S E S S Ã OD EA B E RT U R A... 9 P rof. Doutor José Mariano Gago - Ministro da Ciência e Te c n o l o g i a

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S E S S Ã OD EA B E RT U R A... 9 P rof. Doutor José Mariano Gago - Ministro da Ciência e Te c n o l o g i a"

Transcrição

1

2

3

4

5 Í N D I C E S E S S Ã OD EA B E RT U R A P rof. Doutor José Mariano Gago - Ministro da Ciência e Te c n o l o g i a D r. Jorge Lacão - Presidente da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Gara n t i a s D r. João Labescat - Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados P rof.ª Doutora Maria Manuel Leitão Marques - Presidente do Observatório do Comérc i o I PAINEL - COMÉRCIO E L E C T R Ó N I C O : P O N TO DA S I T UA Ç Ã O NAC I O NA L P rof.ª Doutora Maria Manuel Leitão Marques - Presidente do Observatório do Comérc i o M o d e ra d o ra C O M É R C I O E L E C T R Ó N I C O : E S T U D O DA SE M P R E S A S QU E OPERAM EM P O RT U G A L P rof. Doutor António Dias de Fi g u e i redo - Instituto Pedro Nunes, Faculdade de Ciências e Te c n o l o g i a da Universidade de Coimbra E S T U D OS O B R E A D I F U S Ã O DA SP R Á T I CA SD E C O M É R C I O ELECTRÓNICO NO M U N D O DA S FA M Í L I A S E DA SE M P R E S A S :O B S T Á C U L O S AO D E S E N VO LV I M E N TO P rof.ª Doutora Maria de Lurdes Rodrigues - Presidente do Observatório da Ciência e Te c n o l o g i a A N E X O D E BAT E I I PAINEL PRIVAC I DADE NO COMÉRCIO ELECTRÓNICO: A PROTECÇÃO DOS DADOS PESSOA I S D r. João Labescat - Presidente da CNPD M o d e ra d o r O S R I S C O S DA I N T E R N E T PA R A A P R I VAC I DADE: O CA S O P O RT U G U Ê S D r. João Paulo Simões de Almeida - Vogal da Comissão Nacional de Protecção de Dados A EXPERIÊNCIA FRANCESA DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE DADOS NO DOMÍNIO DA INTERNET 6 3 Marie Georges - D i r e c t o ra do Departamento de Telecomunicações da CNIL D E BAT E

6 I I I PAINEL O COMÉRCIO E L E C T R Ó N I C O E A SP O L Í T I CA S D EP R I VAC I DA D E D ra. Catarina Sarmento e Castro - Vogal da CNPD M o d e ra d o ra O CENTRO COMERCIAL ELECTRÓNICO D r. António Costa Cardoso - A d m i n i s t rador do Shopping Direct A CULTURA E O LAZER Anabela Fernandes - F NAC D E BAT E I V PAINEL A SEGURANÇA NA S T R A N S AC Ç Õ E SE L E C T R Ó N I CA S D r. João Paulo Simões de A l m e i d a M o d e ra d o r A SC E RT I F I CA Ç Õ E S D I G I TA I S : FAC T U R A E A S S I NAT U R A D r. Miguel Pupo Correia - A dvogado e docente unive r s i t á r i o A SE X P E C TAT I VA S E O S D I R E I TO S D O S C O N S U M I D O R E S Luís Silve i ra Rodrigues - A dvogado e Consultor Ju r í d i c o da DECO - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor D E BAT E E N C E R R A M E N TO D O S T R A BA L H O S D r. João Labescat - Presidente da CNPD 6

7 P R O G R A M A h Entrega da documentação h Sessão de abertura Ministro da Ciência e Tecnologia Prof. Doutor Mariano Gago Presidente da Comissão Parlamentar de A s s u n t o s Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias D r. Jorge Lacão Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados Dr. João Labescat Presidente do Observatório do Comércio Prof. Dout o ra Maria Manuel Leitão Marques h I Comércio electrónico: ponto da situação nacional M o d e ra d o ra: Prof. Doutora Maria Manuel Leitão Marques C o m é rcio elect r ó n i c o : estudo das empresas que operam em Po rt u ga l Prof. Doutor António Dias Figueiredo (Instituto Pedro Nunes, FCT da Unive r s i d a- de de Coimbra ). Estudo sobre a difusão das práti cas do comérc i o e l e ctrónico no mundo das famílias e das empre s a s : obstáculos ao desenvo l v i m e n t o Prof. Doutora Maria de Lurdes Rodrigues, Presidente do Observa t ó- rio da Ciência e Te c n o l o g i a h Debate h II Privacidade no comércio electrónico: a pro t e c ç ã o dos dados pessoais M o d e rador: Dr. João Labescat Os riscos da Internet para a pri va c i d a d e : o caso p o rt u g u ê s Dr. João Paulo Simões de Almeida (vogal da CNPD) A ex p e riência da comissão de protecção de dados francesa no domínio da Internet Marie Georges D i r e c t o ra do Departamento de Te l e c o m u n i c a ç õ e s, Commission Nationale de l Informatique et des Libertés (CNIL) 12.25h Debate h Interrupção dos trabalhos para almoço h III O comércio electrónico e as políticas de priva c i d a d e M o d e ra d o ra: Dra. Catarina Sarmento e Castro ( vogal da CNPD) O centro comercial elect r ó n i c o Dr. António Costa Cardoso, Shopping Direct A Cultura e o Laze r Anabela Fernandes, FNAC h Debate h IV A Segurança nas transacções electrónicas M o d e rador: Dr. João Paulo Simões de A l m e i d a As certi fi cações digita i s : f a ctura e assinatura Dr. Miguel Pupo Correia As ex p e cta ti vas e os direitos dos consumidore s Dr. Luís Silve i ra Rodrigues (DECO) 17.00h Debate 17.30h Encerramento dos tra b a l h o s 7

8

9 S E S S Ã O D E A B E RT U R A P rof. Doutor José Mariano Gago Ministro da Ciência e Te c n o l o g i a A g radecendo e saudando esta iniciativa, gostaria de fazer uma brevíssima reflexão sobre a questão em discussão privacidade e comércio electrónico que não tem qualquer outra pretensão senão a de exprimir, para lá do apreço, a enorme curiosidade que tenho por este desenvo l v i m e n t o. Julgo que a questão da privacidade e, em geral, a questão dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e das suas organizações, são e serão cada vez mais c o nvocados quando se fala de qualquer novo suporte técnico da informação. A Internet veio fornecer novas possibilidades e qualquer alteração neste sentido foi assim com o princípio da imprensa escrita, com a rádio, com a televisão desafia o legislador, os cidadãos e ainda os hábitos relativos aos direitos dos cidadãos e das organizações, muito especialmente quando os interesses em jogo são contraditórios. E, neste caso, eles são contra d i t ó r i o s. O desenvolvimento da Internet vem colocar, de novo e repetidamente e não nos devemos surpreender com isso a questão da conflitualidade entre os interesses particulares e os interesses gerais, os interesses do indivíduo ou de organizações e os interesses de outras organizações ou de outros indivíduos. O próprio desenvolvimento da Internet vive hoje, internacionalmente e em cada um dos nossos países, debaixo de uma tensão não resolvida e que eu espero que não se resolva entre a Internet para o comércio electrónico, de que é aliás exemplo a tentativa de fazer migrar o mais possível a Internet para a televisão digital intera c t iva, em detrimento daquilo que foi o essencial dos primeiros anos da sua existência, ou seja, o acesso à informação, o associativismo renovado à escala internacional e a comunicação em rede entre cidadãos e organizações. Julgo que esta tensão é frequente e é uma tensão que, no meu entender, se va i a g ravar nos próximos anos. E é à luz dessa tensão real, entre os que olham o utilizador da Internet essencialmente como um consumidor e aqueles que o olham como um cidadão, que nós deveremos, no meu entender, olhar para a questão da privacidade. A privacidade tem, de facto, a ver com o pólo desta equação que diz respeito ao cidadão. 9

10 Gostaria, contudo, de dizer que, no interior deste campo de tensões, t a l vez haja pólos de fra c t u ra e de aliança que importa explorar obv i a m e n t e, do ponto de vista de quem defende um reforço das sociedades democráticas com base nestes novos meios de comunicação. P r ovavelmente os aspectos de desenvolvimento da privacidade no comérc i o electrónico serão tão essenciais ao desenvolvimento do próprio comércio e das organizações do comércio como são, por exemplo, as políticas ambientais ou as relativas à segurança no trabalho, para a totalidade das organizações industriais. À primeira vista parecem ser entraves ao seu desenvolvimento. E, no entanto, hoje, são claramente vistas como criadoras de um ambiente favo r á vel ao próprio desenvolvimento das actividades industriais, no seu todo. O mesmo se passa, com certeza, em matéria de comércio se aprofundarmos as políticas de defesa da priva c i d a d e. O próprio modelo económico em que vivemos exige, para se exercer a concorrência entre organizações, que uma organização não possa ter acesso à totalidade da informação interna de outra organização. Esta privacidade, em sentido organizacional, é uma questão absolutamente fundamental quando falamos no comércio electrónico. O comércio electrónico será cada vez mais importante na relação entre empresas. E se pensarmos, por exemplo, como funcionará uma pequena ou micro-empresa durante a próxima década, não no que diz respeito a quem vende mas no que diz respeito às relações com aqueles de quem compra, isto é, com os seus fornecedores, veremos a importância deste problema. Fazer com que o comércio electrónico, na relação business to business, d e s i g- nadamente das pequenas, médias e micro-empresas com os seus fornecedores, constitua para elas um motivo de aumento de liberdade de escolha e de informação, é voz corrente. Mas, o que talvez seja menos voz corrente é a possibilidade de esses fornecedores ou alguns desses fornecedores pelo conhecimento detalhado das fraquezas e das fragilidades dessas organizações, não no que diz respeito directamente ao comércio mas no que diz respeito a outros dados a que podem ter acesso, designadamente a carteira de aquisições, o vo l u- me e especificação do crédito ou do débito viciarem as regras de concorrência e criarem, de facto, monopólios ou oligopólios nesta matéria. Esta é uma questão que une, portanto, o cidadão e a empresa. Julgo que seria a b u s ivo e muito limitativo pensar que a privacidade dos cidadãos está de um lado da barricada e que o desenvolvimento das empresas do outro. A cho que ambos empresas e cidadãos podem beneficiar com esta reflexão. 1 0

11 Há ainda uma outra questão que gostaria de sublinhar que diz respeito à relação entre dispositivos técnicos e a possibilidade técnica de compreender a p r ivacidade e a própria privacidade. Explico-me: falou o Senhor Presidente, e muito bem, na questão dos c o o k i e s e dos h i p e r l i n k s escondidos, ou seja, de o u t ras formas que existem hoje de marc a r, identificar, registar e arquivar formas de acesso à informação. Isto é, como se o simples facto de cada um de nós ir p r o c u rar uma informação pudesse, por si só, ser objecto de um registo detalhado, de saber quem foi, quando foi e que informação foi buscar. Ou seja, num primeiro passo, identifica-se e marca-se o potencial consumidor e o seu perfil tendo em vista a definição de perfis globais; num segundo passo, se tal for c o nveniente, identificam-se os perfis individualizados; e, num terceiro passo, procede-se á revenda da informação para que ela seja utilizada para os fins que outros muito bem entendam. Esta questão é absolutamente crítica e não se pode resolver apenas pela regulação jurídica. Se o legislador não tiver um perfeito conhecimento dos elementos fundamentais da cultura tecnológica dos nossos dias e sobre a qual a Internet assenta, essa será uma guerra perdida. Aquilo que faz com que acreditemos que este problema não seja hoje um problema insuperável, o que faz com que a Internet se tenha desenvolvido com esta rapidez e, em última análise, sem que nenhuma das ameaças que indiquei se tenha realmente concretizado de uma forma maciça à escala mundial é, em primeiro lugar, a cultura democrática e, nalguns casos mesmo, libertária, dos investigadores e das organizações científicas que deram corpo ao próprio desenvolvimento da Internet. Sem isso a Internet poderia ser hoje um gigantesco Big Brother internacional. Julgo que continuará a ser assim. E não tem exclusivamente a ver com a relação da Net com os pais fundadores, mas com o facto de have r, e continuar a have r, d u rante os próximos anos, uma gigantesca carência de recursos qualificados e de talento que respondam aos desafios de natureza científica e técnica que o crescimento da Internet e dos suportes digitais acarreta, o que dá ao corpo de i nvestigadores, sejam eles do sector público ou do privado, mas muito especialmente das universidades, em todo o mundo, um poder absolutamente e x t ra o r d i n á r i o. Já contei várias vezes a história do conflito entre a Europa e os Estados Unidos, em matéria de criptografia. Essa história pode-se contar, obviamente, de muitas m a n e i ras e uma delas, que é a canónica e que se lerá nos livros de texto, diz que, numa determinada data, foi estabelecido um acordo político entre os Estados Unidos e a Europa que fez com que os códigos e, em última análise, o s o f t wa r e, o melhor s o f t wa r e em criptação existente exclusivamente nos Estados Unidos pudesse passar a ser comercializado e exportado. 1 1

12 A história, dita do ponto de vista de quem está, do lado da investigação, é outra e conta como alguns dos melhores cientistas americanos deste sector decidira m violar a lei e libertar os códigos de acesso da criptografia e os teoremas que lhes serviam de suporte. É preciso que estes aspectos não sejam vistos como pormenores de interesse marginal. No meu entender, são absolutamente essenciais e não é a primeira vez que acontecem nas nossas histórias. A história do nuclear, designadamente d u rante a Segunda Guerra Mundial e no pós-guerra vista, por uns, como um fenómeno de espionagem internacional e, por outros, como o estabelecimento do equilíbrio à escala global é essencialmente uma história por vezes entendida pela comunidade científica internacional como natural: alguns cientistas s e n t i ram que era indispensável que mais entidades e mais pessoas tive s s e m acesso àquilo que eram então segredos científicos, e portanto, segredos militares. Mas a história dirá. O mesmo se está a passar hoje no que diz respeito às tecnologias de informação e de comunicação e se está a passar muito criticamente no que diz respeito á criptografia, no que diz respeito à identificação dos indivíduos e das organizações e, designadamente, na evolução do s o f t wa r e que dá corpo às assinatura s digitais e à identificação. A defesa da privacidade, repito e era este ponto que gostaria de sublinhar exige ainda mais algum desenvolvimento do ponto de vista científico e técnico p a ra que o cidadão, ele próprio, não sendo um especialista em informática, possa facilmente utilizar os meios ao seu dispor para garantir a sua própria privacidade. Isso ainda hoje não é fácil, mas há muita gente a tra b a l h a r, designadamente no meio científico e universitário, para tornar isso mais fácil. Por último permitam-me a insistência esta mesma reflexão exige que haja i nvestigação livre e que esta seja apoiada pelos Estados, designadamente nas u n iversidades, que haja livre circulação de profissionais à escala internacional entre o sector público e o sector privado, que haja defesa e garantias dadas pelo l e g i s l a d o r, aos investigadores e aos profissionais das tecnologias de informação que trabalham nas empresas das tecnologias de informação que trabalham nas empresas de tecnologias de informação, e que haja uma nova aliança entre os profissionais das ciências sociais e jurídicas e profissionais das ciências dura s, sejam elas as matemáticas, a informática ou as ciências e tecnologias da informação em geral. Apreciei muito o comentário que fez a Senhora Presidente do Observatório do C o m é rcio no que diz respeito à regulação e aos riscos de uma hiper- r e g u l a ç ã o que em geral mais não revela senão a nossa angústia. É legítima essa angústia. 1 2

13 Já me parece, contudo, que a excessiva regulação revela sobretudo a incapacidade de responder, de forma positiva, à angústia. E há outras formas mais posit ivas e interessantes, e certamente mais efectivas de responder a esta questão. Não vejo razão nenhuma para a angústia, nos tempos que correm. A situação é hoje muitíssimo melhor do que era há anos atrás. A Internet não só veio para ficar como veio para dar mais liberdade, para dar mais condições de acesso democrático à informação, para dar mais igualdade de oportunidades a pessoas e jovens de diferentes classes sociais e de diferentes regiões do mundo e para dar a possibilidade de que se renove, à escala global e à escala de cada um de nós e das nossas comunidades, um associativismo mais liv r e. O desenvolvimento da indústria e das técnicas de telecomunicações, ao longo do século XX, é absolutamente fascinante. Desejados, pelos seus criadores e designadamente por todos aqueles que inve n t a ram os grandes meios de comunicação de massas que hoje conhecemos designadamente a transmissão de som e, mais tarde, de imagem e som através da televisão como métodos de comunicação e de criação de comunidades virtuais, esse desejo nunca foi realizado. Não só por razões de natureza social mas, muito especialmente, porque esses meios exigiam, sobretudo no caso da televisão, custos de tal maneira elevados que impediam a possibilidade de concretização dos objectivos iniciais. A Internet veio realmente, e pela primeira vez, cumprir o programa dos gra n d e s criadores das tecnologias de comunicação do século XX, pondo à disposição da g e n e ralidade dos cidadãos, a preços baixos, a possibilidade da criação de comunidades virtuais e, portanto, da criação de mecanismos associativos liv r e s, não só à escala nacional como à escala internacional. Muito obrigado. 1 3

14

15 D r. Jorge Lacão Presidente da Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Gara n t i a s Quero começar por agradecer o convite que o Sr. Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados e a Sr.ª Presidente do Observatório do Comércio fizeram à Primeira Comissão da Assembleia da República a Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias para poder partilhar c o nvosco este Colóquio e, particularmente, este momento de abertura. Saudando o Sr. Ministro da Ciência e Tecnologia, desejo cumprimentar igualmente todos vós e manifestar a minha congratulação pela verificação do elevado nível de participação que esta iniciativa, desde já, vos merece, sublinhando nisso a atenção que todos vamos dando a problemáticas tão inovadoras como a do Comércio Electrónico. Não há dúvida de que o mundo está a mudar muito rapidamente à nossa vo l t a e que é um desafio cultural, científico, de responsabilidade social, um desafio que a todos se nos coloca de tudo fazermos para estar à altura desse processo de mudança, para que não aconteça aquilo a que os sociólogos denominam como o «poder normativo dos factos». Aquela situação em que o Direito, a resposta jurídica, tende a chegar tarde à regulação das situações especiais e, muitas vezes, deixando à deriva, porve n t u ra a criar enquistamentos, situações desreguladas do ponto de vista da garantia dos direitos, da protecção jurídica e da regulação jurídica adequadas. Não há, por isso, dúvidas quanto à importância de começarmos por compreender o fenómeno que temos pela frente e perceber que revolução deste mundo electrónico está, aqui, à nossa volta, para compreendermos, complementarmente, o tipo de enquadramento que lhe deveremos dar. O processo de mudança é certamente inexorável. Permitam-me este apontamento pessoal: o meu filho de 10 anos, quando chego a casa, costuma dizer «pai, hoje aprendi a fazer mais uma coisa no computador». E é para mim, digamos, um mistério perceber como é que uma criança domina uma linguagem que eu, com a experiência de adulto, tenho muito mais dificuldade em integra r- -me nela. Não há dúvida de que há todo um domínio de costumes, de práticas, de modos de estar em sociedade, que se vão alterar profundamente. 1 5

16 Temos, evidentemente, que estar atentos para que não aconteça, como outros sociólogos costumam significar, relativamente aos fenómenos do nosso tempo, o risco de entrar numa sociedade onde só há relações, já não há sujeitos. E é precisamente para que esta sociedade permita a intensificação das relações entre todos, mas que não se apague o sujeito como polo individualizado desse sistema de relação, que temos que compreender todas estas matérias e procura r d a r-lhe resposta. Elas vão concentra r-se, hoje, com particular atenção nos problemas da priva c i- dade e dos modos adequados de regulação do comércio electrónico. Mas não há dúvida de que ao perspectivarmos um tal domínio, tomamos também consciência de que este já é um domínio em interface com outros aspectos, sem dúvida relevantes, da utilização das potencialidades deste mundo electrónico. Muito recentemente, a Assembleia da República esteve a apreciar alterações no domínio do processo, particularmente do processo civil, mas também do processo penal. Aí se introduzem soluções para utilização do suporte electrónico e dos sistemas de videoconferência para permitir, em grande medida, tornar mais céleres e mais imediatas as próprias relações no plano da regulação da conflitualidade jurídica, matéria, portanto, que certamente andará de passo na sua reflexão e na sua importância com esta da regulação do comérc i o e l e c t r ó n i c o. Interrogo-me também e certamente este será um dos pontos que não deixará de ser, aqui, hoje, apreciado se, ao procurarmos uma adequada regulação dos aspectos desta nova actividade na regulação de quem vende e de quem comp ra e no modo adequado de defesa dos direitos, particularmente dos direitos dos consumidores, não temos que, simultaneamente, procurar soluções altern a t ivas aos tradicionais sistemas institucionais de justiça para uma regulação mais célere das próprias situações de conflito emergentes deste novo mundo relacional. Aqui abre-se um imediato desafio complementar, na relação de interesses entre c o m e rciantes e consumidores que carece de ter respostas igualmente adequadas e, porve n t u ra, igualmente céleres ao nível da regulação dos conflitos, desafiando-nos e convocando-nos para um aprofundamento das soluções alternat ivas aos sistemas institucionais de justiça. Domínio que é pioneiro no aprofundamento das experiências de regulação dos conflitos por via das soluções de mediação e arbitragem que são, porve n t u ra, cada vez mais necessárias p a ra acompanhar todos estes aspectos do nosso desenvo l v i m e n t o. Queria, depois desta breve reflexão, testemunhar, em nome da primeira Comissão, o nosso empenhamento em acompanhar os resultados deste Colóquio. Em 1 6

17 momento oportuno, num diálogo tido com a Comissão Nacional de Protecção de Dados, suscitámos a oportunidade de que um evento desta natureza pudesse ter lugar. Congratulamo-nos vivamente por ele estar a acontecer hoje. O legislador terá tudo a ganhar para poder beneficiar da reflexão que todos, hoje e aqui, vão fazer. Os meus agradecimentos, portanto, pelo convite e sobretudo os meus cumprimentos pela oportunidade da iniciativa. 1 7

18

19 D r. João Labescat Presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados Boa tarde a todos. As minhas primeiras palav ras vão para quem não está, para aquelas 200 pessoas que se tentaram inscrever para este Colóquio e, em virtude da capacidade da sala, não foi possível atender a esse pedido. E aquilo que eu posso prometer é que a Comissão Nacional de Protecção de Dados e o Observatório de C o m é rcio irão analisar e fazer o balanço deste Colóquio e verificar a possibilidade de, para o ano, incluir uma iniciativa deste tipo que possa abranger as pessoas que se quiseram inscreve r. A todas os meus agradecimentos. Espero que algumas delas, pelo menos, possam assistir ao debate que, aliás, está a ser transmitido também via Net. Em segundo lugar, e pedindo desculpa por alguma irreverência à Mesa, queria a g ra d e c e r, primeiramente, a presença dos nossos convidados. O Colóquio é p a ra vocês e espero que venham também contributos desse lado. Finalmente, queria agradecer a presença estimulante do Senhor Ministro da Ciência e Tecnologia, que tem sido uma das pessoas que, nestas matérias, mais tem batalhado e tem dado inúmeros contributos no seu Ministério para o avanço destas matérias; ao Sr. Presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, Dr. Jorge Lacão, pela sua presença, com o que muito nos honra, e, finalmente, porque, às vezes, os últimos também são os primeiros, ao Observatório do Comércio por ter cooperado de forma empenhada e que permitiu trazer outro tipo de experiências e aliar as questões de privacidade à situação real no terreno, na pessoa da Prof. Doutora Maria Manuel Leitão Marques, presidente do Observatório do Comércio, pelo t rabalho que desenvo l veu e pela forma como cooperou com a Comissão Nacional de Protecção de Dados. Meus Senhores e Minhas Senhoras, muito obrigado. Cabe-me abrir os trabalhos e, portanto, avançaria apenas com três ou quatro i d e i a s - ch ave, nesta sessão de abertura para, depois, serem devidamente consid e radas por todos os participantes. 1 9

20 «A Privacidade e o Comércio Electrónico» é, pois, o tema que vos propomos p a ra o debate de hoje. Procurámos que este dia tivesse várias componentes: por um lado, que constituísse uma reflexão, que importa fazer, sobre a aplicação dos princípios, regra s e direitos relativos à protecção de dados plasmados no artigo 35.º da Constituição da República e na Lei n.º 67/98, de 26 de Outubro, Lei de Protecção de Dados Pessoais; por outro, colocar o debate num dos actores primordiais das relações electrónicas o cidadão consumidor. Não numa lógica exclusiva do business to business ou business to consumer, mas tendo exactamente, como ponto de partida, os direitos de cidadania nesta nova fase de integração e i n t e r o p e ra t ividade comunicacional e, por fim, adaptar as várias componentes do comércio electrónico, na sua projecção e contratação, aos direitos dos c o n s u m i d o r e s. A todos muito obrigado, designadamente àqueles que se disponibilizaram em intervir nestas áreas. A iniciativa nacional para o comércio electrónico, desenvolvida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, na sequência do «L ivro Verde para a Sociedade de I n f o r m a ç ã o», a p o n t ava já para a necessidade de consagrar regras e direitos que g a rantissem a confiança dos consumidores, protegessem a sua privacidade e dessem ao mercado condições efectivas para a segurança e a confidencialidade das comunicações. A Lei de Protecção de Dados nas Telecomunicações e o regime jurídico da assin a t u ra digital e da factura electrónica são a base fundamental e o ponto de partida da reflexão jurídica a fazer. As exigências de resposta do mercado, por seu lado, são múltiplas: mais de 20 milhões de páginas com extensão «com», mais de 4 milhões de páginas criadas desde que esta intervenção foi feita, ou seja, nas últimas 24 horas. Isto quer d i z e r, de facto, um avanço exponencial, revolucionário, do mercado nesta área. Os utilizadores, nos vários estudos realizados, dão, por seu lado, um sinal claro das suas preocupações e dúvidas: problemas quanto à usurpação da identidade, à falta de controlo na We b e à possibilidade de acesso de terceiros a dados pessoais, subsistem como anátemas que marcam ainda bastante a desconfiança dos cidadãos nesta matéria, preocupações que, aliás, encontra m e têm algum fundamento, alguma base. Num estudo realizado em 99 pela OCDE, em 50 sítios We b, constatou-se que a clareza e a transparência na recolha e utilização dos dados era claramente insuficiente e que, por exemplo, um terço dos s i t e s não conferia o direito de acesso e o direito de oposição. Da mesma forma, 25% destes s i t e s não indicavam a morada e outras formas de con- 2 0

21 tacto da empresa, excepto a electrónica, de forma a permitir outro tipo de comunicação que não a meramente electrónica. Portanto, há uma falta de t ra n s p a r ê n c i a. Do mesmo modo, a Fe d e ral Trade Commission, que é um organismo regulador do comércio dos Estados Unidos, revelou, em estudos realizados, que 92% dos s i t e s recolhiam informação pessoal e que só 20% mantinham uma política integ rada de privacidade, que incluía os direitos de informação, escolha, acesso e a segurança nas transacções. Igualmente reveladores são os dados d ivulgados pelo EPIC (Electronic Priva cy Information Center), segundo os quais, dos 100 s i t e s mais populares de comércio electrónico, só 18 tinham uma política de privacidade consistente. As Directivas europeias relativas à protecção de dados, já transpostas para a legislação nacional, contêm o quadro essencial das políticas de privacidade a aplicar nas situações o f f e o n - l i n e, princípio do consentimento esclarecido e informado, enquanto acto legitimador do tratamento de dados, lealdade na recolha e tratamento posterior não incompatível, direitos de informação e de acesso. Estes são pontos essenciais que todos, aliás, devem cumprir e que estão plasmados na nossa lei. Contudo, o mercado global e a interopera t ividade das redes vieram trazer novo s problemas a exigirem respostas globais do Direito e daqueles que aplicam o Direito. Novos desafios se colocam também às empresas da economia digital que pretendam sobreviver num mercado aberto, competitivo e duro, mas onde se encontram milhões de clientes, numa relação ponto-a-ponto, ao sabor de um simples clique. As estratégias do comércio electrónico passam, cada vez mais, pelo maior conhecimento do consumidor, com a definição de estudos e de perfis, segmentação capilar, definição de categorias, aditamento de dados que utilizam várias fontes incluindo a especial, as electrónicas, fóruns e listas públicas, etc.. A monitorização da rede e dos computadores pessoais, com utilização dos c o o k i e s, p r o g ramas que identificam as visitas efectuadas a determinados s i t e s e, nestes, a páginas específicas ou que admitem mesmo a captação de dados pessoais, constituem uma das formas de evasão que, bastas vezes, é feita sem conhecimento e sem informação dos utilizadores. A prática de envio de e - m a i l s e de comunicações electrónicas não solicitados s p a m, com base em listas captadas na rede, sem informação e sem consentimento dos titulares, constituem também práticas desleais que carecem de habilitação legal. É uma questão que teremos de aprofundar, designadamente e n c o n t rando formas que permitam a constituição de listas de pessoas que não 2 1

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Gabinete do Secretário de Estado do Trabalho e Formação INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TRABALHO E FORMAÇÃO NO CONGRESSO DO ANO INTERNACIONAL DOS VOLUNTÁRIOS Senhora Presidente da Comissão Nacional para o Ano Internacional do Voluntariado, Senhor

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO

PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO PAINEL I A IGUALDADE DE GÉNERO COMO FACTOR COMPETITIVO E DE DESENVOLVIMENTO Maria Regina Tavares da Silva Perita em Igualdade de Género Consultora das Nações Unidas Nesta Conferência de celebração dos

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. PERGUNTAS FREQUENTES 1.1. INFORMAÇÕES GERAIS - Quem explora o site Pixel4Winner.com? - Onde está sedeada a sociedade anónima? - Posso ter confiança no site Pixel4Winner.com? - A participação a uma lotaria

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP

2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS. Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015. Sessão de Abertura. António Saraiva, Presidente da CIP 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS Lisboa, 9 e 10 de julho de 2015 Sessão de Abertura António Saraiva, Presidente da CIP Bom Dia, Senhoras e Senhores Embaixadores, Senhores Representantes

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009

IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões. Lisboa, 15 de Abril de 2009 IV Fórum do Sector Segurador e Fundos de Pensões Lisboa, 15 de Abril de 2009 Foi com todo o gosto e enorme interesse que aceitei o convite do Diário Económico para estar presente neste IV Fórum do sector

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional.

introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional. introdução Olá, eu chamo-me Paulo Rebelo e sou apostador profissional. O ensino é uma das minhas paixões, pois é muito gratificante poder transmitir aos meus alunos a experiência que adquiri ao longo de

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão.

as quais permitem desenvolver novos saberes e potenciar a sua utilização e difusão. 2011- O contributo do QREN para a competitividade e a coesão da região centro Intervenção do senhor Reitor, Prof. Doutor Manuel Assunção Centro Cultural da Gafanha da Nazaré Rua Prior Guerra 14 de Dezembro

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Portugal está quase lá ENTREVISTA

Portugal está quase lá ENTREVISTA Pág: 12 Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 ENTREVISTA DeF Portugal está quase lá Não somos os melhores na produtividade, na riqueza, na organização empresarial, na capacidade de confiarmos uns nos outros,

Leia mais

Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14. Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro,

Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14. Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro, Intervenção Fórum de Empresas para a Igualdade de Género 27/03/14 Senhor Secretário de Estado do Emprego, meu caro colega Senhora Presidente da CITE, Dra. Sandra Ribeiro, Senhor Vice- Presidente Executivo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas

III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas III Forum ERS A Nova Lei-Quadro e os Prestadores de Saúde Fundação Eng. António de Almeida, Porto 27 Setembro, 16 horas Começo por cumprimentar os membros deste painel, Professor João Carvalho das Neves,

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE

LICENCIATURA EM GESTÃO CONTROLO DA QUALIDADE LICENCIATURA EM GESTÃO 1º Ano 2º semestre CONTROLO DA QUALIDADE Elaborado por: João Gilberto Ramos Abreu 2089506 Nádia Andrade Abreu 2038907 Sónia Vieira da Silva - 2043407 Funchal Abril de 2008 "Criatividade

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom

Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Política de Privacidade de dados pessoais na Portugal Telecom Quem Somos? A Portugal Telecom, SGPS, SA. ( PT ) é a holding de um grupo integrado de Empresas (Grupo PT), que atua na área das comunicações

Leia mais

Gabinete do Governador e dos Conselhos

Gabinete do Governador e dos Conselhos Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Carlos Burgo, no acto de inauguração da nova agência do Banco Africano de Investimento no Plateau, Cidade da Praia, 5 de Fevereiro de 2010. 1 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial

14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial 14. Convenção Relativa à Citação e à Notificação no Estrangeiro dos Actos Judiciais e Extrajudiciais em Matéria Civil e Comercial Os Estados signatários da presente Convenção, desejando criar os meios

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO. EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015

RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO. EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015 RPM INTERNATIONAL INC. E SUAS SUBSIDIÁRIAS E EMPRESAS OPERADORAS AVISO DE PRIVACIDADE EM PORTO SEGURO EM VIGOR A PARTIR DE: 12 de Agosto de 2015 Este Aviso estabelece os princípios seguidos pela RPM International

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS

MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS MARKT/2094/01 PT Orig. EN COMÉRCIO ELECTRÓNICO E SERVIÇOS FINANCEIROS Objectivo do presente documento O presente documento descreve a actual situação no que se refere ao comércio electrónico e serviços

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO

VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO VDA ESCREVE SOBRE INVESTIMENTO NO ESPAÇO Helena Correia Mendonça, Vieira de Almeida & Associados [ A importância do espaço para a indústria e da indústria para o espaço, um texto de Helena Correia Mendonça,

Leia mais

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor

Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Sociedade da Informação coloca novos desafios ao consumidor Lisboa, 20 de Junho Comércio electrónico, segurança dos dados pessoais, regulação e mecanismos de protecção foram alguns dos temas discutidos

Leia mais

Apresentação. Olá! O meu nome é Paulo Rebelo e sou apostador profissional.

Apresentação. Olá! O meu nome é Paulo Rebelo e sou apostador profissional. Apresentação Olá! O meu nome é Paulo Rebelo e sou apostador profissional. Ao longo dos últimos anos, tem aumentado o interesse em redor das apostas. A imprensa tem-se interessado pelo meu trabalho pelo

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

Técnicas de fecho de vendas

Técnicas de fecho de vendas Técnicas de fecho de vendas Índice Estratégias para a conversão de prospectos em clientes... 3 Algumas estratégias e técnicas de fecho de vendas... 4 Recolha de objecções... 4 Dar e depois 5rar o rebuçado

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA

REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA REGULAMENTO SOBRE INSTALAÇÃO DE EQUIPAMENTO DE VIDEOVIGILÂNCIA Aprovado na 14ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 13 de Julho de 2006 e na 4ª Sessão Ordinária de Assembleia Municipal,

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

A percepção da responsabilidade social em Portugal

A percepção da responsabilidade social em Portugal A percepção da responsabilidade social em Portugal Estudo concebido pela Sair da Casca e realizado pela Multivária entre Julho de 2003 e Janeiro de 2004 _ Índice _ Introdução.............................................................

Leia mais

A acção executiva e o utente da justiça

A acção executiva e o utente da justiça A acção executiva e o utente da justiça A morosidade dos tribunais tornou-se num lugar-comum que, como tal, desculpa muitas das deficiências do sistema judicial. A morosidade passou, assim, a ser tomada

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO?

Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Para Entender o Resultado Do Seu Autodiagnóstico: EM QUE CASOS O EMAIL É MAIS RECOMENDADO? Saber se o email é mais ou menos apropriado para o seu negócio depende do tipo de produto ou serviço que vende,

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Exemplos de Boas Práticas de RSE

Exemplos de Boas Práticas de RSE Exemplos de Boas Práticas de RSE 7.4. Pritchard Englefield Filme sobre a RSE na comunidade Resumo A empresa Pritchard Englefield foi fundada em 1848. Está sediada na City de Londres (Grã-Bretanha). A Pritchard

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários

Mudar de Conta Bancária. Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Mudar de Conta Bancária Guia para a Mobilidade de Serviços Bancários Como nasce este Guia O presente Guia baseia-se nos Princípios Comuns Para a Mobilidade de Serviços Bancários, adoptados alguns anos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Empreender para Crescer

Empreender para Crescer Empreender para Crescer R. Miguel Coelho Chief EntusiastPersonalBrands Caros Pais e Encarregados de Educação, este ano lectivo, por iniciativa da Assoc. Pais do Colégio, vai iniciar-se em Novembro uma

Leia mais

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto

Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Fórum Auditório da Reitoria da Universidade Nova 16 de Julho de 2003 Código da Insolvência e Recuperação de Empresas Apresentação e discussão do anteprojecto Discurso de Sua Excelência o Secretário de

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

CÓDIGO DA PUBLICIDADE. Actualização N.º 4

CÓDIGO DA PUBLICIDADE. Actualização N.º 4 CÓDIGO DA PUBLICIDADE Actualização N.º 4 Código da Publicidade 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DA PUBLICIDADE Actualização N.º 4 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão de Magalhães, n.º 584, 5º Andar

Leia mais

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt &RPpUFLRHOHFWUyQLFRSULQFLSDLVTXHVW}HVHVXDGLYXOJDomRHP 3RUWXJDO SRU 5RGULJR$OEHUWR$OPHLGD%DSWLVWD Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal ralberto@student.dei.uc.pt

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 2/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si.

A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si. Proteja o seu PC A segurança da sua informação e do computador é fundamental e depende muito de si. O que deve fazer? Manter o antivírus actualizado Não manter o antivírus actualizado é quase o mesmo que

Leia mais

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO DOS PRODUTOS TRADICIONAIS PORTUGUESES A valorização comercial dos produtos agrícolas e dos géneros alimentícios que, ou pela sua origem ou pelos seus modos particulares

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011

Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência. Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 BASTONÁRIO Código de Contratos Públicos. Dois anos de vigência Ordem dos Engenheiros, 3 de Fevereiro de 2011 Exmo Sr. Presidente da Região Sul, Engº. Carlos Mineiro Aires Exmo. Senhor. Presidente do InCI,

Leia mais

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino

Uma faculdade centrada nas pessoas, na investigação e no ensino Magnífico Reitor, Senhoras Vice-Reitoras, Senhores Vice-Reitores Caras/os Colegas, Amigos, Estudantes e Funcionários Minhas Senhoras e Meus Senhores Regresso, hoje, a este espaço da Reitoria da Universidade

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação

OUTSOURCING. Cadeira de Gestão de Informação Instituto Superior de Gestão Bancária Curso Organização e Sistemas de Informação OUTSOURCING a case study Trabalho realizado por: João Martinho nº 3064 João Gouveia nº 3070 Sara Soares nº 3060 Cadeira

Leia mais

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu

Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Conclusões Fórum Portugal Sou Eu Ministro da Economia lança desafio aos empresários para que façam do Portugal Sou Eu um catalisador da economia Lanço um apelo aos empresários e produtores aqui presentes,

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20

Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Apresentação do Projecto «Citius» e entrega de computadores portáteis com esta aplicação aos alunos do Centro de Estudos Judiciários Lisboa 2007-09-20 Não tendo podido estar presente na abertura das actividades

Leia mais

INTERVENÇÃO DO MAGNÍFICO REITOR POR OCASIÃO DAS GRADUAÇÕES

INTERVENÇÃO DO MAGNÍFICO REITOR POR OCASIÃO DAS GRADUAÇÕES INTERVENÇÃO DO MAGNÍFICO REITOR POR OCASIÃO DAS GRADUAÇÕES Sua Excelência Prof. Doutor Jorge Nhambiu, Ministro de Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional Sua Excelência Dr. Victor

Leia mais