A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi"

Transcrição

1 A importância teórica e prática do ensino de Jacques Lacan Palavras-chaves: Lacan, ensino, subversão, orientação. Zelma Abdala Galesi As inúmeras homenagens prestadas durante o ano de 2001, ao centenário de nascimento de Jacques Lacan evocaram e ressaltaram precisamente o que foi o seu ensinamento, e é exatamente o que pretendo dimensionar neste trabalho. Pois, a fecundidade do ensinamento de Lacan, retorna hoje em efeitos que orientam a comunidade analítica do futuro. Seus textos, seus Écrits, seu estilo de múltiplas facetas é um enigma a ser decifrado, Lacan é sempre um desconhecido para o leitor, mesmo aos seus leitores mais apaixonados. Ele foi um escritor com um trabalho contínuo e autêntico sobre as ciências, e de uma grande responsabilidade frente aos pacientes. 1 Falar sobre o ensinamento de Lacan produz em todos nós esse mesmo efeito de responsabilidade sobre os rumos da psicanálise, já que ao nos considerarmos lacanianos, recebemos sua herança: somos e seremos sempre os dissidentes do movimento criado por Freud, o da Associação Psicanalítica Internacional. Lacan era alguém excepcional que tomou a excumunhão não como um incidente em sua vida, ele a converteu em conseqüência de uma lógica interna a psicanálise. Ele assumiu a exclusão e colocou em questão o desejo, presente na psicanálise desde Freud. Foi a partir desse acontecimento que Lacan explicitou a posição do analista no tratamento analítico, dando-lhe um estatuto próprio: o estatuto de dejeto. 2 Aliás, todas as questões sobre a formação do analista, do ser-analista, da análise pessoal, do controle ou supervisão, as questões do não-saber e da douta ignorância gravitam na Escola Una em torno desse estatuto de dejeto, de resto da operação analítica dada ao analista. Os textos de Lacan todos, sem exceção, enodam o clínico, o epistêmico e o político. E em cada um dos seus escritos, seminários e conferências comprovamos as inúmeras referências eruditas, verificamos mais ainda o quanto ele é fundamental para a psicanálise, o quanto ilumina a nossa prática posicionando-a na história, na literatura,

2 na filosofia etc." Até o final de sua vida ele ensinou a Psicanálise jamais desfazendo o nó que mantinha solidários ensino e formação do analista". 3 A formação do analista nunca foi um problema fácil de abordar, os textos de Freud que se referem a esse tema refletem as suas dificuldades, mas diante de tal obstáculo, J.Lacan, ao invés de retroceder, o enfrentou. Sendo permanente a formação do analista traz em si a dimensão da insuficiência e precariedade, comporta mais além um engajamento subjetivo do analisante tanto a teoria quanto a prática analítica, o que se desdobra na responsabilidade sobre os destinos da psicanálise. É nesse sentido que podemos entender que o psicanalista é produto de sua própria experiência analítica, assim como a psicanálise é dependente da relação que cada psicanalista tem com seu inconsciente, ou seja com a causa e o desejo. Na Escola de Lacan, a introdução dessa estrutura do inconsciente na formação do analista é o que produz efeitos: a relação de cada um com a tríade análise, supervisão e ensino, assim como o dispositivo do passe onde a transmissão de uma experiência particular de análise marca a passagem do psicanalisante a psicanalista, faz surgir um desejo novo, promovendo transferência de trabalho. Portanto, é o desejo do analista, que fundando um novo discurso, subverte a burocracia, a hierarquia e os efeitos imaginários de grupo. Em 1957, Lacan faz uma comunicação apresentada à Sociedade Francesa de Filosofia, cujo título era "A psicanálise e seu ensino", publicada posteriormente em seus Escritos. Mas antes de enunciar sua comunicação ele distribui à platéia o seguinte argumento " A PSICANÁLISE, O QUE ELA NOS ENSINA...e como segundo argumento E COMO ENSINÁ-LA". 4 Hoje podemos afirmar que a psicanálise nos ensina que a subversão que Jacques Lacan introduziu, mudou para sempre os rumos da própria psicanálise no mundo. Tomando como referência a conferência de J-A Miller, no Colóquio do Centenário de nascimento de Lacan ocorrido em Roma no dia 26 de maio 2001, onde ele examina três questões sobre o ensinamento de Lacan :"O que ele ensinou? Porque ele ensinou? e Como ensinou?" 5, podemos verificar o cerne mesmo dessa subversão provocada por Lacan. Segundo Miller, Lacan era bastante criticado porque não falava a língua de todos. (Em seus vários comunicados deste ano 2001 JAM, apontou enfatizou exatamente esse ponto)- Lacan inventou uma nova linguagem, e que foi feita para

3 traduzir aquela de Freud. É uma linguagem mais fechada que se deposita em formulas, mas que no entanto, é ao mesmo tempo mais flexível por ser operatória, que capturou os meandros, as dificuldades e as contradições dos conceitos freudianos. Lacan,portanto, inventou uma linguagem sua, uma linguagem especial, feita de cálculos, de símbolos e de desenhos, onde se vê imediatamente que não pertencem à língua comum, mas da qual se pode aprender o funcionamento. Mas não é apenas essa invenção que se questiona, toda a dificuldade repousava no uso singular, que Lacan fazia,da língua comum, as torções que ele a fazia suportar, a tortura a que submetia as palavras, sempre lhes dando um sentido renovado.essa transformação é mais secreta, porque ao mesmo tempo em que deixa intocável a forma das palavras do dicionário, tornava estrangeira a nossa língua maternal. Provocando exatamente um efeito de Unheimlichkeit.( estranhamento). 7 Em sua linguagem especial Lacan ensinou a ler Freud ao pé da letra. Isso porque não se sabia ler Freud, acreditava-se compreendê-lo porque ele escrevia na lingua de todos e dai todo mal-entendido. Lacan, portanto, fez do ensinamento de Freud a sua profissão. É desse fato, que se pode entender por que Lacan ensinou. Ele ensinou porque os jovens psicanalistas o demandaram. Eles que queriam se formar, acreditavam que essa formação passaria pela leitura de Freud. Portanto, em Lacan se encontra um mestre suscitado por seus alunos. "Em que estou eu autorizado?", perguntava-se e suspendia a resposta. Visto que essa autorização lhe vinha do público, mas se lhe o demandavam foi porque ele próprio havia inspirado esse desejo. Lacan portava a marca da transferência a Freud, e seu ensinamento tem como suporte essa transferência aos textos de Freud, já que promoveu "o retorno à Freud". 8 Porém, o que é fundamental entendermos é que esse retorno não evocava o passado, mas a psicanálise no presente, o tornar a psicanálise desejável e ativa hoje, e para o conseguir não existe a menor dúvida que Lacan traiu Freud. O Freud dos antigos e dos eruditos, ele mudou as referências que Freud emprestou de seu tempo, ele seguiu nos meandros da cronologia a elaboração de Freud, mas também suspendeu essa cronologia, elaborando uma estrutura da experiência analítica onde todos os termos sucessivamente construídos por Freud foram sincronicamente ordenados, ou seja, na psicanálise não se trata de ensinar história, mas sim de um discurso que faça "ex-sistir" a psicanálise nas condições do presente, tendo em conta as crenças, as superstições, e também as inclinações, dos homens de hoje, especialmente dos jovens. 9 6

4 Se eu ensino é para me instruir a mim mesmo", dizia Lacan, sendo que o seu ensinamento era a narração dos ensinamentos que recebeu de sua experiência, de sua prática e do " drama de sua vida. 10 No entanto, o mais fundamental para os que escolheram seguir os ensinamentos de Lacan, é que se por uma lado o ensinamento de Lacan desencadeia um certo apaziguamento - uma abrandamento da paixão pela verdade, também provoca um desencantamento, - que afeta todos aqueles que passam além da miragem, das aparências, aqueles "que franquearam a barreira do narcisismo e suas coordenadas imaginárias ". Esse desencanto, ou desengano, relaciona-se a própria psicanálise - da colocação a nu de seu ressorte de ficção - e simultaneamente de sua aposta no real. Podemos até mesmo dizer que o ensinamento de Jacques Lacan é uma psicanálise da própria psicanálise. 11 Tanto, que Lacan avançou em seu ensinamento até psicanalizar o culto do Pai em Freud e nos deu uma formalização lógica do Nome-do-Pai. Lacan desencantou o Pai, e felizmente. Porque na ciência há o triunfo do ídolo do Pai, triunfo que se traduz num movimento universal na cultura. 12 Miller nos alerta que a psicanálise só poderá ter futuro como prática nos séculos vindouros se os psicanalistas não recuarem a esse desencantamento dos conceitos fundamentais da psicanálise. Porque o inconsciente não é um ídolo, se o inconsciente freudiano é uma elucubração de saber, onde na ideologia de seu tempo Freud lhe deu um sentido determinista, o sentido de um "está escrito, mesmo que não se saiba ler". Lacan indo mais longe inverteu esse sentido. O inconsciente lacaniano tem o sentido de um não está escrito", ou seja, o inconsciente exprime "um saber-fazer que nos não temos". Aliás, a condição humana se caracteriza pelo fato mesmo de "não saber fazer com" aquilo que mais nos importa, portanto podemos dizer que o inconsciente é uma elucubração de saber sobre nossa debilidade mental. Sendo que a ciência faz com que a debilidade mental cresça. Não sabemos fazer com a natureza, sabemos menos ainda fazer com os novos objetos produzidos pela civilização, essa debilidade é o que faz o nosso extravio, enlouquece o nosso gozo, é motivo de tristeza e raiva, é causa de sintomas, e de devastação. Uma psicanálise não triunfa da debilidade mental, mas ela pode fazer com que se saiba melhor - um pouco melhor - a fazer com o real que não tem sentido. Tratase para a psicanálise, de emprestar uma outra via: aquela de um advir mais real, de

5 saber se guiar sobre o puro real, sem que ele nos faça tão mal. Eis, o que o ensinamento de Lacan nos permite hoje entrever. 13 Texto apresentado na III Jornada de Cartéis e Colóquio Homenagem ao centenário de nascimento de Jacques Lacan, Curitiba, dezembro 2001, Aula inaugural do CIPOL - Curso de Introdução à Psicanálise de Orientação Lacaniana, EBP-PR. Referências Bibliograficas 1- MILLER, J-A. "O avesso de Freud", Lacan elucidado, Jorge Zahar, R.J.,1997,p Ibid., p NICÉAS, C.A. "Um ensino ímpar",correio,revista da EBP,outubro p LACAN., J. "A Psicanálise e seu ensino", Escritos, Jorge Zahar,R.J.,1996,p.438/9. 5- MILLER, J-A. "Canevas d'une allocution au colloque du centenaire tenu à Rome le 26 mai 2001.",La lettre mensuelle,sept/outub 2001, Paris, p MILLER, J-A. Le réel est sans loi, Opção Lacaniana, nº 34 novembre MILLER, J-A. "Canevas d'une allocution au colloque du centenaire tenu à Rome le 26 mai 2001",op.cit, p ibid., p ibid.,id ibid., p LAURENT.D., "Acte et subversion du savoir", La Lettre mensuelle,201,sept/octobre2001, Paris,p MILLER., J-A., "Canevas d'une allocution au colloque du centenaire tenu à Rome le 26 mai 2001.",op.cit, p ibid., p.13.

AFORISMOS DE JACQUES LACAN

AFORISMOS DE JACQUES LACAN AFORISMOS DE JACQUES LACAN Marco Antonio Coutinho Jorge (org.) O texto de Lacan, assim como o de Swedenborg, segundo Borges, é daqueles que expõe tudo com autoridade, com uma tranqüila autoridade. Ciente,

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003

Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 Latusa digital ano 0 N 2 setembro de 2003 O forçamento da psicanálise * Ruth Helena Pinto Cohen ** A ciência moderna tende a excluir a poética de seu campo e a psicanálise, a despeito de ter nascido a

Leia mais

8 Andréa M.C. Guerra

8 Andréa M.C. Guerra Introdução A loucura sempre suscitou curiosidade, temor, atração. Desde a época em que os loucos eram confinados em embarcações errantes, conforme retratado na famosa tela Nau dos loucos, de Hieronymus

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler?

O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? O desenho e sua interpretação: quem sabe ler? Sonia Campos Magalhães Em seu artigo Uma dificuldade da psicanálise de criança, Colette Soler 1 lança uma questão aos psicanalistas que se ocupam desta prática,

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Jacques Lacan, La Chose Freudienne

Jacques Lacan, La Chose Freudienne N O T A S Jacques Lacan, La Chose Freudienne JACQUES LABERGE Tivemos ocasião de apresentar nesta revista obras de Françoise Dolto e de Maud Mannoni. Como o nome de vários lacanianos são e serão comuns

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação

Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Um percurso de nomes, objetos, angústia e satisfação Gresiela Nunes da Rosa Diante do enigma primeiro a respeito do desejo do

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! (SOBRE A POSIÇÃO DO ANALISTA NA DIREÇÃO DA CURA) 1 Arlete Mourão 2 Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Os princípios da prática analítica com crianças

Os princípios da prática analítica com crianças Os princípios da prática analítica com crianças Cristina Drummond Palavras-chave: indicação, tratamento, criança, princípios. As indicações de um tratamento para crianças Gostaria de partir de uma interrogação

Leia mais

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico

CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico CLINICA DA ANSIEDADE: Um projeto terapêutico De nossos antecedentes Existem instituições onde a psicanálise aplicada da orientação lacaniana tem lugar há muitos anos, como é o caso do Courtil e L Antenne

Leia mais

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1

O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 O corpo para a psicanálise: notas sobre inibição e psicossomática. 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 1ª - O corpo para a psicanálise é o corpo afetado pela linguagem. Corpo das trocas, das negociações. Corpo

Leia mais

A verdadeira mãe é a mãe adotiva

A verdadeira mãe é a mãe adotiva A verdadeira mãe é a mãe adotiva 1 Maria Rita de Oliveira Guimarães Palavras-chave: caso clínico, verdadeira mãe, adoção, romance familiar Primeiramente, gostaria de contextualizar a clínica de onde extraí

Leia mais

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna

A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação. com a função paterna www.franklingoldgrub.com Édipo 3 x 4 - franklin goldgrub 7º Capítulo - (texto parcial) A tópica lacaniana - simbólico, imaginário, real - e sua relação com a função paterna (Salvo menção expressa em contrário,

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

PODERES DO PSICANALISTA

PODERES DO PSICANALISTA Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 PODERES DO PSICANALISTA Nelisa Guimarães O título tem o duplo sentido de discutir o que pode um psicanalista na clínica a partir

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

O sujeito e os gozos #08

O sujeito e os gozos #08 nova série @gente Digital nº 8 Ano 2 Abril de 2013 Revista de Psicanálise O sujeito e os gozos Pierre Skriabine Isso goza e não sabe, nota Lacan na página 104 do seu Seminário Encore, no capítulo intitulado

Leia mais

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro

O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro O PSICANALITICAMENTE CORRETO E O QUE É DITO POLITICAMENTE INCORRETO Juçara Rocha Soares Mapurunga Henrique Figueiredo Carneiro A expressão politicamente correto refere-se a uma política que consiste em

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem

Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem 1 Transferência e desejo do analista: os nomes do amor na experiência analítica ou Amar é dar o que não se tem Palavras-chave: Transferência, Desejo do analista, Formação Que haja amor à fraqueza, está

Leia mais

outrarte: estudos entre arte e psicanálise

outrarte: estudos entre arte e psicanálise outrarte: estudos entre arte e psicanálise Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, é quem nos diz que Fernando Pessoa não existe, propriamente falando. Também já foi dito que o Livro do

Leia mais

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006

Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Latusa Digital ano 3 Nº 24 setembro de 2006 Filho, não vês que estou queimando! Ondina Maria Rodrigues Machado * Fui a Salvador para o XV Encontro Brasileiro do Campo Freudiano, mas não só para isso. Fui

Leia mais

O sujeito e o tempo das escolhas 1

O sujeito e o tempo das escolhas 1 O sujeito e o tempo das escolhas 1 Rita Bícego Vogelaar Trabalho apresentado na Jornada de Encerramento das FCFCL-SP- 2005 Estou chegando esse ano ao Fórum e fiquei pensando nesse espaço, nessa Jornada

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial.

A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. A ética do tratamento psicanalítico: diagnóstico diferencial. Claudia Wunsch. Psicóloga. Pós-graduada em Psicanálise Clínica (Freud/Lacan) Unipar - Cascavel- PR. Docente do curso de Psicologia da Faculdade

Leia mais

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica

Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Clínica-Escola de Psicologia: Ética e Técnica Carlos Henrique Kessler Foi com muita satisfação que recebi o convite para colaborar com este Informativo, abordando o tema Clínica-escola de psicologia: ética

Leia mais

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2

SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 SUJEITOS DESNORTEADOS: EM BUSCA DA FELICIDADE? 1 Vera Lopes Besset 2 Introdução Nossa proposta de intervenção se relaciona às pesquisas em andamento no âmbito do Grupo de Pesquisa UFRJ/CNPq CLINP (Clínica

Leia mais

THE BODY AND THE OTHER

THE BODY AND THE OTHER Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line nº 13 Julho a dezembro de 2013 Título: O corpo e o Outro Autora: Sandra Maria Espinha Oliveira Psicóloga, Analista praticante,

Leia mais

Título: Entrevista com Fabián Naparstek

Título: Entrevista com Fabián Naparstek Título: Entrevista com Fabián Naparstek Autor: Didier Velásquez Vargas Psicanalista em Medellín, Colômbia. Psychoanalyst at Medellín, Colômbia. E-mail: didiervelasquezv@une.net.co Resumo: Entrevista com

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável

Clarice Gatto. O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Clarice Gatto O traumático que a experiência psicanalítica torna comunicável Trabalho a ser apresentado na Mesa-redonda Poder da palavra no III Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental e IX

Leia mais

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1

Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 1 Conexão Psicanálise e Direito: uma política para o gozo 1 Fernanda Otoni de Barros Palavras-chave: conexão psicanálise e direito, violência, ação lacaniana na cidade. Se vocês concordam que o gozo se

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Alfabetização. Subjetividade. Nome próprio.

PALAVRAS-CHAVES: Alfabetização. Subjetividade. Nome próprio. Alfabetização, nome próprio e subjetividade 1 Marlene Maria Machado da Silva 2 Profª Drª Ana Lydia B. Santiago 3 RESUMO: Os desafios com os quais as escolas têm se deparado na atualidade exigem dos professores

Leia mais

Não temos tempo a perder 1

Não temos tempo a perder 1 Não temos tempo a perder 1 Ana Martha Wilson Maia Em entrevista concedida a uma revista brasileira, o filósofo Carl Honoré 2 descreve a pressão exercida sobre os pais para oferecerem uma infância perfeita

Leia mais

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA

CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2. INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA CORPO FREUDIANO ESCOLA DE PSICANÁLISE SEÇÃO RIO DE JANEIRO PROGRAMAÇÃO 2012.2 INÍCIO: 07 de agosto FORMAÇÃO BÁSICA MÓDULO: REAL, SIMBÓLICO E IMAGINÁRIO Quintas-feiras, horário: 9:30 às 11:30h, semanal

Leia mais

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre

CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE. aspecto, a Arte e, principalmente, o Cinema, percebemos uma questão recorrente entre CINEMA, CULTURA E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Tereza Raquel Tomé Adeodato Laéria Bezerra Fontenele Miguel Fernandes Vieira Filho Orlando Soeiro Cruxên Quando nos deparamos com a interseção entre Psicanálise

Leia mais

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17)

Terapia Analítica. Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) Terapia Analítica Terapia analitica (S. Freud) (Conferências introdutórias à Psicanálise, Teoria Geral das Neuroses, 1916/17) A sugestão. O caráter transitório de seus efeitos lembra os efeitos igualmente

Leia mais

Angústia e sexualidade masculina

Angústia e sexualidade masculina Angústia e sexualidade masculina Palavras-chave: angústia, falo, órgão real, virilidade Sérgio Laia * Em psicanálise, a associação entre angústia e sexualidade masculina é geralmente abordada a partir

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA

A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA 1 A INFLUÊNCIA DE JACQUES LACAN NA PSICANÁLISE BRASILEIRA A presença do ensino de Lacan na psicanálise brasileira é hoje absoluta. Prova disso foi a recente participação brasileira no I Congresso da Convergencia

Leia mais

Construções lacanianas em torno da fantasia

Construções lacanianas em torno da fantasia Construções lacanianas em torno da fantasia Angela Vorcaro 1 Marcela Rêda Guimarães 2 1 Introdução: O texto freudiano Batem numa criança (Freud, 2010[1919]) estabelece a organização de uma massa de fantasias

Leia mais

CENTRAL TELEFÔNICA SEM TELEFONE

CENTRAL TELEFÔNICA SEM TELEFONE 1 CENTRAL TELEFÔNICA SEM TELEFONE Samyra Assad INTRODUÇÃO O termo esquizofrenia não é utilizado por Lacan para definir essa categoria no campo das psicoses. Há o chamado Dito Esquizofrênico, em torno do

Leia mais

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante

O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante O AMOR NOSSO DE CADA DIA * Palavras chave: Amor; felicidade; sintoma; semblante Heloisa Caldas ** Minha contribuição para este número de Latusa visa pensar o amor como um semblante que propicia um tratamento

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital 3 Tempo e morte: da urgência ao ato analítico. Revinter: Rio de Janeiro, 2003. Prefácio Interessante pensar em um tempo de começo. Início do tempo de

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL

Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL QUANDO A CLÍNICA ENCONTRA A ESCOLA: O TRATAMENTO DO AUTISMO E AS SAÍDAS POSSÍVEIS DE UMA INCLUSÃO Rafael Saliba Regis Fundação de Assistência Especializada de Nova Lima - FAENOL Rua Divinópolis, 318/201,

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por

CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE. O valor do corpo como imagem, como suporte imaginário e consistência, por CORPO, IMAGEM, ORIFÍCIO: PONTUAÇÕES SOBRE O CORPO EM PSICANÁLISE Regina Cibele Serra dos Santos Jacinto Ana Maria Medeiros da Costa Podemos afirmar que o interesse de Lacan pela questão do corpo esteve

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de 2012. Sobre a letra e o gozo na escrita de Clarice Lispector Clarisse Boechat 1 Marcia Mello de Lima 2 A obra de Clarice Lispector surpreende o psicanalista de orientação lacaniana, que trabalha com a prática da letra, pois é possível extrair dali alguns conceitos

Leia mais

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br

Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br * um encontro que não faz laço Reinaldo Pamponet 1 rpamponet@terra.com.br Resumo: Este artigo pretende demonstrar que, na experiência analítica, a felicidade reside no encontro transitório, marcado pelo

Leia mais

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos.

MESA-REDONDA. Corpo: cenário de amor, gozo e sofrimento. Amor e compulsão: figuras contemporâneas do trabalho de jovens executivos. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental Tema: O amor e seus transtornos Curitiba, de 04 a 07 de setembro de 2010 MESA-REDONDA Corpo:

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos

Um Quarto de Volta. Maria Cristina Vecino de Vidal. Discursos Um Quarto de Volta Maria Cristina Vecino de Vidal Este escrito versará em torno da estrutura dos quatro discursos e seu funcionamento na clínica psicanalítica. As questões se centrarão na problemática

Leia mais

EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS

EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS EDUCAÇÃO A POTÊNCIA DAS DIFERENÇAS Entrevista Emilia Ferreiro A favor do trabalho colaborativo entre as crianças, a psicolinguista Emilia Ferreiro fala sobre os impactos da tecnologia na linguagem e demonstra,

Leia mais

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack

Do todos iguais ao um por um Oscar Zack Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Oscar Zack O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre as pessoas mediatizadas pelas imagens. Guy

Leia mais

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de

EX-SISTO, LOGO SÔO. O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de EX-SISTO, LOGO SÔO Eriton Araújo O modo como soa o título do presente trabalho já nos faz suspeitar de que se trata de um aforismo. Mas, para que mais um aforismo para o sujeito da psicanálise? Se considerarmos

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n.6 O delírio como desinserção da linguagem Hebe Tizio Resumo: O texto propõe ser o delírio psicótico uma desinserção da linguagem, por oposição ao que se poderia considerá-lo como uma inserção nela. Esclarece

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América

Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Almanaque on-line entrevista Uma questão para a AMP-América Entrevistada: Elisa Alvarenga Diretora Geral do IPSM-MG e Presidente da FAPOL (Federação Americana de Psicanálise de Orientação Lacaniana). E-mail:

Leia mais

Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise

Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise Título da mesa: Questões teóricas para uma clínica nas conexões da psicanálise Trabalho 2-: Elisabeth da Rocha Miranda Título: A Debilidade Mental: uma posição subjetiva diante do Outro Materno Este trabalho

Leia mais

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman

O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA. Adriana Grosman O DE SEJO QUE (LHE ) RESTA Adriana Grosman Pretendo tratar de um caso clinico que coloca em evidencia que não é só a questão fálica que está em jogo na maternidade se não o resto do desejo, algo que escapa

Leia mais

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999.

MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. MOURA, Marisa Decat de (ORG). Psicanálise e hospital: a criança e sua dor. Revinter: Rio de Janeiro, 1999. Prefácio Só as crianças têm segredos, Dos quais mais tarde já nem lembram! A dor talvez é um deles.

Leia mais

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança

Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Contexto cultural contemporâneo: o declínio da função paterna e a posição subjetiva da criança Manuela Rossiter Infância - tempo de brincar, coisa séria. Sônia Pereira Pinto da Motta O atendimento de crianças

Leia mais

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues

Falar de si na contemporaneidade. máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 : uma máquina de impostura? 1 Ana Paula Britto Rodrigues O que tem sido feito do silêncio no mundo atual? Acabou o silêncio? Se

Leia mais

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito,

TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE. que esse trabalho se refere. Apesar do tema do trabalho não abordar esse conceito, 1 TÍTULO: A RESPOSTA DO PSICANALISTA UMA VIA DO AMOR E DA VERDADE Marisa De Costa Martinez i Tiago Ravanello ii Nem só a Arte e a Ciência servem; No trabalho há que mostrar paciência 1 São a fome e o amor

Leia mais

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP

Quadro Geral de Disciplinas do PPGP Quadro Geral de s do PPGP Obrigatórias CR CH Metodologia de Pesquisa 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicanálise: teoria e clínica 4 60 Metodologias Específicas - Linha Psicologia e Sociedade 4 60

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Entrevista inédita de Jacques Lacan à revista italiana Panorama (1974)

Entrevista inédita de Jacques Lacan à revista italiana Panorama (1974) Entrevista inédita de Jacques Lacan à revista italiana Panorama (1974) Entrevista a Emilio Granzotto Publicada por Magazine Littéraire, Paris, n.428, fev/2004. Tradução: Marcia Gatto Nesta entrevista concedida

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental no caso do homem dos ratos * Cleide Maschietto Doris Rangel Diogo ** O Homem dos ratos 1 é um caso de neurose muito comentado,

Leia mais

O homem urso. Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG

O homem urso. Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG O homem urso Alexandre Costa Val Médico Residente em Psiquiatria do IRS e aluno do IPSM-MG Introdução O documentário O Homem Urso (Grizzly Man, 2005), dirigido pelo cineasta alemão Werner Herzog, é uma

Leia mais

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento

ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento ENTREVISTA CONCEDIDA AO ESCRITOR FLÁVIO IZHAKI Realizada em 21.VII.08 A PROPÓSITO DE RETRATO DESNATURAL (diários 2004 a 2007) Evando Nascimento Renomado professor universitário, autor de títulos de não

Leia mais

A dimensão aditiva do sintoma

A dimensão aditiva do sintoma Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 7 março 2012 ISSN 2177-2673 Glória Maron Introdução Vivemos um tempo posterior à queda dos ideais e das figuras clássicas de autoridade que encarnam a função

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7. Safar-se com a loucura Entrevista com Marcus André Vieira 1 Safar-se com a loucura Almanaque: O tema do V ENAPOL A saúde para todos não sem a loucura de cada um a se realizar em junho próximo enfatiza o singular dentro do universal.

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap.

GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS. 3º Encontro - 31 de agosto 2015. No começo era o amor (Cap. GRUPO DE ESTUDOS: TRANSFERÊNCIA:- HISTÓRIAS DE (DES)AMOR SUELI SOUZA DOS SANTOS 3º Encontro - 31 de agosto 2015 No começo era o amor (Cap.I) No primeiro capítulo do Livro 8, Lacan (1960-1961) inicia com

Leia mais

A criança, a lei e o fora da lei

A criança, a lei e o fora da lei 1 A criança, a lei e o fora da lei Cristina Drummond Palavras-chave: criança, mãe, lei, fora da lei, gozo. A questão que nos toca na contemporaneidade é a do sujeito às voltas com suas dificuldades para

Leia mais

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE

A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE A CORAGEM DE TOMAR A PALAVRA: REPRESSÃO, EDUCAÇÃO E PSICANÁLISE Autores: Gleici Kelly de LIMA, Mário Ferreira RESENDE. Identificação autores: Bolsista IN-IFC; Orientador IFC-Videira. Introdução Qual seria

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005

Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Latusa digital ano 2 N 19 outubro de 2005 Angústia: acting-out e passagem ao ato * Manoel Barros da Motta ** Jacques-Alain Miller, ao estabelecer o Seminário X de Lacan, A angústia 1, dividiu-o em quatro

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Bruno Bettelheim EXCISÃO

Bruno Bettelheim EXCISÃO Bruno Bettelheim De família judia vienense, educado no mesmo ambiente cultural que Freud, analisado em Viena na língua de Freud, Bruno Bettelheim começa uma nova vida nos Estados Unidos aos quarenta anos,

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011.

Latusa Digital Ano 8 N. 46 Setembro de 2011. Cifra-me ou te devoro Dinah Kleve 1 Resumo O texto trata do trabalho desenvolvido em oficinas de arte, junto a pacientes psicóticos, como forma de promover a possibilidade de uma escrita e de viabilizar

Leia mais

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar

O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar O lugar do psicanalista e o sintoma como fonte de mal-estar Júlio Eduardo de Castro* Unitermos: psicanálise em intensão; sintoma; ética da psicanálise. Resumo Este artigo aborda a ética da psicanálise

Leia mais

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade

Escrita poética chinesa. interpretação no último Lacan Cleyton Andrade Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 e a interpretação no último Lacan Cleyton Andrade No início da lição de 20 de dezembro de 1977 do seminário O momento de concluir

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais