Recepção do telejornal produzido em Santa Maria

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recepção do telejornal produzido em Santa Maria"

Transcrição

1 Recepção do telejornal produzido em Santa Maria Prof. Ms. Viviane Borelli 1 Acadêmica Emília Cristina Maria 2 O objetivo da comunicação é apresentar o projeto de pesquisa que está em fase inicial no Curso de Comunicação Social do Centro Universitário Franciscano (Unifra), Santa Maria, RS. O projeto Recepção do telejornal produzido em Santa Maria está vinculado às disciplinas de Teoria da Comunicação I e II e ao Programa Especial de Treinamento (Propet), criado pela Pró-reitoria de Graduação para complementar as atividades de ensino. Além de incentivar a reflexão teórica, será desenvolvida uma pesquisa empírica sobre os modos de recepção dos telejornais santa-marienses, com objetivo de compreender como os usuários transformam a oferta discursiva no seu próprio telejornal. A pesquisa será realizada com receptores dos telejornais locais, Pampa Meio-Dia (Rede Pampa de Comunicação/Record) e Jornal do Almoço (RBS TV/Rede Globo). Tendo como base algumas técnicas da semiologia dos discursos, serão utilizados procedimentos teóricos e metodológicos de caráter qualitativo e aplicados um conjunto de instrumentos de coleta de dados, como questionário, entrevistas e grupos de discussão. Embora o foco esteja nas condições de recepção por parte dos usuários, serão consideradas as gramáticas de produção e recepção por compreender que as relações entre as duas instâncias são marcadas por estratégias de construção de sentidos. Palavras-chave Recepção, telejornal, produção de sentidos Introdução O objetivo da reflexão é apresentar o desenvolvimento dos primeiros passos do projeto de pesquisa Recepção do telejornal produzido em Santa Maria, que está em fase inicial no curso de Comunicação Social do Centro Universitário Franciscano (Unifra), Santa Maria, RS. O campo de pesquisa está sendo delimitado e será composto por receptores dos telejornais locais, Pampa Meio-Dia, da Rede Pampa de Comunicação, afiliada da Rede Record, e Jornal do Almoço, da RBS TV, afiliada da Rede Globo. 1 Jornalista, professora do curso de Comunicação Social - Jornalismo e Publicidade e Propaganda - do Centro Universitário Franciscano (Unifra) e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação pela Unisinos, São Leopoldo RS, - área de concentração em processos midiáticos. 2 Acadêmica de Comunicação Social Jornalismo, Bolsista Propet (Programa Especial de Treinamento) da Unifra.

2 O projeto de pesquisa representa uma complementação das atividades desenvolvidas em sala de aula nas disciplinas de Teoria da Comunicação I e II e é vinculado ao Programa Especial de Treinamento (Propet), criado pela Pró-reitoria de Graduação para complementar as atividades de ensino. O objetivo do projeto é incentivar a reflexão teórica, dando destaque às teorias da comunicação, e também possibilitar aos alunos um processo de iniciação científica através da aplicação de uma pesquisa empírica. Mesmo que o projeto tenha apenas uma bolsista, outros alunos também estão envolvidos através da participação em grupos de estudo e como voluntários na aplicação de fases da pesquisa. Dessa forma, o trabalho desenvolvido não fica reduzido somente a um ou outro aluno, mas a um grupo interessado em aprofundar estudos teóricos e iniciar-se no campo da pesquisa acadêmica. Por estar vinculado às disciplinas de Teoria da Comunicação I e II, o projeto vai proporcionar um diálogo entre aqueles que estão trabalhando diretamente nele e os demais alunos do curso através de um seminário em que serão apresentadas as fases de investigação e os resultados da pesquisa sobre a recepção do telejornal produzido em Santa Maria. Neste momento inicial, estão sendo realizados encontros para reflexão teórica com objetivo de ampliar o campo de conhecimento dos alunos envolvidos e de definir as estratégias teóricas e metodológicas a serem adotadas no desenvolvimento do projeto. Além disso, estão sendo aplicadas técnicas quantitativas de coleta de dados em caráter exploratório para que depois possa ser delimitado o campo efetivo de investigação e, a partir de então, seja dado um tratamento qualitativo à pesquisa. Mesmo que o enfoque central seja nas condições de recepção dos telejornais locais por parte dos usuários, estão sendo consideradas de forma conjunta as gramáticas de produção e recepção por compreender que as relações entre as duas instâncias são marcadas por estratégias de produção de sentidos. Para isso, faz-se necessária uma breve caracterização dos telejornais Jornal do Almoço/RBS e Pampa Meio-Dia/Rede Pampa de Comunicação. É importante salientar que em outras regiões do estado são produzidos telejornais locais tanto pela RBS TV quanto pela Rede Pampa de Comunicação. A diferença entre as duas emissões é que o Jornal do Almoço é integrado a um telejornal estadual enquanto o Pampa Meio Dia é único neste horário. 2

3 O Jornal do Almoço local tem duração de 26 minutos (o estadual dura 40 minutos), iniciando às 12h, e a área de abrangência é a centro-oeste do Rio Grande do Sul, num total de 39 municípios, o que representa aproximadamente 220 mil pessoas, segundo perspectiva apontada pelo editor do telejornal, Julio Cargnino. Por serem muito caras, o Ibope realiza apenas pesquisas de audiência duas vezes ao ano. O Jornal do Almoço estima 70% de audiência mais ou menos 3 neste horário. Segundo o editor, não mudam muito os levantamentos. Aqui é muito...como se não houvesse concorrência, o público tem poucas opções e os números não mudam tanto a cada seis meses 4. É preciso salientar que a audiência refere-se a todo o telejornal Jornal do Almoço (em rede estadual), já que não há medição apenas da parte local. O Pampa Meio-Dia dura 35 minutos, iniciando às 12h25. O telejornal abrange de forma amplamente nove cidades, mas há outros municípios em que o sinal chega a alguns lugares de forma mais reduzida. De acordo com o editor do telejornal, Airton Amaral, estima-se que o telejornal atinja 850 mil pessoas. Em relação à audiência, o telejornal não tem indicadores oficiais, baseando-se em pesquisas realizadas por empresas especializadas, como a Revista Amanhã. Nosso referencial é a Revista Amanhã, que avalia as marcas mais lembradas. E o Pampa Meio-Dia e eu, como apresentador, fomos os mais lembrados em televisão local desde Na última, em 2002, nós tivemos um índice de 44%, acho. O JA ficou com 20,5% 5. A partir dessas falas informativas, percebe-se algumas contradições: enquanto o editor do Jornal do Almoço/RBS fala que não há concorrência neste horário, o editor do Pampa Meio-Dia salienta que o telejornal é o mais lembrado (o índice atribuído ao Pampa Meio-Dia é mais que o dobro atingido pelo JA) segundo levantamento da Revista Amanhã. Esses dados deverão ser melhor investigados, já que a proposta é analisar a recepção do telejornal produzido em Santa Maria com objetivo de perceber se a comunidade de usuários reconhece na produção discursiva valores e marcas identitárias locais. Dessa forma, é necessário diferenciar o Jornal do Almoço como um todo dos primeiros blocos locais ao telejornal estadual. Também é importante salientar que o bloco local do Jornal do Almoço encerra no momento em que está iniciando o Pampa Meio-Dia, possibilitando que as pessoas assistam aos dois telejornais locais ou que depois das 12h25 fiquem alternando entre o bloco estadual do Jornal do Almoço e o Pampa Meio-Dia. 3 Segundo informação do editor, Júlio Cargnino, em entrevista realizada no dia 23 de março de Idem 5 Segundo informação do editor, Airton Amaral, entrevistado no dia 24 de março de

4 A seguir, serão apresentadas algumas informações sobre o funcionamento e as regras dos telejornais, colhidas através de entrevista com os editores. Também serão explicitados os passos inicias para delimitação do objeto e do campo de investigação, bem como das primeiras idas a campo com objetivo de explorar e conhecer melhor os receptores dos telejornais locais. Explorando o campo de pesquisa Como já foi referido, o desenvolvimento do projeto de pesquisa Recepção do telejornal produzido em Santa Maria iniciou em março e deve prosseguir até outubro de Dessa forma, nesta primeira fase, os trabalhos estiveram relacionados à ampliação teórica sobre os estudos em recepção 6, à caracterização dos telejornais a serem estudados e à delimitação do campo de investigação, com aplicação de um questionário exploratório para que se possa conhecer um pouco o universo dos receptores. Para isso, foi traçado um planejamento metodológico com intuito de dar conta das várias ações que fazem parte dessa fase inicial: foram assistidas algumas edições dos telejornais; através de pesquisa bibliográfica, está sendo aprofundado o conceito de recepção e realizado um levantamento preliminar de alguns estudos sobre recepção de telejornal; foram entrevistados os editores dos dois telejornais e foram aplicados questionários exploratórios a uma amostra aleatória dentro da delimitação do campo de investigação. Para dar conta do objeto de pesquisa, estão sendo definidos os procedimentos técnicos/metodológicos a partir das próprias características do estudo, que é de iniciação científica, tem um prazo reduzido para investigação e está sendo realizado com intuito de aprofundar os conhecimentos teóricos apreendidos em sala de aula. Assim, a metodologia está sendo delimitada através de pré-observações, concebendo-as como um conjunto de pré-operações para reunir dados. Estão sendo mesclados procedimentos quantitativos com qualitativos por compreender que era necessário conhecer um pouco mais o universo dos telespectadores antes de realizar uma pesquisa mais vertical e aprofundada com alguns públicos específicos. Para ALVES-MAZZOTTI e GEWANDSZNAJDER (2001), as pesquisas 6 Alguns estudos que estão sendo analisados são FAUSTO NETO (1996, 2002), GOMEZ (2000), JACKS (1993, 1996), LOPES (2000),MALDONADO GOMEZ DE LA TORRE (2000) RONSINI (s/d), SOUSA (2000). 4

5 qualitativas são caracterizadas como multimetodológicas, já que utilizam uma variedade de procedimentos e instrumentos de coleta de dados. Compreende-se que a amplitude do objeto exige uma série de estratégias metodológicas para que se possa coletar dados específicos para a explicitação do objeto de pesquisa. Nesse sentido, BECKER (1997) corrobora com esse intuito ao defender que muitas vezes o objeto de pesquisa deve ser visto a partir de multimétodos de pesquisa, o que pode dar mais sustentação ao trabalho, possibilitando a checagem de dados. Essa conjugação de procedimentos técnicos é necessária num movimento de delimitação do campo de investigação, em que é fundamental conhecer características da audiência para que depois seja possível aprofundar com alguns usuários dos telejornais suas estratégias de recepção e produção de sentidos. Acredita-se que os estudos em recepção representam uma abordagem teórica significativa dentro do campo da teoria da comunicação para compreensão de como os sujeitos atribuem sentido às mensagens produzidas pelos meios de comunicação. Para compreender as negociações entre recepção e produção, o suporte a ser investigado não pode ser isolado, mas, pelo contrário, deve-se compreende-lo nas múltiplas relações com o contexto social, histórico e cultural em que está presente. Dessa forma, buscou-se caracterizar de forma mais abrangente os telejornais locais, aprofundando o conhecimento dos seus modos de operar e funcionar como oferta discursiva para a comunidade de usuários. Com esse intuito, elaborou-se um pré-roteiro de perguntas a serem feitas para os dois editores dos telejornais. Nesse caso, aplicou-se a técnica da entrevista semi-estruturada, em que o pesquisador, através de tópicos e temas mais gerais, possibilitou ao entrevistado que relatasse sua experiência e fornecesse as informações básicas. Em relação ao conceito de entrevista semi-estruturada, THIOLLENT (1981, p.35) a define como um procedimento aplicado a partir de um pequeno número de perguntas. Neste sentido, compreende-se que, além de ter efetuado uma entrevista semi-estruturada, aproximou-se um pouco também do que o autor concebe como entrevista aprofundada, em que a conversação é iniciada a partir de um tema geral sem estruturação do problema por parte do investigador. Para BURGESS (s/d), a utilização de entrevistas não estruturadas permite, especialmente, um detalhamento de questões, pois a entrevista é tida como uma conversa, em que pesquisador e pesquisado estabelecem uma relação de confiança e de trocas. Nesse 5

6 sentido, antes de fazer as entrevistas pessoalmente, os entrevistados foram contatados por telefone para se inteirarem do projeto. Com isso, estabeleceu-se um clima de confiança entre entrevistador/entrevistado. Um pré-contato, como sugere GIL (1994), representa a busca de confiança e familiaridade para que depois se possa efetivar a entrevista. Para isso, é fundamental uma contextualização do projeto de pesquisa, utilização dos dados, objetivos, entre outros fatores, já que a entrevista, mesmo com objetivos determinados para investigação, é uma relação social. Para ALVES-MAZZOTTI e GEWANDSZNAJDER (2001, p.168), as entrevistas aplicadas à pesquisa qualitativa são muito pouco estruturadas, assemelhando-se a uma conversa. Elas são úteis, especialmente, quando se pretende compreender o significado atribuído pelos sujeitos a eventos, situações, processos ou personagens que fazem parte de sua vida cotidiana. A entrevista possibilita, então, detalhamentos sobre determinados fatos, temas e acontecimentos que se queira compreender, aprofundar ou abordar de uma forma geral. As entrevistas realizadas com os editores estão em fase inicial de análise, mas já dão algumas pistas sobre o funcionamento dos telejornais. À medida que serão realizadas entrevistas mais aprofundadas com alguns receptores, os dados obtidos com os editores terão mais expressividade no conjunto do projeto de pesquisa. A seguir, serão relacionadas algumas informações apreendidas nas entrevistas com os dois editores dos telejornais. A partir das entrevistas, verificou-se que, enquanto o Jornal do Almoço segue uma estrutura mais geral, o Pampa Meio-Dia produzido em Santa Maria tem características muito particulares, diferenciando-se dos demais telejornais da Rede Pampa de Comunicação. É o padrão de uma rede, da Globo. Toda orientação segue nesse perfil de como estruturar o telejornal, como trabalhar textos, como deve se portar o repórter, o apresentador e tudo mais. A maneira de falar mesmo deve seguir um padrão. (...) A gente busca cada vez mudar, mas não pode radicalizar, começar a emitir opinião, por exemplo. O que a gente tenta é tornar os jornais mais conversados, buscar a linguagem coloquial e, na medida do possível, tentar transparecer para o telespectador que estamos conversando com ele. Mas tem que ir aos pouquinhos para mão chocar o telespectador, já que tem toda uma questão histórica. (...) A diferença entre SM e POA é que eles conseguem cumprir melhor as exigências por ter uma estrutura maior 7. 7 Segundo informação do editor, Júlio Cargnino, em entrevista realizada no dia 23 de março de

7 A partir da fala do editor do Jornal do Almoço local, observa-se que não há diferenças em relação à linguagem do telejornal estadual, há apenas uma estrutura melhor para cumprir o trabalho. Dessa forma, mesmo sendo local, o telejornal segue uma estrutura nacional, o padrão Globo, em que são mantidas características mais gerais ainda que se trate de uma produção local. Em relação ao Pampa Meio-Dia, essa estrutura mais geral desaparece, dando lugar a uma produção local, centrada na figura do editor/apresentador. A linguagem foi por mim definida há nove anos e há um direcionamento para atingir maior público. A partir de 1997, o Pampa adquiriu esse formato atual. (...) Meu projeto era fazer um telejornal comunitário, então como coordenador de jornalismo eu precisava de um apresentador que se dispusesse a fazer um jornal comunitário. Isso significa ter uma atitude profissional muito ampla, desde o modo como se atende o telespectador no telefone, como conversa com as pessoas na rua, como aborda uma fonte e a forma de se apresentar 8. A partir dessas informações, percebe-se que o formato do telejornal foi definido por uma pessoa e não por uma Rede como no caso do Jornal do Almoço. O editor do Pampa Meio-Dia, ao contrário da equipe do Jornal do Almoço (os apresentadores variam muito e várias pessoas editam as matérias), emite opiniões e centraliza a produção do telejornal, já que ele define as pautas, edita as matérias e apresenta o telejornal. Há outras diferenças identitárias entre os dois telejornais em relação à definição do público, da abrangência e dos objetivos. O editor do Jornal do Almoço informa que organiza o trabalho em função de um público bem amplo. Porém, mesmo não tendo um perfil exato, diz que tem uma idéia, reforçada por pesquisas, de que quem está em casa ao meio-dia é a dona-de-casa, a pessoa que não trabalhou de manhã, o estudante 9. Assim, a equipe trabalha com um público heterogêneo, de várias idades e classes. Em relação a objetivos, fala que o principal é informar, sem esquecer que o telejornal deve ter um fator de entretenimento. O editor do Pampa Meio Dia informa que organiza o telejornal em função de um público geral, não havendo telespectadores específicos. Em relação ao objetivo principal, é taxativo Há direcionamento para a linha comunitária que não abrimos mão 10. Dessa 8 Segundo informação do editor, Airton Amaral, entrevistado no dia 24 de março de Segundo informação do editor, Júlio Cargnino, em entrevista realizada no dia 23 de março de Segundo informação do editor, Airton Amaral, entrevistado no dia 24 de março de

8 forma, o telejornal apresenta-se mais com características comunitárias e o Jornal do Almoço aproxima-se mais do nível informativo e de entretenimento. Como já foi dito, as entrevistas possibilitaram informações bem mais amplas que as apresentadas neste primeiro momento em que o objetivo era fazer apenas uma caracterização mais geral dos telejornais, percebendo suas particularidades, abrangência, objetivo, estimativa de público, entre outras questões. A partir de pré-observações e de algumas informações prestadas pelos editores dos dois telejornais, passou-se a estudar uma delimitação do campo de investigação para que se pudesse conhecer um pouco mais a comunidade de usuários e, a partir daí, passar para um aprofundamento com alguns receptores. Como o objetivo principal é compreender como os usuários dos telejornais negociam com a oferta discursiva, produzindo seu próprio telejornal, ou seja, como produzem sentidos próprios a partir do discurso televisivo, decidiu-se fazer primeiramente um estudo exploratório para que depois fosse possível ter uma caracterização mais específica dos receptores. A delimitação do campo de investigação foi uma questão-chave para a processualidade da pesquisa. Neste sentido, decidiu-se aplicar um questionário exploratório com a comunidade universitária, com o quadro de funcionários e de professores da Unifra. Selecionou-se esse campo reduzido de abrangência por compreender que se trata de um projeto de iniciação científica que não tem pretensões de fazer um levantamento na comunidade santa-mariense, mas apenas num segmento mais limitado, em que seja possível apreender algumas questões para ampliar o conhecimento sobre a produção do telejornal local e os vínculos com os receptores. Como os dois editores falaram que não há pesquisas que apontem os públicos específicos, mas que eles são mais gerais, sugerindo que são de várias classes e escolaridades, optou-se por um estudo sobre a recepção do telejornal produzido em Santa Maria a partir do público que integra a vida universitária. Em relação à metodologia da pesquisa, LOPES (2001) destaca a complementaridade das técnicas de coleta de dados, salientando que, muitas vezes, a melhor estratégia é combinar técnicas de amostragem probalística e não-probalística. Nesse caso, inicialmente, aplicou-se um questionário exploratório de caráter aleatório para que depois se possa partir para a escolha intencional dos entrevistados. 8

9 Por se tratar de um estudo exploratório e não estatístico, delimitou-se a amostra aleatória em 10% dos professores e funcionários, por compreender que é um público mais reduzido, heterogêneo em relação à idade e escolaridade e por ser mais difícil estipular um padrão, e em 5% a comunidade universitária 11 por ser um segmento mais amplo e homogêneo, com escolaridade e idade mais aproximadas. Como o estudo é de caráter qualitativo, a pretensão era fazer um levantamento mais exploratório com intuito de conhecer um pouco mais o público, não havendo preocupações estatísticas. Escolheu-se uma amostra aleatória para permitir que cada unidade tivesse probabilidade igual de ser escolhida. Assim, passou-se a estipular estratégias para o procedimento de coleta de dados, aplicando-se os questionários em vários turnos, nos dois Campus da instituição, nos horários de início, intervalo e final das aulas, possibilitando uma amostra mais diversa, sem divisão por curso ou turno. As questões do questionário exploratório foram breves e simples, buscando-se conhecer a faixa etária, que telejornais eram assistidos e com que freqüência. Dividiu-se também por curso, no caso dos alunos, por setor (funcionários) e por área de atuação (os professores). Na fase atual, os dados estão sendo analisados de forma mais específica para que se possa ter uma caracterização dos vários tipos de receptores que integram a comunidade de investigados. A partir dos dados preliminares, constatou-se que há tipos distintos de usuários dos telejornais: aquele que assiste apenas ao Jornal do Almoço, o que assiste apenas ao Pampa Meio-Dia, aquele que fica alternando entre um e outro e aquele que assiste aos dois. Dessa forma, o objetivo agora é encerrar essa fase do levantamento exploratório para que se defina uma análise mais aprofundada com cada uma das categorias de telespectadores. Primeiras observações Como já foi dito, a pesquisa encontra-se na fase de definição metodológica e teórica para que se possa ter uma processualidade condizente com os objetivos da pesquisa compreender, a partir de um conjunto de técnicas e estratégias metodológicas, como os usuários transformam a oferta discursiva em seu próprio telejornal. Para isso, a partir de algumas técnicas da Semiologia dos Discursos, serão aplicadas técnicas de pesquisa qualitativa, como entrevista em profundidade e grupos de discussão. 11 A instituição possui 317 professores, 103 funcionários e alunos. 9

10 É importante salientar que, a partir dos dados coletados nos questionários exploratórios, pretende-se fazer um diagnóstico dos vários tipos de receptores para que se investigue cada um dos universos. Até o momento, mesmo que com dados parciais, observou-se que a maioria dos telespectadores do Jornal do Almoço assiste o telejornal mais de três vezes por semana, que é representativo o índice de usuários que alternam entre um e outro e que grande parte dos telespectadores do Pampa Meio-Dia vêem o jornal de uma a três vezes por semana. Dessa forma, deve-se considerar os receptores habituais, os ocasionais e os zappeadores. Para finalizar, destaca-se que a prática da pesquisa na graduação representa a ampliação dos conhecimentos adquiridos em sala de aula, especialmente nas disciplinas teóricas do curso de Comunicação Social e, sobretudo, a possibilidade de iniciar os alunos no campo da pesquisa científica. Bibliografia ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith e GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, BECKER, Howard. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. São Paulo: Hucitec, BURGESS, Robert. A pesquisa de terreno. S/d. FAUSTO NETO, Antonio. O outro telejornal. Relatório de pesquisa UFRJ, TV Reality Show: estratégias de produção e recepção da comunidade de sentidos. Relatório de pesquisa-unisinos, GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, GOMEZ, Guillermo Orozco. La investigación en comunicación desde la perspectiva cualitativa. México: Universidad Nacional de La Plata, P.129 a 151. JACKS, Nilda. Pesquisa de Recepção: investigadores, paradigmas, contribuições latino-americanas, in Revista Brasileira de Comunicação, São Paulo, n.1, jan.93. P.22 a 33.. Tendências latino-americanas nos estudos da recepção. Revista Famecos. Porto Alegre, n.5, dez. 96. P. 44 a 49. LOPES, Maria Immacolata Vassalo de Lopes. Uma metodologia para a pesquisa das mediações. In coletânea Mídias e Recepção PPG em Ciências da Comunicação. Unisinos e Compos. Unisinos: São Leopoldo, P. 119 a Pesquisa em comunicação. São Paulo: Loyola, MALDONADO GOMEZ DE LA TORRE, Alberto Efendy. Explorar a recepção sem dogmas, em multiperspectiva e com sistematicidade. In coletânea Mídias e Recepção PPG em Ciências da Comunicação. Unisinos e Compos. Unisinos: São Leopoldo, P. 5 a 18. RONSINI, Veneza Mayora. Televisión e identidad cultural. Felafacs- s/d. P.102 a 111. SOUSA, Mauro Wilton. Novos cenários no estudo da recepção mediática. In sociedade Mediática-significação, mediações e exclusão. Santos: Leopoldianum, P.77 a

11 THIOLLENT, Michel. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis,

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema

PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA: a escolha do tema e a construção do problema de pesquisa, temos que traçar um caminho a seguir durante a investigação. Realizar um estudo mais planejado dos aspectos que

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa

Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Como Elaborar Um Projeto de Pesquisa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Prof. Edwar Saliba Júnior Fevereiro de 2015 1 O que é pesquisa? Pode-se definir pesquisa como:

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR Roteiro de Não Ficção: Cardápio da Madrugada 1 Ana Carolina Vieira KRÜGER 2 Lucas KOTOVICZ 3 Sandra NODARI 4 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO A série de reportagens "Cardápio da Madrugada" foi

Leia mais

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ

Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica. Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Etapas da Metodologia da Pesquisa Científica Maria da Conceição Muniz Ribeiro Mestre em Enfermagem pela UERJ Metodologia da Pesquisa Cientifica Metodologia Como se procederá a pesquisa? Caminhos para se

Leia mais

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com

Metodologia Científica Aula 1. Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Metodologia Científica Aula 1 Prof.ª Ma. Ana Paula Diniz E-mail: anapauladinizb@hotmail.com Bibliografia: http://pesquisaemeducacaoufrgs.pbworks. com/w/file/fetch/64878127/willian%20cost a%20rodrigues_metodologia_cientifica

Leia mais

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO 3 Claudomilson F. BRAGA 4 Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO Estudo da proporção e o nível de conhecimento dos alunos de graduação do período vespertino do Campus II da UFG sobre o Programa Coleta Seletiva Solidária 1 Eduardo J. A. e SILVA 2 Camilla P. BRASILEIRO

Leia mais

Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos. Fernando Hadad Zaidan

Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos. Fernando Hadad Zaidan Retenção do Conhecimento no Contexto do Desenvolvimento de Software: Estudo de Múltiplos Casos Fernando Hadad Zaidan Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente preocupação com a gestão das

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE IGUAÇU FACUDADE DAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE MONOGRAFIA FILOMENA MARIA RATES SOARES VITOR TENÓRIO NOVA

Leia mais

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho

Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Situar o tema dentro do contexto geral da sua área de trabalho PROJETO DE PESQUISA INTRODUÇÃO (O QUE É O TEMA?) Na introdução o aluno deverá explicar o assunto que deseja desenvolver. Desenvolver genericamente o tema Anunciar a idéia básica Delimitar o foco da pesquisa

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas.

Palavras-chave: Peças publicitárias; comerciais marcantes; televisão; criatividade. Área do conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas. COMERCIAIS MARCANTES Açucena Vieira de Morais, Daniella Zarro Teixeira Silva Pinto, James da Silva Costa, Ariane Fernanda da Silva Costa, Silene Fernandes Bicudo Univap Universidade do Vale do Paraíba/FCSAC

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO

PESQUISA-AÇÃO DICIONÁRIO PESQUISA-AÇÃO Forma de pesquisa interativa que visa compreender as causas de uma situação e produzir mudanças. O foco está em resolver algum problema encontrado por indivíduos ou por grupos, sejam eles

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES

ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES ENSINO DE FÍSICA EM ANGICAL DO PIAUÍ PI: EM BUSCA DA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES E DE METODOLOGIAS EFICAZES MARCELA NEIVA SOUSA 1 SAMARA MARIA VIANA DA SILVA 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo investigar

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

Vídeo Institucional Casa da Esperança

Vídeo Institucional Casa da Esperança Vídeo Institucional Casa da Esperança JOSGRILBERG, Clarissa 1 CARDINAL, Milena de Jesus 2 CARBONARI, Will 3 OTRE, Maria Alice Campagnoli 4 MEDEIROS, Cristine 5 Centro Universitário da Grande Dourados UNIGRAN

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa

União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética. Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa União do Ensino Superior de Nova Mutum - UNINOVA Nome dos acadêmicos em ordem alfabética Orientações Sobre a Elaboração de Projetos de Pesquisa Nova Mutum MT 2012 Nome dos acadêmicos em ordem alfabética

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos

AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos 1 AULA 11 Desenhos, recursos e obstáculos Ernesto F. L. Amaral 15 de abril de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.57-73 & 75-85.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER)

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA - MG NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: SUBTÍTULO DO PROJETO (SE HOUVER) UBERLÂNDIA 2013 NOME COMPLETO TÍTULO DO PROJETO: subtítulo do projeto (se houver) Projeto de Pesquisa

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador:

INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM (TÍTULO DO PROJETO) Acadêmico: Orientador: São Luis 2015 (TÍTULO DO PROJETO) (NOME DO ALUNO) Projeto de Pesquisa do Programa

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA

WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO E ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS NO AMAZONAS WALDILÉIA DO SOCORRO CARDOSO PEREIRA PROPOSTAS

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS

A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS A ESCOLA MUNICIPAL DE JATAÍ E O DESAFIO NA CONSOLIDAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS SILVA, Thaysa Pereira; RAIMANN, Elizabeth Gottschalg Universidade Federal de Goiás/ Campus Jataí; thaysapsilva@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular

PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular PRÁTICA PROFISSIONAL INTEGRADA: Uma estratégia de integração curricular Daiele Zuquetto Rosa 1 Resumo: O presente trabalho objetiva socializar uma das estratégias de integração curricular em aplicação

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO

SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO SELEÇÃO E UTILIZAÇÃO DE ATIVIDADES EXPERIMENTAIS EM AULAS DE BIOLOGIA E FÍSICA DO ENSINO MÉDIO Larissa Zancan Rodrigues UFSM Fernanda Sauzem Wesendonk UFSM Eduardo Adolfo Terrazzan UFSM Agência de financiamento:

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br

MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING. Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br MÉTODOS QUANTITATIVOS EM MARKETING Prof.: Otávio Figueiredo e-mail: otavio@ufrj.br ESTATÍSTICA População e Amostra População Amostra Idéia Principal Resumir para entender!!! Algumas Técnicas Pesquisa de

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA

1. Escolha do Tema. 2. Formulação do Problema. 1 Escolha do Tema II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA II. PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Escolha do tema 2. Formulação do problema 3. Justificativa 4. Determinação dos objetivos 5. Referencial teórico 6. Referências 1 Escolha do Tema 1. Escolha do Tema Nesta

Leia mais

FAQ Escrita de Cases

FAQ Escrita de Cases FAQ Escrita de Cases 1. Sobre o que escrever um case e com qual foco? Sua EJ poderá escrever cases de sucesso ou insucesso que tenha trazido muito aprendizado e superação, ou seja, cases distintos da realidade

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa

Tópicos Abordados. Pesquisa de Mercado. Aula 2. Contextualização. Qualitativa X Quantitativa. Instrumentalização. 1. Diferença entre qualitativa Tópicos Abordados Pesquisa de Mercado Aula 2 Prof. Me. Ricieri Garbelini 1. Diferença entre qualitativa e quantitativa 2. Dados X informação 3. Tipos de coleta 4. Classificação dos dados 5. Amostragem

Leia mais

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO

Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO o Avaliação dos critérios dos programas de fomento à Inovação Tecnológica Pág. 2 de 11 RESUMO O intuito deste estudo é analisar os critérios de avaliação da viabilidade técnica e econômica dos projetos

Leia mais

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET

TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET ATAS - Seminário Ensinar com Pesquisa (Ensinar, Pesquisar e Aprender) - ANO V 1 TEMAS AMBIENTAIS NA INTERNET Ana C. B. da Silva 1, Natália F. da Silva², Maria R. D. Kawamura 3 1 Instituto de Física/Ensino/USP,

Leia mais

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL.

O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. ÁREA TEMÁTICA: Enfermagem O PROCESSO GERENCIAR DA ENFERMAGEM NO CENTRO CIRÚRGICO EM UM HOSPITAL REGIONAL NO MUNÍCIPIO DE PAU DOS FERROS, RN, BRASIL. CARVALHO, Sancherleny Bezerra de. Acadêmica do 6º período

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck

TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA. Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck TÉCNICAS DE COLETA E ANÁLISE DE DADOS EM ARQUITETURA Prof. MSc. Francisco Zacaron Werneck INTRODUÇÃO A escolha das técnicas está condicionada ao Problema de Pesquisa. Três perguntas básicas devem ser respondidas

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão

Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Um olhar sobre a Educomunicação enquanto prática em expansão Cláudio Messias 1 Resumo Investigamos, por meio de pesquisa quantitativa e qualitativa, referenciais que dão sustentação à expansão da prática

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias O Programa Esporte e Lazer da Cidade e o seu processo formativo para egressos do curso de educação física da Universidade Federal

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB

O PAPEL DA AGÊNCIA DE JORNALISMO DA UEPG NO FOMENTO À PRODUÇÃO DE NOTÍCIAS INSTITUCIONAIS NA WEB 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O PAPEL DA

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação

Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Telejornalismo e Educação para a Cidadania: uma experiência de Educomunicação Educomunicação Comunicação-Educação Uma área emergente Pesquisa na linha do NCE/ECA/USP As pesquisas do NCE/ECA/USP buscam

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção?

PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? 1 PLANEJAMENTO NO SERVIÇO SOCIAL: as idéias gestadas no plano chegam à intervenção? Gissele Carraro 1 Nilda Stecanela 2 RESUMO O artigo discute alguns elementos imprescindíveis da gestão do planejamento

Leia mais

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA.

O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. O MODELO DA TELEVISÃO BRASILEIRA NA CONCEPÇÃO DE VIDEOAULAS: UMA EXPERIÊNCIA INOVADORA DO IFSC NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Autor: Paulo Vitor Tavares, Ms. Palavras-chave: EAD, Televisão, Videoaula, IFSC.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES

A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES 1/6 A PESQUISA E SUAS CLASSIFICAÇÕES Definir o que é pesquisa; mostrar as formas clássicas de classificação das pesquisas; identificar as etapas de um planejamento de pesquisa. INTRODUÇÃO O que é pesquisa?

Leia mais

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa

Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa Técnicas de coleta de dados e instrumentos de pesquisa O que é técnica? O que é instrumento? Tipos de técnicas e instrumentos de pesquisa Entrevista Questionários Observação 1. ENTREVISTA Encontro entre

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais