PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE JORNALISMO BRUNA CAROLINA KOPESKI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE JORNALISMO BRUNA CAROLINA KOPESKI"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE JORNALISMO BRUNA CAROLINA KOPESKI JORNALISMO DE MODA E NARRATIVAS UM ESTUDO SOBRE O INSTAGRAM CURITIBA 2019

2 BRUNA CAROLINA KOPESKI JORNALISMO DE MODA E NARRATIVAS UM ESTUDO SOBRE O INSTAGRAM Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial à obtenção do título de bacharel em Jornalismo. Orientadora: Prof. Me. Celina Alvetti CURITIBA 2019

3 BRUNA CAROLINA KOPESKI JORNALISMO DE MODA E NARRATIVAS UM ESTUDO SOBRE O INSTAGRAM Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Graduação em Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, como requisito parcial à obtenção do título de Jornalismo de moda e narrativa um estudo sobre o Instagram. COMISSÃO EXAMINADORA Professora Celina Alvetti Pontifícia Universidade católica do Paraná Professora Luana Navarro Pontifícia Universidade católica do Paraná Professor Miguel Manasses Pontifícia Universidade católica do Paraná Curitiba, 11 de junho de 2019.

4 Dedico aos meus pais e à minha irmã que sempre me apoiaram.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiro de tudo a Deus por sempre orientar os meus passos. Em segundo agradeço aos meus pais (Leonardo e Claudete) por estarem sempre ao meu lado me apoiando e torcendo por mim. Agradeço a minha irmã (Aline) por sempre acreditar em mim mais do que eu mesma, por ser minha fã número 1. Também agradeço a minha avó (Rosa) por sempre orar por mim e ao meu sobrinho (João Bruno) por me fazer sorrir em todos os momentos, até os mais difíceis. Sou grata também ao meu cunhado (Rafael) e a minha prima (Ana Claudia) por serem meus parceiros e me ajudaram a realizar os meus trabalhos. Não poderia deixar de agradecer as minhas amigas, Eliziane, Isadora, Heloisa, Camilla, Rute e em especial a Marilia, por sempre estarem ao meu lado durante toda a faculdade, amo cada uma de vocês. Por fim, agradeço a minha orientadora por ter tido paciência e por ter iluminado todos os meus pensamentos e dúvidas. A todos que em algum momento me ajudaram durante esses quatros anos, eu sou completamente grata.

6 Dar acesso à moda e à informação de moda gera cultura de moda e mais oportunidade para a sociedade. (PACCE, Lilian, 2014, p.1)

7 RESUMO Este trabalho tem como tema os conteúdos jornalísticos de moda no Instagram, com o objetivo geral de analisar como o jornalismo de moda utiliza o Instagram para informar. Os objetivos específicos desta monografia são compreender o conceito e a história do jornalismo; revisar a história e a apropriação do jornalismo na internet e nas redes sociais, estudando as narrativas jornalísticas online; compreender a importância do jornalismo de moda no contexto atual; analisar a produção de conteúdos jornalísticos de moda das revistas Vogue e Glamour no Instagram. Assim a pesquisa estuda quais são suas características narrativas e imagéticas e de que forma as ferramentas (Feed, InstaStory e IGTV) desta rede social são utilizadas. A pesquisa utilizará da análise de Conteúdo, e analise monográfica, e busca embasamento teórico nos autores Crane (2009), Scalzo (2004), Joffily (1991), Garcia e Miranda (2011) e Ali (2009) que estudam o surgimento e o jornalismo de moda. E nos autores Canavilhas (2014), Traquina (2005), Palácios (2002), Recuero (2009), Mielniczuk (2003), Motta (2012) para explicar sobre o jornalismo online, as redes sociais e as narrativas. Por meio da leitura desses autores, serão buscados resultados que demonstrem como uma notícia no ambiente online é construída e quais são seus elementos narrativos. Palavras-chave: Instagram; Jornalismo online; Narrativas; Jornalismo de moda; Revistas;

8 ABSTRACT The theme of this project is fashion journalistic content in Instagram, with the general objective of analyzing how fashion journalism uses Instagram to inform. The specific objectives of this monograph is to understand the concept and history of journalism; review history and journalism appropriation of the Internet and social networks by studying the online journalistic narratives; understand the importance of fashion journalism in the current context; analyze production of fashion journalistic content from Vogue and Glamour magazines on Instagram, examining their narrative and imagery characteristics and how the tools (Feed, InstaStory and IGTV) of this social network are used. The research will be done through Content analysis, and monographic analysis. Aiming at the theoretical basis of the authors Crane (2009), Scalzo (2004), Joffily (1991), Garcia e Miranda (2011), Ali (2009) who study the emergence and fashion journalism. And the authors Canavilhas (2014), Traquina (2005), Palacios (2002), Recuero (2009), Mielniczuk (2003), Motta (2012) to explain about online journalism, social networks and narratives. Through these authors, results will be sought that demonstrate how a story in the online environment is built and what are its narrative elements. Keywords: Instagram; Online Journalism; Narratives; Fashion Journalism; Magazines;

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1 - Os gêneros textuais de moda...53 Figura 1: Divulgação da Gisele Bündchen na Vogue Outubro...61 Figura 2: Divulgação do vídeo Vogue Raízes...62 Figura 3: Matéria de serviço lugares para conhecer no Rio de Janeiro...63 Figura 4: Tendências de beleza...64 Figura 5: Gif 10 years challenge...64 Figura 6: Gisele Bündchen com vestido sustentável...65 Quadro 2- Elementos narrativos: Vogue...65 Figura 7: Baile da Vogue...67 Figura 8: Cobertura do SPFW realizada pela Vogue: bastidores...68 Figura 9: Cobertura do SPFW realizada pela Vogue: desfiles...69 Figura 10:Tendencia Western...72 Figura 11:Semana de moda em Paris...73 Figura 12:Beneficios da automassagem...74 Figura 13:Primeira bailarina do dance theatre of harlem...74 Figura 14:Previa da coluna jornalística Vic Ceridono...75 Figura 15:Nota de aniversario para atriz Drew Barrymore...76 Figura 16: Dicas para criar penteados...76 Quadro 3 - Elementos narrativos: Glamour...76 Figura 17: Cobertura do SPFW realizada pela Glamour: bastidores...78 Figura 18: Cobertura do SPFW realizada pela Glamour: desfiles...79

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO O JORNALISMO DOS VEÍCULOS TRADICIONAIS AO AMBIENTE ONLINE A influência da tecnologia no jornalismo JORNALISMO ONLINE Web O Jornalismo na era da Convergência JORNALISMO NAS REDES SOCIAIS A NARRATIVA NARRATIVAS JORNALÍSTICAS Narrativas online: a pirâmide deitada Narrativas do Jornalismo nas Redes Sociais Elementos Narrativos do Jornalismo Online Interatividade Multimidialidade Hipertextualidade Personalização Memória Instantaneidade Outras caracterizações A MODA COMO LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO SISTEMA DE MODA O JORNALISMO DE MODA E O SURGIMENTO DAS REVISTAS Revistas Segmentadas JORNALISMO DE MODA NO BRASIL Transição da revista de moda para redes sociais Gêneros textuais do jornalismo de moda ANÁLISE DA REVISTA VOGUE E DA REVISTA GLAMOUR A HISTÓRIA DO INSTAGRAM VOGUE Feed...64

11 Primeira publicação V Segunda publicação V Terceira publicação V Quarta publicação V Quinta publicação V Sexta publicação V Sétima publicação V As setes publicações da Vogue Instastories IGTV GLAMOUR Feed Primeira publicação G Segunda publicação G Terceira publicação G Quarta publicação G Quinta Publicação G Sexta publicação G Sétima publicação G As setes publicações da Glamour Instastories IGTV CONCLUSÃO DA ANÁLISE CONSIDERAÇÕES FINAIS...86 REFERÊNCIAS...89

12 12 1 INTRODUÇÃO Com a revolução da internet e a criação das redes sociais, as mudanças no jornalismo foram inevitáveis. Novas formas de fazer jornalismo foram adotadas para suprir as diferentes necessidades que esse ambiente trouxe. O papel do leitor e do jornalista, além dos gêneros e as narrativas, também mudaram para se adequarem a esse novo espaço comunicacional. As notícias se converteram para vários formatos narrativos, em que a utilização de imagem, de texto e de vídeo em uma única notícia tornou-se comum. As revistas de moda são um exemplo desta migração de plataforma, pois, atualmente, é comum uma leitora que antes lia conteúdos de moda em uma revista impressa, acesse agora o Instagram desta revista para ler as matérias postadas. O Instagram surgiu em 2010 com o intuito de compartilhar fotos e vídeos exclusivamente para dispositivo móvel. Com o passar dos anos, diferentes ferramentas foram desenvolvidas, como o InstaStory e o IGTV, atualmente está é a mais nova função deste aplicativo. Consequentemente, os canais de comunicação que emergiram nesta rede se apropriaram destas ferramentas para complementar seus conteúdos. A problemática deste trabalho pressupõe de que forma as ferramentas do Instagram influenciam a construção da notícia de moda, evidenciando seus gêneros textuais? Desta maneira, entendendo a importância das mudanças na construção de uma notícia no ambiente online, como os elementos narrativos do jornalismo online e sua influência no jornalismo de moda nas redes sociais, o objetivo geral desta monografia é compreender como o jornalismo de moda utiliza o Instagram para informar. Para isso, esta pesquisa tem como objetivos específicos compreender o conceito e a história do jornalismo, revisar a história e a apropriação do jornalismo na internet e nas redes sociais, estudando as narrativas jornalísticas online, compreender a importância do jornalismo de moda no contexto atual e analisar a produção de conteúdos jornalísticos de moda das revistas Vogue e Glamour no Instagram, examinando quais são suas características narrativas e imagéticas e de que forma as ferramentas (Feed, InstaStory e IGTV) desta rede social são utilizadas. Para a realização desta monografia, dois métodos serão utilizados: a análise bibliográfica para compreender as narrativas e os gêneros jornalísticos assim como estudar os gêneros textuais do jornalismo de moda; análise de conteúdo para examinar

13 13 as narrativas jornalísticas das publicações do Instagram da revista Vogue e Glamour, assim compreender quais são as narrativas presentes nesta rede social, além de examinar as novas ferramentas do Instagram, como InstaStorie e IGTV na construção da notícia de moda. A linha de pesquisa deste trabalho é Cultura e ambientes midiáticos. Desta forma, a estruturação da pesquisa será dividida em seis seções, sendo a primeira a introdução, a segunda, terceira e quarta seções de revisão bibliográfica de conceito e história do jornalismo, do jornalismo online, da narrativa e seus elementos narrativos, além de compreender a importância do jornalismo de moda e sua função como notícia, revisando a apropriação das revistas de moda no Instagram. Para compreender de que forma as notícias de moda são construídas no Instagram, a quinta e a sexta seção, por meio da análise de conteúdo, examinará as publicações online das revistas Vogue e Glamour no Instagram, além de apresentar as considerações finais do trabalho. Deste modo, o trabalho se baseia nos conceitos abordados pelos autores Traquina (2005), Canavilhas (2014), Palácios (2002), Marcondes Filho (2000), Recuero (2009), Mielniczuk (2003), Pinho (2003), Salaverria (2014), Jenkins (2009) e Bertocchi (2016) para explicar a história e os conceitos do jornalismo online e narrativas jornalísticas, e os autores como Joffily (1991), Miranda e Garcia (2011), Crane (2009), Scalzo (2004), Ali (2007), Melo e Assis (2016), Lipovetski (1989) e Barthes (2009) para fundamentar os conceitos e a história da revista e do jornalismo e produção de moda.

14 14 2. O JORNALISMO O jornalismo é uma prática que, por meio de relatos sobre determinados acontecimentos, contribuí com a construção de uma realidade. Sodré (1999) explica que a produção de notícias é baseada a partir do reflexo do jornalista para representação de uma certa realidade. Deste modo, esse reflexo é apenas uma dimensão na construção e percepção da realidade que ocorre de forma discursiva (apud SILVA, 2012, p. 9). Barreiros (2003, p. 19) explica que, de certa maneira, o jornalismo não reproduz a realidade, mas constrói textos com o efeito de sentido de verdade. Sendo assim, a produção de uma matéria jornalística tenta reproduzir uma realidade da maneira que ela aconteceu, a partir de um ponto de vista. Contudo, o autor pontua que uma notícia, na maioria das vezes, é escrita do ponto de vista do objeto e não do sujeito (2003, p. 27). O jornalismo trabalha com a verdade, os fatos, tal qual acontecem. A notícia, matéria prima do jornalismo, e o relato fiel do que ocorreu. E o dever ético do repórter é narrar os fatos. [...] A realidade apresentada nas páginas dos jornais não reproduz a realidade, mas constrói pelos próprios jornais, que apresentam ao leitor uma verdade fabricada graças ao uso de técnicas que buscam causar no leitor a impressão de que aquilo que ele encontra nas páginas dos jornais e o simples relato objetivo dos fatos, exatamente como eles se deram. [...] O jornalismo buscaria a reprodução da verdade, o relato daquilo que de fato aconteceu, e tal como aconteceu. No jornalismo não há espaço para ficção: tudo que se relata e real, verdadeiro. O espaço da ficção seria o da literatura (BARREIROS, 2003, p ). A teoria do jornalismo intitulada como Construcionista originada em 1970, a partir de teóricos como Stuart Hall, Gaye Tchuman, Schudson, Dardene e entre outros, estuda a notícia como construção, evidenciando sua narrativa como complemento em relatar uma realidade. Deste modo, as narrativas utilizadas em uma notícia ajudam a construir, de certa forma, a realidade do acontecimento sem que aconteça distorção dos fatos (HOHLFELDT, MARTINO, FRANÇA, 2011). Sousa (2008, p. 5) complementa que as notícias são histórias que resultam de um processo de construção linguística, organizacional, social e cultural, pelo que não podem ser vistas como o espelho da realidade. Contudo, Traquina (2005) esclarece que essa teoria defende as narrativas como construção e as notícias como estórias, mas isso não significa que essa corrente de estudo assume as notícias como caráter ficcional. Para o autor, o jornalismo é a forma como a vida é contada e narrada, é a vida em todas as suas dimensões, como uma

15 15 enciclopédia [...], é um conjunto de estórias, estórias de vida, estórias das estrelas, estórias de triunfo e de tragédia (TRAQUINA, 2005, p ). Deste modo, o autor ressalta que a prática jornalística sempre existiu. Contudo, a sua expansão se originou após o advento da tipografia de Gutenberg no século 15 e a chegada da imprensa no século 19, que massificou os jornais. Com isso, o jornalismo se tornou o principal dispositivo enformador da aldeia global (SOUSA, 2008 p. 4), e os jornais se tornaram os principais meios de comunicação e de divulgação de notícias, adquirindo um aspecto de indústria jornalística. 2.1 DOS VEICULOS TRADICIONAIS AO AMBIENTE ONLINE No Brasil, a imprensa surgiu com a chegada da família real em 1808 (GLANZMANN, OLIVEIRA, 2010). O primeiro jornal editado no país foi o jornal Gazeta do Rio de Janeiro, que tinha como objetivo e função divulgar assuntos dos interesses da coroa, sem possuir um conteúdo social. Contudo, o primeiro jornal brasileiro foi lançado na Inglaterra chamado de Correio Brasilienze, sendo editado por José Hipólito de Costa com o intuito de fazer circular conteúdos fora do domínio do governo português (BRANDÃO, JARDIM, 2014). O surgimento da imprensa no Brasil e no mundo, proporcionou um novo momento ao jornalismo. Traquina (2005) relata que neste período, também conhecida como penny press, a prática jornalística e as redações de jornais se expandiram, o que contribuiu com a criação de novos empregos e com a contratação de vários profissionais empenhados a melhorar essa profissão. Com isso, o autor relata que esses profissionais desenvolveram um novo propósito ao jornalismo: noticiar e não fazer propaganda. Dessa maneira, a notícia se tornou baseada somente em fatos e não em opiniões, com a proposta final de servir apenas aos leitores e não aos políticos, assim como Marcondes filho cita no livro Comunicação e Jornalismo (2000, p. 12), o jornalismo vai deixando de ser um instrumento dos políticos para ser uma força política autônoma. No entanto, ainda no século 19, as transformações tecnológicas da época reivindicaram das empresas jornalísticas uma competência financeira de autossustentação. E com isso, incorporou no jornalismo pesados pagamentos periódicos para amortizar a modernização de suas maquinas, além de, transformar uma atividade praticamente livre de pensar e de fazer política em uma operação que

16 16 precisará vender muito para se autofinanciar. Em consequência, a prática jornalística ficou sujeita ao domínio do poder financeiro e da autoridade pública (MARCONDES FILHO, 2000, p. 13). Bourdieu (1997), citado por Silva (2012, p.4, grifo do autor), ressalta que devido ao impacto dessas novas mudanças, os jornais começaram a trabalhar com a notícia em tempo real, em que, a atividade jornalística começou a ser orientada pela pressão do tempo, do imediatismo e pelo furo de reportagem. Traquina (2005, p. 53) também ressalta que esses aspectos da imprensa nesta época marcaram o jornalismo do século 19 como iria marcar toda a história do jornalismo ao longo do século 20, até o presente, apertando cada vez mais a pressão das horas de fechamento, permitindo a realização de um valor central da cultura jornalística o imediatismo. O autor ainda comenta que nesse período surgiu a figura do repórter e a adoção da técnica da entrevista com uma multiplicidade de fontes e utilização de testemunhas oculares. Assim, os conteúdos noticiosos começaram a ter uma apuração mais fundamentada, inserindo características do jornalismo investigativo e utilizando narrativas com técnicas descritivas, as quais, transformou a notícia em um produto, procedendo de tal modo, o início da pirâmide invertida e a utilização do lide, formato dominante a partir de 1900 e utilizada até hoje (TRAQUINA, 2005). Silva afirma que: o século XIX foi o período da História de maior importância para a imprensa devido a fatores como a evolução dos sistemas econômico e político, os avanços tecnológicos, transformação sociais e o reconhecimento da liberdade em rumo à democracia. Quando o jornalismo se expandiu transformando-se em um negócio lucrativo e rentável conseguiu também sua independência econômica em relação aos subsídios políticos que dominava a imprensa em seus primórdios (SILVA, 2010, p. 2). Sodré (1999 apud SILVA, 2012) reforça que nesse período, devido à demanda em produzir cada vez mais notícias, houve um crescimento das empresas jornalísticas. Contudo, para Marcondes Filho (2000), o desenvolvimento das indústrias publicitárias como novas formas de comunicação distorceu a essência do jornalismo, no qual, o autor explica essa descaracterização da prática jornalística como um enfraquecimento dos princípios da construção da notícia em si.

17 17 o processo de desintegração da atividade, seu enfraquecimento, sua substituição por processos menos engajados (que já não buscam a verdade, que já não questionam a política ou os políticos, que já não apostam numa evolução para uma sociedade mais humana ) é um sintoma de mudança dos tempos e dos espíritos (MARCONDES FILHO, 2000, p. 15, grifo do autor). Foi no final do século 19 e início do século 20 que o jornalismo incorporou novos gêneros textuais, como reportagem, nota, crônica, entrevista, entre outros. Ainda no mesmo período, os conteúdos mais segmentados tiveram desenvolvimento como Silva descreve: Então, surgiram as editorias especializadas em temas e abordagens específicas como esportes, lazer, vida social e cultural, crítica literária, notícias policiais, regionais, nacionais, internacionais (SILVA, 2012, p.5). Essas editorias segmentadas são características marcantes no século 20. Os jornalistas começaram a escrever matérias baseadas em seu gosto pessoal, considerando afinidades com temas que habitualmente costumavam cobrir ou que abordavam com maior facilidade. Essa tendência de especialização incentivou os repórteres a escrever para públicos específicos (SILVA, 2012, p. 6). No Brasil, o século 20 caracterizou-se por grandes mudanças na história do país, pois é o período em que o Brasil deixava de ser Império e entrava na República sem se configurar como nação, consolidando o jornalismo como uma empresa que vende informação (SCHERER, 2014, p. 2). Costella (1964) afirma que por meio dessas mudanças, o texto das notícias deixa de ser opinativo e assume um caráter informativo, mudando conceitos da prática jornalística, dedicando-se mais à notícia (apud SCHERER, 2014) A influência da tecnologia no jornalismo Marcondes Filho (2000, p. 30) descreve que neste período, século 20, o jornalismo foi marcado pela era tecnológica. O autor aponta dois processos fundamentais que caracterizam essa fase, como a ampliação da indústria da consciência no plano das estratégias de comunicação e persuasão dentro do noticiário e da informação, ou seja, o aumento das matérias realizadas pela imprensa, fornecidos aos jornais por meio de agentes empresariais e públicos. Outro processo retratado pelo autor foi a substituição do jornalista pelos sistemas de comunicação eletrônica, pelas redes, pelas formas interativas de criação,

18 18 fornecimento e difusão de informações (MARCONDES FILHO, 2000, p.30), na produção recolhimento de materiais para as produções das notícias. Para Barcelos, ainda no século 19, as primeiras fotografias foram tiradas por Joseph Nicéphore Nièpce, em que, devido os instrumentos usados na época, as imagens demoravam horas para serem capturadas. Foi a partir de 1880 que surgiu a técnica que permitiu a reprodução das fotografias em jornais e revistas (BARCELOS 2003, p. 1). Entretanto, Costa (1999, p.2) afirma que foi Louis Daguerre, que ficou com a glória de inventor da fotografia. Daguerre, após ter divulgado o seu processo, tornou-o acessível ao público em 19 de agosto de 1839, em que, foi nesse momento que a Academia de Artes e Ciências da França anunciou o nascimento da fotografia. O processo para introduzir as imagens nos veículos de comunicação foi lento. Os editores desvalorizaram, por muito tempo, a seriedade da informação fotográfica que, para eles, não se encaixava nas convenções nem na cultura jornalística de então. Além disso, [...] as câmeras eram pesadas, o flash de magnésio exalava mau cheiro (BARCELOS, 2013, p. 1). Entretanto, para Lima (1989, p. 9): a introdução da fotografia na imprensa foi um fenômeno de importância capital. Ela mudou a visão das massas. Até então o homem comum só visualizava os acontecimentos que ocorriam ao seu lado, na rua, em sua cidade. Com a fotografia, uma janela se abriu para o mundo. Os olhares dos personagens públicos, os acontecimentos que ocorreram no próprio país e fora das fronteiras ficam familiares. Com o alargamento do olhar o mundo se estreitou. Sousa (2002, p. 14) afirma que com o surgimento do primeiro tabloide fotográfico, o Daily Mirror, em 1904, as fotografias deixaram de ser secundarizadas como ilustrações do texto para serem definidas como uma categoria de conteúdo tão importante como a componente escrita. Com isso, surgiu a cobertura baseada em uma única fotografia considerada exclusiva, conhecida como a técnica de scoop (furo). Barcelos (2013, p. 8) reforça que nessa época os jornais passaram a dar mais atenção à fotojornalismo, valorizando o scoop, a velocidade e o sensacionalismo. A popularização da utilização das imagens fotográficas na imprensa foi ampliada a partir de Sousa (2002, p. 17) pontua alguns elementos que justificam essa ampliação, como: a influência do cinema, as práticas de fotografia documental dedicada a fins sociais, o surgimento do fotojornalismo de autor, a compreensão da foto

19 19 como fator de legibilidade e acesso aos textos, as modificações na diagramação e designer dos jornais norte-americanos, valorizando as fotos, além da utilização do fotojornalismo na cobertura de guerras e, por fim, o avanço tecnológico desenvolvendo câmeras menores e mais rápidas. é na década de trinta do século XX que o fotojornalismo vai integrar-se, de forma completa, nos jornais diários norte-americanos, de tal modo que, no fim da década, e em comparação com o seu início, o número de fotografias nos diários tinha aumentado dois terços, atingindo a média de quase 38% da superfície em cada número. (Nerone e Barnhurst, 1995) Alguns jornais, como o New York Evening Graphic, usavam até fotomontagens obscenas para vender nos tempos de crise (SOUSA, 2002, p. 20, grifo do autor). Foi também por volta desse período que a notícia radiofônica surgiu. No Brasil, o registro do surgimento da primeira emissora de rádio, chamada de Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, foi em Contudo, de acordo com os autores Oliveira e Menenguel (2008), a primeira experiência radiofônica foi a transmissão em praça pública do discurso do presidente Epitácio Pessoa em Foi a partir da notícia transmitida no rádio que muitas pessoas da época, analfabetas, informavam-se. Tavares (1997 apud GOMES, SANTOS, 2017, p. 19) definiu a importância deste meio comunicacional, afirmando que: o rádio é o jornal de quem não sabe ler; é o mestre de quem não pode ir à escola; é o divertimento gratuito do pobre; é o animador de novas esperanças; o consolador do enfermo; o guia dos sãos, desde que o realizem com espírito altruísta e elevado. A partir dos anos 1950, o rádio sofre consequências devido ao surgimento de um novo meio de comunicação: a Televisão. No Brasil, em 18 de setembro de 1950 foi inaugurada a primeira emissora de Televisão, a PRF-3 TV Difusora, e posteriormente, surgiu a TV Tupi de São Paulo, com a iniciativa do jornalista Assis Chateaubriand. Foi a TV Tupi que inaugurou o primeiro telejornal, a imagem do dia, com modelo próximo ao do rádio, ou seja, com locução em off. O primeiro telejornal de sucesso surgiu em 1953, conhecido como Repórter Esso e ficou entre os dez programas de maior audiência de São Paulo (PEREIRA, 2005, grifo do autor). Com o passar dos anos, o jornalismo foi se adequando às novas tecnologias do rádio e da televisão modificando-se, como sua narrativa e sua forma de noticiar, de

20 20 acordo com os contextos sociais que transitava. Marcondes Filho (2000, 31) comenta que as tecnologias mudam as linguagens dos conteúdos, e cita que o fascínio da imagem, definido como critério principal dos meios visuais, passa a ditar a hierarquia da comunicação, sendo considerada primeiro a qualidade da imagem, e depois a narrativa da notícia. Esse preceito da protagonização da imagem é um aspecto importante dos meios de comunicação online. Mas antes de falar sobre o jornalismo online, é necessário compreender sobre o início da internet. Foi em 1969 que surgiu a internet nos Estados Unidos, originada por um órgão do governo conhecido como o Advanced Research Projects Agency (Arpa Agência de Pesquisa e Projetos Avançados), que desenvolveram a Arpanet. No início, a internet foi criada com o objetivo de ser uma rede que trocava informações entre computadores, com o intuito de gerar uma comunicação que informava sobre possíveis ataques de guerra no país. Em 1983, a Arpanet deixou de ser criada apenas para fins de segurança e se dividiu entre mielt, com intenções a práticas militares, e entre a nova Arpanet, uma rede com propósitos de pesquisa, que progressivamente começa a ser chamada de Internet. A qual, posteriormente foi transferida como responsabilidade da National Science Foundation (NSF) (NASCIMENTO, 2004, p. 14). Pinho (2003) pontua que a NSF desenvolveu uma nova rede para comunicar pesquisadores em vários países, na qual, a partir desse momento, a internet se popularizou em meados da década de tal como os seus antecessores, este meio passou várias décadas num estado larvar, desde os anos 60. No entanto, na última década do século XX, o desenvolvimento da internet deu um salto qualitativo graças, especialmente, à tecnologia Web. O recurso ao hipertexto foi potenciado, ao mesmo tempo que se simplificou precisamente a apresentação simultânea de vários tipos de elementos multimídia (SALAVERRÍA, 2014, p.32, grifo do autor). A ascensão da internet se deu com o surgimento da World Wide Web (WWW) em 1991, desenvolvida pelo o engenheiro Tim Berners-Lee no Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) criando assim a configuração da rede mundial que utilizamos hoje e que, tal sua importância, representa aos olhos do usuário a própria Internet (NASCIMENTO, 2004, p. 15). Pinho reforça que:

21 21 a World Wide Web é fundamentalmente um modo de organização da informação dos arquivos na rede. O método extremamente simples e eficiente do sistema de hipertexto distribuído, baseado no modelo cliente-servidor, tem como principais padrões o protocolo de comunicação HTTP, a linguagem de descrição de páginas HTML e o método de identificação de recursos URL (PINHO, 2003, p. 33). A partir disso, a internet adotou uma linguagem mais simples, permitindo a várias empresas, organizações, entidades públicas ou privadas, a acessarem esta rede para divulgar seus produtos e criar uma relação com os clientes/usuários. Foi neste contexto que os veículos de comunicação também decidiram apropriar da internet para ter maior alcance em seus conteúdos, transformando esta rede online em um novo canal de comunicação (NASCIMENTO, 2004, p. 17). Pinho ressalta que o jornalismo online ao surgir teve, em consequência, a reintegração com a globalização. (PINHO, 2003). Assim, a internet possibilitou uma facilidade na disseminação de notícias, em que, o jornalismo se tornou digital, adotando características narrativas próprias de sua plataforma. 2.2 JORNALISMO ONLINE A migração do jornalismo para internet foi inevitável. Nesse espaço as informações se tornam onipresentes, facilitando a comunicação e a troca de conhecimentos (BERTOCCHI, 2016). O primeiro relato da apropriação do jornalismo na Web foi nos Estados Unidos, na década de 1970, no jornal The New York Times. No Brasil essa migração aconteceu após a expansão do World Wide Web (www) aproximadamente em 1994 (IVASSAKI, 2005). O primeiro veículo jornalístico do Brasil a lançar um site noticioso na internet foi o Jornal do Brasil em Posteriormente, o jornal O Globo e a agência de notícias Agência Estado também surgiram nesse meio ajudando no ponta-pé do jornalismo na Internet no país (REGES, 2010, p.14). Um ano depois, em 1996, foi lançado o primeiro jornal em tempo real, em língua Portuguesa da América Latina, o Brasil Online (atualmente Folha Online) com matérias feitas na redação com a convergência de áudios como forma de

22 22 complementação nos conteúdos da web. Sucessivamente, com a popularização desse novo ambiente, novas plataformas de jornalismo na internet foram desenvolvidas, como o Último Segundo (US) criada nos anos 2000 pela Internet Grátis, sendo considerado por alguns autores como o primeiro jornal brasileiro voltado especificamente para a internet (IVASSAKI, 2005). No início, o jornalismo apenas transferia seus conteúdos impressos para o ambiente online. Posteriormente, com o passar dos anos, foi adotando características próprias da rede para construir as notícias. Os autores Pavlik (2001 apud CANAVILHAS 2005) e Mielniczuk (2001 apud DREVES, PALMAS, 2006) separaram a evolução do jornalismo na web em três fases, ou gerações: a) no primeiro momento, os conteúdos impressos foram publicados na internet sem grande mudança, não existia uma narrativa própria para este meio; b) na segunda fase os conteúdos ainda possuíam características do primeiro período, mas já eram produzidos direccionalmente para o ambiente online, podendo ter, ou não, características de uma linguagem própria para o meio, como os hiperlinks, utilizações de vídeos, fotos, sons e com aplicações interativas, surgindo sucessivamente a terceira fase; c) na terceira geração, a noticia é construída exclusivamente pensada para a web, possuindo a convergência de todas as características narrativas; Alguns autores ainda separam as fases do jornalismo na internet em quatro ou cinco períodos. Schwingel (2005, p. 1) afirma a existência de uma quarta geração ao jornalismo online que representa a efetiva industrialização de processos que hoje são elaborados muitas vezes de forma intuitiva e artesanal. No entanto, de maneira geral, todas fases tem o mesmo conceito de tempo e características. as empresas jornalísticas começam então a otimizar o espaço no Jornalismo Online, no sentido do melhor aproveitamento das características da rede, com a real convergência dos meios, possibilitando não só a leitura na Web, mas também proporcionando ao internauta o acesso a som, animação, imagens em movimento, com forma de explorar as potencialidades da rede (DREVES, PALMA, 2006, p. 2, grifo do autor). Mielniczuk aponta várias nomenclaturas ao jornalismo na internet, separandoas de acordo com cada função, bem como: Jornalismo digital ou multimídia, citado por Gonçalves (2000 apud MIELNICZUK, 2003, p. 24), como uma característica do meio, não contemplando todas as especificidades da nova realidade. Já o jornalismo

23 23 eletrônico é explicado pela autora como o termo mais abrangente, e refere-se a uma prática que utiliza de equipamentos e recursos eletrônicos para construir uma notícia. O conceito de Ciberjornalismo origina-se do termo ciber, como um espaço hipotético ou imaginário no qual se encontram imersos aqueles que pertencem ao mundo da eletrônica, da informática (GIBSON, 1991 apud MIELNICZUK, 2003, p. 25). Além desse conceito inicial, Mielniczuk (2003, p. 27) define o ciberjornalismo como uma prática que é auxiliada a partir de tecnologias dentro deste espaço. Outros termos pontuados pela autora são o Jornalismo online, sendo desenvolvido utilizando tecnologias de transmissão de dados em rede e em tempo real ; e o Webjornalismo definido pela autora e por Canavilhas (2001) como uma prática jornalística que tem o enfoque na utilização de uma parte específica da internet, que é a web (apud MIELNICZUK, 2003, p. 27). Porém, atualmente, o Jornalismo na Web adota todos os termos com um mesmo significado, bem como: Jornalismo Online, Ciberjornalismo, webjornalismo, jornalismo digital, jornalismo multimídia, entre outros. Assim como Palácios (2011 apud LIMA, 2016, p. 6) defende, que o jornalismo na internet pode adotar quaisquer termos referente a esse conceito, pois, independente da definição, o jornalismo no ambiente online é uma prática jornalística realizada de alguma maneira na Internet com suporte dos meios digitais. Canavilhas (2005, p. 1) reforça esse conceito, e para o autor o jornalismo online não é mais do que uma simples transposição do velho jornalismo escrito, radiofónico e televisivo para um novo meio. Nunes (2018, p. 13) complementa que as nomenclaturas do jornalismo na internet ainda não possuem uma unanimidade no mundo acadêmico. Deste modo, esta pesquisa adota o termo como jornalismo online, pois assim como Mielniczuk e Canavilhas, compreende essa prática como o jornalismo realizado dentro do ambiente online, transmitindo as notícias em tempo real Web 2.0 A partir de 2004, um novo ambiente tecnológico e social foi captado, intitulada como Web 2.0. De acordo com Steganha (2010, p.12) esse ambiente potencializa a atividade coletiva, reconfigura a troca, a produção e a distribuição das informações

24 24 dentro da rede por meio de um sistema de cooperação entre os internautas. A web 2.0 reestruturou a troca e a distribuição de informações e principalmente a produção de conteúdo. Esse processo desenvolveu e incorporou a técnica de cooperação e participação entre os usuários. As comunidades, blogs (considerada primeira ferramenta da Web 2.0), sistemas de assinaturas, Wikis (enciclopédia online), as redes sociais, além do uso das tags (tagging). é como se todos fossem vizinhos, apesar de poderem estar distantes milhares de quilômetros uns dos outros, compartilhando preferências, confidências, namorando ou mesmo falando de trabalho. Basta apenas a conexão com uma ou mais redes sociais (STEGANHA, 2010, p.10). Nesse espaço, a forma de fazer jornalismo foi modificada e a sua essência permaneceu a mesma - apuração dos fatos, ouvir diversas fontes, captar imagens intrigantes, entregar o conteúdo mais rápido, a procura pela verdade, objetividade e a prestação de serviço ao público. No entanto, a maneira de realizar essas etapas foram remodeladas com o acesso e a mobilidade da internet. Bertocchi (2016) afirma que esse novo espaço comunicacional permitiu para a população mais facilidade de acesso às informações. Desse modo, o receptor além de ser mais imersivo, também se transformou em um leitor móvel e interativo, no qual, o papel do jornalista se tornou como um mediador no fluxo de notícias. Steganha concorda com os benefícios do jornalismo na internet: o mundo ficou mais próximo para o jornalista da Sociedade da Informação, e apurar uma notícia tornou-se um processo mais ágil e menos dispendioso. Com um clique ou uma ligação para um telefone móvel ou fixo é possível saber o que acontece do outro lado do planeta em tempo real. Nada mais de esperar as agências internacionais repassarem as notícias. Basta um , um SMS, um telefonema, um scrap ou uma twittada para se obter instantaneamente a informação (STEGANHA, 2010, p. 13, grifo do autor). Nesse ambiente, as funções do emissor e receptor se remodelaram. O leitor é participativo e pode publicar informações de alguma notícia, na maioria das vezes por meio de relatos sobre acontecimentos vividos ou presenciados por ele. É como se todo cidadão que tem acesso às tecnologias se tornasse uma fonte de informação (STEGANHA, 2010, p. 18). Contudo, para os autores Aguiar e Barsotti (2012) a Web, de certa forma, complicou o trabalho do jornalista, sobre o qual, é questionado o papel

25 25 desse profissional diante de um ambiente em que todos dominam, e que qualquer um pode ser um repórter ou uma fonte exclusiva. Os autores ainda perguntam qual a melhor forma de aproveitar a contribuição/participação desses usuários e demonstram uma preocupação com a colaboração desses leitores, pois afirmam que tal internauta pode resistir a contribuição de informação, optando por ele mesmo a divulgar a notícia em suas redes sociais. Além de colaborar com a construção da notícia, esse usuário também tem a capacidade da distribuição dessas notícias, presentes nos veículos de comunicação, por meio da rede online, mais especificamente, de suas redes sociais. Nesse contexto, outro problema foi originado pelo ciberespaço: o constante fluxo de notícias construídos por fontes questionáveis, já que todos podem criar uma informação, seja ela verdadeira ou não. Desta maneira, esse leitor pode colaborar, ainda que inconsciente, a distribuição de falsa notícias (ROCHA, LAVARDA, SILVEIRA, 2018). Vários veículos de comunicação já desenvolveram diferentes maneiras de aproveitar as participações dos leitores, como, por exemplo, a adoção de um espaço para os receptores compartilharem suas opiniões e informações nos grandes portais de comunicação. As opções deixe sua opinião, ou Comunique erros presente, por exemplo, no site da Gazeta do Povo e erramos no site da Folha de São Paulo são exemplos destas participações. Esses conteúdos compartilhados com os veículos de comunicação, seja imagem, vídeo, ou apenas o relato textual, são utilizados, em alguns casos, nas construções das reportagens. as novas tecnologias da comunicação e informação (NTICs) estão mudando não só o jornalismo on-line, mas sim todas as formas de se fazer jornalismo; estão alterando o processo de produção da notícia, graças, como vimos, aos dispositivos que agilizam a apuração dos fatos e o acesso às fontes. Mais uma vez, o ambiente on-line possibilita experiências como a convergência entre mídias, além de um processo contínuo de produção de informação (STEGANHA, 2010, p. 31). A construção das notícias no jornalismo online adota novas características a partir da era da convergência retratada por Jenkins no livro Cultura da Convergência, em que representa uma transformação cultural, à medida que consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer conexões em meio a conteúdos de mídia dispersos (2009, p ). Sendo assim, o jornalismo neste ambiente incorpora

26 26 novas características que afetam o modo de produção, distribuição e consumo dos conteúdos (SALAVERRÍA, 2008) O jornalismo na era da convergência Nessa era da convergência, a construção dos conteúdos, sua forma e seus elementos narrativos, foram modificados. A era da convergência é pautada por Jenkins (2009) como uma relação desenvolvida entre as pessoas e as novas mídias e que deve ser compreendida como um processo cultural. a convergência das mídias é mais do que apenas uma mudança tecnológica. A convergência altera a relação entre tecnologias existentes, industrias, mercados, gêneros e públicos. A convergência altera a lógica pela qual a indústria midiática opera e pela qual os consumidores processam a notícia e o entretenimento. Lembre-se disto: a convergência refere-se a um processo, não a um ponto final [...]. Estamos entrando em uma era em que haverá mídias em todos os lugares. A convergência não e algo que vai acontecer um dia, quando tivermos banda larga suficiente ou quando descobrirmos a configuração correta dos aparelhos. Prontos ou não, já estamos vivendo numa cultura da convergência (JENKINS, 2009, p. 43). Na era da convergência, as novas tecnologias da informação e da comunicação modificam os modos de construção da narrativa e as práticas jornalísticas (SOUZA, 2018, p. 2). Jenkins (2009) complementa e afirma que essa cultura da convergência remodelou a relação dos veículos de comunicação e os leitores, além de ter modificado a estrutura narrativa de uma notícia. O autor (2009, p. 138) nomeia essa estrutura de narrativa transmídia ou transmedia storytelling, e explica que esse modelo narrativo é uma resposta à convergência, na qual uma história desenrola-se através de múltiplas plataformas de mídia, com cada novo texto contribuindo de maneira distinta e valiosa para o todo. Inspirado por esse conceito, Martins resume a transmidialidade como uma relação entre as histórias, ligadas pelo mesmo enredo e narradas por meios diferentes (2015, p. 189). Gutemberg e Lima (2017, p. 2) afirmam que são necessárias duas características fundamentais para uma narrativa ser considerada transmídia, como a adição de conteúdo, e a participação do público/usuário, em que, deve existir uma participação, pois o público precisa contribuir na construção do conteúdo. Figueiredo (2016, p. 46), do mesmo modo que Jenkins (2009), chama essa característica como

27 27 cultura participativa, que contrasta com a noção de passividade do público, que abandona o papel de simples consumidor de produtos de mídias e passa a participar, interagir e até mesmo produzir seu próprio conteúdo midiático. A autora ainda afirma que a narrativa transmídia, apoia-se em uma tríade, entre a cultura participativa, explicado anteriormente, a convergência dos meios de comunicação e a inteligência coletiva. A convergência dos meios de comunicação é explicada como fluxos de conteúdo através de múltiplas plataformas de mídias (2016, p. 46). Quanto ao conceito de inteligência coletiva, de acordo com Pierre Lévy, refere-se à estratégia de consumo encontrada para fazer frente ao grande fluxo de informações dos nossos dias (apud FIGUEIREDO, 2016, p. 46). Para Souza (2018 p.2) esse aspecto narrativo - Storytelling é muito utilizado no jornalismo atualmente, pois, corresponde a uma técnica narrativa que consiste basicamente em apropriar-se de discursos e ações para transformá-los em relatos. Cunha e Mantello (2014) exemplificam o conceito, no qual, o jornalista é o contador (teller) e o fato selecionado (story) é aquilo que será narrado. Dessa maneira, storytelling é a utilização de alguns discursos para narrar uma história. Assim como pontua Figueiredo: uma vez que um único texto não conseguiria abranger todo o conteúdo da narrativa, um texto central oferece vários pontos de acesso ao enredo, pontos esses que são explorados em outras mídias tais como jogos digitais, histórias em quadrinhos, sites, vídeos online, blogs, redes sociais etc. Assim, através da narrativa transmídia, pode- -se, por exemplo, desenvolver histórias de personagens secundários, apresentar outras perspectivas da narrativa, completar buracos da história, ou ainda fazer uma ponte entre um filme e sua sequência (2016, p. 46, grifo do autor). Cunha e Mantello (2014) realçam que a técnica do Storytelling assemelha-se ao jornalismo literário ao narrar uma história. Contudo, a técnica do storytelling não necessariamente está atrelada à reportagem densa e literária dos veículos impressos, que hoje precisam adaptar-se à convergência de plataformas. Os autores ainda afirmam: portanto, storytelling está mais próximo de uma técnica de redação do que de ser outra nomenclatura para o Novo Jornalismo, visto que pode ser aplicado em qualquer meio de comunicação e em qualquer natureza de texto. Também vai além do jornalismo, visto que é uma técnica de redação aproveitada por este último para reportar histórias apuradas. É possível, portanto, aplicar a técnica do storytelling na redação publicitária ou em produtos e estratégias da comunicação organizacional, por exemplo (CUNHA, MANTELLO, 2014, p. 60).

28 28 Foi neste ambiente online que surgiu as redes sociais mais conhecidas, como o Facebook, Twitter e Instagram. Ainda que essas redes não tenham sido criadas para o jornalismo, a apropriação destas plataformas para informar foi inevitável. Novas maneiras de fazer jornalismo foram mais uma vez desenvolvidas para suprir as necessidades desse novo espaço. 2.3 O JORNALISMO NAS REDES SOCIAIS Com a expansão da internet e a criação de comunidades, blogs, sites de relacionamentos e, posteriormente, os desenvolvimentos das redes sociais, mudaram as formas de comunicação, de relacionamentos e de trocas de informações, sendo mediadas por computadores e, nos últimos anos, por celulares. Por ser um ambiente midiatizado, em que a troca de informações é constante, a facilidade de acesso permitiu uma propagação de culturas compartilhadas, criando o que Pierre Levy chama de Cibercultura. De acordo com o autor, cibercultura é o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço (LEVY, 1999, p. 18). Canavilhas (2011), citado por Aroso (2013, p. 6), realça que este ambiente mejora la transformación de las audiencias en las comunidades, situación que tiende a generar lealtad de los consumidores por el desarrollo de sentimientos de pertenencia a una comunidad. Mas, ainda que essas redes não tenham sidos desenvolvidas para o jornalismo, a migração dos meios de comunicação para este ambiente foi inevitável. Recuero define a rede social como uma ligação de dois elementos, as pessoas, ou instituições e grupos a que ela chama de atores, e suas interações e conexões nestas redes sociais, ou seja, uma rede social, assim, é uma metáfora, para observar os padrões de conexão de um grupo social, a partir das conexões estabelecidas entre os diversos atores (RECUERO, 2009, p. 24). Desse modo, a utilização do jornalismo nas redes sociais como, Instagram, Facebook, Twitter, entre outros, tornou-se uma prática bastante comum, possibilitando aos leitores complementar a informação pelos comentários, mensagens diretas, além de compartilhar os conteúdos em seus perfis pessoais (LUZ, WOITOWICZ, 2017, p 4).

29 29 Aroso (2013) complementa, afirmando, que a participação deste usuário é uma característica bem forte na rede. Essa atividade tem várias nomenclaturas, entre elas jornalismo participativo, jornalismo colaborativo, jornalismo cidadão, cultura participativa e entre outros. Essa característica jornalística se originou no impresso por meio de cartas e ligações telefônicas e, até mesmo, por sugestão de pautas. No ambiente online, com a facilidade de acesso, o jornalismo participativo passou a ter uma maior importância, pois, o leitor, nesse ambiente, tem mais liberdade em se expor, participar, publicar e compartilhar as informações (AROSO, 2013). Viegas ressalta que hoje o jornalismo conta com a colaboração de um usuário comum que busca pela sua exposição e liberdade de expressão junto à sociedade contemporânea: ele é visto nas redes sociais como um ator social (2015, p. 13). Para Aroso: esta ocorre de diversas formas, na medida em que o público é convidado a dar o seu contributo através de: comentários, blogs, fóruns, redes sociais, chats, envio de fotografias, vídeos ou textos. Tudo isto tem repercussões: no jornalismo nas rotinas produtivas, na agenda, nos recursos e fontes utilizadas ; na relação entre jornalistas e público; e na própria profissão há novas funções para jornalistas ou até mesmo novas profissões como gestores dos media e de comunidades (AROSO, 2013, p. 4). Canavilhas (2011 apud AROSO, 2013) afirma que devido ao crescimento das redes sociais, os meios de comunicação se adaptaram a esse espaço para melhorar a distribuição dos conteúdos noticiosos. Rodrigues (2010) ressalta alguns conceitos da utilidade dessas redes no jornalismo, como o relacionamento com as fontes, a ampliação, valorização e distribuição de conteúdo, a fidelização dos leitores e a velocidade informativa (2010, p. 219). Outra característica que as redes sociais possibilitaram à prática jornalística foi uma visibilidade maior nos conteúdos específicos, ou seja, a popularização dos conteúdos jornalísticos segmentado, assim como o jornalismo esportivo, jornalismo cultural, jornalismo de moda, e entre outros. Sendo assim, os portais destes gêneros jornalísticos se beneficiaram. O Instagram é uma das redes sociais que mais favoreceram os conteúdos de moda, pois é uma plataforma bastante visual, característica que enriquece esse segmento. As revistas de moda Vogue e Glamour, por exemplo, utilizam de suas redes sociais para criar uma aproximação maior com seu público. Por meio da participação e

30 30 interação dos leitores em suas publicações online, os conteúdos desses portais de comunicação conseguem atingir um público ainda maior. Essa rede social surgiu em 2010 com o principal objetivo de publicação e edição de fotos. Com o passar dos anos, novas ferramentas surgiram, assim como o Instastories possibilitando a publicações de fotos e vídeos que ficam online apenas durante 24 horas - e a mais nova ferramenta, o IGTV permitindo a publicação de vídeos com a temporalidade maior que um minuto. Sendo assim, as redes sociais têm sua própria maneira de transmitir notícias, e ainda que as características narrativas sejam as mesmas do online, a maneira que esses conteúdos se estabelecem nessas redes possibilitam maior liberdade de criação e de interação com os leitores. Essas redes, de certa maneira, são consideradas como uma inovação ao jornalismo, pois são acessadas, na maioria das vezes, por telefones celulares, caracterizando-se como jornalismo mobile. Pellanda afirma que esta mobilidade permite aos conteúdos sempre uma conexão Always-on (sempre online), no qual, o leitor está 100% do tempo em estado de potencial consumo e produção de informação, o que torna o desafio de comunicação ainda mais complexo (2015, p. 2). Assim como Cavendish complementa, que o desenvolvimento de celulares com câmeras portáteis de alta capacidade permitiu que cada um de nós fosse o responsável pela captura e compartilhamento da própria realidade (2013, p. 11). Nesse contexto, o jornalismo, com avanço da tecnologia, vai incorporando inovações em sua prática, assim como a utilização de características imersivas, como da realidade virtual (VR), o uso de drones, a criação de games e o texto longform. Contudo, as inovações na prática jornalística não se referem apenas ao advento da tecnologia. Franciscato (2012) caracteriza a inovação tecnológica no jornalismo como um aporte que modifica as rotinas e processos de trabalho do jornalista, bem como o perfil e a qualidade do produto jornalístico (apud LONGHI, FLORES, 2017, p. 25). Desse modo, a inovação no jornalismo se caracteriza com toda mudança nas técnicas, tecnologias, processos, linguagens, formatos e dispositivos destinados a potencializar a produção e consumo das informações jornalísticas (LONGHI, FLORES, 2017, p. 45). O jornalismo sempre está em constante mudança, adequando-se às novas tecnologias para melhorar sua produção. Assim, nesse contexto midiático, o jornalismo,

31 31 ao se apropriar de um novo ambiente, desenvolveu diferentes elementos narrativos e novos gêneros jornalísticos para se ajustar às novas necessidades desse ciberespaço. Para entender as mudanças narrativas que o jornalismo passou ao longo dos anos, é necessário compreender primeiro o conceito de narrativa.

32 32 3 A NARRATIVA A narrativa é a maneira construtiva de como um acontecimento, e, ou uma história, é descrito e representado, por meio de uma linguagem, seja escrita ou não. (GENETTE apud SILVA, 2007). Para Motta, as narrativas representam a compreensão do ser humano e do mundo em que ele vive, compreender o sentido da vida (MOTTA, 2012, p. 23). estudar a narrativa para entender quem somos. Nossa vida individual, nossa identidade é uma narrativa pessoal. Estamos sempre contando estórias sobre nós mesmos, fazendo pequenos relatos de nossas experiencias e testemunhos de nossos sonhos. Estamos sempre enviando mensagens diversas, contando estórias, escrevendo diários, cartas, s, posts, tweets, orkuts, etc. Se alguém nos indaga quem somos, arrolamos uma série cronológica de eventos que intencionalmente escolhemos para construir a imagem desejada de quem pretendemos ser. (MOTTA, 2012, p. 24) É nesta forma de contar histórias que se define o que é a narrativa. Gennette define alguns critérios que desenvolvem um relato bem formado: que contenha verossimilhança, como selecionar eventos relevantes das histórias, em que, os personagens e objetos permaneçam com uma identidade contínua e a delimitação de signos, indicando o início e o final do relato, assim como, estabelecer um objetivo a ser explicado, um significado a ser alcançado. (GENETTE apud MOTTA, 2012). A narrativa como prática humana universal, tem fator importante nas representações sociais dos seres humanos. Para Motta (2012), dessa maneira é identificado como a sociedade se comunica e relaciona-se, tanto por meio de cartas, conversas, ligações telefônicas, s, canções, filmes, livros e, como atualmente, por meio das redes sociais. Silva (2007), assim como Motta, entende a narrativa como um instrumento fundamental na introdução e visibilidade do homem dentro da sociedade. O autor compreende que a narrativa, por meio da linguagem, registra os pensamentos, relembra fatos passados, e estabelece a comunicação entre os indivíduos (SILVA, 2007, p. 50). Contudo, a narrativa não deve ser confundida com discurso, ainda que ambas significações se complementam. Motta (2005) explica que o discurso é a fala, a linguagem de um relato, a qual se constrói por meio de estratégias linguísticas, desejando produzir um efeito ou sentido próprio da fala, por meio do locutor. Desse modo, ainda de acordo com o autor, as narrativas são as construções discursivas sobre

33 33 algum acontecimento ou realidade humana, ou seja, a narrativa pode ser utilizada como um discurso. Silva (2007) subentende-os como: na narrativa a significação é oferecida pelo próprio desenrolar dos acontecimentos, já no discurso a situação mesma do ato de falar é o centro das significações mais importantes. Porém, não se deve procurar as essências da narrativa e do discurso, pois nunca são encontradas em estado puro (SILVA, 2007, p. 52). Em sua função informativa, ao narrar uma história, o jornalismo incorpora ambos os conceitos - discurso e narrativa - como um só. Ou seja, ambos os conceitos são utilizados pelo jornalismo como uma forma estratégica de construir um relato, para alcançar um objetivo, bem como Souza (SOUSA, 2012 p. 49) define, a narrativa jornalística é um produto cultural que realiza objetivos determinados construídos por estratégias comunicativas. 3.1 NARRATIVA JORNALÍSTICA As produções jornalísticas, tais como as reportagens, são entendidas como construções narrativas desenvolvidas como práticas discursivas, pois, compreendem o jornalismo como um trabalho não apenas em relatar histórias, mas com a intenção de alcançar e seduzir o receptor, construindo um significado por meio de sua mensagem (DOMENICI, 2012). Fonseca (2012, p. 92) explica a narrativa jornalística como: uma representação de uma realidade, e não a própria realidade, pois apresenta fatos apropriados de forma seletiva e transformados pelos enunciadores, veículos e jornalista, em acontecimento compostos de diversas camadas e significados. Alguns autores ressaltam que, por ser uma representação de uma realidade, a construção de uma notícia está carregada por discursos, assim como conflitos, reconhecimentos, relações de poder, constituições de identidade (ORLANDI apud SOUSA, 2012, p. 56). Esses conflitos, segundo Motta, citado por Sousa, (2012, p. 57) são como elementos estruturadores de quaisquer narrativas e particularmente da narrativa jornalística, que trabalha com rupturas, descontinuidades e anormalidades. Assim, esses discursos têm a capacidade de unir os acontecimentos narrados, levandoos ao início, meio ou fim deste acontecimento.

34 34 A partir disso, Sousa (2012, p. 57) explica que os conflitos são considerados, ou identificados, como valor narrativa, pois, esses elementos respondem de certa forma, perguntas pré-concebidas em uma história. Perguntas como: o que aconteceu? Quem estava envolvido? Em que momento aconteceu? Como aconteceu? Há motivos identificados?. Nesse sentido, Amaral (1987) pontua que esses procedimentos narrativos são trabalhados pela estrutura do lide, o qual, em uma produção jornalística, apresenta-se no primeiro parágrafo da notícia, com o objetivo de conduzir o acontecimento de forma direta e objetiva. Esse formato encontra-se na técnica jornalística da pirâmide invertida, em que, as informações são construídas hierarquizadas dentro da notícia (apud SOUSA, 2012). A pirâmide invertida é utilizada pelos veículos de comunicação até nos dias de hoje. Essa estrutura satisfaz o leitor de forma mais rápida, já que as informações de maior interesse estão no início da notícia (MIELNICZUK, 2002 apud DREVES, PALMAS, 2006). Contudo, a internet rompe esta técnica e adota uma nova estrutura na construção da notícia: a pirâmide deitada. É importante ressaltar que no jornalismo as narrativas literárias também são muito comuns. As notícias construídas nesta técnica jornalismo literário - adotam uma estrutura de início, meio e fim, assim possuem uma unidade integral, além de ter uma narração mais descritiva com riqueza de detalhes, traços da literatura (MOTTA, 2012). Essa técnica narrativa, originada oficialmente no século 20, tinha como função construir produtos jornalísticos que fugissem do lide. Desse modo, novos gêneros jornalísticos foram construídos, como o livro-reportagem, o perfil, biografia, o jornalismo gonzo, entre outros (FARIA, 2011). Por fim, em cada plataforma comunicacional as narrativas jornalísticas funcionam de um modo especifico, ainda que, os gêneros e formatos narrativos dessa prática funcionam em todos os meios (FARIA, 2011). No impresso, por exemplo, as narrativas são construídas a partir do lide, já na Web as notícias encontram outros meios de se estruturarem, correspondendo as necessidades deste ambiente online.

35 Narrativas online: a pirâmide deitada Nesse espaço multidimensional, a construção de uma notícia tem mais liberdade e criatividade. Diferente do papel, a web tem espaço tendencialmente infinito, ou seja, o espaço e a margem não são um problema na hora de publicar uma reportagem. Além disso, a notícia construída nesse ambiente tem mais possibilidades de oferecer novas formas de complementação, convergindo textos com áudios, vídeos, fotos e infográficos, nos quais, todas as possibilidades da rede podem ser exploradas. Canavilhas (2012) comenta que na internet, os conteúdos implicam uma nova estrutura, arquitetada semelhante ao do jornalismo escrito (impresso) com as mesmas técnicas de redação usada nos jornais, com algumas modificações. Mas, ainda que a tradicional forma de construir uma notícia tenha sido alterada, as questões Quem, Onde, O que e Quando devem ser respondidas, de forma simplificada, para construir uma reportagem. O autor ainda afirma que as notícias construídas na Web necessitam de uma nova narrativa, pois a pirâmide invertida, tradicional técnica de construção de uma notícia, mudou para uma arquitetura noticiosa mais aberta, com blocos de informação organizados em diferentes modelos, sejam eles lineares ou complexos (CANAVILHAS, 2005, p. 5). Sendo assim, o autor propõe a criação das notícias em uma nova técnica, conhecida como Pirâmide deitada. Esta técnica, foi originada com o foco de ser utilizada em conteúdos que permitem o uso de links e de elementos da multimidialidade, no qual, as informações são construídas considerando o espaço que são expostas, e que, a estrutura da notícia início, meio e fim- deve ter o mesmo nível de importância de informações. se o eixo vertical que vai do vértice superior a base da pirâmide invertida significa que o topo é mais importante que a base, então a pirâmide deve mudar de posição, procurando-se dessa forma fugir a hierarquização da notícia em função dos fatos relatados (CANAVILHAS, 2003, p.13). Castro (2014) concorda com Canavilhas e afirma que a pirâmide invertida possibilita ao leitor/usuário navegar nos conteúdos noticiosos, permitindo-o a escolha de uma leitura pessoal. Esse formato jornalístico é considerado uma técnica libertadora para os jornalistas, pois possibilita-os inovar em cada conteúdo. Ao falar sobre liberdade de construção narrativa, as redes sociais são protagonistas nesse aspecto. No

36 36 entanto, as características construtivas das notícias nestas redes, assemelham-se muito com webjornalismo em geral, os seus elementos narrativos são os mesmos narrativas online nas redes sociais Assim como o jornalismo online tem sua própria linguagem e narrativa, o jornalismo nas redes sociais também tem características próprias nas construções de notícias. Essas características narrativas são semelhantes as localizadas na da internet de modo geral, contudo, o visual e o estético ganham mais força e o texto diminui. Muitos associam conteúdos gerados para as redes sociais com o jornalismo de serviço, pois suas características narrativas dependem da quantidade de caracteres possíveis para escrever uma matéria. Assim, por ter pouco espaço para transmitir uma notícia, a imagem deve, portanto, ser informativa, ao ponto, de o texto ser apenas um complemento para a matéria (RECUERO, 2009). As narrativas de comunicação utilizada no jornalismo digital, de acordo com Pinho (2003), têm como elementos fundamentais a instantaneidade, interatividade, pessoalidade, acessibilidade e um receptor mais ativo, comparado às mídias tradicionais. Dessa maneira, as grandes mídias ao verem um ambiente social digitalizado, em que, juntamente com as ferramentas utilizadas tornou a produção e transmissão de notícias de uma forma mais eficiente e com um alcance de público ainda maior que o anterior decidem migrar para as redes sociais (JESUS, ARAUJO, CARVALHO, 2018, p. 3). Os canais de comunicação presentes neste ambiente constroem matérias contextualizadas, normalmente adotando características do jornalismo de serviço, no qual complementam as informações com a presença de hiperlinks destinados aos sites oficiais destes canais, para o leitor ler os conteúdos mais completos. O jornalismo de serviço, ou utilitário, é um gênero jornalístico que tem um proposito em dar orientação e dicas ao público [...], tem como base principal a proposta de oferecer a informação que o receptor necessita ou que poderá se tornar necessária a ele em algum momento. Contudo, esse gênero jornalístico adota características publicitarias o que reduz o caráter jornalístico, podendo induzir o receptor para o consumo dos bens simbólicos (VAZ apud MORAES, 2012, p. 23).

37 37 Dentro dessa nova estruturação da notícia no ambiente online, algumas técnicas utilizadas no impresso foram reutilizadas, ainda que remodeladas, e novos elementos foram criados para suprir as necessidades do jornalismo neste espaço Elementos Narrativos do jornalismo online Existe uma narrativa própria em cada período e plataforma jornalística. Com a apropriação do jornalismo na internet, e posteriormente nas redes sociais, a maneira que uma notícia é construída, sua narrativa, também evoluiu surgindo, consecutivamente, novos elementos narrativos. Esses elementos são características que ajudam a construir e a estruturar uma narrativa (BERTOCCHI, 2016). Inicialmente, por exemplo, o jornalismo online na primeira fase, possuía um texto jornalístico linear, igual aos conteúdos impressos. Posteriormente, a narrativa das matérias online adquiriu características próprias, como o aproveitamento dos hipertextos, criação de fóruns e comunidades com intuito de gerar um debate sobre a reportagem publicada, a utilização do como forma do leitor interagir e comunicar com o veículo, entre outros. Os autores Dreves e Palmas (2006, p.8, grifo do autor) ainda refletem os efeitos da evolução da internet: vemos que a rede está sendo constantemente redesenhada pelo uso e pelas tecnologias que estão sendo inventadas, formando assim um novo meio de comunicação. De fato, um novo meio que traz embutido em si os já existentes, com o avanço tecnológico permitindo maior velocidade e diferentes formatações, com novos artefatos, novos padrões e tecnologicamente à frente dos demais. Na internet, novos elementos narrativos surgiram. Assim como a interatividade, hipertextualidade, customização, memória, multimidialidade, instantaneidade e supressão de limite de espaço e tempo (PALACIOS, 2002). Outros autores também possuem sua própria caracterização desses elementos, em que, a nomenclatura em alguns casos é diferente, mas os conceitos seguem o mesmo significado. Deste modo, após identificar as nomenclaturas caracterizadas por diversos autores, esta monografia, assumirá os seis elementos mais abordados entre os autores, sendo assim, seguindo com a classificação de Canavilhas (2014) e Palácios (2002).

38 Interatividade Palácios (2014) define esse elemento como uma capacidade do usuário/leitor tem em interagir com os veículos de comunicação e com os produtos noticiosos. As interações existiam antes da internet, por meio de ligações telefônicas, o envio de cartas e, até mesmo, na presença em plateias em programas de televisão. Rost, no livro 7 características que marcam a diferença (2014), relata o conceito da interação na internet como: entendemos a interatividade como a capacidade gradual que um meio de comunicação tem para dar maior poder aos utilizadores tanto na seleção de conteúdos ( interatividade seletiva ) como em possibilidades de expressão e comunicação ( interatividade comunicativa ) [...] A interatividade implica uma certa transferência de poder do meio para os seus leitores. Poder, por um lado, quanto aos caminhos de navegação, recuperação e leitura que podem seguir entre os conteúdos que oferece. E, por outro lado, relativamente às opções para se expressar e/ou se comunicar com outros utilizadores/as (ROST, 2014, p. 54, grifo do autor). Ribas (2005 apud SILVA, 2014) comenta que o ambiente online, a interatividade entre o leitor e o autor do texto noticioso e dos veículos jornalísticos - é um dos principais elementos da notícia. Na Web, essa interação é realizada por meio de dois conceitos, interatividade seletiva e interatividade comunicativa. A seletiva envolve a ideia de interação nos controles dos usuários na recepção dos conteúdos, ou seja, a navegação entre hiperlinks hipertextual-, a utilização da função de busca nos sites, o tagging - nuvens de etiquetas -, a personalização da página dos veículos, e um diversificado menu de alternativas de distribuição/recepção de conteúdos (RSS, envios de conteúdos por correio eletrônico, distribuição pelas redes sociais, alertas em dispositivos móveis) (ROST, 2014, p. 57). Para autora, outra característica da interatividade é o leitor no processo de criação das notícias. Bardoel e Deuze (2000, apud MIELNICZUK, 2003) não concordam com os autores em relação da interatividade no âmbito da notícia em si a navegação dos hiperlinks-, mas afirmam que a interatividade pode ser realizada pela troca de s, entre os veículos/jornalistas e os leitores, por meio dos chats e fóruns de discussões nos sites jornalístico. Esse tipo de interatividade é apresentada por Rost (2014) como comunicativa, pois, o leitor busca ser participativo através de sua opinião, busca-se expressar, por meio de comentários, abaixo das notícias, participação em

39 39 pesquisas, envio de notícias, por fotos e vídeos, correção de informações, além de envio de s e discussões em fóruns, apontados anteriormente Multimidialidade A multimidialidade é definida por Ribas (2014 apud SILVA, 2014) como a convergência de diferentes formatos dos meios de comunicação tradicionais na produção e divulgação de um fato ou informação noticiosa, em que os conteúdos jornalísticos têm uma pluralidade de registros da linguagem, seja na escrita, sonora, oral, visual e etc. Além disso, a noticia é acompanhada por vários formatos de apresentação, como o texto, imagens, vídeos, gráficos, áudios, ilustração entre outros. A autora ainda comenta que na web e nas redes sociais, a notícia pode ser construída não só pelo texto, mas conta com uma gama de elementos textualdiscursivos, que refletem os inúmeros registros da linguagem, promovendo assim uma integração de várias linguagens (apud SILVA, 2014, p. 182). Salaverría (2014, p. 27) separa o conceito da multimidialidade em três aspectos: a) a multiplataforma, que se refere na empresa jornalística, distintos meios da mesma empresa jornalística articulam as suas respetivas coberturas informativas para conseguir um resultado conjunto ; b) multimídia como polivalência, ou seja, o perfil do jornalista é responsável por ser um profissional multimídia, realizando todas as atividades que no passado era separado por diferentes profissões. Neste contexto, o autor classifica-os em três modelos: os midiáticos jornalistas trabalhando simultaneamente em diferentes meios -, a temática o jornalista trabalha sem especialização informativa-, e a polivalência funcional o jornalista desempenha várias funções na mesma redação; c) a multimidialidade como combinação de linguagens, que se refere a junção de linguagens e formatos, assim como Ribas explicou anteriormente; Hipertextualidade Essa característica narrativa manifesta-se por meio da interação entre diversos textos, imagens, sons ou vídeos interligados através de hiperligações. Palma e Dreves

40 40 (2006) defendem que a estrutura do hipertexto é diferente dos textos tradicionais do impresso, pois, no jornalismo online a narrativa da notícia pode ser construída em vários modelos. Deste modo, os conteúdos noticiosos ficam à mercê de um grande volume de informações, pelas atualizações constantes e pela convergência dos outros meios de comunicação, além do próprio formato hipertextual. Nesse formato, ainda de acordo com o autor, o espaço é ilimitado possibilitando a facilidade de armazenamento. pela primeira vez está nas mãos do leitor a decisão sobre qual caminho seguir em sua busca pela informação. Pode-se decidir desde fazer uma pesquisa detalhada sobre o tema em questão, ou então apenas passar os olhos nos principais tópicos expostos sobre determinado assunto. O leitor pode ainda decidir a partir de que mídia ele vai ficar informado sobre os fatos do dia, seja por vídeo, som, texto ou outras ferramentas de multimidialidade, como animações em flash e/ou 3D. Se, por um lado, a formatação textual rígida não combina com as novas exigências do ambiente digital, por outro lado a organização hipertextual pressupõe uma organização muito criteriosa dos elementos informacionais, no intento de possibilitar uma coerência e amplitude entre os diversos links (PALMA, DREVES, 2006, p.7, grifo do autor). Ribas (2005 apud SILVA, 2014) define o conceito do hipertexto como a capacidade do leitor em acessar a diferentes textos. Ingressando-o a outras leituras, logo, a outras perspectivas relacionadas a um especifico tema ou notícia. Canavilhas, neste contexto, separa o hipertexto em dois elementos: os blocos informativos, ou nós, no qual, aplica-se a todo o tipo de conteúdo, sejam textos, imagens fixas, imagens em movimento, sons ou infografias (2014, p. 6), sendo os conteúdos que mais inserem as hiperligações. O autor ainda reforça que nesse elemento o tamanho do texto é essencial na construção da notícia, não podendo ser um conteúdo muito curto ou um texto longo demais, e sim um conteúdo que o leitor se sinta confortável na leitura (CANAVILHAS, 2014, p. 6). O outro elemento discutido pelo autor é a hiperligação, ou conexão. Este elemento permite a ligação de dois conteúdos, sendo documental que serve como contextualização de uma informação, e hiperligação narrativa, que possibilita o leitor uma liberdade no percurso de leituras, fazendo com que o texto seja construído da melhor maneira possível.

41 Personalização Reges (2010) afirma que devido à interatividade na mídia os usuários buscam nas plataformas o reconhecimento de si mesmos, deste modo, personalização trata-se da customização do próprio conteúdo nos veículos de comunicação. Para Ribas (2005) esse elemento permite ao leitor separar os conteúdos noticiosos por temas, sendo agrupado de acordo com os seus interesses. O leitor vai especificar os conteúdos temáticos de seu interesse, passando a receber as notícias atreladas às escolhas temáticas deste leitor (apud SILVA, p. 184) Com isso, a ideia principal da personalização, de acordo com Lorenz (2014, p. 138) é reunir, classificar e filtrar o conteúdo disponível, incluindo as notícias mais interessantes, ou como dizem os críticos, os itens que recebem mais cliques. A função desse elemento relaciona-se com o fator de alterar as especificações de algum conteúdo, ou de acordo com as preferências pessoais dos leitores, de acordo com a suas necessidades Memória Segundo Palácios (2014), esse elemento é como a acumulação de informação e produções noticiosas, tanto no ambiente online como no impresso. Contudo, a acumulação na web é muito maior do que nos meios de comunicação tradicionais, pois possibilita ao leitor o acesso à conteúdos já difundidos de forma imediata. Ribas (2005 apud SILVA, 2014, p. 7) afirma e complementa que o formato web traz consigo um conjunto de documentos e conteúdos [...] armazenados e disponíveis, para a busca do leitor. Dessa maneira, esse elemento promove um resgate histórico sobre os conteúdos jornalísticos, permitindo ao leitor buscar noticiais antigas para entender mais sobre o assunto que está lendo. De certa forma, o elemento narrativo é produzido antes da internet, pois para Palácios (2014, p. 96): os jornais impressos, desde longa data, mantêm arquivos físicos das suas edições passadas, abertos à consulta do público e utilizados por seus editores e jornalistas no processo de produção de informação noticiosa. O jornalismo impresso moderno recorre à publicação de pesquisas, baseadas em informação de arquivo, que complementam, ampliam ou ilustram o material noticioso corrente. O mesmo ocorre com relação às emissoras de rádio e TV,

42 42 que mantêm arquivos sonoros e de imagem, eventualmente utilizados na produção de material noticioso de caráter jornalístico ou documental. Na web e nas redes sociais, a memória é utilizada como um elemento narrativo para estruturar e editar conteúdos jornalísticos. Palácios ainda (2014, p. 97) aborda a facilidade da utilização da memória no jornalismo online, especificamente para os jornalistas, no sentido de incorporar características da narrativa nas notícias, no qual, os textos relacionados passam a ser indexados hipertextualmente (Leia mais; Veja também; Notícias relacionadas etc.), seja através de um trabalho de edição humana ou seja por meio da utilização de tags e palavras-chave dos textos Instantaneidade Esse aspecto narrativo diz respeito à rapidez com que se pode aceder aos conteúdos no ambiente online, no qual, a sua facilidade de produção e divulgação permitem uma atualização contínua das informações e desenvolvimento de assuntos de grande interesse para o público em tempo real (PALACIOS, 2014). O jornalismo na internet e nas redes sociais, de acordo com Bradshaw (2014), coloca a notícia em estado de pressão, em que as empresas jornalísticas competem no quesito da velocidade de publicação, buscando ser o primeiro a noticiar. Deste modo, as tecnologias servem como suporte, dando a vantagem necessária para realizar essa função. caso o veículo (publisher) não conseguisse ser o primeiro a divulgar a estória, então teria de ser o primeiro a obter a primeira fotografia, a primeira entrevista, a primeira reação, ou o primeiro a fornecer a análise do fato. O processo de trabalho nas redações em diferentes meios de comunicação possuía uma dinâmica semelhante: uma estória que, num dia, foi considerada nova para os leitores de determinadas revistas especializadas poderia se tornar nova para os leitores de um jornal nacional online no dia seguinte e para os telespectadores de um noticiário de TV um dia depois. Até recentemente, um repórter poderia se sentir confiante sobre o que os seus leitores sabiam (BRADSHAW, 2014, p. 111, grifo do autor). O autor ainda explica que quando uma informação nova, ou interessante, é descoberta, os leitores contribuem com a propagação dessa notícia, fazendo com que a distribuição dessas informações tenha um alcance maior do que antigamente, quando a propagação da notícia era baseada especificamente apenas pelos veículos.

43 43 Outro efeito da instantaneidade, além do efeito na publicação e na distribuição dos conteúdos, é o de consumo da notícia. Mielniczuk, afirma que esse elemento narrativo é uma característica que transposta do rádio e da televisão, mas que na internet assume uma outra proporção. As notícias na web ficam armazenadas, sempre à disposição do leitor, formando uma grande narrativa sobre determinado fato. [...] Assim, um conjunto de blocos de textos, que foi sendo acumulado e continua disponível, constitui uma nova narrativa sobre um determinado acontecimento (MIELNICZUK, 2003, p. 34) Outras caracterizações Vários autores ainda adotam diferentes elementos narrativos. Valcarce (2009) classifica-os em interatividade, instantaneidade, hipertextualidade e convergência. Contudo, o autor ainda traz mais quatros elementos, como a continuidade, na qual, a notícia tem possibilidade de ser permanentemente atualizada. Silva citando Palácios (2014, p. 185) alinha-se a Valcarce, e ressalta esse conceito como atualização contínua originada por Palácios - complementando que o texto noticioso é constantemente renovado, trazendo à tona novos aspectos acerca da informação publicada. Outros elementos abordados por Valcarce são: a versatilidade, a transnacionalidade e a transtemporalidade. A versatilidade dá ao leitor inúmeras possibilidades em navegar nos veículos jornalísticos, que vai além de ler os conteúdos, mas participar de fóruns de discussões e fazer ligação com outros sites. Esse elemento mostra que no jornalismo online, os meios de comunicação são versáteis para várias funções. O outro elemento - transnacionalidade tem caráter narrativo que abre todas as portas, supera os limites espaciais e permite que todos os internautas possam aceder ao mesmo tempo a um mesmo produto (VALCARCE, 2009, p. 97). Por fim, a transtemporalidade é o último elemento ressaltado pelo o autor, e é definido pelo tempo que os conteúdos online são acessíveis, ou seja, durante 24 horas por dia. Desse modo, os elementos narrativos são características utilizadas para construir uma notícia no ambiente online e nas redes sociais. Sendo assim, neste ciberespaço os conteúdos jornalísticos segmentados foram beneficiados, pois, obtiveram

44 44 maior alcance em seus respectivos públicos alvo, assim como, o jornalismo de moda, que com as redes sociais, tiveram uma maior democratização da informação de moda.

45 45 4 A MODA COMO LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO A moda é uma forma de comunicação que representa mais que um conjunto de vestimentas, correspondendo como um dispositivo social. Sendo assim, possui significações e elementos que ajudam na visibilidade e personalidade de cada ser humano (GARCIA, MIRANDA, 2011). Para Weidlich, a indumentária sempre foi uma forma de o sujeito expressar-se e ser expressado. Deste modo, ela é uma das maneiras de serem concretizados os anseios primeiros dos seres humano: a necessidade de adornar-se, de embelezar-se (2013, p.19, grifo do autor). Castilho (2009) afirma que o vestuário pode ser observado na sua contextualização em um determinado meio social, pois se manifesta como uma das mais espetaculares e significativas formas de expressão articulada e desenvolvida pela cultura humana, em que, o sujeito por intermédio do corpo como suporte e meio de expressão, revela uma necessidade latente de querer significar, de reconstruir -se e de recriar-se por meio de artifícios inéditos (CASTILHO, 2009, p ). Barthes complementa: pela roupa, trocamos informações bastante elementares, não apenas sobre nossa situação social ou profissional, sobre nossa faixa etária, como dizem os etnólogos, mas igualmente sobre tal uso social, tal cerimonia, tal ocupação. Por outro lado, a moda se esforça por fazer corresponder à roupa descrita aquilo que nós mesmos queremos exprimir sobre nós mesmos, o papel complexo que queremos desempenhar na sociedade (BARTHES, 2009, p.83). Contudo, no início da humanidade a indumentária tinha outra função. A vestimenta existe desde os primórdios do homem na pré-história com o intuito de apenas cobrir o corpo para se proteger do frio, e continuou neste conceito até no final da idade média. Foi com o início da burguesia que a moda como ferramenta e representação social surgiu (STEFANI, 2005). Nesse período, também conhecido como o berço da moda, a indumentária tinha papel fundamental para marcar a diferença entre classes, status e poder. Weidlich (2014, p. 26) afirma que nesse período, características como poder, abundância de matéria-prima e ostentação eram a tônica para que a indumentária servisse de divisor de águas entre as classes sociais. Assim como complementa Lipovetsky (1989, p. 39) Com a moda, inicia-se o poder social dos signos ínfimos, o espantoso: dispositivo de distinção social conferido ao porte das novidades sutis. Para Cavendish:

46 46 com o advento dos novos-ricos, a moda caminha para um processo de democratização, tendo a imitação do vestuário nobre se propagado em novas camadas sociais como na média e pequena burguesia, e mais tarde entre comerciantes e artesãos (CAVENDISH, 2013, p. 18). Santos (2015) afirma que após a burguesia copiar os vestuários das classes mais altas, os nobres recorreram às práticas de poder, extrapolando seus ordenamentos na determinação de regras de apresentação pública, de comportamento, de alimentação, de vestimenta, entre outras, recorrendo à outorga de leis ditas suntuárias. Essas leis proibiam a utilização de tecidos e ou peças de vestuários para pessoas que não eram nobres. Contudo, a autora ainda relata que a lei suntuária foi ineficaz, pois nenhum governo jamais conseguiu frear a ostentação e o luxo advindos do comportamento de moda (SANTOS, 2015, p ). Foi a partir do século 19 que a sociedade, cansada de copiar a indumentária dos nobres, procurou vestuários diferenciados, no qual, o gosto e o desejo pelo novo ganham novas dimensões, tornando-se mais intensos e frequentes, e o acesso à moda chega às classes mais baixas. É a partir daí que surge a Alta Costura e a confecção industrial (CAVENDISH, 2013, p. 19). 4.1 SISTEMA DE MODA A Alta Costura, ou mais conhecida como Haute Couture, incorporou uma nova fase à indústria de moda. Originada a partir da inauguração do ateliê de Charles- Frédéric Worth, entre 1857 e 1858, em Paris, a Alta Costura surge com os primórdios de desenvolver peças exclusivas feitas com técnicas de costura sofisticadas, realizadas manualmente, com qualidades superiores. Deste modo, a alta costura ditou tendências, transformando o costureiro à condição de artista e promoveu espetáculos publicitários baseados em grifes e modelos (CARMO, 2015). Com isso, várias mulheres da alta sociedade se descolocavam até o atelier de Worth para comprar e observar as tendências. Isso mudou a produção de moda, pois, dentro da loja do estilista, surgiu a figura de modelos desfilando as peças para as clientes. Charles-Frédéric Worth foi responsável também pela concepção dos primeiros desfiles de moda. Na Maison Worth, onde o costureiro criava para

47 47 mulheres parisienses e americanas os vestidos sob encomenda com os melhores tecidos da Europa, sua produção chegava a aproximadamente vestidos e roupas por ano[...]. Era um volume de mercado que os concorrentes, ainda estruturados sobre um sistema artesanal de confecção, não podiam alcançar. Dessa forma, em 1858 Worth decide criar sua própria coleção de vestidos. Reuniu as clientes mais importantes, pertencentes à nobreza e à aristocracia francesa e mostrou as roupas em modelos vivas, mulheres da sociedade que aceitaram desfilar para Worth por status. Nascia então o desfile de moda (CAVENDISH, 2013, p. 20). Contudo, a moda neste período se tornou um produto exclusivo, no sentido de ser apenas consumida pela alta sociedade. Deste modo, surge, em 1949, o Prêt-à- Porter, ou no inglês: Ready to Wear (pronto para usar). Essa nova produção se originou da necessidade de produzir roupas com qualidade superior que estivessem dentro das tendências, e que, principalmente, estivessem com preço acessível. Dessa maneira os preços mais acessíveis permitiram às classes mais baixas o acesso a uma forma de vestir, até então, exclusiva dos ricos (STEFANI, 2005, p. 66). O surgimento do Prêt-a-Porter colaborou com uma popularização e democratização da moda impulsionando o mercado de consumo. Esse sistema também começou a ditar tendências, surgindo grifes, evidenciando os estilistas às marcas, além de adotar características da Publicidade como técnica de venda. (CAVENDISH, 2013). A partir dessa época, a moda foi acompanhando as manifestações e revoluções sociais da humanidade, e com isso, em cada movimento foi quebrando os padrões antigos, assumindo a forma que é conhecida atualmente. com as guerras e a escassez de matérias primas as roupas se tornaram mais leves. Em períodos de paz, as cores predominam. Em época de austeridade econômica, a sobriedade toma conta das vitrines. E assim foi sendo construído um sistema que permite novidades a cada estação e que dita o que será usado pela sociedade. No dia a dia, estar na moda significa, a grosso modo, vestir o que a maioria das pessoas está usando (MORAES, 2012, p. 7) Sendo assim, Pais (2013, p.4) relata a moda como marco de civilização e de iniciação à construção da sociedade, em que, movimenta um mercado de consumo, envolvendo movimentações de milhares de milhões de euros, além de, sociologicamente, a moda separa homem e mulher, separa formas de pensar, estilos e mais importante ainda, ajuda a cimentar classes e hierarquias. Deste modo, a autora ressalta que a informação da moda é importante, pois, jornalisticamente, a moda é interpretada como um objeto de interesse público (2013, p.4), em que, retrata costumes, hábitos e movimentações sociais.

48 48 Weidlich afirma que, ainda no século 17, foram reveladas novas maneiras de se portar socialmente, sendo marcado pelas primeiras manifestações de informação sobre moda de que se tem notícia: as fashion plates ou ilustrações de moda (2014, p. 26). No início, essas ilustrações eram feitas com tintas aquarelas que evidenciavam os detalhes e novidades de roupas, sapatos e acessórios como joias e penteados. A partir do século 18, com o surgimento da litografia técnica de reprodução que imprime por meio de prensa, desenho ou escritos com tinta graxenta sobre uma superfície metálica -, as ilustrações de moda ganharam mais força, pois, de acordo com Weidlich (2014, p.27), retratavam com riqueza de detalhes o estilo de roupa que um alfaiate, costureira ou loja poderia fazer ou fornecer, apontando com quais materiais essas roupas eram feitas. A autora ainda ressalta que com o surgimento da prensa tipográfica desenvolvida por Gutenberg, e consequentemente, a possibilidade da reprodução de livros em várias cópias, as informações de moda se ampliaram abrindo caminho para que, sorrateiramente, a moda, como sistema, adquirisse cada vez mais autonomia nos séculos seguintes (WEIDLICH, 2014, p. 27). Crane (2009) complementa e afirma que esse sistema possibilitou uma democracia da moda para todos os públicos. 4.2 O JORNALISMO DE MODA E O SURGIMENTO DAS REVISTAS Weidlich relata que a moda e a comunicação estão interligadas historicamente desde que se circunscreveram na cultura moderna ocidental como práticas sociais que perpassam as relações entre indivíduos (2014, p. 19). De modo geral, as informações de moda começaram a ser publicadas a partir do surgimento das revistas. Scalzo aponta que estudando a história das revistas o que se nota em primeiro lugar não é uma vocação noticiosa do meio, mas, sim, a afirmação de dois caminhos bem evidentes: o da educação e do entretenimento (2004, p. 15) Nunes e Araujo (2016) relatam que as primeiras revistas surgiram na década de 1600, dentre as quais, a primeira revista criada foi a Erbauliche Monaths Unterredungen na Alemanha em 1663, posteriormente em 1655, surgiu duas novas revistas com conteúdos científicos, como a francesa Le Jounal Des Sçavans (Jornal dos letrados), e a britânica Philosophical Transactions (Atas filosóficas).

49 49 Foi só em 1672 que surgiu as revistas voltadas para a moda, com a inauguração do periódico The mercure Galante. Ali (2009, p. 310) afirma que esse periódico foi importante na história e no jornalismo de moda, pois, foi a primeira a divulgar, para vários países, informações sobre moda, etiqueta, objetos de luxo e sobre a vida de Luís XIV. Seu objetivo era informar a sociedade sobre os assuntos da corte e os debates artísticos e intelectuais. Pais complementa: a verdade é que a maior parte destas publicações tinha um público específico: o feminino e de elite. E o formato não era aquele que corresponde hoje às revistas de moda. Estas publicações consistiam em figuras e ilustrações de roupas e de mulheres com visuais completos que as leitoras podiam seguir (PAIS, 2013, p.40). No final da década, em 1690, outra revista britânica surge, a The Athenian Mercury se tornando a primeira a ser publicada regulamente. E em 1693 a primeira revista feminina é inaugurada, a The Ladie s Mercury (O mercúrio das damas), era impressa em duas páginas com circulação regular [...] e, apesar de ser dirigida as mulheres, era feita por homens (ALI, 2009, p.311). Foi na década de 1700 que as revistas se tornaram um produto de lazer e prazer. Nesse período surgiu a Review (1704), The Spectator (1711), sendo a revista mais imitada do século, pois, foi considerada inovadora, trazendo conteúdos de etiquetas e comportamento (REGINA, JESUS, 2012). Ainda nessa década, outras revistas foram inauguradas, a The Gentleman s Magazine (1731), The General Magazine (1741) - considerada a primeira revista americana The Female Spectator (1941) primeira revista feita por mulheres-, The Lady s Magazine (1770), no qual, foi a mais popular entre as revistas femininas de seu tempo e mais importante referência para as mulheres (ALI, 2009, p. 315), sendo a primeira a publicar figurinos de moda coloridos. Os autores Regina e Jesus (2012, p. 5) apontam que no século 19, até 1830, as revistas eram um produto caro, de elite, consumido pelas classes mais altas, de formação escolar avançada, tornando-se um produto de venda quando um inglês decidiu fazer um a revista com preço de capa baixo, barato. Ali (2009) ressalta que nesse século surgiram revistas com cultura e informação para a classe média, nascendo as primeiras revistas populares. Scalzo reforça que as revistas começaram a ganhar os Estados Unidos na medida que o país se

50 50 desenvolve, o analfabetismo diminui, cresce o interesse por novas ideias e a consequentemente, necessidade de divulga-las (2016, p. 20). A autora ainda relata que durante o século 19 as revistas ficaram populares e começaram a ditar moda, pois: com o aumento dos índices de escolarização, havia uma população alfabetizada que queria ler e se instruir, mas não se interessava pela profundidade dos livros, ainda vistos como instrumentos da elite e pouco acessíveis. Com o avanço técnico das gráficas, as revistas se tornaram o meio ideal, reunindo vários assuntos em um único lugar e trazendo belas imagens para ilustra-los. Era uma forma de fazer circular diferentes informações concentradas sobre os novos tempos, a nova ciência e as possibilidades que se abriam para uma população que começava a ter acesso ao saber. A revista ocupou assim um espaço entre o livro (objeto sacralizado) e o jornal (que só trazia o noticiário ligeiro) (ALI, 2009, p. 20, grifo do autor). Nesse período surgiram as revistas The Saturday Evening Post em 1821, a The Youth s Companion, The Edinburgh Review, Espelho Diamantino primeira revista feminina do Brasil, originadas em 1827 (LIMA, 2007). Os autores Regina e Jesus (2012, p. 5) afirmam que nesse século, as revistas femininas se popularizam, apresentando uma fórmula editorial dedicada aos afazeres do lar e às novidades da moda. Surgindo revistas como a Godey s Lady s Book (1830)- maior revista feminina durante 50 anos, Espelho das Brasileiras em O jornal das Senhoras (1852), ambas publicadas no Brasil, Good Housekeeping em 1885, Harper s Bazar em 1867 considerada a primeira revista de moda, Ladie Home Journal em 1883 primeira a vender 1 milhão de copias, e Vogue em uma das maiores revistas de moda atualmente. Outras revistas originadas ainda nesse século foram: The Illustrated London News (1842) considerado o veículo mais importante da época, pois trazia reportagens com ilustrações; L illustration (1843) assim como a revista anterior, famosa pelas ilustrações de qualidade, introduziu na França a técnica jornalística de correr atrás da notícia (ALI, 2009, p.324); The Economist (1843) considerada até hoje a mais importante revista de economia do mundo; The English Woman s Domestic Magazine (1852); Revista Brasileira (1855) dirigida por Machado de Assis; McCall s Magazine (1876) revista que publicava moldes de roupas; Revista ilustrada (1876) primeira ilustrada no Brasil, e entre outras publicações (ALI, 2009).

51 Revistas Segmentadas Foi a partir das tecnologias de impressão que, assim como o jornalismo, as revistas especializadas começaram a se consolidar na cultura ocidental. Nunes e Araujo (2016, p. 3) afirmam que as revistas são responsáveis pela criação da identidade social do sujeito que a lê, já que escolhe um segmento específico e expõe assuntos que vão interessar um conjunto determinado de pessoas, aproximando-os. Sendo assim, a criação de revistas para um público específico existe desde o século 18, com o surgimento, por exemplo das revistas: The House Beautiful (1896) especializada em decoração, Kosmos (1904) com conteúdos de design e alta qualidade gráfica, O tico e o Teco (1905) baseada em conteúdos de HQ, Vanity Fair (1913 e 1983) e Elle (1945) ambas especializadas em moda, A Scena Muda (1921) especializada em cinema, The Squire (1933) voltada para o público masculino, Sports Illustrated (1954) com conteúdos sobre esportes, Manequim (1959) primeira revista brasileira com conteúdos apenas sobre moda, Rolling Stone (1967) dedicadas a conteúdos sobre música (ALI, 2009). Weidlich (2014) ressalta que nessa época surgiu uma consciência coletiva da moda como é conhecida atualmente. Posteriormente, com o avanço tecnológico da comunicação e as manifestações sociais, as publicações de moda foram sendo modificadas para se adequarem ao contexto social da época. no decorrer das décadas de 1950 e 1960, a imprensa feminina e a moda diversificaram-se, enquanto os avanços tecnológicos, econômicos e sociais, como as conquistas da mulher, floresciam no contexto histórico, o que culminou na segmentação desse mercado, com a criação de títulos, formatos e periodicidade distintos para cada público (WEIDLICH, 2014, p. 14) No entanto, para as autoras Angelleti e Olivia (2006 apud ELMAN, 2008), foi na década dos anos 1970 que o jornalismo de moda aparece em evidência nas publicações de revistas segmentadas, voltada especificamente para o público feminino. Ali (2009) ainda ressalta outros nomes originados na década de 1900, como Revista da Semana primeira do século 20, publicando conteúdos de fotorreportagem-, The New Yorker (1925) uma das maiores revistas literárias dos Estados Unidos-, O cruzeiro (1928) um dos maiores sucessos editoriais do Brasil-, Manchete (1952), PlayBoy (1953), Cosmopolitan (1965), Realidade (1966) considerada uma grande

52 52 revista brasileira de reportagem-, Veja (1968), People (1974) conteúdos sobre celebridades- e In Style (1994). Ainda neste período, em 1936, surge uma das mais influentes revistas de fotojornalismo do mundo, a Life. Sousa (2000, p. 108) ressalta que a finalidade da revista era fazer ver. É o efeito-verdade a funcionar, a ilusão de que a fotografia não pode fazer outra coisa senão reproduzir fielmente o real. Em 1937 a Life foi pioneira em apresentar pela primeira vez o ensaio fotográfico, em um anúncio sobre a própria revista, cujo objetivo era promover a ideia de que a reportagem fotográfica seria um formato mais evoluído e estaria muito além de um simples conjunto de imagens (FREEMAN, 2014, p. 9). a Life adaptou os temas e as técnicas das suas predecessoras alemãs e consagrou o foto-ensaio como o gênero mais prestigiante do fotojornalismo. Além disso, consagrou o projeto ao nível das rotinas produtivas foto jornalísticas nas revistas ilustradas - os fotos-ensaios, as grandes fotoreportagens, podiam dar atenção aos detalhes porque antes de os repórteres partirem para o terreno era empreendido um trabalho aprofundado de pesquisa e documentação (SOUSA, 2000, p. 107, grifo do autor). Contudo, assim como aponta Freeman (2014, p. 9), há diferenças entre matéria fotográfica e ensaio fotográfico. Na matéria fotográfica as fotografias podem ser tomadas de várias fontes, o que, em teoria, possibilitaria a adoção de um padrão visual muito mais elevado e um efeito visual mais variado, no qual, possibilita o controle maior nas mãos dos editores e fotógrafos. Já o ensaio fotográfico implica uma visão única e o trabalho de um só fotógrafo fotografando segundo um estilo consistente (FREEMAN, 2014, p. 9). Nos conteúdos de moda a fotografia é muito importante. Segundo Maia (2014, p. 2) a imagem opera como representação da moda. A fotografia busca eternizar um momento, sendo assim, ela assegura a sobrevivência da moda, uma vez que atuando tal como documento, pode relatar o seu desenvolvimento. Deste modo, é muito comum encontrar várias reportagens, matérias e ensaios fotográficos nos portais e revistas de moda, em que, o visual e o estético se tornam uma das principais características destes conteúdos. Sendo assim, as revistas de moda, caracterizadas como revista segmentadas, possuem características próprias para um público consumidor específico. Weidlich (2014, p. 31) afirma que o jornalismo de

53 53 moda atua como uma ponte entre aqueles que produzem moda e aqueles que a consomem, sendo um mediador entre os processos comunicativos e os de consumo. Nesse contexto, a função desse jornalismo é informar não apenas o contexto comercial desta indústria, mas também notícias de assuntos interligados a movimentos sociais, a gêneros e a construção de identidade. 4.3 JORNALISMO DE MODA NO BRASIL As primeiras revistas no Brasil, surgiram após a chegada da família real em Sendo em 1827 o lançamento do primeiro periódico feminino no país, o Espelho Diamantino. Esse periódico publicava conteúdos sobre política, arte, literatura, teatro e vestimenta, espelhado nas senhoras de alta classe no país (MORAES, 2012). A segunda revista feminina no país, a Espelho das Brasileiras, surgiu em 1831 no recife. Ainda que os conteúdos pareciam com o espelho Diamantino, essa revista foi seguida de várias outras publicações do gênero, muitas vezes de efêmera duração (LIMA, 2007, p. 222). Ferreira (2018, p. 81) relata que, com a influência da moda Francesa, entre 1840 até 1889, as mulheres precisavam enfeitar-se para os bailes seguindo a influência francesa, aumentando a quantidade de páginas das revistas da época. a imprensa neste período também era utilizada como instrumento de manutenção dessa configuração social, na qual as mulheres dependiam inteiramente dos homens, inclusive na aprovação das suas roupas, e isso acontecia não apenas no Brasil. De acordo com Laver (2014), em 1851, a defensora dos direitos das mulheres, Amélia Bloomer, foi à Inglaterra tentar convencer as mulheres, que nesta época viviam presas em espartilhos, a adotarem trajes mais livres, com vestes soltas e tendo sob a saia uma espécie de calça larga até o tornozelo, geralmente com um babado de renda na barra. O que provocou indignação e censura (FERREIRA, 2018, p. 81). O autor ainda afirma que deste modo, seguindo as movimentações sociais, algumas revistas publicavam ridicularizando os homens que permitissem que suas mulheres usassem tais roupas (2018, p. 82), assim como a revista britânica Punch ( ). Com isso, Werneck (2000 apud FERREIRA, 2018) afirma que foi a partir do século 20 que muitas revistas quebraram o padrão machista da época e adotaram característica feminista, tornando conteúdos com caráter mais sutil. Scalzo (2004) relata que em 1961, além do surgimento da indústria dos eletrodomésticos, o estilo de vida da mulher estava se transformando, com isso, foi

54 54 lançada a revista Claudia, publicando conteúdos sobre novelas, artigos de moda, dicas de decoração, conselhos de beleza, receitas e conteúdos sobre orçamento doméstico, sexo, saúde e consultas jurídicas. A autora ainda complementa: em 1963, a Claudia trouxe outra mudança no jornalismo feminino, com a jornalista e psicóloga Carmen da Silva e sua coluna A Arte de Ser Mulher, que quebrou tabus e tocou em temas como a solidão, machismo, trabalho feminino e seus problemas sexuais (SCALZO, 2004, p. 34, grifo do autor). Joffily (1991) ressalta que em 1971 surge a revista Nova, dedicada a mulheres com ambições profissionais, que buscava uma identidade própria. Os artigos de Nova abordam problemas existenciais e psicológicos da leitora. São textos geralmente pesquisados (JOFFILY, 1991, p.73). Outras revistas de grande importância, ressaltada pela autora foram: a) Elle (1988) considerada uma publicação inovadora na diagramação e design da revista, é uma publicação que reaviva o prazer da leitura (1991, p.77); b) Criativa (1982) que publicava dicas de trabalhos e produtos que as mulheres poderiam fazer em casa; c) Máxima (1989) trazia reportagens de comportamentos que buscavam dar uma dimensão a atualidade feminina (1991, p. 79), além de matérias de moda, lar e beleza; d) Marie Claire (1991) publicava matérias de serviços sobre moda; A moda com o passar do tempo tomou mais lugar na sociedade brasileira, movimentando a economia e revelando talentos que abriram os olhos internacionais e tornaram o Brasil um recente pólo de moda (MORAES, 2012, p.16). Ferreira afirma que foi no século 21, que o cenário do mercado editorial de moda se transformou, pois, o contexto social permitia mais liberdades às mulheres, o que ressaltava o apelo a publicações voltadas para o público feminino. A autora ainda aponta que com a evolução das tecnologias da informação, e a criação das redes sociais, modificou a produção de conteúdo para este segmento. Isso significa que os títulos deste segmento também passaram gradativamente a migrar para outras mídias, como televisão, rádio e internet ganhando impulso sobretudo nas mídias digitais (2018, p. 85).

55 Transição da revista de moda para redes sociais O início do jornalismo de moda no Brasil está relacionado com a criação das revistas segmentadas, pois entende-se que o jornalismo de moda traz conteúdo segmentado e circula em veículos com linguagem e características próprias e, mais importante, dirigido a um público específico (FLORES, 2016, p. 9). Contudo, com o fenômeno da internet e do jornalismo na web, vários canais de comunicação transitaram do impresso para a web. As revistas de moda são um dos principais meios de comunicação que se beneficiaram dessa migração. Para os autores Nunes e Araujo (2016, p. 3), a internet permitiu um contato direto e imediato com o leitor, tornando-se um meio para a venda de assinaturas, enriquecendo o conteúdo editorial com a colaboração instantânea de profissionais em qualquer parte do mundo, o que aumentou a interação com os leitores. Sousa e Pinto (2017, p 5) afirmam que a inserção das revistas de moda para as redes sociais foi necessária, porque a efemeridade da moda faz com que a mesma tenha que se adaptar e utilizar os meios mais avançados como incentivadores do seu consumo. Schimitz (2018, p.15) complementa, e afirma que a moda precisa mudar para existir. Por sua própria natureza ela e submetida a lei da novidade. A moda, por sua efemeridade, pertence a um setor competitivo, potencializado pela globalização e com ela a possibilidade de obtenção rápida de informações, incitando a criação de novos produtos, nichos de mercado e de novos concorrentes (MOREIRA, MANGIALARDO, 2011 p. 1). Deste modo, as redes sociais beneficiaram as revistas no sentido de facilidade de publicação e de acesso, os qual, antigamente, os leitores ficavam reclusos apenas em ler as matérias de moda nas revistas. Schimitz (2018) relata que nessa época, apenas poucas pessoas conseguiam comprar as revistas, devido seu valor. No entanto, com a revolução da internet, um novo contexto social surgiu, e possibilitou uma democratização ao acesso de moda, seja em seu consumo material ou simbólico (SCHIMITZ, WAJNMAN, 2018, p. 16). Feijgiel (2017) comenta que a disseminação dos meios de comunicação, proporcionou um maior alcance da moda para todas as classes sociais. A autora ainda reforça: com o avanço maior das tecnologias no século XXI, a moda se tornou mais dinâmica e acessível. Hoje em dia, as tendências que demoravam até dois

56 56 meses para vir a conhecimento público através das revistas, com o avanço da internet passaram a serem visualizadas em tempo real, online, nos sites das próprias marcas e nas suas redes sociais (FEIGJIEL, 2017, p.9) Nessas redes, as informações de moda ficam abertas ao público 24 horas por dia, desse modo o usuário pode acessar gratuitamente em qualquer momento. As autoras Sousa e Pinto (2017, p. 6) complementam e ressaltam que a facilidade de acesso dessas mídias, através do celular, torna o perfil das marcas de moda um catálogo online frequentemente atualizado nas mãos dos consumidores. Por ser um ambiente online midiatizado e instantâneo, as notícias de moda mudaram sua forma de produção. A instantaneidade é um importante elemento narrativo nesse meio, e assim, Frings (2012) ressalta que as informações de moda que antes levavam dias ou semanas para acontecer hoje acontecem instantaneamente. Uma variedade de sistemas de comunicação fornece aos profissionais da moda, e aos consumidores, informações minutos a minuto sobre a moda (apud FEIGJIEL, 2017, p. 11). Feijgiel (2017, p. 14) aborda outra característica das redes sociais, a interação. Para a autora, as redes sociais trouxeram uma maior possibilidade de participação e interação (dos leitores) com suas revistas favoritas, informações compartilhadas [...]e a cobertura dos principais acontecimentos quase sempre em tempo real. Nas redes sociais como o Instagram, a interação é realizada por meio de curtidas e comentários nas postagens publicada, além de viabilizar, por meio de ferramentas de perguntas, como quiz e questionários (múltipla escolha) nas publicações do InstaStories. A moda na web ainda passou por outros momentos importantes, como a proliferação de blogs e portais de comunicação voltados para moda, além da popularização de influenciadores digitais. Fejgiel (2017, p. 31) afirma que a sociedade, com o avanço da tecnologia, tornou-se mais consumista, e dessa forma, as redes sociais e os blogs, tornam-se uma modalidade de estímulo ao consumo e uma ferramenta mercadológica, gerando ciclos em que os produtos que são postados automaticamente viram febre de consumo no mundo todo (2017. P. 31, grifo do autor). A autora complementa: hoje em dia, as redes sociais, sites e blogs transmitem as informações de uma forma muito rápida e eficaz com relação aos meios de comunicação tradicionais, já que há uma interação direta com o interlocutor, ou, nesses

57 57 casos, seguidor. No Snapchat e Instagram Stories, por exemplo, o usuário tem acesso a uma postagem ao vivo de quem ele segue, o que torna tudo mais dinâmico com a sensação de que todos estão vivenciando a mesma situação, ao mesmo tempo. Na sociedade moderna, cada vez mais tecnológica e consumista (FEJGIEL, 2017, p. 31, grifo do autor). Outro momento importante foi o surgimento dos influenciadores digitais. As autoras Suzanna Sousa e Lilian Pinto (2017, p. 6) ressaltam que a facilidade da criação de perfil nas mídias sociais permite que cada vez mais usuários passem a aderir essa interação social instantânea, no qual, a partir de suas postagens, influencie, de certa maneira, seus seguidores. Desse modo, alguns usuários se transformam em celebridades na rede, seja por terem blogs ou apenas por serem pessoas mais populares fora da web, e tornam-se influenciadores digitais, criando modelos de estilos de vida e dando dicas aos seus seguidores nas mídias digitais. Consequentemente, esses influenciadores lançam tendências de moda influenciando seus leitores Gêneros textuais do jornalismo de moda O jornalismo de moda, assim como qualquer outro segmento, tem seus próprios gêneros e formatos que classificam as notícias. Joffily (1991) caracteriza esse segmento em três gêneros textuais, como: a) matérias de tendências que explicam ao leitor quais serão as tendências da próxima estação, com o objetivo de informar a leitora os critérios a serem utilizados na renovação do guarda roupa (JOFFILY, 1991, p. 96). Flores (2016, p. 11), inspirado pela autora, complementa e afirma que essas matérias fazem referência ao que é - ou será - novidade no vestuário e nos produtos de moda. Reportagens de tendências adotam conteúdos sobre tecidos, cores, modelagem das roupas, combinações, acessórios, maquiagem e assuntos sobre as últimas novidades de indumentaria nos desfiles; b) matérias de serviço, de acordo com Joffily (1991) informa a leitora como colocar a tendência na prática do seu cotidiano, explicando quais peças combinam com a pessoa em si, explicando quais são as roupas e acessórios mais versáteis e baratos. De acordo com Dobrowoski e Araujo (2011), a matéria de serviço surgiu no jornalismo americano, e tem como função explicar como adaptar às peças as necessidades das leitoras, servindo, na maioria das vezes, como uma matéria guia;

58 58 c) matéria de comportamento que inserem a moda na atualidade das correntes e manifestações sociais e culturais, resgatando a moda como uma dessas correntes, com sua história, preocupação estética e sua simetria com os fatos (JOFFILY, 1991, p 98), ou seja, a moda mais aprofundada no contexto social. A matéria de comportamento possui traços do jornalismo literário, no sentido da utilização de perfis, deste modo, interessa ao um público maior do que de moda; De maneira geral, cada conteúdo jornalístico de moda tem uma intenção e um estilo, no qual, texto e imagem devem dialogar dentro de uma publicação (JOFFILY, 1991). Baseado nestes conceitos, Flores (2016) defende que há ainda uma quarta caracterização do jornalismo de moda, que são as matérias de celebridade. Essas matérias têm como conceito a divulgação da vida e da personalidade de pessoas em destaque na mídia. Na internet, os conteúdos que mais são utilizados pelos canais de comunicação são as matérias de serviço, tendência e de celebridade. A matéria de comportamento fica exclusiva, normalmente com algumas exceções, em revistas e em conteúdo audiovisual. As classificações apontadas por Joffily em 1991 podem ser comparadas com as classificações de Jose Marques de Melo e Francisco de Assis (2016). Os autores apresentam cinco caracterizações de gêneros textuais: a) Jornalismo Informativo, como notas, noticia, reportagem e entrevista; b) Jornalismo Opinativo, se caracterizando por resenha, coluna, comentário, caricatura, crônica, editorial, artigo e carta; c) Jornalismo Interpretativo, como dossiê, perfil, analise, enquete e cronologia; d) Jornalismo Diversional, definidos por histórias de interesse humano e história colorida; e) Jornalismo Utilitário como cotação, roteiro, serviço e indicador; Sendo assim, é possível comparar os três gêneros textuais de moda com os gêneros explicados por Melo e Assis, bem como: Quadro 1 - Os gêneros textuais de moda Gêneros de Moda Gêneros Textuais definidos por Melo e Assis Matérias de Tendências Jornalismo Informativo Jornalismo Opinativo

59 59 Matérias de Comportamento Interpretativo Diversional Matérias de Serviço Jornalismo Utilitário Fonte: adaptado de Joffily (1991), Melo e Assis (2016). Com isso, compreendendo que Joffily é a única autora que apresenta gêneros textuais de moda no Brasil, este trabalho utilizou os conceitos apontados por Melo e Assis para reforçar e complementar as características dos gêneros textuais de um jornalismo pouco estudo no país. Entender como se classificam as notícias de moda é importante para a realização da análise desta monografia.

60 60 5 ANÁLISE DA REVISTA VOGUE E DA REVISTA GLAMOUR O procedimento metodológico desta análise busca compreender como o jornalismo de moda utiliza o Instagram para informar. Para isso, utilizará da análise de conteúdo, pautada por Herscovitz (2010), para assim, verificar quais as narrativas presentes nas publicações das revistas de moda Vogue e Glamour. A análise de conteúdo surgiu no campo de comunicação em 1927 por Harold Laswell, com o objetivo de compreender documentos e textos e entender quem produz e quem recebe a notícia (HERSCOVITZ, 2010). Com o intuito de analisar e avaliar quantidades de informações, essa metodologia se utiliza do pressuposto da experiência empírica qualitativa e quantitativa. Herscovitz (2010, p. 127) define essa condição de análise em o que diz a mídia, para quem, em que medida e em com que efeito, dessa forma, este trabalho busca se apropriar do método de pesquisa empírica social qualitativa para compreender como o jornalismo de moda utiliza as narrativas no Instagram para informar. A análise terá três etapas: a primeira será analisar os conteúdos do Feed, por meio de uma tabela com os elementos narrativos online. Na segunda será analisado as postagens do InstaStories na cobertura da Semana de moda de São Paulo. E a terceira etapa, será analisado dois conteúdos, de cada perfil, do IGTV. Para analisar as postagens do feed, a seleção dos conteúdos do objeto de estudo se deu por meio do que Bauer (2004) intitula de semana artificial, no qual, são escolhidos conteúdos a serem analisados de um calendário aleatório, diminuindo a distorção da amostragem do objeto de estudo. Bauer ainda reforça e relata que as datas do calendário são um referencial de amostragem confiável, de onde se pode extrair uma amostra estritamente aleatória (BAUER, 2004, p. 196). A semana artificial será realizada a partir de setembro de 2018 até março de 2019, no qual, pela quantidade de publicações diárias, serão analisados um conteúdo por dia, e o critério de escolha será a partir dos conteúdos que mais tiveram curtidas no dia. Nesta análise, os conteúdos estudados serão avaliados por meio de uma tabela verificando seus elementos narrativos online, como: Interatividade, Instantaneidade, Memoria, Personalização, Multimidialidade e Hipertextualidade.

61 61 A segunda etapa da analisará os Instastories da rede social na cobertura do São Paulo Fashion Week que foi realizado nos dias 22 a 27 de abril avaliando de que forma as revistas Vogue e Glamour utilizam esta ferramenta para informar. Por fim, a terceira etapa da análise examinará o IGTV, ferramenta desenvolvida em 2018, em que os conteúdos escolhidos também serão baseados no critério de escolha: interação. Serão analisados dois conteúdos de cada objeto de estudo, verificando sua narrativa e seus gêneros textuais. 5.1 A HISTÓRIA DO INSTAGRAM Desenvolvido pelos engenheiros Kevin Systrom e Mile Krieger, o aplicativo Instagram foi inaugurado comercialmente no dia 06 de outubro de 2010, sendo oferecido inicialmente de forma gratuita e exclusiva para usuários do sistema operacional ios, como o iphone, ipod Touch e tablet ipad e todos os produtos da Apple. Posteriormente, em 2012, foi possibilitado para os usuários de Android (WEIDLICH, 2014). O principal objetivo e mecanismo do Instagram como rede social é a publicação e edição de fotos, em que, para o usuário utilizar esta rede social, o indivíduo deve criar um conta, selecionando os usuários que deseja seguir. O botão "seguir", conecta então os usuários, permitindo que estes recebam em seu perfil as atualizações de ambos (CAVENDISH, 2013, p. 52). Essa rede social permite aos usuários várias funcionalidades, como a aplicação de mais de 20 filtros de edições para as fotografias e vídeos, a utilização das hashtags (#), que funcionam como um agrupador de imagens relacionadas a determinado assunto, facilitando a disseminação de um tópico e o acompanhamento de um conteúdo, além de possibilitar a marcação de outros seguidores nas publicações. (WEIDLICH, 2014, p. 64). Os usuários do Instagram ainda podem compartilhar e postar suas imagens em três ferramentas, como: 1. Feed, em que, as fotos ficam a mostra na página do perfil, permitindo interações de outros seguidores, com o botão amei e na criação de comentários. Desde 2017, com uma nova atualização, os usuários podem postar até 10 fotos, ou vídeos, em uma única publicação;

62 62 2. O Instagram Stories, ou InstaStories surgiu em 2016 e possibilita a publicação de fotos e vídeos que ficam online apenas 24 horas, e a gravação de Lives, vídeos ao vivo. No Instastories há ainda a capacidade de interação, como enquetes, curtidas e comentários; 3. IGTV, desenvolvido em 2018, permite a publicação de vídeos com a temporalidade maior que um minuto, tempo máximo ao publicar no feed. A interação desta ferramenta se dá por meio de comentários e curtidas. Com tantas ferramentas e possibilidades de publicar uma notícia, Weidlich (2014, p. 64) comenta que o Instagram definiu um estilo próprio de compartilhar e armazenar a informação geolocalizada de moda, uma vez que [...] amplia a interação social no espaço físico, influenciando estilos e maneiras de adotar modas em diferentes localidades. Sisson (2015, p. 43) afirma que o jornalismo de moda, ao fazer o uso adequado do jornalismo online, tornou-se um ponto de atualização e referência de pesquisa sobre tudo o que acontece nesse mercado. Além disso, as revistas, ao migrarem para as redes sociais, proporcionaram ao leitor uma interatividade produtiva, gerando uma engrenagem de transmissão de notícias, opiniões, imagens e vídeos. Desta maneira, a migração das revistas de moda mais conhecidas no mercado para esta rede social foi inevitável. 5.2 VOGUE A revista Vogue surgiu no dia 17 de dezembro de 1892 nos Estados Unidos por Arthur Baldwin Turnure e Harry McVickar, como uma gazeta social semanal de 30 páginas. O objetivo da revista era transcrever a sociedade, com publicações sobre cultura, etiqueta, musica, livros, arte e dicas de como se portar em eventos sociais (WEIDLICH, 2014) Ali (2009, p. 24) ressalta que em 1909 foi adquirida pelo advogado e publicista Conde Nast e com o sucesso, diferentes versões da revista foram lançadas em vários países, como a Vogue Britânica (1916), Vogue Francesa (1920), Vogue Espanhola (1921), Vogue Italiana (1922) e a Vogue Alemã (1924). Em 1960 a vogue ganhou o status de Bíblia da Moda com a nova editorachefe Diana Vreeland. Em 1988 Anna Wintour assumiu o cargo de editora-chefe

63 63 reformulando radicalmente a revista. A nova editora convertia estilistas e modelos, antes desconhecidos, em celebridade de um dia para outro. Logo em seguida mais produtos segmentados da revista surgiram, como a versão online da vogue lançada em No Brasil, a revista surgiu em 1975, sendo a primeira edição da Vogue na América Latina. Produzida pela editora Três, e no ano seguinte pela Carta Editorial. A primeira publicação da revista tinha 80 páginas de anúncios publicitários e vendeu 50 mil exemplares (MORAES, 2012,) No início, a revista era comandada por Andrea Carta e Ignácio Loyola. Foi neste período que a vogue Brasil começou publicar assuntos de moda, beleza, estilo de vida, política, economia e questões sociais. Pina (2011) comenta que foi no final da década de 1980, que a revista começou a trazer edições com assuntos mais polêmicos como o movimento dos sem-terra, a situação das mulheres nas penitenciárias femininas, a Aids e sobre o aborto. Em 2010 a Globo Conde Nast passou a editar as publicações da Vogue, após adquiriu os direitos da revista. As manifestações sociais influenciam as construções dos conteudos da revista Vogue. Exemplo disso, foi a repercussão negativa de uma foto publicada pela editora chefe da revista Vogue, Donata Meireles, no dia 11 de fevereiro de A publicação mostrava a editora chefe sentada em uma cadeira no meio de duas modelos negras com roupas de baiana. Após a postagem, Donata recebeu inúmeras críticas, sendo chamada de racista, pois, a fotografia tinha a semiologia que lembrava e fazia referências a época da escravidão. Após a repercussão, a editora pediu demissão da revista. Além disso, a vogue publicou uma nota lamentando o ocorrido. Após uma comparação entre meses antes após o ocorrido, foi possível constatar que a revista publicou mais de 180 fotos de modelos negros, nos três últimos meses seguintes à publicação da nota da revista. Nos três meses anteriores, o número não chegou a 100 fotos de pessoas negras. Desse modo, ainda que não seja o proposito deste trabalho identificar a quantidade de fotos com modelos negras, é pertinente apontar como o mencionado no parágrafo anterior evidencia uma possível mudança em função das críticas manifestadas pelo público.

64 64 Atualmente, de acordo com Media Kit de 2018 disponibilizado pela editora, a Vogue tem uma tiragem de exemplares, exemplares por circulação paga e por assinaturas digitais. No Instagram, a revista tem mais de dois milhões de seguidores, sendo a revista de moda com mais seguidores no país O feed Essa seção analisou o feed da revista por meio da semana artificial. Foram setes conteúdos analisados: o do dia 30 de setembro de 2018, 01 de outubro de 2018, de novembro de 2018, de dezembro de 2018, de janeiro de 2019, de fevereiro de 2019 e de março de As postagens adotam a titulação de primeira publicação V. 1 (30/09/2018), segunda publicação V. 2 (01/10/2018), terceira publicação V. 3 (06/11/2018), quarta publicação V. 4 (12/12/2018), quinta publicação V. 5 (17/01/2019), sexta publicação V. 6 (22/02/2019) e sétima publicação V. 7 (23/03/2019) para melhor entendimento da análise. Entre as setes publicações, quatros são fotografias e três são vídeos Primeira publicação V.1 A primeira publicação analisada com mil curtidas e 297 comentários, apresenta uma matéria sobre a modelo Gisele Bündchen, que aos seus 38 anos posou para uma sessão de fotos para a revista Vogue. A foto, preta e branca, mostra a modelo com roupas típicas da sua terra natal, o Rio Grande do Sul (Figura 1). Com uma cuia de chimarrão em uma das mãos e com seu cachorro ao lado, a fotografia foi tirada em um ensaio fotográfico, para uma reportagem publicada na revista impressa. O texto da matéria é uma publicação curta e descreve a idade da modelo e comparando com o tempo de carreira que a Gisele tem. Aos 38 tem como principal missão inspirar os outros em defesa das riquezas naturais. Modelo há 23, ela nunca deixou sua essência e seu orgulho de ser brasileira de lado (VOGUE, 2018). A publicação também faz referências à revista impressa do mês de Outubro, na #VogueOutubro ela volta às suas raízes em um editorial clicado no Rio Grande do Sul (VOGUE, 2018).

65 65 O texto ainda apresenta marcações sobre o fotógrafo, editor de moda e sobre a marca de sapatos, roupas e joias que a modelo estava usando, além da utilização de tags, como #vogueoutrubro, #vogueraizes e #giselebundchen. Figura 1 Divulgação da Gisele Bündchen na Vogue Outubro Fonte: Feed do Instagram da Vogue, Segunda Publicação V. 2 A postagem analisada também é sobre a modelo. Contudo, ao invés de foto, a matéria exibe uma prévia, em formato audiovisual, para divulgar o vídeo completo, intitulado Vogue Raízes, presente no IGTV e no portal de comunicação da revista (Figura 2). Essa postagem, com mil visualizações, curtidas e 72 comentários, também serve para divulgar a revista impressa que tem a modelo como capa. O vídeo apresenta a modelo no ensaio fotográfico do editorial de moda da revista Vogue outubro de O ensaio é titulado como Vogue Raízes, e tem como objetivo apresentar a natureza. Com isso, o vídeo tem uma edição com vários cortes, no qual, Bündchen aparece posando para as câmeras com abelhas, cavalos e cabras. A modelo ainda faz uma narração sobre o contexto do editorial. O texto que compõe o vídeo também é curto, e convida o leitor a acessar o site para ver o filme completo da publicação. Além disso, a publicação tem uma versão em inglês, tanto do próprio texto, como das marcações e das utilizações de tags sobre as pessoas e as grifes envolvidas na produção da postagem.

66 66 Figura 2: Divulgação do vídeo Vogue Raízes Fonte: Feed do Instagram da Vogue, Terceira publicação V. 3 Com mil curtidas e 28 comentários a postagem, diferente das anteriores, apresenta traços de uma matéria de serviço, assim como é possível observar no texto: Está de passagem pelo Rio? Vogue entrega os melhores programas da semana (VOGUE, 2018), ou seja, informa ao leitor dicas do que fazer no rio de janeiro. A postagem ainda faz a utilização das tags, como #VogueRadar, #RadarRio e #Airfrance, e convida os leitores a acessarem o link da bio para conferir outras novidades da revista (Figura 3). Nessa publicação, a foto, do Rio de Janeiro, serve apenas como ilustração para complementar o texto.

67 67 Figura 3: matéria de serviço lugares para conhecer no Rio de Janeiro Fonte: Feed do Instagram da Vogue, Quarta publicação V. 4 Similar à publicação anterior, com mil curtidas e 16 comentários, a postagem tem características de matéria de tendências, pois, mostra ao leitor 10 dicas de beleza das celebridades que serão tendências em Ainda que o texto não cita quais famosas a matéria se refere, a fotografia, nesta postagem, expõe a modelo Gigi Hadid com o vestuário e maquiagens na cor rosa, em que, a imagem serve apenas como uma ilustração para reforçar o texto e chamar a atenção dos leitores. A publicação também tem a utilização de tags como #beleza e #GigiHadid. Figura 4: Tendências de beleza Fonte: Feed do Instagram da Vogue 2018

68 Quinta publicação V. 5 A quinta publicação analisada foi a do dia 17 de janeiro de 2019 com mil visualizações, mil curtidas e 7 comentários. A matéria é composta por um gif que mostra 6 celebridades com fotografias de antes e depois com 10 anos de diferença. O texto, assim como as outras publicações, é curto com característica de nota. A postagem convida o leitor a entender sobre o conteúdo postado no site oficial da revista, entenda no link da bio! (VOGUE, 2019). Figura 5: Gif 10 years challenge Fonte: Feed do Instagram da Vogue, Sexta publicação V. 6 Com mil curtidas e 195 comentários, a publicação é um pouco mais informativa do que as anteriores. Assim como as duas primeiras matérias analisadas, essa também apresenta Gisele Bündchen. Contudo, o foco da vez é expor o look sustentável que a modelo estava usando no red carpet. O texto informa os detalhes da roupa, assim como a top escolheu um de viscose ecofriendly combinado com joias brasileiras. Nessa publicação também foi utilizada o uso de tag e de marcações de pessoas como a estilista, a marca das joias e o perfil do evento que a modelo participou.

69 69 A fotografia da Gisele na publicação serve como uma ilustração para reforçar a matéria. Entretanto, nesta postagem a vogue publicou 3 imagens, uma do rosto da modelo, expondo as joias. A segunda exibindo o vestido que a Gisele usou e a terceira fotografia mostra a modelo com o seu marido. Figura 6: Gisele Bündchen com vestido sustentável Fonte: Feed do Instagram da Vogue, Sétima publicação V. 7 A sétima postagem analisada com mil Visualizações, mil curtidas e 138 comentários, é um vídeo que apresenta uma prévia sobre a decoração e o tema do baile da vogue. O texto que compõe a publicação informa ao leitor que a Vogue realizara a cobertura do evento. Além do mais, a publicação tem traços de uma nota literária na narrativa storytelling, apresentando detalhes sobre o baile. Figura 7: Baile da Vogue Fonte: Feed Instagram da Vogue, 2019

70 As setes publicações da Vogue Deste modo, entende-se que as matérias analisadas são estruturadas com todos os elementos narrativos, assim como ilustra a tabela: Quadro 2 - Elementos narrativos: Vogue Publicação Elementos Narrativos Interatividade Instantaneid Multimidiali Memória Personalizaç Hipertextua ade dade ão lidade 30/09/2018 X X X X X X 01/10/2018 X X X X X X 06/11/2018 X X X X X X 12/12/2018 X X X X X X 17/01/2019 X X X X X X 22/02/2019 X X X X X X 23/03/2019 X X X X X Fonte: A autora, Com isso, foi possível identificar que os elementos narrativos presente em todas as matérias foram a interatividade, multimidialidade, instantaneidade, personalização e hipertextualidade. Entende-se que as tags podem ser consideradas como características do elemento memória, pois, acumula postagens sobre o mesmo assunto. Deste modo, a última publicação analisada, não foi considerada estruturada com este elemento, devido a falta de tags em sua composição textual. Os outros elementos narrativos, foram encontrados em todos as publicações analisadas. É importante observar que o elemento personalização também está em todas as análises, pois entende-se que o Instagram permite que o usuário salve aquela postagem em sua biblioteca. Todos os textos que acompanham as postagens foram curtos e apresentavam marcações de pessoas e grifes de roupas. Além do mais, a linguagem textual das publicações tem características coloquiais em que, aproximam-se do leitor como uma conversa.

71 InstaStories Nesta etapa de analise, esta monografia analisou os conteúdos postados na ferramenta Instastories na cobertura do evento Semana de Moda de São Paulo, conhecido como São Paulo Fashion Week (SPFW) que ocorreu nos dias 17 até 22 de abril. Os conteúdos analisados foram divididos por dois momentos, as postagens sobre os bastidores e as publicações sobre os desfiles. Kannenberg afirma que os Stories, quando usado em veículos de comunicação, têm três objetivos, como divulgação de conteúdo, cobertura jornalística e conversação. O evento analisado se caracteriza como cobertura jornalística, pois: essa categoria pressupõe que o conteúdo seja produzido para o Instagram Stories, com fotos e vídeos exclusivamente nativos. Consideramos aqui coberturas no modelo tradicional do jornalismo, ou seja, quando o repórter está no local de algum acontecimento e transmite informações de lá (KANNENBERG, 2017, p. 10). Com isso, a cobertura realizada pela Vogue iniciou um dia antes, apresentando quatro postagens. As quatros fotos são chamadas informando os detalhes sobre o evento, como tudo sobre as 5 marcas estreantes e É amanhã! Arraste e confira o lineup completo (VOGUE, 2019). Todas as postagens convidam o leitor a ler a matéria completa no portal de comunicação da revista. A partir do primeiro dia da SPFW, 22 de abril, até o ultimo dia, 27 de abril, 35 marcas se apresentaram no evento: 22 de abril: Ronaldo Lourenço. 23 de abril: Lenny Niemeyer, Patricia Viera, Fabiana Milazzo, Lilly Sarti e Bobstore. 24 de abril: Gloria Coelho*, PATBO*, Another Place, Beira, João Pimenta, Amir Slama, Modem, Lino Villaventura. 25 de abril: Projeto Estufa - Aluf, Projeto Estufa - Victor Hugo Mattos, CACETE Co, Top5 Borana, Neriage, Handred, Triya. 26 de abril: Projeto Estufa ÃO, Projeto Estufa MiPinta, Cotton Project, Apartamento 03, Ratier, Haight, Ronaldo Fraga. 27 de abril: Projeto Estufa - Lucas Leão, Projeto Estufa - Korshi 01 Projeto Estufa - LED, Ocksa, Flávia Aranha, PIET, Ponto Firme, Cavalera.

72 72 A Vogue publicou 62 vídeos e 81 fotos durante o evento, ou seja, 143 postagens ao total. Toda primeira postagem publicada durante o evento é uma imagem preta com um texto padrão informando o leitor que começou a cobertura, como: #VOGUEnoSPFW, DIA destas postagens apresentaram os bastidores do desfile, expondo as modelos se maquiando, em que foram identificadas matérias de serviço, pois os maquiadores ensinavam dicas de como se maquiar. Nestas publicações, a revista postou detalhes da decoração do ambiente e prévias dos looks, informando o tema e os materiais utilizados nos looks: Figura 8: Cobertura do SPFW realizada pela Vogue: bastidores Fonte: Instastories da revista Vogue no Instagram, As outras 46 postagens foram sobre o momento das modelos desfilando nas passarelas. Foram identificadas nestas postagens, matérias de tendências, pois, informavam o leitor quais seriam as tendências do verão. As opiniões dos jornalistas sobre as roupas também estavam presentes nas postagens, além do mais, alguns textos convidavam os leitores a reverem mais sobre os desfiles no site oficial da revista.

73 73 Figura 9: Cobertura da SPFW realizada pela Vogue: desfile Fonte: Instastories da revista Vogue no Instagram, A vogue ainda cobriu os eventos Fashion Revolution Week e Veste Rio, deste modo foram publicadas um total de 275 postagens ao total durante a semana analisada IGTV Baseado no critério de escolha interatividade, a primeira postagem analisada foi a publicação do dia primeiro de outubro de 2018, com 32, 349 mil visualizações, mil curtidas e 71 comentários, e assim como a matéria analisada no feed do mesmo dia, apresenta a modelo Gisele Bündchen com sua família no Rio Grande do Sul. O vídeo tem duração de 1 minuto e 36 segundos com modelo narrando um poema, em que as imagens variam do ensaio fotográfico de Gisele com cenas específicas para cobrir as falas do vídeo. Bernard afirma que a técnica de narração, ou como ele chama voice-over, pode atrair o publico como se fosse pela mão. A narração traz informações que, de outro modo, não estariam disponíveis, sendo, porém, essenciais para o publico poder vivenciar plenamente o seu filme (BERNARD, 2008, p. 219).

74 74 O segundo conteúdo analisado é do dia 26 de outubro de 2018, com mil visualizações, 897 curtidas e 43 comentários. Com 8 minutos e 53 segundos de duração, apresenta a diretora de parceria de moda do Instagram, Eva Chen, que responde 8 perguntas realizadas por celebridades brasileiras, como Anita, Donata Meirelles, Helena Bordon, Caroline Trentini, Ludmila, Reinaldo Lourenço e Costanza Pascolato, sobre a moda. O vídeo tem uma estrutura de ping e pong, pois, a diretora recebe as perguntas por meio de vídeos e responde seguidamente. Deste modo, os vídeos analisados têm características dos gêneros textuais de tendências e serviços, pois informam os leitores sobre as tendências e revelam dicas de como utilizá-las. Contudo, a Vogue utiliza desta ferramenta para introduzir matérias de comportamentos, por exemplo, na primeira análise desta ferramenta, a narração de Gisele junto com as imagens do vídeo adota o conceito de storytelling com uma narratividade literária. Outro exemplo de matéria de comportamento, analisada como complemento, o vídeo de 5 minutos e 10 segundos do dia 24 de janeiro de 2019 com 10, 206 mil visualizações, 245 curtidas e 8 comentários, em que, apresenta um perfil narrado sobre Jules Sauer, um joalheiro brasileiro. O vídeo é estruturado de forma voice-over, com imagens e fotos de Sauer e sua esposa, com a narração e com alguns trechos de entrevistas do próprio joalheiro. 5.3 GLAMOUR A revista Glamour se originou em 1939, nos Estados Unidos pelo grupo internacional Condé Nast, sendo inicialmente chamada de Glamour of Hollywood, e assim como a revista Vogue, tem diversas versões em vários países da Europa e da Ásia, além de África do Sul e México. Os autores Nunes e Araujo (2017, p. 244) relatam que no exterior, é considerada a revista número 1 da Europa, já em território nacional é a revista mais vendida em bancas. Sisson (2015, p. 44) afirma que a revista surgiu no Brasil em abril de 2012 pela Editora Globo com a proposta de substituir a revista Criativa, que estava em circulação nacional havia 22 anos e tinha um público-alvo semelhante ao que a Glamour desejava atingir. Sua primeira edição vendeu mais de 100 mil exemplares, com leitores entre 20

75 75 e 35 anos, pertencentes à classe B+, em que, seus conteúdos têm uma linguagem simples, e abordam assuntos de moda, lifestyle, beleza e relacionamentos. A autora ainda relata que um dos diferenciais da revista é não pensar unicamente como uma publicação, ou seja, a revista trabalha como branding, tendo produtos assinados que não são comercializados, no qual, torna os conteúdos mais atrativos para os leitores, sendo visto como objetos de desejo (SISSON, 2015, p. 44). A revista Glamour, além de ser a revista feminina brasileira que mais vende em bancas no país, é também a revista feminina mais nova no Brasil, deste modo, a revista surgiu no país após a popularização das mídias digitais. (ARAUJO, NUNES, 2016, p. 5) Atualmente, de acordo com o Media Kit 2018, disponibilizado pela editora, a revista tem uma tiragem de 130 mil exemplares e aproximadamente 400 mil leitores. No Instagram, a Glamour tem torno de 1,3 milhões de seguidores O feed Assim como os conteúdos analisados da Revista Vogue, as postagens da Glamour também adotam a uma intitulação, do mesmo modo primeira publicação, G. 1 para o dia 30/09/2018, segunda publicação G. 2 para 01 de outubro de 2018, terceira publicação G. 3 para de novembro de 2018, quarta publicação G. 4 para de dezembro de 2018, quinta publicação G. 5 para o dia de janeiro de 2019, sexta publicação G. 6 para de fevereiro de 2019 e sétima publicação G. 7 para o dia de março. Entre as publicações analisadas, 5 foram fotografias e duas postagens foram vídeos Primeira publicação G. 1 A primeira publicação do dia 30 de setembro de 2018 com mil curtidas e 59 comentários se caracteriza como matéria de tendência, pois o texto inicia-se com A tendência western é uma realidade, bb! Ela bombou nas passarelas internacionais, chegou ao street style e conquistou nossos corações. E é finalizado com a conceitualização da matéria de serviço, pois apresenta dicas de como adotar essa tendência no dia a dia do leitor.

76 76 A imagem que acompanha a matéria é uma fotografia da modelo Bia Arantes com um vestido longo com uma estampa mesclada de xadrez nas cores rosa, preto e branco. A modelo também utiliza uma bota cowboy com característica do estilo Folk contemporâneo, assim como expõe a matéria. A utilização de hiperlinks, como as tags e as marcação de pessoas envolvidas com a criação da reportagem, também estão presentes na publicação. Figura 10 Tendência Western Fonte Feed do Instagram da Glamour, Segunda publicação G. 2 A postagem do dia 01 de outubro de 2018, com curtidas e 12 comentários, apresenta uma nota curta informando sobre as celebridades presentes no lançamento da nova coleção da grife francesa goyer wear em Paris. O texto, assim como as outras publicações, também tem a utilização de tags e marcações de pessoas envolvidas com a postagem. A imagem da publicação apresenta a colunista Vic Ceridono com a jornalista de moda Constanza Pascolato.

77 77 Figura 11 Semana de Moda de Paris Fonte Feed do Instagram da Glamour, Terceira publicação G. 3 Com mil visualizações, 838 curtidas e 17 comentários a publicação do dia 06 de novembro de 2018 apresenta aos leitores um vídeo, sem áudio, com a modelo Heloisa Muniz ensinando como realizar uma massagem facial. O texto que compõe a publicação serve como complemento do vídeo, pois relata do que se trata o conteúdo. Diferente das outras publicações, a postagem utiliza de emoctions para ilustrar o texto, contudo, não foi encontrado nenhuma tag na publicação. Figura 12 Benefícios da automassagem Fonte Feed do Instagram da Glamour, 2019

78 Quarta publicação G. 4 A publicação do dia 12 de dezembro de 2018, com mil curtidas e 45 comentários, é uma chamada, com a técnica de storytelling. A postagem convida o leitor a acessar o site para ler a matéria completa, que conta, por meio de um perfil, a história de Ingrid Silva, a primeira bailarina do Dance Theatre Of Harlem. A imagem que compõe a matéria é uma fotografia da bailarina em um ensaio realizado para reportagem, servindo apenas como ilustração para reforçar o texto. Figura 13 Primeira bailarina do dance theatre of harlem Fonte Feed do Instagram da Glamour, Quinta publicação G. 5 A quinta postagem analisada foi do dia 17 de janeiro de 2019, com mil visualizações, 275 curtidas e 3 comentários. A publicação apresenta um vídeo de 50 segundos da jornalista Vic Ceridono, beauty expert da revista. Com características de uma chamada, o vídeo faz uma prévia sobre uma coluna jornalística, construída em formato de audiovisual, da jornalista, que apresenta dicas de relaxamento e energizantes para fazer na hora do banho. Sendo assim, o texto que compõe o vídeo, possui traços de matérias de serviços ao apresentar ao leitor tutoriais.

79 79 Figura 14 Previa da coluna jornalística de Vic Ceridono Fonte Feed do Instagram da Glamour, Sexta publicação G. 6 Com mil curtidas e 19 comentários, a sexta matéria analisada é diferente das outras publicações. A publicação apresenta uma nota curta parabenizando a atriz Drew Barrymore por seus 44 anos de idade. Com duas fotos da atriz em uma cena do filme E.T, com sete anos, o texto expõe uma linguagem coloquial, até mesmo literária, ao referenciar para o leitor o filme dos anos 90, fazendo referências com a atriz atualmente. Figura 15 Nota de aniversario para atriz Drew Barrymore Fonte Feed do Instagram da Glamour, Sétima publicação G. 7 Publicada no dia 23 de março de 2019, a sétima publicação analisada tem e 47 comentários. A postagem possui características de matéria de serviço, em que, apresenta para o leitor o perfil da grife de acessórios de cabelo Keashldn, que dá dicas de como decorar o cabelo de forma inusitada.

80 80 Para ilustrar a matéria, a fotografia é uma imagem de um penteado com acessórios de perolas e cristais formando o desenho de um polvo marinho. Figura 16: Dicas para criar penteados Fonte Feed do Instagram da Glamour, As setes publicações da Glamour narrativos online: As postagens analisadas apresentaram em sua estrutura todos os elementos Quadro 3 - Elementos narrativos: Glamour Publicação Elementos Narrativos Interatividade Instantaneid ade Multimidiali dade Memória Personaliz ação Hipertextua lidade 30/09/2018 X X X X X 01/10/2018 X X X X X X 06/11/2018 X X X X X 12/12/2018 X X X X X X 17/01/2019 X X X X X 22/02/2019 X X X X X 23/03/2019 X X X X X Fonte: A autora, Com isso, foi possível observar que os elementos narrativos presentes em todas as postagens foram a interatividade, multimidialidade, personalização e hipertextualidade.

81 81 O elemento instantaneidade não foi identificado nas publicações dos dias 17 de janeiro de 2019, pois a publicação refere-se a uma nota comemorativa de aniversário, não se encaixando nas características deste elemento narrativo. Assim como a revista Vogue, na Glamour o elemento narrativo memória também não foi encontrado, nas publicações dos dias 30 de setembro de 2018, 06 de novembro de 2018, 22 de fevereiro e 23 de março de 2019, pois as postagens não apresentavam tags ou quaisquer outras características do elemento InstaStories Nesta seção, os conteúdos analisados também foram separados por publicações dos bastidores da SPFW e por postagens, em tempo real, sobre os desfiles. Diferente da Vogue, a Glamour não publicou postagem sobre o SPFW no dia anterior dos desfiles. Assim, a primeira postagem do evento foi uma foto padrão na cor rosa com um texto #GLAMOUR no SPFW. A cor rosa é muito utilizada nos Stories da Glamour, pois é uma cor característica da própria revista. Após essa foto padrão, a Glamour postou outra imagem com o nome da marca a ser desfilada, na qual, a revista utilizou desse padrão de imagem em todos as apresentações. Com 86 vídeos e 68 fotos, a Glamour postou um total de 165 publicações sobre o evento. As postagens sobre os bastidores dos desfiles, um total de 122 publicações, foram separadas em duas categorias, uma intitulada #SPFW na vida real, em que, mostrava curiosidades que aconteciam nos desfiles, como a presença de celebridades ou matérias de serviço ensinando os leitores dicas de maquiagem e cabelo. A segunda categoria, não intitulada, são postagens dos bastidores de maneira geral, como prévias dos looks, detalhes das roupas e da decoração e informações sobre temas, modelos e estilistas. Nestas publicações, Glamour utilizou, várias vezes, as ferramentas de interatividade, como perguntas, testes e questionários, sempre convidando o leitor a participar das postagens.

82 82 Figura 17 Cobertura da SPFW realizada pela Glamour: bastidores Fonte: Instastories da Glamour no Instagram, 2019 Foram 43 publicações, assim como a Vogue, todas em formatos de audiovisual, mostravam os desfiles acontecendo em tempo real. Os textos que acompanhavam as postagens se caracterizam como matérias de tendências e como gênero opinativo, pois, informavam as tendências, e ao mesmo tempo, os jornalistas opinavam sobre as peças apresentadas. Uma característica identificada nas publicações, diferente da Vogue, é o designer das postagens. A Glamour editava, criando diferentes molduras, montagens e imagens de fundo que enfeitavam as publicações. Nestas postagens, também foram identificadas a utilização de ferramentas de testes, perguntas, questionários e, até mesmo, adoção de uma linguagem mais coloquial, em que, criavam uma aproximação com os leitores. Assim como afirma Kannenberg (2017, p. 10), funcionalidades típicas do Stories, como aplicação de etiquetas de horário temperatura, localização e dia da semana, além de emojis e desenhos à mão livre, entre outros, são oportunidades interessantes para gerar proximidade com o público.

83 83 Figura 18 Cobertura da SPFW realizada pela Glamour: desfile Fonte: Instastories da Glamour no instagram, Outra diferença, comparada a vogue, foi que a Glamour apenas cobriu o SPFW, os demais eventos, como Veste rio e Fashion Revolution Week, a revista não realizou a cobertura IGTV A revista glamour, no Instagram, publicou 28 conteúdos audiovisuais no IGTV. Com isso, as duas publicações que mais tiveram interação foram os conteúdos postados no dia 18 e 26 de fevereiro de 2019 com consecutivamente mil curtidas e 90 comentários no primeiro dia e mil curtidas e 70 comentários no segundo. O primeiro vídeo, com mil visualizações e 2 minutos e 19 segundos de duração, expõe o episódio de estreia da nova websérie da revista, em que apresenta a atriz Camila Queiroz ensinando algumas palavras e palavrões em outros idiomas. O texto que compõe a postagem é informativo ao relatar ao leitor a trajetória da atriz, e utiliza das tags e marcações para apontar os envolvidos com a produção do conteúdo audiovisual. O vídeo exibe a modelo falando algumas palavras nos idiomas japonês, francês e alemão. A edição é animada de acordo com o que Camilla narra, como por exemplo

84 84 quando ela está contando de um a 10 em japonês aparece vários quadros do vídeo seguindo a contagem. O segundo vídeo analisado, assim como o primeiro, também exibe a atriz Camila Queiroz. Contudo, neste conteúdo de audiovisual, ela relata como foi seu primeiro beijo com seu marido, também ator, Klebber Toledo. O vídeo de 1 minuto e 53 segundos de duração tem mil visualizações e é composto com um texto e informativo que apresenta o conteúdo do vídeo. Já a edição, diferente da matéria analisada anteriormente, são cortes suaves para contextualizar a entrevista realizada com a modelo. O ambiente também é diferente, em que, Camilla está em um lugar com bastante vento. O plano do vídeo é mais aberto e a trilha sonora é uma valsa que remete a elegância. 5.4 CONCLUSÃO DA ANÁLISE Sendo assim, foi possível perceber que todos os elementos narrativos estavam presentes nas publicações analisadas. A interação é uma das características fundamentais das redes sociais, em que, no jornalismo online, classifica-se em duas maneiras, como a interação do usuário com os veículos jornalísticos e a interação dos leitores com as notícias. A análise traz em evidência que, tanto na Glamour como na Vogue, a interação dos usuários é realizada com os jornalistas e com as notícias. Contudo, a Glamour faz mais interação pedindo a opinião dos usuários sobre as peças e dicas mostradas nas publicações do que a Vogue. Porém, ambas as revistas fazem a utilização de hiperlinks e de convites para interagir com os leitores. Os hiperlinks também são características da hipertextualidade. Dessa maneira, a análise identificou esse elemento narrativo nas publicações de todas as ferramentas do Instagram. A Glamour e a vogue aproveitam dos hiperlinks para convidar o público a acessar os outros canais de comunicação das revistas. Confira aqui, acesse o link, são alguns exemplos utilizados pelos perfis estudados. As tags e marcações de pessoas também foram muito utilizados. Essas ferramentas permitiam ao leitor ir a outras páginas para conhecer mais sobre os assuntos ou sobre as pessoas presentes na publicação.

85 85 As tags utilizadas pelas revistas possibilitavam ao público a ir a outras postagens sobre o mesmo assunto publicado. Desta forma, essa função cria uma pagina com um acumulo de informações sobre um mesmo assunto. Sendo assim, as tags também são funções do elemento narrativo memória. A personalização foi um elemento que a análise identificou em todos os conteúdos publicados nos feeds da Vogue e da Glamour. Pois, assim como mencionado anteriormente, o instagram é uma rede social que permite que os usuários salvem as publicações do Feed em sua biblioteca pessoal, possibilitando ao leitor guardar reportagens de acordo com o seu gosto pessoal. Desta forma, isso se caracteriza como personalização. A multimidialidade e instantaneidade são elementos característicos da rede social. Todas as postagens de todas ferramentas do Instagram fazem a convergência de vídeos, fotografias e texto, sendo então multimídias. Já a instantaneidade foi encontrada principalmente nas postagens do Instastories, pois a cobertura do SPFW foi realizada em tempo real, fazendo com que as publicações fossem instantâneas. Uma característica encontrada em todas as publicações foi os textos curtos, contudo, estruturados na pirâmide deitada, ou seja, todas as informações do texto eram importantes. Uma observação da análise foi que as matérias de tendências foram encontradas principalmente nos Instastories, pois a ferramenta permitia indicar quais tendências estavam na moda no momento. As matérias de serviço foram identificadas nos Feeds, no qual, tanto a Vogue como a Glamour exibiam dicas e tutorias para os leitores, sempre convidandoos a acessarem o site. O IGTV apresentava conteúdos tanto de serviço como de tendências, contudo, nessa ferramenta foi possível identificar matérias de comportamento, pois exibia perfis narrados, e vídeos de reportagens mais aprofundadas. Por fim, de maneira geral, as matérias desenvolvidas na Glamour e na Vogue são construídas com três pressupostos, chamar a atenção do leitor, divulgar os canais de comunicação e principalmente informar o público sobre a moda. Com isso, é possível identificar que o jornalismo de moda constrói sua notícia baseada nos leitores, em que, as matérias, ainda que curtas, possuem caráter informativo.

86 86 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS A construção de uma notícia, principalmente na web, adota elementos e características para serem estruturadas da melhor maneira possível para obter seu objetivo, que é informar. O ambiente online modificou a forma de se fazer jornalismo. As notícias são formadas com a técnica da pirâmide deitada, em que, as informações são estruturadas no mesmo nível de importância, diferente da pirâmide invertida, na qual as notícias devem ser construídas hierarquicamente iniciando com a informação mais importante. Outra modificação realizada na estrutura da notícia, foi o surgimento e a reformulação de elementos narrativos, como: Instantaneidade, Interatividade, Memória, Personalização, multimidialidade e hipertextualidade, assim como apontam Canavilhas (2014) e Palácios (2002). Essas características narrativas estão presentes atualmente nas reportagens presentes em portais de comunicação e nas redes sociais. Outro efeito da internet foi a popularização do jornalismo segmentado. Com isso, houve uma democratização da informação de moda, assim como Fejgel (2013, p. 40) afirma, que antigamente o conteúdo de moda era seleto e restrito para o público que comprava ou assinava revistas de moda, hoje em dia, é mais democrático e todos podem se manter informados sobre o assunto. As redes sociais, principalmente o Instagram, beneficiaram o jornalismo de moda, pois, permitem uma facilidade de acesso a esses conteúdos. Além do mais, ampliou a possibilidade de interação com os leitores, também conhecido como jornalismo cidadão. Desta forma, após analisar os perfis do Instagram das duas revistas de moda de grande importância no Brasil, Vogue e Glamour, foi possível identificar a utilização do elemento narrativo interatividade em todas as ferramentas (feed, instastories e IGTV). Pois, além de ser característica das redes sociais, a Vogue e a Glamour aproveitam de todas as funções do Instagram para interagir com público. É possível observar isso quando as revistas postavam imagens com perguntas, testes e questionários sempre incitando os leitores a participarem e darem suas opiniões. O elemento hipertextualidade foi utilizado em todas as postagens do feed com a utilização de tags e de marcações de pessoas nas publicações. Esse elemento, nas ferramentas instastories e IGTV, estavam presentes no formato de chamadas que

87 87 convidavam o público a acessar outros links, como rever ou saber mais sobre o assunto no site oficial das revistas. A utilização de tags também serviram para identificar o elemento narrativo memória, pois, entende se que ao utilizar uma tag o conteúdo é intitulado e identificado, com isso o Instagram cria um banco de dados, em que, ao acessar essa tag o usuário tem acesso a todos os conteúdos postados identificados com essa intitulação. A multimidialidade é a interligação de diferentes mídias e linguagens. Sendo assim, foi identificado o uso desse elemento em todas as postagens das revistas, pois, as publicações tinham a convergência de textos com vídeos e imagens, além de elemento gráficos como perguntas, termômetros, horários e entre outros. A personalização é toda customização que o usuário faz com os conteúdos e os portais de comunicação a partir de seu gosto pessoal. Deste modo, este trabalho identificou este elemento em todas as postagens do feed, pois, o Instagram tem a função salvar em sua biblioteca, com isso, os usuários tem a possibilidade de salvar os conteúdos publicados, customizando sua biblioteca de acordo sua personalidade. O último elemento narrativo, instantaneidade foi identificada em todas as postagens do Instastories. Entende se que este elemento é a capacidade de um veículo postar uma notícia de forma instantânea e rápida, com isso, a cobertura do SPFW executada nesta ferramenta foram realizadas em tempo real. Este elemento também foi encontrado no IGTV e no Feed, pois, além de acender um conteúdo instantaneamente, a atualização continua de um conteúdo também é característica da instantaneidade. Desta forma, esses elementos estruturam as notícias de moda nestas redes sociais. Entende-se que o jornalismo de moda se constitui em três gêneros textuais, como de tendência, de serviço e de comportamento, cada qual utilizada para um objetivo específico. As revistas utilizam da matéria de serviço nas publicações do feed, do IGTV e dos instastories para ensinar dicas e tutorias de como utilizar as tendências de moda. Esse gênero textual estava presente principalmente no feed, pois, as revistas aproveitavam do espaço para convidar os leitores a acessarem os portais de notícias para ver e aprender dicas e tutorias de beleza e moda.

88 88 As matérias de serviço foram identificadas principalmente na cobertura do SPFW. Nestas publicações as informações sobre as possíveis tendências da próxima estação eram escritas no momento exato que as marcas apresentavam os looks. O último gênero textual, matéria de comportamento, é pouco utilizado nas redes sociais devido ao espaço de caracteres. Com isso, as revistas aproveitam do IGTV para postar conteúdos especiais, com características narrativas literárias, e reportagens mais aprofundadas. Entretanto, mesmo que cada gênero textual foi identificado mais em uma ferramenta do que em outra, outra observação que este trabalho identificou foi a narrativa transmidia. Quando a revista utilizava a hipertextualidade para convidar o leitor a acessar outros links para saber mais sobre o conteúdo, ou, quando a Vogue e a Glamour criavam vídeos e websérie como vogue raízes e G especial - para introduzir os leitores aos temas e reportagens presentes nas revistas impressas, essas características são entendidas como transmidialidade. Desta maneira, a construção da notícia de moda no instagram é realizada utilizando todos os elementos narrativos e ferramentas da rede social. Partindo do objetivo geral em entender como o jornalismo de moda utiliza do Instagram para informar, foi concluído que as revistas Vogue e Glamour, constroem suas notícias nesta rede social se apropriando de todos os gêneros textuais e todos os elementos narrativos. Desta maneira, o jornalismo de moda, realizada pelas revistas, informa com qualidade de produção, no qual, as notícias são construídas pensadas em três objetivos; informar, divulgar os próprios canais de comunicação e se aproximar e interagir com os leitores. Contudo, a internet, as redes sociais e o jornalismo sempre estão em constantes transformações, com isso, essa pesquisa serve como mais uma contribuição para compreender a produção da informação de moda no Brasil, tendo em vista, que este assunto é pouco estudado no país e que as construções das notícias de moda seguem as manifestações sociais e os avanços tecnológicos.

89 89 REFERÊNCIAS AGUIAR, Leonel Azevedo. BARSOTI, Adriana. Mobilizar a audiência: uma experiência contemporânea no jornalismo online. 2012, Disponível em: Acesso em 12 fev. de ALI, Fatima. A arte de editar revistas. São Paulo: Ed. Nacional, ARAUJO, Denise. NUNES, Julia Berwanger. REVISTA GLAMOUR: representando socialmente a mulher. 2016, disponível em: Acesso em 04 de maio de AROSO, Inês. As redes sociais como ferramentas de jornalismo participativo nos meios de comunicação regionais um estudo de caso. 2013, Disponível em: Acesso em 01 abr de AROSO, Inês. Jornalismo participativo nos meios de comunicação regionais portugueses. 2013, Disponível em: Acesso em 4 de mar de BARCELOS, Janaina. Os usos da fotografia pela imprensa. 2013, Disponível em: Acesso em 19 de abr de BARREIROS, Tomas. Jornalismo e construção da realidade. Curitiba-PR: Pósescrito, 2003, 125 p. BARTHES, Roland. Sistema da Moda. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009, 476 p. BAUER, Martin. Análise de conteúdo clássica uma revisão. In: BAUER, Martin. GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Rio de Janeiro: Vozes, Cap 8. BERTOCCHI, Daniela. Dos dados aos formatos: A construção de narrativas no jornalismo digital. Curitiba - PR: Appris, 2016, 248 p. BRANDÃO, Iolanda Bezerra dos Santos. JARDIM, Trajano Silva. Breve histórico da imprensa no Brasil: Desde a colonização é tutelada e dependente do Estado. 2014,

90 90 Disponível em: d%c3%a3o%20e%20trajano%20jardim%20(6).pdf. Acesso em 2 de mar de BRADSHAW, Paul. Instantaneidade: Efeito da rede, jornalistas mobile, consumidores ligados e o impacto no consumo, produção e distribuição. In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 5. CANAVILHAS, João. Webjornalismo: Novo Media, Nova Linguagem. 2003, Disponivel em tions.php?op=viewarticle&artid=6. Acesso em 03 de mar de CANAVILHAS, João. Os jornalistas online em Portugal. 2005, Disponível em: Acesso em 12 de mar de CANAVILHAS, João Manuel Messias. Do jornalismo online ao webjornalismo: formação para a mudança. 2012, disponível em: Acesso em 27 de mar de CANAVILHAS, João. 7 características que marcam. In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 1. CARMO, Tanlin Nishimura. A influência das técnicas de haute couture na produção criativa de moda e na agregação de valor ao vestuário. 2015, Disponível em: df. Acesso em 04 de mar de CASTILHO, Kathia. Moda e linguagem. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2004, 207 p. CASTRO, Camila Nunes de. Jornalismo de revista: Um estudo exploratório sobre os efeitos da convergência midiática em Veja e Época. 2014, Disponivel em: Acesso em 03 de fev de CAVENDISH, Alessandra Araujo. A passarela virtual: uma análise do aplicativo Instagram como plataforma de construção de narrativas de moda. 2013, Disponível em: file:///c:/users/helena/downloads/2013_alessandraara%c3%bajocavendish%20(2).p df. Acesso em 17 de abr de CRANE, Diana. A moda é seu papel social, classe gênero é identidade das roupas. São Paulo: Editora Senac, p.

91 91 COSTA, Paulo Pereira da. 160 anos da fotografia. 1999, disponível em Acesso em 13 jun. de CUNHA, Karenine Miracelly Rocha. MANTELLO, Paulo Francisco. Era una vez: storytelling como una técnica de redaccion de artículos periodisticos. 2014, Disponível em: ca_de_redação_de_textos_jornalísticos. Acesso em 19 de abr de DOBROWOSKI, Roberta. ARAUJO, Denise Castilho. O jornalismo de moda no Rio Grande do Sul (Brasil): Donna ZH e Vitrine. Universidade Feevale, p. Disponível em: Acesso em 04 de abr de DOMENICI, Marianna Stumm. Breve analise da narrativa do Pasquin: Três episódios de O pasquin por Millôr Fernandes. In: MOTTA, Luiz Gonzaga. MOTA, Celia Ladeira. CUNHA, Maria Jandyra. Narrativas Midiaticas. Florianopolis: Insular, Cap.4. DREVES, Alata. PALMAS, Glaise Bohrer. As novas formas narrativas do Jornalismo Online: A procura de um caminho. 2006, Disponível em: Acesso em 24 de mar de ELMAN, Debora. Jornalismo e estilo de vida: o discurso da revista Vogue. 2008, Disponível em: Acesso em 12 de mar de FARIA, Sofia Nidia. Jornalismo literário: um olhar histórico para os gêneros e suas características. 2011, Disponível em: Acesso em 03 de mar de FERREIRA, Jamille de Menezes. Jornalismo de moda na era digital: Um estudo de caso da revista Glamour. 2018, disponível em Acesso em 13 de abr de FIGUEIREDO, Camila Augusta Pires de. Narrativa transmidia: modos de narrara e tipos de história. 2016, Disponível em: Acesso em 18 de abr de FEIJGIEL, Raquel Pellizzetti. Novas plataformas de comunicação de moda. 2017, disponível em: Acesso em 22 de abr de 2019.

92 92 FLORES, Ana Marta M. LONGHI, Raquel Ritter. Narrativas webjornalísticas como elemento de inovação: casos de Al Jazeera, Folha de São Paulo, The Guardian, The New York Times e The Washington Post. 2017, Disponível em: Acesso em 19 de abr de FONSECA, Valeria de Castro. Fios de O substrato da corrupção pela analise narrativa. In: MOTTA, Luiz Gonzaga. MOTA, Celia Ladeira. CUNHA, Maria Jandyra. Narrativas Midiaticas. Florianopolis: Insular, Cap. 5. FREEMAN, Michael. Narrativa fotográfica: a arte de criar ensaios e reportagens visuais. Porto Alegre: Bookman, 2014, 120 p. GARCIA, Carol; MIRANDA, Ana Paula. Moda e comunicação Experiências, memórias, vínculos. Coleção Moda e Comunicação. São Paulo: Editora Anhembi Morumbi, 2011, 126 p. GLANZMANN, Jose Honorio. OLIVEIRA, CarolineFarinazzo. Jornalismo na era da Web. 2010, Disponível em: naeradaweb.pdf. Acesso em 12 de nov de GOMES, Adriano Lopes. SANTOS, Emanuel Leonardo. O radiojornalismo em tempo de internet. 2017, Disponível em 0em%20tempos%20de%20internet.pdf. Acesso em 11 de abr de HERSCOVITZ, Heloisa Golbspan. Análise de conteúdo em jornalismo. In: BENETTI, Marcia; LAGO, Claudia. Metodologia de pesquisa em Jornalismo. Rio de Janeiro: 3. Ed, Editora vozes, Cap 2. HOHLFELDT, Antônio. MARTINO, Luiz. FRANÇA, Vera. Teorias da comunicação conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2011 IVASSAKI, I. M. As características de um jornal on-line. 2005, Disponível em: Acesso em 10 de maio de JESUS, Gabriela Oliveira de. ARAÚJO, Wellington Santos de. CARVALHO, Carmen Regina de Oliveira. Internet e redes sociais: Jornalismo no meio digital. Disponível em: Acesso em 20 nov 2018.

93 93 JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo; Editora: Aleph, 2009, 428 p. JOFFILY, Ruth. O jornalismo e a produção de moda. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira S / A, 1991, 140 p. LAVARDA, Suelen de Lima. SILVEIRA, Ada C. Machado da. ROCHA, Bernado Abbad da. O avanço das fake news e sua retratação na mídia de referência. 2018, Disponível em: Acesso em 19 de abr de LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Ed 34, 1999, 270 p. LIMA, Patrícia. Novos paradigmas produtivos da notícia: usos da infografia interativa na prática Ciberjornalística. 2016, Disponível em: Acesso em 12 de abr de LIMA, Ivan. Fotojornalismo brasileiro: realidade e linguagem. Rio de Janeiro: Fotografia brasileira, 1989, 90 p. LIMA, Sandra Lucia Lopes. Imprensa feminina, revista feminina. A imprensa feminina no brasil. 2007, Disponível em: Acesso em 13 de abr de LIMA, Tiago Jose. GUTEMBERG, Alisson. Jornalismo e narrativa transmidia: uma análise de dois casos. 2017, Disponível em: Acesso em 24 de abr de LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia de Bolso, 2009, 347 p. LORENZ, Mirko. Personalização: Análise aos 6 graus. In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 2. LUZ, Andre Luiz lucas da. WOITOWICZ, Karina Janz. Jornalismo nas redes sociais: Instagram e Facebook como plataformas para produção de conteúdo multimídia pelo sitio cultural plural. Disponível em: Acesso em 09 de mar de 2019.

94 94 MAIA, Karen Larrany Saraiva Assis. Fotografia de moda: Arte procedente da máquina. 2014, Disponível em: Acesso em 21 de maio de MARCONDES FILHO, Ciro. Comunicação e Jornalismo: a saga dos cães perdidos. São Paulo: Hacker Editores, MARTINS, Celia. Jornalismo Online: a convergência dos meios, 2012, Disponível em: Acesso em 10 de mar de MEDIA KIT, Glamour 2018, disponível em: Acesso em 12 abr. de MEDIA KIT, Vogue 2018, disponível em: Acesso em 10 abr. de MELO, Jose Marques de. ASSIS, Francisco. Gêneros e formatos jornalísticos: um modelo classificatório. 2016, Disponível em: Acesso em 25 de abr de MENENGUEL, Yvonete Pedra. OLIVEIRA, Oseias de. O rádio no brasil: do surgimento à década de 1940 e a primeira emissora de rádio em Guarapuava. 2008, disponível em Acesso em 11 de abr de MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo na Web: uma contribuição para o estudo do formato da notícia na escrita hipertextual. 2003, Disponível em: file:///c:/users/helena/downloads/luciana-mielniczuk.pdf. Acesso em 01 de abr de MORAES, Juliana Contaifer. O espírito do jornalismo de moda: uma leitura das revistas Elle, Estilo e Vogue. 2012, Disponível em: Acesso em 24 de abr de MOREIRA, Stephanie Pereira. MANGIALARDO, Vanessa. Moda e mídia: os valores culturais estão presentes nos blogs de moda? E, até que ponto eles te influenciam o consumidor de moda? 2011, Disponível em: Acesso em 24 de abr de 2019.

95 95 MOTTA, Luiz Gonzaga. Porque estudar narrativas? In: MOTA, Celia Ladeira. MOTTA, Luiz Gonzaga. CUNHA, Maria Jandyra. Narrativas Midiáticas. Florianópolis: Insular, Cap. 1. NASCIMENTO, Adriana Silva do. Webwriting e o texto no jornalismo online. 2004, Disponível em: Acesso em 22 de fev de NUNES, Ana Luisa Angeletti. Jornalismo na internet: A nova narrativa das reportagens multimídias. 2018, Disponível em: Acesso em 01 de abr de NUNES, Julia Berwanger. ARAUJO, Denise Castilhos de. Revista Glamour: representando socialmente a mulher. 2017, Disponível em: file:///c:/users/helena/documents/tcc/ pb.pdf. Acesso em 04 de mar de PACCE, Lilian. A moda democrática por Lilian Pacce. 2014, disponível em Acesso em 20 jun. de PALACIOS, Marcos. Jornalismo online, informação e memória: apontamentos para debate. 2002, Disponivel em: Acesso em: 03de mar de PALACIOS, Marcos. Memória: Jornalismo, memória e história na era digital. In: In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 4. PAIS, Ana Lúcia Duarte. O jornalismo de moda: Cobertura jornalística online da Moda Lisboa. 2013, Disponível em: %20Cobertura%20jornal%C3%ADstica%20online%20da%20ModaLisboa.pdf. Acesso em 21 de abr de PELLANDA, Eduardo. Consolidação e disrupção do Jornalismo móvel em , Disponível em: Acesso em 12 de abr de PEREIRA, Milton Antunes. Televisão jornalismo: A história do telejornalismo no norte do Paraná. 2005, disponível em Acesso em 11 de abr de 2019.

96 96 PINA, Barbara Maria de. A construção de imagem de marca da Vogue Disponível em: file:///c:/users/helena/downloads/2016_barbaramariadepina_tcc.pdf. Acesso em 24 de mar de PINHO, J.B. Jornalismo na internet: Planejamento e produção da informação online. São Paulo. Editora: Summus, 2003, 166 p. PINTO, Liliane Araújo. SOUSA, Suzzana Rani Cristina Alves de. Moda na Web: a transformação das mídias sociais para mídias de consumo de moda. 2017, Disponível em: %202017/COM_ORAL/co_5/co_5_MODA_NA_WEB.pdf. Acesso em 20 de mar de RECUERO, Raquel. As redes sociais na internet. Porto Alegre, editora: Meridiano, 2009, 128 p. REGES, Thiara Luiza da Rocha. Características e gerações do webjornalismo: análise dos aspectos tecnológicos, editoriais e funcionais. 2010, Disponível em: Acesso em 03 de mar de REGINA, Camila. JESUS, Joscivanio. História da revista no Brasil e no mundo Disponível em: Acesso em 12 de abr de RODRIGUES, Catarina. Redes Sociais: novas regras para as praticas jornalísticas. 2010, Disponível em: Acesso em 02 de abr de ROST, Alejandro. Interatividade: Definições, In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 3. SALAVERRÍA, Ramon. Multimedialidade: Informar para cinco sentidos. In: In: CANAVILHAS, João (Org.). 7 características que marcam a diferença. Tradução de Lilian Feres. Covilhã: Livros LabCom, cap. 2. SANTOS, Georgia Maria de Castro. A estética da moda de luxo da corte portuguesa no vestuário feminino no rio de janeiro do início do século XIX. 2015, Disponível em: os.pdf. Acesso em 22 de abr de 2019.

97 97 SCALZO, Marília. Jornalismo de Revista. São Paulo: Contexto, 2004, 112 p. SCHERER, Marta. O jornalismo foi feito para informar O papel da notícia em , Disponível em: Acesso em 05 de mar de SCHIMITZ. Daniela. A moda na mídia: Produzindo costuras. Curitiba: Appris, 2018, 157 p. SCHWINGEL, Carla. Jornalismo Digital de Quarta Geração: a emergência de sistemas automatizados para o processo de produção industrial no Jornalismo Digital. 2005, Disponível em: Acesso em 13 de abr de SILVA, Marconi Oliveira da. A notícia como narrativa e discurso. 2007, Disponível em: Acesso em 23 de mar de SILVA, Silvio Profirio da. A notícia na Web: um olhar sobre seus elementos textuais-discursivos.2014, Disponível em: Acesso 30 de mar de SILVA, Rodrigo Carvalho. História do Jornalismo: evolução e transformação. 2012, Disponível em: Acesso em 17 de abr de SISSON, Carolina. A influência da revista glamour na sociedade de consumo. 2015, disponível em: Sociedade_de_Consumo. Acesso em 04 de maio de STEFANI, Patrícia da Silva. Moda e comunicação: A indumentária como forma de expressão. 2005, Disponível em: Acesso em 12 de abr de STEGANHA, Roberta. Jornalismo na internet. 2010, Disponível em: Acesso em 28 fev de SOUSA, Jorge Pedro. Uma história critica do fotojornalismo. Santa Catarina: Editora Grifos, 2000, 120 p.

98 98 SOUSA, Jorge Pedro. Fotojornalismo: uma introdução à história, às técnicas e à linguagem da fotografia na imprensa. 2002, Disponível em: Acesso em 19 de abr de SOUSA, Jorge Pedro. Porque as notícias são como são? Construindo uma teoria. 2008, Disponível em: Acesso em 12 de fev de SOUSA, Danielle Ribeiro de. O sopro do Vento: 50 anos da contracultura musical. In: MOTTA, Luiz Gonzaga. MOTA, Celia Ladeira. CUNHA, Maria Jandyra. Narrativas Midiaticas. Florianopolis: Insular, Cap. 3. SOUZA, Tito Eugênio Santos. O Retorno da Narrativa e a Emergência do Storytelling como Técnica Jornalística. 2018, disponível em: Acesso em 14 de abr de VALCARCE, David Parra. Cibertextualidades , Disponível em: Acesso em 01 de abr de VIEGAS, Roberta Poliani. Webjornalismo Colaborativo. 2015, disponível em: Acesso em 19 de abr de TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Porque as notícias são como são. Florianópolis:Insular, Volume I, 3ª. ed. rev WEIDLICH, Maria Teresa de Moraes. A informação de moda da revista vogue na rede social Instagram. 2014, Disponível em Acesso em 03 de jan de 2019.

99 99

100 100

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS - 2017.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E TECNOLOGIAS DIGITAIS Estudo da relação entre a tecnologia e a comunicação visando a compreensão o fenômeno técnico de forma global.

Leia mais

SmartNews: aliando tecnologia à informação 1

SmartNews: aliando tecnologia à informação 1 SmartNews: aliando tecnologia à informação 1 Dina Márcia Cândido VIEIRA 2 Vanessa Abreu de Oliveira VIEIRA 3 Yasmin Iara Lima GUEDES 4 Roni Petterson de Miranda PACHECO 5 Universidade Federal de Roraima,

Leia mais

Gêneros Jornalísticos

Gêneros Jornalísticos Texto Jornalístico Narrando o cotidiano Gêneros Jornalísticos Obrigatoriedade de serem interessantes e motivadoras para o leitor, ou seja, definidas por sua forma mais vendável Há também uma corrente que

Leia mais

Plano de Comunicação e Marketing

Plano de Comunicação e Marketing Plano de Comunicação e Marketing A boa comunicação é fundamental para o sucesso de uma organização Introdução A comunicação é o primeiro passo para a construção de uma relação interpessoal e, por consequência,

Leia mais

Espaço da página em que, on line, a programação da TV Correio e da Rede Record é transmitida.

Espaço da página em que, on line, a programação da TV Correio e da Rede Record é transmitida. 87 Espaço da página em que, on line, a programação da TV Correio e da Rede Record é transmitida. FIGURA 07 Página inicial do portal da TV Correio Como vemos nas Figuras 05, 06 e 07, os materiais produzidos

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO. a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão. Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins

A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO. a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão. Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins A UTILIZAÇÃO DE ELEMENTOS MULTIMÍDIA NO JO Comunicação Social Jornalismo a cobertura do G1 sobre o Tsunami no Japão Liana Vidigal Rocha Universidade Federal do Tocantins Objetivo do artigo Identificar

Leia mais

Impresso e Internet: Interferências e Diferenças

Impresso e Internet: Interferências e Diferenças Impresso e Internet: Interferências e Diferenças Francisco Madureira prof.madureira@gmail.com Qualquer fato é notícia? O que torna uma notícia manchete? O que é notícia? Características da notícia: Vínculo

Leia mais

POLITEIA EDIÇÃO MANUAL DE IMPRENSA

POLITEIA EDIÇÃO MANUAL DE IMPRENSA POLITEIA EDIÇÃO 2018 MANUAL DE IMPRENSA APRESENTAÇÃO DA IMPRENSA Estar na imprensa significa realizar atividades relacionadas à Comunicação. Dentre essas tarefas, estão o jornalismo, maketing, audiovisual

Leia mais

Procedimentos - Imprensa

Procedimentos - Imprensa Procedimentos - Imprensa 1. Estrutura da Redação O processo de elaboração e composição depende de muitos fatores. Para que as produtos jornalísticos sejam escritos, gravados, editados, diagramados e publicados,

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS 2019.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Estudo do objeto da Comunicação Social e suas contribuições interdisciplinares para constituição de uma teoria da comunicação.

Leia mais

Acadêmicos On-line1. Luan Barbosa OLIVEIRA2 Pedro Henrique Cabral ROSA3 Anielle Aparecida Fernandes de MORAIS4 Faculdade Objetivo, Rio Verde, GO

Acadêmicos On-line1. Luan Barbosa OLIVEIRA2 Pedro Henrique Cabral ROSA3 Anielle Aparecida Fernandes de MORAIS4 Faculdade Objetivo, Rio Verde, GO Acadêmicos On-line1 Luan Barbosa OLIVEIRA2 Pedro Henrique Cabral ROSA3 Anielle Aparecida Fernandes de MORAIS4 Faculdade Objetivo, Rio Verde, GO RESUMO O blog Acadêmicos On-line, apresentado inicialmente

Leia mais

Internet e redes sociais: Jornalismo no meio digital 1

Internet e redes sociais: Jornalismo no meio digital 1 Internet e redes sociais: Jornalismo no meio digital 1 Gabriela Oliveira de JESUS 2 Wellington Santos de ARAÚJO 3 Carmen Regina de Oliveira CARVALHO 4 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Redes sociais: presença diária e ativa 89% celular 2013: 31% 2014: 47% 58% dos brasileiros usam internet 40% Comp. mesa 39% notebook 13% televisão Fonte: 11ª edição

Leia mais

Portal De Notícias Unimep Jornal 1

Portal De Notícias Unimep Jornal 1 Portal De Notícias Unimep Jornal 1 Camila Floriano DUARTE 2 Cynthia Regina da Rocha SILVA 3 Fernanda Cristina PEREIRA 4 Karla Gigo MORATO 5 Vanessa Tavares GONÇALVES 6 Paulo Roberto BOTAO 7 Universidade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 7 (SETE) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = H/AULA CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 7 (SETE) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = H/AULA CURRÍCULO PLENO Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: SOCIAL BACHARELADO JORNALISMO MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS

Leia mais

Resenha. Produção jornalística e consumo de informação através do celular. Juliana Colussi Ribeiro

Resenha. Produção jornalística e consumo de informação através do celular. Juliana Colussi Ribeiro Juliana Colussi Ribeiro Doutoranda em Jornalismo pela Universidade Complutense de Madri, Espanha. E-mail: julianacolussi@hotmail.com Resenha Produção jornalística e consumo de informação através do celular

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Contexto Crise econômica Crise de representatividade institucional Classe dominante com unidade mínima Classe trabalhadora fragmentada Por idade 16 a 24 anos:

Leia mais

Se há 20 anos. População e empresas recebiam a mensagem. Agora ( com as redes sociais e o compartilhamento)

Se há 20 anos. População e empresas recebiam a mensagem. Agora ( com as redes sociais e o compartilhamento) Se há 20 anos imprensa produzia a mensagem População e empresas recebiam a mensagem Agora ( com as redes sociais e o compartilhamento) Imprensa População empresa Quem produz a notícia Imprensa População

Leia mais

Curso de Extensão. Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs. Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC

Curso de Extensão. Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs. Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC Curso de Extensão Educação Integral e em Tempo Integral Proposta de Trabalho com Blogs Profª Drª Roberta Pasqualli - IFSC CONCEITOS Blog é uma abreviação do termo inglês: Web (página da internet) + log

Leia mais

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO Programa da Disciplina Multimídia conceitos, comunicação homemmáquina. Autoria produção de diversos tipos de aplicativos multimídia, examinando-se as alternativas

Leia mais

Teia na Parede 1. Amanda BERTOLI 2 Emerson de Castro Firmo da SILVA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR

Teia na Parede 1. Amanda BERTOLI 2 Emerson de Castro Firmo da SILVA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR Teia na Parede 1 Amanda BERTOLI 2 Emerson de Castro Firmo da SILVA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O Teia na Parede é um jornal-mural semanal que possui como objetivo promover e valorizar

Leia mais

Gerenciamento de Conteúdo Web CMS Joomla. Luiz C B Martins

Gerenciamento de Conteúdo Web CMS Joomla. Luiz C B Martins Gerenciamento de Conteúdo Web CMS Joomla Luiz C B Martins luizmartins@unb.br Objetivo do Curso Usar as ferramentas e os conceitos básicos da plataforma Joomla para gerenciar e atualizar páginas na internet

Leia mais

Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo

Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo Feira de Fátima Reúne Trabalho e Lixo Carlos Marcelo Oliveira Sales Marina Moreira Mamede Eduardo Freire Universidade de Fortaleza, Fortaleza CE RESUMO O presente trabalho apresenta as fases de uma matéria

Leia mais

Vamos conhecer a evolução da web...

Vamos conhecer a evolução da web... OBJETIVOS Conheça, através desse e-book, a evolução da web de 1.0 para a 3.0 e associe ao cenário atual em que estamos vivendo a fim de poder interligar ao processo de ensino-aprendizagem. Vamos conhecer

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão Departamento de Jornalismo

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão Departamento de Jornalismo Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Comunicação e Expressão Departamento de PLANO DE ENSINO JORNALISMO ONLINE Semestre 2017/01 Professor: Raquel Ritter Longhi raqlonghi@gmail.com e Rita de

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E DESIGN JORNALISMO

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E DESIGN JORNALISMO ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E DESIGN JORNALISMO ESCOLA DE COMUNICAÇÃO E DESIGN A Escola de Comunicação e Design forma profissionais dinâmicos, com capacidade de apreender e acompanhar as demandas atuais. Os

Leia mais

conversa afiada mídia-kit V3.2017

conversa afiada mídia-kit V3.2017 conversa afiada mídia-kit V3.2017 2007 Conversa Afiada torna-se um dos principais blogs do IG 2006 nasce Conversa Afiada como um blog no Uol 2012 Conversa Afiada supera a marca de 1 milhão de usuários

Leia mais

conversa afiada mídia-kit V2.2017

conversa afiada mídia-kit V2.2017 conversa afiada mídia-kit V2.2017 2007 Conversa Afiada torna-se um dos principais blogs do IG 2012 Conversa Afiada supera a marca de 1 milhão de usuários por mês 2015 Conversa Afiada passa por uma atualização

Leia mais

Desafio do jornalismo na era do engajamento

Desafio do jornalismo na era do engajamento Desafio do jornalismo na era do engajamento Luís Fernando Bovo - Estadão/2016 O jornalismo hoje: 2 maneiras de ver O jornalismo hoje: o que fazer? Apropriar-se das novas tecnologias e fazer a mesma coisa,

Leia mais

JOYCE PASCOWITCH foi editora e publisher da Revista do Gallery Around, que depois mudou o nome para A-Z, um sucesso editorial dos anos 80 que foi

JOYCE PASCOWITCH foi editora e publisher da Revista do Gallery Around, que depois mudou o nome para A-Z, um sucesso editorial dos anos 80 que foi DIRETO AO ASSUNTO O Grupo Glamurama é um pool de comunicação que produz conteúdo editorial exclusivo online e off-line, além de eventos especiais para públicos selecionados. Sob o olhar de Joyce Pascowitch,

Leia mais

TÍTULO: HARD NEWS: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE NOTÍCIAS RÁPIDAS NO TELEJORNALISMO

TÍTULO: HARD NEWS: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE NOTÍCIAS RÁPIDAS NO TELEJORNALISMO TÍTULO: HARD NEWS: APLICAÇÃO DO MÉTODO DE NOTÍCIAS RÁPIDAS NO TELEJORNALISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

Revista Palavra de Jornalista: vida noturna 1. Taiana EBERLE 2 Laura SELIGMAN 3. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC

Revista Palavra de Jornalista: vida noturna 1. Taiana EBERLE 2 Laura SELIGMAN 3. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC Revista Palavra de Jornalista: vida noturna 1 Taiana EBERLE 2 Laura SELIGMAN 3 Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC RESUMO A revista Palavra de Jornalista é o resultado de reportagens feitas pelos

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO E MULTIMEIOS

COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO E MULTIMEIOS COMUNICAÇÃO SOCIAL JORNALISMO E MULTIMEIOS 1 Semestre INTRODUÇÃO À COMUNICAÇÃO COM086, 60H EMENTA: Discute a comunicação humana e etapas da sua evolução. Comunicação, linguagem, meios e processos de significação:

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Contexto Crise econômica Crise de representatividade institucional Classe dominante com unidade mínima Classe trabalhadora fragmentada Estamos entre dois mundos

Leia mais

Assessoria de Comunicação

Assessoria de Comunicação Assessoria de Comunicação Com frequência, ações e projetos da Igreja ganham repercussão em emissoras de TV e de rádio, jornais, revistas e grandes portais jornalísticos na internet. Porém, manter um bom

Leia mais

REVISTA ELETRÔNICA DO REGIOCOM 1

REVISTA ELETRÔNICA DO REGIOCOM 1 RESUMO Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação REVISTA ELETRÔNICA DO REGIOCOM 1 Giane Soares FAGUNDES 2 Gabriela de Mello SILVA 3 Margareth de Oliveira MICHEL 4 Universidade

Leia mais

Agência Potiguar de Comunicação - Blog Verbalize 1

Agência Potiguar de Comunicação - Blog Verbalize 1 Agência Potiguar de Comunicação - Blog Verbalize 1 Danielly de Souza COSTA 2 Maria Jaqueline Antero BARBOSA 3 Nathália Gabrielle Ferreira GOMES 4 Cíntia dos Reis BARRETO 3 Cristina D Oliveira Vidal BEZERRA

Leia mais

Credibilidade e Interatividade

Credibilidade e Interatividade Credibilidade e Interatividade Ao mesmo tempo em que possui profundidade jornalística e qualidade editorial de um jornal, também possui informação rápida e multimídia da internet. O site do Correio Braziliense

Leia mais

JORNAL IMPRESSÃO 1. Resumo

JORNAL IMPRESSÃO 1. Resumo JORNAL IMPRESSÃO 1 Marcos Vinícius de Souza MENDES 2 Fabrício Marques de OLIVEIRA 3 Centro Universitário de Belo Horizonte (UNI-BH), Belo Horizonte, MG Resumo O jornal-laboratório Impressão existe há 28

Leia mais

Natureza e função do jornalismo

Natureza e função do jornalismo Redação IV Natureza e função do jornalismo Prof. Dr. Rogério Christofoletti O jornalismo e o mundo atual Google: 100 milhões de consultas/dia 1 trilhão de páginas na web 1,6 bilhão de leitores de jornais

Leia mais

conversa afiada mídia-kit V2.2016

conversa afiada mídia-kit V2.2016 conversa afiada mídia-kit V2.2016 2007 Conversa Afiada torna-se um dos principais blogs do IG 2012 Conversa Afiada supera a marca de 1 milhão de usuários por mês 2015 Conversa Afiada passa por uma atualização

Leia mais

Relato de Experiência: uma reflexão prático-científica sobre o site do Jornal de Frutal

Relato de Experiência: uma reflexão prático-científica sobre o site do Jornal de Frutal 1 FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO (FNPJ) 2º ENCONTRO SUL-BRASILEIRO DE PROFESSORES DE JORNALISMO 5º ENCONTRO PARANAENSE DE ENSINO DE JORNALISMO MODALIDADE DO TRABALHO: Relato de Experiência

Leia mais

Autora: Taís Silveira Batista Barreto - Jornalista graduada pela UCPel, pósgraduanda em Gestão de Moda na FATEC SENAC Pelotas

Autora: Taís Silveira Batista Barreto - Jornalista graduada pela UCPel, pósgraduanda em Gestão de Moda na FATEC SENAC Pelotas Autora: Taís Silveira Batista Barreto - Jornalista graduada pela UCPel, pósgraduanda em Gestão de Moda na FATEC SENAC Pelotas Orientadora: Prof. Roberta Barros Coelho, Mestre em Sociologia das Sociedades

Leia mais

Jornalismo. Guia de carreiras Newton Jornalismo 11

Jornalismo. Guia de carreiras Newton Jornalismo 11 Jornalismo Guia de carreiras Guia de carreiras Newton Jornalismo 11 Introdução O curso de Jornalismo é voltado para o conhecimento de como a informação é percebida, transmitida e compreendida pela sociedade.

Leia mais

Uso de ferramentas gratuitas na prática de jornalismo on-line. Antonio Rodrigues NOGUEIRA 1 Daniel Franco DIAS 2 Centro Universitário UnirG, Gurupi TO

Uso de ferramentas gratuitas na prática de jornalismo on-line. Antonio Rodrigues NOGUEIRA 1 Daniel Franco DIAS 2 Centro Universitário UnirG, Gurupi TO Uso de ferramentas gratuitas na prática de jornalismo on-line Antonio Rodrigues NOGUEIRA 1 Daniel Franco DIAS 2 Centro Universitário UnirG, Gurupi TO RESUMO A rede mundial despontou como um novo e fascinante

Leia mais

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS

LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS LIDERANÇA SINDICAL e suas REDES SOCIAIS Estamos entre dois mundos 58% dos Brasileiros usam internet 42% dos Brasileiros NÃO usam internet Redes sociais: presença diária e ativa 13% televisão 89% 58% celular

Leia mais

ANEXO I EMENTÁRIO DAS MODALIDADES CONFORME CATEGORIAS JORNALISMO JO

ANEXO I EMENTÁRIO DAS MODALIDADES CONFORME CATEGORIAS JORNALISMO JO ANEXO I EMENTÁRIO DAS MODALIDADES CONFORME CATEGORIAS JORNALISMO JO 01 Agência Jr. de Jornalismo (conjunto/ série) Modalidade voltada às agências de jornalismo experimentais, de conteúdo geral ou segmentado,

Leia mais

A produção universitária de cinema na revista Gilda 1

A produção universitária de cinema na revista Gilda 1 A produção universitária de cinema na revista Gilda 1 Jheniffer ANDRADE 2 Roberta GONÇALVES 3 Celina ALVETTI 4 Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR RESUMO O blog Gilda é uma revista experimental

Leia mais

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: DOS IMPRESSOS À WEB

JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: DOS IMPRESSOS À WEB JORNALISMO DE MODA NA BAHIA: DOS IMPRESSOS À WEB Resumo Fashion Journalism in Bahia: of printed for web Alves, Larissa Molina; Estudante; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); larimolina@gmail.com

Leia mais

Aprender os conceitos de sistemas multimídia Conhecer os elementos multimídia Desenvolver projetos multimídia

Aprender os conceitos de sistemas multimídia Conhecer os elementos multimídia Desenvolver projetos multimídia Prof. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com (66) 9953-7642 Aprender os conceitos de sistemas multimídia Conhecer os elementos multimídia Desenvolver projetos multimídia

Leia mais

Revista Uninter.com 1. Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 2 Larissa GLASS 3 Roberto NICOLATO 4. Faculdade Internacional de Curitiba (Facinter)

Revista Uninter.com 1. Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 2 Larissa GLASS 3 Roberto NICOLATO 4. Faculdade Internacional de Curitiba (Facinter) 1 Revista Uninter.com 1 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 2 Larissa GLASS 3 Roberto NICOLATO 4 Faculdade Internacional de Curitiba (Facinter) Revista digital RESUMO A Revista Uninter.com é uma publicação

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS 2018.1 3º PERÍODO DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Histórico e conceituação da Comunicação Organizacional. Técnicas de Comunicação Organizacional Veículos impressos e veículos

Leia mais

5 As entrevistas. 5.1 Sobre os entrevistados

5 As entrevistas. 5.1 Sobre os entrevistados 5 As entrevistas 5.1 Sobre os entrevistados Para a presente dissertação de Mestrado foram entrevistados dez fotógrafos atuantes no mercado. A amostra foi composta por sete homens e três mulheres, cuja

Leia mais

Núcleo de projetos especiais. Mídia Kit 2016

Núcleo de projetos especiais. Mídia Kit 2016 Núcleo de projetos especiais Mídia Kit 2016 grupo glamurama O Grupo Glamurama é um pool de comunicação que produz conteúdo editorial exclusivo online e off-line, além de eventos especiais para públicos

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017

DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 DELIBERAÇÃO Nº 06, DE 31 DE JANEIRO DE 2017 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 333ª Reunião Ordinária, realizada em 31 de janeiro de 2017, e considerando

Leia mais

Mídias Sociais na Comunicação do Município/Saúde

Mídias Sociais na Comunicação do Município/Saúde Cíntia Cury Março/2017 Acabou a época da comunicação de única via: De um emissor para milhares de receptores Do redator ao leitor Do apresentador ao telespectador Do radialista ao ouvinte Do assessor de

Leia mais

Resenha Metamorfoses Jornalísticas 2: a reconfiguração da forma

Resenha Metamorfoses Jornalísticas 2: a reconfiguração da forma Resenha Metamorfoses Jornalísticas 2: a reconfiguração da forma (Demétrio de Azeredo Soster e Fernando Firmino da Silva (Org.). Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2009) Ana Maria de Sousa PEREIRA 1 O livro Metamorfoses

Leia mais

DIVULGAÇÃO E COBERTURA DE EVENTOS NOS CAMPOS GERAIS PAUTADOS PELA AGENDA DO SITE CULTURA PLURAL

DIVULGAÇÃO E COBERTURA DE EVENTOS NOS CAMPOS GERAIS PAUTADOS PELA AGENDA DO SITE CULTURA PLURAL 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIVULGAÇÃO E COBERTURA DE EVENTOS

Leia mais

O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer!

O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer! O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer! O BLOG APRESENTAÇÃO: Bem-vindo a era da interatividade e do marketing de conteúdo. Só na internet você pode expor sua marca

Leia mais

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005.

SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: Paulus, 2005. Maria Lúcia Santaella Braga (Catanduva, 13 de agosto de 1944). Pesquisadora brasileira e professora titular

Leia mais

BLOG DA REVISTA LUPA 1. Marcel Rodrigues Queiroz Ayres Dantas 2 Samuel Anderson Rocha BARROS 3 Tarcízio Roberto da SILVA 4 Beatriz Muniz RIBAS 5

BLOG DA REVISTA LUPA 1. Marcel Rodrigues Queiroz Ayres Dantas 2 Samuel Anderson Rocha BARROS 3 Tarcízio Roberto da SILVA 4 Beatriz Muniz RIBAS 5 BLOG DA REVISTA LUPA 1 Marcel Rodrigues Queiroz Ayres Dantas 2 Samuel Anderson Rocha BARROS 3 Tarcízio Roberto da SILVA 4 Beatriz Muniz RIBAS 5 Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA. www.revista-lupa.blogspot.com

Leia mais

MÍDIA KIT - O SUL. Validade: Abril/2017 a Setembro/2017

MÍDIA KIT - O SUL. Validade: Abril/2017 a Setembro/2017 MÍDIA KIT - O SUL Validade: Abril/2017 a Setembro/2017 O Sul Mídia Kit O Sul é o portal de notícias da Rede Pampa de Comunicação, empresa com 50 anos de atividade com sede em Porto Alegre, Rio Grande do

Leia mais

Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda.

Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda. Sua visão se tornará clara somente quando você olhar para dentro do seu coração. Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda. Carl Jung Mídia Kit REVISTA MANDALA 2018 ÍNDICE Clique nos itens

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

O que é mídia? Os participantes de um evento na Associação Brasileira de Anunciantes (ABA) foram surpreendidos com a pergunta O que é Mídia?.

O que é mídia? Os participantes de um evento na Associação Brasileira de Anunciantes (ABA) foram surpreendidos com a pergunta O que é Mídia?. A MÍDIA E O MÍDIA O que é mídia? O papel do mídia no contexto de uma campanha. Habilidades e competências para o trabalho nesta área. A importância da mídia para uma campanha de sucesso. O que é mídia?

Leia mais

As narrações transmídias no portal Missão Esportiva 1. Fábio Ozorio GIACOMELLI 2 Marco Antonio BONITO 3 Universidade Federal do Pampa São Borja/RS

As narrações transmídias no portal Missão Esportiva 1. Fábio Ozorio GIACOMELLI 2 Marco Antonio BONITO 3 Universidade Federal do Pampa São Borja/RS As narrações transmídias no portal Missão Esportiva 1 Fábio Ozorio GIACOMELLI 2 Marco Antonio BONITO 3 Universidade Federal do Pampa São Borja/RS RESUMO O presente trabalho propõe a estruturação completa

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA

ASSESSORIA DE IMPRENSA ASSESSORIA DE IMPRENSA O QUE É, PARA ONDE VAI E QUAL SUA IMPORTÂNCIA NA CONSTRUÇÃO DE UMA MARCA O QUE É ASSESSORIA DE IMPRENSA? CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DA MARCA CRISE EDITORIAL E NOVO MOMENTO DA IMPRENSA

Leia mais

APRESENTAÇÃO - O SUL. Validade: Abril/2017 a Setembro/2017

APRESENTAÇÃO - O SUL. Validade: Abril/2017 a Setembro/2017 APRESENTAÇÃO - O SUL Validade: Abril/2017 a Setembro/2017 O Sul Mídia Kit O Sul é o portal de notícias da Rede Pampa de Comunicação, empresa com 50 anos de atividade com sede em Porto Alegre, Rio Grande

Leia mais

Rodrigo Herrero. Em busca de projetos na área de comunicação. experiências. educações. São Bernardo do Campo, SP

Rodrigo Herrero. Em busca de projetos na área de comunicação. experiências. educações. São Bernardo do Campo, SP Rodrigo Herrero Em busca de projetos na área de comunicação São Bernardo do Campo, SP procurando por: tempo integral, meio período, freela Sou jornalista, com experiência na redação, revisão, edição, planejamento

Leia mais

Interatividade: desafio para webjornais do interior

Interatividade: desafio para webjornais do interior Interatividade: desafio para webjornais do interior Autores Renata Cristina Maggian Carolina Quadrado Penatti Debora t Oliveira Laranjeira Orientador Paulo Roberto Botao 1. Introdução A Internet tem sido

Leia mais

A VISÃO DA COMUNICAÇÃO PARA O FUTURO DO BROADCASTING E NOVAS MÍDIAS

A VISÃO DA COMUNICAÇÃO PARA O FUTURO DO BROADCASTING E NOVAS MÍDIAS A VISÃO DA COMUNICAÇÃO PARA O FUTURO DO BROADCASTING E NOVAS MÍDIAS Prof. Dr. Fernando C. Moura SET/Universidade Anhembi Morumbi A VISÃO DA COMUNICAÇÃO PARA O FUTURO DO BROADCASTING E NOVAS MÍDIAS Nesta

Leia mais

Ementas das Disciplinas CURSO DE ESCRITA CRIATIVA

Ementas das Disciplinas CURSO DE ESCRITA CRIATIVA Ementas das Disciplinas EAD Ensino a Distância SP Semipresencial Formato: 12345-02 (código da disciplina - número de créditos) PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL NÍVEL I 12224-04 FUNDAMENTOS

Leia mais

Teoria da Comunicação Unisalesiano. Aula 8: A Teoria da Comunicação na era digital

Teoria da Comunicação Unisalesiano. Aula 8: A Teoria da Comunicação na era digital Teoria da Comunicação Unisalesiano Aula 8: A Teoria da Comunicação na era digital O espaço público em escala planetária A multiplicação das comunicações promovidas por ONGs e associações da sociedade civil

Leia mais

ESTAREMOS SEMPRE JUNTOS!

ESTAREMOS SEMPRE JUNTOS! ESTAREMOS SEMPRE JUNTOS! 1 2 PLANO DE COMUNICAÇÃO ESTRATÉGICA DESAFIOS E METAS DESSA PROPOSTA Aumentar resultados Aumentar número de seguidores Conquistar mais contatos Conquistar novos inscritos nos canais

Leia mais

1 Introdução. Ática, 2006, p WOLTON, Dominique. Elogio do grande público uma teoria crítica da televisão, São Paulo:

1 Introdução. Ática, 2006, p WOLTON, Dominique. Elogio do grande público uma teoria crítica da televisão, São Paulo: 11 1 Introdução Esta dissertação é fruto de uma intenção pessoal em tentar articular teoria e prática dentro do pensamento sobre a comunicação social. Esta articulação deve passar por um respeito ao objeto

Leia mais

Não é por datas e acontecimentos midiáticos dispostos em

Não é por datas e acontecimentos midiáticos dispostos em Resenhas Comunicação e História: interdisciplinaridades e enlaces Rodrigo Gabrioti* BARBOSA, Marialva. História da comunicação no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. 389p. Não é por datas e acontecimentos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA

PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA CADERNO DE PROVA PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA 20/11/2016 INSTRUÇÕES CADERNO DE PROVA 1. Confira, abaixo, seu nome e número de inscrição. Confira, também, o curso e a série correspondentes à sua inscrição.

Leia mais

LAZER E CULTURA DIGITAL

LAZER E CULTURA DIGITAL GESTÃO DESPORTIVA E DO LAZER LAZER E CULTURA DIGITAL Prof. Carlos Café Dias CIBERCULTURA E CIBERESPAÇO A complexidade das mudanças tecnológicas e comunicacionais que vêm afetando de modo significativo,

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS EMPRESAS DE VESTUÁRIO: MÉTODOS/TÉCNICAS E FERRAMENTAS

GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS EMPRESAS DE VESTUÁRIO: MÉTODOS/TÉCNICAS E FERRAMENTAS GESTÃO DO CONHECIMENTO NAS EMPRESAS DE VESTUÁRIO: MÉTODOS/TÉCNICAS E FERRAMENTAS Knowledge Management in Clothing Company: Methods / Techniques and Tools Resumo Angleri, Sabrina; UDESC, 1 Silveira, Icléia;

Leia mais

Prover soluções eficientes e flexíveis de TIC para que a Unifesp cumpra sua missão.

Prover soluções eficientes e flexíveis de TIC para que a Unifesp cumpra sua missão. O Departamento de Comunicação Institucional (DCI Unifesp) está subordinado à Reitoria e tem como função estabelecer as diretrizes de uma política global de comunicação para a Unifesp. Missão Prover soluções

Leia mais

Mosaico TV na Teoria e na Prática Programa experimental das disciplinas de Redação para TV e Telejornalismo 1 1

Mosaico TV na Teoria e na Prática Programa experimental das disciplinas de Redação para TV e Telejornalismo 1 1 Mosaico TV na Teoria e na Prática Programa experimental das disciplinas de Redação para TV e Telejornalismo 1 1 RESUMO Jamille Batista Ferreira da SILVA 2 Gustavo Silva de FRANÇA 3 Jéssica Lanes CHALEGRA

Leia mais

Inovação Publicidade Criatividade Opinião. Mídia Kit

Inovação Publicidade Criatividade Opinião. Mídia Kit Inovação Publicidade Criatividade Opinião Mídia Kit - 2017 Apresentação O GKPB nasceu em 2013, quando eu estava no último ano da faculdade e acreditei que tinha algo diferente e relevante para falar em

Leia mais

Projeto de Extensão SOS Imprensa realiza estudos sobre a mídia na Universidade de Brasília* Palavras-chave: Mídia, Sociedade, Comunicação, Ética

Projeto de Extensão SOS Imprensa realiza estudos sobre a mídia na Universidade de Brasília* Palavras-chave: Mídia, Sociedade, Comunicação, Ética Projeto de Extensão SOS Imprensa realiza estudos sobre a mídia na Universidade de Brasília* CURADO, Camila Cristina, GUAZINA, Liziane Soares¹ Palavras-chave: Mídia, Sociedade, Comunicação, Ética Introdução

Leia mais

FORMAÇÃO TRANSVERSAL EM DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

FORMAÇÃO TRANSVERSAL EM DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA FORMAÇÃO TRANSVERSAL EM DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA A comunicação pública da ciência e tecnologia tem deixado de ser um "hobby" para os acadêmicos, e tem sido reconhecida como uma necessidade. Nas diversas profissões,

Leia mais

GT2: CIDADANIA E CULTURA CULTURA PLURAL: A PRÁTICA EXTENSIONISTA COMO ESPAÇO PARA A CIDADANIA NO JORNALISMO

GT2: CIDADANIA E CULTURA CULTURA PLURAL: A PRÁTICA EXTENSIONISTA COMO ESPAÇO PARA A CIDADANIA NO JORNALISMO GT2: CIDADANIA E CULTURA CULTURA PLURAL: A PRÁTICA EXTENSIONISTA COMO ESPAÇO PARA A CIDADANIA NO JORNALISMO Karina Janz Woitowicz (UEPG), e-mail: karinajw@gmail.com Aline Louize Deliberali Rosso (UEPG),

Leia mais

REDE TEIA DE JORNALISMO: A integração dos veículos laboratoriais na Universidade Positivo para um jornalismo multiplataforma

REDE TEIA DE JORNALISMO: A integração dos veículos laboratoriais na Universidade Positivo para um jornalismo multiplataforma FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO (FNPJ) XIV ENCONTRO NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO X CICLO NACIONAL DE PESQUISA EM ENSINO DE JORNALISMO MODALIDADE DO TRABALHO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Leia mais

94% Prof. Fabiano Taguchi 05/06/2015. Sentido Porcentagem Gosto 1% Tato 1,5% Olfato 3,5% Audição 11% Visão 83%

94% Prof. Fabiano Taguchi 05/06/2015. Sentido Porcentagem Gosto 1% Tato 1,5% Olfato 3,5% Audição 11% Visão 83% Prof. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com Sentido Porcentagem Gosto 1% Tato 1,5% Olfato 3,5% Audição 11% Visão 83% 94% 1 O computador é um sistema de processamento

Leia mais

RESENHA. Mudanças e convergências no ensino e práticas jornalísticas RESENHA. Claudia Quadros, Kati Caetano e Álvaro Laranjeira.

RESENHA. Mudanças e convergências no ensino e práticas jornalísticas RESENHA. Claudia Quadros, Kati Caetano e Álvaro Laranjeira. RESENHA Mudanças e convergências no ensino e práticas jornalísticas Claudia Quadros, Kati Caetano e Álvaro Laranjeira. Jornalismo e convergência. Ensino e práticas profissionais, Covilhã: Livros LabCom,

Leia mais

Resenha. em Processos e Linguagens Midiáticas (Gmid/UFPB).

Resenha. em Processos e Linguagens Midiáticas (Gmid/UFPB). Resenha Mutações da cultura midiática radiofônica: a nova práxis na produção de conteúdos digitais (PINHEIRO, Elton Bruno Barbosa. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2012) Fernanda PAIVA 1 Mutações da cultura

Leia mais

MANUAL DO SETOR DE COMUNICAÇÃO

MANUAL DO SETOR DE COMUNICAÇÃO MANUAL DO SETOR DE COMUNICAÇÃO DETERMINA PADRÕES DE COMUNICAÇÃO INTERNA DO SIB Claudia Cunha Cristina Jorge Sabrina Vaz da Silva SiB COMUNICA MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COMUNICAÇÃO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS

Leia mais

Interprograma vivendo a arte 1. Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR

Interprograma vivendo a arte 1. Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3. Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR Interprograma vivendo a arte 1 Sofia Frazão Suplicy 2 Suyanne Tolentino de Souza 3 Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, PR 1 Trabalho submetido ao XIX Expocom, na categoria A Audiovisual,

Leia mais

Professor Alexsander Pacheco INTERNET - parte I INTERNET Parte 1 Professor Alexsander Pacheco Autor do livro Informática Um manual prático para concursos da Editora Fortium (Brasília - DF) E-mail: prof_alx@yahoo.com.br

Leia mais

Adaptada e personalizada. Capaz de explicar informação complexa. Consegue construir competências comportamentais. Consegue aumentar a intenção de agir

Adaptada e personalizada. Capaz de explicar informação complexa. Consegue construir competências comportamentais. Consegue aumentar a intenção de agir Canal Pontos fortes Limitações Adaptada e personalizada Comunicação interpessoal Diálogo de comunidade comunicação entre pares profissional de saúde - cliente, interconjugal e pais - filhos Interactiva

Leia mais

CONSERVA CULTURAL: JORNALISMO EM PODCAST NO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL

CONSERVA CULTURAL: JORNALISMO EM PODCAST NO SITE JORNALÍSTICO CULTURA PLURAL 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSERVA

Leia mais

HIPER, MULTI E TRANSMÍDIA

HIPER, MULTI E TRANSMÍDIA HIPER, MULTI E TRANSMÍDIA BIBLIOGRAFIA: JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2009 MURRAY, Janet. Hamelet no Holodeck. O futuro da narrativa no ciberespaço. Cambridge. MIT, 1997 ALTAFINI,

Leia mais

RESUMO. Revista Plural 1

RESUMO. Revista Plural 1 Revista Plural 1 Diogo César Alves Cavalcanti 2 Vinícius D Luca Fernandes Rosado 3 Leonardo Bruno Reis GAMBERONI e Cintia dos Reis BARRETO 4 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO A revista Plural é uma

Leia mais