Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO A globalização hoje se estende no mundo em todos os seus setores e mais do que nunca na indústria mundial, seja do ramo madeireiro, metalúrgico ou qualquer outra atividade industrial. A industria que for competitiva sobrevive nessa selva da globalização e acaba se agigantando a frente daquelas que não conseguiram por algum motivo se adaptar a esse processo mundial. Então o papel da manutenção chega a ser em muitos casos fator decisivo para o fortalecimento de uma industria. Entramos então na era da manutenção moderna, onde não se é tolerada a parada de um processo de forma não programada ou não tem-se que diminuir os custos de manutenção. Diante disso alguns equipamentos são considerados primordiais numa indústria. Hoje quase todo processo industrial é essencial a geração de ar comprimido, portanto o compressor é um equipamento vital para industria moderna. O monitoramento de um compressor pode ser realizado através de vários métodos e tecnologias, dentre essas formas de monitoramento pode se citar como a mais importante e fundamental o monitoramento através da análise de vibrações. A analise de vibrações devido a qualidade de sua resposta e as possibilidades de aplicações, foi uma das técnicas que teve grande evolução nos últimos tempos, suportada por processadores cada vez mais rápidos. Embora a analise de vibrações esteja bastante desenvolvida é fundamental ter em mente que o objetivo final é identificar as condições do equipamento e por isso devemos estar atentos para todos os detalhes que cercam o maquinário. Se faz necessário entender o que é o fenômeno da vibração para se fazer uma análise ou entendimento correto da situação de falha durante o monitoramento. 1.1 Fundamentos da Vibração Podemos definir o fenômeno da vibração como uma oscilação de um corpo em torno de uma posição de referência. Ela é fenômeno que esta presente em nosso dia-a-dia, em nosso lar,em nosso trabalho, nas viagens e em praticamente todos os lugares. Freqüentemente a vibração é um processo destrutivo, gerando falhas causando fadiga de vários componentes de máquina. O movimento vibratório é a resposta de um equipamento às forças dinâmicas que a excitam. As vibrações em um equipamento ocorrem em várias freqüências distintas e se propagam para todo o equipamento. Os sistemas mecânicos contem três componentes que interagem entre si e são responsáveis pelo comportamento dinâmico. Mola (rigidez ou flexibilidade), amortecedor (dissipação de energia) e massa (inércia). Se submetermos esses componentes a forças constantes, eles reagem com deslocamento, velocidade e aceleração. Poderíamos de uma forma básica explanar o conceito de vibrações com o descrito acima, sendo que este é um tema extremamente complexo.

2 1.2 O que faz a análise de vibrações Toda máquina apresenta um determinado nível de ruído e vibração, devido a operação e as vibrações externas. Porém uma pequena parcela dessas vibrações e ruídos é causada por defeitos mecânicos, ou excitações secundárias perturbadoras. O acréscimo dessas vibrações é um primeiro sinal de uma falha. Cada máquina apresenta uma forma característica de vibrações, sinais específicos do equipamento. Cada elemento de máquina apresenta uma forma específica de vibração, o comportamento dinâmico da máquina é uma somatória das perturbações de todos seus componentes, defeitos e forças externas. Então a análise de vibrações deixa possível separar e identificar todos essas vibrações, separando esses sinais em freqüências e associando essas freqüências com sua respectiva origem. Portanto através desta técnica podemos descobrir a origem das vibrações em uma máquina e descobrir o que esta ocorrendo e onde esta ocorrendo. 2 - Caso Durante uma inspeção rotineira nos compressores de uma industria multinacional madeireira verificou-se uma anormalidade nos níveis vibracional no conjunto compressor. Na pré-análise realizada durante a aquisição dos dados somente pode notar-se a elevação das tendências e uma magnitude de pico sem o reconhecimento exato da falha. Após descarregar os dados pode-se começar a se fazer uma análise mais detalhada do ocorrido com o compressor. Para se obter uma maior precisão no diagnóstico a equipe deve que levantar vários dados que são imprescindíveis numa análise como esta. E muito importante frisar que a análise vibracional é um processo de averiguação das condições (saúde) do equipamento no qual devemos usar a metodologia de descarte, ou seja, devemos identificar os problemas que seguramente não estejam ocorrendo no momento, procurando identificar características que descartem essas possibilidades, restando portanto as causas mais prováveis. 2.1 Periodicidade das medições A definição da periodicidade ideal para a análise de vibrações deve ter como base o intervalo entre duas manutenções preventivas. Tomamos esse intervalo e dividimos em 6 ou 8 partes, sendo esse valor tomado como ponto de partida para a periodicidade das tomadas dos dados. O motivo a se fazer deste modo é que teremos uma boa quantidade de leituras para traçarmos uma curva tendencial confiável. Sempre pode-se fazer ajustes na periodicidade das medições de acordo com peculiaridades do equipamento e da planta industrial. 2.2 Pontos de medições Normalmente é seguido o fluxo mecânico do equipamento, como Motor ponto 1H/1V, 2H/2V/2 A, e entrada do compressor com 3H/3V/3 A, e lado oposto a entrada (extremidade oposta ao eixo de entrada do compressor) 4H/4V/4 A e seguindo ao eixo movido com 5H/5V/5 A e passando a extremidade oposta deste eixo com pontos 6H/6V/6 A. As leituras são realizadas nas posições horizontal, vertical e axial porque o conjunto não apresenta a mesma rigidez mecânica em todas as direções, alem do que folgas axiais e radias são mais facilmente detectadas com a aquisição dos sinais nas direções em as folgas acontecem. Neste mesmo ponto devem ser coletados leituras com vários parâmetros distintos, exemplo, numa leitura no ponto 3H (horizontal) deve ter espectros de velocidade em (RMS) com resolução suficientemente boa para

3 se fazer uma analise em zoom se necessário. Neste mesmo ponto deve ser coletado um envelope de aceleração, também com numero de linhas suficiente. 2.3 Dados Técnicos Dados do Motor / Compressor Modelo: Compressor de parafuso ATLAS COPCO GA 45 Acionamento: Motor WEG 200L Rotação (entrada): 3560 rpm (nominal) Potencia: 65 KW Rolamento Motor: 6312 C3 / 6212 C3 Número de ranhuras: Rotor 72 / Estator 58 Numero de Lóbulos e Reentrâncias: 6 / 4 ( 7/8 ) Engrenagens ( 5/6 ): Motora z-37 Movida z-37 Rolamento Compressor: NU 211 ECP ( 2 ) / 2211 EC ( 4 ) / 308 EC ( 1 ) / 7309 BE CBP ( 3 ) Após o levantamento dos dados teve-se que avaliar de onde provinham essas vibrações severas que estariam danificando o conjunto. As vibrações de um compressor podem provir de várias fontes: Próprio trabalho do conjunto Fontes externas Defeitos ou desgaste dos componentes

4 Os níveis de vibração do compressor costumam variar de acordo com a operação tais com carga/alívio, temperatura ou influência de equipamentos próximos. Ao monitorar um compressor é fundamental que no ato medição sejam tomados dados adicionais do compressor, que indiquem algum valor para orientar nas possíveis alterações das vibrações. Dados que devem ser observados são: Horas trabalhadas; Horas em carga; Pressão do óleo; Temperatura do óleo; Indicadores das condições do filtro; Temperatura de entrada e saída da água; 3 - Verificando as origens das vibrações Motor - Acionamento Relacionando a freqüência fundamental do motor com seus componentes podemos avaliar se a origem dessa vibração excessiva é originada no motor. As freqüências de falha dos rolamentos do motor não coincidiam com os poucos picos observados no envelope de aceleração coletado no motor. Multiplicando o número de ranhuras x Freq. Fund. Podemos verificar se há roçamento entre o rotor e estator. Espectro de velocidade Motor Freqüência de rotação do motor 59,06 Hz Quanto a severidade na amplitude das vibrações, em alguns casos é comum o uso de tabelas que orientem na percepção da severidade na amplitude. Porém em uma opinião particular não utilize tal tabela. Explico que como foi comentado cada equipamento tem um sinal característico próprio, de acordo com várias particularidades como base, montagem, ajustes, erros ou diferenças de projetos. Portanto não se utiliza tabela, o que poderia dar uma confiabilidade maior é termos um numero de leituras suficiente para ajustar os parâmetros de alarme individuais, para cada ponto de medição. Assim teríamos uma curva tendencial muito próxima do ideal.

5 Envelope de aceleração Motor - Não apresenta magnitude elevada. Sem picos que caracterizem falha de rolamentos no motor. 4 - Verificando as origens das vibrações Elemento Compressor - Lóbulos Calculando as freqüências dos lóbulos conseguimos avaliar em que condições estão estes componentes. Lóbulo Macho 355,2 Hz Lóbulo Fêmea 236,8 Hz. Freqüência Lóbulo - Fêmea Freqüência Lóbulo - Macho Foi possível verificar uma falha no rolamento NU 2211 ECP de entrada do elemento compressor, teve suas freqüências de falha de gaiola (FTF) e pista interna (BPFI) coincidindo com os picos adquiridos no envelope em amplitude bastante alta. Essas falhas nos componentes do rolamento geram vibrações que excitam o compressor em suas freqüências naturais e passagem desses elementos pela pista do rolamento. E importante salientar que nem sempre quando temos uma evolução nas tendências de falha é motivo para intervenção do equipamento, é extremamente importante que seja realizada uma analise de precisão. Se ao realizar a analise dos espectros e envelopes e associar as freqüências a seus defeitos concluirmos que existe alguma anormalidade em algum componente do equipamento, desta forma poderíamos de uma maneira confiável recomendar uma intervenção por parte da manutenção. A análise de precisão consiste em identificar as freqüências e amplitudes irregulares, associando estas a suas origens. Desta forma podemos com convicção detectar qual componente esta apresentando uma falha.

6 Também é possível em grande parte dos casos além de saber o elemento que estas danificadas, que tipo de falha esta ocorrendo com este componente. Por exemplo, neste caso conseguimos saber com exatidão que o rolamento 2211 estava com sua gaiola bastante comprometida, é claro que esta falha vai acarretar em danos nas pistas e esferas do rolamento. Defeito de gaiola no rolamento Freqüência de falha e harmônicos. As tendências de falha em aceleração também estavam elevadas. Essas vibrações severas colocavam em risco a integridade do compressor, podendo propagar os defeitos para outros componentes aumentando assim o custo e o tempo de reparo e também o que poderia ser pior, termos uma parada indesejada do processo elevando o custo do processo. Tendências de falha em aceleração. Aumento da severidade da falha confirmado.

7 Após a análise e diagnóstico do Técnico de preditiva foi programada a intervenção no compressor para a primeira oportunidade em que o equipamento estivesse disponível, eliminando o risco de parada no processo. Após a desmontagem para reparos confirmou-se o diagnóstico e sua severidade. O rolamento NU 2211 ECP estava com fraturas na gaiola e na pista interna. Pista interna do rolamento NU 2211 trinca e escamamento na superfície da pista. Trincas e marcas na gaiola, a mesma estava rompida.

8 Escamamento na pista externa Gaiola rompida marcas fraturas no separador.

9 5 - Conclusão Quando se tem um monitoramento por análise de vibrações estruturada, com pessoas aptas e equipamentos confiáveis podem-se reduzir muito os níveis de parada de processo bem como diminuir o custo do processo, aumentando assim os ganhos e garantindo a disponibilidade do equipamento. A analise de vibrações não é uma ferramenta milagrosa que por si só vai fazer que com uma indústria tenha resultados prodigiosos. E fundamental ter-se toda uma estrutura enraizada, uma cultura de preditiva implantada e implementada em todo o processo seja na manutenção ou na produção. Neste caso em específico foi obtido através da manutenção preditiva um retorno muito significativo tanto em confiabilidade quanto para o processo e a empresa como um todo. A parte mais essencial e dificultosa para o analista de vibrações é obter todas as informações técnicas sobre o maquinário, definir os níveis de alarme e estabelecer parâmetros ideais de coleta e análise dos sinais. A analise de vibrações é acionada por condições do equipamento. Ao invés de se basear em dados estatísticos como tempo médio entre uma falha e outra, para programar as intervenções da manutenção pode-se ter como base as condições reais do equipamento. Um sistema de analise de vibrações pode minimizar o numero de quebras de todos equipamentos mecânicos de uma planta industrial e assegurar que os equipamentos reparados estejam em condições mecânicas aceitáveis. Podendo identificar problemas mecânicos antes que se tornem mais sérios, já que a maioria dos problemas mecânicos pode ser minimizada se detectados com antecedência. Porém devemos ter em mente que nem sempre os resultados da analise de vibrações é imediato, deve-se ter um analista experiente e capacitado a utilizar o sistema. O desenvolvimento pleno desta técnica esta acondicionado ao bom gerenciamento e ao uso de instrumentos e software atualizados. Neste caso singular (compressor), porém não o único que pode-se relatar a importância da preditiva na indùstria. Num raciocínio rápido poderíamos levantar em cifras os benefícios da preditiva.observem: Para a manutenção corretiva desse compressor necessitaríamos no mínimo de 10 horas de parada do processo, tempo de desmontagem e troca dos componentes danificados. Dependendo da situação da indústria esse fator poderia ser fundamental para o sucesso desta. 6 Tabela Ilustrando em cifras as vantagens da Análise de Vibrações. Custos Manutenção Corretiva COMPRESSOR GA 45 (Caso de Pane) Descrição Quantidade Valor Unitário Subtotal Troca de Óleo 30,00 LT R$ 9,50 R$ 285,00 Rolamento NU 2211 ECP 1,00 PÇ R$ 380,00 R$ 380,00 Vedações 4,00 PÇ R$ 85,00 R$ 340,00 Mão-de-obra x 10 horas 3,00 MEC R$ 25,00 R$ 750,00 Parada do Processo x 10 horas 18,00 h R$ 8.125,00 R$ ,00 TOTAL CORRETIVA R$ ,00

10 Custos Manutenção Preditiva / Preventiva COMPRESSOR GA 45 Descrição Quantidade Valor Unitário Subtotal Troca de Óleo 30,00 LT R$ 9,50 R$ 285,00 Rolamento NU 2211 ECP 1,00 PÇ R$ 380,00 R$ 380,00 Vedações 4,00 PÇ R$ 85,00 R$ 340,00 Mão-de-obra x 10 horas 3,00 MEC R$ 25,00 / h R$ 750,00 TOTAL PREDITIVA R$ 1.755,00 Se fizéssemos o cálculo (manutenção corretiva$ manutenção preventiva$) teríamos uma cifra que realmente poderia salvar ou garantir o sucesso de uma indústria em seu ramo de atividade. Além do custo podese otimizar o setor de manutenção, empregando o tempo do pessoal de manutenção em outras atividades como melhorias na planta. DIFERENÇA OBTIDA NESSE CASO ($) (Corretiva Preditiva) Custo Total Manutenção Corretiva R$ ,00 Custo Total Manutenção Preditiva/Preventiva R$ 1.755,00 Diferença Obtida R$ ,00 Edson Jaime Michalak Preditec Engenharia de Manutenção

11

VIII SEMINÁRIO BRASILEIRO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS

VIII SEMINÁRIO BRASILEIRO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIII SEMINÁRIO BRASILEIRO DE MANUTENÇÃO PREDITIVA E INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS MÁRCIO TADEU DE ALMEIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ FUNDAÇÃO DE PESQUISA E ASSESSORAMENTO À INDÚSTRIA MENU PRINCIPAL VIBRAÇÕES

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

Introdução Análise de Vibração

Introdução Análise de Vibração 1 Introdução Análise de Vibração 1-1 MANUTENÇÃO CORRETIVA ou REATIVA (Quebra Repara) È o tipo de Manutenção que ocorre após a quebra do equipamento. Atua somente após a ocorrência da Falha. PREVENTIVA

Leia mais

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br

Projeto Manutenção Preditiva. Análise de vibrações. www.gatec.com.br Projeto Manutenção Preditiva Análise de vibrações www.gatec.com.br ANÁLISE DE VIBRAÇÃO 1 - DEFINIÇÃO TÉCNICA 2 - CONCEITUAÇÃO : 2.1 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO X ASSINATURA ESPECTRAL 2.2 MONITORAMENTO DA VIBRAÇÃO

Leia mais

Um especialista em manutenção preditiva

Um especialista em manutenção preditiva Análise de vibrações A UU L AL A Um especialista em manutenção preditiva foi chamado para monitorar uma máquina em uma empresa. Ele colocou sensores em pontos estratégicos da máquina e coletou, em um registrador,

Leia mais

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO NÍVEL I

ANÁLISE DE VIBRAÇÃO NÍVEL I ANÁLISE DE VIBRAÇÃO NÍVEL I *Eng. Remo Alberto Pierri Transmotor MBC *Eng. Maurício Coronado - GYR Com base na experiência acumulada por vários especialistas em medida e análise de vibrações, serão apresentados

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá Márcio Tadeu de Almeida Universidade Federal de Itajubá Trabalho apresentado na 6 a Conferência

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : CONFIABILIDADE E QUALIDADE. INTRODUÇÃO : Nos últimos anos, têm-se discutido amplamente a gerência de manutenção preditiva. Tem-se definido uma variedade de técnicas que variam

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES

ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES ANÁLISE TEÓRICO-EXPERIMENTAL DE BANCADA DIDÁTICA PARA BALANCEAMENTO ESTÁTICO E DINÂMICO DE ROTORES Sandro E. L. da Silva sandroels@bol.com.br Antonio A. Silva almeida@dem.ufcg.edu.br Marco A. da S. Irmão

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DMAE - RAFARD DMAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAMAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Rafard. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA

ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA ANALISE DE CORRENTE ELÉTRICA 1. INTRODUÇÃO A manutenção preditiva tem sido largamente discutida nos últimos anos, e sem dúvida é um procedimento moderno de gerenciamento, que comprovadamente vem diminuindo

Leia mais

Análise de Vibração Relatório Técnico 0914

Análise de Vibração Relatório Técnico 0914 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DAE - DAE Corumbatai 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Corumbatai. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814 RELATÓRIO TÉCNICO 814 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO SAAE - CAPIVARI SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Capivari. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1-

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0914

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0914 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO DAE - Analandia DAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAE a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Analandia. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA 1- Analisador de Vibrações

Leia mais

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento?

O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Análise de Vibração + Análise de Óleo O que é Integração das Técnicas de Monitoramento? Programas atuais de monitoramento da gestão das condições de ativos que desejam avançar rumo a uma verdadeira "Manutenção

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814

Análise de Vibração RELATÓRIO TÉCNICO 0814 RELATÓRIO TÉCNICO 814 ANÁLISE DE VIBRAÇÃO SANEBAVI - VINHEDO SANEBAVI 1. OBJETIVO Apresentar ao SANEBAVI a Análise de Vibrações realizada nos equipamentos de sua unidade em Vinhedo. 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ

SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ SISTEMA DE GESTÃO DE MANUTENÇÃO APLICADO NO IFRN CAMPUS MOSSORÓ Dayse Duarte Tenorio Diretoria Acadêmica de Eletrotécnica IFRN Campus Mossoró E-mail: dayse_tenoro_d@hotmail.com Lucas Duarte Almeida Departamento

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais

Selecione o tipo de rolamento e configuração. Limitações dimensionais Seleção do 2. Seleção do Os s e de estão disponíveis numa variedade de tipos, formas e dimensões. Quando se faz a correta seleção do para a sua aplicação, é importante considerar diversos fatores, e analisar

Leia mais

Transmissor de Vazão Mod. RTVG

Transmissor de Vazão Mod. RTVG 1. Introdução O Medidor de vazão tipo turbina é um instrumento de medição de vazão volumétrico. O elemento sensível à vazão é um rotor com um sistema de palhetas fixas, suspenso livremente sobre um eixo

Leia mais

Manutenção Preditiva

Manutenção Preditiva Manutenção Preditiva MANUTENÇÃO PREDITIVA: BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. INTRODUÇÃO : A manutenção preditiva nã o substitui totalmente os métodos mais tradicionais de gerência de manutenção. Entretanto,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução

A IMPORTÂNCIA DE ALINHAMENTO ENTRE EIXOS Manutenção Preditiva Alinhamentos. Introdução Introdução As perguntas mais freqüentes formuladas por gerentes, engenheiros, supervisores, contratantes, profissionais da área, referentes ao alinhamento (ou desalinhamento) de eixos e sua importância

Leia mais

TREINAMENTOS TÉCNICOS

TREINAMENTOS TÉCNICOS 0000 TREINAMENTOS TÉCNICOS TEÓRICOS E PRÁTICOS CONHECIMENTO.TECNOLOGIA E INOVAÇÃO PARA SUA EMPRESA A Empresa Ao longo dos 19 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba

Elementos de máquina. Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase. Diego Rafael Alba E Curso de Tecnologia em Mecatrônica 6º fase Diego Rafael Alba 1 Mancais De modo geral, os elementos de apoio consistem em acessórios para o bom funcionamento de máquinas. Desde quando o homem passou a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ TM 285 MANUTENÇÃO INDUSTRIAL CURITIBA DEZEMBRO / 2011 1 INTRODUÇÃO 1.1 - Conceitos Do dicionário: Manutenção = Ato de manter Manter = Sustentar, defender Exemplos: manutenção

Leia mais

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol

Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos e Serviços para o Mercado de Açúcar e Etanol Rolamentos para Todas as Necessidades da Sua Usina A Solução Perfeita para Qualquer Aplicação Com suas duas fortes marcas, INA e FAG, a qualidade

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES EM EXAUSTORES DE FORNOS DE FÁBRICA DE CIMENTO PARA IDENTIFICAR SEUS MODOS DE FALHA

ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES EM EXAUSTORES DE FORNOS DE FÁBRICA DE CIMENTO PARA IDENTIFICAR SEUS MODOS DE FALHA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE APLICADA A MANUTENÇÃO GABRIEL MILANI JUNIOR ANÁLISE DAS VIBRAÇÕES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS O acoplamento ACRIFLEX AD, consiste em dois flanges simétricos inteiramente usinados, pinos de aço com superfícies retificadas e buchas amortecedoras de borracha nitrílica à prova

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção.

MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. MANCAIS DE ROLAMENTOS. 1. Introdução 2- Classificação. 3. Designação de rolamentos. 4. Defeitos comuns dos rolamentos. 5. Critérios de seleção. Os mancais em geral têm como finalidade servir de apóio às

Leia mais

FMEA (Failure Model and Effect Analysis)

FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Definição FMEA (Failure Model and Effect Analysis) Conceitos Básicos A metodologia de Análise do Tipo e Efeito de Falha, conhecida como FMEA (do inglês Failure Mode and Effect Analysis), é uma ferramenta

Leia mais

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto Aplicação da Preditiva on-line Como Ferramenta para o Aumento da Disponibilidade e Confiabilidade dos Equipamentos Rotativos em uma Empresado Ramo Petrolífero Autores: Mauro Lucio Martins Eduardo Sarto

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS

MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Seleção Competitiva Interna 2013 MECÂNICA PREVENTIVA E CORRETIVA EM VEÍCULOS PESADOS Fabrício De Souza Alves MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DE VEÍCULOS PESADOS. O que é manutenção preventiva? Trata-se

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 17 Procedimentos para Correção do Fator de Potência 05/04 1 Descrições Gerais 1.1 Determinação Nacional Visando a otimização do consumo racional de energia elétrica gerada no país,

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO

A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO A APLICAÇÃO DA TÉCNICA DE ANÁLISE DE CORRENTE PARA DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS NOS MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS NA ARCELORMITTAL TUBARÃO Harison Araújo Antunes (1) Rogério Hubner Rocha (2) Jessui de

Leia mais

Artigo Técnico: Startup de Elevadores

Artigo Técnico: Startup de Elevadores Artigo Técnico: Startup de Elevadores Problemas enfrentados no início de operação de elevadores instalados em edifícios existentes modernização ou substituição dos equipamentos em edificações habitadas.

Leia mais

Sensores e Atuadores (2)

Sensores e Atuadores (2) (2) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Atuadores São componentes que convertem energia elétrica, hidráulica ou pneumática em energia mecânica. Através dos sistemas

Leia mais

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral

Edson Duarte Sistemas Eletropneumáticos Lista Geral 1) Calcule o volume de ar comprimido necessário para o acionamento de 10 cilindros pneumáticos (modelo A), 4 cilindros pneumáticos com retorno por mola (modelo B) e 2 cilindros sem haste (modelo C), todos

Leia mais

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES ENG O REMO ALBERTO PIERRI Diretor Técnico da Aditeq Na referência (1), mostramos que a análise das vibrações geradas pelo

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM...

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO MOTOR INCLUEM... Motores H-Compact COMPACTO, REFRIGERAÇÃO EFICIENTE A importância crescente da economia de energia, dos requerimentos ambientais, da procura por dimensões menores e das imposições dos mercados nacionais

Leia mais

Administração da Produção I

Administração da Produção I Administração da Produção I Manutenção Manutenção Manutenção: Termo usado para abordar a forma pela qual organizações tentam evitar as falhas cuidando de suas instalações físicas. É uma parte importante

Leia mais

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS NA OPERAÇÃO INICIAL DE UMA PLANTA PETROQUÍMICA PELA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES

SOLUÇÕES DE PROBLEMAS NA OPERAÇÃO INICIAL DE UMA PLANTA PETROQUÍMICA PELA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES Soluções de Problemas na Operação Inicial de uma Planta Petroquímica pela Análise de Vibrações - Pag. 1 / 16 X Seminário Brasileiro de Manutenção Preditiva e Inspeção de Equipamentos abril / 21 SOLUÇÕES

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução

Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Considerações sobre redimensionamento de motores elétricos de indução Artigo publicado na revista Lumiere Electric edição nº 166 Aplicações de investimentos dentro das empresas sempre são questionadas

Leia mais

Introdução à Lubrificação Industrial

Introdução à Lubrificação Industrial Introdução à Lubrificação Industrial Prof. Matheus Fontanelle Pereira Curso Técnico em Eletromecânica Departamento de Processos Industriais Campus Lages Objetivos da Unidade Curricular Conhecer os 5 Ws

Leia mais

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1.

WIN-SOFT STARTER. Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW. www.siemens.com.br/sirius. Win-Soft Starter Versão 1. WIN-SOFT STARTER Software de simulação e especificação para soft starters SIRIUS 3RW Versão: 1.1-BR Edição: 08/2011 www.siemens.com.br/sirius Agosto 2011 Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Soft Starters

Leia mais

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X

Ingersoll Rand. Sistema de Automação Série-X Ingersoll Rand Sistema de Automação Série- Economia de Energia Por Encomenda! Ingersoll Rand 20% a 60% da energia utilizada para operar os sistemas de ar comprimido são desperdiçados. Isso ocorre principalmente

Leia mais

Acionamento de Motores CA

Acionamento de Motores CA Fundação Universidade Federal ACIONAMENTOS de Mato Grosso do CA Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Acionamento de Motores CA Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto Universidade Federal

Leia mais

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores

Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1. 1. Bombas e Motores Hidráulica móbil aplicada a máquina agrícolas 1 BOMBAS: 1. Bombas e Motores As bombas hidráulicas são o coração do sistema, sua principal função é converter energia mecânica em hidráulica. São alimentadas

Leia mais

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos.

Público alvo: Profissionais envolvidos com as tarefas de integridade estrutural e extensão de vida útil de equipamentos. ISO 9001 : 2008 Integridade Estrutural de Equipamentos De 28/11/2011 a 02/12/2011 Local: Hotel a definir RJ Carga Horária: 40 horas Horário: 8h30min às 17h30min Objetivo: Apresentar critérios de avaliação

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional?

Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Comparativo entre métodos de controle de demanda: qual o mais eficiente para o usuário nacional? Mauricio R.Suppa (GESTAL Ltda) Marcos Iuquinori Terada (GESTAL Ltda) Afim de se obter o máximo aproveitamento

Leia mais

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA

BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA BOMBEAMENTO DE ÁGUA COM ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA Eng. Carlos Alberto Alvarenga Solenerg Engenharia e Comércio Ltda. Rua dos Inconfidentes, 1075/ 502 Funcionários - CEP: 30.140-120 - Belo Horizonte -

Leia mais

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP

Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Descrição técnica dos Balanceadores WATT computadorizados mod.: WBCP Os Balanceadores Computadorizados WATT são inteiramente projetados e fabricados no Brasil, possuindo as seguintes vantagens em relação

Leia mais

Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos. Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos

Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos. Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos Por: António Afonso Roque Data: 30 de Abril de 2010 Slide 1 (Análise de Vibrações versus Análise de Corrente Eléctrica) N 4 5 3 1 2 6 5 4 S DatAnálise AntónioA.Roque*,J.M. F.Calado** ejosém. Ruiz*** *DatAnálise,

Leia mais

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação

Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Soluções para Amortecimento das Vibrações sobre o Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Suporte do Captor HF e Braços de Sustentação Resumo O objetivo do trabalho foi desenvolver uma estrutura capaz

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1 4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Os acoplamentos ACRIFLEX AG são compostos por dois cubos simétricos de ferro fundido cinzento, e um elemento elástico alojado entre eles, de borracha sintética de elevada resistência

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

Curso Gestão de Técnicas Preditivas São Paulo, 22 a 25 de novembro de 2010 REALIZAÇÃO CONJUNTA

Curso Gestão de Técnicas Preditivas São Paulo, 22 a 25 de novembro de 2010 REALIZAÇÃO CONJUNTA Curso Gestão de Técnicas Preditivas São Paulo, 22 a 25 de novembro de 2010 REALIZAÇÃO CONJUNTA Filial V (SP-MS) Av. São João, 2168 9 andar, sala 94 01211-000 São Paulo, SP telefax (11) 3663-2363 Home Page:

Leia mais

www.bluemedia.com.br MEDIDORES

www.bluemedia.com.br MEDIDORES www.bluemedia.com.br MEDIDORES Detector de Falhas e Analisador Preditivo - PA A linha PA de Detectores de Falhas e Analisadores Preditivos KRON traz uma nova abordagem para o conceito de monitoramento

Leia mais

PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS

PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS PROBLEMAS RELACIONADOS A MÁQUINAS ROTATIVAS BERTON JR, J.; ROBERTO, S. B. RESUMO A presente pesquisa consiste no estudo dos problemas do comportamento de máquinas rotativas, tendo em vista a grande utilização

Leia mais

IE3. Série S da BOGE, modelo S-3. Motor. BOGE Competence

IE3. Série S da BOGE, modelo S-3. Motor. BOGE Competence Série S da BOGE, modelo S-3 Premium IE3 Efficiency BOGE Competence A melhor qualidade ada de novo: A nova geração da Série S da BOGE 6 Detalhes da nova geração: 4 A B C Novo bloco compressor BOGE effilence

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO COMPARATIVO DO DESEMPENHO DE CÂMARAS DE RESFRIAMENTO DE ALIMENTOS COM O MOTOR ELÉTRICO DO VENTILADOR DO CONDENSADOR

Leia mais

COMPRESSORES DE REFRIGERAÇÃO (PARAFUSO DUPLO OU GÉMEOS)

COMPRESSORES DE REFRIGERAÇÃO (PARAFUSO DUPLO OU GÉMEOS) COMPRESSORES DE REFRIGERAÇÃO (PARAFUSO DUPLO OU GÉMEOS) INTRODUÇÃO O compressor é uma máquina que actua como o coração dum sistema, accionado por electricidade ou por tracção mecânica (correias, polias,

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

Gerencie adequadamente os custos da sua frota

Gerencie adequadamente os custos da sua frota Gerencie adequadamente os custos da sua frota O que é gestão de Frota? De acordo com definição encontrada no livro Gerenciamento de Transporte e Frota, o termo gestão de frota representa a atividade de

Leia mais

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU

Figura 6.1 - Ar sangrado do compressor da APU 1 Capítulo 6 - SANGRIA DE AR 6.1 - Finalidade e características gerais A finalidade da APU é fornecer ar comprimido para os sistemas pneumáticos da aeronave e potência de eixo para acionar o gerador de

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A qualidade de software é responsabilidade de todos os participantes envolvidos no desenvolvimento de software.

Leia mais

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar

FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha. José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha José Carlos de Toledo Daniel Capaldo Amaral GEPEQ Grupo de Estudos e Pesquisa em Qualidade DEP - UFSCar FMEA - Análise do Tipo e Efeito de Falha 1 1 Introdução

Leia mais

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

PRODUTOS SUSTENTÁVEIS PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ObjETIVOS A ThyssenKrupp Elevadores, em sintonia com as tendências mundiais em transporte vertical, está focada em sua responsabilidade socioambiental. Por isso, desenvolve produtos

Leia mais

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA

MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS DE VIBRAÇÃO INTRODUÇÃO À MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VIA ANÁLISE DE SINAIS OBJETIVOS Avaliação do Estado de Funcionamento. Identificação,

Leia mais

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF

Sumário. Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS. Prof a Ninoska Bojorge. Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF 1 Disciplina: TEQ102 - CONTROLE DE PROCESSOS INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE PROCESSOS Prof a Ninoska Bojorge Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Sumário Introdução Evolução do Controle de Processo

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0914

Análise Termográfica Relatório Técnico 0914 ANÁLISE TERMOGRÁFICA DAAE - Rio Claro DAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao DAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Rio Claro 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar

3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar 3.4 O Princípio da Equipartição de Energia e a Capacidade Calorífica Molar Vimos que as previsões sobre as capacidades caloríficas molares baseadas na teoria cinética estão de acordo com o comportamento

Leia mais

2.5 Sistema de recuperação de energia. Funcionamento em alívio

2.5 Sistema de recuperação de energia. Funcionamento em alívio Funcionamento em alívio Se o consumo de ar for inferior a descarga de ar do compressor, a pressão da rede aumenta. Quando a pressão da rede atinge o limite superior da pressão de trabalho (pressão de descarga),

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

Previsão de Falha de Rolamentos por Análise Espectral e de Envelope

Previsão de Falha de Rolamentos por Análise Espectral e de Envelope Previsão de Falha de Rolamentos por Análise Espectral e de Envelope Eng. Paulo Mário R. da Cunha, MSc - Consultor Técnico da Aditeq Análise e Diagnóstico de Equipamentos Ltda. Resumo Falhas em rolamentos

Leia mais

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4

GABARITO - DEP34. Questão 1. Questão 2. Questão 3. Questão 4 GABARITO - DEP34 Questão 1 Os TCs para serviço de proteção apresentam boas características de exatidão, 0,1%, 0,3%, 0,6% e 1,2%. Também apresentam uma baixa corrente de saturação, quando comparados com

Leia mais

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos

CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015. Assunto: Definição Correta do Grupo de Manutenção no Início da Operação do Veículo Modelos afetados: Todos CIRCULAR N.º AT 004-15 19.02.2015 Favor divulgar esta circular para: Gerente de Serviços Gerente de Peças Encarregado de Garantia Monitor de Pós Vendas Ônibus Frotistas Ônibus Frotistas Caminhões Assunto:

Leia mais

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE:

11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11. NOÇÕES SOBRE CONFIABILIDADE: 11.1 INTRODUÇÃO A operação prolongada e eficaz dos sistemas produtivos de bens e serviços é uma exigência vital em muitos domínios. Nos serviços, como a Produção, Transporte

Leia mais

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios

Influência dos carregamentos dos estágios na forma do canal axial de um compressor axial de vários estágios Anais do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XII ENCITA / 2006 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 16 a 19 2006 Influência dos carregamentos

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL

TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL TRIZ NUM PROBLEMA DE QUALIDADE AUTOMOTIVO: ALINHAMENTO DO BOCAL DO TANQUE DE COMBUSTÍVEL Edson Oliveira Martins, Eng.Mec. - edson26@pop.com.br Marco Aurélio de Carvalho, Eng.Mec., Me., Dr. marcoaurelio@utfpr.edu.br

Leia mais

Treinamentos técnicos

Treinamentos técnicos Treinamentos técnicos CONHECIMENTO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO A Empresa Ao longo dos 18 anos de sua existência, a PRIMEIRA LINHA COMERCIAL DE ROLAMENTOS LTDA, tem direcionado seu crescimento e desenvolvimento

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SEMAE - Piracicaba SEMAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SEMAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Piracicaba 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir

Leia mais

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e

programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e programa técnico Centrífugas de bateladas - Série-E A nova geração de centrífugas de bateladas reúne vários anos de experiência e novos desenvolvimentos para a eficiente fabricação de açúcar. A nova geração

Leia mais