Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores"

Transcrição

1 Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

2 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Médio e longo prazo Hidráulica PCH Solar Resíduos Biomassa Geotérmica Eólica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 2

3 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Médio e longo prazo Hidráulica PCH Solar Resíduos Biomassa Geotérmica Eólica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 3

4 Energia no Brasil Características gerais Oferta interna de energia Matriz de oferta de energia elétrica (milhões de tep) 2 (TWh) Biomassa 32,0% Hidro 77,3% Petróleo e Derivados 37,9% Importação 7,8% Hidráulica e Eletricidade 15,2% Gás industrial 1,4% Carvão mineral 4,8% Urânio 1,4% Gás natural 8,8% Biomassa 4,7% Derivados de petróleo 2,5% Carvão mineral 1,0% Gás natural 2,6% Nuclear 2,6% Renováveis: Renováveis: 47,2% 7,2% 12,7% Brasil OECD Mundo 89,9% 16,0% 18,2% Brasil OECD Mundo 4 1) Fonte: MME 2) tonelada equivalente de petróleo

5 Energia no Brasil e no Mundo Oferta interna de energia 1 (milhões de tep) 2 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 1,4 32,0 15,2 4,8 8,8 2,0 5,2 10,9 20,9 23,7 2,2 10,5 5,9 26,5 20,9 Biomassa Hidráulica e eletricidade Urânio Carvão mineral Gás natural Petróleo e derivados 20% 10% 37,9 37,3 34,0 0% Brasil 2009 OECD 2007 Mundo 2007 Renováveis ,2% ,2% ,7% milhões tep % 5 1) Fonte: MME 2) tonelada equivalente de petróleo

6 Energia no Brasil Evolução da capacidade instalada de geração Capacidade instalada (GW) /08 (%) 09/00 Usina hidrelétrica ,3% Renováveis: Biomassa Parque eólico nd 0 5 0,3 6 0,6 27,2% 78,1% 39% +24 GW Central geradora solar % Usina termelétrica ,2% Não Renováveis: Usina nuclear Total % 4,3% 108% +14 GW Ampliação da integração do sistema de transmissão e constituição de hedge térmico pós-racionamento aumentaram a confiabilidade do sistema Grandes projetos marcam volta dos investimentos em UHE s: Sto. Antônio, Jirau e Belo Monte Fonte limpa aliada ao preço competitivo: crescente interesse do governo em expansão desta fonte 6 1) Fonte: BEM/EPE ) Fonte: Aneel

7 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 7

8 Energia no Brasil Plano Decenal de Expansão de Energia 2019 EPE Plano Decenal de Expansão de Energia (EPE) Crescimento médio do PIB de 5,1% Investimento total de R$ 951 bilhões (R$ 147 bilhões em energias renováveis) Expansão de MW de potência instalada de geração (aumento de 61%) 2 Instalação de Km em linhas de transmissão (aumento de 38%) 2 Produção de petróleo aumentará 2,5x (exportador de petróleo e diesel) Expansão de 67% em gás natural (de 49 milhões de m 3 /dia para 116 milhões de m 3 /dia) Evolução da capacidade instalada por fonte de geração 3 (GW) 2010 Fonte Hidro (a) 83 PCH 4 Biomassa 5 Eólica 1 Total Renováveis 94 Urânio 2 Gás natural 9 Carvão 2 Óleo combustível 3 Óleo diesel 2 Gás de processo 1 Total Não-Renováveis 18 Total (b) Var. % 40% 72% 58% 321% 47% 70% 30% 82% 162% -34% 0% 57% 49% +44 GW Renováveis +10 GW Não Renováveis 8 1) Fonte: EPE- Plano Decenal de Expansão de Energia ) Considera empreendimentos de geração constantes do SIN 3) Os valores da tabela indicam a potência instalada em dezembro de cada ano, considerando a motorização das UHEs (a) inclui estimativa de importação da UHE Itaipu não consumida pelo sistema elétrico paraguaio (b) não considera a autoprodução, que, para os estudos energéticos, é representada como abatimento de carga.

9 Energia no Brasil PDE 2019 Investimentos previstos Estimativa de Investimentos em Geração de Energia 2010/ Investimentos de R$ 175 bilhões (84% em energias renováveis) Tipo de Fonte Hidro PCH + Biomassa + Eólica Termelétrica -Nuclear -Gás natural -Carvão - Óleo combustível/diesel Total Usinas com concessão e autorizadas Bilhões R$ % 22, , ,0 42 8,0 12 3,0 5 5,2 8 11, ,2 100 Usinas indicativas 2 Bilhões R$ % 77, ,7 29 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0,0 0 0, ,7 100 Total Bilhões R$ 99,3 47,6 28,0 8,0 3,0 5,2 11,7 174,9 % Estimativa de Investimentos Total 2010/ Investimentos de R$ 951 bilhões Oferta de Energia Elétrica -Geração -Transmissão Petróleo e Gás Natural - Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural - Oferta de Derivados de Petróleo - Oferta de Gás Natural Oferta de Biocombustíveis Líquidos - Etanol Usinas de produção - Etanol Infraestrutura dutoviária - Biodiesel Usinas de produção Total R$ bilhões ( ) ,5 951 % 22,5 18,4 4,1 70,6 53,1 15,9 1,6 6,9 6,1 0,8 0,1 100,0 9 1) Fonte: EPE- Plano Decenal de Expansão de Energia ) Usinas não concedidas ou autorizadas

10 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 10

11 Energia Hidrelétrica no mundo Expansão potencial Principais potenciais hidrelétricos tecnicamente aproveitáveis no mundo 11 Fonte: Atlas de Energia Elétrica do Brasil 3ª Edição ANEEL 2008 (EPE 2007)

12 Energia Hidrelétrica no mundo Potencial aproveitado: países desenvolvidos x países emergentes Aproveitamento do potencial hidrelétrico no mundo 1 (%) Congo Indonésia Peru Rússia China Colômbia Índia Brasil Canadá Itália Suécia EUA Noruega Japão Alemanha França Observações: Fonte: World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de 1999 (PSR) Para o Brasil, dados do Balanço Energético Nacional, EPE, 2005 e Plano Decenal de Expansão de Energia Elétrica, EPE, ) % do potencial tecnicamente aproveitável

13 Energia Hidrelétrica no Brasil Potencial Norte Potencial: 111 GW Explorado: 9% Nordeste Potencial: 26 GW Explorado: 40% Sudeste/CO Potencial: 79 GW Explorado: 41% Sul Potencial: 42 GW Explorado: 48% Brasil Potencial técnico: 258 GW Explorado: 28% 13 Fonte: MME

14 Energia Hidrelétrica no Brasil Principais desafios Desafios para UHE s Licenciamento ambiental Custos ambientais Capacidade de armazenamento Operação do sistema 14

15 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 15

16 PCH Potencial de crescimento O potencial estimado de PCHs alcança 18 GW com forte predominância na região Sudeste Elevado potencial Distribuição Regional por potência estimada Proximidade aos centros de carga Potencial PCH s Reduzido impacto ambiental Descrição Potência (GW) 18 % 100 Norte 11% Nordeste 9% PCH s em operação 3 18 Centro-Oeste 19% PCH s em construção 1 5 Sudeste 41% Potencial a Aproveitar Sul 21% 16 Fonte: MME Elaboração: EPE

17 PCH Principais desafios Desafios para PCH s Viabilidade financeira, especialmente para projetos já concedidos Concessão de outorgas Custo de conexão 17

18 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 18

19 Biomassa Potencial de crescimento O potencial estimado de geração a partir de biomassa de cana-de-açúcar é de 11 GWmédios até 2016, podendo chegar a 14 GWmédios em 2021 Forte concentração no estado de São Paulo Safra Produção de cana-de-açucar (milhões ton) Disponibilidade de bagaço 12/ % 15/ % 20/ % Disponibilidade de Palha 5% 5% 75% Geração (MWmédio/safra) O crescimento da safra de cana deverá impulsionar investimentos em geração Complementariedade com a matriz hidráulica Preços competitivos Áreas de Retrofit Áreas de Expansão Cadeia de produção nacional 19 Fonte: NIPE-Unicamp, IBGE e CTC Elaboração: Única

20 Biomassa Principais desafios Desafios para Biomassa Estabelecimento de parcerias para desenvolvimento do projeto de geração Conexão ao sistema 20

21 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 21

22 Energia Eólica no mundo e no Brasil Crescimento da potência instalada Potência Instalada no Mundo (GW) Potência Instalada no Brasil (GW) + PROINFA + Leilão de reserva ,0 0,0 0,0 0,0 0,2 0,2 0,3 0,6 3, e Potência instalada no Mundo TOP 10 (2008) Portugal Dinamarca Reino Unido França Itália Resto do mundo Índia China Espanha EUA Alemanha 22 Fonte: Global Wind 2008 Report - GWEC

23 Energia Eólica no Brasil e no mundo Potencial de crescimento GW Europa América do Norte Ásia América Latina Pacífico Oriente Médio e África GW 3,5 3 2,5 2 1,5 1 0,5 0 3,2 0,6 0,7 0,7 0,2 0,2 0,3 0, Potência Instalada Total - Brasil 23 Fonte: Global Wind 2008 Report GWEC e CMSE (nov/09)

24 Energia Eólica no Brasil Potencial de crescimento Potencial Eólico 1 143,5 GW 272,2 TWh/ano O Brasil possui hoje cerca de 750 MW de geração eólica em operação, ou seja, 0,7% da capacidade instalada total São quase 450 aerogeradores localizados principalmente no Nordeste Norte 9% Nordeste 52% Centro-Oeste 2% Sudeste 21% Sul 16% 24 1) Fonte: Atlas de Energia Eólica CEPEL/Eletrobrás (potencial eólico estimado para vento médio anual igual ou superior a 7,0 m/s)

25 Eólica Principais desafios Desafios para Eólica Desenvolvimento da tecnologia x Preço Armazenamento Operação do sistema 25

26 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 26

27 Energia Solar Tecnologia ainda pouco competitiva, mas em desenvolvimento contínuo Forte programa de subsídios por parte dos governos Potencial da tecnologia Incerteza quanto a tecnologia predominante: Fotovoltaica e UTE a Solar Capacidade deverá crescer 4x até 2013, com foco nos EUA e Alemanha Indícios de que a Tecnologia se tornará competitiva até 2020 (Europa) 27

28 Energia Solar Tecnologias alternativas de exploração Tecnologia fotovoltaica Tecnologia de usina térmica Usina fotovoltaica Células fotovoltaicas que fornecem energia para o sistema elétrico Capacidade: 100 KW até 50 MW Geração distribuída Células fotovoltaicas que fornecem energia complementar a rede elétrica Sempre associada à um ou mais clientes Capacidade: 0,1 KW até 100 KW UTE a solar Espelhos que focam o calor solar em canos de água, formando vapor que gira turbinas Capacidade: 10MW até MW (ex: PS20, na Espanha, de 20 MW com previsão de 300 MW até 2013) 28 Fonte: IEA PVSP; Imprensa; CPFL; Roland Berger Strategy Consultatns

29 Energia Solar no Mundo Crescimento esperado Mercado Global de Energia Solar (GW) 2008/2013 (%) x4 +298% ,3-40% 2,5 1,5 +167% +1400% +1050% +750% % +233% 4,0 4,5 4,6 1,5 1,7 2,0 1,4 1,6 0,3 0,2 0,0 0,0 0,3 0,3 1,0 0,4 5,6 Espanha Alemanha EUA Japão China França Itália Coréia do Sul Restante do Mundo Total A geração solar deve se desenvolver no mundo, devendo quadruplicar entre 2008 e 2013, atingindo Capacidade superior a 22 GW 29 Fonte: EPIA Global Market Outlook 2013

30 Energia Solar no Mundo Comparativo de preço Subsídios à Energia Solar por país Subsídios País Preço [R$ / MWh]¹ Tarifário Invest. Fiscal Green Schemes Fontes Geração Constru ções Espanha 864 x x Alemanha x x x x Eua 810 x x Japão na x x França x x Itália x x x x x x x Coréia do Sul x x x Atualmente os preços são pouco competitivos, e o desenvolvimento é suportado por subsídios visando o crescimento 30 Nota: Preços de out/08 em EUR convertidos por 1 EUR 2,70 R$ Fonte: Dresdner Kleinwort / IEA - PVPS

31 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 31

32 A geração de energia com base em resíduos pode ser realizada através de 2 modelos principais Alternativas para geração com base em resíduos (WTE - Waste to Energy)¹ Biogás (landfill gas) Geração de energia através da queima do gás gerado nos aterros Potencial substituto de fontes tradicionais Pode gerar créditos de carbono Geração com incentivo na tarifa de energia Potencial receita marginal com a venda de vapor Capacidade de geração: 0,1 a 0,2 MWh por tonelada de lixo Potencial por tecnologia Brasil Capacidade instalada de biogás no Brasil (MW) Instalado 85 30% Incineração Geração de energia através da queima do lixo Objetivo principal é a destinação do lixo de grandes centros urbanos Potencial substituto de fontes tradicionais Pode ser classificado como MDL 2 e gerar créditos de carbono Possibilidade de venda do vapor para a indústria Diminuição do volume de resíduos dos aterros Capacidade de geração de 0,4 a 0,6 MWh por tonelada de lixo Potencial 0,5 MWh por tonelada de lixo Fonte: GE e Governo Estado de São Paulo 270 Potencial: MWmédios ) Em português: LTE Lixo Transformado em Energia 2) Mecanismo de desenvolvimento limpo Fonte: Imprensa, Estudo secretaria de saneamento e energia e secretaria do meio ambiente do estado de SP 2) Considerando 0,5 MWh por tonelada de lixo Fonte: GE e Governo Estado de São Paulo

33 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 33

34 A energia geotérmica ainda não tem aplicação comercial em larga escala Visão geral: É a energia obtida a partir do calor proveniente do interior da terra Resumidamente, o calor obtido nas rochas, ou através de vapor do interior da terra, esquenta a água que fica em caldeiras e o vapor gera a energia em turbinas Atualmente é pouco explorada comercialmente no mundo 34 Imagem: Usina geotérmica de Nesjavellir na Islândia

35 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 35

36 A energia maremotriz ainda não tem aplicação comercial em larga escala Visão geral: É a energia obtida a partir da energia cinética (movimento das correntes) e potencial (diferença de altura) do regime das marés Resumidamente, constrói-se uma barragem no mar. Quando a maré está alta, a água enche o reservatório passando através de uma turbina hidráulica, que gera energia. Na maré baixa, a água esvazia o reservatório, passando pela mesma turbina, gerando energia elétrica Atualmente é pouco explorada comercialmente no mundo e sua pesquisa se concentra na Europa, especialmente Portugal, Espanha e França 36 Imagens: Acima uma barragem, e abaixo uma maquete de uma usina geradora de energia maremotriz

37 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 37

38 As condições necessárias para o desenvolvimento do carro elétrico estão reunidas Condições propícias para aceitação do Carro Elétrico A ACEITAÇÃO PELO CLIENTE B INOVAÇÃO NA TECNOLOGIA DE BATERIA Preço do combustível elevado Boa aceitação entre formadores de opinião Grandes montadoras anunciaram introdução de veículos elétricos Estão surgindo novas montadoras focadas em veículos elétricos, ex. Tesla, Think!, Miles (US), Mindset (Switzerland) e em novos modelos de negócio Condições fundamentais para desenvolvimento do carro elétrico Tecnologia li-on de baterias está atingindo maturidade para produção em massa Existem alternativas técnicas para aumento do raio de ação dos veículos elétricos Compromissos de redução da emissão de CO 2 (Kyoto II) Expectativa de evolução favorável da estrutura fiscal e de subsídios D AÇÕES DOS PLAYERS DE MERCADO C INTERESSE POLÍTICO 38

39 A inovação tecnológica das baterias é fundamental para a afirmação do carro elétrico como alternativa de mobilidade viável Evolução do raio de ação do carro elétrico (km) Bateria kg Li-Ion 2015 Li-Ion 2020 Densidade energética [Wh/kg] Capacidade da bateria [kwh] Custos da bateria [EUR/kWh] NOTA: Principais hipóteses utilizadas: Consumo de 12,5 kwh/100 km (sem sistemas auxiliares de consumo; velocidade média de 25 km/h) Veículo GVW (incluindo condutor) de kg; Capacidade da bateria em 2010: 20 kwh; Peso da bateria: 200 kg se assume constante; Melhorias na bateria e veículo considerados 39 Fonte: Entrevistas com fornecedores de baterias; Roland Berger Strategy Consultants

40 Carro elétrico Principais desafios Desafios do carro elétrico Carga tributária dos veículos elétricos Rede de abastecimento Custo e autonomia da bateria 40

41 Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes renováveis com potencial de exploração Curto prazo Hidráulica PCH Biomassa Eólica Médio e longo prazo Solar Resíduos Geotérmica Mare motriz Energia renovável como opção de substituição ao petróleo: carro elétrico CPFL Energia no contexto da energia renovável 41

42 A CPFL Energia, nos últimos anos, investiu na repotenciação de PCHs e no fortalecimento dos negócios de cogeração de energia de biomassa de cana de açúcar Programa de Repotenciação de PCHs 7 PCHS repotenciadas sem impacto ambiental Potência Instalada: 11,2 MW = 39% Energia Assegurada: +9,9 MWmédios = 59% PCH Gavião Peixoto Casa de Força PCH Chibarro Cogeração de energia elétrica de biomassa de cana-de-açúcar 1986: CPFL pioneira na aquisição de energia de biomassa de cana-de-açúcar 2001: Programa de Estímulo à Cogeração de energia (PPAs) 2008: 1º projeto de geração de energia Usina Biomassa Baldin 2009: 2º projeto de geração de energia Usina Biomassa Baía Formosa 2010: 3 novos projetos de biomassa Usinas Ipê, Buriti e Pedra 42

43 CPFL continua investindo em projetos de geração de fonte renovável: Investimentos de R$ 2,7 bilhões UTE Baldin (usina térmica movida a bagaço de cana) Potência Instalada = 45 MW (Potência Exportada CPFL Brasil = 24 MW/safra) Investimentos CPFL = R$ 103 milhões (Estado de São Paulo) UHE Foz do Chapecó (Participação CPFL = 51%) Potência Instalada = 436 MW (Energia Assegurada = 220 MWmédios) Investimentos CPFL = R$ milhões CPFL Bioformosa (usina térmica movida a bagaço de cana) Potência Instalada = 40 MW (Potência Exportada CPFL = 25 MW/safra) Investimentos CPFL = R$ 127 milhões (Estado do Rio Grande do Norte) Parques Eólicos da CPFL Potência Instalada = 188 MW (Energia Comercializada = 76 MWmédios) Investimentos CPFL = R$ 768 milhões (Estado do Rio Grande do Norte) CPFL Bio Pedra, CPFL Bio Buriti e CPFL Bio Ipê Potência Instalada = 145 MW (Potência Exportada CPFL Brasil = 89 MW/safra) Investimentos CPFL = R$ 366 milhões (Estado de São Paulo) Operação 2T10 Operação 3T10 Operação julho/2011 Operação julho/2012 Operação 2011/

44 Forte crescimento da Potência Instalada e Energia Assegurada de Geração CAGR: 39,0% a.a. PCH s CPFL Geração 2027 Serra da Mesa Monte Claro 2036 Barra Grande 2036 CPFL Sul 2 Campos Novos 2035 Lajeado 2032 PCH s CPFL Jaguariúna Castro Alves de Julho 2036 Foz do Chapecó 2035 Biomassa Baldin UTE s Epasa Biomassa Bioformosa Biomassa Bio Ipê Biomassa Bio Buriti Parques Eólicos Biomassa Bio Pedra % 2% % 15% 8% Hídrico Térmico Hídrico Biomassa e Eólica Térmico 44 1) Garantia de 51,54% da eneriga assegurada até ) projetos hidrelétricos com potência menor que kw que não são considerados concessão pelo poder concedente 3) Das 9 PCHs da CPFL Jaguariúna (hoje estão na Distribuição), 6 encontram-se em situação descrita na nota 2

45 Energia Renovável Brasil Conclusões Preocupação com questões ambientais é irreversível Potencial de exploração de energias renováveis Potencial de geração renovável brasileiro supera 350 GW, equivalente a mais de 60 anos de crescimento Forte complementariedade entre as fontes Hidráulico 186 GW Resíduos 3 GW Biomassa 1 Eólico 144 GW Sustentabilidade e foco em geração renovável Compromisso CPFL Energia 23 GW 45 1) Fonte: COGEN (expectativa até 2019)

46 Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores

Apimec RJ. Energias Renováveis. Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Apimec RJ Energias Renováveis Gustavo Estrella Diretor de Relações com Investidores Agenda Oferta de energia Brasil x Mundo Perspectiva de Expansão da oferta de energia no Brasil Fontes Curto prazo Hidráulica

Leia mais

Matriz elétrica brasileira Eólica

Matriz elétrica brasileira Eólica 1 Matriz elétrica brasileira Eólica UEE VOLTA DO RIO Lívio Teixeira de Andrade Filho Coordenação-Geral de Fontes Alternativas Departamento de Desenvolvimento Energético 2 PRINCÍPIOS E OBJETIVOS DA POLÍTICA

Leia mais

Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões

Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões Caminhos da Engenharia Brasileira Instituto de Engenharia As vantagens do Brasil Da geografia ao modelo de concessões 14 de agosto de 2012 (Paulo Pedrosa- Presidente Executivo) Quem somos Fundada em agosto

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL

III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL III SEMINÁRIO MERCADOS DE ELETRICIDADE E GÁS NATURAL Tema central Investimento, risco e regulação Seção B. A Indústria Investimento em energias renováveis no Brasil. A oportunidade da energia eólica Amilcar

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço

MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA. Jurandir Picanço MERCADO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Jurandir Picanço Novembro/2015 Cenários de Longo Prazo União Européia 2050 100% Renovável para eletricidade Consumo em TWh Fonte: WEC Word Energy Council

Leia mais

Energia Eólica Setembro de 2015

Energia Eólica Setembro de 2015 Energia Eólica Setembro de 2015 Quem somos? Fundada em 2002, a ABEEólica é uma instituição sem fins lucrativos que congrega e representa o setor de energia eólica no País. A ABEEólica contribui, desde

Leia mais

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados

Agenda. Visão do Setor de Energia. CPFL Energia Destaques e Resultados Agenda Visão do Setor de Energia CPFL Energia Destaques e Resultados O mercado brasileiro é atendido por 64 concessionárias de distribuição de energia Distribuição de Energia 2008 Market Share 1 (%) Distribuidoras

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro

Sustentabilidade no Setor Sucroenergético Brasileiro Sylvio Nóbrega Coutinho Sustentabilidade no Setor Sylvio Nóbrega Coutinho Energia Elemento propulsor de desenvolvimento da sociedade A humanidade depende cada vez mais de um elevado consumo energético

Leia mais

Energia em busca de alternativas renováveis 1

Energia em busca de alternativas renováveis 1 Energia em busca de alternativas renováveis 1 Nivalde José de Castro Roberto Brandão Guilherme de A. Dantas Pergunta: É possível haver equilíbrio em um quadro de alta do petróleo, custos pouco atrativos

Leia mais

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas

VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas VI SIMPÓSIO BRASILEIRO sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétricas Mesa Redonda: O Papel das PCH e Fontes Alternativas de Energia na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos

Leia mais

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO

POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO POWER FUTURE PROINFA: POLÍTICA PÚBLICA DE ENERGIA RENOVÁVEL LAURA PORTO Diretora do Departamento de Desenvolvimento Energético Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Fortaleza, 18 de setembro

Leia mais

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012

Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura. Rio de Janeiro Abril de 2012 Apoio do BNDES a Concessões e PPPs em Infraestrutura Rio de Janeiro Abril de 2012 O que apoiamos Projetos de Infraestrutura Energia elétrica; Telecomunicações; Saneamento Ambiental; Logística e transportes;

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

"Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas

Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas "Políticas para la diversificación de la matriz energéticainiciativas no Brasil " Evento regional ONU de alto nivel sobre "Crisis Energética y Crisis Alimentaria: desafíos y oportunidades Santiago, Chile,

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE FONTES ALTERNATIVAS NO BRASIL

POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE FONTES ALTERNATIVAS NO BRASIL POTENCIAL DE APROVEITAMENTO DE FONTES ALTERNATIVAS NO BRASIL Mauricio T. Tolmasquim CENERGIA COPPE Centro em Economia Energética e Ambiental Coordenaçã ção o de Pós-GraduaP Graduação o em Engenharia Da

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA OFICINA: SETOR HIDROELETRICIDADE Luiz Fernando V. Rezende Consórcio Capim Branco Energia CRISE HÍDRICA NO BRASIL - SETOR ELETRICO Capacidade de Geração do Brasil

Leia mais

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar

Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados Características da Expansão Hidroelétrica e a Necessidade de Implementação de Geração Complementar Prof. Nivalde J. de Castro Pesquisador

Leia mais

INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO

INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO INSERÇÃO DAS ENERGIAS ALTERNATIVAS RENOVÁVEIS NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Associação Brasileira dos Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE CONFERÊNCIA REGIONAL DA AMÉRICA LATINA E DO

Leia mais

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro

Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Infraestrutura do Setor Elétrico: O Planejamento da Expansão do Sistema Brasileiro Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Empresa de Pesquisa Energética - EPE Infraestrutura do Setor

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil

Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Oportunidades e Restrições ao uso da Energia Eólica no Brasil Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Fundação Instituto de Administração, como requisito parcial para a conclusão do curso MBA Executivo

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro

Tecnologias, Oportunidades e Estudos para o Incremento da Cogeração de Energia no Setor Sucroalcooleiro Tecnologias, Seminário Internacional Oportunidades de Energias e Estudos Renováveis veis, para Limpas o Incremento e Cogerada e Cogeração ITM Expo Feiras e Convenções São Paulo (SP) 27 a 29/11/2007 Palestra

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ)

potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Energia eólica no Brasil: potencial, competitividade e políticas Nivalde J. de Castro (GESEL/IE/UFRJ) André Luis S. Leite (GESEL/IE/UFRJ) Guilherme A. Dantas (GESEL/IE/UFRJ) Introdução As mudanças climáticas

Leia mais

Energias Renováveis e Eficiência Energética

Energias Renováveis e Eficiência Energética Energias Renováveis e Eficiência Energética Unidades de Negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Fábricas e Filiais Do primeiro prédio ao parque instalado total Argentina Chile

Leia mais

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados

Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011. Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Deutsche Bank CEO Day São Paulo Junho de 2011 Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos

Leia mais

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016

CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 CPFL RENOVÁVEIS Março, 2016 1 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011

AES TIETÊ DAY. 17 de junho de 2011 AES TIETÊ DAY 17 de junho de 2011 Manutenção e Modernização Manutenção e modernização do parque gerador Objetivos Assegurar a capacidade de geração de energia e a continuidade das operações Cumprir as

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO POLÍTICAS PÚBLICAS E PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA A PROMOÇÃO DO SETOR BIOMASSA SÓLIDA - MESA REDONDA - Joésio Siqueira joesio@stcp.com.br Florianópolis, SC 12 / Novembro / 2015 1 2 1 ÁREAS DE ATUAÇÃO

Leia mais

Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo. Canal Executivo São Paulo 25/11/2008

Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo. Canal Executivo São Paulo 25/11/2008 Cenário mundial de energia eólica e as projeções em longo prazo Canal Executivo São Paulo 25/11/2008 Institucional Energia Eólica no Mundo Previsão de Instalação até 2020 Investimentos no Potencial Eólico

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas

A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas A geração distribuída no contexto das mudanças climáticas Ricardo J. Fujii Programa de Mudanças Climáticas e Energia WWF-Brasil Natal, 03 de Outubro de 2015 Contexto atual Produção nacional de eletricidade

Leia mais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais

Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE BIOENERGIA CONGRESSO BRASILEIRO DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Geração Distribuída de Energia Elétrica Perspectivas Energéticas, Econômicas e Ambientais NELSON

Leia mais

Cogeração de Biomassa

Cogeração de Biomassa Estudo de Baixo Carbono para o Brasil Cogeração de Biomassa Tema K Relatório Técnico Equipe Técnica: Universidade Estadual de Campinas Arnaldo Walter 2010 Brazil Low Carbon Study Sub-Project K Cogeneration

Leia mais

Visão Global - Experiências de ITAIPU

Visão Global - Experiências de ITAIPU Visão Global - Experiências de ITAIPU no Projeto Veículo Elétrico Rio de Janeiro,18 de junho de 2012. Eng. Celso Ribeiro Barbosa de Novais Chefe da Assessoria de Mobilidade Elétrica Sustentável da ITAIPU

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (CMA)

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (CMA) SENADO FEDERAL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (CMA) PANORAMA: A ENERGIA EÓLICA E SOLAR COM CONTRIBUIÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE NORMAS DE SUSTENTABILIDADE PARA OBRAS

Leia mais

Energia e Desenvolvimento Humano

Energia e Desenvolvimento Humano Aula 19 A energia elétrica de cada dia Página 321 O consumo de energia aumentou gradativamente ao longo das etapas de desenvolvimento. Este aumento está relacionado com o crescimento populacional e o desenvolvimento

Leia mais

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica

ProGD. Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis. Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica ProGD Programa de Desenvolvimento da Geração Distribuída de Energia Elétrica Ações de estímulo à geração distribuída, com base em fontes renováveis Brasília, 15 de dezembro de 2015 Metas renováveis Brasil/ONU

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008 SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável São Paulo, 04 de junho de 2008 SUSTENTABILIDADE X DEMANDAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO 2 Matriz Energética

Leia mais

A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades

A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades A inserção da Biomassa no Setor Elétrico: avanços e oportunidades Celso Zanatto Jr, Diretor, Crystalsev Bioenergia, SP, Brasil Energy Trading Brasil 2009, Sao Paulo, Brazil Oferta Interna de Energia Brasil

Leia mais

Termoeletricidade com combustíveis fósseis

Termoeletricidade com combustíveis fósseis Comissão de Serviços de Infraestrutura Audiência pública: Investimento e gestão: desatando o nó logístico do País 1º ciclo: Energia e desenvolvimento do Brasil Painel 01: Eletricidade convencional Termoeletricidade

Leia mais

Geração de Energia Elétrica Mundial (2007-2035) Em bilhões (10 9 ) de MW

Geração de Energia Elétrica Mundial (2007-2035) Em bilhões (10 9 ) de MW 1. Panorama Internacional Em estudo da U.S. Energy Information Administration 1 (EIA) Internacional Energy Outlook 2010, estima se que a geração mundial de energia deverá aumentar 87% entre os anos de

Leia mais

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios) Universidade Federal de Minas Gerais Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Área de Concentração: Engenharia de Potência EEE934 Impactode GD àsredes Elétricas (http://www.cpdee.ufmg.br/~selenios)

Leia mais

Carolina Luiza Rizental Machado

Carolina Luiza Rizental Machado Carolina Luiza Rizental Machado INTRODUÇÃO A energia termoelétrica é aquela gerada a partir da queima de algum combustível, tanto de fontes renováveis, quando de fontes não renováveis; As usinas termoelétricas

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA GERAÇÃO EÓLICA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA GERAÇÃO EÓLICA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA A PARTIR DA GERAÇÃO EÓLICA NO BRASIL Franciele Weschenfelder 1 Lirio Schaeffer 2 1 Engenheira, mestranda do Grupo de Desenvolvimento em Energias

Leia mais

Plano Nacional de Energia 2030

Plano Nacional de Energia 2030 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Brasília, 13 de julho de 2006 Plano Nacional de Energia 2030 Gás Natural Roteiro Observações Iniciais Gás Natural no Mundo Gás Natural no Brasil Expansão da Geração

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA O QUE ABORDAREMOS... PANORAMA EÓLICO Um pouco de... Geração de Energia Eólica no Mundo Jorge A. Villar Alé CE-EÓLICA villar@pucrs.br Energia Eólica no Brasil Aspectos tecnológicos 198 milhões de habitantes

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 14- Energia Eólica. Sorocaba, Maio de 2016.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 14- Energia Eólica. Sorocaba, Maio de 2016. Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 14- Energia Eólica Sorocaba, Maio de 2016. ENERGIA EÓLICA Aproveitamento da força de

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais

Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais Sistemas Fotovoltaicos Residenciais e Comerciais Geração Distribuída de Energia Solar para Autoconsumo Novembro de 2015 1 A EMPRESA FOTOVOLTEC QUEM SOMOS Pioneirismo e Inovação na Área Fotovoltaica Desde

Leia mais

Capítulo II. Recursos energéticos renováveis: realidade e potencial Por José Luiz Cardoso Cruz* Energias renováveis alternativas

Capítulo II. Recursos energéticos renováveis: realidade e potencial Por José Luiz Cardoso Cruz* Energias renováveis alternativas 44 Capítulo II Recursos energéticos renováveis: realidade e potencial Por José Luiz Cardoso Cruz* Por longos períodos da história, o homem viveu como nômade. Toda a energia que usava era proveniente dos

Leia mais

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental

Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Seminário de Boa Governação das Energias Renováveis Energias Renováveis (ER) Sustentabilidade Económica e Ambiental Madival Alva das Neves Meteorologista (Direção Geral do Ambiente) São Tomé, 30 de junho,

Leia mais

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL António Sá da Costa 1. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO A ENERGIA NO MUNDO Existe uma nova realidade no setor da energia a nível mundial Consumo

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Matriz Elétrica Brasileira

Matriz Elétrica Brasileira Agenda Matriz Elétrica Brasileira Uso Racional de Energia Política Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Urbanos PIB, Demografia e RSU Aproveitamento energético de RSU Obtenção de CDR Tecnologias

Leia mais

SET/10 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NA COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016

SET/10 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NA COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016 SET/10 GERAÇÃO DISTRIBUÍDA NA COPA DE 2014 E OLIMPÍADAS DE 2016 O GRUPO LIGHT Holding Distribuição Geração Comercialização/Serviços Sistemas Light Serviços de Eletricidade S.A. Light Energia S.A. Itaocara

Leia mais

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear

Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Desenvolvimento Econômico e Energia Nuclear Carlos Henrique Mariz Seminário Tecnologia Tropical - Energia Pernambuco PE Brasil 31 de agosto de 2012 Energia Elétrica - Visão do Mundo 15 Maiores geradores

Leia mais

Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados

Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados 07 de outubro de 2015 Situação atual do setor sucroenergético - apresentação à Câmara dos Deputados Elizabeth Farina Diretora presidente Crise Exportação do setor de sucroenergético açúcar pela é região

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MURILO VILL MAGALHÃES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MURILO VILL MAGALHÃES UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS MURILO VILL MAGALHÃES ESTUDO DE UTILIZAÇÃO DA ENERGIA EÓLICA COMO FONTE GERADORA DE ENERGIA NO BRASIL Florianópolis Novembro/2009

Leia mais

ENERSUL Jerson Kelman A Expansão do Setor Elétrico e a Amazônia. 05 de junho de 2013

ENERSUL Jerson Kelman A Expansão do Setor Elétrico e a Amazônia. 05 de junho de 2013 ENERSUL Jerson Kelman A Expansão do Setor Elétrico e a Amazônia 05 de junho de 2013 A hidroeletricidade é renovável graças à energia solar Guta é uma gotinha de água que mora dentro de uma nuvem. Ela anda

Leia mais

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau

Capítulo 1. Capítulo 2. Capítulo 3 CONTEÚDO. YPIRA: Integração dos setores de energia e florestal. A Planta Piloto da Bio-refinaria Jirau Proposta de investimento em Inovação e Sustentabilidade: Planta Piloto de Bio-refinaria Jirau Soluções para uso de madeira de SVA 8 de junho de 2016 CONTEÚDO Capítulo 1 YPIRA: Integração dos setores de

Leia mais

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA NUCLEAR BRASILEIRO E A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Primeira Semana de Engenharia Nuclear COPPE / UFRJ 15/08/2011 Ilson Soares Chefe da Divisão de Treinamento UMA PERSPECTIVA DA EMPRESA CONSUMIDORES

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável. II Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto da Usina Eólica Casa Nova consiste na implantação e operação de uma

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados São Paulo, 04 de Abril de 2013 1 Tractebel Energia 2 Tractebel Energia: Portfólio Balanceado de

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd

Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Workshop P&D D302 Desenvolvimento de Sistema Computacional para Análise Sistemática de Geração Distribuída Assuntos Regulatórios e Projetos de P&D Relativos a GD e µgd Márcio Venício Pilar Alcântara Belo

Leia mais

A geração eólio-elétrica no mundo

A geração eólio-elétrica no mundo José Cleber Teixeira FIPEN 2010 Fórum Industrial de Produtividade e Negócios 28 / outubro / 2010 1 A geração eólio-elétrica no mundo Em termos mundiais, a exploração da energia eólica para geração de eletricidade

Leia mais

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro

Seminário ABRAEX/UDF 2015. Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Seminário ABRAEX/UDF 2015 Sustentabilidade: Novos desafios e oportunidades Experiências japonesas e o contexto brasileiro Apoio Evento oficial dos 120 Anos de Amizade Japão-Brasil Seminário ABRAEX/UDF

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Histórico. 900 AC Moinho persa.

Histórico. 900 AC Moinho persa. Histórico 900 AC Moinho persa. Histórico Moinho Europeu Sistema de giro; Posição do rotor; Número de pás; Altura em relação ao solo; Pás com perfil aerodinâmico; Histórico Moinhos de vento portugueses

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios

Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios Mercado de Gás Natural: Evolução e Desafios APIMEC Agosto 2011 Gás Natural : Conceitos Campos Gás Natural Gás Associado É aquele que, no reservatório, está dissolvido no óleo ou sob forma de capa de gás.

Leia mais

XIII SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO E USO DA ÁGUA. Pelotas - Rio Grande do Sul 11 de dezembro de 2010

XIII SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO E USO DA ÁGUA. Pelotas - Rio Grande do Sul 11 de dezembro de 2010 XIII SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO E USO DA ÁGUA. Pelotas - Rio Grande do Sul 11 de dezembro de 2010 HIDROENERGIA E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof. Dr. Geraldo Lúcio Tiago Filho. CERPCH - IRN UNIFEI

Leia mais

Fontes de Energia e Meio Ambiente

Fontes de Energia e Meio Ambiente UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA - UFJF INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS ICE DEPARTAMENTO DE QUÍMICA QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL Fontes de Energia e Meio Ambiente Alunos: Arina Estefânia Gomes Flávia Campos

Leia mais

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci

Eficiência Energética Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci Fundação Santo André - Professor Mario Pagliaricci FONTES DE ENERGIA 1 Um pouco de Física (I, II, III e IV) 2 O Problema dos Transportes 3 Fontes de Energia de Grande Porte 4 Fontes Alternativas 5 E o

Leia mais

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE

Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Energia Alternativa: uma opção viável para equilíbrio da oferta e demanda Ricardo Pigatto Presidente - APMPE Resumo Cenário Atual FAE Potencial Benefícios Desafios Conclusões Quadro Resumo - FAE Capacidade

Leia mais