Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa"

Transcrição

1 Segurança da Informação Prof. Gleison Batista de Sousa

2 Ao longo do tempo e com a evolução tecnologia surgiram uma quantidade enorme de problemas desafiadores relacionados a segurança da informação. Quais problemas são esses?

3 Aumento do uso da Internet Aumento do registro dos incidentes de segurança (intrusos e funcionários insatisfeitos) Numerosos relatos de vulnerabilidades de softwares (inclusive os de segurança) Um sistema com alguma falha de Programação pode deixar um servidor ou toda uma rede exposta a ataques Proteção física é dificilmente concretizada

4 HTTPS O protocolo HTTPS nada mais é do que uma otimização do protocolo HTTP combinado com algoritmos criptografados Esses algoritmos permitem que os dados sejam transmitidos de forma que não possam ser interpretados por outro computador senão por aquele a que são destinados

5 Características do HTTPS Criptografia: com o auxilio de algoritmos criptografados de alta confiabilidade, os dados podem trafegar pela rede de forma ilegível Autenticidade: Com auxilio de entidades certificadoras é possível atestar se um website é verdadeiramente de um instituição e que seu conteúdo é legitimo O HTTP tem por padrão a porta 80, já o HTTPS trabalha geralmente na porta 443

6 Protocolo SSL SSL é um protocolo que permite a transmissão de informações através da internet de forma criptografada garantindo que a informação seja enviada, sem alterações e exclusivamente para o servidor para o qual pretende enviar Surgiu na década de 90 Desenvolvido pela Netscape Protocolo direcionado a segurança na Internet

7 Principais objetivos do SSL Autenticar o cliente e o servidor entre si; Garantir a integridade dos dados: Durante uma transmissão, dados não podem ser alterados (seja de forma intencional ou não); Assegurar a privacidade dos dados: As informações trocadas entre cliente e servidor devem ser protegidas de interceptação e devem ser lidas apenas pelo destinatário

8 SSL funcionamento O Cliente é o sistema que inicia a comunicação segura; O servidor responde ao pedido do cliente. No modo mais comum de aplicação do SSL, a navegação Web segura, o navegador (Firefox, iexplorer, Chrome, etc...) é o cliente e o site é o servidor. Estes dois papéis se aplicam a todas as aplicações que usam o SSL.

9 Mensagens em uma comunicação SSL Alerta Informa à outra parte de uma possível brecha na segurança ou falha de comunicação. ApplicationData Informação real que as duas partes irão trocar entre si, que é criptografada, autenticada e/ou verificada por SSL. Certificate Uma mensagem que carrega o certificado da chave pública do remetente. CertificateRequest Uma solicitação do servidor para que o cliente forneça seu certificado da chave pública.

10 Mensagens em uma comunicação SSL CertificateVerify Uma mensagem do cliente que verifica que ele conhece a chave privada correspondente à sua chave pública certificada. ChangeCIpherSpec Um indicador para começar a utilizar serviços de segurança acordados. ClientHello Uma mensagem do cliente indicando os serviços de segurança que ele deseja e que ele é suporta. ClientKeyExchange Uma mensagem do cliente carregando as chaves criptográficas para as comunicações.

11 Mensagens em uma comunicação SSL Finished Uma indicação de que todas as negociações iniciais estão completas e uma comunicação segura foi estabelecida. HelloRequest Um pedido do servidor para que o cliente inicie (Ou reinicie) o processo de negociação. ServerHello Uma mensagem do servidor indicando os serviços de segurança que serão utilizados para a comunicação vigente. ServerHelloDone Uma indicação do servidor de que ele completou todos os seus pedidos para o cliente para estabelecer a comunicação. ServerKeyExchange Uma mensagem do servidor carregando as chaves criptográficas para a comunicação.

12 Estabelecendo uma comunicação O cliente e o servidor negociam uma conexão segura através de uma série de passos, nos quais devem decidir os algoritmos a serem usados e gerar segredos, que são geralmente números aleatórios. Negociação dos algoritmos a serem utilizados Troca de chaves (segredos) e autenticação Encriptação autenticação de mensagens

13 O processo de comunicação do SSL

14 O processo de comunicação do SSL 1. Cliente envia a mensagem ClientHello propondo as opções de SSL. 2. O servidor responde com a mensagem ServerHello dizendo quais opções serão utilizadas naquela comunicação. 3. O Servidor envia sua chave pública. 4. O Servidor conclui sua parte da negociação. 5. O Cliente envia as informações da chave de sessão (Criptografada com a chave pública do servidor).

15 O processo de comunicação do SSL 6. O cliente envia a mensagem ChangeCipherSpec para ativar as opções negociadas para as mensagens seguintes. 7. Cliente envia a mensagem Finished. 8. Servidor envia a mensagem ChangeCipherSpec para ativar as opções negociadas para as mensagens seguintes. 9. Servidor envia Finished.

16 Protocolo TSL O protocolo TLS foi criado como o sucessor do SSL. É mais frequentemente usado como uma configuração nos programas de , mas assim como o SSL, o TLS pode ter um papel em qualquer transação cliente-servidor.

17 O HTTPS por ser mais robusto consome mais recursos que o HTTP, Quais os principais recursos consumidos?

18 Trafego de Rede: Mais Banda será consumida porque os dados são criptografados Tempo de CPU: A criptografia exige muito da CPU, inclusive do servidor que deve atender múltiplas requisições simultaneamente Utilização da Memoria: Armazenamento mais intensivo pelo uso de arquivos criptografados

19 Configuração do HTTPS Para se utilizar HTTPS o processo de configuração é resumido em três passos Criação das chaves SSL Criação do Certificados Configuração do Servidor WEB OBS: Para criar as chaves é necessário instalar e configurar a aplicação openssl

20 HASH É a nomenclatura que se da aos algoritmos de criptografia, os tipos mais comuns são o md5, sha1 e base64

21 MD5 É um algoritmo de um hash de 128 bits; gera uma String alfanumérica de 32 caracteres, não importa se você tá gerando o md5 de duas letras ou de um texto; O md5 gerado sempre vai ter 32 caracteres; Não pode ser decodificada;

22 MD5 $string = 'Professor Gleison Batista de Sousa'; $codificada = md5($string); echo "Resultado da codificação usando md5: $codificada"; Resultado: 26f72e1d18c5458e608cc3beda4a5d3d

23 SHA1 É praticamente idêntico ao md5, só que tem 160 bits, o que acaba criando um resultado maior: 40 caracteres alfanuméricos; Aumenta o grau de segurança; Não pode ser decodificada;

24 SHA1 $string = 'Professor Gleison Batista de Sousa'; $codificada = sha1($string); echo "Resultado da codificação usando sha1: $codificada" ; Resultado: c00e40fb2f847585ffd71ab79b ec5cdf1

25 Base64 É um método para codificação dos dados para transferência na Internet; Ela é uma codificação de mão dupla, e usando uma segunda função você pode descobrir a string original de uma string codificada; Pode ser decodificada através de sua função de decodificação;

26 base64_encode Tem a função de codificar a string; $string = 'Professor Gleison Batista de Sousa'; $codificada = base64_encode($string); echo "Resultado da codificação usando base64: $codificada "; Resultado: UHJvZmVzc29yIEdsZWlzb24gQmF0aXN0YSBkZSBTb3VzYQ==

27 base64_decode Tem a função de decodificar a string; $original = base64_decode($codificada); echo "Resultado da decodificação usando base64: " ; Resultado: Professor Gleison Batista de Sousa

Criptografia e Segurança das Comunicações. TLS Transport Layer Security

Criptografia e Segurança das Comunicações. TLS Transport Layer Security Criptografia e Segurança das Comunicações TLS Transport Layer Security TLS : 1/21 Introdução (1) SSL- Secure Socket Layer, desenvolvido em 1995 pela Netscape para garantir segurança na transmissão de documentos

Leia mais

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP

Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP Protocolos de Aplicação SSL, TLS, HTTPS, SHTTP SSL - Secure Socket Layer Protocolos criptográfico que provê comunicação segura na Internet para serviços como: Telnet, FTP, SMTP, HTTP etc. Provê a privacidade

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação ICP e Certificados Digitais Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Criptografia de chave pública Oferece criptografia e também uma maneira de identificar

Leia mais

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL

Protocolos Básicos e Aplicações. Segurança e SSL Segurança e SSL O que é segurança na rede? Confidencialidade: apenas remetente e destinatário pretendido devem entender conteúdo da mensagem remetente criptografa mensagem destinatário decripta mensagem

Leia mais

1.264 Aula 17. Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET)

1.264 Aula 17. Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET) 1.264 Aula 17 Segurança na Internet: Criptografia (chave pública) SSL/TLS Assinaturas cegas (SET) Premissas para a segurança na Internet Navegador-rede-servidor são os 3 principais componentes Premissas

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

PROTOCOLO SSL UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS

PROTOCOLO SSL UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria no 577/2000 MEC, de 03/05/2000 CST EM REDES DE COMPUTADORES PROTOCOLO SSL Uberlândia 2006 LISTA

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação Mestrado Profissional em Computação 2º. Semestre / 2003 O Protocolo 6ecure 6ockets /ayer (66/) Segurança da Informação MP 202 Prof. Ricardo Dahab

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

Introdução à Criptografia. Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral

Introdução à Criptografia. Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral Introdução à Criptografia Segurança da Informação Prof. João Bosco M. Sobral 1 O que é Segurança da Informação Segurança de Informação relaciona-se com vários e diferentes aspectos referentes à: confidencialidade

Leia mais

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0

fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 Entenda o que é um certificado digital SSL (OPENSSL) fonte: http://www.nit10.com.br/dicas_tutoriais_ver.php?id=68&pg=0 1. O que é "Certificado Digital"? É um documento criptografado que contém informações

Leia mais

Manual de utilização do STA Web

Manual de utilização do STA Web Sistema de Transferência de Arquivos Manual de utilização do STA Web Versão 1.1.7 Sumário 1 Introdução... 3 2 Segurança... 3 2.1 Autorização de uso... 3 2.2 Acesso em homologação... 3 2.3 Tráfego seguro...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 13 Índice 1. Criptografia...3 1.1 Sistemas de criptografia... 3 1.1.1 Chave simétrica... 3 1.1.2 Chave pública... 4 1.1.3 Chave pública SSL... 4 2. O símbolo

Leia mais

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança

www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança www.projetoderedes.com.br Gestão da Segurança da Informação Professor: Maurício AULA 08 Protocolos de Segurança Protocolos de Segurança A criptografia resolve os problemas envolvendo a autenticação, integridade

Leia mais

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada

Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Processo para transformar a mensagem original em uma mensagem ilegível por parte de uma pessoa não autorizada Criptografia Onde pode ser usada? Arquivos de um Computador Internet Backups Redes

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

HTTPS. Lucas Vieira Mathias Hillesheim. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC. 16 de Junho de 2015

HTTPS. Lucas Vieira Mathias Hillesheim. Instituto Federal de Santa Catarina IFSC. 16 de Junho de 2015 HTTPS Lucas Vieira Mathias Hillesheim Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José 16 de Junho de 2015 Lucas Mathias (IFSC) HTTPS - Segurança na Internet 16 de Junho de 2015 1 / 28 Lucas Mathias

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br)

Certificado Digital: Como Funciona (www.bry.com.br) Comércio Eletrônico Faculdade de Tecnologia SENAC Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular: Comércio Eletrônico Edécio Fernando Iepsen (edecio@terra.com.br)

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia Firewall Protocolos Seguros IPSec SSL SEGURANÇA LÓGICA: Criptografia

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO

Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Automação e Sistemas Grupo de Estudos de Agentes Móveis e Segurança RELATÓRIO TÉCNICO Java RMI over SSL no Aglets-2.0.2 Galeno Augusto Jung Florianópolis,

Leia mais

Oficial de Justiça 2014. Informática Questões AULA 3

Oficial de Justiça 2014. Informática Questões AULA 3 Oficial de Justiça 2014 Informática Questões AULA 3 - Conceitos básicos de Certificação Digital - Sistema Operacional: Microsoft Windows 7 Professional (32 e 64-bits) operações com arquivos; configurações;

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Segurança na Internet Aula 4. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Segurança na Internet Aula 4 Profa. Rosemary Melo Segurança na Internet A evolução da internet veio acompanhada de problemas de relacionados a segurança. Exemplo de alguns casos de falta

Leia mais

SSL. Rafael Sarres. Rede de Computadores com ênfase em Segurança

SSL. Rafael Sarres. Rede de Computadores com ênfase em Segurança SSL Rafael Sarres Rede de Computadores com ênfase em Segurança SSL Secure Sockets Layer Protocolo genérico para segurança em trocas eletrônicas Independente de SO ou plataforma Amplamente usado em e-commerce

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP)

Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Universidade de Brasília UnB Escola de Extensão Curso Criptografia e Segurança na Informática Segurança do Wireless Aplication Protocol (WAP) Aluno: Orlando Batista da Silva Neto Prof: Pedro Antônio Dourado

Leia mais

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado

67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Carreira Policial Mais de 360 aprovados na Receita Federal em 2006 67 das 88 vagas no AFRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF no PR/SC 150 das 190 vagas no TRF Conquiste sua vitória ao nosso lado Apostila

Leia mais

Assinatura Digital: problema

Assinatura Digital: problema Assinatura Digital Assinatura Digital Assinatura Digital: problema A autenticidade de muitos documentos, é determinada pela presença de uma assinatura autorizada. Para que os sistemas de mensagens computacionais

Leia mais

Segurança de Sessão. Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1 SSL/TLS

Segurança de Sessão. Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1 SSL/TLS Segurança de Sessão Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1 SSL/TLS 1 SSL/TLS Introdução Netscape desenvolveu SSL (Secure Socket Layer) Versões 2 e 3 IETF TLS 1.0 (Transport

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

Segurança de Sessão. Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1

Segurança de Sessão. Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1 Segurança de Sessão Jaime Dias FEUP > DEEC > MRSC > Segurança em Sistemas e Redes v3.1 SSL/TLS SSL/TLS Introdução Netscape desenvolveu SSL (Secure Socket Layer) Versões 2 e 3 IETF TLS 1.0 (Transport Layer

Leia mais

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução a Segurança em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática, UFMA Graduação em Ciência da Computação Francisco José da Silva e Silva 1 Introdução Segurança em sistemas

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança

Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança Walter Cunha Tecnologia da Informação Segurança ESAF 2008 em Exercícios 37 (APO MPOG 2008) - A segurança da informação tem como objetivo a preservação da a) confidencialidade, interatividade e acessibilidade

Leia mais

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28

Introdução. Criptografia. Aspectos de segurança em TCP/IP Secure Socket Layer (SSL) Rd Redes de Computadores. Aula 28 Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Rd Redes de Computadores td Aspectos de segurança em /IP Secure Socket Layer (SSL) Aula 28 Na Internet, ninguém sabe que você é um cachorro. Peter Steiner,

Leia mais

Comunicado. Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS. www.certisign.com.br

Comunicado. Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS. www.certisign.com.br Ataque LogJam - Nova vulnerabilidade no SSL/TLS O que está acontecendo? O setor de TI recentemente tem divulgando diversos ataques sobre os protocolos de criptografia. E na última semana, foi descoberta

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T.

2) Demonstre a verificação da fraude no envio de um arquivo não sigiloso, porém autenticado, de A para B e alterado indevidamente por T. Revisão para A1 Criptografia e Certificação Digital Legenda: A + - Chave Pública de A A - - Chave Privada de A s Chave Secreta MD5 Algoritmo de HASH MSG Mensagem de texto claro - Operação de comparação

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa

Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnóstico de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa de defeitos Segurança garantida do cliente 701P41699 Visão geral dos Serviços Remotos Sobre

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Teste nº 2 (frequência), 05/Jan/2010 Segurança em Sistemas e Redes de Computadores SSRC-0910-EN-2.2.

Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Teste nº 2 (frequência), 05/Jan/2010 Segurança em Sistemas e Redes de Computadores SSRC-0910-EN-2.2. Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Curso de Engenharia Informática (2º Ciclo) Teste nº 2 (frequência), 05/Jan/2010 Segurança em Sistemas e Redes

Leia mais

Segurança na Internet

Segurança na Internet Segurança na Internet Muito do sucesso e popularidade da Internet é por ela ser uma rede global aberta Por outro lado, isto faz da Internet um meio não muito seguro É difícil identificar com segurança

Leia mais

Estamos seguros mesmo?

Estamos seguros mesmo? Grupo de Resposta a Incidentes de Segurança GRIS Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal do Rio de Janeiro Segurança em WebMessengers: Meebo Estamos seguros mesmo? Por: Manoel Fernando

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Introdução a Criptografia e Criptografia Simétrica Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA

Leia mais

Segurança em Redes SSL (Secure Sockets Layer)

Segurança em Redes SSL (Secure Sockets Layer) Segurança em Redes SSL (Secure Sockets Layer) Redes de Comunicação de Dados Departamento de Engenharia da Electrónica e das Telecomunicações e de Computadores Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Perguntas e Respostas. Relatórios

Perguntas e Respostas. Relatórios Perguntas e Respostas 1. Por que o @ Work mudou? R: Pensando na satisfação dos nossos clientes para com os serviços via Web, foi realizado uma reformulação de toda estrutura do site otimizando a disponibilidade

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Segurança de Sistemas Edécio Fernando Iepsen (edeciofernando@gmail.com) Certificação Digital Ampla utilização

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

GUIA DE TRANQÜILIDADE

GUIA DE TRANQÜILIDADE GUIA DE TRANQÜILIDADE NA INTERNET versão reduzida Você pode navegar com segurança pela Internet. Basta tomar alguns cuidados. Aqui você vai encontrar um resumo com dicas práticas sobre como acessar a Internet

Leia mais

Análise de segurança em aplicativos bancários na plataforma Android RAFAEL J. CRUZ,

Análise de segurança em aplicativos bancários na plataforma Android RAFAEL J. CRUZ, Análise de segurança em aplicativos bancários na plataforma Android RAFAEL J. CRUZ, DIEGO F. ARANHA Introdução As inovações tecnológicas afetam diretamente a forma como as organizações atuam sendo que,

Leia mais

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL

Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL Conceitos de Criptografia e o protocolo SSL TchêLinux Ulbra Gravataí http://tchelinux.org/gravatai Elgio Schlemer Ulbra Gravatai http://gravatai.ulbra.tche.br/~elgio 31 de Maio de 2008 Introdução Início

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Segurança em Redes. Segurança em Redes

Ricardo Campos [ h t t p : / / w w w. c c c. i p t. p t / ~ r i c a r d o ] Segurança em Redes. Segurança em Redes Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar. Encontra-se disponível na página web do autor no link Publications ao abrigo da seguinte licença:

Leia mais

Gerenciamento e Segurança de Dados

Gerenciamento e Segurança de Dados Prof. Wanderson Reis professor@wanderson.pro.br Gerenciamento e Segurança de Dados 04/03/2011 Informática - PDS Tópicos principais Definições básicas de segurança da informação Políticas de segurança da

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação INF-108 Segurança da Informação Autenticação Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, junho de 2013 Resumos de mensagem (hash) Algoritmo Hash são usados quando a autenticação é necessária, mas o sigilo,

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades

TCEnet. Manual Técnico. Responsável Operacional das Entidades TCEnet Manual Técnico Responsável Operacional das Entidades 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Características... 3 3. Papéis dos Envolvidos... 3 4. Utilização do TCEnet... 4 4.1. Geração do e-tcenet... 4

Leia mais

PADRÃO TISS. segurança & privacidade

PADRÃO TISS. segurança & privacidade PADRÃO TISS segurança & privacidade novembro 2013 O componente de segurança e privacidade do Padrão TISS, contou com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde SBIS como entidade de referência e estabelece

Leia mais

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs)

Capítulo 13. Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Capítulo 13 Segurança de dados em redes de computadores. Redes Privadas Virtuais (VPNs) Neste capítulo faz-se uma introdução a aplicações e standards que implementam segurança (por encriptação) na comunicação

Leia mais

Projeto Tor. 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida

Projeto Tor. 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida Projeto Tor 2013-1 UFRJ Redes I Alunos: Jhonatas Alfradique, Hugo Klin, Guilherme Almeida O que é Tor? Tor (The Onion Router, traduzido por O roteador Cebola ) é uma rede de túneis que permite as pessoas

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox

Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox 701P28680 Visão geral do printeract, Serviços Remotos Xerox Um passo na direção certa Diagnósticos de problemas Avaliação dos dados da máquina Pesquisa

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Segurança Segurança deve considerar o ambiente externo do sistema, e proteger de: Acesso não autorizado Alteração ou

Leia mais

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores

Capítulo 8. Segurança em redes de computadores 1 Capítulo 8 Segurança em redes de computadores 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!!

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS Vulnerabilidade dos sistemas e uso indevido Vulnerabilidade do software Softwares comerciais contém falhas que criam vulnerabilidades na segurança Bugs escondidos (defeitos no

Leia mais

4 Metodologia e Implementação

4 Metodologia e Implementação 4 Metodologia e Implementação Como estudado no capítulo 3, as redes IEEE 802.11b possuem diversas vulnerabilidades decorrentes da fragilidade dos mecanismos de autenticação, confidencialidade e integridade

Leia mais

Instalação e uso ymantec s Online Security de certificado Predictions f s SSL: or 2015 and Beyond

Instalação e uso ymantec s Online Security de certificado Predictions f s SSL: or 2015 and Beyond Symantec s Online Security Instalação e uso de certificados SSL: Beyond Predictions for 2015 and seu paraand o sucesso Asiaguia Pacific Japan Então você comprou certificados SSL. Adquirir seu certificado

Leia mais

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc.

Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula. Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Criptografia e Certificação Digital Sétima Aula Prof. Frederico Sauer, D.Sc. Segurança na Web A Internet é considerada essencial nos Planos de Negócios das empresas para alavancar lucros O ambiente capilar

Leia mais

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012

SIORP Sistema de Informação de Órgão Publico 2012 Portfólio 2012. O que é? SIORP Sistema de Informação de Órgão Público é um sistema cujo elemento principal é a informação. Seu objetivo é armazenar, tratar e fornecer informações de tal modo a apoiar as

Leia mais

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro

Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento. Douglas Farias Cordeiro Segurança da Informação e Proteção ao Conhecimento Douglas Farias Cordeiro Revisando As transações eletrônicas demandam mecanismos de segurança que garantam: Autenticidade Confidencialidade Integridade

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO *

SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * SEGURANÇA EM REDE PEER TO PEER USANDO TECNOLOGIA IPSEC EM UM AMBIENTE CORPORATIVO * Giovani Francisco de Sant Anna Centro Universitário do Triângulo (UNITRI) William Rodrigues Gomes Centro Universitário

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 3: Visão Geral das Tecnologias de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Tradução do Endereço de Rede (NAT) Network Address Translation Recurso que permite

Leia mais

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança

3 SERVIÇOS IP. 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança 3 SERVIÇOS IP 3.1 Serviços IP e alguns aspectos de segurança Os serviços IP's são suscetíveis a uma variedade de possíveis ataques, desde ataques passivos (como espionagem) até ataques ativos (como a impossibilidade

Leia mais

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02

Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Tencologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: WEB I Conteúdo: Segurança da Informação Aula 02 Agenda 1. Segurança da Informação 1.1.Introdução 1.2.Conceitos 1.3.Ameaças a Segurança da

Leia mais

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais)

Autenticação: mais uma tentativa. Autenticação: mais uma tentativa. ap5.0: falha de segurança. Autenticação: ap5.0. Assinaturas Digitais (mais) Autenticação: mais uma tentativa Protocolo ap3.1: Alice diz Eu sou Alice e envia sua senha secreta criptografada para prová-lo. Eu I am sou Alice encrypt(password) criptografia (senha) Cenário de Falha?

Leia mais

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos

FTP Protocolo de Transferência de Arquivos FTP Protocolo de Transferência de Arquivos IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm FTP - Protocolo O protocolo FTP é o serviço padrão da Internet para

Leia mais

Privacidade no email. Fevereiro de 2009 Luís Morais 2009, CERT.PT, FCCN

Privacidade no email. Fevereiro de 2009 Luís Morais 2009, CERT.PT, FCCN Privacidade no email Fevereiro de 2009 Luís Morais 2009, CERT.PT, FCCN 1 Introdução... 3 2 Funcionamento e fragilidades do correio electrónico... 3 3 Privacidade no correio electrónico... 5 3.1 Segurança

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infra-estrutura 2013 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Política para desenvolvimento de software seguro

Política para desenvolvimento de software seguro FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Segurança da Informação Marcos Mesa Cerdan Marcus Vinicius Pedrosa Philipe Toledo Oliveira Política para desenvolvimento de software seguro GOIÂNIA, 2016 Marcos Mesa

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. /Redes/Internet/Segurança

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. /Redes/Internet/Segurança APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA www.brunoguilhen.com.br A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN Data efetiva: 14 de abril de 2014. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA CLICKSIGN Estas Especificações Técnicas contém informações sobre procedimentos operacionais e de segurança do Site, bem como sobre suas responsabilidades

Leia mais

PADRÃO TISS. segurança & privacidade

PADRÃO TISS. segurança & privacidade PADRÃO TISS segurança & privacidade outubro 2012 O componente de segurança e privacidade do Padrão TISS, contou com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde SBIS como entidade de referência e estabelece

Leia mais

Autenticação com Assinatura Digital

Autenticação com Assinatura Digital Autenticação Verificação confiável da identidade de um parceiro de comunicação Define uma relação de confiança Garante que o remetente dos dados não negue o envio dos mesmos Autenticação com Assinatura

Leia mais

SSH Secure Shell Secure Shell SSH

SSH Secure Shell Secure Shell SSH SSH SSH Secure Shell O protocolo Secure Shell, é um popular e poderoso, software baseado na abordagem de segurança de rede. Quando os dados são enviados por um computador para a rede, SSH criptografálos

Leia mais

SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ

SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ SIP Complemento (parte 2) Telefonia IP MAB 618 Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Departamento de Computação /IM da UFRJ Sinalização Segura 2 Segurança Tripé Autenticação Quem

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Procedimento de Acesso VPN

Procedimento de Acesso VPN Procedimento de Acesso Departamento de Tecnologia e Infraestrutura 2014 Este procedimento tem por objetivo definir as configurações básicas para acessar a rede corporativa do Esporte Clube Pinheiros via.

Leia mais

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589

Segurança Internet. Fernando Albuquerque. fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Segurança Internet Fernando Albuquerque fernando@cic.unb.br www.cic.unb.br/docentes/fernando (061) 273-3589 Tópicos Introdução Autenticação Controle da configuração Registro dos acessos Firewalls Backups

Leia mais

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP

Cliente/Servidor. Segurança. Graça Bressan/LARC 2000 GB/LARC/PCS/EPUSP Cliente/Servidor Segurança Graça Bressan Graça Bressan/LARC 1998 GB/LARC/PCS/EPUSP CS 1-1 Política de Segurança Especifica de forma não ambígua quais itens devem ser protegidos e não como implementar esta

Leia mais