MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO ( ).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO (1977 1981)."

Transcrição

1 MÍDIA E POLÍTICA NA ABERTURA DA DITADURA MILITAR: O TELECURSO 2º GRAU DA FUNDAÇÃO ROBERTO MARINHO ( ). Wellington Amarante Oliveira 1 RESUMO Estetexto tem por objetivo central apresentar os alguns dos resultados da dissertação de mestrado intitulada Telecurso 2º Grau: paradigma no ensino pela TV e legitimação política da Rede Globo ( ), defendida no ano de 2011 no Programa de Pós-graduação em História da UNESP, campusde Assis, sob orientação do professor Dr. Áureo Busetto. A pesquisa buscou analisar historicamente o ensino na televisão brasileira durante o regime militar, tendo como eixo-central as relações sociais que tornaram possível a criação do programa Telecurso 2º Grau. Neste sentido, a pesquisa pautou-se não somente em remontar os debates e as ações sobre a utilização da televisão no ensino, mas, igualmente, em apresentar as primeiras experiências no setor e, sobretudo, as relações sociais que permearam a criação e o primeiro desenvolvimento do Telecurso, demonstrando como Roberto Marinho utilizou-se de sua posição privilegiada nos campos televisivo e político nacional para consolidar seu projeto de educação. PALAVRAS-CHAVE: Telecurso; Rede Globo; Ditadura Militar; Televisão. A principal característica do modelo televisivo brasileiro é a sua condição comercial. Desde sua inauguração no ano de 1950, por Assis Chateaubriand, o meio buscou conquistar audiência visando arrecadar verbas publicitárias. Obviamente, que esse processo foi complexo, lento e com suas particularidades, mas devemos reter essa informação inicial com vistas a compreender os motivos que levaram as emissoras brasileiras e investirem quase que exclusivamente em programas voltados para o entretenimento e a informação, com pouco espaço para a educação,condição semelhante ao modelo estadunidense. 2 Em outras partes do mundo como na Europa, a televisão sempre esteve alicerçada em uma tríade sagrada: entretenimento, informação e educação. 3 No Brasil, as emissões educativas nos primeiros 27 anos da televisão brasileira foram poucas e pontuais. Situação que pode ser explicada pelo desprezo dos agentes ligados as emissoras comerciais a esse tipo 1 Mestre em História pela UNESP/Assis. Professor Substituto da Universidade Federal de Uberlândia UFU, campus Pontal. Membro do Núcleo de Pesquisas Interdisciplinares de Memória, Mídia e Linguagem (UNESP/Assis). Contato 2 JEANNENEY, Jean-Noël. Uma história da comunicação social. Lisboa: Terramar, p BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. UmaHistória social da mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p

2 de produção. Essa situação alterou-se parcialmente no final da década de 1970, com a entrada da Fundação Roberto Marinho (FRM) no setor. O termotelecurso é conhecido por grande parte dos brasileiros. Mesmo aqueles que nunca assistiram sequer a uma edição do programa sabem do seu caráter educativo. No entanto, tornar o programa uma marcaconhecida e reconhecida obrigou o empresário Roberto Marinho a mobilizar importantes agentes e instituições que estavam no âmbito de suas relações sociais, em um período marcado pela abertura do Regime Militar. Em 26 de setembro de 1977, Roberto Marinho criava sua Fundação, 4 com o objetivo declarado publicamente de colocar os meios de comunicação a serviço da educação. 5 A partir desse momento, o dono da TV Globo passou a atuar em uma área ainda pouco contemplada pelas emissoras comerciais de televisão no Brasil, e que lhe possibilitaria estreitar ainda mais as suas relações com diversos setores da sociedade e com o Estado, então governado pelos militares. O primeiro parceiro foi a Fundação Padre Anchieta (FPA) mantenedora da TV Cultura de São Paulo. Desde sua criação,em 1967, a FPA empenhava-se na produção de diversos programas instrucionais. De origem diversa de sua congênere carioca, nasceu da iniciativa do governador paulista Abreu Sodré de criar uma emissora de TV pública. 6 No dia 16 de janeiro de 1978, foi ao ar pela primeira vez a vinheta de abertura do programa. Enquanto no vídeo surgiam um a um os símbolos das instituições promotoras, em off, 7 uma voz masculinaanunciava: Fundação Roberto Marinho em parceria com a Fundação Padre Anchieta apresenta: educação permanente, Telecurso 2º Grau, atualização de conhecimentos, exames supletivos. Há declarações de que as linhas telefônicas da Rede Globo ficaram congestionadas nesse dia, com o número expressivo de pessoas ligando para saber mais informações sobre a novidade. 8 Com o início do Telecursopela televisão começou também a comercialização dos fascículos nas bancas de jornal. Para potencializar as vendas, as duas fundações investiram 4 RIXA, Ricardo Xavier. Almanaque da TV 50 anos de memória e informação. Rio de Janeiro: Objetiva, p FINGUERUT, Silvia; Sukman, Hugo (org.). Fundação Roberto Marinho 30 anos. Rio de Janeiro: Goal, 2008.p BARROS FILHO, Eduardo Amando de. Por uma televisão cultural-educativa e pública: a TV Cultura de São Paulo, São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011.p Recurso pelo qualo texto é lido sobre as imagens e o seu emissor/narrador não aparece na dimensão do vídeo. 8 NISKIER, Arnaldo. Educação à distância: a tecnologia da esperança. São Paulo: Loyola, p

3 maciçamente em propaganda. Esse tipo de ação publicitária pôde ser constatada pelo leitor dos veículos da mídia impressa um dia após a inauguração do Telecurso. A partir do dia 14 de julho de 1978,oTelecurso, que já era veiculado em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Goiânia, passou a ser transmitido para todo o Brasil, via 33 estações. A ampliação do sinal esteve alicerçada na vasta rede de afiliadas à Rede Globo, nas emissoras educativas do governo federal e em alguns canais comerciais.o alcance nacional do Telecurso significava visibilidade às ações da FRM, e por extensão à Rede Globo, e de todos que faziam parte do projeto. Parte do sucesso do Telecurso em seu primeiro ano de veiculação na televisão brasileira foi fruto de um amplo trabalho na produção audiovisual do programa, que resultou em boa aceitação da audiência e, consequentemente, seu reconhecimento no campo televisivo e em setores oficiais envolvidos com a política educacional. Para além disso, outra parte do sucesso deve-se à capacidade que a FRM teve de aproximar do projeto diversos agentes do campo político e educacional, característica que só foi possível porque o Telecurso estava em consonância com o regime militar. Pois,mesmo em um período notadamente marcado pela distensão política, um certo enfraquecimento do poderio dos militares eo crescimento dasforças de oposição, ter o apoio oficial do governo militar ainda era um dos objetivos principais a ser alcançado pela FRM, tanto para sobrevivência do Telecurso quanto da própria fundação em termos de financiamento público dos seus projetos. Para tanto, o Telecurso teria de responder a algumas expectativas dos governos militares para a educação. Expectativas que tiveram seus delineamentos lançados já no início do regime, com os acordos MEC-USAID e as reformas no sistema de ensino. O objetivo da integração nacional, mencionado em grande parte dos documentos oficiais dos governos militares, era uma característica que convergia o Telecurso, e por extensão à Rede Globo, e os líderes do regime militar. Afinal, em uma iniciativa inédita, um programa instrucional era veiculado por uma TV comercial em nível nacional, e seus conteúdos eram os mesmos para todo o país, o que significa um modo de integração via teleducação. Ou seja, o Telecurso, ao seu modo, conseguiria aquilo que o regime militar esperava realizar com as emissoras educativas, uma ampla rede capaz de integrar o país, compartilhando suas ideias e seus valores educativos. As relações de Roberto Marinho com o campo político mostraram-se cruciais para o sucesso do Telecurso. Com o trânsito que o empresário tinha entre as autoridades do governo, 3

4 tornar o programa uma solução para os problemas educacionais brasileiros foi questão de tempo. Soma-se a isso, a utilização de toda estrutura de suas empresas de comunicação para dar visibilidade ao projeto. E assim, posicionar o Telecurso como o paradigma de teleducação pela televisão no Brasil. Considerações Finais A pesquisa original, matriz para esse texto esteve permanentemente alicerçada nas perspectivas teórico-metodológicas da sociologia da prática de Pierre Bourdieu 9 e da história cultural de Roger Chartier. 10 A partir desses autores buscamos realizar o que propõe Áureo Busetto: um estudo histórico da TV envolvendo a compreensão, ao mesmo tempo, de seu aparato de funcionamento (em termos tecnológicos, organizacionais e regulatórios) e das práticas e representações dos agentes integrados ao campo televisivo, tanto em termos de relações internas desse campo quanto nas relações mantidas com outros domínios sociais específicos que compõem a sociedade, uma história da TV calcada na busca por conhecer e entender feixes do conjunto de relações que geraram um campo de possibilidadeshistóricas a processos de manutenção e mudança do meio. 11 Podemos concluir que dentro de um quadro televisivo com alguns experimentos educativos pouco duradouros e sem abrangência nacional, o surgimento do Telecurso 2º Grauacabaria por impor um paradigma à programação educativa no Brasil. Naquele momento e dado o quadro televisivo nacional, a Rede Globo era a única que dispunha de condições para investir recursos tecnológicos e profissionais adequados e, modernos à produção e veiculação de um programa educativo da magnitude alcançada pelo Telecurso. A constituição e a dinâmica do modelo televisivo comercial tornaram-se, no Brasil, um fator estruturante das práticas desenvolvidas pelos agentes do campo televisivo em termos de produção. O exemplo do Telecurso 2º Grau auxilia a compreensão de que apenas quando programas educativos passaram a ser pensados e experimentados por profissionais formados 9 BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, 1989; Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, BUSETTO, Áureo. Sintonia com o contemporâneo: a TV como objeto e fonte da História. In: BEIRED, José Luís Bendicho; BARBOSA, Carlos Alberto Sampaio. (orgs.). Política e identidade cultural na América Latina. São Paulo: Cultura Acadêmica, p

5 dentro da lógica televisiva comercial, em nítida consonância com novos experimentos da linguagem audiovisual televisiva, foi possível se avançar na busca e construção sistemática de um modelo de produção de telensino. Apesar da parceria inicial realizada pela FRM com a FPA, durante a produção do programa o que se observou foi que a condução e a participação dos profissionais ligados às empresas de Roberto Marinho ganhavam corpo e começavam prevalecer em detrimento daqueles vinculados à emissora pública paulista. Direção expressa na adoção de práticas como a seleção de produtores e roteiristas oriundos da emissora comercial, com o fito de adequar as telaulas à linguagem mais propriamente televisiva, a qual, então, era experimentada mais largamente pelos profissionais da Rede Globo. A escolha de José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, para acompanhar o andamento dos trabalhos não deixava sombra de dúvidas sobre aquela direção, além de ser um atestado do desejo de Roberto Marinho ter um programa com a cara de sua emissora. E isso significava dizer que o Padrão Globo de Qualidade, que passou a orientar toda a produção da emissora a partir da década de 1970, devesse finalmente ser aplicado na teleducação. Assim, a Rede Globo que já dominava desde o inicio da década de 1970 a produção do entretenimento e da informação no Brasil, conquistou com o Telecurso 2º Grau o terceiro elemento sagrado da produção televisiva: a educação. Referências Bibliográficas BARROS FILHO, Eduardo Amando de. Por uma televisão cultural-educativa e pública: a TV Cultura de São Paulo, São Paulo: Cultura Acadêmica, BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Lisboa: Difel, Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. UmaHistória social da mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, BUSETTO, Áureo. Sintonia com o contemporâneo: a TV como objeto e fonte da História. In: BEIRED, José Luís Bendicho; BARBOSA, Carlos Alberto Sampaio. (orgs.). Política e identidade cultural na América Latina. São Paulo: Cultura Acadêmica, pp CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel,

6 FINGUERUT, Silvia; Sukman, Hugo (org.). Fundação Roberto Marinho 30 anos. Rio de Janeiro: Goal, JEANNENEY, Jean-Noël. História da comunicação social. Lisboa: Terramar, NISKIER, Arnaldo. Educação à distância: a tecnologia da esperança. São Paulo: Loyola, OLIVEIRA, Wellington Amarante. Telecurso 2º Grau: paradigma no ensino pela TV e legitimação política da Rede Globo, Dissertação de Mestrado. Assis: UNESP, RIXA, Ricardo Xavier. Almanaque da TV 50 anos de memória e informação. Rio de Janeiro: Objetiva,

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Amarante Oliveira, Wellington Em busca

Leia mais

Roberto Marinho, Boni e os militares: relações entre TV e política na criação do Telecurso 2º Grau (1978-1981)

Roberto Marinho, Boni e os militares: relações entre TV e política na criação do Telecurso 2º Grau (1978-1981) Roberto Marinho, Boni e os militares: relações entre TV e política na criação do Telecurso 2º Grau (1978-1981) WELLINGTON AMARANTE OLIVEIRA * Roberto Marinho, sua Fundação e a criação do Telecurso. Em

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

HISTÓRIA DA TV E O ENSINO SOBRE A TV

HISTÓRIA DA TV E O ENSINO SOBRE A TV HISTÓRIA DA TV E O ENSINO SOBRE A TV 1 Heber Ricardo da Silva & Paulo Gustavo da Encarnação UNESP/Assis Orientador: Dr. Áureo Busetto INTRODUÇÃO Este painel é o resultado de reflexões sobre conteúdos comuns

Leia mais

A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA

A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA A TELENOVELA COMO FONTE DE PESQUISA HISTORIOGRÁFICA Emilla Grizende Garcia 1 INTRODUÇÃO A televisão se destaca como um dos principais meios de comunicação, tendo forte influência na formação cultural da

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos

I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos I Jornada de Pesquisa e Extensão Trabalhos Científicos LABORATÓRIO DE CONVERGÊNCIA DE MÍDIAS PROJETO DE CRIAÇÃO DE UM NOVO AMBIENTE DE APRENDIZADO COM BASE EM REDES DIGITAIS. 1 Palavras-chave: Convergência,

Leia mais

11ÍIJIIIII Linga A/902799

11ÍIJIIIII Linga A/902799 Linga-Bibliothek 11ÍIJIIIII Linga A/902799 REDE GLOBO 40 ANOS DE PODER E HEGEMONIA Valério Cruz Brittos César Ricardo Siqueira Bolano (orgs.) PAULUS {locíl Sumário APRESENTAÇÃO 11 PARTE I PLANO GERAL 17

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina

A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina A Parceria UNIVIR / UNIGLOBO- Um Case Focado no Capital Intelectual da Maior Rede de TV da América Latina Blois, Marlene Montezi e-mail: mmblois@univir.br Niskier, Celso e-mail: cniskier@unicarioca.edu.br

Leia mais

Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1

Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1 Acessibilidade pela FAAC WebTV LIBRAS em transmissão ao vivo 1 Ana Beatriz Abbate 2 Henrique da Silva Pereira 3 Vinícius Laureto de Oliveira 4 Willians Cerozzi Balan 5 UNESP Universidade Estadual Paulista

Leia mais

PRODUÇÃO INTELECTUAL, DIFUSÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E AUDIOVISUAL

PRODUÇÃO INTELECTUAL, DIFUSÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E AUDIOVISUAL PRODUÇÃO INTELECTUAL, DIFUSÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E AUDIOVISUAL PROMOVER A PRODUÇÃO INTELECTUAL E A DIFUSÃO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO POR MEIO DO AUDIOVISUAL REGISTRAR DIFUNDIR DIVULGAR PRODUZIR CONHECIMENTO

Leia mais

1 ANÁLISE DISCURSIVA DO TELECURSO 2000 - O MÓDULO DE LÍNGUA. A presente análise se insere no âmbito das pesquisas sobre o emprego da

1 ANÁLISE DISCURSIVA DO TELECURSO 2000 - O MÓDULO DE LÍNGUA. A presente análise se insere no âmbito das pesquisas sobre o emprego da 1 ANÁLISE DISCURSIVA DO TELECURSO 2000 - O MÓDULO DE LÍNGUA PORTUGUESA A presente análise se insere no âmbito das pesquisas sobre o emprego da teleaula no ensino. Para tanto, elegemos analisar um material

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA E QUALIDADE DE ENSINO: CONCEITOS E CONCEPÇÕES DA COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA

AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA E QUALIDADE DE ENSINO: CONCEITOS E CONCEPÇÕES DA COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA E QUALIDADE DE ENSINO: CONCEITOS E CONCEPÇÕES DA COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA GARCIA, Amanda Trindade UNESP - Marília trindade.amanda@gmail.com Orientadora: ABDIAN, Graziela Zamão UNESP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

Vídeo Institucional Casa da Esperança

Vídeo Institucional Casa da Esperança Vídeo Institucional Casa da Esperança JOSGRILBERG, Clarissa 1 CARDINAL, Milena de Jesus 2 CARBONARI, Will 3 OTRE, Maria Alice Campagnoli 4 MEDEIROS, Cristine 5 Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN

Leia mais

TV RÁ TIM BUM O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira

TV RÁ TIM BUM O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira Tel: 3874-3015 / Fax: 3611-2060 PROGRAMAÇÃO INFANTIL DA TV CULTURA Na década de 70, a TV Cultura uniu-se à TV Globo e

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura

Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura Educação Ambiental Projeto 2013 Estrutura Metodologia O projeto será realizado em Escolas Municipais do Município de Santos (SP), sendo voltado para alunos do Ensino Fundamental. Serão ministradas palestras

Leia mais

A contribuição dos canais universitários para a comunicação pública

A contribuição dos canais universitários para a comunicação pública A contribuição dos canais universitários para a comunicação pública Autora: RAMALHO, Alzimar R. Mestranda em Comunicação: Mídia e Cultura Universidade de Marília (Unimar) Marília/SP Resumo: Os canais universitários

Leia mais

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party.

Em 2009, a Fundação Padre Anchieta mais uma vez estará presente na Campus Party. Mais uma vez, a cidade de São Paulo se prepara para receber a Campus Party entre os dias 19 e 25 de janeiro de 2009. Milhares de internautas vêm a cidade participar do evento, que é o maior encontro mundial

Leia mais

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base

Centros Juvenis de Ciência e Cultura Documento-Base Documento-Base 1. Contexto Garantir educação de qualidade é um dos grandes desafios deste início de século para a Bahia e para o Brasil. No ensino médio, a Bahia tem encontrado dificuldades para avançar

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Formar, treinar e promover o ensino e aprendizagem: caracterização da faixa educativa da TV Brasil

Formar, treinar e promover o ensino e aprendizagem: caracterização da faixa educativa da TV Brasil Formar, treinar e promover o ensino e aprendizagem: caracterização da faixa educativa da TV Brasil Tiago Nunes SEVERINO 1 Resumo Este artigo faz uma análise sobre o modo de organização da faixa educativa

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-)

A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (1945-) A HISTORIOGRAFIA SEGUNDO ROGER CHARTIER (195-) META Caracterizar o pensamento historiográfi co de Roger Chartier. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: elencar e explicar os principais aspectos

Leia mais

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO CONTEXTO DA EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL Rudinei Lopes Magalhães Silva 1 Ana Maria da Silva Magalhães 2 Eixo temático: 5 Educação Superior Indicação da categoria: Comunicação

Leia mais

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação)

Resenha. Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Resenha Interesses Cruzados: A produção da cultura no jornalismo brasileiro (GADINI, Sérgio Luiz. São Paulo: Paulus, 2009 Coleção Comunicação) Renata Escarião PARENTE 1 Parte do resultado da tese de doutoramento

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1

INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 INTELIGÊNCIA COLETIVA NA CONSTRUÇÃO DO SABER: aprendizagem em ambientes virtuais. 1 Laís Tolentino Muniz CAMPOS 2 Fernanda Gabriela Gadelha Romero 3 Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB RESUMO

Leia mais

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP

Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP Movimentos sociais e internet: uma análise sobre as manifestações de 2013 no Brasil Lucas Arantes Zanetti 1 Lívia Cadete da Silva 2 Orientadora: Caroline Kraus Luvizotto 3 Universidade Estadual Paulista,

Leia mais

Ações de Interatividade

Ações de Interatividade Ações de Interatividade Fundação Padre Anchieta TV Cultura Julho de 2007 Diário de Bárbara Em agosto de 2007, 14 adolescentes de várias partes do mundo foram convidados a conhecer o Pólo Norte para ver

Leia mais

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES

7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES 7 Congresso de Pós-Graduação O ENSINO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM DISSERTAÇÕES E TESES NO BANCO DE DADOS DA CAPES Autor(es) CHRISTINE BARBOSA BETTY Orientador(es) BRUNO PUCCI 1.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1 Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS RESUMO O Livro Criança Comunicação é uma publicação

Leia mais

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS.

PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. PROGRAMA REALIDADES- DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA TVU RECIFE. UM ESPAÇO PRIVILEGIADO DE CRÍTICAS, REFLEXÕES E GRANDES DEBATES SOBRE TEMAS SOCIAIS. Jadiewerton Tavares da Silva (Autor); Marcelo Luiz Pelizzoli

Leia mais

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO

Mestres 1 RESUMO. 4. Palavras-chave: Comunicação; audiovisual; documentário. 1 INTRODUÇÃO Mestres 1 Tiago Fernandes 2 Marcelo de Miranda Noms 3 Mariane Freitas 4 Tatiane Moura 5 Felipe Valli 6 Bruno Moura 7 Roberto Salatino 8 Conrado Langer 9 Prof. Msc. Luciana Kraemer 10 Centro Universitário

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Formação de grupos interdisciplinares de professores numa interação universidade-escola.

Formação de grupos interdisciplinares de professores numa interação universidade-escola. experiência Formação de grupos interdisciplinares de professores numa interação universidade-escola. Jane Darley A. Santos 1 (PG), Thaísa Cardoso Nascimento 2 (IC), Agustina Rosa Echeverría 3 (PQ), Beatriz

Leia mais

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO

IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO IMAGINANDO O RURAL: AS REPRESENTAÇÕES DE CAMPO DE MAURICIO DE SOUZA EM CHICO BENTO 27 Introdução CONEGLIAN, Flavio Marcelo MONASTIRSKY, Leonel Brizolla Considerando que os modos de vida do rural e do urbano

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

A PARTICIPAÇÃO ACADÊMICA EM PROJETOS DE EXTENSÃO E SUA IMPORTÂNCIA PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A PARTICIPAÇÃO

Leia mais

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011

A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ciências Humanas e Sociais Comunicação A OFERTA DE CONTEÚDO MULTIPLATAFORMA NA TELEVISÃO ABERTA BRASILEIRA ENTRE OS ANOS DE 2005 E 2011 Ingo A.F. von Ledebur 1 Thiago H. Ruotolo da Silva 2 Gabriela Rufino

Leia mais

Projeto de Pesquisa Apresentado ao

Projeto de Pesquisa Apresentado ao Projeto de Pesquisa Apresentado ao Programa de Pós Graduação do Cefor Como parte das exigências do Curso de Especialização em Instituições e Processos Políticos do Legislativo Tema : A Influência da Imprensa

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Publicidade e Propaganda 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Publicidade e Propaganda 2011-2 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMPANHA DE POSICIONAMENTO

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO

VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA DA UNC VII FEIRA DE CIÊNCIAS E TÉCNOLOGIA GERED-SEARA REGULAMENTO Secretaria do Estado da Educação de Santa Catarina Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional SDR - Seara SC Universidade do Contestado Campus Concórdia VI Feira Multidisciplinar e IV MOSTRA CIENTÍFICA

Leia mais

Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola Fazendária do Estado de São Paulo

Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola Fazendária do Estado de São Paulo TV Fazesp - Um Projeto Interativo de Educação a Distância Antônio Filipe de Siqueira Linhares* Laura Ibiapina Parente** Contextualização: A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e a Fazesp - Escola

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Regimento Interno. Capítulo I Da natureza da Renoi. Capítulo II Dos objetivos da Renoi

Regimento Interno. Capítulo I Da natureza da Renoi. Capítulo II Dos objetivos da Renoi Rede Nacional de Observatórios de Imprensa Capítulo I Da natureza da Renoi Regimento Interno Art. 1º - A Rede Nacional de Observatórios de Imprensa Renoi - é uma rede de organizações e pessoas que atuam

Leia mais

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA

A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 361 A CAMPANHA CONTRA A BAIXARIA NA TV: DISCUSSÃO SOBRE A CULTURA DE MASSA Carlos Henrique Demarchi Mestre em Comunicação/Universidade

Leia mais

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda.

NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. 2 NÖOS RESFEST é o festival da cultura pop de vanguarda em suas várias formas: cinema digital, música, design gráfico, arte e moda. Na sua 5ª edição no Brasil o NÖOS RESFEST tem duração de 3 dias e será

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008

ORIENTAÇÕES SOBRE O PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA - 2008 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL Orientação nº 02/2008 PDE/SEED Curitiba, 27 de maio

Leia mais

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA

PROJETO TE VEJO NA ESCOLA PROJETO TE VEJO NA ESCOLA Flávia Oliveira Machado 1 Isabela Mayara Cheida José Leonardo Gallep Maria do Carmo Palhaci (coordenadora) Maria Helena Gamas (coordenadora) RESUMO O projeto em questão visa a

Leia mais

ASPECTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS PARA UM ESTUDO COMPARADO: A TELEVISÃO EDUCATIVA NO BRASIL E NA FRANÇA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO XX

ASPECTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS PARA UM ESTUDO COMPARADO: A TELEVISÃO EDUCATIVA NO BRASIL E NA FRANÇA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO XX ASPECTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS PARA UM ESTUDO COMPARADO: A TELEVISÃO EDUCATIVA NO BRASIL E NA FRANÇA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO XX Wellington Amarante Oliveira 1 RESUMO A compreensão das relações sociais

Leia mais

MÍDIA VIVA: INTERAÇÃO MERCADO/UNIVERSIDADE/SOCIEDADE

MÍDIA VIVA: INTERAÇÃO MERCADO/UNIVERSIDADE/SOCIEDADE MÍDIA VIVA: INTERAÇÃO MERCADO/UNIVERSIDADE/SOCIEDADE Cleber Toledo 1, Irenides Teixeira 2, Lailton da Costa 3 Resumo: Desenvolvido pelo Curso de Jornalismo do Centro Universitário de Palmas (TO) (Ceulp/Ulbra),

Leia mais

Disciplinas Optativas Jornalismo

Disciplinas Optativas Jornalismo Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Jornalismo Disciplinas Optativas Jornalismo Carga horária total de optativas: 930

Leia mais

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1

PROGRAMA GERAL DO COMPONENTE CURRICULAR- PGCC 1 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Ensino de Graduação PROEG Home Page: http://www.uern.br

Leia mais

O ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO MARANHÃO A PARTIR DO CURSO DE PEDAGOGIA E MESTRADO EM EDUCAÇÃO DA UFMA

O ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO MARANHÃO A PARTIR DO CURSO DE PEDAGOGIA E MESTRADO EM EDUCAÇÃO DA UFMA O ENSINO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO MARANHÃO A PARTIR DO CURSO DE PEDAGOGIA E MESTRADO EM EDUCAÇÃO DA UFMA Profª Drª. Iran de Maria Leitão Nunes Universidade Federal do Maranhão -UFMA irandemaria@yahoo.com.br

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Vestibular ICEC 2014! 1

Vestibular ICEC 2014! 1 Vestibular ICEC 2014! 1 Franck H. Oliveira Durgo GOMES 2 Elizângela Luiza Barbosa LUIZ 3 Weslene de Sousa MOTA 4 Mateus Pereira da SILVA 5 Steffany Verônica de Sousa DIAS 6 Thiago Sérgio PEDROSO 7 Cláudio

Leia mais

1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde.

1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde. BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NO BRASIL 1923 Fundação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 1936 Doação da Radio Sociedade do Rio de Janeiro ao Ministério da Educação e Saúde. 1937 Criação do

Leia mais

Escolha Certa! As profissões do século 21

Escolha Certa! As profissões do século 21 Produção Multimídia Esse profissional é responsável por garantir a qualidade de som e imagem das mídias eletrônica e digital; produzir material para rádio, cinema, TV e mídia digital; editar imagens e

Leia mais

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL

O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL O DESENVOVIMENTO DE PROJETOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: RESULTADOS DA EXPERIÊNCIA REALIZADA NO COLÉGIO DE APLICAÇÃO CAMPUS UEL Kenya Vieira de Souza e Silva Vanessa Duarte Resumo A educação

Leia mais

Inscrição nas oficinas de Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo

Inscrição nas oficinas de Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo Inscrição nas oficinas de Inconfidentes Festival Nacional de Cinema e Vídeo - Todas as oficinas são abertas à comunidade. A identificação do públicoalvo é apenas um facilitador do(a) interessado(a) em

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB)

Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB) Ações de Mídia Cidadã Audiovisuais no Curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Regional de Blumenau (FURB) Rafael José BONA 1 Cynthia Morgana Boos de QUADROS 2 Fabrícia Durieux ZUCCO 3 Universidade

Leia mais

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota

MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01. Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA MATERIAL DE REFERÊNCIA TEÓRICA 01 Prof. Rodrigo Duguay a partir de material base da Profa. Dra. Karla Patriota MÍDIA Definição Mídia. Sf (ing. mass media) Propag. 1 Veículo ou meio de divulgação

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso Julho 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso Julho 2014. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA Ingresso Julho 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Montagem Cinematográfica Proporcionar aos alunos uma oportunidade de desenvolver e aprofundar suas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos:

Leia mais

Produção Eletrônica em Rádio e TV

Produção Eletrônica em Rádio e TV Produção Eletrônica em Rádio e TV Programetes Vídeos Institucionais e Produções Informativas TVs Corporativas Prof. Dirceu Lemos dirceulemos@yahoo.com.br O que são programetes? Programetes são programas

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus -

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO. - práticas, saberes e habitus - EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO - práticas, saberes e habitus - Fabíola Santini Takayama do Nascimento Mestranda em Educação da PUCGOIÁS e Técnica em Assuntos Educacionais do IFG - Campus Inhumas

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO INCISO IV COMPONENTES CURRICULARES DE CADA CURSO, SUA DURAÇÃO, REQUISITOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Graduação em Administração - FECAP Grade Curricular - 2º Semestre em 2013 (sujeita a alteração) 1 Semestre

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais