LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014"

Transcrição

1

2 ARENA PANTANAL

3 LOCALIZAÇÃO 12 CIDADES DA COPA 2014

4 LOCALIZAÇÃO 8 Km Aeroporto

5 INFORMAÇÕES DE CONTRATO CONTRATO CONTRATO AGECOPA : Nº 009/2010/AGECOPA DATA ASSINATURA CONTRATO: 20 /04 /2010 VALOR CONTRATADO: R$ ,96 VALOR c/ ADITIVOS CONTRATUAIS: R$ ,94 DATA BASE: JAN/2010 REGIME: PREÇOS UNITÁRIOS PRAZO DE EXECUÇÃO: 12/12/2012 ( 32 MESES) CONFORMIDADE COM A LEI Nº DE 21/06/1993

6 INFORMAÇÕES DE CONTRATO ORDEM DE SERVIÇOS ORDEM DE SERVIÇOS AGECOPA Nº 003/2010 DATA DA EMISSÃO DA ORDEM DE SERVIÇOS: 20 / 04 /2010 DATA PARA INÍCIO DOS SERVIÇOS: 26 /04 /2010

7 MODELO DE GESTÃO FISCALIZAÇÃO / GERENCIAMENTO / EXECUÇÃO SECOPA Secretaria de Infraestrutura Coordenadoria de Obras CONCREMAT (Gerenciadora Da Obra) CONSÓRCIO SANTA BÁRBARA MENDES JÚNIOR (Execução da Obra)

8 MODELO DE GESTÃO GERENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO

9 MODELO DE GESTÃO ADMINISTRAÇÃO LOCAL DO CONSORCIO CONSTRUTOR GERENCIA CONTTRATO Gerencia de ENGENHARIA Gerência de ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gerência de QMSR QUALIDADE, MEDICINA, SEGURANÇA RESPONSABILIDADE SOCIAL Gerência de PRODUÇÃO Mão de Obra Indireta: Total = ENGENHEIROS E PROFISSIONAIS COM NÍVEL SUPERIOR 18 TÉCNICOS E ESTAGIÁRIOS 47 ÁREA ADMINISTRATIVA 17 ÁREA DA QUALIDADE / MEDICINA / SEGURANÇA / MEIO AMBIENTE 1 MÉDICO Mão de Obra Terceirizada = 204 pessoas Mão de Obra Direta(Oficiais e Ajudantes e Encarregados): 291 pessoas TOTAL GERAL (MOI + MOD + Terceiro)= 603 pessoas

10 PROJETO DA ARENA PANTANAL

11 PROJETOS ANTIGO VERDÃO Estádio Governador José Fragelli Estádio a demolir Ginásio Existente Aecim Tocantins

12 PROJETOS ARENA PANTANAL PARA A COPA DE 2014 CERTIFICAÇÃO LEED Leadership in Energy and Environmental Design Liderença em Energia e Design Ambiental O Governo do Estado de Mato Grosso atento as recomendações do caderno de encargos da FIFA e das necessidades do empreendimento, em consonância com as melhores praticas do mercado da construção civil, contrata desde o projeto arquitetônico a concepção de uma obra sustentável utilizando-se das melhores práticas, incluindo tecnologias, materiais, processos e procedimentos operacionais. Todo esforço visando obter uma certificação que tornará a Arena Multiuso Pantanal um empreendimento verde idealizado para uma operação com praticas sustentáveis de operação. REGISTRADO - Empreendimentos não sigilosos em Certificação Nome do Projeto - Cidade/Estado - Sistema - Versão - Data Registro PROJETO ARENA MULTIUSO DE CUIABÁ MT BR - CUIABÁ /MT - LEED NC /5/2010

13 PROJETOS ARENA PANTANAL PARA A COPA DE 2014 Projeto desenvolvido pela GCP Arquitetos considerou os requisitos da Certificação LEED, alcançando em projeto 38 pontos Licitação da Construção e do Gerenciamento incluiu exigências relacionadas os requisitos da certificação LEED relacionados com a etapa de construção

14 ARENA PANTANAL

15 ARENA PANTANAL VISÃO GERAL DA ARENA

16 ARENA PANTANAL DURANTE E DEPOIS DA COPA DE 2014 Vista de dia da Arena Vista a noite da Arena assentos

17 ARENA PANTANAL VISÃO INTERNA Arquibancada Leste Arquibancada Sul Altura da Cobertura Arquibancada Oeste Arquibancada Norte

18 ARENA PANTANAL VISÃO GERAL DA ARENA / ILUMINAÇÃO

19 ARENA PANTANAL ÁREA VIP

20 ARENA PANTANAL RESTAURANTE

21 ARENA PANTANAL ÁREA EXTERNA SCALINATA / CHOPERIA

22 PROJETOS VISÃO GERAL DA ARENA PLANTA SUB SOLO

23 PROJETOS VISÃO GERAL DA ARENA PLANTA TÉRREO

24 PROJETOS VISÃO GERAL DA ARENA PLANTA 1º. PAVIMENTO

25 PROJETOS VISÃO GERAL DA ARENA PLANTA 2º. PAVIMENTO

26 PROJETOS VISÃO GERAL DA ARENA PLANTA 3º. PAVIMENTO

27 PROJETOS Corte Esquemático Área Téc. 3º. Pavim 2º. Pavim 1º. Pavim Térreo Sub solo

28 PROJETOS Quantitativos Gerais do Projeto

29 PROJETOS Quantitativos Gerais do Projeto

30 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO ARENA PANTANAL

31 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO Proteção solar, iluminação natural e ventilação cruzada: O projeto prevê ventilação cruzada com tomadas de ar pelos cantos localizados entre os setores de arquibancadas, as coberturas e fachadas servem de anteparo aos raios solares evitando dissipação de calor.

32 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO Consumo eficiente, tratamento e reciclagem de água: O projeto prevê dispositivos economizadores que reduzirão em até 20% o consumo energético do edifício. Sistemas para a captação de água pluvial e a implantação de uma estação de tratamento de efluentes também serão instalados.

33 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO Pavimentos Exteriores:

34 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO Estrutura Metálica Flexível: Arquibancada / Pórtico Cobertura / Fechamento Lateral

35 SUSTENTABILIDADE NO PROJETO Paisagismo e Recomposição da Vegetação Nativa:

36 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO ARENA PANTANAL

37 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PLANEJAMENTO E PROJETO DO CANTEIRO E DAS INSTALAÇÕES AMBIENTAIS Planejamento das Ações e Práticas de Sustentabilidade Nomeação de um Gestão da Sustentabilidade Projeto do Canteiro de Obras e das Instalações Ambientais

38 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DOS IMPACTOS NA CONSTRUÇÃO Execução de práticas e ações para prevenir, minimizar e controlar os impactos decorrentes das atividades de construção: Movimentação e descarte de solo; Processos erosivos; Sedimentação: Geração de poeira; Assoreamento da drenagem pluvial; Contaminação do solo e da água; Geração de ruído e de vibração; Incômodos à vizinhança; Poluição do ar; Alteração no tráfego local.

39 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO LAVA-RODAS Projeto detalhado e executado para evitar carreamento de sedimentos para as vias do entorno e lançamento de sedimentos na rede de drenagem

40 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO LAVA-BICAS Projeto detalhado e executado no pátio de prémoldados para limpeza de bicas e equipamentos sujos de concreto e argamassa

41 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DOS IMPACTOS NA CONSTRUÇÃO Estabilização dos acessos e área de estacionamento para evitar poeira e promover infiltração de água no solo Umidificação das vias de circulação para evitar a geração de poeira pela circulação de veículos Limpeza e manutenção das vias do entorno para evitar distúrbios à vizinhança

42 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DOS IMPACTOS NA CONSTRUÇÃO Sistema pré-fabricado instalado no canteiro para tratamento dos efluentes gerados durante a construção Monitoramento da qualidade do ar e das emissões de poluentes dos veículos e equipamentos Controle da qualidade das águas potáveis e efluentes para evitar fontes de contaminação

43 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PREVENÇÃO E CONTROLE DOS IMPACTOS NA CONSTRUÇÃO Proteção de taludes com grama em placas, corpos de prova e outras técnicas para evitar erosão Execução de rede provisória para drenagem das águas pluviais e contenção de sedimentos, evitando empoçamentos, carreamento de solo e assoreamento

44 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO GESTÃO DOS RESÍDUOS DA DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO Objetivo: Atender da Resolução CONAMA 307/02 e promover a reciclagem ou reutilização dos resíduos gerados no canteiro, desviando do aterro e incineração pelo menos 75% do volume total gerado na construção. Reciclagem de resíduos inertes da demolição e gerados no canteiro; Controle de transporte, identificação de quantidades, destino e empresas; Licenças das empresas transportadoras e receptoras; Destinação evitando aterro e incineração;

45 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO GESTÃO DOS RESÍDUOS DA DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO Programa de coleta seletiva nos escritórios, canteiro de obras e frentes de serviço para separação na fonte Recipientes com cores e identificação para facilitar a separação Baias para armazenamento de resíduos, local impermeável, protegido da intempérie, com separação e identificação por tipo

46 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO AQUISIÇÃO DE MATERIAIS E SUPRIMENTOS Objetivo: Adquirir materiais com menor impacto ambiental (local de extração e fabricação, matéria-prima, transporte, legalidade, emissão partículas toxicas, etc.) 20% do custo de materiais proveniente de fontes/processamento regional (800km); 20% do custo de materiais com conteúdo reciclado; 100% de madeira legal e 50% de madeira com Certificação FSC; 100% tintas, vernizes, selantes, primers e derivados, com baixo COV; DECLARAÇÃO AMBIENTAL DO PRODUTO

47 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO QUALIDADE DO AR NAS ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO Objetivo: Implementação de atividades para prevenir a poluição do ar e a contaminação dos sistemas de condicionamento de ar durante a construção; Proibição do fumo nos ambientes internos; Controle da geração de poeira nas atividades de limpeza e acabamentos; Limpeza do local de montagem de dutos e durante as instalações; Proteção dos dutos e sistemas de arcondicionado para evitar contaminação, etc.

48 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO COMISSIONAMENTO DOS SISTEMAS DE ENERGIA Comissionamento: Processo de assegurar que os sistemas e componentes de uma edificação sejam projetados, instalados, testados, operados e mantidos de acordo com as necessidades e requisitos operacionais do proprietário. Sistemas de HVAC (aquecimento, ventilação e exaustão e ar condicionado); Sistema Elétrico; Iluminação e controles associados; Sistemas de Segurança, Automação Predial; Aquecimento de Água.

49 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO PRÁTICAS E AÇÕES SOCIAIS Reeduncandos Inserção Social dos Egressos do Trabalho Escravo PFT- Programa Formação Técnica Parceria Consórcio e SESI PEB- Programa de Ensino Básico Parceria Consórcio SBMJ x SENAI

50 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONTROLE, SUPERVISÃO E FISCALIZAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO LEED Planilhas de controle dos requisitos e indicadores LEED: CT Ocorrências CT Licenças da obra CT Licenças dos Fornecedores CT Aquisição da Madeira CT Aquisição de Materiais CT Transporte dos Resíduos

51 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONTROLE, SUPERVISÃO E FISCALIZAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO LEED Lista de Verificação aplicada mensalmente para identificação de ocorrências e melhorais Relatório Fotográfico realizado semanalmente para registro das ações implementadas

52 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CONTROLE, SUPERVISÃO E FISCALIZAÇÃO PARA A CERTIFICAÇÃO LEED Procedimentos para registro das ocorrências e recomendação de ações corretivas: Caderno de Ocorrência; Instruções de Serviço Relatórios de Não Conformidades

53 SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO OBRAS PÚBLICAS SUSTENTÁVEIS UM DESAFIOS E UMA OPORTUNIDADE Sociedade Avanço no conhecimento Informação dos impactos das atividades humanas Conscientização da sociedade Política Políticas públicas (Ex: Licitações Sustentáveis) Instrumentos reguladores Normas e Leis Mercado Consumidores mais exigentes Oportunidade para melhorar o desempenho Agrega valor aos produtos e serviços PPCS-MMA PNMC PEMC LICITAÇÕES...

54 EXECUÇÃO DA ARENA PANTANAL

55 PRINCIPAIS QUANTITATIVOS Serviços

56 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena Pilares

57 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena 1ª. Etapa Lajes

58 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena 1ª. Etapa Arquibancadas

59 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena 1ª. Etapa Arquibancadas

60 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Pórtico Metálicos para Apoio das Coberturas Execução Simultânea com as estruturas Prémoldadas de Concreto Sequência Executiva Arena Início da 2ª. Etapa Pórticos Metálicos

61 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena 2ª. Etapa

62 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena Fechamentos Laterais

63 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena Estrutura Metálica da Cobertura

64 SEQUÊNCIA EXECUTIVA Sequência Executiva Arena Cobertura

65 VISTA GERAL Vista do antigo Estádio a ser demolido 08/05/2010

66 VISTA GERAL DEMOLIÇÃO

67 VISTA GERAL Remoção de Cobertura Metalica / Iluminação / Mobiliario / Gramado

68 CRONOGRAMA Ordem de Serviços 20/04/10 Início das Obras 26/04/10 Remoção materiais do Antigo estádio Abri/10 Início da Terraplenagem 01/05/10 Início da Drenagem 01/05/10 Início da Demolição do Antigo estádio 04/05/10 Adequações nos Projetos Executivos Abr/10 Mai/10 Jun/10 Jul/10 Ago/10 Set/10 Out/10 Nov/10 Dez/10 Imprevisibilidade: Evidência de Grande Volume de Água na região de Escavação da Areana 26/07/2010 Mudança Metodologia Fundação Imprevisibilidade : Evidência de Surgências de grande volume de água no Fosso do Antigo Estádio Execução de Drenagem do Lençol Freático Imprevisibilidade: Execução de Novas Inspeções no Solo (Sondagens Complementares 08/06/10 a 30/08/10) Imprevisibilidade : Demolição Total das Arquibancadas 06/05/2010

69 ESTÁGIO DAS OBRAS Evolução das Escavações Setor Norte Aterro do antigo Estádio Setor Oeste Setor Leste Setor Sul

70 ESTÁGIO DAS OBRAS VISTA EM 29/06/2010

71 ESTÁGIO DAS OBRAS 23/07/2010

72 ESTÁGIO DAS OBRAS Execução das fundações tipo hélice continua 97% executado

73 ESTÁGIO DAS OBRAS MOVIMENTAÇÃO DE TERRA ATERRO

74 ESTÁGIO DAS OBRAS

75 ESTÁGIO DAS OBRAS Rede de Drenagem 82 % concluido

76 ESTÁGIO DAS OBRAS Execução de Blocos de Coroamento ( 75% executados) e Sapatas ( 20% executadas)

77 ESTÁGIO DAS OBRAS Estruturas de Contenção Muros em Gabião ( 100 % Concluido)

78 ESTÁGIO DAS OBRAS Estruturas de Concreto Muros/Tubeis/Rampas Moldado in Loco ( 49% concluido )

79 ESTÁGIO DAS OBRAS FABRICA DE PRÉ-MOLDADOS CANTEIRO OBRA

80 ESTÁGIO DAS OBRAS PRODUÇÃO DE PEÇAS PRÉ-MOLDADAS PRODUÇÃO DE LAJES 73% FABRICADOS PRODUÇÃO DE VIGAS 46% FABRICADOS PRODUÇÃO DE PILARES 47% FABRICADOS

81 ESTÁGIO DAS OBRAS Inicio Montagem da Superestrutura Pilares de Premoldados ( 26/04/2011 )

82 ESTÁGIO DAS OBRAS Montagem da Superestrutura Pilares de Pré-moldados ( 29%)

83 ESTÁGIO DAS OBRAS Montagem da Superestrutura Vigas/Degraus de Pré-Moldados ( 3% ) Setor Oeste Setor Oeste Estoque de Peças prontas Estoque de Peças prontas Setor Leste

84 ESTÁGIO DAS OBRAS Estruturas Metálicas Parque fabril das peças

85 ESTÁGIO DAS OBRAS Estruturas Metálicas Entrega das peças de arquibancada removível em 18/07/2011 Estrutura Metálica Quantitativo Total Estruturas Metálicas (ton) Quantitativo Executado Arquibancadas (ton) % Material em Fabricação % Material na obra %

86 ESTÁGIO DAS OBRAS 31/08/2010

87 ESTÁGIO DAS OBRAS 21/09/2010

88 ESTÁGIO DAS OBRAS 22/10/2010

89 ESTÁGIO DAS OBRAS 18/11/2010

90 ESTÁGIO DAS OBRAS 23/11/2010

91 ESTÁGIO DAS OBRAS 15/01/2011

92 ESTÁGIO DAS OBRAS 22/02/2011

93 ESTÁGIO DAS OBRAS 25/03/2011

94 ESTÁGIO DAS OBRAS 25/04/2011

95 ESTÁGIO DAS OBRAS 20/05/2011

96 ESTÁGIO DAS OBRAS 23/06/2011

97 ESTÁGIO DAS OBRAS 25/07/2011

98 ESTÁGIO DAS OBRAS 10/08/2011

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70%

EMISSÕES DE CO2 USO DE ENERGIA RESÍDUOS SÓLIDOS USO DE ÁGUA 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% USO DE ENERGIA EMISSÕES DE CO2 USO DE ÁGUA RESÍDUOS SÓLIDOS 24% - 50% 33% - 39% 40% 70% Certificado Prata Ouro Platina Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção: Escolha do terreno Densidade

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Manaus. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Manaus. Dezembro de 2012 Code-P0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Manaus Dezembro de 2012 Manaus: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Cuiabá. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Cuiabá. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Cuiabá Setembro/2013 Cuiabá: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07 ESTALEIRO EISA ALAGOAS S.A. - CRONOGRMA DE CONSTRUÇÃO 45,96 meses 1 LICENÇA AMBIENTAL 29,51 meses 1.1 LICENÇA PRÉVIA 0 meses 1.2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO 5,33 meses 1.2.1 PROJETOS EXECUTIVOS 4 meses 1.2.2

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

Obras de Modernização do Mineirão

Obras de Modernização do Mineirão Obras de Modernização do Mineirão Agenda 1. Planejamento Estratégico Integrado 2. Contrato de Concessão Administrativa do Complexo do Mineirão 3. Premissas da Modernização 4. Evolução das obras Agenda

Leia mais

Coberturas duráveis, com galvanização

Coberturas duráveis, com galvanização Coberturas duráveis, com galvanização A Fifa definiu que a Copa do Mundo de Futebol no Brasil, em 2014, deverá perseguir o que chamou de Green goals, ou seja, metas verdes, numa alusão à desejada sustentabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - PROPEC Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2

curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Perspectiva artística. curitiba / pr Módulos a partir de 1.600m 2 Área bruta locável de 51.000m 2 Commercial Properties HORTOLÂNDIA A LOG ComMercial Properties A LOG Commercial Properties, empresa do grupo

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012

Balanço 2012 - Copa do Mundo Cidade-sede Curitiba Brasília, Abril de 2012 CodeP0 Balanço 2012 Copa do Mundo Cidadesede Curitiba Brasília, CodeP1 Valores Consolidados R$ mi, abr/12 Total Empreendimentos Investimento Total Financiamento Federal Local Federal Privado Estádio 1

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente

SELO CASA AZUL. Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS CATEGORIA CONSERVAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS Avalia o uso racional de materiais de construção

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Manaus. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Manaus. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Manaus Setembro/2013 Manaus: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Curitiba. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Curitiba Setembro/2013 Curitiba: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s CodeP2 Referência Set/13, Distribuição dos investimentos

Leia mais

MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE

MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE CONSTRUMETAL 2010 CONGRESSO LATINO-AMERICANO DA CONSTRUÇÃO METÁLICA SÃO PAULO BRASIL 31 DE AGOSTO A 2 DE SETEMBRO 2010 MUDANÇAS NA CONSTRUÇÃO COM A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE SUSTENTABILIDADE Monique Cordeiro

Leia mais

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Porto Alegre. Setembro/2013

Code-P1. 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede: Porto Alegre. Setembro/2013 CodeP1 5º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede: Porto Alegre Setembro/2013 Porto Alegrel: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de Recursos CodeP2 Referência Set/13, Distribuição

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade

Uso e Ocupação do Solo. Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Uso e Ocupação do Solo Escolha do local de projeto de acordo com critérios de sustentabilidade Os principais objetivos do projeto de um sítio sustentável são minimizar o impacto no local e aumentar os

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) -

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos - Licença de Instalação (LI) - Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Bases de Apoio a Empresas Transportadoras de Cargas e Resíduos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.5 Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de Construção

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

Complexos recicláveis

Complexos recicláveis Complexos recicláveis Em função da realização dos próximos megaeventos esportivos mundiais por aqui Copa de 2014 e Jogos Olímpicos de 2016, grandes obras de arquitetura voltada para os esportes (estádios,

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD)

A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da construção civil (RCD) ESTAÇÃO RESGATE RECICLAGEM CC Sistema único de Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição e aproveitamento dos resíduos para fabricação A Estação Resgate é uma unidade recicladora de resíduos da

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP

O Meio Ambiente e a Indústria da Construção. Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP O Meio Ambiente e a Indústria da Construção Andre Aranha Campos Coordenador do COMASP Conselheiro do SindusCon-SP SEMINÁRIO TÉCNICO SEGURANÇA E SAÚDE NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 03 de fevereiro de 2012

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO LEED SUMÁRIO

CERTIFICAÇÃO LEED SUMÁRIO CERTIFICAÇÃO LEED SUMÁRIO 1. Implantação da Edificação...2 1.1. Plano de prevenção do ato de construção *...2 1.2. Impacto sobre o terreno...2 1.3. Densidade Urbana e Conectividade com a comunidade...2

Leia mais

PARECER TÉCNICO FINAL

PARECER TÉCNICO FINAL SMPMA/DEPLAN Em 15/01/2014 Ref.: Processos n 2.532-1/2013 e 16.392-4/2013 PARECER TÉCNICO FINAL Trata-se de um empreendimento que corresponde à construção de um edifício vertical para uso misto, residencial

Leia mais

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção ROBERTO DE SOUZA Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção SUSTENABILIDADE www.cte.com.br Roberto de Souza roberto@cte.com.br Empresa atuando há 19 anos na cadeia

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015

PRIDE IPIRANGA RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS CIVIS PERÍODO OUTUBRO DE 2015 PERÍODO OUTUBRO DE 2015 Andamento das Obras Execução dos barracões e Mobilização de canteiro de obras quantidade a executar 70% - quantidade acumulada ao final do período 70%; Durante o período executaremos

Leia mais

Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis

Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis Programa Estadual de Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 05 de dezembro de 2013 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Poder de Compra do Governo Valor Médio Anual Negociado

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS

A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS A CONTRIBUIÇÃO DOS SISTEMAS ESTRUTURAIS PARA EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS NOSSOS SERVIÇOS: Serviços de consultoria para Certificação LEED ; Projetos técnicos de sistemas integrados; Produtos e soluções tecnológicas

Leia mais

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL A EMPRESA A PROXXAMBIENTAL atua no ramo de meio ambiente oferecendo soluções para os problemas ambientais de sua empresa, buscando o desenvolvimento sustentável.

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

Obra de shopping reutiliza primeira camada do solo

Obra de shopping reutiliza primeira camada do solo geotecnia ambiental Obra de shopping reutiliza primeira camada do solo Aproveitar o topsoil antes do início da construção pode gerar economia na etapa de paisagismo Por Dellana Wolney Local sinalizado

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 14/1/2014

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 14/1/2014 TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 1 - Uso da Topografia para Locação da Obra 2 - Corte terreno natural para terraplenagem 3 - Marcação pontos topográficos terreno 4 - Retirada da camada vegetal 5 - Escavação

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

CONSÓRCIO ETDI RNEST

CONSÓRCIO ETDI RNEST CONSÓRCIO ETDI RNEST O CONSÓRCIO ETDI - RNEST O Consórcio é formado por duas empresas: EGESA Engenharia: Com forte atuação no mercado de construção civil pesada, com obras nos mais diversos estados brasileiros,

Leia mais

PLANTA DE LOCALIZAÇÃO

PLANTA DE LOCALIZAÇÃO CLIMATIZAÇÃO - Desempenho do consumo mínimo de energia ASHRAE 90.1-2007 - Uso de refrigerantes isentos de CFC - Otimização de desempenho energético - Variadores de frequência em bombas, torres de resfriamento,

Leia mais

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de

A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de A AngoBIM é uma empresa de direito Angolano, sedeada em Talatona, que tem como atividade principal o desenvolvimento de projetos de Arquitectura e de Engenharia, bem como Assistência Técnica e Fiscalização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) Prefeitura Municipal de Fortaleza Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente - SEUMA Coordenadoria

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012

Code-P0. 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidade-sede de Recife. Dezembro de 2012 CodeP0 4º Balanço de Ações para a Copa (1º Ciclo) Cidadesede de Recife Dezembro de 2012 Recife: Distribuição dos Investimentos por Tema e Fonte de s Referência Nov/12, Distribuição dos investimentos por

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10. Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10. Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: SUSTENTABILIDADE NO AMBIENTE CONSTRUÍDO Código: ARQ057

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP

Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Encontro nacional De Águas Urbanas Estudo da erosão causada pelo avanço urbano e perda de solo no entorno da rua Alameda Vicente Cocozza no município de Itapevi/SP Eng. Elidio Nunes Vieira Engenheiro Civil

Leia mais

RESPONSÁVEIS P (proprietários) G (gestores) U (usuários)

RESPONSÁVEIS P (proprietários) G (gestores) U (usuários) FICHA 6 - BOAS RÁTICAS Esta lista de verificação pretende identificar as boas práticas em termos BOAS RÁTICAS ESTÃO DO CONSMO DE ENERIA estão simples do consumo de energia elétrica (consumo, análises e

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011. x Obras e Instalações Prestação de Serviços INFORMAÇÕES TERMO DE REFERÊNCIA Nº 01/2011 Projeto: FORTALECIMENTO DO PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA - PEPB: OBRAS DE RECUPERAÇÃO E AQUISIÇÃO DE MOBILIÁRIO E EQUIPAMENTOS Protocolo nº: 20110302174043107 Assunto:

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA EXECUTIVA PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLS - 2015 RESULTADOS SEMESTRAIS Brasília Agosto de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 MONITORAMENTO... 3 3

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA

Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade. Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Gestão de Resíduos nos Canteiros: Resultados e Continuidade Engª Tatiana G. de Almeida Ferraz, MSc. SENAI - BA Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos nas obras Impacto dos Resíduos de Construção Resíduos

Leia mais

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil.

A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. 1. Quem somos A Straub Sustentabilidade tem como missão prestar consultoria em sustentabilidade para Greenbuildings e toda a cadeia da construção civil. Nossa política é agir com ética, consciência, transparência,

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ARAUCÁRIA, 08 DE MARÇO DE 2013 PARCERIAS SOMA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME FÓRMULA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA URBENGE

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC

MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015. Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC MEMORIAL DESCRITIVO Julho / 2015 Escola Básica Municipal Encano Central Reforma da Cobertura Indaial / SC 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO Carlos Henrique Nagel Engenheiro

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão A EMPRESA O corpo técnico da DANNENGE atua a mais de 34 anos na elaboração e implementação de projetos de engenharia, para os segmentos industrial, comercial e residencial, no comércio e representação

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia

2 DESCRIÇÃO DO LOCAL. Figura 1 Edifício Philadélphia 4 1 INTRODUÇÃO Esse relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo acadêmico Joel Rubens da Silva Filho no período do estágio obrigatório para conclusão do curso de Engenharia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

Objeto: Serviço de reforma e ampliação da SE Araranguá

Objeto: Serviço de reforma e ampliação da SE Araranguá Aditamento nº 05 Tomada de Preços nº 00861/2006 Objeto: Serviço de reforma e ampliação da SE Araranguá Data: 28/11/2006. Através deste aditamento, informamos que: a) Estamos substituindo a planilha de

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais