A PROPOSTA DO JORNALISMO COMUNITÁRIO DO QUADRO CALENDÁRIO DA REDE CLUBE DE TERESINA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A PROPOSTA DO JORNALISMO COMUNITÁRIO DO QUADRO CALENDÁRIO DA REDE CLUBE DE TERESINA"

Transcrição

1 A PROPOSTA DO JORNALISMO COMUNITÁRIO DO QUADRO CALENDÁRIO DA REDE CLUBE DE TERESINA Resumo Analisa-se a proposta do jornalismo comunitário e a participação dos sujeitos envolvidos - jornalistas e agentes públicos - no quadro Calendário, do telejornal PI TV 1ª Edição, veiculado na Rede Clube de Teresina. No quadro, os telespectadores, ao tempo em que pautam a emissora, reivindicam melhorias para suas comunidades dialogando diretamente com agentes públicos. Utiliza-se as técnicas de revisão de literatura, entrevista e análise de conteúdo. Os resultados apontam diferentes perfis dos agentes públicos; a parcialidade dos jornalistas na defesa dos telespectadores e a utilização do termo comunitário associado ao fator geográfico. Palavras-chave: jornalismo comunitário; televisão; Rede Globo; Rede Clube. Comunidade e mídia local: uma relação de dependência Compreender o significado de comunidade na sociedade pós-moderna é, entender que ele vai além do espaço territorial bairro ou cidade - onde um grupo de pessoas está inserido. Comunidade também não pode ser confundida, com segmentos éticos, religiosos, de gêneros ou acadêmicos. Ela pressupõe a existência de elos mais profundos e não meros aglomerados urbanos (PERUZZO, 2003 p. 6) As características da comunidade, embora tenham assumido novas feições, linguagens e interpretações ao longo do tempo, são marcadas pelo [...] sentimento de pertença; participação; interação; objetivos comuns; interesses coletivos acima dos individuais; identidades; cooperação; confiança; cultura comum etc. (PERUZZO, 2003, p. 7). Esses elementos podem aparecer com maior ou menor intensidade numa determinada comunidade e em outra não, vai depender das particularidades de cada uma delas. 1 Trabalho apresentado no GT6 Discursos e Poder, do VI Congresso de Estudantes de Pós-Graduação em Comunicação, na categoria pós-graduação. UERJ, Rio de Janeiro, outubro de

2 Entretanto a comunidade também, segundo a pesquisadora, possui características que são típicas do que é local, como as dimensões de proximidade (em contraste com o distante) e de familiaridade (relacionada a identidades e raízes históricas e culturais); portanto, do ponto de vista do objetivo não é possível uma separação entre as dimensões comunitária e local. Na dinâmica em que se desenvolvem as comunidades, e, na ausência de canais que possam servir de porta-vozes dos seus anseios, como os veículos de comunicação comunitários, surgem os meios de comunicação local, da mídia comercial servindo de mediadores no diálogo entre àquela e os gestores públicos, cada um com seus interesses. Nesse sentido, a mídia local, passa a reproduzir a lógica dos grandes meios de comunicação, dentro de uma estratégia comercial, entretanto, buscando diferenciar-se em relação ao conteúdo. Como num processo de negociação, a mídia, por um lado, investe na proximidade como critério de noticiabilidade e passa a transmitir assuntos de interesse local, revestindo a programação em audiência; enquanto a comunidade, por outro, se utiliza desse canal como instrumento de reivindicação para dar visibilidade a suas necessidades e anseios. Nessa perspectiva, Peruzzo (2003) enumera dentre as características da mídia local: a) trata de assuntos de foco local ou regional; b) é susceptível a corresponder a grupos de interesses políticos e econômicos da região; c) intenciona contribuir para aumentar a cidadania desde que seus interesses financeiros não sejam comprometidos; d) há casos em que produzem programas de cunho comunitário, tanto no formato (participação popular) como nos conteúdos (problemáticas sociais); e) explora o local enquanto nicho de mercado. Vale ressaltar sobre o papel da mídia, enquanto instância privilegiada para gerar visibilidades e conferir existência pública a temas que podem ser problematizados e amplamente divulgados, independentemente do seu alcance em termos de cobertura, porém, [...] é necessário abandonar uma visão simplificadora da mídia como mera difusora de informações, para o entendimento de sua lógica, seus limites e suas possibilidades. [...] Em outras palavras é preciso entendê-la como uma 2

3 instituição de autonomia relativa, que privilegia questões a partir de mecanismos próprios. (MAFRA, 2006, p. 40) O autor elucida ainda que, os recursos da mídia são fundamentais para provocar um debate público e promover o engajamento coletivo dos sujeitos por visibilidade na tentativa de conquistar apoio para suas causas. No caso específico do objeto em estudo, de sensibilizar o poder público na resolução dos seus problemas. Nesse sentido, a mídia deve funcionar como agente de vigilância e controle dos poderes políticos e econômicos, uma vez que se configura, conforme conceito formulado por Habermas (1994), como espaço constitutivo da esfera pública. Sob o ponto de vista da comunidade, sem ter a quem recorrer no atendimento de suas demandas, na medida em que o poder público se exime de suas responsabilidades, encontra na mídia um canal para apresentar seus problemas e cobrar soluções, criando, de certa forma, um vínculo de identidade com a emissora. Assim, embora dentro de uma estratégia comercial, a mídia assume um compromisso social com o telespectador que busca cada vez mais alternativas para expor seus anseios em relação a questões que envolvem políticas públicas. Ao tempo em que a mídia local passa a explorar esse tipo de jornalismo funcionando como porta-voz da comunidade, oferece aos profissionais de comunicação uma forma de repensar a prática jornalística ou uma nova forma de contar história que afeta a vida cotidiana das pessoas. E é por meio dessa prática que a mídia faz surgir atores sociais enlaçados por interesses comuns num cenário de reivindicação, lamento e indignação. Portanto, essa pesquisa pretende, de forma geral, analisar a participação dos sujeitos envolvidos no quadro calendário (jornalistas e agentes públicos) veiculado no Piauí TV 1ª. edição, da Rede Clube de Teresina e, de forma específica, elucidar a proposta do jornalismo comunitário apresentado no quadro, além de identificar as maiores demandas apresentadas pelos telespectadores, o que evidencia os principais problemas de natureza urbana enfrentados pela população local. O estímulo para tal investigação veio a partir da inquietação em relação a terminologia adotada pela emissora para enquadrar o formato do objeto em estudo. 3

4 No Piauí, em 2012, a TV Clube passa a operar em rede com a TV Alvorada, afiliada do centro-sul do Estado, com sede em Floriano. Essa mudança equivale dizer que a emissora vivencia a regionalização de sua programação, ampliando a cobertura para os municípios do Estado. Num folder divulgado por ocasião dos 40 anos da emissora (2012) o texto enfatiza o jornalismo praticado atualmente pela rede. Em 2012, a TV Clube completa 40 anos de fundação [...] O estado de encantamento continua, agora, complementado pela proximidade maior com o telespectador que vê seus desejos alcançados com o jornalismo comunitário [...]. O formato de jornalismo focado na comunidade é ampliado na emissora em abril de 2013, com a implantação do quando PI TV nos bairros veiculado no Telejornal PI TV 1ª Edição. Na nova proposta, os internautas elegem um bairro de Teresina e, posteriormente, depositam numa urna a indicação dos problemas da comunidade que desejam ser solucionados pelas autoridades competentes, as quais também participam do quadro. O interesse em abrir espaço para a participação dos telespectadores visando à reivindicação de demandas imediatas, também está sendo levado a outras emissoras locais, a exemplo da TV Cidade Verde com o quadro Promessa é Dívida implantado em março de 2013 e exibido no Jornal do Piauí. Essas observações reforçam a pertinência do tema, haja vista que põem em evidência as tendências do jornalismo hoje praticado. Dentre eles, destacam-se os processos de comunicação comunitária comum à sociedade contemporânea, aliados aos avanços do conceito de cidadania que contribuem para a adoção de novos paradigmas tanto no fazer jornalístico como no modo de consumir a informação. Como procedimento metodológico analisa-se nove edições do quadro Calendário, além do quadro Vistoria do Calendário, que compreende o retorno da equipe de reportagem à comunidade um mês após a solicitação feita aos órgãos públicos. As edições analisadas foram escolhidas de forma aleatória. Realiza-se, ainda, entrevista com o diretor de jornalismo da emissora. Como aporte teórico recorre-se aos autores como Bazi; Cabral; Mafra; Marques de Melo; Paiva e Peruzzo. O regional e o local: uma necessidade da mídia globalizada 4

5 O modelo de jornalismo televisivo direcionado aos segmentos populares ganhou novo impulso na mídia de referência no Brasil, na década de 1990 do século passado. Esse novo cenário se apresenta frente ao processo de globalização, o qual acentuou, significativamente, a interconexão entre as várias nações, através do fluxo de comunicação e informação em escala global. Porém, o caráter globalizante da comunicação trouxe, forçosamente, dentre outras consequências, a necessidade de aproximação dos indivíduos à sua própria realidade. Nesse contexto, a mídia, que passara a investir nas suas operações, formando grandes concentrações de poder econômico, através da expansão de conglomerados, começa a dar novo direcionamento a sua programação, apostando na regionalizando dos seus conteúdos. Dessa forma, em especial a mídia televisiva, aproxima-se e estabelece uma identidade com o seu público e este, por conseguinte, mais do que acesso a conteúdo em nível global, passa a receber informações próximas ao ambiente ao qual está inserido. Frente a esse novo cenário os veículos de comunicação da mídia de referência assumem uma nova postura em relação a produção e distribuição de conteúdo. Essa nova configuração representou para as emissoras de TV à época, um instrumento de sobrevivência, um nicho de mercado voltado especialmente para os pequenos e médios anunciantes que encontram uma programação direcionada para um públicoalvo concentrado em uma determinada área de cobertura. Portanto, além da dimensão espacial, a regionalização da mídia implica em fatores econômicos, políticos, sociais, culturais. Conforme Cabral (2006) a regionalização da mídia brasileira, já era percebida na década de 1980, tendo o rádio como precursor. Esse pioneirismo é creditado às próprias características do meio, que tem como foco o jornalismo de proximidade, o serviço de utilidade pública e a audiência localizada. Para a autora, esse processo foi impulsionado pelas mudanças ocorridas nos meios de comunicação, como o crescente número de emissoras de televisão, lançamentos de satélites domésticos, o surgimento 5

6 das emissoras e parabólicas e em UHF, o investimento em radiodifusão e telecomunicações e a formação de redes regionais de televisão. Para Cabral (2006, p. 3) os conglomerados nacionais além das parcerias com os grupos regionais, passaram a investir no jornalismo local. Os conglomerados nacionais midiáticos atingem quase 100% do território brasileiro. A Rede Globo, por exemplo, está em 99,84%, o equivalente a municípios. Em 2008 a emissora continua a liderar o mercado brasileiro de televisão com 121 geradoras e a cobertura em municípios brasileiros. Numa pesquisa divulgada em junho de 2013, realizada pelo grupo pela Zenith Optimedia com base nas receitas publicitárias de 2011 as Organizações Globo ocupa o 17 lugar entre os maiores grupos de mídia do mundo. Para atingir toda a extensão do território brasileiro, a emissora se utiliza do sistema de emissoras filiais (ou emissoras próprias) e afiliadas que, na explicação de Bazi (2001) são empresas associadas a uma emissora com penetração nacional de sinal, que retransmitem a programação de rede, embora também produzam programas, telejornais e comerciais locais. Os grupos de comunicação que investem em emissoras regionais apostam na lucratividade de seus negócios. Bazi esclarece que, no caso da Globo, em linhas gerais o contrato de afiliação prevê a uma emissora regional receber toda a programação local da globo, sem precisar pagar nada por isso, mas terá que dividir o lucro da venda dos anúncios regionais e estaduais. O modelo de jornalismo comunitário da Rede Globo de Televisão A proposta do texto que segue não é levantar uma discussão do que seria ou não o jornalismo comunitário, mas apresentar, por um lado, conceitos desse segmento jornalístico elaborados por estudiosos do assunto e, por outro, o jornalismo comunitário da Rede Globo adotado pela emissora na década de Para um dos jornalistas responsáveis pela implantação do conceito na emissora, Trata-se de uma proposta inovadora de se cobrir o dia-a-dia (sic) das cidades, promovendo uma reflexão principalmente sobre o posicionamento 6

7 dos meios de comunicação, particularmente da televisão, no trato de questões essenciais da comunidade. (LEVY SOARES apud FLAUSINO, P 7). Com a proposta comunitária, a emissora abriu mais espaço para a participação popular na sua programação tendo início nas filiais e afiliadas de cidades do interior paulista, escolhidas pelo potencial econômico. Nesse sentido a nova diretriz e proposta editorial para as emissoras globais eram de interagir mais diretamente com a vida da comunidade. A partir daí a emissora passou a apostar em emissoras de outras regiões do país, a exemplo da filial de Pernambuco, onde em 1997 foram investidos mais de R$ 1,5 milhão em equipamentos e modernização dos estúdios. Com o objetivo de complementar sua filosofia de envolvimento comunitário como empresa, a Rede Globo passou a realizar campanhas e eventos atingindo vários segmentos da sociedade, na tentativa de manter sua credibilidade e, portanto, sua audiência, o que vai resultar em verbas publicitárias. Na maioria das vezes os eventos são realizados nas áreas de esporte (corridas e torneios); lazer (festas e festivais) e cultura (exposições e concursos). As campanhas de incentivo que ganham às ruas são direcionadas mais a ações de civilidade como Conserve a cidade limpa e Criança no banco traseiro. Outras estratégias de comunicação são adotadas pela Rede Globo de Televisão como forma de aproximar e conquistar mais a credibilidade junto ao telespectador estão a inserção de temas sociais nas telenovelas e a realização de eventos educativos como o Ação Global, Criança Esperança e o Esporte Cidadania. Há ainda na grade de programação da emissora um conjunto de programas dentro do projeto Globo Cidadania: Globo Educação: debate sobre o ensino regular no Brasil; Globo Ciência: traduz conceitos de ciência e tecnologia mostrando como o conhecimento científico pode melhorar a vida cotidiana dos telespectadores; Globo Ecologia: voltado para temas que envolvem questões ambientais e consciência ecológica; Globo Universidade: apresenta reportagens sobre ensino, pesquisa e extensão nas áreas das ciências exatas, humanas e biológicas e Ação: mostra projetos de voluntariado, educação e responsabilidade social realizados em todo o Brasil. 7

8 No Piauí, conforme atlas da Rede Globo de Televisão (2013), a emissora está presente em 136 municípios através do sinal transmitido pela afiliada Rede Clube com sede em Teresina o que representa 60,71% dos 224 municípios piauienses. De acordo com previsão do diretor de jornalismo da Rede Clube de Teresina, Paulo Rogério Fernandes, nos próximos dois anos a emissora estará ampliando sua cobertura para as regiões Norte e extremo Sul do Estado. Em Teresina, a Rede Clube, a exemplo das outras afiliadas da Rede Globo, realiza algumas ações direcionadas à comunidade em parceria com seus patrocinadores, estabelecendo um contato mais direto com o seu público alvo. Dentre os projetos realizados para a comunidade estão o Ação Global (ações sociais) realizado em duas edições ao ano; o Criança Feliz (ações sociais); GP Teresina Corrida de Rua (saúde e esporte); Eco Modas (moda e ecologia) e Cidade Junina (cultura e lazer). Retomando ao tema jornalismo comunitário, Marques de Melo (2004, p. 126) defende que "[...] uma imprensa só pode ser considerada comunitária quando se estrutura e funciona como meio de comunicação autêntico de uma comunidade. Isto significa dizer: produzido pela e para a comunidade". Seguindo a mesma linha de pensamento, É aquela gerada no contexto de um processo de mobilização e organização social dos segmentos excluídos (e seus aliados) da população com a finalidade de contribuir para a conscientização e organização de segmentos subalternos da população visando superar as desigualdades e instaurar mais justiça social. (PERUZZO, (2003, p. 10). Paiva (1998, p. 160) opina que o que permite conceituar o jornalismo comunitário não é a sua capacidade de prestação de serviço e sim sua proposta social, seu objetivo claro de mobilização vinculado ao exercício de cidadania. Por outro lado, a autora diz que já representa um avanço os veículos da mídia comercial prestar informações relativas a grupos específicos, ainda que não haja o objetivo de discutilas ou interpretá-las. O quadro Calendário como instrumento de mediação entre as demandas sociais e agentes públicos 8

9 Apresentado em quatro edições semanais, o quadro Calendário foi implantado em fevereiro de 2011 sob recomendação da Rede Globo Nordeste - da qual a afiliada de Teresina, Rede Clube, é integrante - com o propósito de estreitar a relação entre a emissora e a comunidade, funcionando como um elo entre as autoridades competentes responsáveis por realizar obras e serviços na cidade e a comunidade. O quadro possui vinheta própria, e apresenta o seguinte formato: uma equipe de reportagem, depois de recebida a sugestão de pauta dos telespectadores solicitando melhorias para determinado bairro, vila ou zona rural da cidade, se encaminha até o local e, ao vivo, faz o papel de mediadora entre a comunidade e a autoridade competente. Naquele momento, munido de um pincel e de calendário visível para todos os telespectadores, o agente público se compromete marcando, de próprio punho, a data em que o problema será solucionado. A reivindicação, geralmente relacionada à obras de infra-estrutura, pode partir de representantes de associações de moradores ou de qualquer cidadão comum. Passada a data marcada no calendário a equipe de reportagem retorna ao local - Vistoria do Calendário - para mostrar se o problema foi ou não solucionado. Em não tendo sido, repórter e apresentadores voltam a cobrar da autoridade competente que, na maioria das vezes, pede um novo prazo. A emissora se utiliza de alguns critérios para atender determinadas comunidades em detrimento de outras, como por exemplo, não fazer a cobertura de solicitações idênticas na mesma semana e a atender os locais que ainda não foram contemplados pelo quadro. A maior parte dos problemas apresentados pelos telespectadores relaciona-se a falta de calçamento, água potável, segurança, iluminação, sinalização de trânsito; desmatamento, construção de escolas, postos de saúde, galerias e praças. A este respeito, Teresina, no Estado do Piauí, assim como outras capitais do Nordeste brasileiro, padece com a falta de políticas públicas para as áreas social e de infra-estrutura. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 17% dos domicílios de Teresina recebem cobertura de esgotamento sanitário - situação que se agrava nos bairros e vilas periféricas da cidade. 9

10 Retornando ao quadro Calendário, à medida que às pessoas entram em contato com a emissora, a equipe de produção anota o nome do telespectador, a reivindicação, o local do problema e a data do contato. O quadro iniciou com duas inserções semanais, porém, foi acrescentando mais duas, consequência da demanda diária que, conforme Fernandes (2012) [...] o retorno é enorme. A audiência do telejornal aumentou de 23 pontos para 30 pontos, segundo a última pesquisa do Ibope [2112]. Alguns telespectadores telefonam não para o Piauí TV, mas para o programa Calendário. Para você ter uma ideia da força dele... O primeiro aspecto a ser analisado nessa pesquisa refere-se ao papel de mediadores dos profissionais de jornalismo que participam do quadro (apresentadores e repórteres), os quais se posicionam de forma incisiva e parcial, muito evidente na defesa dos moradores das comunidades que estão reivindicando, a exemplo: nós vamos voltar aqui para verificar se as promessas que o senhor está fazendo serão cumpridas ou o cartão de visita da praça é a sujeira; ou ainda, o quadro Calendário esteve aqui e mostrou o sufoco da população. Com essa postura, o mérito na consecução dos objetivos pretendidos pela comunidade o atendimento a reivindicação de benefício de uso coletivo passa a ser atribuído à emissora. Para Peruzzo (2003, p. 21) [...] este tipo de atitude pode provocar a desmobilização das pessoas e de suas organizações que passam a confiar mais na mídia do que nas suas associações na solução dos seus problemas coletivos. O certo é que, a postura adotada pelos profissionais de jornalismo, de cobrar do gestor o cumprimento das ações públicas foi uma orientação da própria direção da emissora que, segundo o diretor de jornalismo, Paulo Rogério Fernandes (2013), percebeu a necessidade de haver uma maior proximidade dos jornalistas ao entrevistarem às autoridades, os repórteres mudaram o seu perfil. Hoje eles cobram de uma maneira diferente, porque antes havia respeito e distanciamento, hoje existe respeito, mas o distanciamento não existe mais. E continua o repórter não pode admitir qualquer resposta, [...] afinal, a autoridade tem o dever de dar a resposta que o telespectador quer ouvir e, os jornalistas, a obrigação de cobrar. 10

11 Para se constatar o tom incisivo e de parcialidade dos apresentadores do quadro, analisou-se o seguinte texto no programa veiculado em 19 de julho de 2013 em que os moradores solicitam o asfaltamento de uma rua para melhorar o acesso de cadeirantes no local: O calçamento é de péssima qualidade e para piorar, a rua está cheia de buracos, um tormento para cadeirantes que há anos solicitam da prefeitura o asfaltamento da via. Nesse texto que inicia a matéria, percebe-se a ênfase dada pela apresentadora nos trechos péssima qualidade, cheia de buracos e um tormento, além de, através do discurso dos telespectadores, apresentar a Prefeitura de Teresina como ineficiente. Outra observação em relação ao discurso dos jornalistas é o uso do termo cidadania, como estratégia para fortalecer a imagem da emissora perante a opinião pública, como fez o repórter da matéria do dia 19 de julho: A luta dos moradores que vivem na rua é por um objetivo que vai além do asfalto, é por cidadania. Na interpretação de Marshall (1967, p. 76) cidadania se constitui um status concedido àqueles que são membros integrais de uma comunidade. Todos aquêles que possuem o status são iguais com respeito aos direitos e obrigações pertinentes ao status. Portanto, o conceito vincula-se ao princípio da igualdade de direitos e deveres e é esta a intenção do discurso construído pela emissora. Como diz Carvalho (2007, p. 7) sobre o uso generalizado da palavra cidadania: Políticos, jornalistas, intelectuais, líderes sindicais, dirigentes de associações, simples cidadãos, todos a adotaram. A cidadania literalmente caiu na boca do povo. Em relação ao papel da mídia, como instância mediadora nesse processo, observa-se que, ao perceber a omissão do Estado em prover as condições necessárias ao bem-estar social, individual e coletivo da população ela penetra nestes espaços e passa a dar visibilidade as disputas e controvérsias existentes na vida social. Dessa forma, passa a potencializar e expandir as discussões no espaço público midiático sobre temas que podem ser problematizados e amplamente divulgados. Contudo, Mafra (2006, p. 40) adverte que, como em qualquer jogo político, no campo da mídia há diversas relações de interesses que se estabelecem entre os atores políticos e agentes midiáticos. Com sua gramática própria a mídia pode favorecer ou 11

12 desfavorecer alguns temas, excluir ou incluir determinados acontecimentos, enquadrar e narrar os fatos à sua maneira [...]. O que se observou em relação aos discursos dos agentes públicos é que, via de regra, fazem referência e enaltecem a pessoa da autoridade maior, responsável pela resolução do problema, na intenção de construir ou consolidar uma imagem positiva, do prefeito, quando os problemas apresentados, são de responsabilidade do poder público municipal ou do governador, quando estes pertencem a esfera estadual. Há momentos em que o discurso pretende mostrar que existe uma posição de superioridade na relação autoridade versus comunidade, causando, de certa forma, uma intimidação no público participante do quadro, ao fazer referência ao desempenho do prefeito, a exemplo da fala da Superintendente Municipal de Transportes e Trânsito Ainda ontem estivemos num evento em Brasília do qual foi mostrado a nossa experiência aqui e foi muito elogiada, por sinal, o prefeito recebeu elogios rasgados (sic) por ter aderido o (sic) projeto Vida no Trânsito (2012). Desta forma, nota-se uma clara intenção de minimizar o problema que está sendo reivindicado pela comunidade (sinalização) na medida em que o prefeito é apresentado como uma autoridade que teve sua atuação aprovada pelo centro do poder governamental do país. Em outros momentos há uma nítida intenção de transmitir agilidade, um engajamento imediatista na resolução dos problemas apresentados com o propósito de representar uma imagem de excelência administrativa, embora, o próprio quadro Vistoria do Calendário mostre que, algumas vezes o problema não é solucionado ou solucionado parcialmente. Assim, a participação do agente público no programa acontece mais para justificar e reforçar uma imagem e fortalecer a marca institucional do governo. Na análise, observou-se ainda, o caráter pessoalista que alguns agentes procuram imprimir em seus discursos na intenção de construir uma imagem que os tornem referências como fontes de informação e, posteriormente, se utilizar do cargo como trampolim para futuras carreiras políticas. Os discursos desses agentes públicos são previamente construídos e estrategicamente elaborados, defendem as 12

13 classes menos favorecidas e se comprometem em resolver outros problemas que, sequer, foram apontados pelos moradores. Assim, vão-se divulgando interesses, ideias e produzindo imagens tentando manipular o público para seus projetos futuros. Por outro lado, há o perfil do agente público que se utiliza de um discurso construído com uma linguagem técnica, dificultando o entendimento e se posicionando estrategicamente numa postura, na qual, o telespectador de maior interesse no conteúdo apresentado moradores das comunidades passam a ocupar uma posição ainda maior de passividade. Em algumas situações os agentes públicos se utilizam de um discurso argumentando que a administração pública já estava trabalhando na área, a exemplo do que ocorreu com a solicitação de limpeza de uma praça, quando na verdade as próprias imagens mostravam o contrário. Em outras participações, informam que a reivindicação feita é um trabalho de rotina e que, portanto, já estava no cronograma de intervenções do órgão, porém, em um caso particular, a moradora entrevistada apresentou outra realidade: a praça está esquecida, abandonada há 15 anos, que é o período que eu moro aqui. Conclusão No geral, constatou-se nessa análise a predominância de um perfil de agentes públicos que constroem frases de efeito que permeiam seus discursos, com um elevado grau de comprometimento em dar publicidade à autoridade municipal e/ou estadual. Percebeu-se ainda que, embora o discurso aponte para a resolução dos problemas apresentados pelos moradores, a estratégia utilizada na comunicação desses agentes é a de, antes de tudo, apresentar uma realidade que gostariam que fosse vista. No que diz respeito às principais reivindicações feitas pelos telespectadores, apresentadas por Rodrigues (2012) e confirmadas na pesquisa são: colocação de calçamento e asfalto; abastecimento de água; segurança; iluminação pública nas ruas, praças e avenidas; sinalização de trânsito; seguidas, igualmente, de limpeza de 13

14 terrenos, ruas e praças e construção de escolas, postos de saúde e galerias. Dessa forma, constata-se que os maiores problemas enfrentados pela população da capital, em especial dos bairros periféricos são, respectivamente, de competência da Prefeitura Municipal de Teresina, da distribuidora de Águas e Esgotos do Piauí S.A (Estado); da Secretaria de Segurança Pública do Estado e das Centrais Elétricas Brasileiras S.A - (Eletrobrás). Sobre o jornalismo comunitário proposto no quadro Calendário observou-se que a emissora entende o conceito como àquele pautado pela comunidade, no sentido daquilo que é comum a um determinado grupo de pessoas, atrelado ao fator geográfico a exemplo do que elucida Fernandes (2012) sobre o quadro [...] ele é apenas e tão somente feito pelos pedidos dos moradores. Não há produção nossa além de ir aonde o telespectador ligou pedindo solução [...] o quadro Calendário é só comunitário... Problemas de rua, buracos, limpeza pública, transporte, praças, etc. É tudo o que atinge, diretamente, a uma comunidade, os moradores de um bairro, de uma rua. Nunca uma pessoa, mas sim à comunidade. Em relação à mídia, de um modo geral, apesar de seus objetivos mercadológicos, com interesses pela regionalização da produção e a exploração do local para conquistar audiência, seria injusto não reconhecer que, no exercício de sua responsabilidade social, em certas circunstâncias, funciona como instrumento de mobilização da sociedade e como agente de vigilância e controle dos poderes em todas as suas instâncias. Referências bibliográficas CABRAL, Eula D T. Valorização do local: a meta dos grupos midiáticos é o lucro, não a cidadania. Disponível em <http://www2.metodista.br/>. Acesso em: 12 jun CARVALHO, José. M de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, FERNANDES, Paulo. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 7 ago

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA

Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos Departamento de Relações Comunitárias PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA MOBILIZAÇÃO COMUNITÁRIA AUTOR: Tatiana Rodrigues Moura. Chefe de Seção de Expediente

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues Fabyanne Nabofarzan Rodrigues A relação entre o Poder Legislativo e a imprensa O papel da assessoria de imprensa na relação entre o Legislativo e a imprensa Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL

JORNALISMO CULTURAL ONLINE: EXPERIÊNCIAS DE COBERTURA JORNALÍSTICA DO SITE CULTURA PLURAL 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA JORNALISMO

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Tradução e mercado de trabalho

Tradução e mercado de trabalho Tradução e mercado de trabalho Entrevista com Maria Franca Zucarello, presidente do Sindicato Nacional de Tradutores Angélica Karim Garcia Simão 1 Para o número sobre tradução da revista abehache, julgamos

Leia mais

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha

Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação da Campanha XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Divulgação do novo telefone da Central de Atendimento da Cemig: Análise da divulgação

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições

O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições O Programa de Educação em Saúde e Mobilização Social em Guarulhos-SP: desenvolvimento e contribuições Autora: Vânia Maria Nunes dos Santos Outros autores: Marcos Tsutomu Tamai, Erotides Lacerda Choueri

Leia mais

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional

Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa. Câmpus Restinga Junho, 2013. Desenvolvimento Institucional Prioridades para o PA 2014 Comunidade Externa Câmpus Restinga Junho, 2013 Desenvolvimento Institucional APRESENTAÇÃO O presente relatório deve ser considerado como um Anexo ao Diagnóstico das Prioridades

Leia mais

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA

Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO MULTIPLATAFORMA 29. 09. 2014 Geral Nome da pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO Autor 2 Apêndice: Pesquisa Painel 2 O BUSINESS JORNAL E O POSICIONAMENTO A reunião na agência foi muito positiva. Márcio

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA

PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA PROJETO OUVIDORIA VAI À ESCOLA SALVADOR 2012 GOVERNADOR Jaques Wagner VICE-GOVERNADOR Otto Alencar SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Osvaldo Barreto Filho SUB-SECRETÁRIO DA EDUCAÇÃO Aderbal de Castro Meira Filho

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 08 1 / 6 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto a imprensa sediada na capital e no interior de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs?

Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? QUATRO BARRAS 09/07/2007 Horário: das 13h às 17h30 Local: Atividade I Como podemos fortalecer o Núcleo na Região para garantir a continuidade dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio - ODMs? Grupo 01:

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE

COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Fórum ONG/AIDS RS COMUNICAÇÃO EM SAÚDE Paulo Giacomini Porto Alegre, 30 de Outubro de 2014. Comunicação 1. Ação de comunicar, de tornar comum (à comunidade) uma informação (fato, dado, notícia); 2. Meio

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

A Área de Marketing no Brasil

A Área de Marketing no Brasil A Área de Marketing no Brasil Relatório consolidado das etapas qualitativa e quantitativa Job 701/08 Fevereiro/ 2009 Background e Objetivos A ABMN Associação Brasileira de Marketing & Negócios deseja

Leia mais

Dados de Mercado 2009/10

Dados de Mercado 2009/10 Dados de Mercado 2009/10 Dados de Mercado Revolução na Mídia Fenômeno de mídia na Europa e Estados Unidos, os tablóides de distribuição gratuita chegaram ao Brasil para revolucionar o mercado de comunicação.

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

O PROJETO PORQUE PATROCINAR

O PROJETO PORQUE PATROCINAR PAIXÃO NACIONAL O gosto pelo futebol parece ser uma das poucas unanimidades nacionais do Brasil. As diferenças sociais, políticas e econômicas, tão marcantes no dia a dia do país diluem-se quando a equipe

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DA PÓS-GRADUAÇÃO: ESTUDO DE INDICADORES Maria Helena Machado de Moraes - FURG 1 Danilo Giroldo - FURG 2 Resumo: É visível a necessidade de expansão da Pós-Graduação no Brasil, assim

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013

UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 UNICEF BRASIL Edital de Seleção de Consultor: RH/2014/013 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida profissionais

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO

ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO ANÁLISE DO USO INDISCRIMINADO DOS RECURSOS NATURAIS NO TERRITÓRIO RIO METROPOLITANO: O PAPEL DO CONSUMISMO NESTE PROCESSO Silvia A Guarnieri ORTIGOZA Magda Adelaide LOMBARDO Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

Programa Viver é Melhor. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Programa Viver é Melhor Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Legião da Boa Vontade (LBV) Cidade: Londrina/PR

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

BREVE APRESENTACAO, ~

BREVE APRESENTACAO, ~ BREVE APRESENTACAO, ~ Jornal era considerado mídia obrigatória O principal diferencial costumava ser o volume de circulação, principalmente se o jornal era auditado pelo IVC. Os jornais eram procurados

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1

LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 LIMITES E POSSIBILIDADES DO USO DO MARCO LÓGICO/ZOOP EM UMA MÉDIA ONG DE EDUCAÇÃO POPULAR. Cristina Schroeter Simião 1 I. Introdução do Marco Lógico/Zopp na Aditepp: Limites e Possibilidades. No ano de

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PRELIMINAR FORTALECIMENTO E EXPANSÃO DA DOUTRINA E DA PRÁTICA UMBANDISTA MARÇO/2013 1-APRESENTAÇÃO 2-OBJETIVO 3-JUSTIFICATIVA 4-PLANEJAMENTO PRELIMINAR 4.1-VERTENTE DO CONHECIMENTO

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais