34% 3,89% 3,53% 3,74% 3,34% 3,77% Até 1M Mais de 1M Nota: Taxas de juro médias para novas operações: empréstimos a empresas não-financeiras Fonte: Banco de Portugal 16 PwC

17 Outro dos problemas que as empresas industriais enfrentam, principalmente as PMEs, e que é necessário resolver, é a dificuldade em obter garantias bancárias e seguros de crédito. Para que seja possível concretizar novos projetos industriais (novos investimentos ou modernização de estruturas já existentes) é necessário ter capital próprio, uma vez que o acesso à divida é hoje bastante limitado, sobretudo em projetos com maior risco. É assim fundamental, para que os projetos avancem, obter capital através dos acionistas ou parceiros, nacionais ou estrangeiros. Por outro lado, não sendo uma substituição dos mecanismos de dotação de capital, é necessária disponibilidade de crédito a conceder às empresas. Existem empresas que não estão a conseguir financiar-se, nomeadamente PMEs, com níveis de risco que não são atrativos para a banca. É, nesta área, importante o apoio do Governo na criação de mecanismos para mitigar este problema, através da criação de um banco de fomento, da atribuição dessa função à Caixa Geral de Depósitos ou por via da criação de programas de incentivos coordenados com os bancos privados. Todos os problemas anteriormente mencionados são graves para a sobrevivência e desenvolvimento da indústria portuguesa. Contudo, existe um problema que não é menos grave a incerteza. Com base na incerteza não é possível fazer planos credíveis para o futuro e isso traduz-se no receio de investir em Portugal e no desvio do investimento para outros destinos mais estáveis. Seria uma grande ajuda para o desenvolvimento da indústria em Portugal se existisse estabilidade e um pacto de regime sobre as matérias de fundo, nomeadamente a fiscalidade, para que, independentemente das alterações ou dos ciclos governativos, as linhas-mestras se mantivessem estáveis e os investidores, empresários e trabalhadores, soubessem com o que podiam contar. Principais conclusões 1. A indústria portuguesa tem de ser mais competitiva. Para tal, é necessário investimento em tecnologia, organização operacional e métodos de trabalho. 2. Muitas empresas industriais ainda necessitam de aumentar significativamente a sua competitividade, nomeadamente através do upgrade dos seus fatores internos, como por exemplo os métodos de trabalho. 3. O custo da mão-de-obra é um dos fatores menos relevantes para a indústria portuguesa, embora a legislação laboral deva ser adaptada às necessidades deste setor. 4. Os custos com a energia representam a principal preocupação ao nível dos custos, para a generalidade das empresas industriais em Portugal. Ao cenário atual somam- -se as más notícias para o futuro, que podem, não só pôr em causa o relançamento da indústria como setor de relevância no país, como também a viabilidade de muitas empresas atuais. 5. A questão logística é também uma preocupação porque os custos são elevados e, principalmente, porque as condições logísticas do país não estão adaptadas às reais necessidades das empresas exportadoras. 6. O Governo pode ter aqui um papel fundamental, reorganizando e dinamizando as infraestruturas de suporte à exportação. 7. O licenciamento e demais processos exigidos são também fatores identificados como inibidores do desenvolvimento industrial. 8. Também aqui, o Governo pode ter um papel decisivo na resolução deste problema, posicionando-se como entidade facilitadora e redefinindo os processos de modo a servirem a atividade industrial e as suas necessidades. 9. Para tornar possíveis os projetos industriais é necessário capital, tanto pela via da dotação de capital, como pela via do acesso ao financiamento. Na generalidade, os projetos industriais em Portugal precisam de um reforço de capital próprio, que pode ser realizado através da entrada de novos investidores (incluindo private equity ), mas também através de políticas mais prudentes de autofinanciamento. 10. É necessária estabilidade para se avançar com o relançamento da indústria em Portugal. São necessários pactos de regime para as matérias de fundo, com especial relevância para a estabilidade fiscal, e é necessário traçar- -se, como no passado, um caminho para a indústria e uma estratégia para a economia portuguesa como um todo. Principais desafios da indústria em Portugal

18 A inovação na indústria portuguesa (Saber) valorizar o conhecimento existente! Portugal encontra-se bem posicionado no que diz respeito ao investimento das empresas em Investigação e Desenvolvimento (I&D), contudo os resultados, ou seja, a criação de valor pelo desenvolvimento de novos produtos/ serviços (Inovação), têm ficado aquém das expectativas, tendo em conta o investimento realizado. Urge portanto, identificar onde atuar no processo de inovação empresarial e como a indústria portuguesa pode e deve valorizar o seu ativo mais importante: o conhecimento! Apesar de bem posicionados em I&D, os investimentos ainda não valorizam o conhecimento adquirido. 18 PwC

19 16º Portugal já atingiu algumas metas europeias, posicionando-se no 16º lugar do ranking do Innovation Union Scoreboard Principais desafios da indústria em Portugal

20 A inovação na indústria portuguesa Nos últimos anos, graças ao esforço dos sucessivos Governos, a economia portuguesa tem vindo a aplicar mais recursos financeiros e humanos em Investigação, Desenvolvimento e Inovação. Este esforço resultou na melhoria de alguns rankings e de indicadores relativos à despesa, à qualificação em ciência e tecnologia e à publicação científica. Efetivamente, Portugal já atingiu algumas destas metas europeias, posicionando-se no 14º lugar do ranking do Innovation Union Scoreboard 2011 referente às despesas de I&D Público (% do PIB) e no 20º lugar no que diz respeito ao investimento em I&D pelas próprias empresas (comparação com os 27 países da União Europeia). Innovation Union Scoreboard 2011 País Índice sintético de Inovação (UE35) Índice sintético de Inovação (UE27) Financiamento e Apoio Despesas em I&D Público (% do PIB) Capital de Risco (% do PIB) Investimento das Empresas Despesas em I&D das empresas (% do PIB) Linkages e Empreendedorismo Inovadores PME a inovar in-house (% das PME) PME inovadoras em colaboração com outras (% das PME) Publicações publicoprivadas (por milhão de habitantes) PME que introduziram inovações de produtos ou processos (% das PME) PME que introduziram inovações de marketing ou organizacionais (% das PME) Portugal 20º 16º 14º 12º 20º 10º 13º 25º 3º 8º Espanha 22º 18º 15º 13º 19º 23º 29º 22º 23º 23º Grécia 24º 20º 27º 23º 32º 13º 12º 23º 13º 3º Fonte: Comissão Europeia, Innovation Union Scoreboard (IUS) 2011 Nota: O IUS é o instrumento desenvolvido pela Comissão Europeia que, seguindo a Estratégia de Lisboa, tem o intuito de avaliar e comparar a performance dos Estados Membros na área da inovação. O IUS inclui indicadores de inovação e análises de tendêcia para os Estados Membros da UE27 assim como, Croácia, Islândia, Noruega, Sérvia, Suíça, Turquia e República Jugoslava da Macedónia. Os países como EUA, Japão, Brasil, China, India e Russia aparecem mencionados no relatório mas servem apenas de referência por serem os principais concorrentes 20 PwC

III SINGEP II S2IS UNINOVE

III SINGEP II S2IS UNINOVE III SINGEP II S2IS UNINOVE Painel Temático: Tendências em Inovação e Projetos Maria Celeste Reis Lobo de Vasconcelos celestevasconcelos@fpl.edu.br Contexto A inovação é uma grande força para o progresso

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

III Encontro Nacional de BIC s

III Encontro Nacional de BIC s de BIC s de BIC s Decorreu a 18 de Maio, em Abrantes, num hotel com uma vista magnífica para a Barragem de Castelo de Bode o 3º Encontro de BIC s (Business Innovation Centers Portugueses). Neste encontro

Leia mais

Onde estamos e para onde vamos?

Onde estamos e para onde vamos? Onde estamos e para onde vamos? Carlos da Silva Costa Governador 20º Encontro SAER A nova economia e as novas formas de financiamento Museu do Oriente, 25 de junho de 2014 Onde estamos e para onde vamos?

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013

Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 Paridades de Poder de Compra 2013 11 de dezembro de 2014 Em Portugal o Produto Interno Bruto per capita expresso em Paridades de Poder de Compra situou-se em 79,0% da média da União Europeia em 2013 O

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL

Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Ensino Superior em Portugal, Que Futuro? Maria da Graça Carvalho 1 de Fevereiro 2013, Lisboa Reitoria UL Índice Investimento público e privado no Ensino Superior Propinas Investimento público e privado

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE

O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE O ENSINO SUPERIOR E A CIÊNCIA NA UE Maria da Graça a Carvalho ISEP 27 Abril 2012 Índice Ensino Superior na Europa Investigação Científica na Europa Necessidade de Reforma das Instituições de E.S. Modernização

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação

A Engenharia Portuguesa no Mundo. Internacionalização e Exportação A Engenharia Portuguesa no Mundo Internacionalização e Exportação CARLOS MATIAS RAMOS, Bastonário da Ordem dos Engenheiros Começo por citar um texto da autoria do Eng. Ezequiel de Campos, que consta do

Leia mais

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar

Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego. Vítor Gaspar Iniciativas financeiras e fiscais para o Investimento, Crescimento e Emprego Vítor Gaspar Lisboa, 23 de maio de 2013 Início de uma nova fase do processo de ajustamento 1ª fase: Prioridade na consolidação

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS

NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS NOVOS FUNDOS COMUNITÁRIOS Sessão de Esclarecimento Associação Comercial de Braga 8 de abril de 2015 / GlobFive e Creative Zone PT2020 OBJETIVOS DO PORTUGAL 2020 Promover a Inovação empresarial (transversal);

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013

Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Estatísticas das Receitas Fiscais 1995-2013 15 de maio de 2014 Carga fiscal passou de 32,4% do PIB em 2012 para 34,9% em 2013 Em 2013, a carga fiscal aumentou 8,1%, após a diminuição observada em 2012,

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 27/09 Turismo 27/09 Taxas de Juro 21/09 Energia 19/09 Taxas de Juro 15/09 Economia 12/09 Economia INE divulgou Viagens turísticas de residentes 2.º Trimestre de 2006 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2006/d060927/d060927.pdf

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal

Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal Isabel Caetano Workshop Apoio e Financiamento ao Desenvolvimento de Negócios Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 21 de Janeiro de 2014 Dinamização do empreendedorismo e da inovação: A abordagem da COTEC Portugal

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020

A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 A COMPETITIVIDADE E O CRESCIMENTO DA ECONOMIA AÇORIANA - OPORTUNIDADES NO QUADRO DO HORIZONTE 2020 Quais os Instrumentos regionais para apoiar as empresas dos Açores? Competir + Apoios contratação de RH

Leia mais

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial

Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial COMPETIR + O Sistema de Incentivos para a Competitividade Empresarial tem por objetivo promover o desenvolvimento sustentável da economia regional,

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 13 de Fevereiro de 2014 A missãocrescimento As entidades promotoras: O Conselho Geral: Esmeralda DOURADO Rui

Leia mais

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS

INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (IPI) ORIENTAÇÕES PARA AS POLÍTICAS Introdução O presente documento pretende apresentar uma visão geral das principais conclusões e recomendações do estudo da European Agency

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal

POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal POLÓNIA Relações bilaterais Polónia - Portugal Visita da missão de PPP do Ministério da Economia da Polónia a Portugal Bogdan Zagrobelny Primeiro Conselheiro EMBAIXADA DA POLÓNIA DEPARTAMENTO DE PROMOÇÃO

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero

Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil. Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Desenvolvimento de educação técnica e científica para a operação de centros de PD&I no Brasil Carlos Arruda, Erika Barcellos, Cleonir Tumelero Empresas Participantes do CRI Multinacionais Instituições

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4

Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 Índice Contexto e objetivos do estudo... 3 Metodologia, definições e âmbito da análise... 4 População alvo...4 Unidade amostral...4 Dimensão da população...4 Metodologia...4 Caracterização da amostra...4

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda

Formação Inicial de Professores na União Europeia. Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda Formação Inicial de Professores na União Europeia Florbela Lages Antunes Rodrigues Instituto Politécnico da Guarda 1999 - O Processo de Bolonha Um Espaço Europeu de Ensino Superior (EEES) globalmente harmonizado

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012

Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade Urbana - Apresentação de resultados 13 /Novembro/2012 Estudos de Fundamentação do Parecer de Iniciativa Competitividade das Cidades, Coesão Social e Ordenamento do Território Estudo sobre Empreendedorismo e Criação de Emprego em Meio Urbano e Fiscalidade

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School

Seminário. Investimento e Financiamento às Empresas. Uma Ideia para Mudar Portugal. 16 de Junho de 2015. Porto Business School Seminário Investimento e Financiamento às Empresas Uma Ideia para Mudar Portugal 16 de Junho de 2015 Porto Business School Novas soluções para incentivar o IDE em Portugal A possibilidade de desenvolver

Leia mais

Necessidade. de uma nova atitude

Necessidade. de uma nova atitude Necessidade de uma nova atitude O Conselho Europeu de Lisboa, de Março 2000, definiu um ambicioso objectivo estratégico a 10 anos, de tornar a União Europeia no espaço económico mais dinâmico e competitivo

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014. Parecer da CGTP-IN PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO 2014 2020 Versão 1.4 de 2 de Dezembro de 2014 Parecer da CGTP-IN O Programa Operacional Regional do Alentejo para o período 2014-2020 tem uma dotação de fundos

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013

INSTRUMENTOS DE ENGENHARIA FINANCEIRA NA PAC PÓS 2013 NA PAC PÓS 2013 Pedro M.S.Raposo Ribeiro SEMINÁRIO Lisboa, Auditório da CAP 26 Junho 2013 COM O APOIO DE: GÉNESE E OBJETIVOS DO ESTUDO 2 ENQUADRAMENTO O recurso à utilização de Instrumentos Financeiros

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2003 COM(2003) 26 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO CONSELHO E AO PARLAMENTO EUROPEU PENSAR EM TERMOS DE PEQUENAS EMPRESAS NUMA EUROPA EM ALARGAMENTO COMUNICAÇÃO

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS Parecer COM(2012)722 Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho - Plano de Ação para reforçar a luta contra a fraude e a evasão fiscais 1 PARTE I - NOTA INTRODUTÓRIA Nos termos do artigo

Leia mais

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico.

A Carteira de Indicadores inclui indicadores de input, de output e de enquadramento macroeconómico. Síntese APRESENTAÇÃO O Relatório da Competitividade é elaborado anualmente, com o objectivo de monitorizar a evolução de um conjunto de indicadores ( Carteira de Indicadores ) em Portugal e a sua comparação

Leia mais

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas

Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas Em 2007, por cada indivíduo nascido em Portugal, foram criadas 1,6 empresas O Instituto Nacional de Estatística apresentou os primeiros resultados 1 sobre o empreendedorismo em Portugal para o período

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

intra Perfil do Gestor

intra Perfil do Gestor Perfil do Gestor 35 Entrevista Dinah J. Kamiske, Autoeuropa A internacionalização economia obriga as empresas a tornarem-se mais competitivas. Entrevista de José Branco Dados publicados recentemente prevêem

Leia mais

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO

ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO ENSINO SUPERIOR E DESENVOLVIMENTO Joaquim Mourato (Presidente do CCISP e do IP de Portalegre) XX Congresso Nacional da Ordem dos Engenheiros Centro de Congressos da Alfândega do Porto 18.10.2014 SUMÁRIO

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

Porto, 6 de Maio de 2010

Porto, 6 de Maio de 2010 A Responsabilidade Social na Internacionalização Porto, 6 de Maio de 2010 Indíce 1. AICEP Modelo de Negócio e Objectivos 2. International Business Intelligence Unit 3. Empresas e Responsabilidade Social

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais