Apostila de Anatomia do Pé Biomecânica Básica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de Anatomia do Pé Biomecânica Básica"

Transcrição

1

2

3 Apostila de Anatomia do Pé Biomecânica Básica

4 Anatomia e Biomecânica de MMII 4 Curso de Especialização em Podologia

5 SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Introdução Nomenclatura Anatômica Terminologia Descritiva Normal e Variação Anatômica Anomalia e Monstruosidade Divisão do Corpo Humano Planos Anatômicos do Corpo Humano...9 CAPÍTULO 2 - SISTEMA LOCOMOTOR Osso Sistema Esquelético Ossos MMII Sistema Articular Estruturas das Articulações Sinoviais Sistema Muscular Contração Sistema Muscular...21 CAPÍTULO 3 -SISTEMA NERVOSO Introdução Estrutura e Funções Organização do SNC Organização do SNP Meninges...28 CAPÍTULO 4 - INTRODUÇÃO À BIOMECÂNICA DE MMII Conceito Tipos de Movimento Movimentos Articulares Termos Patológicos Comuns Graus de Liberdade Sistemas Dinâmicos Alavancas Ação muscular...38 CAPÍTULO 5 - MARCHA Introdução Ciclos da marcha Divisões do ciclo...39 Curso de Especialização em Podologia 5

6 Anatomia e Biomecânica de MMII 5.4 Passada e passo...40 CAPÍTULO 6 -POSTURA CORPORAL Definição de postura Curvas primárias e secundárias da coluna vertebral Alterações posturais com a idade Alinhamento postural História Clínica Avaliação postural Causas de postura incorreta...43 CAPÍTULO 7 - QUADRIL Estrutura do quadril: Ângulo de inclinação do Fêmur Ângulo de torção do Fêmur Movimentos do quadril Função muscular no quadril Pelve...48 CAPÍTULO 8 - JOELHO Estrutura do joelho Artrologia Estrutura Articular Estruturas Ligamentares Movimento do joelho Função muscular no joelho Articulação patelofemoral...57 CAPÍTULO 9 - COMPLEXO TORNOZELO- PÉ Introdução Tornozelo- pé Função Anatomia óssea Regiões do pé Arcos do pé Articulações Fáscia Plantar Músculos Inervação...69 Referências Bibliográficas: Curso de Especialização em Podologia

7 Capítulo 1 Introdução ao Estudo da Anatomia CAPITULO 1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Ao te curvares com a rígida lâmina de teu bisturi sobre o cadáver desconhecido, lembra-te que este corpo nasceu do amor de duas almas, cresceu embalado pela fé e pela esperança daquela que em seu seio o agasalhou. Sorriu e sonhou os mesmos sonhos das crianças e dos jovens. Por certo amou e foi amado, esperou e acalentou um amanhã feliz e sentiu saudades dos outros que partiram. Agora jaz na fria lousa, sem que por ele se tivesse derramado uma lágrima sequer, sem que tivesse uma só prece. Seu nome, só Deus sabe. Mas o destino inexorável deu-lhe o poder e a grandeza de servir à humanidade. A humanidade que por ele passou indiferente (Rokitansky, 1876) 1.1 Introdução A anatomia refere-se ao estudo da estrutura e das relações entre estas estruturas. No seu conceito mais amplo, a Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento dos seres organizados. A palavra Anatomia é derivada do grego, (ana = em partes; tomein = cortar). Etimologicamente corresponde à dissecação. A dissecação na área da anatomia humana é o ato de explorar o corpo humano, ou seja através de cortes possibilitar a visualização anatômica dos órgãos e regiões que existem no corpo humano e assim possibilitar o seu estudo. Através da dissecação foi possível identificar e melhorar a área médica, através de conhecimentos básicos como a localização de vasos, nervos, ossos, músculos, com suas origens e inserções. Seu estudo tem uma longa e interessante história, desde os primórdios da civilização humana. Inicialmente limitada ao observável a olho nu e pela manipulação dos corpos, expandiu-se, ao longo do tempo, graças a aquisição de tecnologias inovadoras. 1.2 Nomenclatura Anatômica Como toda ciência, a Anatomia tem sua linguagem própria. Ao conjunto de termos empregados para designar e descrever o organismo ou suas partes, dá-se o nome de Nomenclatura Anatômica. Com o extraordinário acúmulo de conhecimentos no final do século passado, graças aos trabalhos de importantes escolas anatômicas (sobretudo na Itália, França, Inglaterra e Alemanha), as mesmas estruturas do corpo humano recebiam denominações diferentes nestes centros de estudos e pesquisas. Curso de Especialização em Podologia 7

8 Anatomia e Biomecânica de MMII Em razão desta falta de metodologia e de inevitáveis arbitrariedades, mais de termos anatômicos chegaram a ser consignados (hoje reduzidos a poucos mais de 5.000). A primeira tentativa de uniformizar e criar uma nomenclatura anatômica internacional ocorreu em Em sucessivos congressos de Anatomia em 1933, 1936 e 1950 foram feitas revisões e finalmente em 1955, em Paris, foi aprovada oficialmente a Nomenclatura Anatômica, conhecida sob a sigla de P.N.A. (Paris Nomina Anatomica). Revisões subseqüentes foram feitas em 1960, 1965 e 1970, visto que a nomenclatura anatômica tem caráter dinâmico, podendo ser sempre criticada e modificada, desde que haja razões suficientes para as modificações e que estas sejam aprovadas em Congressos Internacionais de Anatomia. 1.3 Terminologia Descritiva Posição anatômica: O corpo está numa postura ereta (em pé, posição ortostática ou bípede) com os membros superiores estendidos ao lado do tronco e as palmas das mãos voltadas para a frente. A cabeça e pés também estão apontados para frente e o olhar para o horizonte. Posição fundamental: É a mesma posição anatômica só que as palmas da mão olham para o corpo, ou seja antebraço está em posição neutra, entre prono e supino. Termos de direção e posição: I. Lateral/ Medial: a ulna está no lado medial do antebraço e o rádio está no lado lateral. II. Anterior/ Posterior: o esterno é anterior em relação á escápula, que é posterior. III. Proximal/ Distal: o ombro é proximal em relação ao cotovelo. O cotovelo é distal em relação ao ombro e proximal em relação ao punho. IV. Superior/ Inferior: O joelho é superior em relação ao tornozelo. V. Superficial / Profunda: O umbigo é superficial em relação ao estômago. Posição Anatômica 8 Curso de Especialização em Podologia

9 Capítulo 1 Introdução ao Estudo da Anatomia 1.4 Normal e Variação Anatômica Normal, para o anatomista, é o estatisticamente mais comum, ou seja, o que é encontrado na maioria dos casos. Variação anatômica é qualquer fuga do padrão sem prejuízo da função. Assim, a artéria braquial mais comumente divide-se na fossa cubital. Este é o padrão. Entretanto, em alguns indivíduos esta divisão ocorre ao nível da axila. Como não existe perda funcional, esta é uma variação. 1.5 Anomalia e Monstruosidade Quando ocorre prejuízo funcional, trata-se de uma anomalia e não de uma variação. Se a anomalia for tão acentuada que deforme profundamente a construção do corpo, sendo em geral, incompatível com a vida, é uma monstruosidade. 1.6 Divisão do Corpo Humano O corpo humano divide-se em cabeça, pescoço, tronco e membros. A cabeça corresponde à extremidade superior do corpo estando unida ao tronco por uma porção estreitada, o pescoço. O tronco compreende o tórax e o abdome, com as respectivas cavidades torácica e abdominal; a cavidade abdominal prolonga-se inferiormente na cavidade pélvica. Dos membros, 2 são superiores ou torácicos e 2 inferiores ou pélvicos. Cada membro apresenta uma raiz, pela qual está ligada ao tronco, e uma parte livre. MMSS são divididos em ombro, braço, antebraço e mão. MMII são divididos em quadril, coxa, perna e pé. 1.7 Planos Anatômicos do Corpo Humano Têm o objetivo de separar o corpo em partes, para facilitar o estudo e nomear as estruturas anatômicas com relação espacial. Plano Sagital Divide o corpo simetricamente em partes direita e esquerda. As ações articulares ocorrem em torno de um eixo frontal e incluem os movimentos de flexão e extensão. Curso de Especialização em Podologia 9

10 Anatomia e Biomecânica de MMII Plano Frontal Divide o corpo em partes, anterior (ventral) e posterior (dorsal). As ações articulares ocorrem em torno de um eixo sagital, e incluem a abdução e a adução. Plano Transversal Divide o corpo em partes, superior (cranial) e inferior (caudal). As ações articulares ocorrem em torno de um eixo longitudinal, e incluem a rotação medial/lateral e pronação/ supinação. Obs: O ponto onde esses 3 planos se cruzam é chamado de Centro de Gravidade (CG) do indivíduo. O CG caracteriza-se como o centro virtual de concentração de toda a massa corpórea, ou o ponto de equilíbrio do corpo. No corpo humano esse ponto encontra-se na linha mediana aproximada-mente no nível da 2ª VT sacral. 10 Curso de Especialização em Podologia

11 Capítulo 2 Sistema Locomotor CAPÍTULO 2 SISTEMA LOCOMOTOR ESQUELÉTICO ARTICULAR MUSCULAR 2.1 Osso Osso é um órgão formado principalmente por tecido conjuntivo ósseo Æ também encontram-se presentes outros tipos de tecidos conjuntivos, além de tecido epitelial de revestimento, vasos sangüíneos e tecido nervoso. Tecido conjuntivo ósseo: Características: tecido vivo com alto grau de rigidez e resistência à pressão; vascularizado e inervado. Componentes: 1. Matriz Óssea (adulto): 50% orgânica (95% correspondem às fibras colágenas); 50% inorgânica (principalmente fosfato e cálcio). 2. Células: osteoblastos, osteócitos, osteoclastos. Osso esponjoso: apresenta espaços medulares mais amplos, sendo formado por várias trabéculas, que dão aspecto poroso ao tecido. Curso de Especialização em Podologia 11

12 Anatomia e Biomecânica de MMII Osso compacto: praticamente não apresenta espaços medulares, existindo, no entanto, além dos canalículos, um conjunto de canais que são percorridos por nervos e vasos sangüíneos: canais de Volkmann e canais de Havers. Por ser uma estrutura inervada e irrigada, os ossos apresentam grande sensibilidade e capacidade de regeneração. 2.2 Sistema Esquelético Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a fixação dos músculos. Ele se constitui de peças ósseas e cartilaginosas articuladas, que formam um sistema de alavancas movimentadas pelos músculos. O esqueleto adulto tem 206 ossos. 12 Curso de Especialização em Podologia

13 Capítulo 2 Sistema Locomotor Funções: Pode ser dividido em duas partes: I. Esqueleto axial: formado pela caixa craniana, coluna vertebral e caixa torácica. Os ossos do crânio são chatos e, com exceção da mandíbula, articulam-se entre si por junturas que não permitem mobilidade. Curso de Especialização em Podologia 13

14 Anatomia e Biomecânica de MMII A coluna vertebral é composta por 33 ossos Æ vértebras. Distribuídas em 5 grupos: vértebras cervicais (7); vértebras torácicas (12); vértebras lombares (5); vértebras sacrais (5); vértebras coccígeas (4). A caixa torácica/ tórax é formada por ossos e cartilagens. Contém os principais órgãos da respiração e circulação e cobre parte dos órgãos abdominais. É formada pela região torácica da coluna vertebral, osso esterno e costelas, que são em número de 12 de cada lado, sendo as 2 últimas flutuantes (com extremidades anteriores livres, não se fixando ao esterno). 14 Curso de Especialização em Podologia

15 Capítulo 2 Sistema Locomotor II. Esqueleto apendicular: compreende a cintura escapular (formada pelas escápulas e clavículas); cintura pélvica (formada pelos ossos da bacia) e o esqueleto dos membros (superiores e inferiores). Cada membro superior é composto de braço, antebraço e mão. O osso do braço úmero articula-se no cotovelo com os ossos do antebraço: rádio e ulna. O punho constitui-se de ossos pequenos e maciços, o carpo. A palma da mão é formada pelos metacarpos e os dedos, pelas falanges. Cada MI compõe-se de coxa, perna e pé. O osso da coxa é o fêmur, o mais longo do corpo. No joelho, ele se articula com os 2 ossos da perna: a tíbia e a fíbula. A região frontal do joelho está protegida por um pequeno osso circular: a patela / rótula. Ossos pequenos e maciços, chamados ossos do tarso, formam o tornozelo. A planta do pé é constituída pelos metatarsos e os dedos dos pés (artelhos), pelas falanges. Curso de Especialização em Podologia 15

16 Anatomia e Biomecânica de MMII DIFERENÇAS NO ESQUELETO 2.3 Ossos MMII 16 Curso de Especialização em Podologia

17 Capítulo 2 Sistema Locomotor Curso de Especialização em Podologia 17

18 Anatomia e Biomecânica de MMII 2.4 Sistema Articular Articulações ou junturas são as uniões funcionais entre os diferentes ossos do esqueleto. É a conexão existente entre quaisquer partes rígidas do esqueleto, quer sejam ossos ou cartilagens. São divididas nos seguintes grupos, de acordo com sua estrutura e mobilidade: Articulações Fibrosas (Sinartroses) ou imóveis- As articulações fibrosas incluem todas as articulações onde as superfícies dos ossos estão quase em contato direto, como nas articulações entre os ossos do crânio. Não há movimento. Articulações Cartilagíneas (Anfiartroses) ou com movimentos limitados- Nas articulações cartilaginosas, os ossos são unidos por cartilagem. Pelo fato de pequenos movimentos serem possíveis nestas articulações, elas também são chamadas de anfiartroses. A articulação entre os ossos púbicos e a articulação entre os corpos vertebrais, são exemplos de cartilagíneas. Pouco movimento. Articulações Sinoviais (Diartroses) ou articulações de movimentos amplos- As articulações sinoviais incluem a maioria das articulações do corpo. As superfícies ósseas são recobertas por cartilagem articular, revestidos por membrana sinovial e unidas por ligamentos. Possuem cápsula articular, cavidade articular e líquido sinovial. Exemplos: Ombro, Cotovelo, Punho, Quadril, Joelho, Tornozelo, etc. Amplo movimento. 2.5 Estruturas das Articulações Sinoviais Ligamentos: são constituídos por fibras colágenas. São maleáveis e flexíveis para permitir perfeita liberdade de movimento, porém são muito fortes. Os ossos de uma articulação mantêm-se no lugar por meio dos ligamentos. Os ligamentos estão firmemente unidos às membranas que revestem os ossos. 18 Curso de Especialização em Podologia

19 Capítulo 2 Sistema Locomotor Cápsula Articular: membrana conjuntiva que envolve as articulações sinoviais. Apresenta-se com 2 camadas: a membrana fibrosa (externa) e a membrana sinovial (interna). A membrana fibrosa (cápsula fibrosa) é mais resistente e pode estar reforçada, em alguns pontos por ligamentos capsulares, destinados a aumentar sua resistência. Tem por finalidade manter a união entre os ossos. A membrana sinovial é a mais interna das camadas da cápsula articular. É bastante vascularizada e inervada sendo encarregada da produção de líquido sinovial que lubrifica as articulações. Bursas : bolsas localizadas em áreas de atrito excessivo, sob tendões e proeminências ósseas. Curso de Especialização em Podologia 19

20 Anatomia e Biomecânica de MMII 2.6 Sistema Muscular Tipos de músculo: Liso, Estriado cardíaco, Estriado esquelético. Músculos Lisos: Localizado nos vasos sangüíneos, vias aéreas e maioria dos órgãos da cavidade abdômino-pélvica. Ação involuntária controlada pelo sistema nervoso autônomo. Músculo Estriado Cardíaco: Representa a arquitetura cardíaca. É um músculo estriado, porém involuntário. Músculos Estriados Esqueléticos: contraem-se por influência da nossa vontade, ou seja, são voluntários. O tecido muscular esquelético é chamado de estriado porque faixas alternadas claras e escuras (estriações) podem ser vistas no microscópio óptico. No corpo humano existe uma enorme variedade de músculos, dos mais variados tamanhos e formatos, onde cada um tem a sua disposição conforme o seu local de origem e de inserção. O músculo vivo é de cor vermelha. Essa coloração denota a existência de pigmentos e de grande quantidade de sangue nas fibras musculares. Os músculos esqueléticos se inserem sobre os ossos e sobre as cartilagens e contribuem, com a pele e o esqueleto, para formar o invólucro exterior do corpo. Constituem aquilo que vulgarmente se chama a carne, e podem ser comandados pela nossa vontade, por isso são chamados de voluntários. Quantidade: 600 músculos. Macroscopia Ventre Conexões terminais - Tendões - Aponeuroses 20 Curso de Especialização em Podologia

21 Capítulo 2 Sistema Locomotor Ventre Muscular é a porção contrátil do músculo, constituída por fibras musculares que se contraem. Tendão é um elemento de tecido conjuntivo, rico em fibras colágenas e que serve para fixação do músculo em ossos, possuem aspecto morfológico de fitas ou de cilindros. Aponeurose é uma estrutura formada por tecido conjuntivo. Geralmente apresenta- -se em forma de lâminas ou em leques. 2.7 Contração Sistema Muscular Os músculos cruzam uma ou mais articulações, e pela sua contração são capazes de transmitir-lhes movimento. Este é efetuado por células especializadas denominadas fibras musculares, que são comandadas pelo sistema nervoso. Os músculos são capazes de transformar energia química em energia mecânica. Cada músculo possui o seu nervo motor, o qual divide-se em muitos ramos para poder controlar todas as células do músculo. As divisões destes ramos terminam em um mecanismo conhecido como placa motora. O sistema muscular é capaz de efetuar grande variedade de movimento, onde todas essas contrações musculares são controladas e coordenadas pelo sistema nervoso. Curso de Especialização em Podologia 21

22 Anatomia e Biomecânica de MMII 22 Curso de Especialização em Podologia

23 Capítulo 3 Sistema Nervoso CAPÍTULO 3 SISTEMA NERVOSO 3.1 Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que adaptem a essas condições. O sistema nervoso se divide em duas partes; o sistema nervoso central (SNC) e o sistema nervoso periférico (SNP). O SNC é uma porção de recepção de estímulos, de comando e desencadeamento de respostas. O SNP é formado pelas vias que conduzem os estímulos ao SNC ou que levam até aos órgãos efetuadores, as ordens emanadas da porção central. DIVISÃO PARTES FUNÇÕES GERAIS Sistema nervoso central (SNC) Encéfalo Medula espinhal Processamento e integração de informações Sistema nervoso periférico (SNP) Nervos Gânglios Terminações nervosas. Condução de informações entre órgãos receptores de estímulos (SNC) e órgãos efetuadores (glândulas, músculos, etc). 3.2 Estrutura e Funções O tecido nervoso é constituído por células nucleadas especiais, denominadas neurônios, com longos prolongamentos capazes de captar estímulos exteriores como calor, frio, dor. Possuem morfologia complexa, mas quase todos apresentam três componentes. Os dendritos são prolongamentos numerosos, cuja função é receber os estímulos do meio ambiente, de células epiteliais sensoriais ou de outros neurônios. O corpo celular é o centro do tráfego dos impulsos nervosos da célula. O axônio é um prolongamento único, especializado na condução de impulsos que transmitem informações do neurônio para outras células nervosas, musculares e glandulares. Curso de Especialização em Podologia 23

24 Anatomia e Biomecânica de MMII A transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro depende de estruturas altamente especializadas: as sinapses. Os axônios estão envoltos em uma camada gelatinosa que funciona como isolante e denomina-se bainha de mielina. O conjunto de axônios corresponde às fibras nervosas, cuja união forma os feixes do sistema nervoso central e os nervos do sistema nervoso periférico. A junção dos corpos neuronais constitui uma substância cinzenta denominada córtex. Diagrama de um neurönio 24 Curso de Especialização em Podologia

25 Capítulo 3 Sistema Nervoso Sinapses: transmissão do impulso nervoso entre células. Um impulso é transmitido de uma célula a outra através das sinapses (ação de juntar). A sinapse é uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células. 3.3 Organização do SNC O SNC é representado pelo encéfalo e medula espinhal, respectivamente localizados no interior da caixa craniana e coluna vertebral. O encéfalo é constituído pelo cérebro, diencéfalo, cerebelo e tronco encefálico (mesencéfalo, ponte e bulbo) e sua parte central é constituída por uma substância branca; a externa, por uma substância cinzenta. Cérebro: divide-se em duas partes simétricas (hemisférios direito e esquerdo) cuja troca de impulsos é feita pelo corpo caloso. É o órgão mais importante do sistema nervoso, pois é ele que controla os movimentos, recebe e interpreta os estímulos sensitivos, coordena os atos da inteligência, da memória, do raciocínio e da imaginação. Sua superfície evidencia pregas (giros) e reentrâncias (sulcos e fissuras) do córtex cerebral. Curso de Especialização em Podologia 25

26 Anatomia e Biomecânica de MMII Os sulcos e fissuras dividem os hemisférios em lobos responsáveis por funções específicas - como sensitivas, auditivas, visuais, movimentação voluntária, memória, concentração, raciocínio, linguagem, comportamento, entre outras. 26 Curso de Especialização em Podologia

27 Capítulo 3 Sistema Nervoso Cerebelo: controla os movimentos, a tonicidade muscular e participa da manutenção do equilíbrio do corpo. Situa-se embaixo e na parte posterior do cérebro. Da mesma forma que o cérebro, o cerebelo apresenta substância cinzenta na parte exterior e branca no interior. É o responsável pela manutenção do equilíbrio corporal, é graças a ele que podemos realizar ações complexas, como andar de bicicleta, tocar violão, por exemplo. Tronco encefálico: une todas as partes do encéfalo à medula espinhal. Desempenha funções especiais de controle, dentre outras, da respiração, do sistema cardiovascular, da função gastrintestinal, de alguns movimentos estereotipados do corpo, do equilíbrio, dos movimentos dos olhos. Serve como estação de retransmissão de sinais de comando provenientes de centros neurais ainda mais superiores que comandam o tronco cerebral para que este inicie ou modifique funções de controle específico por todo o corpo. Medula espinhal: A medula espinhal encontra-se no interior do canal formado pelas vértebras da coluna vertebral. Dela irradiam-se 31 pares de nervos espinhais, à direita e à esquerda, que inervam o pescoço, tronco e membros, ligando o encéfalo ao resto do corpo e vice-versa. É também mediadora da atividade reflexa (atos instantâneos, realizados independentemente da consciência). Estende-se da base do crânio até o nível da segunda vértebra, lombar, pouco acima da cintura. A substância cinzenta da medula espinhal tem o formato da letra H, cujas extremidades são a raiz anterior, de onde saem às fibras motoras, e raiz posterior, local de saída das fibras sensitivas. 3.4 Organização do SNP Por sua vez, o SNP consiste nos nervos cranianos e espinhais. Emergindo do tronco encefálico, há 12 pares de nervos cranianos que exercem funções específicas. A partir dos órgãos dos sentidos e dos receptores (terminações nervosas sensitivas) presentes em várias Curso de Especialização em Podologia 27

28 Anatomia e Biomecânica de MMII partes do corpo, o SNP conduz impulsos nervosos para o SNC, e deste para os músculos e glândulas. Os nervos espinhais são divididos e denominados de acordo com sua localização na coluna vertebral: 8 cervicais, 12 torácicos, 5 lombares, 6 sacrais. Nervos raquidianos: São 31 pares de nervos que partem da medula espinhal e se ramificam por todo o corpo. Os nervos raquidianos são formados pelas raízes nervosas que se iniciam nos ramos que formam o H da substância cinzenta da medula espinhal. OS nervos raquidianos são mistos, pois são formados por duas raízes nervosas: a raiz anterior, que é motora, e a raiz posterior, que é sensitiva. Nervos cranianos: são constituídos por doze pares de nervos que saem do encéfalo e se distribuem pelo corpo. Podem ser sensitivos, motores ou mistos. São responsáveis pela intervenção dos órgãos do sentido, dos músculos e glândulas da cabeça, e também de alguns órgãos internos. 3.5 Meninges O encéfalo e a medula espinhal estão protegidos por estruturas ósseas: crânio (para o encéfalo) e as vértebras (para a medula). Mas nem o encéfalo entra em contato direto com os ossos do crânio, nem a medula toca diretamente as vértebras. Envolvendo esses órgãos, existem três membranas chamadas meninges. Dura-máter - é a membrana externa que fica em contato com os ossos. Pia-máter - é a membrana interna, que envolve diretamente os órgãos. Aracnóide - é a membrana intermediária entre as outras duas. Entre a pia-máter e a aracnóide existe um líquido, chamado, líquido cefalorraquidiano. Ele protege os órgãos do sistema nervoso central contra choques mecânicos. 28 Curso de Especialização em Podologia

29 Capítulo 4 Introdução à Biomecânica de MMI CAPÍTULO 4 INTRODUÇÃO À BIOMECÂNICA DE MMII 4.1 Conceito Biomecânica: disciplina que usa princípios físicos para estudar como as forças (internas e externas) atuam no corpo. Aplicação dos princípios da mecânica para estudar os organismos vivos. Cinesiologia: é o estudo do movimento. Reúne os campos de anatomia, fisiologia, física e geometria e os relaciona com o movimento humano. 4.2 Tipos de Movimento Movimento linear: Todas as partes do objeto percorrem a mesma distância, na mesma direção e ao mesmo tempo. Movimento linear retilíneo - ocorre em linha reta. Movimento linear curvilíneo - ocorre numa trajetória curva. Movimento angular: o movimento de um objeto em relação a um ponto fixo. Todas as partes do objeto se movem através do mesmo ângulo, na mesma direção e ao mesmo tempo. Não percorrem a mesma distância. 4.3 Movimentos Articulares As articulações se movem em muitas direções diferentes. O movimento ocorre em torno dos eixos e planos da articulação. Movimentos: I. Flexão - quando um segmento corporal é movido num plano de tal modo que sua face anterior ou posterior aproxima-se da face anterior ou posterior do segmento corporal adjacente. Diminui o ângulo da articulação. II. Extensão - é o contrário. Parte-se de uma posição fletida para posição anatômica, ou mesmo, ultrapassando, se isto for possível. Aumenta o ângulo da articulação. III. Abdução - é o movimento de um segmento corporal para longe (afastando-o) da linha central do corpo (linha mediana). IV. Adução - é o contrário. Parte-se de uma abdução, retornando à posição anatômica, ou mesmo, ultrapassando, se isto for possível. V. Rotação Medial - ocorre quando a face anterior do segmento volta-se para o Curso de Especialização em Podologia 29

30 Anatomia e Biomecânica de MMII plano mediano do corpo. VI. Rotação Lateral - é o contrário. A face anterior do segmento volta-se para o plano lateral do corpo. VII. Circundução - é o movimento no qual uma parte do corpo descreve um cone cujo o vértice está na articulação e a base na extremidade distal da parte. Casos Especiais: Pronação do Antebraço - Rotação medial. Supinação do Antebraço - Rotação lateral. Desvio Ulnar - Adução do punho. Desvio Radial - Abdução do punho. Rotação Medial do Tornozelo - Inversão Rotação Lateral do Tornozelo Eversão 4.4 Termos Patológicos Comuns I. Fratura é a interrupção na continuidade de um osso. Ela pode ser causada por quedas, impactos fortes ou movimentos violentos. Há vários tipos de fraturas. Fratura fechada é assim chamada quando a pele não é rompida pelo osso quebrado. Fratura aberta ou exposta ocorre quando o osso atravessa a pele e fica exposto. A possibilidade de infecção neste tipo de fratura é muito grande e, portanto, deve ser observada com atenção. Fratura completa abrange toda a espessura do osso. Fratura incompleta engloba parte da espessura do osso. II. Luxação é o deslocamento de um osso da articulação, geralmente acompanhado de uma lesão de ligamentos e da cápsula articular. Isso resulta no posicionamento anormal dos dois ossos da articulação. III. Entorse é uma lesão que ocorre quando se ultrapassa o limite normal de movimento de uma articulação. Normalmente, ocasiona laceração parcial ou completa das fibras de um ligamento. IV. Tendinite é uma inflamação aguda ou crônica que pode afetar qualquer tendão do corpo. V. Tenossinovite é a inflamação da bainha do tendão, um tecido que recobre um grupo de tendões. VI. Sinovite é uma inflamação da membrana sinovial. VII. Bursite é uma inflamação da bursa, um tecido que atua como uma pequena almofada localizada no interior de uma articulação, evitando o atrito entre o tendão e o osso. VIII. Capsulite é uma inflamação da cápsula articular. 30 Curso de Especialização em Podologia

31 Capítulo 4 Introdução à Biomecânica de MMI 4.5 Graus de Liberdade As articulações também podem ser descritas pelos graus de liberdade ou pelo número de planos nos quais podem se mover. Classificação Funcional das Articulações O movimento das articulações depende essencialmente da forma das superfícies que entram em contato e dos meios de união que podem limitá-lo. Na dependência destes fatores as articulações podem realizar movimentos de um, dois ou três eixos. Este é o critério adotado para classificá-las funcionalmente. Articulação Monoaxial: quando uma articulação realiza movimentos apenas em torno de um eixo (1 grau de liberdade). Articulação Biaxial: quando uma articulação realiza movimentos em torno de dois eixos (2 graus de liberdade). Articulação Triaxial: quando uma articulação realiza movimentos em torno de três eixos (3 graus de liberdade). 4.6 Sistemas Dinâmicos Cinéticos: são aquelas forças que produzem o movimento. Parte da biomecânica que lida com as forças que atuam no movimento. O conhecimento das forças é necessário para se entender as causas do movimento. Forças: Representação das forças que agem sobre um sistema (forças internas e externas) FORÇAS INTERNAS FORÇAS EXTERNAS: resistência do ar - peso corporal - atrito do chão - inércia Cinemáticos: são os aspectos de tempo, de espaço e de massa de um sistema de movimento. Parte da mecânica que lida com a descrição do movimento. Não se preocupa com as forças que causam o movimento. O corpo humano pode assumir muitas posições diferentes, que parecem serem difíceis de descrever ou classificar. A cinemática é a ciência relacionada com a descrição das posições e os movimentos do corpo no espaço. Tipos de movimento: osteocinemática e artrocinemática. Curso de Especialização em Podologia 31

32 Osteocinemática (movimento ossos) Flexão, extensão, abdução, adução, rotação externa, interna, etc. Anatomia e Biomecânica de MMII Artrocinemática (movimento nas superfícies articulares) Rolamento: múltiplos pontos fazem contatos com múltiplos pontos na outra face. (Pneu rolando no asfalto). Deslizamento: ponto único faz contatos com múltiplos pontos. (Pneu derrapando na neve). Rotação: ponto único girando sobre um ponto único (Peão rodando no chão). Diversos movimentos que ocorrem no corpo humano envolvem mais de um tipo de movimento articular. 4.7 Alavancas Alavancas de 1ª classe (interfixas) Alavancas de 2ª classe (inter-resistentes) Alavancas de 3ª classe (interpotentes) Alavancas Musculoesqueléticas: barra suspensa sobre uma articulação que tem a função de converter força em torque. Torque: capacidade da força de causar movimento da alavanca. É o produto da magnitude da força aplicada (f) pela distância (d) perpendicular da linha de ação dessa força em relação ao eixo. 32 Curso de Especialização em Podologia

33 Capítulo 4 Introdução à Biomecânica de MMI T = f x d ( Braço de Alavanca) Alavanca de 1ª Classe (INTERFIXA) - Eixo de rotação entre as forças de oposição. Forças atuam em direções lineares semelhantes produzindo torques em posições opostas. Nas alavancas de 1ª classe (INTERFIXAS) o ponto de apoio está entre o ponto de aplicação da força de ação e o da força de resistência. Curso de Especialização em Podologia 33

34 Anatomia e Biomecânica de MMII A Alavanca de 2ª Classe (INTER-RESISTENTE) - Eixo de rotação localizado em uma das extremidades possuindo as forças internas maiores vantagens mecânicas. Gera mais força. Nas da 2ª classe (INTER-RESISTENTES), o ponto de aplicação da força de resistência está entre o da força de ação e o ponto de apoio. 34 Curso de Especialização em Podologia

35 Capítulo 4 Introdução à Biomecânica de MMI Alavanca de 3ª Classe (INTERPOTENTE) - Eixo de rotação localizado em uma das extremidades possuindo as forças externas maiores vantagens mecânicas. Mais comum no corpo humano. Mais ADM. Nas da 3ª classe (interpotentes), a força de ação está aplicada entre a de resistência e o ponto de apoio. Curso de Especialização em Podologia 35

36 Anatomia e Biomecânica de MMII Alavancas do Corpo humano Vantagem Mecânica: A eficiência de uma alavanca para mover uma resistência é VM = BF/BR. BF- distância do eixo até a força / Braço de Momento (BF) é a distância entre o eixo de uma articulação e o ponto de aplicação de força muscular (inserção do músculo). BR- distância do eixo até a resistência. A grande maioria das alavancas do nosso corpo, por serem de 3ª classe e terem as inserções dos músculos próximas das articulações, apresentam baixa força. O corpo humano como um sistema de alavancas: os músculos e os ossos juntamente com as articulação formam alavancas que nos permitem executar atividades corriqueiras como por exemplo: levantar objetos, andar e mastigar. Para cada movimento, há pelo menos 2 músculos que trabalham antagonicamente: quando um se contrai, o outro se distende. Por exemplo, ao flexionar o antebraço, há uma contração do bíceps e uma distensão do tríceps. 36 Curso de Especialização em Podologia

37 Capítulo 4 Introdução à Biomecânica de MMI Cadeias cinéticas Constituídas por uma combinação de várias articulações unindo segmentos sucessivos. Cadeia cinética aberta: segmentos podem mover-se independentemente. Articulação distal livre. Cadeia cinética fechada: o movimento de um segmento exige que os outros segmentos se movam. Articulação distal fixa. Importante para sabermos qual segmento está movendo. Tipos de contração muscular Isométricas: ocorrem quando a tensão desenvolvida é dentro do músculo, mas os ângulos articulares permanecem constantes. Servem para estabilizar as articulações enquanto outras são movidas. Gera tensão mus-cular sem realizar movimentos. Isotônicas: envolvem desenvolvimento de tensão por parte do músculo para originar ou controlar o movimento articular. A variação no grau de tensão dos músculos faz com que os ângulos articulares mudem. (Concêntrica e Excêntrica). Concêntrica: o músculo se encurta e traciona outra estrutura, como um tendão, reduzindo o ângulo de uma articulação. Excêntrica: quando aumenta o comprimento total do músculo durante a contração. ADM (amplitude de movimento) Movimento completo possível. Complexidade do movimento humano (estruturas envolvidas). Pacientes com afecções ortopédicas. Curso de Especialização em Podologia 37

38 Anatomia e Biomecânica de MMII Estruturas envolvidas: Cápsula articular, ligamentos, músculos, tendões, bursas, meniscos, fáscia, pele, sistema nervoso intacto. Pré-requisitos de mobilidade normal: movimentos artrocinemáticos, osteocinemáticos e coordenação neuromuscular. 4.8 Ação muscular As fixações musculares são descritas como origem e inserção. Quando um músculo contrai e encurta, uma de suas extremidades geralmente permanece fixa, enquanto a outra extremidade (mais móvel) é puxada em direção a ele, resultando em movimento. Geralmente a inserção (osso mais móvel) se move em direção à origem (osso mais estável). A origem geralmente é a extremidade proximal do músculo e que permanece fixa durante a contração, ou seja, é a extremidade presa ao osso que não se desloca (ponto fixo). A inserção é a extremidade distal do músculo que se movimenta durante a contração, ou seja, é a extremidade presa ao osso que se desloca (ponto móvel). Exemplo: quando o bíceps contrai, o antebraço se move em direção ao úmero. O úmero é mais estável porque está fixado no esqueleto axial. O antebraço é mais móvel porque está ligado à mão, que é muito móvel. Reversão da Ação Muscular: se fizermos o mesmo movimento mas com a parte distal fixa (flexão de braço), aí será o contrário: a origem se move em direção à inserção. O úmero se moveria em relação ao antebraço. Classificação funcional dos músculos esqueléticos Agonista: é o agente principal na execução de um movimento. Antagonista: é aquele que se opõe ao trabalho de um agonista Sinergista: aquele que atua no sentido de eliminar algum movimento indesejado que poderia ser produzido pelo agonista. Fixador: fixam um segmento do corpo para permitir um apoio básico nos movimentos executados por outros músculos. Importante: estes conceitos são dinâmicos, ou seja, um músculo que em determinado momento é agonista em outro pode ser antagonista ou fixador ou sinergista. 38 Curso de Especialização em Podologia

39 Capítulo 5 Marcha CAPÍTULO 5 MARCHA 5.1 Introdução A postura corporal e a locomoção normal exigem integridade da função visual, vestibular, proprioceptiva e um equilíbrio músculo-esquelético. Qualquer alteração em algum desses sistemas, determinará um comprometimento durante as fases da marcha. Necessidade básica de se mover de um lugar ao outro. Atividade mais comum realizada no cotidiano. Tarefa aparentemente fácil mas, somente com 7 anos de idade nos conseguimos uma marcha refinada. No final da vida a marcha novamente pode se tornar um desafio. 5.2 Ciclos da marcha Durante a marcha realizamos uma seqüência de movimentos para movermos o corpo para frente. Simultaneamente o corpo se adapta para manter a postura estável. Ao movermos o corpo para frente um membro serve como fonte móvel de apoio e o outro membro avança para a posição de apoio. Essa seqüência é chamada de ciclo de marcha e por definição ela tem início a partir do contato inicial. 5.3 Divisões do ciclo Cada ciclo é dividido em 2 períodos que são chamados de fases da marcha. Apoio Período do qual o pé está em contato com a superfície. Tem início com o contato inicial do calcanhar. Pode ser dividido em três intervalos: duplo apoio inicial, apoio simples e duplo apoio terminal. Balanço Tem início quando o pé é elevado da superfície. O termo é usado para o momento em que o pé está no ar para o avanço do membro inferior. Curso de Especialização em Podologia 39

40 Duração Distribuição normal: 60% para o apoio e 40% para o balanço. 5.4 Passada e passo Anatomia e Biomecânica de MMII O ciclo da marcha também pode ser chamado de passada. Ciclo: atividade que ocorre entre o tempo que o calcanhar de um membro toca o solo e o tempo que o mesmo pé toca o solo novamente. Um passo é a metade de um passo largo. Segundo Magee (2002): Andar é o simples ato de cair para frente e apoiar-se. Um pé sempre está em contato com o solo. Já na corrida, existe um período de tempo em que nenhum dos pés encontra-se em contato com o solo, período denominado de dupla flutuação. 40 Curso de Especialização em Podologia

41 Capítulo 6 Postura Corporal CAPÍTULO 6 POSTURA CORPORAL 6.1 Definição de postura Postura é uma composto das posições das diferentes articulações do corpo num dado momento. A postura correta é a posição na qual um mínimo de estresse é aplicado em cada articulação (Magee, 2002). A postura correta consiste no alinhamento do corpo com eficiências fisiológicas e biomecânicas máximas, o que minimiza os estresses e as sobrecargas sofridas ao sistema de apoio pelos efeitos da gravidade (Palmer & Apler, 2000). 6.2 Curvas primárias e secundárias da coluna vertebral Numa pessoa adulta normal a coluna vertebral deve ter basicamente quatro curvaturas, sendo duas primárias e duas secundárias. As curvaturas primárias, chamadas assim por formarem-se primeiro, são as cifoses. As secundárias, que são quebras angulares das primárias, são as lordoses que aparecem mediante as forças impostas sobre a coluna durante a infância. Curso de Especialização em Podologia 41

42 Anatomia e Biomecânica de MMII 6.3 Alterações posturais com a idade Com o passar dos anos, o sistema muscular esquelético, responsável pela sustentação e manutenção da postura do corpo, vai perdendo a sua tonicidade e enfraquecendo. Em consequência disso, as atividades diárias se tornam mais difíceis e são realizadas de forma mais lenta. Algumas alterações encontradas em pessoas idosas: Aumento das curvaturas da coluna: lombar, cervical e torácica; diminuição da densidade mineral óssea; redução da força muscular; desabamento do arco plantar do pé (conhecido como a planta do pé); redução da altura. 6.4 Alinhamento postural Na vista lateral, a linha de referência vertical, divide o corpo em secções anterior e posterior. O ponto de referência fixo é levemente anterior ao maléolo externo e representa o ponto básico do corpo em alinhamento ideal. 42 Curso de Especialização em Podologia

43 Capítulo 6 Postura Corporal Na vista posterior, a linha de referência vertical, divide o corpo em secções direita e esquerda. Na vista posterior, o ponto fica a meio caminho entre os calcanhares e representa o ponto básico do corpo em alinhamento ideal. 6.5 História Clínica Qual é a idade do paciente? Qual é a ocupação? Há um histórico de traumatismo? A família tem qualquer histórico de problemas na coluna? Existe antecedente de doença, cirurgia ou lesões graves que tenham ocorrido com o paciente? O sapato faz diferença para a postura ou os sintomas do paciente? Se uma deformidade estiver presente, ela é progressiva ou estacionária? Qual é a natureza, extensão, tipo e duração da dor? Existem posturas ou ações que aumentam ou diminuam a dor? Qual a atividade ou lazer habitual do paciente? Que atividades agravam e aliviam a dor? 6.6 Avaliação postural A avaliação postural deve determinar se um segmento corporal ou articulação desvia- -se de um alinhamento /postura ideal. O paciente deve sentir-se à vontade e evitar rigidez e posições não-naturais. Deve ser visualizado o equilíbrio global do corpo; É importante verificar as alterações de tempos em tempos para certificar-se dos dados, se a posição não mudou, porque o paciente pode corrigir sua alteração momentaneamente. 6.7 Causas de postura incorreta Traumatismo Patologias que limitam a perda funcional da força muscular e a mobilidade Hábitos de postura viciosa Fraqueza muscular Atitude Mental Hereditariedade Curso de Especialização em Podologia 43

44 Anatomia e Biomecânica de MMII 44 Curso de Especialização em Podologia

45 Capítulo 7 Quadril CAPÍTULO 7 QUADRIL 7.1 Estrutura do quadril: O quadril é a mais proximal das articulações dos MMII. Muito importante na sustentação do peso e nas atividades de locomoção. O quadril, ou articulação coxo-femoral é formado pelo osso da bacia (pelve) e o fêmur (o mais longo osso do corpo). Assemelha-se a uma esfera dentro de uma taça invertida. A esfera é a parte de cima do fêmur, ou cabeça do fêmur, e a taça é o acetábulo (de acetabulum do latim). Entre os dois ossos existe uma camada de cartilagem que possibilita o deslizamento com mínimo atrito e a lubrificação entre estas superfícies, além de espessos ligamentos, que mantém a articulação firmemente unida. Promove movimento simultâneo entre os MMII e a pelve. Suas características anatômicas propiciam uma boa estabilidade tanto na posição estática quanto em movimento. Na borda do acetábulo existe uma estrutura de cartilagem fibrosa parecida com um lábio (no latim: labrum). Esta estrutura tem funções importantíssimas na manutenção do selo articular, na lubrificação, na distribuição homogênea de carga na cartilagem, na propriocepção. Curso de Especialização em Podologia 45

46 Anatomia e Biomecânica de MMII Possuem poderosos músculos que permitem que adotemos a postura bípede. Estes músculos por sua vez possuem fortes tendões e pequenas bolsas interpostas: bursas, reduzindo o atrito e possibilitando um melhor deslizamento. O quadril proporciona movimento e estabilidade ao corpo, atuando de forma sincronizada durante a marcha com toda a musculatura dos membros inferiores, coluna e pelve. O quadril suporta grandes pressões durante a marcha, podendo chegar numa caminhada normal até a 3 vezes o peso do corpo e até cerca de 8 vezes o peso do corpo numa corrida rápida. Membrana sinovial reveste a parte interna da cápsula articular. A face externa é reforçada pelos ligamentos: iliofemoral, pubofemoral e isquiofemoral. Iliofemoral: Limitar a hiperextensão e a rotação externa. Pubofemoral: Limitar a hipertextensão e a abdução. Isquiofemoral: Limitar a adução, rotação interna e hiperextensão. Bursas localizadas em áreas de atrito excessivo, sob tendões e proeminências ósseas. Bursa trocantérica: trocânter maior e tensor da fáscia lata. Bursa iliopectínea: sobre a articulação do quadril e iliopsoas. Bursa isquiática: sobre a tuberosidade isquiática, glúteo e ísquiotibiais. 7.2 Ângulo de inclinação do Fêmur Descreve o ângulo no plano frontal entre o colo e o corpo do fêmur. Nascimento 140 a 150 graus. Idade adulta 125 graus.( ângulo de alinhamento ótimo) Coxa vara: inclinação menor que 125 graus. Coxa valga: inclinação maior que 125 graus. Alteração nesse ângulo altera a biomecânica do quadril. 46 Curso de Especialização em Podologia

47 Capítulo 7 Quadril 7.3 Ângulo de torção do Fêmur Ângulo entre o corpo e o colo do fêmur no plano trans-verso. Normal: 15 a 25 anteversão. Anteversão excessiva: maior que 25. A anteversão é um ângulo aumentado e pode resultar na marcha com os dedos do pé virados medialmente. Retroversão: menor que 15. Retroversão é um ângulo diminuído e pode resultar na marcha com os dedos do pé virados lateralmente. O padrão de marcha apresentado em um paciente com anteversão da cabeça do fêmur pode levar a uma rotação interna exagerada do quadril e hálux valgo. A) Anteversão excessiva B) Anteversão excessiva com metatarso aduto C) Anteversão normal D) Retroversão Curso de Especialização em Podologia 47

48 Anatomia e Biomecânica de MMII 7.4 Movimentos do quadril Articulação triaxial do tipo bola-e-soquete (esferóide). Movimento ocorre nos 3 planos. Plano sagital: flexão, extensão e hiperextensão. Plano frontal: adução e abdução. Plano transverso: rotação interna e externa. Movimento alterado no quadril pode indicar uma doença nessa estrutura e causar limitações na marcha. Movimentos ADMS Flexão 0 a 120 Extensão 0 a 30 Abdução 0 a 45 Adução 0 a 30 Rotação externa 0 a 45 Rotação interna 0 a Função muscular no quadril AÇÃO Flexão Extensão Abdução Adução Rotação interna Rotação externa Combinação de flexão e abdução Combinação de Flexão, abdução e rotação externa MÚSCULO Reto femoral, iliopsoas. Glúteo máximo, semitendinoso, semimembranoso e bíceps femoral. Glúteo médio e glúteo mínimo. Adutor curto, longo, magno, pectíneo e grácil Glúteo mínimo Glúteo máximo, OOGGPQ TFL Sartório 7.6 Pelve Alguns ossos se unem para formar extremidade inferior do tronco, a pelve, popularmente conhecida como bacia. Ossos: Sacro- Cóccix- Ílio- Ísquio- Púbis. 48 Curso de Especialização em Podologia

49 Capítulo 7 Quadril Curso de Especialização em Podologia 49

50 Anatomia e Biomecânica de MMII 50 Curso de Especialização em Podologia

51 Capítulo 8 Joelho Capítulo 8 JOELHO 8.1 Estrutura do joelho Considerado a maior articulação do corpo humano, com pouca estabilidade no esqueleto ósseo e muita flexibilidade. Formado por 2 ossos: o fêmur (coxa) e a tíbia (perna). Articulação entre os côndilos femorais convexos e os côndilos levemente côncavos da tíbia. Estabilizador dessa articulação: quadríceps. Articulação sinovial em dobradiça - com componente rotacional. Os movimentos funcionais do joelho são: flexão, extensão, rotação medial (rodar internamente) e rotação lateral (rodar externamente). Forte inter-relação com o quadril e o pé (vários músculos cruzam o quadril e o joelho). Possui funções biomecânicas muito importantes que podemos observar na marcha e na corrida. Função: diminuir o comprimento do MI, absorção de choque, conservação e transmissão de forças. Configuração óssea do joelho confere pouca estabilidade. Estabilidade: Tecido mole e contrátil. Lesões comuns no joelho: lesão cartilaginosa (osteoartrose) e lesão ligamentar. Região distal do fêmur: Côndilo lateral e medial; Fossa intercondilar; Epicôndilo lateral e medial. Curso de Especialização em Podologia 51

52 Anatomia e Biomecânica de MMII Patela: forma de polia articulando com o fêmur (articulação patelofemoral). Face articular posterior: recoberta com cartilagem. Articula-se com a face intercondilar do fêmur. Fíbula: Não sustenta peso, mas ajuda a manter o alinhamento da tíbia. 52 Curso de Especialização em Podologia

53 Capítulo 8 Joelho Tíbia: Eminência intercondilar; Tuberosidade da tíbia; Platô tibial. Faces articulares são levemente côncavas. 8.2 Artrologia Fêmur ligeiramente curvado medialmente devido ao ângulo de inclinação da cabeça do fêmur. Normal: joelho levemente valgo. Joelho com ângulo lateral maior que 180 graus: joelho varo (cambota). Joelho com ângulo menor que 170 graus: joelho valgo excessivo (perna torta). Curso de Especialização em Podologia 53

54 Anatomia e Biomecânica de MMII 8.3 Estrutura Articular Articulação entre os côndilos (convexos) do fêmur com os côndilos (côncavos) da tíbia. Estabilidade articular é fornecida pelos músculos, ligamentos, cápsula, meniscos e pelo peso corporal. Envolve a articulação do joelho e a articulação patelofemoral. Reforçada pelos ligamentos, músculos e fáscias musculares. Parte interna da cápsula: membrana sinovial: Bursas: 13/14 bolsas formam junção entre os tecidos que entram em atrito durante o movimento. Função: reduzirem o atrito. Forças excessivas e repetitivas podem levar a uma bursite. Meniscos: Discos fibrocartilaginosos semilunares que estão localizados na articulação do joelho. Fixam na tíbia e na cápsula articular. São relativamente livres para se movimentar dentro da articulação. 54 Curso de Especialização em Podologia

55 Capítulo 8 Joelho Função: Aumentar a congruência articular. Reduzir o estresse articular. Reduzir o atrito. Conduzir a artrocinemática do joelho. 8.4 Estruturas Ligamentares Ligamentos colaterais: Função: limitar os movimentos no plano frontal. Estão tensionados na extensão total do joelho Flexão dos joelhos: relativamente relaxados Ligamentos cruzados: LCA: Limitam o deslizamento anterior excessivo da tíbia ou deslizamento posterior do fêmur. Extensão excessiva do joelho. Extremos: varo, valgo e rotação. LCP: Limitam o deslizamento posterior excessivo da tíbia e o deslizamento anterior do fêmur. Fibras tensas na extensão completa e nos extremos de varo, valgo e rotação. Curso de Especialização em Podologia 55

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO

EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO EXERCÍCIOS SISTEMA ESQUELÉTICO 1. Quais as funções do esqueleto? 2. Explique que tipo de tecido forma os ossos e como eles são ao mesmo tempo rígidos e flexíveis. 3. Quais são as células ósseas e como

Leia mais

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de

Osteologia. Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Osteologia Estudo da estrutura dos ossos oste = osso; logia = estudo de Ossos Ossos são orgãos esbranquiçados, muito duros, que unindo-se aos outros por meio de junturas ou articulações, constituem o esqueleto.

Leia mais

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues

SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO. Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Enf. Thais Domingues SISTEMA MÚSCULO ESQUELÉTICO Composto de ossos, músculos, cartilagem, ligamentos e fáscia, proporcionando ao corpo, com sua armação estrutural uma caixa

Leia mais

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V

E S T U D O D O M O V I M E N T O - V 1 Pronação A pronação corresponde ao movimento que coloca a face palmar da mão virada para trás, colocando o 1º dedo (polegar) da mão mais próximo do plano sagital. Supinação A supinação corresponde ao

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 14 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ACREDITE EM VOCÊ Profª Elaine Terroso Esse material foi elaborado

Leia mais

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR

ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR ANATOMIA TEMA DA AULA: O SISTEMA MUSCULAR Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Entender a morfologia dos músculos estriados esqueléticos;

Leia mais

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano

ERGONOMIA. Anatomia e Fisiologia - Limitações do Organismo Humano Verificamos um exemplo, da operária, de como é importante para o profissional de Segurança e Higiene do Trabalho conhecer as limitações do corpo humano e como este pode se sobrecarregar, com o intuito

Leia mais

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano.

Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Sistema Esquelético Humano. Esqueleto axial. Sistema Esquelético Humano. Anatomia Humana Sistema Esquelético Ed. Física Prof. Cláudio Costa Osteologia: É o estudo dos ossos. Composição do Sistema Ósseo: 206 peças duras, resistentes e flexíveis chamadas ossos, pelas cartilagens

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano

SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS. Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano SISTEMA LOCOMOTOR OSSOS E MÚSCULOS Profa. Cristiane Rangel Ciências 8º ano O esqueleto FOTOS: ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK Como saber se um esqueleto é de homem ou de mulher? Que funções

Leia mais

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES

ESTUDO DO MOVIMENTO OSTEOLOGIA COLUNA VERTEBRAL E TÓRAX 1 TERMOS DIRECCIONAIS ORIENTAÇÃO DO TIPOS DE OSSOS MOVIMENTOS ARTICULARES TERMOS DIRECCIONAIS EB 23S DE CAMINHA CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO GESTÃO DESPORTIVA ESTUDO DO MOVIMENTO TÓRAX POSIÇÃO DESCRITIVA ANATÓMICA PLANOS DESCRITIVOS PLANO SAGITAL PLANO HORIZONTAL INFERIOR ANTERIOR

Leia mais

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos

Miologia anatomia e fisiologia dos músculos ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Miologia anatomia e fisiologia dos músculos Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Tipos de tecido O tecido muscular e, consequentemente, os músculos, são classificados,

Leia mais

Prof André Montillo www.montillo.com.br

Prof André Montillo www.montillo.com.br Prof André Montillo www.montillo.com.br Qual é a Menor Unidade Viva? Célula Qual é a Menor Unidade Viva? Tecidos Órgãos Aparelhos Sistemas Célula Células Tecidos Órgãos Sistemas ou Aparelhos Sistemas ou

Leia mais

Constituição do Esqueleto

Constituição do Esqueleto O ESQUELETO HUMANO Funções do Esqueleto O esqueleto humano constitui a estrutura que dá apoio ao corpo, protege os órgãos internos e assegura a realização dos movimentos, juntamente com o sistema muscular.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO ANATOMIA DO OMBRO Articulação Sinovial Forma de sela Três graus de liberdade Posição de Repouso Posição de aproximação

Leia mais

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular

Apostila de Anatomia e Fisiologia Humana Sistema Muscular - Professor Raphael Varial. Sistema Muscular Introdução Sistema Muscular Os músculos representam cerca de 50 a 60% do peso do corpo, quando eles se contraem afetam o movimento de todo o corpo, do sangue, do alimento e da respiração por exemplo. Existem

Leia mais

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol

Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol Professoras: Edilene, Ana Laura e Carol A locomoção depende da ação conjunta e integrada dos ossos e dos músculos; Os seres humanos tem coluna vertebral, que é o eixo do nosso esqueleto interno; O esqueleto

Leia mais

CLASSES DE MOVIMENTOS

CLASSES DE MOVIMENTOS CLASSES DE MOVIMENTOS ATOS REFLEXOS - considerados involuntários, simples (poucos músculos), estereotipados, em geral ocorrem automaticamente em resposta a um estímulo sensorial. Ex. resposta ao toque

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014

SISTEMA MUSCULAR. Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 SISTEMA MUSCULAR Profª Fabíola Alves dos Reis 2014 OBJETIVOS Diferenciar os tipos de músculos. Conhecer as estruturas micro e macroscópicas dos músculos. Conceituar: estados de contração e de relaxamento,

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883

ANATOMIA E FISIOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 ANATOMIA E FISIOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP 42883 Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira 2 DEFINIÇÕES Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição e o desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural

AVALIAÇÃO POSTURAL. Figura 1 - Alterações Posturais com a idade. 1. Desenvolvimento Postural AVALIAÇÃO POSTURAL 1. Desenvolvimento Postural Vantagens e desvantagens da postura ereta; Curvas primárias da coluna vertebral; Curvas Secundárias da coluna vertebral; Alterações posturais com a idade.

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural. Pés. A Base da Boa Postura. João Elias Saad

Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural. Pés. A Base da Boa Postura. João Elias Saad Prp. Palmilhas para Reprogramação Postural Pés A Base da Boa Postura João Elias Saad A influência dos pés na estruturação da postura corporal e utilização da palmilha proprioceptiva na prevenção e reprogramação

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Tecido Nervoso Compreende basicamente dois tipos celulares Neurônios unidade estrutural e funcional

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA

Controle Postural. Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente. manter CDM nos limites da BDA CONTROLE POSTURAL Controle Postural Orientação Postural: Relação adequada entre os segmentos do corpo e do corpo com o ambiente Estabilidade postural ou equilíbrio: capacidade de manter CDM nos limites

Leia mais

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso

Sistema Nervoso. Aula Programada Biologia. Tema: Sistema Nervoso Aula Programada Biologia Tema: Sistema Nervoso 1) Introdução O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular ANATOMOFISIOLOGIA I Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI-

A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- 11 2 BIOMECÂNICA DA POSTURA 1 2.1 Conceituação de postura A palavra postura tem dois grandes significados físico e figurativo (FERREI- RA, 1986, p. 1373): no sentido físico, corporal, significa "o modo

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar

Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Avaliação Fisioterapêutica da Coluna Lombar Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Disciplina: MFT-0377 Métodos de Avaliação Clínica e Funcional Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Leia mais

3.4 Deformações da coluna vertebral

3.4 Deformações da coluna vertebral 87 3.4 Deformações da coluna vertebral A coluna é um dos pontos mais fracos do organismo. Sendo uma peça muito delicada, está sujeita a diversas deformações. Estas podem ser congênitas (desde o nascimento

Leia mais

ERGONOMIA. CÉLULAS: divididas em CORPO, DENDRITES e UM AXÔNIO

ERGONOMIA. CÉLULAS: divididas em CORPO, DENDRITES e UM AXÔNIO ERGONOMIA AULA 3: O O ORGANISMO HUMANO FUNÇÃO NEURO-MUSCULAR SISTEMA NERVOSO Constituído de células nervosas sensíveis a estímulos. Recebem, interpretam e processam as info recebidas, transformando-as

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Cotovelo Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação ulnoumeral ou troclear:

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Os seres mais basais possuem capacidade de reação a estímulos ambientais; Células procariontes, metazoários contraem

Leia mais

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo

SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo SISTEMA NERVOSO 2 Profº Moisés Araújo www.bioloja.com EMBRIOGÊNESE DO SN DIVISÃO DO SN O SISTEMA NERVOSO O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio

Leia mais

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado.

Teórica: Aula expositiva dialogada com projeção de imagens e manipulação do esqueleto de resina, articulado. Aulas 2 e 3 Tema: Sistema esquelético Objetivos Mediar os conhecimentos científicos dos conteúdos propostos para que o aluno seja capaz de: Identificar a estrutura geral do Esqueleto Humano; Identificar

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia. Reflexos Medulares. Elio waichert Universidade Federal do Espírito Santo Centro Biomédico Curso de Psicologia Reflexos Medulares Elio waichert # Objetivos Apresentar as características da medula espinhal; Classificar os receptores sensoriais

Leia mais

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho

Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia. Joelho Dr. Josemir Dutra Junior Fisioterapeuta Acupunturista Acupunturista Osteopata Especialista em Anatomia e Morfologia Joelho O joelho é a articulação intermédia do membro inferior, é formado por três ossos:

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação esternoclavicular: É uma

Leia mais

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES)

VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) VIAS EFERENTES (DESCENDENTES) Colocam em comunicação os centros supra-segmentares com os órgãos efetuadores: 1- Vias eferentes viscerais (vida vegetativa) : Alvos = vísceras e vasos > função dos órgãos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Curso de Férias Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto No seu conceito mais amplo, a Anatomia é a ciência que estuda, macro e microscopicamente, a constituição

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a:

SISTEMA NERVOSO. Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: SISTEMA NERVOSO Juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a: perceber as variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem executar as respostas

Leia mais

É responsável pelo movimento do corpo

É responsável pelo movimento do corpo É responsável pelo movimento do corpo O sistema locomotor é formado pelos ossos, músculos e articulações. O sistema esquelético sustenta, protege os órgãos internos, armazena minerais e íons e produz células

Leia mais

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE

ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE ESTUDO RADIOLÓGICO DA PELVE Sínfise púbica Classificação: sínfise Movimentos permitidos: mobilidade bidimensional e rotação de uns poucos milímetros em conjunto com a deformação da pelve quando na sustentação

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

Incidência de Disfunção Sacroilíaca

Incidência de Disfunção Sacroilíaca Incidência de Disfunção Sacroilíaca ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 Introdução A pelve e em especial as articulações sacroilíacas sempre foram consideradas como tendo valor clínico

Leia mais

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça

Proteger a medula espinal e os nervos espinais. Fornece um eixo parcialmente rígido e flexível para o corpo e um pivô para a cabeça Cinthya Natel Baer Cristiane Schwarz Gelain Isabella Mauad Patruni Laila Djensa S. Santos Laiza Tabisz Mariana Escani Guerra Paula Moreira Yegros Veronica Dalmas Padilha Ana Paula Trotta Aline Sudoski

Leia mais

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna

SISTEMA NERVOSO. Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO Professora: Daniela Carrogi Vianna SISTEMA NERVOSO O sistema Nervoso é um todo. Sua divisão em partes tem um significado exclusivamente didático, pois as várias partes estão intimamente

Leia mais

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares)

ANATOMIA. Osso. VISTA LATERAL DO SACRO (Braço maior e menor e fixações musculares) SACRO CBES ANATOMIA Osso O sacro é formado por 5 vértebras fundidas. Os forâmens de conjugação se transformam em forâmens sacrais anteriores e posteriores. Sua face anterior é côncava e lisa Sua face posterior

Leia mais

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906

Confederação Brasileira de Tiro Esportivo Originária da Confederação do Tiro Brasileiro decreto 1503 de 5 de setembro de 1906 Exercícios com Elástico Os Exercícios com elástico irão trabalhar Resistência Muscular Localizada (RML). Em cada exercício, procure fazer a execução de maneira lenta e com a postura correta. Evitar o SOLAVANCO

Leia mais

Testes para o Joelho

Testes para o Joelho Testes para o Joelho Teste de compressão de Apley Pcte em dec. ventral, fletir a perna a 90º. Segurar o tornozelo, aplicar pressão para baixo e girar a perna lateral//e emedial//e. Teste de compressão

Leia mais

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular.

Sistema Nervoso. Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Neurônio Sistema Nervoso Corpo celular constituída pela membrana, organelas e núcleo celular. Dendritos prolongamentos ramificados que captam os estímulos nervosos. Axônio prolongamento único e responsável

Leia mais

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João

Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional. Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João Avaliação Fisioterapêutica do Quadril Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação do Quadril: É uma articulação

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia

21/08/2013 *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA. Conceito. Tipos de Anatomia. Tipos de Anatomia *INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS *OSTEOLOGIA Valdirene Zabot valdirene@unochapeco.edu.br Conceito Anatomia é o ramo da ciência que trata da forma e estrutura dos organismos. Etmologicamente,

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT

FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS FIT Disciplina: ANATOMIA HUMANA Prof. Ms. Alexandre Oliveira SANTARÉM 2010 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Introdução ao estudo da anatomia 2 Sistema Esquelético 3 Sistema Articular

Leia mais

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA

Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA Sistema Muscular PROF. VINICIUS COCA MUSCULO CARDÍACO (MIOCÁRDIO) Músculo cardíaco possui anatomia própria, diferindo anatômica e funcionalmente dos outros tipos musculares. MÚSCULO LISO O músculo liso

Leia mais

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI;

18/03/2014 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA. Toca da Raposa - MG. Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA Prof.Msc.Moisés Mendes da Silva FORMAÇÃO: Graduado em Educação Física-UFPI; Pós-Graduado em Educação Física Escolar-UFPI Mestre em Ciências e Saúde -UFPI EXPERIÊNCIA PROFISSICIONAL

Leia mais

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi

Sistema Nervoso Professor: Fernando Stuchi Fisiologia Animal Sistema Nervoso Sistema Nervoso Exclusivo dos animais, vale-se de mensagens elétricas que caminham pelos nervos mais rapidamente que os hormônios pelo sangue. Mantido vivo pela eletricidade,

Leia mais

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes*

Osteoporose. Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* Trabalho realizado por: Laís Bittencourt de Moraes* * Fisioterapeuta. Pós-graduanda em Fisioterapia Ortopédica, Traumatológica e Reumatológica. CREFITO 9/802 LTT-F E-mail: laisbmoraes@terra.com.br Osteoporose

Leia mais

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função.

Lesões Meniscais. O que é um menisco e qual a sua função. Lesões Meniscais Introdução O menisco é uma das estruturas mais lesionadas no joelho. A lesão pode ocorrer em qualquer faixa etária. Em pessoas mais jovens, o menisco é bastante resistente e elástico,

Leia mais

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2

Escola de Massagem Estética e Terapêutica. Espondiolaterapia : Programa: Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Escola de Massagem Estética e Terapêutica Programa Curso Profissionalizante 2011 vr.2 Espondiolaterapia : Trata-se de um protocolo para avaliação, interpretação e orientação aplicado à coluna vertebral

Leia mais

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado

Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Exame Fisico do Quadril Celso HF Picado Introdução A cintura pélvica é composta pela articulação sacro-ilíaca, pela sínfise púbica e pela articulação coxo-femoral. Esta última corresponde à articulação

Leia mais

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos:

Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas e Luxações do Cotovelo em Adultos: Fraturas do cotovelo em adultos: l As fraturas correspondem 31.8% dos traumas em cotovelo no adulto; l Freqüência: cabeça do rádio 39,4%; luxação do cotovelo

Leia mais

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais.

Por esse motivo é tão comum problemas na coluna na sua grande maioria posturais. R.P.G. E A MECÂNICA DA NOSSA COLUNA VERTEBRAL * Dr. Gilberto Agostinho A coluna vertebral, do ponto de vista mecânico é um verdadeiro milagre. São 33 vértebras (7 cervicais + 12 torácicas + 5 lombares

Leia mais

Prof Thiago Scaquetti de Souza

Prof Thiago Scaquetti de Souza Prof Thiago Scaquetti de Souza SISTEMA RESPIRATÓRIO HUMANO Funções e anatomia O sistema respiratório humano possui a função de realizar as trocas gasosas (HEMATOSE). Esse sistema é composto pelas seguintes

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 A coluna vertebral, assim como qualquer articulação, apresenta movimentos que possuem tanto grande como pequena amplitude articular. Estes recebem o nome de Macromovimentos e Micromovimentos,

Leia mais

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em:

Artrologia. Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: 58 Artrologia Articulação é a junção de dois ossos. Podem ser classificadas em: Fibrosas (Sinartrose) As articulações fibrosas incluem todas as articulações nas quais os ossos são mantidos por tecido conjuntivo

Leia mais

Introdução a Neurofisiologia I.

Introdução a Neurofisiologia I. Introdução a Neurofisiologia I. Obs: O texto abaixo apresenta caráter introdutório, dessa forma, não substitui à bibliografia básica indicada. O tecido nervoso acha-se distribuído pelo organismo, interligando-se

Leia mais

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo.

04/11/2012. rígida: usar durante a noite (para dormir) e no início da marcha digitígrada, para manter a ADM do tornozelo. 04/11/2012 Prolongar o tempo de deambulação independente. Manter a postura correta. Garantir o bom funcionamento das funções cardiorrespiratória e digestiva. Manter a amplitude do movimento. Garantir o

Leia mais

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA

CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA CONTROLE DA MOTRICIDADE SOMÁTICA Medula, Tronco Encefálico & Córtex Motor Cerebelo e Núcleos da Base Profa Silvia Mitiko Nishida Depto de Fisiologia Padrões Básicos de Movimentos do Corpo Movimento de

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos

Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Ossos Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP Ossos Resumo da aula Classificação Estrutura óssea Funções Remodelagem Cargas Torque/ Momento Stress em função da Geometria Óssea Resumo da aula Esqueleto axial

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Victor H. A. Okazaki http://okazaki.webs.com Material de Apoio: Desenvolvimento & Aprendizado

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Avaliação Integrada. Profº Silvio Pecoraro. Specialist Cooper Fitness Center Dallas Texas/USA Cref. 033196 G/SP

Avaliação Integrada. Profº Silvio Pecoraro. Specialist Cooper Fitness Center Dallas Texas/USA Cref. 033196 G/SP Avaliação Integrada Profº Silvio Pecoraro Specialist Cooper Fitness Center Dallas Texas/USA Cref. 033196 G/SP Definições Chaves Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural.

Leia mais

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula

Sistema Nervoso. Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Cérebro. Cerebelo. Encéfalo. Mesencéfalo Ponte Bulbo Medula Introdução O corpo humano é coordenado por dois sistemas: o nervoso e o endócrino. O sistema nervoso é o que coordena, por meio da ação dos neurônios, as respostas fisiológicas, como a ação dos músculos

Leia mais

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br

Anatomia da pele. Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira. marcos.oliveira@fadergs.edu.br Anatomia da pele Prof. Dr. Marcos Roberto de Oliveira marcos.oliveira@fadergs.edu.br SISTEMA TEGUMENTAR: PELE E FÁSCIA Funções: proteção regulação térmica sensibilidade Sua espessura varia de 0.5mm nas

Leia mais

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro

Reitora Suely Vilela. Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César. Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Reitora Suely Vilela Diretor da Faculdade de Saúde Pública Chester Luiz Galvão César Chefe do Departamento de Nutrição Carlos Augusto Monteiro Chefe do Laboratório de Avaliação Nutricional de Populações

Leia mais

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax

Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax Bases Diagnósticas e Terapêuticas de Cyriax A Medicina Ortopédica de Cyriax Preocupa-se com o diagnóstico e tratamento de lesões de partes moles teciduais Tais afecções afetam grande parte dos pacientes

Leia mais

Sistema Nervoso Central (SNC)

Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sistema Endócrino O Sistema Nervoso é composto por: Sistema Nervoso Central (SNC) CENTROS NERVOSOS Sistema Nervoso Periférico (SNP) Nervos cranianos Constituição

Leia mais

Alterações. Músculo- esqueléticas

Alterações. Músculo- esqueléticas Alterações Músculo- esqueléticas Sistema Neurológico Alteração no tempo de reação e equilíbrio. A instabilidade articular. Alteração da visão Sensibilidade da córnea. c Aumento ou diminuição dos sentidos

Leia mais

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente.

Sistema Nervoso. Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e identificar as condições ambientais externas e as condições internas do organismo 1 LOCALIZAÇÃO: SISTEMA NERVOSO - CORPOS CELULARES:

Leia mais

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral.

2) Funções Movimentos: flexão, extensão e rotação. Proteção: medula espinhal no canal vertebral. Osteologia da Coluna Vertebral Anatomia dosanimais Domésticos I Prof. Paulo Junior 1/8 OSTEOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL 1) Formação Vértebras desde o crânio até a ponta da cauda. 2) Funções Movimentos: flexão,

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Tornozelo e Pé Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Retropé: Articulação Tibiofibular

Leia mais

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa

Deficiência de Desempenho Muscular. Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Deficiência de Desempenho Muscular Prof. Esp. Kemil Rocha Sousa Desempenho Muscular Refere-se à capacidade do músculo de produzir trabalho (força X distância). (KISNER & COLBI, 2009) Fatores que afetam

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. FORTALECENDO SABERES 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: Partes do corpo humano. Atividade física eleva a qualidade de vida. Cuidando das articulações. 3 CONTEÚDO

Leia mais

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos

Unidade 6 Locomoção ossos e músculos Sugestões de atividades Unidade 6 Locomoção ossos e músculos 8 CIÊNCIAS 1 Esqueleto humano 1. Observe a ilustração do esqueleto humano. Dê exemplos dos seguintes tipos de ossos que existem no corpo humano

Leia mais

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Considerada como elemento essencial para a funcionalidade 13 Epidemiologia e Flexibilidade: Aptidão Física Relacionada à Promoção da Saúde Gláucia Regina Falsarella Graduada em Educação Física na Unicamp Considerada como elemento essencial para a funcionalidade

Leia mais

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado

Capsulite Adesiva ou Ombro Congelado Congelado 1 Consiste em uma articulação do ombro com dor e rigidez que não pode ser explicada por nenhuma alteração estrutural. Obs: Embora seja comum o uso destes termos nas aderências pós traumáticas do ombro,

Leia mais

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira

Capa: João Renato Teixeira e Teresa Perrotta Editoração: F.A. Editoração Ilustrações: Avaz Revisão: Cristina da Costa Pereira Direitos exclusivos para a língua portuguesa Cupyright 2000 by EDITORA SPRiNT LTDA. Rua Adolfo Mota, 69 - Tijuca CEP 20540-1 00 - Rio de Janeiro- RJ Tel. : 0XX-21-2 64-8080 / OXX-21-567-0295 - Fax: 0XX-21-284-9340

Leia mais

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento

Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento Reumatismos de Partes Moles Diagnóstico e Tratamento MARINA VERAS Reumatologia REUMATISMOS DE PARTES MOLES INTRODUÇÃO Também denominado de reumatismos extra-articulares Termo utilizado para definir um

Leia mais

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas

Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações. Ósseas Desvios da Coluna Vertebral e Algumas Alterações Ósseas DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO:

Leia mais

APOSTILA DE CIÊNCIAS

APOSTILA DE CIÊNCIAS Escola D. Pedro I Ciências - 2ª Unidade Carla Oliveira Souza APOSTILA DE CIÊNCIAS Órgão dos Sentidos Assunto do Teste SALVADOR BAHIA 2009 Os cinco sentidos fundamentais do corpo humano: O Paladar identificamos

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência).

Atualmente = o objetivo é conseguir, durante a sessão e fora dela, a funcionalidade do paciente (o tônus se adequa como consequência). CONCEITO BOBATH PARA ADULTOS Profª Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon INTRODUÇÃO 1943 pintor com hemiplegia grave à direita. Tratamento da espasticidade: Iniciou com vibração no deltóide = sem resultados.

Leia mais

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar.

Foram estabelecidos critérios de inclusão, exclusão e eliminação. Critérios de inclusão: todos os dançarinos com síndrome da dor femoropatelar. Figura 11a - Posição inicial: 1ª posição paralela. Figura 11b - demi-plié: 1ª posição paralela. Figura 12a - Posição inicial: 2ª posição paralela. Figura 12b- Demi-plié: 2ª posição paralela. 35 Figura

Leia mais