OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática Relatório de Pesquisa Dimensão socioespacial da Exclusão/Integração nas metrópoles: Região Metropolitana de São Paulo (Parte II) Rio de Janeiro, Outubro de 2008

2 Equipe Técnica Luiz Cesar de Queiros Ribeiro (Coordenador) Rômulo Ribeiro Colaboração Juciano Martins Rodrigues Arthur Molina Moreira Ricardo Sierpe Silva Vidal Observatório das Metrópoles

3 Exclusão na Região Metropolitana de São Paulo - RMSP Visão Geral O processo de exclusão pode ser caracterizado pela impossibilidade de acesso às condições mínimas de qualidade de vida, como por exemplo, capacidade de sustento da família, educação, saneamento, lazer, dentre outros aspectos. O principal fator de exclusão, que encontramos presente na sociedade brasileira, refere-se à renda familiar, pois a baixa remuneração ou uma remuneração irregular, comum em situações de trabalho informal 1, impede que as famílias, envolvidas nesta situação, tenham acesso às melhores condições de infra-estrutura, equipamentos e serviços. Elas só podem se instalar em locais afastados e que comumente oferecem riscos à saúde e a vida. Num primeiro momento optamos por escolher a renda como principal fator de exclusão, uma vez que sem as condições financeiras mínimas, a população não tem como ter acesso aos equipamentos, serviços e lazer de qualidade. Assim, definimos quatro faixas de representação: Situação de Pobreza ganho menor que 2 salários mínimos; Situação de Não Pobreza ganho acima de 2 salários mínimos; Distribuição Igual setores censitários onde as porcentagens de pobres e não pobres são iguais, com variação de 5%; e Setores Sem População. Ressaltamos que os dados utilizados são referentes ao Censo Demográfico de 2000 (IBGE, 2001), para setor com situação urbana (definidos pelo IBGE), no qual o valor de referência para o salário mínimo é de R$ 151,00, e a base espacial refere-se aos setores censitários do Censo Demográfico de 2000 (IBGE, 2002). As análises geradas por este estudo são descritivas, baseadas em processos matemáticos e estatísticos, uma vez que, para uma análise mais completa, é necessário o trabalho em conjunto com pesquisadores que conheçam o processo histórico de formação do espaço urbano, assim, teremos 1 Entendemos como trabalho informal aquele que não oferece carteira assinada e nem faz os recolhimentos dos encargos trabalhistas.

4 uma visão sistêmica da área de estudo. Desta forma, apresentamos aqui a parte inicial dos resultados obtidos. Na RMSP verificamos que 30,26%, das pessoas responsáveis por domicílio permanente, encontram-se em situação de pobreza. Número alto, pois corresponde a de pessoas que têm ganho mensal abaixo de 2 salários mínimos Para a RMSP podemos verificar pela Figura 1 que a situação de pobreza está dispersa nos municípios da RM, sendo que, visualmente, a uma leve tendência de agrupamento de setores censitário em Situação de Pobreza próximos ao centro do município de São Paulo. Em relatório anterior mostramos que as condições de vida neste município são melhores que nos demais, o que o transforma em um pólo de atração. Como o custo de vida neste município é alto, parte da população não consegue se manter morando próximo ao centro, assim, ela migra para regiões mais afastadas, causando uma faixa de redução de qualidade de vida em volta do município pólo.

5 Figura 1 Distribuição de pobres e não pobres na RMSP por setor censitário. O Quadro 1 mostra a distribuição das situações de pobreza, não pobreza e de distribuição igual nos municípios que compõem a RMSP. A definição da situação de pobreza e de não pobreza se deu pelas características de cada setor censitário, assim, os setores que tivessem mais de 50% de sua população com ganho menor que 2 salários mínimos, foram considerados com em situação de pobreza. Os setores censitários com mais de 50% de sua população com ganho igual ou acima de 2 salários mínimos, foram considerados como em situação de não-pobreza. Depois, agrupamos os setores por município, para obtermos um panorama geral da distribuição de renda.

6 Quadro 1 Distribuição das situações de pobreza, não pobreza e distribuição igual por município. Município % Situação de % Situação de Não Pobreza Pobreza Definição Arujá 35,78 64,22 Situação de Não Pobreza Barueri 36,11 63,89 Situação de Não Pobreza Caieiras 29,73 70,27 Situação de Não Pobreza Cajamar 34,27 65,73 Situação de Não Pobreza Carapicuíba 36,23 63,77 Situação de Não Pobreza Cotia 35,32 64,68 Situação de Não Pobreza Diadema 35,68 64,32 Situação de Não Pobreza Embu 40,72 59,28 Situação de Não Pobreza Embu-Guaçu 42,49 57,51 Situação de Não Pobreza Ferraz de Vasconcelos 41,39 58,61 Situação de Não Pobreza Francisco Morato 49,71 50,29 Distribuição Igual Franco da Rocha 39,48 60,52 Situação de Não Pobreza Guarulhos 34,37 65,63 Situação de Não Pobreza Itapecerica da Serra 43,12 56,88 Situação de Não Pobreza Itapevi 46,35 53,65 Situação de Pobreza Itaquaquecetuba 47,16 52,84 Situação de Pobreza Jandira 34,56 65,44 Situação de Não Pobreza Mairiporã 36,61 63,39 Situação de Não Pobreza Mauá 36,78 63,22 Situação de Não Pobreza Moji das Cruzes 32,62 67,38 Situação de Não Pobreza Osasco 32,86 67,14 Situação de Não Pobreza Poá 36,76 63,24 Situação de Não Pobreza Ribeirão Pires 31,87 68,13 Situação de Não Pobreza Rio Grande da Serra 43,85 56,15 Situação de Não Pobreza Santa Isabel 40,76 59,24 Situação de Não Pobreza Santana de Parnaíba 36,55 63,45 Situação de Não Pobreza Santo André 26,27 73,73 Situação de Não Pobreza São Bernardo do Campo 26,62 73,38 Situação de Não Pobreza São Caetano do Sul 16,78 83,22 Situação de Não Pobreza São Paulo 27,46 72,54 Situação de Não Pobreza Suzano 38,63 61,37 Situação de Não Pobreza Taboão da Serra 34,52 65,48 Situação de Não Pobreza Vargem Grande Paulista 35,63 64,37 Situação de Não Pobreza O mesmo raciocínio foi utilizado para agrupamento das situações por grau de integração, de forma que pudéssemos avaliar a distribuição destas variáveis por integração na metrópole. A única situação presente foi a de não pobreza. Assim, os municípios com diferentes graus de integração apresentaram o mesmo resultado para sua classificação, não sendo possível estabelecer relações entre os resultados. (Quadro 2).

7 Quadro 2 Distribuição das situações de pobreza e não pobreza por grau de integração. Grau de % Situação % Situação de Integração de Pobreza Não Pobreza Definição Pólo 27,46 72,54 Situação de Não Pobreza Muito Alto 33,74 66,26 Situação de Não Pobreza Alto 37,12 62,88 Situação de Não Pobreza Médio 33,87 66,13 Situação de Não Pobreza As figuras 2a) e 2b) ilustram espacialmente as situações de pobreza e não pobreza. Na Figura 2a) temos a representação por município, onde podemos verificar que apenas o município de São Paulo tem diferença nas situações de renda, enquanto que os demais municípios apresentaram condições semelhantes de situação de não pobreza. A Figura 2b), onde temos a representação por Grau de Integração, os municípios apresentam a mesma situação de renda, não sendo observada nenhuma variação. a) b) Figura 2 - a) Distribuição da Situação de Renda por município da RMSP. b) Distribuição da Situação de Renda por Grau de Integração. Desta forma, podemos afirmar que a situação de renda na RMSP é boa, uma vez que não foram encontradas variações nos municípios periféricos. Apenas o município de São Paulo apresentou variação, por ser um pólo histórico de atração populacional, esperávamos que a maior contração de pobreza ocorresse neste município. Em continuidade de nossa análise, trataremos dos setores subnormais, de acordo com o levantamento e classificação do IBGE, a partir dos dados do Censo Demográfico de 2000 (IBGE, 2001; 2002).

8 Visão a partir dos Setores Censitários Subnormais Tomamos como unidade de análise os setores subnormais, por representam situações críticas de existência no meio urbano. Segundo o IBGE (2002), podemos definir estes setores como sendo conjunto constituído por um mínimo de 51 domicílios, ocupando ou tendo ocupado até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular), dispostos, em geral, de forma desordenada e densa, e carentes, em sua maioria, de serviços públicos essenciais. Os dados utilizados em nossas análise foram obtidos a partir dos dados do agregado por setores censitários do Censo Demográfico de 2000 (IBGE, 2002). Desta forma, pretendemos caracterizar estas localidades por representarem áreas de grande interesse social, no que tange à melhoria de qualidade de vida e eqüidade social. A RMSP possui 9,55% de sua população habitando em condições subnormais. Os setores subnormais da RMSP possuem pessoas, sendo que 53,46% destas pessoas encontram-se no município pólo. É interessante notar que nos municípios de médio grau de integração não foi encontrada a situação de subnormalidade. O Quadro 3 mostra a distribuição da população por grau de integração. Quadro 3 Distribuição da população em setores subnormais por grau de integração. Integração População_SubN Pop Total %Pop SubN Pólo ,85% Muito Alta ,21% Alta ,80% Total ,76% População_SubN Pop Total %Pop SubN População nos setores subnormais População total por classe de Integração Porcentagem da população subnormal em relação ao total da população O Quadro 4 mostra a distribuição de resultados de exclusão social, nos setores subnormais, a partir do grau de integração. Foi calculada a média dos valores nos setores subnormais por grau de integração. O cálculo dos índices de

9 exclusão/inclusão social foi realizado tomando-se todo o conjunto da RMSP, consideramos que, para termos uma visão mais realística destes setores, temos que analisá-los em relação a todo o conjunto metropolitano. Quadro 4 Distribuição das médias dos índices de exclusão/inclusão social por grau de integração. Integração Média Média Média Média Média IEXC_ARCF IEXC_DH IEXC_EQ IEXC_QV IEXF_EXC/INC Pólo -0,151-0,214 0,025 0,537-0,007 Muito Alta -0,143-0,152-0,048 0,576 0,006 Alta -0,251-0,219-0,042 0,383-0,125 Média IEXC_ARCF Média IEXC_DH Média IEXC_EQ Média IEXC_QV Média IEXF_EXC/INC Média da Autonomia de Renda dos Chefes de Família por setores subnormais Média da Desenvolvimento Humano por setores subnormais Média da Eqüidade por setores subnormais Média da Qualidade de Vida por setores subnormais Média do Índice de Exclusão/Inclusão Social por setores subnormais O Gráfico 1 ilustra a relação entre os graus de integração. Observamos que há uma tendência no aumento da exclusão à medida que reduzimos o grau de integração, isto é, nos afastamos do município pólo. Isto significa que, as pessoas, que já se encontram em situação crítica, habitando em setores subnormais, têm melhores condições nas regiões mais integradas do que nas menos integradas. O que continua a reforçar nossa análise anterior, que a proximidade com o município pólo propicia maior acesso a qualidade de vida.

10 0,6 0,5 0,4 0,3 Exclusão Média 0,2 0,1 Pólo P-MA P-MA-A P-MA-A-Md 0 Média_IEXC_ARCF Média_IEXC_DH Média_IEXC_EQ Média_IEXC_QV Média_IEXF_EXC/INC -0,1-0,2-0,3 Índices de Exclusão/Inclusão Social Gráfico 1 Distribuição dos índices de exclusão/inclusão social por grau de integração. Quando analisamos a partir do agrupamento dos graus de integração, verificamos que ocorre uma estabilização dos valores, pois como pode ser visto no Quadro 5, praticamente não há alteração entre os conjuntos. O que notamos é que nestes setores as condições de vida são ruins, apresentando valores altos de exclusão (valores negativos) ou valores muito baixos de inclusão (valores próximos a zero). A diferença continua sendo para o índice de qualidade de vida, que apresenta valores altos de inclusão social (valores próximos a 1). Quadro 5 Distribuição das médias dos índices de exclusão/inclusão social por agrupamento do grau de integração. Integração Média Média Média Média Média IEXC_ARCF IEXC_DH IEXC_EQ IEXC_QV IEXF_EXC/INC Pólo -0,0803-0,0759-0,0160 0,5197-0,0548 P-MA -0,1509-0,2480-0,0614 0,4702-0,0246 P-MA-A -0,1219-0,0476-0,0105 0,4646-0,0144 P-MA-A-Md -0,1491-0,1847-0,0109 0,5520-0,0031 Pólo P-MA P-MA-A P-MA-A-Md Município Pólo Rio de Janeiro Pólo e Muito Alto Grau de Integração Pólo, Muito Alto e Alto Grau de Integração Pólo, Muito Alto, Alto e Médio Grau de Integração

11 Analisamos também o comportamento dos dados à medida que nos afastamos do centro social. Os resultados obtidos mostram a grande concentração de população em condições subnormais próxima ao centro social, o que pode indicar que a necessidade de acesso a trabalho, equipamentos, serviços, dentre outros, faz com que estas pessoas busquem esta proximidade, habitando em condições ruins. 25,00% 20,00% % de População Subnormal 15,00% 10,00% 5,00% 0,00% Distância ao Centro Social (km) Gráfico 2 Porcentagem de população em condições subnormais à medida que se afasta do centro social. O Gráfico 3 mostra, mesmo suavemente, que há uma tendência de maior densidade populacional próxima ao centro social. Outra informação interessante, é a alta densidade populacional em todas as distâncias, indicando a alta concentração de pessoas em pequenas áreas.

12 Densidade em População Subnormal (hab/ha) Distância ao Centro Social (km) Gráfico 3 Densidade populacional, referente à população em condições subnormais, à medida que se afasta do centro social. A distribuição dos índices de exclusão/inclusão social mostra que quanto mais próxima ao centro social, maiores são as condições de inclusão. Os resultados altos (próximos a 1) indicam que as pessoas que ali habitam têm melhores condições de vida, mesmo estando em condições subnormais, pois a proximidade com as áreas mais favorecidas permite, também, o acesso, às melhores condições, aumentando a integração destas áreas. O Gráfico 4 a) a e) mostra a distribuição dos índices de exclusão/inclusão social à medida que nos afastamos do centro social. O que observamos é o comportamento comum já citado, a maior proximidade do centro social favorece à inclusão social.

13 a) 1 b) 1 0,8 0,8 0,6 0,6 0,4 0,4 Média do IEx ARCF 0,2 0-0, Média do IEx DH 0,2 0-0, ,4-0,4-0,6-0,6-0,8-0, Distância ao Centro Social (km) Distância ao Centro Social (km) c) d) 1 1 0,8 0,8 0,6 0,6 0,4 0,4 Média do IEx QV 0,2 0-0, Média IEx EQ 0,2 0-0, ,4-0,4-0,6-0,6-0,8-0,8-1 Distância ao Centro Social (km) -1 Distância ao Centro Social (km) 1 0,8 0,6 0,4 Média do IEx de EXC/INC 0,2 0-0, ,4-0,6-0,8-1 Distância ao Centro Social (km) e) Gráfico 4 Distribuição das médias dos índices de exclusão/inclusão social à medida que se afasta do centro social. a) IEx Autonomia de Renda dos Chefes de Família Iex ARCF; b) IEx Desenvolvimento Humano Iex DH; c) IEx Qualidade de Vida Iex QV; d) IEx EQ Iex Eqüidade; e) IEx Exclusão/Inclusão Social Iex EXC/INC.

14 A única diferença de comportamento ocorre para a média do índice de qualidade de vida, pois, próximo ao centro social ocorre baixos valores (negativos), depois temos um crescimento (entre os quilômetros 5 e 20), depois ocorre um decréscimo suave (entre os quilômetros 21 e 32), passando a um decréscimo abrupto nos quilômetros finais. Mais uma vez, este índice merece destaque e deve ser estudado de forma mais acurada, a fim de esclarecer o comportamento tão diferenciado dos outros índices. Considerações Os dados espaciais da situação de pobreza e não pobreza geraram informações importantes, principalmente no que se refere à localização espacial dela. A faixa formada em torno do município pólo é muito clara e que representa um padrão clássico de ocupação em torno do município mais rico (Figura 1). Os assentamentos subnormais são, basicamente, caracterizados por serem desprovidos de qualidade construtiva, equipamentos, serviços públicos, lazer, dentre outras características. São localidades, normalmente, geradas por ocupações irregulares, muitas vezes próximas aos centros geradores de economia. Consideramos que os métodos utilizados para a caracterização dos setores subnormais foram eficientes no que se refere à geração de informações socioeconômicas de forma espacial, o que permite a identificação de sistemas diferentes de ocupação, bem como ocorre este tipo de ocupação na RMSP. Na RMSP os setores subnormais também são caracterizados pela alta exclusão social, o que temos de diferente é que proximidade do centro social traz benefícios à população que ali habita. Em alguns aspectos, aumentando a inclusão social desta população. O que deve ser observado em pesquisas futuras é que, apesar do aumento da inclusão social em função da proximidade, devem-se avaliados aspectos como qualidade construtiva, posse do imóvel, qualidade sócio-ambiental, para que assim, possamos entender melhor estas ocupações.

15 Referências Bibliográficas GENOVEZ, P. C, Território e Desigualdades: Análise Espacial Intraurbana no Estudo da Dinâmica de Exclusão/Inclusão Social no Espaço Urbano em São José dos Campos SP, Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, São José dos Campos, SP, Disponível em: < Acesso em: 20/10/2003. GENOVEZ, P. C., CAETANO, N. R. & ESTRADA, R. D., Análise Espacial e Estatística da Metodologia de Construção do Índice de Exclusão/Inclusão Social: Relativo à Área Urbana de São José dos Campos SP (Censo IBGE 1991), São José dos Campos, SP, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, Disponível em < Acesso em: 20/10/2003. IBGE, Censo Demográfico de Características da População e dos Domicílios. Resultado do Universo, Rio de Janeiro, RJ, IBGE, CD-ROM. IBGE, ESTATCART Sistema de Recuperação de Informações Georreferenciada, Rio de Janeiro, RJ, IBGE, versão 1.1, CD-ROM. KOGA, D., Medida das Cidades Entre Territórios de Vida e Territórios Vividos. São Paulo, SP, Cortez, p. RIBEIRO, R. J. C., Geotecnologias em Apoio à Aplicação de Instrumentos de Política Urbana. Brasília, DF, Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, SPOSATI, A., Cidade, Território, Exclusão/Inclusão Social, Congresso Internacional de Geoinformação GeoBrasil, 2000 a. In: GENOVEZ, P. C, Território e Desigualdades: Análise Espacial Intraurbana no Estudo da Dinâmica de Exclusão/Inclusão Social no Espaço Urbano em São José dos Campos SP, Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, São José dos Campos, SP, Disponível em: < Acesso em: 20/10/2003. SPOSATI, A., Mapa da Exclusão/Inclusão Social da cidade de São Paulo: dinâmica social dos anos 90, São Paulo, SP, CDRom, 2000 b. In: GENOVEZ, P. C, Território e Desigualdades: Análise Espacial Intraurbana no Estudo da Dinâmica de Exclusão/Inclusão Social no Espaço Urbano em São José dos Campos SP, Dissertação de Mestrado, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE, São José dos Campos, SP, Disponível em: < Acesso em: 20/10/2003.

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008

Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo. Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 Pesquisa Origem e Destino 2007 Região Metropolitana de São Paulo Síntese das Informações Pesquisa Domiciliar Dezembro de 2008 PESQUISA ORIGEM E DESTINO 2007 SÍNTESE DAS INFORMAÇÕES PESQUISA DOMICILIAR

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Página 1 de 7 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Reorganiza a Região Metropolitana da Grande São Paulo, cria o respectivo Conselho de Desenvolvimento e dá providências correlatas O GOVERNADOR

Leia mais

Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo

Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo Gerência de Competitividade Industrial e Investimentos Nº 3 Os custos da (i)mobilidade nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e São Paulo As Regiões Metropolitanas do Rio de Janeiro 1 e de São Paulo

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

1. Mudança na estrutura etária da Região Metropolitana de São Paulo - 1970 a 2010

1. Mudança na estrutura etária da Região Metropolitana de São Paulo - 1970 a 2010 nº 22 Março 2013 1. Mudança na estrutura etária da Região Metropolitana de São Paulo - 1970 a 2010 O censo demográfico é um estudo estatístico referente a uma determinada população que possibilita a obtenção

Leia mais

Nova Política Comercial

Nova Política Comercial A Cultura já tem grade de programação diferenciada. Agora também com proposta comercial diferenciada. O cálculo da tabela de preços da TV Cultura deixou de ser baseado no IPC - Índice Potencial de Consumo

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática

OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES: Território, Coesão e Governança Democrática Relatório de Pesquisa Dimensão socioespacial

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013

EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Abril DE 2014 EMPREGO DOMÉSTICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2013 Em 2013, cresceu o número de diaristas e diminuiu o de mensalistas com e sem carteira de trabalho. Elevou-se o rendimento médio

Leia mais

SERVICE. manual do usuário. Version 2.0 FLM 040001

SERVICE. manual do usuário. Version 2.0 FLM 040001 Version 2.0 FLM 040001 INDEX INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO SERVIÇO REQUISITOS BÁSICOS RECOMENDAÇÕES COMO FAZER O REGISTRO NO SERVIÇO FLIP COMO FAZER LIGAÇÕES COMO RECEBER LIGAÇÕES COMO TRANSFERIR AS LIGAÇÕES

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA FEVEREIRO DE 2011 JOB087 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O projeto tem por objetivo geral mapear as percepções, opiniões e atitudes da

Leia mais

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998

PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 PORTARIA 77 DE 05 DE JUNHO DE 1998 CELSO PITTA, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, e Considerando a necessidade de aprovar documentos a serem expedidos

Leia mais

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP Cartão BOM CMT- Consórcio Metropolitano de Transportes } Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas operadoras } Operam nos 39 municípios da RMSP O sistema do CMT

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

METODOLOGIA E AMOSTRA

METODOLOGIA E AMOSTRA SOBRE A PESQUISA METODOLOGIA E AMOSTRA Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral O projeto tem por objetivo geral mapear as percepções,

Leia mais

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000

Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Contexto São Paulo, Brasil: 1980-2000 Transição para Democracia. Constituição de 1988. Aumento do efetivo, equipamento e armamento das polícias. Integração das polícias civil e militar + separação da polícia

Leia mais

As partes signatárias deste instrumento, de um lado o SINTHORESP SINDICATO DOS

As partes signatárias deste instrumento, de um lado o SINTHORESP SINDICATO DOS BASE TERRITORIAL: São Paulo, Osasco, Guarulhos, Itapecerica da Serra, Atibaia, Barueri, Biritiba Mirim, Bom Jesus dos Perdões, Brás Cubas, Arujá, Caieiras, Cabreúva, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Embu das

Leia mais

FICHA PROJETO - nº019 -MA

FICHA PROJETO - nº019 -MA 0 FICHA PROJETO - nº019 -MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: ECOTURISMO EM SÃO LOURENÇO DA SERRA: Água para a Região Metropolitana de São Paulo e Mata Atlântica para o Brasil. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

REGRAS OFICIAIS DO CONCURSO CULTURAL Meus Prêmios Nick 2013. 1. Não é necessário comprar para participar ou ganhar neste concurso cultural.

REGRAS OFICIAIS DO CONCURSO CULTURAL Meus Prêmios Nick 2013. 1. Não é necessário comprar para participar ou ganhar neste concurso cultural. REGRAS OFICIAIS DO CONCURSO CULTURAL Meus Prêmios Nick 2013 1. Não é necessário comprar para participar ou ganhar neste concurso cultural. 2. A Nickelodeon Latin America ( NICKLA ) é uma unidade de negócios

Leia mais

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Transparlog é uma empresa nova no mercado, com profissionais que vieram do setor de Transporte Rodoviário de Carga, tanto como contratante quanto contratado do serviço. Onde foi possível

Leia mais

Diretoria de Clientes Públicos 27.03.2013. Conselpa Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo APM Associação Paulista de Municípios

Diretoria de Clientes Públicos 27.03.2013. Conselpa Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo APM Associação Paulista de Municípios Diretoria de Clientes Públicos 27.03.2013 Conselpa Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo APM Associação Paulista de Municípios Tema: Transferência dos Ativos de Iluminação Pública (IP) Agenda A Empresa

Leia mais

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Rômulo José da Costa Ribeiro Professor Doutor da Universidade de Brasília UnB, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPG-FAU, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Região Metropolitana de São Paulo Panorama socioeconômico

Região Metropolitana de São Paulo Panorama socioeconômico Instituto Teotônio Vilela Região Metropolitana de São Paulo Panorama socioeconômico Junho, 2017 Região Metropolitana de São Paulo População dos Municípios - 2016 2 municípios com mais de 1 milhão de habitantes

Leia mais

Tabela de Preços SulAmérica São Paulo - Tarifa 01

Tabela de Preços SulAmérica São Paulo - Tarifa 01 Tabela de Preços SulAmérica São Paulo - Tarifa 01 Exemplo de Rede Credenciada Básico SP Incor (Instituto do Coração) Hosp. A C. Camargo Hosp. São Camilo (Pompéia / Santana / Ipiramga) Beneficência Portuguesa

Leia mais

2ª Região SP Ano de 2013

2ª Região SP Ano de 2013 1ª de Arujá 483 304... 1ª de Barueri 2.966 2.299 2.988 2ª de Barueri 3.250 3.073 2.408 3ª de Barueri 3.093 2.544 2.559 1ª de Caieiras 1.046 1.001 545 1ª de Cajamar 264 799 394 1ª de Carapicuíba 34 447

Leia mais

Região Metropolitana Oeste de São Paulo

Região Metropolitana Oeste de São Paulo Região Metropolitana Oeste de São Paulo Sub-Região Oeste Fonte: Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo No Estado de São Paulo, 14,5% da população vive com renda familiar menor que ½ salário

Leia mais

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO CAMILA CRISTINA PACHECO LOMBA (Mestranda em Geog. Humana - USP/Bolsista ANPUR/IPEA) camilageografia@yahoo.com.br RESUMO A Região Metropolitana

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

CPF do Produtor Nome do Produtor CPF Telefone do Corretor. Logradouro (continuação) Número Complemento. Bairro Município UF

CPF do Produtor Nome do Produtor CPF Telefone do Corretor. Logradouro (continuação) Número Complemento. Bairro Município UF Razão Social Contrato n o PJ 118A Dados da Empresa Contratante* CNPJ.. Continuação (Razão Social) Nome Fantasia da Proposta Contratual Filial ou unidade gerencial Matriz São Paulo - Av. Brasil, 703 - CEP

Leia mais

Uso de Serviços Públicos de Saúde

Uso de Serviços Públicos de Saúde Uso de Serviços Públicos de Saúde Metodologia Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. OBJETIVO GERAL Levantar junto à população da área em estudo

Leia mais

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME PLANO COPARTICIPAÇÃO PME Além das coberturas e vantagens já oferecidas em todos os planos comercializados pela UP, estamos disponibilizando os planos Coparticipação PME: O que é o plano Coparticipação?

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP De acordo com a Anatel, são esperadas instabilidades momentâneas. Ligações sem o 9 ainda acontecem normalmente até 7 de agosto. Márcio

Leia mais

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado.

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado. Manual do Cliente A Empresa A Ituran é uma multinacional israelense que atua na Argentina, Brasil, Estados Unidos e Israel. Desde o início das suas operações no Brasil, em 2000, a empresa se destaca como

Leia mais

Questões Climáticas e Água

Questões Climáticas e Água Questões Climáticas e Água Material de apoio para Monitoria 1. (UNICAMP-2012) O mapa abaixo indica a ocorrência de queda de neve na América do Sul. Observe o mapa e responda às questões. a) Que fatores

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sorriso, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9382,37 km² IDHM 2010 0,744 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 66521 hab. Densidade

Leia mais

Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas

Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas Ranking da criminalidade nos maiores municípios Paulistas Este trabalho desenvolvido pelo pesquisador estatístico José Peres Netto, cria um ranking de criminalidade nos 60 maiores municípios de São Paulo

Leia mais

Acidentes, Flagelos e Descaso em Osasco e Região

Acidentes, Flagelos e Descaso em Osasco e Região Acidentes, Flagelos e Descaso em Osasco e Região A data em memória às vitimas de acidentes de trabalho, 28 de abril, surgiu no Canadá por iniciativa do movimento sindical, espalhando-se por diversos países,

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Notas Técnicas. Educação Básica (Creches) em Caruaru

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS. Notas Técnicas. Educação Básica (Creches) em Caruaru COORDENAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA LABORATÓRIO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS Notas Técnicas Educação Básica (Creches) em Caruaru Projeto Georeferenciamento de Dados Convênio ASCES/PMC Diretor

Leia mais

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS Instituto de Engenharia Introdução quem é a EMTU/SP Estrutura Organizacional EMTU/SP responsabilidades Gerenciamento do sistema de transporte público intermunicipal

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Areado, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 282,6 km² IDHM 2010 0,727 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 13731 hab. Densidade demográfica

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Botelhos, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 335,24 km² IDHM 2010 0,702 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14920 hab. Densidade

Leia mais

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA)

(continua) TABELA 1.1 Composição e População da Aglomeração Urbana (AUPOA) e Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPOA) 1 INTRODUÇÃO Este relatório consolida os principais resultados obtidos com a pesquisa sobre acidentes de trânsito nas aglomerações urbanas brasileiras pesquisa Renavam, efetuada como parte integrante do

Leia mais

L o / f e r is /&. í ^ * / c. LC/BRS/R.178 Dezembro de 2006 Original: português

L o / f e r is /&. í ^ * / c. LC/BRS/R.178 Dezembro de 2006 Original: português L o / f e r is /&. í ^ * / c V LC/BRS/R.178 Dezembro de 2006 Original: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório no Brasil A R E G I Ã O M E T R O P O L I T A N A D

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

GRUPO II (21 A 49 BENEFICIÁRIOS)

GRUPO II (21 A 49 BENEFICIÁRIOS) Taxa de Inscrição: R$ 6,50 por usuário Referência: Julho de 2009 INFORMAÇÕES IMPORTANTES CONDIÇOES GERAIS; O grupo inicial de vê ser no mínimo 2 (Duas) Vidas e no máximo de 99 vidas, sendo 1 (Hum) titular

Leia mais

1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010

1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010 nº 25 Junho 2013 1. Trabalho Infantil na Região Metropolitana de São Paulo - Censo 2010 O IBGE, em atendimento ao Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, ao Ministério Público do Trabalho

Leia mais

I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL

I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL I REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO I.1 - CARACTERIZAÇÃO GERAL A Região Metropolitana de São Paulo é constituída pelo município de São Paulo e mais 38 municípios que se agrupam em torno da Capital do Estado,

Leia mais

Tabela 03: Dados agregados por setor censitário do Censo de 2010, referente a concentração de crianças na faixa etária de 0 a 5 anos em Mumbaba

Tabela 03: Dados agregados por setor censitário do Censo de 2010, referente a concentração de crianças na faixa etária de 0 a 5 anos em Mumbaba Tabela 03: Dados agregados por setor censitário do Censo de 2010, referente a concentração de crianças na faixa etária de 0 a 5 anos em Mumbaba O Mapa Temático II representa a distribuição, por setor censitário,

Leia mais

SPTRANS BILHETE DO PROFESSOR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PROFESSORES

SPTRANS BILHETE DO PROFESSOR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PROFESSORES SPTRANS BILHETE DO PROFESSOR MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PROFESSORES Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o processo. Revisado em Dezembro/2012 ÍNDICE 1. Introdução... 03

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS São Paulo Março/2012 O conjunto de ações relativas à coleta, codificação, processamento de dados, fluxo,

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior

Soma. Paulo Roberto Guimarães Junior Soma Paulo Roberto Guimarães Junior Observatório Nacional de Segurança Viária. Rua 9 de Julho, 1953 - Vila Georgina - Cep: 13.333-070 - Indaiatuba SP Telefone: (19) 3801.4500 E-mail: onsv@onsv.org.br SÍNTESE

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO DIAGNÓSTICO DA COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Cinthia Martins dos SANTOS Programa de Pós Graduação em Engenharia do Meio Ambiente, Escola de Engenharia,

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79. Renda e Trabalho Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 79 Renda e Trabalho A dimensão Renda e Trabalho aparece naturalmente como um importante indicador de qualidade de vida. Não há como discutir o assunto dentro

Leia mais

ANEXO I NÍVEL SUPERIOR

ANEXO I NÍVEL SUPERIOR ÁREA DO CURSO MUNICÍPIO ANEXO I NÍVEL SUPERIOR PARA ESTUDANTES CURSANDO DO 1º AO PENÚLTIMO SEMESTRE DO CURSO VAGAS PREVISTAS SOMENTE PARA ESTUDANTES CURSANDO OS 2 ÚLTIMOS ANOS DO CURSO Administração ADAMANTINA

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE

UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE UMA BREVE DESCRIÇÃO DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL, DESTACANDO O EMPREGO FORMAL E OS ESTABELECIMENTOS NO NORDESTE GEPETIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço, Trabalho, Inovação e Sustentabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06386/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 2388/2009/SDE/GAB, de 30 de março de 2009. Em 10 de julho de 2009. Assunto: ATO

Leia mais

COMISSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ENERGIA CSPE E A REVISÃO TARIFÁRIA DAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS CANALIZADO DO ESTADO DE SÃO PAULO CASO COMGÁS

COMISSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ENERGIA CSPE E A REVISÃO TARIFÁRIA DAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS CANALIZADO DO ESTADO DE SÃO PAULO CASO COMGÁS COMISSÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE ENERGIA CSPE E A REVISÃO TARIFÁRIA DAS DISTRIBUIDORAS DE GÁS CANALIZADO DO ESTADO DE SÃO PAULO CASO COMGÁS V ENCONTRO BRASILEIRO DOS PROFISSIONAIS DO MERCADO DO GÁS 18

Leia mais

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010)

A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) A REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ E OS CENSOS DEMOGRÁFICOS: EVOLUÇÃO E DINÂMICA DEMOGRÁFICA (1991, 2000 e 2010) Adriana Eliane Casagrande 1 Edson Belo Clemente de Souza 2 Eixo temático: POLITICAS DE ESTADO

Leia mais

Grupo de 3 a 9 vidas - PME Ambulatorial e Hospitalar com Obstetrícia

Grupo de 3 a 9 vidas - PME Ambulatorial e Hospitalar com Obstetrícia SulAmérica PME Compulsório (Obrigatório adesão de 100% dos sócios e/ou funcionários) JANEIRO de 2011 Vigência: 03.01.2011 a 31.01.2011 Tabela de prêmios comerciais mensais em reais e sem IOF (Acrescentar

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE

A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE A RELAÇÃO ENTRE A ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DE ALFENAS- MG E A ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PRESTADA AOS ALUNOS DA CIDADE Larissa da Silva Barbosa lariibarbosa@ig.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG Ana Rute

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira Diretor Presidente maio/2013 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste

Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste Água e Floresta As lições da crise na região Sudeste No Brasil as políticas afirmativas tiveram inicio com a Constituição de 1988. A Legislação de Recursos Hídricos avançou em mecanismos de gestão e governança

Leia mais

1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico

1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico nº 36 Maio 2014 1. Mudanças demográficas e o comportamento das matrículas no ensino básico 1.1 - Introdução O presente artigo tem por objetivo analisar alguns dados sobre matrículas na educação básica

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

Contagem da População 2015

Contagem da População 2015 Contagem da População 2015 A nossa realidade Um país de dimensões continentais com 8.515.767 km 2, caracterizado por uma diversidade de paisagens ímpar, dos pampas gaúchos até a floresta Amazônica, com

Leia mais

Guia da internet 2013

Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 1 2 Guia da internet 2013 Guia da internet 2013 3 Região Metropolitana de São Paulo Cajamar Santana de Parnaíba Carapicuíba Presidente Prudente Embu Teodoro

Leia mais

SERVICE. manual do usuário Version 1.0 FLM 030001

SERVICE. manual do usuário Version 1.0 FLM 030001 Version 1.0 FLM 030001 INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO SERVIÇO REQUISITOS BÁSICOS RECOMENDAÇÕES COMO FAZER O REGISTRO NO SERVIÇO FLIP COMO FAZER LIGAÇÕES COMO RECEBER SUAS LIGAÇÕES COMO TRANSFERIR AS LIGAÇÕES

Leia mais

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria.

Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Avaliação do plano de gerenciamento dos RCC em Santa Maria. Resumo Mirdes Fabiana Hengen 1 1 Centro Universitário Franciscano (mirdes_hengen@yahoo.com.br) Com a Resolução nº 307, de 05 de Julho de 2002,

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 *

Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo Horizonte no Censo 2010 * OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES CNPq/INCT Minas Gerais e a Região Metropolitana de Belo no Censo 2010 * Jupira Mendonça ** André Junqueira Caetano *** 1. INTRODUÇÃO O estado de Minas Gerais, um dos maiores

Leia mais

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA)

DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) ROTEIRO DE ELEIÇÃO DE DELEGADOS SINDICAIS 2015/2016 DIA 04/05/2015 (SEGUNDA-FEIRA) 8h30 13h30 14h30 08h30 9h40 CDD PAULISTA CDD JARDIM AMÉRICA CDD ESTÁDIO AC CONSOLAÇÃO AC FREI CANECA AC PRAÇA DO CARMO

Leia mais

Plano de Investimento

Plano de Investimento SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Plano de Investimento Município de Diadema Relatório Técnico Abastecimento Público de Água e Esgotamento Sanitário Setembro / 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e desigualdade social. Marinez Villela Macedo Brandão 1 André da Rocha Santos 2 Maria Graciela Gonzalez de Morell 3 Felipe Granado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO LICENCIATURA EM GEOGRAFIA

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO LICENCIATURA EM GEOGRAFIA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO LICENCIATURA EM GEOGRAFIA SÃO PAULO 2014 1 Sumário 1. INFORMAÇÕES SOBRE A REGIÃO DE INFLUÊNCIA DO CURSO... 5 1.1. INSERÇÃO REGIONAL... 5 1.2. INDICADORES SOCIOECONOMICOS DA

Leia mais

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB

O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB O GEOPROCESSAMENTO E O PLANEJAMENTO TERRITORIAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS ESCOLAS ESTADUAIS EM CAMPINA GRANDE-PB Erbeth Yuri dos Santos Nascimento¹, Antônio Pereira

Leia mais

Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano

Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano Estatística Espacial como Ferramenta do Planejamento Urbano Análise de Áreas: Setores Censitários, Zonas OD, Distritos e Subprefeituras. Este resumo foi desenvolvido com base nos seguintes estudos: Dissertação

Leia mais

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 3 Abril 2011 Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles O objetivo deste número do SP Demográfico

Leia mais

O papel do estado no urbano

O papel do estado no urbano O papel do estado no urbano O papel do estado na afirmação da segregação Fabiana Rezende Poliana Alessandra Lorena Yoshiko A segregação no espaço urbano pode ser encontrada em várias esferas, iremos analisar

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F.

VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. VISÃO DA COMUNIDADE CARENTE A RESPEITO DA CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO, NO MUNICÍPIO DE MIGUEL PEREIRA, RJ Mattos C.F. Junior¹ A relação da comunidade com o meio-ambiente é uma das mais importantes

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

As informações da Pesquisa de Emprego

As informações da Pesquisa de Emprego PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC NOVEMBRO DE 2014 Mercado de trabalho e mobilidade do trabalhador As informações da Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região do ABC, rea lizada pela

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE. Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM

Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE. Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM Desenvolvimento Urbano e Planejamento Territorial o caso brasileiro CONTEXTO RECENTE Rosane Biasotto Arquiteta e Urbanista Coordenadora DUMA/IBAM 1 - BREVE PANORAMA DA DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO NO TERRITÓRIO

Leia mais

FUNDAÇÃO SEADE DIEESE. Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região Metropolitana de São Paulo. Endereço (Rua ou Avenida) Nº Apto.

FUNDAÇÃO SEADE DIEESE. Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região Metropolitana de São Paulo. Endereço (Rua ou Avenida) Nº Apto. SEADE FUNDAÇÃO SEADE DIEESE Pesquisa de Emprego e Desemprego PED na Região Metropolitana de São Paulo BLOCO A IDENTIFICAÇÃO DO DOMICÍLIO Endereço (Rua ou Avenida) Nº Apto. Telefone Setor Censitário Nº

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais