ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA 2014"

Transcrição

1 CADERNO TÉCNICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA 2014 PAÇO DO FREVO 1/15

2 Cntrataçã de empresa especializada em serviçs de limpeza e cnservaçã, cm frneciment de mã de bra em serviçs gerais, equipaments e material de limpeza, a fim de atender as áreas internas e externas d Paç d Frev, pr períd de 12 (dze) meses. Lcal da Prestaçã de Serviçs: Paç d Frev Rua da Guia, 91 Em frente à Praça d Arsenal Bairr d Recife CEP: Recife PE Área ttal a ser atendida: 2.261,44m² Áreas Internas: Descriçã Área envlvida Paviment Térre...553,20m² 1º Paviment...553,20m² 2º Paviment...551,65m² 3º Paviment...551,65m² Ttal ,70m² Acréscim de área cnstruída...51,74m² Ttal da área cnstruída após refrma ,44m Nestes lcais deverã ser atendids: PISOS FORROS JANELAS e PORTAS ESCADAS ELEVADOR SANITÁRIOS PAREDES EQUIPAMENTOS INSTALADOS 2/15

3 HORÁRIOS E EXPEDIENTE A Empresa CONTRATADA deverá atender 07 (sete) dias pr semana, cm jrnada de 44 hras semanais. Cabe a CONTRATADA, realizar escala de trabalh 5 x 1, cm mair efetiv as sábads, dmings, feriads e pnts facultativs. DISTRIBUIÇÃO DE PESSOAL A CONTRATANTE exige que númer mínim de pessas da CONTRATADA, nã seja inferir a: a) Diurn: 10 pessas, send: b) 01 encarregad(a) interna c) 01 limpadr de vidrs d) 08 auxiliares de limpeza IMPORTANTE Pr ser lcal de visitaçã pública, será necessári adaptaçã a hrári de visitaçã*, bem cm cuidads especiais na execuçã de limpeza devid à singularidade ds equipaments e acervs em exibiçã. * Hrári de visitaçã Terças, quarta e sexta: das 9h às 18h Quinta: das 9h às 21h Sábad e dming: das 12h às 19h SUGESTÕES A limpeza mais prfunda deverá ser executada cm Paç ainda fechad. Na parte da manhã, u em dia fechad a públic. EQUIPAMENTOS PARA LIMPEZA Cabe a CONTRATADA frnecer: 3/15

4 Rds, vassuras, baldes, mp sec (tip cabeleira e espnja), mp úmid, escadas, equipament para limpeza de vidrs, pans de limpeza diverss, aspiradr de pó, espanadr de pó, enceradeira industrial para limpeza úmida e pliment. I. DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Antes da Abertura Tds s dias: a) Limpeza geral em tds s sanitáris Lavagem, secagem e desinfecçã (ver parágraf III Obrigações da Cntratada); b) Varriçã geral ns piss, escadas e áreas externas. Retirada de resídus aderids a sl (gma, fita islante, etc.); c) Limpeza de paredes, clunas e guarda-crps; d) Limpeza de janelas e divisórias em vidr; e) Limpeza em geral, piss, prtas e janelas das salas de api; f) Limpeza ds recipientes de resídus. g) Remver pó das mesas, telefnes, armáris, prateleiras, peitris, caixilhs das janelas, bem cm ds móveis existentes, ds aparelhs elétrics, ds extintres de incêndi, etc... h) Limpar / remver pó de capachs, carpetes e tapetes. i) Aspirar pó em td pis acarpetad, especialmente nde tráfeg de pessas é mais intens. j) Limpar telefnes cm prdut adequad, evitand fazer limpeza de bcais cm prduts alergênics. Sempre que pssível utilizar apenas pan úmid, cm a finalidade de: Evitar us, desnecessári, de aditivs e detergentes para a limpeza ds móveis e eliminar us de "lustra móveis"; Evitar fazer a limpeza de bcais (e utras partes manuseadas) cm prduts ptencialmente alergênics. Remver manchas, sempre que pssível, imediatamente após a sua frmaçã, mas nunca esfregá-las, sb pena de aumentar à área afetada. N cas das manchas serem de substâncias 4/15

5 que cntenham óle u grdura, recmenda-se retirar excess cm um pan umedecid cm álcl (sem esfregar) e, em seguida, usar um pan umedecid cm água e sabã. Após, enxugar cm pan sec u papel absrvente; Semanalmente: a) Limpeza prfunda, cm lavagem se necessári, das janelas e divisórias de vidr; b) Encerar piss de madeira cm prdut indicad. c) Aplicar prduts especiais ns piss plástics INDICADOS e frnecids pel Museu; d) Limpeza ds duts de ar-cndicinad: tirar pó acumulad em cima da tubulaçã. e) Limpeza ds tets; f) Acert de lcais que pssam causar prblemas quand da visita; g) Limpeza geral em espelhs, prateleiras e afins; h) Limpeza de luminárias. i) Limpar atrás/embaix de móveis, armáris e arquivs. j) Utilizar aspiradr de pó n carpete d auditóri, e sempre aspirar após us d mesm; k) Limpar prtas, batentes, divisórias e barras cm prdut adequad. l) Limpar e plir tds s metais, tais cm: trneiras, válvulas, registrs, sifões e fechaduras, cm prduts adequads, prcurand fazer us de plidres de baixa txidade u atóxics. m) Retirar pó e resídus ds quadrs em geral, depis de rientads pela equipe d Museu em cm limpar s itens musegráfics. OBS: Executar demais serviçs cnsiderads necessáris à freqüência semanal. Durante a visitaçã: a) Revisã cnstante ns sanitáris. Manter piss, sanitáris, lavatóris e espelhs limps e desinfetads (ver parágraf III Obrigações da Cntratada); b) Reclhiment de tds s resídus n pis, paredes e guarda-crps; 5/15

6 c) Se necessári, passar equipament úmid. IMPORTANTE: Quand da prática deste tip de limpeza, usar td material de segurança indicad; d) Trca e limpeza cnstante ds recipientes cm resídus. NUNCA deixar recipiente armazenad cm líquid. e) Nã deixar material de limpeza espalhad pel Museu. Existe cmpartiments própris para us da equipe de limpeza. f) Atender tda slicitaçã de serviç prntamente durante períd de visitaçã. Durante este períd, é imprtante que (a) líder esteja atent (a). O grande númer de pessas e s equipaments ligads exigem bastantes cuidads. Cuidad, também, para quem executa serviç. Os traps e estpas cntaminads nas atividades de pliment (u que utilizem prduts cnsiderads tóxics) deverã ser segregads e ter destinaçã adequada, respnsabilidade da CONTRATADA. Nã serã permitids trabalhs em alturas superires a 2,0 metrs. II UTILIZAÇÃO DA ÁGUA A limpeza ds piss pavimentads e arruament smente serã feits pr mei de varredura e reclhiment de detrits, send expressamente vedada lavagem cm água ptável, excet em cas que se cnfirme material cntagis u utrs que tragam dan à saúde; A limpeza de passeis smente será feita pr mei de varredura e reclhiment de detrits, u pr mei da utilizaçã de baldes, pans mlhads u escvã, send expressamente vedada lavagem cm água ptável, excet em cas que se cnfirme material cntagis u utrs que tragam dan à saúde; Sempre que pssível, será permitida lavagem cm água de reus u utras fntes (águas de chuva, pçs cuja água seja certificada de nã cntaminaçã pr metais pesads u agentes bacterilógics, minas e utrs). III OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA 6/15

7 A Cntratada, além da dispnibilizaçã de mã-de-bra, ds equipaments, saneantes dmissanitáris, necessáris para a perfeita execuçã ds serviçs de limpeza de áreas envlvidas, briga-se a: a) Obrigações e Respnsabilidades Respnsabilizar-se integralmente pels serviçs cntratads, ns terms da legislaçã vigente; Designar pr escrit, n at d recebiment da Autrizaçã de Serviçs, prepst(s) que tenha(m) pderes para resluçã de pssíveis crrências durante a execuçã d cntrat; Dispnibilizar empregads em quantidade necessária que irã prestar serviçs, unifrmizads, prvids ds Equipaments de Prteçã Individual (EPI s) imprescindível - e prtand crachá cm ft recente e devidamente registrad em sua carteira de trabalh; Manter tds s equipaments e utensílis necessáris à execuçã ds serviçs, em perfeitas cndições de us, devend s danificads serem substituíds em até 24 (vinte e quatr) hras. Os equipaments elétrics devem ser dtads de sistema de prteçã, de md a evitar dans na rede elétrica, bem cm evitar acidentes; rede elétrica d Paç em 110W e 220W. Identificar tds s equipaments, ferramental e utensílis de sua prpriedade, tais cm: aspiradres de pó, enceradeiras, mangueiras, baldes, carrinhs para transprte de lix, escadas, etc., de frma a nã serem cnfundids cm similares de prpriedade da Cntratante; Implantar, de frma adequada, a planificaçã, execuçã e supervisã permanente ds serviçs, de maneira estruturada, mantend durante hrári cmercial suprte para dar atendiment a eventuais necessidades para manutençã das áreas limpas; Nmear encarregads respnsáveis pels serviçs, cm a missã de garantir bm andament ds trabalhs. Estes encarregads terã a brigaçã de reprtarem-se, quand huver necessidade, a prepst ds serviçs da Cntratante e tmar as prvidências pertinentes; Assumir tdas as respnsabilidades e tmar as medidas necessárias a atendiment ds seus empregads acidentads u cm mal súbit; 7/15

8 Cumprir s pstulads legais vigentes de âmbit federal, estadual u municipal e as nrmas internas de segurança e medicina d trabalh; Instruir seus empregads quant às necessidades de acatar as rientações da Cntratante, inclusive quant a cumpriment das Nrmas Internas e de Segurança e Medicina d Trabalh tais cm prevençã de incêndi nas áreas da Cntratante; Exercer cntrle sbre a assiduidade e a pntualidade de seus empregads, através de relógi de pnt; Prestar s serviçs dentr ds parâmetrs e rtinas estabelecids, frnecend equipaments em quantidade, qualidade e tecnlgia adequadas, cm a bservância às recmendações aceitas pela ba técnica, nrmas e legislaçã; A Cntratada deverá distribuir ns sanitáris, papel higiênic, sabnete e papel talha, de frma a garantir a manutençã de seu abasteciment; material este adquirid pel Paç d Frev. Observar cnduta adequada na utilizaçã ds saneantes dmissanitáris, materiais e ds equipaments, bjetivand crreta higienizaçã ds utensílis e das instalações bjet da prestaçã de serviçs; Respeitar a legislaçã vigente e bservar as bas práticas técnicas e ambientalmente recmendadas, quand da realizaçã de atividades cm prduts químics cntrlads e da aplicaçã de saneantes dmissanitáris, nas áreas escp ds trabalhs; quer seja em qualidade, em quantidade u em destinaçã; atividades essas da inteira respnsabilidade da Cntratada que respnderá em seu própri nme perante s órgãs fiscalizadres; Executar s serviçs em hráris que nã interfiram n bm andament da rtina de funcinament da Cntratante. Assegurar que td empregad que cmeter falta disciplinar grave, nã será mantid nas dependências da execuçã ds serviçs u quaisquer utras instalações da Cntratante. Atender de imediat as slicitações da Cntratante quant às substituições de empregads nã qualificads u entendids cm inadequads para a prestaçã ds serviçs; Frnecer brigatriamente cesta básica e vale refeiçã as seus empregads envlvids na prestaçã ds serviçs; 8/15

9 Quand d envi de Nta Fiscal Fatura mensal, enviar cópia autenticada d reclhiment de FGTS e INSS ds funcináris lcads n Paç d Frev. Tds s prduts de limpeza a serem utilizads n Paç d Frev, devem ter FISPQ (Ficha de Infrmações de Segurança de Prdut Químic), líder terá uma pasta cm arquiv destas. Tds s funcináris devem cnhecer as FISPQ s ds prduts manuseads pr eles, a ser registrad em ata de reuniã para tal finalidade e tds s funcináris assinam a ata e a mesma deverá ser arquivada pela CONTRATADA e mesm prcediment será adtad a cada nv funcinári alcad n Paç d Frev. Enviar cópia da CTP s, ASO, Antecedentes criminais, ds funcináris lcads n Paç d Frev. Enviar nme cmplet e RG ds funcináris lcads n Paç d Frev, para cntrle de prtaria, funcinári que nã cnstar na relaçã, nã terá acess liberad, para ingress n Paç d Frev. Apresentar a CONTRATANTE PPRA e PCMSO. Executar s trabalhs de frma a garantir s melhres resultads, cabend à Cntratada timizar a gestã de seus recurss - quer humans, quer materiais cm vistas à qualidade ds serviçs à satisfaçã da Cntratante, praticand prdutividade adequada as váris tips de trabalhs. A Cntratada respnsabilizar-se-á integralmente pels serviçs cntratads, cumprind evidentemente, as dispsições legais que interfiram em sua execuçã, destacand-se a legislaçã ambiental; A CONTRATADA briga-se a efetivar segur de seus empregads cntra acidentes de trabalh, cm cbertura d INSS, bem cm assumir s ônus decrrentes da legislaçã trabalhista, previdenciária e acidentária, cmprmetend-se cm única e exclusiva empregadra e respnsável pel pessal, ficand a cntratante isenta de tda e qualquer respnsabilidade neste sentid; A CONTRATADA deverá apresentar a CONTRATANTE s Atestads de Antecedentes civil e criminal de tda a mã-de-bra ferecida para atuar em suas instalações (supervisres, líderes e funcináris). A CONTRATADA atenderá de imediat, as slicitações da CONTRATANTE referente às medidas disciplinares, que bjetivem crret desempenh ds empregads. 9/15

10 A CONTRATADA é a única e exclusiva respnsável pels seus empregads, ficand expressamente afastada a existência de qualquer relaçã de empreg cm a CONTRATANTE. A CONTRATADA assume integral respnsabilidade pels dans causads diretamente à CONTRATANTE u a terceirs, decrrentes de sua culpa u dl na execuçã d ajuste, nã excluind u reduzind essa respnsabilidade a fiscalizaçã u acmpanhament, pela CONTRATANTE d desenvlviment ds serviçs deste instrument; b) Obrigações e Respnsabilidades Específicas - Bas Práticas Ambientais Elabrar e manter um prgrama intern de treinament de seus empregads para reduçã de cnsum de energia elétrica, cnsum de água e reduçã de prduçã de resídus sólids, bservadas as nrmas ambientais vigentes. Receber, da CONTRATANTE, infrmações a respeit ds prgramas de us racinal ds recurss que impactem mei ambiente. c) Us Racinal da Água A CONTRATADA deverá adtar medidas para se evitar desperdíci de água tratada; Clabrar cm as medidas de reduçã de cnsum e us racinal da água, cujs encarregads devem atuar cm facilitadres das mudanças de cmprtament de empregads da CONTRATADA, esperadas cm essas medidas; Sempre que adequad e necessári, a CONTRATADA deverá utilizar-se de equipament de limpeza cm jats de vapr de água saturada sb pressã. Trata-se de alternativa de invaçã tecnlógica cuja utilizaçã será precedida de avaliaçã pela CONTRATANTE das vantagens e desvantagens. Em cas de utilizaçã de lavadras, sempre adtar as de pressã cm vazã máxima de 360 litrs/hra; Manter critéris especiais e privilegiads para aquisiçã e us de equipaments e cmplements que prmvam a reduçã d cnsum de água; d) Us Racinal de Energia Elétrica 10/15

11 Manter critéris especiais e privilegiads para aquisiçã de prduts e equipaments que apresentem eficiência energética e reduçã de cnsum; Durante a limpeza nturna, quand permitida, acender apenas as luzes das áreas que estiverem send cupadas; Cmunicar a Cntratante sbre equipaments cm mau funcinament u danificads cm lâmpadas queimadas u piscand, zumbid excessiv em reatres de luminárias e mau funcinament de instalações energizadas; Sugerir, à CONTRATANTE, lcais e medidas que tenham a pssibilidade de reduçã d cnsum de energia, tais cm: desligament de sistemas de iluminaçã, instalaçã de interruptres, instalaçã de sensres de presença, rebaixament de luminárias etc.; A remver pó de crtinas u persianas, verificar se estas nã se encntram impedind a saída d ar cndicinad u aparelh equivalente; Verificar se existem vazaments de vapr u ar ns equipaments de limpeza, sistema de prteçã elétrica e as cndições de segurança de extensões elétricas utilizadas em aspiradres de pó, enceradeiras, etc. Realizar verificações e, se fr cas, manutenções periódicas ns seus aparelhs elétrics, extensões, filtrs, recipientes ds aspiradres de pó e nas escvas das enceradeiras. Evitar a máxim us de extensões elétricas; Repassar as seus empregads tdas as rientações referentes à reduçã d cnsum de energia frnecidas pela CONTRATANTE; e) Reduçã de Prduçã de Resídus Sólids Separar e entregar à Cntratante as pilhas e baterias dispstas para descarte que cntenham em suas cmpsições chumb, cádmi, mercúri e seus cmpsts, as estabeleciments que as cmercializam u à rede de assistência técnica autrizada pelas respectivas indústrias, para repasse as fabricantes u imprtadres, para que estes adtem, diretamente u pr mei de terceirs, s prcediments de reutilizaçã, reciclagem, tratament u dispsiçã final ambientalmente adequada, em face ds impacts negativs causads a mei ambiente pel descarte inadequad desses, materiais. Esta brigaçã atende a Resluçã CONAMA nº. 257, de 30 de junh de /15

12 Tratament idêntic deverá ser dispensad a lâmpadas flurescentes e frascs de aerssóis em geral. Quand implantad pela CONTRATANTE Prgrama de Cleta Seletiva de Resídus Sólids, clabrar de frma efetiva n desenvlviment das atividades d prgrama intern de separaçã de resídus sólids, e recipientes para cleta seletiva nas cres internacinalmente identificadas, dispnibilizads pela CONTRATANTE; IV POLUIÇÃO SONORA Para seus equipaments de limpeza que gerem ruíd n seu funcinament, bservar a necessidade de Sel Ruíd, cm frma de indicaçã d nível de ptência snra, medid em decibel - db (A), cnfrme Resluçã CONAMA nº. 020, de 07 de dezembr de 1994, em face de ruíd excessiv causar prejuíz à saúde física e mental, afetand particularmente a audiçã; a utilizaçã de tecnlgias adequadas e cnhecidas permite atender às necessidades de reduçã de níveis de ruíd. V VISTORIA TÉCNICA A empresa deverá fazer vistria técnica in lc, em data e hrári prédeterminad pela cntratante, a fim de cnheciment ds lcais, instalações e as necessidades d frneciment ds serviçs a serem prestads. VI OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADE DA CONTRATANTE Exercer a fiscalizaçã ds serviçs, pr técnics u prepsts, especialmente designads; Indicar instalações sanitárias; Efetuar peridicamente a prgramaçã ds serviçs a serem executads pela Cntratada; Indicar, frmalmente, gestr e/u fiscal para acmpanhament da execuçã cntratual; 12/15

13 Receber da Cntratada as cmunicações registradas ns Frmuláris de Ocrrências devidamente preenchids e assinads, encaminhand-s as setres cmpetentes para as prvidências cabíveis; Elabrar e distribuir manuais de prcediments para crrências relativas a descarte de materiais ptencialmente pluidres, a serem bservads tant pel gestr d cntrat cm pela Cntratada: Receber s descartes, encntrads pela cntratada durante a execuçã ds serviçs, de pilhas e baterias que cntenham em suas cmpsições chumb, cádmi, mercúri e seus cmpsts, respnsabilizand-se pela entrega as estabeleciments que as cmercializam u a rede de assistência técnica autrizada pelas respectivas indústrias, para tratament u destinaçã final; Tratament idêntic deverá ser dispensad a lâmpadas flurescentes e frascs de aerssóis em geral; Expedir Autrizações de Serviçs; Encaminhar a liberaçã de pagament das faturas da prestaçã de serviçs aprvadas. VII FISCALIZAÇÃO / CONTROLE DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS Nã bstante a Cntratada seja a única e exclusiva respnsável pela execuçã de tds s serviçs, à Cntratante é reservad direit de, sem que de qualquer frma restrinja a plenitude dessa respnsabilidade, exercer a mais ampla e cmpleta fiscalizaçã sbre s serviçs, diretamente u pr prepsts designads, pdend para iss: Ordenar a imediata retirada d lcal, bem cm a substituiçã de funcinári da Cntratada que estiver sem unifrme u crachá, que embaraçar u dificultar a sua fiscalizaçã u cuja permanência na área, a seu exclusiv critéri, julgar incnveniente; Examinar as Carteiras Prfissinais ds funcináris clcads a seu serviç, para cmprvar registr de funçã prfissinal; Slicitar à CONTRATADA a substituiçã de equipament cuj us seja cnsiderad prejudicial à ba cnservaçã ds pertences, equipaments u instalações, u ainda, que nã atendam as necessidades da CONTRATANTE; 13/15

14 Executar mensalmente a fiscalizaçã ds serviçs prestads, emitind relatóri de acmpanhament, nde as qualidades ds serviçs estiverem fra ds padrões de qualidade, pr mtivs imputáveis, a Cntratada estará sujeita as sanções disciplinares em cntrat. VIII INSTALAÇÕES Depósit de materiais e equipaments Existe um depósit n 1º paviment para guarda de materiais e equipaments, cabe a CONTRATADA mantê-ls fechads, pis é nde armazenams s equipaments da CONTRATADA e materiais de higiene (repsiçã). USO DE CRACHÁ Os funcináris prestadres de serviç devem prtar em lcal visível crachá da empresa prestadra d serviç. A inclusã de nvs funcináris deve ser cmunicada frmalmente a Paç d Frev, mesm as cberturas de faltas que farã a cbertura em um únic dia. 14/15

15 Regularidade de Dcuments A Empresa vencedra d Prcess licitatóri, bjet deste Cadern Técnic, deverá apresentar antes da assinatura d cntrat a seguinte dcumentaçã: Cmprvante de Inscriçã Estadual; Cmprvante de Inscriçã Municipal; Certidões negativas de prtests; Certidões negativas d INSS e FGTS; Declaraçã de n mínim três empresas, atestand a realizaçã ds serviçs prestads e/u atestads de capacidade técnicas emitids pr rgãs públics u privads. Certidã negativa da Receita Federal Certidã Negativa da Receita Estatual (ICMS) n estad da matriz de sua empresa e ns estads envlvids nesta ctaçã; Certidã Negativa de Falência e Cncrdata Certidã Negativa de Dívidas cm Municípi Estatut u cntrat scial cnslidad, u envi das últimas alterações; Cópia d RG e CPF ds sócis e prcuradres Cópia da prcuraçã das pessas autrizadas para representar a empresa na negciaçã cmercial; Cópia Cartã de CNPJ 15/15

CADERNO TÉCNICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA

CADERNO TÉCNICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA CADERNO TÉCNICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA Cntrataçã de empresa especializada em serviçs de limpeza, assei e cnservaçã, cm frneciment de mã de bra em serviçs gerais e equipaments, a fim de atender

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios:

Requerimentos de Energia Temporária: Requerimentos Mandatórios: Requeriments de Energia Temprária: Requeriments Mandatóris: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá ser

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física)

Lista de Documentos o Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de alimentos Documentos para estabelecimentos comerciais (pessoa física) Lista de Dcuments Abertura de Empresas Abertura de empresas na área de aliments Dcuments para estabeleciments cmerciais (pessa física) 1) Ficha de Inscriçã Cadastral, preenchida na própria VISA; 2) Cópia

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORIA CONTÁBIL Cntratante: O CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 12º REGIÃO, pessa jurídica de direit públic cnstituída sb a frma de autarquia fiscalizadra,

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho:

Requerimentos para Energia Temporária: Requerimentos para práticas de trabalho: Requeriments para Energia Temprária: Requeriments para práticas de trabalh: Adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS

Anexo 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS ANEXO DO CONTRATO Anex 3 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DOS SERVIÇOS NÃO CLÍNICOS Outubr - 2012 Sumári 1. OBJETIVOS... 3 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 6 3. OBRIGAÇÕES GERAIS DA CONCESSIONÁRIA COMUNS A TODOS OS SERVIÇOS8

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Sustentabilidade para Cmbustíveis: Tips de cmbustíveis: Para ônibus deverá ser utilizad diesel cm 20% de bidiesel (B20), de rigem vegetal; Para geradres deverá ser utilizad diesel cm 20%

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Brodowski, 01 de junho de 2016.

Brodowski, 01 de junho de 2016. Brodowski, 01 de junho de 2016. CARTA CONVITE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE LIMPEZA, CONSERVAÇÃO, PORTARIA E ZELADORIA A Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari, - ACAM Portinari - Organização

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DA RECEITA PREVIDENCIÁRIA - SRP DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO - DEFIS CARTILHA PARA ORIENTAÇÃO ACERCA DAS OBRIGAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS PARA O PERÍODO ELEITORAL

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL

Regulamento Biblioteca FACULDADE IPEL REGULAMENTO BIBLIOTECA FACULDADE IPEL Regulament Bibliteca FACULDADE IPEL Pus Alegre/MG 2014 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ESTE REGULAMENTO TEM POR OBJETIVO ESTABELECER NORMAS REFERENTES AO FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO

Anexo 01 - Mapeamento Documentos ISO. Mapeamento dos Documentos ISO. Pasta/ forma Sala Supervisão. Pasta documentos da ISO Item 01 02 03 04 05 06 Refere a dcument PQN-02 PQN-02 07 PQN-05 08 09 10 Identificaçã Nme d registr Cntrle de emissã e distribuiçã de dcuments Matriz ds registrs da qualidade Ficha de cntrle de atualizações

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ. PROJETO OTIMIZAR Plano do Programa 1. Escp u finalidade d prjet PROJETO OTIMIZAR Plan d Prgrama O Prjet Otimizar visa aprimrar ações implantadas que têm pr bjetiv a reduçã de cnsum de materiais e criar mecanisms de avaliaçã que pssam medir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1

Plano Promocional de Fornecimento de Infra-estrutura de Acesso a Serviços Internet de Banda Estreita Dial Provider 1 Sã Paul, 26 de dezembr de 2005 Plan Prmcinal de Frneciment de Infra-estrutura de Acess a Serviçs Internet de Banda Estreita Dial Prvider 1 Telecmunicações de Sã Paul S.A - TELESP. ( Telesp ), tend em vista

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM FACULDADE AGES CURSO DE ENFERMAGEM REGULAMENTAÇÃO DAS PRÁTICAS EDUCATIVAS DISCIPLINA: SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM As Práticas Educativas serã realizadas em hráris pré-determinads n períd

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

Para a sua Casa Para a sua Casa A Shamah sabe a dificuldade que s clientes têm em arrumar uma empresa de cnfiança para slucinar a manutençã da sua casa, sabems a dificuldade de hráris que nsss clientes

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico

COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Suporte técnico COORDENADORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Suprte técnic O serviç de suprte técnic tem pr bjetiv frnecer atendiment as usuáris de prduts e serviçs de infrmática da Defensria Pública. Este serviç é prvid

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

GROHE Brasil. Janeiro 2011

GROHE Brasil. Janeiro 2011 GROHE Brasil Janeir 2011 PRESSÃO DE FUNCIONAMENTO: De acrd cm as nrmas brasileiras, s prduts devem pssuir uma vazã mínima, a uma pressã dinâmica de 1,5 m.c.a. Tds s prduts Grhe estã de acrd e superam s

Leia mais

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0

Manual do Novo Pátio. Revenda. Versão 2.0 Manual d Nv Páti Revenda Versã 2.0 1 Cnteúd INTRODUÇÃO... 3 1.LOGIN... 4 2.ANUNCIANTE... 4 2.1 Listar Usuáris... 4 2.2 Criar Usuári... 5 2.2.1 Permissões:... 6 3.SERVIÇOS... 7 3.1 Serviçs... 7 3.2 Feirã...

Leia mais

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno

Lista de verificação do conteúdo do Plano de Emergência Interno Intrduçã Lista de verificaçã d cnteúd d Plan de Emergência Intern (artig 18.º d Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh) O Decret-Lei n.º 254/2007, de 12 de julh, estabelece regime de prevençã de acidentes

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12.1 MANUTENÇÃO: ELEMENTO CHAVE PARA A UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA Um prgrama bem elabrad de manutençã é um pnt imprtante de qualquer plítica

Leia mais

ANEXO II TEMRO DE REFERÊNCIA

ANEXO II TEMRO DE REFERÊNCIA ANEXO II TEMRO DE REFERÊNCIA. OBJETO Cntrataçã de empresa especializada na prestaçã de serviçs de rganizaçã e execuçã de lgística em geral d Seminári Internacinal sbre Justiça Fiscal, a ser realizad n

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL

1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL REGULAMENTO OFICIAL 1 CORRIDA NOTURNA UNIMED CASCAVEL A 1 Crrida Nturna Unimed Cascavel é uma nva prpsta de lazer, diversã, prmçã da saúde e da qualidade de vida ds mradres de Cascavel e Regiã. O event é cmpst pr crrida,

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p.

Volume I: Tecnologia Sesi cultura e as leis de incentivo à cultura. Brasília: SESI/DN, 2007, 50p. Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 SESI Serviç Scial da Indústria Dads da rganizaçã Nme: SESI Serviç Scial da Indústria Endereç: Av Paulista, 1313, Sã Paul, SP Site: www.sesi.rg.br Telefne: (11) 3146-7405

Leia mais

ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012

ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012 ANEXO VII LEI Nº 890-GP/2012 DE 16 DE AGOSTO 2.012 TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) INTRODUÇÃO: Secretaria Municipal de Mei Ambiente (SEMAT), estabelece prcediments

Leia mais

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA

GTERS SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA APRESENTAÇÃO Nssa Empresa denmina-se GTER SERVIÇOS DE MONITORAMENTOS LTDA, cm sede e fr n Municípi d Ri de Janeir RJ, que tem pr finalidade prestar Serviçs de Segurança Cntra Incêndi e Pânic. A segurança

Leia mais

Manual de Procedimentos do Correspondente no País

Manual de Procedimentos do Correspondente no País Manual de Prcediments d Crrespndente n País Manual de Prcediments d Crrespndente n País A BV Financeira elabru este manual para rientar e esclarecer seus parceirs cmerciais, de frma simples e bjetiva,

Leia mais

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno

Lista de Verificação Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Categoria Pleno Lista de Verificaçã Nrma de Referência Sel de Qualificaçã ABPM Categria Plen REGRAS GERAIS SOBRE A AUDITORIA E USO DA LISTA DE VERIFICAÇÃO Esta lista de verificaçã aplica-se smente às auditrias para Categria

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST

MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST MANUAL DO PRODUTO GERGERAISISTÊNCI SEGURO APP INVEST A MANUAL DO PRODUTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS DE PASSAGEIROS E/OU TRIPULANTE (APP) INVEST O presente Manual d Prdut cntém: SEGURO APP INVEST 1. VANTAGENS

Leia mais

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente.

Título: TREINAMENTO DA MÃO DE OBRA PARA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Indicador: NGL-5.03.01-16.028. Tipo de Atividade: Meio Ambiente. NGL-5.3.1-16.28 1 / 15 Sumári 1. MOTIVAÇÃO... 2 2. OBJETIVOS... 2 3. ASPECTOS LEGAIS... 3 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... 3 4.1. Orientaçã... 3 4.2. Prcediments... 4 4.3. Móduls de Treinament... 4 4.3.1.

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos

GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM. Solução de Gestão Eletrônica de Documentos Acadêmicos GERENCIAMENTO DE DOCUMENTOS, CONTEÚDO E PROCESSOS GED/ECM Sluçã de Gestã Eletrônica de Dcuments Acadêmics OBJETIVOS DA SOLUÇÃO BENEFÍCIOS GERAIS A Sluçã ECMDOC de Gestã de Dcuments Acadêmics, tem cm principais

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

USS - UNIDADE DE SAÚDE DO SERVIDOR

USS - UNIDADE DE SAÚDE DO SERVIDOR PROCEDIMENTO PARA TRABALHOS EM ALTURA SUMÁRIO I. OBJETIVO II. LEGISLAÇÃO PERTINENTE III. DETALHAMENTO 1. Camp de Aplicaçã 2. Prcediments 3. Respnsabilidades 4. Recmendações Gerais de Segurança IV. EPI

Leia mais