DOS REQUISITOS PARA A OBTENÇÃO DA ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS E ESTADUAIS PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOS REQUISITOS PARA A OBTENÇÃO DA ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS E ESTADUAIS PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA"

Transcrição

1 DOS REQUISITOS PARA A OBTENÇÃO DA ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS E ESTADUAIS PARA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Henrique Carvalho 1 1. Introdução De acordo com o 3º, do art. 5º da Constituição Federal de 1988, os tratados e convenções internacionais sobre direitos humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos membros, serão equivalentes às emendas constitucionais. Neste contexto o Brasil tem o primeiro tratado internacional equivalente à emenda constitucional. Trata-se da assinatura, em 30 de março de 2007 perante as Nações Unidas, da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pelo Congresso Nacional por meio do Decreto Legislativo nº. 186/2008 e promulgada pela Presidência da República pelo Decreto Federal nº /2009, nos termos do artigo 5º, 3º, da Constituição Federal. Prestigiando o texto da convenção que, a partir de sua confirmação pelos membros do Congresso Nacional e promulgação pelo Presidente da República, corresponde a texto constitucional, tem-se por ajustamento razoável" a modificação necessária, adequada e o trato que não acarrete um ônus desproporcional, ou indevido, com o objetivo de assegurar às pessoas com deficiência o desfrute/exercício de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas. 1 Henrique Carvalho. Advogado. Mestre em Direito pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Especialista em Direito Tributário pela Faculdade de Alagoas. Professor universitário em Maceió. Contato:

2 Sob essa perspectiva, no âmbito do direito tributário, mormente nos tributos que têm natureza extrafiscal e possuam a característica da seletividade, a política fiscal brasileira, objetivando satisfazer os direitos e garantias individuais das pessoas com deficiência, materializou um conjunto de políticas fiscais de redução de alíquota tributária cujo escopo é tornar acessível, financeiramente, veículos automotores especialmente adequados a necessidades à pessoa com deficiência. Para a pessoa com deficiência, o valor do veículo diminui entre 25 e 27% da importância final a ser adimplida. Acontece que para exercer esse direito, de redução de tributos, impostos federais e estaduais, a pessoa com deficiência precisa se submeter ao procedimento administrativo necessário, comprovando preencher os requisitos para o gozo das isenções tributárias. Uma vez comprovado tratar-se de pessoa com deficiência que necessita de condições especiais para utilizar veículo automotor, incluindo-se os que não dirigem, a administração pública deverá reconhecer o direito e conceder a isenção tributária. No entanto, em determinadas situações, não obstante presente os requisitos para o gozo do direito à isenção tributária decorrente da política fiscal viabilizadora dos direitos das pessoas com deficiência, a administração pública tributária nega o reconhecimento administrativo e indefere o pleito do contribuinte em questão. Diante da negativa, qual o caminho que deverá ser percorrido judicialmente para o reconhecimento deste direito? Eis, portanto, o objetivo deste artigo científico: apontar qual a solução jurídica (ou soluções, a depender do caso) diante da negativa do direito à isenção subjetiva tributária na aquisição de veículos automotores por pessoa com deficiência. 2. Trâmite administrativo de requisição da isenção tributária a) Inicialmente, deve-se possuir um laudo médico que aponte a deficiência, de preferência, laudo de especialista na área médica em questão. b) De posse do laudo médico referido, é importante fazer a alteração na CNH. A pessoa com deficiência deve se dirigir a uma clínica credenciada pelo Detran ou, conforme o caso, pode procurar uma auto-escola que o acompanhe até uma das clínicas.

3 c) Uma vez indicado que a pessoa com deficiência necessita guiar um carro com uma configuração específica, o interessado faz um exame prático de volante, aplicado pelo Detran, em um carro igual ao que ele irá usar, se for aprovado. d) Aprovado no exame prático, o motorista recebe a Carteira de Habilitação que indicará o tipo de veículo adequado ao condutor com deficiência. e) Nela estará discriminado o tipo de adaptação veicular mediante a qual o condutor está apto a guiar. f) Uma vez com a CNH alterada, o motorista deve voltar à clínica que realizou a perícia para que sejam realizadas cópias do laudo e da habilitação, que serão enviadas para um delegado do Detran autenticar. g) A pessoa com deficiência, inicialmente, terá direito a isenção do IPI e do ICMS. No caso do tributo federal, IPI e IOF, deve o contribuinte isento apresentar: (1) Requerimento, dirigido ao Delegado da Delegacia da Receita Federal (DRF) ou ao Delegado da Delegacia da Receita Federal de Administração Tributária (Derat) da jurisdição do contribuinte; (2) Declaração de Disponibilidade Financeira ou Patrimonial da pessoa com deficiência ou autista, apresentada diretamente ou por intermédio de representante legal, na forma de formulário próprio adquirido no sítio da Receita Federal, compatível com o valor do veículo a ser adquirido; (3) Laudo de Avaliação, que também deve seguir os moldes necessários (modelo) fornecido pela Receita Federal, que será emitido por prestador de serviço público de saúde ou serviço privado de saúde, contratado ou conveniado, que integre o Sistema Único de Saúde (SUS); (4) Para Isenção de IOF, deve apresentar, ainda, declaração sob as penas da lei de que nunca usufruiu do benefício; (5) Certificado de Regularidade Fiscal expedido pelo Instituto Nacional de Seguridade Social - INSS ou ainda declaração do próprio contribuinte de que é isento ou não é segurado obrigatório da Previdência Social, que é obtido nos sítios e (6) Cópia da Carteira de Identidade do requerente e/ou do representante legal, já com as devidas alterações; (7) Cópia da Carteira Nacional de Habilitação do adquirente ou dos condutores autorizados; (8) Certidão Negativa da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional - PGFN, se constatada pela SRF pendência junto à PGFN. Observe-se que no caso de pessoa com deficiência ou autista, beneficiária da isenção que não esteja capacitado para dirigir, o veículo deverá ser dirigido por condutores autorizados pelo requerente, conforme identificações constantes do modelo

4 oferecido pela receita federal ( que deve ser apresentada com a documentação já mencionada acima. h) Como é cediço, é a secretaria da fazenda de cada estado que concede a isenção do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS). Além de documentos pessoais e da Carteira de Habilitação, o condutor já precisa indicar o carro que vai comprar, por meio de uma carta da concessionária ou ponto de venda. Esta carta é apresentada pela própria concessionária e que deve observar os requisitos da legislação de cada estado. De acordo com o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), a isenção do ICMS será renovada em três anos, é exclusiva para aquisição de carros novos, não utilitários, de fabricantes brasileiras, e que custem até R$ 60 mil. i) Uma vez de posse da documentação o cliente leva as duas isenções à concessionária, onde será encomendado o automóvel. j) Por fim, o condutor documenta o carro novo no Detran sem pagar o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). A isenção deste tributo vigerá enquanto o carro esteja em nome do mesmo condutor com deficiência. Pois bem, se de posse do laudo médico, comprovada a necessidade de veículo adaptado, em qualquer dessas etapas acima, for indeferido o requerimento do reconhecimento da isenção, caberá à pessoa com deficiência procurar o Poder Judiciário para ter reconhecido seu direito à isenção tributária em questão. Serão apontados, a seguir, os procedimentos judiciais que envolvem o reconhecimento dos benefícios fiscais, quais sejam, o mandado de segurança e ação ordinária com pedido de antecipação de tutela, conforme o caso concreto. 3. Da legislação aplicável ao caso Como é cediço, o exercício do poder de tributar, outorgado pela Constituição Federal às unidades da federação, no que diz respeito aos impostos incidentes sobre à produção, aquisição, circulação da mercadoria e propriedade dos veículos automotores foi distribuído entre o governo federal e estadual.

5 Destaque-se, mais uma vez, a importância do reconhecimento da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência com status constitucional (Decreto Federal nº /2009) Nesse contexto, observe-se o que prescreve a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência acerca da mobilidade e da igualdade e não-discriminação: Artigo 5 Igualdade e não-discriminação Os Estados Partes reconhecem que todas as pessoas são iguais perante e sob a lei e que fazem jus, sem qualquer discriminação, a igual proteção e igual benefício da lei. 2. Os Estados Partes deverão proibir qualquer discriminação por motivo de deficiência e garantir às pessoas com deficiência igual e efetiva proteção legal contra a discriminação por qualquer motivo. 3. A fim de promover a igualdade e eliminar a discriminação, os Estados Partes deverão adotar todos os passos necessários para assegurar que a adaptação razoável seja provida. (grifos não originais) Artigo 20 Mobilidade pessoal Os Estados Partes deverão tomar medidas efetivas para assegurar às pessoas com deficiência sua mobilidade pessoal com a máxima autonomia possível: a. Facilitando a mobilidade pessoal das pessoas com deficiência, na forma e no momento em que elas quiserem, a um custo acessível; 5. Facilitando às pessoas com deficiência o acesso a tecnologias assistivas, dispositivos e ajudas técnicas de qualidade, e formas de assistência direta e intermediária, tornando-os disponíveis a um custo acessível; c. Propiciando às pessoas com deficiência e ao pessoal especializado uma capacitação sobre habilidades de mobilidade; e d. Incentivando entidades que produzem ajudas técnicas de mobilidade, dispositivos e tecnologias assistivas a levarem em conta todos os aspectos relativos à mobilidade de pessoas com deficiência. (grifos não originais)

6 Considerando este contexto, de necessidade de viabilizar a mobilidade pessoal em igualdade de condições, e de forma independente, é que os governos federal e estaduais, por meio de políticas fiscais, utilizando-se da isenção de tributos que oneram a produção e o consumo, podem adequar o valor dos veículos automotores, tornando-os acessíveis à pessoa com deficiência que precise de um bem adequando às suas necessidades. Esta adequação leva a uma redução compreendida entre 25 e 27% do valor do veículo. À união, neste caso, compete arrecadar tributos que oneram a industrialização e as operações financeiras incidentes sobre o bem, veículo automotor. Aos estados, compete exercer o poder de tributar a circulação de mercadorias e à propriedade dos veículos automotores. Para o IPI - Imposto Sobre Produtos Industrializados, vige a Lei Federal n.º 8.989, de 24/02/1995, modificada pela Lei Federal n.º , de 31/10/2003, além da Instrução Normativa nº. 375, de 23/12/2003 da Secretaria da Receita Federal. Para o IOF - Imposto Sobre Operações Financeiras foi criada a Lei Federal n.º 8.383, de 30/12/1991, e Decreto Federal nº de 02/05/1997. No que diz respeito ao ICMS, especificamente em Alagoas, os Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, foi instituído pelo Decreto Estadual nº , e o Decreto Estadual nº , ambos de E finalmente, também nesta unidade da federação, o IPVA - Imposto Sobre a Propriedade de Veículos Automotores, foi criado pela Lei Estadual n.º , de 28/12/1992, modificada pela Lei Estadual nº , de 29/12/2003. Há de ser ressaltado que acerca da isenção do ICMS, o Confaz, mediante o Convênio nº. 3/2007 dispôs sobre o procedimento a ser seguido para obtenção da isenção do ICMS. Para facilitar a compreensão dos que não militam no âmbito do direito tributário, o Confaz, de acordo com seu regimento aprovado pelo Conv. ICMS nº. 133/1997, tem por finalidade promover ações necessárias à elaboração de políticas e harmonização de procedimentos e normas inerentes ao exercício da competência tributária dos Estados e do Distrito Federal, bem como colaborar com o Conselho Monetário Nacional (CMN) na fixação da política de Dívida Pública Interna e Externa, dos Estados e do Distrito Federal, e na orientação às instituições financeiras públicas estaduais.

7 Dentre as atribuições do Conselho, que é constituído por representante de cada Estado e Distrito Federal, e um representante do Governo Federal, compete-lhe promover a celebração de convênios, para efeito de concessão ou revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do ICMS. Atendendo ao disposto no mencionado Convênio Confaz nº. 3/2007, a legislação tributária estadual de Alagoas, no item 74, Nota 1, inciso III, alíneas a, b, c, d e e, do RICMS, aprovado pelo Decreto Estadual de nº , de 26/12/1991 e acrescentado pelo art. 1º, do Decreto Estadual nº , de 04/06/2007, apresenta as características que permitem o gozo da isenção tributária, subjetiva, concedida em virtude de condição pessoal. Sabe-se que a isenção de Impostos na aquisição de veículos é um meio de melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência, que necessitam de um veículo especialmente adequado às suas necessidades, gerando com isso mais mobilidade e independência, colocando-os em igualdade de condições com as demais pessoas. Por este motivo, com a intenção de viabilizar essa facilidade é que foram criadas diversas leis em âmbito Federal e Estadual 2. Em se tratando especificamente da Isenção do ICMS no Estado Alagoas, segue-se o fundamento de um Mandado de Segurança em que o referido imposto é regulado pelo Decreto Estadual nº , de 4 de julho de 2007, alterando o regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto Estadual nº de 26 de dezembro de 1991, implementando as disposições do convênio ICMS n. 03/2007, devidamente aprovado pelo Governador do Estado de Alagoas em exercício, visto que os Estados possuem a competência para a manutenção deste imposto. 4. Da utilização de mandado 4.1 Aspectos gerais 2 IPI - Imposto Sobre Produtos Industrializados, Lei Federal nº , de 24/02/1995, modificada pela Lei Federal nº , de 31/10/2003, e Instrução Normativa IN nº. 375, de 2323/12/2003 da Secretaria da Receita Federal. IOF - Imposto Sobre Operações Financeiras - Lei Federal nº , de 30/12/1991, e Decreto Federal nº de 02/05/1997. ICMS - Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços foi instituído pelo Decreto Estadual nº , e o Decreto Estadual nº , ambos de IPVA - Imposto Sobre A Propriedade de Veículos Automotores, Lei Estadual nº , de 28/12/1992, modificada pela Lei Estadual nº , de 29/12/2003.

8 O mandado de segurança constitui garantia constitucional cujo escopo consiste em proteger direito líquido e certo, não amparado por habeas-corpus" ou habeas-data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de atribuições do Poder Público. A previsão constitucional do mandado de segurança encontra-se prescrita no art. 5º, inciso LXIX. Sob o aspecto processual, trata-se de remédio jurídico disciplinado pela Lei Federal nº /2009. Aplica-se, também, subsidiariamente, o Código de Processo Civil (CPC). Ao optar por impetrar um mandado de segurança, o interessando deverá observar, necessariamente, alguns requisitos sob pena de não ser possível sua utilização. Inicialmente, o provável impetrante terá como pretensão sanar ato de autoridade pública (ou quem lhe faça as vezes) que ofenda direito líquido e certo. O direito do contribuinte, no caso, da pessoa com deficiência que goza do direito de isenção subjetiva de tributos estaduais e federais, quando da aquisição de veículo automotor, deverá ser comprovado por prova pré-constituída, já que o mandado de segurança não admite dilação probatória. Quando o documento necessário à prova do alegado esteja na repartição ou estabelecimento público, ou em poder de autoridade que se recuse a fornecê-lo por certidão, mediante requerimento do interessado (impetrante), o juiz ordenará, preliminarmente, por oficio, a exibição desse documento em original ou em cópia autêntica, conforme prescreve o parágrafo único do art. 6, 1º, da Lei Federal nº /2009. Em se tratando de abuso da autoridade federal, a competência será da Justiça Federal, e a autoridade coatora será o delegado chefe da receita federal da unidade da federação onde foi praticado o ato abusivo. Quando o ato abusivo partir de autoridade estadual, a competência será da Justiça Estadual e a autoridade coatora será o secretário da fazenda da unidade da federação na qual tenha ocorrido a ilegalidade. O prazo para impetração do mandado de segurança é de 120 dias, contados do conhecimento do ato abusivo. Ressalte-se que por se tratar de prazo decadencial a contagem leva em consideração o próprio dia da ciência, pelo impetrado, do ato da autoridade coatora.

9 Aspecto relevante, para a utilização do mandado de segurança, é a necessidade de superar o processo administrativo para satisfazer o interesse de agir. Observe que não se trata da obrigatoriedade de utilização do processo administrativo, mas, de se aguardar que da decisão administrativa, ou do ato da autoridade coatora que corresponda à violação de direito líquido e certo, não caiba mais recurso administrativo com efeito suspensivo. Além das peculiaridades previstas na Lei Federal nº /2009, relevante destacar que a petição inicial deverá observar, no que couber, os requisitos prescritos no artigo 282, além de ser indeferida nas hipóteses previstas no art. 295, ambos do CPC. Em se tratando de Mandado de Segurança, e considerando as peculiaridades de cada caso, será possível requerer medida liminar, a ser apreciada no início do processo, e antes da notificação da autoridade coatara para prestar informações sobre o caso. Tal medida liminar possui requisitos que deverão ser satisfeitos, sob pena de ser indeferido o seu requerimento, observe-se Dos requisitos para concessão de medida liminar em mandado de segurança para aquisição de veículo automotor por pessoa com deficiência. Isenção subjetiva. Para que seja deferida medida liminar em mandado de segurança, obviamente, é necessário demonstrar que os requisitos justificadores da concessão da tutela de urgência estão presentes. O contribuinte, sempre que se tratar de demanda que discuta o pagamento, ou não, de crédito tributário ainda não adimplido, poderá optar por depositar o valor a ser discutido em juízo, ou pleitear a medida liminar no sentido de ser desobrigado ao cumprimento da suposta medida ilegal. Em se tratando de duas situações diversas, por certo, dois serão os procedimentos a serem adotados Em se tratando de medida liminar pleiteando o não cumprimento da obrigação tributária

10 Para demonstrar o direito à liminar, faz-se necessário comprovar que os fatos narrados configuram os pressupostos à sua concessão, ressaltando que consiste em instituto pelo qual o julgador, no início do processo, concede a medida de urgência requerida, desde que verificados os pressupostos indispensáveis, a) o fumus boni iuris e o b) periculum in mora. Em se tratando de ato abusivo de autoridade coatora, que ofenda o direito líquido e certo ao gozo de isenção subjetiva quando da aquisição de veículos automotores por pessoas com deficiência, é importante destacar em que se configuram estes requisitos, observe-se: a) fumus boni iuris: entende-se como sendo o direito proclamado, ou sua fumaça, sua aparência, que, diante da situação, afigura-se no sentido de que a medida adotada pela autoridade coatora, ao negar, sem fundamentação legal, que o impetrante se beneficie em seu direito à isenção, consiste em ato abusivo e ilegal, que ofende aos direitos e garantias fundamentais assegurados pela Constituição Federal, e por todos os dispositivos legais que disciplinam a concessão da isenção para as pessoas com deficiência. É que para usufruir de uma isenção tributária, o contribuinte beneficiado terá, tãosomente, que demonstrar ter preenchido o suporte fáctico da norma isentiva. Ou seja, se o contribuinte isento preencher os requisitos objetivamente descritos na lei, não será possível à autoridade fiscal negar o direito ao gozo da isenção. Eis, portanto, em tese, o direito líquido e certo, que em sede de tutela de urgência, medida liminar em mandado de segurança, será necessário apenas apontar sua aparência, mesmo que superficialmente. Destaque-se que o direito em questão (isenção tributária), é parte das políticas públicas para inserir as pessoas com deficiência na sociedade, e objetiva a igualdade de oportunidades, bem como a humanização das relações sociais, em cumprimento aos fundamentos da República de cidadania e dignidade da pessoa humana, o que se concretiza pela definição de meios para que eles sejam alcançados. b) periculum in mora: consiste no fundado receio de sofrer dano irreparável ou de difícil reparação, tendo em vista que o ato emanado pela autoridade Coatora comprometerá o importante direito do contribuinte, pessoa com deficiência que necessita de um automóvel adaptado para se locomover, de melhorar sua qualidade de vida, considerando sua necessidade de um veículo especialmente adequado às suas condições, gerando, com isso, mais mobilidade e independência, minorando o elevado custo pelas adequações dos automóveis.

11 Quando da articulação dos argumentos para a formação do convencimento do magistrado, é importante destacar que os efeitos da medida liminar poderão, a qualquer tempo, serem revertidos em caso de improcedência no mérito da demanda, já que após o trâmite processual poderá ser determinado o pagamento da diferença do tributo que fora dispensado, caso reste demonstrado que a autoridade coatora estava correta ao indeferir o pedido administrativo de reconhecimento da isenção. Por outro, lado, a título de contra-argumentação, em sendo indeferida a liminar, o impetrante, pessoa com deficiência, terá duas opções: 1) aguardar o trâmite processual sem veículo automotor adequado as suas necessidades, trâmite este que poderá durar anos, mesmo considerando a celeridade do mandado de segurança; ou 2) pagar o imposto indevidamente cobrado e posteriormente requerer sua restituição, submetendo-se ao regime de precatório, que por si só é longo e demorado, sem considerar as situações em que os precatórios não são adimplidos, o que, infelizmente, é bastante comum. Superada a apresentação dos requisitos para justificar o pedido de liminar com o escopo de não pagar o tributo, passa-se a demonstrar os fundamentos necessários para concessão da tutela de urgência que autoriza o depósito judicial do crédito tributário Requisitos para concessão de medida liminar pleiteando o depósito judicial. Interpretação literal do art. 151, II do Código Tributário Nacional CTN. Como mencionado, o contribuinte, no caso a pessoa com deficiência que preenche os requisitos para usufruir da isenção tributária quando da aquisição de veículo automotor, ao discutir, judicialmente, seu direito ao não pagamento integral do IPI, IOF, IPVA ou ICMS, conforme o caso, pode optar por depositar o valor do tributo indevido em juízo, enquanto aguarda a decisão de mérito. Não se trata de ação de consignação em pagamento, mas, em verdade, de instituto próprio que decorre da aplicação do art. 151, II do CTN, que prescreve suspender a exigibilidade do crédito tributário, o depósito de seu montante integral. Assim, sem sombra de dúvidas, a opção em depositar a importância em discussão é a mais segura, e coloca o contribuinte/pessoa com deficiência em uma situação processual mais confortável. E por que confortável?

12 Por dois motivos a saber: primeiro, o magistrado não poderá indeferir o pedido de liminar que pleiteia a suspensão da exigibilidade do crédito decorrente do depósito do montante integral do tributo, já que é o que expressa a previsão legal (art. 151, II do CTN); e, segundo, uma vez depositada a importância, em caso de julgamento desfavorável caberá ao fisco tão-somente converter em renda o valor depositado, sem que, com isso, o contribuinte seja surpreendido com o dever de pagar o imposto atualizado pela Selic até a data do efetivo adimplemento. Destaque-se que a liminar para depositar o tributo discutido apenas será necessária quando o próprio contribuinte não puder fazê-lo, hipóteses de retenção na fonte do tributo devido, ou quando o pagamento decorrer de ônus financeiro indireto. 3 Com efeito, cabe ressaltar ao juízo da causa que a opção pelo depósito judicial como forma de suspensão de exigibilidade do crédito tributário, é uma faculdade do contribuinte, prevista no Código Tributário Nacional, não causando prejuízos a nenhum dos sujeitos integrantes da relação jurídica tributária (decisão unânime do TRF da 5ª Região na Apelação Cível nº /CE, Primeira Turma, Rel. Des. Francisco Falcão). Não se pode deixar despercebido que se é faculdade do contribuinte depositar o montante integral do tributo com o objetivo de suspender a exigibilidade do crédito, o provimento judicial apenas será necessário quando o pagamento do tributo não for realizado pelo próprio contribuinte, situação em que não existirá interesse de agir necessário ao mandado de segurança. Por outro lado, caso não possua o contribuinte toda a documentação necessária para propor o mandado de segurança (prova pré-constituída), situação, por exemplo, de laudo médico oficial ser desfavorável, ou divergente do laudo médico particular que atesta a deficiência, aconselha-se a propositura da ação ordinária, cujo pedido consistirá em declarar a existência da deficiência, mediante perícia médica, bem como, a condenação da fazenda pública, seja estadual ou federal, a reconhecer a isenção tributária. Seguem, a partir de então, as informações necessárias ao ingresso da referida ação ordinária. 3 Ocorre o ônus financeiro indireto quando, por expressa previsão legal e constitucional, o tributos é destacado na nota fiscal de venda de mercadorias e serviços e é submetido ao princípio da não-cumulatividade, por ser repassado para o adquirente, v.g., ICMS e o IPI.

13 5. Da utilização de ação ordinária para reconhecer o direito à isenção tributária da pessoa com deficiência. Como dito, além do mandado de segurança, é possível a utilização do procedimento ordinário para o reconhecimento do direito à isenção tributária da pessoa com deficiência, quando da aquisição de veículo automotor. Essa hipótese é aconselhada nas situações em que a comprovação do direito careça de ampla dilação probatória, dentre elas a realização de perícia médica. Em que pese o rito ordinário, por característica própria, ser mais lento já que mais longo o instituto da antecipação de tutela, nas hipóteses em que preenchidos os requisitos, satisfaz e soluciona o problema da morosidade judicial. Para ingressar com ação ordinária, necessariamente, o autor deverá observar as condições da ação, bem como os requisitos da petição inicial, especificamente o art. 282 e o art. 295 ambos do CPC. Diferentemente do mandado de segurança, que o foro competente para apreciar a demanda é o da autoridade coatora, no caso da ação ordinária, a competência será fixada pelo local do acontecimento do fato, pelo endereço do autor, ou, ainda, pelo endereço do réu, que no caso da União Federal é o Distrito Federal. Em se tratando dos Estados, aplica-se a mesma regra, apenas fixando-se como endereço da unidade da federal, sua respectiva capital. Aspecto relevante é a possibilidade de utilização de tutela de urgência, como antecipação, para garantir, antecipadamente os efeitos da tutela definitiva (que é o reconhecimento ao direito a isenção tributária da pessoa com deficiência). 5.1 Dos requisitos para concessão de antecipação de tutela em ação ordinária quando da necessidade de reconhecimento judicial (declaração) do preenchimento dos requisitos autorizadores do direito à isenção tributária da pessoa com deficiência. Quanto aos requisitos para a concessão da medida antecipatória de tutela, o Código de Processo civil Cispõe da seguinte forma:

14 Art O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: I - haja fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação; ou II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito protelatório do réu. (...) 7º - Se o autor, a título de antecipação de tutela, requerer providência de natureza cautelar, poderá o juiz, quando presentes os respectivos pressupostos, deferir a medida cautelar em caráter incidental do processo ajuizado. A concessão da tutela antecipada está condicionada, portanto, à presença dos requisitos previstos no artigo transcrito. Esses requisitos podem ser divididos em genéricos, que sempre devem estar presentes; e em requisitos específicos, que são alternativos, ou seja, apenas o preenchimento de um deles permite a antecipação da tutela. No caso em estudo, deverá ser demonstrado que estão presentes todos os requisitos necessários ao deferimento do pleito antecipadamente, como se observa nos itens seguintes Da prova inequívoca e da verossimilhança das alegações. A prova inequívoca consiste nos documentos que serão colacionados aos autos, laudos médicos, certidões negativas de débitos, enfim, documentos que demonstram estarem satisfeitos os requisitos para concessão da isenção, comprovando o direito da pessoa com deficiência a ter a redução de impostos. Cumpre ressaltar que a lei não exige como prova, certamente, prova de verdade absoluta que sempre será relativa, mesmo quando concluída a instrução mas uma prova robusta, que, embora no âmbito de cognição sumária, aproxime, em segura medida, o juízo de probabilidade do juízo de verdade. Quanto a este aspecto, é relevante o escólio de Ernani Fidélis dos Santos (2000, p. 203), observe-se: Os doutrinadores têm, de modo geral, preferido conceituar prova inequívoca e verossimilhança como requisito único que se completam dentro de um critério de acentuada probabilidade. Carreira Alvim, por exemplo, afirma: Em sede de antecipação de tutela tanto no processo de conhecimento quanto no cautelar -, são estes igualmente os estados do intelecto do julgador, diante da verdade:

15 ignorância, dúvida, opinião e certeza. Afora a ignorância (que é o completo desconhecimento ) e a certeza (que é conhecimento completo), interessam-nos as situações intermédias, residindo numa delas na opinião ou probabilidade aquilo que a lei chama de verossimilhança (Reforma do Código de Processo Civil, op. Cit. 67). Em outras palavras, a antecipação se justifica pelo que, no juízo do julgador, se tenha por simplesmente provável e não por certo. Comprovado o preenchimento dos requisitos, da prova inequívoca e da verossimilhança das alegações, devem ser demonstrados os demais Da reversibilidade, pela União Federal ou Estado, das consequências decorrentes da antecipação de tutela e do dano de difícil reparação se caso não concedida a antecipação pleiteada. Demonstrar o perigo da demora é apontar um fundado receio de sofrer dano irreparável ou de difícil reparação, tendo em vista que ao negar o direito do contribuinte, pessoa com deficiência, o importante direito que faz parte de uma política pública para satisfazer o direito à locomoção independente e digna, que melhorará a qualidade de vida, considerando sua necessidade de um veículo especialmente adequado às suas condições, gerando com isso mais mobilidade e independência, minorando o elevado custo pelas adequações dos automóveis. Esse aspecto, ressalte-se, é uma situação que não é um mero receio da pessoa com deficiência, há uma evidente probabilidade do processo tramitar durante muitos anos, sem uma resposta. E durante o tramite processual? Será negado o direito à aquisição de veículo automotor? Deverá a pessoa com deficiência continuar privada de exercer seu importante direito à isenção, que proporcionará acessibilidade aos meios físicos, para possibilitá-lo o pleno desfrute de todos os direitos humanos e liberdades fundamentais? É um perigo real, pois é do conhecimento de todos que o trâmite de um processo por meio do rito ordinário, principalmente, pode ter um desfecho conclusivo somente após anos de disputa judicial. Por esse motivo, é possível pleitear a concessão de antecipação de tutela (nos termos do art. 273 do CPC), para que, enquanto se discute o mérito da demanda, seja garantido à pessoa com deficiência o direito à isenção tributária na aquisição de veículo automotor.

16 Ressalte-se, ainda, que é importante demonstrar que não há perigo de reversibilidade na decisão que defere o pedido de antecipação de tutela, determinando à União Federal ou Estado que se abstenha de cobrar o tributo integralmente na aquisição de veículo automotor, até julgamento final da ação. Neste aspecto, destaca-se a lei processual a qual determina que a tutela não deve ser concedida se for impossível o retorno ao status quo ante, isto é, se tiver caráter absolutamente satisfativo. Porém, essa regra deve ser entendida com ressalvas, pois, em seu sentido literal, chegar-se-ia à conclusão de que nada poderia ser antecipado, pelo perigo da irreversibilidade. Destarte, para obedecer de forma justa esse requisito, devem-se sopesar as posições do autor e do réu, e verificar se a antecipação realmente seria irreversível para o réu ou se a sua não concessão seria irreversível para as pessoas com deficiência. Assim, facilmente chega-se à conclusão de que é juridicamente possível a antecipação de tutela pretendida, enquanto pendente de julgamento a lide. E é por uma razão óbvia: se, por qualquer motivo for improcedente a ação, a União Federal ou Estado poderá cobrar o tributo que se deixou de adimplir por força da antecipação de tutela, a qualquer tempo. Daí é que se revela preenchidos os requisitos necessários à concessão da antecipação de tutela, até que seja julgada em definitivo a ação ordinária. 6.Conclusão A possibilidade de usufruir de uma isenção tributária depende do preenchimento dos requisitos apontados pela norma jurídica. Essa norma jurídica que prescreve a isenção tributária, certamente, teve por objetivo satisfazer o próprio texto constitucional, que assegura o direito às pessoas com deficiência de possuir meios adequados a viabilizar seu direito de locomoção de forma mais independente possível. Caso não seja reconhecido o direito do contribuinte, evidentemente, o cumprimento da lei será alcançado por meio da intervenção do Estado Juiz, o que se alcança tanto por meio do mandado de segurança quanto da ação ordinária, ambos com pedido de tutela de urgência,

17 o que satisfaz, perfeitamente, a necessidade de um procedimento célere para satisfação dos direitos fundamentais das pessoas com deficiência. 7. Referências AMARO, Luciano. Direito Tributário Brasileiro. São Paulo: Saraiva, ATALIBA, Geraldo. Hipótese de incidência tributária. São Paulo: Malheiros, BECKER, Alfredo A. Teoria Geral do Direito Tributária. São Paulo: Saraiva, BORGES, José S. M. Teoria Geral da Isenção Tributária. São Paulo: Malheiros, CARRAZZA, Roque Antonio. Curso de Direito Constitucional Tributário. São Paulo: Malheiros, CARVALHO, Paulo de Barros. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direito Tributário. São Paulo: Malheiros, 2001., Mandado de Segurança em Matéria Tributária. Rio de Janeiro: Dialetica, SANTOS, Ernani Fidélis. Antecipação de tutela satisfativa na doutrina e na jurisprudência. In: Revista de Processo. Ano 25, nº 97, janeiro-março/2000.

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO

COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO COMPENSAÇÃO NO DIREITO TRIBUTÁRIO Rafael da Rocha Guazelli de Jesus * Sumário: 1. Introdução 2. O Instituto da Compensação 3. Algumas legislações que tratam da compensação 4. Restrições impostas pela Fazenda

Leia mais

ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA ISENÇÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA Maria Teresa Martinelli 1 Josiane de Campos Silva Giacovoni 2 RESUMO: Esse trabalho destina-se a difundir informações a respeito de um direito

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia

Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia Novo Código de Processo Civil e a antiga Medida Cautelar de Antecipação de Garantia Por Vinicius Jucá Alves e Christiane Alves Alvarenga, respectivamente, sócio e associada de TozziniFreire Advogados Em

Leia mais

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br Ana Cândida Piccino Sgavioli acsgavioli@almeidalaw.com.br I INTRODUÇÃO Desde a década de

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA

ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA ESTADO DO PIAUÍ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE PAULISTANA AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROCESSO Nº 00000064-20.2012.8.18.000064 AUTOR: MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUI RÉUS: MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI e OUTRO

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ TRADIÇÃO, EXPERIÊNCIA E OUSADIA DE QUEM É PIONEIRO Data: 23/03/2010 Estudo dirigido Curso: DIREITO Disciplina: DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO II Professora: ILZA MARIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA.

TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. PALESTRA TUTELAS PROVISÓRIAS: TUTELA DE URGÊNCIA E TUTELA DA EVIDÊNCIA. Professor: Dr. Francisco Ferreira Jorge Neto Desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. Professor Universitário

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0005022-49.2014.8.19.0000 Agravante: Município de Três Rios Agravado: Gabriel Estanislau da Rocha Alves

Leia mais

SECRETARIA DA FAZENDA DO AMAZONAS

SECRETARIA DA FAZENDA DO AMAZONAS ORIENTAÇÕES PARA REQUERER O BENEFÍCIO DE ISENÇÃO DE ICMS NA AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS NOVOS POR TAXISTAS E PESSOAS COM DEFICI- ÊNCIA. Setor Competente: Gerência de Regimes Especiais GERE, do Departamento de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário

Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário Faculdades Integradas IPEP Campinas/SP Disciplina: Legislação Tributária Administração de Empresas Apostila 02 Professor: Rodrigo Tomas Dal Fabbro Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário Muitas

Leia mais

1. CABIMENTO DAS PEÇAS.

1. CABIMENTO DAS PEÇAS. 1. CABIMENTO DAS PEÇAS. Após o Nascimento do Tributo, mas antes do lançamento: Ação Declaratória de Inexistência da relação jurídica tributária; Mandado de Segurança Preventivo. Após a notificação do contribuinte

Leia mais

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo

SENTENÇA. 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo fls. 134 SENTENÇA Processo nº: Classe - Assunto Requerente: Requerido: 1004424-84.2015.8.26.0053 Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal L Fazenda Publica do Estado de São Paulo Juiz(a) de Direito:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

Processo Administrativo Fiscal PAF

Processo Administrativo Fiscal PAF Processo Administrativo Fiscal PAF Ivan Luís Bertevello www.macedosoaresebertevello.adv.br OBJETIVO O Processo Administrativo Fiscal (PAF) objetiva solucionar os conflitos surgidos entre os contribuintes

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO E AÇÃO DE DEPÓSITO 1 Parte I AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 2 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação

Leia mais

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 Depois de concluídas todas as etapas, podemos inferir que a Convenção sobre os Direitos

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014)

Revista Pesquisas Jurídicas ISSN 2316 6487 (v. 3, n. 2. jul./out. 2014) 4 AS TUTELAS DE URGÊNCIA E EVIDÊNCIA NO ANTEPROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Felipe Maciel Pinheiro Barros 1 INTRODUÇÃO O Código de Processo Civil vigente CPC encontra-se obsoleto não apenas pelo

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0055626-48.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: JAQUELINE MACIEL LOURENÇO DA SILVA AGRAVADO: INSTITUTO ANALICE LTDA RELATOR: DES. AUGUSTO ALVES MOREIRA JUNIOR AGRAVO DE INSTRUMENTO. DIREITO

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 152 - Data 17 de junho de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA.

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 038, DE 15 DE JANEIRO DE 2016

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA PORTARIA Nº 038, DE 15 DE JANEIRO DE 2016 PORTARIA Nº 038, DE 15 DE JANEIRO DE 2016. Publicada no DOE nº 11.724, de 18 de janeiro de 2016. Dispõe sobre a isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores - IPVA, na forma dos incisos

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A Construtora Segura Ltda. está sendo executada pela Fazenda Pública Municipal. Entretanto, a empresa havia proposto uma ação de consignação em pagamento, com relação

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. Agravo de Instrumento: 0012915-91.2014.8.19.0000

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro. Agravo de Instrumento: 0012915-91.2014.8.19.0000 FLS.1 Agravante: GLAUCO FIOROTT AMORIM Agravado: DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - DETRAN AGRAVO DE INSTRUMENTO. MANDADO DE SEGURANÇA. LEI SECA. RECUSA AO TESTE DO BAFÔMETRO.

Leia mais

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010)

Efeitos a partir de 1º de janeiro de 2010) Artigo 586-4º - 3 - o contribuinte detentor do crédito acumulado, por qualquer de seus estabelecimentos, não poderá ter débito pendente de liquidação, inclusive decorrente de auto de infração e imposição

Leia mais

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE

2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE 2ª fase- Direito Administrativo. 02/2007 - CESPE Foi noticiado em jornal de grande circulação que O secretário de transportes de determinado estado, e certa empresa de transportes coletivos, pessoa jurídica

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A pessoa jurídica A, fabricante de refrigerantes, recolheu em montante superior ao devido o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) incidente nas operações

Leia mais

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA)

DECISÃO (LIMINAR/ANTECIPAÇÃO DA TUTELA) MANDADO DE SEGURANÇA Nº 5002973-93.2012.404.7008/PR IMPETRANTE : CUSTODIO DE ALMEIDA CIA ADVOGADO : CAROLINA ROSSI DE CERQUEIRA LIMA IMPETRADO : Inspetor Chefe da Alfândega do Porto de Paranaguá - Receita

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinado partido político, que possui dois deputados federais e dois senadores em seus quadros, preocupado com a efetiva regulamentação das normas constitucionais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 36 DO CONSELHO SUPERIOR, DE 20 DE JULHO DE 2015. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano, no uso de suas atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA RESOLUÇÃO Nº 020/GAB/SEFAZ Porto Velho, 05 de dezembo de 1995. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA OS PROCEDIMENTOS RELATIVOS AO IPVA SÃO DISCIPLINADOS PELO RIPVA APROVADO PELO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Primeira Câmara Cível

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Primeira Câmara Cível M Poder Judiciário Apelação Cível nº. 0312090-42.2012.8.19.0001 Apelante: COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE Advogado: Dr. Luiz Carlos Zveiter Apelado: ASSOCIAÇÃO DE OFICIAIS MILITARES ESTADUAIS

Leia mais

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e

Leia mais

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS, os presentes autos antes

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS, os presentes autos antes ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENRIQUES DE SÁ E BENEVIDES ACÓRDÃO MANDADO DE SEGURANÇA N 999.2012.001332-4/001 Relator : Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides Impetrante :

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ANTONIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e CAMARGO PEREIRA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores ANTONIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e CAMARGO PEREIRA. ACÓRDÃO Registro: 2015.0000004164 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0002195-76.2012.8.26.0053, da Comarca de São Paulo, em que é apelante PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, é apelado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0052654-08.2013.8.19.0000 Agravante: Município de Armação de Búzios Agravado: Lidiany da Silva Mello

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Disciplina: Direito Tributário Departamento: Direito Público Docente Responsável: Prof. MS. Oswaldo Luiz Soares Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo: Anual

Leia mais

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC RELATORA : Des. Federal VIVIAN JOSETE PANTALEÃO CAMINHA APELANTE : UNIÃO - ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO APELADO : AUTORA ADVOGADO : FABIANE ELOISA

Leia mais

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180 Novas disposições do estatuto social necessárias à postulação de incentivos fiscais e manutenção da isenção do imposto de renda da pessoa jurídica das associações sem fins lucrativos. Parecer formulado

Leia mais

PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO

PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO PRAZO DE DECADÊNCIA PARA TRIBUTOS SUJEITOS A LANÇAMENTO DE OFÍCIO, POR HOMOLOGAÇÃO E POR DECLARAÇÃO Celso Duarte de MEDEIROS Júnior 1 Claudete Martins dos SANTOS 2 João Aparecido de FREITA 3 PRAZO DE DECADÊNCIA

Leia mais

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências

Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências LEI DELEGADA Nº 39 DE 28 DE NOVEBRO DE 1969 D.O Nº 236 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1969 Cria a Procuradoria Geral do Estado e dá outras providências O Governador do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições

Leia mais

Espelho Tributário Peça

Espelho Tributário Peça Espelho Tributário Peça Cabível o mandado de segurança com pedido de liminar, ante o abuso de poder da autoridade coatora. Cabível igualmente ação anulatória com pedido de antecipação de tutela. Lei 12016/09.

Leia mais

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS

SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS SEGUROGARANTIA NAMODALIDADEJUDICIAL FUNDAMENTOS, RECEPTIVIDADE PELOPODER JUDICIÁRIOE NOVASPERSPECTIVAS Gladimir Adriani Poletto Poletto & Possamai Sociedade de Advogados SUMÁRIO: I. INTRODUÇÃO II. ESTRUTURA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE RONDÔNIA Processo N 0007976-92.2012.4.01.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE RONDÔNIA Processo N 0007976-92.2012.4.01. Processo n Impetrante : Impetrado : 7976-92.2012.4.01.4100 Classe: 2100 MS Individual ROVEMA LOCADORA DE VEÍCULOS LTDA DELEGADO DA RECEITA FEDERAL EM PORTO VELHO DECISÃO Trata-se de ação de mandado de

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE MARÇO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 11/2015 IPI ISENÇÃO DE IPI E IOF PARA PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA GENERALIDADES... Pág. 87 ICMS MG REMESSA PARA MANUTENÇÃO E CONSERTO

Leia mais

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA

JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA JUIZADO ESPECIAL DA FAZENDA PÚBLICA O termo Fazenda Pública significa a presença em juízo de pessoa jurídica de direito público interno, descritas no artigo 41 do Código Civil como sendo a União, os Estados,

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.650/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000624644-31 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 21.650/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000624644-31 Impugnação: 40. Acórdão: 21.650/15/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 16.000624644-31 Impugnação: 40.010137086-60 Impugnante: Origem: EMENTA Marcus Frederico de Magalhães CPF: 003.825.176-01 DF/BH-1 Belo Horizonte RESTITUIÇÃO IPVA.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg na MEDIDA CAUTELAR Nº 22.665 - PR (2014/0105270-4) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : MARCUS VINICIUS DE LACERDA COSTA AGRAVANTE : GUSTAVO LYCURGO LEITE ADVOGADO : RAPHAEL RICARDO

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS Processo nº 0001312-86.2014.403.6115 RCO IND., COM., EXPORT. E

Leia mais

Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi) E ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi) E ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Processo Judicial Eletrônico: 1 CAUTELAR INOMINADA Autos de nº 0800490-42.2014.4.05.8400 Parte requerente: INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL - IPHAN (Advª. Sandra Mary Tenório Godoi)

Leia mais

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR):

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): PROCESSO Nº: 0806690-65.2014.4.05.8400 - APELAÇÃO RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): Trata-se de apelação interposta pelo Conselho Regional de Corretores de

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO PARECER Nº 0154/2005/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE REMESSA PARA REPOSIÇÃO EM GARANTIA. APLICAÇÃO DO ARTIGO 555 DO RICMS/RO. SISTEMÁTICA DIFERENCIADA E RESTRITA A EMPRESAS PRESTADORAS DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

CONCLUSÃO. Vistos. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Fernando Oliveira Camargo. fls. 1

CONCLUSÃO. Vistos. Juiz(a) de Direito: Dr(a). Fernando Oliveira Camargo. fls. 1 fls. 1 CONCLUSÃO Em 16 de março de 2012, faço estes autos conclusos a(o) MM. Juiz(a) de Direito, Dr(a). Fernando Oliveira Camargo. Eu, LEILA MACEDO FIROOZMAND, Escrevente Técnico Judiciário, lavrei este

Leia mais

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010) COMARCA DE CAXIAS DO SUL 2ª VARA CÍVEL ESPECIALIZADA EM FAZENDA PÚBLICA Rua Dr. Montaury, 2107, 5º andar Processo nº: Natureza: Impetrante: Impetrado: 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 15 / 04 / 2014. Des. Cristina Tereza Gaulia. Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 15 / 04 / 2014. Des. Cristina Tereza Gaulia. Relator 5ª CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº: 0004117-44.2014.8.19.0000 2ª VARA DE TRÊS RIOS Agravante: Município de Três Rios Agravado: Elimar Santos de Carvalho Juiz: Dra. Ana Carolina

Leia mais

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO

REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO REVISÃO 1.º SEMESTRE SISTEMA CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO CONCEITO DE TRIBUTO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988 ACABA POR NÃO CONCEITUAR O QUE SEJA TRIBUTO. ENTRETANTO, LEVA EM CONSIDERAÇÃO, IMPLICITAMENTE,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo nº 0004290-68.2014.8.19.0000 Agravante: LSH BARRA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS S/A Agravado: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Relator: DES. CARLOS EDUARDO MOREIRA DA SILVA

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

SENTENÇA. Vistos, etc. CLAUS PETER DE OLIVEIRA WILLI ajuizou a presente AÇÃO ORDINÁRIA contra o INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS.

SENTENÇA. Vistos, etc. CLAUS PETER DE OLIVEIRA WILLI ajuizou a presente AÇÃO ORDINÁRIA contra o INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS. fls. 57 SENTENÇA Processo Digital n.º: 1007976-71.2014.8.26.0286 Classe Assunto: Procedimento Ordinário - Salário-Maternidade (Art. 71/73) Requerente: CLAUS PETER DE OLIVEIRA WILLI Requerido: INSTITUTO

Leia mais

CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR

CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR 1 CARREIRAS JURÍDICAS - INTENSIVO I Material de Apoio - Direito Tributário Eduardo Sabbag Causas de exclusão do crédito tributário MATERIAL DO PROFESSOR I- ANOTAÇÕES DE AULA II- QUESTÕES DE CONCURSO I-

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 5a Turma Comprovado pelo laudo pericial que o Reclamante laborava em condições perigosas, devido o adicional de periculosidade. Vistos, relatados e discutidos os presentes autos de RECURSO ORDINÁRIO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0005243-32.2014.8.19.0000 5ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital Agravante: Fundo Único de

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007

ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 ADITIVO AO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N 001/2007 O Presidente da Fundação de Apoio à Universidade Federal de São João del-rei FAUF e o Prefeito Municipal de Ibirité, Antonio Pinheiro Júnior, faz saber

Leia mais

SENTENÇA. CONCLUSÃO Em 15 de agosto de 2013, faço estes autos conclusos ao MM. Juiz(ª) de Direito Dr.(ª): Simone Viegas de Moraes Leme

SENTENÇA. CONCLUSÃO Em 15 de agosto de 2013, faço estes autos conclusos ao MM. Juiz(ª) de Direito Dr.(ª): Simone Viegas de Moraes Leme fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Impetrante: Impetrado: 0012190-79.2013.8.26.0053 - Mandado de Segurança Marina Express Transportes Ltda Secretario da Fazenda do Estado de São Paulo, Chefe do Posto Fiscal

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Gabinete do Desembargador Ney Teles de Paula

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Gabinete do Desembargador Ney Teles de Paula AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 250603-48.2015.8.09.0000 (201592506038) COMARCA DE GOIÁS AGRAVANTE AGRAVADO RELATOR : BRASINEIDE CLEMENTE FERREIRA PIMENTA : DELEGADO GERAL DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE GOIÁS

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL 3ª Vara da 5ª Subseção Judiciária Campinas/SP Autos n.º 0014813-89.2004.403.6105 Vistos. Trata-se de Execução Fiscal para cobrança de débito inscrito em dívida ativa referente à IRPJ. Após o oferecimento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL C O N C L U S Ã O Nesta data, faço os autos conclusos ao MM. Juiz Federal Substituto, nesta 15ª Vara, Dr. Eurico Zecchin Maiolino. São Paulo,...Eu,..., Analista Judiciário 15ª Vara Cível Processo nº 2009.61.00.010245-7

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA DECRETO N. 17.466, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. DOE N. 2131, DE 08 DE JANEIRO DE 2013. Regulamenta o artigo 3º, inciso VII, da Lei Complementar n. 620, de 21 de junho de 2011. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA,

Leia mais

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963

DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 DECRETO N. 52.288 DE 24 DE JULHO DE 1963 Promulga a Convenção sobre Privilégios e Imunidades das Agências Especializadas das Nações Unidas, adotada, a 21 de novembro de 1947, pela Assembléia Geral das

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40. Acórdão: 20.029/13/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000184734-13 Impugnação: 40.010133151-29 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Modelo Comércio e Exportação de Açúcar Ltda IE: 515302633.00-13 Marcelo

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 TCE-TO de 07 de março de 2012. Dispõe sobre o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS, no uso de

Leia mais

Processo Data: 01400227750 Decisão: 27/01/2014 Ano Geração: 2014

Processo Data: 01400227750 Decisão: 27/01/2014 Ano Geração: 2014 Processo Data: 01400227750 Decisão: 27/01/2014 Ano Geração: 2014 Autos nº: 201400227750 Ação Civil Pública Autor: Ministério Público do Estado de Goiás Requerido: Estado de Goiás Decisão: O Ministério

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006)

Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Importação por Conta e Ordem e Importação por Encomenda (LUCIANO - 15/05/2006) Cada vez mais e por diversos motivos, as organizações vêm optando por focar-se no objeto principal do seu próprio negócio

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40. Acórdão: 19.708/12/2ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000172336-99 Impugnação: 40.010131187-81 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Transportadora R C Ltda IE: 625788240.00-50 Gustavo de Freitas DF/Barbacena

Leia mais

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1 fls. 372 SENTENÇA Processo Digital nº: 1005895-57.2016.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Comum - Planos de Saúde Requerente: Requerido: UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DA DEFINIÇÃO DE MICROEMPRESA SOCIAL ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.559, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2004 Publicada no DOE em 31 de dezembro de 2004 DISPÕE SOBRE A MICROEMPRESA SOCIAL, ESTABELECENDO TRATAMENTO TRIBUTÁRIO DIFERENCIADO,

Leia mais

Processo nº 201304015410. Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra. Requerido: Banco Bradesco S/A. Natureza: Anulatória SENTENÇA

Processo nº 201304015410. Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra. Requerido: Banco Bradesco S/A. Natureza: Anulatória SENTENÇA Processo nº 201304015410 Requerente: Elivaldo de Castro Moreira e outra Requerido: Banco Bradesco S/A Natureza: Anulatória SENTENÇA Trata-se de Ação Anulatória de Registro de Averbação da Carta de Adjudicação

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870580000930/PR RELATORA : Juíza Ana Beatriz Vieira da Luz Palumbo RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSS RECORRIDO : DIRCÉLIA PEREIRA 200870580000930

Leia mais

Guia de Direitos do Paciente Oncológico

Guia de Direitos do Paciente Oncológico Guia de Direitos do Paciente Oncológico 1 Apresentação Apesar de garantidos pela legislação brasileira, muitos pacientes com câncer e outras doenças incapacitantes simplesmente não utilizam ou desconhecem

Leia mais

DECISÃO. em processo em trâmite na 3ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital,

DECISÃO. em processo em trâmite na 3ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital, AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 0000875-77.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: ESTADO DO RIO DE JANEIRO AGRAVADA: ÂNGELA MARIA MONTEIRO DA TRINDADE RELATOR: DESEMBARGADOR ALEXANDRE FREITAS CÂMARA Direito Constitucional.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais DRAWBACK VERDE E AMARELO SUSPENSÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS

Leia mais

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO

ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Ementa aula 08 de outubro de 2013. ACADEMIA BRASILEIRA DE DIREITO CONSTITUCIONAL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E PROCESSO TRIBUTÁRIO Professor: André Parmo Folloni Doutor em Direito pela UFPR; Mestre em Direito

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES ACÓRDÃO ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO GABINETE DO DES. SAULO HENR1QUES DE SÁ E BENEVIDES AGRAVO INTERNO N 200.2011.045576-9/001 4' Vara Capital. RELATOR : Des. Saulo Henriques de Sá e I3enevides.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 005/2015. Brasília, 16 de novembro de 2015. Assunto: Operador Econômico Autorizado Subsecretaria Responsável: Suari Período para a contribuição: de 17/11/2015 a 27/11/2015 ATENÇÃO:

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG Agravo Interno na APELAÇÃO N.º 0001126-86.2007.8.19.0050 Apelante: ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Apelado:

Leia mais

Impetrante: CONSELHO FEDERAL DE BIOMEDICINA - CFBM Impetrado: DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONAUTICA D E C I S Ã O

Impetrante: CONSELHO FEDERAL DE BIOMEDICINA - CFBM Impetrado: DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONAUTICA D E C I S Ã O Impetrante: CONSELHO FEDERAL DE BIOMEDICINA - CFBM Impetrado: DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO DE ENSINO DA AERONAUTICA D E C I S Ã O Recebo a petição de fls. como emenda à inicial. Retifique-se a autuação

Leia mais

D E C I S Ã O. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

D E C I S Ã O. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG APELAÇÃO CÍVEL Nº 0193026-72.2011.8.19.0001 Apelante (Autor): AMANDA PEIXOTO MARINHO DOS SANTOS Apelado

Leia mais