SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA"

Transcrição

1 SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA DAMOS GRAÇAS A DEUS POR ESTARMOS REUNIDOS NA BUSCA DO CONHECIMENTO, PELO RENASCIMENTO E CONSOLIDAÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL.

2 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 05 DE DEZEMBRO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E DE QUALIDADE PARA A CLASSIFICAÇÃO DO ALGODÃO EM PLUMA Item - 4. Classificação: o algodão em pluma será classificado por tipo e comprimento das fibras, sendo que o Tipo será determinado levando em conta a cor das fibras, a presença de folhas que irá caracterizar as impurezas e o modo de preparação (beneficiamento) do produto. Quem faz esta classificação? 4.1. As análises para a classificação do algodão serão realizadas por meio do instrumento HVI (High Volume Instrument) ou outros equipamentos, que também analisam as características físicas da fibra (comprimento, índice de uniformidade do comprimento, conteúdo de fibras curtas, resistência, alongamento, índice micronaire, grau de folha, quantidade de partículas de impurezas, área ocupada pelas impurezas em relação à área total, grau de reflectância, grau de amarelamento, diagrama de cor). C.G. Color Grade (Grau de cor)

3 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63, DE 05 DE DEZEMBRO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E DE QUALIDADE PARA A CLASSIFICAÇÃO DO ALGODÃO EM PLUMA O percentual de umidade para o algodão em pluma, tecnicamente recomendável para sua conservação, é de até 10% (dez por cento). Portaria Ministerial no. 55 de 09/02/1990 do MAPA Normas de identidade, qualidade, embalagem e apresentação do algodão, seus subprodutos e resíduos de valor econômico 5. UMIDADE O percentual de umidade admitido para o algodão em pluma é de 10% (dez por cento) O valor percentual que exceder o limite de 10% (dez por cento), poderá ser considerado para o correspondente desconto do peso líquido do lote Índice de uniformidade do comprimento da fibra (UI): é a relação entre o comprimento médio (ML) e o comprimento médio da metade das fibras mais longas (UHM), expresso em porcentagem, na forma contida na Tabela V deste Regulamento Comprimento de Fibra (UHM). UHML Upper Half Meam Length

4 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 05 DE MARÇO DE 2001 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº xxx, DE DE DE 2006 (Versão 27/10/2006) Art. 1º Aprovar o presente Regulamento Técnico e seus anexos para o Credenciamento de Pessoas Jurídicas autorizadas a executarem a Classificação de Produtos Vegetais, seus Subprodutos e Resíduos de Valor Econômico. ANEXO III OU ANEXO VI INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS MÍNIMOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS 1. INSTALAÇÕES: 1.1. As instalações dos postos de serviço devem atender aos requisitos mínimos necessários para o bom desempenho dos serviços de classificação; 1.2. O espaço físico deve ser adequado de forma a permitir o deslocamento e a distribuição de pessoal e equipamentos e possuir luminosidade e aeração adequados á execução dos serviços.

5 2. EQUIPAMENTOS: 2.2. ALGODAO EM PLUMA: a) Ar condicionado; b) Iluminação artificial mediante a instalação de luminárias com lâmpadas fluorescentes, para que se tenha o efeito da luz do dia, com intensidade de luz entre 80 e 90 lumens, aferida por meio do aparelho luxímetro, posicionado sobre qualquer ponto da mesa de classificação; c) A distância entre as luminárias e as paredes mais próximas, e a altura entre a luminária e a banca de classificação devem garantir a uniformidade da intensidade de luz exigida; d) A tonalidade das paredes deve ser de cor cinza muito claro ou branco acinzentado (fosco); e) Teto falso igual á cor das paredes; f) Piso preferencialmente preto ou em cor que não interfira na classificação visual;

6 2. EQUIPAMENTOS: 2.2. ALGODAO EM PLUMA: g) Móveis com a mesma cor das paredes ou pretos; h) Bancada ou mesa de cor preta fosca ou cinza escuro para exposição da pluma de algodão possuindo as seguintes dimensões: - Comprimento mínimo de 4,00 m; - Largura de 0,90 a 1,00 m; - Altura de 0,80 a 0,90 m. i) Temperatura ambiente em tomo de 22º C; j) Umidade relativa do ar em tomo de 75%; k) Altura do piso ao teto de 2,80 a 3,10 m; I) Exaustores instalados a uma altura de 0,60 a 1,00 m em relação ao piso, ou de forma que se garanta a salubridade do ambiente;

7 2. EQUIPAMENTOS: 2.2. ALGODAO EM PLUMA: m) Conjunto completo do Padrão Físico; n) Estante ou balcão para os padrões físicos; o) O uniforme do classificador deverá ser de textura leve, de preferência de algodão, na cor cinza neutra; p) Equipamentos facultativos Fibrógrafo, Shirley Analyser e HVI; q) Sala de aclimatação das amostras; r) Sala de recepção das amostras.

8 SUGESTÕES PARA ATUALIZAÇÃO DO: REGULAMENTO TÉCNICO PARA O CREDENCIAMENTO DE PESSOAS JURÍDICAS AUTORIZADAS A EXECUTAREM SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL que substituirão, respectivamente, as Instruções Normativas SARC nº 01 e 02, ambas de Regulamento técnico para credenciamento de pessoas jurídicas do ministério da agricultura e abastecimento anexo III (instruções e equipamentos mínimos para a classificação de produtos vegetais). A sala de classificação de algodão deve atender as determinações das normas técnicas e de segurança em termos de iluminação, altura (pé direito), temperatura e umidade relativa do ar, exaustão e purificação do ar, extintores de incêndio, hidrantes, lâmpadas de segurança e equipamentos de proteção coletiva (E.P.C.) e individual (E.P.I.), dimensões e cor da mesa de classificação, cor das paredes, teto, pisos e guarda-pós do classificador. Para maiores detalhes consultar as normas técnicas e leis abaixo relacionadas: Norma ABNT NBR Condicionamento de materiais têxteis para ensaios. Norma International Standard ISO Textiles - Standard atmospheres for conditioning and testing. Norma ABNT NBR Iluminação artificial para salas de classificação de algodão. Norma - International Standard ISO Textiles - Cotton fibres _ Equipment and artificial lighting for cotton classing rooms.

9 A Classificação do Algodão - Manual Agrícola 566 Elaborado por: Programa do Algodão - Serviço de marketing Agrícola (SMA) - Departamento Americano de Agricultura (DAA) - Washington, D.C Revisado em Abril de Informações adicionais sobre as atividades do programa do algodão estão disponíveis na internet, na home page: Comissão Internacional dos padrões universais.procedimentos para os testes de HVI S.I.: Comissão Internacional dos Padrões Universais.,S.d.11p.. Resolução 09/2003 ANVISA (ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária), portaria 3.523/98 Ministério da saúde e Lei estadual/rj 4.192/2003 sobre limpeza e descontaminação de dutos e condicionadores de ar central do laboratório. GOSTARIA QUE SE POSSÍVEL TIVESSE OPORTUNIDADE DE DIALOGAR MAIS SOBRE A MATÉRIA COM OS SENHORES. VISTO QUE É UM ITEM MUITO IMPORTANTE PARA A CLASSIFICAÇÃO. De: Jorge Jose de Lima 11/07/ h41min PM Para: "Gerencia Unicotton" Cc: "Clovis Knabben" Penariol" Cco: "Fernando Penariol" Assunto: Re: Projetos de Regulamento Técnico sobre Certificado de Classificação e Credenciamento - Sugestões até 03-11

10 PARA QUE A SALA DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO EM PLUMA TENHA CONFIABILIDADE E CREDIBILIDADE É NECESSÁRIO ATENDER AS RECOMENDAÇÕES BÁSICAS A SEGUIR:

11 NORMAS TÉCNICAS A Norma Técnica - Documento que descreve de forma detalhada todo o procedimento necessário para a realização de um ensaio. A Norma Técnica é desenvolvida por organizações sem fins lucrativos, através da realização de comitês com a participação de usuários, produtores, consumidores e demais representantes que têm interesses comuns sobre determinado assunto. Como exemplos podemos citar a ASTM International American Society for Testing and Materials e a ISO International Standard Organization. Essas entidades oferecem normas que são aceitas e utilizadas em pesquisa e desenvolvimento, testes de produtos, sistemas de qualidade e transações comerciais em todo mundo.

12 QUANTO AS NORMAS DE PROCEDIMENTOS PARA AS TAREFAS REALIZADAS NA SALA DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO Os procedimentos dos processos para as classificações do algodão (visual e tecnológica) precisam ser descritas, documentados e expostos em lugares visíveis. Com o objetivo de todas as pessoas envolvidas trabalhem de forma uniforme e transparente. É importante que os envolvidos sejam capacitados e que os processos estejam funcionando corretamente, para em seguida estruturem as normas de procedimentos. Como exemplo, os procedimentos para a calibração e ensaios realizado no sistema HVI. Sala de classificação de algodão da SGS Diamantino

13 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 Sala de classificação de algodão da BM&F Sala de classificação de algodão do CETIQT

14 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO QUALIDADE DE ILUMINAÇÃO: NORMA ABNT NBR E ISO4911. A temperatura de cor da fonte de luz deve ser de preferência de 7500 K, com índice de reprodução de cor de no mínimo 92. Nota: Outros níveis de temperatura de cor podem ser usados para satisfazer as condições locais e nacionais, através de acordos entre pessoas interessadas (entre 5000 K e 7500 K). A tolerância, para iluminação, deve ser de ± 200 K entre lâmpadas individuais da instalação, para a temperatura da cor, e, para a qualidade do espectro, a distribuição do espectro deve estar o mais próximo possível da luz do dia. Em caso algum, o índice de reprodução de cor deve estar abaixo de (Manual Luminotécnico) (enciclopédia virtual)

15 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 NÍVEL DE ILUMINAÇÃO (ILUMINÂNCIA): Estabeleceu-se um valor médio de 1100 lux (lx), sendo que o mínimo absoluto aceitável é de 800 lux (lx) numa superfície de trabalho (do centro aos extremos) das superfícies de classificação em condições de uso. Luxímetro (Fotômetro) Sala de classificação de algodão da BM&F

16 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO As condições de iluminação nos laboratórios do USDA são mantidas para proporcionar uma iluminação mínima de 100 velas-pés no nível de classificação. Lâmpadas especiais são usadas para proporcionar a melhor percepção de cor verdadeira. Todas as superfícies nos laboratórios são brancas, cinza ou pretas, e as paredes são na cor branco-ostra para aumentar ainda mais a percepção da cor. Fonte: A Classificação do Algodão - Manual Agrícola 566 Elaborado por: Programa do Algodão - Serviço de marketing Agrícola (SMA) - Departamento Americano de Agricultura (DAA) - Washington, D.C Revisado em Abril de Informações adicionais sobre as atividades do programa do algodão estão disponíveis na internet, na home page: 100 velas-pés 1000 lux 10 lux 1FC (footcandle) Footcandle (vela-pé) unidade antiga de medida de intensidade de luz, equivalente a 10,76 lux. De maneira aproximada pode-se considerar 10 lux = 1 FC (footcandle). A forma de cálculo com a esfera utilizada na definição de lúmen é a mesma, porém utilizando aqui pé quadrado ao invés de metro quadrado (1 pé = 30,48 cm, daí a equivalência 10,76 mencionada acima). Lux (lx) Unidade de iluminação do Sistema Internacional e é definida como um lumen uniforme distribuido por uma área de um metro quadro. Um lux é igual a 0,0929 footcandle (1/10,76 = 0,0929)

17 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR 12276, NORMA ISO4911 ANEXO TIPO DE INSTALAÇÃO DE UNIDADES PARA ILUMINAÇÃO ABNT NBR As unidades são instaladas com vidro de difusão a 2,80 m do chão. ISO As unidades são instaladas com vidro de difusão a 3,00 m do chão. As luminárias são instaladas com as extremidades em contato, em fileiras paralelas distanciadas cerca de 2,00m umas das outras. Sala de classificação de algodão da BM&F A altura da mesa usada deve ser de aproximadamente 80 cm.

18 CORES DO AMBIENTE DA SALA DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO: TETO, PAREDES, PISO, TAMPO DAS MESAS, MÓVEIS E GUARDA-PÓ DO CLASSIFICADOR DE ALGODÃO EM PLUMA Normas - ABNT NB 12276, ISO e ASTM D : Iluminação artificial para sala de classificação de algodão

19 COR DO MEIO AMBIENTE PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 As salas de classificação devem ser pintadas com cores neutras, para que nenhum tom seja realçado ou diminuído mais do que outras. As cores neutras vão do branco, passando por uma série de cinzas, até o preto. Escala cinza - Munsell ESPECTROFOTÔMETROS DA KONICA MINOLTA Modelo CM-2600d

20 COR DO MEIO AMBIENTE PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 Paredes - preferivelmente N 8,5 e não mais escura que 8,0; Tetos - brancos ou mais próximo possível do branco; Pisos - preferivelmente preto de N 7,0 (pisos mais escuros são também satisfatório); mesas - para a classificação, preferivelmente pretas-foscas (que facilitam a classificação do comprimento da fibra). ESPECTROFOTÔMETROS DA KONICA MINOLTA Modelo CM-2600d

21 COR DO MEIO AMBIENTE PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 Os papéis em que as amostras vão ser embrulhadas não devem cobrir áreas extensas do campo de visão. Dobrar e colocar o excesso de papel sob o algodão. O algodão tem uma tonalidade natural amarelada. Ele parece ainda mais amarelo (mais creme) se contrastado com papel azul e menos amarelado (mais acinzentado) em contraste com o papel marrom, do que quando examinado contra um fundo cinza-neutro ou preto. ESPECTROFOTÔMETROS DA KONICA MINOLTA Modelo CM-2600d

22 COR DO MEIO AMBIENTE PARA SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO NORMA ABNT NBR E ISO4911 Os aventais (guarda-pós ) devem ser de cor cinza-clara ESPECTROFOTÔMETROS DA KONICA MINOLTA Modelo CM- 2600d Sala de classificação da Allcotton - Acreúna / GO

23 ESTRUTUTA DO ESPAÇO FÍSICO DO LABORATÓRIO banh. feminino recepção banh. masculino depósito de amostras antesala antesala escritório sala de classificação visual de fibras laboratório de análise física de fibras laboratório de análise física de fios e tecidos sala de reunião máquinas de climatização compressor Autores: alunos do oitavo período de engenharia têxtil Almir, Wagner e Leonardo

24 SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO PARA AS SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO As salas utilizadas para o processo de classificação das amostras de algodão quanto ao tipo, a cor e o grau de folha, através do classificador em função dos padrões universais podem ser refrigeradas ou climatizadas. Caso a determinação do comprimento manual seja realizada nesta sala faz-se necessário e fundamental que a sala seja climatizada. Consultar as normas ABNT NBR 8428 e ISO139. Termoigrográfico - calibrado Saída do ar refrigerado e umidificado para a câmara Boca do ducto de retorno do ar da câmara Sistema de climatização da sala de classificação da SGS Rondonópolis

25 SISTEMA DE EXAUSTÃO DO AR PARA AS SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO As salas utilizadas para o processo de classificação das amostras de algodão quanto ao tipo, a cor e o grau de folha, através do classificador em função dos padrões universais devem possuir um sistema de exaustão e purificação do ar, afim de manter o ambiente com baixo nível de poeira. Recomenda-se utilizar equipamentos de proteção individual. Sistema de exaustão da Allcotton Sistema de exaustão da SGS Rondonópolis O regulamento técnico para credenciamento de pessoas jurídicas do ministério da agricultura e abastecimento anexo III (instruções e equipamentos mínimos para a classificação de produtos vegetais) recomenda exaustores instalados a uma altura de 0,60 a 1,00m em relação ao piso, ou de forma que se garanta a salubridade do ambiente.

26 O SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DO CETIQT Termoigrometro registrador Painel de controle Bocas dos ductos de saída do ar refrigerado e umidificado para a câmara Bocas dos ductos de retorno do ar Laboratório do Julho/2003 Senai/Cetiqt (UNEEF) Painel de comando Máquina central Torre de refrigeração d água

27 A ESTABILIDADE DA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO LABORATÓRIO DE CONTROLE DA QUALIDADE FÍSICA Porta de entrada do laboratório Portas da ante-sala (Antecâmara) Julho/2003 Sala de condicionamento e ensaios (Câmara)

28 A ESTABILIDADE DA TEMPERATURA E UMIDADE RELATIVA DO LABORATÓRIO DE CONTROLE DA QUALIDADE FÍSICA Paredes e teto com isolamento térmico Portas e vidros duplas Laboratório de Controle da Qualidade Física do SENAI/CERTTEX

29 O CONTROLE DA CONDIÇÃO CLIMÁTICA EM TERMOS DE TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NO LABORATÓRIO Termoigrômetro registrador para monitoramento da temperatura e umidade relativa do ar Norma - ABNT NBR Condicionamento de materiais têxteis para ensaios Norma - Internacional Standard ISO 139- Textiles _ Standard atmospheres for conditioning and testing Julho/2003 Aparelho com selo de calibração

30 CONTROLE DA TEMPERATURA, UMIDADE ABSOLUTA E UMIDADE RELATIVA Psicrômetro giratório Norma - ABNT NBR 8428 Norma - ISO 139 Termoigrográfico Umidade relativa = 65% ± 2% Temperatura = 20ºC ± 2ºC Julho/2003

31 LIMPEZA E DESCONTAMINAÇÃO DE DUTOS E CONDICIONADORES DE AR CENTRAL DO LABORATÓRIO RESOLUÇÃO 09/2003 ANVISA (ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária) PORTARIA 3.523/98 MINISTÉRIO DA SAÚDE LEI ESTADUAL/RJ 4.192/2003 Duto antes da limpeza Duto após da limpeza Stafhylococcus aureus - Rinite;...

32 CERTIFICADO LIMPEZA E DESCONTAMINAÇÃO NOS DUTOS DE AR CONDICIONADO CENTRAL DO LABORATÓRIO DO CETIQT

33 O AR COMPRIMIDO QUE OS APARELHOS DE LABORATÓRIO UTILIZAM PRECISA SER SECO E LIMPO Manômetro compressor Sala do compressor

34 É FUNDAMENTAL QUE NÃO OCORRA OSCILAÇÃO NA TENSÃO DA REDE ELÉTRICA (VOLTAGEM) Utilizar nos aparelhos de laboratório nobreak conforme recomendação dos fabricantes

35 QUANTO AOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAIS (HIDRANTES, EXTINTORES DE INCÊNDIO, LÂMPADAS DE SEGURANÇA E MÁCARAS) PARA AS SALAS DE CLASSIFICAÇÃO DE ALGODÃO É de fundamental importância que: as áreas dos extintores e hidrantes estejam demarcadas e livres; as luminárias de emergência instaladas em pontos estratégicos; os equipamentos de segurança (EPC e EPI) estejam em perfeitas condições; o pessoal apto em operacionalizar e utilizar os equipamentos de segurança. Sala de classificação de algodão da SGS Rondonópolis

36 RECEPCIONAMENTO E CONDICIONAMENTO DAS AMOSTRAS Sala de condicionamento Norma - ABNT NBR Condicionamento de materiais têxteis para ensaios Norma - ASTM D Procedimento para condicionamento de têxteis para ensaios

37 A CALIBRAÇÃO DOS APARELHOS, AMBIENTE E OPERADORES É FUNDAMENTAL Sala de classificação da SGS - Rondonópolis / MT Laboratório do Senai/Cetiqt Norma ASTM D 2904/91: Programas de aferição interlaboratoriais Seguir corretamente as instruções e recomendações dos fabricantes dos aparelhos de laboratório, contidas nas normas técnicas, nos manuais de manutenção e calibração.

38 REALIZAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DAS AMOSTRAS DOS ALGODÕES RECPCIONADOS E EMISSÃO DOS CERTIFICADOS

39 QUANDO NECESSÁRIO ARQUIVAR A SOBRA DAS AMOSTRAS DOS DIVERSOS MATERIAIS RECEPCIONADOS POR UM PERÍODO Sala de arquivo de amostras do Senai/Cetiqt Sala de arquivo de amostras do laboratório da Allcotton

40 PRENSAGEM DAS AMOSTRAS JÁ CLASSIFICADAS EM FARDOS (APARAS) APÓS VENCIMENTO DO PRAZO DE ARQUIVAMENTO DEPÓSITO DE ARQUIVAMENTO E PRENSAGEM DAS AMOSTRAS DO LABORATÓRIO DA BM&F. A BM&F descarta as amostras de dois em dois meses aproximadamente.. O CETIQT normalmente entra em contato com o cliente para então despachar as amostras arquivadas o mais rápido possível, visto que possui deficiência de espaço.

41 CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO Os laboratórios de controle da qualidade física podem ser credenciados por organismos certificadores de reconhecimento internacional, e recebem auditorias periódicas que garantem a competência técnica na realização dos ensaios. No Brasil, o INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial, vinculado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, é o organismo credenciador e no âmbito de sua ampla missão institucional, objetiva fortalecer as empresas nacionais, aumentando a produtividade por meio da adoção de mecanismos destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços. Atualmente, para ser credenciado junto ao INMETRO, o laboratório de ensaios necessita adequar-se à norma NBR ISO / IEC Requisitos Gerais para Competência de Laboratórios de Ensaio e Calibração. O atendimento dos requisitos estabelecidos na referida norma e o seu reconhecimento oficial por organismo credenciador são evidências que o laboratório possui competência técnica e um sistema de qualidade estruturado para garantir a confiabilidade metrológica dos resultados dos ensaios. Como comprovação de tal reconhecimento é emitido pelo organismo credenciador um certificado que deve ser afixado em local apropriado de ampla visibilidade aos clientes.

42 CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO

43 CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO

44 CERTIFICADO DE CREDENCIAMENTO

45 O LABORATÓRIO ALÉM DE REALIZAR ENSAIOS É TAMBÉM CABEÇA PENSANTE. É CÉREBRO MUITO OBRIGADO! BOA SORTE! É O QUE DESEJAMOS AOS PARTICIPANTES

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante

Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Curso de Projetos de Iluminação Eficiente Professor Tomaz Nunes Cavalcante Conteúdo do Curso Introdução. Conceito de Eficiência Energética. Conceitos de Iluminação. Luminotécnica. Avaliação financeira

Leia mais

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT.

Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins. Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. Agrotóxicos Adjuvantes e Produtos Afins Autor: Douglas Fernando Ferrari Auditor em Saúde e Segurança do Trabalho IAS/ABNT. AGROTÓXICOS DEFINIÇÃO: Agrotóxicos são produtos químicos utilizados para combater

Leia mais

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS

QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS QUALIDADE DE VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO PARA RISCOS QUÍMICOS Em 2009 a Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), através do Departamento de Segurança e Saúde do Trabalho

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Pode-se determinar o número de luminárias necessárias para determinado iluminamento: Pela carga mínima exigida por normas (aproximação de referência); Método dos Lúmens; Método

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA

SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA DAMOS GRAÇAS A DEUS POR ESTARMOS REUNIDOS NA BUSCA DO CONHECIMENTO, PELO RENASCIMENTO E CONSOLIDAÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. www.cetiqt.senai.br/ www.fbet.com.br/ VI CONGRESSO

Leia mais

Manual de instruções. Luminária LED série 6039 > 6039

Manual de instruções. Luminária LED série 6039 > 6039 Manual de instruções Luminária LED série > Informações Gerais Índice 1 Informações Gerais...2 2 Explicação dos símbolos...3 3 Instruções gerais de segurança...3 4 Utilização prevista...4 5 Dados técnicos...4

Leia mais

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS Secretaria-Geral do Ministério da Educação 1 Índice 1. Preâmbulo... 3 2. O que são os arquivos escolares?... 4 3. O arquivo no sistema de informação

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS

PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS PAINEL SETORIAL INMETRO/ANVISA/BNDES FÁRMACOS E MEDICAMENTOS: ASPECTOS METROLÓGICOS Lauro D. Moretto 23 de agosto de 2004 2 INMETRO Situação atual As atividades estabelecidas e exercidas As necessidades

Leia mais

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio

Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos Instrução

Leia mais

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE

Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Seminário de Gestão e Defesa Espectral: Interferências e Compatibilidade Eletromagnética Convenção Nacional de Radioamadores da LABRE Marcelo Carlos Afonso Carvalho Inmetro/Diretoria de Avaliação da Conformidade

Leia mais

Iluminação artificial

Iluminação artificial Iluminação artificial 1. Conceitos: 1.1. Luz Luz é a radiação eletromagnética capaz de produzir sensação visual. Essa faixa de radiação eletromagnética tem com comprimento de onda entre 380 a 780 nm (nanômetros),

Leia mais

Não protegido contra penetração nociva de água

Não protegido contra penetração nociva de água 1 Simbologia Significa equipamento desligado Significa equipamento ligado Este símbolo indica que o equipamento causa efeitos fisiológicos e que o usuário deve verificar o manual de instruções antes do

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único

Agulhas Hipodérmicas Estéreis para Uso Único e Agulhas Gengivais Estéreis para Uso Único Complemento de Regra de Certificação Doc: 703-CRC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Priscila Martins Pedroso Verificado por: Karen Martins Eliana T. Shimoda Lester Amaral Edilson Tsutomu Kishimoto Aprovado

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4

1. Objetivo 1. 2. Referências 1. 3. Condições gerais 1. 4. Condições específicas 1. 5. Inspeção 2. Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas 4 SUMÁRIO Pág. 1. Objetivo 1 2. Referências 1 3. Condições gerais 1 4. Condições específicas 1 DISTRIBUIÇÃO AUTOMÁTICA DE CÓPIAS 02.118-CONEM-0003 5. Inspeção 2 Tabela 1 - Características elétricas e mecânicas

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança para a luminária

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 13434 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE SINALIZAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 15/2011 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 3 Controle de fumaça natural em indústrias... 331 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Engenheiro Carlos Alberto Araujo de Queiroz CREA-RJ 1978104018 Legislação PORTARIA M.S. nº 3.523/98 RESOLUÇÃO RE-09/03 da ANVISA LEI ESTADUAL nº 4.192/03

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA

CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA CONTROLADOR MICROPROCESSADO DE DOIS ESTÁGIOS AHC-40 PARA CONTROLE DE UMIDADE RELATIVA DO AR E TEMPERATURA AHC-40 R CONTROLS GENUINAMENTE BRASILEIRA 1. APRESENTAÇÃO 5. Levante lentamente a ponta da mangueira

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: AIRES, LUMIAR FÊNIX, FÊNIX CONTR PETIT Obrigado por adquirir o VENTISOL. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o

Leia mais

Arranjo Físico (Layout)

Arranjo Físico (Layout) Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 2 - www.jlcarneiro.com - Introdução O espaço físico

Leia mais

REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 Termo de Adesão TERMO DE ADESÃO

REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 Termo de Adesão TERMO DE ADESÃO REGISTRO DE PREÇOS 003/2013 Página 1 de 10 TERMO DE ADESÃO que entre si celebram a MINAS GERAIS ADMINSTRAÇÃO E SERVIÇO S/A, na qualidade de Órgão Gestor e o (a), como Órgão Participante, para fins de participação

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 www.abnt.org.br 1 Quem é a ABNT? ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Entidade privada, sem fins lucrativos, de utilidade pública, fundada em 1940 Fórum Nacional de Normalização único Membro fundador

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

www.ipem.sp.gov.br facebook/ipemsp twitter.com/ipemsp

www.ipem.sp.gov.br facebook/ipemsp twitter.com/ipemsp www.ipem.sp.gov.br facebook/ipemsp twitter.com/ipemsp Capa Edifício Copan - Foto: Rubens Chiri - Banco de Imagens do Estado de São Paulo Ponte Estaiada - Foto: Rubens Chiri - Banco de Imagens do Estado

Leia mais

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário

ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO. Sumário Código: Un pç ILUMINADOR A LED PARA SEMÁFORO DE PEDESTRE COM CONTADOR REGRESSIVO 1 Objetivo 2 Referências Normativas 3 Definições 4 Requisitos Gerais 5 Requisitos Específicos 6 Funcionamento 7 Características

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 3 CONTROLE DE FUMAÇA NATURAL EM INDÚSTRIAS, DEPÓSITOS

Leia mais

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA

CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA CATÁLOGO DE ILUMINAÇÃO LED REPRESENTANTES DA MARCA SOBRE A SLOANLED o parceiro ideal SloanLED foi fundada em 1957 nos EUA, com a missão de projetar e desenvolver produtos de iluminação para as indústrias

Leia mais

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO

Procedimentos de Gestão da Qualidade. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Versão: 2 Pág: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Dr. Ivo Fernandes Gerente da Qualidade 01/09/2010 DE ACORDO Dr. Renato de Lacerda Diretor Técnico 02/09/2010 APROVADO POR Dr. Jose Carlos dos

Leia mais

MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO-GERAL DE SERVIÇOS DIRETORIA DE MATERIAL DE INTENDÊNCIA (DG INT DA GUERRA/1921)

MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO-GERAL DE SERVIÇOS DIRETORIA DE MATERIAL DE INTENDÊNCIA (DG INT DA GUERRA/1921) MINISTÉRIO DO EXÉRCITO DEPARTAMENTO-GERAL DE SERVIÇOS DIRETORIA DE MATERIAL DE INTENDÊNCIA (DG INT DA GUERRA/1921) DMI 024/2000-E PROPOSTA DE TEXTO-BASE DE NORMA DE ESPECIFICAÇÃO SUMÁRIO 1. OBJETIVO...

Leia mais

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão Roupas de Proteção Anti-Chamas Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão QUALYTEXTIL S.A. Empresa 100% brasileira. Líder em desenvolvimento e fabricação de EPI s especiais; Com a transparência de

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 660, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade

Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Universidade Federal do Rio Grande Escola de Química e Alimentos Engenharia de Alimentos Análise Sensorial e Controle de Qualidade Prof. Dra. Janaína Fernandes Medeiros Burkert Controle de Qualidade Histórico

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Guia de Instalação. Affinium LED Cooler Philips para refrigeradores Value Plus e Vision Plus LCM310.

Guia de Instalação. Affinium LED Cooler Philips para refrigeradores Value Plus e Vision Plus LCM310. Guia de Instalação Affinium LED Cooler Philips para refrigeradores Value Plus e Vision Plus 310. SPOT - Serviço Philips de Orientação Técnica Fone: 0800 979 19 25 (11) 2125-0635 Fax: (11) 2125-0735 E-mail:

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima

BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS. Alessandra Lima BOAS PRÁTICAS EM CONSULTÓRIOS MÉDICOS Alessandra Lima PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS 2005: 5 ENF 2006: 2 ENF 2007: 3 ENF CONSULTÓRIOS MÉDICOS 2009: 2 ENF 2008 3 ENF Necessidade de mudança do foco: Preocupação

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

07/07 276-05/00 072446 REV.2. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES

07/07 276-05/00 072446 REV.2. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES 07/07 276-05/00 072446 REV.2 www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES SOLUÇÃO DE PROBLEMAS Problema Luz que indica o funcionamento está apagada Odores estranhos

Leia mais

www.ekoambientes.com.br MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

www.ekoambientes.com.br MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO www.ekoambientes.com.br MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO Limpeza e conservação 5anos Armários / Portas / Tampos: utilizar pano limpo e macio ligeiramente umidecido com água (o bastante para a poeira aderir no

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus Arfox Júnior. Rev.0

MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus Arfox Júnior. Rev.0 MANUAL DO USUÁRIO RUA DO POMAR, 95/97 - VILA DAS MERCÊS 04162-080 SÃO PAULO - SP FONE/FAX: (011) 2165-1221 Site: www.control-liq.com.br - e-mail: atendimento@control-liq.com.br Calibrador Eletrônico de

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO

Leia mais

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO?

CALIBRAÇÃO 2 O QUE É CALIBRAÇÃO DE UM INSTRUMENTO DE MEDIÇÃO? DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVOS DESTE CAPÍTULO Determinar o que é calibração, por quê, o quê, quando, onde e como calibrar; Interpretar

Leia mais

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 11/13 1094-09-05 783912 REV.1 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO PCL1F Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Philco. Para garantir o

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança.

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Estabilidade, resistência a Raio X, facilidade de controle e manutenção, peso reduzido e características inovadoras. Descrição

Leia mais

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8

0932 INF 01/12. Pág. 1 de 8 Pág. 1 de 8 LABORÓRIO Laboratóro de ensaios da TÜV RHEINLAND DO BRASIL Técnico responsável Gerente Técnico do Laboratório Laboratório...: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Endereço...: Rua dos Comerciários,

Leia mais

Novos desafios na interpretação de seus requisitos

Novos desafios na interpretação de seus requisitos Novos desafios na interpretação de seus requisitos Com a evolução tecnológica, principalmente no campo da tecnologia da informação, e o constante processo de normalização em diversas disciplinas relacionadas

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012

DETECÇÃO DE AMÔNIA. Agosto / 2012 DETECÇÃO DE AMÔNIA Agosto / 2012 Industrial Scientific OLDHAM 100 anos de existência Um dos maiores fabricantes de detecção de gases do mundo Um dos líderes em vendas na Europa, EUA e AL. Cerca de 70%

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

Sistema de proteção por extintores de incêndio

Sistema de proteção por extintores de incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 021 Sistema de proteção por extintores de incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão:01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 32, DE 26 DE OUTUBRO DE 2005 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL

REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO NACIONAL OU INTERNACIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE EMBALAGEM E PRESERVAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS ADQUIRIDOS NO MERCADO 1. OBJETIVO Estabelecer requisitos mínimos para a preservação e a embalagem de equipamentos e materiais adquiridos

Leia mais

Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência)

Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência) GE Lighting Guia de Instalação Luminárias LED Lumination (Série BT Versão UL - Opção EL Luz de Emergência) DICAS DE SEGURANÇA IMPORTANTES AO UTILIZAR EQUIPAMENTO ELÉTRICO, DEVEM SEMPRE SER SEGUIDAS AS

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013

I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 I INTELAB REMEPE Encontro Técnico de Laboratórios Recife novembro 2013 As Redes Metrológicas Estaduais As Redes Metrológicas são específicas e tecnológicas pela atuação. Foram criadas espontaneamente pela

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado

Sistema Laminar Alto. Ecotelhado Sistema Laminar Alto Sistema Laminar Alto Objetivo O Sistema Laminar Alto tem como objetivo proporcionar a laje plana, uma cobertura vegetada para conforto térmico do ambiente interno e maior convívio

Leia mais

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom

CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom CATÁLOGO Network, Datacom e Telecom 20 GABINETES Linha EF São diversas opções de gabinetes tanto para ambientes limpos quanto para o chão de fábrica, que comportam de a 1.000 de equipamentos. GABINETES

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

Manual de instruções. Botões de comando Série 44

Manual de instruções. Botões de comando Série 44 Manual de instruções Botões de comando Série 44 1- Introdução A série 44 caracteriza-se pelo seu sistema modular de pelo seu sistema modular de elementos de contatos e, pela numerosa possibilidade de configuração

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição

ABNT NBR 9191:2008. Mara L. S. Dantas. Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Sacos com lixo infectante necessidade de controle na disposição Linha do Tempo da participação do IPT na normalização e controle 1991/ jan - IPT emite avaliação dos sacos para a Secretaria de Defesa do

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. INTRODUÇÃO O Colorímetro V8 Brasil é um equipamento desenvolvido com objetivo de proporcionar às oficinas de funilaria

Leia mais

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções

AC 3.1/0308. Adega Climatizada Manual de Instruções AC 3.1/0308 Adega Climatizada Manual de Instruções ISO9001: 2000 GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS A Tocave assegura ao comprador/usuário deste aparelho garantia contra defeitos de fabricação, pelo prazo de

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS

ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS ORIENTAÇÃO SOBRE INFORMAÇÕES OBRIGATÓRIAS EM VESTIMENTAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PARA RISCO QUÍMICO COM AGROTÓXICOS MÉTODO UTILIZADO As orientações constantes deste documento são uma compilação das exigências

Leia mais