A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL"

Transcrição

1 A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PELA INTERNET NO BRASIL Autor: Fábio Martins Ferreira OAB-DF nº Ultimamente temos visto uma forte expansão do mercado consumidor alavancado pelo crescente poder aquisitivo da população e, concomitantemente, à migração das pessoas de classes e e d para classes mais altas do mercado de consumo e da facilidade no acesso a cartões de crédito, fazendo com que essas pessoas se tornassem consumidores de produtos de tecnologia, tais como computadores e outros equipamentos de acesso à internet; bem como de produtos de vestuário, eletrodomésticos, máquinas e etc., além de contratações de serviços diversos, como cursos de línguas, graduações e pós-graduações, dentre outros. Esse crescimento teve grande importância no mercado de consumo virtual, fazendo com que pessoas físicas e empresas, interessadas na lucratividade desse novo nicho de mercado, criassem ou utilizassem paginas na Internet para demonstrar seus bens. Só no Brasil, o comércio eletrônico deve crescer em média 25% em 2013 com faturamento de R$ 28 bilhões e 50 milhões de e-consumidores 1. Os consumidores virtuais, assim como os consumidores convencionais, devem ser detentores dos mesmos direitos e obrigações em suas relações de consumo, não sendo tolerado qualquer detrimento por parte do cyberconsumidor somente pelo fato de ter transacionado utilizando a internet para alcançar o seu objetivo consumerista. Diante disso, o legislador deve garantir que essa nova modalidade de consumo seja realizada em conformidade com os fins esperados de qualquer relação de consumo, alcançando os objetivos do consumidor, que é adquirir produtos e serviços, e o do fornecedor, que é o lucro na venda de produto ou a prestação de serviços, superando todas as mazelas que possam lesionar tal relação. Com a facilidade que temos hoje em dia, no tocante a estar on-line e podermos fazer diversas operações em ambiente virtual, requer atenção especial nas ações em que são realizadas 1 Disponível em: < >. Acesso em 09 jul

2 pela internet, haja vista as variadas oportunidades disponíveis como, por exemplo, os sites de clubes de compras e de compras coletivas. Os clubes de compras geralmente são empresas legalmente constituídas que criam campanhas de vendas de um ou mais produtos de uma determinada marca e disponibiliza em seus sites com regras de compra, pagamento e entrega, ofertando tais produtos com descontos atraentes que podem chegar a 90% sobre os valores praticados no mercado. Essa modalidade de consumo não se limita a uma quantidade mínima de aquisição de produtos, porém os clubes de compras são de certa forma restritiva e os interessados para fazerem parte dos clubes necessitam ser indicados por associados, e suas participações devem ser precedidas de prévio cadastramento. Já os sites de compras coletivas são sítios que intermediam as vendas de produtos e/ou serviços. A participação dos interessados se faz por meio de um pequeno cadastro de seus dados pessoais e financeiros no ato da compra e sua participação está condicionada, na maioria das vezes, em uma quantidade mínima de unidades do bem colocado à venda, além de tal promoção ficar disponível para aquisições somente por um determinado período de tempo. O intuito dessa modalidade é tentar estabelecer uma fidelidade do potencial consumidor com o produto e sua marca, fazendo, de certa forma, uma espécie de publicidade, tendo em vista que muitas das vezes o bem posto à venda nesse veículo de comunicação e consumo não é conhecido da maioria dos consumidores ou esse é um serviço ou produto de uma pequena empresa. Para a realização de uma transação de compra e/ou venda de um determinado produto e/ou serviço prescinde da pactuação de um contrato, que no comércio virtual se dará de forma eletrônica. Os contratos eletrônicos são documentos que contém as cláusulas das relações tal qual um contrato estabelecido de forma presencial, podendo ter algumas diferenças no tocante ao modo como são estabelecidas e particularidades inerentes à forma da relação virtual. A Lei nº de 11 de setembro de 1990, conhecida como Código de Defesa do Consumidor, impõe que os fornecedores informem aos consumidores os seus direitos e obrigações antes da celebração do contrato, sob pena de não serem consideradas as cláusulas inseridas no contrato e, assim, sendo regido pelas normas gerais de direito inseridas no Código Civil. Dessa forma dispõe o artigo 46 do CDC que Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os consumidores que não lhes forem dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem regidos de modo a dificultar a compreensão de sentido e alcance. Ainda no CDC há regramento quanto aos contratos, onde no artigo 54, 4º diz que... as cláusulas que implicarem limitação de direito do consumidor deverão ser redigidas com destaque, permitindo sua imediata e fácil compreensão.

3 De forma bastante didática, Werson Rego sintetiza a proteção da legislação consumerista no que tange a proteção contratual, de modo geral, de três formas: a) a fase précontratual aquela que antecede ao momento de formação do vínculo jurídico, onde são desenvolvidas a oferta dos produtos e serviços, a divulgação publicitária e as negociações preliminares; b) a fase contratual onde as prestações dos contratantes são cumpridas, e que vai desde a formação do vínculo jurídico até o pagamento das prestações convencionais; e c) a fase pós-contratual aquela em que, mesmo após o adimplemento de todas as prestações ajustadas, são exteriorizados os efeitos dessas prestações, com prejuízo para uma das partes, no caso, o consumidor 2. Na definição de Letícia Canut, contrato eletrônico é... o negocio jurídico entre duas ou mais pessoas para entre si criar, modificar ou extinguir um vinculo jurídico, de natureza patrimonial, diante de declarações de vontade manifestadas por meio da internet 3. Mas o que é Comércio Eletrônico? Cláudia Lima Marques define comércio eletrônico, do ponto de vista da característica da impessoalidade, como [...] uma das modalidades de contratação não presencial ou à distância para a aquisição de produtos e serviços através de meio eletrônico ou via eletrônica. 4 Por outro lado, Letícia Canut distingue o comércio eletrônico em dois modos: modo indireto ou modo direto. O comércio eletrônico exercido de forma indireta consiste basicamente nas encomendas realizadas pela Internet, cujos produtos geralmente são entregues pelo serviço postal, após a efetivação do pagamento por parte do cliente. Já o comércio eletrônico direto corresponde ao pedido, pagamento e entrega on-line, de bens incorpóreos e serviços, tais como, programas de computador, músicas digitalizadas, livros e jogos eletrônicos, serviços de informação, entre outros. Semelhantemente ao aumento da utilização da internet nas relações de consumo vemos que os riscos de fraude em todos os aspectos também aumentam. As empresas de comércio eletrônico se preocupam cada vez mais com a segurança nas transações efetuadas eletronicamente, e tais medidas de segurança não se restringe apenas à recursos computacionais, como softwares de segurança e criptografia avançada e segura de comunicação entre o consumidor e o site na internet, mas também a conscientização dos consumidores sobre os cuidados ao realizarem relações com 2 WERSON Rego apud FILOMENO, José Geraldo Brito. 2010, p CANUT, Letícia. Proteção do Consumidor no Comércio Eletrônico. Curitiba: Juruá, 2008, p MARQUES, Cláudia Lima. Confiança no Comércio Eletrônico e a Proteção do Consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 38.

4 empresas idôneas e em manter seus dispositivos computacionais imunes a ameaças que poderão tornar as relações inseguras. As empresas têm essa preocupação, pois somente disponibilizando recursos seguros e uma relação de confiabilidade dos consumidores é que consolidará um grau satisfatório na manutenção do comércio eletrônico. Quanto aos vícios e defeitos nos produtos e na prestação de serviços inerentes à relação de consumo tradicional são também aplicáveis nas relações de consumo virtuais. O Código de Defesa do Consumidor pode ser considerada uma das mais avançadas legislações existentes em nosso ordenamento jurídico, pois engloba de forma muito abrangente os anseios dos consumidores, elevando seu status de hipossuficiência ao mesmo nível do fornecedor, ao especificar que os consumidores são vulneráveis técnico, jurídico e economicamente. As relações de consumo, tanto presenciais quanto virtualmente realizadas, devem ser pautadas em pressupostos que garantam equilíbrio entre os envolvidos, igualando os desiguais respeitando sempre suas desigualdades. O legislador cuidou da segurança dos consumidores mais uma vez ao estabelecer o instituto da inversão do ônus da prova. Nesse principio é asseguradas as hipossuficiências de ordem econômica, técnica e jurídica, bem como de natureza patrimonial, moral, estético e à imagem. Para sanar possíveis omissões ou não aplicação do CDC nas relações de consumo pela internet, está em tramitação no Congresso Nacional o projeto de lei n. 439 de 2011, de autoria do Senador Humberto Costa que objetiva obrigar a aposição nos sites de comércio eletrônico as informações relativas à titularidade da empresa ou pessoa física (CNPJ e CPF), o endereço de suas instalações e um meio de comunicação fora do espaço digital (Telefones ou Centrais de Atendimento), viabilizando assim a comunicação direta com os fornecedores. Na proposta ainda há normatização relativa à proibição de envio de oferta por meio eletrônico aos consumidores que não tenham solicitada, prática essa conhecida como Spam. Nas relações de consumo, seja ela tradicional ou virtual, deve ser assegurada à proteção das informações pessoais para a sua não utilização indevidamente. Em ambiente virtual, tal preocupação deve ser largamente ostensiva, tendo em vista que os dados estão dispostos em um ambiente acessível em qualquer lugar do planeta através de um equipamento de informática interligado à internet. Na busca de quebrar tal privacidade, os piratas virtuais utilizam de recursos computacionais conhecidos como spam, cookies ou spywares.

5 O termo Spam significa inundar e consiste segundo Rita Blum, em [...] distribuir amplamente correspondência indesejável e não solicitada na Internet através do envio de uma mensagem a um grande número de destinatários ou newsgroups. Tal prática vai de encontro à clausula pétrea inserida no art. 5º, X, da Constituição Federal, trazendo em seu texto que...são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação. Amaro Moraes e Silva Neto leciona quanto ao assunto no que tange os prejuízos dessa prática, exemplificando que: Economicamente, o spammer causa prejuízos de monta aos usuários da rede e aos provedores de acesso à Internet. Socialmente, coloca em risco o bom funcionamento da Web como um todo, podendo, potencialmente, até mesmo levá-la ao colapso. No pertinente à boa-fé, essa não lhe pode ser emprestada, pois que, com voluntariedade e acinte, ele se dispõe a invadir a privacidade de terceiros para perturbar sua tranquilidade 5. As relações de consumo efetuadas pela internet, de um modo genérico, já são juridicamente amparadas pelo atual Código de Defesa do Consumidor. Mesmo diante do fato de as normas em vigor não evidenciarem o e-commerce, é translúcido o esforço dos legisladores em normatizar as relações de consumo virtuais e amparar os cyberconsumidores quanto às particularidades, perigos e armadilhas que possam vir a enfrentar, estabelecendo sanções para o descumprimento das normas, sob pena dos consumidores continuarem desprotegidos. Não poderia ser de outra forma tal relação, como bem leciona Fábio Ulhoa Coelho, ao dizer que a circunstância de a venda ter se realizado num estabelecimento físico ou virtual em nada altera os direitos dos consumidores e os correlatos deveres dos empresários 6. Verifica-se que a legislação consumerista é condizente com as especificidades inerentes das relações estabelecidas por meio da internet e o trabalho do legislador em atualizar as normas de consumo de acordo com o e-commerce vem para suprir possíveis lacunas que possam dificultar a aplicação das normas intrínsecas do Código de Defesa do Consumidor nessa moderna modalidade de aquisição de produtos e serviços. 5 KAMINSKI, Omar (org.) e outros. Internet Legal: O Direito na Tecnologia da Informação. Curitiba: Juruá, 2003, p COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de Direito Comercial. 6 ed. São Paulo: Saraiva. 2006, p. 42.

6 De todo modo, há julgados recentes mostrando que o entendimento jurisprudencial está análogo, por exemplo, a última parte do art. 49 do CDC, reconhecendo que, ao trazer a palavra especialmente, deixou que se pudesse utilizar tal artigo nas relações virtuais realizadas via internet e, assim, assegurando os direitos do consumidor que adquiriu produtos ou serviços por meio da rede mundial de computadores. A internet disponibilizou aos consumidores a possibilidade de negociações em qualquer dia, qualquer horário e em qualquer lugar do mundo. E os fornecedores, com custo reduzido, podem disponibilizar produtos em suas lojas virtuais, que, da mesma forma, também estão disponíveis todos os dias. Claro que todo o esforço não se restringe somente ao legislador e à criação de diretrizes assecuratórias para o comércio virtual. A inobservância pelo consumidor dos cuidados em transacionar nos milhares de sites disponíveis na rede mundial poderá acarretar em danos à sua integridade moral, à privacidade e segurança, tendo ele a responsabilidade de preservar suas informações e arquivos digitais de terceiros. É, portanto, indubitável que as relações de consumo pela internet no Brasil evoluíram bastante nos últimos anos, e que tendem a se expandir ainda mais. O trabalho legislativo vem sendo de suma importância na atualização das normas consumeristas, adequando-as à realidade atual vivenciada nas fases pré, durante e pós-efetivação dos contratos eletrônicos; podendo este consumir com o devido grau de informação, segurança e satisfação, tendo sempre seus direitos respeitados. Em suma, mesmo que as normas inseridas no Código de Defesa do Consumidor não evoluam na mesma velocidade em que as modificações dos recursos tecnológicos, não podem os julgadores abster-se de aplicar as leis que estão em vigor aos contratos eletrônicos de consumo. Anseia o consumidor pelas propostas no projeto de lei alhures mencionado, pelo fato de muitas dessas normas serem regras de boa conduta e possuírem grande aceitabilidade e credibilidade dos fornecedores; entretanto os consumidores não podem aguardar a aprovação de uma nova lei para fazer valer seus direitos. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. É expressamente proibida a reprodução, salvo pequenos trechos, sempre mencionando a fonte. A violação dos direitos autorais é crime, conforme Lei nº 9.610/1998 e artigo 184 do Código Penal.

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO

CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO CONTRATO DE LICENÇA DE USO DE SOFTWARE PARA CENTRAL DE RASTREAMENTO Por este instrumento particular e melhor forma de direito, de um lado, Mundo 7 Soluções em Informática Ltda ME, estabelecida em AV ADALBERTO

Leia mais

E-commerce: a transformação do internauta em consumidor

E-commerce: a transformação do internauta em consumidor E-commerce: a transformação do internauta em consumidor Keyti Tamyris Simões Leite (FATEB) keyti.tamyris@gmail.com Camila Lopes Ferreira (FATEB/UTFPR) cmilalf@bol.com.br Resumo: Muitas empresas estão optando

Leia mais

Walter Aranha Capanema. O monitoramento das atividades. do usuário pelo provedor

Walter Aranha Capanema. O monitoramento das atividades. do usuário pelo provedor O monitoramento das atividades do usuário pelo provedor Walter Capanema Introdução: Embora o Brasil tenha criado uma importante legislação que proteja e garanta os direitos do consumidor (Lei 8.078/90),

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO LEIA COM ATENÇÃO ESTES TERMOS DE USO ANTES DE FAZER USO DOS SERVIÇOS OFERECIDOS PELO BLAH. SE VOCÊ NÃO CONCORDAR COM QUALQUER CONDIÇÃO DESTES TERMOS DE USO, NÃO USE O BLAH OU

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO Bem-vindo ao website do O Não-Monstro/The Not-Monster. Este Site, o livro virtual O Não-Monstro/The Not-Monster e todo seu conteúdo (o Site ) são controlados e operados por CAROLINE

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional.

DIREITO ELETRÔNICO. Palavras-chave: conceito; legislação subsidiária, direito penal, civil, consumidor, constitucional. 1 DIREITO ELETRÔNICO Samara Luna, aluna do 9º semestre do Curso de Direito do CEUNSP de Salto. RESUMO Este artigo tem por escopo traçar as primeiras linhas a respeito do Direito Eletrônico, tecendo breves

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS CONTRATO PARA REPRESENTAÇÃO DE SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito privado

Leia mais

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet?

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? 1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? Quando consumidor e fornecedor estiverem estabelecidos no Brasil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC)

Leia mais

ENTENDENDO A CERTIFICAÇÃO DIGITAL NO TST

ENTENDENDO A CERTIFICAÇÃO DIGITAL NO TST 1 ÍNDICE 1. O que é certificado digital? 2. Para que serve o certificado digital? 3. Para que serve o certificado digital no âmbito do TST? 4. Qual a legislação que envolve a certificação digital? 5. O

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. PARTES CONVÊNIO PARA UTILIZAÇÃO DO SISTEMA INTERNET BANKING O presente Convênio disciplina o uso do Sistema INTERNET BANKING ( INTERNET BANKING ) disponível na home page (www.br.bk.mufg.jp) de propriedade

Leia mais

Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet

Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet Publicado Decreto que regulamenta o Marco Civil da Internet Autores Raphael de Cunto André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Beatriz Landi Laterza Figueiredo Sócios e Associados de Pinheiro Neto Advogados

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA USO DO SITE BONDSCLUB PELOS PARCEIROS AFILIADOS CONSUMIDOR FINAL

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA USO DO SITE BONDSCLUB PELOS PARCEIROS AFILIADOS CONSUMIDOR FINAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA USO DO SITE BONDSCLUB PELOS PARCEIROS AFILIADOS CONSUMIDOR FINAL De um lado a empresa BONDS CLUB DE DESCONTOS LTDA., Pessoa Jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA DA FFB FACULDADE FARIAS BRITO Fortaleza CE 2010 Laboratórios de Informática A Faculdade Farias Brito tem um forte compromisso com a competência de seu

Leia mais

Perguntas Frequentes.

Perguntas Frequentes. O presente documento estabelece um conjunto de ações e condições gerais sobre o uso do FideliZii incluindo aqui o sistema, hardware e site da marca de propriedade da ViZii Comunicação Ltda. aqui determinada

Leia mais

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral.

Considerando que abrange, para os fins do presente termo, o bloqueio à ligações para telefones fixos e aparelhos de telefonia móvel em geral. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO CADASTRO DE BLOQUEIO DE LIGAÇÕES DE TELEMARKETING OFERECIDO PELA GERÊNCIA DE DEFESA E PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR PROCON/MA, NOS TERMOS DA LEI 9.053/2009,

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR

POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR POLÍTICA DE PRIVACIDADE DO SITE ATLETASPELOBRASIL.ORG.BR 1. INFORMAÇÕES PRELIMINARES 1.1. Nossa política de privacidade, às vezes, poderá ser modificada para atender eventuais necessidades. Verifique esta

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Pernambuco Curso de Engenharia Naval Departamento de Engenharia Mecânica REGULAMENTO LABORATÓRIO DE SIMULAÇÃO E VISUALIZAÇÃO (LSIVI) Este regulamento visa melhorar o aproveitamento dos recursos computacionais do Laboratório de Simulação e Visualização da Engenharia Naval, satisfazendo

Leia mais

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação

10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação 10º Seminário RNP de Capacitação e Inovação Mesa Redonda: CRIMES DIGITAIS Recife/PE, 1º de Dezembro de 2004. Apresentação: Omar Kaminski Direitos e Garantias Constituicionais: II - ninguém será obrigado

Leia mais

Contrato e Termos de Uso

Contrato e Termos de Uso Contrato e Termos de Uso Por favor, leia atentamente as condições abaixo descritas para que você possa usufruir dos serviços prestados pelo site e lembre-se que ao utilizá-los, você estará declarando ter

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 112/2009. Cria o Cadastro para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing, e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 112/2009. Cria o Cadastro para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing, e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 112/2009 Cria o Cadastro para Bloqueio do Recebimento de Ligações de Telemarketing, e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Art. 1º - Fica

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO TERMOS E CONDIÇÕES DE USO 1 DA ACEITAÇÃO DOS TERMOS E CONDIÇÕES DE USO... 2 2 DA PLATAFORMA DIGITAL DE APRENDIZAGEM... 2 3 DO CADASTRO... 2 4 DO REGISTRO DE DADOS PESSOAIS... 3 5 DA UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Pontos Obscuros do Cadastro Positivo dos Consumidores. Vera Maria Figueiredo Braunschweiger

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Pontos Obscuros do Cadastro Positivo dos Consumidores. Vera Maria Figueiredo Braunschweiger Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Pontos Obscuros do Cadastro Positivo dos Consumidores Vera Maria Figueiredo Braunschweiger Rio de Janeiro 2014 VERA MARIA FIGUEIREDO BRAUNSCHWEIGER Pontos

Leia mais

Introdução: Boas Práticas

Introdução: Boas Práticas Introdução: O presente Guia, elaborado pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisas ABEP tem por objetivo apresentar e orientar os profissionais responsáveis pela realização de pesquisas de mercado

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação.

A inserção injusta causa às pessoas / consumidores danos de ordem moral e em algumas vezes patrimonial, que, reconhecida gera o direito à reparação. 1.1 - Introdução Infelizmente o ajuizamento de ações de indenização por danos materiais e principalmente morais em face de empresas por inclusão indevida do nome de seus clientes em órgãos de proteção

Leia mais

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM

TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM TERMO E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DA PLATAFORMA HELLO FARM J HELLO FARM SERVIÇOS DE TECNOLOGIA LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 23.694.884/0001-27, doravante denominada simplesmente como Hello Farm, adota

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015

RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 RESOLUÇÃO Nº 1338/2015 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado da Bahia (TCM-BA). O TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas

Leia mais

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

CONTRATO BR TEMPORADA BR TEMPORADA: AVISO LEGAL TERMOS DE USO DO SERVIÇO

CONTRATO BR TEMPORADA BR TEMPORADA: AVISO LEGAL TERMOS DE USO DO SERVIÇO CONTRATO BR TEMPORADA Pelo presente instrumento particular, Ricardo Carvalho Pinto, CPF/CNPJ: 91213819768, E-mail: harashmc@hotmail.com; do endereço de IP: 200.162.245.5 doravante simplesmente CONTRATANTE,

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos

Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS E USUÁRIOS. CAPÍTULO I Dos Objetivos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL CATALÃO UNIDADE ACADÊMICA ESPECIAL DE MATEMÁTICA E TECNOLOGIA Regulamento do Laboratório de Controle Operacional - LCO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

Noções de Direito e Legislação em Informática

Noções de Direito e Legislação em Informática P rojeto : Noções de Direito Lei 9609, Lei 9610, Lei 12737 e Marco Civil da Internet. 2016 Noções de Direito e Legislação em Informática Lei 9609, Lei 9610, Lei 12737 e Marco Cívil da Internet. Jalles

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA

PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS E MARCO CIVIL DA INTERNET DANILO DONEDA ANATEL ABRIL 2016 O QUE É PRIVACIDADE E PROTEÇÃO DE DADOS? POR QUE PROTEGÊ-LAS? COM O QUE PROTEGÊ-LAS? LEI E LEGISLAÇÃO O QUE É PRIVACIDADE

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO WI-FI

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO WI-FI TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO WI-FI O presente termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 40.432.544/0001-47,

Leia mais

Linguagem. Documento D O C U M E N T O FÍSICO DIGITAL

Linguagem. Documento D O C U M E N T O FÍSICO DIGITAL Paradigma Do papel ao digital Linguagem FÍSICO Documento DIGITAL 01100100 01101111 01100011 01110101 D O C U 01101101 01100101 01101110 01110100 01101111 M E N T O Documento Consideram-se documentos quaisquer

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DATA: 25/01/2016 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2 25/01/2016 ÁLVARO BARBOSA SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 3 II. PAPÉIS E RESPONSABILIDADES... 4 II.1 - COMITÊ EXECUTIVO... 4 II.2 - CONTROLES

Leia mais

SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1. Camila Duarte 2.

SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1. Camila Duarte 2. SPAM: A PRAGA DIGITAL DO SÉCULO E A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO À LUZ DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR 1 Camila Duarte 2. 1 MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO 2

Leia mais

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO

O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO O CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR NA IMPORTÂNCIA PARA O COMÉRCIO ELETRÔNICO Carolina Cicarelli GUASTALDI 1 RESUMO: O presente trabalho tem como meta analisar o Código de Defesa do Consumidor como instrumento

Leia mais

CÂMARA DE VEREADORES DE ITAQUI - RS PALÁCIO RINCÃO DA CRUZ

CÂMARA DE VEREADORES DE ITAQUI - RS PALÁCIO RINCÃO DA CRUZ ORDEM DE SERVIÇO Nº 01-2012 O Presidente,Vereador LAURO LUIZ HENDGES, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 35, inciso V do Regimento Interno, Considerando a necessidade de regulamentar a utilização

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA EAD CONTRATANTE: A PESSOA FÍSICA identificada no formulário de matrícula do curso, que, para todos os efeitos,

Leia mais

CONTRATO PARTICULAR DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS

CONTRATO PARTICULAR DE ADESÃO AO PROGRAMA DE AFILIADOS Pelo presente instrumento particular, as partes a seguir identificadas, de um lado T A Soluções em Marketing Digital Ltda, empresa devidamente inscrita no CNPJ/MF sob nº 03.007.331/0001-41, situada na

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO E ADESÃO

TERMO DE PARTICIPAÇÃO E ADESÃO TERMO DE PARTICIPAÇÃO E ADESÃO CEBEM CENTRO DO BEM ESTAR E QUALIDADE DE VIDA PROJETO VIDA PLENA GUARAPUAVA PR TERMO DE PARTICIPAÇÃO E ADESÃO FUNDAMENTOS: A Filosofia de trabalho do CEBEM é a frase Eu vim

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO

CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CONTRATO PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 036/2015 CONVITE Nº 007/2015 CONTRATO CONTRATO QUE FAZEM ENTRE SI A CÂMARA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE, COM RESULT ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA, PARA A CESSÃO DE USO, NA FORMA DE

Leia mais

TERMOS DE SERVIÇOS 1. DECLARAÇÃO DE VONTADE

TERMOS DE SERVIÇOS 1. DECLARAÇÃO DE VONTADE TERMOS DE SERVIÇOS Este Contrato de Licença de Usuário Final ( EULA ) é um acordo legal entre o usuário pessoa física ou jurídica (o USUÁRIO ) e a Nideia Tecnologia Ltda., empresa estabelecida nesta cidade

Leia mais

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS.

LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO CONCORDO VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO APLICATIVO OMNI CARTÕES LEIA AS INFORMAÇÕES E O TERMO DE USO ABAIXO COM ATENÇÃO. AO CLICAR NO BOTÃO "CONCORDO" VOCÊ, ESTARÁ ADERINDO INTEGRALMENTE AOS SEUS TERMOS. A OMNI CARTÕES

Leia mais

TERMO DE USO DO SISTEMA CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (SISTEMA CARTÃO) POR OPERADORAS DE PLANOS PRIVADOS DE SAÚDE

TERMO DE USO DO SISTEMA CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (SISTEMA CARTÃO) POR OPERADORAS DE PLANOS PRIVADOS DE SAÚDE TERMO DE USO DO SISTEMA CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE (SISTEMA CARTÃO) POR OPERADORAS DE PLANOS PRIVADOS DE SAÚDE 1. Como parte do projeto de emissão do Cartão Nacional de Saúde para beneficiários de planos

Leia mais

Responsabilidade na Internet

Responsabilidade na Internet Responsabilidade na Internet Papos em Rede 26/01/2012 Glaydson Lima Advogado e Analista de Sistema @glaydson glaydson.com http://delicious.com/glaydsonlima/paposemrede Responsabilidade por publicação direta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57

RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 RESOLUÇÃO Nº 529, DE 23 DE MAIO DE 2016 Documento nº 00000.029651/2016-57 Dispõe sobre o uso de Certificado Digital no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA AGÊNCIA DE ÁGUAS-ANA,

Leia mais

TERMO DE USO PORTALRX

TERMO DE USO PORTALRX TERMO DE USO PORTALRX Nossa empresa, SOLLIS Soluções Integradas à Saúde Ltda. ( SOLLIS ), pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n.11.712.447/0001-00, com sede na Av. professor Lineu

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Venda Casada nos Contratos Bancários. Raul Pereira

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Venda Casada nos Contratos Bancários. Raul Pereira Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Venda Casada nos Contratos Bancários Raul Pereira Rio de Janeiro 2014 RAUL PEREIRA Venda Casada nos Contratos Bancários Artigo Científico apresentado

Leia mais

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP

Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP Portaria UNESP - 385, de 25-06-2012 Baixa o Regulamento Geral para Uso e Administração de Recursos de Tecnologia da Informação e Comunicação na UNESP O Vice-Reitor no Exercício da Reitoria da Universidade

Leia mais

TERMOS DE USO. Decathlon.com.br

TERMOS DE USO. Decathlon.com.br TERMOS DE USO Decathlon.com.br INTRODUÇÃO 1 - RECURSOS OFERECIDOS PELO SITE 2 - CONDIÇÕES DE USO 3 - DEPÓSITO DE CONTEÚDO NO SITE 4 - CONDUTA NO SITE 5 - DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL 6 - RESPONSABILIDADE

Leia mais

Contrato de Comodato de Equipamentos

Contrato de Comodato de Equipamentos Contrato de Comodato de Equipamentos ELITEINFOR com sede na Cidade de Lagoa Grande / PE, na Rua Joaquim Nabuco, 175, Centro, CEP: 56395-000, inscrita no CNPJ sob n.º 13.636.627/0001-85, doravante denominado

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180

Parecer formulado em 10 de janeiro de 2014 Consultor Jurídico do SINDI-CLUBE Dr. Valter Piccino OAB/SP 55.180 Novas disposições do estatuto social necessárias à postulação de incentivos fiscais e manutenção da isenção do imposto de renda da pessoa jurídica das associações sem fins lucrativos. Parecer formulado

Leia mais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais

Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Comentários e Sugestões Acerca do Anteprojeto sobre Proteção de Dados Pessoais Equifax do Brasil Ltda., empresa com mais de 100 anos de existência e presente em mais de 15 países, tendo iniciado suas atividades

Leia mais

TERMOS DE USO DO WEBSITE

TERMOS DE USO DO WEBSITE TERMOS DE USO DO WEBSITE Este Termo de Uso apresenta as "Condições Gerais" aplicáveis ao uso dos serviços oferecidos por PB COMERCIO & TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LTDA - ME, sociedade limitada, inscrita no

Leia mais

Art.2º O Correio Eletrônico Institucional será composto por 3 (três) tipos de serviços de e-mail distintos: I pessoal; II setorial; e III - lista.

Art.2º O Correio Eletrônico Institucional será composto por 3 (três) tipos de serviços de e-mail distintos: I pessoal; II setorial; e III - lista. DECRETO nº 1784, de 13 de fevereiro de 2012 Disciplina a criação de e-mail institucional para todos os servidores da Administração Direta do Poder Executivo do Município de Contagem. A PREFEITA DO MUNICÍPIO

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor. Ângela Cristina Roque

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor. Ângela Cristina Roque Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor Ângela Cristina Roque Rio de Janeiro 2014 ANGELA CRISTINA ROQUE Direito de Arrependimento

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES:

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES: TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE USO DO SITE E CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS AO ALUNO (ANEXO POLÍTICA DE PRIVACIDADE E POLÍTICA DE TROCA E DEVOLUÇÃO) IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTES: Pelo presente instrumento,

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

Regulamento Básico: compras, contratos, alienações e transferência de tecnologia

Regulamento Básico: compras, contratos, alienações e transferência de tecnologia Regulamento Básico: compras, contratos, alienações e transferência de tecnologia RNP Rede Nacional de Ensino e Pesquisa Distribuição RNP Administração, Regulamento básico, Contratação, Obras, Serviços,

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO REGULAMENTO DA PROMOÇÃO COMBO TRIO Esta Promoção é realizada pela COMERCIAL CABO TV SÃO PAULO S/A, com sede na Capital do Estado de São Paulo, na Rua Dr. Rafael de Barros, 209 8º andar Bairro Paraíso e

Leia mais

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da

MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Centro Educacional MENINO JESUS Educando para a Paz e o respei t o à vi da Rua Esteves Júnior, 696 CEP: 88015-130 Fone/Fax: (48) 3251-1900 Centro - Florianópolis - SC www.meninojesus.com.br P O L Í T I

Leia mais

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO

DIREITO ELETRÔNICO. Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO DIREITO ELETRÔNICO Liliane Krauss 1 (Faculdade de Direito de Salto) RESUMO Este trabalho tem como finalidade o estudo do direito eletrônico, devido a ser um assunto bastante recente, bem como a sua aplicação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA

REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA 1. OBJETIVO REGULAMENTO DA CAMPANHA FIDELIDADE PREMIADA 1.1 Fidelidade Premiada é uma campanha pontual com sorteios de prêmios desenvolvida pelo SPORT CLUB INTERNACIONAL visando a conquista de novos sócios

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ASSESSORIA TÉCNICA DIVISÃO DE APOIO TÉCNICO PORTARIA Nº 018/DIAT/ASTEC/SEMAD Porto Velho, 17 de dezembro de 2007. Normatiza os procedimentos e critérios para uso e segurança dos equipamentos de informática e banco de dados da Prefeitura de Porto

Leia mais

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado.

TERMOS DE USO. a A duração do(s) curso(s) da CONTRATADA terão tempo de duração determinado. TERMOS DE USO 1. O acesso ao(s) curso(s) contratado(s) só será efetivado com o correto preenchimento do cadastro de inscrição e após a confirmação do pagamento, conforme especificações no item 4 5, abaixo.

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

PEI Peticionamento eletrônico de importação

PEI Peticionamento eletrônico de importação PEI Peticionamento eletrônico de importação MÔNICA FIGUEIREDO P VPA F J O I NVILLE RESOLUÇÃO - RDC Nº 74, DE 2 DE MAIO DE 2016 Os processos protocolados eletronicamente deverão conter a documentação prevista

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O MOVIMENTO DAS DONAS DE CASA E CONSUMIDORES DE MINAS GERAIS MDC, doravante denominada OSCIP, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o n. 20.966.842/0001-00, com

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira.

Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Universidade Federal do Pará. Centro Sócio Econômico. Curso Ciências Contábeis. Disciplina: Administração Financeira. Professor: Héber Lavor Moreira. Silvanda de Jesus Aleixo Ferreira 0201002501 Belém-PA

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E.

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ARQUIVO DO TEATRO NACIONAL D. MARIA II, E.P.E. Preâmbulo A Biblioteca Arquivo do Teatro Nacional D. Maria II, E.P.E., também designada por B A, é responsável pela salvaguarda

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL BOLSA DE INGLÊS NO YÁZIGI

REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL BOLSA DE INGLÊS NO YÁZIGI REGULAMENTO DO CONCURSO CULTURAL BOLSA DE INGLÊS NO 1. Objeto e Prazo YÁZIGI 1.1. O Concurso Cultural BOLSA DE INGLÊS NO YÁZIGI será promovido pela RÁDIO ELDORADO FM JOINVILLE LTDA., inscrita no CNPJ sob

Leia mais

DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA

DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA DE ÉTICA E MANUAL DISCIPLINA 2 www.upessencia.com.br MANUAL DE ÉTICA E DISCIPLINA ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 MONTAGEM, ARTICULAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA REDE DE NEGÓCIOS 2. IDENTIFICAÇÃO 3. EXPLICAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS

CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS CONTRATO DE CESSÃO DE DIREITO DE USO (LICENÇA) DO BOMBIRÔ PLATAFORMA ONLINE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO RELACIONADOS ATENÇÃO: Ao selecionar a opção Eu aceito os termos de licença e uso do BomBirô

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ANUNCIANTES MANUAL DE GOVERNANÇA 2015 ABA MANUAL DE GOVERNANÇA I. INTRODUÇÃO É norma e política da Associação Brasileira de Anunciantes ("ABA"), o estrito cumprimento de todas

Leia mais

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS

EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS EXTRATO DE CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS SCHULTZ-INGÁ TURISMO LTDA, pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ/MF sob o n.º 04.628.135/0001-57 com sede na cidade de Curitiba, estado do

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DA GAEC EDUCAÇÃO S.A. SEÇÃO I DEFINIÇÕES 1. Os termos e expressões relacionados abaixo, quando utilizados nesta Política, terão o seguinte significado: 1.1.

Leia mais

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor

www.aluminiocba.com.br Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário Fornecedor Manual do Usuário - Fornecedor Versão 1.2 Página 2 CBA Online Manual do Usuário Fornecedor Versão 1.2 3 de agosto de 2004 Companhia Brasileira de Alumínio Departamento de Tecnologia

Leia mais

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores.

Os Promotores e ou Afiliados podem incentivar outras pessoas a Divulgarem e comercializarem os serviços, tornando-se seus patrocinadores. Liquida Net Rogério Richard - ME. Atua na área de Assinaturas de Lojas, e utiliza um plano de marketing que incentiva e apoia o uso e a divulgação de seus serviços através de uma Rede de Promotores autônomos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE COMÉRCIO E SERVIÇOS DEPARTAMENTO NACIONAL DE REGISTRO DO COMÉRCIO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 109, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Dispõe

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS CÓDIGO DE ÉTICA, MANUAL DE CONDUTA E PROCEDIMENTOS A quem se destina este Manual Este manual reúne o conjunto de normas e procedimentos a serem seguidos por TODOS aqueles que trabalham na S.C.C.V.M. S/A,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA CONTRATO DE ADESÃO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DA LINHA DA ECONOMIA FAMILIA Por este instrumento, em que são partes: de um lado a TELEFÔNICA BRASIL S.A., concessionária do Serviço Telefônico Fixo

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA SOROVALE DE BENEFÍCIOS - ALIMENTAÇÃO

CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA SOROVALE DE BENEFÍCIOS - ALIMENTAÇÃO CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA SOROVALE DE BENEFÍCIOS - ALIMENTAÇÃO Pelo presente contrato e na melhor forma de direito, as Partes, de um lado, SOROVALE ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS S/A, pessoa

Leia mais

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S

C Â M A R A D O S D E P U T A D O S REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 518-A DE 2010 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 12 DE 2011 Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas naturais ou de

Leia mais

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores:

Processo Eletrônico. Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Processo Eletrônico Produto das revoluções tecnológicas; Consequência direta da EC 45/04; Princípios norteadores: Princípio da Universalidade; Princípio da Uniquidade; Princípio da Publicidade; Princípio

Leia mais

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP

REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP REGULAMENTO PARA USO DOS COMPUTADORES DO LABORATORIO DE INFORMATICA E BIBLIOTECA DA FACULDADE ESEFAP CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade facilitar e democratizar

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA TERMOS E CONDIÇÕES DE USO CLARO INTERNET CASA O presente termo tem a finalidade de regular as relações entre a CLARO S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no CNPJ/MF sob o nº.

Leia mais

Parágrafo Terceiro. O caixa do ICP não poderá conter valores elevados, mas somente o suficiente para realizar pequenas compras ou pagamentos.

Parágrafo Terceiro. O caixa do ICP não poderá conter valores elevados, mas somente o suficiente para realizar pequenas compras ou pagamentos. Regulamento interno para aquisição de bens e contratação de obras e serviços, do ICP, com fundamento na Lei nº 8.666 de 21 de junho de 1993, e na Instrução Normativa nº 01/97 da Secretaria do Tesouro Nacional.

Leia mais

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO + Benefícios Sonora 10 e Terra TV Vídeo Store

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO + Benefícios Sonora 10 e Terra TV Vídeo Store REGULAMENTO Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO + Benefícios Sonora 10 e Terra TV Vídeo Store Esta Promoção é realizada pela Telecomunicações de São Paulo S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano

Leia mais

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet

TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO. 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet TERMO DE PARCERIA e POLÍTICA DE USO 1. Considerações preliminares do Portal e aplicativos Vets4Vet 1.1 O Portal Vets4Vet, encontrado na internet sob o domínio www.vets4vet.com.br, tem por objetivo aproximar

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA

REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA REGULAMENTO PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA Este documento descreve as práticas gerais de uso do PROJETO SERVIÇOS E CIDADANIA do Grupo Paranaense de Comunicação, administrado pelo Instituto GRPCOM. O PROJETO

Leia mais

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DA REDE DE COMPUTADORES DA FACULDADE CENECISTA DE OSÓRIO 1. INTRODUÇÃO O presente documento define o regulamento para o uso apropriado da rede de computadores da Faculdade Cenecista

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PINHO

CÂMARA MUNICIPAL DE PINHO CÂMARA MUNICIPAL DE PINHO LICENCIAMENTO DE PROGRAMAS DE INFORMÁTICA LICENCIADORA: EQUIPLANO SISTEMAS LTDA. Endereço : Rua Ernesto Piazzetta, 202 Cidade : Curitiba Estado: Paraná CNP J: 76.030.717/0001-48

Leia mais

CONTRATO DE ASSINATURA ENTRE O SITE PAPRIKA E ASSINANTE

CONTRATO DE ASSINATURA ENTRE O SITE PAPRIKA E ASSINANTE CONTRATO DE ASSINATURA ENTRE O SITE PAPRIKA E ASSINANTE Agência Thinkers Comunicação Ltda, pessoa jurídica, com sede em São Paulo, inscrita no CNPJ sob o n 15.587.615/0001 33, doravante denominada simplesmente

Leia mais