ANEXO III FASES DE EXECUÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANEXO III FASES DE EXECUÇÃO"

Transcrição

1 1ª FASE MAPEAMENTO E ESTUDOS Na primeira fase do projeto deverão ser mapeadas demandas dos segmentos contemplados pelo projeto a fim de identificar as necessidades desses setores, visando o crescimento e fortalecimento dos empreendimentos de produção de conteúdos digitais criativos do Estado do Rio de Janeiro relacionados a Incubadora Rio Criativo Nesta fase, devem ser definidas e apresentadas algumas premissas: 1.1 Demandas de desenvolvimento dos segmentos contemplados; 1.2 Necessidades tecnológicas que permitirão alavancar os segmentos e esses empreendedores relacionados a incubadora; 1.3 Mapeamentos e estudos sobre laboratórios e centros de pesquisa e inovação de referência na área de produção de conteúdo digital criativo em especial em ambientes de incubação, bem como seus modelos de gestão e operação. 2ª FASE - CONCEPÇÃO E IDEALIZAÇÃO DO PROJETO Na segunda fase do projeto, a instituição selecionada deverá conceituar o projeto de implantação do Lab Rio Criativo. *Toda a infraestrutura do Lab Rio Criativo deverá contar com a conexão de rede banda larga de, no mínimo, 1GB a ser fornecida pela Telebrás ou RPN Com base nas informações da primeira fase, o projeto do Lab Rio Criativo deverá ser conceituado e deverão ser apresentados: 2.1 Detalhamento do público-alvo do Lab Rio Criativo, considerando perfil de empresas, instituições, empreendedores, profissionais e estudantes; 2.2 Detalhamento dos estúdios, ambientes e tecnologias que deverão compor o Lab Rio Criativo;

2 2.3 Definição das atividades e serviços a serem desempenhadas no Lab Rio Criativo; 2.4 Definição de perfil e estrutura mínima de recursos humanos necessários à operação do Lab Rio Criativo; 2.5 Definição dos resultados e impactos previstos a partir da implantação e operação do Lab Rio Criativo; 2.6 Definição do modelo de operação do Lab Rio Criativo, considerando o público-alvo, os serviços e atividades desenvolvidas e os mecanismos possíveis de financiamento e manutenção das atividades e tecnologias, considerando as parceiras públicas e privadas. 3ª FASE - ELABORAÇÃO DO PROJETO DETALHADO PARA AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E AMBIENTES O projeto detalhado do LAB Rio Criativo deverá contar com a concepção de ambientes de inovação estruturados por equipamentos e tecnologias avançadas de visualização, simulação, computação gráfica, efeitos especiais, interatividade e realidade virtual, todos subjacentes à produção de conteúdo digital, contemplando minimamente: *Toda a infraestrutura do Lab Rio Criativo deverá contar com a conexão de rede banda larga de, no mínimo, 1GB a ser fornecida pela Telebrás ou RPN 1. Um estúdio de modelagem e renderização para games e animação 2D e 3D/ 2. Um estúdio de edição de vídeo 3. Um estúdio de áudio 4. Um estúdio de motion capture 5. Um laboratório para testes e certificação de conteúdos e aplicativos para dispositivos móveis 6. Um espaço de exposição e exibição dos conteúdos digitais criativos 7. Um render farm Para cada projeto individualizado por ambiente, deverá ser apresentada:

3 3.1 Definição da infraestrutura de rede necessária à implantação e operação do Lab Rio Criativo; 3.2 Relação de equipamentos necessários ao seu funcionamento, com as devidas nomenclaturas e especificações técnicas; 3.3 Indicação de diferentes fabricante e / ou distribuidores, 3.4 Quantidades e dimensões, 3.5 Prazos para aquisições, 3.6 Orçamento detalhado com cotação de três preços para cada item, contendo todos os equipamentos e serviços necessários à instalação e treinamento, taxas de importação, bem como cotações de todos os itens; 3.7 Infraestrutura e espaço necessário para instalação de equipamentos 3.8 Indicação de necessidade de treinamento específico para uso, quando for o caso. 3.9 Projeto executivo de arquitetura e da adequação dos estúdios indicando a rede lógica e TI necessárias, incluindo planta baixa do espaço, indicando a distribuição física dos laboratórios, ambientes e equipamentos, bem como o projeto de tratamento acústico, de iluminação, sonorização e elétrico do espaço inclusive com definição da carga Cronograma detalhado de aquisição, entrega e instalação de todos os equipamentos. Caso os preços e equipamentos estejam desatualizados no ato da compra, a instituição selecionada deverá realizar nova cotação de três preços dos itens. Abaixo, são apontados alguns exemplos de equipamentos, para fins de referência. A instituição selecionada para elaboração do projeto poderá propor composições alternativas aos equipamentos exemplificados dos ambientes do Lab Rio Criativo, conforme proposta apresentada e validada junto à Secretaria de Estado de Cultura na 2ª fase do projeto. Os equipamentos listados possuem especificação coerente à data da publicação do Termo de Referência, devendo, pela natureza da evolução tecnológica,

4 ser adaptada aos termos de mercado condizentes à época da elaboração do projeto detalhado, sem prejuízo aos resultados esperados. Laboratório de captura de imagem e forma: - Câmera de Ultra definição em 4K com padrão de qualidade broadcast / cinema; - Sensores de movimento corporal com captura de posição, direção e proximidade; - Sensores de expressão facial com expressões e contrações; - Scanners 3D com captura de formas e volumes proporcionais ao corpo humano; - Grid de posicionamento de sensores nas laterais e no teto, com capacidade de até 06 (seis) sensores por parede; - Fundos em Chroma-key e Infinito com grid de iluminação completo, light control e switcher com mesa digital com 06 (seis) entradas e teleprompter. Laboratório de visualização e simulação: - projetores de imagem; - Óculos de realidade virtual de baixa latência em 360 graus e visão estereoscópica em 3D; - Óculos de realidade aumentada; - Aparelhos móveis e tablets de última geração dotados dos sistemas operacionais mais utilizados; - Sensores de movimento de corpo e mãos destinados à simulação de realidade virtual; - CAVE desmontável integrada aos projetores de imagem, óculos de realidade virtual e sensores de movimento, baseada em backprojection; - Esteira multidirecional desenhada para aplicação em realidade virtual; - Televisões de ultra definição com capacidade de exibição de video em 4K e 3D; - Sistema de reprodução de som surround em, no mínimo, 5.1 canais. Laboratório de virtualização / finalização: - Ilhas de Edição com capacidade de gestão, render e armazenamento de mídias em 4K

5 com, ao menos, 10 terabytes de hard disk, processador de 08 (oito) núcleos, memória RAM de 24Gb e placa de vídeo de 7Gb; - Ilha de finalização, colorização e composição com capacidade de gestão de mídias em 4K com, ao menos, 10 terabytes de hard disk, processador de 08 (oito) núcleos, memória RAM de 24Gb e placa de vídeo de 7Gb; - Ilha de criação de modelagem 3D com, ao menos, 5 terabytes de hard disk, processador de 08 (oito) núcleos, memória RAM de 24Gb e placa de vídeo de 7Gb; - Ilha de animação / Mesa digitalizadora; - Ilha de finalização e mixagem de áudio; - Monitores com capacidade de exibição em 4k e 3D; - Monitores de áudio de alta fidelidade. Laboratório de áudio: - Estúdio de captação de som integrado ao laboratório de captura de imagem e forma; - Mesa de Mixagem Multicanais - Monitores de alta fidelidade Render farm: - Computadores de alta capacidade para processamento de imagens em ultra-definição (4K) e formas em 3D - Computadores destinados à criação de softwares com, ao menos, 3 terabytes de armazenamento, memória RAM de 12Gb e processador de 06 (seis) núcleos; - Licenças de software das tecnologias selecionadas para os laboratórios de captura de imagem e forma e de virtualização / finalização.

6 4ª FASE - ELABORAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE O Plano de Gestão deverá contemplar as condições necessárias à operação, manutenção e sustentabilidade do LAB Rio Criativo como forma de viabilizar seu desenvolvimento e consolidação a médio e longo prazo, além de prever as interfaces, integrações e parcerias importantes no campo da produção e pós-produção de conteúdos digitais em âmbito local, estadual, nacional e internacional. Nesta fase, deverá ser apresentado o projeto detalhado de operação do Lab Rio Criativo, considerando: 4.1 Detalhamento de todas as atividades e serviços a serem desempenhados pelo Lab Rio Criativo, considerando as equipes e perfis profissionais, bem como os insumos necessários à operação, 4.2 Detalhamento do perfil e quantitativo de usuários do Lab Rio Criativo, considerando empresas e empreendedores residentes e ocasionais, profissionais, estudantes, instituições, entre outros. 4.3 Definição das formas de acesso e funcionamento do Lab Rio Criativo, considerando, por exemplo: Seleção de empreendimentos, startups, produtores independentes e empreendedores com propostas de criação de conteúdos digitais e inovação para residência ou uso dos ambientes do Lab Rio Criativo a fim de viabilizar o desenvolvimento do produto ou serviço; Locação dos espaços para profissionais, empresas, universidades e instituições para desenvolvimento de produtos, serviços, pesquisa e inovação; Oferta de cursos para capacitação dos profissionais dos setores de conteúdo digital; Oferta de serviços tecnológicos;

7 Realização de parcerias com empresas privadas e públicas do setor e institutos tecnológicos; Captação e desenvolvimento de projetos através da estrutura tecnológica do Lab Rio Criativo; Interface entre Lab e demais Núcleos do Rio Criativo (Incubadora, Núcleo de Conhecimento e Núcleo de Negócios); Projeto de utilização gratuita do LAB Rio Criativo para fins educacionais e atendimento a empreendedores de baixa renda. 4.4 Detalhamento do organograma e perfil de equipe técnica especializada necessária à operação do Lab Rio Criativo. 4.5 Modelagem financeira anual de toda a operação do Lab Rio Criativo, pelo período de três anos a partir de sua implantação, considerando investimentos, custos operacionais e receitas. 4.6 Detalhamento dos serviços de manutenção do espaço e infraestrutura, tais como segurança predial, limpeza e manutenção, reparos de equipamentos, segurança de dados e procedimentos de back-up, serviços de rede, entre outros. 4.7 Definição de estratégias de captação de recursos e mecanismos de financiamento, manutenção e atualização tecnológica do Lab Rio Criativo, considerando as parceiras públicas e privadas, visando à sua sustentabilidade a médio e longo prazo. 4.8 Definição de estratégias de geração de receitas, a partir das atividades e serviços realizados 4.9 Definição de estratégias para a consolidação de parcerias, no âmbito da pesquisa, tecnologia e inovação, visando à atuação em rede, no cenário nacional e internacional Criação de sistema de metas e indicadores que mensurem os impactos e resultados qualitativos e quantitativos do Lab Rio Criativo 4.11 Proposição de modelo para gestão de propriedade intelectual gerada a partir das atividades e projetos desenvolvidos no Lab Rio Criativo, de forma a resguardar os direitos das partes envolvidas e interessadas, tais como criadores, produtores e

8 desenvolvedores de produtos e conteúdos digitais, o Lab Rio Criativo, universidades e instituições envolvidas nos projetos, empresas e instituições investidoras e patrocinadoras de projetos, entre outros Proposição de um núcleo de propriedade intelectual que deverá operar por meio de equipe especializada ou através de convênio ou parceria com escritórios ou instituições de referência na área, visando assessorar os usuários do Lab Rio Criativo em questões relacionadas aos direitos de propriedade intelectual.

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL

ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Anexo VI -fls.1/7 ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO E CONTROLE OPERACIONAL Serão apresentados a seguir os conceitos, requisitos e especificações básicas do Sistema de Monitoramento e Controle

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO

CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO CHAMADA PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 15/2013 SELEÇÃO DE PROFISSIONAIS PARA O PROJETO REGISTRO DE IDENTIDADE CIVIL REPLANEJAMENTO E NOVO PROJETO PILOTO 1. PROJETO SELECIONA PROFISSIONAIS PARA DIVERSOS PERFIS

Leia mais

Escolha Certa! As profissões do século 21

Escolha Certa! As profissões do século 21 Produção Multimídia Esse profissional é responsável por garantir a qualidade de som e imagem das mídias eletrônica e digital; produzir material para rádio, cinema, TV e mídia digital; editar imagens e

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO

SECRETARIA DE ESTADO DA GESTÃO PÚBLICA SUPERINTENDÊNCIA DA ESCOLA DE GOVERNO REGULAMENTO DO CONCURSO REGULAMENTO DO CONCURSO A Secretaria de Estado da Gestão Pública do Governo de Alagoas torna público o 4º CONCURSO DE AÇÕES INOVADORAS NA GESTÃO DO PODER EXECUTIVO DE ALAGOAS que será regido de acordo

Leia mais

REGULAMENTO. d) Pode ser um processo ou atividade muito específica, por exemplo, que esteja relacionada a realidades nacionais diferentes.

REGULAMENTO. d) Pode ser um processo ou atividade muito específica, por exemplo, que esteja relacionada a realidades nacionais diferentes. REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1. O Concurso de Boas Práticas para a prevenção e erradicação do Trabalho Infantil e proteção ao Trabalho Formal Adolescente na América Latina objetiva contribuir para o

Leia mais

Sobre o Instituto Desenvolve T.I

Sobre o Instituto Desenvolve T.I Sobre o Instituto Desenvolve T.I A empresa Desenvolve T.I foi fundada em 2008, em Maringá, inicialmente focando a sua atuação em prestação de serviços relacionados à Tecnologia da Informação e atendendo

Leia mais

Casa da Árvore Projetos Sociais Projeto Telinha de Cinema - Tecnologia, Arte e Educação

Casa da Árvore Projetos Sociais Projeto Telinha de Cinema - Tecnologia, Arte e Educação Casa da Árvore Projetos Sociais Projeto Telinha de Cinema - Tecnologia, Arte e Educação EDITAL 003/2011 1º. Circuito de Residências de Arte, Tecnologia e Educação Telinha de Cinema #ResTelinha# 1. Objeto

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. Relação de Títulos Informação e Comunicação. Aprendizagem

EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. Relação de Títulos Informação e Comunicação. Aprendizagem EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Relação de s Informação e Comunicação Aprendizagem Código Capacitação 252 Administrador de Banco de Dados 253 Administrador de Redes 1195 Cadista 1291 Desenhista

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2003-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2003-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Apêndice I. Plano de Metas

Apêndice I. Plano de Metas Apêndice I Plano de s Os itens que a seguir seguem relacionados são aqueles que a área de tecnologia do INCRA deverá executar durante a vigência do PDTI 2014-2016, observando a prioridade validada pelo

Leia mais

3 Administração de Materiais

3 Administração de Materiais 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs)

Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Fundamentos de Parcerias Público-Privadas (PPPs) Organização: Unidade de Parcerias Público-Privadas - Secretaria de Estado de Economia e Planejamento (SEP) Vitória, 26.11.2010 Objetivos do Curso Apresentar

Leia mais

Trilha 4 Como estimular conteúdos e plataformas nacionais na rede mundial

Trilha 4 Como estimular conteúdos e plataformas nacionais na rede mundial Coordenador da Trilha Lisandro Zambenedetti Granville (CGI.br, UFRGS) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Nelson Pretto (UFBA) Academia Regina Melo Silveira (LARC-USP) e Guido

Leia mais

Backsite Serviços On-line

Backsite Serviços On-line Apresentação Quem Somos O Backsite Com mais de 15 anos de mercado, o Backsite Serviços On-line vem desenvolvendo soluções inteligentes que acompanham o avanço das tecnologias e do mundo. Com o passar do

Leia mais

PORTARIA MUNICIPAL Nº 058/2013

PORTARIA MUNICIPAL Nº 058/2013 PORTARIA MUNICIPAL Nº 058/2013 CRIA O PROGRAMA DE INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO BÁSICA E REGULAMENTA A CESSÃO E USO DE SEUS EQUIPAMENTOS. O Prefeito Municipal de Jerônimo Monteiro, no Estado do Espírito

Leia mais

Pequeno Resumo ( è o link de abertura da pagina principal do site e o resumo do facebook e linkedin)

Pequeno Resumo ( è o link de abertura da pagina principal do site e o resumo do facebook e linkedin) Pequeno Resumo ( è o link de abertura da pagina principal do site e o resumo do facebook e linkedin) A HAUSCHILD é uma empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) que possui profissionais com

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS

Acesso Público. Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Acesso Público Programa de apoio a iniciativas culturais, educativas e sociais da REDE MINAS Sumário Definição e objetivos 4 Comitê 5 Política de aprovação 7 Premissas para seleção 8 Critérios de avaliação

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento

EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento EDITAL Nº 01/2016 Desenvolvimento de Plataforma Digital de Monitoramento COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO 2016 Tipo: melhor técnica e preço Desenvolvimento de plataforma digital com indicadores de monitoramento

Leia mais

Projeto Piloto CONECTADOS. Curitiba 2015

Projeto Piloto CONECTADOS. Curitiba 2015 Projeto Piloto CONECTADOS Curitiba 2015 SUMÁRIO 2 Introdução... 04 Justificativa... 06 Ações... 07 Ação 1 - Adesão do NRE e seleção/adesão das escolas...07 Ação 2 - Distribuição dos kits de equipamentos

Leia mais

CULTURA OBJETIVOS E METAS

CULTURA OBJETIVOS E METAS CULTURA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração das políticas públicas na área de cultura com a participação de mais entidades e partidos políticos, via projetos e via mobilização

Leia mais

Economia Criativa conceito

Economia Criativa conceito Economia Criativa conceito A Economia Criativa é um conceito ainda em desenvolvimento, que compreende a gestão da criatividade para gerar riquezas culturais, sociais e econômicas. Abrange os ciclos de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE CIVIL PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL Nº 1925, DE 23 DE MAIO DE 2005, Págs 54 e 56 LEI Nº 1367, DE 17 DE MAIO DE 2005. Regulamentada pelo Decreto nº 198/06 Cria o Fundo Municipal de Desenvolvimento da Economia Popular

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS

UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS UM NOVO CONCEITO EM ORGANIZAÇÃO DE ACERVOS Descubra como o SophiA Acervo pode ajudar sua instituição na catalogação, organização e recuperação de acervos dos mais diversos tipos, sejam eles objetos da

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet.

Mindset Webcasting. Mindset Comunicação e Marketing. Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. Mindset Webcasting Mindset Comunicação e Marketing Conheça a solução completa da Mindset para transmissão de áudio, vídeo e dados pela Internet. O que é webcast? Webcast é a captura e transmissão via internet

Leia mais

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S

P R O D E T U R C O N S U L T O R I A D E P R O J E T O S P R O D E T U R Agenda Apresentação Programas do BID PRODETUR Financiamento Projetos Casos de Sucesso Encerramento A P R E S E N T A Ç Ã O Consultoria de Projetos nasceu com o objetivo de ajudar as Prefeituras

Leia mais

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público

Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público Regulamento da 1ª Edição do StartupGov: o Desafio do Serviço Público 1. SOBRE O STARTUPGOV: O StartupGov: O Desafio do Serviço Público é um espaço para debate com o objetivo de aproximar o governo de especialistas

Leia mais

TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO

TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO TCC CURSO POS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO DESIGN INSTRUCIONAL ROTEIRO DO PROJETO DE DESIGN INSTRUCIONAL DE UM CURSO 1. INTRODUÇÃO 1.1. CONTEXTO EM QUE O PROJETO SERÁ REALIZADO: Dados Gerais sobre a instituição

Leia mais

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias.

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Orientador: Lúcio A. C. Jorge Palestrante: Agostinho B. R. da Silva Introdução Embrapa Instrumentação

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO (PROENG) ASSESSORIA DE DESENVOLVIMENTO ASSESSORIA JURÍDICA FORMULÁRIO DE ALTERAÇÃO DE EMENTAS CURSO: Administração MATRIZ(ES) CURRICULAR(ES): 2016/1 ALTERAÇÕES PASSAM A VIGORAR A PARTIR DO SEMESTRE: 2016/1 Matemática FASE: 1ª Fase CARGA HORÁRIA: 60h Revisão de

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Introdução. Laboratórios de informática

Introdução. Laboratórios de informática Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Introdução Relação de laboratórios, oficinas

Leia mais

O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo Decreto n 15.348, de 06 de agosto de 2014, resolve expedir a seguinte,

O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO, no uso da atribuição que lhe é conferida pelo Decreto n 15.348, de 06 de agosto de 2014, resolve expedir a seguinte, INSTRUÇÃO Nº 011/2015 Orienta os órgãos e entidades da Pública do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos referentes às contratações de serviços da Companhia de Processamento de Dados do Estado

Leia mais

Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação

Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação Perfil Profissional de Conclusão do Curso Técnico de Instrumentação Área Profissional: Indústria Segmento Tecnológico: Eletroeletrônica Qualificação ou Habilitação Profissional: Técnico em Instrumentação

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 4 05

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você

A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A experiência de quem trouxe a internet para o Brasil agora mais perto de você A Escola A Escola Superior de Redes da RNP privilegia um ensino totalmente prático. Os laboratórios são montados de forma

Leia mais

CROWDWORKING VALE DA ELETRONICA Uma iniciativa do INATEL, Telefônica e Ericsson

CROWDWORKING VALE DA ELETRONICA Uma iniciativa do INATEL, Telefônica e Ericsson CROWDWORKING VALE DA ELETRONICA Uma iniciativa do, Telefônica e Ericsson PERÍODO DE VIGÊNCIA: ABERTURA: 01/04/2016 ENCERRAMENTO: 20/05/2016 ENCERRAMENTO DO PERÍODO DE INSCRIÇÃO E ENVIO DO FORMULÁRIO NA

Leia mais

INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS.

INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS. INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS. Apresentação Corporativa 1 QUEM SOMOS E ONDE ESTAMOS A Dominion é um grupo de empresas de tecnologia criado em 1999, com o principal objetivo de oferecer

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 01/2013

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 01/2013 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 01/2013 OBJETIVO: O objetivo do EDITAL DE CHAMADA 01/2013 é apoiar através de provimento de Infraestrutura física, de apoio tecnológico e a gestão de negócios, até 04 (quatro)

Leia mais

Design Gráfico e Digital - Curso de Graduação

Design Gráfico e Digital - Curso de Graduação SOBRE O CURSO A graduação em Design Gráfico e Digital tem ênfase na convergência das plataformas da comunicação visual, gráficas e digitais, de forma a ampliar o campo de atuação do aluno. Oferece conteúdos

Leia mais

EDITAL E REGULAMENTO DE CHAMADA PÚBLICA ITfetep

EDITAL E REGULAMENTO DE CHAMADA PÚBLICA ITfetep SUMÁRIO OBJETIVO:... 2 1. DAS PROPOSTAS... 2 2. PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO, PARTICIPAÇÃO E SELEÇÃO DE PROPOSTAS E PROJETOS... 3 3. CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS E PROJETOS... 4 4. DA CLASSIFICAÇÃO...

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

FATEC EAD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR IV

FATEC EAD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR IV FATEC EAD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR IV SÃO PAULO 2016 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais

Breve descrição. Público-alvo

Breve descrição. Público-alvo 2014 Breve descrição Somos uma empresa que busca ampliar e valorizar a reputação dos nossos clientes, utilizando estratégias de marketing que influenciarão diretamente no aumento de suas receitas de vendas,

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013

Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Indústria Audiovisual Como investir? 28/05/2013 Porque Investir? 20,3 x 4,9 x R$ 540 Milhões 8.340 Postos de Trabalho R$ 26.5 Milhões R$ 113 Milhões 32 filmes investidos e lançados pela RioFilme entre

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso

7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso 7 etapas para construir um Projeto Integrado de Negócios Sustentáveis de sucesso Saiba como colocar o PINS em prática no agronegócio e explore suas melhores opções de atuação em rede. Quando uma empresa

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP)

MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) MINUTA EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS EDITAL PIP N 01/2014 PROJETO RN SUSTENTÁVEL PROJETOS DE INOVAÇÃO PEDAGÓGICA (PIP) O Projeto RN Sustentável, Acordo de Empréstimo (8276-BR) firmado entre o Governo do

Leia mais

QUALINSTAL - 2013. Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS

QUALINSTAL - 2013. Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS Certificação das Empresas Instaladoras Ações ABEGÁS Ambiente da Distribuição de Gás no Brasil 1 - O Cenário da Capacitação de Mão de Obra (Maio 2008): 1.1 Qualificação uniformizada e certificação de profissionais:

Leia mais

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007

XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 XII Seminario Latino-Iberoamericano de Gestión Tecnológica - ALTEC 2007 Processo de Avaliação e Acompanhamento de Empreendimentos Pré-Incubados Utilizando Balanced Scorecard Perez, Celso Roberto Instituto

Leia mais

EDITAL 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS CENTRO DE EMPREENDEDORISMO E INCUBAÇÃO BEETECH

EDITAL 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS CENTRO DE EMPREENDEDORISMO E INCUBAÇÃO BEETECH A Universidade Federal de Goiás, Regional Jataí, no uso de suas atribuições legais, com a cooperação da Prefeitura municipal de Jataí e do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE,

Leia mais

Curso Técnico em Agroecologia

Curso Técnico em Agroecologia Curso Técnico em Agroecologia Nível/Grau/Forma: Médio/Técnico/Integrado Vagas: 25 Turno: Integral Duração: 3 anos + estágio Perfil do Egresso O Técnico em Agroecologia deverá ser um profissional com formação

Leia mais

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO

1. LICENCIAMENTO 2. SUPORTE TÉCNICO 1. LICENCIAMENTO 1.1. Todos os componentes da solução devem estar licenciados em nome da CONTRATANTE pelo período de 36 (trinta e seis) meses; 1.2. A solução deve prover suporte técnico 8 (oito) horas

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio Anexo II Descrição da Área/Processo Cargos Cargo Área Pré-requisito Trajetória Processo de Agrimensura de Edificações/ Construção Civil de Edificações de Edificações Agrimensura. Edificações. Edificações.

Leia mais

ANEXO II PLANO DE TRABALHO

ANEXO II PLANO DE TRABALHO ANEXO II PLANO DE TRABALHO Objetivo: Inaugurado em 14 de março de 1877, o Centro Cultural José Bonifácio foi o primeiro colégio público da América Latina. Construído por ordem de D. Pedro II para a educação

Leia mais

2º PRÊMIO REDE DIÁSPORA BRASIL O TALENTO BRASILEIRO QUE INSPIRA O MUNDO

2º PRÊMIO REDE DIÁSPORA BRASIL O TALENTO BRASILEIRO QUE INSPIRA O MUNDO Regulamento 2º PRÊMIO REDE DIÁSPORA BRASIL O TALENTO BRASILEIRO QUE INSPIRA O MUNDO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO 1.1. A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), com o apoio da Agência Brasileira

Leia mais

Histórico e Antecedentes

Histórico e Antecedentes Histórico e Antecedentes PORTO DIGITAL. PARQUE TECNOLÓGICO TIC E EC. RECIFE PE SÃO PAULO CIDADE DA INOVAÇÃO / 10ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia / 21 de outubro de 2013 1. Uma visão geral do Porto

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020

Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Fórum Estadual de Educação PR Plano Nacional de Educação PNE 2011/2020 Sessão de Debate Regional Sudoeste, 01/07/2011 UTFPR Campus Pato Branco Região: Sudoeste Cidade: Pato Branco Data do debate: 01-07-2011

Leia mais

MBA em Gestão do Entretenimento

MBA em Gestão do Entretenimento MBA em Gestão do Entertainment Business Management Público - alvo Indicado para profissionais e empreendedores que necessitam de habilidades e ferramentas para a atuação no setor de gestão, nas áreas do

Leia mais

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Fundamentos da Criatividade, do Desenho e da Cor

DISCIPLINA CRÉD CH PRÉ-REQUISITO 1ª FASE Fundamentos da Criatividade, do Desenho e da Cor CURSO DE BACHARELADO EM MODA AUTORIZAÇÃO: Resolução nº 108/2007 CONSUNI RECONHECIMENTO: Decreto Estadual nº 2523/2001 renovado pelo Decreto Estadual nº 1106/2012 PERÍODO DE CONCLUSÃO: Mínimo: 4 anos /

Leia mais

PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion "De la Idea a la Realidad

PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion De la Idea a la Realidad P rograma SEBRAE SP de Incubadoras de Empresas PERUINCUBA 2008 Semana del Emprendimiento y la Incubacion "De la Idea a la Realidad O que as MPE s representam para a economia brasileira? Número de Empresas...98

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação. Secretaria de Educação a Distância

Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação. Secretaria de Educação a Distância Encontros estaduais do MEC e da Undime com os dirigentes municipais de educação Secretaria de Educação a Distância Mapa da Exclusão Digital Percentagem da população com acesso a computadores em rede Fonte:

Leia mais

Inventário de Bens Móveis e Imóveis

Inventário de Bens Móveis e Imóveis Inventário de Bens Móveis e Imóveis Os inventários são de importância fundamental para o controle do imobilizado, constituindo-se numa ferramenta eficiente para o acompanhamento individualizado de cada

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação Gestão da Tecnologia da Informação A TCI BPO Com atuação em todo o Brasil, a TCI oferece excelência na prestação dos serviços em BPO - Business Process Outsourcing, levando aos seus clientes as melhores

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

Apresentação. Objetivo. Facilitador. Dados Principais. Claudemir Queiroz. Tecnologia Abordada Forense Computacional

Apresentação. Objetivo. Facilitador. Dados Principais. Claudemir Queiroz. Tecnologia Abordada Forense Computacional Apresentação Dados Principais Este curso fornece aos alunos as habilidades essenciais no processo de perícia forense computacional e apresenta com detalhamento as atividades da área relacionada, os aspectos

Leia mais

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação

Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação Porvir, programa do Instituto Inspirare, lança guia temático Tecnologia na Educação ü Em cinco capítulos, o guia Tecnologia na Educação aborda a importância da tecnologia para a educação; os principais

Leia mais

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Esfera: 10 Função: 20 - Agricultura Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 22101 - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Programa 0360 Gestão da Política Agropecuária Numero de Ações 11 Ações Orçamentárias 10HD Implantação do Projeto de Melhoria da Infra-estrutura da Sede do MAPA Produto: Projeto implantado Unidade de Medida:

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos

Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Canal de Interatividade: Conceitos, Potencialidades e Compromissos Por Marcus Manhães e Pei Jen Shieh 1. Introdução O Decreto Presidencial [1] 4.901, de 26 de novembro de 2003, instituiu o Projeto do Sistema

Leia mais

Plano de Negocio Sistemas Security

Plano de Negocio Sistemas Security Plano de Negocio Sistemas Security GOIÂNIA,05/12/2015 A Empresa A Sistema Security nasceu da idéia de Alunos do Senac quando cursavam o último período do curso de segurança da Informaçao. Área de Atuação

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO I NSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUI SAS EDUCACI ONAI S ANÍ SIO TEI XEIRA P ORTARIA Nº 150, DE 5 DE SETEMBRO DE 2008 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

I. NÚMERO e TÍTULO DO PROJETO:

I. NÚMERO e TÍTULO DO PROJETO: TERMO DE REFERÊNCIA n.2 - DEB Consultoria por Produto I. NÚMERO e TÍTULO DO PROJETO: Projeto: 914BRZ1001.3 - CAPES - Fortalecimento da capacidade institucional com vistas ao incremento da educação básica

Leia mais

Governo Eletrônico no Brasil. Rogério Santanna dos Santos Brasília, 08 de Abril de 2009

Governo Eletrônico no Brasil. Rogério Santanna dos Santos Brasília, 08 de Abril de 2009 Governo Eletrônico no Brasil Rogério Santanna dos Santos Brasília, 08 de Abril de 2009 ALAGOAS DIGITAL 2009 Estrutura da apresentação Histórico Estruturas organizacionais Diretrizes Principais áreas de

Leia mais

PERGUNTA: [...] 1. Entendemos que a abrangência do trabalho deve considerar os seguintes órgãos do MEC:

PERGUNTA: [...] 1. Entendemos que a abrangência do trabalho deve considerar os seguintes órgãos do MEC: ESCLARECIMENTO II AOS INTERESSADOS. Brasília, 24 de outubro de 2008. REFERÊNCIA: PREGÃO 45/2008 Proc. nº: 23000.011534/2008-22 ASSUNTO: Respostas aos Questionamentos. Prezados Senhores interessados, Em

Leia mais

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web

2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web 2 Ergonomia aplicada na EAD em ambiente web A eficiência da educação a distância (EAD) depende da contribuição de diversas disciplinas. É comum encontrarmos estudos nas áreas da ciência da computação,

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE BAURU PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS BAURU 2014 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO A Faculdade

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização

Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Unidade de Projetos de Termo de Referência para elaboração e desenvolvimento de Planejamento Estratégico Setorial para a Internacionalização Agosto de 2009 Elaborado em: 4/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil

Leia mais