REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS DEZ/13

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS DEZ/13"

Transcrição

1 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS DEZ/13

2 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como os demais anexos nele constantes, foram elaborados através das informações fornecidas pelas instituições financeiras que o REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS tem seus investimentos. As análises constantes neste relatório estão limitadas as informações referentes aos investimentos do REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS, excluindo as movimentações na conta corrente. A Referência Gestão e Risco tem como base o comprometimento, a ética profissional e a transparência na troca de informações com nossos clientes, ou seja, é a prestação de serviços de qualidade com o cumprimento das legislações vigentes. Nosso trabalho consiste em analisar os produtos que o investidor apresente, nos baseando em um processo eficiente e fundamentado, processo esse que ande junto com os objetivos do investidor. Junto a isto a REFERÊNCIA pode emitir um parecer quanto às características e risco de cada produto. Com isto exposto, demonstramos toda nossa transparência quanto as instituições financeiras e produtos por elas distribuídos, não nos permitindo a indicação de Bancos ou Produtos. Relatório para uso exclusivo do REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS, não sendo permitida a reprodução ou distribuição por este a qualquer pessoas ou instituição, sem a autorização da REFERÊNCIA. Salientamos que todas as informações contidas neste relatório são de confiança, observando-se a data que este relatório se refere. Todavia as informações aqui contidas não são garantia de exatidão das informações prestadas ou esperadas sobre a qualidade das mesmas. As avaliações aqui contidas são baseadas em julgamento e estimativas, logo sujeitas a mudanças. Todos os Direitos Reservados Página 2

3 SUMÁRIO - Distribuição da Carteira de Investimentos Rentabilidade da Carteira Retorno da Carteira (R$) RPPS Cacequi - Comentário Benchmarks x Carteira Distribuição dos Ativos por índices Resumo da Movimentação Enquadramento da Carteira Risco x Retorno Demonstrativo das Aplicações e Investimentos Composição da Carteira COMENTÁRIOS DO MÊS...30

4 CARTEIRA COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA % SALDO ATIVOS MÊS ANTERIOR carteira dez/13 FUNDOS RENDA FIXA 88,2% , ,37 BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 10,6% , ,77 BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 2,9% ,3 - BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 17,9% , ,6 BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1,3% , ,37 CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 2,% , ,18 CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 20,8% , ,1 CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 19,2% , ,27 Composição da Carteira (%) 9,8% 2,0% FUNDOS FIDC 9,8% 83.51, ,92 CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 9,8% 83.51, ,92 FUNDOS RENDA VARIÁVEL 2,0% , ,02 BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 2,0% , ,02 FUNDOS MULTIMERCADO 0,0% - - TOTAL DA CARTEIRA 100,0% , ,31 FUNDOS RENDA FIXA FUNDOS FIDC FUNDOS RENDA VARIÁVEL 88,2%

5 RENTABILIDADE RENTABILIDADE DA CARTEIRA ATIVOS dez/13 no Ano Últimos 6 meses Últimos 12 meses FUNDOS RENDA FIXA % Rent. R$ % Meta % Rent. % Meta % Rent. % Rent. BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 0,7% R$ 6.79,78 61,18% 7,57% 62,73%,0% 7,5% BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1,27% R$ 3.85,3 10,95% 3,88% 32,12% 3,75% 3,78% BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,79% R$ 11.62,90 65,32% 7,11% 58,93%,13% 7,08% BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,79% R$ 9.755,30 65,30% 8,01% 66,0%,32% 7,98% CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 0,79% R$ 1.605,39 6,93% 8,11% 67,21%,32% 8,08% CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 1,30% R$ 22.91,88 107,02% -10,19% -8,7% -1,95% -10,8% CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 0,80% R$ ,76 65,98% 7,26% 60,12%,20% 7,23% FUNDOS FIDC % Rent. R$ % Meta % Rent. % Meta % Rent. % Rent. CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 1,18% R$ 9.870,05 97,82% 10,00% 83,3% 5,35% n/d FUNDOS RENDA VARIÁVEL % Rent. R$ % Meta % Rent. % Meta % Rent. % Rent. BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 0,19% R$ 339,52 13,57% 5,2% 3,1% n/d n/d FUNDOS MULTIMERCADO % Rent. R$ % Meta % Rent. % Meta % Rent. % Rent. Todos os Direitos Reservados Página 2 5

6 Rentabilidade no Ano (%) Rentabilidade no mês - Dezembro/13(%) 0,19% 5,2% BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO -10,19% 3,88% 10,00% 7,26% 8,11% 8,01% 7,11% 7,57% BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,80% 0,79% 0,79% 0,79% 0,7% 1,18% 1,30% 1,27% CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO -15,00% -10,00% -5,00% 0,00% 5,00% 10,00% 15,00% BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 0,00% 0,20% 0,0% 0,60% 0,80% 1,00% 1,20% 1,0% BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP Todos os Direitos Reservados Página 2 6

7 RESULTADO DA CARTEIRA EM REAIS ATIVOS jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 FUNDOS RENDA FIXA , ,60 BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP n/d n/d n/d n/d , ,93 BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO n/d n/d n/d n/d ,3 BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO n/d n/d n/d n/d , ,95 BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO n/d n/d n/d n/d , ,67 CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP n/d n/d n/d n/d , ,57 CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP n/d n/d n/d n/d , ,02 CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA n/d n/d n/d n/d , ,03 FUNDOS FIDC , ,97 CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR , ,97 FUNDOS RENDA VARIÁVEL , ,5 BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 17.55, ,5 TOTAL GERAL , ,11 Todos os Direitos Reservados Página 2 7

8 RPPS CACEQUI PALAVRA DE ECONOMISTA PL Nome % Benchmark DEZEMBRO BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP ,93 10,65% CDI/Selic BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO ,3 2,95% IDKA 2 BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO ,95 17,88% IRF-M 1 BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO ,67 1,3% CDI/Selic CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP ,57 2,39% CDI/Selic CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP ,02 20,81% IMA-B CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA ,03 19,16% IRF-M 1 CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 83.51,97 9,79% FIDC BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO ,5 2,03% Ações Total da Carteira ,11 100,00% COMENTÁRIO DO ECONOMISTA A carteira de investimentos dos recursos previdenciários deste Regime Próprio de Previdência Social contempla na grande maioria aplicações em renda fixa, 98% aproximadamente. A alocação dos recursos representa uma MODESTA DIVERSIFICAÇÃO em relação ao perfil das aplicações e seus respectivos índices de referência, de tal maneira que há uma concentração de cerca de 20,8% dos recursos em IMA-B, 2,9% em IDKA 2, 27,3% em CDI/Selic, 37% em IRF-M 1, 9,7% em FIDC e uma participação de 2% em Ações. A partir do contexto atual de mercado, tal configuração das aplicações apresenta um PERFIL DE RISCO de mercado MODESTO, para a renda fixa, com perspectivas de proteção e baixa volatilidade, porém, ainda assim, desfavoráveis para o cumprimento da meta atuarial do presente exercício. Com efeito, diante da análise da conjuntura econômica, as condições de investimento em renda fixa, no curto prazo, representam uma tendência de proteção de carteira - principalmente para os investidores mais conservadores - ou, alternativamente, uma possível chance de diversificação em outros segmentos como opção à tentativa de atingir a meta atuarial do exercício, considerando o patamar atual de juros, especialmente se existir uma dinâmica de mercado aderente ao sistema de metas de inflação, realidade vigente da política monetária brasileira. Por conseguinte é preciso analisar e acompanhar investimentos alternativos, além de manter um processo de gestão dos recursos qualificado e diligente diante das circunstâncias econômicas. O patamar de juros da economia, atualmente, dificulta o cumprimento da meta atuarial de forma tranquila por parte dos INVESTIDORES INSTITUCIONAIS, porém realça uma tendência a investimentos alternativos, renda variável e outros segmentos, contanto que haja uma confiança na recuperação da atividade econômica, conforme perspectivas. Todos os Direitos Reservados Página 3 8

9 BENCHMARKS Benchmarks CDI Ibovespa IPCA+6% IPCA Selic IMA-B Cacequi dez/12 0,53% 6,05% 1,26% 0,79% 0,55% 1,92% n/d jan/13 0,59% -1,95% 1,37% 0,86% 0,60% 0,5% n/d fev/13 0,8% -3,91% 1,02% 0,60% 0,9% -0,88% n/d mar/13 0,5% -1,87% 1,02% 0,55% 0,55% -1,88% n/d abr/13 0,60% 0,78% 1,06% 0,55% 0,61% 1,58% n/d mai/13 0,58% -,30% 0,86% 0,37% 0,60% -,52% n/d jun/13 0,59% -11,31% 0,82% 0,35% 0,61% -2,79% n/d jul/13 0,71% 1,6% 0,5% 0,01% 0,72% 1,29% n/d ago/13 0,70% 3,68% 0,75% 0,2% 0,71% -2,61% n/d set/13 0,70%,65% 0,8% 0,35% 0,71% 0,39% n/d out/13 0,80% 3,66% 1,11% 0,57% 0,81% 0,91% n/d nov/13 0,71% -3,27% 1,01% 0,5% 0,72% -3,59% n/d dez/13 0,78% -1,86% 1,21% 0,72% 0,79% 1,31% 0,9% 8,00% 6,00%,00% 2,00% 0,00% -2,00% -,00% -6,00% -8,00% -10,00% -12,00% -1,00% CDI Ibovespa IPCA+6% IPCA Selic IMA-B Cacequi Todos os Direitos Reservados Página 9

10 Distribuição da Carteira por Índices DISTRIBUIÇÃO DOS ATIVOS POR ÍNDICES 27,38% 2,03% 20,81% ÍNDICES dez/13 nov/13 IMA-B 20,81% 21,52% CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 20,81% 21,52% IRF-M 1 37,0% 35,6% BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 17,88% 15,73% CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 19,16% 19,91% IDKA 2 2,95% 0,00% BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO XXX 2,95% 0,00% FIDC 9,79% 10,1% CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 9,79% 10,1% Crédito Privado 0,00% 0,00% 9,79% 2,95% Evolução Patrimonial (em R$milhões) 37,0% IMA-B IRF-M 1 IDKA 2 FIDC CDI/Selic Ações 8.00 CDI/Selic 27,38% 30,57% BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 10,65% 10,1% BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1,3% 17,95% CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 2,39% 2,9% Ações 2,03% 2,12% BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 2,03% 2,12% Todos os Direitos Reservados Página 5 10

11 RESUMO DAS MOVIMENTAÇÕES - NOV e DEZ/13 ATIVO DATA VALOR R$ MOVIMENTO BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 02/12/ ,00 APLICAÇÃO BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 02/12/ ,00 RESGATE BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 06/12/ ,1 APLICAÇÃO BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 11/12/ ,70 APLICAÇÃO BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 20/12/ ,00 RESGATE BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 23/12/ ,69 RESGATE BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 26/12/ ,37 APLICAÇÃO TOTAL DAS MOVIMENTAÇÕES APLICAÇÕES RESGATES SALDO CARTEIRA R$ ,8 R$ ,69 R$ ,11 Todos os Direitos Reservados Página 6 11

12 Relação de Parceria e Transparência na troca de Informações com os Gestores Públicos Todos os Direitos Reservados Página 7 12

13 ENQUADRAMENTO DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO PERANTE A RESOLUÇÃO CMN 3.922/10 Utilizando como referência os valores das aplicações de fechamento de Dezembro/2013, é possível verificar que o REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE CACEQUI/RS está enquadrado de acordo com os ditames da Resolução CMN nº 3.922/10. Contudo perante sua política de investimento esta desenquadrado, conforme quadro abaixo: SALDO Limite de Últimos Últimos FUNDO DE INVESTIMENTO % Recurso PL FUNDO % PL FUNDO Pol. De Investimento Mês Ano 31/12/2013 Concentração 6 meses 12 meses RPPS ,11 100,00% Meta Atuarial (6% + IPCA) 1,21% 11,91% 5,50% 12,00% Rentabilidade da Carteira 0,9% n/d n/d n/d Títulos Públicos 0% Ok Rentabilidade 2013 Fundos com Títulos Públicos - Artigo 7º, inciso I, B ,3 60,79% OK 70% Ok BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO ,3 2,95% ,6 0,01% OK 1,27% 3,88% 3,75% 3,78% BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRI ,95 17,88% ,35 0,03% OK 0,79% 7,11%,13% 7,08% CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP ,02 20,81% ,76 0,0% OK 1,30% -10,19% -1,95% -10,8% CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA ,03 19,16% ,17 0,03% OK 0,80% 7,26%,20% 7,23% Fundos com Títulos Públicos - Artigo 7º, inciso II - 0,00% OK 0% Ok Fundos de Renda Fixa - Artigo 7º, inciso III - 0,00% OK 20% Ok Fundos de Renda Fixa - Artigo 7º, inciso IV ,17 27,38% OK 0% Desenquadrado BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP ,93 10,65% ,58 0,31% OK 0,7% 7,57%,0% 7,5% BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO ,67 1,3% ,7 0,05% OK 0,79% 8,01%,32% 7,98% CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP ,57 2,39% ,18 0,01% OK 0,79% 8,11%,32% 8,08% FI Direitos Creditórios - Artigo 7º, Inciso VI 83.51,97 9,79% OK 10% Ok CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 83.51,97 9,79% ,56 0,08% OK 1,18% 10,00% 5,35% n/d FI em Ações - Art. 8º, inciso III ,5 2,03% OK 0% Desenquadrado BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO ,5 2,03% ,50 0,27% OK 0,19% 5,2% n/d n/d Todos os Direitos Reservados Página 8 13

14 RISCO X RETORNO Quando se fala em mercado financeiro, devemos levar em conta os conceitos sobre o retorno, risco e incerteza. Toda aplicação quando é feita, tem por objetivo futuro, a busca de um retorno, que esta associada às incertezas que existem sobre o resultado no final do período de investimentos, e portando esta incerteza sobre os resultados, é chamada de Risco. Através do Gráfico abaixo, Relação Risco x Retorno da Carteira, podemos visualizar se o risco está compatível com o retorno apresentado, ou não. Em uma carteira de ativos extremamente conservadores, o ideal é que o ponto de equilíbrio que identifica não se distancie para a direita em relação ao CDI, o que representaria um aumento de risco. Contudo, quanto maior for a distância do índice no sentido vertical, melhor será o retorno. Assim podemos analisar a relação risco retorno tendo como parâmetro o principal benchmark da carteira (quadro ativos distribuídos por índices). ATIVOS RISCO DA CARTEIRA Dezembro VAR - 95% CDI Ano últimos 6 Meses últimos 12 Meses Dezembro Ano últimos 6 Meses FUNDOS RENDA FIXA BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 0,00% 0,03% 0,02% 0,03% -8,75-8,28-12,79-8,29 BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,89% 1,59% 1,38% 1,59% 3,11-1,16-0,38-1,18 BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,05% 0,2% 0,19% 0,2% 1,16-1,73-1,05-1,7 BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,03% 0,0% 0,0% 0,0% 2,05-0,51-0,86-0,55 CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 0,00% 0,03% 0,02% 0,03% 6,30 0,6-1,73 0,62 CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 2,77%,6% 3,80%,7% 1,08-1,92-1,52-1,95 CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 0,06% 0,25% 0,20% 0,25% 1,7-1,0-0,73-1,1 FUNDOS FIDC CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 0,10% n/d 0,09% n/d 22,50 n/d 9,50 n/d FUNDOS RENDA VARIÁVEL BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 5,52% n/d n/d n/d -0,55 n/d n/d n/d SHARPE últimos 12 Meses Todos os Direitos Reservados Página 9 1

15 : : RS_CACEQUI 02/12/2013 até 31/12/2013 GRÁFICO Risco X Retorno Ativos Retorno (%) Mês Ano 6 meses 12 meses Período Saldo Inicial (R$) Saldo Bruto (R$) RS_Cacequi 0, , , ,11 % do CDI 120, , BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 0,7 7,57,0 7,5 0, , ,93 BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 0, , , ,5 BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1,27 3,88 3,75 3,78 1,27 0, ,3 BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,79 7,11,13 7,08 0, , ,96 BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 0,79 8,01,32 7,98 0, , ,67 CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 0,79 8,11,32 8,08 0, , ,57 CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 1,30-10,19-1,95-10,8 1, , ,02 CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 0,80 7,26,20 7,23 0, , ,03 CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 1,18-5,35-1, , ,97... CDI 0,78 8,06,36 8,0 0, Dólar 0,76 1,6 3,68 1,75 0, Euro 2,02 19,70 10,5 19,22 2, Ibovespa -1,86-15,50 12,55-17,65-1, IBX -3,08-3,13 11,79-5,1-3, IGP-M 0,60 5,53 3,66 5,51 0, Poupança 0,55 6,37 3,1 6,35 0,55 - -

16 Composição por ativo Composição por tipo de fundo CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 20,81 % Previdência 65,22 % CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 19,16 % Renda Fixa - Geral 2,99 % BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 17,88 % Direito Creditório 9,79 % BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 1,3 % BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 10,65 % CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR 9,79 % BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 2,95 % CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 2,39 % BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 2,03 %

17 DEMONSTRATIVO DAS APLICAÇÕES E INVESTIMENTOS DOS RECURSOS 7. DEMONSTRATIVO - RECURSOS APLICADOS Exercício: 2013 Gestão: Própria Entidade: 7.1. DEMONSTRATIVO - OPERAÇÕES COM TÍTULOS DO TN NO BIMESTRE Bimestre: CNPJ Ent. Credenciada: NOV/DEZ 7.2. DEMONSTRATIVO - CARTEIRA Aplicação Nº: 001 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI Renda Fixa/Referenciado Data da Posição Atual: 31/12/2013 Artigo 7º, inciso IV Instituição Financeira: Banrisul CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: 6710,3598 Valor Atual da Cota: 1,160 Valor total Atual: ,93 Índice de Referência: CDI PL do Fundo: ,58 % dos Recursos do RPPS: 10,65% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,31% Aplicação Nº: 002 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI 100% títulos TN - Art. 7º, I, "b" Data da Posição Atual: 31/12/2013 Instituição Financeira: BB Gestão de Recursos DTVM CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,877 Valor Atual da Cota: 1, Valor total Atual: ,3 Índice de Referência: IDKA 2 PL do Fundo: ,6 % dos Recursos do RPPS: 2,95% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,01% Aplicação Nº: 003 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI 100% títulos TN - Art. 7º, I, "b" Data da Posição Atual: 31/12/2013 Instituição Financeira: BB Gestão de Recursos DTVM CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,51 Valor Atual da Cota: 1,70980 Valor total Atual: ,95 Índice de Referência: IMA PL do Fundo: ,35 % dos Recursos do RPPS: 17,88% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,03% 17

18 Aplicação Nº: 00 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI Renda Fixa/Referenciado Data da Posição Atual: 31/12/2013 Artigo 7º, inciso IV Instituição Financeira: BB Gestão de Recursos DTVM CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,1191 Valor Atual da Cota: 1, Valor total Atual: ,67 Índice de Referência: CDI PL do Fundo: ,7 % dos Recursos do RPPS: 1,3% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,05% Aplicação Nº: 005 Segmento: Renda Variável Tipo de Ativo: FI em Ações - Art. 8º, Inciso III Data da Posição Atual: 31/12/2013 Instituição Financeira: BB Gestão de Recursos DTVM CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,6159 Valor Atual da Cota: 1,05230 Valor total Atual: ,5 Índice de Referência: Ações PL do Fundo: ,50 % dos Recursos do RPPS: 2,03% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,27% Aplicação Nº: 006 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI 100% títulos TN - Art. 7º, I, "b" Data da Posição Atual: 31/12/2013 Instituição Financeira: Caixa Econômica Federal CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,9 Valor Atual da Cota: 1,00832 Valor total Atual: ,03 Índice de Referência: IMA PL do Fundo: ,17 % dos Recursos do RPPS: 19,16% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,03% Aplicação Nº: 007 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI Direitos Creditórios Data da Posição Atual: 31/12/2013 Artigo 7º, Inciso VI Instituição Financeira: Caixa Econômica Federal CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo CAIXA RPPS ABERTO CONSIGNADO BMG FIDC SÊNIOR CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: 766, Valor Atual da Cota: 1100, Valor total Atual: 83.51,97 Índice de Referência: FIDC Nível de Risco: Médio Alto PL do Fundo: ,56 Agência: Standard & Poors % dos Recursos do RPPS: 9,79% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,08% 18 5

19 Aplicação Nº: 008 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI 100% títulos TN - Art. 7º, I, "b" Data da Posição Atual: 31/12/2013 Instituição Financeira: Caixa Econômica Federal CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: ,939 Valor Atual da Cota: 1,6589 Valor total Atual: ,02 Índice de Referência: IMA PL do Fundo: ,76 % dos Recursos do RPPS: 20,81% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,0% Aplicação Nº: 009 Segmento: Renda Fixa Tipo de Ativo: FI Renda Fixa/Referenciado Data da Posição Atual: 31/12/2013 Artigo 7º, inciso IV Instituição Financeira: Caixa Econômica Federal CNPJ da Inst. Financeira: / Fundo CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP CNPJ do Fundo: / Quantidade de Cotas: 99725,7565 Valor Atual da Cota: 2,06698 Valor total Atual: ,57 Índice de Referência: CDI PL do Fundo: ,18 % dos Recursos do RPPS: 2,39% Taxa de Performance: Não possui % do PL do Fundo: 0,01% Aplicação Nº: 010 Segmento: Disponibilidades Financeiras Saldo: - TOTAL APLICAÇÕES NO BIMESTRE: ,11 TOTAL DE DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS NO BIMESTRE: - TOTAL GERAL: ,

20 COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO 20 5

21 : : BANRISUL SOBERANO FI RENDA FIXA LP 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Títulos Federais 87,03 % Selic 87,03 % Operação compromissada 12,97 % Prefixado 12,97 % CDI 0,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo LFT Venc.: (01/09/2018) ,00 20,67 % LFT Venc.: (07/03/2015) 6.579,00 15,9160 % Operações Compromissadas - LFT Venc: (01/03/2018) ,00 12,977 % LFT Venc.: (07/03/201) ,00 11,2802 % LFT Venc.: (07/09/2017) ,00 10,9866 % LFT Venc.: (07/09/2015) 2.353,00 8,321 % LFT Venc.: (01/03/2018) 2.015,00 8,2059 % LFT Venc.: (07/09/201) ,00 6,036 % LFT Venc.: (07/09/2016) ,00,0307 % LFT Venc.: (07/03/2017) 5.309,00 1,811 % Outras Disponibilidades 6,00 0,0021 % Outros Valores a receber 0,00 0,0000 % Outros Valores a pagar -13,00-0,058 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,29 -

22 : : BB ALOCAÇÃO FIC AÇÕES PREVIDENCIÁRIO 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Fundos de Investimento 100,00 % Outros 99,95 % CDI 0,05 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Cotas de BB TOP EXPORTAÇÃO FIA 2.02,00 36,9820 % Cotas de BB TOP DIVIDENDOS FIA ,00 2,3030 % Cotas de BB TOP SETOR FINANCEIRO FIA 1.002,00 21,220 % Cotas de BB TOP SETORIAL SIDERURGIA FIA 11.56,00 17,5256 % Outras Disponibilidades 36,00 0,056 % Outros Valores a receber 0,00 0,0000 % Outros Valores a pagar -56,00-0,089 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,52 -

23 : : BB IDKA 2 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Títulos Federais 99, % Inflação 99,25 % Operação compromissada 0,56 % Prefixado 0,56 % Outros 0,00 % Selic 0,19 % Outros 0,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo NTN-B Venc.: (15/08/2016) ,00 5,6159 % NTN-B Venc.: (15/05/2015) ,00,6318 % Operações Compromissadas LFT ,00 0,5559 % LFT Venc.: (07/03/201).009,00 0,1928 % Operações Compromissadas - LTN Venc: (01/07/201) 115,00 0,0055 % Outras Disponibilidades 1,00 0,0000 % Outros Valores a receber 1,00 0,0000 % Outros 1,00 0,0000 % Valores a pagar / IR 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa Cetip Valores a pagar / Taxa de Auditoria Valores a pagar / Taxa Selic Valores a pagar / Taxa de Administração Valores a pagar / Taxa de Custódia -1,00 0,0000 % -,00-0,0002 % -5,00-0,0002 % -16,00-0,0008 % -17,00-0,0008 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,16 -

24 : : BB IRF M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Fundos de Investimento 100,00 % Outros 100,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Cotas de BB TOP IRF-M 1 FI RF ,00 100,0007 % Valores a pagar / Taxa Anbid 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Ajuste 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa de Auditoria Outros Valores a pagar Valores a pagar / Taxa CVM Valores a pagar / Taxa de Administração -3,00-0,0001 % -5,00-0,0001 % -5,00-0,0001 % -20,00-0,000 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,08 -

25 : : BB PERFIL FIC RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Fundos de Investimento 100,00 % Outros 100,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Cotas de BB TOP RF ARROJADO FI RENDA FIXA LP ,00 50,0006 % Cotas de BB TOP RF MODERADO FI RENDA FIXA LP ,00 50,0006 % Valores a pagar / Ajuste 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa Anbid 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa de Auditoria Outros Valores a pagar Valores a pagar / Taxa CVM Valores a pagar / Taxa de Administração -3,00-0,0001 % -,00-0,0001 % -5,00-0,0002 % -22,00-0,0008 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,1 -

26 : : CAIXA BRASIL FI REFERENCIADO DI LP 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Operação compromissada 51,37 % Prefixado 51,37 % Títulos Privados 27,63 % CDI 27,63 % Títulos Federais 21,00 % Selic 21,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Operações Compromissadas - LTN Venc: (01/01/2015) ,00 51,3779 % LFT Venc.: (01/09/2018) ,00 8,076 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ( /0001-0) ,00 6,5791 % LFT Venc.: (07/09/2017) ,00 5,631 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - PACTUAL ( /0001-5) ,00 3,871 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - HSBC ( / ) ,00 3,070 % LFT Venc.: (01/03/2019) ,00 3,030 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BRADESCO ( / ) ,00 3,0033 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - SANTANDER ( / ) 2.613,00 2,1635 % LFT Venc.: (01/03/2018) ,00 1,8693 % CDB Banco do Brasil / Venc.: 18/03/ ,00 1,6651 % LFT Venc.: (07/03/2015) 29.81,00 1,968 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - SAFRA ( / ) 26.52,00 1,366 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - VOTORANTIM ( / ) 20.17,00 1,0366 % LFT Venc.: (07/03/2017) ,00 0,8985 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO MERCANTIL DO BRASIL ( / ) ,00 0,7032 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO FIBRA ( / ) 13.77,00 0,682 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BIC ( / ) ,00 0,5189 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO INTERMEDIUM ( / ) / 1/0/ ,00 0,5183 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO BONSUCESSO ( /0001-3) 9.2,00 0,79 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BB ( / ) 6.51,00 0,3307 % CDB Banco Panamericano 5.217,00 0,269 % CDB BES 5.09,00 0,2563 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO CITIBANK ( / ) / 02/02/ ,00 0,2188 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO A J RENNER ( /0001-0) / 15/06/ ,00 0,2036 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - NBC BANK BRASIL ( /0001-5) / 17/06/ ,00 0,1873 % CDB Banco Indusval 3.30,00 0,1696 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO INTERMEDIUM ( / ) / 08/01/ ,00 0,1376 % Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO PINE ( / ) 2.62,00 0,1250 %

27 Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Depósitos a prazo e outros títulos de IF - BANCO A J RENNER ( /0001-0) / 15/06/ ,00 0,1166 % Outras Disponibilidades 1,00 0,0001 % Valores a pagar / Taxa Anbid 0,00 0,0000 % Outros Valores a pagar Valores a pagar / Taxa Cetip Valores a pagar / Taxa Selic Valores a pagar / Taxa de Auditoria Valores a pagar / Taxa de Administração -1,00-0,0001 % -,00-0,0002 % -,00-0,0002 % -,00-0,0002 % -93,00-0,007 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,53 -

28 : : CAIXA BRASIL IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA LP 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Títulos Federais 96,90 % Inflação 96,70 % Operação compromissada 3,10 % Prefixado 3,09 % Selic 0,21 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo NTN-B Venc.: (15/08/2016) ,00 16,708 % NTN-B Venc.: (15/08/2022) ,00 1,6673 % NTN-B Venc.: (15/05/205) ,00 11,9660 % NTN-B Venc.: (15/05/2015) ,00 9,1131 % NTN-B Venc.: (15/08/2030) 12.85,00 8,2960 % NTN-B Venc.: (15/08/200) ,00 6,7693 % NTN-B Venc.: (15/08/2050) ,00 6,6520 % NTN-B Venc.: (15/08/201) ,00 5,6798 % NTN-B Venc.: (15/08/2018) 27.13,00 5,5085 % NTN-B Venc.: (15/08/2020) ,00,5 % NTN-B Venc.: (15/05/2035) ,00 3,838 % Operações Compromissadas NTN ,00 3,0977 % NTN-B Venc.: (15/08/202) ,00 2,7552 % NTN-B Venc.: (15/05/2017) ,00 0,2597 % LFT Venc.: (07/03/2015) 10.83,00 0,2106 % Outras Disponibilidades 3,00 0,0001 % Operações Compromissadas - SELIC Venc: 15/05/205 0,00 0,0000 % Outros Valores a receber 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa Cetip Outros Valores a pagar Valores a pagar / Taxa de Auditoria Valores a pagar / Taxa Selic Valores a pagar / Taxa de Administração -1,00 0,0000 % -,00-0,0001 % -,00-0,0001 % -1,00-0,0003 % -236,00-0,007 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,66 -

29 : : CAIXA BRASIL IRF-M 1 TÍTULOS PÚBLICOS FI RENDA FIXA 31/12/2013 Tipo do Ativo Classe do Ativo Títulos Federais 65,30 % Prefixado 99,8 % Operação compromissada 3,70 % Selic 0,15 % Derivativos 0,00 % CDI 0,00 % Outros 0,00 % Ativo Valor investido (R$ mil) Participação do Ativo Operações Compromissadas NTN ,00 3,699 % LTN Venc.: (01/01/201) ,00 23,5505 % LTN Venc.: (01/0/201) ,00 1,1612 % LTN Venc.: (01/10/201) ,00 11,6783 % NTN-F Venc.: (01/01/201) ,00 8,169 % LTN Venc.: (01/07/201) 22.01,00 6,7378 % LTN Venc.: (01/01/2015) 53.32,00 0,8523 % LFT Venc.: (07/03/2015) 6.698,00 0,1068 % LFT Venc.: (07/03/201) 2.98,00 0,070 % Mercado Futuro - Posições compradas - DI1FUTN1 96,00 0,0015 % Mercado Futuro - Posições compradas - DI1FUTJ1 31,00 0,0005 % Mercado Futuro - Posições compradas - DI1FUTF15 8,00 0,0001 % Mercado Futuro - Posições vendidas - DI1FUTV1 5,00 0,0001 % Outros Valores a receber 2,00 0,0000 % Mercado Futuro - Posições compradas - DI1FUTF1 1,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa de Permanência 0,00 0,0000 % Valores a pagar / Taxa Anbid 0,00 0,0000 % Outras Disponibilidades 0,00 0,0000 % Outros Valores a pagar Valores a pagar / Taxa de Auditoria Valores a pagar / Taxa Selic Valores a pagar / Taxa de Administração -1,00 0,0000 % -,00-0,0001 % -12,00-0,0002 % -29,00-0,007 % Patrimônio Líquido (R$ mil) ,65 -

30 Dos Indicadores Econômicos Das Expectativas de Mercado Economistas questionam real impacto da copa do mundo Para a atividade em As projeções cada vez mais cautelosas para o cenário econômico em 201 têm gerado dúvidas sobre os benefícios que a Copa do Mundo vai gerar ao Brasil no ano de sua realização. Alguns economistas contestam estudos feitos na fase inicial de preparação do torneio, entre 2009 e 2011, e defendem que o discurso das autoridades, embasado por esses levantamentos, pode ter superestimado os impactos do megaevento esportivo para a economia brasileira. No site do governo federal sobre a Copa de 201, é possível encontrar um estudo feito em 2010 pela consultoria Valeu Partners Brasil. De acordo com a metodologia usada, a Copa deverá agregar R$ 183,2 bilhões ao Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro acumulado entre 2010 e 2019, algo como 0,% ao ano. Desse montante, 26% viriam de consequências diretas, como investimentos em infraestrutura e gastos durante a competição, e outros 7% seriam resultantes da "recirculação" de dinheiro na economia após o Mundial. O estudo também prevê a criação de 710 mil empregos entre 2010 e 201 e um aumento de R$ 5 bilhões no consumo das famílias no mesmo período. Já o incremento no faturamento do setor de turismo seria de R$ 9, bilhões nos meses de junho e julho do ano que vem. A metodologia usada não leva em conta que a crise internacional tende a reduzir o fluxo de turistas estrangeiros, ou que empresas podem ter repensado suas intenções de contratação, seja por um ganho de produtividade, seja pela expectativa de menor demanda. o governo brasileiro citou estudos "extremamente otimistas" para justificar a realização da Copa do Mundo e fortalecer uma atmosfera positiva com relação à economia brasileira. "Teria sido melhor, inclusive para a imagem do Brasil, fazer projeções mais modestas e, depois, ter surpresas positivas." Mercado espera pouco Um estudo publicado em novembro de 2013 pela Tendências Consultoria mostra que a Copa do Mundo no Brasil deve exercer influência inexpressiva sobre o varejo em 201. "Se por um lado a venda de televisores será maior nos meses que antecedem o evento, a venda de outros bens duráveis, como móveis, perderá força", conta Mariana Oliveira, economista especialista em crédito e comércio varejista da Tendências Consultoria. Os próprios segmentos beneficiados, como o de eletrônicos, devem passar por uma "ressaca" após o pico de vendas. "O resultado é um efeito adicional quase nulo para o desempenho do varejo como um todo. É muito difícil achar uma referência que comprove impactos positivo em outros países-sede, completa. A Tendências estima um crescimento de 2,9% para o varejo em 201, sendo que 2% se referem à expectativa para o desempenho habitual do setor e 0,9% correspondem aos efeitos da Copa do Mundo e do Minha Casa Melhor - programa do governo federal que facilita a compra de eletrodomésticos pelos 30 5

31 participantes do Minha Casa Minha Vida. "É preciso ponderar que o Minha Casa Melhor tem mais peso dentro desses 0,9%. A Copa conta pouco nesse cálculo", diz Mariana. A Tendências espera que o PIB brasileiro cresça 2,1% em 201, com contribuição "próxima de zero" do Mundial. As previsões do mercado financeiro de crescimento do Brasil em 201, de 2%, ou ligeiramente menos, estão bem calibradas. Mas com medidas de política econômica relativamente tópica, o ritmo pode ser acelerado para 3%. Do ponto de vista do mercado de trabalho, a fase em que parte do crescimento do PIB se dava apenas por incorporação de mão de obra terminou, com o desemprego em recorde de baixa e a queda no ritmo de expansão da população em idade de trabalhar. 2 O resultado do IPCA (Índice de Preço ao Consumidor), que é o índice de inflação oficial do governo, ficou em 5,91%, mostrando que a perspectiva para a inflação em 201 é preocupante e que dificilmente registrará uma alta inferior a esta, com represamento da inflação, com desonerações ao longo do ano (em energia), junto com IPI e mais aumento da gasolina abaixo do esperado. O IPCA não está em um nível real, está abaixo, e pela necessidade de ajustes nos próximos anos, as desonerações vão começar a ser repensadas, trazendo impacto nos preços. Para o governo, a expectativa era de que o IPCA ficasse abaixo do divulgado em 2012 (5,8%), como efeito da politica monetária, daquele ano. A presidente Dilma Rousseff não deverá permitir ousadia maior do BC em 201, pois o esforço da politica monetária que não está surtindo efeito esperado, não será repetido, pelo menos no ano das eleições. O resultado também ficou acima do intervalo das estimativas dos analistas do mercado, que esperavam uma taxa entre 5,73% e 5,88%, com mediana de 5,81%. Em dezembro do ano passado, o índice subiu 0,92%, ante uma variação positiva de 0,5% em novembro. 3 - A produção industrial, divulgado pelo IBGE (Índice Brasileiro de Geografia e Estatística), caiu 0,2% em novembro, com relação a outubro. Na série com ajuste sazonal, o resultado veio melhor que as expectativas dos analistas do mercado financeiro, que estimaram uma queda entre 0,60% e 1,50%, com mediana negativa de 1,00%. Quando comparado com novembro de 2012, a produção subiu 0,%. Nesta comparação, as estimativas foram de queda de 0,50% a 1,90%, o que gerou também mediana negativa de 1,00%. Contudo, mesmo com resultado da produção industrial de novembro vindo acima das expectativas, as projeções para o fechamento de 2013 e para este ano é visto com viés de baixa. O primeiro dado antecedente de dezembro, que foi o da ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), aponta um resultado muito fraco no ultimo mês do ano de Caso confirmado tal resultado, que ainda não fechou, teremos um efeito colateral indesejado muito reduzido para 201. Apesar disso, a produção de bens de capital caiu 2,6% na margem. A alta de 1,2% na produção de bens de capital acumulada ao longo de 2013 até novembro foi consequência do setor de veículos pesados. Porém, para o ano de 201, o contexto é de menores desembolsos do PSI (Programa de 31 5

32 Sustentação do Investimento), junto com isso, as taxas de juros menos favoráveis. A produção de bens de capital deverá mostrar um desempenho menor do que foi no ano passado e, se contarmos com esse crescimento menor, o cenário para 201 pode ser menos favorável. Nossa projeção para a produção industrial de 2013 é de alta de 1,6% e de 2,7% para 201. Dependendo de como vier o resultado de dezembro, tais projeções deveram ser revisadas para baixo. O resultado de 2013, certamente não será capaz de recuperar a queda de 2,7% na indústria em Acalmando com parte do pessimismo do mercado, afastando o risco de rebaixamento da nota de crédito do Brasil e reduzindo as críticas à política fiscal, foi anunciado pelo ministro da Fazenda Guido Mantega, o resultado das contas públicas da União em O superávit primário da economia, para o pagamento de juros da dívida pública do governo central, que reúne Tesouro Nacional, Banco Central (BC) e Previdência Social, atingiu R$ 75 bilhões no ano passado, através da contabilidade criativa do governo Dilma Rousseff. Contudo, a equipe econômica realizou um esforço fiscal acima da meta assumida, de R$ 73 bilhões. Em dezembro, o superávit foi de R$ 1 bilhões. O resultado, porém, foi alcançado graças às receitas extraordinárias que não devem se repetir este ano. Os números serão detalhados no fim deste mês. As importações realizadas em 2012, registradas somente em 2013, com as exportações de plataformas de petróleo, que nunca saíram do Brasil. Por isso a contabilidade criativa, concentrada na conta petróleo. O resultado primário do governo central de R$ 73 bilhões deveu-se por receitas não recorrentes, pelo fato de ter sido salvo por receitas extras, como o Refis da Crise, que injetaram nas contas do governo o parcelamento de dívidas tributárias, criados para aumentar a arrecadação. Para ter uma ideia, somente em novembro, esse reforço adicional foi na ordem de R$ 20 bilhões. Com mais R$ 15 bilhões devido ao pagamento do bônus de assinatura do leilão de Libra. Com as despesas elevadas, mais arrecadações afetada pelo baixo crescimento da economia e também por desonerações, o governo teve dificuldades para fechar as contas em 2013, mesmo com uma meta que já havia sido revista para baixo. Inicialmente, o superávit primário do setor público foi fixado em R$ 155,9 bilhões, ou 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB). Mas o governo abateu desonerações e investimentos e reduziu o esforço fiscal para R$ 110,9 bilhões (2,3% do PIB). Desse total, R$ 63 bilhões cabiam ao governo central e R$ 7,8 bilhões a estados e municípios. Em meados da segunda semana de dezembro, as exportações brasileiras superam em mais de R$ 1 bilhão as importações, resultado que não foi alterado. A reversão desses dados, 2012 e 2013, foi demasiadamente violenta, o saldo comercial despencou mais de 90%. A queda não teria sido tão grande caso o volume estimado de US$ 5 bilhões em importações de petróleo e derivados não tivessem sido registrados pelo governo em Tal compra de combustivel no exterior ocorreram em 2012, mas o governo, com sua contabilidade criatividade, prorrogou a inscrição deste dado para a balança comercial de Com isso, o ano começou com grandes rombos externos. Contudo, as contas foram arrumadas por outra operação envolvendo o setor petrolífero. As plataformas de petróleo, na terceira semana de dezembro, somaram US$ 7,70 bilhões, impactando 351% o mesmo resultado do período de Como dito acima, com o auxilio na conta comércio exterior nacional, essas plataformas sequer saíram do Brasil. De acordo com os técnicos do governo federal, a contabilidade criativa nessas contas não mascarou o quadro inevitável para Diante da piora no cenário global, as exportações perderam força, por ter menos mercados com recursos para reter produtos nacionais. A inclusão dos importados no consumo local brasileiro é crescente, apesar da desaceleração da economia brasileira. 32 5

33 Para Gabriela Fernandes, especialista em comércio exterior do Banco Itaú, o saldo da balança comercial deve se aproximar de US$ 7 bilhões em 201 constituindo em uma pequena melhora sobre o quadro verificado em Mas essa melhora será resultado mais da desaceleração das importações, devido à desvalorização cambial, do que uma melhora das exportações, que devem ficar em patamar semelhante ao de 2013", estima Gabriela. As exportações da indústria ainda vão demorar a reagir à melhora do câmbio, apontando necessidade para os fabricantes de manufaturados, de aprimorar a infraestrutura brasileira. 201 será um ano chave para determinar o quadro da balança comercial até o fim da década. Dado o ritmo fraco de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), o saldo comercial deve melhorar efetivamente devido à questão cambial. 5 O último mês do ano, tradicionalmente conhecido pela saída de recursos, fechou com saldo negativo de US$ 8,780 bilhões do fluxo cambial. Esse foi o pior dezembro da série histórica iniciada em Também foi a maior saída de recursos mensal desde setembro de 1998, quando ficou em US$ 18,919 bilhões. A maior fuga de recursos no último mês de um ano tinha sido em 2012 (US$ 6,8 bilhões), mas nos dois anos anteriores também o resultado ficou no vermelho: US$ 2 bilhões em 2011 e US$ 1,9 bilhão. Com o resultado fechado de dezembro, o saldo voltou a ficar negativo depois de registrar entradas de US$ 2,50 bilhões em novembro. Naquele mês, houve o rompimento da trajetória de cinco meses consecutivos em que as saídas de dólares superaram as entradas. Para se ter uma ideia, em outubro foi registrado o maior fluxo negativo do ano até então, de US$ 6,2 bilhões. Montante tão grande que se esvaiu do País havia sido visto apenas em dezembro do ano passado. Desde o início do ano, o fluxo só foi positivo nos meses de março (US$ 391 milhões), abril (US$ 3,515 bilhões) e maio (US$ 10,755 bilhões). Em todos os outros, a conta fechou no vermelho, com a maior saída, até então, sendo verificada em agosto (US$ 5,850 bilhões) e a menor, em fevereiro (US$ 105 milhões). As operações financeiras responderam pela saída líquida de US$ 6,898 bilhões em dezembro, diferença entre ingressos de US$ 5,267 bilhões e retiradas de US$ 52,166 bilhões. O mercado financeiro confiava que o quantitative easing (programa de incentivo monetário estadunidense) desenvolvido pelo banco central norte-americano ficassem intacto por mais um pequeno período, confiando que os sinais emitidos pela futura presidente do órgão (Fed banco central americano, sigla em inglês), Janet Yellen, tais sinalizações continham o entendimento de que o atual presidente, Ben Bernanke, estivesse concordado com este posicionamento identificado na fala de sua sucessora. A surpresa pela decisão anunciada por Bernanke estabelecendo o inicio do tapering (redução dos estímulos) de US$ 10 bilhões mensais em dezembro, com inicio no próximo mês, janeiro. Apesar de parcialmente os mercados já terem precificado esta ocorrência, inquestionavelmente tornando-a efetiva tal decisão, há impactos que estão se consolidando nos mercados globais, tendendo a ser mais relevantes nas economias emergentes. Contudo, a retomada do dinamismo da economia norte-americana passou a evidenciar-se acima das melhores projeções, e isso passa a criar esperanças de que o total da redução possa a ser elevado em breve. Isto posto, começam a surgir expectativas de que a elevação do juro no Estados Unidos possa ser antecipado, ao previsto a partir da fala de Ben Bernanke, quando foi anunciado a decisão de tal redução. Fato este, que seria de 33 5

34 extrema importância naquele mercado e mundo afora, e mais intensamente nas economias ditas emergentes. Para o Brasil, que já tem sua perspectiva negativa para o setor externo, uma eventual elevação nos juros (deles) poderia acentuar significativamente o movimento de saída de divisas, que aqui foram locadas, para países desenvolvidos, principalmente aos Estados Unidos, potencializando a retração dos investidores estrangeiros em alocar recursos no Brasil, por serem mais escassos, ou mais caros ou até mesmo peã perda cada vez maior de atrativos locais. O Brasil passou a ser um país desestimulante ao olhar dos estrangeiros no contexto econômico atual, com problemas presentes na macroeconomia envolvendo baixa expectativa de crescimento. Uma política fiscal deteriorada, junto com inflação elevada (mesmo com preços administrados reprimidos), tornam as projeções para o ano de 201 negativas, amplamente desapontadoras. Para nós, haverá uma forte demanda ao longo do 1º trimestre deste ano, o que nos leva a acreditar que a taxa cambial deva ser de R$ 2,50, no final do período. 6 De acordo com o último Boletim Focus, divulgado pelo BC, as projeções para o juro básico da economia em 201 é de 10,50%. A expectativa é de um aumento de 25 pontos-base nesta reunião do Copom, que será realizada nos dias 15 e 16 de janeiro. O vértice para julho 201 (07) aponta 10,28%, justificando até o momento que o aperto monetário está próximo do fim. 7 - Renda Variável. O principal índice da BM&FBovespa, o Ibovespa, encerrou o ano com queda acumulada de 15,5%. Foi o pior desempenho de 2013 entre os principais índices globais. O Índice Dow Jones (EUA) ganhou 25,0%. Já o europeu FTSE 300, valorizou-se 16%. À medida que os mercados desenvolvidos como a Europa e os Estados Unidos se beneficiaram de sinais de recuperação econômica, no Brasil a deterioração do cenário fiscal, junto com o crescimento econômico baixo e a pressão inflacionária, Investidores globais mantiveram-se distantes do mercado local. Porém, em dezembro, o índice acumulou perda de 1,86%. Durante o ano de 2013, A bolsa brasileira apresentou fortes oscilações devido à volatilidade provocada pelo mercado internacional, diante de expectativas em relação ao que o FED faria sobre o quantitative easing. Também influenciaram negativamente o Ibovespa as perdas de companhias que tiveram participação expressiva na formulação do calculo do Índice Bovespa, como a OGX, a petroleira do empresário Eike Batista, que entrou com pedido de recuperação judicial no final de outubro e mudou de nome para Óleo e Gás; e a Petrobras, pressionada pela defasagem do preço da gasolina. O ano de 201, não deverá apresentar grandes mudanças na política econômica, devido à eleição presidencial de outubro, porém, permanece o risco de rebaixamento das notas de créditos nacionais, reduzindo o rating da economia brasileira. Ademais, o banco central norte-americano dará inicio no mês de janeiro o desmonte do programa de compra de US$ 85 bilhões em títulos públicos e hipotecários ao mês. Tal redução, será de US$ 10 bilhões, passando a manter recompras de US$ 75 bilhões ao mês. Que por sinal, tem sido favorável aos preços das ações, já que existe a expectativa de uma possível elevação nas taxas básicas de juros daquele país em Renda Fixa. As Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B), títulos públicos que pagam uma taxa de juro pré-fixada mais a variação da inflação no período, medida pelo IPCA, foram o destaque negativo do ano (apesar de variação positiva de +0,16% no mês) com perdas de 33,0% (principal 2035). Para as NTN-Bs com vencimento mais curtos, como 2015, obtiveram variação positiva de,68% no ano e 1,13% no mês. As NTN-F com vencimento em

INTRODUÇÃO. Todos os Direitos Reservados www.ibrama.org.br Página 2

INTRODUÇÃO. Todos os Direitos Reservados www.ibrama.org.br Página 2 FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR - FAPS JÓIA RELATÓRIO MENSAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS FEV/13 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como os demais anexos nele constantes,

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS. RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE CARAZINHO/RS RELATÓRIO BIMESTRAL DA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Fevereiro/15 INTRODUÇÃO Informamos que o conteúdo deste relatório bem como

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014 Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão de Investimentos do Regime Próprio de Previdência do Município

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Maio/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 30.04.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total Santa Helena Consultoria de Investimentos TC Consultoria de Investimentos Consultor Responsável: Diego Siqueira Santos Certificado pela CVM, Ato declaratório 11.187, de 23 de Julho de 2010 jan/12 Aplicações

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014 Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2014 : : GLOSSÁRIO Informamos algumas definições técnicas que foram apresentadas a seguir, sobre os instrumentos matemáticos e estatísticos que

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Setembro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos 1 CENÁRIO ECONÔMICO Economia Internacional RECUPERAÇÃO Produção Industrial (total) 115.00 Revisões

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

RENDIMENTO X META ATUARIAL BB PREVI RF IDKA 2 1.211.884,00 BB PREVD RF IRF-M 671.325,46

RENDIMENTO X META ATUARIAL BB PREVI RF IDKA 2 1.211.884,00 BB PREVD RF IRF-M 671.325,46 JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO FAPS FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR SALVADOR DO SUL SALVADOR DO SUL CNPJ 12.799.725/000170 DEMONSTRATIVO

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 12/2013 Data: 25/07/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Cenário Econômico. Alocação de Recursos

Cenário Econômico. Alocação de Recursos BB Gestão de Recursos DTVM S.A. Cenário Econômico UGP- Unidade de Gestão Previdenciária BB Gestão de Recursos DTVM S. A. Alocação de Recursos setembro/2015 Outubro/2015 Cenário Econômico Economia Internacional

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS JANEIRO-2015

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS JANEIRO-2015 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS JANEIRO- ÍNDICE DEMOSTRATIVO DAS APLICAÇÕES DA

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 01/2015 O Comitê

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Novembro/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.10.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos CENÁRIOS ECONÔMICOS JUROS JUROS x INFLAÇÃO x META ATUARIAL Meta Atuarial = 6,00% + IPCA (FOCUS

Leia mais

JANEIRO de 2013. www.atuarialconsultoria.com.br

JANEIRO de 2013. www.atuarialconsultoria.com.br JANEIRO de 2013 1 ÍNDICE 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 05 PÁG 2. INFORMAÇÕES CONTRATUAIS FUNDOS DE INVESTIMENTO 06 2.1. Fundos de Investimento do Banco do Brasil 06 2.1.1. BB Previdenciário Renda Fixa IMA

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal de Investimentos Fundo Financeiro e Previdenciário Fevereiro Rio de Janeiro 2015 1 Diretoria de Investimentos Gustavo de Oliveira Barbosa Diretor Presidente

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos em janeiro de 2016

Relatório Analítico dos Investimentos em janeiro de 2016 Este relatório atende a Portaria MPS nº 519, de 24 de agosto de 2011, Artigo 3º Incisos III e V. Relatório Analítico dos Investimentos em janeiro de 2016 Carteira consolidada de investimentos - base (janeiro

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 06/2015 O Comitê

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 08/2014 Data: 29/04/2014 Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013 Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Semestre de 2013 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO, DESEMPENHO, RENTABILIDADE E RISCOS 1º Semestre / 2013 : : GLOSSÁRIO Informamos algumas definições técnicas que foram

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 04/2015 O Comitê

Leia mais

GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA RPPS PONTÃO MARÇO

GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA RPPS PONTÃO MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Focus Relatório de Mercado de 6 de março de 2015. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/pec/gci/port/readout/r20150306.pdf.

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira.

Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 07/2015 O Comitê

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015 1. Alocação recomendada para Maio de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO Expectativas de Mercado BACEN (17/04/2015) Pág. 2 abril de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % FEVEREIRO MARÇO DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 03/2015 O Comitê

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO-2015

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO-2015 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO- ÍNDICE DEMOSTRATIVO DAS APLICAÇÕES DA

Leia mais

PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI

PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI PARECER MENSAL - 8/2015 22/09/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Clarice Scheit Calgaro; Atendendo a necessidade

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Relatório Mensal - Novembro de 2013

Relatório Mensal - Novembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor Depois de quatro meses consecutivos de alta, o Ibovespa terminou o mês de novembro com queda de 3,27%, aos 52.842 pontos. No cenário externo, os dados

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO NOVEMBRO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO VICENTE DO SUL/RS FUNDO DE APOSENTADORIA DO SERVIDOR MUNICIPAL - FASEM POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2014 14 SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Meta de Rentabilidade... 3 3. Modelo

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO

PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO PARECER MENSAL - 4/2015 14/05/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Adélio Dalmolin; Atendendo a necessidade do Instituto

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 07 de março de 2012. CENÁRIO ECONÔMICO EM FEVEREIRO O mês de fevereiro foi marcado pela continuidade do movimento de alta dos mercados de ações em todo o mundo, ainda que em um ritmo bem menor

Leia mais

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015

CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FII (CXRI11) Informativo Mensal Janeiro/2015 Objetivo e Política do Fundo O fundo CAIXA RIO BRAVO FUNDO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII tem como objetivo proporcionar retorno aos seus cotistas por meio de uma carteira diversificada de

Leia mais

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015

Boletim de Risco Ano III. Nº 22. Agosto/2015 Boletim de Risco Ano III. Nº. Agosto/ Cenário O mês de julho foi marcado por uma nova rodada de turbulências políticas e macroeconômicas que resultaram numa expressiva alta do CDS soberano brasileiro (gráfico.),

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo

Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo Banrisul Previdência Municipal Fundo de Investimento Renda Fixa de Longo Prazo CNPJ 08.960.975/0001-73 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013 Data: 27/11/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015

CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 Avaliação da Carteira de Investimentos Janeiro/2015 1 CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO 2015 O ano de 2015 inicia com grandes desafios no ambiente econômico internacional, principalmente em relação as incertezas

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Relatório Mensal Dezembro de 2015

Relatório Mensal Dezembro de 2015 Relatório Mensal Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa teve um desfecho melancólico no ultimo mês de 2015, fechando com queda de 3,92% e acumulando uma retração de 13,31% no ano. O cenário econômico

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

Perfin Long Short 15 FIC FIM

Perfin Long Short 15 FIC FIM Perfin Long Short 15 FIC FIM Relatório Mensal- Junho 2013 O Perfin LongShort 15 FICFIM tem como objetivo gerarretorno superior ao CDIno médio prazo. O fundo utiliza-se de análise fundamentalista eaestratégia

Leia mais

Informativo Semanal de Economia Bancária

Informativo Semanal de Economia Bancária 1 Comentário Semanal A semana começa ainda sob impacto do debate acerca da evolução do quadro fiscal e seus possíveis efeitos sobre o crescimento da economia e, conseqüentemente, sobre os juros em 2010.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JULHO - 2015. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JULHO - 2015. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JULHO - 2015 Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão de Investimentos do Regime Próprio de Previdência do Município

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2015

Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2015 Relatório Analítico dos Investimentos no 1º Trimestre de 2015 Este relatório atende a Portaria MPS nº 519, de 24 de agosto de 2011, Artigo 3º Incisos III e V. : : GLOSSÁRIO Informamos algumas definições

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 1/2015 13/04/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 1/2015 13/04/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO RELATÓRIO TRIMESTRAL - 1/2015 13/04/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Sorriso - MT PREVISO Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Adélio Dalmolin; Atendendo a necessidade do

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2014 1 No segundo trimestre de 2014, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 1,41%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 2,51% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Performance da Renda Fixa em 2013

Performance da Renda Fixa em 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 Material produzido em junho de 2013 Performance da Renda Fixa em 2013 O que tem acontecido com os investimentos em renda fixa? Nos últimos meses temos visto o mercado

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

SJPREV São José Previdência - SC

SJPREV São José Previdência - SC RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JANEIRO - 2015 SJPREV São José Previdência - SC INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão de Investimentos do São José Previdência foi elaborado pela SMI Consultoria de Investimentos

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 23/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Alta Floresta - MT IPREAF

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 23/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Alta Floresta - MT IPREAF RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 23/07/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Alta Floresta - MT IPREAF Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Valmir Guedes Pereira; Atendendo a necessidade

Leia mais

Apresentação. (http://www.bcprevi.sc.gov.br/investimentos/pi2014.pdf).

Apresentação. (http://www.bcprevi.sc.gov.br/investimentos/pi2014.pdf). RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO: 28/02/2014 1 2 Apresentação Dentro do princípio da transparência, apresentamos o relatório da administração com a data base de 28/02/2014, prestando contas do período que se

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.885/0001-45 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IRF - M Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1

A seguir, detalhamos as principais posições do trimestre. PACIFICO HEDGE JULHO DE 2015 1 No segundo trimestre de 2015, o fundo Pacifico Hedge FIQ FIM apresentou rentabilidade de 3,61%, líquida de taxas. No mesmo período, o CDI apresentou variação de 3,03% e o mercado de bolsa valorizou-se

Leia mais

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional

Cenários. Cenário Internacional. Cenário Nacional Ano 7 Edição: maio/2015 nº 57 Informações referentes a abril/2015 Cenários Cenário Internacional No mês de abril, o crescimento dos EUA se mostrou enfraquecido, com criação de empregos abaixo do esperado

Leia mais

Informe Mensal Mai 12

Informe Mensal Mai 12 Informe Mensal Mai 12 Especial Institucional Tendências do Mercado Palavra do Gestor A Taxa Selic e a Bolsa de Valores Juros Até a última reunião do Banco Central, as expectativas para queda da Selic se

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 22/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI

RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 22/07/2015. Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI RELATÓRIO TRIMESTRAL - 2/2015 22/07/2015 Regime Próprio de Previdência Social do município de Vera - MT VERA - PREVI Prezado(a) Diretor(a) Executivo(a), Sr(a). Clarice Scheit Calgaro; Atendendo a necessidade

Leia mais

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10)

PROGRAMA DETALHADO Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) PROGRAMA DETALHADO Programa da Certificação Detalhado Profissional da Certificação ANBIMA Profissional Série 10 (CPA-10) ANBID Série 10 Controle: D.04.08.07 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão:

Leia mais