ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS EM REVISTA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS EM REVISTA"

Transcrição

1 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 1 ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS EM REVISTA FACULDADES INTEGRADAS CURITIBA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURITIBA ISSN Administração de Empresas em Revista Curitiba a. 5 n. 5 p Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

2 2 EXPEDIENTE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS EM REVISTA é uma publicação das Faculdades Integradas Curitiba (FIC) Diretor Institucional Luís Cesar Esmanhotto Diretor Acadêmico Rainer Czajkowski Comissão Editorial Cristina Luiza C. Surek, Carlos Luiz Strapazzon, Nilson Cesar Fraga, Gisela Maria Bester Benitez, Marlus Vinicius Forigo, Olga Maria Coutinho Pépece e Benedito Costa Neto Filho. Revisão: Antonio Carlos Amaral Lincoln Diagramação: Tatiane Andrade de Oliveira Impressão: Associação de Ensino Novo Ateneu (AENA) Tiragem: 200 exemplares Data: novembro de 2006 Endereço: Rua Chile, CEP Curitiba, PR Brasil Telefone: (41) Site: Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Biblioteca das Faculdades Integradas Curitiba Administração de empresas em revista / Faculdade de Ciências Administrativas de Curitiba. Ano 1, n. 1, (2002) -. Curitiba : Faculdades Integradas Curitiba, cm. Anual. A partir do ano 3, n. 3, 2004, a revista sofreu reformulações quanto à padronização. ISSN Administração Periódicos. 2. Administração de empresas Periódicos. I. Faculdade de Ciências Administrativas de Curitiba. CDD (21. ed.)

3 3 CONSELHO CIENTÍFICO Adriana Machado Casali Fernando Kulaitis João Gustavo Ritter Jorge Luis Marcondes Isaak Newton Soares Marcelo Fassina Marlus Vinicius Forigo Maurício Reinert do Nascimento Mônica de Faria Mascarenhas e Lemos CONSELHO EDITORIAL Edelvino Razzolini Filho (FCSA/UTP) Fernando António Gimenez (UNICEMP) José Augusto Guagliardi (FEA/USP) Paulo Muller Henrique Prado (UFPR) Pedro José Steiner Neto (UFPR) Renato Zancan Marchetti (PUCPR) EDITOR Olga Maria Coutinho Pepece COORDENADOR EDITORIAL Marlus Vinicius Forigo

4 4

5 5 APRESENTAÇÃO A produção de conhecimento, em uma sociedade baseada em informação é, cada vez mais, o resultado da conexão e colaboração contínuas de uma multiplicidade de agentes. Sendo isto uma realidade no âmbito das organizações, que precisam se reinventar para fazer frente a mercados fragmentados e em contínua mudança, na perspectiva de uma publicação acadêmica esta dinâmica revela-se sua própria razão de existir. É sob esta perspectiva que apresentamos a quinta edição de Administração de Empresas em Revista. Uma vez mais, reunimos pesquisadores de alto nível para estabelecer um diálogo entre si e com os leitores sobre aspectos relevantes para a consolidação e ampliação dos estudos organizacionais. A gestão estratégia de pessoas é o tema central do primeiro artigo, de autoria de Edélcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi. O trabalho apresenta insights aos gestores sobre como atrair, desenvolver e reter os profissionais qualificados, promovendo mudanças organizacionais necessárias e estimulando o desempenho superior, por meio de uma gestão flexível e transparente. O segundo artigo desta edição de Administração de Empresas em Revista é dedicado aos estudos de mercadologia e possui como objetivo entender o consumo simbólico do ato de presentear, observandose o consumo específico de jóias. De autoria de Olga Maria Coutinho Pépece, Fabiane Cortez Verdu, Bianca Mendes Battistelli, Luciane Alves de Menezes e Ozana Carvalho de Freitas o trabalho apresenta informações de grande utilidade para empresas que comercializam este tipo de objeto de luxo. Eliene Cristina Barros Ribeiro, Isabel Cristina Rodrigues, Andréia Marize Rodrigues e Marcelo Giroto Rebelato analisam a interface entre o setor produtivo e a indústria laticinista trazendo importantes contribuições para os estudos de competitividade e inovação tecnológica no agribusiness como pode ser visto no terceiro artigo da presente edição. Victor Meyer Jr e Bernardo Meyer, no quarto artigo, discorrem sobre planejamento estratégico no âmbito das instituições de educação superior examinando a dimensão técnica e os fatores intuitivos, ilógicos e subjetivos como importantes elementos neste processo.

6 6 Gestão Estratégica de Pessoas... O artigo que encerra esta edição versa sobre o ensino do empreendedorismo. Luciano Rossoni realiza um estudo de caso em uma instituição de ensino superior que utiliza uma metodologia desenvolvida no Brasil e baseada nos estudos de Filion, um dos maiores nomes nesta área de conhecimento. Agradecemos a todos que gentilmente enviaram trabalhos para análise e parabenizamos aqueles que tiveram os trabalhos aceitos. Boa leitura. Olga Maria Coutinho Pépece EDITORA Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

7 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 7 SUMÁRIO GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS: INTEGRAÇÃO ENTRE COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E TALENTOS DAS PESSOAS Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi... 9 COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR: ATO DE PRESENTEAR COM JÓIAS NA CIDADE DE CURITIBA Olga Maria Coutinho Pépece, Fabiane Cortez Verdu, Bianca Mendes Battistelli, Luciane Alves de Menezes e Ozana Carvalho de Freitas ADOÇÃO DA COLETA DE LEITE GRANELIZADO: ESTUDO DE CASO EM UMA COOPERATIVA LATICINISTA DO ESTADO DE SÃO PAULO Eliene Cristina Barros Ribeiro, Isabel Cristina Rodrigues, Andréia Marize Rodrigues e Marcelo Giroto Rebelato PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR: TÉCNICA OU ARTE? Victor Meyer Jr. e Bernardo Meyer ENSINO UNIVERSITÁRIO DE EMPREENDEDORISMO: APLICAÇÃO DA METODOLOGIA OFICINA DO EMPREENDEDOR EM CURSOS DE TECNOLOGIA DE GESTÃO Luciano Rossoni NORMAS EDITORIAIS Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

8 8 Gestão Estratégica de Pessoas... Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

9 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 9 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS: INTEGRAÇÃO ENTRE COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS E TALENTOS DAS PESSOAS EDELCIO PEDRO JACOMASSI Mestre em Administração pela UFSC, Especialista em Planejamento Empresarial, Economista, professor de pós-graduação MARCIA DRACHINSKY JACOMASSI Master en Dirección y Administración de Empresas pela ESADE (Espanha), Especialista em Recursos Humanos, Pedagoga, professora de pós-graduação Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

10 10 Gestão Estratégica de Pessoas... Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

11 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 11 RESUMO O presente artigo, desenvolvido com base na questão sobre o estilo de gestão estratégica de pessoas, que pode proporcionar a integração entre competências organizacionais e talentos das pessoas, orienta leitores e gestores quanto à visão de processo de como atrair, desenvolver e reter os profissionais qualificados, promovendo mudanças organizacionais necessárias e estimulando o desempenho superior, por meio de uma gestão flexível e transparente. Desse modo, o novo desafio das organizações passa a ser o de conseguir mudar o estilo reativo de gestão, para um estilo proativo de gestão, que representa descobrir competências e valorizar as pessoas, de acordo com o que se espera destas, provocando um clima saudável, atitudes para novas conquistas e resultados superiores. Palavras-chave: gestão estratégica de pessoas, talentos das pessoas, competências organizacionais, desempenho superior. ABSTRACT The present article, developed by question about the stile of people strategy management that can provide the integration between the organizations competences and the people s talents, to guide the readers and managers how to attract, develop and how to retain qualified professionals, making the necessary organizational changes and stimulating a higher performance, by using a flexible and clear management. Therefore, the new challenge of organizations is how to change the reactive management stile into a pro active one, which represents discover competences, provide employee valorization and develop sets of competencies that are needed by the organization, providing a pleasant environment, creating a nice ambient, attitude for new conquests and higher results. Keywords: people strategy management, people s talents, organizations competences, high performance. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

12 12 Gestão Estratégica de Pessoas... Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

13 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 13 1 INTRODUÇÃO O ambiente externo e os novos mercados competitivos passam a exigir das organizações um maior grau de profissionalização e competência para gerir seus negócios. Como conseqüência, há a necessidade de uma reavaliação quanto às competências organizacionais, estilos e formas de gestão, bem como das competências e perfil dos colaboradores. As estratégias corporativas determinam as competências organizacionais necessárias, para que as empresas melhor aproveitem as oportunidades e minimizem as ameaças do ambiente externo. Por sua vez, a identificação das competências organizacionais necessárias se constitui em direcionadores no desenho organizacional e na forma de gestão de recursos humanos. Como conseqüência, determinam-se as competências grupais e individuais de todos os colaboradores, em função do papel e das atividades que exercem na organização. A partir do momento em que as empresas possuírem um direcionamento claro e entenderem a necessidade de contratar e desenvolver pessoas em função de suas competências, todos tendem a trabalhar com mais eficácia e, conseqüentemente, a atingir melhores resultados. A valorização das pessoas favorece o comprometimento nos resultados e contribui para o aprendizado organizacional, assim como garante o direcionamento das competências organizacionais para resultados superiores. No entanto, é necessário que as organizações tenham como desafio maior valorizar as pessoas, propondo um plano de ações consistente, capaz de identificar, desenvolver e reter seus talentos, de modo que as pessoas consigam participar muito além dos limites de suas funções, atingindo um desempenho superior e crescimento profissional. Analisando-se o contexto das estratégias organizacionais e a forma de gestão de recursos humanos, foi identificada a necessidade de responder a um questionamento fundamental: Qual o estilo na gestão de pessoas que poderá proporcionar a integração das competências organizacionais com o talento das pessoas, de forma a proporcionar resultados superiores de desempenho individuais e organizacionais? Para que o direcionamento da análise fosse mais efetivo, foram determinados alguns objetivos específicos relacionados à proposta de estudo: analisar como as organizações agem em relação aos talentos internos, identificar e mapear as competências necessárias para o de- Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

14 14 Gestão Estratégica de Pessoas... sempenho profissional e identificar a relação entre as competências organizacionais e os talentos internos para os resultados do negócio. Nesse contexto, propõe-se um modelo de metodologia para a gestão estratégica de pessoas, em seis fases com a finalidade de orientar profissionais e leitores, na busca de crescimento funcional e desempenho superior, e de demonstrar como uma organização pode tornar-se proativa no mercado, criando e aproveitando oportunidades, e converterse em mais competitiva. 2 MODELO PROPOSTO A grande questão que permeia a gestão estratégica de pessoas nas organizações é a definição de uma política que possa maximizar o aproveitamento dos funcionários, valorizá-los e, principalmente, utilizar todo o potencial de cada um na atividade adequada. De uma forma geral, as empresas tendem a gerenciar seus recursos humanos sem critérios claros quanto à utilização de sistemas de remuneração, premiação e até mesmo de punição ou demissão. Essa falta de critérios pode ser um sintoma da carência de definições estratégicas das competências organizacionais, podendo acarretar perfis profissionais inadequados à necessidade de desempenho da empresa. Com o gerenciamento de competências, pode-se claramente identificar as necessidades dos colaboradores, em função da atividade que executam e do perfil ideal para o cargo, considerando-se os conhecimentos, habilidades e atitudes deles. Dessa forma, é apresentada uma proposta de modelo de gestão estratégica de pessoas, composta de seis fases distintas (figura 1), observando-se as competências e as ações a serem desenvolvidas em cada fase, para melhor orientar a gestão de recursos humanos. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

15 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 15 FIGURA 1 MODELO DE METODOLOGIA PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E AMBIENTE Estratégias Empresariais Competências Organizacionais EDUCAÇÃO CORPORATIVA Aprendizagem Direcionamento de Recursos Humanos POLÍTICAS DE RETENÇÃO Remuneração e Benefícios Reconhecimento e Desafios O ESTILO DE GESTÃO GESTÃO DE PESSOAS Desenvolvimento das Competências Papel do Gestor ANÁLISE DA PERFORANCE Desempenho Superior IDENTIFICAÇÃO DE TALENTOS Qualificação e Força Humana FONTE: elaborada pelos autores. 3 FASE UM: ESTRATÉGIA, ORGANIZAÇÃO E AMBIENTE 3.1 ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Para identificar as estratégias empresariais, é importante o entendimento das razões que influenciam as organizações no ambiente externo. Muitas vezes, as mudanças são decisivas e exigem um modelo proativo, facilitando as escolhas das estratégias capazes de influenciar no atingimento de melhores resultados e permitindo à organização adotar um modelo de estrutura e de gestão compatíveis com as novas realidades do mercado. Pesquisando sobre os primeiros trabalhos nessa área, pode-se citar Chandler, na obra de Kennedy (1998, p. 42), como o responsável Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

16 16 Gestão Estratégica de Pessoas... pelo primeiro grande trabalho que faz a análise das inter-relações entre o ambiente externo de uma organização, a estratégia empresarial adotada e a estrutura organizacional, com seu respectivo estilo de gestão adotado. Chandler desenvolveu sua pesquisa em 50 grandes organizações norte-americanas; observou as mudanças no ambiente externo e as relacionou às mudanças na estratégia empresarial, no sentido de buscar um novo posicionamento, em função da nova realidade. Wright, Kroll e Parnell (2000, p. 41) verificam que [...] a administração estratégica consiste na estruturação e adaptação compatíveis entre a organização e seu ambiente externo, e a razão da existência da empresa (sua missão) deve ser definida dentro das forças ambientais, bem como no contexto dos recursos da empresa (pontos fortes e fracos). Desse modo, as forças macroambientais devem ser identificadas e analisadas com freqüência, pois interferem de forma significativa sobre as organizações e podem ser decisivas para identificar as oportunidades e as ameaças. Na análise de diversos autores, entre eles Kaplan e Norton (2000, p. 13): A implementação da estratégia exige que todas as unidades de negócio, unidades de apoio e empregados estejam alinhados e conectados com a estratégia. O sucesso exige que a estratégia se transforme em tarefa cotidiana de todos. Assim, as organizações atuam no mercado competitivo com a expectativa não só de sobreviver, mas também de crescer e expandir seus negócios, justificando sua função aos acionistas, comunidade, fornecedores, colaboradores e clientes. As estratégias são freqüentemente reavaliadas, em função das transformações rápidas do mercado, levando às organizações a adotarem alternativas para soluções, reordenações internas e estruturais, bem como a expectativa de melhores resultados. Para competir globalmente, é preciso foco na capacidade de inovação. A identificação das variáveis integradas e alinhadas com as estratégias e o monitoramento constante permitem às organizações uma melhor integração com o meio externo e a possibilidade de adotar um estilo proativo de gestão, buscando antecipar decisões e definir novas estratégias a serem adotadas. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

17 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 17 O direcionamento estratégico é um assunto que merece ser estimulado e desenvolvido em debates internos entre gestores e colaboradores, para que possam ter o correto entendimento das ações estratégicas desenhadas e dos resultados esperados. 3.2 COMPETÊNCIAS ORGANIZACIONAIS A fórmula para o sucesso da organização está nas competências organizacionais fundamentadas em função do direcionamento estratégico, visão de futuro, definição adequada de missão e objetivos, capacidade de interpretar as oportunidades, as ameaças, os pontos fortes e fracos e, principalmente, a forma com que atua diante das mudanças. Dessa maneira, as estratégias identificadas e desenvolvidas poderão ser de conhecimento de todos, o que pode ser conseguido por meio de uma atuação estratégica e habilidades dos gestores. No entanto, os estudos internos sobre o direcionamento estratégico da organização, como, por exemplo, o desenvolvimento organizacional, identificação e análise das competências, a gestão de pessoas e talentos, etc., são tratados de forma pontual e muitas vezes isolados, ao invés de ações conjuntas que asseguram a interdependência e o valor agregado, desconsiderando que a meta mais importante é justamente convergir esforços para o alinhamento e orientação da visão de futuro. Nesse processo, todos os sistemas são fundamentais para sustentar e garantir coesão, de modo que o plano estratégico proporcione valor a todos, principalmente aos acionistas, clientes e colaboradores. Segundo Harrison (2005, p. 194): As organizações podem desenvolver aptidões básicas com base em capacidades e recursos que: incorporem um conjunto integrado de habilidades gerenciais e tecnológicas, sejam difíceis de adquirir de outra forma além da experiência, contribuam significativamente para benefícios percebidos pelos clientes e possam ser amplamente aplicadas dentro do domínio da companhia. Dessa forma, para a formulação das estratégias, torna-se fundamental levar em consideração a história e as competências necessárias da organização, definindo ações eficazes de suporte ao desenvolvimento de estratégias, por meio da informação e comunicação, permitindo que os colaboradores conheçam os resultados esperados e possam compartilhar suas visões e atitudes estratégicas. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

18 18 Gestão Estratégica de Pessoas... As organizações buscam oportunidades de crescimento, mas, para isso, torna-se necessário contar com pessoas que tenham conhecimento dos negócios globais e capacidade de administrar alianças estratégicas. No entanto, acredita-se na carência ou insuficiências desses profissionais dentro das empresas. Acredita-se que a responsabilidade no desenvolvimento das competências seja da própria pessoa, buscando autoqualificação, mas esta deverá compartilhar a incumbência com a organização, para que possa aproveitar as oportunidades internas, bem como participar do sistema de acompanhamento profissional. Essa prática permitirá que as pessoas na organização estejam preparadas para enfrentar não só mudanças estratégicas, mas até mudanças organizacionais. 4 FASE DOIS: EDUCAÇÃO CORPORATIVA 4.1 APRENDIZAGEM Para Harrison (2005, p. 88): Um ambiente de aprendizado é criado ao ajudar os membros organizacionais a questionarem suas suposições sobre a empresa e seu ambiente. Para que o aprendizado ocorra, os membros devem entender que a organização é uma rede interdependente de pessoas e atividades. Além disso, o aprendizado exige que os membros mantenham seu trabalho com foco na criação de modelos de comportamento que sejam consistentes com a estratégia. A aprendizagem deve ocorrer em todos os níveis da organização, e os resultados extraordinários serão obtidos, por meio das ações interligadas e alinhadas às estratégias, buscando sinergia, entusiasmo, criatividade e talento de todos os colaboradores. No processo da aprendizagem e educação corporativa, a tecnologia facilita as informações, e o conhecimento cresce rapidamente. Com o uso da comunicação, essa velocidade é ainda maior, permitindo que o processo de mudanças ocorra na mesma proporção da obtenção de novos conhecimentos. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

19 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi DIRECIONAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Segundo Becker (2001, p. 21), [...] o potencial estratégico de RH, gira em torno do papel cada vez mais central dos recursos intangíveis e do capital intelectual. E o direcionamento interligado às estratégias da organização implica um novo papel para a gestão de recursos humanos, passando a ser catalisador e facilitador do processo de aprendizagem organizacional diante das mudanças e dos resultados esperados. Propõe-se um novo desafio para recursos humanos, focalizando questões essenciais, como aumento da flexibilidade organizacional, aumento da capacidade de inovação, mudança estratégica e organizacional. Da mesma forma, estabelece-se um sistema estratégico de remuneração, alinhado às estratégias e competências organizacionais para catalisar as energias, harmonizar os interesses profissionais e de negócios e promover resultados superiores. Quanto ao desempenho superior, o comprometimento profissional, a cooperação, o intercâmbio de informações e outras ações deverão ter um papel fundamental no desenvolvimento da aprendizagem e educação corporativa. Assim, o aumento da qualificação profissional e os talentos das pessoas farão o diferencial competitivo de que a organização necessita perante os concorrentes. Nesse contexto, o papel de recursos humanos, será o de orientar as pessoas para os processos e para os resultados, por meio de uma política transparente que viabilize o aprendizado organizacional, gerando e compartilhando as informações de forma rápida e buscando valorizar as pessoas talentosas, o desempenho superior, a melhoria nas relações entre gestores e colaboradores, bem como fortalecendo a imagem da organização na sociedade. Portanto, não basta contratar talentos. É preciso viabilizar o aprendizado organizacional e criar condições para que as pessoas se desenvolvam e tenham um desempenho superior, conquistando melhores resultados pessoais e organizacionais. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

20 20 Gestão Estratégica de Pessoas... 5 FASE TRÊS: GESTÃO DE PESSOAS 5.1 DESENVOLVIMENTO DAS COMPETÊNCIAS Um sistema moderno de gestão de pessoas deve estar alinhado às necessidades organizacionais, considerando as competências essenciais, as estratégias de negócio, os valores e a qualificação profissional, bem como a instituição de um sistema estratégico de remuneração, para que seja um grande diferencial na condução das competências, em particular as competências essenciais. As organizações estão percebendo que as pessoas têm talentos e que merecem atenção. Exigem que a gestão de pessoas se torne fundamental no gerenciamento estratégico, assim como o capital e a tecnologia. Desse modo, o talento das pessoas tem-se tornado fator estratégico cada vez mais relevante à determinação do sucesso das organizações ao longo do tempo, pois as pessoas bem preparadas e em número sempre maior serão necessárias para enfrentar os desafios emergentes e maximizar o aproveitamento das oportunidades geradas pelas transformações do mercado. Na gestão de pessoas, uma das metas importantes é a contratação de colaboradores com capacidade e talento, formatando ou adequando processos de seleção e avaliação do desempenho com as competências de que a organização realmente precisa e facilitando assim o processo de adaptação deles. Conforme O Reilly (2000, p. 21): Pessoas notáveis preferem trabalhar em lugares onde realmente tenham oportunidade de usar seus talentos, onde sejam tratadas com dignidade, confiança, respeito, e onde se sintam instigadas pelos valores e pela cultura da organização. Dessa forma, se as organizações souberem gerenciar melhor as pessoas, suas competências e seus talentos, deixando claro o que se espera delas, as mudanças necessárias serão mais rápidas e receptíveis, com uma boa noção do novo direcionamento. As organizações inteligentes reconhecem a força das pessoas e trabalham de forma integrada, mantendo o equilíbrio. Em termos de competências, essas organizações concentram-se em fazer o que sabem executar melhor com apoio de seus talentos internos. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

21 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 21 Um processo contínuo de mudanças faz parte do dia-a-dia das organizações, e assim se torna necessário o monitoramento das ações e dos objetivos e estratégias planejadas. 5.2 PAPEL DO GESTOR De acordo com Harrison (2005, p. 88): Os líderes desempenham um papel essencial na criação de um ambiente no qual os funcionários questionam as suposições, entendam a interdependência, vejam a importância estratégica de suas ações e tenham poder para conduzir a si próprios. Nesse momento de transformação, os gestores deverão pensar em soluções mais rápidas e criativas, evoluindo para um modelo de gestão mais eficaz e capaz de atender às estruturas mais enxutas, flexíveis e com maior autonomia das pessoas. O novo papel do gestor nas organizações é o de desenvolver pessoas e atuar como orientador ou educador. Com essa prática, o gestor adota um novo papel de apoiador, facilitador e estimulador das pessoas ou grupos, para serem mais autônomas, capazes de melhor analisar os problemas, as necessidades e as competências necessárias a serem desenvolvidas. Tal prática também acaba auxiliando o próprio gestor na definição dos limites e responsabilidades de seu papel, mantendo clareza, solidez e flexibilidade. O gestor deverá desenvolver as competências gerenciais, focalizadas na forma de articular e conduzir as estratégicas e recursos do negócio, nos resultados, nas decisões e soluções, principalmente na valorização das pessoas, sendo capaz de desenvolvê-las e conduzi-las ao desempenho superior desejado. Suas atitudes proativas refletirão nos negócios, estratégias e nas pessoas da organização. A capacidade de o gestor obter um desempenho extraordinário das pessoas e de utilizar o talentos delas será muito significativo em relação ao comprometimento com os valores essenciais, com os investimentos e processos de desenvolvimento definidos e com o objetivo de transformar as estratégias em resultados competitivos. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

22 22 Gestão Estratégica de Pessoas... 6 FASE QUATRO: IDENTIFICAÇÃO DE TALENTOS No Brasil, a competição por talentos ou pessoas altamente capacitadas está cada vez mais acirrada. Na realidade, enfrenta-se uma situação muito maior do que se imagina, pois a escassez de pessoas qualificadas e talentosas é causada pelas deficiências do processo educacional básico no País e pela falta de visão de muitas organizações que não têm planejado os programas de capacitação e desenvolvimento e também não incentivam as pessoas a buscarem isso por conta própria. Assim, a qualificação profissional acaba comprometendo o futuro das pessoas, tendo elas seus espaços reduzidos dentro das organizações. Para a retenção de pessoas talentosas, não bastam estratégias que envolvam aumento salarial, benefícios, planos de previdência privada, etc. É preciso uma comunicação aberta e transparente, bem como o acompanhamento e valorização profissional, de modo que os colaboradores saibam que existem desafios e que serão capazes de vencê-los, tornando-se competitivos. Essas mudanças exigem um reposicionamento das organizações quanto à valorização das pessoas. Isso vale para todas as organizações, independente do foco do negócio, porque o fundamental passa a ser a qualificação das pessoas, de acordo com as necessidades. As crenças da organização devem ser esclarecidas, para que possam ser traduzidas em valores que se transformarão em realidade. Para Davenport (2001, p. 210), [...] é necessário comprometimento e envolvimento para unir as pessoas à empresa e manter o interesse delas em investir seu capital humano sem restrições. Os processos internos de aprendizagem levam as organizações a conhecerem muito das pessoas, seus projetos de vida, experiências e comportamentos, permitindo a identificação dos valores básicos, como integridade, honestidade, respeito e ética, inclusive das competências esperadas, as quais permitirão o crescimento profissional e novos desafios para o alcance dos resultados. Os gestores, por meio de sistemas e métodos alinhados, devem observar e analisar o comportamento dos colaboradores que têm desempenho superior, percebendo suas capacidades e talentos, bem como o que os diferencia dos demais na agregação de valores. Definir as competências essenciais e organizacionais como fontes da vantagem competitiva e conseguir percebê-las no comportamento dos colaboradores significa conhecer seu capital intelectual e acreditar que as mudanças necessárias serão bem conduzidas por profissionais qualificados. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

23 Edelcio Pedro Jacomassi e Marcia Drachinsky Jacomassi 23 7 FASE CINCO: ANÁLISE DO DESEMPENHO Segundo Becker (2001, p. 167), [...] o desempenho humano estratégico nas organizações é função de três elementos inter-relacionados: habilidades, motivação e foco estratégico dos empregados. Dessa maneira, a vantagem competitiva será conquistada por meio de uma gestão flexível capaz de alinhar os esforços individuais e as estratégias organizacionais. Esse alinhamento pode ser traduzido pela forma de atuação no processo de aprendizagem, em que as pessoas mais qualificadas transferem seus conhecimentos para outras do grupo fazerem uso desses recursos, atingindo os resultados esperados. É preciso uma atenção especial no comportamento e nos resultados dos colaboradores, pois eles sabem o que se espera deles e, quando são muito qualificados, sabem que são responsáveis pelo futuro sucesso, inclusive pelo desenvolvimento pessoal e profissional. Dessa forma, quando se tratar de trabalho em grupo deverá ficar claro o planejamento, bem como a rotatividade nas tarefas, para que cada um tenha seu papel fundamental de contribuição. Para maiores desafios e conquistas, as pessoas devem elaborar um projeto de vida de curto, médio e longo prazos, identificando os principais objetivos profissionais, pessoais, relacionamentos com familiares e a comunidade, conquistas materiais, atividades físicas e religiosas, etc. 8 FASE SEIS: POLÍTICAS DE RETENÇÃO 8.1 REMUNERAÇÃO E BENEFÍCIOS Para Wood Jr. (1999, p. 95), [...] é essencial estabelecer princípios centrais de remuneração, alinhados com os objetivos estratégicos da empresa e focalizar os comportamentos necessários para seu atendimento. A gestão de recursos humanos deverá desenvolver um sistema estratégico de remuneração, configurado com os valores, a cultura, as metas estratégicas da organização e, principalmente, capaz de atrair e reter pessoas talentosas e qualificadas, de acordo com as competências necessárias. Adm. de Emp. em Revista, Curitiba, n. 5, p. 9-29, 2006.

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br

Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Aula 1 Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br Contrato Pedagógico Presença e horários Bibliografia e material de apoio Avaliações e trabalhos Metodologia das aulas - Aulas expositivas

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO

18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO 18º Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DE PESSOAS E SUAS RELAÇÕES COM A ESTRATÉGIA ORGANIZACIONAL: UM ESTUDO EXPLORATIVO Autor(es) ALINE MOREIRA Orientador(es) ARSÊNIO FIRMINO DE NOVAES NETTO Apoio

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento e do Capital Intelectual Anhanguera Educacional Unidade FACNET Curso: MBA em Gestão de Pessoas Disciplina: Aula 01 08/02/2014 Professor: Rodrigo Porto Agenda 1º encontro 08/02/2014 Parte 1 Curso e Apresentações

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC)

Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gestão da Estratégia com uso do BSC Conteúdo para impressão Módulo 3: O Metódo Balance Scorecard (BSC) Brasília 2014

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas

Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Aula 12 Tecnologia da Informação e a Gestão de Pessoas Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você compreenda melhor a relação da área de recursos humanos com a tecnologia da

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES

NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES NOSSOS PRINCÍPIOS ORIENTADORES Por cerca de 50 anos, a série Boletim Verde descreve como a John Deere conduz os negócios e coloca seus valores em prática. Os boletins eram guias para os julgamentos e as

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT

K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT K & M KNOWLEDGE & MANAGEMENT Conhecimento para a ação em organizações vivas CONHECIMENTO O ativo intangível que fundamenta a realização dos seus sonhos e aspirações empresariais. NOSSO NEGÓCIO EDUCAÇÃO

Leia mais

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo

um RH estratégico para hoje e para o futuro Construindo Construindo um RH estratégico para hoje e para o futuro ado o crescente foco executivo no capital humano, o RH tem uma oportunidade sem precedentes de se posicionar como um verdadeiro parceiro estratégico

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC

Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard - BSC 0 Unidade: A era da informação O Balanced Scordecard BSC 1. INTRODUÇÃO: O MUNDO DO TRABALHO CONTEMPORÂNEO O mundo do trabalho vem passando por constantes

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Administração

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr.

UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. UTILIZANDO O BALANCED SCORECARD PARA GERENCIAR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. JOSÉILTON SILVEIRA DA ROCHA MS.c 1 PAULO MAURICIO SELIG Dr. 1 UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA JSROCHA@EPS.UFSC.BR UFSC UNIVERSIDADE

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br

Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br BENEFÍCIOS SOCIAIS: um modelo para retenção de talentos Autor(a): Cicera Aparecida da Silva Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email: aparecidasilva@pe.senac.br Introdução Este artigo aborda

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: TMBAGCH*14/02 Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição

Leia mais

Escola de Engenharia

Escola de Engenharia Unidade Universitária: Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Gestão em Recursos Humanos Professor(es): Roberto Pallesi Carga horária: 4hs/aula por semana Escola de Engenharia DRT: 1140127 Código da

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca

componentes e fatores condicionantes Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos Glaucia Falcone Fonseca Modelo de Gestão de Pessoas: definição, elementos componentes e fatores condicionantes Glaucia Falcone Fonseca Nos dias de hoje, em todas as organizações, seja ela voltada para serviços, ramo industrial

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos

Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos RH 2020: Valor e Inovação Proposta de Valor aos Empregados (EVP) como direcionador estratégico de Recursos Humanos Glaucy Bocci 7 de maio de 2015, São Paulo Agenda Contexto O valor estratégico da EVP Pesquisa

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Profª. ANA LÍGIA NUNES FINAMOR Doutora - Universidade de Leon Espanha Mestre - Universidade do Estado de Santa Catarina SIGA: TMBAGEP*14/05 2. FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento

Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento Como implementar a estratégia usando Remuneração e Reconhecimento De Luís Cláudio S. Pinho As organizações buscam continuamente gerar valor para maximizar a riqueza no longo prazo e, conseqüentemente,

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES

II. NOSSA MISSÃO, VISÃO E VALORES I. NOSSA HISTÓRIA A história da Crescimentum começou em 2003, quando o então executivo do Grupo Santander, Arthur Diniz, decidiu jogar tudo para o alto e investir em uma nova carreira. Ele optou por se

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Aula 14 Indicadores de desempenho em gestão do capital humano

Aula 14 Indicadores de desempenho em gestão do capital humano Aula 14 Indicadores de desempenho em gestão do capital humano Objetivos da aula: Os objetivos desta aula visam fazer com que você adquira alguns indicadores de desempenho em gestão do capital humano. Ao

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

Aula 08 Programas de Treinamento

Aula 08 Programas de Treinamento Aula 08 Programas de Treinamento Objetivos da aula: Conhecer os programas de desenvolvimento e métodos de treinamento utilizados nas empresas como sua política e prática de Recursos Humanos. Compreender

Leia mais

MBA Executivo FranklinCovey

MBA Executivo FranklinCovey MBA Executivo FranklinCovey LIDERANÇA E GESTÃO ORGANIZACIONAL PRODUTIVIDADE E EXECUÇÃO FranklinCovey Internacional A FranklinCovey é líder global no treinamento em eficácia, em ferramentas de produtividade

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

09/07/2013. Apresenta

09/07/2013. Apresenta Apresenta 1 por Diana Santos 2 Muitos estudos sobre políticas de gestão de pessoas com vistas a melhorar o desempenho dos colaboradores; Durante toda existência humana, as equipes constituíram a forma

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências?

Como m a n a d n am a m a s a m i m n i h n a h s a Competências? Como andam as minhas Competências? R&S Por que? O sucesso das organizações modernas está diretamente ligado à inteligência que elas detêm TALENTOS Detectar, atrair, reter e desenvolver talentos são funções

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

O EMPREENDEDOR INTERNO

O EMPREENDEDOR INTERNO Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Centro de Ciências da Comunicação.: Habilitação Relações Públicas Seminário Avançado em Relações Públicas Poliana dos Santos Fraga O EMPREENDEDOR INTERNO

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011

www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 www.pwc.com Os Avanços da Gestão Pública no Brasil Os Desafios para a Gestão de Pessoas Novembro de 2011 Agenda 1. Demanda por profissionais e a estratégia de gestão de pessoas 2. Gestão de pessoas tendências

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa.

Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Aula 15 O desenvolvimento das pessoas e a Educação Corporativa. Objetivos da aula: Conhecer uma nova área que está surgindo no mercado empresarial e que irá prover inúmeras melhorias no desenvolvimento

Leia mais

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO

LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO LIDERANÇA & GESTÃO DE PESSOAS 12 DESAFIOS, 3 FERRAMENTAS E UMA DECISÃO INTRODUÇÃO O setor de RH deve ser extinto. Ram Charan em artigo na Harvard Business Review Você concorda? OBJETIVOS DESTE WORKSHOP

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança

Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Os Sete Níveis de Consciência da Liderança Existem sete níveis bem definidos de liderança, que correspondem aos sete níveis de consciência organizacional. Cada nível de liderança se relaciona com a satisfação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira²

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UM ESTUDO SOBRE UM MELHOR APROVEITAMENTO DO GESTOR NA ORGANIZAÇÃO BRANDI, Vanessa da Silva Pires¹ NUNES, Ruth Vieira² RESUMO O mundo tem passado por constantes mudanças, que têm

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo

Estratégia como fator de Competitividade. Resumo Estratégia como fator de Competitividade Autora: Claryce Barros Santos Resumo Em meio à variabilidade de processos organizacionais a estratégia surge como ferramenta crucial nas organizações. O presente

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. conceitos, processos, metodologias e ferramentas de gestão empresarial.

1. INTRODUÇÃO. conceitos, processos, metodologias e ferramentas de gestão empresarial. 1. INTRODUÇÃO As instituições empresariais no contexto atual requerem uma liderança Corporativa profundamente comprometida com seus princípios e valores e uma gestão institucional moderna que permite maior

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL. com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS PÓS - GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL com ênfase em DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAS SIGA: TMBAGE Av. Conselheiro Nébias, 159 Bairro Paquetá Santos SP - CEP 11015-001 -

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Novo Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo e as empresas

Leia mais

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br

Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br Formar LÍDERES e equipes. Atrair e reter TALENTOS. www.grupovalure.com.br www.grupovalure.com.br Estes são alguns dos grandes desafios da atualidade no mundo profissional e o nosso objetivo é contribuir

Leia mais

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização:

AGENDA. 5ª Edição. Hotel Staybridge. Realização: AGENDA 5ª Edição D? 06 de Maio de 2015 Hotel Staybridge Realização: w w w.c o r p b us i n e s s.c o m.b r Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO C GESTÃO DE PESSOAS: DESAFIOS

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

COMO FORMAR UMA EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE EM UM ANO DESAFIADOR O PAPEL DO LÍDER INSPIRADOR

COMO FORMAR UMA EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE EM UM ANO DESAFIADOR O PAPEL DO LÍDER INSPIRADOR COMO FORMAR UMA EQUIPE DE ALTA PERFORMANCE EM UM ANO DESAFIADOR O PAPEL DO LÍDER INSPIRADOR DANIELA BERTOLDO Formada em Administração de Empresas com especialização em Instituições financeiras MBA em Gestão

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais