Eduardo Bicalho Cota Graduado em Educação Física pelo Unileste-MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eduardo Bicalho Cota Graduado em Educação Física pelo Unileste-MG"

Transcrição

1 COMPARAÇÃO DA POTÊNCIA ANAERÓBICA EM JOGADORES DE FUTEBOL DE MEIO DE CAMPO EM RELAÇÃO A ZAGUEIROS E ATACANTES DA ASSOCIAÇÃO ESPORTIVA E RECREATIVA USIPA NA CIDADE DE IPATINGA - MG ATRAVÉS DO TESTE DE WINGATE Eduardo Bicalho Cota Graduado em Educação Física pelo Unileste-MG Carlos Augusto Porcaro Mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília Docente do Unileste-MG RESUMO Este estudo teve com objetivo a comparação da potência anaeróbica em jogadores de futebol de meio de campo em relação à zagueiros e atacantes da Associação Esportiva e Recreativa Usipa na cidade de Ipatinga - MG através do teste de Wingate. Foram coletados dos atletas o peso e a altura para estipulação da carga a ser utilizada no teste, e as medidas das dobras cutâneas da equação de Slaughter (subescapular e triciptal) para obtenção do percentual de gordura corporal. Utilizou-se o teste anaeróbico de Wingate de duração de 30 segundos, no qual o atleta avaliado teria que pedalar o maior número possível de vezes contra uma resistência fixa estipulada em 7% do seu peso corporal, objetivando gerar a maior potência possível nesse período de tempo. Foram avaliadas a potência média que é gerada durante os trinta segundos do teste, a potência absoluta que é a maior potência gerada entre três e cinco segundos e a potência relativa que é expressa em relação à massa corporal, permitindo a comparação entre sujeitos de diferentes massas corporais. O teste proporcionou também a avaliação do índice de fadiga, o qual informou a queda de desempenho durante o teste. Para comparar as médias entre os grupos de atacantes, zagueiros e meio campistas, foi utilizado o teste t de Student para amostras independentes, quando os pressupostos para sua utilização (normalidade dos dados) foram cumpridos. Para as variáveis que não obedeciam a uma distribuição normal, foi utilizado o teste não-paramétrico Mann-Whitney para amostras independentes. Através do tratamento estatístico, mostrou-se que não houve diferença estatisticamente significativa dos valores médios de watts absolutos e relativos, e do percentual de fadiga apresentados nas comparações feitas entre meio campistas em relação a zagueiros e atacantes devido a não realização de treinamentos especializados para cada posição. A inter-relação dos resultados encontrados pode não ser significativa, pois o desempenho humano é altamente específico para cada tarefa, embora o teste realizado seja indicado para a avaliação da potência anaeróbia. Conclui-se que nos esportes coletivos como o futebol que envolve as três vias 1

2 metabólicas, é necessário um programa de treinamento sistematizado e padronizado que visa a melhoria da potência em função do rendimento que se deseja alcançar. Com isso, estes resultados do teste podem servir para o estabelecimento de normas para diferentes níveis de jogo e para diferentes posições dos jogadores no campo. Palavras-chave: Potência Anaeróbica, Pico de Potência, Potência Máxima, Potência Relativa, Percentual de Fadiga, Teste de Wingate ABSTRACT This study had with objective the comparison of the anaerobic potency in players of soccer of middle of field in relation to the fullback and attackers of the Sporting Association and Recreational Usipa in the city of Ipatinga - MG through the test of Wingate. They were collected of the athletes the weight and the height for stipulation of the load to be used in the test, and the measures of the cutaneous folds of the equation of Slaughter (subescapular and triciptal) for obtaining of the percentile of corporal fat. The test anaerobic of Wingate of duration of 30 seconds was used, where the appraised athlete would have to pedal the largest possible number of times against a fixed resistance stipulated in 7% of your corporal weight, aiming at to generate the largest possible potency in that period of time. It was evaluated the medium potency that is generated during the thirty seconds of the test, the absolute potency that is the largest potency generated between three five seconds and the relative potency that it is expressed in relation to the corporal mass, allowing the comparison among subject of different corporal masses. The test also provided the evaluation of the index of fatigue, in which informed the acting fall during the test. To compare the averages among the attackers' groups, fullback and half camp, the test was used student t for independent samples, when the presuppositions for your use (normality of the data) they were accomplished. For the variables that didn't obey a normal distribution, the no-parametric test was used Mann-Whitney for independent samples. Through the statistical treatment, it was shown that there was no significant differences between the medium values of absolute and relative watts, and of the percentile of fatigue presented in the comparisons done among half camp in relation to the fullback and attackers due to not accomplishment of specialized trainings for each position. The interrelation of the found results cannot be significant, because the human acting is highly specific for each task, although the accomplished test is indicated for the evaluation of the potency anaerobic. It is ended that, in the collective sports as the soccer that involves the three metabolic roads, it is necessary a program of systematized training and standardized that seeks the improvement of the potency in function of the revenue that wants to be reached. With that, these results of the test can be for the establishment of norms for different game levels and for the players' different positions in the field. Key-words: Anaerobic Potency, Pick of Potency, Maximum Potency, Relative Potency, Percentile of Fatigue, Test of Wingate 2

3 INTRODUÇÃO Um aspecto fascinante na fisiologia do ser humano em trabalho é que ela fornece informações básicas sobre a natureza e a variação da capacidade funcional de diferentes sistemas orgânicos. Estudos fisiológicos e clínicos em seres humanos não podem restringir-se a condições de repouso ou basais, porque a capacidade funcional de um órgão somente pode ser avaliada quando o órgão é submetido a cargas funcionais. Uma teoria na regulação de uma função deve considerar e explicar a adaptação a várias condições fisiológicas, incluindo a atividade muscular (ASTRAND; RODAHL, 1987). Segundo Franchini (2002), a potência anaeróbica é um dentre tantos componentes da aptidão física que pode ser avaliado. Sabe-se que à medida que uma pessoa aumenta sua aptidão aeróbica, uma atividade previamente classificada como anaeróbica poderia ser reclassificada como aeróbica. Todo movimento requer um suprimento contínuo de energia para que ocorra transferência de energia no corpo. A energia é recolhida e conduzida através de um composto rico em energia denominado trifosfato de adenosina ATP que está presente e armazenado no corpo em toda e qualquer situação, seja em repouso ou em movimento (MCARDLE et al, 1998). Contudo os músculos dispõem de três principais mecanismos de reposição de ATP que são os metabolismos anaeróbicos alático e lático, e o aeróbio. Durante a atividade física, estes sistemas contribuem com ATP, sendo que a participação de cada um se dá em função da sua intensidade e duração (PIOVEZAN, 1985). Esportes coletivos, de uma forma geral, compreendem esforços de alta intensidade realizados por períodos de curtíssima duração, compreendendo movimentos de natureza anaeróbia que podem ser sustentados pelos jogadores durante uma partida (KOKUBON; DANIEL, 1992). O futebol, por exemplo, é um esporte coletivo de ações imediatas e momentâneas, que utiliza as variadas vias metabólicas de transferência de energia, fornecendo a energia para as determinadas intensidades e durações do desporto em questão (KATCH; MCARDLE, 1996). Em tão curta distância somente terá êxito o atleta possuidor de um alto nível de desenvolvimento das capacidades da velocidade e força. A velocidade garante ao jogador ganhar tempo e consequentemente ganhar espaço. Por isso, uma boa preparação da velocidade, também é importante para a qualidade profissional do futebolista. Segundo Leal (2001), os defensores são futebolistas de boa compleição física, fortes, com boa impulsão, de velocidade explosiva e de boa capacidade de recuperação. Já os meio-campistas possuem grande capacidade orgânica, resistência, coordenação e agilidade, sendo capazes de percorrer mais de 11 quilômetros em diferentes ritmos numa partida. E finalmente, os atacantes são fortes, com boa impulsão, de velocidade explosiva, além de capacidade de recuperação, sendo que devido a impulsividade e explosão muscular onde sofrem grande desgaste em cada participação pelo dispêndio de energia da potência exigida para vencer os oponentes, por isso precisam de um maior período de recuperação. Estudos realizados por Reilly et al., citados por Fernandes (1994), para examinar as distâncias percorridas em velocidade máxima, averiguaram que 3

4 durante as partidas aconteciam muitas repetições que variavam de 3 a 30 metros, sendo mais freqüentes as distâncias de 10 a 15 metros com repetições de 30 a 60 vezes por jogo. Com base nestes resultados, pode-se definir que a distância total percorrida em velocidade é de aproximadamente 800 metros, o que corresponde a 10% do total que se corre em uma partida. Temos assim 10% do total que se corre em uma partida utilizando a velocidade máxima, outros 10% para velocidade submáxima e os 80% restantes para corrida lenta. Através do mesmo autor, estudando o tempo de duração media de corrida, encontrou-se resultados que mostram que os zagueiros correm 21 minutos, os meio-campistas 28 minutos e 27 segundos e os atacantes 23 minutos e 37 segundos. Para Saltin, citado por Fernandes (1994), determinou através dos seus estudos que a distância total feita em corrida durante uma partida chega a 12 quilômetros, concluindo que 49% desse total são feitos em corrida moderada, 20 a 24% em velocidade e os restantes 27% caminhando. Analisando os estudos observados anteriormente, podemos conceber que um progresso nos processos anaeróbios da célula muscular deve ser executado com um trabalho máximo de duração muito curta. É essencial que o treinamento solicite os mesmos grupos musculares que são engajados no evento que se procura aprimorar (ASTRAND; RODAHL, 1987). Com isso, devido às constantes evoluções desportivas que vêm acontecendo ao longo da história, torna-se cada vez mais necessário aos técnicos, preparadores físicos e atletas buscar novos recursos que sejam capazes de aumentar o desempenho desportivo. Como tal, este estudo teve como objetivo a comparação da potência anaérobica com intuito de definir o perfil dos jogadores de futebol de meio-campo em relação a zagueiros e atacantes da Associação Esportiva e Recreativa Usipa da cidade de Ipatinga - MG através do teste de Wingate. METODOLOGIA Para procedimento da pesquisa, inicialmente foi enviada uma carta para Associação Esportiva e Recreativa Usipa solicitando a autorização de seus atletas para realização do teste no Laboratório de Fisiologia do Exercício no Centro Universitário do Leste de Minas Gerais, situado no bairro Areal da cidade de Ipatinga - MG. Foi enviada antecipadamente ao técnico responsável uma ficha contendo as orientações a serem seguidas para a realização do teste. O estudo realizou-se com a autorização do clube e com o consentimento do treinador responsável pela equipe envolvida, sendo que foram tomados todos os cuidados no sentido de garantir a integridade física e mental de todos os participantes, bem como para garantir o anonimato dos atletas em questão. Para a realização desta pesquisa, foi feito um estudo da potência anaeróbica com a participação de 30 atletas de futebol, sendo 10 atletas de meio-campo, 10 zagueiros e 10 atacantes na faixa etária de 15/16 anos de idade, do sexo masculino, da Associação Esportiva e Recreativa Usipa da cidade de Ipatinga - MG. Para inclusão dos indivíduos, os mesmos deveriam ter uma freqüência de três vezes na semana com duração de uma hora de treinamento, treinando há mais de um ano na modalidade em questão e que participem de competições regulares. Para 4

5 avaliação da pesquisa, inicialmente foi medido o peso através de uma balança digital da marca Toledo e a estatura através de um estadiômetro acoplado à balança. Foi utilizado um cicloergômetro Biotec com carga estipulada de 7% do seu peso corporal, com assentos reguláveis de acordo com a altura e com um dispositivo de contagem de rotações do pedal por minuto. O mesmo possuía um computador acoplado com o software Wingate Test para mensuração da potência. Foi utilizado também um plicômetro Lange para medidas das dobras cutâneas (triciptal e subescapular), um software Fitness School para determinação dos dados das dobras e o Protocolo Slaughter para determinação da composição corporal. Para comparação entre os grupos, foi utilizado o teste estatístico t de Student e o teste não-paramétrico Mann-Whitney para amostras independentes, sendo analisados pelo software SPSS for Windows RESULTADOS E DISCUSSÃO Objetivando uma maior compreensão deste estudo, os resultados serão apresentados e discutidos simultaneamente em relação aos tratamentos empregados. Inicialmente, na tentativa de melhor caracterizar a amostra dos atletas de futebol, foram avaliadas as variáveis de idade, peso, estatura e percentual de gordura corporal e obtendo média, desvio padrão, limite máximo e mínimo, e o diferencial ( ), que são apresentadas na TABELA 1. TABELA 1 Média, desvio padrão, limite máximo e mínimo, e diferencial ( ) das características da amostra com variáveis de idade, peso, estatura e % de gordura dos jogadores. Média sd Máximo Mínimo Idade (anos) Peso (kg) Estatura (cm) % de Gordura A partir da TABELA 1, observou-se que a idade dos atletas apresentou uma média de 15±0.8 anos, com um limite máximo de 17 anos e um mínimo de 14 anos. A média do peso foi de 61±6.7 Kg, com um limite máximo de 80 Kg e um mínimo de 43 Kg. Observou-se que a média da estatura foi de 172.5±6.4 cm, com um limite máximo de 190 cm e um mínimo de 161 cm e o percentual de gordura alcançou uma média de 14.7±3 % G, com um limite máximo de 21.3 % G e um mínimo de 9.9 % G. 5

6 TABELA 2 - Valores de Watts Absoluto e Relativo (W/Kg) com medições de Máximo, Médio e Mínimo e Percentual de Fadiga com todos contendo média, desvio padrão, máximo, mínimo e diferencial de máximo e mínimo ( ), analisando somente os atacantes. Média sd Máximo Mínimo Watts Máx. Abs Watts Médio Abs Watts Mín. Abs Watts Máx/Kg Watts Méd/Kg Watts Mín/Kg % de Fadiga Na verificação da análise dos atacantes, o Watts Máximo Absoluto obteve uma média de 690.7±53.4 W, um máximo de W e um mínimo de W. O Watts Médio Absoluto obteve uma média de 467.9±30.8 W, um máximo de W e um mínimo de W. E o Watts Mínimo Absoluto obteve uma média de 391.7±56.5 W, um máximo de W e um mínimo de W. Já o Watts Máximo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 11.5±0.8 W/Kg, um máximo de 13 W/Kg e um mínimo de 10.6 W/Kg. O Watts Médio Relativo (W/Kg) obteve uma média de 7.6±0.5 W/Kg, um máximo de 8.1 W/Kg e um mínimo de 6.6 W/Kg. E o Watts Mínimo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 6.4±1.4 W/Kg, um máximo de 7.5 W/Kg e um mínimo de 2.5 W/Kg. E finalmente o percentual de fadiga alcançou uma média de 39.8±4.9 %, um máximo de 48.4 % e um mínimo de 30 %. TABELA 3 - valores de Watts Absoluto e Relativo (W/Kg) com medições de Máximo, Médio e Mínimo e Percentual de Fadiga de todos contendo média, desvio padrão, máximo, mínimo e diferencial de máximo e mínimo ( ), analisando somente os zagueiros. Média sd Máximo Mínimo Watts Máx. Abs Watts Médio Abs Watts Mín. Abs Watts Máx/Kg Watts Méd/Kg Watts Mín/Kg % de Fadiga Quanto à verificação da análise dos zagueiros, o Watts Máximo Absoluto obteve uma média de 672.9±95.7 W, um máximo de W e um mínimo de 517 W. O Watts Médio Absoluto obteve uma média de 471.7±53.4 W, um máximo 6

7 de W e um mínimo de E o Watts Mínimo Absoluto obteve uma média de 410.8±61 W, um máximo de W e um mínimo de 271 W. Já o Watts Máximo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 11±0.6 W/Kg, um máximo de 11.9 W/Kg e um mínimo de 9.7 W/Kg. O Watts Médio Relativo (W/Kg) obteve uma média de 7.7±0.6 W/Kg, um máximo de 9 W/Kg e um mínimo de 6.8 W/Kg. E o Watts Mínimo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 6.8±1.0 W/Kg, um máximo de 8.3 W/Kg e um mínimo de 4.2 W/Kg. E finalmente o percentual de fadiga alcançou uma média de 36.5±8.5 %, um máximo de 52.2 % e um mínimo de 22 %. TABELA 4 - valores de Watts Absoluto e Relativo (W/Kg) com medições de Máximo, Médio e Mínimo e Percentual de Fadiga com todos contendo média, desvio padrão, máximo, mínimo e diferencial de máximo e mínimo ( ), analisando somente os meio campistas. Média sd Máximo Mínimo Watts Máx. Abs Watts Médio Abs Watts Mín. Abs Watts Máx/Kg Watts Méd/Kg Watts Mín/Kg % de Fadiga Quanto à verificação da análise dos meio campistas, o Watts Máximo Absoluto obteve uma média de 670.2±142.8 W, um máximo de W e um mínimo de W. O Watts Médio Absoluto obteve uma média de 470.7±96.5 W, um máximo de W e um mínimo de W. E o Watts Mínimo Absoluto obteve uma média de 421.7±90.9 W, um máximo de W e um mínimo de W. Já o Watts Máximo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 10.9±1.3 W/Kg, um máximo de 12.3 W/Kg e um mínimo de 8.5 W/Kg. O Watts Médio Relativo (W/Kg) obteve uma média de 7.6±0.9 W/Kg, um máximo de 8.7 W/Kg e um mínimo de 5.7 W/Kg. E o Watts Mínimo Relativo (W/Kg) obteve uma média de 6.8±0.8 W/Kg, um máximo de 7.7 W/Kg e um mínimo de 4.9 W/Kg. E finalmente o % de fadiga alcançou uma média de 36.1±8.2 %, um máximo de 46.8 % e um mínimo de 21 %. TABELA 5 - Comparação dos valores médios de Watts Absoluto com medições de Máximo, Médio e Mínimo e Percentual de Fadiga entre as posições de meio de campo em relação à zagueiros e atacantes. Watts Watts Watts % de Fadiga Máx. Médio Min. Atacante

8 Zagueiro Meio de Campo FIGURA 1 - Comparação dos Valores de Watts Absoluto dos Meio Campistas em relação aos Atacantes e Zagueiros Média 800,0 700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 200,0 100,0 0, Máximo Médio Mínimo Watts Absoluto Meio-campistas Atacantes Zagueiros Verificando os valores médios de Watts Absolutos, os atacantes obtiveram um Watts Máximo de W, um Watts Médio de W e um Watts Mínimo de W. Os zagueiros obtiveram um Watts Máximo de W, um Watts Médio de W e um Watts Mínimo de W. E por último, os meio campistas obtiveram um Watts Máximo de W, um Watts Médio de W e um Watts Mínimo de W. Através do tratamento estatístico apresentado na tabela e no gráfico, mostrou-se que não há diferença estatisticamente significativa dos valores médios de watts absolutos (máximo, médio e mínimo) apresentados nas comparações feitas entre meio campistas em relação a zagueiros e atacantes devido a realização de treinamentos idênticos nas posições apresentadas no teste. Nesta TABELA 5, observou-se que a comparação dos valores médios de watts absolutos (máximo, médio e mínimo dos jogadores de futebol apresentam características bem homogêneas. Tanto os valores do teste t de Student como os valores do teste de Mann-Whitney indicam que não existiu diferença estatisticamente significativa quando se comparou os grupos de meio campistas em relação a zagueiros e atacantes em todas as variáveis analisadas. TABELA 6 - Comparação dos valores médios de Watts Relativo (W/Kg) com medições de Máximo, Médio e Mínimo e Percentual de Fadiga entre as posições de meio de campo em relação à zagueiros e atacantes. Watts Máx/Kg Watts médio/kg Watts Min/Kg % de Fadiga Atacante Zagueiro Meio de Campo

9 FIGURA 2 - Comparação dos Valores de Watts Relativo (W/Kg) dos Meio Campistas em relação aos Atacantes e Zagueiros Média 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0, Máximo/kg Médio/kg Mínimo/kg Watts Relativo 6.8 Meio-campistas Atacantes Zagueiros Examinando os valores médios de Watts Relativos (W/Kg), os atacantes obtiveram um Watts Máximo de 11.5 W/Kg, um Watts Médio de 7.6 W/Kg e um Watts Mínimo de 6.4 W/Kg. Os zagueiros obtiveram um Watts Máximo de 11 W/Kg, um Watts Médio de 7.7 W/Kg e um Watts Mínimo de 6.8 W/Kg. E por último, os meio campistas obtiveram um Watts Máximo de 10.9 W/Kg, um Watts Médio de 7.6 W/Kg e um Watts Mínimo de 6.8 W/Kg. Nesta tabela e gráfico, observou-se que a comparação dos valores médios de watts relativos (máximo, médio e mínimo) dos jogadores de futebol apresentam características bem homogêneas. Tanto os valores do teste t de student como os valores do teste de Mann-Whitney indicam que não existiu diferença estatisticamente significativa quando se comparou os grupos de meio campistas em relação a zagueiros e atacantes em todas as variáveis analisadas. 9

10 FIGURA 3 - Comparação dos Valores do Percentual de Fadiga dos Meio Campistas em relação aos Atacantes e Zagueiros 42,0 35, % de Fadiga 28,0 21,0 14,0 7,0 0,0 Meio-campistas Atacantes Zagueiros Grupo Verificando os valores médios do percentual de fadiga, os meio campistas obtiveram 36.1%, enquanto os atacantes tiveram 39.8% e os zagueiros 36.5%. Neste gráfico, observou-se que a comparação dos valores médios do percentual de fadiga dos jogadores de futebol apresentam características bem homogêneas, indicando que não existiu diferença estatisticamente significativa quando se comparou os grupos. Segundo Mcardle et al (1998), a inter-relação dos resultados encontrados nos testes pode não ser significativa, porque o desempenho humano é altamente específico para cada tarefa, embora o teste realizado seja indicado para a avaliação da potência anaeróbia. O futebol é uma das modalidades esportivas que apresenta a maior dificuldade para a sua caracterização com relação ao esforço físico requerido, pois o mesmo apresenta características particulares em cada movimento. Este estudo comparou a potência anaeróbica de jogadores de futebol através do esforço físico, o qual é analisado no decurso de um cicloergômetro a máxima velocidade possível. De acordo com Martin (2002) apud Cunha (s.d.), o futebol é caracterizado como exercício de alta intensidade intermitente e a relação entre o repouso e períodos de baixa e grande intensidades variam de acordo com o estilo individual de jogar, mas o mais importante é a posição de jogador em campo, já que ele corre aproximadamente 10 km por partida, sendo que entre 8-18% é na maior velocidade individual. De acordo com Ekblom (1986) apud Santos (1999), a diferença fundamental entre equipes de diferente nível não é a distância percorrida pelos seus jogadores durante o jogo, mas a percentagem dessa distância coberta com elevada intensidade. No que se refere à percentagem da distância total coberta em intensidade máxima, os autores não são unânimes: 10% (TALAGA, 1985), 18.8% (Withers et al., 1982), 20% (SALTIN, 1973), 25% (LACOUR; CHATARD, 1984 apud SANTOS, 1999). Entretanto, alguns estudos citados por Yamanaka et al. (1988) apud Gomes e Mantovani (1996) revelam que, em média, e tendo como referência o tempo total de jogo, os futebolistas estão parados ou a caminhar entre 55 e 60% (50 a 55 minutos); correm a ritmo moderado durante 30-35% (25 a 30 minutos); correm a velocidade quase máxima durante 3-6% (3-5 minutos); e 10

11 correm a velocidade máxima durante 0.5-2% (22 a 170 segundos). Contudo, as posições específicas também apresentam características fisiológicas diferenciadas (BARBANTI, 1996). Por exemplo, os atacantes cobrem uma maior percentagem da distância em sprint, quando comparados com os outros jogadores. É conveniente referir que, embora as atividades desenvolvidas que reclamam a expressão de velocidades máximas ocupem um volume temporal relativamente reduzido, elas revestem-se de uma importância fundamental, na medida em que se constata que a maior percentagem das ações críticas ou decisivas do jogo são executadas de forma explosiva, portanto, com elevada velocidade. É evidente que as demandas fisiológicas do futebol variam com a taxa de trabalho em diferentes posições (REILLY; BANGSBO; FRANKS, 2000 apud CUNHA, s.d.). Todavia, a intensidade com que um jogador executa as ações no jogo, depende, por um lado, da forma como ambas as equipes em confronto condicionam o ritmo do jogo, e, por outro, da qualidade das escolhas e das opções tático-técnicas efetuadas pelo jogador no seu decurso. Pesquisas indicam que durante o teste de Wingate, a contribuição do sistema de ATP-PC é aproximadamente 28%, o do sistema glicolítico é de 56%, e a contribuição aeróbia está aproximadamente 16% (SMITH; HILL, 1991 apud ZAJAC et al., 1999). Balsom (1994) apud Sena (1998) cita que os resultados dos testes podem servir para o estabelecimento de normas para diferentes níveis de jogo e para diferentes posições dos jogadores no campo. Num estudo da avaliação da velocidade em jovens futebolistas, Sena (1998) e Kollath (1993) citam que existem diferenças no tempo de realização dos sprints entre os defensores e os atacantes. Estas diferenças também foram encontradas no nosso estudo, no qual os atacantes são de um modo geral mais rápidos do que as demais posições, mas não havendo diferença estatisticamente significativa. Mayhew e Wenger (1985) apud Cunha (s.d.), realizaram um estudo sobre análise de movimentos em futebolistas e constataram que o futebol é uma atividade com pequena percentagem anaeróbica, sendo que somente 12% do tempo de jogo é gasto com atividades que utilizam substratos energéticos anaeróbicos. Estudos realizados por Viitasalo (1980) apud Santos (1999), mostraram que em correspondência com o perfil dos deslocamentos habitualmente desenvolvidos durante o jogo, os meio campistas apresentam valores ligeiramente menores de força explosiva do que os zagueiros e atacantes, resultado de uma adaptação à função, e fundamentalmente de maior quantidade de massa muscular, pois existe uma relação entre a área da seção transversa do músculo e os índices de força. Sabemos que as exigências multivariadas do futebolista tornam-no, em termos de condição física, mais um generalista do que um especialista. No estudo informado por Inbar, Bar-Or e Skinner (1996) apud Kalinski (2002), foi observado que as potências relativas e absolutas dos atletas de futebol eram previamente mais altas que os homens aparentemente saudáveis e destreinados. Neste estudo, os jogadores de futebol alcançaram uma potência relativa de 10.7±0.68 W kg-¹ e uma potência absoluta de 810±79.56 W, mostrando que estes valores são 16.9% e 30.0% mais alto que o "bom" das contagens informadas pelo 11

12 Inbar et al. (1996). Todavia a predominância aeróbica sobre a anaeróbica parece situar-se apenas no plano quantitativo, na medida em que são as ações curtas e de intensidade máxima que mais claramente se revelam como fatores perturbadores da dinâmica do jogo, induzindo desequilíbrios no balanço ataquedefesa. A validação dos processos anaeróbicos no futebol carece de estudos mais aprofundados, pois se alguns autores não acham importante a capacidade lática e alática (Withers et al., 1982 apud Santos, 1999) a expressão da lactatémia em alguns momentos de jogo é realmente significativa (GERISCH et al., 1988 apud SANTOS, 1999), bem como os níveis de depleção glicogênica no final do jogo (SALTIN; SMAROS, 1980 apud SANTOS, 1999), o que nos deve levar a reequacionar a importância do metabolismo anaeróbio como processo fundamental de apoio energético. Poucos são os estudos realizados envolvendo essa variável fisiológica estudada. Com isso, recomenda-se que novos estudos semelhantes e de desportos diversos sejam realizados nesta, bem como utilizarse dos mais diferentes esquemas de avaliação da potência anaeróbica, mantendo-se o procedimento dentro da estrutura e da realidade desportiva brasileira. CONCLUSÃO O futebol é uma das modalidades esportivas que apresenta a maior dificuldade para a sua caracterização com relação ao esforço físico requerido, pois o mesmo faz utilização das três vias metabólicas durante um jogo. Nos resultados apresentados, os meio campistas apresentam valores ligeiramente menores, mas não mais significativos de potência anaeróbica do que os zagueiros e atacantes, resultado de uma adaptação à função, e fundamentalmente da maior quantidade de massa muscular. Analisando as comparações dos jogadores das três posições, mostrou-se que os mesmos não possuíam um treinamento especializado para cada posição, tornando-os padronizados. Sabe-se que neste tipo de comparação da potência anaeróbica entre atletas de alto nível existe diferença entre as posições observadas, pois o desempenho humano é altamente específico para cada tarefa numa partida de futebol. Outro fator de provável influência sobre a eficiência do teste pode estar relacionado com a especificidade do teste em relação à modalidade esportiva devido à utilização das vias metabólicas e da diferenciação das posições em questão. Conclui-se que, nos esportes coletivos como o futebol que envolve as três vias metabólicas, é necessário um programa de treinamento sistematizado e padronizado que vise a melhoria da potência em função do rendimento que deseja ser alcançado. Com isso, estes resultados do teste podem servir para o estabelecimento de normas para diferentes níveis de jogo e para diferentes posições dos jogadores no campo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASTRAND, Per Olof; RODAHL, Kaare. Tratado de Fisiologia do Exercício. 2. ed. Rio de janeiro: Guanabara,

13 BARBANTI, Valdir J. Treinamento Físico: bases científicas. 3. ed. São Paulo: CLR Balieiro, CUNHA, Fábio A. Características Físicas do Futebol, disponível em internet. Acesso em 16 abril de FERNANDES, José Luis. Futebol: ciência, arte ou sorte! São Paulo: EPU, FRANCHINI, Emerson. Teste Anaeróbio de Wingate: Conceitos e Aplicação da Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, GOMES, Antônio C.; MANTOVANI, Marcelo. Futebol: preparação dos futebolistas de alto nível. Londrina: Grupo Palestra Sport, KALINSKI, Michael I. et al. Anaerobic Power Characteristics of Elite Athletes in National Level Team-Sport Games. European Journal of Sport Science, vol. 2, KATCH, Frank I.; MCARDLE, Willian D. Nutrição, Exercício e Saúde. 4.ed. Rio de Janeiro: Editora Medsi, KOKUBUN, Eduardo; DANIEL, J. F. Relações entre a Intensidade e Duração das Atividades em Partida de Basquetebol com as Capacidades Aeróbia e Anaeróbia: estudo pelo lactato sangüíneo. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, vol. 2, LEAL, Julio Cesar. Futebol: arte e ofício. 2.ed. Rio de Janeiro: Sprint, MCARDLE, William D. et al. Fisiologia do Exercício : energia, nutrição e desempenho humano. 4.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, PIOVEZAN, Ademir. Efeito do Número de Sessões Semanais de Treinamentos Exaustivos sobre os Metabolismos Anaeróbico Alático, Lático e Anaeróbico em Universitários do Sexo Feminino. Tese (Mestrado em Educação Física) Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, SANTOS, José Augusto R. Estudo Comparativo, Fisiológico, Antropométrico e Motor entre Futebolistas de diferente Nível Competitivo. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, SENA, Paulo. Avaliação da Velocidade em Jovens Futebolistas, disponível em internet. <http://www.paulosena/artigo.com.br> Acesso em; 17 abr ZAJAC, Adam et al. The Diagnostic Value of the 10- and 30-Second Wingate Test for Competitive Athletes. Journal of Strength and Conditioning Research; National Strength & Conditioning Association,

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS.

POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS DE FUTEBOL DE CAMPO: DIFERENÇAS ENTRE CATEGORIAS. Leandro Mateus Pagoto Spigolon 1, João Paulo Borin 1, Gerson dos Santos Leite 1, Carlos Roberto Pereira Padovani 2, Carlos

Leia mais

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte

A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte A CIÊNCIA DOS PEQUENOS JOGOS Fedato Esportes Consultoria em Ciências do Esporte Prof. Antonio Carlos Fedato Filho Prof. Guilherme Augusto de Melo Rodrigues Monitorando e conhecendo melhor os trabalhos

Leia mais

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil

Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Brazilian Journal of Biomotricity ISSN: 1981-6324 marcomachado@brjb.com.br Universidade Iguaçu Brasil Yukio Asano, Ricardo; Neto, João Bartholomeu; Bueno Godinho Ribeiro, Daniele; Soares Barbosa, Avelino;

Leia mais

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições.

Palavras-chave: Futebol. Preparação física. Diferentes Posições. DIFERENTES POSIÇÕES DO FUTEBOL DE CAMPO E A ESPECIFICIDADE DA PREPARAÇÃO FÍSICA Jaemyeong Shin Sônia Beatriz da Silva Gomes RESUMO A preparação física no futebol é implantada em qualquer atividade referente

Leia mais

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO

ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Recebido em: 12/3/2010 Emitido parece em: 9/4/2010 Artigo original ANÁLISE DE UM CICLO DE TREINAMENTO (16 SEMANAS) DE ATLETAS DE FUTEBOL COM DESEMPENHO NA POSIÇÃO DE LATERAL E MEIO DE CAMPO Emerson Luiz

Leia mais

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO

FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO FATORES RELACIONADOS COM O NÍVEL DE ANSIEDADE EM ATLETAS DE FUTEBOL FEMININO (FACTORS RELATED TO THE ANXIETY LEVEL IN FOOTBALL FEMALE ATHLETES) Marcos Vinicius Dias Munhóz 1 ; Claudia Teixeira-Arroyo 1,2

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO

JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO JOGADORES JUVENIS DE FUTEBOL SUBMETIDOS A TREINAMENTO GENERALISTAE DIFERENÇA NA POTÊNCIA AERÓBIA EM CONSEQUÊNCIA DE SEU POSICIONAMENTO TÁTICO EM CAMPO Marcelo Ribeiro Ramos, Faculdade de Minas FAMINAS,

Leia mais

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR

ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. ANÁLISE DOS NÍVEIS DE APTIDÃO FÍSICA DE MENINOS PRATICANTES DE FUTSAL NA CATEGORIA SUB 12 13 DA CIDADE DE GUARAPUAVA PR RESUMO Daiane Grando 1 2 O propósito

Leia mais

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL.

ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. 1 ANÁLISE DE JOGO E SUAS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES NA EVOLUÇÃO DO FUTEBOL. Bernardino Sogabe Priante Aluno concluinte do CEDF/UEPA bernardinosogabepriante@yahoo.com.br Carlos Dorneles Professor Mestre orientador

Leia mais

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com

Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Prof. Fernando R. Ferreira frf.frf@hotmail.com Esquema de Aula Atividade Física Bioenergética - Sistemas Produtores de Energia Princípio do Treinamento Identificação de Índices Fisiológicos Capacidade

Leia mais

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo

Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Bases Metodológicas do Treinamento Desportivo Unidade II Controle e Prescrição do Treinamento Prof. Esp. Jorge Duarte Prescrição de Atividades Físicas Condições de saúde; Estado geral do aluno (cliente);

Leia mais

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular

Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Object 1 Grau de hipertrofia muscular em resposta a três métodos de treinamento de força muscular Curso de Educação Física. Centro Universitário Toledo de Araçatuba - UNITOLEDO. (Brasil) Prof. Mário Henrique

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA A SAÚDE DOS ESCOLARES DOS PRIMEIROS ANOS PARTICIPANTES DAS OFICINAS DE EDUCAÇÃO PSICOMOTORA DO PIBID/UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 SCHNEIDER, Camila 2 PEDROTTI, Paulo Henrique de Oliveira²

Leia mais

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1

ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 ADAPTAÇÕES AO TREINAMENTO NO FUTEBOL Silvia Teixeira de Pinho; Daniel Medeiros Alves; Luiz Antonio O. Ramos Filho 1 Resumo O futebol é o esporte mais popular do planeta, praticado por milhões de participantes.

Leia mais

Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis.

Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. 58 ARTIGO Análise comparativa de variáveis antropometricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. José Mário Campeiz Mestre em Ciências do desporto, Preparador Físico Mogi Mirim

Leia mais

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL

VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Revista Conexões v. 4, n. 2, 2006 47 VELOCIDADE NO BASQUETEBOL SPEED IN THE BASKETBALL Mndo. João Nunes Ms. Eduardo Fantato Dr. Paulo Cesar Montagner Faculdade de Educação Física/UNICAMP Resumo O treinamento

Leia mais

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011.

ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. 1 ANALISE DA APTIDÃO FÍSICA DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE FLAMENGO (ECF) NA TEMPORADA 2011. INTRODUÇÃO RAFAEL DAMASCENO OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa Viçosa MG- Brasil

Leia mais

Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina Esporte Clube no Campeonato Paranaense de 2003

Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina Esporte Clube no Campeonato Paranaense de 2003 62 Luiz Antonio de Oliveira Ramos Filho; Daniel Medeiros Alves Revista Treinamento Desportivo / 2006 Volume 7 Número 1 Página 62 a 67 Análise do Scout individual da Equipe Profissional de Futebol do Londrina

Leia mais

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L

CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L CARACTERÍSTICAS ESPECIFICAS E FATORES FISIOLÓGICOS DO TREINAMENTO DO VOLEIBOL DE ALTO N ~ L JOSÉ ALBERTO PINT~* LEONARDO RAPOSO ROCHA GOMES. 1 ' SUMO uma anáiise das características espedficas do voleiboi,

Leia mais

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL.

DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Revista Hórus, volume 7, número 1 (Jan-Mar), 2013. 24 DESCRIÇÃO DA PERCEPÇÃO DE ESFORÇO FRENTE ÀS MODIFICAÇÕES DE REGRAS EM JOGOS-TREINO NO BASQUETEBOL. Murilo José de Oliveira Bueno¹ e Felipe Arruda Moura

Leia mais

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18

MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA RODRIGO BARÇANTE BORGO MUDANÇAS DO DESEMPENHO INTERMITENTE EM FUTEBOLISTAS SUB-18 CAMPINAS

Leia mais

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga.

Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. Pós-graduação Lato-Sensu em Atividades Motoras para Promoção da Saúde e qualidade de Vida Escola de Educação Física de Caratinga. ANÁLISE DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS E MOTIVOS DA DESISTÊNCIA EM PRATICANTES

Leia mais

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO.

OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. OS INDICADORES TÉCNICOS DO JOGO E A CLASSIFICAÇÃO: UM ESTUDO SOBRE O 16º CAMPEONATO NACIONAL DE BASQUETEBOL MASCULINO. Resumo *João Paulo Ferreira Dantas **José Carlos de B. V. Filho Os objetivos deste

Leia mais

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1

ANALYSIS OF MUSCULAR INJURIES INDICES IN SOCCER ATHLETES OF INTERNATIONAL SPORT CLUB IN SANTA MARIA/NOVO HORIZONTE - RS 1 Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 81 ANÁLISE DOS ÍNDICES DE LESÕES MUSCULARES EM ATLETAS DE FUTEBOL DO ESPORTE CLUBE INTERNACIONAL DE SANTA MARIA / NOVO 1

Leia mais

Palavras-chaves: Futebol, Resistência Aeróbia, Ergoespirometria.

Palavras-chaves: Futebol, Resistência Aeróbia, Ergoespirometria. ANÁLISE COMPARATIVA DOS RESULTADOS OBTIDOS NO TESTE DE ERGOESPIROMETRIA EM JOGADORES DE FUTEBOL DE CAMPO DAS CATEGORIAS INFANTIL E JUVENIL DA ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA ACIARIA IPATINGA-MG Bráulio Ferreira de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS.

A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. A INFLUÊNCIA DA INICIAÇÃO DESPORTIVA DO FUTEBOL NO DESENVOLVIMENTO MOTOR DE CRIANÇAS DO SEXO MASCULINO COM IDADES ENTRE 11 A 13 ANOS. Introdução AUTOR: JOÃO EDUARDO BICCA CARMO CORONEL Faculdade Metodista

Leia mais

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ

MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM PRATICANTES DE GINÁSTICA RÍTMICA DO PARANÁ ESTUDOS E REFLEXÕES V 5 - Nº 9 PÁGS. 43 A 50 V Encontro de Pesquisa em Educação Física 1ª Parte RECEBIDO EM: 00-00-0000 ACEITO EM: 00-00-0000 ARTIGO ORIGINAL MÉTODOS DE TREINAMENTO DE FLEXIBILIDADE EM

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA RESPIRAÇÃO AQUÁTICA EM CRIANÇAS DE 3 A 4 ANOS PRATICANTES DE NATAÇÃO Laise Cordeiro Vaz 1 Prof. Dr. José Fernandes Filho 2 Resumo: O objetivo deste estudo foi analisar o desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2012.2 BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA... 4 02 BIOLOGIA HUMANA... 4 03 NATAÇÃO... 4 04 ESPORTE

Leia mais

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE

ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE ANÁLISE DAS CARGAS E MÉTODOS DE TREINAMENTO UTILIZADOS NA PREPARAÇÃO FÍSICA DO FUTSAL FEMININO AMAZONENSE INTRODUÇÃO AGNELO WEBER DE OLIVEIRA ROCHA RONÉLIA DE OLIVEIRA MELO VIANA UFAM UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Artigo Original. 1- Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz

Artigo Original. 1- Faculdade de Educação Física e Desportos da Universidade Federal de Juiz Artigo Original O PAPEL DA PSICOLOGIA DO ESPORTE PARA ATLETAS E TREINADORES THE ROLE OF SPORT PSYCHOLOGY TO ATHLETES AND COACHES Danilo Reis Coimbra 1,2, Simone Salvador Gomes 1,3 Felipe Carvalho 4,Renato

Leia mais

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas

O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas 1 O Papel do Professor de Educação Física na Prevenção de Lesões em Atletas Resumo: O professor de Educação Física tem uma grande importância na prevenção de lesões em atletas, se o mesmo respeitar os

Leia mais

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL

VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE MATHEUS HENRIQUE DOS SANTOS VELOCIDADE APLICADA EM ATACANTES DO FUTEBOL SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP 2009 9 INTRODUÇÃO Segundo (Tubino apud Alves

Leia mais

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento

Medicina. Esportiva. da reabilitação ao alto rendimento Medicina Esportiva da reabilitação ao alto rendimento K4b 2 - Ergoespirômetro Portátil Precisão e confiança em qualquer lugar O K4b 2 é o pioneiro e ainda líder de mercado como sistema portátil para análise

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST)

INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS REPETIDOS (RAST) UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA, FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL MATHEUS SIQUEIRA ANDRADE INFLUÊNCIA DO TREINAMENTO AERÓBIO NO ÍNDICE DE FADIGA MEDIDO EM TESTE DE SPRINTS

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos

Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos ISSN: 1983-7194 Estudo da potência aeróbia em futebolistas da categoria sub-15 nas diferentes posições, por meio de dois protocolos indiretos Study of aerobic power of different positions in under-15 soccer

Leia mais

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1

APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 APTIDÃO FÍSICA PARA O DESEMPENHO ESPORTIVO DE ESCOLARES DO PIBID/ UNICRUZ/EDUCAÇÃO FÍSICA 1 FUHRMANN, Marlon 2 KRUG, Rodrigo De Rosso 3 PANDA, Maria Denise Justo 4 Resumo: Com o objetivo avaliar a aptidão

Leia mais

INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL

INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 10 INTERAÇÃO ANTROPOMÉTRICA, DAS VALÊNCIAS FISIOLÓGICAS ANAERÓBIAS E DA FLEXIBILIDADE EM FUTEBOLISTA INFANTO JUVENIL

Leia mais

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA

PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROTOCOLOS PARA TESTES DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE CARDIORRESPIRATÓRIA Teste Submáximo de Astrand em

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

BASED ANAEROBIC SPRINT TEST (RAST).

BASED ANAEROBIC SPRINT TEST (RAST). VOLUME 4 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2008 ANÁLISE DA POTÊNCIA ANAERÓBIA DE JOGADORES DE FUTEBOL DE TRÊS CATEGORIAS, POR MEIO DO TESTE DE VELOCIDADE PARA POTÊNCIA ANAERÓBIA (TVPA) do RUNNING BASED ANAEROBIC

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHARELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 3248 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo

Leia mais

PERFIL DA APTIDÃO FÍSICA DE PRATICANTES DE JUDÔ DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UnilesteMG

PERFIL DA APTIDÃO FÍSICA DE PRATICANTES DE JUDÔ DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UnilesteMG PERFIL DA APTIDÃO FÍSICA DE PRATICANTES DE JUDÔ DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS UnilesteMG Cristiano G. dos Santos de Preux Graduado Educação Física pelo Unileste-MG. Tasso Coimbra Guerra

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM PROJETO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO CARNEIRO DOS SANTOS Keegan Bezerra Ponce Escola Estadual Augusto Carneiro dos Santos RESUMO Ao exercer seu papel social,

Leia mais

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO

ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL RESUMO CDD. 20.ed. 796.334 ANÁLISE DA VARIABILIDADE NA MEDIÇÃO DE POSICIONAMENTO TÁTICO NO FUTEBOL Sergio Augusto CUNHA * Mônica Ribeiro BINOTTO* Ricardo Machado Leite de BARROS ** RESUMO O objetivo deste trabalho

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13

EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 EFEITOS DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM-TREINAMENTO NO DESEMPENHO DE HABILIDADES TÉCNICAS DE JOGADORES DE FUTEBOL DA CATEGORIA SUB-13 Pablo Vecchi Moreira/ NUPEF UFV Mariana Calábria Lopes/ NUPEF UFV

Leia mais

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt

EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt EFEITOS DE DIFERENTES INTERVALOS RECUPERATIVOS NO NÚMERO DE REPETIÇÕES NO EXERCICIO SUPINO RETO LIVRE Marcelo dos Santos Bitencourt Resumo O objetivo deste estudo foi analisar a realização de dois treinamentos

Leia mais

XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA

XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA XADREZ NAS ESCOLAS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA LARA, Silvio Carlos Rezende de Discente do curso de Educação Física da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva SANTOS, Mariól Siqueira Docente

Leia mais

Métodos de treino da resistência

Métodos de treino da resistência Métodos de treino da resistência Índice 1. Introdução... 2 2. Noções básicas sobre exercício e sistemas energéticos... 2 2.1. Capacidade e potência dos sistemas energéticos... 3 3. Métodos de Treino da

Leia mais

Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil

Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil ISSN: 1983-7194 Comparação do desempenho em saltos verticais entre jogadores de futebol de diferentes posições da categoria infantil Performance comparison in vertical jumps between soccer players different

Leia mais

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION

ANALYSIS OF THE ESTIMATED MAXIMUM REPETITIONS THROUGH ONE MAXIMUM REPETITION VOLUME 3 NÚMERO 2 Julho / Dezembro 2007 ANÁLISE DAS REPETIÇÕES MÁXIMAS ESTIMADAS ATRAVÉS DO TESTE DE UMA REPETIÇÃO MÁXIMA Daiane Graziottin Borges 1 Jacqueline Souza Oliveira 2 João Paulo Manochio Riscado

Leia mais

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO

PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BE066 FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIO AERÓBIO PROF. SERGIO GREGORIO DA SILVA, PHD AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE (COLÉGIO

Leia mais

Prof.. Claudio Pavanelli

Prof.. Claudio Pavanelli Comparação de resultados de testes por posição em jogadores de futebol profisional Prof.. Claudio Pavanelli CEMAFE Universidade Federal de São Paulo - EPM Exigência Fisiológica no Futebol: Grau de intensidade

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL

CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS DE BASE NO FUTEBOL UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE-UNESC UNIDADE ACADÊMICA DE HUMANIDADES CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA CRICIÚMA, SANTA CATARINA CORRELAÇÃO ENTRE FORÇA, VELOCIDADE EM CATEGORIAS

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO

CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO CONSUMO MÁXIMO DE OXIGÊNIO DE FISICULTURISTAS UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE MÉTODOS DE DETERMINAÇÃO DIRETO E INDIRETO MAXIMUM CONSUMPTION OF OXYGEN - A COMPARATIVE ANALYSIS BETWEEN DIRECT AND INDIRECT

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF

ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PARTICULAR DE BRASILIA-DF CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE FACES WILLIAM ALVES DE VELLOSO VIANNA ANALISE DA COORDENAÇÃO MOTORA RUDIMENTAR E EQUILIBRIO EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2014 Assessoria de Desenvolvimento, conforme Parecer 2 SUMÁRIO 1ª FASE...

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA BACHAELADO (Currículo de início em 2015) ANATOMIA HUMANA C/H 102 Estudo da estrutura e função dos órgãos em seus respectivos sistemas no corpo humano,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS

CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS CARACTERIZAÇÃO DA INCIDÊNCIA DE LESÕES ESPORTIVAS DURANTE OS 53º JOGOS REGIONAIS Beatriz de Vilas Boas de Oliveira 1, Keyleytonn Sthil Ribeiro 2 1 Faculdade de Pindamonhangaba, Curso de Fisioterapia, biavilasboas@yahoo.com.br

Leia mais

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO.

OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. OS EFEITOS DO TREINAMENTO FORÇA SOBRE A POTÊNCIA E A VELOCIDADE EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA ADULTO MASCULINO. THE EFFECTS OF STRENGTH TRAINING ON THE POWER AND THE SPEED IN ATHLETES OF FUTSAL OF

Leia mais

Capacidade anaeróbia em futebolistas de diferentes níveis competitivos: Comparação entre diferentes posições de jogo

Capacidade anaeróbia em futebolistas de diferentes níveis competitivos: Comparação entre diferentes posições de jogo Motricidade FTCD/FIP-MOC 2012, vol. 8, n. 3, pp. 71-80 doi: 10.6063/motricidade.8(3).1158 Capacidade anaeróbia em futebolistas de diferentes níveis competitivos: Comparação entre diferentes posições de

Leia mais

O Volume Do Treinamento No Futsal

O Volume Do Treinamento No Futsal O Volume Do Treinamento No Futsal Quando se fala de volume de treino é importante primeiramente entender quais são as vias metabólicas predominantemente envolvidas no esporte a ser treinado, e, respeitar

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares

Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Roberto Carneiro Gurgel Nogueira Finanças Comportamentais: Diferenças a tolerância de risco entre cônjuges Replicando uma pesquisa e propondo alternativas complementares Dissertação de Mestrado Dissertação

Leia mais

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol

Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Universidade Estadual de Campinas UNICAMP Abordagens Matemáticas e Estatísticas para o Futebol Aluna: Juliana Mayumi Aoki Orientador: Laércio Luis Vendite Identificação do trabalho Título Abordagens Matemáticas

Leia mais

ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS.

ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS. ANSIEDADE NOS MERGULHADORES PROFISSIONAIS ANTES DOS MERGULHOS. Cleber Monteiro Motta Faculdade Metodista Granbery - FMG RESUMO: O objetivo deste estudo foi verificar o nível de ansiedade de mergulhadores

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO APLICADA À SAÚDE E AO CONDICIONAMENTO FÍSICO DISCIPLINA: Fisiologia neural: estrutura, funcionamento e adaptações ao treinamento EMENTA: Arranjo funcional das unidades motoras e

Leia mais

ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS

ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS ANÁLISE DE INFORMAÇÕES ASSOCIADAS A TESTES DE POTÊNCIA ANAERÓBIA EM ATLETAS JOVENS DE DIFERENTES MODALIDADES ESPORTIVAS Hélcio Rossi Gonçalves 1 Miguel de Arruda 2 Thiago Antonio Valoto 3 Alexandre Castro

Leia mais

Fundamentos técnicos do futsal: um estudo em atletas infantojuvenis

Fundamentos técnicos do futsal: um estudo em atletas infantojuvenis Fundamentos técnicos do futsal: um estudo em atletas infantojuvenis 13 a 16 anos 1 Tiago Nunes Medeiros Faculdade Cenecista de Osório FACOS tiago.medeiros@ibest.com.br 2 3 Ricardo Pedrozo Saldanha Universidade

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil POTTES MACIEL, WAGNER; LUCIA CAPUTO, EDUARDO; COZZENSA DA SILVA, MARCELO

Leia mais

Departamento de Formação

Departamento de Formação FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE BADMINTON Departamento de Formação Documento Orientador de Formação de Treinadores Nível I, II e III Com apoio de: ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 OBJECTIVOS 4 FUNÇÃO DO TREINADOR 4 SISTEMA

Leia mais

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática

Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática Universidade da Beira Interior Departamento de Matemática ESTATÍSTICA Ano lectivo: 2007/2008 Curso: Ciências do Desporto Ficha de exercícios nº1: Análise Exploratória de dados: Redução e Representação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT

Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia - PPGECT Dança: Proposta para o ensino e desenvolvimento da aptidão física na disciplina de Qualidade de Vida nos cursos de engenharia do UTFPR Campus Cornélio Procópio Sônia Maria Rodrigues Selma Rodrigues Druzini

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 INFORMAÇÃO - PROVA EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO - 2015 O presente documento visa divulgar as características da prova final do 2º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO

EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO EFEITO DO TREINAMENTO DE FORÇA NO DESEMPENHO DA FORÇA MÁXIMA DE PRATICANTES DA MODALIDADE DE MUSCULAÇÃO Andrey Portela 1, Arnaldo Guilherme Borgo 2 1 UNIGUAÇU; 2 Licenciado em Educação Física e Esportes.

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física

FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO. Catálogo 2015 do Curso de Bacharelado em Educação Física EMENTÁRIO Disciplina: Introdução à Educação Física EMENTA: Disciplina que estuda as diferentes concepções de Educação Física, assim como suas perspectivas no campo da ciência em relação à intervenção profissional.

Leia mais

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores

Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Variação dos valores da distância percorrida e da velocidade de deslocamento em sessões de treino e em competições de futebolistas juniores Pedro F. Caixinha 1 Jaime Sampaio 2 Pedro V. Mil-Homens 3 RESUMO

Leia mais

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma

Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma Efeitos da variabilidade de prática e da interferência contextual na aprendizagem de uma habilidade motora - o largar e pontapear sem ressalto - em precisão. Nuno Amaro 1,2, Luis Neves 1,2, Rui Matos 1,2,

Leia mais

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA

ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ANÁLISE DAS ATIVIDADES DE RACIOCÍNIO LÓGICO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Mateus David Finco RESUMO Neste trabalho é apresentada uma análise das atividades de raciocínio lógico em aulas de Educação Física,

Leia mais

A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO OBJETIVANDO A HIPERTROFIA MUSCULAR

A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO OBJETIVANDO A HIPERTROFIA MUSCULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DEF PROGRAMA ESPACIAL DE TREINAMENTO PET A RELEVÂNCIA DOS INTERVALOS DE REPOUSO ENTRE AS SÉRIES NO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento das capacidades motoras

Desenvolvimento das capacidades motoras Desenvolvimento das capacidades motoras Capacidades motoras Todos nós possuímos capacidades motoras ou físicas e é através delas que conseguimos executar ações motoras, desde as mais básicas às mais complexas

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ESPECIFICIDADE NO TREINAMENTO DO FUTEBOL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA AUTOR(ES): RODRIGO

Leia mais

Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do ano.

Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do ano. Análise do comportamento da temperatura e da umidade relativa do ar em diferentes locais da cidade de Mossoró-RN durante as quatro estações do. JOSÉ ESPÍNOLA SOBRINHO 1, HIDERALDO BEZERRA DOS SANTOS 2,

Leia mais

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS

O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS O ENSINO DO HANDEBOL NA ESCOLA: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS Resumo Scheila Medina 1 - PUCPR Luís Rogério de Albuquerque 2 - PUCPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias e

Leia mais

Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista

Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista 1 Avaliação do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de atividade física do município de Monte Azul Paulista (Consumption s evaluation of nutritional supplements by physical activities practitioners

Leia mais

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO *

POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * POLIMENTO: O PERÍODO COMPETITIVO DA NATAÇÃO * Moacyr da Rocha Freitas RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar um estudo sobre o Polimento, fundamentado na Teoria do Treinamento Desportivo. Através

Leia mais

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio

Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio Um Alerta, uma Reflexão, um Desafio CLINIC PLANETA BASKET SEBASTIÃO MOTA 10 DE SETEMBRO 2015 Decididamente, a musculação é uma parte muito séria do trabalho, tornando as atletas mais fortes, mais rápidas,

Leia mais

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I

EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO NÍVEL I EMENTAS DE DISCIPLINAS - BACHARELADO 31157-04 Anatomia Humana NÍVEL I Estudo sobre a estruturação do organismo humano com ênfase nas características morfológicas dos sistemas anatômicos respiratório, cardiovascular,

Leia mais

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO

EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO EFEITO DE UM PROGRAMA PERSONALIZADO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA COMPOSIÇÃO CORPORAL: UM ESTUDO DE CASO CELI, Jonathan Antônio 1 ; PANDA, Maria Denise Justo 2 Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo analisar

Leia mais

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil

Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil 248 ARTIGO Efeitos de uma pré temporada de quatro semanas sobre os parâmetros de VO 2 máx e composição corporal em atletas de futsal da categoria infantil Anderson Leandro Peres Campos Gregore Iven Mielke

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS

A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A INFLUÊNCIA DO JOGO E DO MODELO DE JOGO NA PERFORMANCE DOS ATLETAS A preparação física como norte do processo ou subordinada às variáveis da partida? Uma análise sob a ótica sistêmica. Por Cyro Bueno*

Leia mais

Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt

Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com. Maria Raquel Silva Professora Auxiliar. raquel@ufp.edu.pt 442 Selecção Nacional Olímpica de Canoagem 2008: composição corporal e prestação competitiva Luís Alves Faculdade de Ciências da Saúde UFP luisalves2@gmail.com Maria Raquel Silva Professora Auxiliar Faculdade

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto

Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos. Leonardo Rotondo Pinto Universidade Federal de Juiz de Fora Graduação em Educação Física e Desportos Leonardo Rotondo Pinto FREQUÊNCIA CARDÍACA DO ÁRBITRO DE FUTEBOL DURANTE JOGOS DE EQUIPES AMADORAS Juiz de Fora 2010 Leonardo

Leia mais