SISTEMA DE DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO ESTADO DE GOIÁS NA INTERNET (SIG OnLine)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO ESTADO DE GOIÁS NA INTERNET (SIG OnLine)"

Transcrição

1 SISTEMA DE DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO ESTADO DE GOIÁS NA INTERNET (SIG OnLine) LEVINDO CARDOSO MEDEIROS LUCIANO CORREIA SANTOS DE OLIVEIRA MÁRCIO MARTINS DA SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO APRESENTADO À COORDENAÇÃO DE GEOMÁTICA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESTADO DE GOIÁS. PROF. ORIENTADOR CLEMENTINO FERREIRA. MS. NILSON GOIÂNIA 2005

2 II

3 SISTEMA DE DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO ESTADO DE GOIÁS NA INTERNET (SIG OnLine) LEVINDO CARDOSO MEDEIROS LUCIANO CORREIA SANTOS DE OLIVEIRA MÁRCIO MARTINS DA SILVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO APRESENTADO À COORDENAÇÃO DE GEOMÁTICA DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESTADO DE GOIÁS. PROF. ORIENTADOR CLEMENTINO FERREIRA. MS. NILSON GOIÂNIA 2005 III

4 LEVINDO CARDOSO MEDEIROS LUCIANO CORREIA SANTOS DE OLIVEIRA MÁRCIO MARTINS DA SILVA SISTEMA DE DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS DO ESTADO DE GOIÁS NA INTERNET (SIG OnLine) Banca Examinadora Avaliação Goiânia, / /2005. IV

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos, primeiramente, ao nosso orientador, Nilson Clementino Ferreira, pela paciência, compreensão e apoio oferecido; ao CEFET-GO, instituição pública, gratuita e de qualidade, que nos proporcionou acesso à ciência, à cultura e a uma nova forma de ver o mundo. Agradecemos a Maria Luiza Osório Moreira e Heitor Faria da Costa da SIC/SGM pelo fornecimento das informações geográficas utilizadas no projeto e a Ney F. Pinheiro da Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN) pelo apoio técnico oferecido. Cabe nos também agradecer ao Governo de Goiás, através da SIC/SGM e SEPLAN a confiança e o prestígio nos concedido ao solicitar que este trabalho fosse integrado ao projeto governamental SIEG, oportunizando assim maior divulgação do nosso trabalho e da instituição CEFET-GO, no âmbito de diversos segmentos da sociedade goiana, nacional e mesmo internacional. V

6 RESUMO Atualmente, com a crescente utilização das geotecnologias, muitas instituições vêm produzindo grandes quantidades de informações geográficas. Contudo a publicação ou disponibilização dessas informações para a sociedade em geral, ocorre ainda de maneira pouco eficiente, gerando, portanto uma grande carência de informações, que não puderam, devido à falta de recursos e domínio tecnológico, serem publicadas e/ou disponibilizadas. Mas com o constante desenvolvimento da Internet esta se proveu de recursos gráficos, tornando-se um meio atraente e apresentável para a disseminação de informações geográficas. Neste trabalho desenvolveu-se um projeto para disponibilizar informações geográficas sobre o Estado de Goiás na Internet de forma interativa e dinâmica utilizando softwares livres. VI

7 ABSTRACT Presently, with the increment of the use of the geotechnology, many institutions are producing great amounts of geographical information. However the publication or availability of those information to the society in general is still a little efficient way generating, therefore, a great amount of information that could not be able published or available due to the lack of resources and technological control. But with the constant development of the Internet it was provided of graphic resources, becoming an attractive and presentable way to spread the geographical information. In this work a project was developed to make available geographical information about the State of Goiás in an interactive and dynamic way within the Internet using free softwares. VII

8 SUMÁRIO 1 - Introdução Objetivos Gerais Específicos Fundamentações Teóricas Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas (SIEG) Internet World Wide Web (WWW) Hypertext Markup Language (HTML) Common Gateway Interface (CGI) Java Script Servidores Web Servidores de Mapas Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Métodos de Disponibilização de Mapas na Internet Revisão Bibliográfica Materiais e Procedimentos Metodológicos Levantamento Bibliográfico Aquisição dos Dados Configuração do Sistema de Mapas Dinâmicos e Interativos Organização das Informações Geográficas Geração e Edição da Página HTML Conclusão e Considerações Finais Referências Bibliográficas Bibliografia Anexo VIII

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Estrutura do SIEG Figura 2 - Portal SIEG Figura 3 - Realidade modelada por entidades gráficas vetoriais Figura 4 - Mapas na Web Figura 5 - Estrutura de um servidor Web com plug-in Figura 6 - Estrutura de um servidor Web com servidor de mapas Figura 7 - Instalação do Apache Web Server Figura 8 - Estrutura de diretórios do Apache Web Server Figura 9 - Instalação do MapServer Figura 10 - Estrutura das vistas Figura 11 - Convenção da simbologia Figura 12 - Edição dos campos da tabela de atributos Figura 13 - Estrutura de Diretórios Figura 14 - Menu MapServer Figura 15 - Função Gera Arquivos MapServer Figura 16 - Função Save Reference Map Figura 17 - Função Gera Busca (seleção das vistas) Figura 18 - Função Gera Busca (seleção dos temas) Figura 19 - Função Gera Busca (seleção do campo da tabela) Figura 20 - Portal SIG OnLine Figura 21 - Portal SIEG com o link SIG OnLine IX

10 1 1 - Introdução A Internet surgiu com diversas limitações em relação à computação gráfica; no início, possibilitava apenas a visualização de textos, sendo utilizada exclusivamente por instituições acadêmicas e científicas. Com os avanços ocorridos nos últimos anos, foram desenvolvidas tecnologias que permitiram a disponibilização de novas funcionalidades tais como visualização de imagens e transmissão de áudio e vídeo por meio de robustas ferramentas de navegação, tornando-se um ambiente ideal para disseminação das mais diversas informações configurando-se assim em um novo veículo para transferência de informações para praticamente todos os segmentos da sociedade que utilizam computadores. Este extraordinário desenvolvimento permitiu à Internet se especializar provendo recursos para apresentação gráfica, tornando-se um meio atraente e eficiente para a disseminação de informações geográficas. Na atualidade é possível disponibilizar algumas funcionalidades de um Sistema de Informações Geográficas (SIG) a partir de um browser de Internet permitindo que usuários executem consultas em uma base de dados geográficos localizada remotamente. Porém, como esta capacidade ainda se encontra em fase de pesquisa e desenvolvimento, nota-se uma enorme carência de informações geográficas na rede. Apesar de diversas instituições produzirem uma quantidade considerável deste tipo de informação, estas geralmente ainda não estão disponíveis, uma vez que muitas instituições produtoras de informações geográficas desconhecem a importância da disseminação desse tipo de informação, ou ainda não possuem o domínio tecnológico para utilizar ferramentas computacionais para a publicação de informações geográficas na Internet. O Estado de Goiás por possuir um grande acervo de informações geográficas armazenadas em meio digital, que são de interesse da maioria dos segmentos da sociedade, a partir do dia 14 de maio de 2005 passou a utilizar ferramentas tecnológicas que tornam possível a disponibilização de informações geográficas na Internet através do Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas (SIEG). Assim, este trabalho veio a contribuir com mais uma ferramenta para o domínio desta tecnologia, proporcionando um outro meio de proporcionar à sociedade em geral o acesso às informações geográficas já produzidas por órgãos de Governo do Estado, valorizando desta forma todo o esforço na produção de tais informações e finalmente dominando este crescente ramo da tecnologia que é a transferência de informações geográficas utilizando a Internet.

11 2 Com este intuito desenvolveu-se neste trabalho um sistema de disponibilização de mapas dinâmicos e interativos com objetivo de integrá-lo ao SIEG, proporcionando ao usuário comum acesso a informações geográficas espacializadas do Estado de Goiás através da Internet, sem necessidade de instalação de programas computacionais adicionais para a visualização e análise destes dados. Adotou-se na elaboração deste trabalho o software ArcView 3.2 para a organização das informações geográficas e os softwares livres Apache Web Server como servidor Web e o servidor de mapas MapServer que proporciona a construção de aplicações para a Internet focadas em informações geográficas. Os dados e informações geográficas utilizadas no sistema foram adquiridos junto a Divisão de Geoprocessamento do Departamento de Gestão Territorial da Agência Goiana de Desenvolvimento Industrial e Mineral (AGIM), atualmente Divisão de Geoprocessamento da Gerência de Geoinformação da Superintendência de Geologia e Mineração da Secretaria de Indústria e Comércio do Estado de Goiás. Essa base de dados e informações é composta por elementos da cartografia básica, geologia, infra-estrutura e imagens de satélites do Estado de Goiás.

12 3 2 - Objetivos Gerais Desenvolver um sistema de mapas dinâmicos e interativos com a finalidade de integrá-lo ao Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas disponibilizando o acesso ao usuário comum a informações geográficas do Estado através da Internet, sem a necessidade do usuário possuir programas computacionais adicionais instalados em seu computador Específicos - Organizar as informações geográficas obtidas a partir do programa SIG-GOIÁS para disponibilização através da Internet. - Elaboração de uma página na Internet para visualização e consulta de mapas dinâmicos e interativos.

13 4 3 - Fundamentações Teóricas Para o melhor entendimento deste trabalho, serão abordados alguns tópicos de fundamental importância para a compreensão dos conceitos científicos e técnicos adotados Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas (SIEG) O Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas surgiu de uma demanda da Rede Goiás de Planejamento, Orçamento e Gestão. Esse sistema integra e auxilia as ações do governo, no âmbito de todos os órgãos da administração pública estadual, criando condições efetivas para o desempenho das funções básicas do planejamento, estatística, pesquisa, informação, orçamento, modernização de gestão e qualidade. O SIEG é composto por todos os órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, gerenciado pela Secretaria do Planejamento e Desenvolvimento (SEPLAN) através da Superintendência de Estatística, Pesquisa e Informação (SEPIN). Existe em cada unidade setorial, um representante que responde pelas atividades referentes ao Sistema de Informações Estatísticas e outro que compõe o Comitê Gestor do Sistema de Informações Geográficas, conforme Figura 1. Figura 1 - Estrutura do SIEG. Fonte: SEPLAN

14 5 A missão do Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas (SIEG) é desenvolver a cultura da gestão das informações estatísticas e geográficas no Estado de Goiás para subsidiar o planejamento e o gerenciamento das ações governamentais, e ao mesmo tempo suprir as demandas da sociedade por informações. Pretende otimizar as áreas de informações geográficas e estatísticas no Estado, através de um sistema unificado e integrado, visando o conhecimento da realidade de Goiás e de seus municípios. A unificação, padronização e disponibilização dessas informações além de promover a integração técnica entre os órgãos estaduais, tem como objetivo ainda: I. Centralizar o registro e armazenamento de informações estatísticas e geográficas, através da criação de um banco de dados estadual; II. Subsidiar a Rede Goiás de Planejamento, Orçamento e Gestão com as informações estatísticas necessárias para a gestão e construção de indicadores para acompanhamento dos programas governamentais (PPA); III. Promover o intercâmbio técnico e de informações estatísticas e geográficas entre as unidades que compõem a Rede Goiás de Planejamento, Orçamento e Gestão; IV. Padronizar as informações que constituirão a Base de Dados do Sistema de Informações Estatísticas e Geográficas de Goiás; V. Sistematizar a coleta e a manutenção das informações nas unidades setoriais; VI. Viabilizar a capacitação e reciclagem dos técnicos do Sistema de Informações Estatísticas e Geográficas de Goiás; VII. Apoiar a viabilização de recursos para a otimização da área de estatística das unidades setoriais; e VIII. Acompanhar e avaliar o setor de estatística das unidades setoriais, garantindo atualidade e confiabilidade das informações divulgadas.

15 6 A disponibilização das informações estatísticas e geográficas do Estado de Goiás aos usuários se dá através do Portal SIEG - Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas (www.sieg.go.gov.br), ilustrado na figura 2. Figura 2 - Portal SIEG. Fonte: Internet A Internet surgiu em 1973, criada pelo norte-americano Vinton Cerf como parte de um projeto patrocinado pela Agência de Programas Avançados de Investigação (ARPA, sigla em inglês) do Departamento de Defesa dos Estados Unidos. Nesse projeto foram desenvolvidos o Protocolo de Internet (IP, sigla em inglês) suporte lógico básico empregado para controlar o sistema de redes e o Protocolo de Controle de Transmissão (TCP, sigla em inglês) que comprova se a informação chegou ao computador de destino e, caso contrário, faz com que seja novamente remetida. Começou com diversas limitações, no início possibilitava apenas a visualização de textos, sendo utilizada exclusivamente por instituições acadêmicas e cientificas. Porém, devido ao grande potencial que a Internet oferecia, novos usuários surgiram, tornando-se necessário o desenvolvimento de novas tecnologias que permitissem a disponibilização de

16 7 novas funcionalidades tais como visualização de imagens, transmissão de áudio e vídeo, e também o desenvolvimento de ferramentas interativas para navegação na rede. Atualmente há uma diversidade de ferramentas e tecnologias que implementam os serviços na Internet, dentre as quais se destaca o uso da linguagem Java como facilitador na troca de informações gráficas; com relação às interfaces, as mais comuns são Static Files, Java/ActiveX, formulários Hipertext Markup Language (HTML), e plug-ins; quanto a conexão com as plataformas de visualização, destacam-se, as soluções baseadas em Common Gateway Interface (CGI) e na interoperabilidade de objetos World Wide Web (WWW) Desenvolvida em 1989, por Timothy Berners-Lee, cientista do Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN), teve com objetivo inicial possibilitar que equipes internacionais de pesquisadores de física de alta energia compartilhassem informações entre si. Subseqüentemente, tornou-se uma plataforma para desenvolvimento de softwares relacionados. O número de computadores vinculados e de usuários cresceu vertiginosamente e atualmente serve de suporte a uma grande variedade de projetos, incluindo o mercado em grande escala. A WWW apresenta como principais características o acesso à biblioteca de recursos através da Internet, o acesso à visualização e o intercambio de uma grande variedade de informações, sendo que seus recursos são organizados de modo que os usuários possam se mover facilmente de uma página para outra. As conexões entre computadores de fontes (sistemas operacionais), ou servidores diferentes, na rede são realizadas automaticamente sem serem vistas pelos usuários. Essas conexões são realizadas com o uso de hipertexto e hipermídia. Geralmente, os usuários navegam através das informações na WWW com a ajuda do programa conhecido como browser ou cliente. O browser pode apresentar texto, imagem, som ou outros objetos na tela do computador do usuário na forma de uma página, obtida a partir do servidor. O usuário pode navegar através da informação apontando para um texto em especial para outros objetos na tela. Esses textos especiais ou objetos vinculam o usuário a outras páginas do mesmo servidor ou a qualquer outro servidor acessível na rede. Os vínculos da Internet formam uma base de informações em grande escala em formato multimídia através de palavras e imagens. Existem

17 8 também implementações em pequena escala (Intranet) presentes em redes de empresas, usadas para aplicações particulares. As páginas WWW são formatadas usando a Hipertext Markup Language e a comunicação entre computadores utiliza o Hypertext Transfer Protocol (HTTP). Essa comunicação ocorre geralmente através da Internet via conexões do tipo Transmission Control Protocol (TCP), mas quase todos os tipos de conexões podem ser utilizados para esse fim. O hipertexto é o método de apresentação de informações em que são disponibilizadas conexões entre determinadas partes de um texto, tornando-as uma rede complexa e não seqüencial de associações de assuntos, permitindo que temas distintos sejam examinados em função do interesse ou necessidade do usuário, independentemente de sua ordem de apresentação Hypertext Markup Language (HTML) Linguagem aplicada a World Wide Web a partir de 1989 baseia-se em marcas sendo o formato padrão do código fonte de documentos de texto e páginas da Web. As marcas existentes nos documentos HTML indicam os atributos do texto que está sendo inserido, como responder a eventos gerados pelo usuário. Sendo o vínculo (Link) a marca mais importante que contém o URL (Universal Resource Locator) de outro documento ou uma posição determinada dentro desse mesmo documento. O vínculo permite ao usuário visualizar o conteúdo de outra página que não estava sendo exibida. Nas páginas da Web é comum ainda utilizar a linguagem HTML para incluir figuras e sons, além de vínculos para outros arquivos que não têm seu conteúdo exibido na própria Internet, sendo permitido ao usuário gravá-los (download) em seu próprio computador para posteriormente acessá-los utilizando um programa computacional específico. A popularização das páginas Web se deve à facilidade da implantação do padrão HTML e sua constante evolução, o que possibilita que qualquer fabricante de software produza seu próprio navegador Web.

18 9 Exemplo de código HTML: <HTML> Cabeçalho <HEAD> <TITLE> Título da página </TITLE> </HEAD> <BODY> Conteúdo da página </BODY> </HTML> Common Gateway Interface (CGI) Common Gateway Interface (CGI), proporciona a execução de programas ("gateways") sob um servidor de informações. Os "gateways" são programas ou scripts (também chamados "cgi-bin") que recebem requisições de informação, retornando um documento HTML com os resultados correspondentes. Esse documento pode já existir previamente, ou pode ser gerado pelo script especialmente para atender à requisição. Tais scripts podem ser escritos em qualquer linguagem que possa ler, argumentar, processar dados e retornar respostas, ou seja, qualquer linguagem de programação. As aplicações baseadas em CGI incluem: Processamento de dados submetidos através de formulários - consulta a banco de dados, cadastramento em listas, livros de visita, pesquisas de opinião; Criação de documentos personalizados em tempo real; Gerenciamento de contadores de acesso; e Processamento de mapas.

19 Java Script Linguagem de programação desenvolvida pela Netscape Communications, com o intuito de capacitar a linha de produtos desta empresa (browser e Web Server) em uma linguagem básica de scripting, baseada na linguagem Java, que por sua vez tem as suas origens nas linguagens de programação C e C++. Possibilita a construção de páginas interativas, servindo também como plataforma de integração com Java, e outros scripts e objetos utilizados em páginas de Internet, permitindo deste modo o desenvolvimento de aplicações para uso na Internet e em Intranet. Normalmente a linguagem Java Script se encontra embutida no código HTML, a fim de controlar diferentes elementos da página. Exemplo de linguagem Java Script: <script> function TestaVal() { if (document.testesub.teste.value == "") { alert ("Campo nao Preenchido...Form nao Submetido") return false } else {alert ("Tudo Ok...Form Submetido") return true }} </script> Servidores Web Um programa servidor possibilita que algum tipo de serviço seja disponibilizado para outros programas (denominados clientes). A conexão entre programas clientes e servidores é implementada normalmente através de passagem de mensagens (message passing), por meio de uma rede e utilizando algum protocolo para codificar as requisições dos clientes e as respostas do servidor. O servidor deve rodar de maneira contínua (como um programa residente em memória ou daemon), e desta forma ficar esperando requisições para tratar ou pode ser chamado por um daemon de um nível mais alto que controle um número específico de programas servidores.

20 11 Exemplos de servidores: Samba - software de código aberto que consiste em uma suíte que fornece de uma maneira simples serviços de compartilhamento de arquivos e impressão para clientes SNB/CIFS. O Samba opera apenas em plataformas UNIX, mas utiliza o protocolo nativo dos clientes Windows. É formado basicamente por dois programas, "smbd" e "nmbd" que permitem utilizar os serviços de compartilhamento de arquivos e impressão, autenticação e autorização, resolução de nomes e identificação de serviços (service announcement ou browsing). Virtual Network Computing (VNC) - consiste em um sistema de display remoto que permite acessar o ambiente de um desktop não apenas no servidor em que esteja instalado, mas também a partir de qualquer ponto na Internet e através de uma grande variedade de arquiteturas. Assim, o VCN possibilita a execução de programas para o Windows a partir de um computador com sistema operacional Linux. NcFTPd - servidor de FTP de alta performance para a plataforma de sistema UNIX, projetado especialmente para páginas com alto tráfego de dados e provedores de serviços para Internet. Servidor popular entre estudantes, usuários caseiros, páginas educacionais e comerciais. O NcFTPd é altamente configurável e inclui um poderoso suporte para utilização de hosts e usuários virtuais. Apache - software livre configurável e expansível com o uso de módulos de terceiros (third-party) e pode ser totalmente adaptado com a utilização de sua própria API (Apache module API) que possibilita o desenvolvimento de novos módulos, caso necessário. Este servidor apresenta como principais características: - Suporte a scripts CGI usando linguagens como PHP, Perl, ASP, Shell Script, etc; Módulos DSO (Dynamic Shared Objects) que permitem adicionar/remover funcionalidades e recursos sem necessidade de re-compilação do programa; - Autenticação, requerendo um nome de usuário e senha válidos para acesso a alguma página, subdiretório ou arquivo (suportando criptografia);

21 12 - Suporte à autorização de acesso, podendo ser especificadas restrições de acesso separadamente para cada endereço, arquivo ou diretório acessado no servidor; - Suporte a virtual hosting, por nome ou endereço IP: é possível servir 2 ou mais páginas com endereços ou portas diferentes através do mesmo processo, ou usar mais de um processo para controlar mais de um endereço; - Suporte a servidor Proxy FTP e HTTP, com limite de acessos. Suporte a Proxy e redirecionamentos baseados em URLs para endereços internos; - Suporte a criptografia via SSL, certificados digitais; - Negociação de conteúdo, permitindo a exibição da página Web no idioma requisitado pelo Cliente Navegador; - Suporte a tipos mime; e - Personalização de logs Servidores de Mapas São responsáveis pelo gerenciamento das informações geográficas dentro do servidor Web. Dentre os diversos servidores de mapas existentes, destaca-se o software MapServer, desenvolvido pela Universidade de Minessota (EUA), por ser um programa de domínio público disponibilizado gratuitamente, além do fato de não requerer programa aditivo (plugin) para ser executado. O MapServer proporciona a construção de aplicações para a Internet espacialmente ativas. Suporta diversos sistemas populares OpenSource 1 ou freeware (gratuitos) como Shapelib, FreeType, Proj.4, libtiff, Perl entre outros. Opera em diversos sistemas operacionais UNIX, Linux e Windows NT/98/95. 1 Opensource, ou código fonte aberto são softwares não proprietários; o desenvolvedor disponibiliza o código fonte juntamente com o software para que outros programadores possam modificá-lo.

22 13 Suporta a extensão MapScript o que permite o uso de linguagens script como Perl, Python, Tk/Tcl, Guile e até Java para acessar a API C do MapServer. O MapScript proporciona um ambiente rico para desenvolvimento de aplicações que integram diferentes tipos de dados, que possibilita integrar informações de diversos bancos de dados com dados SIG em um único mapa ou em uma página da Web. O servidor de mapas MapServer é composto basicamente por quatro componentes: - Formulário de inicialização: inicializa as variáveis internas do MapServer, especificando o nome e o endereço do arquivo de parametrização; - Arquivo de parametrização: contém parâmetros para a exibição e consulta de dados e informações geográficas; - Interface: possibilita o usuário navegar e consultar a base de informações geográficas disponível; e - Dados e informações geográficas. Além do fato de ser disponibilizado gratuitamente, de oferecer um excelente desempenho e de não requerer qualquer programa aditivo o MapServer oferece ainda um número significativo de outras características tais como: - Suporte aos formatos vetoriais: Shapefiles ESRI com feições simples embutidas, ArcSDE ESRI (versão alpha); JPEG e EPPL7; - Suporte aos formatos raster (apenas 8-bits): TIFF/GeoTIFF, GIF, PNG, ERDAS, - Indexação espacial quadtree para Shapefiles; - Completamente personalizável com saída orientada em templates; - Seleção de feições por item/valor, ponto, área ou outra feição;

23 14 - Suporte à fonte TrueType; - Suporte para dados matriciais e vetoriais (apenas apresentação); - Geração automática de legenda e barra de escala dependendo da característica do desenho e da aplicação em execução; classes; - Geração de mapas temáticos usando expressões lógicas ou regulares baseadas em - Característica de rotulação incluindo mediação de colisão de rótulos; - Configuração dinâmica através de URLs; e - Projeção dinâmica Sistemas de Informações Geográficas (SIG) Um SIG pode ser definido como um conjunto de conceitos, de métodos, de instrumentos e de dados de referência espaço-temporal que são coordenados, em um sistema computacional, a fim de capturar, de armazenar, de transformar, de analisar, de modelar, de simular e de representar os fenômenos e os processos distribuídos no espaço geográfico. Assim a operacionalização de um SIG implica na organização, principalmente, de cinco elementos: equipamentos computacionais, programas computacionais, dados geográficos, recursos humanos e métodos de trabalho. Esses elementos básicos são organizados de acordo com as particularidades de um modelo teórico (Thériault, 2002). Atualmente, os equipamentos computacionais se configuram como sendo a parte mais simples do processo, pois esses equipamentos além de fornecerem grande poder de processamento, ainda possuem compatibilidade praticamente total com os diversos dispositivos da computação eletrônica atualmente disponível. Outro aspecto importante está relacionado com a sistemática diminuição dos custos para aquisição desses dispositivos. Com relação aos programas computacionais, com os recentes avanços da informática, estão disponíveis um grande número de programas para o processamento de dados geográficos. Encontram-se desde programas gratuitos até aqueles com custos elevados.

24 15 A escolha do programa computacional depende exclusivamente do modelo teórico, que por sua vez irá influenciar as características dos dados geográficos a serem processados e também as informações que deverão ser geradas. Geralmente os programas computacionais comerciais apresentam alta performance, facilidade de utilização, boa documentação, bom suporte técnico, contudo o crescimento de programas computacionais de domínio público vem alterando este quadro aceleradamente. Conforme a dimensão espacial, o nível de detalhe do espaço geográfico e a complexidade do modelo teórico, é necessário que seja estruturada uma equipe multidisciplinar. A estruturação de uma equipe com tal característica muitas vezes é uma tarefa complexa, pois os membros desta equipe além de possuírem certo domínio tecnológico das ferramentas computacionais ainda devem estar aptos e predispostos para interagir entre si e transitarem por outras disciplinas, ou seja, a equipe deverá ser interdisciplinar. Para que seja possível gerar um sistema de informações geográficas, é necessário construir um modelo computacional do espaço geográfico que está sendo tratado. O resultado deste modelo computacional é denominado banco de dados geográficos. Para a construção deste modelo, divide-se o espaço geográfico em camadas temáticas (drenagem, malha viária, limites políticos, relevo, cobertura vegetal, uso do solo, clima, sócio economia, etc.), escolhese os atributos relevantes que devem ser qualificados ou valorados, para em seguida realizarse o mapeamento ou espacialização de cada uma dessas camadas. Cada camada é composta por entidades geométricas (pontos, linhas, polígonos ou células) sendo que cada entidade geométrica possui um número identificador, através do qual esta entidade geométrica pode estar associada por meio de tabelas. Assim, se uma determinada camada temática é composta por superfícies (ex: municípios, tipologia vegetal, tipologia pedológica, corpos d água, unidades geológicas ou geomorfológica, etc), esta camada deverá ser representada por polígonos e cada um deles terá sua respectiva descrição. Por exemplo, um polígono representando um município poderá ter como descrições o seu nome, população, renda per capita, altitude média, temperatura média, índice de alfabetização, etc. Por outro lado, se uma camada temática é composta por elementos lineares (retas e curvas), ela será representada por linhas (ex: riachos, córregos, estradas, linhas de transmissão elétrica, redes de distribuição de água, etc). Da mesma forma que os polígonos, para cada linha será associado um conjunto de descrições. Finalmente, se um determinado elemento localizado geograficamente não possuir comprimento ou ainda, sua área não for relevante em relação à escala trabalhada, este elemento terá uma representação pontual e como nos outros

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA SERVIÇOS WEB

PRODUÇÃO CARTOGRÁFICA SERVIÇOS WEB SERVIÇOS WEB World Wide Web Evolução de simples páginas com conteúdo estático para páginas com conteúdos dinâmicos (extraídos, principalmente, de Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados SGBD) Tecnologias

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO

CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO CAPÍTULO 2 ARQUITETURAS CLIENTE-SERVIDOR PARA DISSEMINAÇÃO DE DADOS GEOGRÁFICOS: UMA REVISÃO Existem várias maneiras com as quais dados geográficos podem ser distribuídos pela Internet, todas fundamentadas

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

Introdução ao ArcGIS

Introdução ao ArcGIS Introdução ao ArcGIS Maria Cecilia Brandalize Novembro, 2011 Tópicos O que é um SIG? A estrutura do ArcGIS Dados utilizados no ArcGIS Operações básicas com o ArcGIS Edição de dados Combinação de dados

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP

OpenJUMP. Pontos fracos do OpenJUMP OpenJUMP No início foi chamado apenas de JUMP (JAVA Unified Mapping Platform), e se tornou popular no mundo livre de SIG(Sistema de informação Geográfica), desenhado por Vivid Solutions. Atualmente é desenvolvido

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1

Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Desenvolvimento de Mapas Interativos Utilizando Tecnologias Livres 1 Fernando Martins Pimenta 2, Elena Charlotte Landau 3, André Hirsch 4 e Daniel Pereira Guimarães 3 1 Projeto financiado pela FAPEMIG

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source 1 02 DESTINATÁRIOS Todos os que trabalhando ou que virão a trabalhar com tecnologia

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Introdução ao Mapserver

Introdução ao Mapserver Introdução ao Mapserver SigWeb by João Araujo 2/28 Mapserver Ambiente de desenvolvimento para construção de aplicações espaciais voltadas para WEB; Não é um GIS completo, nem tem este objetivo; Criado

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Linux - Servidor de Redes

Linux - Servidor de Redes Linux - Servidor de Redes Servidor Web Apache Prof. Roberto Amaral WWW Breve histórico Início 1989 CERN (Centro Europeu de Pesquisas Nucleares) precisava de um meio de viabilizar o trabalho cooperativo

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo

Mapserver Servidor de Mapas. João Araujo Mapserver Servidor de Mapas João Araujo Por que fazer mapas? Mapas têm tido papel prepoderante nas atividades humanas por milhares de anos. Desde o início, mapas eram usados para mostrar onde as coisas

Leia mais

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos

GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos GISWEB - Informação Geográfica ao Alcance de Todos Bruno Perboni Qualityware Conselheiro Laurindo 825 cj. 412 centro Curitiba PR fone: 3232-1126 bruno@qualityware.com.br Maysa Portugal de Oliveira Furquim

Leia mais

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG

Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto. Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Título Utilização de Software Livre Terralib para o Cadastro de Redes de Água e Esgoto Tema: Sistema de Informações Geográficas - SIG Autor/apresentador Eng. José Maria Viillac Pinheiro Currículo Sócio

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010

Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 Serviço de Consulta Versão: outubro/ 2010 1 Índice Portal CopaGIS...3 1 - Como se cadastrar...4 2 - Serviços do Portal de Geoprocessamento...8 3 - Serviço de Consulta...9 3.1 - Dados informativos... 10

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

milenaresende@fimes.edu.br

milenaresende@fimes.edu.br Fundação Integrada Municipal de Ensino Superior Sistemas de Informação A Internet, Intranets e Extranets milenaresende@fimes.edu.br Uso e funcionamento da Internet Os dados da pesquisa de TIC reforçam

Leia mais

Clientes. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ministério das Cidades. Agência Nacional de Águas. Correios IMBEL

Clientes. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ministério das Cidades. Agência Nacional de Águas. Correios IMBEL Helton UCHOA OpenGEO A OpenGEO é uma empresa de Engenharia e Tecnologia que atua em 3 grandes segmentos: Sistemas de Gestão Corporativa (ERP & GRP), Geotecnologias e Treinamentos; Em poucos anos, a OpenGEO

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs

SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs SIGWeb Builder: Um Software Livre para Desenvolvimento de SIG Webs Helder Guimarães Aragão 1,2,3, Jorge Campos 1 1 GANGES Grupo de Aplicações e Análises Geoespaciais Mestrado em Sistemas e Computação -

Leia mais

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/ IPEAMAPAS Disponibilização de forma espacializada dos dados publicados pelo IPEA; Permite interatividade com outros dados disponíveis (infraestrutura, assistência social, saúde, educação, cultura e dados

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Por que Geoprocessamento?

Por que Geoprocessamento? Um pouco sobre a NOSSA VISÃO Processamento Digital é um endereço da Web criado pelo geógrafo Jorge Santos com objetivo de compartilhar dicas sobre Geoprocessamento e Software Livre. A idéia surgiu no ano

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo

Conheça o Projeto. Apresentação. Finalidade. Objetivo Manual do Usuário Índice Conheça o Projeto...3 Apresentação...3 Finalidade...3 Objetivo...3 Histórico...4 Usando o Portal...5 Efetuando o cadastro na biblioteca digital...5 Logando na Biblioteca Digital...6

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Tecnologias para Web Design

Tecnologias para Web Design Tecnologias para Web Design Introdução Conceitos básicos World Wide Web (Web) Ampla rede mundial de recursos de informação e serviços Aplicação do modelo de hipertexto na Web Site Um conjunto de informações

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO

GUIA DE UTILIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO SPLAN Gerência de Informação em Saúde GIS GUIA DE UTILIZAÇÃO E NAVEGAÇÃO -1- SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE GOIÁS SECRETÁRIA Irani Ribeiro de Moura SUPERINTENDÊNCIA DE

Leia mais

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica

Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Mapa índice digital na CPRM: recurso a serviço da disseminação da informação cartográfica Isabel Angela dos Santos Matos (CPRM) - isabel.matos@cprm.gov.br Resumo: Este

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET. Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CONCEITOS BÁSICOS DE INTERNET Disciplina: INFORMÁTICA 1º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA conceito inicial Amplo sistema de comunicação Conecta muitas redes de computadores Apresenta-se de várias formas Provê

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Programação e Designer para WEB

Programação e Designer para WEB Programação e Designer para WEB Introdução Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Introdução a hipertexto. A linguagem HTML.

Leia mais

Serviços de rede INSPIRE: visualização e descarregamento

Serviços de rede INSPIRE: visualização e descarregamento Serviços de rede INSPIRE: visualização e descarregamento Implementação utilizando o MapServer Danilo Furtado Laboratório Nacional de Engenharia Civil Agenda 1. Serviço de visualização INSPIRE View Service

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas

Internet. Protocolos. Principais Serviços. E-MAIL Chat TELNET FTP. Definições Básicas Internet A Internet surgiu a partir de um projeto da agência norte-americana ARPA com o objetivo de conectar os computadores dos seus departamentos de pesquisa. Essa conexão iniciou-se em 1969, entre 4

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO PROFª MSC. MARIANE ALVES DAL SANTO MAURICIO SILVA Laboratório de Geoprocessamento - GeoLab

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO GEOPROCESSAMENTO. Introdução ao Geoprocessamento. Conceitos básicos 18/06/2015. Conceitos básicos GEOPROCESSAMENTO INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Prof. Esp. André Aparecido da Silva Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Conceitos básicos Componentes de um SIG Entrada de Dados em Geoprocessamento

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados

Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Tópicos de Ambiente Web Conceitos Fundamentais Redes de Dados Professora: Sheila Cáceres Computador Dispositivo eletrônico usado para processar guardar e tornar acessível informação. Tópicos de Ambiente

Leia mais

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias

Geoprocessamento com Software Livre. Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias Geoprocessamento com Software Livre Anderson Maciel Lima de Medeiros Consultor em Geotecnologias SUMÁRIO O que é Software Livre? A GLP GNU Geoprocessamento Algumas Geotecnologias Geotecnologias Livres

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima

INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET. Prof. Marcondes Ribeiro Lima INFORMÁTICA FUNDAMENTOS DE INTERNET Prof. Marcondes Ribeiro Lima Fundamentos de Internet O que é internet? Nome dado a rede mundial de computadores, na verdade a reunião de milhares de redes conectadas

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview

Importação de arquivos Raster e Vetorial no Terraview MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB

INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 INFOAMBIENTE: GESTÃO AMBIENTAL DE RODOVIAS COM SIG-WEB Adriano Peixoto Panazzolo (*), Augusto Gattermann Leipnitz, Daniela Viegas, Társio Onofrio Cardoso da Silva, Thiago

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.

Curso de Economia para Jornalistas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov. Curso de Economia para Jornalistas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Erivelton Pires Guedes erivelton.guedes@ipea.gov.br mapas@ipea.gov.br IpeaMapas Roteiro Missão do Ipea Objetivos principais Principais

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST

Manual do Usuário. E-DOC Peticionamento Eletrônico TST E-DOC Peticionamento APRESENTAÇÃO O sistema E-DOC substituirá o atual sistema existente. Este sistema permitirá o controle de petições que utiliza certificado digital para autenticação de carga de documentos.

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Introdução. Ciência da Computação DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA WEB. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com

Introdução. Ciência da Computação DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA WEB. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Ciência da Computação DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PARA WEB Introdução Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com INTERNET Criada a ARPANET em 1970 com a finalidade de conectar departamentos

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

ATIVIDADES DO NGEO. As atividades do NGEO se dividem em basicamente duas linhas principais:

ATIVIDADES DO NGEO. As atividades do NGEO se dividem em basicamente duas linhas principais: O NGEO O Núcleo de Geoprocessamento NGEO, inaugurado oficialmente em 02 de dezembro de 2004, está subordinado à gerência de Tecnologia e é o local na Agência Ambiental responsável pela verificação da qualidade

Leia mais

Geoprocessamento e Padrões OGC

Geoprocessamento e Padrões OGC Geoprocessamento e Padrões OGC Martin Pereira 36 slides Agenda Geoprocessamento Definição Histórico SIG OGC Definição Importância Histórico Padrões Slide 2 de 36 Geoprocessamento Definição Disciplina do

Leia mais

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3

Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Manual do Usuário BDGEx Versão: 2.3 Ministério da Defesa Exército Brasileiro Maio/2012 Sumário 1- Introdução...2 1.1- O que é o BDGEx?...2 1.2- Entrando no Sistema...2 1.3- Apresentando a Área de Trabalho

Leia mais

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I

Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Apostila do curso: Quantum GIS Básico Módulo I Helio Larri Vist Geógrafo Mestre em Sensoriamento Remoto Ayr Müller Gonçalves Educador Físico e Graduando em Segurança da Informação Rai Nunes dos Santos

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet

Princípios de Internet e Termos mais Utilizados. Internet Princípios de Internet e Termos mais Utilizados Internet A Comunicação é a melhor palavra para descrever a Internet. São serviços e facilidades que, para algumas pessoas, é o lugar onde elas encontram

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Redes de Computadores II Na aula de hoje iremos conhecermos e relembrarmos duas ferramentas do Windows, chamadas de ipconfig e nslookup. Além disso, iremos discutirmos

Leia mais