ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: / INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: 49.328.552/0001 12 INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL"

Transcrição

1 ASSOREVAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS VALTRA C.N.P.J./M.F.: / INSCRIÇÃO ESTADUAL: ISENTA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO E FINALIDADES ARTIGO 1 A ASSOREVAL Associação Brasileira dos Distribuidores Autorizados Valtra Entidade de direito privado com sede e foro na cidade de Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo à Rua Schwartzmann, 612, Bairro Brás Cubas, CEP , e com prazo de existência indeterminado, rege se por este Estatuto, observado o disposto na legislação que lhe for aplicável. ARTIGO 2 A ASSOREVAL tem por finalidade: I Estimular a união e fortalecer as relações entre os Distribuidores Autorizados Valtra, com vistas a alcançar e manter os melhores padrões éticos e técnicos nos trabalhos de comercialização do produto que representam; II Representar legalmente a totalidade da rede de distribuição junto às entidades públicas e privadas e, especialmente, junto à VALTRA DO BRASIL LTDA., bem como junto à FENABRAVE Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores, nos termos e para os fins previstos para a entidade pela Lei de nr. 6729/79 e em razão do reconhecimento da entidade como órgão de representação da rede de distribuidores VALTRA, efetuada pela Primeira Convenção das Categorias Econômicas; III Proporcionar orientação técnica e jurídica aos associados bem como promover e incentivar estudos relacionados às suas atividades, com vistas ao desenvolvimento, aprimoramento, produtividade de suas operações, levando se em conta a orientação geral adotada pela VALTRA DO BRASIL LTDA.; IV Apresentar à VALTRA DO BRASIL LTDA. conclusões dos estudos sobre a aceitação dos seus produtos no mercado, bem como a opinião dos associados quanto a seus planos e programas de trabalho, especialmente na área de comercialização; V Manter o intercâmbio, no Brasil e no exterior, com entidades e associações em busca da melhor realização de seus fins. CAPÍTULO II

2 DOS ASSOCIADOS ARTIGO 3 Poderão ser associados titulares da ASSOREVAL as empresas, inclusive firmas individuais, que sejam Distribuidores Autorizados Valtra, estabelecidas no Território Nacional, e que se farão representar mediante indicação por escrito. Parágrafo 1 Serão associados honorários as pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras que, por motivo de prestação de relevantes serviços à ASSOREVAL ou à classe que congrega, assim sejam consideradas por ato da Diretoria, aprovado pelo Conselho Administrativo. Parágrafo 2 Somente os associados titulares terão o direito de voto e o dever de contribuição, os quais serão representados, na Assembléia Geral: I Em se tratando de empresa, por membros de sua diretoria ou pelo sócio que a represente legal, estatutária e contratualmente; II Em se tratando de firma individual, pelo respectivo titular. Parágrafo 3 O voto será pessoal, admitido o seu exercício por procurador da empresa associada através de instrumento com poderes específicos e determinados para a assembléia a que se destina. ARTIGO 4 Para admissão ao quadro social será necessário: I Preenchimento da respectiva proposta que deverá ser dirigida à Diretoria da ASSOREVAL; II Pronunciamento favorável da Diretoria, após exame da idoneidade do candidato. ARTIGO 5 São direitos do associado titular: I Comparecer às assembléias, votar e ser votado, desde que não esteja em mora ao pagamento da contribuição para a ASSOREVAL (artigo 9, Parágrafo 3) sendo que, para ser votado, o representante da empresa deverá nela trabalhar há mais de um ano e a mesma ser associada também há mais de um ano; II Utilizar se dos serviços da ASSOREVAL, observadas as condições regimentais; III Submeter, à Diretoria, aos Conselhos, à Assembléia Geral, assuntos de seu interesse, inclusive no que concerne à qualquer ato que considere infringente de seus direitos ou deste Estatuto; IV Tomar parte nas atividades sociais. ARTIGO 6 São deveres do associado titular: I Observar as disposições estatutárias, as regimentais, as deliberações da Assembléia Geral, dos Conselhos e as decisões da Diretoria Executiva; 2

3 II Efetuar o pagamento das contribuições devidas, nos respectivos prazos; III Fornecer todas as informações que lhe forem solicitadas pela ASSOREVAL, visando a realizar estudos e trabalhos de interesse da comunidade econômica representada; IV Informar à ASSOREVAL, as transgressões estatutárias e regulamentares de que tenha ciência; V Zelar e acatar os termos das Convenções de Categoria Econômica que se venham celebrar bem como zelar e acatar os termos e condições das Convenções de Marca que venha a ASSOREVAL celebrar com a VALTRA DO BRASIL LTDA.; VI Colaborar com a sociedade na conservação de seu patrimônio, indenizando a dos prejuízos que causar: VII Colaborar sempre que possível na realização das finalidades sociais; VIII Abster se de manifestar ou provocar no âmbito da sociedade, disputas políticas ou secretariais; IX Indicar por escrito os seus representantes junto à sociedade; X Comparecer às reuniões da Assembléia Geral e dos demais órgãos que faça parte, aceitando as indicações para o exercício de funções nos quadros diretivos da entidade. ARTIGO 7 O associado que deixar de cumprir os deveres para com a ASSOREVAL ou que, em sua vida pública, ou profissional, comprometer seus fins, dignidade ou prestígio, poderá ser advertido, suspenso ou eliminado do quadro social por ato do Conselho Administrativo, mediante proposta fundamentada da Diretoria Executiva; Parágrafo 1 Do ato que aplicar qualquer penalidade poderá ser interposto recurso à Assembléia Geral, no prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data que a mesma tenha sido comunicada através do Presidente do respectivo Conselho; Parágrafo 2 Perderá a qualidade de sócio a sociedade e firma individual que, em qualquer tempo e após deliberação da Diretoria Executiva, tiver perdido justamente a condição de Distribuidor Autorizado Valtra, ou tiver cometido grave infração contra as regras estatutárias. CAPÍTULO III DO PATRIMÔNIO DA ASSOREVAL ARTIGO 8 O patrimônio da ASSOREVAL é constituído por: I Contribuições de associados; II Doações, legados, auxílios e subvenções: III Bens e valores adquiridos e as rendas por eles produzidas; IV Outras rendas. 3

4 Parágrafo Único: Os bens imóveis só poderão ser alienados mediante autorização expressa da Assembléia Geral, tomada a votação secreta. CAPÍTULO IV DAS CONTRIBUIÇÕES ARTIGO 9 O associado titular obriga se ao pagamento de uma contribuição mensal calculada na base de 0,15 % (zero virgula quinze por cento) sobre o preço de tabela pública São Paulo, do trator agrícola standard, modelo 885 4x2, ou o equivalente determinado pelo Conselho Administrativo, por trator novo retirado na Valtra do Brasil LTDA. no mês anterior e que não poderá ser inferior à importância correspondente a 01 (hum) trator; Parágrafo 1 No cálculo do valor da contribuição serão arredondados para R$ 1,00 (hum real) as frações dessa importância; Parágrafo 2 A contribuição deverá ser paga até o último dia útil do mês subsequente à retirada de tratores novos, devendo o pagamento ser efetuado diretamente à ASSOREVAL ou através de outro sistema e prazo para pagamento que forem fixados pela Diretoria Executiva; Parágrafo 3 O associado em mora terá a importância da contribuição mensal em atraso, corrigida monetariamente, de acordo com o índice de variação da TR (Taxa Referencial), ou outro índice que vier a substituí lo, no período compreendido entre a data do vencimento e seu efetivo pagamento. CAPÍTULO V DA ADMINISTRAÇÃO SEÇÃO I DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E REPRESENTAÇÃO ARTIGO 10 São órgãos de administração e representação da ASSOREVAL: I Assembléia Geral órgão máximo de deliberação coletiva; II Conselho Administrativo órgão de orientação e supervisão geral da administração; III Diretoria Executiva órgão de administração executiva; IV Conselho Fiscal órgão de fiscalização financeira; V Conselho de Ex Presidentes órgão de orientação da administração. SEÇÃO II DA ASSEMBLÉIA GERAL 4

5 ARTIGO 11 À Assembléia Geral dos Associados, órgão máximo de deliberação coletiva da ASSOREVAL, compete: I Eleger os membros do Conselho Administrativo; II Examinar e aprovar o Relatório da Diretoria Executiva, a prestação de contas e o balanço do exercício anterior; III Aprovar a alienação de imóveis e a constituição de ônus reais sobre os mesmos, mediante proposta fundamentada da Diretoria Executiva; IV Decidir sobre outros assuntos de interesse da ASSOREVAL, que lhe tenham sido fundamentalmente submetidos por qualquer órgão da administração ou por associado; V Julgar recurso de ato do Conselho Administrativo que aplicar penalidade ao associado; Parágrafo 1 A Assembléia Geral reunir se á ordinariamente, no primeiro semestre de cada ano, e extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente ou requerida pela maioria dos associados. Parágrafo 2 O Presidente não poderá se opor à convocação requerida na forma do Parágrafo 1, "in fine", devendo promovê la em 10 (dez) dias a contar da entrada do requerimento na secretaria, para que a reunião seja realizada dentro dos 20 (vinte) dias subsequentes sob pena de, não o fazendo, ser convocada pelos que a solicitaram; Parágrafo 3 Na reunião extraordinária serão tratados unicamente os assuntos constantes da respectiva convocação e sua realização, na hipótese de que trata o Parágrafo 2, dependerá do comparecimento de 2/3 (dois terços) dos que a requereram; Parágrafo 4 Quando a reunião extraordinária se destinar a alteração deste Estatuto, a convocação ou o requerimento a que se refere o parágrafo 1 deverá discriminar o objeto da alteração, resumidamente no edital e, na íntegra, na convocação por correspondência com aviso de recebimento (AR); Parágrafo 5 A convocação será feita por correspondência com aviso de recebimento (AR) e publicação de edital em jornal de grande circulação da sede da ASSOREVAL com antecedência de, pelo menos, 20 (vinte) dias sobre a data da reunião. ARTIGO 12 As deliberações da Assembléia Geral serão tomadas, em primeira convocação, por maioria absoluta dos votos em relação ao total de associados e, em segunda convocação, no mínimo 30 (trinta) minutos depois, por maioria dos associados presentes à reunião; Parágrafo Único O presente estatuto poderá ser reformado com a observância do quorum estabelecido neste artigo. ARTIGO 13 Haverá uma Assembléia Geral Eleitoral no segundo semestre de cada ano de final par, destinada especificamente à eleição dos membros do Conselho Administrativo para o biênio subsequente, obedecidas as regras abaixo: Parágrafo 1 Para efeito de participar e votar, na Assembléia, o associado em mora 5

6 poderá quitar as contribuições em atraso até a hora do início da reunião; Parágrafo 2 A votação será feita por escrutínio secreto, salvo decisão em contrário da Assembléia Geral, tomada em cada caso; Parágrafo 3 Para essa eleição será permitido o voto por correspondência dos associados observado o seguinte processo: I A ASSOREVAL remeterá, através de correspondência com aviso de recebimento (AR), no mínimo trinta dias antes do pleito, a cada associado em condições de votar, uma cédula e dois envelopes destinados a essa finalidade, rubricados pelo Presidente, acompanhados de carta contendo os seguintes esclarecimentos: a) Local e data em que se reunirá a Assembléia Geral com função eleitoral, mencionadas as horas de início e de encerramento da votação; b) Número de representantes do Estado cujas vagas serão preenchidas; c) Relação dos associados que, tendo mais de um ano de filiação, são elegíveis; II O associado, após preencher a cédula, datilograficamente ou em letra de forma, com os nomes dos representantes de seu Estado que deseja eleger para o Conselho Administrativo, a colocará no 1' envelope, sem qualquer marca ou sinal que permita a identificação do voto; III O 1' envelope, depois de fechado, será colocado no 2' envelope, de cujo verso constará o nome do associado e a assinatura de seu representante junto à ASSOREVAL; IV O 2' envelope, depois de fechado, será endereçado à Assembléia Geral Eleitoral e remetido à sede da ASSOREVAL, através de correspondência com aviso de recebimento (AR); V Somente serão válidos e computados os votos dos associados que não estiverem em mora (artigo 9', parágrafo 3') e que forem recebidos até a hora estabelecida para o encerramento da reunião da Assembléia Geral Eleitoral; VI Terminada a votação e a apuração dos votos dos associados presentes à Assembléia Geral Eleitoral, serão abertos os votos por correspondência, procedendo se a apuração da seguinte maneira: a) Depois de contados, os envelopes serão abertos e inutilizados tão logo retirados os envelopes menores contendo as cédulas de votação; b) Em seguida, os envelopes menores serão abertos, procedendo se a apuração dos votos neles contidos. VII Somados os resultados das votações direta e por correspondência, serão proclamados eleitos efetivos e, a seguir, suplentes, os candidatos mais votados, segundo a ordem da votação obtida, prevalecendo, para resolver casos de empate, os seguintes critérios, a serem aplicados sucessivamente, na ordem em que estão mencionados: a) A maior antigüidade como associado da ASSOREVAL; 6

7 b) Ou, permanecendo o empate, a maior antigüidade como integrante da Rede de Distribuidores Valtra; c) Ou o sorteio se ainda persistir o empate. Parágrafo 4 O associado que comparecer à Assembléia Geral embora já tenha enviado seu voto por correspondência, desde que obtida a devolução e procedida a inutilização do mesmo antes do início da reunião, poderá participar desta, exercendo, pessoalmente, o direito de votar; Parágrafo 5 A Assembléia Geral Eleitoral será convocada por correspondência com aviso de recebimento (AR) e publicação de edital em jornal de grande circulação na sede da ASSOREVAL com antecedência de, no mínimo 20 (vinte) dias sobre a data da reunião e deverá conter, na convocação epistolar, todos os elementos necessários ao exercício do voto referido nos incisos do parágrafo 3 supra. SEÇÃO III DO CONSELHO ADMINISTRATIVO ARTIGO 14 O Conselho Administrativo, órgão de orientação e supervisão geral da administração será integrado por 01 (hum) representante efetivo e igual número de suplente de cada Estado eleito pela Assembléia Geral, com mandato de 02 (dois) anos, admitida a recondução. ARTIGO 15 Ao Conselho Administrativo compete: I Cumprir e fazer cumprir o presente Estatuto, suas próprias resoluções e as da Assembléia Geral; II Estabelecer as diretrizes e a política geral de administração da ASSOREVAL; III Elaborar e aprovar o Regimento Interno da ASSOREVAL; IV Eleger a Diretoria Executiva e o Conselho Fiscal; V Aprovar o orçamento e o balanço anual; VI Aplicar penalidades aos associados, por proposta da Diretoria Executiva. ARTIGO 16 O Conselho Administrativo reunir se á, ordinariamente, uma vez em cada quadrimestre e, extraordinariamente, sempre que convocado pelo Presidente ou requerido por 1/3 (um terço) de seus membros, aplicando se, nesta última hipótese, quando for o caso, o disposto nos parágrafos 2, 3 e 4 do Artigo 11. Parágrafo Único O Conselho Administrativo reunir se á com qualquer número, mas, para deliberar, em primeira convocação, será indispensável a presença de representantes de, pelo menos 50% (cinqüenta por cento) dos Estados e, em segunda convocação, no mínimo 30 (trinta) minutos depois, por maioria dos seus membros presentes à reunião. 7

8 ARTIGO 17 Para eleição dos membros da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal, as chapas concorrentes serão apresentadas, para registro, à secretaria da ASSOREVAL, pelo menos 03 (três) horas antes do início do pleito; Parágrafo 1 O registro será requerido e assinado por todos os integrantes da chapa, considerando se efetivado com o recibo passado na respectiva cópia pelo Diretor Administrativo Tesoureiro da ASSOREVAL; Parágrafo 2 Cada chapa, que terá um número atribuído segundo a ordem de apresentação para registro, compreenderá todos os cargos da Diretoria Executiva e do Conselho Fiscal; Parágrafo 3 Não será admitida a candidatura avulsa ou isolada e o associado não poderá concorrer em mais de uma chapa; Parágrafo 4 Encerrado o prazo para registro, a secretaria da ASSOREVAL providenciará a confecção das cédulas das chapas registradas em número suficientes à votação; Parágrafo 5 O voto será secreto e pessoal, adotando se as cautelas necessárias a assegurar seu sigilo; Parágrafo 6 Em caso de empate, será realizada nova eleição dentro de duas horas. Persistindo o empate, serão aplicados os critérios previstos no artigo 12, inciso VII, alíneas a, b ou c, considerando se a antigüidade conjunta dos membros que integram as chapas. SEÇÃO IV DA DIRETORIA EXECUTIVA ARTIGO 18 A Diretoria Executiva, órgão de administração executiva é composta de 15 (quinze) membros, eleitos pelo Conselho Administrativo, com mandato de 02 (dois) anos, admitida a recondução, ficando facultado à Diretoria a renovação de 1/3 (um terço) de seus componentes a cada 02 (dois) mandatos; Parágrafo 1 Os cargos da Diretoria, são os seguintes: I 01 (um) Presidente; II 01 (um) Vice Presidente Nacional; III 06 (seis) Vice Presidentes Regionais; IV 01 (um) Diretor Administrativo Tesoureiro; V 01 (um) Diretor Comercial; VI 01 (um) Diretor de Consórcio; VII 01 (um) Diretor de Pós Venda; 8

9 VIII 01 (um) Diretor Técnico; IX 01 (um) Diretor de Marketing; X 01 (um) Diretor de Relações Institucionais. Parágrafo 2 O cargo de Presidente não poderá ser exercido por um mesmo concessionário associado, por mais de 02 (dois) mandatos consecutivos, não se excluindo a hipótese de podê lo exercer em mandatos alternados; Parágrafo 3 O Presidente que encerrar seu mandato será membro nato da Diretoria subsequente, ocupando a Vice Presidência Nacional, salvo quando for eleito por qualquer das chapas concorrentes, para o mesmo ou para outro cargo; Parágrafo 4 A Diretoria reunir se á, ordinariamente uma vez por mês e, extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente ou requerida por 1/3 (hum terço) de seus membros, aplicando se, nesta última hipótese, quando for o caso, o disposto nos parágrafos 2, 3 e 4 do artigo 11; Parágrafo 5 A Diretoria reunir se á com qualquer número, mas, para deliberar, será indispensável a presença da maioria de seus membros, considerando se também para efeito de quorum, a presença dos membros do Conselho de Ex Presidentes. ARTIGO 19 Ao Presidente em exercício da Diretoria cabe a presidência do Conselho Administrativo e da Assembléia Geral. Parágrafo Único O Presidente terá sempre, além do voto comum o de qualidade, nos casos de empate. ARTIGO 20 À Diretoria Executiva compete: I Dirigir a ASSOREVAL de acordo com o Estatuto, as deliberações do Conselho Administrativo e as da Assembléia Geral; II Administrar o patrimônio; III Criar os órgãos e serviços necessários à realização dos fins da ASSOREVAL; IV Manter o diálogo oficial com a Valtra do Brasil Ltda., podendo criar comissões para esse e outros fins; V Organizar e apresentar: a) Ao Conselho Administrativo, o orçamento para o exercício subsequente e o relatório das principais ocorrências do ano anterior: b) Ao Conselho Fiscal, as contas do exercício encerrado. ARTIGO 21 Ao Presidente compete: 9

10 I Convocar e presidir as reuniões da Diretoria Executiva, do Conselho Administrativo e da Assembléia Geral; II Representar a ASSOREVAL, sendo lhe privativo o pronunciamento público ou externo em seu nome; III Supervisionar as atividades da ASSOREVAL; IV Autorizar despesas e assinar, juntamente com o Diretor Tesoureiro, cheques e demais papéis que importem responsabilidade financeira; V Nomear e demitir servidores e fixar seus salários; VI Representar a ASSOREVAL em juízo ou fora dele, especialmente junto à Valtra do Brasil LTDA., podendo delegar poderes e constituir procuradores para atos específicos. ARTIGO 22 Ao Vice Presidente Nacional compete auxiliar o Presidente no exercício de suas funções e substituí lo em suas faltas e impedimentos. ARTIGO 23 Aos Vice Presidentes Regionais competem, além das suas atribuições naturais como membros da Diretoria Executiva, representar os Concessionários de sua regional, cabendo a essa função a responsabilidade de conduzir e apurar junto a cada Concessionário de sua regional todos os assuntos pertinentes aos anseios, pleitos, mercado e sugestões específicas da região e apresentá las à Diretoria Executiva da ASSOREVAL. ARTIGO 24 Ao Diretor Administrativo Tesoureiro compete: I Dirigir e fiscalizar os serviços da tesouraria e supervisionar a escrituração dos livros da entidade; II Manter em perfeita ordem e boa guarda os bens e valores da ASSOREVAL; III Assinar, juntamente com o Presidente, cheques e demais papéis que importem responsabilidade financeira; IV Depositar os dinheiros da ASSOREVAL, conservando na Tesouraria o numerário indispensável às necessidades imediatas; V Superintender e fiscalizar os serviços da Secretaria. ARTIGO 25 Aos Diretores Comercial, de Consórcio, de Pós Venda, Técnico, de Marketing e de Relações Institucionais, compete individualmente dirigir e fiscalizar os Grupos de Estudos, Comissões, Trabalhos e demais atribuições estabelecidas pela Diretoria Executiva, visando o incremento de nosso negócio e a defesa dos interesses comuns da Rede e por consequência da Marca, nas respectivas Áreas de Trabalho que lhes forem outorgadas. SEÇÃO V DO CONSELHO FISCAL 10

11 ARTIGO 26 O Conselho Fiscal, órgão de fiscalização da gestão financeira, é composto por 03 (três) membros e igual número de suplentes, eleitos pelo Conselho Administrativo. Parágrafo 1 Ao Conselho Fiscal compete: I Dar parecer sobre o balanço anual e os balancetes mensais; II Visar os documentos e livros de escrituração contábil da ASSOREVAL, nas ocasiões de tomadas de contas da Diretoria. Parágrafo 2 O Conselho Fiscal reunir se á ordinariamente, em cada semestre e, extraordinariamente, quando convocado pela maioria de seus membros. SEÇÃO VI DO CONSELHO DE EX PRESIDENTES ARTIGO 27 O Conselho de Ex Presidentes é composto pelos Ex Presidentes da ASSOREVAL, podendo seus integrantes participar de qualquer reunião promovida pela Associação; Parágrafo 1 Perderá a condição de integrante do Conselho de Ex Presidentes aquele que não preencher todas as condições de associado conforme disposto no Capítulo II do presente Estatuto; Parágrafo 2 Aos membros do Conselho de Ex Presidentes compete opinar e votar, em reuniões da Diretoria Executiva, bem como, em outras reuniões promovidas por qualquer órgão administrativo, ou de representação da ASSOREVAL; Parágrafo 3 O Conselho de Ex Presidentes reunir se á a qualquer época, quando convocado por um de seus membros, pelo Presidente da ASSOREVAL, ou quando solicitado por qualquer dos órgãos da Associação; Parágrafo 4 O Conselho de Ex Presidentes expressar se á sempre pela manifestação individual de seus membros. CAPÍTULO VII DA SUSPENSÃO E DA PERDA DO MANDATO ARTIGO 28 Constituem causas de suspensão ou perda de mandato, segundo a gravidade do ato e a extensão de seus efeitos: I A malversação ou dilapidação do patrimônio social; II A grave violação de norma estatutária; III O abandono do cargo; IV A perda da condição de Distribuidor Autorizado Valtra; 11

12 V O procedimento incompatível com o decoro ou atentatório as instituições vigentes. Parágrafo 1 As penalidades serão aplicadas pela Diretoria Executiva aos seus próprios membros e aos do Conselho Fiscal, assegurado recurso, dotado de efeito suspensivo, ao Conselho Administrativo, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da comunicação escrita ao associado; Parágrafo 2 As penalidades serão aplicadas pela Assembléia Geral aos seus próprios membros e aos do Conselho Administrativo, assegurado pedido de reconsideração, com efeito suspensivo, no prazo de 30 (trinta) dias a contar da comunicação escrita ao associado; Parágrafo 3 Nos processos relativos à aplicação de penalidades será assegurada ampla defesa ao associado; Parágrafo 4 Considera se abandono de cargo a ausência a três reuniões consecutivas ou, em cada ano, a mais da metade das reuniões do Conselho Administrativo, da Diretoria Executiva ou do Conselho Fiscal, salvo justificação escrita, acolhida pelo respectivo órgão. CAPÍTULO VIII DAS SUBSTITUIÇÕES ARTIGO 29 Nos casos de vacância temporária ou definitiva, assumirá o cargo o substituto indicado no Estatuto ou o suplente, feita a convocação pelo Presidente em exercício. CAPÍTULO IX DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 30 Os cargos nos órgãos de administração e representação da ASSOREVAL não são remunerados; ARTIGO 31 Os associados não respondem pelas obrigações contraídas em nome da ASSOREVAL; ARTIGO 32 A ASSOREVAL poderá ser dissolvida pela Assembléia Geral, em reunião especialmente convocada para esse fim, por voto da maioria de seus associados, representando, no mínimo 2/3 (dois terços) dos Estados. Parágrafo Único O ato que aprovar a dissolução estabelecerá o destino a ser dado ao seu patrimônio, sempre a instituições reconhecidas de utilidade pública. CAPÍTULO X DA DISPOSIÇÃO FINAL 12

13 ARTIGO 33 Este Estatuto foi aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária, realizada em 19 de dezembro de 2002, com vigência imediata, ficando revogadas as disposições anterioras ou contrárias. 13

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. A Instituição. Da Natureza e Finalidade ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO TÉCNICO DE LIMEIRA DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÂO I A

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO;

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO; Estatuto da ADEPO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 - A Associação se constituirá, como sociedade civil, sob a designação de ASSOCIAÇÃO DOS EX - ALUNOS PÓS - GRADUADOS EM ORTODONTIA DA U.F.R.J.; Art. 2 - A Associação,

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P A A F C E P A s s o c i a ç ã o d o s A u d i t o r e s F i s c a i s d e C o n t r o l e E x t e r n o d o T r i b u n a l d e C o n t a s d o E s t a d o d o P i a u í ESTATUTO SOCIAL Teresina, fevereiro

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA ESTADUAL (informar o complemento da denominação social) CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres SEÇÃO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESTATUTO SOCIAL DO SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CAPÍTULO I DOS FINS ART.1 º - O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM COOPERATIVAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - SINECOOP,

Leia mais

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO DA UNIÃO ESTUDANTIL DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS, CAMPUS URUAÇU/GO. Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º. A União Estudantil do Instituto Federal de Goiás, Campus Uruaçu denominar-se-á

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli)

PROJETO DE LEI N, DE 2015. (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) PROJETO DE LEI N, DE 2015 (Do Senhor Deputado Professor Victório Galli) O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre a regulamentação do exercício das profissões de Analista de Sistemas, Desenvolvedor, Engenheiro

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO. Capitulo I

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO. Capitulo I SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO DO PARANÁ. ESTATUTO Capitulo I Art.1º - O SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE EXTRAÇÃO DE MÁRMORES, CALCÁRIOS E PEDREIRAS NO ESTADO

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GREMIO 8 DE ABRIL TÌTULO - I DENOMINAÇÃO, SEDE, DEFINIÇÃO, FINALIDADE E OBJETIVO Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO GRÊMIO 08 DE ABRIL, fundada no dia 16 de fevereiro de 1990, com o CNPJ nº

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE PRÍNCIPE ESPADARTE 1 ESTATUTO ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO ESPÍRITA OBRAS DE CARIDADE Estatuto aprovado na Assembléia Geral Ordinária de fundação realizada em 07 de fevereiro de 1994 e alterado nas Assembléias Gerais Ordinárias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007

PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 SENADO FEDERAL GABINETE DO SENADOR EXPEDITO JÚNIOR PROJETO DE LEI DO SENADO N, DE 2007 Dispõe sobre a regulamentação do exercício da profissão de Analista de Sistemas e suas correlatas, cria o Conselho

Leia mais

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO

MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO MINASMÁQUINAS S/A CNPJ/MF: 17.161.241/0001-15 NIRE:31300041727 Companhia Aberta ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, OBJETO E DURAÇÃO Art. 1º - Sob a denominação de MINASMÁQUINAS S/A,

Leia mais

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS

Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Sindicato dos Despachantes Aduaneiros ESTATUTO SOCIAL CAPITULO I SEÇÃO I DOS OBJETIVOS Art.1 O SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS, sucessor do SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DE PARANAGUÁ, por

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE AMAMBAI ASSEAMA FACULDADE DE AMAMBAI - MS ESTATUTO SOCIAL DA FIAMA EMPRESA JÚNIOR AMAMBAI MS 2010 FIAMA -Empresa Júnior Rua Padre Anchieta, 202 Amambai-MS 2 EMPRESA JUNIOR Visando

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET

ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET ATA DA ASSEMBLÉIA DE FUNDAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO TRABALHO ABET Aos trinta dias do mês de maio de mil novecentos e oitenta e nove, na sala de convenções do Hotel Panamericano, sito à

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil

Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Estatuto da Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO, JURISDIÇÃO E FINS Art. 1º. A Igreja Presbiteriana Renovada do Brasil (IPRB), fundada no dia 8

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CONCESSIONÁRIOS YAMAHA - ABRACY CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E PRAZO DE DURAÇÃO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CONCESSIONÁRIOS YAMAHA - ABRACY CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E PRAZO DE DURAÇÃO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CONCESSIONÁRIOS YAMAHA - ABRACY CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E PRAZO DE DURAÇÃO ARTIGO 1 - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS CONCESSIONÁRIOS YAMAHA ABRACY, é uma entidade

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo C.N.P.J. 43.640.168/0001-74 ESTATUTO SOCIAL DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL,

Leia mais

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS TÍTULO I Da Entidade Artigo 1º - O Diretório Acadêmico de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA

ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA ESTATUTO SOCIAL DA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA Capítulo I Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 A Empresa Júnior FABAVI Vitória é uma associação sem fins lucrativos e com prazo de duração

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL

BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração e Objeto Artigo 1º A BONAIRE PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Entidade Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco Coordenação de Sistemas de Informação Diretório Acadêmico de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Avenida Professor Luiz

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

Redação Original Alteração Proposta Justificativa

Redação Original Alteração Proposta Justificativa QUADRO COMPARATIVO DAS ALTERAÇÕES DO ESTAUTO SOCIAL DO CNBPREV FUNDO DE PREVIDÊNCIA DOS CARTÓRIOS Novembro/2013 Redação Original Alteração Proposta Justificativa Estatuto Social CNBPrev Fundo de Previdência

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA FUNCEF ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. ASSOCIAÇÃO NACIONAL INDEPENDENTE DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES ESTATUTO SOCIAL Art. 1º - O CENTRO DOS PROFESSORES DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO, com a sigla CPERS/SINDICATO é uma

Leia mais

SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL

SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL 1 Estatuto Social - ANEXO I SINDICATO DAS EMPRESAS DO TRANSPORTE DE CARGAS E LOGÍSTICA DO RIO DE JANEIRO - SINDICARGA - REGULAMENTO ELEITORAL Dispõe sobre o processo eleitoral nos âmbitos da Assembléia

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE FRANCISCO MORATO

ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE FRANCISCO MORATO ESTATUTO PADRÃO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DA ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE FRANCISCO MORATO CAPÍTULO I Da Instituição, da Natureza e Finalidade da Associação de Pais e Mestres. SEÇÃO I Da Instituição

Leia mais

CONGREGAÇÃO ESPÍRITA UMBANDISTA DO BRASIL

CONGREGAÇÃO ESPÍRITA UMBANDISTA DO BRASIL ESTATUTO DO(A) NOME DA INSTITUIÇÃO DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADE Artigo 1º : O(A) nome da Instituição cuja sigla é..., é uma associação religiosa Umbandista e civil de direito privado, beneficente,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA, também designada pela sigla

Leia mais

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais;

III- lutar por uma universidade autônoma, democrática e participativa, que cumpra suas funções acadêmicas e político-sociais; ESTATUTO DO CENTRO ACADÊMICO RUY BARBOSA (Faculdade de Direito-UFBA) TÍTULO I DA ENTIDADE Capítulo I Da Natureza Jurídica Art.1º O Centro Acadêmico Ruy Barbosa (CARB), fundado em 25 de Outubro de 1999,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE

SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE SEGUNDA ALTERAÇÃO DO ESTATUTO DOS TRABALHADORES EM ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SUPERIOR DO OESTE DO PARANÁ - SINTEOESTE CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E FINALIDADES DO SINDICATO ARTIGO 1º O Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo. Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977

Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo. Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977 Estatuto ABRACIRCO Associação Brasileira de Circo Estatuto Associação Brasileira de Circo ABRACIRCO Fundada em 13 de abril de 1977 Capítulo I Da denominação, alterações, sede e fins. Art. 1º - A Associação

Leia mais

ESTATUTO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006

ESTATUTO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006 ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CASARÃO DA VÁRZEA - AACV Alterações aprovadas na Assembléia Geral do dia 20 de junho de 2006 CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - A Associação dos Amigos do Casarão da Várzea,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CLÍNICOS VETERINÁRIOS DE PEQUENOS ANIMAIS SEÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL (ANCLIVEPA-MS) ESTATUTO CAPÍTULO I

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CLÍNICOS VETERINÁRIOS DE PEQUENOS ANIMAIS SEÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL (ANCLIVEPA-MS) ESTATUTO CAPÍTULO I ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE CLÍNICOS VETERINÁRIOS DE PEQUENOS ANIMAIS SEÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL (ANCLIVEPA-MS) ESTATUTO CAPÍTULO I Da Denominação, Finalidade, Sede, Duração E Organização Geral. Art. 1º -

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN)

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA DO PLANALTO (AMEPLAN) CAPÍTULO I Título, Finalidade e Sede Art. 1º - A Associação Médica do Planalto, Ameplan, fundada em 21 de setembro de 1994, é uma sociedade civil de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO EM PATOLOGIA CRÂNIO MANDIBULAR ABCM CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO E DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a associação civil denominada

Leia mais

ESTATUTO DA ASSCODECHA

ESTATUTO DA ASSCODECHA ESTATUTO DA ASSCODECHA ASSCODECHA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO CHAMANCULO ESTATUTO DA ASSCODECHA CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTIVOS E ACTIVIDADES ARTIGO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais