CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO FELIPE CLARK TEODOROSKI A INFLUÊNCIA DO FLAT DESIGN NA IDENTIDADE VISUAL DA REDE GLOBO SÃO JOSÉ, 2014.

2 FELIPE CLARK TEODOROSKI A INFLUÊNCIA DO FLAT DESIGN NA IDENTIDADE VISUAL DA REDE GLOBO Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda, no Centro Universitário Estácio de Sá de Santa Catarina. Professor Orientador: Diego Moreau, Msc. SÃO JOSÉ, 2014.

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) T314i TEODOROSKI, Felipe Clark. A influência do flat design na identidade visual da Rede Globo./ Felipe Clark Teodoroski. São José, f. ; il. ; 31 cm. Trabalho Monográfico (Graduação em Comunicação Social com Habilitação em Publicidade e Propaganda) Centro Universitário Estácio de Sá de Santa Catarina, Bibliografia: f Flat design. 2. Identidade visual. 3. Rede Globo. I. Título. CDD

4 Dedico este trabalho a todos que não se contentam com o óbvio e estão sempre em busca de inspiração para atingir a excelência.

5 AGRADECIMENTOS Primeiro gostaria de agradecer minha família, pois sem ela não seria quem sou e nem estaria onde estou. Devo a eles todas as minhas conquistas, inclusive esta que apresento. Agradeço a todos meus professores, mestres na arte de ensinar, que me proporcionaram o conhecimento e o caminho para crescer profissionalmente. E quando falo todos, digo até a Tia Gina, minha professora de alfabetização no Folhinha Verde em Niterói, Rio do Janeiro. Mas um em especial, meu orientador e amigo, Diego Moreau, que me guiou para completar esta etapa da minha vida. Por último, mas a mais importante, agradeço a minha namorada, Janine, que esteve o tempo todo ao meu lado, até nas noites mal dormidas. Muitas vezes ela abdicou do tempo dela para me ajudar e apoiar, sou eternamente grato por isso. Uma parceira, uma amiga e um amor que poucos tem o privilégio de ter para si.

6 O homem que não tem imaginação, não tem asas. Muhammad Ali

7 RESUMO O presente estudo tem como principal objetivo proceder uma análise baseada na influência do flat design no redesign da identidade visual da programação da Rede Globo. Para cumprir com o propósito assumido, realizou-se a busca por literatura específica de um tema novo e desafiador. Na sequência, se fez necessária a apresentação de uma contextualização histórica da emissora, ressaltando a ligação com o design gráfico e a postura diante das evoluções tecnológicas no decorrer dos anos. Dessa forma, procurou-se evidenciar a importância da escolha do objeto, dos estímulos, das influências e dos resultados obtidos a partir da utilização de um novo gênero visual. Assim como, se mostrou inevitável adentrar nos meandros que estruturam a criação e desenvolvimento de um estilo, que, por sua vez, possui uma ligação inegável com um panorama social e tecnológico contemporâneo, suprindo anseios e atendendo as demandas de uma geração cada vez mais conectada em um mundo cada vez mais digital. Diante disto, contrapõe-se uma antiga potência, a Rede Globo, diante de uma nova tendência, o flat design, e, por fim, os resultados desta combinação. Palavras-chave: Flat design. Rede Globo. Identidade visual.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1: Os 4 Ps do mix de marketing Figura 2: Ícones usando em flat design por Octopus Creative Figura 3: Posters de Mike Joyce no estilo Swiss Style Figura 4: Ícones do ios 6 no iphone da Apple Figura 5: Tela inicial do Windows 8 de Figura 6: Frame da abertura do Fantástico de Figura 7: Primeira logo da Rede Globo (1965) Figura 8: Evolução da marca Rede Globo Figura 9: Nova marca da Rede Globo apresentado em Figura 10: Frame da vinheta da Rede Globo para o horário de verão 2013/ Figura 11: Avatar da página oficial no Facebook em Figura 12: Assinatura de encerramento de programas jornalísticos em Figura 13: Nova logo da clássica atração da emissora, Sessão da Tarde Figura 14: Identidade visual do Esporte Espetacular utilizada a partir de Figura 15: Frame do encerramento de uma edição do Jornal Nacional em Figura 16: Imagem postada no Facebook do Jornal Nacional em Figura 17: Atual logo do Jornal Nacional Figura 18: Imagem postada no Facebook do Jornal Nacional em Figura 19: Logotipo da Sessão da Tarde - antes e depois Figura 20: Adaptado utilizando frames da nova vinheta da Sessão da Tarde Figura 21: Logotipo de Vale a pena ver de novo - antes e depois

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos JUSTIFICATIVA PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS ESTRUTURA DO TRABALHO REVISÃO DE LITERATURA MARKETING Necessidades, desejos e demandas MIX DE MARKETING Produto Praça Preço Promoção MARCA Identidade Visual Símbolo Logotipo Cores BRANDING INTERNET... 37

10 2.6 PUBLICIDADE E PROPAGANDA FLAT DESIGN Swiss Style Minimalismo Skeuomorphism e Apple Windows ANÁLISE DE DADOS REDE GLOBO Hans Donner Televisão multiplataforma Evolução da marca FLAT DESIGN NA REDE GLOBO Esporte Jornalismo Entretenimento CONCLUSÃO REFERÊNCIAS Anexo A - Declaração de responsabilidade

11 1 INTRODUÇÃO Atualmente, num panorama mundial, é possível encontrar conexões dos mais diferentes locais, unindo culturas, propagando ideias, disseminando pensamentos e estabelecendo elos, por vezes, invisíveis. Afinal, num contexto denominado por diversos autores como sendo o da era da informação ou, mais precisamente, da sociedade da informação, é justo assegurar que os sujeitos que se relacionam nesse ambiente se encontram cada vez mais submersos em um fluxo constante e cada vez maior de estímulos diferenciados. Independentemente do objetivo da comunicação, o certo é que os emissores passam a competir não somente entre si, mas com os próprios receptores, que, devido a uma série de quebra de paradigmas no que diz respeito ao desenvolvimento das plataformas de comunicação, passaram a ter voz própria e a tornar o fluxo de informação um canal de mão dupla. O que era um monólogo sem possibilidade de resposta, passa a ser um diálogo interativo e de incrível agilidade. Além disso, ocorre a consolidação da presença dos influenciadores, outros consumidores que interagem com o restante do público e fazem parte do processo decisório, dos formadores de opinião de diferentes plataformas, como blogueiros e colunistas web, além da força gerada pela coletividade anônima, ou seja, o conjunto de comentários de percepção semelhante sobre um único tema, produto, serviço, ideia ou empresa. Diante deste contexto, as próprias empresas precisam alcançar o destaque dentre os concorrentes que enfrentam igualmente os mesmos desafios e gerenciar a opinião pública sobre os seus produtos e serviços. Por isso, alcançar um patamar de referência e distinção necessita continuamente de um planejamento estratégico atento ao que o público pensa, age, sente e, principalmente, ao que o público pensará, agirá e sentirá. A importância do estudo das tendências está, dessa forma, na constatação de um futuro-presente, devido à rapidez das mudanças do meio e do avanço tecnológico constante, e de que forma as marcas que são referência estão se adaptando e trazendo para a sua realidade a convergência entre as plataformas e as oportunidades apresentadas por elas. Nisso, se dá a relevância do estudo e da 11

12 análise de uma tendência, como o flat design, surgida em um ambiente móvel, o chamado meio móbile, para a construção da marca de uma mídia tradicional, a Rede Globo, mas com poder inegável de penetração no cotidiano do consumidor. 1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA O flat design é um estilo de design com um conceito enraizado no universo móbile e inspirado no movimento artístico do minimalismo, em que as interfaces precisam ser leves e de fácil leitura. No campo da publicidade o estilo tem sido aplicado na criação de projetos gráficos e identidades visuais. Grandes empresas, como Microsoft, Apple e Google, entre outras, seguiram a tendência recriando sua identidade visual. A Rede Globo também foi uma dessas empresas, onde as mudanças começaram a ser vistas em seus perfis nas redes sociais e, hoje, nas chamadas e logos de alguns de seus produtos televisivos. Qual é a influência do flat design no redesign da identidade visual da Rede Globo? 1.2 OBJETIVOS O direcionamento deste trabalho se dará pelos objetivos, geral e específicos, apresentados na sequência deste tópico Objetivo geral Globo. Analisar a influência do flat design no redesign da identidade visual da Rede Objetivos específicos a) Descrever o estilo flat design; 12

13 b) Examinar a história da criação e evolução da marca da emissora de televisão, Rede Globo; c) Investigar o desenvolvimento do flat design como instrumento utilizado na criação de projetos gráficos e identidades visuais; d) Caracterizar a internet como o meio propulsor do estilo flat design; Globo. e) Apresentar as primeiras alterações na programação visual da Rede 1.3 JUSTIFICATIVA No meio profissional da publicidade e propaganda, é de suma importância estar atento e acompanhar as tendências, independente da área trabalhada. Do ponto de vista acadêmico e profissional, é interessante analisar como um estilo de design que se tornou referência mundialmente pode influenciar nas mudanças na identidade visual de uma grande empresa. A análise do caso presente no estudo contribuirá para o crescimento pessoal e profissional, por tratar-se de uma vertente na qual os conhecimentos necessitam da constante atualização, do exercício do senso crítico e da capacidade de avaliar diferentes percepções. Com a reunião das habilidades adquiridas ou aprimoradas no decorrer do tema proposto, a relevância se dará à medida que o aprendizado irá contribuir para a construção de uma inteligência estratégica focada na área. O assunto tratado tem a sua importância assegurada para a publicidade conforme ocorrem as mudanças das plataformas e, consequentemente, dos seus usuários, gerando assim novos desejos, anseios, sentimentos e reações. Se por um lado, os avanços tecnológicos e as possibilidades comunicacionais se ampliam, por outro, as reações tradicionais, os sentimentos culturalmente impostos e os anseios de um contexto diferente se tornam, no seu conjunto, ultrapassados e adversos. Por isso, para compreender o próprio público, é preciso estar atento ao cenário no qual se está inserido e em como as pessoas estão sendo impactadas. 13

14 Nisso, o novo padrão de construção de marcas agrega valores que precisam ser estudados, pois diferem dos que até então se encontravam enraizados em uma publicidade e propaganda ultrapassada. Sendo assim, justamente uma tendência surgida de uma plataforma móvel, apontada como o futuro da comunicação, ser adotada por aquela considerada como a mais importante e poderosa empresa de comunicação, mostra que é necessário uma mudança de paradigmas e a constante busca pela inovação. É um sinal que, de acordo com as conclusões a serem apresentadas, poderá mudar o rumo da construção de imagem de uma empresa e dos valores agregados a uma marca. A seguir serão apresentados os procedimentos metodológicos utilizados para concepção deste estudo. 1.4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Com a finalidade de alcançar os objetivos deste estudo, neste capítulo estão descritos os procedimentos metodológicos a serem adotados a partir do delineamento da pesquisa, seguido da descrição dos procedimentos de coleta de dados. A natureza da pesquisa é exploratória e descritiva, do tipo estudo de caso, com abordagem qualitativa. Os estudos exploratórios permitem ao investigador aumentar a sua experiência em torno de determinado problema (TRIVIÑOS, 2013, p. 109). A pesquisa descritiva está interessada na descoberta e observação do fenômeno procurando a sua descrição, classificação e interpretação de forma que o pesquisador conheça e interprete a realidade sem interferência ou modificação afirma Rudio (2002). Por sua vez, o estudo de caso tem como principal característica o estudo exaustivo e profundo de um ou mais objetos, que permita um maior detalhamento e conhecimento, segundo Gil (2002). Com o intuito de oferecer subsídios teóricos ao estudo, será feita uma pesquisa teórica utilizando diferentes recursos de comunicação científica, como: artigos, periódicos, anais de eventos científicos, livros, banco de teses e 14

15 dissertações, base de dados nacionais e internacionais e busca na internet. Na concepção de Alexandre (2009) a pesquisa teórica caracteriza-se em geral por ser a pesquisa voltada à revisão de literatura sobre determinado tema e pode estar baseada na análise de livros e revistas especializadas, em documentos, jornais de época, e em dados estatísticos coligidos (ALEXANDRE, 2009, p. 117). Com o intuito de permitir ao leitor a identificação dos conteúdos dos capítulos deste estudo, no próximo item será apresentada a estrutura do trabalho, especificando cada um deles. 1.5 ESTRUTURA DO TRABALHO Neste tópico será apresentado como o estudo foi construído. O primeiro capítulo é composto por introdução, tema e problema de pesquisa, os objetivos (geral e específicos), justificativa, procedimentos metodológicos e esta estrutura, que encerra o capítulo. O segundo capítulo apresenta a revisão de literatura, que é a base para a construção deste estudo. São abordados os conceitos como: marketing, mix de marketing, marca, branding, internet e publicidade e propaganda. Com esses conceitos devidamente definidos é possível se aprofundar no tema em questão. No terceiro capítulo será feita uma análise dos dados a favor das informações obtidas pelo aprofundamento teórico e dados observados que compõem o conceito de flat design e da marca Rede Globo. E finalizando o trabalho, o quarto capítulo, a conclusão, com a expectativa que seja apresentada uma resposta para o problema pesquisado e entender como uma marca pode reprogramar sua identidade visual a partir de uma tendência mundial. 15

16 2. REVISÃO DE LITERATURA A fim de compreender melhor a temática de trabalho, neste capítulo serão apresentadas definições e conceitos sobre marketing, necessidades, desejos e demandas, mix de marketing, bem como marca, branding, internet, marketing integrado e publicidade. 2.1 MARKETING Segundo Erbano (2005), marketing é o processo administrativo e social de satisfação das necessidades e desejos de indivíduos e grupos, por meio da criação, oferta e troca de produtos de valor (ERBANO, 2005, p.23). Para Kotler (2000), marketing possui diferentes definições sociais e gerenciais. No panorama social, o marketing pode ser definido como um processo social por meio do qual as pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros. (KOTLER, 2000, p.30). Sendo que, a definição gerencial não se baseia somente na "arte de vender produtos", explica Kotler (2000). Em sua obra, Peter Drucker (1973) faz um aprofundamento do conceito defendido pelo autor, sendo inclusive, utilizado com uma das defesas de Kotler: "[...] o objetivo do marketing é tornar a venda supérflua. A meta é conhecer e compreender tão bem o cliente que o produto ou o serviço se adapte a ele e se venda por si só." (DRUCKER, 1973, p.64). Neste sentido, para Giglio (1996), o marketing faz parte de uma concepção que admite ações orientadas em favor do cliente, em que cada etapa é apoiada pelo marketing integrado. O objetivo é, ainda, alcançar em longo prazo a satisfação e bem-estar do cliente, estabelecendo o resultado como o ponto principal para o cumprimento das metas organizacionais. Indo além, o autor constata que todas as iniciativas são orientadas a favor do consumidor, voltadas para ele, partindo dele, das expectativas que ele demanda e, por fim, retornando a ele com soluções satisfatórias. 16

17 Não muito diferente das definições apresentadas, de acordo com Cobra (1992), a American Marketing Association, associação norte americana de profissionais de marketing, tem adotado a seguinte definição: marketing é o processo de planejamento e execução desde a concepção, apreçamento, promoção e distribuição de ideias, mercadorias e serviços para criar trocas que satisfaçam os objetivos individuais e organizacionais. Nesta lógica, para melhor discutir tais aspectos, no próximo item serão feitas algumas considerações sobre necessidades, desejos e demandas Necessidades, desejos e demandas A definição de marketing pode agregar diferentes conceitos, tendo a sua abrangência de acordo com os objetivos da área de conhecimento. Neste sentido, Kotler e Armstrong (2003) classificam as necessidades, desejos e demandas como pontos delineadores do que é o marketing. A explicação, na concepção dos autores, se dá a partir do momento que as necessidades surgem por meio de privações, pois é o básico, motivos biológicos que precisam ser atendidos, como locomover-se por exemplo. O desejo, por sua vez, varia de acordo com as suas necessidades em decorrência das particularidades originadas pela cultura e/ou pelas características do próprio sujeito. Significa que, para se locomover, o consumidor escolhe o melhor carro de uma marca específica que tanto almeja. E finalmente, a partir do poder de compra, os desejos são transformados em demanda. Kotler e Armstrong (2003) dão continuidade ao raciocínio ao afirmar que os desejos são quase que ilimitados e que, por outro lado, os recursos possuem um limite, o que acaba, por fim, resultando na procura por investimento que possua o maior valor agregado. Kotler (2000) afirma que "demanda são desejos por produtos específicos apoiados por uma possibilidade de pagar." Isso quer dizer que as empresas não devem só pensar nos números de consumidores que desejam o produto, mas sim em quantas pessoas podem comprá-lo. 17

18 Já a ideia de que o sucesso de um empreendimento está relacionado diretamente à filosofia adotada pela empresa é um dos conceitos atestados por Richers (2000 p.28). De acordo com o autor, é necessário estabelecer uma linha de pensamento focado no mercado e guiar as ações e decisões de acordo com o que o consumidor necessita e o que o influencia. Para ele, as ferramentas de marketing são fundamentais na procura de oportunidades, por meio da análise consistente do mercado e do público-alvo. Seguindo esta lógica, para Kotler (2000), as necessidades, assim como os desejos, de um cliente não são sempre bem compreendidas. Em alguns momentos ocorre uma falha na comunicação ou simplesmente essas necessidades ainda não foram bem estruturadas pelo consumidor. Na continuidade do raciocínio, os consumidores exigem que as empresas satisfaçam suas necessidades e desejos cada vez mais e, com isso, se tem a consciência de que somente as empresas que prestarem o melhor serviço e atendimento permanecerão no mercado. Portanto, satisfazer essas necessidades e desejos é o principal objetivo do marketing, e o foco no cliente passou a ser um investimento indispensável à sobrevivência das organizações. Sendo assim, o marketing, conforme Las Casas (2004), pode ser definido como uma área do conhecimento que compreende as ações voltadas para as relações de troca, com o intuito de atender aos desejos e necessidades do público consumidor. E para aprofundar os aspectos que envolvem o marketing, no próximo item será feita uma explanação sobre mix de marketing. 2.2 MIX DE MARKETING O mix de marketing, ou composto de marketing, foi concebido na década de 60 por Jerome McCarthy, e segundo Kotler (2000), para caracterizar as relações complexas existentes entre o produto, o preço, a praça e a promoção, o que veio a ser chamado de 4 Ps, tornando-se, após esse momento, fundamental às estratégias e ações de marketing organizacional. 18

19 Para exercer influência sobre o consumidor final, deve se tomar as decisões sobre o mix de marketing. Na Figura 2 é possível ver as variáveis que incidem sob cada P do composto. Figura 1: Os 4 Ps do mix de marketing Fonte: Kotler (2000) Segundo Kotler (2000), a fim de influenciar os compradores, as empresas utilizam os 4 Ps em suas estratégias, e estes representam a visão que empresa tem das ferramentas que o marketing disponibiliza para interferir diretamente e influenciar no processo de compra dos consumidores. Diante disso, se faz necessário o estudo individual de cada parte integrante dos 4Ps, bem como suas possibilidades, conforme a seguir Produto Considerado um dos 4 Ps, para definir o que é o produto, Kotler e Keller (2006) oferecem duas possibilidades, um objeto físico ou a prestação de um serviço, sendo que, deverá ainda apresentar variedades, qualidade diferenciada, design 19

20 próprio, características, nome de marca, embalagem, tamanho, serviços e direitos, tais como as garantias e oferta de devolução caso necessário. Neste sentido, o objetivo da diversidade é atender aos diferentes perfis dos consumidores. Contudo, seguindo a linha proposta pelos autores, as dificuldades começam a gerar em tornos dos custos ocasionados pela multiplicidade necessária para obter a variedade do produto, tendo em vista a preocupação com a demanda excessiva e, em consequência, ao estoque da alternativa preterida pelo consumidor. Por isso, apresenta-se o desafio de compreender qual espécie estará mais de acordo com os desejos do consumidor e, por efeito, deduzir qual terá mais oferta e maior quantidade, o que deverá ser minoria e quais são os riscos assumidos pela empresa para a produção de ambos. No que diz respeito ao momento de decisão de compra, Churchill Jr e Peter (2000) analisam como aspectos favoráveis e estimulantes, a novidade presente no produto, a complexidade contida nele e a qualidade observada pelo consumidor. Por isso, é possível afirmar que, segundo a elaboração de raciocínio apresentado por Churchill Jr e Peter (2000), uma empresa necessita manter a constante procura por inovação em seus produtos, pois assim terá como resultado um consumidor mais interessado e o aumento no número de compradores. Sendo que é função da empresa manter-se atenta aos cenários mutantes do mercado e a influência das tendências que servirão como chamariz para atrair a atenção dos consumidores. Por outro lado, os autores desenvolvem a ideia de que não basta o senso de novidade, é preciso que a qualidade se torne um diferencial e contribua para, no final, obter um comprador satisfeito. A seguir, dando sequência ao estudo individual dos 4 Ps, no próximo item será feita menção sobre a praça, evidenciando sua importância no processo de distribuição para a venda dos produtos. 20

21 2.2.2 Praça Ao comentar sobre a praça, é essencial destacar a sua importância que se dá, inclusive, na elaboração da estratégia do profissional de marketing, sendo que, a encontrabilidade do produto é um dos fatores analisados para o sucesso de uma ação, campanha ou projeto. Sendo assim, Churchill Jr e Peter (2000), asseguram que os canais de distribuição ou localização - a praça - é um dos fatores de maior influência na venda do produto, pois, é primordial que se possa chegar facilmente no consumidor-alvo, por meio da distribuição acertada e da localização apropriada. Além disso, como resultando de um processo eficiente, o consumidor terá maior facilidade de vivenciar, experimentar e comprar o produto. Segundo os autores, por esse motivo é fundamental que seja analisado e decidido a disponibilidade - de preferência ampla - e a acessibilidade, essa simples e eficaz. Em contrapartida, as pessoas poderão propor-se a enfrentar distâncias para adquirir o produto, no entanto, o acesso limitado pode dificultar e refrear a quantidade de vendas final. Para contribuir com o processo de distribuição, Cobra (1992) afirma que é preciso garantir o transporte do produto ao local certo, por meio de canais apropriados e, principalmente, com uma assistência de cobertura responsável pelo abastecimento. Tais condições, por sua vez, deverão impedir que mercados importantes não sejam contemplados com o produto ou estejam em falta. Como auxiliadores da tarefa têm-se as fábricas, o processo de distribuidores e o controle de quantidades que irão satisfazer as necessidades por meio de um transporte adequado. Sendo assim, é possível avaliar a importância da distribuição de um produto da seguinte forma: Muitos fabricantes acham que o seu trabalho está encerrado depois que o produto sai de suas instalações. Eles devem tomar cuidado com a maneira como o produto é levado para outros países e devem observar atentamente o problema de distribuição do produto ao usuário final. (KOTLER, 2000, p.407). O autor ainda apresenta a proposição de que para evitar problemas, em um mercado globalizado, a distribuição precisa estar atenta às conexões existentes nos 21

22 canais, pois, em determinadas situações, as conexões que levam o produto até o consumidor final, dependendo da sua diversidade, podem agregar valor e encarecer o preço. Por outro lado, a diminuição exerce efeito oposto, podendo conferir um custo reduzido, ou seja, mais vantagens para o consumidor. E para entender melhor as questões que envolvem o preço, no próximo tópico serão feitas algumas considerações sobre mais um dos elementos dos 4 Ps Preço Considerado uma das variáveis dos 4 Ps, no entendimento de Kotler (1998, p. 49), o preço pode ser definido com um valor que para o cliente acaba sendo a diferença existente na quantia pelo qual adquiriu o produto e o ganho pela obtenção e desempenho de uso. É o valor que decide quanto um cliente está disposto a pagar por um determinado serviço ou produto, não a qualidade. (KOTLER, 1998, p. 49). Neste sentido, Cobra (1991) afirma que o preço deve obedecer aos critérios do que é justo e, por contrapartida, proporcionar descontos que possam se tornar estímulos de compra. Não obstante, o valor deverá ainda ser adequadamente subsidiado, ou seja, contar com prazos que despertem efetivamente o interesse. No âmbito estratégico, o preço, segundo Churchill Jr e Peter (2000), é inegavelmente um dos artifícios mais utilizados pelas organizações. Por isso, seguem os autores, é comum que as ações para atrair novos clientes estejam baseadas na diminuição de valor, seja por meio de uma liquidação ou preço abaixo do que a concorrência oferece. Neste contexto, o consumidor é compelido a experimentar o produto e se, nessa oportunidade, a avaliação é positiva, se torna mais assertiva a busca por uma nova compra. Para as marcas iniciantes ou sem reconhecimento expressivo, é uma opção eficaz para obter um espaço no mercado. Churchill Jr e Peter (2000) continuam a definição sobre a importância do preço ao apontar que, para determinados consumidores, este não é o ponto principal de avaliação. Para corroborar o argumento, citam as propostas produzidas para o mercado de luxo e alta classe, onde o preço elevado não impede a compra, ao 22

23 contrário, ele serve como um encorajamento, pois pode assegurar, principalmente, a qualidade do produto adquirido. Finalmente, no próximo item, o último elemento dos 4 Ps a ser explanado, a promoção Promoção Com o advento da internet e, por conseguinte, a sua popularização, as empresas adquiriram uma nova plataforma para realizar a comunicação com o consumidor. Sendo que, por vezes, é preciso estabelecer o relacionamento antes mesmo da própria compra. A internet se tornou uma das principais ferramentas para o sucesso nos negócios e estarão fadadas ao fracasso as organizações que ignorarem seu avanço como um fator essencial para manter a relação entre empresa-cliente. (MARTINS; MIRANDA; MEIRELES, 2014, p.9). Para Paula et al. (2009, p.01), um dos resultados diretos é a forte tendência do marketing eletrônico, no qual, em decorrência das possibilidades apresentadas, se afirma como um revolucionário na interação gerada em pessoas e organizações. Dessa forma, de acordo com os autores, estabelece-se um novo paradigma no que concerne a ligação entre as duas pontas interessadas da negociação. Dando ênfase a importância da comunicação, Churchill Jr e Peter (2000) ressaltam que a comunicação é crucial para a obtenção do sucesso de um produto, no qual a internet poderá atuar como uma ponte que aproxima a organização do consumidor, acrescentando, inclusive, a possibilidade do desenvolvimento e aperfeiçoamento dos produtos, além da constituição de um público satisfeito e leal para com a empresa. No entanto, embora a internet esteja no centro das mudanças atuais do panorama comunicacional, Las Casas (2006) atenta para as diferentes formas de se estabelecer um diálogo com o cliente, indo além da plataforma e adentrando no formato, como, por exemplo, a utilização da venda pessoal, a promoção de vendas, a propaganda, o merchandising, o trabalho de relações públicas. Contudo, conforme o autor, necessário se torna um aprofundamento das 23

24 características do produto ou serviço, para somente depois realizar a escolha de um ou mais formatos. Neste sentido, Kotler e Armstrong (2003) defendem a definição da promoção como um conjunto de atividades e ações que comunicam e divulgam os atributos referentes a um produto e, principalmente, funcionam como fonte de persuasão para os consumidores, os incitando a adquirir os bens ou serviços. Por isso, dando continuidade ao conceito, procura-se o estabelecimento de diversas práticas, ferramentas e formas com o intuito de informar, divulgar e comunicar aos consumidores a respeito de produtos, serviços e para a construção da imagem desejada pela empresa. Adiante, Kotler e Armstrong (2003) citam a promoção como catalisadora de soluções criativas com o objetivo de promover a constante atração de novos clientes. Na sequência da significação, Kotler (2001) afirma que a promoção é a responsável pela venda dos produtos. Já, por meio da propaganda, publicidade, relações públicas, merchandising, entre outras, a promoção provoca e promove o produto. Sendo assim, o mesmo autor ainda reforça que a promoção conecta o diálogo proposto pelo fabricante com a linguagem do consumidor. Neste contexto, Kotler (2001) identifica a promoção de um produto com base nas estratégias de lançamento que unem a comunicação estabelecida entre a empresa e o mercado consumidor. Para isso, é possível lançar de ferramentas como divulgações televisivas, outdoors, rádios, revistas segmentadas, jornais e, como dito, a internet. O envolvimento, contudo, abrange ainda todo o processo alusivo aos métodos de venda do produto, buscando e aprimorando a unidade dos profissionais designados pelas vendas, para que, dessa forma, se possa almejar o aumento efetivo do seu potencial, servindo como incentivo para propagar e vender a marca e, por consequência, o produto, por meio de demonstrações de oportunidade para potenciais consumidores. E para dar continuidade ao estudo desta temática, no próximo tópico algumas reflexões serão expostas acerca da marca. 24

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer

Apresentação. Oque é Marca. Multimedia Branding Designer Oque é Marca Marca é toda representação simbólica de uma entidade, individuo ou elemento. Uma pegada, uma impressão digital, ou mesmo o meu ou seu nome podem ser caracterizados como marca. Quando nos referimos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações

O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações O comprometimento dos colaboradores é a chave para o sucesso das organizações Jean C. de Lara (Faculdade SECAL) jean@smagon.com.br Maria Elisa Camargo (Faculdade SECAL) elisa@aguiaflorestal.com.br Enir

Leia mais

Livros Publicados. Marketing Pessoal e Organizacional. Dúvidas sobre a disciplina? Aula 1. Currículo do Docente. Fale com o professor 24 horas!

Livros Publicados. Marketing Pessoal e Organizacional. Dúvidas sobre a disciplina? Aula 1. Currículo do Docente. Fale com o professor 24 horas! Marketing Pessoal e Organizacional Dúvidas sobre a disciplina? Aula 1 Prof. Me. Achiles Batista Ferreira Junior Fale com o professor 24 horas! Twitter: @achilesjunior Currículo do Docente Bacharelado em

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA Coordenadora: Gláucia Centeno 13/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais com

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

Estabelecimento da Diretriz Organizacional

Estabelecimento da Diretriz Organizacional Estabelecimento da Diretriz Organizacional AULA 3 Bibliografia: Administração Estratégica: Planejamento e Implantação da Estratégia SAMUEL C. CERTO & J. P. PETERTO ASSUNTO: Três importantes considerações

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores)

Negociação: conceitos e aplicações práticas. Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) Negociação: conceitos e aplicações práticas Dante Pinheiro Martinelli Flávia Angeli Ghisi Nielsen Talita Mauad Martins (Organizadores) 2 a edição 2009 Comunicação na Negociação Comunicação, visão sistêmica

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG

OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG 1 OS 5 P S DO MARKETING NO SETOR HOTELEIRO NA CIDADE DE BAMBUÍ-MG Camila Alves Teles 1 Maria Solange dos Santos 2 Rodrigo Honório Silva 3 Romenique José Avelar 4 Myriam Angélica Dornelas 5 RESUMO O presente

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br

MIDIA KIT. Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br MIDIA KIT Aqui você fica atualizado. www.noticiasdealagoinhas.com.br Sobre nosso site O Notícias de Alagoinhas hoje é o portal mais completo da cidade. Somos um Canal de comunicação online que integra

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

O que é Estudio Cosmica?

O que é Estudio Cosmica? Apresentacao O que é Estudio Cosmica? Criação e Concepção de Ideias e Projetos. Estudio Cosmica é um Estúdio de Criação e desenvolvimento de Ideias, Sempre Atento e antenado ao Mercado e novidades, buscando

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

OBJETIVOS DE MARKETING

OBJETIVOS DE MARKETING CASE Banco do Brasil Todo Seu O Banco do Brasil é a mais antiga instituição bancária brasileira. Reconhecido como fundamental para o desenvolvimento econômico e social do país, é também o maior banco da

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

A revolução da excelência

A revolução da excelência A revolução da excelência ciclo 2005 PNQ Foto: Acervo CPFL CPFL Paulista, Petroquímica União, Serasa e Suzano Petroquímica venceram o Prêmio Nacional da Qualidade 2005. A Albras, do Pará, foi finalista.

Leia mais

MARKETING l COMUNICAÇÃO

MARKETING l COMUNICAÇÃO MARKETING l COMUNICAÇÃO A MMNIETO A MM NIETO é uma empresa especializada no desenvolvimento projetos voltados para a área de marketing e comunicação. Cada projeto é realizado conforme a oportunidade do

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais