SISTEMAS DE COLHEITA PICKER E STRIPPER: CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIAS DA COLHEITA MECANIZADA DE ALGODÃO ADENSADO NO ESTADO DE MATO GROSSO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS DE COLHEITA PICKER E STRIPPER: CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIAS DA COLHEITA MECANIZADA DE ALGODÃO ADENSADO NO ESTADO DE MATO GROSSO"

Transcrição

1 SISTEMAS DE COLHEITA PICKER E STRIPPER: CARACTERÍSTICAS E INFLUÊNCIAS DA COLHEITA MECANIZADA DE ALGODÃO ADENSADO NO ESTADO DE MATO GROSSO Francielle Morelli-Ferreira 1, Diego Augusto Fiorese 2, Antonio Renan Berchol da Silva 3 1. Mestre em Agronomia (Energia na Agricultura) pela Faculdade de Ciências Agronômicas. Unesp/Campus de Botucatu Professor Efetivo do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais. Universidade Federal de Mato Grosso/Campus de Sinop 3. Professor Adjunto da Faculdade de Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia. Universidade Federal de Mato Grosso/Campus de Cuiabá Recebido em: 30/09/2013 Aprovado em: 08/11/2013 Publicado em: 01/12/2013 RESUMO O estado de Mato Grosso atualmente é o maior produtor de algodão (Gossypium hirsutum L.) do Brasil, representando 56,2% da produção nacional. Com a elevação dos preços dos fertilizantes, combustível e mão de obra, uma das alternativas encontradas por pesquisadores e cotonicultores, foi o estreitamento do espaçamento entre fileiras no algodoeiro. O sistema de cultivo adensado consiste em espaçamento entre fileiras de 0,39 a 0,76 m. As colhedoras de algodão podem ser de dois tipos; a colhedora de fusos (tipo picker) e a colhedora de arranque (tipo stripper). Tradicionalmente, as colhedoras de fusos realizavam a colheita do algodão cultivado com espaçamento entre fileiras de 0,76 m a 1,01 m. Recentemente, foi lançado no mercado agrícola unidades de sistema de colheita para adaptação à plataforma de fusos para colheita de algodão adensado, capazes de fazer a colheita de fileiras espaçadas em até 0,38 m. Por apresentarem sistemas colhedores distintos, as máquinas para colheita com sistemas picker e stripper, podem originar diferentes perdas na colheita e condicionar a qualidade do algodão colhido, portanto, o cotonicultor deve atentar-se na escolha do sistema de produção e do sistema de colheita, uma vez que, escolhas inadequadas podem ocasionar perdas qualiquantitativas do produto final. Nesse contexto, objetivou-se com a presente revisão bibliográfica oferecer ao leitor, o conhecimento das principais características e influências dos tipos de colheita mecanizada para algodão em cultivo adensado no estado do Mato Grosso. De modo geral, com o novo modelo de colheita picker para algodão adensado, supera-se o inconveniente de pior qualidade da fibra das colhedoras stripper, entretanto, perde-se a vantagem do custo de colheita reduzido, que é o principal componente de mitigação do custo de produção no sistema adensado. PALAVRAS-CHAVE: colhedora de fusos, colhedora de arranque, características da fibra. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

2 HARVEST SYSTEMS PICKER AND STRIPPER: CHARACTERISTICS AND INFLUENCES OF THE MECHANIZED HARVEST OF NARROW ROW COTTON IN THE STATE OF MATO GROSSO ABSTRACT The state of Mato Grosso is currently the largest producer of cotton (Gossypium hirsutum L.) of Brazil, representing % of national production. With the increase in the prices of fertilizer, fuel and manpower, one of the alternatives found by researchers and cotton farmers was narrowing row spacing on cotton. The system narrow row cotton consists in row spacing of 0.39 to 0.76 m. The cotton harvesters can be of two types: the harvester spindles and harvester stripper. Traditionally, harvesters spindles performed the the cotton harvest cultivated with row spacing of 0.76 m to 1.01 m. Recently was launched units harvest system in the agricultural market to adapting to platform spindles for harvest narrow row cotton, capable of make harvesting up in rows spaced 0.38 m. By show harvest distinct systems, the machines for harvest picker and stripper systems may yield different crop losses, condition the quality of the cotton harvested, therefore, the cotton farmer must pay attention in the choice of the production system and the harvest system, once inadequate choices may result in losses qualitative and quantitative of the final product. In this context, the objective was this literature review to provide the reader the knowledge of the main characteristics and influences of the types of mechanized harvest for cotton cultivation narrow row in the state of Mato Grosso. In general, with the new model for harvest row cotton picker, overcomes the inconvenient of lower quality fiber stripper harvesters, however, lost the cost advantage of reduced harvest, which is the main component of mitigating the cost of production in dense system. KEYWORDS: harvest spindles, harvest stripper, fiber characteristics. INTRODUÇÃO O estado de Mato Grosso atualmente é o maior produtor de algodão (Gossypium hirsutum L.) do Brasil, onde na safra de 2012/2013 foram cultivados 475,3 mil hectares e colhidas toneladas de algodão em caroço, representando 56,2% da produção nacional (CONAB, 2013). Esse sucesso produtivo do estado deve-se a fatores favoráveis como clima, marcado por estações chuvosa e seca, que permite maior qualidade da fibra e, por outro lado, solo e topografia que permite mecanização completa das atividades, além de inúmeras pesquisas e avanços tecnológicos aplicado em todo o sistema produtivo da cotonicultura. Com a elevação dos preços dos fertilizantes, combustível e mão de obra, uma das alternativas encontrada foi o estreitamento do espaçamento entre fileiras no algodoeiro. Essa técnica diminui o ciclo da cultura possibilitando redução nas aplicações fitossanitárias, menor interferência de plantas daninhas, maior precocidade e, consequentemente, menores custos de produção, podendo apresentar, portanto, vantagens sobre o sistema de cultivo convencional. O sistema de cultivo adensado consiste em espaçamento entre fileiras de 0,39 a 0,76 m e o convencional com espaçamentos superiores a 0,76 m (SILVA, 2002). Embora tenham essas variações, o espaçamento mais comum é 0,45 m e 0,90 m para cultivo adensado e convencional respectivamente. Uma etapa de alto custo e de extrema importância no processo produtivo do algodão é a colheita, uma vez que, sendo mal conduzida, poderá acarretar prejuízos ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

3 quali-quantitativos no produto final. Para a colheita do algodão, existem dois tipos de máquinas: a colhedora de fusos (picker), que retira apenas o algodão em caroço e a colhedora stripper, dotada de sistema de roldanas, que retira capulhos inteiros, as casquilhas e os invólucros (EMBRAPA, 2003). De acordo com estudos não científicos realizados pelo Instituto Matogrossense do Algodão (IMA), o sistema de colheita picker é superior ao stripper em relação à qualidade do algodão colhido, entretanto, apresenta elevado custo para aquisição e manutenção (duas a três vezes mais caras que as colhedoras stripper), exigindo níveis de produtividades elevados para ser devidamente rentabilizada. As colhedoras stripper são mais utilizadas na colheita do algodão em cultivo adensado, sendo o principal fator da redução dos custos de produção nesse sistema, portanto, utilizando máquinas de custo e manutenção mais barata reduzemse os custos operacionais na colheita. As perdas na colheita de algodão ocorrem em função dos mais variados problemas, dentre os quais se destacam: ponto de maturação, condições de colheita, regulagens de máquinas, velocidade de colheita, tipo de máquina, tipo de solo, variedade e fatores climáticos (OOSTERHUIS, 1999). A colheita mecânica, embora seja sempre mais rápida que a manual acarreta perdas bem maiores, na ordem de 15 a 17% na colheita mecânica e de apenas 5%, na manual. Além das perdas, o rendimento no beneficiamento é bem menor na colheita mecânica, devido à quantidade de impurezas que levam (SILVA, 2007). Por apresentarem sistemas colhedores distintos, as máquinas para colheita com sistemas picker e stripper podem originar diferentes perdas na colheita e condicionar a qualidade do algodão colhido. Nesse limiar, no momento da colheita, as perdas devem ser monitoradas, com o objetivo de detectar possíveis erros que possam ocorrer durante o processo para que esses possam ser corrigidos. As perdas quantitativas podem ser avaliadas por meio de amostragens no campo e as perdas qualitativas por meio de análise das características da fibra do algodão. A busca em geral da indústria têxtil são por plumas com maiores percentuais de reflectância, menores índices de amarelecimento e grau de impurezas, portanto, o manejo do algodoeiro está diretamente relacionado com a qualidade da fibra, uma vez que, o sistema de produção e o tipo de colheita podem influenciar negativamente no produto final. Nesse contexto, objetivou-se com a presente revisão bibliográfica oferecer ao leitor o conhecimento das principais características e influências dos tipos de colheita mecanizada para algodão em cultivo adensado no estado do Mato Grosso. CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO O algodão é uma das espécies vegetais mais cultivadas no mundo e comercialmente são aproveitadas principalmente suas sementes e sua fibra, sendo esta a mais importante das fibras têxteis (BUAINAIN & BATALHA, 2007). A agricultura brasileira sofreu profundas transformações, pois, em pouco tempo o a cultura do algodão passou de cultivo familiar para produção em grande escala, com altos investimentos de capital e tecnologia, principalmente nos cerrados da região Centro-Oeste (ELEUTÉRIO, 2001). Em relação à geração de empregos, distribuição de renda e acúmulo de riquezas, a cotonicultura é uma das mais importantes mundialmente (MARTIN, 2001). O algodão é recente no estado do Mato Grosso, pois sua produção em larga escala iniciou-se apenas em meados da década de 1990, aumentando ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

4 exponencialmente desde então. Atualmente, além do Mato Grosso ser o principal produtor do Brasil com 56% da produção, também é responsável por 50% da exportação nacional, sendo que o Brasil é hoje o terceiro maior exportador mundial da pluma. A produção de pluma ultrapassa 1 milhão de toneladas por ano, das quais são exportadas para países como China, Indonésia, Japão, Argentina, Coréia do Sul, Turquia, Paquistão, Vietnã, Taiwan e Tailândia (AMPA, 2013). O rápido desenvolvimento da cultura no Mato Grosso foi devido ao uso de cultivares melhoradas e adaptadas as condições do cerrado e que um importante fator na tecnificação do setor foram parcerias entre o governo e empresários, além de capacitação dos produtores e mão de obra. A medida que novas etapas são equacionadas, a cotonicultura desenvolvida no cerrado ampliará sua participação e importância na produção nacional de algodão, que hoje corresponde a mais de 97,3% da fibra produzida no Brasil (FREIRE, 2011). O sistema de cultivo convencional se destaca devido a sua elevada produtividade, sendo que em Mato Grosso, na safra 2012/13, a média de produtividade do algodão em caroço ficou em média de 3870 kg ha -1 e a produção de pluma em torno de 1521 kg ha -1 (CONAB, 2013). O custo de produção de algodão convencional para a safra de 2012/2013 apresentou média de R$ 5.123,94 (IMEA, 2012). Segundo CONAB (2013), em Mato Grosso, a produtividade média do algodão em caroço registrou incremento de 0,8% em comparação à safra anterior. A incidência de pragas, doenças e plantas daninhas que atacam a cultura é relevante em decorrência ao longo ciclo da cultura (180 a 220 dias) (MARTIN, 2001). O cultivo do algodão dentro de um espaçamento correto é importante e deve ser definido levando-se em consideração o desenvolvimento das plantas, práticas culturais e o tipo de colheita (SILVA, 2002). SISTEMAS DE CULTIVO DO ALGODÃO Sistema de cultivo convencional O sistema de cultivo do algodão em espaçamento convencional com população adequada otimiza a captação de luz, minimiza a concorrência intraespecífica por água, luz e nutrientes e reduz a infestação de plantas daninha, além de facilitar a movimentação de pessoas e máquinas na lavoura para realizar os controles de pragas e doenças que se fizerem necessário (FERREIRA et al., 2005). Esse sistema de cultivo é baseado na utilização de cultivares desenvolvidas para o espaçamento tradicional (0,76 a 0,90 m), as quais apresentam elevado potencial produtivo e adaptabilidade ao tipo de colhedora picker, sendo esta mais comumente encontrado em nível mundial com capacidade de atender a demanda de qualidade da indústria têxtil. No entanto, MARTIN (2001) salienta que o sistema de produção convencional é moroso em decorrência do longo ciclo da cultura (180 a 220 dias), apresentando elevados custos com produtos fitossanitários, reduzindo assim a margem de lucro dos produtores, pois o custo de produção vem aumentando a cada ano com a elevação nos gastos com pesticidas, fertilizantes e à utilização de ciclo tardio (superior a 200 dias). BARBOSA et al. (2011) cita que o sistema convencional de cultivo do algodoeiro é baseado na utilização de cultivares desenvolvidas para o espaçamento tradicional (0,76 a 0,90 m), as quais apresentam elevado potencial produtivo, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

5 adaptabilidade ao tipo de colhedora picker, mais comumente encontrado em nível mundial e capacidade de atender a demanda de qualidade da indústria. A colhedora com sistema picker ou de fusos, a mais usada atualmente, pode colher algodão de boa qualidade, dependendo da variedade, da distribuição espacial de plantas e do uso adequado de desfolhantes, entre outros aspectos (BUAINAIN E BATALHA, 2007). A utilização de espaçamentos corretos podem elevar os níveis de produtividade, sem incrementos no custo de produção (LAMAS et al., 1989) e espaçamentos estreitos entre fileiras podem melhorar o aproveitamento de área e a interceptação da radiação solar, em relação ao espaçamento convencional (BUXTON et al., 1979 citado por SILVA et al., 2009). Sistema de cultivo adensado A tecnologia narrow row cotton (NRC) é o cultivo do algodão com espaçamento estreito entre fileiras, também chamado de algodão adensado. Esta tecnologia foi desenvolvida em diversos estados do Estados Unidos (EUA) e vem aumentando substancialmente desde os anos 70 com interesse cíclico por parte dos produtores (PERKINS, 1998). Essa prática vinha sendo adotada nos EUA com sucesso em relação à produtividade, então, se expandiu para Austrália, Argentina (80% da produção em sistema adensado) e Paraguai (AMPA, 2013). Segundo NAGASHIMA (2008), o algodão cultivado em sistema adensado requer semeadura com espaçamento entre fileiras de 0,50 m e no ultra-adensado de 0,38 m, com populações que variam de a plantas por hectare. O cultivo do algodão adensado no estado de Mato Grosso, quando semeado em sucessão à soja, também é conhecido por algodão safrinha, cujo manejo recomendado é o cultivo com espaçamentos reduzidos viabilizando o uso da semeadora da soja no seu espaçamento original (0,45 m) para a semeadura do algodão (LAMAS et al., 2003). Esse sistema se caracteriza por um algodão semeado tardiamente, de fim de janeiro a fevereiro, eventualmente após uma soja precoce. A densidade de plantas utilizada é entre a plantas por hectare e a precocidade é alcançada pelo fato de cada planta ter que produzir somente 5 a 7 capulhos, com reduzida estrutura de plantas, no máximo cm de altura no momento da colheita. Com essa precocidade e baixo porte das plantas, pode se proporcionar uma diminuição dos custos de fertilizantes e proteção fitossanitária (BELOT et al., 2009). Segundo ROSOLEM et al. (2012), quando comparado ao sistema de cultivo convencional, o cultivo adensado potencialmente encurta o ciclo da cultura, uma vez que o número final de frutos por planta não é superior a cinco ou seis, diminuindo o período de florescimento. A adoção desse sistema de cultivo avançou exponencialmente em todas as regiões algodoeiras do Brasil na safra de 2008/2009, articuladas pelas associações estaduais de produtores, ainda que em caráter experimental. Contudo, a mudança de época de semeadura e do espaçamento gerou muitas dúvidas, pois este novo sistema de cultivo pode interferir em todo o sistema produtivo, incluindo dimensionamento das máquinas e equipamentos e do manejo geral de toda a lavoura, principalmente a colheita (SILVA et al., 2009). WRIGHT et al. (2008) chamam a atenção para a busca dos produtores de algodão em reduzir custos nas principais regiões produtoras com o uso do algodão adensado, pois as pesquisas e os dados dos custos de produção realmente ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

6 apontam que os gastos com sementes aumentam em relação ao plantio convencional, mas os menores custos na colheita e maior produtividade podem aumentar a rentabilidade. SILVA et al. (2009) relata que uma das justificativas dos cotonicultores brasileiros para o grande interesse em cultivar o algodoeiro adensado em safrinha é a melhoria da competitividade do sistema. Esse último autor salienta que, apesar da possibilidade de redução da produtividade nesse sistema de cultivo, o menor ciclo da cultura, o menor custo de produção e a produção de outra cultura antecessora ao algodão, como a soja e o feijão na safra normal, podem garantir maior retorno econômico por área/ano de cultivo se comparado ao cultivo do algodoeiro apenas na safra normal. Pesquisadores do IMA (2010), após ensaios de competição de cultivares comerciais e de linhagens promissoras de algodão, porém, conduzidas em sistema adensado (espaçamento de 0,45 m), observaram que as produtividade de algodão em caroço colhidos com sistema stripper variou de à kg ha -1, com plantas não ultrapassando os 0,90 m de altura. SEVERINO et al. (2004) em experimento variando espaçamentos, concluiu que o espaçamento de 0,35 m entre fileiras resultou em produtividade 13% maior que o espaçamento de 0,75 m. A densidade de plantas na linha variando entre 5,4 a 8,8 plantas por metro não influenciou na produtividade; o número de capulho por planta diminuiu com o aumento da população de plantas, mas esse decréscimo foi compensado pelo maior número de plantas na mesma área. YAMAOKA & BELOT (2011) ressaltam que, além dos diversos fatores favoráveis já relatados para a produção de algodão adensado, dentre eles a redução do ciclo cultural e do custo de produção, o aspecto mais importante desse sistema é a possibilidade de realizar a colheita utilizando máquinas mais simples e de baixo custo, conhecidas como colhedoras de sistema stripper. ALVES et al. (2012) analisaram o custo de produção do algodão em sistema adensado em quatro fazendas no estado de Mato Grosso e concluiram que o custo total ficou entre R$ 3.713,78 e R$ 3.155,45 por hectare. Segundo os autores, quanto à rentabilidade, devido a diferenças de produtividade, o retorno sobre o custo total oscilou entre -34% a +33%, mostrando que a nova tecnologia pode não ser eficiente em melhorar a rentabilidade de todos os produtores. Segundo IMEA (2013) foram plantados hectares de algodão adensado na safra 2012/13 para o estado de Mato Grosso. A expectativa para a safra 2013/14 é que haja um incremento de 1,6% da área cultivada com esse sistema, aumentando para hectares de algodão em sistema adensado. SISTEMAS DE COLHEITA DO ALGODÃO Sistema de colheita picker As colhedoras do tipo picker têm como principal elemento os fusos em rotação, que extraem de forma seletiva o algodão em caroço dos capulhos abertos da planta do algodão, sem puxar as casquilhas; em seguida ele é desprendido dos fusos com desfibradores de borracha (doffer) e levado para o cesto armazenador da máquina por correntes de ar (BELOT & VILELA, 2006). No Brasil existem três marcas de colhedora de algodão do tipo picker constituídas (John Deere, Case e Montana), em sua maioria, de 5 unidades colhedoras que, em condições normais, colhem entre 15 a 17 hectares/dia ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

7 equivalentes a uma produção de a kg de algodão em caroço, em uma jornada diária de trabalho (EMBRAPA, 2003). Tradicionalmente, as colhedoras de fusos (Figura 1a) realizavam a colheita do algodão cultivado com espaçamento entre fileiras de 0,76 m a 1,01 m. Na safra de 2011, a John Deere, empresa de tradição mundial na fabricação de colhedoras de algodão, lançou oficialmente, um sistema de colheita de fusos para algodão em cultivo adensado, denominadas de unidades PRO12-VRS, capazes de fazer a colheita de fileiras espaçadas em até 0,38 m, tendo como base o corte e o transporte das plantas de uma fileira para a fileira adjacente e assim proceder à extração dos capulhos (SILVA et al., 2010). Outro fabricante, a Deltamaq Indústria e Comércio Ltda, também lançou no mercado um kit de fabricação própria (Cotton 45 Deltamaq) (Figura 1b) para adaptar as plataformas com esse mesmo sistema de funcionamento. FIGURA 1. (a) Colhedora de algodão com sistema de colheita picker e cinco linhas de colheita espaçadas a 0,90 m para colheita de algodão convencional. (b) Colhedora de algodão com sistema de colheita picker e plataforma adaptada para colher dez linhas de algodão espaçadas a 0,45 m (sistema adensado). Fotos: Francielle Morelli Ferreira (2012). Cada unidade de colheita utiliza facas rotativas (Figura 2) para o corte das plantas de uma fileira, a uma altura de 50 a 150 mm, além de possuir condutores rotativos que transportam as plantas na posição vertical para juntar-se à fileira adjacente não cortada de forma ordenada e uniforme e, dessa forma, as plantas passam no primeiro e no segundo cilindros colhedores para a extração dos capulhos (WILLCUTT & COLUMBUS, 2002). As fileiras cortadas ficam intercaladas com as fileiras não cortadas, fazendo com que o número de fileiras colhidas seja o dobro do número de unidades colhedoras. Segundo YAMAOKA & BELOT (2011), ao se tratar de colheita em algodão adensado com sistema picker, a qualidade do algodão colhido foi semelhante a das colhedoras convencionais (sem as unidades adaptadas), porém, apresentando custo de colheita muito elevado, tanto no investimento para aquisição do equipamento como na manutenção e reposição das peças. No entanto, SILVA et al. (2010) ressalta que a vantagem desta colhedora é sua alta capacidade de colheita (quantidade de algodão colhido) em função da sua velocidade de descolamento, podendo ser de 5 a 6,5 km h -1, todavia, YAMAOKA (2010) relata que esta colhedora origina maiores perdas e exige altos níveis de ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

8 produtividade e índices de ocupação na plataforma para que seja totalmente rentabilizada. FIGURA 2. Facas rotativas adaptadas na plataforma picker para colheita de algodão adensado. Foto: Francielle Morelli Ferreira (2012). Sistema de colheita stripper Até poucos anos atrás, no Brasil, o cultivo do algodão adensado não tinha possibilidade de expansão por falta de colhedoras de tipo stripper, portanto a solução encontrada por pesquisadores e produtores foi de importar plataformas com esse sistema, sendo que, atualmente no Brasil, a maioria das colhedoras stripper são montadas sobre colhedoras antigas de fusos, sendo a plataforma stripper e os limpadores acoplados a essas colhedoras (SOFIATTI, 2011). BELOT et al. (2002) relata que na redução de custos da cotonicultura, o principal componente é a colheita, pois uma colhedora do tipo stripper acaba sendo de duas a três vezes mais barata que uma picker, tanto para a compra como para a manutenção. As colhedoras do tipo stripper são compostas por um conjunto de dedos formando um pente (largura que pode variar entre 3,0 e 7,2 m), um molinete, um caracol ou sem fim e dutos com jatos de ar para transporte do algodão até o sistema de pré-limpeza (HL Extrator) localizado próximo ao cesto de armazenamento (SILVA et al., 2010). No sistema de colheita stripper o molinete bate nas plantas quebradiças e a máquina recolhe os capulhos com brácteas e fragmentos lenhosos (MARTIN, 2006). SOFIATTI et al. (2011) complementam que as colhedoras stripper são mais apropriadas à colheita do algodão cultivado em espaçamentos entre fileiras menores que 0,76 m, pois as plantas nesse sistema de cultivo apresentam menor quantidade de ramificações laterais, o que melhora a eficiência da máquina e reduz a quantidade de impurezas na fibra. Em 2010, a fabricante de máquinas nacional, Montana Agriculture, lançou uma colhedora com sistema stripper de fábrica para colheita de algodão adensado, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

9 denominada Cotton Blue 2826 Stripper (Figura 3a). Com essa colhedora no mercado, os cotonicultores tinham a opção de comprar a máquina completa ao ter que adaptar uma plataforma stripper importada em outra colhedora (John Deere ou Case) originalmente com sistema picker (Figura 3b). FIGURA 3. (a) Colhedora de algodão, marca Montana Agriculture, modelo Cotton Blue 2826 Stripper. (b) Colhedora de algodão, marca Case, modelo 2555, adaptada com plataforma de pente (modelo da marca BUSA), com 6 m largura e sistema de colheita stripper. Fotos: Francielle Morelli Ferreira (2012). Existem vários fabricantes destas plataformas, especialmente na Argentina, Paraguai, Estados Unidos e mais recentemente no Brasil, que estão disponíveis para equipar as colhedoras usadas e/ou antigas das marcas John Deere e Case que foram inicialmente projetadas com o sistema de fusos, em que as unidades são removidas dando lugar a plataforma de pente (SOFIATTI et al., 2011). Nesse caso, as plataformas podem ser vendidas junto com 1 ou 2 extratores HL em função da largura da mesma. Os extratores HL tem função de realizar a pré-limpeza, que começa nos dutos, quando ocorre a remoção das maçãs verdes não abertas, e a seguir o algodão entra no HL Extrator, composto por diversos cilindros serrilhados, grelhas e barras para a extração das impurezas maiores. Finalizada essa pré-limpeza, o algodão é direcionado e depositado no cesto. As transmissões são hidráulicas, tanto para a plataforma como para o extrator, e essas plataformas em forma de pente apresentam flutuação lateral, o que reduz as perdas e facilita a operacionalidade da máquina, sua largura de trabalho varia entre 4,5 e 6 m e a velocidade de descolamento pode chegar até 5 km h -1 (SILVA et al. 2010). As colhedoras stripper (de arranque) colhem capulhos e frutos abertos ou semi-abertos, resultando em produto de menor qualidade quando comparado ao colhido manualmente e na colhedora de fusos (picker) (EMBRAPA, 2003). O sistema stripper é não seletivo e extremamente agressivo pela ação vigorosa dos dentes e dos molinetes sobre as plantas, que retiram os ramos laterais, casquilhas, folhas, capulhos e carimãs e aumenta a quantidade de impurezas, o número de nodosidades (neps) e de amarelecimento das fibras, reduzindo o micronaire e a reflectância se comparado a colhedora do tipo picker (SILVA et al., 2009). ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

10 REGULAGENS NA COLHEITA SOUZA (2001) descreveu a importância de se conhecer e melhorar o desempenho dos sistemas que envolvem a colheita, desta forma, alterações de regulagens podem ser feitas para reduzir possíveis danos ou perdas. O autor cita que, para utilização correta de máquinas e equipamentos devem ser feitas constantes vistorias dos mesmos, para que, os problemas existentes sejam diagnosticados e corrigidos, seja por parte da indústria fabricante ou do operador da máquina. Na colheita do algodão as perdas podem ser parcialmente evitadas tomando-se alguns cuidados, tais como monitoramento rigoroso das velocidades de trabalho, ajustes, regulagens, limpeza correta, conhecimento e manutenção da eletrônica embarcada, periodicidade de manutenção e reabastecimento de graxas, água/detergente do sistema de umidificação. Inicialmente, deve-se fazer uma revisão em todos os mecanismos da máquina para se ter certeza de que o conjunto funciona perfeitamente, pois esses pontos são de fundamental importância para o seu bom desempenho (EMBRAPA, 2003). Os guias das plantas devem estar perfeitamente regulados assim e também os sensores que ajustam à altura de colheita, de acordo com os primeiros capulhos da planta. As placas de compressão das plantas sobre os tambores de colheita devem ser verificadas de forma que os fusos colham o máximo de algodão, sem injuriar mecanicamente a planta. As colhedoras possuem dois tambores: um dianteiro e outro traseiro, em que no primeiro são colhidos em média 75% do algodão e o restante no traseiro, motivo por que a placa deste tambor deverá ser mais apertada. Deve-se, também, observar a folga dos desfibradores em relação aos fusos e às escovas umidificadoras, que devem limpar e umedecer os fusos em quantidade correta; já os fusos deverão estar com suas ranhuras bem profundas e bordas afiadas para apanhar com eficiência o algodão das plantas. As janelas de saída das impurezas localizadas nos tambores devem ser regularmente limpas, bem como os dutos condutores do algodão ao cesto desobstruído e bem fixo para evitar embuchamento e perda de carga na sucção (SCHNEIDER, 2006). No sistema de colheita picker, quando o algodão em caroço está sendo conduzido para o cesto da máquina, passa por um processo de limpeza proporcionado pelos pentes, que devem estar bem regulados (EMBRAPA, 2003). O cesto para o depósito de algodão é composto de telas que devem estar sempre limpas, para assegurar um fluxo de ar de dentro para fora; eliminando parte das impurezas do algodão. Aconselha-se realizar a cada dois descarregamentos, a limpeza externa das telas e, internamente, por meio de vassouras no cesto (EMBRAPA, 2003). Segundo SCHNEIDER (2006), na distribuição das operações em um dia normal de trabalho na colheita de algodão, observa-se que a colhedora passa apenas 57% do tempo colhendo/dia, sendo 17% de manutenção e deslocamento das máquinas no campo (colhedora, transbordo e prensa-compactadora), 13% de descarregamento e 13% de refeições durante o dia. Para a colheita stripper, é importante verificar a altura e a inclinação da plataforma no momento da colheita de acordo com o terreno, de forma que não fique em contato com o solo para evitar entortar os dedos da plataforma de pente. Verificar também a abertura de pentes da plataforma, de forma que não fique aberto ou estreito demais, pois refletirá diretamente no índice de perdas na colheita. A abertura entre os pentes da plataforma está relacionada com o diâmetro de caule do ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

11 algodão a ser colhido, uma vez que, em sistema de cultivo adensado é interessante que o diâmetro caulinar fique entre 7 a 12 cm e o capulho do baixeiro a 10 cm do solo (FERREIRA, 2013). PERDAS NA COLHEITA DO ALGODÃO Assim como ocorre em todos os processos de colheita mecanizada, também durante a colheita do algodão podem ocorrer perdas quantitativas. No Brasil, dados de pesquisas apontam níveis variados de perdas para situações e regiões diferentes (SILVA et al., 2011). Segundo FERRONATO et al. (2003) para observar erros que podem ocorrer durante a colheita e que os mesmos possam ser corrigidos é importante monitorar as perdas na colheita, que podem ser quantitativas (algodão que se encontra no solo, algodão remanescentes na planta após passagem da colhedora e perda de peso devido ao atraso na colheita ) e qualitativas (mistura de algodão com outras partes da planta, imaturidade das fibras por colheita prematura, excesso de umidade, redução da resistência das fibras, variação no comprimento e na coloração das fibras devido a diversos fatores, dentre eles o climático). No que se refere à qualidade de colheita, considera-se tanto a eficiência da colheita como a qualidade do algodão colhido (BELOT & VILELA, 2006). As perdas na colheita podem ser influenciadas tanto por fatores inerentes à cultura em especial, como por fatores relacionados à colhedora (FERREIRA et al., 2007; CARVALHO FILHO et al., 2005). MARTIN et al. (2005) relataram alguns resultados sobre algodão adensado colhido com sistema stripper em Mato Grosso e uma das conclusões foi que as perdas na colheita com sistemas stripper variaram de 12 a 13%, níveis estes, habitualmente observados com colhedoras do tipo picker. BELOT (2010) relata que o sistema picker é superior ao stripper em relação à eficácia da colheita (menos perdas) e a qualidade do algodão colhido, mas exige níveis de produtividade muito mais elevados para ser devidamente rentabilizado. Segundo esse último autor, as perdas na colheita geralmente ficam entre 5 a 15%; nas condições de cerrado, entre 9,4% e 12,5%; e no estado de São Paulo, entre 7 e 16% (CARVALHO, 1984 citado por SILVA et al., 2011). Recentemente, FERREIRA (2013) em experimento avaliando as perdas na colheita de cultivares de algodão adensado em função dos sistemas de colheita picker e stripper em Mato Grosso observou que o sistema picker adaptado para colher algodão adensado origina as maiores perdas totais (13,5%) enquanto que o sistema stripper originou as menores perdas totais (9,5%). SILVA et al. (2007) observaram perdas totais de 16,7% em sistema de colheita picker em Ipameri GO, porém, segundo o autor, ambos os resultados estão acima dos observadas na literatura, onde, nas condições de cerrado, as perdas totais situam-se entre 9,4% (NOGUEIRA & SILVA, 1993). Na safra de 2011, em Ipameri GO, SILVA et al. (2011) observaram perdas com colhedora picker de 5,1%, 3,5% e 7,5% para perdas no solo, perdas na planta e perdas totais, respectivamente, estando estes valores de acordo com VIEIRA (2001) que refere-se ao nível de 10% como sendo o máximo aceitável neste tipo de procedimento, estando a faixa ideal situada entre 6 e 8%. Diversas características de cultivares de algodão podem influenciar sobre a carga em impurezas do algodão colhido ou sobre a porcentagem de perdas na ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

12 colheita. Existe diferença entre cultivares em relação à aderência do algodão em caroço na cápsula aberta (BELOT & VILELA, 2006). Algumas variedades atualmente cultivadas em Mato Grosso ficam com os capulhos abertos várias semanas sem derrubar algodão no solo (ITA90, IMACD 406), enquanto outras precisam ser colhidas logo (Stoneville 474, IMACD 407). Estudos realizados no Mato Grosso relataram que atraso de um mês na colheita gerou perdas pré-colheita em torno de 4%, além da degradação do tipo de fibra (BELOT et al., 2010). BELOT (2010) afirmou que a escolha de cultivares adequada para a região da semeadura, a época da semeadura e os tratos culturais estão entre os principais fatores para minimização das perdas na colheita e obtenção de boa produtividade. CARACTERÍSTICAS DA FIBRA DO ALGODÃO Considerando os vários tipos de fibras, de origem natural, artificial ou sintética, a pluma do algodão destaca-se como a mais importante matéria-prima utilizada em toda a cadeia têxtil do Brasil, um dos principais segmentos da indústria de transformação e, consequentemente, da economia do país (CONAB, 2012). As características das fibras de algodão é o conjunto de propriedades físicas que determinam seu valor como matéria prima, como comprimento, uniformidade do comprimento, resistência, alongamento, maturidade, finura, brilho, cor, conteúdo de material não fibroso, umidade e durabilidade (EMBRAPA, 2006). A qualidade intrínseca das fibras é dependente do fator genético, próprio de cada cultivar e do ambiente, como temperatura, umidade relativa do ar e radiação solar (SESTREN & LIMA, 2011), porém, sistemas de produção e o tipo de colheita podem condicionar a qualidade da fibra. De acordo com a Instrução Normativa n 63, de 05 de Dezembro de 2002, do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) definem os termos empregados para a fibra de algodão em pluma e para os subprodutos da sua industrialização acordo com o Art. 1º Aprova o Regulamento Técnico de Identidade e de Qualidade para a Classificação do Algodão em Pluma, e define os termos (BRASIL, 2002): 1. Micronaire da fibra: é o índice determinado pelo complexo finura/maturidade da fibra. 2. Comprimento médio da fibra (UHM): comprimento médio da metade das fibras mais longas. 3. Índice de uniformidade do comprimento da fibra (UI): é a relação entre o comprimento médio (ML) e o comprimento médio da metade das fibras mais longas (UHM), expresso em porcentagem. 4. Resistência da fibra: é a força, em gramas, requerida para romper um feixe de fibras de um tex, que equivale ao peso em gramas de 1000 metros de fibra. 5. Alongamento: é quanto o material cede no sentido longitudinal até o momento de rotura, expresso em percentual, em função do comprimento inicial de prova. 6. Grau de reflexão das fibras (%Rd): é o valor correspondente à quantidade de luz refletida pelas fibras de algodão, expresso em percentual, indicando a brancura da luz refletida pelas fibras de algodão. 7. Grau de amarelecimento das fibras (+b): é o valor correspondente ao amarelecimento das fibras com a ajuda de um filtro amarelo. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

13 8. Diagrama ou grau de cor das fibras: é o valor obtido a partir do grau de reflexão e do grau de amarelecimento. Segundo SANTANA et al. (2008), o termo classificação do algodão referese à aplicação de procedimentos padronizados e desenvolvidos pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos da América do Norte USDA, para avaliar as qualidades físicas do algodão. O sistema HVI (Hight Volume Instruments) é a combinação de aparelhos de medição usados para acessar quantitativamente as características físicas das fibras do algodão, que podem fornecer informações mais rapidamente e em maior quantidade, com tanta precisão quanto às classificações e ensaios laboratoriais (SESTREN & LIMA, 2011). Em relação à qualidade visual da fibra, vários trabalhos não científicos realizados por IMAMT (2010) mostram que, o único fato de colher com a máquina stripper diminui o micronaire e a reflectância (Rd) e aumenta o grau de amarelecimento (+b) e de Neps em comparação à colheita picker, devido ao fato da colhedora stripper colher maçãs do ponteiro pouco abertas onde a fibra imatura é extraída, o que não acontece com as colhedoras de fusos. A busca em geral da indústria têxtil são por plumas maduras com maiores percentuais de reflectância, menores índices de amarelecimento e impurezas (SANTANA et al., 2008). De acordo com EMBRAPA (2006), o algodão em pluma é classificado por tipo e comprimento das fibras, sendo que o tipo será determinado levando-se em conta a cor das fibras, a presença de folhas, que caracterizarão as impurezas, e o modo do beneficiamento do algodão em caroço. A combinação dos índices de reflectância e amarelecimento estabelecem o grau de cor ou color grade (CG) da fibra do algodão, sendo esse, representado por um código de três dígitos. Para a classificação HVI (Tabela 1), o primeiro dígito é relativo ao tipo visual do algodão (onde o tipo 1 é o melhor e o 8 já é considerado fora do padrão), o segundo dígito refere-se a cor (1-branco, 2-ligeiramente creme, 3-creme, 4-avermelhado) e o terceiro dígito representa a quantidade de impurezas e folhas designado pelo grau de folha da amostra (1 é o menor número de folhas e impurezas e 8 é fora do padrão) (BRASIL, 2002). TABELA 1. Códigos de classificação Universal HVI quanto ao tipo do algodão. Fonte: UNICOTTON (2004). Padrões HVI Abaixo do padrão ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

14 Analisando as características da fibra em função de diferentes sistemas de colheita, a manual, por ser mais seletiva provoca pouca contaminação. Nessa modalidade as perdas no beneficiamento são baixas (3 a 5%) e o rendimento de fibra alto (40 a 45%); a sequência de beneficiamento é mínima, com menos tratamentos mecânicos. A fibra é limpa, com baixas taxas de fibras curtas e neps, além do tipo produzido, que são superiores (11-2 e 21-2). A colheita picker é bastante seletiva, os fusos puxam a fibra do capulho aberto e quando a colhedora está bem ajustada, a quantidade de matéria estranha levada para o cesto (sujeira grossa) é razoável, a contaminação vegetal é média, com casquinhas, caules e folha. O rendimento de fibra médio é de 36 a 41%, a fibra geralmente apresenta taxas de fibras curtas e de neps médias a elevadas, na maioria dos casos, por causa de deficiências na gestão dos ritmos de trabalho e da umidade no decorrer do processo de beneficiamento (CHANSELME & RIBAS, 2010). A colheita stripper é uma técnica não seletiva, pois arranca muitas partes da planta na passagem destas entre os dedos da plataforma de pente; a contaminação é muito diversa (folha seca, folha verde, casquinhas, caule, maças verdes, terra, pedra). O algodão em caroço imaturo ou de maças mal desenvolvidas (carimã) também é colhido. A contaminação chega a ser muito alta. As perdas totais no beneficiamento variam de 15 a 50% do peso do fardão, e os rendimentos de fibra de 20 a 35%. Os padrões produzidos vão de superiores a baixos (31-3 a 51-5 ou pior) (CHANSELME & RIBAS, 2010). BOLDRIN (2011) realizou pesquisas com produtores da Associação Matogrossense de Produtores de Algodão (AMPA) e relatou que cada produtor produz vários tipos de algodão em sua propriedade (Tabela 2), variando em função da cultivar utilizada, tipo de solo do talhão, condições climáticas, sistema de produção e do tipo de colheita utilizado. Nos EUA, segundo HOLT (2009) citado por BELOT & VILELA (2010), vários estudos mostraram grande diferença no algodão em caroço em função do tipo de colheita. No algodão colhido com picker, a matéria estranha representou 5,5% do peso, contra mais de 35% com colheita stripper sem limpeza embarcada. No contexto de que o algodão colhido com stripper contém maior número de impureza, a taxa de fibra no fardão diminui de 37,5% para 25,6%. TABELA 2. Tipos de algodão obtidos pelos produtores de Mato Grosso. Fonte: BOLDRIN (2011). Tipo de algodão Percentual obtido % % % % % % % % % % MCALISTER III e ROGERS (2005) investigaram o efeito de método de colheita com a qualidade de fibra de algodão em sistema adensado nos EUA. Os autores relataram aumento do micronaire, resistência, comprimento médio, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

15 uniformidade de comprimento e diminuição do amarelecimento em amostras colhidas com picker contra amostras colhidas com stripper. O Instituto Mato-grossense de algodão realizou em 2009 experimentos onde confirmaram as tendências dos EUA, com diferença entre os dois tipos de algodão, onde as matérias estranhas representaram 7,7% do peso do fardão colhido com picker e 16% do fardão colhido com stripper (CHANSELME & RIBAS, 2010). BELOT et al. (2002) observaram que as porcentagens de impurezas com colhedoras picker ficam em torno de 6% e com colhedoras stripper ao redor de 25%. FERREIRA (2013) em experimento avaliando a qualidade da fibra de cultivares de algodão adensado em função dos sistemas de colheita picker e stripper em Mato Grosso observou que o sistema stripper origina os menores percentuais de fibra, o menor índice de reflectância, o maior conteúdo de impurezas, maior número de folhas e tipo de fibra de pior qualidade quando comparado às fibras colhidas com sistema picker. BOLDRIN (2011) em pesquisa de campo com os cotonicultores da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (AMPA) observou que 85% dos cotonicultores produzem algodão do tipo 31-4; 60% produzem do tipo 41-4 e apenas 5% produzem do tipo MARTIN (2006) em estudos com comercialização de algodão em pluma explanou que a fibra de colheita stripper é menos procurada, além de ser comercializada com deságios por apresentar tipo inferior. Nesse limiar, observa-se que as bolsas de valores aplicam ágios e deságios de acordo com a classificação do algodão comercializado. Estes critérios utilizados na comercialização demonstram o quanto a qualidade do produto é levada em consideração pelos agentes, pois, quanto melhor os padrões atingidos pelos produtores, maiores serão os ágios recebidos. Portanto, a busca pela melhoria de qualidade da fibra é necessária, pois assim será possível ao produtor obter melhores preços no mercado. CONSIDERAÇÕES GERAIS Analisando-se as premissas encontradas na literatura e os resultados na colheita de algodão adensado no estado de Mato Grosso, observados por diversos pesquisadores, ressalta-se que, apesar desse sistema alcançar produtividade igual ou superior, e custo de produção inferior ao sistema convencional, o algodão adensado colhido com sistema stripper tem sido freado no seu desenvolvimento, devido ao maior custo com limpeza no descaroçamento e menor preço na venda da fibra, devido à característica das colhedoras de arranque. Com o novo modelo de colheita picker para algodão adensado, supera-se o inconveniente de pior qualidade da fibra das colhedoras stripper, entretanto, perdese a vantagem do custo de colheita reduzido, que é o principal componente de mitigação do custo de produção no sistema adensado. De modo geral, toda fibra de algodão tem mercado para a comercialização, porém, seu valor varia de acordo com seu tipo físico e grau de impurezas. Nesse contexto, o produtor que irá definir o manejo do seu algodoeiro e tomar decisões quanto a melhor forma de colheita para maximizar a qualidade do produto final e consequentemente, maximizar o lucro. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

16 REFERÊNCIAS ALVES, L. R. A.; GOTTARDO, L. C. B.; FERREIRA-FILHO, J. B. de S.; OSAKI, M.; RIBEIRO, R. G.; YKEDA, V. Y. Custo de produção de algodão em sistema adensado no Estado de Mato Grosso/Brasil. Custos on line. Recife. V. 8, n. 1 - Jan/Mar Disponível em: <http://www.custoseagronegocioonline.com.br/numero1v8/algodao.pdf>. Acesso em: 05 mar AMPA - ASSOCIAÇÃO MATOGROSSENSE DOS PRODUTORES DE ALGODÃO. História do Algodão. Disponível em: <http://www.sincti.com/clientes/ampa/site/qs_historia.php>. Acesso em: 18 mar BARBOSA, C. A. S.; BRUGNERA, P.; PEREIRA, V. S.; BREDA, C. E.; FILHO, B. O. S.; SILVA, R. A.; OKAMOTO, D.; ARAÚJO, R.; SILVA, R. A.; FUMAGALLI, F. P. Avaliação de diferentes populações de algodão no sistema de plantio adensado Luís Eduardo Magalhães / BA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 8.; COTTON EXPO, 1., 2011, São Paulo. Evolução da cadeia para construção de um setor forte: Anais. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, p (CD-ROM). BELOT, J. L.; DEGRANDE, P.E.; ANDRADE JUNIOR, E.R; FERRARI; S. Alerta para o Cultivo Adensado do Algodoeiro no Mato Grosso (Safra 2009). Informativo Técnico IMAMT. Primavera do Leste, BELOT, J. L.; VILELA, P. C. A.; ROUSSEAU, D.; MARQUES, A. P.; AGUIAR, P. SIQUERI, F. V. Otimização da colheita mecanizada das principais cultivares comerciais de Mato Grosso e de linhas da Coodetec/Unicotton, Fundação MT e IPA: safra de In: RELATÓRIO FINAL FACUAL. [S.I: s.n], p. BELOT, J. L.; FARIAS, F. J. C.; VILELA, P. M. C. A. Cultivares de algodoeiro herbáceo para sistema de cultivo adensado. O Sistema de Cultivo do Algodoeiro Adensado em Mato Grosso. Cuiabá. Editora Defanti. 390 p BELOT, J. L.; MARTIN, J.; VILELA, P. A.; MARQUES, A.; RODRIGO, M. Avaliação dos sistemas de cultivo do algodão em linhas estreitas (NRC) ou ultra estreitas (UNRC) com um protótipo de colheitadeira stripper fabricado no Brasil. Safra 2002/2003. FACUAL/Unicotton, n BELOT, J. L.; VILELA, P. M. C. A. Colheita de algodão. In: FACUAL - Fundo de Apoio a Pesquisa do Algodão. Algodão Pesquisas e Resultados para o Campo. Cuiabá: FACUAL, p. BOLDRIN, D. L. Diretrizes competitivas para o setor do algodão do estado de Mato Grosso: Desafios das próximas décadas f. Dissertação (Mestrado em Economia). Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá, ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

17 BRASIL. Instrução Normativa nº 63, de 5 de dezembro de Aprova o Regulamento técnico de Identidade e de Qualidade para a Classificação do Algodão em Pluma. Diário Oficial da União, Brasília, 6 de dezembro de Seção 1, p. 6-8 BUAINAIN, A. M.; BATALHA, M. O. Cadeia Produtiva do Algodão. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Secretaria de Política Agrícola, Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura. Série Agronegócios, v. 4, 108 p. Brasília. Jan CARVALHO FILHO, A., CORTEZ, J.W.; SILVA R.P., ZAGO, M.S. Perdas na colheita mecanizada de soja no triângulo mineiro. Revista Nucleus, Ituverava. v. 3, p , CHANSELME, J.; RIBAS, P. V. Beneficiamento do algodão adensado e qualidade da fibra. In: IMAMT. Instituto Mato-Grossense do Algodão. O Sistema de Cultivo do Algodoeiro Adensado em Mato Grosso. Cuiabá. Editora Defanti. 390 p CONAB. COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Acompanhamento da safra brasileira: grãos safra 2012/2013, décimo segundo levantamento, setembro/2013. Brasília. 29 p EMBRAPA. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Cultura do algodão no cerrado: Colheita Disponível em: <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/fonteshtml/algodao/algodaocerrad o/colheita.htm > Acesso em: 02 jan EMBRAPA. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Padrões Universais para Classificação do Algodão Disponível em: <http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/cnpa/18321/1/doc151.pdf>. Acesso em: 02 jan FERREIRA, F. M. Perdas na colheita e qualidade da fibra de cultivares de algodão adensado em função de sistemas de colheita f. Dissertação (Mestrado em Agronomia/Energia na Agricultura)-Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, FERREIRA, I. C.; SILVA, R. P.; LOPES, A.; FURLANI, C. E. A. Perdas quantitativas na colheita de soja em função da velocidade de deslocamento e regulagens no sistema de trilha. Engenharia na Agricultura, v.15, p , FERREIRA, G. B.; VASCONCELOS, O. L.; FREIRE, R. M. M.; PEDROSA, M. B.; ALENCAR, A. R.; FERREIRA-FILHO, A.; PIRES, C. G.; VALENÇA, A. R.; SILVA, L. C. P.; FARIAS, D. R.; SAMPAIO, L. R.; RIBEIRO, R. R. Viabilidade do adensamento de plantio nas variedades de algodão cultivado no sudoeste da Bahia, safra 2004/2005. In: Congresso Brasileiro do Algodão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 6., Palma de Monte Alto BA. Anais... Campina Grande: Embrapa Algodão CD ROM. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

18 FERREIRA-FILHO, J. B. S.; MARQUIÉ, C.; BELOT, J. L.; ALVES, L. R. A.; BALLAMINUT, C. E. C. Análise Prospectiva dos Mercados da Fibra do Algodão em Relação à Qualidade: o Ponto de Vista da Produção e do Beneficiamento. SOBER, Disponível em: <http://www.sober.org.br/palestra/2/753.pdf> Acesso em: 02 mar FERRONATO, A. et al. Avaliação e análise de perdas na colheita da cultura do algodão na região sudeste do estado de Mato Grosso. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 4., GOIANIA - GO. Anais... Algodão: um Mercado em Evolução CD ROM Disponível em: <http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/algodao/publicacoes/trabalhos_cba4/202.pdf >. Acesso em: 20 out FREIRE, E. C. Algodão no cerrado do Brasil. Associação Brasileira dos Produtores de Algodão ABRAPA. Aparecida de Goiânia: Mundial Gráfica. 2 a ed p IMAMT. INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO. O Sistema de Cultivo do Algodoeiro Adensado em Mato Grosso. Cuiabá. Editora Defanti. 390 p IMEA. INSTITUTO MATO-GROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA. Custo de produção de algodão convencional safra 12/13. Cuiabá. 1 p. Dezembro Disponível em: <http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/r410_2012_12_cpalgodao.p df>. Acesso em: 18 mar IMEA. INSTITUTO MATO-GROSSENSE DE ECONOMIA AGROPECUÁRIA. Estimativa de safra: Algodão. Setembro. 2013c. Disponível: <http://www.imea.com.br/upload/publicacoes/arquivos/r104_estimativa_de_safra_a lgodao_12-13_set.pdf> LAMAS, F. M.; STAUT, L. A.; FERNANDES, F. M.; ANDRADE, P. J. M. Espaçamentos reduzidos na cultura do algodoeiro: efeitos sobre algumas características agronômicas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 3., Campo Grande. Anais... Campina Grande: Embrapa Algodão CD ROM. LAMAS, F. M.; VIEIRA, J. M. BEGAZO, J. C. E. O.; SEDIYAMA, C. S. Estudo da interação de espaçamento entre fileiras e épocas de plantio na cultura do algodoeiro herbáceo (GossypiumhirsuntumL.). Revista Ceres, Viçosa, v.36, n.205, p MARTIN, J. Avanços das pesquisas sobre algodão ultra-adensado. In: FACUAL - Fundo de Apoio a Pesquisa do Algodão. Algodão Pesquisas e Resultados para o Campo. Cuiabá: FACUAL, p. MARTIN, J. Primeiros ensaios Coodetec-Cirad com espaçamentos ultra-estreitos em Mato-Grosso. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 3., Campo Grande. Anais... Produzir sempre, o grande desafio. Embrapa Algodão. p ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

19 MARTIN, J.; BELOT, J. L.; RODRIGO, M. Primeiros resultados COODETEC-CIRAD sobre algodão adensado colhido com colheitadeira tipo Stripper em Mato Grosso. In: V CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, Salvador, Anais...Salvador, BA, MCALISTER III, D. D.; ROGERS, C. D. The effect of harvesting procedures on fiber and yarn quality of ultra-narrow-row cotton. Journal of Cotton Science, [S.I.], v. 9, n. 1, p , NAGASHIMA, G. T., Cloreto de mepiquat aplicado em sementes de algodoeiro (Gossypiumhirstum L. raça latifolium) f. Tese (Doutorado em Agronomia) Universidade Estadual de Londrina, Londrina, OOSTERHUIS, D. M. Growth and development of a cotton plant. In: CIA, E.; FREIRE, E.C.; SANTOS, W.J. Cultura do algodoeiro. Piracicaba: POTAFOS, p. PERKINS, W.R. Three year overview of UNRC vs. Conventional cotton. Proceedings of the Beltwide Cotton Conference. 91 p ROSOLEM, C. A.; ECHER, F. R.; LISBOA, I. P.; BARBOSA, T. S. Acúmulo de nitrogênio, fósforo e potássio pelo algodoeiro sob irrigação cultivado em sistema convencional e adensado Rev. Bras. Ciênc. Solo. Viçosa, v. 36, n. 2. p , mar./abr Disponível em: < Acesso em: 03 mar SANTANA, J. C. F. et al. Características da fibra e do fio do algodão: Análise e interpretação dos resultados. In: BELTRÃO, N. E. M. e AZEVEDO, D. M. P (Ed.). O agronegócio do algodão no Brasil. 2 ed. Brasília. Embrapa Informação Tecnológica p SCHNEIDER, C. Empresa de Prestação de Serviço em Colheita de Algodão na Região de Unaí, MG p. Trabalho de conclusão de curso (curso de Agronomia). UPIS Faculdades Integradas. Planaltina, DF SESTREN, J. A.; LIMA, J. J. Características e classificação da fibra do algodão. In: FREIRE, E. C. Algodão no cerrado do Brasil. Associação Brasileira dos Produtores de Algodão ABRAPA. Aparecida de Goiânia: Mundial Gráfica. 2 a ed p SEVERINO, L. S.; SILVA FILHO, J. L. E.; SANTOS, J. B.; ALENCAR, A. R. Plantio de Algodão Adensado no Oeste Baiano: Safra Campina Grande: Embrapa Algodão. Comunicado Técnico 209, p. SILVA, A. V. Espaçamentos ultra-adensado, adensado e convencional com densidade populacional variável em algodoeiro p. Dissertação (Mestrado em Agronomia). Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo. Piracicaba ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

20 SILVA, C. A. D. da; BELTRAO, N. E. de M.; FERREIRA, A. C. de B.; SILVA, O. R. R. F.; SUASSUNA, N. D. Algodoeiro herbáceo em sistema de cultivo adensado: atualidades e perspectivas. Campina Grande: Embrapa Algodão, p. (Embrapa Algodão. Documentos, 219). SILVA, O. R. R. F. da.; SOFIATTI, V.; BELOT, J. L. Colheita do algodão adensado. In: O Sistema de Cultivo do Algodoeiro Adensado em Mato Grosso. Cuiabá. Editora Defanti. 390 p SILVA, R. P. da; SOUZA, F. G.; CORTEZ, J. W.; FURLANI, C. E.; VIGNA, G.P. Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro. Eng. Agríc., Jaboticabal, v.27, n.3, p , set./dez Disponível em: <http://dx.doi.org/ /s >. Acesso em: 02 dez SILVA, R. P. da; FERREIRA, I. C.; CASSIA, M. T. Perdas na colheita mecanizada de algodão. Scientia Agropecuária, Trujillo, n. 2, p , Disponível em: <http://revistas.unitru.edu.pe/index.php/scientiaagrop/article/view/30/49>. Acesso em: 15 dez SOFIATTI, V. Sistema de cultivo adensado para o algodoeiro. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ALGODÃO, 8.; COTTON EXPO, 1., 2011, São Paulo. Evolução da cadeia para construção de um setor forte: Anais. Campina Grande, PB: Embrapa Algodão, p (CD-ROM). SOFIATTI, V.; SILVA, O. R. R. F. da.; BELOT, J. L. A colheita do Algodão Adensado. O Sistema de Cultivo do Algodoeiro Adensado em Mato Grosso. Cuiabá. Editora Defanti. 390 p SOFIATTI, V.; SILVA, O. R. R. F. da.; CARVALHO, O. S. Colheita e Beneficiamento do Algodão. In: FREIRE, E. C. Algodão no cerrado do Brasil. Associação Brasileira dos Produtores de Algodão ABRAPA. Aparecida de Goiânia: Mundial Gráfica. 2 a ed p SOUZA, C. M. A. Avaliação e simulação do desempenho de uma colhedora de fluxo axial para feijão (Phaseolus vulgaris L.) f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) Universidade Estadual de Viçosa, Viçosa, UNICOTTON. Manual de Interpretação de Resultados HVI. Primavera do Leste VIEIRA, C. P. CUNHA, L. J. da C.; ZOFOLI, R. C. Colheita. In: EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE; EMBRAPA ALGODÃO (Eds.) Algodão: Tecnologia de produção. Dourados: [s.n.], 2001, p WRIGHT, D. L.; MAROIS, J. J.; SPRENKEL, R. K. RICH, J. R. Production of ultra narrow row cotton. Agronomy Department, Florida Cooperative Extension Service, Institute of Food and Agricultural Sciences, University of Florida, SS-AGR-83, Disponível em: <http://edis.ifas.ufl.edu/aa267>. Acesso em: 08 abr ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO Página 1506 ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros Pedrosa (Fundação

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT

USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT USO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE SEMENTE DO ALGODOEIRO COM DIFERENTES MATERIAIS EM PRIMAVERA DO LESTE- MT Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica.

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica. Página 496 SELEÇÃO DE LINHAGENS COM CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS, FIBRA LONGA, VIA ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTEÍSTICAS João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 923 Página 923 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA E CARACTERÍSTICAS PRODUTIVAS DO ALGODOEIRO EM SEMEADURA DIRETA Carlos Eduardo Rosa 1 ; Enes Furlani Júnior 2 ; Samuel Ferrari 3 ; Ana Paula Portugal

Leia mais

Área de Algodão em Mato Grosso por Município 22 Variedades Mais Plantadas em Mato Grosso 23 CUSTO DE PRODUÇÃO 24 Quadro de Custos de Produção de

Área de Algodão em Mato Grosso por Município 22 Variedades Mais Plantadas em Mato Grosso 23 CUSTO DE PRODUÇÃO 24 Quadro de Custos de Produção de SUMÁRIO 1 PANORAMA INTERNACIONAL 3 Algodão Oferta e Demanda Mundial 3 FATORES INFLUENTES DA DEMANDA 4 FATORES ECONÔMICOS 4 FATORES POLÍTICOS 4 FATORES CLIMÁTICOS 4 Principais Países Produtores 5 Evolução

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia

Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia 51 Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia Recebimento dos originais: 10/07/2012 Aceitação para publicação: 30/04/2013 André Luiz Marques Serrano Doutor em Economia

Leia mais

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão)

A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) A RECUPERAÇÃO DA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL Joffre Kouri (Embrapa Algodão / joffre@cnpa.embrapa.br), Robério F. dos Santos (Embrapa Algodão) RESUMO - Graças a incentivos fiscais, ao profissionalismo

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo

Sorgo de alta biomassa. E( )pert. em sorgo Sorgo de alta biomassa E( )pert em sorgo E( )periência de uma empresa sólida e focada. Com sede em Campinas/SP, a linha de produtos é comercializada sob a marca Blade, que tem autoridade quando o assunto

Leia mais

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton

Palavras-Chave: Adubação nitrogenada, massa fresca, área foliar. Nitrogen in Cotton 64 Nitrogênio na cultura do Algodão Helton Aparecido Rosa 1, Reginaldo Ferreira Santos 1, Maycon Daniel Vieira 1, Onóbio Vicente Werner 1, Josefa Moreno Delai 1, Marines Rute de Oliveira 1 1 Universidade

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO ALGODÃO NO MUNDO. I - CASO DA GRÉCIA

O AGRONEGÓCIO DO ALGODÃO NO MUNDO. I - CASO DA GRÉCIA O AGRONEGÓCIO DO ALGODÃO NO MUNDO. I - CASO DA GRÉCIA Napoleão Esberard de Macedo Beltrão 1, Gleibson Dionízio Cardoso 2. (1) Embrapa Algodão, Rua Osvaldo Cruz, 1143, Centenário, 58107720, Campina Grande,

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos

Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Espacialização comparativa de dados de produtividade de milho com teores agronômicos das propriedades químicas dos solos Amarindo Fausto Soares Embrapa Informática Agropecuária, Campinas São Paulo - Brasil

Leia mais

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Página 256 REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Adriano Moraes Rezende¹ (Fundação Goiás /adrianomoares@fundacaogo.com.br), José Ednilson

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO

ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Professor Associado do Departamento de

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt

manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt manual de BENEFICIAMENTO AMPA - IMAmt 2014 INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO IMAmt Diretora Biênio - 2013/2014 Presidente: Milton Garbúgio Vice-presidente:

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO

PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO PRODUÇÃO E QUALIDADE DA FIBRA DO ALGODOEIRO (Gossypium hirsutum L.) EM FUNÇÃO DA ADUBAÇÃO FOLIAR COM NITRATO DE POTÁSSIO João Paulo Teixeira Whitaker 1, Ciro Antonio Rosolem 2. (1) DSMM/CATI/SAA-SP, Praça

Leia mais

Processamento do Algodão para a Produção Têxtil

Processamento do Algodão para a Produção Têxtil Processamento do Algodão para a Produção Têxtil Filipe Tonet Assad 1 (FECILCAM) filassad@hotmail.com João Batista Sarmento dos Santos Neto 2 (FECILCAM) neto.joaobss@hotmail.com Katherine Kaneda Moraes

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Área: Sócio-economia AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Weslley Costa Silva 1 ; Vanessa Oliveira Teles 2 ; Leonardo Lenin Marques

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 *

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Harlen Pereira Ferreira UEMG Unidade Carangola Felipe Silva Vieira UEMG Unidade Carangola Marcela Silva

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA 2005 PREPARO DE PERFIL DE SOLO COM EQUIPAMENTOS MECÂNICOS VISANDO CULTIVO DO ALGODÃO SAFRINHA CLAYTON GIANI BORTOLINI

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1

DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 DENSIDADE DE SEMEADURA DE CULTIVARES DE MAMONA EM PELOTAS, RS 1 Sérgio Delmar dos Anjos e Silva 1, Rogério Ferreira Aires 2, João Guilherme Casagrande Junior 3, Claudia Fernanda Lemons e Silva 4 1 Embrapa

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão MAS DE LUCRATIVIDADE DA SOJA EM SISTEMA DE CULTIVO AGRICULTURA DE PRECISÃO E CULTIVO CONVENCIONAL Juliano Brusco 1, Eduardo Godoy de Souza 2, Francelino Augusto Rodrigues Junior 3, Jerry Adriani Johann

Leia mais

Gestão da logística e perdas no transporte do tomate

Gestão da logística e perdas no transporte do tomate Gestão da logística e perdas no transporte do tomate Augusto Hauber Gameiro Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (ESALQ-LOG) ESALQ/USP Goiânia, 28 de novembro de 2014 Agenda Considerações

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014

CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014 CIRCULAR TÉCNICA Nº13 / 2014 Novembro de 2014 Publicação periódica de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO

MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO MERCADO DE TRIGO CONJUNTURA E CENÁRIO NO BRASIL E NO MUNDO Paulo Magno Rabelo (1) A análise de desempenho da produção de trigo no mundo desperta apreensões fundamentadas quanto aos indicadores de área

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA RURAL RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE SENSOR CLOROFILOG FALKER VARIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU Gedeão Rodrigues de Lima Neto¹, Franklin Magnum de Oliveira Silva¹, Odilon

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Milho e Sorgo Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes de Milho Sete Lagoas Março 2012 Economia do Uso de Novas Tecnologias A escolha racional do agricultor: Aumento da produtividade dos

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Eduardo R. Martini -Setembro 2011 Tendências Globais Crescimento Populacional População (bilhões) Crescimento da Renda Calorias de proteína animal (kcal) Crescimento

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO AGOSTO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 4 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre produção, área e produtividade de algodão

Leia mais

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin

Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila. Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Mudanças as Climáticas e Agricultura Jurandir Zullo Junior * Hilton Silveira Pinto Ana Maria H. de Ávila Eduardo Delgado Assad Giampaolo Queiroz Pellegrino Fábio Ricardo Marin Alerta Global 87% dos brasileiros

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Relatório Visita técnica Embrapa Gado de Corte-MS Grupo de estudos e pesquisa em forragicultra UFU GEPFOR Guilherme Amorim Soares da Silva Zootecnia Uberlândia 2014 I

Leia mais

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE

COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Página 481 COMPONENTES DE CRESCIMENTO DA MAMONEIRA (Ricinus cumunnis L.) CULTIVAR BRS ENERGIA ADUBADA ORGANICAMENTE Suenildo Jósemo Costa Oliveira 1 ; Maria Aline Oliveira Freire 2 ; Lígia Rodrigues Sampaio

Leia mais

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO.

AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. AVALIAÇÃO DA UTILIZAÇÃO DE UM MICROCONTROLADOR NA PLATAFORMA ARDUINO NA LEITURA DE SENSORES ELÉTRICOS PARA CORRELAÇÃO COM ATRIBUTOS DO SOLO. Fábio Vinicius de Freitas Damiati (Universidade Estadual de

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

Comunicado Técnico 128

Comunicado Técnico 128 1 Comunicado Técnico 128 ISSN 0102-0099 Novembro/2000 Campina Grande, PB Mini-Usina de Beneficiamento de Algodão de 50 Serras e Prensa Hidráulica, uma Alternativa para Associação de Pequenos Produtores

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1

BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 BALANÇO DE ENERGIA DE UM SISTEMA RECOLHEDOR DE CAFÉ PARA REGIÕES DE MONTANHA 1 Haroldo Carlos Fernandes 2 ; Danilo Roberto Loureiro 3 ; Anderson Candido da Silva 4 1 Trabalho desenvolvido como parte da

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE FEIJÃO NO BRASIL DE 1976-2009 Paulo Roberto Vieira de ALMEIDA¹; Alcido Elenor WANDER² ¹ Mestrando do Programa de Pós Graduação em Agronegócio na Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Atuação Internacional da Embrapa

Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional da Embrapa Atuação Internacional Cooperação Científica Negócios Tecnológicos Cooperação Técnica Cooperação Científica Conhecimentos do Mundo Agricultura Brasileira Cooperação Científica

Leia mais

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max)

EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO. PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) EFEITO ALELOPÁTICO DE CANOLA (Brassica napus) NO DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO FINAL DE SOJA (Glycine max) Autor(es): Apresentador: Rodrigo Ciotti Orientador: Revisor 1: Revisor 2: Instituição: MOTTA, Marcelo;

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1

CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Página 1077 CRESCIMENTO DE PINHÃO MANSO SOB IRRIGAÇÃO COM ÁGUA SUPERFICIAL POLUIDA 1 Ricardo Pereira Veras 1 ; Pedro Dantas Fernandes 2 ; Eduardo Maciel Oliveira Laime 3 ; Janivan Fernandes Suassuna 4

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO

INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11. Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO INFORMATIVO TÉCNICO INFOTEC N 11 Brasília, 12 de fevereiro de 2008 O MERCADO DE FERTILIZANTES NO BRASIL E A SUA IMPORTÂNCIA PARA O COOPERATIVISMO Equipe da Gerência de Mercados - GEMERC: Autor: Marcos

Leia mais