AMPLIAÇÃO DR - CLIMATIZAÇÃO PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMPLIAÇÃO DR - CLIMATIZAÇÃO PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO"

Transcrição

1 AMPLIAÇÃO DR - CLIMATIZAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente

2 MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO OBRA: Ampliação DR - Climatização LOCALIZAÇÃO: Rodovia Ademar Gonzaga, nº Bairro Itacorubi Florianópolis - SC PROPRIETÁRIO: FIESC Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO: Artur Beck Neto Eng. Mecânico - CREA/SC Pág. 2

3 SUMÁRIO 1. DESCRIÇÃO GERAL OBJETIVO NORMAS E CÓDIGOS DESCRIÇÃO DAS ÁREAS A SEREM ATENDIDAS DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO PREMISSAS DE CÁLCULO LOCALIZAÇÃO CONDIÇÕES EXTERNAS DE PROJETO CONDIÇÕES INTERNAS DE PROJETO OUTRAS CONSIDERAÇÕES CARGA TÉRMICA CADERNO GERAL DE ENCARGOS DO FORNECEDOR OBJETIVO ATENDIMENTO AO MEMORIAL SERVIÇOS ABRANGIDOS NESTE MEMORIAL CÓDIGOS, NORMAS, LICENÇAS E IMPOSTOS LEVANTAMENTO EM CAMPO DOCUMENTOS E DESENHOS PARA APROVAÇÃO ALTERNATIVA AO ESPECIFICADO PROTEÇÃO DE EQUIPAMENTOS, COMPONENTES E MATERIAIS PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO SERVIÇOS AUXILIARES DE CONSTRUÇÃO CIVIL ENVOLVIMENTO COM OS DEMAIS PARTICIPANTES DA OBRA MATERIAIS, ARMAZENAMENTO E MÃO DE OBRA VIBRAÇÕES E RUÍDOS BASES E SUPORTES Pág. 3

4 3.15. PROTEÇÕES DE SEGURANÇA (OPERAÇÃO/ MANUTENÇÃO) ACESSOS PARA MANUTENÇÃO E REGULAGEM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS TRANSPORTE, SEGUROS E OUTROS EQUIPAMENTOS MECÂNICOS INTRODUÇÃO CLIMATIZADORES MODULARES TUBULAÇÃO HIDRÁULICA SUPORTES LIGAÇÕES DE TUBOS E ACESSÓRIOS ISOLAMENTO TÉRMICO, ACABAMENTO E REVESTIMENTO VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS DE REGULAGEM DE FLUXO VÁLVULAS DE RETENÇÃO FILTROS PARA ÁGUA CONEXÕES FLEXÍVEIS MANÔMETROS CHAVES DE FLUXO Pág. 4

5 1. DESCRIÇÃO GERAL Este Memorial Descritivo visa determinar as condições técnicas de fornecimento e instalação do Sistema de Ar Condicionado para ambientes da FIESC Ampliação OBJETIVO Deseja-se ao final dos serviços que os sistemas acima funcionem de forma totalmente operacional, de modo que o fornecimento de materiais, equipamentos e mão de obra deverão ser previstos de forma a incluir todos os componentes necessários para tal, mesmo aqueles que embora não claramente citados, sejam necessários para atingir o perfeito funcionamento de todo sistema NORMAS E CÓDIGOS Deverão ser observadas as Normas e Códigos de Obras aplicáveis ao serviço em pauta, sendo que as prescrições da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) serão consideradas como elementos de base para quaisquer serviços ou fornecimento de materiais e equipamentos. Na falta desta ou onde a mesma for omissa, deverão ser consideradas as prescrições, indicações e normas das entidades abaixo relacionadas e demais entidades constantes neste Memorial Descritivo: NBR , 2, Instalações de ar condicionado Sistemas centrais e unitários. ANSI/ASHRAE Standard , Practice for measurement, testing, adjusting and balancing of building hearing, ventilating, air conditioning and refrigeration systems. ANSI/ASHRAE ventilation for acceptable indoor air quality Portaria nº de 28/08/98 do Ministério da Saúde Pág. 5

6 1.3. DESCRIÇÃO DAS ÁREAS A SEREM ATENDIDAS As áreas a serem atendidas correspondem ao Bloco de Ampliação das Edificações do Complexo FIESC. Detalhes da construção deverão ser consultados no projeto arquitetônico DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO Generalidades Um sistema de climatização busca o conforto térmico do ambiente onde está instalado. Os sistemas de refrigeração adotados serão do tipo de expansão indireta, a partir do aproveitamento da sobra de água gelada existente no sistema. A temperatura, umidade e velocidade do ar serão as variáveis controladas para que se consiga um ambiente termicamente confortável. De acordo com os cálculos de carga térmica para se conseguir um conforto térmico nos ambientes ocupados serão necessários um total 107,5 TR. Todo o trabalho de instalação das unidades será de responsabilidade do instalador do sistema de ar condicionado. Antes de instalá-las, deverão ser executados serviços de manutenção e limpeza, de modo que estes equipamentos sejam entregues em perfeitas condições de uso Descrição do Sistema Expansão Indireta Trata-se da implantação e um sistema de climatização do tipo expansão indireta, com resfriamento e desumidificação de ar em climatizadores instalados em ambientes próprios centrais de climatização, sistema de dutos para levar o ar tratado da central aos ambientes a serem climatizados, sistema complementar de renovação de ar, bem como captação e expurgo de ar. A seguir são colocadas as características técnicas e funcionais mais relevantes do sistema. O sistema de climatização é constituído por uma central de resfriamento de água existente, uma rede de distribuição de água Pág. 6

7 gelada e unidades de tratamento de ar, uma rede de dutos para levar o ar tratado aos ambientes a serem climatizados e um sistema de renovação de ar, incluindo todos os componentes para acionamento elétrico e automação do sistema. Os tubos de condução de água gelada partem da rede principal existente no pavimento térreo, sendo dirigidos para o novo prédio de ampliação, atingindo os climatizadores por meio de prumada vertical, conforme indicado no projeto. Em cada conjunto de climatizadores, os tubos de distribuição ou ramal de distribuição é provido de válvula de balanceamento hidráulico para ajuste da vazão de água, associada à uma válvula reguladora de pressão. Este conjunto em cada ramal tem o propósito de garantir o suprimento de água adequado à demanda instantânea do ramal, independentemente das flutuações de vazão nas demais áreas do prédio. O sistema de climatização é complementado por um sistema de renovação de ar forçado, que atua de forma a garantir a renovação de ar das áreas ocupadas do prédio. Ar primário tratado é conduzido ao interior da central de climatização e misturado com o ar de retorno dos ambientes climatizados de modo a ser garantida a qualidade do ar externo, atendendo à regulamentação da ANVISA. Uma parcela de ar dos ambientes climatizados, exatamente igual à quantidade do ar fresco insuflado, é expurgada através sistema forçado, disposto na central de climatização Dutos de Distribuição de Ar Quando não especificamente indicado, deverão ser confeccionados em chapas de aço galvanizado, termicamente isolados. Não serão aceitos dutos montados em placas autoportantes de lã de vidro. As chapas utilizadas para construção dos dutos deverão ter a bitola de acordo com a NB-10/78 - Instalações centrais de ar condicionado para conforto - parâmetros básicos de projeto (NBR- 6401), cuja tabela é a seguinte: Pág. 7

8 Espessuras Circular Retangula Alumínio Aço Galvanizado r lado Helicoidal Calandrado maior Bitola mm Bitola mm (mm) (mm) (mm) 24 0, ,50 Até 225 Até 450 Até , , a a a a 20 0, , a a a 1410 a 18 1, , a a 1510 a 2110 a 16 1, , São os seguintes os materiais permitidos para fabricação de dutos de ar: 1. Aço galvanizado: conforme PB-315/81; 2. Chapas de aço carbono zincadas por imersão a quente - requisitos gerais (NBR-7013), EB-649/ Chapas de aço carbono zincadas pelo processo contínuo de imersão a quente (NBR-7008) e MB-5/88 - Produto metálico - ensaio de dobramento semiguiado (NBR-6153); Deverão ser utilizados para dividir o fluxo de ar em derivações (registro divisório ou splitter), construídos em chapa de aço galvanizado bitola # 16, com aletas apoiadas em eixos com mancais reforçados em náilon e moldura externa. O acionamento deverá ser efetuado mediante alavanca externa, dotada de dispositivo de fixação e indicação do sentido de abertura Conexão a Equipamentos e Elementos de Distribuição de Ar Basicamente, as conexões realizadas a equipamentos e a elementos de distribuição de ar deverão ser executadas através de: Pág. 8

9 Lonas flexíveis em tecido de 16 onças ou lona plástica, no caso de equipamentos tais como unidades condicionadoras de ar, ventiladores, etc. Saídas estáticas, dotadas de captores de ar ou de um dos lados inclinados à 45 o, no caso de dutos rígidos conectados a elementos de distribuição de ar tais como grelhas, difusores, etc. Aberturas circulares (ou ovais), conectadas a dutos do tipo flexíveis, no caso de elementos de distribuição de ar dotados de caixa plenum Suportação Será através de tirantes executados em cantoneiras ou barra chata, sendo o tipo e dimensões definidos em função da largura do duto e de sua distância em relação ao ponto de fixação. Os tirantes deverão ser fixados na laje ou vigas, com espaçamento máximo de 1,5 metros. Serão tratados contra corrosão e pintados com tinta a base de resina epoxi, obedecendo as prescrições do fabricante (fabricante de referência Renner, tipo Revran - Primer de Alta Resistência) Isolamento Térmico Externamente deverão ser isolados com manta de lã de vidro, densidade 20 kg/m3, espessura 25 mm, com revestimento em papel Kraft aluminizado, coladas ao duto por clavos auto-adesivos na face horizontal inferior, e fixadas por fita adesivas com camada externa em alumínio em todas as juntas Estanqueidade Todos os dutos deverão ser "estanques, devendo ter suas juntas e flanges vedadas com borracha de silicone, de modo a garantir sua estanqueidade (fabricante de referência Dow-Corning, modelo Silastic-732 RTV ou Rhodia, modelo Rhodiastic-666 ). Pág. 9

10 Portas de inspeção A cada dois metros deverá haver, no duto de insuflamento, posteriormente a última etapa de filtragem, portas de acesso para limpeza de fácil remoção, porém com vedação perfeita, no mesmo padrão dos dutos Difusores Os difusores deverão ser em perfis de alumínio, com as características indicadas nos desenhos, sendo basicamente: Difusores quadrados ou circulares dotados de registro de regulagem de vazão do tipo lâminas opostas e caixa plenum conforme especificado nos desenhos de projeto Sistema de retorno A captação do ar de retorno nos ambientes será feita por venezianas instaladas na parede da casa de máquinas onde o ar será conduzido por diferença de pressão Suprimento de Ar Exterior A renovação de ar na casa de máquinas será feita por meio de uma veneziana de ar externo, com regulagem vazão suficiente para atender todos os ocupantes do recinto. Para garantir que ocorra esta tomada de ar externo será instalado um gabinete de ventilação que fará o expurgo (exaustão) de um parte do ar de retorno, garantindo que mesma quantidade de ar retirado do ambiente interno seja tomado do ambiente externo por diferença de pressão. 2. PREMISSAS DE CÁLCULO 2.1. LOCALIZAÇÃO Pág. 10

11 Salvador Florianópolis SC Altitude: 8 metros CONDIÇÕES EXTERNAS DE PROJETO Temperatura de bulbo seco 32 ºC Umidade relativa +/- 80% 2.3. CONDIÇÕES INTERNAS DE PROJETO Temperatura de bulbo seco 25 ºC Umidade relativa 50% 2.4. OUTRAS CONSIDERAÇÕES Não foram considerados vãos permanentemente abertos para o exterior ou para ambientes não condicionados, tendo sido qualquer porta ou janela considerada normalmente fechada. Foi considerada para todas as fachadas de todo o prédio, a utilização de proteção externa aonde houver CARGA TÉRMICA Foi calculada a carga térmica de cada ambiente de forma manual. As cargas térmicas dos sistemas de cada sala podem ser vistos no fim deste memorial. 3. CADERNO GERAL DE ENCARGOS DO FORNECEDOR 3.1. OBJETIVO O objetivo deste Memorial é o de definir: Os deveres gerais do FORNECEDOR. Um sistema mecânico completo, como o indicado nas plantas e neste documento. Pág. 11

12 De forma a atender os objetivos deste Memorial, o FORNECEDOR deverá prover todos os serviços de engenharia, materiais, equipamentos e mão de obra necessária, de modo a entregar a obra em condições plenas de funcionamento. Os termos deste Memorial são considerados como parte integrante das obrigações contratuais do FORNECEDOR, devendo ser atendidas as seguintes observações: Deverão ser fornecidos e instalados pelo FORNECEDOR, a quantidade dos materiais e equipamentos indicados nos desenhos e no Memorial Descritivo, de forma que seja provido um sistema completo, em condições operacionais perfeitas. Nos casos em que materiais e/ou equipamentos estiverem citados no singular, estes deverão ser considerados em sentido amplo e global, devendo ser fornecidos e instalados nas quantidades necessárias para que seja provido um sistema completo, em condições operacionais perfeitas. Sempre que a palavra "forneça" é utilizada, ela deve significar fornecer e instalar equipamentos completos e em perfeitas condições, prontos para uso, salvo orientação contrária. Pequenos detalhes ou equipamentos que não são usualmente especificados ou mostrados em desenhos, mas que são necessários para que a instalação trabalhe e opere de maneira satisfatória, deverão ser incluídos no fornecimento e instalados como se tivessem sido citados, fazendo parte, portanto, do contrato de instalação. O presente Projeto deverá ser revisto pelo FORNECEDOR, que caso encontre discrepâncias, omissões ou quaisquer problemas que venham a comprometer a operacionalidade e capacidade final do Sistema, deverá comunicar oficialmente a MARINHA DO BRASIL. A não comunicação oficial de qualquer evento subentende concordância, sendo, a partir do início da montagem pelo FORNECEDOR responsável pelo mesmo, assumindo todas as responsabilidades legais. Pág. 12

13 3.2. ATENDIMENTO AO MEMORIAL O fornecimento deverá ser feito inteiramente pelo FORNECEDOR, de acordo com o determinado neste Memorial, e as eventuais modificações deverão ser propostas, por escrito, pelo FORNECEDOR a FIESC, podendo este último autorizá-las ou não; sendo que nenhuma alteração poderá ser feita nos termos deste Memorial, sem aprovação prévia, por escrito, da FIESC. Os casos omissos, também deverão ser objetos de prévia aprovação da FIESC SERVIÇOS ABRANGIDOS NESTE MEMORIAL Encontram-se abrangidos neste Memorial, todos os serviços necessários para a entrega de um Sistema de Ar condicionado completo, e em condições de operação. Deverão estar inclusos todos os equipamentos, materiais da obra, mão de obra de execução e supervisão, máquinas, desenhos, serviços, materiais e equipamentos auxiliares, etc CÓDIGOS, NORMAS, LICENÇAS E IMPOSTOS Ficará ao encargo do FORNECEDOR, providenciar todas as licenças necessárias, bem como, o pagamento de todos os impostos e taxas cobradas pelo Governo, inclusive impostos incidentes sobre os materiais, mão de obra e licenças para execução do seu próprio trabalho. A aprovação do Projeto do Sistema junto aos órgãos governamentais pertinentes, também será providência a ser tomada pelo FORNECEDOR, de modo que, do ponto de vista legal, o sistema deve, também, estar em condição de operação ao encerramento dos trabalhos. Os documentos legais e de aprovação deverão ser fornecidos a FIESC e serão considerados como parte dos elementos necessários à aceitação e pagamento dos serviços executados. Deverão estar incluídos nos custos do FORNECEDOR todas as despesas necessárias (mão de obra, materiais, serviços de engenharia, Pág. 13

14 equipamentos ou providências), de forma que seus serviços fiquem plenamente de acordo com todas as regulamentações aplicáveis (normas, códigos de obras, regulamentos de execução de obras), que estejam ou não citadas neste Memorial ou nos desenhos LEVANTAMENTO EM CAMPO O FORNECEDOR deverá executar todo levantamento de medidas no local da obra, tomando-se como referência pontos chaves da estrutura, como por exemplo: colunas, vigas, etc. As medidas obtidas neste levantamento deverão ser comparadas aos desenhos do Projeto básico, antes da execução do Projeto executivo detalhado do sistema. Caso o FORNECEDOR venha a detectar medidas e/ou cotas incompatíveis com o Projeto básico, ou ainda que venham a inviabilizar o perfeito funcionamento do sistema proposto, deverá comunicar a FIESC, por escrito, antes de prosseguir o trabalho. Caso haja necessidade de mudanças ou correções, estas deverão ser executadas, sem nenhum ônus para a FIESC. O FORNECEDOR também deverá verificar a interferência com outros sistemas existentes no prédio, a fim de fazer a compatibilização do sistema proposto com os outros já executados ou futuros. Interferências de pequenas proporções (tais como desvios de dutos e tubulações) deverão ser executadas sem qualquer ônus para a Marinha do Brasil DOCUMENTOS E DESENHOS PARA APROVAÇÃO Os desenhos do Projeto que acompanham este Memorial são básicos, apresentando e definindo arranjo geral dos equipamentos. Deverão ser consultados e examinados os desenhos finais de arquitetura e estrutura, de forma que seja conferida sua compatibilidade com os sistemas propostos, permitindo a confecção de um Projeto executivo (desenhos de execução) por parte do FORNECEDOR. Pág. 14

15 3.7. ALTERNATIVA AO ESPECIFICADO Toda a vez que o FORNECEDOR propuser algum equipamento, componente ou material, que seja diferente do especificado no Projeto básico, este somente poderá ser utilizado, com prévia autorização, por escrito, da FIESC. Caso algum item proposto em alternativa ao especificado venha a requerer alguma alteração em algum ponto do sistema (arranjo diferente, maior quantidade de tubulações, dutos, fiações, controles, etc.), ou na estrutura do prédio, as despesas destas mudanças, serão por conta do FORNECEDOR. A quantidade de material excedente a ser gasta, para a execução da alternativa proposta, será fornecida pelo FORNECEDOR, sem nenhum ônus para a FIESC PROTEÇÃO DE EQUIPAMENTOS, COMPONENTES E MATERIAIS O FORNECEDOR deverá armazenar os equipamentos, componentes e materiais de maneira cuidadosa, em local definido pela FIESC ou seu representante, durante a execução da obra. O FORNECEDOR será responsável pelos equipamentos, componentes e materiais, até a aceitação final da obra devendo, portanto, proteger os mesmos contra quaisquer danos. O FORNECEDOR deverá proteger, também, os equipamentos e materiais de terceiros, que já estejam instalados nos locais onde ele for executar os seus serviços; ficando responsável por quaisquer danos que venham ocorrer, devido ao seu trabalho PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO Quaisquer materiais ou equipamentos a serem fornecidos e instalados deverão estar em conformidade com as regulamentações locais de proteção contra incêndio. Pág. 15

16 Preferencialmente os materiais deverão ser não combustíveis, e em caso de impossibilidade deverão ser do tipo autoextinguível. É importante a observação deste item principalmente na seleção de materiais para isolamento térmico e compostos que possuam resinas plásticas. Na existência do material dentro das especificações acima citadas, não serão aceitos materiais combustíveis SERVIÇOS AUXILIARES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Todos os serviços auxiliares de construção civil serão também fornecidos pelo FORNECEDOR, cabendo a este o fornecimento de desenhos e informações para a execução destes serviços, tais como: bases de alvenaria para os equipamentos, abertura e fechamento de forro, pontos de força para os equipamentos, etc. Os serviços de alvenaria e acabamentos correlatos fazem parte do presente fornecimento ENVOLVIMENTO COM OS DEMAIS PARTICIPANTES DA OBRA O FORNECEDOR deverá cooperar com as demais partes envolvidas na obra, devendo fornecer, sempre que solicitado pela FIESC quaisquer informações para permitir e auxiliar o trabalho das outras empresas, ajudando também na solução de interferências e compatibilizações entre as diversas instalações. O FORNECEDOR não deve instalar seus equipamentos sem a necessária coordenação com serviços de outras empreiteiras, pois se ele assim proceder e isto vier a causar interferências sem possibilidade de solução, ele deverá realizar as modificações necessárias, de modo a viabilizar a execução das demais instalações, sem que isto venha a onerar a FIESC MATERIAIS, ARMAZENAMENTO E MÃO DE OBRA Pág. 16

17 Todos os equipamentos, materiais e componentes, necessários para a instalação do sistema, deverão ser novos e de qualidade superior. Nos pontos onde este Memorial for omisso no que tange a qualidade dos equipamentos, componentes e materiais a serem fornecidos, estes deverão ser da melhor qualidade possível e previamente aprovada, por escrito, pela FIESC. O FORNECEDOR será responsável pelo armazenamento dos equipamentos e materiais de maneira cuidadosa, em local a ser indicado pela administração da obra, quando a instalação destes for imediata. As embalagens deverão ser apropriadas contra umidade, insetos, roedores, etc. Danos decorrentes de mau armazenamento ou embalagens não apropriadas serão de exclusiva responsabilidade do FORNECEDOR. Ficando excluídos aqueles causados no campo por vandalismo de terceiros, roubo, etc., cabendo neste caso a responsabilidade à administração da obra. Cuidado especial deverá ser dedicado às tubulações e eletrodutos que estiverem sendo instalados, os mesmos devem ter suas extremidades fechadas com tampões durante os intervalos de execução, de forma a impedir o despejo de quaisquer materiais no seu interior. A mão de obra a ser utilizada pelo FORNECEDOR, seja ela de execução, supervisão ou auxiliar, deverá ser especializada e de alto nível para a função que for realizar VIBRAÇÕES E RUÍDOS Todos os equipamentos dos sistemas a serem fornecidos e instalados deverão operar de forma silenciosa, sem vibrações ou ruídos anormais sob quaisquer condições de operação. O nível de ruído pretendido nos locais beneficiados deverá estar de acordo com os padrões básicos da ASHRAE, como citado no HVAC Applications 91, cap. 42, pág. 42.5, tab.2, salvo indicação contrária. Pág. 17

18 O FORNECEDOR deverá realizar todos os serviços corretivos nos casos em que equipamentos venham a apresentar ruídos ou vibrações perceptíveis nas áreas por eles beneficiadas. Estas anormalidades serão consideradas inaceitáveis. Equipamentos tais como resfriadores, compressores, ventiladores, bombas, etc., deverão ser providos de isoladores de vibração com molas BASES E SUPORTES Caberá ao FORNECEDOR o fornecimento de todas as bases de aço, suportes, molas, isoladores e ancoragens requeridos para quaisquer equipamentos, tubulações, climatizadores, etc. O FORNECEDOR deverá apresentar os desenhos destes elementos para prévia aprovação pela fiscalização, antes do início dos serviços de fabricação dos mesmos. Para equipamentos rotativos ou alternativos (bombas, compressores, ventiladores e etc.) ou qualquer outro equipamento que venha a necessitar de base composta de bloco de inércia em concreto e aço, as mesmas deverão ser fabricadas e instaladas pelo FORNECEDOR. A suportação e fixação de todos os equipamentos e materiais deverão ser realizadas com elementos estruturais. Os suportes de tubulações e dutos devem ser executados de forma a permitir sua flexibilidade e o deslocamento axial PROTEÇÕES DE SEGURANÇA (OPERAÇÃO/ MANUTENÇÃO) Com o intuito de evitar acidentes com partes rotativas expostas de equipamentos (luvas de acoplamento, polias e correias, etc.), todos os equipamentos com estas características deverão ser fornecidos com protetores para estes elementos expostos. Estes protetores deverão ser executados de forma que seja possível a visualização de seus componentes ACESSOS PARA MANUTENÇÃO E REGULAGEM Pág. 18

19 Qualquer equipamento que demande manutenção deverá ser instalado pelo FORNECEDOR em locais acessíveis. Todos os equipamentos deverão ser providos, mas não limitados aos seguintes acessórios, tais como: Registros de isolamento, de modo a permitir sua retirada sem interrupção do funcionamento dos demais equipamentos. Portas de acesso para todos os elementos localizados no interior de forro, dutos ou equipamentos. Conexões desmontáveis (flanges ou uniões), de modo a permitir a retirada de qualquer equipamento sem necessidade de corte de dutos ou tubulações. Pontos de drenagem de tubulações hidráulicas, de modo a permitir sua manutenção e limpeza. Os equipamentos a serem fornecidos deverão apresentar portas de acesso para manutenção, as quais deverão ser de fácil manuseio. Os desenhos do Projeto executivo, a ser elaborado pelo FORNECEDOR, deverão conter indicações de quaisquer portas e/ou painéis de inspeção que sejam necessárias em áreas a serem construídas, tais como forro ou paredes. Estas portas ou aberturas deverão ser executadas pelo construtor, o qual receberá do FORNECEDOR desenhos com as informações necessárias (localização e dimensões). Caso o FORNECEDOR não forneça estas informações em tempo hábil, este serviço ficará por sua conta INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Os pontos de força serão fornecidos pelo FORNECEDOR do sistema elétrico nos quadros de distribuição, sendo de sua responsabilidade (fornecimento e instalação) todas as fiações até estes pontos. A partir destes pontos de força deixados pelo FORNECEDOR do sistema elétrico, o FORNECEDOR do sistema de ar condicionado deverá prover toda a fiação, bem como elementos de partida e proteção de Pág. 19

20 motores ou equipamentos elétricos, inclusive eletrodutos e fiação para controle e intertravamento. Todos os pontos de força deverão ser dotados de disjuntores, a serem fornecidos e instalados pelo FORNECEDOR do sistema de ar condicionado. Após todos os circuitos estarem energizados e em funcionamento, caso venha a se detectar anormalidades na instalação, o FORNECEDOR do sistema elétrico será o responsável pelos serviços revisão até os pontos de força, e a partir destes pontos a responsabilidade será do FORNECEDOR. Todos os equipamentos elétricos fornecidos pelo FORNECEDOR deverão ser compatíveis para uma variação de voltagem de 10% acima ou abaixo da nominal TRANSPORTE, SEGUROS E OUTROS O transporte dos equipamentos, materiais e componentes até o local da instalação, e o seu transporte vertical e horizontal dentro da obra, deverá ser feito por conta do FORNECEDOR, não podendo ser cobrado, em hipótese alguma da FIESC. O fornecimento de bancadas, andaimes e escadas para os serviços de montagem do sistema, deverá ser por conta do FORNECEDOR. O FORNECEDOR deverá, também, segurar os equipamentos, materiais e componentes, durante todo o período de sua instalação, incluindo riscos de incêndio, danos durante o transporte, etc., devendo toda a instalação ser entregue, de maneira impecável, a FIESC. O FORNECEDOR também deverá possuir seguro de acidente de trabalho para todos os que estiverem trabalhando sob sua supervisão. 4. EQUIPAMENTOS MECÂNICOS 4.1. INTRODUÇÃO Todos os descritivos técnicos contidos nesta seção do Memorial contém as indicações de materiais e equipamentos que devem Pág. 20

21 ser considerados como opção para efeito de cotação por parte dos PROPONENTES. Qualquer proposição alternativa em relação à especificada (tipos, modelos, capacidades, arranjos, etc.) poderá ser apresentada pelo PROPONENTE desde que: A proposição alternativa seja apresentada (especificação técnica e preço), sendo que, quaisquer serviços e/ou materiais adicionais resultantes da proposição apresentada não poderão ser motivo de ônus para o cliente (correrão por conta do FORNECEDOR). Cada proposição alternativa seja acompanhada de uma justificativa técnica-econômica CLIMATIZADORES MODULARES Deverão ser fornecidos os climatizadores conforme definidos nas folhas de dados em anexo Características Técnicas Gabinete As unidades climatizadoras modulares deverão ter gabinete com parede em construção composta, sendo uma camada externa em chapa de aço galvanizado ou alumínio, um núcleo em material isolante térmico, espessura mínima 25 mm, em poliuretano, ou poliestireno, expandido, uma camada interna em alumínio, aço inoxidável ou PVC. Os perfis metálicos de fixação dos painéis deverão ser também isolados, para evitar condensação, com material que permita limpeza mecânica ou por jato de água quente. Os painéis deverão ser removíveis, para permitir acesso para manutenção e limpeza, com vedação em perfis de borracha, para garantia de estanqueidade, dotados de fecho de pressão, de fácil remoção. Pág. 21

22 Módulo de Ventilação Os climatizadores deverão conter em seu interior um ou mais ventiladores centrífugos de dupla aspiração com acoplamento ao motor por polia e correia, ajustável. Os ventiladores e motores deverão ser montados em base de inércia rígida, construída em chapa de aço galvanizado e apoiada sobre amortecedores de borracha ou mola. O motor elétrico deverá ser trifásico, 380 V, grau de proteção IP55, grau de isolamento classe B e fator de serviço 1,15, de alto rendimento, com fator de potência mínimo de 0, Módulo Trocador de Calor O módulo trocador de calor deverá ser composto por uma serpentina para circulação de água gelada, bandeja de coleta de condensado, bateria de resistência de aquecimento e filtro de ar classe G3 da ABNT na abertura de retorno ou tomada de ar externo. Todas as serpentinas deverão ser de 6 filas, fabricadas com tubos de cobre sem costura expandidos contra aletas de alumínio, dispostas com densidade máxima de 8 aletas por polegada. A perda de carga máxima no lado da água deverá ser de 2 metros de coluna de água. As cabeceiras das serpentinas deverão ser construídas em alumínio ou aço galvanizado. Os coletores de entrada e saída de água deverão ser construídos em cobre, providos de luva em latão, com rosca macho tipo BSP. Os filtros deverão ser montados em armações metálicas, de fácil remoção e com perfeita vedação TUBULAÇÃO HIDRÁULICA Tubos de aço sem costura, Schedule 40, construídos de acordo com ASTM-A-53 ou A-106. Tubos até 2 (inclusive) poderão ter conexões rosqueadas. Acima de 2.1/2 (inclusive) deverão ter conexões soldadas Pág. 22

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO CLIMATIZAÇÃO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO CLIMATIZAÇÃO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO CLIMATIZAÇÃO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO OBRA: Reforma Sala dos Motoristas

Leia mais

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Climatizador de ar ECLIPSE As unidades climatizadoras ECLIPSE, estão disponíveis em 16 modelos, com vazões de ar que variam de 1.300 a 34.000 m 3 /h, e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO CLIMATIZAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA ZENAIDE SCHMITT COSTA BAIRRO SANTA TEREZINHA

MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO CLIMATIZAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA ZENAIDE SCHMITT COSTA BAIRRO SANTA TEREZINHA MEMORIAL DE ESPECIFICAÇÕES PROJETO DE CLIMATIZAÇÃO RESPONSÁVEIS TÉCNICOS: JOEL REINERT ENGENHEIRO MECÂNICO - CREA/SC 012168-6 OBRA: CLIMATIZAÇÃO ESCOLA DE EDUCAÇÃO BÁSICA ZENAIDE SCHMITT COSTA BAIRRO SANTA

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Intercambiador de Calor de Extensão Direta 2 a 40 TR ESPECIICAÇÕES CONSTRUTIVAS Os climatizadores Modelo foram projetados visando obter maior vida útil, performance e facilidade

Leia mais

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27(

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( 35(* 235(6(1&,$/683$71ž 0(025,$/'(6&5,7,92 (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( As presentes especificações estabelecem os requisitos mínimos a serem obedecidos no fornecimento e instalação dos materiais

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE ARACA

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Especificações Construtivas Os climatizadores (Fan Coil Tosi Baby) foram projetado vizando obter maior vida útil, performance adequada e facilidade de instalação, operação

Leia mais

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS AUTOR : COMARU PROJETOS E CONSULTORIA DATA : JULHO DE 2008 ÍNDICE: 1.0 Relação de desenhos

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

PROJETO AME BOTUCATU

PROJETO AME BOTUCATU PROJETO AME BOTUCATU Memorial Descritivo Ar Condicionado - PRELIMINAR Ass: - Data: - - PARA INFORMAÇÃO Ass: - Data: - - PARA APROVAÇÃO Ass: - Data: - X LIBERADO P/ FABRICAÇÃO Ass: CONNECT / ALDE BARCELOS

Leia mais

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br www.vetorprojetos.com.br São Paulo Rua Luís Coelho, 340 / cj. 21 Cerqueira César CEP: 01309-000 São Paulo SP. Telefone / Fax: (0xx) (11) 3258-2070 (0xx) (11) 3237-4834 E-mail: vetor.sp@vetorprojetos.com.br

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS FOLHA: 1 de 5 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL OBRA. Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 A B EMISSÃO PARA APROVAÇÃO ATENDENDO COMENTÁRIOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Sistema de Ar Condicionado SALA CLUSTER

MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Sistema de Ar Condicionado SALA CLUSTER MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Nº Arquivo 051212 1 Objetivo Estabelecer os procedimentos para o fornecimento e instalação de equipamentos para o Sistema central de Ar Condicionado para climatização da

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS Armários Construídos em madeira compensada laminada do tipo virola naval de 15 mm de espessura, revestido internamente laminado melamínico liso e externamente em laminado melamínico texturizado. Os que

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO

FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS TÉCNICOS:

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. LFB-0412-11-MD-R03.doc

MEMORIAL DESCRITIVO. LFB-0412-11-MD-R03.doc MEMORIAL DESCRITIVO Arquivo: Projeto: Cliente: LFB-0412-11-MD-R03.doc ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO BNDES RETROFIT DESUL 5º PAVIMENTO ED. JK FINANCIAL CENTER SÃO PAULO SP BNDES Revisão: 02 Data:

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS

TORRE ESTAIADA ESPECIFICAÇÃO DOS MATERIAIS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ACESSÓRIOS TORRE ESTAIADA A torre estaiada é a solução mais econômica por atingir grandes alturas e com elevada capacidade de carga, porém exige-se disponibilidade de terreno para sua instalação. Possui seção transversal

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED Capacidade de 3 a 50TR Estrutura em perfil de alumínio extrudado Tampas rechapeadas e facilmente removíveis Pintura eletrostática a pó Várias opções de montagem e acabamentos

Leia mais

GABINETES DE VENTILAÇÃO

GABINETES DE VENTILAÇÃO GABINETES DE VENTILAÇÃO espirovent UMA MARCA DO GRUPO DUTOS E Descricao e Nomenclatura GABINETES DE VENTILACAO GABINETES DE VENTILAÇÃO PERSPECTIVA GERAL As caixas de ventilação da linha ESDG e ELDG são

Leia mais

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA INSTALAÇÕES MECÂNICAS E DE UTILIDADES VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA O projeto de exaustão por ventilação mecânica para as instalações da área de serviço da EEP Escola de Ensino Profissionalizante justifica-se

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores VENTILADORES Aspectos gerais As unidades de ventilação modelo BBS, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para frente, e BBL, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, são fruto de

Leia mais

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO E.R. GUARULHOS 1. OBJETO O presente memorial refere-se ao fornecimento e instalação de conjuntos de ar condicionado, a serem instalados no E.R. Guarulhos, localizado

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A A amplitude da manutenção e inspeção indicada no Termo de Referência está

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

Catálogo geral Fancoil

Catálogo geral Fancoil Catálogo geral Fancoil 1 Catálogo Técnico de unidades Intercambiadoras de calor Índice 1- Características Construtivas 3 2- Nomenclatura 4 3- Dados Nominais 5 4- Diâmetro dos coletores 7 5- Peso dos equipamentos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Self Contained SCIH Alta Eficiência

Self Contained SCIH Alta Eficiência Self Contained SCIH Alta Eficiência Self Contained SCIH - 5 a 15 TR Condensador Incorporado a Ar Conforme (ASHRAE 90.1) Agosto 2003 PKG-PRC009-PT Introdução Self Contained com Condensação a Ar Incorporado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR 2 DA DESCRIÇÃO BÁSICA DOS SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS E COMPONENTES

TERMO DE REFERÊNCIA - TR 2 DA DESCRIÇÃO BÁSICA DOS SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS E COMPONENTES CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 015/08 Anexo II 1.1 Prestação de serviços para instalação/remanejamento

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS MEMORIAL DESCRITIVO 1.0 - INTRODUÇÃO Este memorial descritivo tem por objetivo definir as especificações e características técnicas básicas para a execução

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

ANALISADORES DE GASES

ANALISADORES DE GASES BGM BOMBA DE SUCÇÃO SÉRIE COMPACTA ANALISADORES DE GASES Descrição: Gera uma depressão no processo, succionando a amostra e criando a vazão exata para atender o tempo necessário de condicionamento do gás

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Condicionadores de Ar Self Contained 5 a 40 TR tipo ROOF-TOP ESPECIFICAÇÕES A linha SELF CONTAINED TOSI foi projetada visando obter a melhor relação custo-beneficio do mercado,

Leia mais

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar

PROJETO FINAL 2014-2. Alunos: Turma: Sistema de condicionamento de ar central residencial PIC Projeto de Instalações de Condicionamento de Ar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA - CAMPUS SÃO JOSÉ Projetos de Instalação de Ar Condicionado

Leia mais

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle.

A cobertura pode ser feita com telhas que podem ser metálicas, de barro ou ainda telhas asfálticas tipo shingle. CONCEITO Light (LSF estrutura em aço leve) é um sistema construtivo racional e industrial. Seus principais componentes são perfis de aço galvanizado dobrados a frio, utilizados para formar painéis estruturais

Leia mais

CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO TRATAMENTO ACÚSTICO

CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO TRATAMENTO ACÚSTICO 1 / 11 CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÃO 2 / 11 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...03 2. DESCRIÇÃO GERAL...03 3. / ABSORÇÃO...06 4. DOCUMENTOS...10 3 / 11 1 - INTRODUÇÃO: Trata-se do Projeto

Leia mais

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line - PPL - é um novo sistema de tubulação de encaixe rápido projetado para todo tipo de planta de ar comprimido, bem como para outros fluidos, gases

Leia mais

Sistemas de Ar Condicionado

Sistemas de Ar Condicionado Sistemas de Ar Condicionado Eng. Dr. Fúlvio Vittorino IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Objetivo Processos e equipamentos mecânicos para: Resfriar ou Aquecer; Desumidificar

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CEP 21.530-000 Telefax: (21 3372-8484 vendas@trocalor.com.br www.trocalor.com.br

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Índice 1.0 Conexões Pneumática Instantâneas...... 4 1.1 - Redutores... 7 1.2 Válvulas Manuais... 8 2.0 Acessórios Pneumáticos... 8 3.0 Válvulas Mecânicas... 10 3.1 Piloto... 10 3.2

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER

TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TDA DIFUSOR PARA LUMINÁRIA TROFFER TSA/TODA DIFUSORES PARA LUMINÁRIAS O conjunto de difusão de ar completamente embutido, contribui para um visual leve e sem distorções. Sua flexibilidade própria,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM AQUECIMENTO SOLAR ABRAVA/DASOL 2011 MÓDULO 2 Projetista SAS Pequeno Porte Passo a Passo de Instalação ABRAVA -São Paulo,Maio de 2011 Luciano Torres Pereira Leonardo Chamone Cardoso

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 10 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

PRÉDIO SRNO - INFRAERO

PRÉDIO SRNO - INFRAERO I - SISTEMA DE EXPANSÃO DIRETA - VRF I.1 - SISTEMA 01 - TÉRREO I.1.1 EQUIPAMENTOS VRF - conforme especificação Módulo externo (condensador) 48 HP - 380 V - 3F unid. 1,00 Evaporadora Cassete 4 Vias - 9.000

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42)

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) (DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) Portaria nº 3.523/GM Em, 28 de agosto de 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição

Leia mais

LISTAS DE MATERIAIS 4

LISTAS DE MATERIAIS 4 C:\DOCUMENTS AND SETTINGS\MAISA.SENHA\DESKTOP\SAA\04 LISTA DE MATERIAIS.DOC 4 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 51 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação Histórico Revisão 0 1 2 3 4

Leia mais

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br www.vetorprojetos.com.br São Paulo Rua Luís Coelho, 340 / cj. 21 Cerqueira César CEP: 01309-000 São Paulo SP. Telefone / Fax: (0xx) (11) 3258-2070 (0xx) (11) 3237-4834 E-mail: vetor.sp@vetorprojetos.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CADERNO DE MEMORIAL DESCRITIVO EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO LOCAL: FORTALEZA-CE UNIDADE: RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DATA: JANEIRO/2010 AUTOR: ADERBAL COSTA ARAÚJO ENG MECÂNICO

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622

TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 TUBOS EM AÇO CARBONO COM SOLDA HELICOIDAL CONFORME NORMA NBR 5622 APRESENTAÇÃO Atuando no mercado desde 1988, a DRAGTEC, empresa conceituada no mercado de tubos, apresenta sua linha de produtos para comercialização,

Leia mais

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço

Recomendações para elaboração de projetos estruturais de edifícios em aço 1 Av. Brigadeiro Faria Lima, 1685, 2º andar, conj. 2d - 01451-908 - São Paulo Fone: (11) 3097-8591 - Fax: (11) 3813-5719 - Site: www.abece.com.br E-mail: abece@abece.com.br Av. Rio Branco, 181 28º Andar

Leia mais

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL

COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL COORDENADORIA DE INFRAESTRUTURA CIVIL AQUISIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA O SISTEMA DE AR CONDICIONADO E EXAUSTÃO MECÂNICA, DA ESTAÇÃO DE PASSAGEIROS DO TERMINAL MARÍTIMO DE PASSAGEIROS DO PORTO DE FORTALEZA

Leia mais

Componentes das instalações solares térmicas

Componentes das instalações solares térmicas Aplicações do cobre / Energía Solar Componentes das instalações solares térmicas Neste documento são analisadas as principais características físicas e funcionais dos diferentes componentes de uma instalação

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP)

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP) GÁS COMBUSTÍVEL 9 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9. GÁS COMBUSTÍVEL Todos os materiais e forma de instalação

Leia mais

EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera, Km 33. Fone:(11) 3531.6199 Fax: (11) 3531.6198 email: hd@hd.ind.br site: www.hd.ind.br

EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera, Km 33. Fone:(11) 3531.6199 Fax: (11) 3531.6198 email: hd@hd.ind.br site: www.hd.ind.br RESFRIADOR A AR PARA FLUIDOS DRY COOLERS / AIR COOLERS Módulos de 5 a 250 Toneladas, aplicações de 2.000 ou mais toneladas para água, água e glicol, salmoura, óleo e outros fluidos. EQUIPAMENTOS Rod. Anhanguera,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

UNID. 6o PAV 1 EQUIPAMENTOS R$ 498.452,21

UNID. 6o PAV 1 EQUIPAMENTOS R$ 498.452,21 TJMG DIRETORIA EXECUTIVA DE ENGENHARIA E GESTÃO PREDIAL GERÊNCIA DE PROJETOS PLANILHA DE CUSTOS APURADOS PELO TJMG REFERENTES AOS PROJETOS DAS INSTALAÇÕES COMPLEMENTARES SISTEMA CENTRAL DE AR CONDICIONADO

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS HC1 PISO TÉRREO ALA B - HEMODINÂMICA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE MARÍLIA MARÍLIA SP PROJETO: ENGEST ENGENHARIA LTDA Eng. Civil Marcos Stroppa Rua Lupércio

Leia mais

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br

Vetor Consultoria e Projetos de Engenharia Ltda. www.vetorprojetos.com.br www.vetorprojetos.com.br São Paulo Rua Luís Coelho, 340 / cj. 21 Cerqueira César CEP: 01309-000 São Paulo SP. Telefone / Fax: (0xx) (11) 3258-2070 (0xx) (11) 3237-4834 E-mail: vetor.sp@vetorprojetos.com.br

Leia mais

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE

1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE 1ª RETIFICAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 413/2014 - CPL 04 SESACRE OBJETO: Aquisição de Equipamentos, Mobiliários, Eletroeletrônicos e Eletrodomésticos, para atender as Necessidades

Leia mais

Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb X AL X PExb.

Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb X AL X PExb. Sistema de tubulação multicamada para instalação de gases combustíveis PExb AL PExb. MEMBRO Sistema de tubulações multicamadas para instalações de gases combustíveis Conforme com as Normas 1. Após cortar

Leia mais

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz Linha ConectAR Tubos e Conexões com Qualidade Schulz O constante crescimento da indústria, dos processos tecnológicos e o forte impulso da automação industrial, exigem instalações de ar comprimido, eficientes,

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO

PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DA PRODUÇÃO Pág.: 1 de 9 Identificação do equipamento ELEVADOR DE PASSAGEIROS E CARGAS Com Relação às Torres: Prumo; Espessura da parede do tubo; Resistência e nivelamento da base; Estaiamento; Aterramento elétrico

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais