CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS"

Transcrição

1 CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS Módulo 05 Projeto de Móveis

2 CURSO COMPLETO DE PROJETO DE MÓVEIS MÓDULO 05 Aula 03 Assuntos a serem abordados: 04. Desenhos que Compõem um Projeto de Detalhamento de Móveis Atenção: O material está disponível apenas para este curso. É proibida cópia total ou parcial, apresentação ou qualquer forma de comercialização de seu conteúdo. São respeitados os Direitos Autorais de toda a bibliografia consultada, com a respectiva indicação dos créditos. EAD Ensino à Distância amcursosonline.com.br

3 04. DESENHOS QUE COMPÕEM UM PROJETO DE DETALHAMENTO DE MÓVEIS Todo o projeto de detalhamento de móveis precisa determinar previamente os desenhos, objetivando obter o seu perfeito entendimento. Nem sempre é necessário realizar todos os desenhos, tal ação dependerá da complexidade do projeto ou do móvel. No entanto, um projeto completo, contendo todos os desenhos, sempre será compreendido, por esta razão, quanto mais detalhado for o projeto, maiores as chances de ele ser executado com perfeição. Um projeto de detalhamento de móveis é composto pelos seguintes desenhos: Planta Baixa de Layout Elevações Vista Frontal Vista Lateral Vista Interna Corte Horizontal Corte Vertical Detalhes Perspectiva Cada desenho citado acima deve ser representado com muitos detalhes, desta maneira, facilitando o entendimento do profissional que executará o projeto, seu sistema construtivo e seus acabamentos. A riqueza de detalhes esboçada nos desenhos facilitará ao cliente a visualização real do seu móvel, assim evitando surpresas indesejáveis. A seguir vamos analisar cada um dos desenhos mencionados acima, além de especificar o que deve conter em cada um deles. No presente módulo vamos apenas conhecer e nos familiarizar com cada tipo desenho. Veremos também exemplos de desenhos prontos e

4 finalizados, contendo todas as informações que um projeto de detalhamento de móveis deve possuir. No entanto, o passo a passo de como alcançar o resultado final será estudado no próximo módulo Planta Baixa Dependendo da complexidade do projeto, a planta baixa pode ser divida em três partes. Ao realizar um projeto de interior completo de uma residência, apartamento, loja, etc., tal projeto obrigatoriamente deverá possuir uma Planta Baixa de Layout Geral compreendendo todos os ambientes, e depois da aprovação do Layout Geral, o detalhamento por ambiente será necessário. Cada ambiente deverá possuir uma Planta Baixa de Layout em uma escala mais ampliada para esboçar detalhadamente cada ambiente. Caso o profissional seja contratado apenas para realizar o projeto de um único móvel, neste caso, a Planta Baixa de Layout Geral e nem a Planta Baixa de Layout por ambiente será desenvolvida. Neste caso, desenvolveremos apenas uma Vista Superior do móvel, por não haver necessidade de uma visão mais geral do ambiente. Planta Baixa de Layout Geral Conforme citado acima, a Planta Baixa de Layout Geral engloba todos os ambientes que serão projetados em uma única planta. Normalmente é realizado em uma escala menor para que se possa colocar toda a planta em uma única folha. A escala utilizada dependerá da área a ser trabalhada. Normalmente, usa-se a escala 1:50, 1:75 ou 1:100. Neste contexto, as escalas menores não são indicadas para o detalhamento de móveis, pois a compreensão dos desenhos acaba sendo dificultada e os detalhes acabam se perdendo. Na Planta Baixa de Layout Geral encontramos todos os móveis que abrangem os ambientes, objetivando obter uma visão geral de como ficará a circulação em todos os espaços de uma forma integrada. Nesta planta, não há necessidade de desenhar todos os detalhes dos móveis, pois a escala é

5 menor e estes detalhes não ficarão visíveis. Recomenda-se evidenciar tais detalhes na Planta de Layout por ambientes, onde a escala é maior, logo a compreensão é mais fácil. Portanto, na Planta Baixa de Layout Geral recomendamos que sejam feitos desenhos mais simplificados, contendo somente as suas dimensões gerais. Abaixo o exemplo de uma Planta Baixa de Layout Geral de um apartamento com todas as informações necessárias: A Planta Baixa de Layout Geral deve conter: A Planta Baixa da edificação com o desenho das paredes, localização das aberturas (portas e janelas) e projeção das vigas, contendo as modificações de alvenaria, quando houver. Para melhor visualização das paredes, recomendamos pintá-las para destacá-las, os tons de cinza são sempre uma boa opção;

6 A disposição dos móveis de todos os ambientes; Nome dos ambientes com a área de cada um; Cotas gerais com as dimensões gerais de cada móvel, sua localização e a circulação entre eles. Não é necessário cotar paredes e aberturas, no detalhamento de móveis, neste momento, o que devemos destacar são os móveis; Breve descrição do que é cada móvel. Por exemplo: mesa de jantar, sofá de quatro lugares, etc.; Nome do desenho e escala utilizada, que devem estar posicionados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Planta Baixa Layout Geral Apartamento Esc: 1:50 Planta Baixa de Layout por ambiente É uma versão mais detalhada de um único ambiente. Na Planta Baixa desenharemos cada móvel com mais riqueza de detalhes utilizando uma escala um pouco menor, objetivando destacar os detalhes do desenho sem poluir demasiadamente o desenho. Quando houver projeções de móveis suspenso, estas devem estar contidas no desenho. Nesta planta, a escala utilizada pode variar de acordo com a área do ambiente, porém a escala mais indicada é 1:25 ou 1:20, podendo-se utilizar a escala de 1:50 quando o ambiente for muito grande. Na Planta Baixa de Layout Geral deve conter: A Planta Baixa do Ambiente com o desenho das paredes, localização das aberturas (portas e janelas) e projeção das vigas, contendo as modificações de alvenaria, quando houver. Para melhor visualizar as paredes, recomendamos pintá-las de alguma cor para destacá-las. A disposição de todos os móveis do ambiente de forma bem detalhada;

7 Cotas gerais com as dimensões totais de cada móvel, e cotas parciais com as dimensões das partes de cada móvel, com a localização de cada um e a circulação entre eles. Não é necessário cotar paredes e aberturas; Descrição detalhada de cada móvel, contendo a especificação dos materiais de cada um. Esta descrição pode ser por meio de legenda, ou de linhas de chamada; Setas indicando o nome de cada elevação ou vista; Indicação de onde estão passando os cortes verticais; Nome do desenho e ambiente com a escala utilizada, que devem estar localizados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Planta Baixa Layout Cozinha Esc: 1:25

8 Vista Superior Quando for necessário, a vista superior será utilizada para detalhar somente um móvel, portanto não há necessidade de esboçar todo o ambiente, por isso é denominada de Vista Superior. A complexidade da Vista Superior estará em conformidade com a complexidade do móvel. Se for um móvel simples, não terá muitos detalhes, mas se for um móvel com muitos detalhes, ela conterá mais informações. A escala utilizada para desenhar a Vista Superior dependerá do tamanho do móvel, porém as escalas mais indicadas são 1:20 ou 1:10. Na vista Superior de um móvel deverá conter: Somente a linha da parede quando o móvel estiver encostado em uma das paredes; O desenho do móvel visto de cima contendo todos os detalhes; Cotas gerais e parciais do móvel; Descrição detalhada do móvel, contendo a especificação dos materiais e acabamentos. Esta descrição ocorrerá por meio de legenda ou de linhas de chamada;

9 Setas indicando o nome das vistas frontal e lateral; Indicação de onde estão passando os cortes verticais; Nome do desenho e do móvel com a escala utilizada, que devem estar localizados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Vista Superior Armário Esc: 1: Elevações ou Vistas Muitos não sabem a diferença entre Elevação ou Vista. Elevação é quando fazemos a elevação de uma parede de um ambiente, desenhando toda a extensão desta parede mostrando todos os móveis como se estivessem sendo vistos de frente. Um ambiente pode ter quantas elevações forem necessárias. Normalmente damos nomes a estas elevações, como elevação 01 ou elevação A, ficando à escolha de cada um. Quando se detalha um ambiente devem ser feitas as elevações de todas as paredes onde houver algum móvel. Vista é quando se está detalhando apenas um móvel, então é desenhado apenas as vistas desse móvel como se estivessem sendo vistas de frente. Normalmente, a vista frontal e a vista lateral são suficientes para o

10 entendimento do móvel. Quando o móvel tiver elementos diferentes nas suas laterais, temos que fazer as duas vistas laterais. Então, para enfatizar, utilizamos o nome de elevação quando estamos detalhando um ambiente inteiro, e utilizamos o nome de vista quando estamos detalhando apenas um único móvel. Elevação: Conforme mencionado anteriormente, todas as elevações das paredes de um ambiente devem ser feitas. Nas paredes onde não tiver nenhum móvel, não há necessidade de fazer a elevação. As elevações são desenhadas na mesma escala em que foi desenhada a planta baixa do ambiente, 1:20 ou 1:25. Em uma elevação deve conter: O desenho de todas as paredes, contendo as linhas do piso, paredes e teto, não havendo de especificar a espessura, mas sim, somente a linha de dentro da parede;

11 Os móveis vistos de frente, desenhar todos os móveis que aparecerem deste lado, os que aparecem em primeiro plano e os que aparecem em segundo plano; Cotas gerais e parciais de todos os móveis; Descrição detalhada dos móveis, com especificação dos materiais e acabamentos, esta descrição pode ser por meio de legenda ou de linhas de chamada; Indicação de onde estão passando os cortes verticais e horizontais; Nome do desenho e do móvel contendo a escala utilizada, que devem estar localizados normalmente embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Elevação 01 Cozinha / Esc: 1:25

12 Vistas Geralmente, as vistas de um móvel são desenhadas na mesma escala em que foram desenhadas a vista superior do móvel, 1:10 ou 1:20. Recomenda-se desenhar todas as vistas na mesma escala. As vistas podem ser frontais ou laterais. A vista frontal é a vista principal do móvel visualizada de frente e a vista lateral é quando vemos a lateral do móvel também de frente. Quando o móvel tiver duas vistas laterais diferentes, é necessário desenhar as duas vistas. Em uma elevação deve conter: O desenho do móvel visto de frente e de lado contendo todos os detalhes; Cotas gerais e parciais do móvel em todas as vistas; Descrição detalhada do móvel, contendo a especificação dos materiais e acabamentos, esta descrição pode ser por meio de legenda ou de linhas de chamada; Na vista frontal é indicado onde estão passando os cortes verticais e horizontais e na vista lateral é indicado somente os cortes horizontais;

13 Nome do desenho e do móvel com a escala utilizada, que deve estar localizados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Vista Frontal 01 Armário / Esc: 1:20 Exemplo: Vista Frontal Armário

14 Exemplo: Vista Lateral Armário Vista Interna A Vista Interna nada mais é do que a Vista Frontal de um móvel, só que sem as portas, para que se possa ver o que tem na parte interna do móvel. Alguns móveis mais complexos necessitam de uma vista interna, pois possuem muito elementos que não poderiam ser vistos apenas na vista frontal e lateral, como é o caso dos roupeiros, que possuem diversas prateleiras e acessórios em seu interior. A escala deve ser a mesma utilizada na vista frontal do móvel, porém se houver muitos detalhes, pode ser desenhada em uma escala maior, como 1:20 ou 1:10 Em uma vista interna deve conter: O desenho da linha do piso, paredes e teto, no entanto há necessidade de conter apenas as linhas internas; O desenho do móvel visto de frente sem as portas, com todas as divisões internas;

15 Cotas gerais e parciais do móvel e suas respectivas divisões, inclusive da espessura das divisórias; Escrever dentro do desenho ou por meio de linhas de chamada o que é cada nicho interno; se é uma prateleira, um cabideiro ou uma sapateira, por exemplo; Descrição detalhada do móvel, contendo a especificação dos materiais e acabamentos, esta descrição pode ser por meio de legenda ou de linhas de chamada; Na vista interna também é indicado onde estão passando os cortes verticais e horizontais; Nome do desenho e do móvel com a escala utilizada, que devem estar localizados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Exemplo: Vista Interna 01 Armário

16 Exemplo: Vista Interna Móvel Cozinha

17 Corte Horizontal O Corte Horizontal ou também chamado de Vista Superior Interna, nada mais é do que o móvel visto por dentro de cima. Podemos dizer que corta o móvel na horizontal. O objetivo do corte horizontal é para facilitar a visualização do posicionamento das divisórias ou montantes internos e gavetas, pois estes não podem ser vistos na vista superior e nem na vista frontal. O Corte Horizontal pode ser desenhado a partir da vista superior do móvel ou a partir da planta baixa do ambiente. Quando temos apenas um móvel, fazemos o corte horizontal somente deste móvel, porém quando temos um ambiente inteiro, com móveis em todas as paredes ou em L, como acontece muito em cozinhas, temos que mostrar o corte horizontal do ambiente inteiro em um único desenho. Neste caso, não podemos fazer o corte por partes devido à dificuldade de compreensão dos elementos como um conjunto. Lembre-se também que quando um móvel for divido em móvel baixo + móvel suspenso, devemos fazer o corte horizontal tanto do móvel baixo quanto do móvel suspenso. Dependendo da complexidade dos móveis talvez seja necessário fazer mais de um corte horizontal do mesmo móvel. Para não fazer cortes desnecessários é importante escolher com coerência a altura em que o móvel será cortado, de preferência na altura onde houver mais detalhes no móvel. Como o corte horizontal mostra as espessuras dos montantes e das divisórias por dentro, é importante que seja feito em uma escala em que estes elementos sejam visíveis. Recomenda-se trabalhar com a escala de 1:20 ou 1:10, dependendo do nível de detalhes do móvel. O sentido do Corte Horizontal é sempre visto de cima para baixo e deve ser indicado por setas nas vistas frontais e laterais. Em um corte horizontal deve conter: Quando o corte for de um ambiente inteiro, este deverá conter a planta baixa de todo o ambiente com o desenho das paredes, contendo a localização das aberturas. Se for de um único móvel, é necessário conter apenas a linha interna da parede onde o móvel estiver encostado;

18 A planta baixa de todos os móveis cortados na horizontal, tanto dos móveis baixos quanto dos móveis suspensos; Escrever dentro ou com linhas de chamada o que é cada nicho. Por exemplo: duas portas com sobreposição total + prateleira interna ou gavetão embutido, etc. Cotas gerais com as dimensões totais e parciais do móvel, contando as espessuras das divisórias e o espaço entre elas; Descrição detalhada do móvel, com especificação dos materiais de cada um. Esta descrição pode ser por meio de legenda ou de linhas de chamada; Seta indicando o nome de cada elevação ou vista; Indicação de onde estão passando os cortes verticais; Nome do desenho e ambiente com a escala utilizada, que devem estar localizados, normalmente, embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Corte Horizontal 01 Cozinha Esc: 1:25 Exemplo: Corte Horizontal de um Armário:

19 Exemplo: Corte Horizontal de uma cozinha (móvel baixo): O Corte Horizontal do móvel baixo chamamos de CH.01. Se cortarmos o móvel ao meio e tirarmos a parte de cima, veremos como o móvel é por dentro conforme é mostrado na figura acima.

20 Exemplo: Corte Horizontal de uma cozinha (móvel suspenso ou móvel alto): O Corte Horizontal do móvel superior chamamos de CH.02. Se cortarmos o móvel ao meio e tirarmos a parte de cima, veremos como o móvel é por dentro conforme é mostrado na figura acima.

21 Corte Vertical O Corte Vertical ou também chamado de Vista Lateral Interna, nada mais é do que o móvel visto por dentro de lado. Podemos dizer o que corta o móvel na vertical. O objetivo do Corte Horizontal é para facilitar a visualização da altura das prateleiras internas e gavetas, pois estes não podem ser vistos na vista lateral. O Corte Vertical pode ser desenhado a partir da vista lateral do móvel. Quando temos apenas um móvel, fazemos o corte vertical somente deste móvel, porém quando temos um ambiente inteiro, com móveis em todas as paredes ou em L, como ocorre muito em cozinhas, temos que mostrar o corte vertical do ambiente inteiro em um único desenho, ou seja, vai aparecer o móvel que está em vista lateral sendo cortado e nos fundos, o que está em vista frontal em uma linha mais fina, pois sempre o que está sendo cortado é desenhado com uma linha mais grossa. Se o móvel que estiver sendo cortado possuir um uma bancada baixa e um móvel suspenso, no corte vertical deve aparecer os dois móveis

22 cortados. Dependendo da complexidade dos móveis, talvez seja necessário fazer mais de um corte vertical do mesmo móvel. Para não fazer cortes desnecessários é importante escolher com coerência a posição em que o móvel será cortado, de preferência na altura onde houver mais detalhes no móvel. Como o corte vertical mostra as espessuras das prateleiras e divisórias internas, é importante que seja feito em uma escala em que estes elementos sejam visíveis. Recomenda-se trabalhar na escala de 1:20 ou 1:10, dependendo do nível de detalhes do móvel. O sentido do Corte pode ser tanto para a direita quanto para a esquerda, mas objetivando facilitar, o corte pode ser feito no mesmo sentido da vista lateral, para que todos os desenhos fiquem no mesmo sentido. Lembrando que o corte deve passar pela parte do móvel que tiver um maior número de detalhes para que em um único corte possamos mostrar tudo o que é necessário. Em um corte vertical deve conter: Quando o corte for de um ambiente inteiro, este deverá conter a elevação frontal de toda a parede com o desenho das linhas das paredes, piso e teto. Se for de um único móvel, é necessário somente a linha do piso, teto e a linha interna da parede onde o móvel estiver encostado; A vista lateral de todos os móveis cortados na vertical, tanto dos móveis baixos quanto dos móveis suspensos; Escrever dentro ou com linhas de chamada o que é cada nicho, por exemplo, duas portas com sobreposição total + prateleira interna ou gavetão embutido, etc; Cotas gerais com as dimensões totais e parciais do móvel, contando as espessuras das prateleiras e o espaço entre elas; Descrição detalhada do móvel, com especificação dos materiais de cada um. Esta descrição pode ser por meio de legenda ou de linhas de chamada;

23 Indicação de onde estão passando os cortes horizontais; Nome do desenho e ambiente com a escala utilizada, que devem estar localizados normalmente embaixo do desenho no canto esquerdo. Por exemplo: Corte Vertical 01 Armário Exemplo: Corte Vertical Armário

24 Exemplo: Corte Vertical Cozinha

25 Detalhes Os Detalhes são na verdade uma parte do móvel ampliada em uma escala maior para que se possa visualizar melhor um determinado elemento do móvel que precisa ser detalhado com mais precisão. Não são todos os móveis que precisam ser feitos detalhes ampliados, somente aqueles que têm algum elemento que na escala comum utilizada não ficam muito visíveis ou que não conseguimos cotar com precisão. Os detalhes são feitos em escalas maiores como 1:5, 1:2, ou ainda, até na escala 1:1 que é a escala real do objeto.

26 Perspectiva As Perspectivas são elementos gráficos utilizados para representar um móvel ou um ambiente em 3D (3 dimensões). São cada vez mais indispensáveis na apresentação de um projeto. Muitos dos clientes são leigos, e normalmente não conseguem compreender como ficará o móvel apenas observando a planta baixa e as elevações, portanto necessitam deste recurso para obter a melhor visualização de como ficará o móvel depois de executado. Tal recurso garante que o cliente ficará satisfeito com o resultado final depois do móvel executado, pois ele já pode visualizá-lo antes de sua execução e poderá também fazer quantas alterações forem necessárias até chegar ao resultado desejado. É mais fácil e vantajoso alterarmos as imagens do que o móvel depois de pronto! As Perspectivas podem ser feitas a mão livre com técnicas de 1 ponto de fuga, 2 pontos de fuga ou somente em forma de croqui, e muitas outras técnicas, como ainda podem ser realizadas no computador com auxílio de software. Atualmente, temos uma variedade de software que fazem imagens em 3D que se aproximam muito da imagem real o que garante que o móvel seja executado de forma fiel ao projeto.

27 Concluímos que, todos esses desenhos são importantes para a correta representação de um móvel. Conforme dito anteriormente, não são todos os móveis que precisam ser detalhados, somente aqueles mais complexos ou com muitos detalhes. Normalmente, a compreensão dos móveis mais simples ocorre apenas por meio da vista superior, vista frontal e das vistas laterais. Não esquecendo que uma perspectiva ou imagem do móvel é sempre bem vinda e agrega valor e qualidade ao projeto. Agora que já sabemos quais desenhos são necessários em um projeto de detalhamento de móveis e o que deve constar em cada um deles, no próximo módulo, veremos devemos fazer cada um destes desenhos.

28 amcursosonline.com.br facebook.com/amcursosonline

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A

Corte total. Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- A U L A A U L A 11 11 Corte total Introdução Qualquer pessoa que já tenha visto um regis- tro de gaveta, como o que é mostrado a seguir, sabe que se trata de uma peça complexa, com muitos elementos internos. Se

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT

SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT SOLID EDGE ST3 TUTORIAL 2 CRIANDO UM DESENHO NO AMBIENTE DRAFT Esse tutorial traz passo a passo instruções para criação de um desenho no ambiente Draft. Na criação dos desenhos você aprenderá as técnicas

Leia mais

Apostila Complementar

Apostila Complementar Desenho Técnico Apostila Complementar O curso de Desenho técnico mecânico é baseado nas apostilas de Leitura e Interpretação do Desenho Técnico Mecânico do Telecurso 2000 Profissionalizante de Mecânica.

Leia mais

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota

UMC Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Componentes gráficos de uma cota: Linha de cota Linha de chamada Setas de cota 1 UMC Engenharia Mecânica Expressão Gráfica 2 Prof.: Jorge Luis Bazan. Desenho Básico Cotas em desenho técnico (Módulo 2) Em desenho técnico damos o nome de cota ao conjunto de elementos gráficos introduzidos

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Cotagem de elementos

Cotagem de elementos Cotagem de elementos Introdução Na aula anterior você estudou algumas regras para cotagem e aprendeu como indicar as cotas básicas da peça. Mas, só com essas cotas, não é possível produzir peças que tenham

Leia mais

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de

Copyright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total deste ebook só é permitida através de autorização por escrito de 1 Se quereres dar aos seus desenhos mais realismo, profundidade, volume e proporção, você deve conhecer as regras da perspectiva. Desde o mais simples até o mais complexo desenho necessitam de uma boa

Leia mais

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé

Normatização Desenho Técnico. Prof. Solivan Altoé Normatização Desenho Técnico CALIGRAFIA TÉCNICA NBR 8402 Assim como o resto do desenho técnico, as letras e algarismos também seguem uma forma definida por norma. Até pouco tempo atrás as letras eram desenhadas

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

"SISTEMAS DE COTAGEM"

SISTEMAS DE COTAGEM AULA 6T "SISTEMAS DE COTAGEM" Embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. A cotagem do desenho técnico deve tornar

Leia mais

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW

,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática,QWURGXomRDR(GLWRUGH $SUHVHQWDo}HV3RZHU3RLQW Flaviano Aguiar Liziane Santos Soares Jugurta Lisboa Filho (Orientador) PROJETO UNESC@LA Setembro

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES DESENHO DE ARQUITETURA CORTES CORTES são representações de vistas ortográficas seccionais do tipo corte, obtidas quando passamos por uma construção um plano de corte e projeção VERTICAL, normalmente paralelo

Leia mais

Laboratório didático de Física

Laboratório didático de Física Laboratório didático de Física Como redigir um relatório Como escrever um relatório? Esperamos nos próximos parágrafos passar algumas informações úteis para escrever um relatório. É possível que algumas

Leia mais

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação

Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá. LibreOffice Impress Editor de Apresentação Superintendência Regional de Ensino de Ubá - MG Núcleo de Tecnologia Educacional NTE/Ubá LibreOffice Impress Editor de Apresentação Iniciando o Impress no Linux Educacional 4 1. Clique no botão 'LE' no

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 No início do nível intermediário, falamos brevemente sobre a perspectiva e a aplicação de alguns dos seus elementos, como o ponto de fuga, a linha de horizonte e a relação dos objetos com o olho do observador.

Leia mais

Prof Rafael Guem Murakami

Prof Rafael Guem Murakami Prof Rafael Guem Murakami São Paulo 2006 Sumário: Definição:... 4 Barra de Formatação:... 4 Configuração de página:... 5 Bordas e Sombreamento:... 6 Índices:... 8 Inserindo Figuras:... 12 Word-Art:...

Leia mais

Professora: Yandra Mello

Professora: Yandra Mello Professora: Yandra Mello Se você precisa realizar um trabalho, de qual matéria for, lembre-se que você não deve realizá-lo de qualquer maneira, entrar em qualquer site, colocar o texto no Word, e sem ler

Leia mais

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS

BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar Expressão Gráfica para Engenharia NORMAS TÉCNICAS BACHARELADO EM ENGENHARIA AMBIENTAL EaD UAB/UFSCar NORMAS TÉCNICAS APOSTILA DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar volume 3 Profª Sheyla Mara Baptista Serra Agosto de 2008 3 NORMAS TÉCNICAS Conhecer

Leia mais

Portal do Projeto Tempo de Ser

Portal do Projeto Tempo de Ser Sumário Portal do Projeto Tempo de Ser O que é um Wiki?...2 Documentos...2 Localizando documentos...3 Links...3 Criando um Documento...4 Criando um link...4 Editando um Documento...5 Sintaxe Básica...5

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA SC 584 SC. www.giragrill.com PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA 584 SC 584 SC www.giragrill.com ELEVGRILL Medidas: E A C B D QUADRO BASE Modelo Prime / SC Medidas em centímetros A B C D E Qtde. Espetos ELEVGRILL 584 49 38 59 49

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

Cotagem de dimensões básicas

Cotagem de dimensões básicas Cotagem de dimensões básicas Introdução Observe as vistas ortográficas a seguir. Com toda certeza, você já sabe interpretar as formas da peça representada neste desenho. E, você já deve ser capaz de imaginar

Leia mais

CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES MÓDULO 2 AULA 3

CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES MÓDULO 2 AULA 3 ADICIONANDO UM PRODUTO CURSO BÁSICO DE CRIAÇÃO DE SITES Para que sua loja funcione você tem de ter algum produto para vender, ou algum serviço para prestar. Como sua loja está na Internet as pessoas não

Leia mais

Manual de identidade LINHA PROFISSIONAL

Manual de identidade LINHA PROFISSIONAL Índice Proporções do logotipo Manual de identidade LINHA PROFISSIONAL A Black & Decker desenvolveu este guia para manter o padrão visual na comunicação da LINHA PROFISSIONAL. Nela você encontrará os elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional. Produto da Dissertação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional. Produto da Dissertação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática Mestrado Profissional Produto da Dissertação Um estudo de caso sobre uma possibilidade para o ensino de Matemática

Leia mais

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala

Escalas. Antes de representar objetos, modelos, peças, A U L A. Nossa aula. O que é escala Escalas Introdução Antes de representar objetos, modelos, peças, etc. deve-se estudar o seu tamanho real. Tamanho real é a grandeza que as coisas têm na realidade. Existem coisas que podem ser representadas

Leia mais

TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR

TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR TUTORIAL DA FERRAMENTA FOTOR 1- Acesse o site: http://www.fotor.com/pt/ 2- Na primeira página você já escolhe se deseja fazer uma colagem de imagem ou editar uma imagem apenas. Vamos começar por editar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Manual do Moodle- Sala virtual UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Manual do Moodle- Sala virtual UNIFAP MACAPÁ-AP 2012 S U M Á R I O 1 Tela de Login...3 2 Tela Meus

Leia mais

Desenho de máquinas. Aula 3

Desenho de máquinas. Aula 3 Desenho de máquinas Aula 3 Cotagem A cotagem e a escolhas das vistas que irão compor um desenho, são os dois itens que mais exigem conhecimentos e experiência do engenheiro mecânico na área do Desenho

Leia mais

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o DESENHO ARQUITETÔNICO Planta Baixa é a projeção que se obtém, quando cortamos, imaginariamente, uma edificação, com um plano horizontal, paralelo ao plano do piso.

Leia mais

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço.

casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com sala, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. A UUL AL A A casa Nesta aula vamos examinar a planta de uma casa. Será uma casa simples, situada em terreno plano, com, dois quartos, cozinha, banheiro e área de serviço. Introdução terreno 20 m rua 30

Leia mais

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial.

URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial. URI- Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus de Frederico Westphalen Curso: Química Industrial Desenho Técnico Prof.ªElisa Maria Pivetta Cantarelli elisa@fw.uri.br Origem do

Leia mais

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas:

1 Apresentação 2 Formatação do texto Papel: Margens: Tipo de Letra: Tamanho da fonte: Espaço entre as linhas: 1 2 1 Apresentação Este documento tem por objetivo apresentar orientações para a redação e formatação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) na modalidade de Artigo Científico. Para a elaboração do artigo

Leia mais

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa

FEMA Fundação Educacional Machado de Assis INFORMÁTICA Técnico em Segurança do Trabalho P OW ERPOI NT. Escola Técnica Machado de Assis Imprensa P OW ERPOI NT 1 INTRODUÇÃO... 3 1. Iniciando o PowerPoint... 3 2. Assistente de AutoConteúdo... 4 3. Modelo... 5 4. Iniciar uma apresentação em branco... 6 5. Modo de Exibição... 6 6. Slide Mestre... 7

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

APOSTILA DE INFORMÁTICA MICROSOFT WORD 2012

APOSTILA DE INFORMÁTICA MICROSOFT WORD 2012 APOSTILA DE INFORMÁTICA MICROSOFT WORD 2012 Profa Responsável Fabiana P. Masson Caravieri SUMÁRIO 1. MICROSOFT WORD 2010.... 3 1.1 INICIANDO O WORD 2010.... 3 2. Pagina Inicial.... 6 2.1 Aba arquivo...

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / NOTURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Oficina Temática de Habitação Verticalizada CÓDIGO: PRJ 061 CLASSIFICAÇÃO: Optativa PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA

Leia mais

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO

ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Estudo das projeções ESTUDO DAS PROJEÇÕES NOÇÕES ELEMENTARES 1. DEFINIÇÃO Geometria é a ciência que tem por objetivo a medida das linhas, superfícies e dos volumes. Descrever significa representar, contar

Leia mais

OpenOffice Calc Aula 4

OpenOffice Calc Aula 4 OpenOffice Calc Aula 4 Objetivos: Apresentar a criação de um gráfico no CALC, a partir dos dados em uma planilha Apresentar os diversos tipos de gráficos e suas aplicações (gráfico de coluna, de linha,

Leia mais

Desenho e Projeto de tubulação Industrial

Desenho e Projeto de tubulação Industrial Desenho e Projeto de tubulação Industrial Módulo I Aula 08 1. PROJEÇÃO ORTOGONAL Projeção ortogonal é a maneira que o profissional recebe o desenho em industrias, 1 onde irá reproduzi-lo em sua totalidade,

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos

PowerPoint 2003. Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos PowerPoint 2003 Operações básicas, criação de uma apresentação, edição e formatação, inserção de gráficos e desenhos Introdução Utilizamos o PowerPoint para serviços de criação de apresentações diversas.

Leia mais

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013

1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 1- Tela inicial do AUTOCAD 2013 2- Clique em NOVO 3- Para mudar a cor do fundo digite OP (de options): Se quiser veja o vídeo ilustrativo desse procedimento: http://www.youtube.com/watch?v=g7kig_yhpx4

Leia mais

1. Introdução a Microsoft Excel

1. Introdução a Microsoft Excel Introdução a Microsoft Excel 1. Introdução a Microsoft Excel 1.1. O que é Microsoft Excel Microsoft Excel é um software de planilha eletrônica produzido pela Microsoft Corporation, para o sistema operacional

Leia mais

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL Danielle Almeida danielle.almeida@terra.com.br Marina Corain mncorain@gmail.com 5. sem. Design de Interiores Disciplina: Desenho Universal Prof.: Helena Degreas Perfil

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA Faz mais pelo seu churrasco! PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA Existem muitos modelos de churrasqueiras de alvenaria. Este projeto que recomendamos tem especialmente uma exaustão segura na maioria

Leia mais

12.1 - Inserção de Ponto de Entrada. Autoenge Módulo Automação Página 1

12.1 - Inserção de Ponto de Entrada. Autoenge Módulo Automação Página 1 12 - Módulo Automação Residencial - Autopower Manual de utilização Módulo Automação Residencial Para maiores informações, acesse www.autoenge.com.br ou por email suporte@autoenge.com.br 12.1 - Inserção

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

COM O BROFFICE IMPRESS

COM O BROFFICE IMPRESS Unidade Unidade 5 4 Preparando Compondo suas planilhas apresentações eletrônicas com com o BrOffice o BrOffice Impress Calc UNIDADE 5 PREPARANDO SUAS APRESENTAÇÕES COM O BROFFICE IMPRESS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul Manual de Identidade Visual Governo do Estado do Rio Grande do Sul todos pelo rio grande É com muita satisfação que apresentamos a nova forma de expressão do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Daqui

Leia mais

Manual de identidade visual

Manual de identidade visual Manual de identidade visual apresentação....................................3 Versões horizontal e vertical........................4 grid de construção................................5 Cores institucionais...............................6

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Ultrassom. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Ultrassom Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 1.0 REVISÃO 1211.13 Sensor Smart Ultrassom 1. Introdução Os sensores de ultrassom ou ultrassônicos são sensores que detectam

Leia mais

Guia do Picasa Versão 1

Guia do Picasa Versão 1 Guia do Picasa Versão 1 O Picasa é um Software livre que lhe permite visualizar, organizar, editar e compartilhar fotos digitais no computador de uma forma simples e divertida. Centro de Formação de Penalva

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007

Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 Configurando o estilo de Camada (Layer) no AutoCAD 2007 1 - Inicialmente, na Barra de Camadas clique no ícone (Gerenciador de Propriedades da Camada), para configurar o estilo de camada: 2 - Na caixa de

Leia mais

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0

paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 paradigma WBC Public - compra direta Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.0 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências a

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

PROJETO PILOTO. Setembro 2015

PROJETO PILOTO. Setembro 2015 PROJETO PILOTO Setembro 2015 Manual completo de funcionamento do projeto: Instruções Iniciais, Perguntas Frequentes e Tutorial de Utilização 1 Projeto Piloto - Aplicativo Di@rio de Classe 1) Instruções

Leia mais

gettyimages.pt Guia do site área de Film

gettyimages.pt Guia do site área de Film gettyimages.pt Guia do site área de Film Bem-vindo à área de Film do novo site gettyimages.pt. Decidimos compilar este guia, para o ajudar a tirar o máximo partido da área de Film, agora diferente e melhorada.

Leia mais

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS 1 PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE LOCAL Perolândia - GO Data: 22/08/2012

Leia mais

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120

MANUAL DO AVA GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Rua Ramos Ferreira, 991 A - Centro Fone: (92) 3878-7479 / 3233-6836 Manaus AM CEP: 69010-120 MANUAL DO AVA 1. O QUE É EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA? A Educação a Distância, como dispõe o Decreto nº 5.622, de 19/12/2005, caracterizase como uma modalidade educacional na qual a mediação didático-pedagógica

Leia mais

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição?

Mas, como utilizar essa ferramenta tão útil e que está à sua disposição? Caríssimo aluno da Rede CEJA, Seja muito bem vindo à sua escola! Estamos muito felizes que você tenha optado por dar continuidade aos seus estudos conosco, confiando e acreditando em tudo o que poderemos

Leia mais

WEBGIS Sistema Informativo Territorial

WEBGIS Sistema Informativo Territorial PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA WEBGIS Sistema Informativo Territorial MANUAL DE UTILIZAÇÃO Autor: Rony Camargo de Brito Primeira edição: 20-06-2008 Atualizado: 08-10-2008 Todos os Direitos Reservados

Leia mais

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo)

APOSTILA DE EXEMPLO. (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) APOSTILA DE EXEMPLO (Esta é só uma reprodução parcial do conteúdo) 1 Índice Aula 1 - Área de trabalho e personalizando o sistema... 3 A área de trabalho... 3 Partes da área de trabalho.... 4 O Menu Iniciar:...

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA

PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA PROJETO DE CHURRASQUEIRA EM ALVENARIA ELEVGRILL 704 48,5 70, 4 MEDIDAS EM CENTÍMETROS 46,3 61, 1* 38,3* * Medidas D e E referem-se ao quadro inferior que encaixa no braseiro revestido de placas refratárias

Leia mais

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário

CADERNOS DE INFORMÁTICA Nº 1. Fundamentos de Informática I - Word 2010. Sumário CADERNO DE INFORMÁTICA FACITA Faculdade de Itápolis Aplicativos Editores de Texto WORD 2007/2010 Sumário Editor de texto... 3 Iniciando Microsoft Word... 4 Fichários:... 4 Atalhos... 5 Área de Trabalho:

Leia mais

Planeamento e Seguimento de Projectos

Planeamento e Seguimento de Projectos Planeamento e Seguimento de Projectos Introdução Uma empresa sem objectivos a atingir é uma empresa desorientada, mas ter objectivos a atingir sem qualquer plano não deixa de ser apenas uma esperança.

Leia mais

IDENTIFICAR IMÓVEIS COM O GOOGLE EARTH

IDENTIFICAR IMÓVEIS COM O GOOGLE EARTH IDENTIFICAR IMÓVEIS COM O GOOGLE EARTH O aplicativo Google Earth é um programa desenvolvido pelo Google e que coleciona imagens de satélite do mundo todo com atualização razoavelmente constante dependendo

Leia mais

INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRA AÇÕES INOVADORAS

INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRA AÇÕES INOVADORAS INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL BRASILEIRA AÇÕES INOVADORAS UNIEMP São Paulo, 31 de março 2005 Eng. Luiz Henrique Ceotto lhceotto@inpar.com.br BREVE HISTÓRIA DA EVOLUÇÃO TECNOLGIA DA CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

Leia mais

ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO

ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ COLEGIADO DE LETRAS: EAD/UAB/UESC PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO ITABUNA - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA ESTRUTURA DO

Leia mais

GUIA DE ACESSO E NAVEGAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

GUIA DE ACESSO E NAVEGAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM GUIA DE ACESSO E NAVEGAÇÃO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BOAS VINDAS! Prezado (a) aluno (a), seja bem vindo (a) aos cursos na modalidade a distância. É com muita satisfação que o (a) recebemos neste

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a utilizar 2 pontos de fuga para representar objetos em perspectiva. É importante lembrá-lo que as explicações a seguir se complementam com o material do nível intermediário

Leia mais

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE

UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE UTILIZANDO RECURSOS E ATIVIDADES NO MOODLE Luanna Azevedo Cruz Polyana Ribas Bernardes 2015 2015 1. INTRODUÇÃO Para utilizar as funcionalidades acesse o Moodle: http://moodle.ead.ufvjm.edu.br/ e clique

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE EAD (Educação a Distância) ÍNDICE FORMAS DE ACESSO AO AMBIENTE EAD... 2 O AMBIENTE EAD... 2 TERMO DE COMPROMISSO... 3 CONHECENDO A HOME PAGE DO TREINAMENTO EAD... 3 ETAPAS

Leia mais

29 de abril de 2014. Fiery Driver para Mac OS

29 de abril de 2014. Fiery Driver para Mac OS 29 de abril de 2014 Fiery Driver para Mac OS 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. Conteúdo 3 Conteúdo...5

Leia mais

COMO ADICIONAR BANNER ROTATIVO Portal Ebserh Site dos Hospitais Universitários

COMO ADICIONAR BANNER ROTATIVO Portal Ebserh Site dos Hospitais Universitários COMO ADICIONAR BANNER ROTATIVO Portal Ebserh Site dos Hospitais Universitários Versão 1.1 Histórico de Alteração Versão Descrição Autor 1.0 Criação do documento Renata Rezio 1.1 Manuais Pág. 2 de 10 Manual

Leia mais

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I

DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I. Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes. Desenho Técnico Mecânico I DESENHO TÉCNICO MECÂNICO I Aula 04 Cortes, hachuras, semi-cortes CORTE Corte é a denominação dada à representação de um produto secionada por um ou mais planos virtuais (planos secantes). No corte se representa

Leia mais

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I

Microsoft PowerPoint XP. Módulo I I FUNCICI MG ESCOLA TÉCNICA DE FORMAÇÃO GERENCIAL DE CONTAGEM CURSO TÉCNICO AMBIENTAL E DE SEGURANÇA APOSTILA BÁSICA: Microsoft PowerPoint XP Módulo I I Elaborada por: Walter Santos 2007 2 S U M Á R I O

Leia mais

PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA NOSSO TRABALHO

PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA NOSSO TRABALHO PROJETOS DE ARQUITETURA OU REFORMA Sejamos sinceros, uma construção ou reforma são empreitadas que envolvem muito tempo, recursos e dedicação. Afinal, o produto final é um bem feito para durar anos e anos.

Leia mais

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos.

Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Viajar é bom! Melhor ainda trazendo boas fotos. Iniciamos mais um curso de dez módulos grátis. Nele apresentaremos as possibilidades de captura fotográfica diferenciada e que marcará para sempre sua viagem.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES GOIÂNIA - 2012 1 ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ESCOLARES Baseado nas regras da ABNT A pesquisa escolar é uma maneira inteligente de estudar

Leia mais

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS

TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA LMS Neste documento você encontrará um conjunto de orientações de como navegar na plataforma do MBA Gestão Empreendedora. Siga as instruções com atenção e salve este

Leia mais

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do

ponto P terá as projecções P 1 e P 2. E o eixo X passa para X. Vamos ver o que acontece no plano do Mudança de planos 1- Introdução As projecções de uma figura só representam as suas verdadeiras grandezas se essa figura está contida num plano paralelo aos planos de projecção. Caso contrário as projecções

Leia mais

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL

MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL MANUAL DO ALUNO GRADUAÇÃO MODALIDADE SEMIPRESENCIAL Prezado(a) aluno(a); Este material que você está começando a ler trata-se do manual do aluno, referente às disciplinas que serão ministradas através

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MODELO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO FORMATAÇÃO GERAL DO TEXTO Margens: o Superior e esquerda: 3,0 cm o Inferior e direita: 2,5 cm. Papel A4- cor branca Fonte para itens: Arial tamanho 12 com

Leia mais

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Tutorial Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Observações gerais: O tutorial para desenhar uma planta baixa está dividido em quatro partes, sendo que para cada um há um vídeo legendado demonstrando

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

MANUAL ZEDIT 32 Índice:

MANUAL ZEDIT 32 Índice: MANUAL ZEDIT 32 Índice: Configuração Painel -------------------------------------------------------------------- 02 à 04 Criar Novo modelo Painel -------------------------------------------------------------

Leia mais

1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO 2º PASSO: CONHEÇA O MOVIE MAKER

1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO 2º PASSO: CONHEÇA O MOVIE MAKER 1º PASSO: CRIE NO SEU COMPUTADOR UMA PASTA PARA O SEU PROJETO Vá até a pasta MEUS VÍDEOS; Clique com o botão direito e escolha a opção NOVO / PASTA; Escreva como nome da pasta o nome do seu Projeto; Abra

Leia mais