Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense. Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense. Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário"

Transcrição

1 Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário

2 Caldeira de Recuperação Tecnologia: B&W; Capacidade: tss/d, a 75% de sólidos, e uma geração de vapor total de 300 t/h, na pressão de 64 kgf/cm² e a 465 C de temperatura; Construção: Dois economizadores, um módulo gerador, Um tubulão de vapor e quatro feixes de superaquecedores; Quatro canaletas de fundido e um tanque de dissolução com lavador de gases; Oito bicos queimadores de licor; Dez queimadores auxiliares de óleo combustível; Três níveis de ar de combustão; Dois precipitadores eletrostáticos; Um tanque de mistura; Um tanque de aproveitamento; Três ventiladores de ar forçado e dois ventiladores induzidos. 1 Balão Fluxo Vertical Economizadores Tubos compostos Portas de ar secundário nas paredes laterais Canaletas em ângulo raso OBS: Abertura de ar primário e secundário no mesmo andar

3 Ar de combustão Distribuição de ar em função do ar total: Ar total 5125 m³/min (corresponde a 2050 tss/d); Primário 1640 m³/min 32%; Secundário 2255 m³/min 44%; Terciário 1230 m³/min 24%; Oxigênio residual 3%; Pressão de ar desejada; Primário 55 a 70 mmca; Secundário mmca; Terciário 600 mmca; A limpeza do ar primário é feita automaticamente por lanças mecânicas; A limpeza no ar secundário e terciário, é feita manualmente com auxilio de lanças de ferro.

4 Dados da Fornalha Dimensões da fornalha: Largura e Profundidade: 11,25 m e 11,10 m; Altura até o nariz: 34,40 m; Altura até o teto: 50,70 m Queima específica de sólidos: 15,6 tss/m²; Entrada total de calor: 335,1 MW; Emanação de energia da fornalha: 2,53 MW/m²; Volume da fornalha: 0,065 MW/m 3 ; Superfície da fornalha: 0,148 MW/m 2 ; Total de sólidos à fornalha: 2054,5 tss/dia; Perda da pressão dos gases : 2,54 mmca.

5 O ar primário é aquecido num aquecedor indireto, utilizando vapor de baixa e de média pressão. Em seguida, é alimentado à Caldeira nas quatro paredes da fornalha, localizadas a 1220 mm do piso. O ar primário requer baixa pressão estática, da ordem de 76,2 101,6 mmca (3 a 4 polegadas), com baixa velocidade e mínima penetração na camada; Fluxo de ar: 2310 m³/min; Distribuição do ar: Fluxo de Ar Primário = 37% (Capacidade do Ventilador = 55%), Pressão de Ar Primário = 65 mm H 2 O; N de Vigias: 136; Posição: 34 lado norte, 34 lado sul, 34 leste, 34 oeste; Modo de limpeza: Pistões pneumáticos. Ar Primário OBS: Raramente é necessário manutenção em uma lança do ar primário. Quando há necessidade, retirase a lança e faz-se a limpeza manual da vigia avariada.

6 Ar Secundário O ar secundário é injetado nas paredes laterais da caldeira (4 em cada parede), através de um sistema de dampers de velocidade. Uma pressão estática elevada é importante para manter a penetração do jato de ar, melhorando assim a mistura do ar com os gases da fornalha; Fluxo de ar: 1732 m³/min; Fluxo de ar (queimando óleo): 3676 m³/min; Perda de pressão no duto de ar secundário e aquecedor: 4,7 mmca; Perda de pressão nas vigias de ar secundário: 10,1 mmca; Distribuição do Fluxo de Ar Secundário: 40% (Capacidade do Ventilador = 64%), Pressão de Ar Secundário: 350 a 400 mm H 2 O; N vigias: 8; Posição: norte e sul; Modo de limpeza: Manual, por meio de lanças de ferro.

7 O ar terciário é suprido apenas nas paredes frontal e traseira da fornalha, através de 7 aberturas. A exigência de fluxo de ar terciário é determinada por uma quantidade requerida de ar para uma combustão completa do licor, visto que é o ar terciário que permite a combustão dos resíduos não queimados, como o TRS; Fluxo de ar: 1731,0 m³/min; Perda de pressão no duto de ar terciário: 5,3 mmca; Perda de pressão nas vigias de ar terciário: 14,3 mmca; Distribuição de ar - Fluxo de Ar Terciário: 23% (Capacidade do Ventilador = 47%), Pressão de Ar Terciário = 500 a 600 mm H 2 O; N de Vigias: 7; Posição: 4 na parte frontal e 3 ao fundo da caldeira; Modo de limpeza: Manual, por meio de lanças de ferro. Ar Terciário

8 Bicas de Fundido (Smelt) A inclinação do piso da fornalha permite o escoamento do fundido para fora da Caldeira, rumo ao tanque de dissolução, através de quatro canaletas localizadas na parede traseira, simetricamente ajustadas ao longo da parte inferior da parede. As canaletas são inseridas na Caldeira através das vigias, e seladas com material refratário; Cada canaleta é dotada dos seguintes itens: Sistema de atomização com vapor de média pressão (principal e reserva), para propiciar a distribuição da corrente de fundido sobre a superfície de líquido do tanque de dissolução, minimizando explosões do contato fundido-água; Capotas de proteção, denominadas doghouses, as quais envolvem as canaletas e sua conexão com o tanque de dissolução, reduzindo a projeção de partículas na área de circulação de pessoal, bem como a sucção de ar pelo ventilador do scrubber do tanque de dissolução; Chuveiros de limpeza das doghouses, para remover eventuais pedras formadas pela projeção das partículas de fundido; Os doghouses são dotadas de um sistema de lavagem que é derivado da torre de absorção do incerador, que utiliza os chuveiros de limpeza. Podemos utilizar solução da torre do incinerador ou licor branco fraco ou água; Resfriamento interno com água desmineralizada, com passe único, contracorrente ao sentido de escoamento, com respectivo monitoramento.

9 Bicas de smelt N de bicas: 4; Posição: Ao fundo da caldeira; Temperatura : Em torno de 900 C; Modo de limpeza: Manual, por meio de lanças de ferro; O sistema de atomização com vapor de média pressão (principal e reserva), para propiciar a fragmentação da corrente de fundido sobre a superfície de líquido do tanque de dissolução, minimizando explosões do contato fundido água; Substituição anual. Vapor para atomizadores Água para os chuveiros

10 Sistema de resfriamento das Canaletas O sistema de resfriamento das canaletas de fundido é dotado de dois tanques de água, um superior, localizado no 4º andar do prédio da Caldeira, e um inferior, localizado no piso térreo. O escoamento da água através das canaletas se dá por gravidade; A água desmineralizada é fornecida ao tanque inferior, com controle de nível automático. Deste tanque, duas bombas (principal e reserva) alimentam o tanque superior, passando através de um resfriador com água bruta. O tanque superior, por sua vez, alimenta o sistema por gravidade, retornando a água ao tanque inferior. Chaves de fluxo e indicações de temperatura e pressão monitoram continuamente o sistema. Em caso de pane elétrica, o tanque superior é dotado de uma conexão de água de emergência, garantindo em qualquer condição o fornecimento de água às canaletas. Em caso de blackout e ocorrerrendo a falta de água de resfriamento das canaletas, temos um sistema de agua de emergência utilizando agua bruta do hidrante. É utilizado um filtro para retirada de impurezas da agua. Tela SDCD Tampões das canaletas

11 Limpeza das portas de ar primário O sistema possui 10 caixas em cada parede da caldeira, sendo que cada caixa possui 4 limpadores; A limpeza é sempre feita por dois conjuntos de lados opostos da caldeira e simétricos ao centro; O tempo de cada ciclo pode ser ajustado pelo operador de painel; Se houver obstrução de uma vigia o operador de área desobstrui utilizando uma lança metálica; A manutenção inspeciona as lanças 1 vez por semana. Tela SDCD Vigia Suja Vigia Limpa

12 Limpeza das bicas de smelt

13 Estudo de Caso: Acidente na bica de smelt #1 em 02/01/2014

14 Obstrução na canaleta #1 No dia 31/12/2013 às 06:30 h, a caldeira de recuperação estava fora de paralelo para choque térmico; Já no dia 01/01/2014 às 16:30 h a caldeira foi colocada em paralelo com a caldeira de força; No dia 02/01/2014 as canaletas ainda estavam obstruídas, os operadores de área com auxilio das lanças de ferro, começaram a fazer a desobstrução das bicas para normalizar a passagem do fundido nas canaletas. Porém, como as passagens estavam obstruídas, o fundido foi acumulando-se dentro da fornalha. No momento em que conseguiram perfurar uma das passagens, os atomizadores não deram conta de espalhar o fundido, pois a pressão foi tanta que rompeu a obstrução, fazendo com que transbordasse fundido para fora das bicas. Às 12:57 h, a dog house da bica de fundido #1 com o incidente acabou cedendo e danificando a chaparia devido a explosões. No dia 02/01/2014, às 13:20 h houve um Blackout em função da parada da CR. A mesma só voltou em operação em paralelo, na data de 04/01/2014 às 06:05 h.

15 Obstrução na canaleta #1 No dia 03/01/2014, às 17:00 h, foram retirados os andaimes do tanque de dissolução; No dia 03/01/2014, às 20:10 h, foram retirados os andaimes do tanque de dissolução. Das 20:30 h às 23:00 h foi realizado limpeza das canaletas; 22:05 h Início do aquecimento e pressurização na Caldeira; No dia 04/01/2014, às 06:05 h, a Caldeira de Recuperação entrou em paralelo; Não foi observado danos físicos na estrutura da canaleta #1, de acordo com testes realizados.

16 Árvore das Causas

17 1.Canaleta de Fundido obstruída. Procedimento de desobstrução das canaletas de smelt Defeitos Causas Correções 1. Grandes pedaços da camada congestionam a canaleta de fundido. 2. Camada molhada ou acúmulo de licor na canaleta. 3. Esfriamento da camada adjacente. 4. Apagamento parcial da camada 1. Use uma lança para limpar a canaleta (cuidado para não bater nos tubos da fornalha). 2. Se necessário acenda um queimador de óleo perto da canaleta. 3. Eleve a temperatura na fornalha através de ajuste de ar e temperatura do licor e se necessário utilize queimadores de óleo de partida. 4. Controle a proporção de ar primário, secundário e licor assegurando-se de que a quantidade de ar na zona de queima é suficiente, mas não excessiva, se necessário utilize queimadores de partida. Obs.: Se houver entupimento completo em duas ou mais canaletas, pare a queima do licor preto até a normalização.

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1

Caldeiras. Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS. Instalações e Serviços Industriais 1 Caldeiras Notas das aulas da disciplina de INSTALAÇÕES E SERVIÇOS INDUSTRIAIS Instalações e Serviços Industriais 1 Geradores com câmara de combustão Caldeiras Tipo de combustível sólido, líquido, gasoso,

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Caldeiras. Unidade 1. Monitoramento e controle de processos. Classificação das caldeiras ...

Caldeiras. Unidade 1. Monitoramento e controle de processos. Classificação das caldeiras ... Unidade A Caldeiras s caldeiras são empregadas na produção de vapor d água ou aquecimento de fluidos térmicos. No caso das refinarias de petróleo, em termos práticos, a maior parte do vapor utilizado nos

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

1 Descrição do equipamento

1 Descrição do equipamento 1 Descrição do equipamento A Caldeira Aguatubular 25VP-12W fabricada pela, foi projetada para queimar gás natural e óleo combustível ATE 1 A. A Caldeira e acessórios, encontram-se em ótimo estado de conservação

Leia mais

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750 Patio Heater Aquecedor de Ambiente Externo Premium PH-2750 Rua João Álvares Soares, 1530 Campo Belo, São Paulo SP, Cep 04609-004, Brasil. Telefax: (011) 5044-1683 Site: www.generalheater.com.br / E-mail:

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida

Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Trocadores de calor Equipamentos que realizam a troca de calor entre dois fluidos que estão a diferentes temperaturas e separados através de uma parede sólida Os fluidos podem ser ambos fluidos de processo

Leia mais

cap. 4 - GERADORES DE VAPOR

cap. 4 - GERADORES DE VAPOR cap. 4 - GERADORES DE VAPOR 1 - Introdução Vapor de água é usado como meio de geração, transporte e utilização de energia desde os primórdios do desenvolvimento industrial. Inúmeras razões colaboraram

Leia mais

CALDEIRAS. TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng.

CALDEIRAS. TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng. CALDEIRAS TM-364 MÁQUNAS TÉRMICAS I Prof. Strobel, Dr. Eng. DEFINIÇÃO NR-13: Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA

AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA AVALIAÇÃO E MELHORIA DO SISTEMA DE CONTROLE DE UMA CENTRAL DE GERAÇÃO DE VAPOR EM UMA REFINARIA Cristine Kayser cristine@trisolutions.com.br Simone Maria Marcon simone@trisolutions.com.br Augusto dos Santos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B

CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CALDEIRA A BIOMASSA SERIE CIC-B CIC-BL CIC-BL PLUS CIC-BX ADVANCED Caldeira para queima de biomassa de alta performance. Caldeira flamotubular com fornalha aquatubular. Sistemas combustão de cavacos etc.

Leia mais

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha Para produzir a cerâmica Majolica são necessárias duas semanas. O resultado é um produto exclusivo que não desgasta e tem propriedades termo condutoras. As imperfeições minusculas, tais como as micro pepitas,

Leia mais

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases

Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases Sistemas de Condicionamento da Amostra para Análise de Gases V1 O queéum Sistemade Condicionamento? O Que é um Sistema de Condicionamento? Amostra do Processo? Analisador Sistema de Condicionamento O sistema

Leia mais

Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc,

Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc, Fornos 1 Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc, A função principal do forno qualquer que seja

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

LAVADORAS CATÁLOGO DIGITAL

LAVADORAS CATÁLOGO DIGITAL LAVADORAS CATÁLOGO DIGITAL Lavadora de Bebedouro Imagem Ilustrativa - mesas opcionais Lavadora desenvolvida especificamente para higienização de gaiolas e bebedouros em biotérios, já acondicionados em

Leia mais

MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200. Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200

MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200. Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200 9.356-039.0 Rev. 0 1. APRESENTAÇÃO 1. Características da Máquina MODELOS HD 660 HD 800 HD 1200 HDS 660 HDS 800 HDS 1200 VAZÃO Nominal (l/h) 660 800 1200 660 800 1200 Válvula de vapor (l/h) - - - - - 800

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

GERADORES DE VAPOR GERADORES DE VAPOR

GERADORES DE VAPOR GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 DEFINIÇÃO: Geradores de Vapor (GV s) podem ser considerados

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Lista de instrução de uso. Painel de controle. Introdução à estrutura. Instrução de Uso. Proteção e Manutenção. Solução de problemas. Referência. Obrigado

Leia mais

Instrução para instalação & Guia do proprietário

Instrução para instalação & Guia do proprietário Instrução para instalação & Guia do proprietário Obrigado por escolher a ducha Skywater! Leia o manual de instruções antes de iniciar a instalação da ducha. Antes de iniciá-la recomendamos atenção para

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível

Sistema de vácuo ICE Condensation Körting. para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation Körting para aplicações em óleo comestível Sistema de vácuo ICE Condensation No mercado de hoje em dia, o sistema de vácuo ICE Condensation Körting faz sentido! Como todos

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO

feam FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Parecer Técnico GEDIN 97/2008 Processo COPAM: 17/1988/011/2006 Empreendedor: AVG SIDERURGIA LTDA. Empreendimento: DN Código Classe Porte Atividade: Produção

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

CALDEIRAS SOLARES HIBRIDAS

CALDEIRAS SOLARES HIBRIDAS Caldeiras Solares Hibridas de Acumulação (Solar - Gasóleo) A caldeira combina num único conjunto, a utilização de energia solar, com energia a partir da combustão de gasóleo. Esta caldeira utiliza a radiação

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA

DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA DICAS PARA REDUÇÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM CASA SELO PROCEL Prefira equipamentos com SELO PROCEL, e/ou consumo A de consumo de energia. GELADEIRA Evitar abrir a porta toda hora. Regular o termostato

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

Condicionador de Ar Portátil

Condicionador de Ar Portátil Condicionador de Ar Portátil Manual do Usuário GP8-12L GP8-22L GP10-12L GP10-22L 1 Untitled-5 1 2 Untitled-5 2 Índice Resumo...4 Príncipio de funcionamento...5 Especificação técnica...7 Estrutura...8 Esquema

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

Dicas para você e sua família

Dicas para você e sua família Dicas para você e sua família Dicas de Segurança O gás natural Você já sabe que o gás natural é mais leve que o ar e se dissipa rapidamente na atmosfera e que as tubulações de gás possuem dispositivos

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

OPERADOR DE CALDEIRA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

OPERADOR DE CALDEIRA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos OPROR LIR NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 caldeira em que os gases quentes da combustão percorrem o interior de seus tubos é aquotubular. elétrica. de enson. de circulação forçada.

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO DE TUBOS DE AÇO- CARBONO PINADOS EM FORNALHAS DE RECUPERAÇÃO

GUIA PARA INSPEÇÃO DE TUBOS DE AÇO- CARBONO PINADOS EM FORNALHAS DE RECUPERAÇÃO RECOMENDAÇÃO DO COMITÊ DE SEGURANÇA EM CALDEIRAS DE RECUPERAÇÃO DO BRASIL (Sub-comitê de Manutenção, Inspeção e Instrumentação) GUIA PARA INSPEÇÃO DE TUBOS DE AÇO- CARBONO PINADOS EM FORNALHAS DE RECUPERAÇÃO

Leia mais

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR

04/05/2012 TROCADORES DE CALOR TROCADORES DE CALOR Trocador ou permutador de calor é um equipamento utilizado para aquecer, resfriar, vaporizar ou condensar fluídos de acordo com as necessidades do processo, utilizando-se uma parede

Leia mais

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção.

ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3. Manual de instalação, uso e manutenção. ECOFOGÃO MODELO CAMPESTRE 3 Manual de instalação, uso e manutenção. Parabéns, ao adquirir o Ecofogão, você tem em mãos uma das tecnologias mais simples, eficiente e limpa atualmente disponível, para o

Leia mais

Manual de Instrucoes. Caldeirao Gas Vapor. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Caldeirao Gas Vapor. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Caldeirao Gas Vapor o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

Manual do Usuário. Climatizador de Ar

Manual do Usuário. Climatizador de Ar Climatizador de Ar SUMÁRIO TERMO DE GARANTIA...03 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...04 INFORMAÇÕES IMPORTANTES...05 VISTA GERAL DO APARELHO...06 PAINEL DE CONTROLE KC05LFM...07 RETIRADA E LIMPEZA DO FILTRO...08

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios

Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Dicas da Eletrobras Procel para economizar energia elétrica em residências e condomínios Utilizar a energia elétrica com eficiência significa combater desperdícios, e todos nós devemos participar ativamente

Leia mais

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante a Gas. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Frigideira Basculante a Gas. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Frigideira Basculante a Gas o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova

Leia mais

Bomba injetora: todo cuidado é pouco

Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Veja como identificar os problemas da bomba injetora e retirá-la corretamente em casos de manutenção Carolina Vilanova A bomba

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções

11/13 1094-09-05 783912 REV.1. www.philco.com.br SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções 11/13 1094-09-05 783912 REV.1 www.philco.com.br 0800 645 8300 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO PCL1F Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto da linha Philco. Para garantir o

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

Prof.Dr. Wyser José Yamakami

Prof.Dr. Wyser José Yamakami Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho - Campus Ilha Solteira-SP SP Prof.Dr. Wyser José Yamakami Introdução a Engenharia de Segurança: Capítulo 8 Prevenção de Incêndios 8.1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br BEBEDOUROS TROPICAL LEIA E SIGA TODAS AS REGRAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES OPERACIONAIS ANTES DE USAR. sac@bebedourostropical.com.br

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MANUAL DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA Finalidade deste Manual Este manual proporciona as informações necessárias para uma correta manutenção dos filtros Metalsinter, contendo também importantes informações

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V

MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V 1 MANUAL CARREGADOR DE BATERIAS 12V 5A/7A 110/220V Cuidado Perigo A utilização imprópria do equipamento assim como a não observância das normas de segurança, pode agravar em ferimentos graves. Leia o manual

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Party Cooler s Thermomatic) Modelo: 40 litros & 77 litros Obrigado por escolher a série dos Party Cooler s da Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança

Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression TM Ar Condicionado Central VRF Ar de Confiança Impression Ar condicionado Central VRF Perfil do Produto A linha de produtos Impression é um novo conceito de condicionador de ar inteligente VRF

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M00 11112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Grill e Sanduicheira Crome Inox

Grill e Sanduicheira Crome Inox Ari Jr 06-12-2012 12/11 939-09-05 781431 REV.0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Grill e Sanduicheira inox www.britania.com.br 0800-417644 Ari Jr 06-12-2012 Diogo Thamy 06-12-2012 06-12-2012 Grill e Sanduicheira

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo V Aula 08 1. Introdução A proteção contra incêndio abrange o transporte e uso de materiais tais como espuma, dióxido de carbono (CO 2 ), produtos

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

Dynatig 350 HF. Ignitor de alta frequência CÓDIGO : 0704123 MANUAL DO USUÁRIO / LISTA DE PARTES E PEÇAS

Dynatig 350 HF. Ignitor de alta frequência CÓDIGO : 0704123 MANUAL DO USUÁRIO / LISTA DE PARTES E PEÇAS Dynatig 350 HF CÓDIGO : 0704123 Ignitor de alta frequência MANUAL DO USUÁRIO / LISTA DE PARTES E PEÇAS 2 Dynatig 350 HF Página em branco Dynatig 350 HF Ignitor de alta frequência para tocha TIG MANUAL

Leia mais

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes:

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes: BASRIO Lavacontentores Introdução Memória descritiva Assunto: Cisterna e Câmara de Lavagem Aspecto geral do Lavacontentores Pontos de interesse especiais: Lavagem interna e externa através de jactos de

Leia mais

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação

Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro. Dicas de Prevenção e Preservação Semana da Prevenção de Resíduos - 16 a 23 de Novembro Dicas de Prevenção e Preservação Tenha em conta Nunca comece uma reparação, por muito pequena que seja, sem antes desligara tomada do equipamento;

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Tensão

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DE INSTRUÇÕES SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA O EQUIPAMENTO Com a entrada da Injeção Eletrônica de Combustível

Leia mais

Controladores de temperatura

Controladores de temperatura Controladores de temperatura - Aplicações Controls A/S - Assegura eficiência no controle dos sistemas de aquecimento, refrigeração e ventilação. Clorius Controls: solução para o controle de temperatura

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2010 Conteúdo 1. Objetivo...2 2. O Modelo...2 3. Montagem e desmontagem...3 3.1 Cuidados gerais - IMPORTANTE... 3 3.2 Montagem... 3 3.3 Desmontagem... 4 4. Experiências...6

Leia mais