TVS REGIONAIS: UMA LEITURA DA PROGRAMAÇÃO FEITA POR GRUPOS DA TERCEIRA IDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TVS REGIONAIS: UMA LEITURA DA PROGRAMAÇÃO FEITA POR GRUPOS DA TERCEIRA IDADE"

Transcrição

1 TVS REGIONAIS: UMA LEITURA DA PROGRAMAÇÃO FEITA POR GRUPOS DA TERCEIRA IDADE IVETE CARDOSO DO CARMO ROLDÃO (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS). Resumo No Brasil, é pequena a participação da sociedade em iniciativas que acompanhem e fiscalizem a programação das emissoras de Televisão. Isso ocorre pela falta de discussão da mídia em espaços nos quais ela poderia ocorrer, como as igrejas, escolas, sindicatos e associações comunitárias em geral. Por outro lado, o mercado publicitário é dominado pela televisão aberta e as TVs regionais também são regidas pela lógica mercadológica, interessando, portanto, ter um amplo território de abrangência para a comercialização de seus programas. Sem perder de vista esta lógica própria da nossa sociedade, busca se questionar neste trabalho a possibilidade de se fazer uma TV regional que possa estar mais próxima da comunidade, já que a concessão de uma emissora deve ser considerada um bem público. Tal estudo parte do princípio defendido por Silverstone (2002) de que nós, pesquisadores da área de comunicação, precisamos romper a fronteira que separa a academia do mundo concreto. Assim, a proposta é verificar, utilizando se da técnica de grupos focais (CRUZ NETO, 2002), com dois grupos de terceira idade, formados por pessoas que já participam das atividades de Extensão desenvolvidas pela PUC Campinas, em que medida o projeto de programação das emissoras de TV regionais atende aos interesses desses cidadãos. Essa técnica permite trabalhar com a leitura e reflexão expressa através da fala. Os participantes apresentam e debatem suas impressões sobre o tema em curso, a partir de um roteiro organizado. As três emissoras de TV regionais com concessão registrada em Campinas e retransmissoras de redes nacionais são a EPTV (afiliada da Rede Globo), a TV Brasil (afiliada do SBT) e a TV Bandeirantes de Campinas. A realização dos grupos focais possibilitou elaborar uma reflexão acerca da relação dessas emissoras de TV regionais com um setor importante da comunidade, que é a terceira idade. Palavras chave: televisão, cidadania, programação. Palavras-chave: televisão, cidadania, programação. As mudanças vivenciadas pela mídia em consequência da globalização da economia e da mundialização da cultura e da comunicação fizeram com que, em um primeiro momento, se acreditasse que as dimensões locais, regionais e nacionais perderiam a importância. Entretanto, (FADUL & REBOUÇAS, 2005), explicam que: [...] quando começou a examinar esta questão com maior profundidade, percebeuse que a questão local/regional também estava adquirindo uma grande importância no contexto global. Pesquisas na Europa têm apontado para uma tendência de valorização da dimensão local/regional da mídia, ao mesmo tempo que são feitas análises dos processos de nacionalização e de internacionalização (p.1). Outra autora que se coloca de forma incisiva quanto à relevância do local/regional na era global é Peruzzo (2005):

2 Já está bastante claro que o fato da globalização - da universalização ou da ocidentalização do mundo, como preferem alguns - impulsiona uma revalorização do local, ao invés de debelá-lo, como se prognosticou num primeiro momento. Houve, assim, a superação da tendência pessimista de considerar que as forças globalizadas - da economia, da política e da mídia - detêm o poder infalível de sufocar as sociedades e as culturas nos níveis nacional e local (p.74). Essa revalorização do local faz com que seja relevante o questionamento sobre a contribuição da programação das TVs regionais para atender aos interesses do cidadão. Utilizamos a definição de cidadão como sujeito histórico, cujos pressupostos básicos são a participação e a igualdade: "O cidadão deve ser formado para governar a si e os demais ao seu redor, que, individualmente, têm diferenças, mas devem gozar de condições de igualdade na definição dos destinos da cidade, na co-gestão das coisas coletivas" (MARTINS, 2000: 39). Nesse contexto, os meios de comunicação têm papel determinante no fornecimento de subsídios que permitam o exercício da cidadania, conforme aponta o mesmo autor (MARTINS, 2000-a): [...] apontamos como pressupostos de nosso conceito de cidadania a participação com igualdade. Mas esses pressupostos só se tornarão efetivos se, e somente, se os indivíduos tiverem acesso à informação das formas e dos conteúdos de participação, ou melhor, dos mecanismos institucionais voltados à participação e das condições de acesso a eles. Tais informações hoje estão sendo difundidas por inúmeros aparelhos, desde as mais diversas mídias, sendo a eletrônica uma das principais dentre todas elas, até as escolas. Eis, portanto, um terceiro pressuposto de nosso conceito de cidadania: o acesso à informação, que hoje, se apresenta como uma das mais valiosas mercadorias do mundo contemporâneo (p. 116). A necessidade de a população ter uma visão crítica em relação aos conteúdos dos meios de comunicação é mais evidente quando se trata da televisão. A divisão das verbas do mercado publicitário entre diversas emissoras faz com que esse veículo busque a audiência, deixando de lado a preocupação com a qualidade da programação, dentro da qual está o conteúdo das TVs regionais. Diante dessa realidade, entendemos que "não pode haver democracia se não submetermos a televisão a um controle, ou, para falar com mais precisão, a democracia não pode subsistir de uma forma duradoura enquanto o poder da televisão não for totalmente esclarecido" (POPPER,1995: 30). Este conhecimento será o instrumento pelo qual diversos grupos "passarão a intensificar sua postura crítica, sua análise de conteúdo e forma, diante dos órgãos de comunicação" (ABRAMO, 2003: 49). Assim, desenvolvemos uma pesquisa que procurou verificar de que forma integrantes de dois grupos sociais fazem a leitura dos conteúdos recebidos pelas emissoras regionais. Conforme (BAZI, 2001: 16), televisão regional "é aquela que retransmite seu sinal a uma determinada região e que tenha sua programação voltada para ela mesma". Sousa (2006: 104) explica que a TV regional é um

3 "empreendimento instalado numa determinada área, com alcance limitado por lei e por recursos técnicos, quase sempre subordinados a uma grande rede e com alguma autonomia da grade de programação". Como objeto deste estudo, foram escolhidas as três emissoras regionais, ligadas a redes nacionais, cujas concessões estão registradas em Campinas, interior de São Paulo: a EPTV - Empresas Pioneiras de Televisão (Globo), a TV Brasil (SBT) e TV Band Campinas (Rede Bandeirantes), já que esta é a cidade sede das três emissoras e a mais importante da região.[1] Para se ter uma dimensão da abrangência das TVs regionais no país, em julho de 2000, existiam em funcionamento, no Brasil, 286 geradoras e retransmissoras (MATTOS, 2000). De acordo com dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), de fevereiro de 2005, no que se refere às três redes as quais as emissoras regionais de Campinas, em estudo, são ligadas: a Rede Globo tem cinco geradoras próprias e 96 afiliadas; 19 retransmissoras próprias e afiliadas. O Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) tem dez geradoras próprias e 37 afiliadas; retransmissoras próprias e 639 afiliadas. A Rede Bandeirantes tem dez geradoras próprias e 23 geradoras afiliadas; 191 retransmissoras próprias e 234 afiliadas (FABBRI JÚNIOR, 2006). Os encontros, utilizando-se a técnica de grupos focais, foram realizados nos meses de abril e maio de 2009, com grupos formados por pessoas da comunidade que já participam do trabalho de Extensão desenvolvido pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). A realização dos grupos focais possibilitou elaborar uma reflexão acerca da relação dessas emissoras de TV regionais com um setor importante da comunidade, que é a terceira idade. O grupo 1 é composto de 11 mulheres, com idade entre 50 e 76, moradoras de diversos bairros da cidade, que participam do projeto "Educação para o envelhecimento bem-sucedido", vinculado ao "Programa Setorial de Atenção ao Idoso".[2] O grupo 2 é constituído por quatro homens e sete mulheres, com idade entre 45 e 73, moradores do Jardim Londres e adjacências, região mais periférica da cidade, que participam do projeto "Lazer e Qualidade para a 3ª. Idade na Comunidade Guadalupe".[3] É importante salientar que, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)[4], a população de idosos representava em 2000 um contingente de quase 15 milhões de pessoas com 60 anos de idade ou mais (8,6% da população brasileira). Em 2020, este número poderá ultrapassar os 30 milhões e deverá representar quase 13% da população. Ainda de acordo com o IBGE, o crescimento da população de idosos, em números absolutos e relativos, é um fenômeno mundial e está ocorrendo a um nível sem precedentes. As projeções indicam que, em 2050, a população idosa será de milhões de pessoas, montante equivalente à população infantil de 0 a 14 anos de idade. Durante os encontros foi desenvolvida a técnica de grupos focais, que permite trabalhar com a reflexão expressa por meio da "fala" dos participantes. Assim, os idosos puderam apresentar e debater suas impressões sobre o tema em curso a partir de um roteiro organizado, possibilitando o aprofundamento das informações. Nesse caso, "em que medida, atualmente, o projeto de programação das emissoras atende aos interesses locais do cidadão de Campinas", a partir de um roteiro organizado pela coordenadora do grupo (esta pesquisadora). A técnica de grupos focais vem, desde a década de 1980, conquistando um lugar privilegiado nas mais diversas áreas de estudo. O grupo focal é, de acordo com Cruz Neto (2002),

4 uma técnica de Pesquisa na qual o Pesquisador reúne, num mesmo local e durante um certo período, uma determinada quantidade de pessoas que fazem parte do público-alvo de suas investigações, tendo como objetivo coletar, a partir do diálogo e do debate com e entre eles, informações acerca de um tema específico (p.5). É importante salientar que tal estudo parte do princípio defendido por Silverstone de que os pesquisadores da área de comunicação, precisam se aproximar do mundo real: "nós, estudiosos da mídia, temos a responsabilidade de nos engajar com o mundo que foi o objeto de nossa atenção. A fronteira que separa a academia do mundo concreto não pode mais, pelo menos nesta área, ser defendida" (SILVERSTONE, 2002: 267). As emissoras regionais vistas pelos integrantes dos grupos Campinas possui três emissoras de TVs regionais com sede e concessão registrada na cidade e afiliadas a redes nacionais. Em 1979, José Bonifácio Coutinho Nogueira inaugurou no dia 1º de outubro, em Campinas, a primeira emissora de televisão regional da cidade, com o nome de EPTV Campinas (Empresas Paulistas de Televisão). Em 1980, foi inaugurada a EPTV Ribeirão, em Ribeirão Preto. A EPTV Sul de Minas, com sede em Varginha, foi inaugurada em 1988 e, a partir de então, o grupo passou a chamar-se Empresas Pioneiras de Televisão. Em 1989, foi instalada a última emissora do grupo, a EPTV Central, em São Carlos, também interior do Estado. Afiliada da Rede Globo, desde o início, a EPTV Campinas gera, de segunda a sexta-feira uma hora e dez minutos de programação diariamente, o que representa 4,58% da grade da Rede Globo e, aos sábados, três horas e vinte minutos de programação, que atinge 50 cidades da região. A programação diária é composta por: dois telejornais diários ("Jornal Regional 1ª. e 2ª. edição)", dois informativos que são transmitidos várias vezes ao dia "EPTV Notícia" e "EPTV Cidade" e pelo programa esportivo "EPTV Esporte". Aos sábados, vão ao ar os programas "EPTV Comunidade, "Caminhos da Roça" e "Terra da Gente". Todos os programas da emissora são considerados jornalísticos, embora haja, em alguns, a mescla de jornalismo e entretenimento, como é o caso dos dois últimos transmitidos aos sábados. A TV Brasil[5] iniciou suas atividades em fevereiro de 1985, com o nome de TV Princesa d'oeste, transmitindo o sinal da antiga TV Record. Passados alguns anos, a TV Princesa passou a se chamar TV Metrópole, em função de um acordo de retransmissão com a Rede Manchete. Em 1990, transferiu o sinal para o Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), mudando o nome para TV Diário do Povo, com o qual permaneceu até 1994, quando passou a se chamar TV Brasil, mesmo nome da outra emissora regional do grupo, com sede em Santos (SP) e manteve-se afiliada ao SBT.

5 Cinco horas diárias, de segunda a sexta-feira, são abertas à programação regional, o que representa 20,83 %. Aos sábados, são quatro horas de programas regionais e, aos domingos, duas horas e 30 minutos. Essa programação é dirigida para cerca de 50 cidades da região. A programação diária é composta por: dois telejornais ("TVB Notícias 1ª. e 2ª. edição"), TVB Esportes e o programa de entrevistas "Notícias em Debate". Na grade, existem também diversos programas semanais, que vão ao ar em dias e horários variados: "Planeta Bicho", "Travel News", "TVB Esporte Clube", "Programa Pós e Contras", "Circuito Fechado", "Programa Paulo Leoni", "Carlos Cunha Show", "Panorama Brasil" e "Programa do Wood". Além disso, estão na grade também dois programas de telecompras: "Notícias & Oportunidades" e "TVB Motor". A Band Campinas (TV Bandeirantes Regional) começou a operar na cidade, como retransmissora da programação de São Paulo e com espaços comerciais em Ela faz parte do projeto de regionalização da Rede Bandeirantes, que teve início em Considerando 24 horas de programação, observa-se que três horas diárias, de segunda a sexta-feira, são abertas à programação regional, o que representa 12,5 %. Aos sábados, uma hora e vinte minutos e, aos domingos, uma hora e meia de programação regional, que chega a mais de 40 cidades da região. A programação diária é composta por dois telejornais: "Acontece Regional e "Band Cidade", pelo "Esporte Total Regional" e pelos programas da "Igreja Mundial do Reino de Deus" e da "Bolsa do Automóvel de Campinas" (BAC). No final de semana são apresentados os programas: "Band Revista", "Band Motor" e "Entrevista Coletiva" Logo no início dos debates sobre esta programação das três emissoras regionais, os integrantes dos dois grupos demonstraram que estão inseridos no quadro geral da sociedade brasileira, confirmando a constatação de diversas pesquisas de que a televisão é a principal fonte de informação para a maioria da população. Eles também ouvem rádio, mas poucos leem jornais ou acessam a internet para se informar. Na televisão, da programação regional, o que mais assistem é o Jornal Regional 2ª. edição, exibido por volta das 19h, pela EPTV Campinas. Poucos assistem ao JR 1ª. edição (exibido na hora do almoço), bem como o Band-Cidade exibido pela Bandeirantes por volta das 19h. Apenas uma pessoa mencionou que assiste aos Telejornais da TV Brasil. Em relação aos outros programas produzidos pelas emissoras regionais, apenas foram citados os programas "Terra da Gente" e "Caminhos da Roça", ambos apresentados, aos sábados, pela EPTV. Uma constatação importante é a de que a televisão ocupa menos tempo do que esta pesquisadora imaginava inicialmente na vida dos participantes dos dois grupos. Eles estão engajados em atividades sociais e esportivas e têm, ainda, participação ativa no meio onde vivem. Nos dois grupos, foi possível observar referências significativas sobre o tema. No grupo 1, duas observações merecem destaque: A primeira é a de que os telejornais regionais mostram o problema, mas não mostram se houve realmente solução para a questão apresentada: "muitas vezes a gente vê uma reportagem sobre determinado assunto, mas que depois não tem o retorno do mesmo",[6] "vem uma outra notícia, eles esquecem daquela"; e a necessidade de sensacionalismo, "na verdade precisa de sensacionalismo, porque parece que as pessoas gostam", "o sensacionalismo é também pra vender, né?".

6 No grupo 2, foram apontadas, a superficialidade "[...] nenhuma (TV) fala o suficiente que seria pra mostrar mesmo" e até o que pode ser considerado padrão de ocultação, "que opera nos antecedentes, nas preliminares da busca da informação, isto é, no momento' das decisões de planejamento da edição, da programação ou da matéria particular daquilo que na imprensa geralmente se chama de pauta" (ABRAMO, 2003:26)[7]. "Eu acho que lá tem uma diretoria que classifica aquilo que vai ao ar [...]". "Eu acho que eles mostram as coisas que interessam pra eles. Mas para o povo, eles não mostram não, da parte do povo. Quando interessa para eles, eles mostram, eles ficam debatendo, mas, quando se trata do povo, eles escondem, não passa aquilo que o povo precisa ver". O padrão de fragmentação (ABRAMO, 2003), que implica na seleção de aspectos do fato e a descontextualização, também esteve presente nas falas: "[...] quando eles vão passar uma coisa assim que a gente está interessada em ver aquilo, já esconde, nem chega acabar direito. Eu acho que é muito rápido e eles fazem assim pra gente não entender mesmo". Neste grupo também foi questionado se a televisão não deveria ter uma atuação mais efetiva na cobrança aos órgãos públicos de Campinas: "Não é só a televisão que esconde, muita coisa eles deixam [...] Eles quem... o prefeito. Mas, então, não seria obrigação da imprensa cobrar essas coisas da prefeitura? A televisão deveria ir lá e ver". "[...] No tempo da eleição, eles falaram que iam melhorar os hospitais, os tratamentos, tudo né? Os hospitais daqui estão a mesma coisa, a fila tá a mesma coisa, todo mundo jogado no chão. Ninguém faz nada. Cadê que eles vão mostrar isso aí agora". No que se refere à cidade de Campinas, quando questionados se lembrariam algum assunto importante, que ficou sem solução e a TVs regionais não deram o destaque necessário, no grupo 1, a lembrança foi imediata: "A morte do Toninho. As TVs deviam ter denunciado mais e ido até o fim para a gente saber o resultado do que aconteceu. Mostraram, chegou um tempo, parou. Depois voltaram e acabou outra vez".[8] Em relação ao tratamento dado aos bairros mais periféricos da cidade, são várias as observações do grupo 1: "Quando tem tragédia". "Perdeu o barraco, caiu, pegou fogo, depois acabou". "Na minha opinião, deixa muito a desejar. Onde tem uma coisa errada, um assassinato, aí sim, mostra. Mas acho que para resolver o problema de moradia ou de saúde, não". Uma fala do grupo 2 completa a crítica: "Igual esse negócio da violência, eles ficam direto na violência. No caso de um bairro que precisa fazer asfalto, eles não mostram, eles mostram um pedaço só e já corta, não mostra mais". O exemplo concreto do grupo 2 reforça a questão levantada anteriormente. Quando questionados sobre a última vez em que uma reportagem referente à região em que se reúnem (Igreja Nossa Senhora de Guadalupe nas imediações da av. John Boyd Dunlop) foi veiculada, em um primeiro momento não havia lembrança. Depois de novamente estimulados, foram citadas duas notícias sobre crimes: "Saiu hoje, mas foi no rádio. Uma notícia de que mataram o homem e balearam a mulher... Falou no mercado, no balão do Londres perto do Mercado". "A única coisa foi essa que teve na frente do Covabra que roubaram o Caixa eletrônico. Apareceu na televisão, eles tacaram fogo [...]" Nos dois grupos, a opinião é de que o telespectador participa pouco dos telejornais regionais. Mas quando questionados se, ao observar um problema no meio em que vivem, eles têm o hábito de ligar para a imprensa, em especial a TV, a resposta foi negativa por parte de todos, exceto uma participante que contou que já fez

7 reclamação em um programa de rádio. Avaliam, ainda, que no geral a população não participa porque não tem o conhecimento para tanto. A ideia de que a TV influencia a sociedade é compartilhada por diversos membros dos dois grupos, em especial as telenovelas. Entretanto, no Grupo 2, a discussão foi mais intensa: "Aquele da novela, aquele Zeca da novela das oito. E os pais que passam a mão na cabeça"[9]. "Eu acho que não, eu acho que jovem não assiste". "Os políticos roubando. Aí eles falam: se eles roubam, eu posso roubar também". "O que tem que ser já nasce feito. Se nasceu pra ser bandido... se nasceu pra ser uma boa pessoa, vai ser [...]". "Eu acho que a pessoa não nasce com o dom de ser marginal, não". Os dois grupos foram questionados como a televisão mostra os assuntos que interessam para a terceira idade. No grupo 1, foi citada uma reportagem na TV Record de São Paulo, e entrevistas realizadas pelas TVs Universitárias de Campinas. Outra participante desse grupo afirmou que, muitas vezes, os direitos dos idosos não são cumpridos e que isso deveria aparecer na TV. No grupo 2, a observação geral foi de que é pequeno o espaço dado para as questões da terceira idade. Nos dois grupos, foram feitas indicações sobre o que os participantes gostariam de ver nas emissoras regionais. No grupo 1 merecem destaque: "A prefeitura não dá condições nas praças e a TV deveria mostrar isso". "Melhores condições para os idosos, programa voltado para a questão dos idosos. Mostrar o que os idosos fazem". "Os direitos dos idosos, a parte das leis, o que oferece para os idosos, etc. e para as crianças também, pra tirar essas crianças das ruas, dos semáforos". "Vamos falar também do patrimônio histórico, da falta de teatro. Campinas é uma cidade histórica e nós não temos um teatro grande. Campinas não tem. Até o Castro Mendes está caindo aos pedaços". No grupo 2, foram apontadas questões mais específicas do local: "[...] O Campo Grande[10], por exemplo, que é longe, tem coisas boas acontecendo por lá. É lógico que notícias ruins têm que mostrar também. Mas as coisas boas que acontecem, não mostram, você não vê". "Eles mostram mais o lado ruim e as coisas boas entram rapidinho e pronto. Eu acho, assim, que isso seria um incentivo para a pessoa que, às vezes, está meio para baixo'. Então, a coisa boa, talvez, incentive a pessoa". "Uma coisa que a televisão podia falar também são as atividades. Tem tanta coisa boa de se ver. Aqui nesse salão nós participamos a semana inteira. [...] Devia mostrar mais prá incentivar o idoso". Considerações Finais Por meio das falas, foi possível perceber uma riqueza de visões que se completavam e poucas vezes se contrapunham. A síntese dos diálogos estabelecidos demonstra que os membros dos dois grupos, de forma geral, tinham alguma possibilidade de elaboração em relação à televisão. As visões apresentadas indicam, entre outras coisas, que muitos deles têm consciência da fragmentação e superficialidade do telejornalismo. É importante perceber também que os depoimentos demonstram que há uma distância muito grande entre a programação das TVs regionais e os telespectadores. Instigados diversas vezes, ficou evidente que a maioria deles

8 assiste pouco a outros programas produzidos regionalmente e, assim, a discussão se concentrou basicamente nos telejornais. Isso é consequência da forma como a grade de programação regional é preenchida, com programas que visam, prioritariamente, o retorno comercial, como religiosos e de telecompras. Percebe-se também que, enquanto cidadãos de Campinas e enquanto parte de uma população que cada vez aumenta mais no nosso pais (a terceira idade), essas pessoas não se sentem representadas na programação das TVs regionais. A leitura da programação feita pelos grupos reafirma a necessidade de inserir na grade regional documentários, obras audiovisuais de ficção e espetáculos artísticos, entre outros, que valorizem a cultura regional e mostrem, de fato, as questões negativas, mas também, as positivas da cidade e da região. Esperamos que esta experiência sirva como um instrumento de construção de cidadania para os participantes da pesquisa e que seus resultados tenham repercussão entre outros grupos, para que reflexões como essas contribuam na desmistificação da televisão para toda a sociedade e ampliem a discussão sobre qual é o papel das TVs regionais em nossas comunidades: apenas atender o interesse comercial ou também e, principalmente, atender aos interesses dos cidadãos. Ou seja, fazer com que eles possam "se ver e se reconhecer" neste importante veículo de comunicação. Sem perder de vista a lógica comercial, que é própria da nossa sociedade, acreditamos na possibilidade de se fazer uma TV regional que possa estar mais próxima da comunidade, já que a concessão de uma emissora deve ser considerada um bem público. Referências Bibliográficas ABRAMO, Perseu. Padrões de manipulação da grande imprensa. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, BAZI, Rogério E. R. TV Regional: trajetória e perspectivas. Campinas: Alínea, CRUZ NETO, Otávio et al. Grupos Focais e Pesquisa Social: o debate orientado como técnica de investigação. In XIII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Populacionais. Ouro Preto: FABBRI JÚNIOR, Duílio. A tensão entre o global e local: os limites de um noticiário regional na TV. Campinas: Akademika, 2006.

9 FADUL, Anamaria & REBOUÇAS, Edgard. Por uma perspectiva metodológica para os estudos dos sistemas e grupos de mídia: o caso do nordeste brasileiro como referência. In: XXVIII Intercom - Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Rio de Janeiro-RJ, MARTINS, Marcos F. Por um conceito de cidadania. In: Ensino Técnico e Globalização: cidadania ou submissão?. Campinas: Autores Associados, 2000, p Uma "catarsis" no conceito de cidadania: do cidadão cliente à cidadania com valor ético-político. In: Phrónesis - Revista de Ética do Programa de Pós Graduação em filosofia da PUC-Campinas, v.2, nº 2, jul./dez., 2000-a, p MATTOS, Sérgio. A televisão no Brasil: 50 anos de história ( ). Salvador: Ianamá, PERUZZO, Cicília M. K. Mídia regional e local: aspectos conceituais e tendências. Comunicação e Sociedade: revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, São Bernardo do Campo, UMESP, n.43, 2005, p POPPER, Karl & CONDRY, John. Televisão: um perigo para a democracia. Lisboa (Portugal): Gradiva, SILVERSTONE, Roger. Porque estudar a mídia? São Paulo: Loyola, SOUSA, Cidoval Morais de. A notícia, o público e a televisão regional. In: SOUSA, Cidoval Morais de (org). Televisão regional, globalização e cidadania. Rio de Janeiro: Sotese, 2006, p

10 [1] Informações extraídas do relatório disponibilizado no site do Ministério das Comunicações, de 18 de novembro de 2003, que apresenta a composição societária das emissoras de radiodifusão. [2] A responsável por esse Projeto de Extensão é a Profa. Dra. Jeanete L. Martins de Sá. [3] O responsável por esse Projeto de Extensão é o Prof. Dr. José Strumendo Barbosa. [4] Perfil dos idosos responsáveis pelos domicílios. In Acesso em [5]Informações obtidas em: Acesso em [6] Todas as frases entre aspas e itálico são falas dos membros dos grupos focais. [7] ABRAMO, Perseu (2003), classifica em cinco, os padrões de manipulação: 1. padrão de ocultação, 2. padrão de fragmentação, 3. padrão de inversão, padrão de indução, 5. padrão global ou o padrão específico do jornalismo de televisão e rádio. [8] O prefeito de Campinas, Antonio da Costa Santos, foi assassinado em 10 de setembro de [9] Trata-se da novela "Caminho das Índias" da Rede Globo. [10] Região periférica, distante cerca de 30 quilômetros do centro de Campinas, seguindo pela av. John Boyd Dunlop.

TVs Regionais em Campinas: 30 anos de história 1

TVs Regionais em Campinas: 30 anos de história 1 TVs Regionais em Campinas: 30 anos de história 1 Ivete Cardoso do Carmo-Roldão 2 Resumo: Apresenta um painel histórico das TVs regionais de Campinas-SP., afiliadas de redes nacionais. A EPTV Campinas (Rede

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi)

Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática. (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) Mídia e Região na Era Digital: Diversidade Cultural & Convergência Midiática (org. Anamaria Fadul e Maria Cristina Gobbi) XI Colóquio Internacional de Comunicação para o Desenvolvimento Regional (9,10,11

Leia mais

"TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação

TV digital não é panaceia Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação "TV digital não é panaceia" Valério Brittos deixa um vazio na Pesquisa da Comunicação Carlos Alberto Moreira Tourinho* Valério Cruz Brittos nos deixou em 27 Julho de 2012, aos 48 anos. Jornalista, Professor

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1

UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 UMC Repórter: Prestação de Serviços Em Prol do Bairro Ponte Grande 1 Rogério NASCIMENTO 2 Caio ROCHA 3 Josuel SILVA 4 Júlia FIGUEIREDO 5 Marina ALENCAR 6 Hércules MOREIRA 7 Universidade de Mogi das Cruzes,

Leia mais

CANAIS 14 UHF 22 da NET

CANAIS 14 UHF 22 da NET www.facebook.com/tvredepaulista www.twitter.com/tvredepaulista www.youtube.com/tvredepaulista www.projectocom.com.br tvredepaulista Fundação Cultural Anhanguera R. Dr. Leonardo Cavalcanti, 56 Centro Jundiaí/SP

Leia mais

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico

Luau Bom D+ Bom D+ Verão. Desafio Ciclístico 4 Luau Bom D+ 10 Bom D+ Verão 16 Desafio Ciclístico 22 Triathlon Bahia de Todos os Santos 28 Revezamento a Nado Farol a Farol 34 Carnaval 2013 Record Bahia O que já era bom ficou ainda melhor. A primeira

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Índice de Percepção da Presença do Estado

Índice de Percepção da Presença do Estado Índice de Percepção da Presença do Estado IBRE e CPDOC Rio de Janeiro, 21 de Junho de 2010. Objetivo O objetivo principal é desenvolver um índice que mensure a percepção da presença do Estado na sociedade

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores

O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o. seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores 31/05/2005 O SR. MARCUS VICENTE (PTB-ES) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, este é um momento de grande relevância para o segmento de comunicação social de

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1

Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 Uma Ronda pelo programa mais popular da TV Piauiense Uma análise do processo produtivo do programa Ronda 1 1. Introdução Tamires Ferreira COELHO 2 Elinara Soares Barros de SOUSA 3 Orlando Maurício de Carvalho

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO VIOLÊNCIA NA ESCOLA: A VIOLÊNCIA DO TRABALHO QUE AFRONTA OS DIREITOS HUMANOS DOS TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO Autora: Profª. Drª. Nilma Renildes da Silva UNESP - Bauru-SP-Brasil nilmarsi@fc.unesp.br Agências

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Jornalismo 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Jornalismo 2011-2 O PAPEL DO YOUTUBE NA CONSTRUÇÃO DE CELEBRIDADES INSTANTÂNEAS Aluno: Antonio,

Leia mais

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 -

- Deptº de Marketing -TV Bahia. Rua Aristides Novis nº 123 Federação. Tel.: (71) 3203-1207 - O Projeto Despertar a consciência de que cada um é responsável pelo equilíbrio ambiental e que, cabe a nós convencermos a quem convivemos disso. É o mote do projeto que vai estimular a conscientização

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA TÍTULO / TÍTULO: TV EXPERIMENTAL DE COMUNICAÇÃO: PROJETO INTEGRADO DE EXTENSÃO E COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA AUTOR / AUTOR: Ruy Alkmim Rocha Filho INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

PRODUÇÃO REGIONAL NA TV ABERTA BRASILEIRA

PRODUÇÃO REGIONAL NA TV ABERTA BRASILEIRA PRODUÇÃO REGIONAL NA TV ABERTA BRASILEIRA Um estudo em 11 capitais brasileiras 1 1 Uma realização do Observatório do Direito à Comunicação (www.direitoacomunicacao.org.br). Coordenação, apuração e análise

Leia mais

Atitudes pela Educação Novembro de 2014

Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Atitudes pela Educação Novembro de 2014 Realização: Instituto Paulo Montenegro IBOPE Inteligência Parceiros da pesquisa: Todos Pela Educação Fundação Itaú Social Fundação Maria Cecília Souto Vidigal Fundação

Leia mais

#11 RECORDNEWS NOV - GMT.xls. Start Time. Data. Programme Title EPG Synopsis

#11 RECORDNEWS NOV - GMT.xls. Start Time. Data. Programme Title EPG Synopsis Data 01/11/2011 00:15 RECORD NEWS BRASIL 01/11/2011 01:00 JORNAL DA RECORD NEWS Heródoto Barbeiro, e sua colega de bancada, Thalita Oliveira comandam um notíciário dinâmico e moderno 01/11/2011 02:15 ENTREVISTA

Leia mais

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO

ROTINAS DE PRODUÇÃO JORNALÍSTICA NO SITE PORTAL COMUNITÁRIO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) (X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3

A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1. Thais CASELLI 2. Iluska COUTINHO 3 A Rotina de Atualização na TV Uol: Produção, Participação e Colaboração 1 RESUMO Thais CASELLI 2 Iluska COUTINHO 3 Universidade Federal de Juiz De Fora, Juiz de Fora, MG Este trabalho verifica como é a

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo

TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo TV VILA EMBRATEL Uma experiência de Web TV Comunitária a partir de uma solução de Sistemas de Gerenciamento de Conteúdo Anissa Ayala CAVALCANTE 1 - UFMA Jessica WERNZ 2 - UFMA Márcio CARNEIRO 3 - UFMA

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008;

CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; CONSELHO CURADOR EBC RECOMENDAÇÃO Nº 02/2014 Dispõe sobre propostas para adequação do Plano de Trabalho 2015 da EBC. Considerando o inciso I do Art. 17 da Lei 11.652 de 2008; Considerando que o Plano de

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

Elaboração de pauta para telejornal

Elaboração de pauta para telejornal Elaboração de pauta para telejornal Pauta é a orientação transmitida aos repórteres pelo pauteiro, profissional responsável por pensar de que forma a matéria será abordada no telejornal. No telejornalismo,

Leia mais

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP

XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP XI Reunião da RedPOP TRABALHO MODALIDADE ORAL ÁREA: JORNALISMO CIENTÍFICO DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA E TV UNIVERSITÁRIA: EXPERIÊNCIAS DA TV UNICAMP MORETTI, Luiza H. A.B. mestranda em Divulgação Científica

Leia mais

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook

A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook A voz do público nas redes sociais: como se dá a interação e participação através da página do Repórter Brasil no Facebook Roberta BRAGA 1 Allana MEIRELLES 2 Iluska COUTINHO 3 Resumo: Este trabalho faz

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015

Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 Clipping de Imprensa Pesquisa UPP: O que pensam os policiais Outubro de 2015 A relevância e credibilidade dos resultados da pesquisa UPP: O que pensam os policiais foram, sem dúvida, pontos de partida

Leia mais

Direito à Moradia 1. 3 Jonas AGUIAR. Universidade de Fortaleza Fortaleza- CE

Direito à Moradia 1. 3 Jonas AGUIAR. Universidade de Fortaleza Fortaleza- CE Direito à Moradia 1 2 Rochana Lyvian OLIVEIRA 3 Jonas AGUIAR 4 Clarissa CAPISTRANO 5 Beatriz Rêgo XAVIER RESUMO Universidade de Fortaleza Fortaleza- CE Está em defesa o programa Pensando Direito da TV

Leia mais

Expansão da televisão regional no Vale do Paraíba SP

Expansão da televisão regional no Vale do Paraíba SP Expansão da televisão regional no Vale do Paraíba SP Lucimara RETT 1 Resumo Um breve panorama sobre as emissoras de televisão de sinal aberto presentes no Vale do Paraíba é apresentado no artigo de Lucimara

Leia mais

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes

Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão. Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Mídia e Comunicação Cenário e desafios para a democracia e a liberdade de expressão Veridiana Alimonti, advogada do Idec e integrante do Intervozes Liberdade de Expressão! Para quem? Marco internacional

Leia mais

RESUMO. Vila É Notícia 1

RESUMO. Vila É Notícia 1 RESUMO Vila É Notícia 1 Diana Valentina Gonçalves de ARAÚJO 2 Felipe de Sena FREITAS 3 José Gabriel Maia da PENHA 4 Lara Costa OLIVEIRA 5 Luana Silva SEVERO 6 Lyvia da Silva ROCHA 7 Raoni Souza de Farias

Leia mais

Pluralidade dos Meios de Comunicação

Pluralidade dos Meios de Comunicação Pluralidade dos Meios de Comunicação Novembro/212 APRESENTAÇÃO A pesquisa Pluralidade dos Meios de Comunicação, desenvolvida pelo Instituto Palavra Aberta entidade criada em fevereiro de 21 pela Abert

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados.

E já surgia vitoriosa! Pois todos os vetos de Goulart foram rejeitados. Senhoras e senhores Companheiros da Radiodifusão, É para mim e para todos os meus colegas da ABERT uma enorme alegria e uma honra receber tantos amigos e presenças ilustres nesta noite em que comemoramos

Leia mais

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA

PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA ESPECIALIZADA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 492 PRODUÇÃO IMOBILIÁRIA E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NO BRASIL CONTEMPORÂNEO: UMA INTERPRETAÇÃO A PARTIR DA IMPRENSA

Leia mais

O ATENDIMENTO À IMPRENSA. Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014

O ATENDIMENTO À IMPRENSA. Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014 O ATENDIMENTO À IMPRENSA Assessoria de Imprensa voltada à divulgação de ciência Unicamp, 28/04/2014 Apresentação Relação cientistas x jornalistas Por que é importante atender à imprensa? Conhecer os canais

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO

TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO TV UNIVERSITÁRIA: TELEJORNALISMO ALTERNATIVO Fabiana Piccinin 1 Esse artigo faz uma crítica ao modelo de telejornalismo adotado pelas Tvs comerciais brasileiras, apresentando uma nova proposta de jornalismo

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO

2ª SEMANA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA MARÇO Design & Saúde Financeira para maiores de 50 anos Vera Damazio Laboratório Design Memória Emoção :) labmemo (: O que Design tem a ver com Saúde Financeira para maiores de 50 anos? E o que faz um Laboratório

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ

TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ TV REDE PAULISTA - SEMPRE PERTO DE VOCÊ \\TV REDE PAULISTA Com foco na região de Jundiaí, a TV Rede Paulista construiu a sua história priorizando a divulgação de tudo o que acontece em nossa comunidade.

Leia mais

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012

Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Relatório Assessoria de Imprensa *** BOOK 2012 Índice Atividades: Pág. 03 Resultados 2012: Pág. 04 Imprensa Mídia/Origem Meses: Pág. 06 Imprensa Segmentos de imprensa: Pág. 07 Imprensa Qualidade dos espaços

Leia mais

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV

RPC TV. no caminho da TV Digital. reportagem RPC TV reportagem RPC TV RPC TV no caminho da TV Digital A primeira cidade a ter transmissão digital foi Curitiba, a capital do Estado e sede da RPC TV. Empresa completou em 2012 o ciclo de cobertura digital

Leia mais

CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL

CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL CAP.III. CARACTERIZAÇÃO DE MONOPÓLIO NA REGIÃO SUL DO BRASIL Este capítulo tentará caracterizar através de dados sobre propriedade cruzada, índice de audiência, abrangências de alcance das emissoras e

Leia mais

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido

Cultura HD segundo lugar de audiência é retorno rápido e garantido Mídia Kit Cultura HD A Cultura HD faz parte do Grupo Integração, um grupo multimídia composto por quatro emissoras de televisão afiliadas Rede Globo, quatro emissoras de Rádio, um portal de internet, uma

Leia mais

Televisão brasileira: o início da problemática 1

Televisão brasileira: o início da problemática 1 Televisão brasileira: o início da problemática 1 AUTOR: QUINTANA JÚNIOR, José CURSO: Comunicação Social Jornalismo/Unifra, Santa Maria, RS OBRA: CAPARELLI, Sérgio. Televisão e capitalismo no Brasil: com

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP)

Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP) Núcleo de Comunicação e Educação Popular (NCEP) Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Universidade Federal

Leia mais

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing.

Comunicação social Jornalismo, Relações Públicas, Assessoria e Comunicação de Marketing. Comunicação social Comunicação social A Comunicação Social é um campo de conhecimento académico que estuda a comunicação humana e as questões que envolvem a interação entre os sujeitos em sociedade. Os

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues

Fabyanne Nabofarzan Rodrigues Fabyanne Nabofarzan Rodrigues A relação entre o Poder Legislativo e a imprensa O papel da assessoria de imprensa na relação entre o Legislativo e a imprensa Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

TV RÁ TIM BUM O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira

TV RÁ TIM BUM O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira O primeiro canal infantil brasileiro da TV por Assinatura para a criança brasileira Tel: 3874-3015 / Fax: 3611-2060 PROGRAMAÇÃO INFANTIL DA TV CULTURA Na década de 70, a TV Cultura uniu-se à TV Globo e

Leia mais

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2

O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social. Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 O jornal comunitário como instrumento de reconhecimento social Moema Novais Costa 1 Angelo Sottovia Aranha 2 RESUMO O Voz do Nicéia é um projeto de extensão da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 3.771, DE 2004 Dispõe sobre a identificação obrigatória da localização de paisagens de interesse turístico nas condições que

Leia mais

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO

SBT PILARES SBT COBERTURA REGIONAIS FAMÍLIA INFORMAÇÃO DIVERSÃO AGROPEC 360º SBT PILARES SBT FAMÍLIA A base de nossos esforços e conquistas. Segundo pesquisas, o SBT é reconhecidamente uma emissora para toda a família. INFORMAÇÃO Informar bem para melhor formar nosso

Leia mais

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura

As modificações promovidas pela nova lei vão sendo. Regulamentação da TV por assinatura Visão Jurídica > Lei do SeAc Regulamentação da TV por assinatura Após vários anos de discussão no Congresso nacional, em setembro de 2011 foi finalmente promulgada a Lei n. 12.485/11, instituindo o chamado

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008)

TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) TERMOS DE REFERÊNCIA (ANEXO I ao Edital de Pregão Amplo nº 10/2008) 1 INTRODUÇÃO 1.1Compete à Agência Nacional de Telecomunicações - Anatel atuar com publicidade na adoção das medidas necessárias para

Leia mais

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei;

III - regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; Excelentíssimos Senhores Senadores, gostaria de agradecer pela oportunidade de participar dessa audiência pública, essencial não apenas para regulamentação do art. 221, II e III da Constituição, mas também

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM

CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM CARACTERÍSTICAS DA MÍDIA Profa. Marli Hatje Educação Física e as Novas TICs CEFD/UFSM Jornal Revista Televisão Rádio Internet - Relata o que já passou e o que vai acontecer; -Credibilidade; - Cobertura

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS

Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1. Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS Criança e Comunicação: Nosso Bairro em Pauta 10 Anos 1 Michael da SILVA 2 Tiago FIORAVANTE 3 Saraí SCHMIDT 4 Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS RESUMO O Livro Criança Comunicação é uma publicação

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO Código Unidade 042 Cód. Curso Curso 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL Habilitação Etapa Sem/Ano JORNALISMO 6ª 1º / 2009 Cód. Disc. Disciplina Créditos CH Sem Teoria Prática 121.3604.2 TELEJORNALISMO I 04 X X Docentes

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO Como unir os veículos formais e os inovadores Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS EM JORNALISMO: Como

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade

Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Julho de 2009 Pesquisa Online Global de Consumidores da Nielsen Confiança, Valor e Envolvimento com Publicidade Informações Gerais A Nielsen recentemente pesquisou mais de 25.000 consumidores online em

Leia mais

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula

Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula Utilização do vídeo, CD e DVD na sala de aula José Manuel Moran A seguir são apresentadas sugestões de utilização de vídeo, CD e DVD. Vídeo como produção Como documentação, registro de eventos, de aulas,

Leia mais

:: C A N A L B A N D N E W S ::

:: C A N A L B A N D N E W S :: :: TABELA DE PREÇOS :: JANEIRO JANEIRO 2013 2011 :: C A N A L B A N D N E W S :: SKY, NET, Claro TV, Oi Tv e independentes, alcança mais de 10.800.000 assinantes. SEXO 4 IDADE CLASSE SOCIAL DIA INÍCIO

Leia mais

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO

CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO 1. Oficina de Produção CANAL SAÚDE REDE DE PARCEIROS OFICINAS DE MULTIPLICAÇÃO Duração: 03 dias Público ideal: grupos de até 15 pessoas Objetivo: Capacitar indivíduos ou grupos a produzirem pequenas peças

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social

GUIA DE ORIENTAÇÕES Serviços da Assessoria de Comunicação Social A Assessoria de Comunicação Social (ASCOM) da Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG é uma unidade de apoio e assessoramento da Instituição, diretamente ligada ao Gabinete da Reitoria, que dentre suas

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, no hotel Skt. Petri Copenhague-Dinamarca, 01 de outubro de 2009 Bem, primeiro dizer a vocês da alegria de poder estar

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014.

PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. PORTARIA PGR Nº 107 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2014. Aprova o Guia para o Relacionamento com a Imprensa do Ministério Público Federal. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

NOTÍCIAS RURAIS NA TV LOCAL: O PIONEIRISMO DO MS RURAL 1

NOTÍCIAS RURAIS NA TV LOCAL: O PIONEIRISMO DO MS RURAL 1 NOTÍCIAS RURAIS NA TV LOCAL: O PIONEIRISMO DO MS RURAL 1 Lucas Marinho MOURÃO 2 Daniela OTA 3 Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS Resumo A imprensa sul-mato-grossense tem a oportunidade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo

V Prêmio AMRIGS de Jornalismo 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 Conceitos V Prêmio AMRIGS de Jornalismo REGULAMENTO O Prêmio AMRIGS de Jornalismo, quinta edição, é uma iniciativa da Associação Médica do Rio Grande do Sul, com o apoio do

Leia mais

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia

Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Minha Casa MInha VIda Noções Básicas de relacionamento com a mídia Sumário 07 11 12 12 13 13 13 14 15 15 17 18 19 20 21 21 23 Guia rápido

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO

VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO PROPOSTA COMERCIAL VEM AÍ A FEIRA COM OPORTUNIDADE PARA OS JOVENS NAS CARREIRAS DO AGRONEGÓCIO A INSPER,SRB e Canal Rural trazem a oportunidade para as organizações do setor conectarem-se com profissionais

Leia mais