SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO"

Transcrição

1 1 SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO Dr. Luciano Peske Ceron Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia Av. Ipiranga Porto Alegre - RS - CEP: Resumo: Nas plantas industriais o consumo de energia representa uma parcela importante nos custos de produção. Os motivos vão desde características inerentes ao projeto, até instalações sem qualidade e aplicações inadequadas. Neste cenário, os motores elétricos têm papel determinante, pois tem um amplo uso na indústria por sua versatilidade e eficácia. Mas melhorias e inovações sempre são necessárias, devido a grande demanda em motores, que permitem boas oportunidades no mercado nacional. Neste sentido, o departamento de Service da WEG em parceria com a empresa Renner Têxtil, desenvolveu projeto para redução do consumo de energia elétrica para aeração de silos de armazenagem de grãos, através da aplicação de um motor de imãs permanentes acionado por inversor de frequência, utilizando um regulador eletrônico de pressão. Palavras-chave: Armazenagem, Controlador de Pressão, Eficiência Energética, Motor. SOLUTION OF ENERGY EFFICIENCY FOR AIRING OF STORAGE SILOS WITH GRAIN OF CORN Abstract: In plant, industrial energy consumption is a significant production costs. The reasons range from the inherent characteristics of the project, even without quality facilities and inadequate application. In this scenario, the electric motors have role as it has a wide use in industry for its versatility and effectiveness. But improvements and innovations are always needed, due to strong demand for engines that allow good opportunities in the domestic market. In this sense, the department WEG Service in partnership with Textile Renner, developed a project to reduce the consumption of electricity for aeration of grain silos, through the application of a permanent magnet motor driven by a frequency inverter, using an electronic pressure regulator. Keywords: Storage, Pressure Controller, Energy Efficiency, Motor.

2 2 1. AERAÇÃO DE GRÃOS ARMAZENADOS Em unidades armazenadas de grãos, o ar é empregado no desempenho de diversas atividade que envolvem troca de calor e, ou massa; e o transporte pneumático, como destacado na Figura 1. Remoção de calor - Aeração em silo-pulmão - Resfriamento de produto armazenado - Remoção de bolsões de aquecimento da massa de grãos - Seca-aeração Redução do - Secagem a alta temperatura teor de umidade - Secagem a baixa temperatura - Seca-aeração Uso do Ar Renovação do - Aeração de produtos armazenados ar integranular Transporte grãos - Transporte pneumáticos e limpeza e, ou poeira - Sistemas de captação e transporte de pó Limpeza e classificação de grãos - Máquinas de pré-limpeza e limpeza - Classificadores-mesa gravidade e catadores de pedra - Classificadores pneumáticos eletrônicos Figura 1 - Uso do ar em unidades armazenadoras. Fonte: TOWNE (2001). Considerando, especificamente, aeração de produtos armazenados os objetivos são: uniformizar a temperatura e o teor de umidade da massa de grãos; e renovar o ar presente no espaço intergranular. Para o alcance desses objetivos são empregados baixas vazões de ar e valores próximos das correntes convectivas, que naturalmente ocorrem em silos e graneleiros. Os objetivos elencados referem ao uso da aeração de forma preventiva para a manutenção da qualidade do produto armazenado. O que infelizmente não ocorre na maioria das unidades armazenadas no Brasil, pois, normalmente, empregam o sistema de aeração de forma corretiva visando eliminar focos de aquecimento decorrentes de erros operacionais (SILVA, 1995). A ocorrência dos pontos de aquecimento na massa de grãos, Figura 2, está associada principalmente aos seguintes fenômenos: (a) proliferação de fungos em locais que a massa de grãos apresenta teor umidade acima do recomendado para armazenagem; (b) cargas provenientes dos secadores que não foram devidamente resfriadas; e (c) exposição frequente de uma das faces de silos e ou graneleiros por longo período a radiação solar. Como consequência da falta de uniformidade da temperatura nas diversas regiões da massa de grãos faz com que sejam estabelecidas correntes de ar que circulam das regiões mais aquecidas para as mais frias (SILVA, 2009).

3 3 Figura 2 - Representação de pontos de aquecimento na massa de grãos. Fonte: SILVA (2009). O ar quando aquecido aumenta o seu potencial de secagem, propiciando o transporte de vapor de água das regiões aquecidas para as mais frias. Esse fenômeno pode contribuir para condensação do vapor transportado sobre os grãos situados nas regiões mais frias. Isso faz aumentar o teor de umidade do produto e a disponibilidade de água nessas regiões (TOWNE, 2001). O aumento do teor de umidade do produto aumenta as taxas de respiração e autodeterioração, o que implica em perda de matéria seca. Além disso, o aumento da disponibilidade de água potencializa o desenvolvimento dos fungos e outros microrganismos que geram calor, água, gás carbônico e gases odoríficos. Fungos podem metabolizar micotoxinas que em determinadas concentrações tornam o produto armazenado impróprio para o consumo humano e de animais (WEBER, 2001) Uniformização do teor de umidade da massa de grãos A falta de uniformidade do teor de umidade na massa de grãos armazenada ocorre principalmente em razão de: (1) falhas de monitoramento do teor de umidade das cargas de produto expedidas dos secadores; (2) ocorrências de correntes convectivas de ar que transportam vapor de águas das regiões aquecidas para as mais frias; (3) infiltrações devido a elevação dos lençóis freáticos; e (4) goteiras (CHANG; STEELE, 1995). Como o ar intergranular tem suas propriedades psicométricas regidas pela massa de grãos, isso faz estabelecer bolsões de massa de ar que ao interagirem levam aos estabelecimentos de gradientes que promovem troca de calor e massa; e ao estabelecimento de correntes convectivas de ar (SILVA; LACERDA; DEVILLA, 2000).

4 4 Regiões na massa de grãos com maiores teores de umidade, por exemplo, acima de 14,5%, levam ao estabelecimento de condições psicométricas do ar integranular, em que a umidade relativa é superior a 65%, Tabela 1. Isso representa nível de atividade aquosa superior a 0,65 proporcionado desenvolvimento de fungos e consequentemente a geração e micotoxinas. Cargas expedidas desses locais podem conter altos níveis de micotoxinas tornando o produto impróprio para a fabricação de ração e consumo humano (DARBY, 2004). Portanto, ao uniformizar o teor de umidade da massa de grãos, tem por benefício à uniformização das condições psicométricas do ar intergranular. Sendo assim, conforme dados da Tabela 1, as condições ideais para armazenagem de milho, em condições ambiente, correspondem à umidade relativa do ar intergranular próxima de 60% e a temperatura da massa de grãos inferior a 20ºC. Nessa condição, inviabiliza-se o desenvolvimento de fungos e reduz-se as taxas de respiração e de auto-degradação do produto armazenado (SILVA, 1995). Tabela 1 Valores de teor de umidade de equilíbrio para milho em função da temperatura e umidade relativa do ar intergranular. Temperatura Umidade relativa do ar (%) do milho (ºC) ,1 7,3 9,1 10,8 12,3 14,0 15,7 17,8 20,6 20 4,9 7,1 8,8 10,4 11,9 13,5 15,2 17,2 19,9 25 4,7 6,8 8,5 10,0 11,5 13,0 14,7 16,6 19,3 30 4,6 6,6 8,2 9,7 11,1 12,6 14,2 16,1 18,7 35 4,4 6,4 7,9 9,4 10,8 12,2 13,8 15,6 18,2 40 4,3 6,2 7,7 9,1 10,5 11,9 13,4 15,2 17,7 Fonte: SILVA (2009) Renovação da massa de ar intergranular A renovação do ar intergranular é um procedimento que deve ser feito com regularidade com os objetivos de preservar qualidades organolépticas dos grãos, e a qualidade do ar intergranular, que pode conter em sua composição gases odoríficos. Esses gases depreciam quesitos sensoriais considerados na classificação de grãos (CHANG; STEELE, 1995). Portanto, por meio do procedimento de renovação do ar intergranular, não se busca secar ou resfriar a massa de grãos. Sendo assim, a condição psicométrica do ar empregado deve estar em equilíbrio higroscópico com massa de grãos. Vide Tabela 1. Caso contrário, se o ar estiver com umidade relativa acima da recomendada, o teor de umidade da massa de grãos poderá aumentar, como também, o ambiente intergranular terá o nível de atividade aquosa aumentado (SILVA, 1995). Por outro lado, se a umidade relativa do ar estiver baixa (valores menores que 50%), significa que este tem potencial de secagem. Sendo assim, ocorrerá fenômeno supersecagem, em que o teor de umidade do produto armazenado é reduzido. Isso gera transtornos, quanto ao procedimento de apuração do balanço de cargas recebidas e expedidas, e estresse na relação prestador de serviço e usuários, caso a empresa insista em aplicar o desconto de quebra de umidade durante o período de armazenagem (SILVA, 1995).

5 5 Neste sentido, as determinações das condições psicométricas do ar intergranular e de equilíbrio higroscópico dos produtos são essenciais para proceder à tomada de decisão de qual é o melhor momento para acionar os ventiladores. Para essas determinações empregamse gráficos psicrométricos, tabelas de equilíbrio higroscópico ou programas de computador que empregam equações para cálculos das condições psicométricas do ar e de equilíbrio higroscópico dos produtos (DARBY, 2004). 2. EQUIPAMENTOS O correto dimensionamento de equipamentos e especificação do grau de proteção em função das condições ambientais e o uso de técnicas de proteção adequadas, para ventiladores e motores elétricos nas linhas de produção, resulta em maior vida útil e um melhor desempenho eletromecânico ao longo deste período. Esta melhoria no desempenho dos motores elétricos, além de garantir a continuidade do processo, pode também significar eficiência energética (TISSOT, 2010) Ventilador Sob aspecto estrutural o sistema de aeração de grãos deve possuir os seguintes elementos: (1) o ventilador máquina que imprime velocidade e pressão ao ar que passará pela coluna de grãos; (2) dutos condutores canalização que conduz o fluxo de ar até os pontos de aplicação; e (3) dutos de distribuição são dutos equipados com chapas perfuradas por onde flui o ar que penetra o espaço intergranular (SILVA; LACERDA, 1990). Os ventiladores são escolhidos em função da: (1) vazão de ar a ser aplicada; e (2) a resistência imposta ao fluxo de ar que é definida em função da altura da coluna de graõs, rugosidade das tubulações, número e tipos de registros e conexões presentes na tubulação e índice de perfuração da chapa perfurada. Essa resistência, uma modalidade de pressão estática, é expressa em milímetros de coluna de água (mmca), sendo tecnicamente denominada como perda de carga ou queda de pressão. E essa aumenta com o fluxo de ar empregado (SILVA; PINTO, 1995). O fluxo de ar a ser empregado é definido em função do tipo de instalação e de operação conforme destacado na Tabela 2. Tabela 2 Valores de fluxos de ar indicados por operação e tipo de instalação. Tipo de Instalação Fluxo de ar (L de ar/min.m 3 de produto Aeração de graneleiros fundo plano 75 a 160 Aeração de silos 23 a 78 Aeração de silos-pulmão 230 a 470 Seca-aeração 390 a 780 Resfriamento Mínimo 120 Fonte: SILVA, PINTO (1995).

6 6 Atualmente os sistemas utilizados para aeração de grãos armazenados compõemse de ventiladores centrífugos acionados por motores de indução, operando com velocidade fixa. O dimensionamento desses sistemas, via de regra, é efetuado de maneira a atender sempre a pior situação de carga existente, tempo de armazenamento, umidade do produto, entre outras regras Motor Elétrico O controlador EF-ENERGY destinado à solução energética na aeração de grãos, regula automaticamente a rotação dos motores W22 Premium do sistema de aeração a níveis adequados às condições do produto armazenado. Para garantir economia com energia elétrica é interligada a uma estação meteorológica e ainda reduzir aas perdas de armazenagem. O objetivo deste motor é flexibilizar o funcionamento do motor de indução pelo controle de velocidade controlado por inversor de frequência. Além do objetivo inicial a aplicação também possibilita a homogeneização da massa de grãos, com vantagem significativa na qualidade do produto (TISSOT, 2010). O módulo supervisório TA-3000, para os dados de termometria, monitora os dados climáticos, calcula as faixas de aeração e a rotação ideal dos motores e envia informação para o inversor de frequência, que liga e desliga os motores nas rotações adequadas. Abaixo segue a Figura 3 da ilustração do sistema. Figura 3 - Ilustração da solução.

7 7 O principio de funcionamento baseia-se na manutenção da taxa de aeração (m 3 /ar/min/m 3 de cereal) com volumes variados dentro dos silos. Os silos são divididos e níveis de armazenagem e para cada nível tem uma vazão e pressão equivalente à taxa de aeração desejada, considerando além do nível, também o tipo de produto, a temperatura, a umidade e o objetivo da aeração. O controlador de aeração permite a seleção do tipo de produto no silo, identifica sua temperatura e nível, enviando sinal ao inversor para controle da vazão no conjunto Motor/Ventilador. Fornecer exatamente a ventilação que o produto precisa é a vazão da grande economia obtida. O controlador ainda analisa a temperatura e umidade do ambiente na definição desta ventilação. 3. METODOLOGIA A aplicação foi implantada na empresa Agroindustrial Rezende, sendo pioneiros ao inovar e desenvolver uma solução em eficiência energética para aeração dos silos de armazenagem de grãos de milho. A solução consiste na aplicação do motor W22 Premium acionado por um inverso de frequência, interligado ao controlador de Aeração EF-ENERGY, não sendo necessária a substituição do sistema de termometria, sensores e cabos, usualmente já presentes nos silos. Após a secagem propriamente dita, o processo de aeração passa a ter o objetivo à conservação dos grãos. Neste caso, é realizada a aeração preventiva, isto foi realizado sempre que as condições climáticas são favoráveis, mantendo a massa de grãos em temperaturas inferiores a 19ºC e a umidade relativa no espaço intersticial entre 60% e 75%. Desta forma, a termometria acompanha e informa sobre o avanço da frente de atuação no sistema. Controlador EF-ENERGY informado com tipo de produto, umidade de amostra, umidade desejada. Realizado o abastecimento do Silo nº 01 e nª 02 com produto milho. A solução de eficiência energética foi aplicada apenas no Silo nº 02, mantendo a igualdade de nível, tempo de aeração, potência dos motores, especificação dos ventiladores, enfim, todas as características em geral, possibilitando assim, um comparativo real dos ganhos entre os dois silos, conforme Tabela 3. As medições forma realizadas com analisador de energia IMS, para comparação do consumo de energia elétrica entre os dois silos durante noventa dias. Tabela 3 Valores comparativos ajustados entre os silos 1 e 2. Especificação Técnica Silo 01 Sem solução Silo 02 Com solução Potência do Motor (CV) Rotação (RPM) Acionamento Estrela/triângulo Inversor de frequência Tensão (V) Acoplamento direto direto Produto Armazenado milho milho

8 8 4. RESULTADOS Medidas comparativas de consumo de energia apresentadas na Figura 4. Figura 4 - Consumo médio de energia elétrica (kw), durante três meses, nos silos 1 e 2. Conforme apresentado nas medições do consumo médio de energia elétrica na Figura 4, 16 kw no silo 1 e 1,6 kw no silo 2, a aplicação da solução proporcionou no silo 2 uma redução de 90% no consumo de energia elétrica, obtendo assim, um retorno em três meses do investimento aplicado. Além de ganhos como: Aumento da qualidade do produto; Controle preciso de temperatura; Umidade dos grãos controlada; Automatização do sistema de controle no silo. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente estudo teve por diretriz apresentar um novo conceito de controle psicométrico do ar intergranular em silos de milho, utilizando inovação em equipamentos de controle, direcionados para obtenção da eficiência energética e obter qualidade dos produtos, minimizando os custos, aumentando a produtividade. Para a operação adequada do sistema de aeração é necessário conhecer as condições higroscópicas da massa de grãos e psicométricas do ar. Desse modo, o operador do sistema deve estar devidamente treinado para não alterar as condições psicométricas do ar intergranular potencializando o desenvolvimento de microrganismos (fungos e bactérias). Gerentes e operadores de unidades armazenadoras devem utilizar a aeração como uma operação de ordem preventiva para garantir a preservação da qualidade do produto armazenado, tendo como ganho a eficiência energética em seu processo.

9 9 REFERÊNCIAS CHANG, C. S.; STEELE, J. L. Development and evalution of aeration control strategies for maintaining stored grain quality. Applied Engineering in Agriculture, St. Joseph, v. 11, n. 4, p , DARBY, J. Aeration increases marketing choikes. Farming Ahead, n. 144, 2004, p PEREIRA, J. A. M.; PEREIRA, A. R. M. Aeração de grãos - Parte II - Movimentação de ar e dimensionamento de sistemas. Centro Nacional de Treinamento em Armazenagem. Viçosa, 44p. SILVA, L. C. Micotinas em grãos e derivados. Revista Grãos Brasil, Ano VII, n. 39, 2009, p SILVA, J. S. Pré-processamento de produtos agrícolas. Juiz de Fora: Instituto Maria, p. SILVA, J. S.; LACERDA FILHO, A. F. Construção e operação de secador de grãos. Boletim de Extensão. Universidade Federal de Viçosa - Imprensa Universitária, Viçosa, 1990, 28p. SILVA, J. S.; LACERDA FILHO, A. F.; DEVILHA, I. A. Aeração de grãos armazenados de produtos agrícolas. Editora Aprenda Fácil: Viçosa, 2000, p SILVA, J. S.; PINTO, F. A. C. Ventiladores e sua construção. In: Pré-processamento de produtos agrícolas, Instituto Maria, Juiz de Fora, p. TISSOT, F. D. Uma análise da proteção contra sobrecarga em motores assíncronos f. Graduação (Faculdade de Engenharia Elétrica), UFRGS, Porto Alegre, TOWNE, H. L. Aeration strategies. World Grain, July 2004, p WEBER, E. A. Armazenagem Agrícola. Editora Agropecuária: Guaíba, 2001, 396 p.

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

Solução EF-ENERGY + Solução WEG para Armazenagem de Grãos

Solução EF-ENERGY + Solução WEG para Armazenagem de Grãos ECONOMIA DE ENERGIA GARANTIDA Solução EF-ENERGY + Solução WEG para Armazenagem de Grãos Destinado a gerar economia de energia na aeração de grãos, a solução de eficiência energética EF-ENERGY regula automaticamente

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PROCESSOS DE FILTRAÇÃO DE PARTICULADOS CERÂMICOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PROCESSOS DE FILTRAÇÃO DE PARTICULADOS CERÂMICOS 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM PROCESSOS DE FILTRAÇÃO DE PARTICULADOS CERÂMICOS Dr. Luciano Peske Ceron luciano.ceron@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Engenharia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS Rodrigo Augusto Neves (1) Leandro Ávila da Silva (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela importante nos custos

Leia mais

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA

PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA PROJETO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM FILTRO DE MANGAS NA INDÚSTRIA QUÍMICA Rodrigo Augusto Neves (1) Marcos Coelho (2) RESUMO Nas plantas industriais, o consumo de energia elétrica representa uma parcela

Leia mais

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS LACERDA CONSULTORIA LTDA MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS ADILIO FLAUZINO DE LACERDA FILHO, DSc Consultor em pós-colheita de grãos secagem, aeração, esfriamento artificial de grãos

Leia mais

Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes

Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes Eficiência energética com aplicação de motores de imãs permanentes Rodrigo Augusto Neves Engenheiro Eletricista Helder Pires Luca Engenheiro Eletricista 1 Resumo Nas plantas industriais, o consumo de energia

Leia mais

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem 1 Secagem de Grãos 1 Prof. Luís César da Silva email: silvalc@cca.ufes.br O processo de secagem é aplicado para reduzir o teor de umidade de produtos agrícolas. Desse modo, é reduzida disponibilidade de

Leia mais

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1 1 Grãos: Métodos de Conservação 1 Prof. Luís César da Silva (enviar e-mail: www.agais.com) A massa de grãos armazenada constitui em um ecossistema em que estão presentes elementos abióticos e bióticos.

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. Soluções para Agronegócio Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Soluções para Agronegócio Visão Geral Eficiência e produtividade em todas as safras? Conte com a WEG. Para nós, produtividade e eficiência

Leia mais

Operação de Secadores Cascata 1

Operação de Secadores Cascata 1 1 Operação de Secadores Cascata 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com O setor de secagem em uma unidade armazenadora deve receber especial atenção quanto ao gerenciamento

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1

Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 1 Unidades Armazenadoras: Planejamento e Gerenciamento Otimizado 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com Para a tomada de decisão sobre a construção de uma unidade

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE FELIPE GUILHERME STEIN APLICAÇÃO INDUSTRIAL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ESTUDO DE

Leia mais

Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente

Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente Eficiência Energética na Indústria Indústria +Eficiente Rogerio Iannaccaro Gerente Joinville, 19 de Outubro de 2014 0 1 VISÃO GERAL DA TUPY Líder no mercado de blocos e cabeçotes de motor em ferro fundido

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER FLUXO DE AR NA COLHEITADEIRA MF5650 PARA DIMINUIÇÃO DA UMIDADE DURANTE A COLHEITA DE CEREAIS (SOJA) Panambi

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5 RESUMO O presente estágio curricular obrigatório foi desenvolvido na unidade de recebimento e secagem de cereais da Campagro Insumos Agrícolas, unidade Boa Vista em Campo Mourão PR. O estágio teve a duração

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética

Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Rexroth 4EE Rexroth para Eficiência Energética Procurando reduzir gastos com energia? Por que não aumentar a produtividade ao mesmo tempo? Reduzir os custos operacionais usando a energia com eficiência

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária

V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária V Prêmio Alstom de Tecnologia Metroferroviária Estudo de Caso: Substituição do sistema de controle de vazão de um insuflador de ar em túneis de um sistema de transporte de pessoas sobre trilhos. OBJETIVO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO Osvaldo Resende 1, Kelly Aparecida de Sousa 2, Renan Ullmann 3, Tarcísio Honório Chaves 4 RESUMO: Objetivou-se

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa.

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa. As Cortinas de Ar TroCalor são destinadas a impedir a mistura de fluxos de ar ao isolar dois ambientes distintos através da formação de uma barreira de ar entre eles, mantendo ideais as condições de temperatura

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES

Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Comandos Eletro-eletrônicos SENSORES Prof. Roberto Leal Sensores Dispositivo capaz de detectar sinais ou de receber estímulos de natureza física (tais como calor, pressão, vibração, velocidade, etc.),

Leia mais

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Homologado pelos fabricantes de equipamentos

Homologado pelos fabricantes de equipamentos Homologado pelos fabricantes de equipamentos Confiabilidade e durabilidade são indispensáveis. A suspensão de uma sessão de radioterapia ou a perda de hélio em uma ressonância magnética precisam ser evitadas

Leia mais

Aeração com qualidade

Aeração com qualidade Armazenagem aeração Tetuo Hara Para se obter uma boa aeração é necessário analisar cautelosamente alguns elementos como umidade dos grãos, teor de impurezas, compactação da massa e condições climáticas

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Como mostra a tabela abaixo, quanto mais frio o ar, menor será o conteúdo de água, sob a forma de vapor.

Como mostra a tabela abaixo, quanto mais frio o ar, menor será o conteúdo de água, sob a forma de vapor. O AR ATMOSFÉRICO 1 - Composição O ar puro e seco é incolor, sem gosto e sem cheiro. É formado por uma mistura de gases na seguinte proporção (aproximada) Nitrogênio = 78 % Oxigênio = 21 % Outros gases

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

CLIMATIZADORES EVAPORATIVOS GARANTEM CONFORTO TÉRMICO. Diferença que você sente no ar.

CLIMATIZADORES EVAPORATIVOS GARANTEM CONFORTO TÉRMICO. Diferença que você sente no ar. CLIMATIZADORES EVAPORATIVOS GARANTEM CONFORTO TÉRMICO Diferença que você sente no ar. RESFRIAMENTO EVAPORATIVO ECOLÓGICO EFICIENTE E MUITO ECONÔMICO O sistema de resfriamento evaporativo utiliza a água

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ

SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ SISTEMA PNEUMÁTICO PARA CARGA, DESCARGA E MOVIMENTAÇÃO DOS GRÃOS DURANTE A SECAGEM DE CAFÉ Juarez de Sousa e SILVA¹, juarez@ufv.br; Cristiane Pires SAMPAIO²; cpsampaio@ulbra to.br; Roberta Martins NOGUEIRA

Leia mais

Energia sob medida com tecnologia Fockink

Energia sob medida com tecnologia Fockink Energia sob medida com tecnologia Fockink Grupo Fockink ISO 9001 Sistema de Gestão da Qualidade Certificado AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL E AGROINDUSTRIAL. CONCEPÇÃO, PROJETO, DESENVOLVIMENTO E MONTAGEM DE PAINÉIS

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir.

A metodologia proposta pela WEG para realizar este tipo de ação será apresentada a seguir. Eficiência Energética Buaiz Alimentos 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Buaiz Alimentos Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vitória / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS

8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8. MANUTENÇÃO EM MOTORES ELÉTRICOS 8.1 INTRODUÇÃO Os motores elétricos são responsáveis por grande parte da energia consumida nos segmentos onde seu uso é mais efetivo, como nas indústrias, onde representam

Leia mais

Soluções em Eficiência Energética

Soluções em Eficiência Energética Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Soluções em Eficiência Enerética O futuro depende de atitudes conscientes e sustentáveis, pois o mundo cresce em ritmo acelerado, modernizando

Leia mais

Fábricas com eficientes sistemas de energia

Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas com eficientes sistemas de energia Fábricas de hoje... A globalização e a concorrência entre as empresas estão causando revoluções no desenvolvimento de produtos, reduzindo cada vez mais o

Leia mais

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações.

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 20 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE REDES

Leia mais

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 30 ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 ZUCHI, J. 2 LACERDA FILHO, A.F. 3 RESUMO - A produção de sementes de soja, com qualidade, é um desafio constante, principalmente das empresas situadas na região

Leia mais

AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO

AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO CLAYTON VIEIRA FRAGA FILHO 1 DANIELA DE CARVALHO LOPES 2 VALDONI RODRIGUES ROCHA 3 PAULO MÁRCIO DE FREITAS 4 EVANDRO DE CASTRO MELO 5 RESUMO

Leia mais

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP

'HVFULomRGDSODQWD. 'HVFULomRGRSURFHVVRGHVHFDJHP 'HVFULomRGDSODQWD Neste capítulo, será descrita a planta de produção de vapor para secagem do fermento. Os dados desta descrição correspondem às instalações em funcionamento durante o ano de 2002 de uma

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades.

APRESENTAÇÃO. Oferecemos a nossos clientes máquinas e equipamentos econômicos e eficientes, com atenção personalizada segundo suas necessidades. PORTFÓLIO Mecânica APRESENTAÇÃO A ProjeCrea é uma empresa que desenvolve soluções personalizadas integrais para: agroindústrias, metalúrgicas, indústrias e locais comerciais gerais. Temos parcerias com

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores Aplicações Comerciais e Residenciais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Motores Aplicações Comerciais e Residenciais Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motores Aplicações Comerciais e Residenciais -- Aplicações Comerciais e Residenciais Eficiência e confiabilidade para a indústria Fundada em

Leia mais

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia

Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Solução para Problema de Aquecimento em Acionamento de Exaustor do Processo de Sinterização em Planta de Siderurgia Gil Augusto de Carvalho gilaugusto@uol.com.br UBM Orlando Moreira Guedes Júnior engorlandojunior@yahoo.com.br

Leia mais

Eficiência Energética Chocolates Garoto

Eficiência Energética Chocolates Garoto Eficiência Energética Chocolates Garoto 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Chocolates Garoto Ramo de atividade: Alimentício Localização: Vila Velha / ES Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes. Código do Produto Descrição do Produto A Série Energy da Altus traz uma solução confiável para um dos pontos mais críticos em uma aplicação industrial: o fornecimento de alimentação para todos os dispositivos do sistema

Leia mais

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Universidade Federal de Santa Catarina www.producaoonline.inf.br ISSN 1676-1901 / Vol. 1/ Num. 1/ Outubro de 2001 Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Silvana Aparecida Bragatto

Leia mais

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução

Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM. Introdução Motores de tração em corrente alternada: Estudo do desempenho na CPTM Introdução Os motores de tração são os equipamentos responsáveis pela propulsão dos trens. Sua falha implica na diminuição do desempenho

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

www.agais.com Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP

www.agais.com Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP 1 Armazenagem: Transporte de Grãos 1 Por: Luís César da Silva Figura 1 Unidade Armazenadora Cortesia CASP Unidades armazenadoras de grãos apresentam constituídas por: (a) estruturas físicas: moegas, silos-pulmões,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial. Motor Elétrico.

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial. Motor Elétrico. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Guia Prático de Treinamento Técnico Comercial Motor Elétrico Módulo I Já se foi o tempo em que só simpatia garantia bons resultados em vendas.

Leia mais

DPR. Secador de Ar Comprimido por Refrigeração

DPR. Secador de Ar Comprimido por Refrigeração DPR Secador de Ar Comprimido por Refrigeração DPR Tecnologia DPR A hb ar comprimido se preocupa continuamente com o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de seus produtos e serviços afim de superar as necessidades

Leia mais

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina

Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Soluções para Aumentar Eficiência e Produtividade da Usina Resumo da apresentação, caso precise de mais informações relativo ao tema favor me contatar. Dep. DT -

Leia mais

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS

USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS USO DE PAINÉIS SOLARES PARA BOMBEAMENTO DE ÁGUA NO ASSENTAMENTO ELDORADO II EM SIDROLÂNDIA MS Orlando Moreira Júnior 1, Bruna Insfran Jorcuvich 2, Gabriela Pinheiro Telles 2, Tatiane Machado Barbosa 2

Leia mais

Em meados de 2000, após ter ministrado

Em meados de 2000, após ter ministrado CONTROLE DO AR CONTROLE AVANÇADO DE FILTROS DE MANGAS Conheça o que há de moderno e eficaz para otimização do desempenho de filtros de mangas, sejam os de pequeno ou de grande porte por Tito A. Pacheco

Leia mais

Construídos para toda a vida. Uma visão geral... Produtos para sistemas de ar comprimido

Construídos para toda a vida. Uma visão geral... Produtos para sistemas de ar comprimido Construídos para toda a vida Uma visão geral... Produtos para sistemas de ar comprimido Kaeser Compressores Nós oferecemos uma linha completa de produtos para sistemas de ar, incluindo compressores de

Leia mais

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para

Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para Atuando desde 1981 (mil novecentos e oitenta e um), a Henfel fabrica caixas para rolamentos, acoplamentos hidrodinâmicos e flexíveis, e hidrovariadores de velocidade, produtos destinados a atender os mais

Leia mais

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva

Manutenções em Unidades Armazenadoras 1. Por: Luís César da Silva 1 Manutenções em Unidades Armazenadoras 1 Por: Luís César da Silva Unidades armazenadoras de grãos devem configurar como sistemas adequadamente projetados, estruturados e gerenciados para o recebimento,

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W22 IR4 Super Premium Motor de Indução Trifásico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Motor de Indução Trifásico -- 2 A WEG em constante inovação amplia sua linha de motores de alta eficiência W22 IR4 SUPER Premium Nas últimas

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão

Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão 6 a 1 de Outubro de 28 Olinda - PE Análises de Eficiência Energética em Métodos de Controle de Vazão Ronaldo R. B. de Aquino Zanoni D. Lins Pedro A. C. Rosas UFPE UFPE UFPE rrba@ufpe.br zdl@ufpe.br prosas@ufpe.br

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO

ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO ANAEEL SOFTWARE PARA DIAGNÓSTICO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM AGROINDÚSTRIAS 1 RESUMO FÉLIX ABRAO NETO 2 ODIVALDO JOSÉ SERAPHIM 3 JAIR ANTONIO CRUZ SIQUEIRA 4 FERNANDO DE LIMA CANEPPELE 5 JAIR DE JESUS

Leia mais

INVERSOR DE FREQUÊNCIA E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

INVERSOR DE FREQUÊNCIA E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO INVERSOR DE FREQUÊNCIA E A SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE BOMBEAMENTO Eduardo da Costa Sousa, Victor de Paula e Silva educosta.sousa@gmail.com, vpaulasilva@gmail.com: Universidade

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm

DRD. Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar comprimido por refrigeração 5-6000 pcm DRD Secador de ar por refrigeração A importância do ar comprimido como um gerador de energia para os processos industriais modernos é largamente

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDX Solução em processamento CNC Linha KSDX Solução em processamento CNC Automatize a produção de sua empresa Instalada em Tubarão, SC, a KEEL atua na fabricação de equipamentos para Corte, Solda e Sistemas (CNC). Fundada em 2002, a empresa

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Instrução Técnica nº 27/2011 - Armazenamento em silos 649 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Armazenamento

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

White paper. A solução ideal para o controle térmico de reatores

White paper. A solução ideal para o controle térmico de reatores White paper Controle térmico econômico A solução ideal para o controle térmico de reatores Controles térmicos de reatores em laboratórios farmacêuticos e químicos bem como em equipamentos industriais e

Leia mais