Empreendedorismo Social Legados da Formação Cidadã para os 80 anos de Londrina

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Empreendedorismo Social Legados da Formação Cidadã para os 80 anos de Londrina"

Transcrição

1 Empreendedorismo Social Legados da Formação Cidadã para os 80 anos de Londrina

2

3 Empreendedorismo Social Legados da Formação Cidadã para os 80 anos de Londrina Autores Ariana Almeida Quelho é formada em Biblioteconomia e Ciência da Informação na UEL, pós-graduada em Administração de Marketing e Propaganda. Empresária, Diretora Executiva do Grupo CDI e Membro do Conselho do Jovem Empresário da ACIL. Cassiana Stersa Versoza Carvalhal é psicóloga, Mestre em Análise do Comportamento pela UEL e com MBA em Gestão de Pessoas. Diretora de Desenvolvimento Organizacional do Grupo CDI e Professora de Ensino Superior nos cursos de Psicologia e Gestão de Recursos Humanos. Ciliane Carla Sella de Almeida é advogada, formada pela UEL, especializada em Direito Empresarial pela OAB/Inbrape (Londrina) e Mestranda em Engenharia do Desenvolvimento Local pela Universidade Católica de Lyon (França). Sócia fundadora da Priori Consultoria. Cleufe de Almeida é administradora, especialista em Administração de Marketing e Propaganda, empresária, atua na Seressencial soluções empresariais, instrutora e consultora em planejamento, gestão de pessoas e empreendedorismo.

4 Gabriela Guimarães é Diretora Executiva, Coach e Instrutora de Workshops Team Building corporativos da GROOW Coaching & D.H. Expert em processos de Coaching para Desenvolvimento de Liderança, Planejamento de Carreira, transferências e sucessão de cargos. Karen Kohlmann Barbosa é graduada em Relações Públicas pela Universidade Estadual de Londrina e pós-graduanda em Gestão e Planejamento de Projetos Sociais. Atua como articuladora de redes no Junt.us Espaço Colaborativo. Luciana Yuri Shirado é graduada em Secretariado Executivo Bilíngue (Unifil), Pós Graduada em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria (ISAE/FGV) e em Marketing, Comunicação e Vendas (Unopar). Atua com Consultoria e Gestão de Projetos de Inovação e PD&I. Luzimar dos Santos Ribeiro Mazetto é formada em Letras pela UEL e possui especialização em Psicopedagogia (UNIFIL), Psicologia da Educação (UEL) e Educação Especial (UNOPAR). Atua há 17 anos na Rede Municipal de Educação de Londrina e atualmente no projeto Pedagogia Empreendedora e Escola de Pais. Maíra Bendlin Calzavara é advogada, formada pela UEL, pósgraduada em Filosofia Política e Jurídica pela mesma Universidade e possui LLM em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Sócia fundadora da Priori Consultoria.

5 Paulo Briguet é jornalista e escritor. Formado pela UEL, atuou na imprensa da cidade e tem três livros de crônicas publicados. É assessor de comunicação da ACIL e colunista do Jornal de Londrina e da Gazeta do Povo. Paulo Varela Sendin é Engenheiro Agrônomo graduado pela ESALQ / USP, possui especialização em Economia Rural e Planejamento Estratégico. É Consultor em Gestão da Inovação Tecnológica e em Agronegócio. Atuando na Adetec e na Priori Consultoria. Rafaela Vieira Marinho é especialista em Gestão e Estratégia Empresarial e Gestão de Pessoas pela Unifil. Graduada em Serviço Social pela UEL. Atua como Analista de Responsabilidade Social do Instituto GRPCOM, responsável pela coordenação regional de projetos de Responsabilidade Social. Rodrigo Martins é consultor empresarial na área de Desenvolvimento Organizacional e Gestão Comercial. Professor convidado dos cursos de pós graduação do ISAE/FGV, PUC-PR e UNOPAR. Formado em Administração de Empresas e especialista em Marketing e Propaganda (UEL). Proprietário da CLEARX CONSULTORIA EMPRESARIAL. Rosi Sabino é Mestre em Administração. Certificada na metodologia de Investigação Apreciativa pela Case Western Reserve University. Membro da Sociedade Brasileira de Coaching. É sócia-diretora da Link Ideia Desenvolvimento Organizacional.

6 Sandra Capelo é formada em comunicação social - jornalismo, gestora de negócios da Associação Evangélica Beneficente de Londrina (AEBEL). Tatiana Bittencourt é especialista em Marketing pela ESPM/SP e graduada em Relações Públicas pela UEL. Participou do curso Usina de Ideias da Artemísia/SP. Atualmente é pós-graduanda em Comunicação Popular e Comunitária pela UEL e coordena o projeto #Partiuvoar, com foco no empreendedorismo jovem na periferia. Thaís Bruschi é Diretora Executiva, Coach e Instrutora de Treinamentos Workshops Corporativos da GROOW Coaching & D.H. Expert em processos de Orientação e Planejamento de Carreira, Coaching para Desenvolvimento de Liderança e Programas de Team Building. Tiago Garcia é formado Relações Públicas (UEL), especialista em Economia do Meio Ambiente (UEL) e possui MBA Internacional em Gerenciamento de Projetos (FGV). Possui formação pela Global Reporting Initiative, pela Rede Brasileira do Pacto Global das Nações Unidas para o desenvolvimento de Comunicações de Progresso do Pacto Global e participou do Project Management na George Washington University.

7 Copyright 2014 Maria Rosilene Sabino Copyright 2014 Maíra Bendlin Calzavara Copyright 2014 Ciliane Carla Sella De Almeida 1 a Edição Londrina 2014 Projeto Gráfico, Capa e Diagramação : Magz Comunicação Revisão: Paulo Briguet Patrocínio / Apoio

8

9 Sumário PREFÁCIO INTRODUÇÃO Acil: o Nós vem antes do Eu A importância do Terceiro Setor na dinâmica do desenvolvimento local Entendendo melhor os Negócios Sociais Instituto GRPCOM: um caso de estratégia empresarial para a sustentabilidade Inovação social: instrumento de desenvolvimento e transformação social O empreendedorismo social e sua contribuição para formação da cidadania: estudo de caso da Associação Solidariedade Sempre Maratona de Empreendedores: Inovação e Desenvolvimento Social em Londrina A abordagem apreciativa na construção de uma visão de excelência para a educação Pedagogia Empreendedora e suas implicações na rede municipal de Londrina AINTEC e o empreendedorismo na escola Programa Empresário Sombra: um modelo educativo para a formação cidadã

10 Entre ações e mediações: A Pedagogia Murialdo na formação de sujeitos para a sustentabilidade O direcionamento profissional como agente transformador A Pedagogia do Afeto como instrumento para sustentabilidade social Centro de Apoio e Esperança: Transformando vidas Resíduo Eletrônico: O lixo que pode levar informação e conhecimento POSFÁCIO

11 PREFÁCIO Cidadania Empreendedora em Londrina Ozires Silva Em pouco mais de 2 anos de atividade o capítulo Londrina da Cátedra Ozires Silva lança seu segundo livro, demonstrando o alto nível de compromisso com o Empreendedorismo, a Inovação e a Sustentabilidade que são características da comunidade londrinense. Neste ano de 2014 a Cátedra em Londrina se preocupou em oferecer um presente de aniversário à cidade, comemorando os 80 anos de existência com o resgate de alguns dos inúmeros exemplos de ações em prol do desenvolvimento social ocorridas nessas 8 décadas. A construção de uma forte cultura local de empreendedorismo e cooperação se inicia logo na chegada dos primeiros pioneiros da ocupação transformadora do território. Nos idos de 1934 a presença do Estado na região era praticamente nula, condição esta que passa a despertar, em todos, um sentido de cidadania voltado para a solução dos problemas locais e não para uma total dependência de ações governamentais tão usual no imaginário brasileiro. Essa junção de empreendedorismo e cooperação promoveu ao longo dos 80 anos de existência de Londrina um enorme elenco de casos de Empreendedorismo Social permitindo aos organizadores deste livro selecionar com facilidade esta amostra de 16 exemplos de compromisso desinteressado com o progresso social e econômico da cidade. Aliás, podemos dizer que, de fato, são 17 exemplos, pois a própria construção do livro pode também ser considerada um empreendimento social, onde 18 autores colaboraram desinteressadamente para que o objetivo de presentar Londrina em seu aniversário fosse alcançado. E, além desses autores, envolvidos diretamente na elaboração dos textos, outros londrinenses ofereceram também seu trabalho na edição e preparo gráfico da publicação. Empreendedorismo Social 11

12 Reafirma-se, portanto, que a criação do Capítulo Londrina da Cátedra Ozires Silva, vem sendo um empreendimento de sucesso. Os dois livros lançados pelo grupo de participantes locais, um voltado para o Desenvolvimento Econômico e a Inovação, e este para o Empreendedorismo Social e a Construção da Cidadania, comprovam que a cultura local de cooperação desinteressada, com foco no bem estar da comunidade, produz bons frutos e é sustentável, já que vem, consistentemente, se fazendo presente ao longo desses 80 anos. Por outro lado, o sucesso do grupo ao produzir esses dois livros nesse curto espaço de tempo tem, em si mesmo, a semente de um grande desafio: como superar as dificuldades inerentes a um trabalho voluntário e conseguir, no próximo ano, alcançar resultados tão relevantes como os obtidos nestes dois anos iniciais? Esse, no entanto e como a história de Londrina mostra, tem sido o desafio permanente da comunidade londrinense nestes últimos 80 anos: a superação dos desafios com base na cooperação de todos e a constante busca de um horizonte cada vez melhor para a cidade. Isso nos dá a certeza de que, em dezembro do próximo ano, estaremos comemorando não só mais um aniversário de Londrina, mas também, o anúncio de um novo conjunto de ações do Capítulo Londrina da Cátedra Ozires Silva.

13 INTRODUÇÃO Cátedra Ozires Silva Paulo Varela Sendin Pelo segundo ano consecutivo o capítulo londrinense da Cátedra Ozires Silva vem a público com uma publicação focada em seus objetivos institucionais de promoção do empreendedorismo e inovação sustentáveis. No ano passado o foco foi o empreendedorismo em seu viés de inovação tecnológica. Neste ano, mantendo-se no tema do Empreendedorismo, a opção foi pelo desenvolvimento social e a construção da cidadania. A pertinência do tema, em termos dos objetivos da Cátedra, é indiscutível. Neste ano, no entanto, Empreendedorismo e Cidadania têm um significado especial para Londrina: ao completar 80 anos, a cidade tem o dever de recuperar e o direito de comemorar essas oito décadas de ações empreendedoras e de compromissos de cidadania. Londrina tem todo um passado empreendedor por ter nascido de um grande empreendimento e atraído pessoas comprometidas com atividades igualmente empreendedoras. E seu impressionante crescimento foi essencialmente baseado nessa vocação. Ao lado da vocação empreendedora, a comunidade local tem também uma história de compromisso com o desenvolvimento local baseado na mobilização cidadã. Até pelo isolamento inicial da cidade, com ínfimos suportes governamentais, a superação dos desafios e dificuldades sempre se baseou na organização local e na criação do chamado capital social. Esse conceito de capital Social é muito importante para o entendimento dos processos de desenvolvimento. Historicamente as análises do processo de desenvolvimento econômico (ou, mais adequadamente, de crescimento econômico...) se baseavam nas chamadas vantagens comparativas de cada Empreendedorismo Social 13

14 local. Assim, se existisse uma boa disponibilidade de fatores físicos como terras, minérios, localização geográfica, etc. determinada região estaria predestinada ao desenvolvimento. Atualmente, no entanto, sabe-se que o homem é capaz de superar eventuais deficiências das vantagens comparativas (e, às vezes, desperdiçar possíveis boas disponibilidade delas...), construindo vantagens competitivas a partir da aplicação de conhecimento e organização. Uma das vantagens competitivas mais importantes é justamente a construção de capital social, ou seja, a construção da articulação entre pessoas e entidades de forma a definir objetivos comuns e organizar os esforços necessários à consecução desses objetivos. Essa integração entre as pessoas, construindo entidades fortes, e a interação entre essas entidades, buscando a solução dos problemas que se apresentavam, permitiu que Londrina se tornasse um exemplo de dinamismo econômico e social. Este livro se propõe a resgatar, minimamente, algumas dessas histórias de construção de entidades preocupadas com o desenvolvimento da comunidade local, superando a tendência natural de se voltar apenas para seus próprios interesses. Assim, ao completar seus 80 anos de existência, Londrina pode olhar para seus exemplos históricos de empreendedorismo social e construção de cidadania e espelhar-se neles para definir uma nova visão de futuro, buscando na ampliação de seu capital social a alavanca para a construção de um ambiente de alta qualidade de vida para todos os londrinenses. 14 Empreendedorismo Social

15 Acil: o Nós vem antes do Eu Paulo Briguet Resumo: Ao longo dos últimos 77 anos, o associativismo contribuiu de maneira decisiva para o desenvolvimento social, econômico, cultural e ambiental de Londrina. O trabalho da ACIL assegura a continuidade e o aprimoramento do processo civilizatório iniciado pela Companhia de Terras Norte do Paraná. Empreendedorismo Social 15

16 1. A COMPANHIA Londrina! Cidade de braços abertos A todos os filhos do nosso Brasil E a todos aqueles de pátrias distantes Que aqui, confiantes, sob um pálio anil Seu lar construíram e aos filhos se uniram E aos filhos se uniram do nosso Brasil. (Hino de Londrina) Toda sociedade tem o seu mito fundador. No caso de Londrina, o mito encontra-se diretamente relacionado à verdade histórica. Foi algo que de fato aconteceu na tarde de 21 de agosto de 1929, quando o engenheiro agrimensor russo Alexander Razgulaeff fincou o primeiro marco de colonização no Patrimônio Três Bocas, depois rebatizado Patrimônio Londrina. Hoje o local é conhecido como Marco Zero. Chegamos, disse Razgulaeff. Chegamos aonde?, perguntou o chefe da expedição, George Craig Smith, que tinha apenas 20 anos de idade. Ao início das terras da Companhia, respondeu o russo, com seu forte sotaque. Vários elementos da futura Londrina podem ser identificados naquele momento histórico. A Companhia referida por Razgulaeff era uma empresa de capital britânico, a Companhia de Terras Norte do Paraná, que planejaria e executaria a colonização urbana e rural de toda a região. Domingos Pellegrini autor do romance Terra-Vermelha, épico da colonização de Londrina afirma que a Companhia de Terras realizou no norte paranaense a maior reforma agrária promovida pela iniciativa privada em todo o planeta. Londrina nasceu como empresa. A palavra companhia tem origem nos termos latinos com (união) e panis (pão). Ou seja: uma companhia é formada entre homens que confiam uns nos outros a ponto de dividir o mesmo pão. Esse espírito de companheirismo nortearia os primeiros anos da colonização de Londrina cidade que surgiu no meio da floresta. Sem diminuir a importância dos desbravadores da região fazendeiros e caboclos que se aventuraram nas profundezas do sertão paranaense, não há como negar que a história 16 Empreendedorismo Social

17 de Londrina começava com aquela palavra de Razgulaeff, um veterano da Primeira Guerra, exilado pelos comunistas russos. Chegamos. Outro indício do que viria a ser Londrina está na variedade étnica daquele grupo de pioneiros. Havia homens com origem britânica (George Craig Smith), russa (Razgulaeff), alemã (Erwin Fröhlich), italiana (Spartaco Bambi), portuguesa (Alberto Loureiro) e brasileira (Geraldo Pereira Maia e Joaquim Benedito Barbosa), sem esquecer os demais integrantes da expedição cujos nomes infelizmente a história não guardou. Era a semente de Londrina e o futuro começaria a germinar numa velocidade assustadora. Em 1938, menos de dez anos depois da caravana, já havia uma pequena Torre de Babel naquela cidadezinha da boca do Sertão, com a presença de brasileiros (na maioria vindos de São Paulo e Minas Gerais), 611 italianos, 533 japoneses, 510 alemães, 303 espanhóis, 218 portugueses, 193 poloneses, 172 ucranianos, 138 húngaros, 51 checoslovacos, 44 russos, 34 suíços, 29 austríacos, 21 lituanos, 15 iugoslavos, 12 romenos, 7 ingleses, 5 sírios, 5 argentinos, 3 dinamarqueses, 2 australianos, 2 norte-americanos, 2 suecos, 2 franceses, 2 búlgaros, 2 belgas, 2 liechteinsteinianos, 2 letões, 1 norueguês, 1 indiano e 1 estoniano. Depois viriam outros, como os libaneses e os nordestinos, formando uma cidade reconhecida por sua diversidade cultural. 2. A ASSOCIAÇÃO Toda a vida (ainda das coisas que não têm vida) não é mais que uma união. Uma união de pedras é edifício: uma união de tábuas é navio: uma união de homens é exército. E sem essa união, tudo perde o nome e mais o ser. O edifício sem união é ruína: o navio sem união é naufrágio: o exército sem união é despojo. Até o homem (cuja vida consiste na união de alma e corpo) com união é homem, sem união é cadáver. (...) Ó Deus! Ó homens! Que só a vossa união vos há-de conservar e só a vossa desunião vos há-de perder! (Padre Antônio Vieira, 1662) O processo civilizatório iniciado pela Companhia de Terras ganharia um impulso fundamental em Dois anos e meio depois da emancipação de Empreendedorismo Social 17

18 Londrina como município, um libanês chamado David Dequêch, dono de um armazém, decidiu criar aquilo que poderia parecer loucura aos desavisados. Reuniu um grupo de 19 cidadãos locais os 19 companheiros, como ele definiu e criou a Associação Comercial de Londrina, hoje conhecida como ACIL. A primeira reunião aconteceu no Líder Clube, na noite de 5 de junho de Com a ACIL, a cidade que nasceu como empresa ganhou uma associação de classe que, dali em diante, iria participar de todos os momentos importantes da história da cidade. A galeria de presidentes da ACIL reflete a diversidade étnica que marcou Londrina desde o princípio: como na caravana pioneira e na bandeira do município, há ali representantes de todos os continentes. O surgimento da Associação Comercial estava perfeitamente alinhado com o espírito do pioneirismo. Desde aquela noite histórica no Líder Clube, homens de diferentes origens culturais se uniram confiantes como diz a letra do hino da cidade em nome do desenvolvimento mútuo. De lá para cá, a ACIL colocaria em prática os princípios basilares do associativismo: 1) livre adesão; 2) gestão democrática; 3) participação econômica dos sócios; 4) aperfeiçoamento contínuo e valorização da educação; 5) interação entre os associados; e 6) cooperação com a comunidade. Ao longo da história das civilizações, percebe-se que existe uma íntima relação entre liberdade e associativismo. O desenvolvimento só é possível quando as pessoas são livres para empreender, produzindo valores e edificando a comunidade. Uma associação cumprirá seu papel institucional na medida em que tiver liberdade e independência para expressar ideias e reivindicações. Não foram poucas as vezes em que as associações de classe funcionaram como focos de resistência a governos ditatoriais, autoritários e corruptos. O primeiro teste de fogo da ACIL viria apenas cinco meses depois da fundação. Em 10 de novembro de 1937, o presidente Getúlio Vargas deu o golpe do Estado Novo, fechando todos os legislativos municipais. Sem vereadores, a cidade recorreu à ACIL para funcionar como poder moderador e fiscalizador da gestão pública. A história se repetiria nos anos 70, durante o regime militar, quando a ACIL atuou como centro catalisador dos movimentos políticos e culturais que lutavam pela democracia e as liberdades públicas no País. 18 Empreendedorismo Social

19 Entre os desafios da ACIL nos tempos pioneiros, estava a construção de uma ponte sobre o Rio Tibagi, para facilitar o acesso das pessoas e a circulação de mercadorias na cidade. Em pleno Estado Novo, David Dequêch e seus companheiros conseguiram trazer a Londrina o temido e irascível interventor Manoel Ribas, conhecido como Mané Facão, e convencê-lo de que era necessário construir a tal ponte do Tibagi recorrendo a uma tática inusitada. No momento em que o interventor decidiu voltar para Curitiba, os cidadãos locais formaram uma imensa fila para esperar a balsa na margem do Tibagi, fazendo com que Mané Facão sentisse na pele a importância da construção da ponte. Em pouco tempo, a obra foi iniciada e concluída. Aquele era apenas o primeiro dos muitos benefícios que a ACIL ajudaria a trazer para a cidade. Entre os principais legados da ACIL, destaca-se a criação de instituições que fazem a diferença na comunidade londrinense. No Palácio do Comércio foram assinadas as atas de fundação da Sociedade Rural do Paraná, da Santa Casa, da Associação Médica, da Universidade Estadual de Londrina, do Instituto Agronômico do Paraná, do Aeroclube, do Conselho Comunitário de Segurança, do Fórum Desenvolve Londrina e de outras entidades que hoje compõem a sociedade civil local. Todas elas foram criadas com o DNA associativista, cuja essência pode ser definida por uma simples frase: O nós vem antes do eu. 3. A UNIÃO O homem das sociedades tradicionais encontra nos mitos os exemplares de todos os seus atos. Os mitos lhe asseguram que tudo que ele faz ou pretende fazer já foi feito no princípio dos Tempos, in illo tempore. Os mitos constituem, portanto, a súmula do conhecimento útil. Uma existência individual se torna, e se conserva, uma existência plenamente humana, responsável e significativa, na medida em que ela se inspira nesse reservatório de atos já realizados e pensamentos já formulados. (Mircea Eliade) Enquanto Londrina se tornava a Capital Mundial do Café, nos anos 50 e 60, a ACIL atuou decisivamente em questões que envolviam a infraestrutura, a política tributária, o financiamento à produção, o planejamento urbano, o Empreendedorismo Social 19

20 resgate da memória e a segurança pública. Toda e qualquer questão relevante para a comunidade também é relevante para a ACIL. Afinal, as empresas só prosperam na medida em que o conjunto da sociedade ganha em qualidade de vida. Há uma relação direta entre livre iniciativa e desenvolvimento humano. Quanto mais empresas, mais prosperidade e melhores indicadores sociais. Com a geada de 1975 e o final do ciclo cafeeiro, Londrina viu-se diante do desafio de reinventar-se. Desde os anos 60, a ACIL já vinha fomentando o debate para a diversificação econômica do município. Com a criação da UEL e do Iapar, nos anos 70, a cidade passou a ser um centro de referência na educação, na pesquisa e no atendimento à saúde. O setor da construção civil teve um grande impulso nos anos 80, tornando Londrina uma das cidades mais verticalizadas do Brasil. O comércio e a prestação de serviços ganharam forte impulso e passaram a atrair visitantes de toda a região. Uma cidade com Londrina não possui apenas uma vocação. A diversidade cultural dos tempos pioneiros transforma-se necessariamente em diversidade produtiva. Em 1987, a ACIL passou a ser denominada oficialmente Associação Comercial e Industrial de Londrina. O estímulo à industrialização tem sido das principais bandeiras do associativismo local, considerando as potencialidades do segmento na produção de valor e na geração de renda. Mais recentemente, o segmento transversal da tecnologia da informação (TI) ganhou destaque nas ações da entidade. A partir dos anos 90, a qualificação dos trabalhadores e empresários tornouse prioridade na ACIL. Anualmente, a entidade sedia mais de 700 palestras, seminários e cursos em seu Centro de Capacitação. A maior parte dessas atividades é voltada para a formação de pessoas, com ênfase no aumento da competitividade empresarial. Há também programas de acesso ao crédito com juros baixos e gestão financeira para pequenos e médios empresários. Os serviços de proteção ao crédito e certificação digital atendem a milhares de pessoas todos os anos. A ACIL dispõe de uma equipe de profissionais qualificados para atendimento a um público cada vez mais exigente. 20 Empreendedorismo Social

21 Mas a principal contribuição da ACIL para o desenvolvimento de Londrina não pode ser definida por seu patrimônio material. A mais importante riqueza da entidade está nas pessoas e nos valores que elas representam: trabalho, legalidade, conhecimento, eficiência, gratidão. E tudo isso só é possível quando as pessoas se unem em torno de causas comuns. Foi assim no movimento Pé Vermelho Mãos Limpas, em 1999 e 2000, quando as entidades locais, lideradas pela ACIL, conseguiram enfrentar uma onda de corrupção que tomou de assalto a administração pública do município. Os líderes do movimento receberam o Prêmio Integridade, conferido pela Transparência Internacional, em Hoje o desafio é melhorar a eficiência da gestão pública e tornar Londrina um modelo gerencial para o Brasil. A atual diretoria da ACIL condensou essa tarefa em um lema: Pé Vermelho Mãos Unidas. Nos 80 anos de Londrina, o presente da ACIL para a cidade se chama união e inspira-se no exemplo dos pioneiros vieram de diversas partes do mundo e construíram um sonho no meio do Sertão paranaense. Iniciamos este artigo citando os primeiros versos do Hino de Londrina. A música foi composta pelo maestro Andrea Nuzzi. O empresário Francisco Pereira Almeida Jr. teve apenas oito dias para escrever a letra do hino, a pedido do prefeito Antônio Fernandes Sobrinho. Os versos traduzem perfeitamente a trajetória da cidade: Londrina! Cidade que sobe e que cresce/ Que brota e floresce,/ Que em frutos se expande!/ Que a Pátria enriquece,/ Que alta, e que grande,/ O encanto oferece de sempre menina! Como estamos comemorando o aniversário de Londrina, cidade menina, é justo encerrar este breve perfil institucional dizendo ao leitor que o autor da letra do Hino a Londrina foi um presidente da ACIL. E aos filhos se uniram do nosso Brasil. Empreendedorismo Social 21

22

23 A importância do Terceiro Setor na dinâmica do desenvolvimento local Ciliane Carla Sella de Almeida 1 RESUMO: Este artigo aborda a importância do Terceiro Setor como um dos eixos do desenvolvimento local e as parcerias que podem ser celebradas com o poder público na qualidade de colaboradoras do Estado e executoras de programas e projetos de interesse público assim como as alianças com as empresas privadas (setor produtivo) que queiram desenvolver seu braço social. Palavras-chave: Desenvolvimento Local, Parcerias, Relações Intersetoriais, Terceiro Setor. 1 Advogada, Especialista em Direito Empresarial e Mestranda em Engenharia do Desenvolvimento Local. Sócia proprietária da Priori Consultoria. Empreendedorismo Social 23

24 INTRODUÇÃO A importância do Terceiro Setor na dinâmica do desenvolvimento local é o texto escolhido para inaugurar esta obra. As experiências relatadas ao longo deste livro confirmarão esta abordagem e poderão servir de inspiração às empresas privadas e aos gestores públicos para uma maior utilização de parcerias com as entidades sem fins lucrativos para execução de projetos de interesse da sociedade. Tema mundialmente debatido e amplamente documentado 2, o desenvolvimento local passa a ser um dos desafios da sociedade, conciliando o econômico, o social e o ambiental. Abordamos nestas breves páginas os requisitos necessários para um projeto de desenvolvimento local, o Terceiro Setor na atualidade e as parcerias entre público e privado para a execução de projetos, programas e atividades que têm como finalidade o bem estar das comunidades e a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. O DESENVOLVIMENTO LOCAL Todo projeto de desenvolvimento local tem como objetivo a melhoria de vida das comunidades através da integração entre diferentes setores da sociedade. Há consenso entre os estudiosos do tema que qualquer proposta de desenvolvimento local requer, para seu sucesso, a existência de três eixos: a comunidade local, a parceria e um clima propício à ação. A comunidade local é definida segundo os diversos interesses e em função dos serviços a serem prestados aos cidadãos. Estes podem não estar localizados em territórios definidos pelo Estado, mas sempre correspondem aos locais onde os cidadãos se encontram, onde existe sentimento de pertencimento e de identidade do local. Assim pode haver várias comunidades no interior de uma mesma cidade ou de um mesmo bairro. Nas palavras de Augusto de Franco 3, comunidades são mundos pequenos que atingiram certo grau de tramatura do seu tecido social. 2 Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento, Agências de Cooperação Internacional, Organização Internacional do Trabalho. 3 Franco, Augusto de. A revolução do local: globalização, glocalização, localização. Brasília: Agência de Educação para o Desenvolvimento. São Paulo: Editora de Cultura, 2003/ Empreendedorismo Social

25 A participação das comunidades nos projetos de desenvolvimento local e na sociedade é o resultado de processos de mobilização permanente e da formação dos cidadãos para que bem exerçam seu papel no interior desta sociedade. Como exemplos de mobilização local, citamos as conferências e conselhos municipais, as audiências públicas, os fóruns de discussões, as associações de bairros, as redes de participação, dentre outras. São espaços de diálogo e deliberação com alto poder de transformar opinião pública em discernimento público, desenvolver uma voz pública, lidar com conflitos, desenvolver o protagonismo público, formar relacionamentos públicos, criar condições para a ação pública. Enfim, são práticas coletivas que levam a outra forma de cidadãos se relacionarem com autoridades, conforme David Mathews 4. As parcerias e a criação de redes devem existir na perspectiva do desenvolvimento local. Apesar de os interesses divergentes, os representantes dos setores privado, público e comunitário decidem trabalhar juntos a fim de desenvolver uma participação intersetorial e de intervenções transversais. Como exemplo de redes em nível local, podemos citar a iniciativa do Fórum Desenvolve Londrina 5 que tem por objetivo aglutinar a sociedade organizada e mobilizar a comunidade para o desenvolvimento sustentável de Londrina e região, por meio de atividade permanente de prospecção de futuro e planejamento estratégico, independente de política partidária. O que se pretende no processo de reunião de atores provenientes de diferentes setores é o trabalho coletivo de grupos de interesses às vezes opostos e de líderes que são também concorrentes, mas que, elegem os interesses e demandas da sociedade como ponto de diálogo e interação. As parcerias se estabelecem entre todos os intervenientes, porém, mais particularmente entre o poder público e os parceiros sociais e econômicos. A terceira condição necessária ao sucesso das políticas de desenvolvimento local é o estabelecimento de um ambiente e de um clima propícios à colaboração e a ação comunitária. 4 MATHEWS, David. Fortalecendo a atuação democrática de comunidades. Curitiba:Inesco:Complexo Pequeno Príncipe.AEW-PR, Ver Empreendedorismo Social 25

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS

CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS CONHEÇA OS NOSSOS PROJETOS APRESENTAÇÃO Em Dezembro de 2004 por iniciativa da Federação das Indústrias do Estado do Paraná o CPCE Conselho Paranaense de Cidadania Empresarial nasceu como uma organização

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Serviços e Cidadania

Serviços e Cidadania Mostra Local de: Maringá PR Serviços e Cidadania Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto GRPCOM Cidade: Maringá - PR Contato:

Leia mais

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto*

BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* BANGLADESH E O SEU BANCO COMUNITÁRIO Carlos Daniel Baioto* *Carlos Daniel Baioto é professor de pós-graduação em gestão cooperativa na Unisinos, São Leopoldo, RS. É consultor nas áreas de projetos de tecnologias

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E SOLIDARIEDADE LEI nº, de de (Projeto de Lei nº 00/04, do Executivo) Institui o Programa Oportunidade Solidária, estabelece princípios fundamentais e objetivos da Política de Fomento à Economia Popular Solidária do Município

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS

FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS FÓRUM IRÁ DISCUTIR AS POSSIBILIDADES E OPORTUNIDADES DE UNIR O SOCIAL AO CENÁRIO DAS FINANÇAS E DOS NEGÓCIOS LUCRATIVOS Coloque na agenda! O Fórum Brasileiro de Finanças Sociais e Negócios de Impacto será

Leia mais

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO

CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO CONFERÊNCIA TEMÁTICA DE COOPERATIVISMO SOLIDÁRIO DOCUMENTO PROPOSITIVO Página 1 1. IMPORTÂNCIA DO TEMA PARA A II CONFERÊNCIA NACIONAL 1.1. A construção de um novo Brasil pautado na justiça, equidade e

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

Brasília, 9 de maio de 2012

Brasília, 9 de maio de 2012 Brasília, 9 de maio de 2012 Discurso do presidente Alexandre Tombini em evento no Sebrae para lançamento do Plano de Ação para Fortalecimento do Ambiente Institucional para a Adequada Inclusão Financeira

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA!

INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! INTERESSE PELA COMUNIDADE SEMEAMOS ESTA IDÉIA COOPERATIVISTA! Apresentação O Instituto Sicoob PR foi criado para cumprir o 7º princípio cooperativista Interesse pela comunidade. Com o suporte das Cooperativas

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP

Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP Diretoria Francisco Chaves, Presidente Ibolyka Elizabeth, Diretora Executiva. www.iaap.org.br Lorena-SP O Terceiro Setor no Brasil Sumário: Histórico e Legislação Bandeira: a figura da Filantropia (do

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO

PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO PROJETOS SOCIAIS E OS OBJETIVOS DO MILÊNIO DIFERENCIANDO OS TRÊS SETORES Primeiro Setor A origem e a destinação dos recursos são públicos. Segundo Setor Corresponde ao capital privado, sendo a aplicação

Leia mais

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante:

O surgimento de associações de agricultores ocorre em função de três movimentos sociais importante: 1. ASSOCIATIVISMO 1.1. Introdução As formas associativas de trabalho no campo já eram encontradas há muito tempo atrás entre os primitivos povos indígenas da América. As grandes culturas précolombianas

Leia mais

81AB2F7556 DISCURSO PROFERIDO PELO SENHOR DEPUTADO LUIZ CARLOS HAULY NA SESSÃO DE 05 DE JUNHO DE 2007. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas,

81AB2F7556 DISCURSO PROFERIDO PELO SENHOR DEPUTADO LUIZ CARLOS HAULY NA SESSÃO DE 05 DE JUNHO DE 2007. Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, DISCURSO PROFERIDO PELO SENHOR DEPUTADO LUIZ CARLOS HAULY NA SESSÃO DE 05 DE JUNHO DE 2007 Senhor Presidente, Senhoras Deputadas, Senhores Deputados, Hoje dia 5 de junho completam 70 anos da fundação da

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito

OPINIÃO DOS ATORES. Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira. Do microcrédito às microfinanças Monica Valente. Microcrédito OPINIÃO DOS ATORES Microcrédito, ocupação e renda Sérgio Moreira Do microcrédito às microfinanças Monica Valente Microcrédito Tânia Machado Microcrédito como instrumento de desenvolvimento econômico e

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada -

- Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - - Terceiro Setor e Sociedade Civil Organizada - 1 Terceiro Setor Denominação de um setor além governo e do privado/empresas. Define a atuação de organizações não estatais e sem fins lucrativos. Divisão

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS

4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS 4 O CASO PETROBRAS 4.1 HISTÓRICO DA PETROBRAS A Petrobras foi criada em 3 de outubro de 1953, pela Lei 2.004, assinada pelo então presidente Getúlio Vargas, em meio a um ambiente de descrédito em relação

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO

EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO EDUCAÇÃO CORPORATIVA NO BRASIL NO CONTEXTO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO Remígio Todeschini 1 1.Introdução O presente texto pretende ser uma contribuição inicial da relação de cooperação entre a Educação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania

Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania Projeto Fênix - Reciclando o futuro com Cidadania A prática consiste em democratizar o acesso à justiça aos catadores de materiais recicláveis dos lixões do Distrito Federal. O problema envolvendo a produção

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

São Paulo, 25 de abril de 2013.

São Paulo, 25 de abril de 2013. São Paulo, 25 de abril de 2013. Discurso do diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania, Luiz Edson Feltrim, na SME Banking Conference 2013 1 Dirijo saudação especial a Sra. Ghada Teima, IFC Manager

Leia mais

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde

Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Declaração Política do Rio sobre Determinantes Sociais da Saúde Rio de Janeiro, Brasil - 21 de outubro de 2011 1. Convidados pela Organização Mundial da Saúde, nós, Chefes de Governo, Ministros e representantes

Leia mais

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO

CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia RESUMO CREDIBAHIA : O Programa de Microcrédito do Estado da Bahia Caio Márcio Ferreira Greve 1 RESUMO O presente artigo faz uma rápida descrição da modalidade de crédito intitulada Microcrédito, e como ela se

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. RESOLUÇÃO CNAS Nº 11, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. Caracteriza os usuários, seus direitos e sua participação na Política Pública de Assistência Social e no Sistema Único de Assistência Social, e revoga a

Leia mais

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias

ipea Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Políticas Públicas de Economia Solidária: novas práticas, novas metodologias Sandra Faé Praxedes* Este artigo tem como objetivo oferecer ao leitor um breve balanço acerca do momento atual, das trajetórias

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL

DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL DOCUMENTO 03 ENSINO SUPERIOR NO BRASIL Com o advento da nova Constituição em 1988 e a promulgação e da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional em fins de 1996, novas perspectivas foram colocadas

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do

Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Esta publicação tem por objetivo apresentar o Programa Cultura Viva, de responsabilidade da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, de modo a facilitar sua compreensão

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

Estratégias para o desenvolvimento humano

Estratégias para o desenvolvimento humano ofício Estratégias para o desenvolvimento humano A Olhar Cidadão é uma empresa de planejamento estratégico, gestão e inovação, na qual se desenvolvem soluções integradas, projetos e ideias que contribuam

Leia mais

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI

A Declaração de Jacarta. sobre Promoção da Saúde no Século XXI A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * * * * * * * * ** * * * * * * * * * A Declaração de Jacarta sobre Promoção da Saúde no Século XXI * * * * * * * * * * *

Leia mais

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto

Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões. Diretor-Presidente do Sebrae Luiz Barretto 2012 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae TODOS OS DIREITOS RESERVADOS A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n.º

Leia mais

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social

Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social III Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação Declaração das ONGs: Ciência e Tecnologia com Inclusão Social Muito fizemos entre uma conferência e outra... 2 Não, não tenho caminho novo. O

Leia mais

A Cooperação UE no Estado de São Paulo

A Cooperação UE no Estado de São Paulo A Cooperação UE no Estado de São Paulo Informações gerais: Superficië (km²): 248.209,426 População (IBGE 2012): 41.901.219 Produto Interno Bruto - PIB (2008) em R$ milhões: 1.003.016 Indice de Desenvolvimento

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL 2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO I - A QUESTÃO CENTRAL II - OBJETIVO ESSENCIAL - MICROCRÉDITO COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO PRODUTIVA E SOCIAL III - FUNDAMENTOS, NORMATIZAÇÃO E OPERACIONALIDADE DO PROGRAMA MUNICIPAL

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i

EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i EMPREENDEDORISMO SOCIAL: economia solidária da teoria a prática a experiência UFRB/INCUBA e sociedade Danilo Souza de Oliveira i INTRODUÇÃO Entre as inúmeras formas de diálogo que a UFRB (Universidade

Leia mais

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a

Houve o consenso que será realizado um novo encontro com a participação de um maior número de lideranças de todas as regiões de Goiás, o que dará a APRESENTAÇÃO Na cidade de Neirópoilis GO foi realizada pelo IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural 1ª. Oficina de Planejamento Estratégico proposta pela diretoria da Associação Goiana de

Leia mais

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Propostas de Políticas OS PEQUENOS NEGÓCIOS COMO FORÇA INDUTORA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CANDIDATOS A PREFEITOS E PREFEITAS MUNICIPAIS Pleito Eleitoral 2012 PROPOSTAS DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A PROMOÇÃO

Leia mais

Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011

Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011 Lei Mun. Viçosa/MG 2.204/11 - Lei do Município de Viçosa/MG nº 2.204 de 27.12.2011 DOM-Viçosa: 29.12.2011 Dispõe sobre a criação do Programa Municipal de Apoio a Inovação Tecnológica, as medidas de incentivo

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 Palestras informativas Promover ações educativas para a promoção do voluntariado transformador. Mobilizar voluntários. Toda a comunidade de Curitiba e Região Metropolitana

Leia mais

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso

Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso W o r k s h o p Como Ofertar Serviços Profissionais para Empresas e Instituições e Desenvolver Alianças de Sucesso Gerando mais Receita e Lucratividade A Arte de combinar Marketing com Vendas e Estruturar

Leia mais

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em

O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em Negócio Social O termo negócio social foi cunhado inicialmente por Muhammad Yunus, indiano, doutor em Economia, professor e laureado com o Prêmio Nobel da Paz em 2006 Classifica um determinado empreendimento

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva

Programa. orientações. Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br. Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva Programa Portal do Ministério da Cultura www.cultura.gov.br Cultura Viva www.cultura.gov.br/culturaviva orientações @DiversidadeMinC e @CulturaViva cidadaniaediversidade Secretaria da Cidadania e da Diversidade

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX

POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX Março de 2009 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 Objetivos...4 1.2 Público alvo deste documento...4 2 GLOSSÁRIO...5 3 POLÍTICA DE INOVAÇÃO DA SOFTEX...7 3.1 Em relação aos ambientes

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS

RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS RELATÓRIO DE CONCLUSÃO PLANO DE TRABALHO ACORDO DE COOPERAÇÃO FEDERATIVA MINISTÉRIO DA CULTURA E PREFEITURA DE PALMAS FUNDAÇÃO CULTURAL DE PALMAS Palmas/TO, setembro 2013 Relatório de conclusão: Plano

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados.

Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social. Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Terceiro Setor, Cultura e Responsabilidade Social Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados. Todos os direitos reservados. Nossos serviços Nossa equipe atende empresas que investem em responsabilidade

Leia mais

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012

PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 PERIFÉRICO OU ESTRATÉGICO, QUAL RH VOCÊ QUER SER? IESFAVI - 6/20012 NOSSA TRAJETÓRIA 1 ERA UMA VEZ...E O RH SURGIU! 2 - CENÁRIOS E ESTRATEGIA EMPRESARIAL 3 RH CUSTO / RH LUCRO 1- CENÁRIO E ESTRATEGIA EMPRESARIAL

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios

Prefeito Empreendedor. Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Prefeito Empreendedor Guia de Recomendações Preliminares para o Fomento do Empreendedorismo nos Municípios Março/2012 Expediente Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Fernando

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS

INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS INTEGRAÇÃO DAS DIFERENTES POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS À PROTEÇÃO DA ÁGUA E SAÚDE: UM OLHAR A PARTIR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DOS MUNICÍPIOS Cleci Teresinha Noara Assistente Social Fundação Agência

Leia mais