Desenho de Plano de Gestão para uma Empresa de Serviços de Equipamentos de Ar Condicionado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho de Plano de Gestão para uma Empresa de Serviços de Equipamentos de Ar Condicionado"

Transcrição

1 Desenho de Plano de Gestão para uma Empresa de Serviços de Equipamentos de Ar Condicionado Roberto Toshio Katayama Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia de Produção da Escola Politécnica, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Orientadora:Maria Alice Ferruccio, D.Sc. Rio de Janeiro Julho/2014

2 Desenho de Plano de Gestão para uma Empresa de Serviços de Equipamentos de Ar Condicionado Roberto Toshio Katayama PROJETO DE GRADUAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO. Examinada por: Profª. Maria Alice Ferruccio, D.Sc. Prof. Samuel Jurkiewicz, D Sc. Carlos Alberto Ferreira de Carvalho, Mestrando Rio de Janeiro, RJ Brasil Julho de 2014

3 Katayama, Roberto Toshio Desenho de Plano de Gestão para uma empresa de serviços para equipamentos de Ar Condicionado / Roberto Toshio Katayama Rio de Janeiro Projeto de Graduação UFRJ / Escola Politécnica / Curso de Engenharia de Produção, Referências bibliográficas: Pág. 38 Orientadora: Maria Alice Ferruccio, D. Sc. 1. Plano de Gestão2. Análise Estratégica3. Mercado de Serviços de Ar Condicionado. I. Cosenza, Maria Alice FerruccioII. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica, Curso de Engenharia de ProduçãoIII. Desenho de Plano de Gestão para uma empresa de serviços para equipamentos de Ar Condicionado

4 Resumo do Projeto de Graduação apresentado à Escola Politécnica/ UFRJ como partedos requisitos necessários para a obtenção do grau de Engenheiro de Produção. DESENHO DE PLANO DE GESTÃO PARA UMA EMPRESA DE SERVIÇOS DE EQUIPAMENTOS DE AR CONDICIONADO Roberto Toshio Katayama Julho/2014 Orientadora: Maria Alice Feruccio, D. Sc. Curso: Engenharia de Produção Resumo Este projeto final tem como objetivo apresentar a montagem de um Plano de Gestão para uma empresa do mercado de serviços de Ar Condicionado no município do Rio de Janeiro com o intuito de fortalecer e municiar de ações para que esta possa ter um longo e sustentável crescimento. Incluem-se no projeto os detalhamentos da empresa, através de entrevistas, coleta de materiais, realização de workshops. Em posse do material informado, foi possível realizar uma análise estratégica da empresa, tanto do ponto de vista do mercado, como da análise interna, através de modelos de análises estratégicas. Através de workshops junto aos sócios, foi possível identificar o direcionamento da empresa, como também foi possível aplicar o modelo de geração de alternativas para poder criar um plano de ações.

5 Abstract of Undergraduate Project presented to POLI/UFRJ as a partial fulfillment of the requirements for the degree of Engineer. MANAGEMENT PLAN DESIGN FOR A COMPANY THAT PROVIDES SERVICES IN AIR CONDITIONING EQUIPMENT Roberto Toshio Katayama July/2014 Advisor: Maria Alice Feruccio, D. Sc. Course: Industrial Engineer Abstract This undergraduate project has the objective of presentthe construction of a management plan for a company that provides services for air conditioning equipment in the Rio de Janeiro County, in order to improve and provide actions for this company to take a sustainable growth. In the project,we have details about the company, interviews, gathering information s and workshops. Through the material, it was possible to analyze the company strategically, from the point of view of the market as an internal analysis, through high regarded models. Through workshops with the partner members, it was possible to identify the directions of the company. It was also possible to apply the model to generate alternatives in order to create a complete plan of actions.

6 Agradecimentos Em primeiro, a minha amiga e companheira Inês,juntamente com toda a minha família e amigos por terem me apoiados em momentos tão difíceis e complicados da minha vida. Em segundo, a professora que me inspirou a mudar de Engenheiro Civil para Engenheiro de Produção, e que o destino se encarregou que fosse ela quem me orientasse não só no começo, mas no fim da minha faculdade. Obrigado, professora Alice. Em terceiro, a todo o corpo docente que sempre me apoiou para que contribuísse para o meu crescimento profissional e pessoal. Em quarto, a todos os funcionários da UFRJ que apesar dos pesares, conseguiram e me ajudaram de bom grado e com tanta boa vontade para que finalmente esse diploma tão próximo das minhas mãos.

7 Sumário INTRODUÇÃO ANÁLISE DA EMPRESA SOBRE OS PROCEDIMENTOS E METODOLOGIAS SOBRE A EMPRESA SOBRE OS PRODUTOS E SERVIÇOS SOBRE SEUS SETORES Comercial Manutenção Preventiva Reparo e Instalação Cobrança Marketing Recursos Humanos e Departamento de Pessoal Financeiro ANÁLISES DE MERCADO ANÁLISES DAS CINCO FORÇAS DE POTTER ANÁLISES SWOT Forças (Strenght) Fraquezas (Weakness) Oportunidades (Opportunities) Ameaças (Threats) DIRETRIZES ESTRATÉGICAS PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES MELHORIA DA QUALIDADE AVALIAÇÃO DE NOVOS NICHOS DE MERCADO AVALIAÇÃO DE NOVOS FORNECEDORES BUSCA DE TALENTOS CONCLUSÕES FINAIS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

8 Índice de Figuras Figura 1: Cadeia de Valor adaptada à empresa Figura 2: Modelo das Cinco Forças de Potter Figura 3: Análise SWOT Figura 4: Modelo SWOT adaptado à empresa Figura 5: Modelo de Geração de Alternativas de Liam Fahey Figura 6: Detalhamento de Ações Ano a Ano Figura 7: Avaliação de Expansão de Mercado

9 Índice de Tabelas Tabela 1: Distribuição do Faturamento Anual por Produto Tabela 2: Faturamento Mensal do Último Ano Tabela 3: Distribuição dos funcionários por tempo de empresa

10 INTRODUÇÃO O mercado cada vez mais competitivo exige que as empresas tenham um planejamento mais elaborado. Essa competitividade pode ser confirmada através do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE (2013, pág. 3), divulgando a estatística que mostra que a taxa de sobrevivência das empresas com até dois anos de atividade foi de 75,6%. Em função desse cenário, é objeto deste projeto, elaborar um Plano de Gestão para uma empresa localizada no segmento de serviços para equipamentos de ar condicionado. Este projeto tem por objetivo melhorar o desempenho da empresa. e em consequência, alavancar seu crescimento. Também busca avaliar situações que futuramente possam colocar a empresa em risco, ou que tenha como consequência sua competitividade reduzida. Este projeto tem como expectativa, ser referência para criação de planos de gestão, independentemente de setor econômico da empresa. Através da aplicação de metodologias e procedimentos semelhantes, espera-se que qualquer empresa consiga elaborar um plano de gestão de forma integral, atendendo assim às suas expectativas. Espera-se que este projeto seja referência para criação de soluções e ações, para ideias e desenvolvimentos, para empresas localizadas no mesmo segmento de mercado, e inclusive em mercados que tenham semelhanças ou comportamentos parecidos. Não serão foco desse projeto as análises financeiras, de marketing e jurídicas. O plano de operações apresenta-se parcialmente através de algumas ações, mas não será abordado em sua plenitude. Não serão abordadas neste projeto algumas metodologias em detalhes sugeridas ao longo do processo. Os métodos serão apresentados e indicados, 4

11 porém com o intuito de que a empresa possua um referencial no desenvolvimento de suas ações. Dentro das hipóteses aplicadas ao projeto, podemos destacar que a empresa se encontra estabelecida em seu mercado e que sua sobrevivência não é sua questão principal. Além desta hipótese, o mercado considerado no escopo deverá ser o mais abrangente possível, sendo considerados todos os tipos de serviços adjacentes e todos os portes de equipamentos de ar condicionado (desde o pequeno, como o aparelho de janela, ao de grande porte). A metodologia aplicada será feita através de uma coleta de dados sobre os produtos e todas as áreas da empresa: Produção, Marketing, Comercial, Departamento de Pessoal e Recursos Humanos, Financeiro e Compras. Também foram realizados workshops e atividades de desenvolvimento para melhor entendimento da situação e aplicação das metodologias. Num primeiro capítulo serão apresentados os formatos desta coleta de dados, apresentando a metodologia aplicada. Também serão apresentados os resultados desta etapa inicial, apresentando detalhamento de produtos e de setores empresariais. Num segundo capítulo será apresentada uma análise estratégica da empresa completa, utilizando modelos de avaliação. Para avaliação do mercado, será utilizado o Modelo das Cinco Forças, seguindo o método sugerido por Michael E. Potter (1998). E em complemento a esta análise, será realizada uma análise Strenght-Weakness-Opportunity-Threaten (SWOT) para obter uma avaliação interna de forma abrangente. Também serão apresentadas as diretrizes e seus desdobramentos que guiam a empresa para se adequar as estratégias com as ações necessárias, utilizando os modelos de Missão, Visão, Valores e Objetivos. 5

12 No terceiro capítulo, serão avaliadas as propostas de implantação e de mudanças com vista a melhorias para empresa, se apoiando principalmente no modelo de Geração de Alternativas de Liam Fahey (1999). Na última etapa, será apresentado por fim as conclusões e considerações finais. 6

13 1 ANÁLISE DA EMPRESA 1.1 SOBRE OS PROCEDIMENTOS E METODOLOGIAS Após contato inicial com os sócios da empresa, foi definido que o projeto seria realizado com o objetivo de preparar e direcionar a empresa de forma estratégica. Assim, foi elaborado o planejamento do projeto em três etapas: 1. Coleta de dados 2. Avaliação de estratégias e direcionamento 3. Planejamento de ações Na primeira etapa, foram realizadas entrevistas para o entendimento sobre a empresa. Foram realizadas três reuniões: Reunião sobre a empresa e seus produtos: Esta reunião deve duração de aproximadamente duas horas, onde foram coletados dados gerais sobre a empresa e produtos. Reunião realizada no formato de entrevista, com questões previamente formuladas, onde foram abordados vários assuntos sobre o objeto de trabalho. Reunião sobre os setores da empresa e alocação de pessoal: Esta segunda reunião teve com o intuito de entender quais eram os setores, e foram apresentados alguns materiais como a cadeia de valores e dados sobre os colaboradores. Reunião também executada em formato de entrevista. Reunião para apresentação de dados coletados: Esta reunião teve duração também de duas horas, para apresentar os dados coletados, em forma de gráficos e tabelas aprovados pelos sócios. Após as reuniões, o material foi compilado, sendo debatido mais adiante através do capítulo atual. Na etapa seguinte, após definidas as metodologias de avaliação estratégica, foram realizados também quatro workshops: 7

14 Workshop aplicando o Modelo de Cinco Forças de Potter: Foi apresentado o modelo e aplicado o conceito para o mercado em questão. Workshop aplicando o Modelo SWOT: Foi apresentado o modelo e aplicada para a empresa. Já foi apresentado um modelo parcial, pois devida a coleta e ao workshop anterior, foi possível deduzir alguns dos pontos discutidos. 1º Workshop avaliando as Diretrizes Organizacionais: Foi avaliado o norte da empresa, explicando os conceitos de Missão, Visão, Objetivo e Valores. 2º Workshop avaliando as Diretrizes Organizacionais: Não foi possível finalizar apenas com um workshop, exigindo uma continuidade para a geração das diretrizes. Todos os workshops tiveram duração média de quatro horas. O resultado desta metodologia foi apresentado no capítulo de Análises de Mercado. Na última etapa, o planejamento foi realizado também através de workshops: Workshop aplicando o Modelo de Fahey: Explicado o modelo e foram geradas as alternativas para a empresa. Workshop para elaboração dos quatro objetivos menores: As informações do workshop anterior foram compiladas em apenas quatro objetivos. Workshop para elaboração das ações menores: Foram definidas ações de menor esforço e pontuais para as construções dos objetivos menores. Workshop para agrupamento por Objetivos: as ações menores foram agrupadas em menores divisões para um entendimento mais abrangente. Reunião para apresentação dos dados apresentados: Foram apresentados os dados finais para que o material servisse de apoio para a empresa. 8

15 Os resultados destes workshops foram apresentados na etapa de Planejamento de Atividades. Estes workshops tiveram duração aproximada de três a quatro horas. Nas reuniões sempre estiveram presente os dois sócios, mas nos workshops estiveram presentes não só os dois sócios, mais um responsável pela área administrativa e outro pela área de produção. 1.2 SOBRE A EMPRESA A empresa em estudo é de pequeno porte, atuando no segmento de serviços de equipamento de Ar Condicionado, localizado no estado e no município do Rio de Janeiro, e possui dezenove anos de experiência de mercado, criada em Atualmente, a empresa hoje apresenta aproximadamente vinte e três funcionários, realizando serviços e vendas de equipamentos de ar condicionado. Destes vinte e três funcionários, cinco estão localizados no setor administrativo e os demais no setor de produção. 1.3 SOBRE OS PRODUTOS E SERVIÇOS Abaixo serão apresentados os produtos e serviços oferecidos pela empresa: Manutenção Preventiva: É um serviço executado periodicamente nos equipamentos do cliente, com o objetivo de limpar, corrigir e acertar o equipamento, garantindo uma maior sobrevida. Além disso, garante também uma melhor qualidade do ar para as pessoas que se encontram no ambiente instalado. Esse tipo de serviço inclui também atendimentos mediante contato para verificação dos equipamentos, caso não haja o funcionamento em condições plenas. 9

16 Reparo ou Manutenção Corretiva: É um serviço executado de acordo com a demanda, para a correção do equipamento no caso de má utilização ou fadiga de peças do equipamento. Projetos: É um serviço para a execução de projetos de refrigeração, em conformidade com o órgão regulamentador, no caso o Conselho Regional de Engenharia e Meio Ambiente Rio de Janeiro (CREA-RJ), e conforme necessidades do cliente. Venda de Equipamentos: É a venda de equipamentos de ar condicionados, de todos os portes, menos o do tipo janela com uso residencial. Atualmente, o maior foco hoje da empresa são máquinas de pequeno e médio porte, de British Thermal Units (BTU s) de potência até BTU s de potência. Instalação: É o serviço de instalação de equipamento vendido, normalmente está relacionado ao produto acima mencionado, pois após a compra do equipamento é necessário instalar. Em conversa com o sócio da empresa sobre os produtos da empresa, a Manutenção Preventiva possui maior participação no faturamento da empresa, conforme gráfico 1: Fonte da empresa interna, adaptado pelo autor. Período: 12 meses. Ano: Tabela 1: Distribuição do Faturamento Anual por Produto 10

17 Todos os produtos possuem influências do fator de sazonalidade. Quando a temperatura na cidade é maior, como no verão, é natural que a procura pelos serviços aumentem. Esse fator pode ser comprovado através do gráfico 2: Fonte da empresa interna, adaptado pelo autor. Período: 12 meses. Ano: Tabela 2: Faturamento Mensal do Último Ano Pode ser avaliado no gráfico acima que a receita do serviço de Manutenção Preventiva é uma receita que apresenta um faturamento com mais constância que os demais serviços. Além disso, em reunião, foi informado que o melhor produto no entendimento dos sócios também é a Manutenção Preventiva, pelos seguintes motivos: É um produto que tem menor variação conforme a sazonalidade, mas apresenta um aumento de custo no verão. Devido ao fato de a temperatura ambiente estar alta, o esforço exigido pela máquina é aumentado, gerando uma maior quantidade de visitas para avaliação do maquinário. Pelos processos e pela condição do equipamento, estas visitas informadas acima tem por consequência a geração dos serviços de 11

18 Reparo. De forma simplificada, quanto mais Manutenção Preventiva, maior a quantidade de Reparos. É um produto que não é regulada pela demanda, desta forma gera uma receita contínua e fixa. 1.4 SOBRE SEUS SETORES Kotler (2000) apresenta o conceito de cadeia de valor, e através de material coletado, os setores de produção da empresa e sua importância foram representados através da Cadeia de Valor adaptada, apresentada na figura abaixo: Marketing RH & Departamento Pessoal Manutenção - Produção Comercial Reparo e Instalação Cobrança Planejamento Produção Financeiro Fonte: Adaptado de Cadeia de valor de Kotler (2000) Figura 1: Cadeia de Valor adaptada à empresa 12

19 1.4.1 Comercial Esta área é responsável pela confecção das propostas de todos os serviços executados pela empresa. A Teoria das Restrições de Chase (2003) desenvolve um modelo através das restrições que determinam o desempenho do sistema e, portanto, influenciam diretamente na lucratividade e na rentabilidade das organizações. O responsável pelo setor é o sócio da empresa, sendo avaliado como um dos pontos de estrangulamento da produção pelo próprio sócio. É avaliado desta forma, porque todas as propostas são desenhadas, avaliadas, negociadas e acompanhadas em caso de aprovação pelo mesmo responsável Manutenção Preventiva A área de Manutenção Preventiva é composta por equipes individuais que são responsáveis pelas visitas periódicas, geralmente mensais, mas existem algumas exceções que são realizadas bimestralmente ou trimestralmente. Cada equipe é responsável pelos clientes de uma área pré-definida. Cada área é definida por localidade geográfica, normalmente são divididos pelas divisões dos bairros da cidade. As equipes também são responsáveis pelo atendimento emergencial. Caso o atendimento seja solicitado até às 14:00 horas do dia, o atendimento deve ser feito no mesmo dia. A equipe é informada no momento da solicitação devendo executar o primeiro atendimento. Caso a solicitação seja feita posterior às 14:00 horas, será executado no dia seguinte. Neste caso, a equipe será informada no começo do dia seguinte sobre o atendimento que deverá realizar no dia. 13

20 A programação diária é realizada pelo próprio funcionário quando não tem nenhuma programação ou visita estabelecida, sendo este um ponto de atenção informado pelos sócios Reparo e Instalação O setor pode ser dividido em dois segmentos: No primeiro segmento é organizada a programação das atividades, sendo as atividades definidas previamente no dia anterior a execução. Nesta etapa, acontece a separação do material e equipamento necessário e alocação da equipe para a realização do serviço. No segundo segmento, é executado o serviço de Reparo e Instalação. Normalmente, realizada por equipes de duas pessoas, geralmente um Mecânico e um Auxiliar de Mecânico. Do ponto de vista técnico, são pessoas que possuem conhecimento técnico mais elevado que as equipes de manutenção, pois precisam executar serviços que exigem maior qualidade técnica. Em alguns casos, onde o serviço é extenso, existe a possibilidade de ser utilizada mais de uma equipe por serviço Cobrança A área de Cobrança é uma área com uma pessoa alocada com o objetivo de efetuar a cobrança dos serviços prestados. No caso do serviço de Manutenção Preventiva são emitidos boletos mensais, já nos serviços de Reparo e outros serviços são emitidos boletos de acordo com a demanda, normalmente ao fim do serviço prestado. 14

21 1.4.5 Marketing O setor de marketing é relativamente novo na empresa, tendo apenas um ano de criação e hoje conta apenas com uma pessoa neste setor. Esta é responsável pela busca de novos contratos de manutenção e contenção no caso de contratos com risco de cancelamento. O foco deste setor é na venda do serviço de Manutenção Preventiva Recursos Humanos e Departamento de Pessoal O setor ainda está sendo desenvolvido por uma pessoa em compartilhado com o de Cobrança. Possui o suporte de uma empresa contábil para a coleta e manutenção da maioria dos documentos pessoais e geração e cálculo e emissão de impostos trabalhistas Financeiro O setor está sobre a responsabilidade de uma pessoa que tem o suporte de uma empresa terceirizada com especialização contábil para apresentação de balancetes entre outros. A empresa contábil está responsável também pela emissão de impostos, contato com a Receita Federal, emissão de impostos, entre outros. 15

22 2 ANÁLISES DE MERCADO Neste capítulo, será realizada uma abordagem estratégica, aplicando modelos estratégicos. Serão realizadas duas análises: aplicação do modelo das Cinco Forças de Potter (1998) e o modelo SWOT. 2.1 ANÁLISES DAS CINCO FORÇAS DE POTTER Conforme Michael E. Porter (1998, pág. 142), a essência da formulação estratégica é lidar com a competição. A competição tem sua raiz em sua respectiva economia subjacente e existem foças competitivas que vão bem além do que esteja representado unicamente pelos concorrentes estabelecidos nesse setor em especial. Desta forma, Potter elaborou o modelo abaixo como referência: Fonte: Michael E. Porter (1998) Figura 2: Modelo das Cinco Forças de Potter 16

23 Através deste modelo, podemos definir as forças em dois níveis: fortes e fracas. Estes níveis serão utilizados para avaliação do mercado em questão: Rivalidade Entre Concorrentes: ALTO - Preços e qualidade são as principais disputas no mercado de serviços de Ar Condicionado. Os baixos preços cobrados por empreiteiros têm deixado o mercado mais competitivo, além de aplicação de mão-de-obra não qualificada com intensidade, tem feito o mercado se tornar altamente competitivo, ainda mais sem uma devida fiscalização por parte do governo e das instituições responsável. Além disso, esse segmento possui muitas empresas, apenas do mesmo fornecedor de equipamentos de ar condicionado são mais de cem empresas no mesmo município, ressaltando que são aproximadamente oito fornecedores nesse setor. Pode se dizer que a qualidade administrativa e de gestão desses novos concorrentes é baixa, pois seus gerentes e sócios normalmente são pessoas que trabalhavam para empresas do ramo e conseguiram se destacar tecnicamente. Gerando assim, concorrentes fortes do ponto de vista técnico, mas com problemas gerenciais e organizacionais. Poder de Negociação dos Clientes: BAIXO - O poder de negociação do cliente é baixo, pois estes costumam ter um baixo conhecimento técnico sobre o assunto tratado. No entanto, há de ressaltar, que com a facilidade de acessos a diversos orçamentos em pouco tempo essa negociação tem aumentado. Poder de Negociação dos Fornecedores: ALTO - O poder de negociação dos fornecedores é alto, devido às baixas quantidades de fornecedores de maquinário. Além do mais, equipamentos mecânicos também é um mercado em que não permite uma fácil entrada de novos fornecedores. Além disso, os materiais utilizados nesse setor, apenas os fornecedores de maquinário conseguem produzir a maioria de peças para reposição. 17

24 Ameaça de Entrada de Novos Fornecedores: ALTO - Existem vários empreiteiros e outros que fazem a instalação e até manutenção de equipamento, mas com baixa qualidade. Alguns destes com o tempo e a experiência, acabam por entrar no mercado como concorrentes diretos. Ameaça de Produtos Substitutos: BAIXO - Existem equipamentos de ventilação, mas considerando a posição geográfica, onde as temperaturas anuais são excessivamente altas, é praticamente inviável um produto substituto realmente eficaz. 2.2 ANÁLISES SWOT A análise tem por fim: Efetuar uma análise interna e externa da empresa Identificar pontos chaves para a gestão da empresa Avaliar opções estratégicas Segue abaixo modelo para referência dos dados: Fonte: O autor, Adaptado. Figura 3: Análise SWOT 18

25 Conforme modelo, sendo avaliada da seguinte forma a empresa: Forças Empresa com muita experiência; Possui equipes com experiência; Clientes com contratos de longo prazo; Contrato com fornecedores já previamente estabelecidos. Fraqueza Fase de transição => dívidas antigas; Cultura empresarial antiga e resistência às mudanças; Baixa retenção da mão de obra; Baixa velocidade na entrega de serviços Alta dependência de pessoas chaves; Baixa qualidade contábil. Oportunidades Mercado em Mudança; Concorrentes com baixa qualidade; Novo Mercado: Trepanação e Congelamento; Novo Mercado: Outsourcing (Terceirização); Novo Mercado: Equipamentos com Alta Complexidade (Chillers); Novo Mercado: Limpeza de dutos; Novo Mercado: Qualidade do Ar. Ameaças Grande quantidade de concorrentes; Facilidade de novos entrantes no mercado; Poucos fornecedores de equipamento; Barateamento dos equipamentos; Utilização de splits; Redução na manutenção preventiva; Mercado com escassez de mão de obra especializada. Fonte: O autor, Adaptado. Figura 4: Modelo SWOT adaptado à empresa Segue uma avaliação de cada um dos itens para cada um dos campos: Forças (Strenght) Empresa com muita experiência: A empresa em questão já possui mais de dezenove anos de vida, o que permite que seu nome já esteja consolidado e seja uma empresa que busca crescimento no mercado e não apenas sua sobrevivência. Possui equipes com experiência: A maior parte do pessoal, cerca de 61,0% possui mais de cinco anos de experiência no mercado de Ar Condicionado permitindo que sejam efetuados serviços com qualidade. Cerca de 78,0% possuem mais de três anos de empresa, conforme Tabela 3. 19

26 22% 39% 17% Menos de 3 anos Entre 3 e 5 anos Entre 5 e 10 anos Mais de 10 anos 22% Fonte da empresa interna, adaptado pelo autor. Tabela 3: Distribuição dos funcionários por tempo de empresa Clientes com contratos de longo prazo: Existem contratos com mais de quinze anos de duração, o que gera uma grande acessibilidade por parte do cliente e também uma grande confiança. Isso permite também que os serviços sejam mais rápidos, por se saber, o modelo, localização, tempo de uso do equipamento desses clientes. Contrato com fornecedores já previamente estabelecidos: A maioria dos fornecedores já está cadastrada e conhecem a empresa, permitindo contratos de longo prazo. Além disso, permite também uma facilidade tanto na entrega como na liberação de materiais Fraquezas (Weakness) Fase de Transição: A empresa em questão está passando por uma transição de cadastro, devido a uma nova restruturação, o que gera uma nova transição para o pessoal interno e externo, gerando certa desconfiança. Consequentemente, o cadastro anterior gera débitos que são necessários 20

27 quitar, gerando um grande problema de alocação de orçamentos. Os balanços que foram apresentados não são favoráveis devidos aos Débitos de Longo Prazo. Cultura empresarial antiga e resistente à mudança: A empresa ainda possui alguns hábitos de épocas anteriores, tendo ainda utilização de papel na maioria dos seus processos e existe certa resistência a novos modelos e formatos de processos. Um bom exemplo é que ainda parte do processo comercial ainda é feito em papel. Baixa retenção da mão de obra: A empresa em sua política anterior não conseguiu manter os melhores colaboradores, permitindo que alguns talentos tenham saído, devido aos baixos salários e benefícios. Baixa velocidade na entrega dos serviços: A empresa por não possui os melhores prestadores em conjunto com a cultura empresarial antiga onde os serviços tinham um longo tempo de execução, gera uma demora nos serviços. Alta dependência de pessoas chaves: Devido ao fato de ter pouca retenção, apenas algumas pessoas acabam se tornando chaves para o crescimento da empresa. Essas pessoas são responsáveis por boa parte da execução dos serviços, tendo um acúmulo de serviços e conhecimento com essas pessoas. Baixa qualidade contábil: Os controles contábeis estão em péssima qualidade e poucas informações que possam ser retiradas, inclusive não permitindo realizar um Plano Financeiro para empresa Oportunidades (Opportunities) Mercado em Mudança: O mercado está em mudança, pois existem novos modelos e conceitos novos de máquinas, além de novas tecnologias. Os 21

28 preços dos equipamentos caíram drasticamente nos últimos dez anos. Além de ter tido um aumento da capacidade do maquinário e novas tecnologias que reduzem o consumo de energia, gerando assim novas demandas e novas adaptações. Concorrentes com baixa qualidade técnica: Devido a maior simplicidade dos equipamentos com a implantação de novas tecnologias, o que permite faz com que pessoas sem embasamento técnico entrem no mercado, mas com baixa qualidade. Surgindo assim uma oportunidade também no que se trata de Reengenharia, onde o foco é na revisão da instalação e na correção do maquinário ou de sua tubulação ou instalação anexa. Novo Mercado: Trepanação e Congelamento: A empresa possui experiência em serviços que exigem mão de obra e materiais específicos, como a trepanação e congelamento. Existem poucas empresas atuando nesse segmento. A trepanação é a realização de furos circulares em tubulações e tanques pressurizados. É um serviço realizado com equipamento mecânico especializado. O congelamento é um serviço que aplica o congelamento de fluidos no interior de tubulações permitindo que se realize o serviço como corte de tubos, inserção de registros, inserção de tubulações, entre outros. Novo Mercado: Outsourcing (Terceirização): Existe uma possibilidade no mercado de executar um modelo de contrato diferente através do Outsourcing. Nesse modelo, a empresa é proprietária do equipamento instalado no cliente e é responsável pela troca de peças e manutenção. Tem uma grande vantagem para o cliente no que diz respeito ao fato de desonerar o patrimônio do cliente. Esse modelo de contrato é o modelo mais usual hoje para um equipamento que passou pelos mesmos problemas do Ar Condicionado, o mercado de Impressoras. 22

29 Novo Mercado: Equipamentos com Alta Complexidade: Uma parte do mercado é especializada em equipamentos com alta complexidade como os Chillers. São equipamentos mais caros e pesados, gerando margem maior, mas necessitando de investimento maior e mão de obra mais especializada. Novo Mercado: Limpeza de dutos: Há espaços também para uma necessidade de um serviço que hoje é feito em parceria com outras empresas, mas que é altamente solicitado devido às especificações das agências controladoras do governo, como a Vigilância Sanitária. É a utilização de equipamentos mecânicos na limpeza de dutos e sua higienização, incluem-se também as grelhas e defletores. Novo Mercado: Qualidade do Ar: É um nicho de mercado parecido com o anterior, é um serviço também regulamentado e fiscalizado pela Vigilância Sanitária, mas exige a necessidade de profissionais especializados, além de equipamentos e materiais de custo elevado para a devida realização do serviço. É a avaliação da qualidade do ar, se está em condições conforme regulamento, avaliando contagem de fungos, bactérias, concentração de carbono (CO 2 ), poeira, temperatura e umidade Ameaças (Threats) Grande quantidade de concorrentes, Facilidade de novos entrantes no mercado e Poucos fornecedores de equipamento: Esse tema foi devidamente já abordado anteriormente pela Análise das Cinco Forças de Potter. Barateamento dos equipamentos: O baixo custo dos equipamentos faz com que a manutenção cada vez seja menos viável, assim como é preferível à troca de equipamentos que o reparo dos mesmos. Utilização de Splits: A utilização cada vez maior desse tipo de equipamento que possui maior capacidade de resfriamento e menos tecnologia facilita a 23

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo

Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Desenvolvendo e avaliando programas de incentivos de remuneração de curto prazo Com a competição por talentos e a cobrança maior por resultados financeiros, as empresas vem procurando criar ou alterar

Leia mais

Orçamentos e outras ferramentas

Orçamentos e outras ferramentas Finanças na Advocacia Orçamentos e outras ferramentas AXIS Consult Gestão Jurídica Luiz Machado ESG CORP 26º COMITÊ DE DEPARTAMENTOS JURÍDICOS E ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA MERCADO Atividade > Advocacia Mercantilismo

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima

CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO RESPEITAR PONTO DE VISTA. Material preparado e de responsabilidade de Júlio Sérgio de Lima INDICADORES DE RH E METAS ORGANIZACIONAIS JÚLIO SÉRGIO DE LIMA Blumenau SC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATEGICO E PERSPECTIVAS DE NEGOCIO, ARQUITETURA DE MEDIÇÃO DO DESEMPENHO E NIVEIS DOS

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIA 01. Partindo do princípio de que a estratégia é a definição do melhor futuro para a sua equipe ou organização, o mapeamento da rota para alcançá-lo e a sua clara comunicação,

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Contratação de serviços de Limpeza

Contratação de serviços de Limpeza 19º Jornada de Controle de Infecção Hospitalar de Ribeirão Preto 1º Jornada de Inovação da Prática em Enfermagem Contratação de serviços de Limpeza próprio terceirizado Vantagens e desvantagens e como

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente

Acreditamos em formas criativas e inovadoras de crescimento e desenvolvimento. Elas agregam valor ao cliente Portfólio QUEM SOMOS Somos uma empresa de consultoria organizacional que vem desenvolvendo e implementando em diversas clientes projetos nas áreas de Gestão Recursos Humanos e Comercial/Vendas. Silmar

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

E FOLDER INSTITUCIONAL

E FOLDER INSTITUCIONAL E FOLDER INSTITUCIONAL Tel. 55 11 3862 1421 atendimento@bird.com.br www.bird.com.br A MEDIDA CERTA PARA EXECUTAR SUA ESTRATÉGIA DE T&D EM IDIOMAS benchmarking indicadores de resultados diagnósticos & desenvolvimento

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra

Análise Estratégica. BA Brazil - palestra Análise Estratégica 12 novembro 2015 Fundação Vanzolini Ruy Aguiar da Silva Leme (1925-1997) Engenheiro civil pela Poli-USP - Professor-assistente (1949-1953) e interino (1953) - Primeiro chefe do Departamento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

Índice. Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos. Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil)

Índice. Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos. Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil) Company Profile Índice Empresa Soluções Parceiros Porque SEVEN? Contatos Rua Artur Saboia, 367 Cj 61 São Paulo (Brasil) Missão A SEVEN Consultoria Tecnologia è uma empresa na área da Tecnologia e Informação

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

BENEFÍCIOS COM A SMALL

BENEFÍCIOS COM A SMALL BENEFÍCIOS COM A SMALL 2012. Small Consultoria Avenida Engenheiro Caetano Álvares, 530 Casa Verde, São Paulo S.P. Tel. 11 2869.9699 / 11 2638.5372 Todos os direitos reservados. A IDEIA Dentre os exemplos

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

Portfólio de Serviços

Portfólio de Serviços Portfólio de Serviços Consultoria de resultados MOTIVAÇÃO EM GERAR Somos uma consultoria de resultados! Entregamos muito mais que relatórios. Entregamos melhorias na gestão, proporcionando aumento dos

Leia mais

Planejamento Estratégico. Valéria Mendes Meschiatti Nogueira

Planejamento Estratégico. Valéria Mendes Meschiatti Nogueira Planejamento Estratégico Valéria Mendes Meschiatti Nogueira Conceitos básicos de Estratégia Propósito de uma organização: é o impulso, a motivação que direciona para os caminhos que ela escolher. Sem propósito

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

Gestão estratégica em processos de mudanças

Gestão estratégica em processos de mudanças Gestão estratégica em processos de mudanças REVISÃO DOS MACRO PONTOS DO PROJETO 1a. ETAPA: BASE PARA IMPLANTAÇÃO DE UM MODELO DE GESTÃO DE PERFORMANCE PROFISSIONAL, que compreenderá o processo de Análise

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho

Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade. Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho Fortus Consultoria Contábil Case Qualidade Gestão de Resultados Solução Independente de Setor e Tamanho A Motivação da Busca de Programas de Qualidade 34 Experiência com manuais sobre qualidade em indústria

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

O RH dos sonhos dos CEOs

O RH dos sonhos dos CEOs O RH dos sonhos dos CEOs Expectativas e estratégias da liderança para os Recursos Humanos Presidentes de empresas de todos os portes falaram sobre a importância dos Recursos Humanos para as suas empresas

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Service Level Management SLM. Gerenciamento de Níveis de Serviço Service Level Management SLM Gerenciamento de Níveis de Serviço 1 É o balanço o entre... Qualidade dos serviços entregues Expectativa do cliente 2 Processo: Definições Service Level Management (SLM) Têm

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia de Curitiba-PR. LOCAL: Curitiba-PR 24/04/2014

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia de Curitiba-PR. LOCAL: Curitiba-PR 24/04/2014 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia de Curitiba-PR LOCAL: Curitiba-PR 24/04/2014 TEMA DA PALESTRA: Ferramentas de Gestão Estratégica PALESTRANTE: Edison

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais