c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores"

Transcrição

1 planta baixa, preferencialmente em escala 1:50, contendo indicação dos dutos de insuflamento ou exaustão de ar quanto a materiais, comprimentos, dimensões, com elevações; bocas de insuflamento e exaustão; localização precisa dos equipamentos, aberturas para tomadas e saídas de ar, pontos de consumo e outros elementos; desenhos da instalação de ventilação mecânica em representação isométrica, com a indicação de dimensões e comprimentos dos dutos, vazões, pressões nos pontos principais ou críticos e outros elementos; detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura para passagem e suporte da instalação; Memória de cálculo. O anteprojeto deverá estar harmonizado com os projetos de arquitetura, estrutura e instalações Projeto Executivo Consiste na complementação do anteprojeto, apresentando todos os detalhes de execução, montagem e instalação dos componentes do sistema, inclusive elementos de suporte, fixação, apoio de dutos e tubulações e outros. Usualmente esta etapa de projeto é desenvolvida pela empresa contratada para a montagem da instalação. Deverão ser apresentados os seguintes produtos gráficos: Plantas conforme anteprojeto, com ampliações, cortes e detalhes, indicação de tipos, modelos e fabricantes de todos os dispositivos, suportes e acessórios; Detalhes da instalação de todos os equipamentos, com indicação dos modelos, capacidades e fabricantes; Relatório técnico. Os detalhes que interfiram com outros sistemas deverão ser elaborados em conjunto, para que fiquem perfeitamente harmonizados A documentação retornará ao proponente responsável pela execução ou concessionário nas seguintes condições: a) APROVADO - projeto liberado para execução b) APROVADO COM RESTRIÇÕES - projeto com correções gráficas pendentes. c) REPROVADO - projeto sem as premissas mínimas indicados no parágrafo anterior. O proponente responsável pela execução ou concessionário, ao receber a documentação nas condições "APROVADO COM RESTRIÇÃO" ou "REPROVADO", deverá protocolar novamente o novo conjunto de produtos gráficos, nas condições descritas no parágrafo 9.3.6, com 03(três) vias constando as correções/comentários da análise anterior para comparação, para atendimento à condição de "APROVADO" INFORMAÇÕES GERAIS QUANTO AO USO DAS INSTALAÇÕES DE AR- CONDICIONADO E EXAUSTÃO a) Será obrigatório o funcionamento permanente dos equipamentos de ar condicionado, ventilação e exaustão mecânica da concessão durante o horário de funcionamento da mesma. b) O equipamento de ar condicionado deverá ser ligado pelo menos 15 (quinze) minutos antes do início do horário estabelecido para o funcionamento da concessão, e só poderá ser desligado após o fechamento das portas para acesso de público. c) Em hipótese alguma as taxa de iluminação das concessões deverão ultrapassar os valores

2 abaixo: ILUMINAÇÃO FLUORESCENTE ILUMINAÇÃO INCANDESCENTE 60 W/m 2 72 W/m 2 Ficando desde já determinado que a taxa acima indicada representa a potência total de iluminação máxima permitida para cada concessão, incluindo mezanino e vitrine, e é referida ao piso da concessão (sendo que nas lojas de alimentação, ficam excluídas as áreas de copa e cozinha). d) Em hipótese alguma será permitido o uso de carvão, lenha ou similar para churrasqueiras, restaurantes e lanchonetes. e) Cabe ao concessionário a manutenção do seu sistema de ar condicionado, bem como dos sistemas de ventilação e exaustão mecânica, porventura existentes, de acordo com exigências da Portaria Ministerial 3.523/GM e a resolução nº 176, de 24 de outubro de 2.000, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Especial atenção deverá ser dada à limpeza de filtros dos fancoils, bem como do filtro das coifas. 10. INSTALAÇÕES CONTRA INCÊNDIO INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCENDIO OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas para a elaboração de projetos de instalações de prevenção e combate a incêndio das concessões internas do Terminal de Passageiros do Aeroporto Internacional Guararapes CONDIÇÕES GERAIS Deverão ser observadas as seguintes condições gerais: Obter as plantas cadastrais, projetos de arquitetura, estrutura e demais instalações de maneira a poder integrar e harmonizar o projeto de prevenção e combate a incêndio com os demais sistemas Verificar o ponto de alimentação para sprinklers e diâmetro da tubulação de chegada, previstos para as lojas, nos arquivos técnicos de projetos da DERF Considerar que, nos projetos de instalações de prevenção e combate a incêndio, deverão ser utilizados os sistemas de chuveiros automáticos (sprinklers) e os extintores portáteis Deverá ser obedecido o limite de altura de 1,00m do nível inferior dos bicos de sprinklers aos materiais estocados, segundo Norma do projeto de segurança contra incêndio Conhecer e adotar as disposições da norma NR - 23 e o Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico para o Estado de Pernambuco Considerar que as edificações deverão possuir dispositivos de detecção, alarme e de proteção a incêndios, equipamentos suficientes para combater o incêndio no seu inicio, e pessoas adestradas no uso correto desses equipamentos.

3 Considerar as áreas máximas a serem cobertas pelos sprinklers e extintores portáteis adotando a Classe de Risco B (Subseção V do CBMPE) NORMAS PARA PROJETO E EXECUÇÃO Os projetos e execução das instalações de chuveiros automáticos e extintores portáteis deverão também atender às seguintes Normas: Norma Nº 13 da NFPA. Código de Segurança Contra Incêndio e Pânico para o Estado de Pernambuco. NR 23. Regulamento para a Concessão de Descontos aos Riscos que Dispuserem de meios próprios de Detecção e Combate a Incêndios, item 2, artigo 16 da Tarifa de Seguro - Incêndio Brasil ETAPAS DE PROJETO O projetista responsável deverá protocolar, junto a CLRF que enviará para o Comitê Técnico, a documentação técnica composta pelos seguintes produtos gráficos. Planta baixa com indicação dos detalhes de todos os dispositivos, suportes e acessórios; Detalhes de execução ou instalação dos sprinklers; Detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura e suporte da instalação, e das peças a ser embutidas; Detalhes de fixação dos extintores portáteis. Os detalhes que interfiram com outros sistemas deverão ser elaborados em conjunto, para que fiquem perfeitamente harmonizados A documentação retornará ao proponente responsável pela execução ou concessionário nas seguintes condições: a) APROVADO - projeto liberado para execução b) APROVADO COM RESTRIÇÕES - projeto com correções gráficas pendentes. c) REPROVADO - projeto sem as premissas mínimas indicados no parágrafo anterior. O proponente responsável pela execução ou concessionário, ao receber a documentação nas condições "APROVADO COM RESTRIÇÃO" ou "REPROVADO", deverá protocolar novamente o novo conjunto de produtos gráficos, nas condições descritas no parágrafo , com 03(três) vias constando as correções/comentários da análise anterior para comparação, para atendimento à condição de "APROVADO" ETAPAS DE EXECUÇÃO Após conclusão das instalações de chuveiros automáticos dentro da concessão, para fins de recebimento de atesto, toda tubulação deverá ser testada, introduzindo ar comprimido a pressão de 1,5 vezes o valor nominal, durante 12 horas, na presença do fiscal da INFRAERO. Todos os extintores portáteis deverão estar certificados, com as datas previstas para recarga. 11. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente conjunto de instruções, como explicado, tem como objetivo orientar a execução das instalações das concessões comerciais - lojas ou quiosques, sem, contudo esgotar a matéria, podendo a qualquer tempo ser complementado e/ou modificado. Estas instruções não alteram os Contratos de Locação e demais Instrumentos Contratuais, que

4 prevalecerão sempre, em qualquer hipótese. Após a análise dos projetos, será devolvida 01(uma) via do projeto com a aprovação, através de um carimbo de APROVADO ou com anotações relativas a sua não aprovação, Os pontos de entrada das instalações (energia, água, esgoto, telefone, gás, climatização, etc.) são indicativos, podendo variar de acordo com a necessidade da obra, porém, sempre que possível, serão seguidos os pontos informados nas Plantas Cadastrais. 12. ANEXOS Anexos 1 a 23 ANEXO 1 DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): TÁBUA DE REVISÃO CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 1. TÁBUA DE REVISÃO De preenchimento do projetista. Preencher os dados sempre que emitir nova revisão de projeto.

5 2. CARIMBO DE TERCEIROS Campo disponível para preenchimento com informações relativas ao escritório ou ao projetista executor do projeto. Deverá conter no mínimo as informações descritas no modelo acima. 3. CARIMBO DA INFRAERO O sistema de classificação obedecerá à codificação compreendendo dígitos alfabéticos e numéricos, relativos aos seguintes grupos identificadores: o. grupo RF.06/xxx.xx/xxxx/xx - Relativo à localização da obra, compreende os seguintes sub-grupos: Sítio da Obra Neste caso: RF Aeroporto Internacional do Recife / Guararapes Gilberto Freyre Área do Sítio Neste caso: 06 Terminal de Passageiros o. grupo RF.06/XXX.XX/xxxx/xx Relativo às funções e atividades técnicas, compreendendo os seguintes sub-grupos: Especialidade / Subespecialidade Neste caso, podem ser: Geral Arquitetura Paisagismo Sinalização vertical / Comunicação visual Arquitetura de interiores Impermeabilização Estrutura metálica Estrutura de madeira Iluminação Força Quadro de distribuição Tomadas Ar Condicionado Portas automáticas Sistema Informativo de vôo Sistema de televisão de vigilância Sonorização Telefonia Detecção e alarme de incêndio Rede de água Rede de esgoto Gás combustível Pontos de contra incêndio (sprinklers) Extintores.

6 Tipo / Especificação do documento Neste caso podem ser: Planta Geral Detalhes Planta Baixa Fachada ou elevação Corte Locação Vistas e Perspectivas Diagramas e esquemas Isométrico Planta de fiação Memorial descritivo Memória de cálculo Especificação de materiais Especificação de equipamentos Lista de materiais Planilha de preços unitários Orçamentos Especificações técnicas Quadros de carga o. grupo RF.06/xxx.xx/XXXX/xx Relativo ao número seqüencial de registro do documento. Deverão ser os mesmos quatro números deste grupo na Planta Cadastral o. grupo RF.06/xxx.xx/xxxx/XX Relativo às revisões sofridas pelo documento. Utilizar os seguintes números: Consulta Prévia Revisões de 01 a 05. Caso o concessionário opte por enviar consulta prévia, deverá ser emitida revisão 01 do projeto até a revisão 05, sendo, esta última, a revisão definitiva da consulta prévia, mesmo que passe da revisão 01 a Executivo Revisões de 06 a 10. Caso o concessionário não envie consulta prévia, deverá ser emitida revisão inicial 06 do projeto executivo, até a revisão 10, sendo, esta última, a revisão definitiva do projeto executivo, mesmo que passe da revisão 06 a As Built Revisão 11 a 20. No decorrer da obra, poderão ser emitidas revisões a partir da revisão 11 até a revisão 20, sendo, esta última, a revisão definitiva do projeto as built, mesmo que passe da revisão 10 a Classe do documento Neste caso podem ser: Consulta Prévia, Projeto executivo ou as built Fiscal do Projeto

7 Arquitetura e Comunicação Visual Arq. Telma Omena CREA D/PE; Estrutura Metálica e Instalações Eletromecânicas (Ar condicionado, Exaustão, Gás) Eng. Francisco Burached CREA 8282-D/DF; Instalações Elétricas Eng. Jorge Itapá CREA 6474/PE; Instalações Hidrossanitárias e de Prevenção e Combate a Incêndio Eng. Rogério Pimentel CREA D/PE; Instalações de Telemática e Eletrônicas (SIV Sistema Informativo de Vôo, STVV Sistema de TV e Vigilância, SISOM Sistema de Som, SDAI Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio) Eng. Eduardo Ribeiro CREA D/RJ Aprovado por Eng. Ernesto Camarço CREA D/CE

8 ANEXO 2 DETALHE LOJAS - ALVENARIA:

9 ANEXO 3 DETALHE LOJAS REVESTIMENTO PILAR:

10 ANEXO 4 DETALHE DO SHAFT DE MEDIÇÃO (ARMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO):

11 ANEXO 5 DETALHE DA CAIXA DE INSTALAÇÕES DE ELÉTRICA, HIDROSANITÁRIAS E TELEMÁTICA DOS QUISOQUES - PLANTA BAIXA:

12 ANEXO 6 DETALHE DA CAIXA DE INSTALAÇÕES DE ELÉTRICA, HIDROSANITÁRIAS E TELEMÁTICA DOS QUISOQUES - CORTE:

13 ANEXO 7 DETALHE DA CAIXA DE PASSAGEM ELÉTRICA PARA CIRCUITAÇÃO DE EMERGÊNCIA:

14 ANEXO 8 TABELA GERAL DE INSTALAÇÕES : (VERIFICAR PLANILHAS EM EXCEL REFERENTES AOS PAVIMENTOS TÉRREO, PRIMEIRO E SEGUNDO, ANEXAS A ESTE MANUAL)

15 ANEXO 9 DETALHE TÍPICO DA LOLAS EIXO F PAV. TÉRREO (NÍVEL 0,00):

16 ANEXO 10 DETALHE TÍPICO DA LOLAS EIXO D/E PAV. TÉRREO (NÍVEL 0,00):

17 ANEXO 11 DETALHE MULTIBANCOS PAV. TÉRREO (NÍVEL 0.00):

18 ANEXO 12 DETALHE TÍPICO DA LOLAS EIXO F 06/12 1º PAVIMENTO (NÍVEL 7.50):

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS

11. CONSIDERAÇÕES FINAIS Detalhes de execução ou instalação dos sprinklers; Detalhes de todos os furos necessários nos elementos de estrutura e suporte da instalação, e das peças a ser embutidas; Detalhes de fixação dos extintores

Leia mais

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO

DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 12. ANEXOS Anexos 1 a 23 ANEXO 1 DETALHE DO CARIMBO DAS PRANCHAS E INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO, segundo norma da Infraero NI-2.07(GDI): TÁBUA DE REVISÃO CARIMBO DE TERCEIROS CARIMBO DA INFRAERO 1. TÁBUA

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Projeto executivo para construção do prédio das Promotorias da Infância e Juventude. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS ITUAÇÃO FÍICA PARA COCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações e egurança

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

8.3.3. CONDIÇÕES GERAIS

8.3.3. CONDIÇÕES GERAIS 8.3.2.3. Detecção Identificação da existência de principio de incêndio por equipamentos detectores de fumaça, chama ou calor. 8.3.2.4. Alarme Sinal sonoro estridente que comunica às pessoas a existência

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS

CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS CAPÍTULO 18 ERRATA DE 14/01/2011 RELAÇÃO DE DESENHOS 18.1 ESTRUTURA - EST... 2 18.2 ARQUITETURA - ARQ... 5 18.3 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS - ÁGUA IHA... 6 18.4 IRRIGAÇÃO - IRR... 8 18.5 INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DOS PROJETOS DAS CONCESSÕES COMERCIAIS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO SBMO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DOS PROJETOS DAS CONCESSÕES COMERCIAIS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO SBMO AEROPORTO INTERNACIONAL ZUMBI DOS PALMARES - MACEIÓ - AL MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DOS PROJETOS DAS CONCESSÕES COMERCIAIS DO TERMINAL DE PASSAGEIROS DO SBMO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO.

TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA PROJETO. TERMO DE REFERENCIA Nº 20141102110350178 e 20141102110932178 PROJETO Assunto MELHORIA DA ESTRUTURA DE USO PÚBLICO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA Item: Contratação de consultoria PJ especializada para realização

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INSTALAÇÕES PREVENTIVAS CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÃO Blumenau, maio de 2010 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. SISTEMA PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO...

Leia mais

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO

ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO 1. O PROJETO Projeto básico e executivo para construção do prédio das Promotorias de Justiça de Parauapebas. 2. OBJETIVOS O presente Termo de Referência tem como objetivo nortear a contratação

Leia mais

00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto. Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica

00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto. Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica 00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto Rev. Modificação Data Autor Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica 1- Hidrossanitária Angélica Anunciada Gomes de Mattos Souto 24.930-D

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Automação Predial e Patrimonial - Memorial Descritivo para Lojas CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Pasta: cyrella_metropolitano-pro-ec-lojas-1-0-2012.doc DATA: 14/05/2012 0 Emissão de Memorial Descritivo

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Área do sítio GERAL TPS. Especialidade / Subespecialidade SDAI - PROJETOS / OBRAS

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Área do sítio GERAL TPS. Especialidade / Subespecialidade SDAI - PROJETOS / OBRAS Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária Escala Sem escala Data JULHO/ 2008 Desenhista JOÃO PAULO Autor do Projeto CREA UF REGINA M. C. EVANGELISTA

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES SISTEMAS ELETRÔNICOS - STVV SISTEMAS

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES SISTEMAS ELETRÔNICOS - STVV SISTEMAS 0 EMISSÃO INICIAL JL NG Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio: AEROPORTO INTERNACIONAL PINTO MARTINS Área do sítio: LOTE 4 - PÁTIO DE AERONAVES Escala: S/E Data: Desenhista: Especialidade/

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Proprietário Página 1 de 6

Proprietário Página 1 de 6 MEMORIAL DESCRITIVO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO ACOPIARA PREFEITURA MUNICIPAL DE ACOPIARA(CE) DATA 10/11/2011 MEMORIAL DESCRITIVO E JUSTIFICATIVO DE CÁLCULO DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Utilizar, para os cabos elétricos, tubulações metálicas interligadas a um terra eficiente;

Utilizar, para os cabos elétricos, tubulações metálicas interligadas a um terra eficiente; 8.2.4.4.2. Para redução do ruído induzido oriundo de transformadores, motores, reatores etc. Deve-se adicionalmente executar os seguintes procedimentos: Aumentar a separação física entre os cabos (afastamento

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO MAIO DE 2015 Andamento das obras no período Obras no Ático: Início da instalação de luminárias iniciado; Conclusão das

Leia mais

Termo de Situação Física das Áreas

Termo de Situação Física das Áreas Termo de Situação Física das Áreas O presente termo apresenta características físicas e tem a finalidade de informar ao Licitante as adequações necessárias nas áreas objeto da concessão, destinadas à exploração

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Autor do Proj./Resp. Técnico. Coord. Adjunto Contrato

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Autor do Proj./Resp. Técnico. Coord. Adjunto Contrato 1 ATENDENDO RAT 914MR2/GTFZ/11 17/10/2011 MBG PdSS WV 0 ATENDENDO ATA Nº 016/GTFZ/2011 15/07/2011 MBG LSR WV Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Coordenador de Projeto Autor do Proj./Resp.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP)

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO (SPCI), DESCARGAS ATMOSFÉRICAS (SPDA), E DE GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO ( GLP) EDIFÍCIO SEDE TERRACAP DITEC Diretoria Técnica e de Fiscalização

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Elaboração De Projeto De Design e Interiores

Elaboração De Projeto De Design e Interiores Elaboração De Projeto De Design e Interiores São Paulo, 01/01/2010 KASA CONCEITO Nome: Schaelle Caetano Campos ABD: 9103 - Designer de Interiores Tel: 11 2979 3780 7746 4246 E-mail: schaelle@kasaconceito.com.br

Leia mais

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs.

2.3 Os projetos somente serão liberados pelos técnicos se estiverem assinados e acompanhados das respectivas ARTs ou RRTs. INSTRUÇÃO TÉCNICA 11 COMUNICAÇÃO VISUAL E SINALIZAÇÃO Revisão 00 jan/2014 1 OBJETIVO 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento

Rev. Modificação Data Autor. Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica. Sítio TERMINAL DE PASSAGEIROS. ELETRÔNICA / SDAI Especificação do Documento 02 REVISÃO MAR/13 01 REVISÃO JAN/13 00 EMISSÃO INICIAL SET/12 Rev. Modificação Data Autor Especialidade: Autor: CREA / UF Rubrica 1 - Arquitetura 2 - Estruturas 3 - Hidrossanitárias 4 - Elétrica 5 - Eletrônica

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

PROJETO AME BOTUCATU

PROJETO AME BOTUCATU PROJETO AME BOTUCATU Memorial Descritivo Ar Condicionado - PRELIMINAR Ass: - Data: - - PARA INFORMAÇÃO Ass: - Data: - - PARA APROVAÇÃO Ass: - Data: - X LIBERADO P/ FABRICAÇÃO Ass: CONNECT / ALDE BARCELOS

Leia mais

AFFINITY HOME WORK - INOVADOR, INTELIGENTE, INCOMPARÁVEL

AFFINITY HOME WORK - INOVADOR, INTELIGENTE, INCOMPARÁVEL AFFINITY HOME WORK - INOVADOR, INTELIGENTE, INCOMPARÁVEL O AFFINITY HOME WORK visa revolucionar a Enseada do Suá, pois o empreendimento INOVA ao trazer um conceito misto à região. O fato de carregar toda

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO 19 TOMADA DE PREÇOS Nº 02/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 DO OBJETO Contratação de Escritório Técnico para elaboração e desenvolvimento dos projetos do edifício que irá abrigar a futura sede da,

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 189, DE 18 DE JULHO DE 2003 Dispõe sobre a regulamentação dos procedimentos de análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos de estabelecimentos

Leia mais

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA /UF ENG DARCIO BENJAMIN REIS 425 D/PE. Coordenador Adjunto do Contrato CREA/UF. Sítio

Autor do Proj. / Resp. Técnico CREA /UF ENG DARCIO BENJAMIN REIS 425 D/PE. Coordenador Adjunto do Contrato CREA/UF. Sítio 02 REVISÃO CONF. COMENTÁRIOS 28/02/2011 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V. LAGHI 01 REVISÃO GERAL 12/01/2011 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V. LAGHI 00 EMISSÃO INICIAL 30/08/2010 DÁRCIO REIS CLÁUDIO JOSÉ L. V.

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico

PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção à Incêndio e Pânico INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC IBR EDIF 028/2014 Análise das especificações, quantidades e preços das Instalações de Prevenção

Leia mais

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO

End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO End. Rua Gonçalves Dias, 1075 MEMORIAL DO EMPREENDIMENTO INFORMAÇÕES GERAIS Endereço do Empreendimento Rua Gonçalves Dias, N 1075 Menino Deus - Porto Alegre RS Composição do Apartamento Tipo 03 Dormitórios

Leia mais

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Análise e Aprovação dos Projetos. dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS. junho 2013. www.anvisa.gov.br. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Análise e Aprovação dos Projetos dos Estabelecimentos de Saúde no SNVS junho 2013 RDC ANVISA 51 de 06/10/2011 Dispõe sobre os requisitos mínimos para a análise, avaliação e aprovação dos projetos físicos

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA.

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. RELATÓRIO ACOMPANHAMENTO MENSAL SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO LTDA. Objetivo. Este relatório tem por objetivo avaliar e mitigar os riscos equivalentes desta edificação. Foram realizadas diversas vistorias

Leia mais

ANEXO XIII ORÇAMENTO REFERENCIAL DA OBRA

ANEXO XIII ORÇAMENTO REFERENCIAL DA OBRA ANEXO XIII ORÇAMENTO REFERENCIAL DA OBRA Este ANEXO tem como objetivo fornecer uma estimativa referencial dos valores da obra de modernização do COMPLEXO DO MINEIRÃO. Utilizou-se como referência para construção

Leia mais

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES

FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 002 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre as diretrizes técnicas e condições necessárias para aprovação de PROJETOS HIDROSSANITÁRIOS pela OPERADORA DO S.A.A.E em empreendimentos localizados

Leia mais

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA INSTALAÇÕES MECÂNICAS E DE UTILIDADES VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA O projeto de exaustão por ventilação mecânica para as instalações da área de serviço da EEP Escola de Ensino Profissionalizante justifica-se

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS

PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS PROJETOS DE ACORDO COM A LEGISLAÇÃO DO CORPO DE BOMBEIROS Adilson Antonio da Silva Tenente- Coronel do Corpo de Bombeiros Departamento de Prevenção ccbdsci@policiamilitar.sp.gov.br O CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO

TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS TERMO DE REFERÊNCIA GESER Nº 06/07 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1- DO OBJETO Visa este Termo de Referência à contração de empresa especializada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 20/2010 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS

Leia mais

CADERNO TÉCNICO DE ENCARGOS TERMINAL DE PASSAGEIROS

CADERNO TÉCNICO DE ENCARGOS TERMINAL DE PASSAGEIROS SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO SUL - SRSU GERÊNCIA DE ENGENHARIA EGSU COORDENAÇÃO DE PROJETOS CADERNO TÉCNICO DE ENCARGOS TERMINAL DE 2 / 22 INDICE 1. CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS DE CONCESSÃO... 4 2. NORMAS

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO DEZEMBRO DE 2014 Estrutura de Concreto: Conclusão do 9º pavimento 100% executado; Conclusão do 10º pavimento Barrilete,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA DIAMANTINA MINAS GERAIS TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresas para prestação de serviços técnicos profissionais de engenharia para elaboração de projetos diversos para os Campi da UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DE JEQUITINHONHA

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL

PROCEDIMENTOS DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO ELÉTRICO À ENERSUL PROCEDIMENTO DA DISTRIBUIÇÃO VERSÃO Nº R1 DATA DATA DA VIGÊNCIA 15/07/2013 Histórico de Revisões Revisão Alterações Data R0 - Versão Inicial. 21/06/2013 R1 - Acrescentado Medição Agrupada, Cabinas e Postos

Leia mais

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7

INFRAERO VT.06/557.92/04747/00 2 / 7 REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA APROVO Coordenador Contrato: CREA/UF: Autor do Projeto Resp. Técnico: CREA/UF: Co-Autor: CREA/UF: MARGARET SIEGLE 4522D/ES ELISSA M. M. FRINHANI 5548/D-ES NUMERO:

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DE MERITI MEMORIAL DESCRITIVO Objeto: Reforma e Adequação sem acréscimo de área construída do Posto de Saúde de Eden. End.: Rua Roberto Silveira s/n Éden - São João de

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA

EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA 1 EMPRESA BRASILEIRA DE INFRA ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE NAVEGANTES TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Fornecimento e instalação de películas de proteção para vidros, conforme descrição

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto. Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica

00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto. Rev. Modificação Data Autor. Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica 00 Emissão Inicial Março 2013 Angélica Souto Rev. Modificação Data Autor Especialidades: Autores do Documento: CREA UF Matrícula Rubrica 1- Hidrossanitária Angélica Anunciada Gomes de Mattos Souto 24.930-D

Leia mais

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência Art. 363 - É o conjunto de componentes e equipamentos que, em funcionamento, proporcionam a Iluminação suficiente e adequada para permitir a saída fácil e segura

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO COTAÇÃO DE PREÇO Nº 09/2014 PROCESSO Nº 09/2014 ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM PROJETO - ARQUITETURA, PROJETOS EXECUTIVOS COMPLEMENTARES E ORÇAMENTO

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 011/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 011/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 011/DAT/CBMSC)

Leia mais

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira

Pontos consumo de vapor (economia linhas alta pressão) Almoxarifado Administração Unidade recreativa (gases de combustão) Caldeira Interligação das Unidades O estudo do arranjo físico das edi cações de uma indústria gera a Planta de Locação, relacionando as várias unidades de produção entre si e vinculandoas demais unidades auxiliares,

Leia mais

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil Contribuições Sociais Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil 1 ANEXO VII IN971/2009 DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Conforme Classificação Nacional de Atividades Econômicas

Leia mais

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: Área do sítio: Tipo/ Especificação do documento:

30/10/2014 JL NG. Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio: Área do sítio: Tipo/ Especificação do documento: 0 EMISSÃO INICIAL 30/10/2014 JL NG Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Sítio: Área do sítio: AEROPORTO INTERNACIONAL PINTO MARTINS LOTE 5 - TERMINAL DE PASSAGEIROS Escala: Data: Desenhista:

Leia mais

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100.

ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. PARECER TÉCNICO DAS ANOMALIAS ENCONTRADAS NA EDIFICAÇÃO DE GARANTIA POR PARTE DA CONSTRUTORA. 1ªPARTE TORRES 1 a 3. CONDOMÍNIO: Brink Condomínio Clube. ENDEREÇO: Estrada de Itapecerica Nº 2.100. CIDADE/UF:

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais