EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA BACIA DO RIO BARIGUI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA BACIA DO RIO BARIGUI"

Transcrição

1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO NA BACIA DO RIO BARIGUI ANGELO,Cristiane UTP/PR ROSA,Maria Arlete - UTP/PR Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento Resumo Este artigo apresenta os resultados parciais da pesquisa em desenvolvimento, tendo como tema a educação e meio ambiente. A pesquisa encontra-se na fase de estudo exploratório quanto aos dados bibliográficos e campo de pesquisa. A pergunta colocada para a investigação é: quais aspectos influenciam a educação ambiental nas escolas da rede pública estadual de ensino localizadas na bacia do rio Barigui, em Curitiba e Região Metropolitana? Como objetivo geral busca-se analisar a educação ambiental da rede pública de ensino localizadas na bacia do rio Barigui. Nas indicações teóricas e metodológicas serão utilizados os conceitos de educação ambiental (DIAS,1995), (REIGOTA, 1995), (SORRENTINO, 1995), (JACOBI,2005) e (GOHN, 1994); espaço escolar; práticas educativas (ROSA, 1999); bacia hidrográfica(porto, 2005) e (SANTOS); riscos ambientais e sustentabilidade (STAHEL, 1995). Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, tendo como campo de pesquisa 59 escolas da rede pública estadual de ensino localizadas nesta bacia hidrográfica. A técnica de pesquisa adotada será do tipo estudo de caso e seus procedimentos. Quanto aos resultados esperados, pretende-se: a caracterização das escolas no contexto da sustentabilidade da bacia do rio Barigui, assim como conhecer quais escolas desenvolvem ações de educação ambiental no espaço escolar. Também, a configuração das ações realizadas pelas escolas no âmbito do espaço escolar, bem como sistematizar indicadores socioambientais para avaliar os resultados das ações realizadas pela escola no contexto da bacia hidrográfica do rio Barigui. Como resultado parcial da pesquisa destaca-se ausências de informações de localização das escolas por bacia hidrográfica, no caso a bacia do rio Barigui, pelos órgãos públicos consultados. Palavras-Chave: Educação Ambiental. Escola. Práticas Educativas. Sustentabilidade e Bacia Hidrográfica.

2 Introdução Este artigo apresenta os resultados parciais da pesquisa em desenvolvimento, tendo como tema a educação e meio ambiente. A pesquisa encontra-se na fase de estudo exploratório quanto aos dados bibliográficos e do campo de pesquisa. A pergunta colocada para a investigação é: quais aspectos influenciam a educação ambiental nas escolas da rede pública estadual de ensino localizadas na bacia do rio Barigui, em Curitiba e Região Metropolitana? Como objetivo geral busca-se analisar a educação ambiental da rede pública de ensino localizadas na bacia do rio Barigui. Este artigo trata das considerações da base conceitual, em seguida da aproximação da unidade territorial do campo de pesquisa e seus procedimentos metodológicos, concluindo-se com as considerações finais. 2 Considerações da base conceitual As considerações teóricas desta reflexão abordam as noções de educação ambiental e escola. Esta relação terá como referências as práticas educativas no contexto da bacia hidrográfica ao considerar os riscos ambientais e a sustentabilidade local e global na articulação da escola com a comunidade em que esta inserida. 2.1 Educação Ambiental e Escola Ao se considerar a noção de educação ambiental, embora marcada pela escassez de trabalhos que tratam dessa temática no meio acadêmico, destacam-se os trabalhos de Dias (1992), Reigota (1994), Sorrentino (1995) e Jacobi (2005). Tais estudos são referências importantes nesta área de conhecimento e contribuem para reflexão das determinações educativas, num plano mais amplo da educação ambiental. Assim, contribuem para alargar a compreensão de novos saberes gerados em torno da diversidade e da construção de sentidos nas relações indivíduos-natureza, nos riscos ambientais globais e locais e nas relações ambiente-desenvolvimento (JACOBI, 2005, p. 247) A educação ambiental escolar considerada nesta reflexão se estabelece a partir da relação entre educação, meio ambiente e escola no contexto da bacia hidrográfica. Para Dias ao considerar educação ambiental a partir da Primeira Conferência Intergovemamental sobre educação ambiental, realizada em 1977 em Tbilisi, Georgia (ex

3 4991 URSS), reafirma o processo permanente no qual os indivíduos e a comunidade tomam consciência do meio ambiente e adquirem os conhecimentos, os valores, as habilidades, as experiências e a determinação que os tomam aptos a agir individual e coletivamente para resolver problemas ambientais presentes e futuros (DIAS, 1992, p. 92). Para Dias a educação ambiental, deve promover o desenvolvimento de conhecimento, de atitude e de habilidades necessárias à preservação e melhoria da qualidade ambiental. Pois a função do trabalho didático ao envolver o tema de meio ambiente é contribuir para formação cognitiva e social do aluno. De modo que, o mesmo seja capaz de atuar na realidade sócioambiental comprometido com a sociedade local e global. Para este autor a educação ambiental é um conjunto de conteúdos e práticas ambientais, orientadas para a resolução dos problemas concretos do ambiente, através do enfoque interdisciplinar e de participação ativa e responsável de cada indivíduo da comunidade. A educação ambiental deve alcançar a todas as pessoas, dentro e fora das escolas. Nas associações comunitárias, religiosas, culturais, esportivas, profissionais, entre outras. Deve ir onde as pessoas estão reunidas. Sendo assim, a educação ambiental é considerada ferramenta fundamental como garantia de um meio equilibrado, em que o homem trabalhe de forma sustentável, de forma a não agredir o meio ambiente. (DIAS, 1992, p. 27). Reigota aborda meio ambiente como representação social, sendo que a educação ambiental na escola expressa a identificação das representações da comunidade escolar envolvida neste processo educativo. Meio ambiente é o lugar determinado ou percebido, onde os elementos naturais e sociais estão em relações dinâmicas e em interação. Essas relações são determinadas por processos de criação cultural e tecnológica, processos históricos sociais de transformação do meio natural e construído. Para o autor meio ambiente se constituí como lugar determinado e/ou percebido, onde ocorre a dinâmica das relações em constante interação dos aspectos naturais e sociais. Tais relações são geradoras de processos de criação cultural e tecnológica, assim como de processos históricos e políticos de transformação da natureza e da sociedade. (REIGOTA, 1994, p. 21) O autor, ainda, afirma que no contexto latino-americano para a educação ambiental se coloca o desafio da necessária mudança de mentalidade sobre as idéias de modelo de desenvolvimento baseado na acumulação econômica, no autoritarismo político, no saque aos recursos naturais, no desprezo, às culturas de grupos minoritários e aos direitos fundamentais do

4 4992 homem... educação política deve estar empenhada na formação do cidadão nacional, continental e planetário baseando-se no diálogo de culturas e de conhecimento entre povos, gerações e gêneros (REIGOTA, 1994,p. 21). Assim, para Reigota a temática de educação ambiental está entrelaçada pelas questões sociais, econômicas, culturais, tecnológicas e ambientais. A educação ambiental pode ser realizada em todos os níveis da sociedade, nas escolas, nas reservas ecológicas, nas associações de bairros, nos sindicatos, nas universidades e nos meios de comunicação de massa. Segundo Sorrentino, considera a educação ambiental a partir da visão sistêmica e participativa. Trata-se de uma política pública com foco na questão socioambiental a qual tem por finalidade abrir espaços que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos seres humanos e de todas as espécies e sistemas naturais com os quais compartilhamos o planeta ao longo dos tempos. Isso se dá ao assumirmos nossas responsabilidades individuais e coletivas, interligadas pelas circunstâncias sociais e ambientais (SORRENTINO, 2005, p, 288). Este autor, ainda, considera que as políticas públicas para a educação ambiental esta na dinâmica das relações dialéticas e compartilhado pelo Estado e sociedade civil. Na reflexão da temática de educação ambiental, considera-se que as práticas educativas nas dimensões da sustentabilidade 1, são elementos articuladores significativos das práticas sociais da humanidade na busca por modelos sustentáveis de sociedade. Para Jacobi repensar as práticas sociais e o papel dos educadores na formação do cidadão ecológico, estabelece como tarefa, a necessidade de assumir um papel cada vez mais desafiador, demandando a emergência de novos saberes para apreender processos sociais cada vez mais complexos e riscos ambientais que se intensificam (JACOBI, 2005, p. 247). Tais modelos exigem o exercício de visão holística da realidade, integrando as condições materiais de sustentabilidade - equilíbrio físico-químico e biológico, ao funcionamento da sociedade, a partir da redefinição da política da nossa sociedade atual e do seu modelo de civilização, bem como ao trabalho de consciência individual, de integração da psique pessoal, capaz de gerar ações rumo a mudanças (STAHEL, 1995, p. 126). Nessa 1 Considerando a etimologia, sustentabilidade é - que pode se sustentar, e a etimologia de sustentar é - segurar por baixo; servir de escora a; impedir que caia; suportar; apoiar.

5 4993 perspectiva, coloca-se a importância do estudo das práticas educativas de sustentabilidade que busquem identificar a configuração do conteúdo das potencialidades individuais na vida social. Revelar as possibilidades de existência, nas práticas individuais, de capacidades potenciais de integração a ações coletivas, visando mudanças numa dimensão qualitativa das práticas individuais e coletivas, com o objetivo de se alcançar a sustentabilidade para as gerações atuais e futuras na sociedade planetária. Considera-se aspecto norteador à abordagem da prática educativa de sustentabilidade (ROSA, 1999), enquanto educação para uma prática de cidadania ambiental (JACOBI, 2005) como possibilidade de motivar e sensibilizar o indivíduo a transformar as diferentes formas de participação em fatores potenciais para dinamizar a sociedade e ampliar o controle social sobre a coisa pública que, segundo Jacobi trata-se de criar as condições para ruptura com a cultura política dominante e para uma nova proposta de sociabilidade baseada na educação para a participação (JACOBI, 1998/1999, p. 2). Essa modalidade de educação concretiza-se pela pluralidade de atores, ativados no seu potencial participativo: - adquirindo condições de intervenção consistente, sem tutela nos processos de decisões públicas, legitimando e consolidando propostas de gestão, tendo como base a garantia de acesso à informação e consolidação de canais para a participação; - institucionalizando o controle social, na esfera pública e privada na garantia da cidadania. Para Jacobi o exercício educativo de cidadania implica autonomia e liberdade responsável, participação na esfera política democrática e na vida social (JACOBI, 2005, p. 243). Tais referências estabelecem parâmetros para a noção de prática educativa de sustentabilidade. Portanto, o processo educativo não ocorre de forma preestabelecida, mas o aprendizado configura-se pela aquisição de saber autoconstruído na dimensão sócioambiental mencionada acima, resultado da construção desse conhecimento coletivo. A avaliação dos resultados obtidos nesse aprendizado autoconstruído verifica-se na dimensão do campo político e atuação social, configurado pela qualidade da prática social; pelo nível qualitativo das ações políticas produzidas; pela qualidade de organização social, política e ambiental; pela qualidade da participação social e política e pelos resultados adquiridos e conquistados pelas práticas sociais e de cidadania. Esse aprendizado autoconstruído é gerado por diferentes fontes promotoras dessa prática educativa, sendo os principais promotores desse aprendizado a escola, as entidades do movimento social organizado e o poder público. A constituição desse saber

6 4994 autoconstruído, no processo de participação social, segundo Gohn, apresenta como fontes promotoras: 1) - a aprendizagem gerada com a experiência de contato com fontes de exercício do poder; 2) - a aprendizagem gerada pelo exercício repetido de ações rotineiras que a burocracia estatal impõe; 3) - a aprendizagem das diferenças existentes na realidade social a partir da percepção das distinções nos tratamentos que os diferentes grupos sociais recebem de suas demandas; 4) - a aprendizagem gerada pelo contato com as assessorias contratadas ou que apóiam o movimento; 5) - a aprendizagem da desmistificação da autoridade como sinônimo de competência, a qual seria sinônimo de conhecimento. (GOHN, 1994, p. 50) Ao relacionar este aprendizado autoconstruído com a educação ambiental na perspectiva de prática educativa de sustentabilidade a afirmação de Jacobi contribui para a compreensão desta relação ao abordar a educação ambiental como um processo intelectual ativo, enquanto aprendizado social, baseado no diálogo e interação em constante processo de recriação e interpretação de informações, conceitos e significados (JACOBI, 2005, p. 245), em que o cidadão pode ter experiências diferenciadas a partir da sala de aula, do espaço escolar e comunidade em que está inserido. A educação ambiental constitui-se como processo de transformação da sociedade diretamente afetada pelos riscos e agravos socioambientais, segundo Jacobi (2005). Assim, representa um instrumento essencial para superar os atuais impasses da sociedade. Considera o autor, que neste início do século XXI, coloca-se uma emergência, mais do que ecológica,sendo uma crise do estilo de pensamento, dos imaginários sociais, dos pressupostos epistemológicos e dos conhecimentos sustentadores da modernidade. Assim, para Jacobi (2005) a educação ambiental se coloca como instrumento estratégico para o desenvolvimento de um mundo sustentável. Os educadores assumem papel decisivo na transmissão do conhecimento, qualificando os alunos para um posicionamento critico face à crise socioambiental. A educação ambiental, fomenta possibilidades de espaços comunitários de aprendizagem, no sentido do fortalecimento de aprendizagens e religações socioambientais, ou seja, através do incremento de reflexões, com os sujeitos envolvidos e suas comunidades, sobre questões relacionadas ao desenvolvimento regional, à geração de renda, à qualidade de vida, a impactos ambientais, a unidades de conservação. Neste sentido, Carvalho comenta

7 4995 sobre trabalhos em educação ambiental, que integrem a dimensão do ensino formal ao não formal, de maneira a que esta divisão vá se constituindo em integração: A preocupação com os problemas ambientais locais ajuda a criar esse novo espaço de relações que, sem excluir a escola, a expande e constitui a comunidade como um novo ator nessa dinâmica, estabelecendo novos vínculos de solidariedade. Trata-se, enfim, de gerar novas reciprocidades entre a escola, a comunidade e a realidade socioambiental que as envolve. (CARVALHO, 2004, p.158) 2.2. Educação Ambiental: as prática educativa no contexto da bacia hidrográfica Considera-se que a gestão compartilhada de políticas públicas no território da bacia hidrográfica, constitui-se como determinante integrador no exercício de construção de um conhecimento da complexa realidade sócio-ambiental urbana. Para tanto, de acordo com Jacobi, exige dos atores sociais a internalização de um saber ambiental a partir de um conjunto de disciplinas, visando a construir um campo de conhecimento capaz de captar as multicausalidades e as relações de interdependência dos processos de ordem natural e social que determinam as estruturas e mudanças socioambientais (JACOBI, 2005, p. 245). O conhecimento produzido pelo compartilhamento de saberes socializados de diferentes área de atuação, estimulam o sentido de compreensão de totalidade do território na gestão da bacia, seus problemas e demandas ambientais locais. A partir da água como elo articulador comum, o espaço geográfico unitário da bacia, possibilita potencializar as práticas educativas para integração de diferentes áreas de atuação de âmbito local articuladas ao contexto ambiental global, como exemplo, os efeitos das mudanças climáticas nos alagamentos recorrentes da cidade. O enfoque de Porto (2008) será considerado para abordar bacia hidrográfica como sendo um ente sistêmico, é onde se realizam os balanços de entrada proveniente da chuva e saída de água através do exutório, permitindo que sejam delineadas bacias e sub-bacias, cuja interconexão se dá pelos sistemas hídricos (PORTO, 2008, p. 3). Para a autora, as atividades humanas são desenvolvidas no espaço geográfico definido como território da bacia hidrográfica. Sendo tal espaço constituído por todas as áreas urbanas, industriais, agrícolas ou de preservação fazem parte de alguma bacia hidrográfica... o que ali ocorre é conseqüência das formas de ocupação do território e da utilização das águas que para ali convergem (PORTO, 2008, p. 3).

8 4996 Santos (2002) complementa esta abordagem, afirmando que este espaço geográfico é constituído por um sistema de objetos e um sistema de ações, sendo os objetos um produto de elaboração social...um resultado do trabalho. A ação é o próprio homem e resultam de necessidades essas...materiais, imateriais, econômicas, sociais, culturais, morais, afetivas, é que conduzem os homens a agir e levam a funções (SANTOS, 2002, pp ). Considera, ainda, as potencialidades dos diferentes espaços. Indica elementos que iluminam a reflexão sobre a noção de espaço geográfico como híbrido dos sistemas de objetos e de ações, sendo a intensionalidade, as normas e o território elementos significativos para se estabelecer outra possibilidade de globalização. Essa, a partir do princípio do pensamento único à consciência universal, como base para uma inteligência planetária que tenha como foco central a sustentabilidade da vida na sociedade. Este autor, também contribui, para ampliar o conceito de redes ao considerar as redes nas dialéticas do território, atribuindo dimensões diferenciadas no contexto das atividades humanas e do espaço, enquanto totalidade, expressão do meio natural na relação com o meio técnico-científico-informacional. Considera-se que na dialética das relações sociais no território da bacia hidrográfica se constituem as redes de práticas sociais com conteúdo sócioambientais, sendo determinantes explicativos na construção de análise deste território ao indicar elementos para a compreensão da vida urbana e sua sustentabilidade. A temática de sustentabilidade, riscos ambientais e educação ambiental (JACOBI, 2005) adquire papel estratégico no atual debate da relação meio ambiente-desenvolvimento, sendo que estes temas são marcados por relações de complexidade e permanentes desafios. A reflexão sobre a sustentabilidade do modelo de desenvolvimento adotado pela sociedade contemporânea, exige que sejam considerados os riscos e agravos ambientais como ameaças constantes aos ecossistemas e a vida no planeta. A educação ambiental assume um papel estratégico na mudança de hábitos e práticas sociais, visando formar uma cidadania ambiental com foco em uma sustentabilidade ampliada. De acordo com Jacobi (2005) a participação dos educadores neste contexto estratégico atribui relevância decisiva na inserção da educação ambiental na escola. Ao possibilitar a qualificação dos alunos para um posicionamento crítico face à crise socioambiental. Cabe aos educadores a transformação de hábitos e práticas sociais e formação de uma cidadania ambiental. O exercício de cidadania ambiental com a proliferação de posições de compromisso com a sustentabilidade,

9 4997 Para o autor o desafio global da sustentabilidade traz consigo novas oportunidades de colaboração entre as disciplinas, entre governos, cientistas e empresários, e entre aqueles comprometidos com respostas inovadoras aos complexos problemas ecológicos, sociais e econômicos. A função social da escola coloca-se como determinante ao buscar transmitir uma compreensão clara do papel que cada cidadão desempenha na participação de se obter resultado de sustentabilidade para a comunidade e para o planeta. Construir tais valores sociais e ambientais no espaço escolar contribui para que os alunos assumam uma missão e propósito de cidadania comprometida com a sustentabilidade local e planetária. Portanto, sendo esta a meta da educação ambiental no espaço escolar a ser estudado. (JACOBI, 2005) 3 Aproximação do campo de pesquisa a educação ambiental na escola 3.1 Considerações metodológicas A bacia hidrográfica do rio Barigui, caracteriza-se por estar localizada na maior Sub- Bacia do Estado, a bacia hidrográfica do rio Iguaçu. Está entre as seis subbacias de Curitiba, compostas pelos rios Passaúna, Belém, Atuba, Ribeirão dos Padilhas, Iguaçu e Barigui. Esta bacia é a maior em área, ocupando 32,58% de área da cidade com 140,8 quilômetros quadrados, corta a cidade de norte a sul, caracterizando-se tipicamente como uma bacia de rio urbano ocupa um terço da área urbana, um terço da população do município reside nesta bacia em um terço dos bairros da cidade. (BRISKI,2009). Assim, sua população reside em domicílios, sendo domicílios em assentamentos irregulares (18,11%), possuí 56,49 m² de área verde por habitante, 99% dos domicílios com abastecimento de água, 60% domicílios com rede de esgoto e 100% domicílios com coleta de lixo. A presente pesquisa em desenvolvimento caracteriza-se como um estudo de caso das escolas localizadas na bacia do rio Barigui. O campo de pesquisa são as 59 escolas de rede publica estadual de ensino dos municípios de Curitiba, Almirante Tamandaré e Araucária. Na etapa de caracterização do objeto de pesquisa, buscou-se identificar as escolas localizadas no território da bacia hidrográfica. Para tanto foram consultados órgãos públicos como Companhia de saneamento do Paraná (SANEPAR) e Secretária de Estado de Educação do Paraná, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Também, teve

10 4998 contribuição significativa os professores do Curso de geográfica da Universidade Tuiuti do Paraná. Esta contribuição foi determinante na integração dos dados destes órgãos com a sistematização das informações estabelecidas como objetivo desta pesquisa. Assim, expressando-se como resultado parcial desta pesquisa. De acordo com Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na cidade de Curitiba no ano de 2009, constam 151 escolas de ensino fundamental da rede pública estadual; com alunos matriculados no ensino fundamental da escola pública estadual. Em relação ao ensino fundamental da escola pública municipal constam 172 escolas, com alunos matriculados; tendo docentes para o ensino fundamental da escola pública municipal. No ensino médio de escola pública estadual foram alunos matriculados; com docentes para o ensino médio da escola pública estadual. Na cidade de Almirante Tamandaré no ano de 2009 foram matriculados alunos no ensino fundamental da rede pública. Em relação a rede pública estadual de ensino fundamental foram alunos matriculados; com 317 docentes no ensino fundamental da escola pública estadual. Na escola pública municipal de ensino fundamental constam alunos matriculados. A cidade de Araucária no ano 2009 foram matriculados alunos no ensino fundamental da rede pública. Em relação a rede pública estadual de ensino fundamental constam alunos matriculados, com 142 docentes no ensino fundamental da rede pública estadual. Na escola pública municipal de ensino fundamental foram alunos matriculados, com 745 docentes. Destaca-se que, o aspecto metodológico inovador desta pesquisa será a utilização do processo de coaching como técnica para a coleta de dados a ser utilizado na realização das entrevista com os professores das escolas da rede público de ensino situadas na bacia do rio Barigui. Coaching é uma ferramenta de auto-avaliação e aprendizagem. Foi criado para revisar, introduzir princípios, estruturas, práticas e métodos importantes de orientação. Diálogos de coaching eficazes sempre dirigem a conversação para eliminar a distância entre o nível de resultados atual do participante e os resultados pretendidos (NIEDERER e PORCHÉ, 2002, p. 4-8).

11 Considerações finais As considerações finais a serem consideradas neste artigo trata dos resultados parciais da pesquisa em desenvolvimento, assim como dos objetivos a serem alcançados na conclusão da investigação. Como resultado parcial da pesquisa, constatou-se as dificuldades de se obter informações das escolas e sua localização no espaço geográfico da bacia hidrográfica do rio Barigui pelos órgãos públicos. Fato que indica a necessidade de avanços na gestão dos instrumentos da política de educação ambiental. Os objetivos a serem alcançados nas etapas previstas da pesquisa, buscam analisar a educação ambiental da rede pública de ensino localizadas na bacia do rio Barigui; configurar as ações realizadas pelas escolas no âmbito do espaço escolar; sistematizar indicadores socioambientais na avaliação de resultados das ações realizadas pela escola no contexto da bacia hidrográfica do rio Barigui. Em síntese, a educação ambiental constitui-se como uma expressão de prática social no contexto da insustentabilidade da realidade urbana no território da bacia hidrográfica, podendo se expressar como possibilidade de boas práticas de sustentabilidade diante dos riscos ambientais distribuídos de forma desigual. Assim, o princípio de sustentabilidade presente nas práticas sociais, configura-se como importante conteúdo de aprendizado socioambiental adquirido pela escola e lideranças que atuam no território da bacia hidrográfica. Ainda, contribuí para esse aprendizado, a participação da escola e de tais lideranças na construção de uma cidadania sócio-ambiental local no âmbito da bacia, constituindo-se como oportunidade de boas práticas de sustentabilidade. REFERÊNCIAS BRISKI, S. J., GÓES, C. T. (Celma Tessari de Góes), KURTA, J., JUNIOR, F. S. de J.Análise Qualiquantitativa da Bacia do Rio Barigui para verificação de seu estado Hidrológico e Ambiental In: XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física, 2009, Viçosa - MG. CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, DIAS, Genebaldo. Educação Ambiental, Princípios e Práticas. São Paulo: Editora Gaia, 1992.

12 5000 FERREIRA, Lucia & JACOBI, Pedro. As cidades e a sustentabilidade. In: Debates socioambientais, São Paulo, no.11, 1998/1999, p GOHN, Maria da Gloria Marcondes. Teorias dos Movimentos Sociais: paradigmas clássicos contemporâneos. São Paulo: Loyola, JACOBI, Pedro. Educação para a cidadania: participação e co-responsabilidade. In: Socioambientais, São Paulo, no. 7, 1997, p Educação Ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, maio/ago. 2005, p NIEDERER,J, PORCHÉ,G. Coaching o apoio que faz as pessoas brilharem. 5ed. Rio de Janeiro: Campus, 2002 PORTO, Monica. Ferreira do Amaral PORTO & PORTO, Rubem La Laina. Gestão de Bacias Hidrográficas. In:Estudos Avançados, vol. 22, n. 63. São Paulo, REIGOTA, Marcos. Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: Cortez,1994. ROSA, Maria Arlete. Curitiba: um estudo sobre a prática educativa de sustentabilidade o caso da Vila Sagrada Família. Tese de Doutorado, Programa de Pós- Graduação em Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo,1999. SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec,1996. SORRENTINO, Marcos. Educação Ambiental e Universidade: um estudo de caso, Tese de doutorado, Faculdade de Educação, da Universidade de São Paulo, STAHEL, Andri Werner. Capitalismo e entropia: os aspectos ideológicos de uma contradição e a busca de alternativas sustentáveis. In: Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Cavalcanti, Clóvis. (org.). São Paulo: Cortez, Pernambuco: Fundação Joaquim Nabuco, 1995.

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA

GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA GESTÃO AMBIENTAL E CIDADANIA João Sotero do Vale Júnior ¹ a) apresentação do tema/problema: A questão ambiental está cada vez mais presente no cotidiano da população das nossas cidades, principalmente

Leia mais

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1

Page 1 of 6. Capítulo III Educação e Sustentabilidade MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA. Pedro Jacobi\USP 1 Page 1 of 6 Capítulo III Educação e Sustentabilidade Para ler o PDF instale o programa leitor, clique aqui. Versão para Impressão em PDF, clique aqui. MEIO AMBIENTE, EDUCAÇÃO E CIDADANIA: DESAFIOS DA MUDANÇA

Leia mais

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA

EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA EDUCAR PARA UM FUTURO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO ENVOLVENDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 DEUS, Josiani Camargo & 1 AMARAL, Anelize Queiroz 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste RESUMO Nos

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESCOLA E BACIA HIDROGRÁFICA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESCOLA E BACIA HIDROGRÁFICA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESCOLA E BACIA HIDROGRÁFICA Maria Arlete Rosa - Universidade Tuiuti do Parana Cristiane Angelo - Universidade Tuiuti do Parana 1 Resumo: Este artigo expressa a reflexão sobre educação

Leia mais

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL PROJETO COMUNITÁRIO NA FISIOTERAPIA DA PUCPR E PRÁTICA PEDAGÓGICA: NOVAS POSSIBILIDADES NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Ana Paula Loureiro Cunha, PUCPR Eliani de Souza Arruda, PUCPR Marilda Aparecida Behrens,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS EDUCAÇÃO AMBIENTAL A PARTIR DO LÚDICO NO ENSINO DE CIÊNCIAS Oliveira, C.S.P. (1) ; Barbosa, R.F.M. (1) ; Maknamara, M. (1) sarinhac.s@hotmail.com (1) Aluna do Curso de Graduação em Ciências Biológicas,

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 12.780, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2007 (Projeto de lei nº 749/2007, da Deputada Rita Passos - PV) Institui a Política Estadual de Educação Ambiental O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DESAFIOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA AMBIENTALIZAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA Resumo Este artigo busca refletir sobre quais os desafios colocados para a implementação da educação ambiental como ambientalização

Leia mais

ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS

ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS ESTAGIÁRIOS ATUANDO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL: RELATANDO EXPERIÊNCIAS NORONHA, Maria Glícia Rocha da Costa e Silva mglicia@gmail.com CORASOLLA, Marine Alvarez Martinez acorasolla@gmail.com ANDRADE,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade

Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade SANEPAR Curitiba (PR) Se Ligue na Rede: um Caminho para a Sustentabilidade Categoria Controle da Poluição 1. Sobre a organização participante: Razão social: - 76484013000145 Nome fantasia: - SANEPAR Setor

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB.

A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. A TRANSFORMAÇÃO E OS PROBLEMAS CAUSADOS PELO LOTEAMENTO HAMILTON CAVALCANTE NA PAISAGEM DA CIDADE DE BELÉM-PB. Natan Gomes de Oliveira Graduando em Licenciatura plena do curso de Geografia UEPB/Guarabira/PB.

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Campus São Roque Curso de Extensão Educação Ambiental e Parasitoses Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Aula 1 06 de abril de 2011 1. Definições de Educação Ambiental 2. O paradigma

Leia mais

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared

Água. Como tema gerador para. Apresentação cedida por Valéria G. Iared Água Como tema gerador para trabalhos de EA Apresentação cedida por Valéria G. Iared O elemento água e o imaginário construído em torno da água nas diversas civilizações, Água como traço de união entre

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO

PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO PROGRAMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO RIO DE JANEIRO TEXTO-BASE CONSOLIDADO 1 APRESENTAÇÃO O Programa Municipal de Educação Ambiental ProMEA-Rio será elaborado em sintonia com o Programa Nacional

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE PREFEITURA MUNICIPAL DE RESENDE AGÊNCIA DO MEIO AMBIENTE DO MUNICÍPIO DE RESENDE CONVÊNIO PUC - NIMA/ PETROBRAS / PMR PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de Valores Ético-Ambientais para o exercício da

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA

PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA PROJETO MEIO AMBIENTE NA SALA DE AULA Conceito: PROJETO: -Proposta -Plano; Intento -Empreendimento -Plano Geral de Construção -Redação provisória de lei; Estatuto Referência:Minidicionário - Soares Amora

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS.

EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS. 1 EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CLAUDIA LISETE OLIVEIRA GROENWALD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL ULBRA CANOAS RS. Viver com sustentação tornou-se, nos últimos anos, um conceito de vida que

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ

FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ FACULDADE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAVAÍ RECONHECIDA PELO GOVERNO FEDERAL, CONFORME DECRETO Nº 69.599 DE 23/11/1971 CNPJ (MF) 80 904 402/0001-50 Campus Universitário Frei Ulrico Goevert

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO

A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO 1 A CONTRIBUIÇÃO DA SOCIOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO CRÍTICO Sandra Maria Mattar RESUMO Esta pesquisa tem por objetivo analisar a contribuição da Sociologia na formação do pedagogo, considerando-se as

Leia mais

UMAPAZ Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz

UMAPAZ Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz UMAPAZ Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz O que é A Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz - UMAPAZ nasceu de uma proposta delineada, em 2005, com o propósito de

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE

OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE OS CONHECIMENTOS DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PARA A ESCOLA HOJE KOGUT, Maria Cristina - PUCPR Cristina.k@pucpr.br SOUZA, Franciely Prudente de Oliveira - PUCPR franciely.oliveira@pucpr.br TREVISOL,

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Email do Autor Principal: edjbiologia@gmail.com

Email do Autor Principal: edjbiologia@gmail.com AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS SOBRE A PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS DIFERENTES ATORES SOCIAIS PROVOCADOS PELO CURSO DE AGENTES MULTIPLICADORES EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL, CAMPINA GRANDE-PB. Émerson David Justino Graduando

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE

A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA PERMEIA MUDANÇAS DE ATITUDES NA SOCIEDADE INTRODUÇÃO José Izael Fernandes da Paz UEPB joseizaelpb@hotmail.com Esse trabalho tem um propósito particular pertinente de abrir

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE Ana Paula Cavalcanti e Renata Cristine de Sá Pedrosa Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco FACP/UPE paulacav@cnen.gov.br Introdução

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção

Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Educação Física Escolar: análise do cotidiano pedagógico e possibilidades de intervenção Silvia Christina Madrid Finck E-mail: scmfinck@ uol.com.br Resumo: Este artigo refere-se ao projeto de pesquisa

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS

O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS O PAPEL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: REFLEXÕES A PARTIR DE UMA EXPERIÊNCIA EM ESCOLAS PÚBLICAS Wagner José de Aguiar 1 ; Fernando Joaquim Ferreira Maia 2 Núcleo Multidisciplinar

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RORAIMA: Faço saber que a Assembléia Legislativa aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 445 DE 07 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental, cria o Programa Estadual de Educação Ambiental e complementa a Lei Federal nº 9.795/99,

Leia mais

A educação ambiental e sua contribuição na formação da cidadania

A educação ambiental e sua contribuição na formação da cidadania A educação ambiental e sua contribuição na formação da cidadania INTRODUÇÃO Fernanda Valéria Pinto da Silva 1 1 Bióloga Licenciada pelo Curso de Ciências Biológicas do Centro Universitário Metodista Izabela

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012 (*) Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. O Presidente do

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE

AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE Mercês, P.F.F. das (1) ; Santos, R.S.(2); Cavalcanti, B.V.P. (3) ; Pedrosa, F.J.A. (4) nga_fcap@yahoo.com.br (1) Bióloga, Pós-graduanda em Planejamento e Gestão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas

PALAVRAS-CHAVES: Educação Ambiental Reserva Escolas A CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA CONSERVAÇÃO DA RESERVA R-3 ENVOLVENDO TRÊS ESCOLAS PÚBLICAS EM SINOP-MT Sinovia Cecília Rauber Curso de Especialização em Educação e Meio Ambiente FASIPE SINOP/MT

Leia mais

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental)

CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) V1.2012 CATEGORIA: Pôster Eixo Temático: Ciências Sociais (Educação Ambiental) VIVÊNCIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATUANDO JUNTO À COMUNIDADE PIRACICABANA E AO CAMPUS LUIZ DE QUEIROZ Rodolfo Ferreira da Costa

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA *

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA * Ana Rosa Salvalagio 1 Clarice Ana Ruedieger Marise Waslawosky Christmann Neida Maria Chassot INTRODUÇÃO: A educação ambiental se constitui numa forma abrangente de educação,

Leia mais

REFLETINDO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL

REFLETINDO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL REFLETINDO SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO-FORMAL Anabel de Lima 1 RESUMO A EA como um todo, produz saberes que direcionam as práticas, bem como práticas que conduzem a teoria e seguindo esse contexto, se

Leia mais

Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar. Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED

Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar. Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED Educação Ambiental no Âmbito da Gestão Escolar Ana D' Alva F.R. S. Lopes Solange Reiguel Vieira SEED 1 Conceito de EA - Lei nº 17.505/13, Art.2º: Entende-se por EA os processos contínuos e permanentes

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania

EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania EDUCAÇÃO AMBIENTAL Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 OBJETIVOS DO PROJETO:...5 3 METAS PARA A SUSTENTABILIDADE...6 4 JUSTIFICATIVAS...6 4.1-

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação

V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação 520 V Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação Política de Atendimento à Primeira Infância: formação e desempenho do Visitador no Programa Primeira Infância Melhor Carolina de Vasconcellos Drügg, Marta Luz

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais