MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares Versão 01

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares Versão 01"

Transcrição

1 SECRETARIA EXECUTIVA /SE/MEC Orientações Suplementares Versão 01 Elaboração do Relatório de Gestão 2015

2

3 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante SECRETÁRIO EXECUTIVO Luiz Cláudio Costa SUBSECRETÁRIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO Iara Ferreira Pinheiro COORDENADOR-GERAL DE FINANÇAS Waslei José da Silva COORDENAÇÃO DE PROGRAMAÇÃO E ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO João Paulo Nunes Danillo Teixeira de Souza Adalton Rocha de Matos Edilson José da Rocha Humberto Parente de Carvalho Wesley Washington Lourenço Figueredo Esplanada dos Ministérios, Bloco L Edifício Anexo ao Ministério da Educação, Anexo I, 1º andar Brasília DF Permitida a reprodução total ou parcial desta publicação deste que citada a fonte. Versão

4

5 SUMÁRIO Apresentação Observações Iniciais Execução Física e Financeira das Ações da Lei Orçamentária Anual de Responsabilidade da Unidade OFSS (item 4.3.2, Portaria TCU 321/2015) Quadro Ações de Relacionadas a Programa Temático do PPA de Responsabilidade da UPC OFSS Quadro Ação/Subtítulos OFSS Quadro Ações não Previstas LOA do exercício - Restos a Pagar OFSS Análise Situacional Execução da Despesa (item 4.3.4, Portaria TCU 321/2015) Execução da Despesa por Modalidade de Contratação Execução da Despesa por Grupo e Elemento de Despesa Análise crítica da realização da despesa Restos a pagar de exercícios anteriores (item 4.3.6, Portaria TCU 321/2015) Análise crítica Execução descentralizada com transferência de recursos (item 4.3.7, Portaria TCU 321/2015) Informações sobre Sistemática de apuração de custos no âmbito da unidade (itens 7.4, Portaria TCU 321/2015) Observações Finais Legislação Anexo I Algumas dicas sobre operacionalização do Tesouro Gerencial para fins de elaboração do Relatório de Gestão

6

7 Lista dos Quadros de apoio à elaboração do Relatório de Gestão 2015 (disponibilizados pelo TCU) abordados por este manual Quadro Ações de Relacionadas a Programa Temático do PPA de Responsabilidade da UPC OFSS Quadro Ação/Subtítulos OFSS Quadro Ações não Previstas LOA do exercício - Restos a Pagar - OFSS Quadro Despesas por Modalidade de Contratação Quadro Despesas por Grupo e Elemento de Despesa Quadro Restos a pagar inscritos em exercícios anteriores... 32

8

9 Apresentação A previsão constitucional do instituto de prestação de contas (art. 70 CF/88) dá a exata dimensão de sua importância, representando um dos principais instrumentos de accountability do uso de recursos públicos junto à sociedade. A boa gestão de recursos públicos pressupõe não apenas a conformidade dos procedimentos adotados com a lei, mas também a eficácia, eficiência e efetividade das ações, cabendo, por conseguinte, à prestação de contas evidenciar sob tais aspectos a gestão realizada. Nesse sentido, considerando que a prestação de contas dos gestores públicos deve conter elementos e demonstrativos que evidenciem a regular aplicação dos recursos públicos, o Tribunal de Contas da União (TCU) estabeleceu a obrigatoriedade da elaboração do Relatório de Gestão, peça que tem sido fundamental para o desenvolvimento do accountability no âmbito da Administração Pública Federal brasileira, contribuindo para o controle da conformidade e do desempenho da gestão e para o aperfeiçoamento da gestão pública. O Relatório de Gestão abrange documentos, informações e demonstrativos de natureza contábil, financeira, orçamentária, operacional ou patrimonial, sendo organizado de forma a permitir uma visão sistêmica do desempenho e da conformidade da gestão dos responsáveis por uma ou mais unidades jurisdicionadas (UJ) durante um exercício financeiro. A partir de 2015 o Relatório de Gestão e as informações suplementares relativas às contas do exercício terão os trâmites realizados exclusivamente no Sistema de Prestação de Contas (e-contas), disponibilizado pelo TCU. A operacionalização do sistema foi normatizada pela Portaria TCU nº 321, de 30 de novembro de 2015, que, além de dispor sobre a operacionalização do e-contas, trata também acerca das orientações às Unidades Prestadoras de Contas (UPC) para a elaboração do Relatório de Gestão e de informações suplementares referentes ao exercício de 2015, com base nas disposições da Decisão Normativa TCU 146, de 30 de setembro de Seguindo as disposições normativas estabelecidas na referida Portaria, quanto à elaboração dos conteúdos dos relatórios de gestão referentes ao exercício de 2015, este manual tem por objetivo auxiliar na construção do Relatório de Gestão 2015, quanto aos aspectos relacionados à gestão orçamentária e financeira da unidade, utilizando como ferramenta os sistemas Tesouro Gerencial e Siafi Gerencial, sistemas que possibilitam a obtenção de informações a partir de dados relativos à execução orçamentária, financeira, contábil e patrimonial coletados do Siafi Operacional. Os dados de 2014 são extraídos do Siafi Gerencial, enquanto os de 2015, do Tesouro Gerencial. 1 Dispõe acerca das unidades cujos dirigentes máximos devem apresentar relatório de gestão referente ao exercício de 2015, especificando a forma, os conteúdos e os prazos de apresentação Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 9

10 1 Observações Iniciais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Cabe destacar inicialmente que este manual, elaborado em consonância com a legislação pertinente, tem caráter orientador e não exime a unidade da leitura, na íntegra, dos normativos que regem a apresentação do Relatório de Gestão, disponibilizados no site do TCU, no link: A respeito dos quadros a serem preenchidos, é imprescindível que seja feita uma análise crítica (textual) depois do preenchimento de cada quadro, com o intuito de acrescentar e/ou interpretar informações expressas nos quadros. Os quadros são padrões de referência para elaboração dos conteúdos do Relatório de Gestão, sendo que as unidades prestadoras de contas podem fazer ajustes em razão de suas especificidades e para melhor expressar os resultados da gestão. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Em relação aos quadros de Programas é importante frisar que somente para a Secretaria Executiva do Ministério da Educação existe a competência para elaboração de tais quadros não sendo, portanto, necessária a menção de tais informações nos relatórios das demais unidades vinculadas a este Ministério. No sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, a descrição dos campos (ver figura 1 abaixo). Para acessar o sistema e-contas o usuário deverá efetuar cadastro no site do TCU, no link Sistema de Prestação de Contas (e-contas). No intuito de esclarecer dúvidas sobre o Relatório de Gestão 2015, o TCU criou a Comunidade de Prestação de Contas, espaço criado para o debate e a troca de informações sobre as questões relevantes acerca da prestação de contas dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal. O acesso à Comunidade pode ser feito na página do TCU, utilizando-se a mesma senha do e-contas. Para fazer a inscrição, basta acessar a página https://contas.tcu.gov.br/avec/login/index.php e solicitar a inscrição no curso, com o código CONTAS. Caso surjam dúvidas sobre o acesso à comunidade, o TCU disponibilizou um tutorial no seu site. Para fins de elaboração do Relatório de Gestão 2015, o TCU, em seus atos normativos, deu preferência para o uso da nomenclatura Unidade Prestadora de Contas (UPC) em vez de Unidade Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 10

11 Jurisdicionada (UJ), terminologia adotada nos exercícios anteriores. Porém, ambas se referem ao termo Unidade Jurisdicionada prestadora de contas. Neste manual, seguindo a diretriz dada pelo TCU, adotaremos, preferencialmente, a nomenclatura UPC. Figura 1: e-contas acesso às Orientações sobre a elaboração do conteúdo Conforme ilustra a figura 1, o usuário pode ter acesso às Orientações sobre a elaboração do conteúdo no símbolo. Nas setas (destacadas no retângulos azuis), podem ser detalhados os subitens que compõem as seções do Relatório de Gestão. Ao final deste manual foi incluído um Anexo com algumas dicas sobre operacionalização do Tesouro Gerencial, para fins de extração das informações referentes ao Relatório de Gestão Sempre que aparecer, neste manual, uma caixa de texto semelhante a esta, contendo o logotipo do Tesouro Gerencial (à esquerda), haverá uma informação relevante acerca dos relatórios disponíveis no sistema para preenchimento dos quadros do Relatório de Gestão Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 11

12 2 Execução Física e Financeira das Ações da Lei Orçamentária Anual de Responsabilidade da Unidade OFSS (item 4.3.2, Portaria TCU 321/2015) Este item, que abrange dois quadros, deve ser elaborado dentro da Seção PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL E DESEMPENHOS ORÇAMENTÁRIO E OPERACIONAL do Relatório de Gestão 2015 e tem por objetivo oferecer informações sobre o desempenho da UPC na execução das ações fixadas na Lei Orçamentária Anual LOA. Devem ser tratadas de forma individual somente as ações da LOA vinculadas aos programas temáticos estabelecidos no PPA. Não há necessidade de tratamento das ações vinculadas a Programas de Operações Especiais e de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado. São Programas Temáticos do Ministério da Educação, de acordo com o PPA , os seguintes: 2030 Educação Básica; Educação Profissional e Tecnológica; e Educação Superior - Graduação, Pós- Graduação, Ensino, Pesquisa e Extensão. Os quadros a seguir podem ser utilizados pela UPC para demonstrar as informações sobre a execução das ações, sem prejuízo de serem adotadas outras abordagens que a UPC julgue relevantes. No sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, a descrição dos campos, conforme figura 2 abaixo. Figura 2: Localização das Orientações sobre a elaboração do conteúdo do subitem Execução física e financeira das ações da Lei Orçamentária Anual de responsabilidade da unidade Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 12

13 2.1 Quadro Ações de Relacionadas a Programa Temático do PPA de Responsabilidade da UPC OFSS Este quadro deve ser preenchido apenas se a UPC executar a integralidade dos valores referentes à ação. Ou seja, caso a UPC não tenha a seu cargo a execução da integralidade dos valores consignados à ação, mas apenas a um ou mais subtítulos dessa, deve se basear no quadro do próximo tópico, identificado aqui como Quadro Ação/Subtítulos OFSS Os restos a pagar referentes a ações que, na Lei Orçamentária 2015, tenham sofrido alteração em sua identificação, título ou código, devem ser consignados em quadro específico (Ações não Previstas LOA do exercício Restos a Pagar OFSS subitem 2.3 deste manual), o qual remete apenas aos campos referentes à Identificação da Ação e Restos a Pagar Não processados Exercícios Anteriores. Este quadro dispõe sobre as dimensões física e financeira da execução da ação, considerando, inclusive, os valores executados a título de restos a pagar no decorrer do exercício, em razão da significância que tal dado tem atingido para demonstração dos resultados gerados pela gestão. Como observado acima, o preenchimento do quadro a seguir deverá ser feito apenas se a unidade possui ação exclusiva no âmbito de sua unidade, ou seja, que não seja executada ou que não esteja em LOA em outra unidade. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 13

14 Quadro Ações de Relacionadas a Programa Temático do PPA de Responsabilidade da UPC OFSS Identificação da Ação Código Título Iniciativa Objetivo Código: Tipo: Programa Código: Tipo: Unidade Orçamentária Ação Prioritária ( ) Sim ( )Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras Lei Orçamentária 2015 Execução Orçamentária e Financeira Dotação Despesa Restos a Pagar inscritos 2015 Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados Descrição da meta Execução Física Unidade de medida Montante Previsto Reprogramado Realizado Valor em 1/1/2015 Execução Orçamentária e Financeira Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores Valor Liquidado Valor Cancelado Descrição da Meta Execução Física - Metas Unidade de medida Realizada Para consultar os dados referentes a este Quadro, a SPO disponibilizou consultas pré-formatadas em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome do Relatório: Ações Relacionadas a Programa Temático Para preenchimento da coluna Restos a Pagar inscritos 2015 deve ser utilizado o Tesouro Gerencial Já para a coluna Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores deve ser utilizado o Tesouro Gerencial Em ambos os anos (2016 e 2015), no Tesouro Gerencial, deverá ser seguido o mesmo caminho de pastas no sistema (ver caixa de texto acima) Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 14

15 Abaixo destacamos observações quanto ao preenchimento de alguns campos: 1. Valor em 1/1/2015: Montante de recursos inscritos em restos a pagar em exercícios anteriores. Inclui a soma dos montantes de restos a pagar não processados inscritos e reinscritos. A fim de facilitar o preenchimento do Valor em 1/1/2015, no relatório respectivo a este quadro, elaborado por esta SPO/MEC no Tesouro Gerencial, foi incluída uma coluna que contempla essa soma, com o nome Restos a Pagar Não processados Valor em 1/1/ Valor Liquidado: Montante dos valores de restos a pagar não processados liquidados no decorrer do exercício de referência do relatório de gestão. No relatório do Tesouro Gerencial correspondente a este quadro, o Valor Liquidado referente aos Restos a Pagar não Processados de exercícios anteriores corresponde à coluna RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS. 2.2 Quadro Ação/Subtítulos OFSS Conforme já mencionado anteriormente, as informações constantes deste quadro (Ações/Subtítulos OFSS) somente devem ser elaboradas nos casos em que a UPC seja responsável apenas por um ou mais subtítulos da ação. Se a UPC foi responsável por executar integralmente a ação, deve utilizar o quadro anterior. A diferença deste quadro em relação ao anterior está nos subtítulos da ação, que devem ser evidenciados pelo seu número. Os subtítulos são utilizados especialmente para identificar a localização física da ação orçamentária. A localização do gasto pode ter abrangência nacional, no exterior, por região, por estado ou município. Para cada subtítulo diferente deverá ser informada uma linha distinta no Quadro. Na maioria dos casos, as ações executadas pelas unidades vinculadas ao MEC são compartilhadas, ou seja, a unidade executa apenas parte do recurso daquela ação. Nesse caso, deverá preencher o quadro Ação/Subtítulos OFSS, conforme transcrito abaixo. Quanto ao campo Nº de Subtítulo/Localizador, deve ser informado o número do subtítulo da ação, conforme disposto na LOA 2015, e a denominação do localizador. O número do localizador Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 15

16 corresponde aos quatro últimos dígitos do código da Funcional Programática (ou seja, o atributo Programa de Trabalho no Tesouro Gerencial). Ex: 0028-Sergipe. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Código Descrição Iniciativa Objetivo Quadro Ação/Subtítulos OFSS Identificação da Ação Código: Tipo: Programa Código: Tipo: Unidade Orçamentária Ação Prioritária ( ) Sim ( )Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( ) Outras Nº do subtítulo/ Localizador Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e Financeira Dotação Despesa Restos a Pagar inscritos 2015 Inicial Final Empenhada Liquidada Paga Processados Não Processados Nº do subtítulo/ Localizador 0 0 Nº do subtítulo/ Localizador 0 0 Descrição da meta Execução Física da Ação - Metas Unidade de medida Previsto Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores Execução Orçamentária e Financeira Valor em 01/01/2015 Valor Liquidado Valor Cancelado Descrição da Meta Montante Reprogramado (*) Realizado Execução Física - Metas Unidade de medida Realizada Para consultar os dados referentes a este Quadro, a SPO disponibilizou consultas préformatadas em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome do Relatório: Ação/Subtítulos OFSS Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 16

17 Para preenchimento da coluna Restos a Pagar inscritos 2015 deve ser utilizado o Tesouro Gerencial Já para a coluna Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores deve ser utilizado o Tesouro Gerencial Em ambos os anos (2016 e 2015), no Tesouro Gerencial, deverá ser seguido o mesmo caminho de pastas no sistema (ver caixa de texto acima) Os restos a pagar referentes a ações que, na Lei Orçamentária 2015, tenham sofrido alteração em sua identificação, título ou código, devem ser consignados em quadro específico (Quadro Ações não previstas na LOA 2015 Restos a Pagar OFSS), o qual remete apenas aos campos referentes à Identificação da Ação e Restos a Pagar Não processados Exercícios Anteriores. Abaixo destacamos observações quanto ao preenchimento de alguns campos: 1. Valor em 1/1/2015: Montante de recursos inscritos em restos a pagar em exercícios anteriores. Inclui a soma dos montantes de restos a pagar não processados inscritos e reinscritos. A fim de facilitar o preenchimento do Valor em 1/1/2015, no relatório respectivo a este quadro, elaborado por esta SPO/MEC no Tesouro Gerencial, foi incluída uma coluna que contempla essa soma, com o nome Restos a Pagar Não processados Valor em 1/1/ Valor Liquidado: Montante dos valores de restos a pagar não processados liquidados no decorrer do exercício de referência do relatório de gestão. No relatório do Tesouro Gerencial correspondente a este quadro, o Valor Liquidado referente aos Restos a Pagar não Processados de exercícios anteriores corresponde à coluna RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS. 2.3 Quadro Ações não Previstas LOA do exercício - Restos a Pagar OFSS Este quadro somente deverá ser preenchido se a UPC tiver executado no exercício e a título de restos a pagar não processados, ações não mais previstas na LOA do exercício de referência do relatório, isto é, se ela tiver executado recursos de RP Não Processados, em 2015, de ações que já não mais existam, ou seja, que não estavam na LOA Este quadro aplica-se, também, para o caso dos restos Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 17

18 a pagar referentes a ações que, na Lei Orçamentária 2015, tenham sofrido alteração em sua identificação, título ou código. A UPC poderá, em texto explicativo do quadro, informar a nova denominação da ação no exercício do relatório de gestão, caso existente, bem como explicitar se a ação atual resulta da fusão de outras ações consignadas em leis orçamentárias anteriores. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Código Título Iniciativa Objetivo Quadro Ações não Previstas LOA do exercício - Restos a Pagar - OFSS Identificação da Ação Código: Tipo: Programa Código: Tipo: Unidade Orçamentária Ação Prioritária ( ) Sim ( )Não Caso positivo: ( )PAC ( ) Brasil sem Miséria ( )Outras Valor em 01/01/ Execução Orçamentária e Financeira Restos a Pagar Não processados - Exercícios Anteriores Valor Liquidado Valor Cancelado Descrição da Meta Execução Física - Meta Unidade de medida Realizado Para consultar os dados referentes a este Quadro a SPO disponibilizou consultas préformatadas em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome do Relatório: Ações não Previstas LOA do exercício - Restos a Pagar - OFSS No Relatório criado no Tesouro Gerencial, para efeito de identificar as ações que constarão neste quadro, deverão ser consideradas apenas aquelas ações em que não apareçam valores para a dotação inicial e/ou atualizada, mas que, por outro lado, constem valores em uma ou mais colunas referentes aos restos a pagar não processados. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 18

19 Cabe destacar novamente que o campo Valor em 01/1/2015 se refere ao montante de recursos inscritos em restos a pagar em exercícios anteriores, isto é, corresponde à soma dos montantes de restos a pagar não processados inscritos e reinscritos. A fim de facilitar o preenchimento do Valor em 1/1/2015, no relatório respectivo a este quadro, elaborado por esta SPO/MEC no Tesouro Gerencial, foi incluída uma coluna que contempla essa soma, com o nome Restos a Pagar Não processados Valor em 1/1/2015. Perceba que até esse ponto, isto é, depois de preenchidos os três quadros descritos anteriormente, todas as ações que foram executadas sob responsabilidade da UPC, quer sejam do exercício ou de restos a pagar, deverão ter sido relacionadas em um dos quadros. Apenas ações de restos a pagar com execução não representativa frente a outras ações executadas pela UPC, podem ser referenciadas em conjunto no texto do relatório, não precisando ser consignadas em quadro específico. Lembramos que, conforme explicitado anteriormente, somente as ações da LOA vinculadas aos programas temáticos estabelecidos no PPA Não há necessidade de tratamento das ações vinculadas a Programas de Operações Especiais e de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado. São Programas Temáticos do Ministério da Educação, de acordo com o PPA , os seguintes: 2030 Educação Básica; Educação Profissional e Tecnológica; e Educação Superior - Graduação, Pós-Graduação, Ensino, Pesquisa e Extensão. 2.4 Análise Situacional Após preenchimento dos 3 quadros acima (correspondentes aos subitens 2.1, 2.2 e 2.3 deste manual), a UPC deverá fazer análise da execução de forma individualizada ou para o conjunto das ações, conforme discriminado pelo documento normativo do TCU, constante no sistema e-contas. Lembramos que no sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, observações quanto à Análise Situacional. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 19

20 3 Execução da Despesa (item 4.3.4, Portaria TCU 321/2015) Este item tem por objetivo demonstrar, de forma sucinta e gerencial, sobre a execução das despesas pela UPC. Diferentemente do exercício de 2014, no Relatório de Gestão 2015 não deverá haver a segregação entre a execução da despesa feita com créditos recebidos da LOA e os créditos recebidos por movimentação. Ou seja, não há necessidade de distinguir a execução das despesas com base na origem do crédito orçamentário (originário ou recebido por transferências internas e externas). É relevante demonstrar a evolução das rubricas ao longo do tempo. Por isso, a UPC deve incluir informações sobre o exercício de referência do relatório de gestão e sobre o exercício imediatamente anterior, fazendo análise sobre as oscilações significativas de valores. A execução das despesas deve ser demonstrada pelo menos sob duas perspectivas: por modalidade de licitação ou contratação e por grupo e elemento de despesa, de acordo com os quadros transcritos a seguir. No sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, a descrição dos campos, conforme figura 4 abaixo. Figura 4: Localização das Orientações sobre a elaboração do conteúdo do subitem Execução da Despesa Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 20

21 3.1 Execução da Despesa por Modalidade de Contratação O quadro a seguir pode ser utilizado para demonstrar a execução da despesa na perspectiva das modalidades de contratação e deve ser elaborado considerando a totalidade dos recursos da(s) unidade(s) orçamentária(s) UO, mesmo que a unidade prestadora da conta UPC não seja responsável pela totalidade de sua execução direta. O quadro contempla informações dos exercícios e contém duas colunas com informações sobre a Despesa Liquidada e a Despesa Paga. Cada uma delas representando os dois últimos exercícios (2015 e 2014), para expressar a evolução dos valores. As linhas, por sua vez, discriminam as despesas por modalidade de contratação, divididas em grupos totalizadores: 1. Grupo totalizador Licitação : encontra-se o Convite, a Tomada de Preços, a Concorrência, o Pregão, o Concurso, a Consulta e o Regime Diferenciado de Contratações Públicas; 2. Grupo Contratações Diretas : estão a Inexigibilidade e a Dispensa. No grupo Regime de Execução Especial está o Suprimento de Fundos, 3. Grupo Pagamento de Pessoal : encontra-se o pagamento de Pessoal por meio de Folha de Pagamento ou de Diárias. 4. Grupo totalizador denominado Outros : são consideradas as despesas que não se enquadrarem nos itens anteriores. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Quadro Despesas por Modalidade de Contratação Despesa Liquidada Despesa paga Modalidade de Contratação Modalidade de Licitação (a+b+c+d+e+f+g) a) Convite b) Tomada de Preços c) Concorrência d) Pregão e) Concurso f) Consulta g) Regime Diferenciado de Contratações Públicas 2. Contratações Diretas (h+i) h) Dispensa i) Inexigibilidade 3. Regime de Execução Especial j) Suprimento de Fundos 4. Pagamento de Pessoal (k+l) k) Pagamento em Folha l) Diárias 5. Outros 6. Total ( ) Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 21

22 Para consultar os dados referentes a 2015 a SPO disponibilizou duas consultas préformatada em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome dos Relatórios: 1. Para extração de informações sobre todas as modalidades, exceto pessoal: Despesas por Modalidade de Contratação Exceto 08 Não se aplica 2. Pessoal: Despesas por Modalidade de Contratação Somente 08 Não se aplica Para extrair as informações de 2014, deverá ser utilizado o Siafi Gerencial, seguindo os seguintes passos: PARÂMETROS DA 1ª CONSULTA: No MENU Contexto, campo Grupo: EXEC NE SUBITEM. No campo Tipo de valor Selecionar: Saldo Atual No campo Filtro Parâmetro/Código ou Combinação Selecionar: - Mês de Referência: 14 (por que é o mês utilizado como ano fechado pelo Siafi) - Órgão da UG Executora: (código do órgão no Siafi 5 dígitos) Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 22

23 O Menu Apresentação: No campo Cabeçalho Nome do Parâmetro Selecionar: Mês de Referência, Tipo de Valor e Órgão da UG Executora. No campo Linha Selecionar: Modalidade de Licitação No campo Coluna Selecionar: Item de Informação Vejamos o resultado da pesquisa: O Quadro por Modalidade de Licitação tem uma peculiaridade não obtida na consulta anterior, o item, Pagamento de Pessoal. Dividido em dois itens: Pagamento em Folha e Diárias. Para extrair os dados referentes ao Pagamento de Pessoal deve-se detalhar o item Não se Aplica da Consulta acima, para isso basta alterar os dados do contexto, de acordo com os parâmetros descritos logo abaixo: Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 23

24 PARÂMETROS DA 2ª CONSULTA: No campo Filtro Parâmetro/Código ou Combinação Selecionar: - Mês de Referência: 14 (por que é o mês utilizado como ano fechado pelo Siafi) - Órgão da UG Executora: (código do órgão no Siafi 5 dígitos) - Modalidade de Licitação: 8 (o número se refere ao item Não se aplica, para consultar os números correspondentes basta consultar a lista de auxílio ao lado do filtro indicado pela seta ) O Menu Apresentação: No campo Cabeçalho Nome do Parâmetro Selecionar: Mês de Referência, Tipo de Valor e Órgão da UG Executora. No campo Linha Selecionar: Modalidade de Licitação e Natureza de Despesa Detalhada No campo Coluna Selecionar: Item de Informação Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 24

25 Dos dados gerados deverá ser extraído o somatório dos valores liquidados e pagos referente às Diárias e também dos pagamentos realizados a pessoal na folha segundo a Natureza de Despesa. O restante dos valores dos elementos será alocado no item Outros do Quadro. Contudo, se a linha outros tiver valor expressivo em relação ao contexto, deve-se explicar a composição do valor em texto complementar ao quadro. Não haverá, portanto, a Modalidade de Licitação Não se Aplica no Relatório de Gestão. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 25

26 3.2 Execução da Despesa por Grupo e Elemento de Despesa O quadro a seguir pode ser utilizado para demonstrar a execução da despesa de acordo com a classificação nos grupos e elementos de despesa, devendo dispor sobre a totalidade dos recursos consignados à UO da UPC. Compõe-se de quatro colunas com os seguintes campos: Despesa Empenhada, Despesa Liquidada, RP não processados e Valores Pagos. Cada coluna representa os dois últimos exercícios, de forma a demonstrar a evolução dos valores. As linhas, por sua vez, discriminam as despesas pelos três grupos da Despesa Corrente, quais sejam: 1 Despesas de Pessoal; 2 - Juros e Encargos da Dívida; 3 - Outras Despesas Correntes. Também são discriminados os três grupos da Despesa de Capital: 4 Investimentos; 5 Inversões Financeiras; e 6 Amortização da Dívida Cada grupo de despesa deve ter os elementos de despesas relacionados em ordem decrescente do montante empenhado no exercício de referência do relatório de gestão até o acumulado de 80% do valor executado no grupo de despesa (indicar o nome do elemento de despesa nas linhas), sendo que o restante (20% do valor executado em cada grupo) deve ser informado de forma consolidada, com o título da linha Demais elementos do grupo, que deve acumular todos os demais elementos de despesa do grupo. Para melhor apresentação do quadro, se a UPC não tiver execução em determinada categoria econômica ou grupo de despesa, deverá suprimir as linhas correspondentes a esse grupo e seus elementos de despesa. A UPC pode também optar por apresentar as informações das despesas correntes em quadro distinto das despesas de capital. No sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, a descrição dos campos. Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 26

27 Quadro Despesas por Grupo e Elemento de Despesa DESPESAS CORRENTES Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não processados Valores Pagos 1. Despesas de Pessoal Nome do elemento de despesa Demais elementos do grupo 2. Juros e Encargos da Dívida Nome do elemento de despesa Demais elementos do grupo 3. Outras Despesas Correntes Nome elemento de despesa Demais elementos do grupo DESPESAS DE CAPITAL Grupos de Despesa Empenhada Liquidada RP não Processados Valores Pagos 4. Investimentos Nome do elemento de despesa Demais elementos do grupo 5. Inversões Financeiras Nome do elemento de despesa Demais elementos do grupo 6. Amortização da Dívida Nome do elemento de despesa Demais elementos do grupo Para consultar os dados referentes a 2015 a SPO disponibilizou consulta préformatada em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome do Relatório: Despesas por Grupo e Elemento de Despesa Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 27

28 Para extrair as informações de 2014, deverá ser utilizado o Siafi Gerencial, seguindo os seguintes passos: PARÂMETROS DA CONSULTA: Informar no Menu Contexto o Grupo EXEC NE SUBITEM. No campo Tipo de valor Selecionar: Saldo Atual No campo Filtro Parâmetro/Código ou Combinação Selecionar: - Mês de Referência: 14 (por que é o mês utilizado como ano fechado pelo Siafi) - Unidade Orçamentária: (é colocado o código da Unidade Orçamentária) O Menu Apresentação: No campo Cabeçalho Nome do Parâmetro Selecionar: Mês de Referência, Tipo de Valor e Unidade Orçamentária. No campo Linha Selecionar: Grupo de Despesa e Elemento de Despesa No campo Coluna Selecionar: Item de Informação Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 28

29 Com o resultado da pesquisa em mãos ordene os valores, do maior para o menor, e preencha o quadro conforme orientações anteriores. A coluna de RP não Processados refere-se ao montante de recursos inscritos em restos a pagar não processados ao final dos exercícios de 2015 e Para extração desses dados deverão ser consideradas as seguintes instruções: a) Para a coluna de 2015, realizar a referida pesquisa no Tesouro Gerencial do ano de 2016 e considerar os valores da coluna RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS INSCRITOS ; b) Para a coluna de 2014, realizar a referida pesquisa no Tesouro Gerencial do ano de 2015 e considerar os valores da coluna RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS INSCRITOS. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 29

30 3.3 Análise crítica da realização da despesa Depois de preenchidos esses quadros, o gestor deverá realizar uma análise crítica da gestão da Execução Orçamentária de Créditos Originários da UPC analisando as seguintes questões: Alterações significativas ocorridas no exercício: Principais razões de alterações observadas na realização de despesa, tanto em relação aos montantes realizados por modalidade de licitação, quanto por grupo e elemento de despesa. Concentração de contratações realizadas via dispensa e inexigibilidade: Razões que determinaram as contratações em volumes significativos com base na dispensa e inexigibilidade. Contingenciamento no exercício: Efeitos na gestão orçamentária provocados pelas limitações de empenho e movimentação financeira ocorridas no exercício, destacando as consequências sobre os resultados planejados, bem como as razões que determinaram as escolhas sobre quais despesas as restrições recairiam. Eventos negativos ou positivos sobre a execução orçamentária: Relação de eventos internos e externos que prejudicaram ou facilitaram a execução orçamentária da UPC, tais como problemas de pessoal, licitações, licenciamento ambiental, tempestividade na liberação de recursos, etc., examinando ainda a permanência dos efeitos provocados por esses eventos para o exercício seguinte. Além dessas questões, o gestor poderá abordar em suas análises outras que considere relevantes para explanação do tema. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 30

31 4 Restos a pagar de exercícios anteriores (item 4.3.6, Portaria TCU 321/2015) Este item deve ser elaborado dentro da Seção PLANEJAMENTO ORGANIZACIONAL E DESEMPENHOS ORÇAMENTÁRIO E OPERACIONAL do relatório de gestão e tem por objetivo oferecer informações quantitativas e qualitativas sobre os Restos a Pagar (RP) inscritos em exercícios anteriores e vigentes no exercício de referência do relatório de gestão, de modo a permitir a análise da gestão e os impactos dessas despesas no exercício. As informações deste item poderão ser elaboradas com base no quadro a seguir, devendo a UPC apresentar também análise crítica de sua gestão sobre os restos a pagar. As informações do quadro referem-se aos restos a pagar, vigentes em 1º de janeiro de 2015, ou seja, inscritos em outros exercícios e que permaneceram válidos no início do exercício de No sistema e-contas foram disponibilizadas Orientações sobre a elaboração do conteúdo, representadas pelo símbolo, no qual é possível se ter acesso às instruções, elaboradas pelo próprio TCU, acerca das informações e sua forma de apresentação. Ao clicar no símbolo o usuário terá acesso a um documento no formato Portable Document Format (pdf), onde consta, inclusive, a descrição dos campos, conforme figura 3 abaixo. Figura 3: Localização das Orientações sobre a elaboração do conteúdo do subitem Restos a pagar de exercícios anteriores Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 31

32 Sugerimos que, em todos os quadros, sejam informados a data de extração e a fonte, que será o Tesouro Gerencial e/ou o Siafi Gerencial, a depender do quadro. Ano de Inscrição Ano de Inscrição Quadro Restos a pagar inscritos em exercícios anteriores Restos a Pagar não Processados Montante em 01/01/2015 Pagamento Cancelamento Restos a Pagar Processados Montante em 01/01/2015 Pagamento Cancelamento Saldo a pagar em 31/12/2015 Saldo a pagar em 31/12/2015 Abaixo destacamos observações quanto ao preenchimento de alguns campos: 1. Montante em 01/01/2015: Soma dos valores inscritos e reinscritos de restos a pagar vigentes em 01/01/ Saldos a pagar em 31/12/2015: representa o saldo dos restos a pagar que não foram cancelados ou pagos no final do exercício de referência do relatório de gestão. Constitui o resultado da seguinte equação: Saldos a pagar em 31/12/2015 = Montante em 01/01/2015 ( ) Pagamento ( ) Cancelamento Para consultar os dados referentes a este Quadro a SPO disponibilizou consultas préformatadas em pasta do Tesouro Gerencial, no seguinte caminho: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão 2015 Nome do Relatório: Restos a pagar inscritos em exercícios anteriores O relatório Relatório Restos a pagar inscritos em exercícios anteriores, no Tesouro Gerencial, já está formatado no padrão exigido pelo Relatório de Gestão Assim, foram segregadas as colunas referentes aos Restos a Pagar Não Processados e Processados, conforme aparecem nas colunas do quadro (Montante em 01/01/2015, Saldo a Pagar em 31/12/2015, etc). Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 32

33 4.1 Análise crítica A análise crítica sobre a gestão dos restos a pagar inscritos em exercícios anteriores deve considerar, sem prejuízo de outras abordagens que a UPC considere adequadas desenvolver, os seguintes aspectos: a) Os impactos porventura existentes na gestão financeira da UPC no exercício de 2015, decorrentes do pagamento de RP de exercícios anteriores; b) As razões e/ou circunstâncias que fundamentam a permanência de RP Processados e Não Processados por mais de um exercício financeiro sem pagamento, caso existente, inclusive no que se refere a possível descumprimento do que preconiza a Lei nº 4.320/1964 quando de sua inscrição, notadamente quanto à necessidade de existência de obrigação de pagamento, pendente ou não de implemento de condição, para caracterização da existência do empenho, conforme entendimento que fundamentou o Acórdão 2659/2009- TCU Plenário; c) A existência de registro no Siafi como vigentes de valores referentes a restos a pagar de exercícios anteriores ao exercício de referência do relatório de gestão sem que sua vigência tenha sido prorrogada. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 33

34 5 Execução descentralizada com transferência de recursos (item 4.3.7, Portaria TCU 321/2015) Os quadros relacionados à seção Execução descentralizada com transferência de recursos do Relatório de Gestão 2015 não podem ter suas informações extraídas do Tesouro Gerencial, pois não há ferramenta de controle efetivo de todos os instrumentos de transferências de recursos (convênios, contratos de repasse, termos de cooperação, termos de compromisso e congêneres) na plataforma. Sendo assim, recomenda-se que para preenchimento destas informações sejam consultados sistemas complementares da entidade e áreas específicas inseridas em seu organograma. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 34

35 6 Informações sobre Sistemática de apuração de custos no âmbito da unidade (itens 7.4, Portaria TCU 321/2015) O item 7.4 da Portaria TCU 321/2015, disposto na Seção DESEMPENHO FINANCEIRO E INFORMAÇÕES CONTÁBEIS do Relatório de Gestão 2015, trata sobre a Sistemática de apuração de custos no âmbito da unidade. De maneira semelhante às disposições do Relatório de Gestão de 2014, a UPC, este item se destina a explicitar a oferecer informações acerca do estágio de desenvolvimento da sistemática de apuração dos custos dos programas e das unidades administrativas, bem como dos bens e serviços resultantes da atuação da unidade prestadora de contas, especialmente aqueles decorrentes da execução dos seus objetivos estratégicos. Ou seja, a inclusão deste subitem no Relatório de Gestão, se destina a efetuar um diagnóstico acerca do estágio de desenvolvimento da sistemática de apuração de custos, não possuindo caráter punitivo. Sabe-se que muitas unidades, no setor público, não possuem ou não utilizam mecanismos de mensuração de custos, a exemplo do Sistema de Informações de Custos (SIC), implantado na Administração Pública Federal em Nesse sentido, o preenchimento deste subitem deverá ocorrer apenas caso a UPC disponha de uma sistemática de apuração de custos. Cabe ressaltar que os normativos do TCU não estabeleceram um quadro específico para este subitem. Portanto, não há estrutura definida para inclusão de informações referentes à apuração de custos, ficando a cargo do gestor optar pela forma mais eficiente para apresentação dos dados. Desse modo, caso a UPC disponha de uma sistemática de apuração de custos, deverá contemplar neste subitem, pelo menos, as seguintes informações: a) identificação da estrutura orgânica da unidade responsável pelo gerenciamento de custos (subunidade, setor etc.), bem como da setorial de custos a que se vincula, se for o caso; b) identificação das subunidades administrativas da UPC das quais os custos são apurados; c) descrição sucinta do sistema informatizado de apuração dos custos; d) práticas de tratamento e alocação utilizadas no âmbito das subunidades ou unidades administrativas para geração de informações de custos; e) impactos observados na atuação da UPC, bem como no processo de tomada de decisões, que podem ser atribuídos à instituição do gerenciamento de custos; f) relatórios utilizados pela UPC para análise de custos e tomada de decisão. Os normativos do TCU recomendam que, caso o SIC não constitua a principal ferramenta da sistemática de apuração de custos, a unidade deve, adicionalmente às informações prestadas, Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 35

36 contextualizar no Relatório de Gestão 2015 as razões pelas quais o SIC não fora adotado como o principal sistema de apuração de custos em O Sistema de Custos do Governo Federal foi instituído com a Portaria STN 157, de 09 de março de 2011, tendo como órgão central a Secretaria do Tesouro Nacional e como órgãos setoriais as unidades de gestão interna dos Ministérios e da Advocacia-Geral da União, responsáveis pelo acompanhamento de custos no Sistema de informações de Custos SIC. Segundo a referida Portaria, as unidades de gestão interna do Poder Legislativo, do Poder Judiciário e do Ministério Público da União podem integrar o Sistema de Custos do Governo Federal como órgãos setoriais. No mesmo sentido a Portaria STN 716, de 24 de outubro de 2011, dispôs sobre o Sistema de Informações de Custos SIC, o qual constitui sistema informacional do Governo Federal que tem por objetivo o acompanhamento, a avaliação e a gestão dos custos dos programas e das unidades da Administração Pública Federal e o apoio aos Gestores no processo decisório. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 36

37 7 Observações Finais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Obs. nº 1: Segundo art. 209 da Resolução 246, de 30/11/2011 (Regimento Interno do TCU): 2º Contas apresentadas em desacordo com as normas legais e regulamentares aplicáveis à matéria poderão ser julgadas regulares com ressalva, desde que se comprove, por outros meios, a boa e regular aplicação dos recursos. 3º Contas que não consigam demonstrar por outros meios a boa e regular aplicação dos recursos poderão ser julgadas irregulares, nos termos do inciso II do caput, sem prejuízo da imputação de débito. Obs. nº 2: A função do Relatório de Gestão (normativos) não é ser um instrumento de perguntas e respostas, mas sim um norteador de apresentação das informações gerenciais. Obs. nº 3: Foco do TCU: avaliação sistêmica da organização. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 37

38 8 Legislação Siafi GERENCIAL Constituição Federal de 1988 Seção II Dos Orçamentos, Artigos 165 a 169 Manual de Técnico de Orçamento 2015 Siafi Gerencial: Itens e Grupos de Informação recomendados STN, Versão Decreto de Programação Financeira 2015 Guia Básico do Siafi Gerencial STN, 2004 NORMAS TCU Instrução Normativa TCU nº 63/2010 Decisão Normativa TCU nº 146/2015 Decisão Normativa TCU nº 147/2015 Portaria TCU nº 321/2015 Portaria CGU nº 522/2015 Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 38

39 Anexo I Algumas dicas sobre operacionalização do Tesouro Gerencial para fins de elaboração do Relatório de Gestão ACESSO À PASTA COMPARTILHADA Como mencionado neste Manual, algumas informações deverão ser extraídas do Tesouro Gerencial no exercício de 2015, enquanto outras, no exercício de Para escolher o exercício da consulta no Tesouro Gerencial, o usuário deve selecionar o ano na tela inicial do sistema, no endereço https://tesourogerencial.tesouro.gov.br/, conforme tela a seguir: Para acessar a pasta compartilhada no Tesouro Gerencial, onde estão localizados os relatórios relativos ao Relatório de gestão 2015, o usuário deverá percorrer as seguintes pastas no sistema: Relatórios Compartilhados >> Consultas Gerenciais >> Relatório de bancada dos Órgãos superiores >> Ministério da Educação >> Relatório de Gestão PROMPT Os relatórios criados pela SPO/Se/MEC no Tesouro Gerencial utilizam a funcionalidade prompt, que possibilita ao usuário escolher um ou mais elementos a partir de uma lista predefinida. Nos prompts incluídos nos relatórios, o usuário deverá indicar a sua unidade orçamentária, seguindo os seguintes passos: a) Digitar o número correspondente à Unidade Orçamentária e teclar enter, conforme figura abaixo: Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 39

40 b) Depois, basta clicar no botão (ver tela acima) para que a Unidade Orçamentária seja selecionada, passando da esquerda para a direita. Depois, basta clicar em Executar Relatório, no canto inferior esquerdo. c) Caso tenha informado a unidade errada, basta clicar no botão e, assim, proceder aos passos anteriores. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 40

41 3. EXPORTANDO O RELATÓRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Para exportar o relatório gerado, o usuário deverá seguir os seguintes passos: a) Menu Home >> Exportar >> Excel com texto simples OU Excel com formatação, conforme tela abaixo. OU b) A opção Excel com texto simples traz o arquivo em formato de planilha do Excel, sem qualquer formatação. Já a opção Excel com formatação exporta o a planilha com a mesma formatação exibida na tela do Tesouro Gerencial. A tela abaixo exibe um exemplo de Exportar para o formato Excel com formatação. Recomenda-se marcar a opção Exportar detalhes do filtro, que permite ao usuário visualizar os filtros incluídos no relatório, conforme destacado na figura. Após selecionar essa opção, basta clicar em Exportar, no canto inferior esquerdo. Orientação Suplementares para elaboração do Relatório de Gestão 2015 v.1 41

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO SPO/SE/MEC. Orientações Suplementares /SE/MEC Orientações Suplementares Elaboração do Relatório de Gestão 2012 PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO Aloizio Mercadante Oliva SECRETÁRIO EXECUTIVO José Henrique Paim

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais

PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais PORTARIA TRT 18ª GP/SGP/CGE Nº 01/2014 A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região, no uso de suas atribuições legais e regimentais; Considerando o disposto na Instrução

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas ABOP Slide 1 Oficina 62 Sistema de Informações de Custos do Governo Federal ABOP Slide 1 Roteiro da Apresentação APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO ASPECTOS NORMATIVOS CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2898, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre orientações às unidades envolvidas na elaboração do Relatório de Gestão da ANAC referente ao exercício de 2014. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TOMADA DE CONTAS ANUAL AGREGADA TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 71000.002060/2007-90

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 00217.000181/2008-02 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CASA CIVIL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO : 0912/2010 UNIDADE AUDITADA : Empresa

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Brasília-DF Dezembro/2013 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 008/2013 Assunto: Orientação

Leia mais

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS

FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Unidade Auditada: FUNDO GARANTIDOR DE PARCERIAS PUBLICO- PRIVADAS Exercício: 2012 Processo: 00190.008390/2013-07 Município: Brasília - DF Relatório nº: 201306079 UCI Executora: SFC/DEFAZ - Coordenação-Geral

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08297.001142/2007-01 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI

CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI CAPITULO 020000 - SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DO GOVERNO FEDERAL - SIAFI SECAO 020300 - MACROFUNÇÕES ASSUNTO 020317 - RESTOS A PAGAR 1 - REFERÊNCIAS: 1.1 - RESPONSABILIDADE - Coordenador-Geral

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO Versão atualizada em 29/04/2010

ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO Versão atualizada em 29/04/2010 ORIENTAÇÕES COMPLEMENTARES PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO Versão atualizada em 29/04/2010 Atualizações procedidas por versão: Referência Item da versão 29/04/2010 ANEXO II 25/02/2010 25/02/2010

Leia mais

PRESTANDO CONTAS ONLINE Programa Nacional de Alimentação Escolar

PRESTANDO CONTAS ONLINE Programa Nacional de Alimentação Escolar 1 PRESTANDO CONTAS ONLINE Programa Nacional de Alimentação Escolar Com a disponibilização das primeiras funcionalidades para registro das prestações de contas do Programa Nacional de Alimentação Escolar

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013

AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 AUDITORIA INTERNA RELATÓRIO SOBRE AS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2013 Em cumprimento à Instrução Normativa nº 14, de 14.12.2011, especificamente do seu art. 10, e à Decisão Normativa nº 009/2013, ambas do Tribunal

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2014 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA: Auditoria de Gestão EXERCÍCIO: 2010 PROCESSO: 00190-015345/2011-39

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA CGM Nº 001 DE 04 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece normas de organização e de apresentação ao Tribunal de Contas do Estado, das prestações de contas do exercício orçamentário e financeiro

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO fl. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA ANALISTA JUDICIÁRIO CONTABILIDADE - STM/2011 ÚLTIMA PARTE Prezado internauta e estudante do Ponto dos Concursos! Desejo a todos uma mente ILUMINADA e que tenham

Leia mais

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho

PLANO ANUAL DE AUDITORIA. Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Tribunal Superior do Trabalho PLANO ANUAL DE AUDITORIA 2014 Secretaria de Controle Interno PLANO ANUAL DE AUDITORIA DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO - EXERCÍCIO 2014 Aprovado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2009 PROCESSO Nº

Leia mais

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público

Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal. Banco do Setor público Manual Cartão de Pagamento do Governo Federal Banco do Setor público 2 Sumário Introdução 04 Cartão de Pagamento do Governo Federal CPGF 04 Passo a Passo 10 Perguntas e Respostas 12 Legislação I Ementa

Leia mais

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online.

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online. FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro de orientações ao convenente para prestação de contas do Programa Caminho da Escola no SiGPC Contas Online Roteiro elaborado com o objetivo de

Leia mais

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EXECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2014 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIA ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EERCÍCIO DE 2014 Brasília - DF / 2015 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES SECRETARIA EECUTIVA PRESTAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 2008 Janeiro/2009 SIGFIS-Sistema Integrado de Gestão Fiscal : Manual

Leia mais

Gestão de Suprimento de Fundos

Gestão de Suprimento de Fundos Suporte Institucional MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Gestão de Suprimento de Fundos Esta edição do Manual foi atualizada até 26/06/2014. Ministério Público Federal Procuradoria da República do Rio Grande

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SERVIÇO DE CONTROLE INTERNO PLANO DE AUDITORIA DE LONGO PRAZO PARA O PERÍODO DE 2014 A 2017 NOVEMBRO - 2013 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010 PROCESSO Nº

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PRESTAÇÃO DE CONTAS ORDINÁRIAS ANUAL RELATÓRIO DE GESTÃO DO EXERCÍCIO DE 2010 Março/2011 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO

Leia mais

Manual Operacional do Assessor Jurídico

Manual Operacional do Assessor Jurídico Manual Operacional do Assessor Jurídico SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS - MÓDULO COMPRAS - EMISSÃO DE PARECER JURÍDICO PARA PROCESSOS DE COMPRA COM EDITAL OU DE DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Cancelar Restos a Pagar - CRP Versão 1.0 Outubro 2014 GUIA DE CAPACITAÇÃO CANCELAR RESTOS A PAGAR - CRP MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: LIQUIDAÇÃO (LIQ) INSTRUTORA:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Manual do Usuário. Captação Qualitativa PPA. Manual do Usuário. Captação Qualitativa

Manual do Usuário. Captação Qualitativa PPA. Manual do Usuário. Captação Qualitativa Manual do Usuário PPA 1 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão NELSON BARBOSA Secretário Executivo DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Secretária de Orçamento

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO

SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 SUMÁRIO EXECUTIVO SUMÁRIO EXECUTIVO - RELATÓRIO DE AUDITORIA nº 009/2009 Página 1 de 8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO AUDITORIA INTERNA SUMÁRIO EXECUTIVO Tema: DESPESAS COM SUPRIMENTO DE FUNDOS NA

Leia mais

Arquivo atualizado em 22/10/2013.

Arquivo atualizado em 22/10/2013. Arquivo atualizado em 22/10/2013. 2 Sumário Tópico Página Transação CONSIT 3 Funções de cada aba no documento FL 9 Exemplo Prático 16 Empenho 18 INCDH 26 Dados Básicos 28 Principal com Orçamento 30 Dedução

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25160.000544/2007-44 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Relatório de Auditoria Interna Consolidado nº 02/2015- AUDGE. Ação: 1.3 ITENS DO RELATÓRIO DE GESTÃO DA AUDITORIA INTERNA

Relatório de Auditoria Interna Consolidado nº 02/2015- AUDGE. Ação: 1.3 ITENS DO RELATÓRIO DE GESTÃO DA AUDITORIA INTERNA Relatório de Auditoria Interna Consolidado nº 02/2015- AUDGE Ação: 1.3 ITENS DO RELATÓRIO DE GESTÃO DA AUDITORIA INTERNA Entidade: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS. Novembro - 2011

A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS. Novembro - 2011 A ATUAÇÃO DA AUDITORIA INTERNA E DA CGU E O PROCESSO ANUAL DE CONTAS Novembro - 2011 1. A Auditoria Interna 1.1 Como é a distinção entre Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal e o Controle

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE

RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS Nº 243930-2ª PARTE 1 ASSIST. AMBULAT. E HOSPITALAR ESPECIALIZADA 1.1 ATENÇÃO À SAÚDE DA POP NOS MUNICÍPIOS 1.1.1 ASSUNTO - PROGRAMAÇÃO DOS OBJETIVOS E METAS 1.1.1.1

Leia mais

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN

MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN Guia de Capacitação Pagamento Centralizado da Folha Versão 00 janeiro 2013 MATERIAL PARA CAPACITAÇÃO INTERNA DO FIPLAN MÓDULO: PAGAMENTO CENTRALIZADO DA FOLHA INSTRUTOR: AILTON DE OLIVEIRA SOUSA COLABORADORES

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD)

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE INTERNO - SCI GERÊNCIA DE AÇÃO PREVENTIVA - GEAP COORDENAÇÃO DE AÇÃO PREVENTIVA - COAP MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) GOIÂNIA, JULHO DE 2009 1ª EDIÇÃO

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Relatório de Gestão do exercício de 2013

Relatório de Gestão do exercício de 2013 GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Relatório de Gestão do exercício de 2013 Março, 2014. GABINETE DA VICE-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Relatório de Gestão do exercício de 2013 Relatório de Gestão do

Leia mais

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-...

file://l:\sfc\ds\dsseg\exercício 2010\TC-PC 2010\RELATÓRIOS PARA PUBLICAÇÃO\DPF-... Página 1 de 7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2010

Leia mais

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA Os principais instrumentos utilizados pelo governo para promover o planejamento, a programação, a orçamentação e a execução orçamentária

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

Estado de Sergipe TRIBUNAL DE CONTAS. LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610)

Estado de Sergipe TRIBUNAL DE CONTAS. LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610) LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610) 01 de agosto de 2012 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DOS ARQUIVOS... 5 1.1 ESTRUTURA... 5 1.2 CONVENÇÃO... 6 2 ARQUIVOS TXT POSSÍVEIS DE SEREM

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

DA GESTÃO DO PROGRAMA

DA GESTÃO DO PROGRAMA DA GESTÃO DO PROGRAMA 1. INTRODUÇÃO O Programa Nacional de Apoio à Modernização da Gestão e do Planejamento dos Estados e DF (PNAGE) tem por objetivo geral melhorar a efetividade e a transparência institucional

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 25106.000.849/2007-19 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO

O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO O ORÇAMENTO PÚBLICO AO ALCANCE DO CIDADÃO Denise Rocha Assessora de Política Fiscal e Orçamentária São Luís - MA 23 a 27 de agosto de 2004 1ª ETAPA - ENTENDENDO O ORÇAMENTO PÚBLICO A importância do orçamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

ANEXO V DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012

ANEXO V DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 ANEXO V DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 UNIDADES: Senado Federal Fundo Especial do Senado Federal - FUNSEN EXERCÍCIO: 2012 Examinamos os atos de gestão dos responsáveis relacionados

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº : 04600.001267/2008-71 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Manual de Conciliação Bancária

Manual de Conciliação Bancária Manual de Conciliação Bancária Índice Conciliação Bancária... 2 O módulo de Conciliação Bancária no SIGEF... 3 Conciliação Bancária Extrato Bancário... 5 Fazendo a Conciliação Bancária Extrato Bancário...

Leia mais

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST Para auxiliar nas providências que devem ser tomadas para o encerramento de exercício, foi elaborada uma série de verificações, em formato de checklist, que devem ser

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2008 PROCESSO Nº

Leia mais

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com.

MANUAL SICCL SQL SRTVS 701 Bloco O Ed. MultiEmpresarial Sala 804 Brasília/DF CEP 70340-000 Fone/Fax: (061) 3212-6700 E-mail: implanta@conselhos.com. MANUAL SICCL SQL ÍNDICE ACESSANDO O SISTEMA SG - COMPRAS E CONTRATOS... 3 ATENDENDO SOLICITAÇÕES DE ITENS E SERVIÇOS... 5 VERIFICANDO A DISPONIBILIDADE DE RECURSOS... 7 ATENDER SOLICITAÇÕES COM PROCESSO

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01350.000002/2007-76 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

SIGEFES ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL PLOA

SIGEFES ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL PLOA GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SIGEFES ELABORAÇÃO DO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL PLOA Espírito Santo 2014 2 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO JOSÉ RENATO

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL

TOMADA DE CONTAS ESPECIAL TOMADA DE CONTAS ESPECIAL COMPARATIVO ENTRE A IN TCU Nº 13/1996 E A IN TCU Nº 56/2007 IN TCU Nº 13/1996 IN TCU Nº 56/2007 Art. 1º Diante da omissão no dever de prestar contas, da não comprovação da Aplicação

Leia mais

www.paperlessprinter.com

www.paperlessprinter.com Santa Catarina Balanço da Execução Orçamentária e Financeira - Administração Indireta - PLANO DE SAUDE ASSIST.SOCIAL DOS SERV. PUBL.-PLASS GESTÃO FINANCEIRA E ECONÔMICA BALANÇO FINANCEIRO Exercício 2008

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS SISTEMA DE GESTÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS (SiGPC) CONTAS ONLINE MANUAL DO USUÁRIO Atualização: 17/09/2012 Esse manual foi produzido para orientar os usuários do Sistema de Gestão de Prestação de Contas

Leia mais

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Relatório de Demandas Externas n 00213.000123/2010-25 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop

e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop Arquivos Intermediários e Tabelas Básicas - Esfera Municipal e Consórcios Estrutura (layout) dos arquivos que o Sistema e-sfinge

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas

SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS. Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas SECRETARIA DE GESTÃO DE PESSOAS Subcomitê Estratégico de Gestão de Pessoas COMPETÊNCIAS DA SGP Planejar, coordenar, orientar e supervisionar as atividades relacionadas à gestão de pessoas, referentes ao

Leia mais

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR

CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR CIRCULAR - PPA da PESL 1º Trimestre de 2013 REVISÃO DA PROVISÃO DE EVENTOS A LIQUIDAR Conforme disposto na RN 227/10, da Diretoria Colegiada, regulamentada pela IN 45/10, da DIOPE, ambas da Agência Nacional

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 01341.000109/2007-23 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Operacionalização - Solicitação de Viagem 1 CADASTRAMENTO DE VIAGEM 1.1 Como reativar uma PCDP já cancelada? 1.2 -

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23040.000699/2007-11 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. O QUE É? 2 3. FINALIDADES DO MÓDULO DE CONTRATOS 2 4. INTEGRAÇÕES 3 5. ATORES 3 6. DEFINIÇÕES 3 7. FUNCIONALIDADES 5 8. MANTER

Leia mais

: Fundo de Garantia para Promoção da Competitividade - FGPC RELATÓRIO DE AUDITORIA

: Fundo de Garantia para Promoção da Competitividade - FGPC RELATÓRIO DE AUDITORIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TIPO DE AUDITORIA : Auditoria de Gestão EXERCÍCIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013

Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Comentário às questões do concurso do TCE_RS/Oficial_de_Controle_Externo/CESPE/2013 Julgue os itens a seguir, relativos ao orçamento público. 96.O orçamento público tem caráter e força de lei, em sentido

Leia mais

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA GERAL DE INFORMÁTICA ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 Atualizado em 28/01/2011 Colaboração Secretaria Geral de Controle Externo Secretaria

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS RESTOS A PAGAR NO ORÇAMENTO BRASILEIRO

A INFLUÊNCIA DOS RESTOS A PAGAR NO ORÇAMENTO BRASILEIRO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO INSTITUTO SERZEDELLO CORRÊA - ISC CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO - CEFOR SENADO FEDERAL UNIVERSIDADE DO LEGISLATIVO BRASILEIRO - UNILEGIS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 08700.000687/2007-82 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA DA A/CSIL/CNA Nº 002 EMISSÃO 15/01/2007 1. Objetivo Regulamenta a inserção de dados relacionados às sanções administrativas aplicadas aos licitantes, contratados e convenentes, no sistema

Leia mais