Michelle Andrade Furtado Trabalho da disciplina CCST 312 Professor responsável: Drª Maria Isabel Escada São José dos Campos, 12 de Agosto de 2011.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Michelle Andrade Furtado Trabalho da disciplina CCST 312 Professor responsável: Drª Maria Isabel Escada São José dos Campos, 12 de Agosto de 2011."

Transcrição

1 Proposta: Falar sobre a relação da paisagem com o reservatório da hantavirose, o roedor silvestre, e discutir os métodos utilizados pelos estudos que analisaram a influência da estrutura da paisagem nos padrões espaçotemporais de ocorrência da Hantavirose. Michelle Andrade Furtado Trabalho da disciplina CCST 312 Professor responsável: Drª Maria Isabel Escada São José dos Campos, 12 de Agosto de 2011.

2 Transmissão da Hantavirose Camundongo infectado por hantavírus Transmissão Horizontal

3 Distribuição espaço-temporal dos casos de Hantavirose, com local provável de infecção confirmado, ocorridos no Brasil entre Fonte: Furtado, 2011.

4 Análise da Paisagem A Epidemiologia da Paisagem tem como desafio integrar dinamicamente diferentes fatores, com ênfase em suas interações e não apenas em sua sobreposição espacial. A análise da paisagem permite um melhor entendimento das interações entre as mudanças nos ecossistemas e clima; uso da terra e comportamento humano; ecologia de vetores e reservatórios de agentes infecciosos. Fonte: Lambin et al., 2010 Hipóteses A estrutura da paisagem tem forte influência na ocorrência dos casos de Hantavirose.

5 Raiva bovina segundo os mosaicos de uso e cobertura da terra no estado de São Paulo entre 1992 e O objetivo deste trabalho foi descrever a influência dos mosaicos de uso e de cobertura da terra na distribuição espacial da raiva bovina na região de maior incidência do Estado de São Paulo, entre 1992 e Para as análises, 3 camadas foram geradas e sobrepostas: 1ª representação espacial da raiva bovina (caracterizada por uma função kernel) 2ª tipos de uso e classes de cobertura da terra (8 classes) 3ª dados de altitude Gomes et al., 2011

6 Estudo ecoepidemiológico de hantavírus em roedores das regiões da Mata Atlântica e Cerrado do Brasil A atividade reprodutiva é o que mais influencia a ocorrência de roedores soropositivos com cicatrizes, devido às brigas por acasalamento. Pereira, 2006 Mata Atlântica maior riqueza de espécies Cerrado dominância do Bolomys lasiurus, A gramínea braquiária é um fator determinante na distribuição ambiental e geográfica dos roedores, mas não na prevalência de hantavírus.

7 Espécies de roedores capturados na microregião de Ribeirão Preto Bolomys lasiurus Colomys tener Mus musculus Oryzomys nitidus Oligoryzomys nigripes Akodon sp

8 Roedores Silvestres Bolomys lasiurus (rato do rabo peludo) Oligoryzomys sp (ratinho do arroz) Akodon sp (rato da mata)

9 Land use vs. fragment size and isolation as determinants of small mammal composition and richness in Atlantic Forest remnants. 23 locais de capturas 21 fragmentos de 12 a 250 ha 2 áreas continuas de floresta ha Vieira et al., 2009 Fonte: Vieira et al., 2009

10 Isolamento: a menor distância entre os fragmentos variou de 10 a1500 m Riqueza de espécies foi determinada principalmente pelo isolamento de fragmentos, Uso da terra em torno de fragmentos, a atividade econômica (peri-urbanas, agricultura, gado), e da propriedade (periurbana, os pequenos e grandes produtores rurais). Composição de espécies foi associada mais fortemente com tamanho do fragmento, seguida pelo isolamento, com um efeito menor da propriedade. Vieira et al., 2009

11 Small mammals in a mosaic of forest remnants and anthropogenic habitats evaluating matrix quality in an Atlantic forest landscape Umetsu e Pardini, 2007 Fonte: Umetsu e Pardini, 2007

12 Fonte: Goodin et al., 2006 Land cover associated with hantavirus presence in Paraguay Goodin et al., 2006

13 Fonte: Goodin et al., 2006

14 MODELING HANTAVIRUS RESERVOIR SPECIES DOMINANCE IN HIGH SEROPREVALENCE AREAS ON THE AZUERO PENINSULA OF PANAMA Suzán et al, 2006 No Panamá, as populações dos roedores, reservatórios do hantavírus, são favorecidos por habitas de pequenos fragmentos isolados por terras agrícolas. No sul do Panamá A abundância relativa do Zygodontomys brevicauda, e outros roedores foi avaliado em 24 locais dentro da Península de Azuero. Imagens de satélite foram utilizadas para produzir uma série de variáveis espaciais que descrevem a paisagem, no entanto, apenas o relevo foi relacionado com a abundância dos roedores. Modelo de regressão espacial prevê roedores dominarem as áreas planas, onde os homens também dominam.

15 Ecologia da paisagem da hantavirose no Estado do Rio Grande do Sul 31 fichas investigadas Os casos foram georreferenciados pela sede do município e sobrepostos as camadas de unidades ambientais de solo, vegetação e altimetria. 91,4% hom, 54,8% agr milho e o arroz Henkes e Barcellos, 2004 Maior parte dos casos ocorreram em regiões serranas com vegetação secundária e atividade agrícola Fonte: Henkes e Barcellos, 2004

16 Referências Furtado, MA. Uma visão sobre a eco-epidemiologia da Hantavirose: revisão sistemática e fatores socioambientais associados. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Promoção de Saúde da Universidade de Franca, Gomes MN, Monteiro AMV, Escada MIS. Raiva bovina segundo os mosaicos de uso e cobertura da terra no estado de São Paulo entre 1992 e Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., 63(2), , Goodin DG, Koch DE, Owen RD, Chu YK, Hutchinson JMS, Jonsson CB. Land cover associated with hantavirus presence in Paraguay Global Ecology and Biogeography. Global Ecol. Biogeogr., 15, , Lambin EF, Tran A, Vanwambeke SO, Linard C, Soti V. Pathogenic landscapes: Interactions between land, people, disease vectors, and their animal hosts. International Journal of Health Geographics, 9(54), 1-13, 2010.

17 Pereira, LE. Estudo ecoepidemiológico de hantavírus em roedores das regiões da Mata Atlântica e Cerrado do Brasil. Tese apresentada ao Programa de PósGraduação em Ciências da Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, São Paulo, Suzán G, Giermakowski JT, Marcé E, Suzán-Azpiri h, Armién B, Yates TL. Modeling hantavirus reservoir species dominance in high seroprevalence areas on the Azuero peninsula of Panama, Am. J. Trop. Med. Hyg., 74(6), , Umetsu F, Pardini R. Small mammals in a mosaic of forest remnants and anthropogenic habitats evaluating matrix quality in an Atlantic forest landscape. Landscape Ecol, 22, , Vieira MV, Olifiers N, Delciellos AC, Antunes VZ, Bernardo LR, Grelle CEV, Cerqueira R. Land use vs. fragment size and isolation as determinants of small mammal composition and richness in Atlantic Forest remnants. Biological Conservation, 142, , 2009.

1.1 - Justificativa: 2 Metodologia Área de estudo: Fonte de Dados

1.1 - Justificativa: 2 Metodologia Área de estudo: Fonte de Dados Curso de Pós-graduação em Ciências do Sistema Terrestre Disciplina: Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Professora responsável: Profª: Drª Maria Isabel Escada Aluna: Michelle Andrade

Leia mais

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras

Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Aplicações do Sensoriamento Remoto em Saúde: estado da arte e necessidades brasileiras Virginia Ragoni de Moraes Correia (virginia@dpi.inpe.br) Marilia

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

Projeto nacional de ações integradas público-privadas para a biodiversidade

Projeto nacional de ações integradas público-privadas para a biodiversidade Projeto nacional de ações integradas público-privadas para a biodiversidade Novembro-2009 Marcia Chame PROBIO II Programa Institucional Biodiversidade & Saúde PIBS Promoção da Saúde e Conservação da Biodiversidade

Leia mais

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná

Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Ocorrência de Raiva dos Herbívoros no Paraná Curitiba PR 30 de outubro de 2015 INTRODUÇÃO: Revisão o sobre Raiva -Doença transmitida por vírus: Gênero Lissavírus - BRASIL: variantes 2-3-4-6 -Encefalite

Leia mais

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES

Subtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do Rio Alegre Alegre/ES ubtração de imagens para detecção de mudanças na cobertura vegetal da bacia hidrográfica do io Alegre Alegre/E Kennedy ibeiro da ilva 1 Daiani Bernardo Pirovani 1 Larice Nogueira de Andrade Alexandre osa

Leia mais

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional)

Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) Ecologia Geral (ECG33AM) Estrutura populacional (crescimento e dinâmica populacional) A dinâmica populacional crescimento e regulação do tamanho populacional Quando se menciona um aumento do tamanho populacional,

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

Curriculum vitae. 1. Dados pessoais. 4510-537 Fânzeres Portugal. 2. Formação académica

Curriculum vitae. 1. Dados pessoais. 4510-537 Fânzeres Portugal. 2. Formação académica Curriculum vitae 1. Dados pessoais Nome completo José Carlos Lopes de Carvalho Local e data de Porto, 02-07-1973 Nascimento Morada Rua dos Cravos, 180 4510-537 Fânzeres Portugal Telefone (351) 926029573

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

PROGRAMA EDUCA SeRe. ltid.inpe..inpe.br. As imagens de satélite nos auxiliam a conhecer feições geográficas únicas no mundo:

PROGRAMA EDUCA SeRe. ltid.inpe..inpe.br. As imagens de satélite nos auxiliam a conhecer feições geográficas únicas no mundo: As imagens de satélite permitem o estudo do espaço geográfico e dos recursos naturais em diferentes escalas de trabalho e distintas áreas de abrangência: TANIA MARIA SAUSEN ATIVIDADE DE TREINAMENTO E DIFUSÃO

Leia mais

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE

EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE PROBIO II EXPANSÃO DA LEISHMANIOSE E PERDA DE BIODIVERSIDADE Drª CELESTE SOUZA LAB. DE IMUNOMODULAÇÃO E PROTOZOOLOGIA INSTITUTO OSWALDO CRUZ - RJ Leishmanioses Representam um complexo de doenças que afetam

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Perda equivale a 40% da produzida pelo desmatamento total. Pesquisa cruzou dados de satélites e de pesquisas

Leia mais

(Natureza e Conservação, no prelo)

(Natureza e Conservação, no prelo) (Natureza e Conservação, no prelo) 4 Perguntas para ecologia 1. Qual a extensão mínima das Áreas de Preservação Permanente ao longo de rios? 2. Qual a quantidade mínima de RL em termos de conservação de

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor

Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor Pagamentos por Serviços Ambientais no Corredor das Onças - Remuneração pela conservação de Puma concolor e conservação de água mediante adequação ambiental em propriedades rurais na Região Metropolitana

Leia mais

Uso de sensoriamento remoto na análise da fragmentação da Mata Atlântica no litoral norte de Pernambuco, Brasil

Uso de sensoriamento remoto na análise da fragmentação da Mata Atlântica no litoral norte de Pernambuco, Brasil Uso de sensoriamento remoto na análise da fragmentação da Mata Atlântica no litoral norte de Pernambuco, Brasil Michelle Bandeira Trindade 1 Sandro Barbosa Figueira 2 Hernande Pereira da Silva 2 Ana Carolina

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish EM TRÊS SETORES FLORESTAIS, SOB DIFERENTES PRESSÕES AMBIENTAIS, EM LAVRAS, SUL DE MINAS GERAIS. MATHEUS HENRIQUE M. BENÍCIO 1,

Leia mais

Raiva humana VS Componente Epidemiológico

Raiva humana VS Componente Epidemiológico GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Vigilância à Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica Gerência de Vigilância Epidemiológica e Imunização

Leia mais

Threatened mammals in Atlantic Forest. Adriano Paglia UFMG

Threatened mammals in Atlantic Forest. Adriano Paglia UFMG Threatened mammals in Atlantic Forest Adriano Paglia UFMG Quantas espécies de mamíferos ocorrem na Mata Atlântica? Fonseca et al. 1996 524 espécies de mamíferos no Brasil 248 (47,3%) na Mata Atlântica

Leia mais

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução

Juliana Aurea Uber, Leonardo José Cordeiro Santos. Introdução ANÁLISE COMPARATIVA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS SAGRADO E MARUMBI: PRINCIPAIS CONDICIONANTES FÍSICOS PREDOMINANTES NA OCORRÊNCIA DE MOVIMENTOS DE MASSA¹ Universidade Federal do Paraná (UFPR) Juliana

Leia mais

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859

DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 DOCUMENTO DE INFORMAÇÃO DE PROJETO (DIP) ESTÁGIO CONCEITUAL Relatório n o : PIDC859 Nome do Projeto Região País Setor(es) Tema(s) Instrumento de Empréstimo ID do Projeto Mutuário(s) Agência Implementadora

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO

CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO CIÊNCIAS PROVA 2º BIMESTRE 6º ANO 2010 QUESTÃO 1 Assinale a afirmativa que descreve

Leia mais

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes Secretária executiva do FSC, ONG que gerencia a principal certificação de florestas, diz que o desafio agora é ampliar atuação na Mata Atlântica

Leia mais

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal.

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Animais em vias de extinção Designam-se por espécies em vias de extinção aquelas cujo número de

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução

Palavras chaves Diagnóstico, fitofisionomia, uso da terra. Introdução Diagnóstico do uso e ocupação da terra da Gleba Cavalcante como fator transformador da paisagem Lourivaldo Amâncio de CASTRO 1 ; Fabiano Rodrigues de MELO 1 ; Amintas Nazaré ROSSETE 2 1 Universidade Federal

Leia mais

Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos. Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP

Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos. Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP Mudanças climáticas e serviços ecossistêmicos Jean Paul Metzger Instituto de Biociências, USP Plano Duas histórias Os serviços ecossistêmicos e o IPBES Cenários de mudanças climáticas e os serviços Primeira

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes

A DOMESTICAÇÃO. Túlio Goes A DOMESTICAÇÃO Túlio Goes PORQUE ESTUDAR A DOMESTICAÇÃO? A domesticação de animais tem sido realizada há muitos anos, e influenciou diretamente no rumo da civilização O processo de adaptação ao homem e

Leia mais

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares

Projeto de Recuperação de Matas Ciliares PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 mil km de cursos d água desprotegidos 13,7% de vegetação

Leia mais

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch http:// www.virtualvale.com.br/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Licenciatura em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2007-08. Ética Ambiental. 25ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Licenciatura em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2007-08. Ética Ambiental. 25ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Licenciatura em Engenharia do Ambiente 1º Ano / 1º Semestre - 2007-08 Ética Ambiental 25ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Interdependência das várias componentes de um sistema ambiental

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA REALIZAR LEVANTAMENTO DE FLORA E FAUNA, ANALISAR A ADEQUABILIDADE À SOLTURA DE ANIMAIS SILVESTRES E DEFINIÇÃO DE PROTOCOLOS PARA SUBSIDIAR O ESTABELECIMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL COORDENAÇÃO GERAL DE COMBATE ÀS DOENÇAS COORDENAÇÃO DA RAIVA DOS HERBÍVOROS E DAS EETS PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DA RAIVA DOS HERBIVOROS

Leia mais

III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 27-30 de Julho de 2010 p. 01-08

III Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 27-30 de Julho de 2010 p. 01-08 p. 01-08 Análise da Fragmentação dos Remanescentes de Mata Atlântica na APA do Pratigi para a Identificação de áreas com maior potencial para a Construção de Corredores Ecológicos ALINE ALMEIDA JOSÉ LUIZ

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO E GEOGRAFIA ESCOLAR: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS COM JOGO DA MEMÓRIA

MATERIAL DIDÁTICO E GEOGRAFIA ESCOLAR: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS COM JOGO DA MEMÓRIA MATERIAL DIDÁTICO E GEOGRAFIA ESCOLAR: APROXIMAÇÕES POSSÍVEIS COM JOGO DA MEMÓRIA Gabriel de Souza Cruz Isabela Duarte Fernandes RESUMO O presente artigo busca apresentar a atividade pedagógica realizada

Leia mais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais

Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal. Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Oportunidades no Financiamento do Setor Florestal Oduval Lobato Neto Gerente Executivo de Gestão de Programas Governamentais Seminário: Políticas ambientais como fonte de novos negócios para Instituições

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA

Leia mais

Introdução. 1. Tamanho do fragmento

Introdução. 1. Tamanho do fragmento 5 MAMÍFEROS Marcus Vinícius Vieira Deborah Maria de Faria Fernando Antônio dos Santos Fernandez Stephen Francis Ferrari Simone Rodrigues Freitas Denise de Alemar Gaspar Raquel Teixeira de Moura Natalie

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais

Raiva animal na cidade do Rio de Janeiro: emergência da doença em morcegos e novos desafios para o controle

Raiva animal na cidade do Rio de Janeiro: emergência da doença em morcegos e novos desafios para o controle Rev Inst Adolfo Lutz DOI: 10.18241/0073-98552014731596 Comunicação Breve/Brief Communication Raiva animal na cidade do Rio de Janeiro: emergência da doença em morcegos e novos desafios para o controle

Leia mais

1. Identificação do pesquisador, de pessoas envolvidas e da instituição

1. Identificação do pesquisador, de pessoas envolvidas e da instituição 1. Identificação do pesquisador, de pessoas envolvidas e da instituição Instituição Endereço Titulo do Projecto Coordenador Center for Development Research- ZEF, Universidade de Bona, Alemanha. Walter-Flex-Strasse

Leia mais

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES

LEPTOSPIROSE X ENCHENTES LEPTOSPIROSE X ENCHENTES Durante os temporais e inundações, a bactéria leptospira, presente na urina do rato, se espalha nas águas, invade as casas e pode contaminar, através da pele, os que entram em

Leia mais

Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais

Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais SÉRIE TÉCNICA IPEF v. 12, n. 32, p. 25-42, dez. 1998 Conservação da biodiversidade em fragmentos florestais Virgílio M. Viana Leandro A. F. V. Pinheiro ESALQ/USP RESUMO: O desafio de conservar a biodiversidade

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora

Universidade Federal de Juiz de Fora Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Biológicas Programa de Pós-graduação em Ecologia Aplicada ao Manejo e Conservação de Recursos Naturais ELIESE CRISTINA DE OLIVEIRA Material apresentado

Leia mais

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

1. Apresentação de todos os participantes: docentes e alunos.

1. Apresentação de todos os participantes: docentes e alunos. Unidade Curricular Paisagem, Biodiversidade e Sociedade Área Científica Paisagem, Ambiente e Ordenamento Ano Curricular 1 Horas de Trabalho 156 Horas de Contacto TP-30;TC-15;OT-15 ECTS 6 Observações Obrigatória

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Carlos Bezerra) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Carlos Bezerra) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, sugerindo a criação de unidade de pesquisa agropecuária da EMBRAPA na região do Vale do Araguaia, em Mato Grosso. Senhor

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo Ciro Siqueira Metzger é um biólogo que adora o Código Florestal e constrói hipóteses apenas para provar aquilo que ele quer que seja provado

Leia mais

A Tragédia da Ecologia

A Tragédia da Ecologia A Tragédia da Ecologia Sérgio Abranches PhD Professor Visitante, Instituto Coppead de Administração, UFRJ Diretor e Colunista de O Eco O autor avalia a questão do público e do privado no que diz respeito

Leia mais

FRAGMENTAÇÃO DA COBERTURA FLORESTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) ENTRE 1973 E 2004

FRAGMENTAÇÃO DA COBERTURA FLORESTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) ENTRE 1973 E 2004 FRAGMENTAÇÃO DA COBERTURA FLORESTAL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) ENTRE 1973 E 2004 Denise Maria Paes GUISARD 1 Tatiana Mora KUPLICH 1 Resumo Este trabalho apresenta os resultados da análise

Leia mais

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC

entretanto, perquirir sobre o destino dos territórios e regiões que recebem em ou vinculam a seu espaço a fixação das obras rodoferroviárias do PAC SL-78. Novas determinações produtivas, regionais e urbanas na área dos cerrados brasileiro: uma avaliação sobre os efeitos das obras de infraestrutura rodoferroviárias na integração regional. Coordenador:

Leia mais

Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas

Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas Exercícios de Cadeias, Pirâmides e Teias Tróficas 1. (ENEM) Os personagens da figura estão representando situação hipotética de cadeia alimentar. A figura representa um exemplo de cadeia alimentar Suponha

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO

FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO FITOECOLOGIA DOS BREJOS DE ALTITUDE DO SERTÃO PARAIBANO Ailson de Lima Marques (1); Júlia Diniz de Oliveira (2); Douglas Cavalcante de Araújo (3) Anna Raquel Dionísio Ramos (4) Universidade Federal de

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Universidade Comunitária da Região de Chapecó Unochapecó Curso de Ciências Biológicas Disciplina: Manejo de Fauna e Flora Professores: Adriano Oliveira e Ronei Baldissera MANEJO DE FAUNA Prof. Dr. Ronei

Leia mais

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Simpósio 4: O SNUC e a proteção da fauna silvestre brasileira: o vazio das florestas e o dilema da reintrodução Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Pedro F. Develey

Leia mais

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil

Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Artigo Original Aspectos epidemiológicos da Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Juína, Mato Grosso, Brasil Epidemiological aspects of American Cutaneous Leishmaniasis in the city of Juína,

Leia mais

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO

Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Efeitos da fragmentação de habitats em populações vegetais SANDRO MUNIZ DO NASCIMENTO Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Departamento de Botânica, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES

S I M U L A D O UVA. Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES Conhecimento Específico 1 Geografia INSTRUÇÕES UVA S I M U L A D O 1. Leia com atenção as instruções e observe se na sua prova encontram-se todas as questões previstas e se há falhas ou imperfeições gráficas

Leia mais

"A evolução da biota amazônica: integrando dados da biologia e geologia histórica. Territórios Sustentáveis: Marajó - Reserva da Biosfera

A evolução da biota amazônica: integrando dados da biologia e geologia histórica. Territórios Sustentáveis: Marajó - Reserva da Biosfera "A evolução da biota amazônica: integrando dados da biologia e geologia histórica Territórios Sustentáveis: Marajó - Reserva da Biosfera Landscape changes and sustainable development in the State of Pará:

Leia mais

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PLANO DE CURSO/2015 CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PROFESSOR: LEONAM DISCIPLINA: BIOLOGIA SÉRIE: 2º ANO CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES COMO VOU ENSINAR COMO

Leia mais

Proposta de redação - texto dissertativo-argumentativo: sustentabilidade

Proposta de redação - texto dissertativo-argumentativo: sustentabilidade Proposta de redação - texto dissertativo-argumentativo: sustentabilidade Produção de texto Gênero: dissertativo-argumentativo (gênero escolar) Procedimentos: LEIA todos os textos a seguir, e, posteriormente,

Leia mais

Raiva bovina no estado de São Paulo e sua distribuição espacial entre 1992 e 2003

Raiva bovina no estado de São Paulo e sua distribuição espacial entre 1992 e 2003 Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.63, n.2, p.279-286, 2011 Raiva bovina no estado de São Paulo e sua distribuição espacial entre 1992 e 2003 [Cattle rabies in the State of São Paulo and its spatial distribution

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE PORTUGUÊS Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 28/05/2011 Nota: Professora: Paula Valor da Prova: 30 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações

Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Monitoramento do comportamento territorialista e reprodutivo de capivaras: evitando eventos de superpopulações Tiago Garcia PEREIRA 1 ; Eriks Tobias VARGAS 2 Cássia Maria Silva Noronha 2 Sylmara Silva

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. Perfil da Produção Bovina no Brasil ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Perfil da Produção Bovina no Brasil BRASIL NO MERCADO MUNDIAL, 2008 % MUNDIAL REBANHO CABEÇAS ABATE ANUAL PRODUÇÃO ANUAL EXPORTAÇÕES CONSUMO

Leia mais

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL

EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL EXPANSÃO DO CULTIVO DO EUCALIPTO EM ÁREAS DE MATA ATLÂNTICA NA MICRORREGIÃO DE PORTO SEGURO, BAHIA, BRASIL Gabriela Nunes Wicke 1, Antonio Fontes de Faria Filho 2, Quintino Reis de Araujo 3, Gabriel Paternostro

Leia mais

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra

Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Padrões e Processos em Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra Conceitos de Uso e Cobertura da Terra CST-312 Bases Conceituais e Teóricas 1. Conceitos básicos Cobertura da Terra Uso da terra Uso X Cobertura

Leia mais

Abundância de Biodiversidade

Abundância de Biodiversidade RIQUEZA POUCO CONHECIDA Abundância de Biodiversidade Apesar de distintas, as transformações sofridas por biomas como Mata Atlântica, Caatinga e Campos Sulinos mostram variações de um processo único: a

Leia mais

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil Dra. Sueli Angelo Furlan Laboratório Climatolofia e Biogeografia Departamento de Geografia Faculdade

Leia mais

Ecologia da Paisagem e Restauração

Ecologia da Paisagem e Restauração Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais CBRN Projeto de Recuperação de Matas Ciliares Treinamento: Recuperação de Áreas Degradadas Ecologia da Paisagem e Restauração Leandro Reverberi Tambosi

Leia mais

SUSCETIBILIDADE AO BENZONIDAZOL DE ISOLADOS DE Trypanosoma cruzi DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

SUSCETIBILIDADE AO BENZONIDAZOL DE ISOLADOS DE Trypanosoma cruzi DA AMAZÔNIA BRASILEIRA SUSCETIBILIDADE AO BENZONIDAZOL DE ISOLADOS DE Trypanosoma cruzi DA AMAZÔNIA BRASILEIRA Gleison Daion Piovezana Bossolani (PIBIC/CNPq-UEM), Ana Paula Margioto Teston, Daniele dos Reis, Greicy Brisa Malaquias

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1. Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3

UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1. Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3 UM FRAMEWORK PARA PADRÕES DE DESMATAMENTO 1 Osvaldir Dias da Silva Junior 2 ; Joice Seleme Mota 3 INTRODUÇÃO O desmatamento vem sendo foco de atenção por parte de todos os segmentos da sociedade, incluindo

Leia mais

2 - MATERIAIS E MÉTODOS

2 - MATERIAIS E MÉTODOS Reflexões sobre as mudanças climáticas e a dinâmica da malária na Amazônia Marly Satimi Shimada 1,Angela Imakawa 2 1 Aluna do curso de Especialização em Saúde Ambiental Centro de Pesquisa Leônidas e Maria

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Mata Atlântica, Fragmentação, Método AHP. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Mata Atlântica, Fragmentação, Método AHP. ABSTRACT Análise sobre a fragmentação dos remanescentes de Mata Atlântica na APA do Pratigi para identificar as áreas com maiores potenciais para a construção de corredores ecológicos baseados no método AHP Aline

Leia mais

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO

16/4/2010 ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO EPIDEMIOLOGIA Parte 01 PROFa. MSc. MARISE RAMOS DE SOUZA EPIDEMIOLOGIA ETMOLOGICAMENTE: EPI=SOBRE DEMOS= POPULAÇÃO LOGOS = TRATADO Epidemiologia é portanto, o estudo de alguma coisa que aflige (afeta)

Leia mais

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem

Os trabalhadores da agropecuária desenvolvem FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 FEVEREIRO/ 2012 Edição nº4, ano 2 ACIDENTES DE TRABALHO DEVIDO À INTOXICAÇÃO POR AGROTÓXICOS ENTRE TRABALHADORES DA AGROPECUÁRIA 2000-2011 INFORME DO CENTRO COLABORADOR

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

O Corredor Ecológico do Muriqui: uso de geoprocessamento e sensoriamento remoto para delimitação e mapeamento do uso e cobertura do solo do corredor

O Corredor Ecológico do Muriqui: uso de geoprocessamento e sensoriamento remoto para delimitação e mapeamento do uso e cobertura do solo do corredor Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.3190 O Corredor Ecológico do Muriqui: uso de geoprocessamento e sensoriamento

Leia mais

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP)

PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) PROPOSTA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DO ENTORNO DA MATA DO QUILOMBO (CAMPINAS/SP) Zangirolami, G.F. (*), Longo, R.M. 2, Bettine, S.C. 3, Demamboro, A.C. 4, Ribeiro, A.I. 5 * Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana

A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana Parasitol Latinoam 59: 110-114, 2004 FLAP ARTÍCULO ORIGINAL A experiência do município de Paraty (Rio de Janeiro, Brasil) na prevenção e controle da leishmaniose tegumentar americana CAROLINA M. DA COSTA*,

Leia mais

INFECÇÃO NATURAL DE PEQUENOS MAMÍFEROS POR SCHISTOSOMA MANSONI, NA REPRESA DE AMERICANA (SÃO PAULO, BRASIL).*

INFECÇÃO NATURAL DE PEQUENOS MAMÍFEROS POR SCHISTOSOMA MANSONI, NA REPRESA DE AMERICANA (SÃO PAULO, BRASIL).* INFECÇÃO NATURAL DE PEQUENOS MAMÍFEROS POR SCHISTOSOMA MANSONI, NA REPRESA DE AMERICANA (SÃO PAULO, BRASIL).* U rara Kawazoe ** Luiz Candido de Souza Dias ** José de Toledo Piza *** RSPUB9/411 KAWAZOE,

Leia mais

ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA AMAZÔNICA, CONTIDA NA REGIÃO SUDOESTE MATO-GROSSENSE

ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES GEOMORFOLÓGICAS NA BACIA AMAZÔNICA, CONTIDA NA REGIÃO SUDOESTE MATO-GROSSENSE ANÁLISE DE OCORRÊNCIA DE QUEIMADAS EM UNIDADES Paiva, S.L.P. 1 ; Neves, S.M.A.S. 2 ; Muniz, C.C. 3 ; Neves, R.J. 4 ; Kreitlow, J.P. 5 ; 1 UNEMAT/CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Email:sophiapastorello@gmail.com;

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

FEBRE AMARELA SILVESTRE NO BRASIL: UM DESAFIO NOS ÚLTIMOS ANOS YELLOW FEVER IN BRAZIL: A CHALLENGE IN RECENT YEARS 1

FEBRE AMARELA SILVESTRE NO BRASIL: UM DESAFIO NOS ÚLTIMOS ANOS YELLOW FEVER IN BRAZIL: A CHALLENGE IN RECENT YEARS 1 HYGEIA, Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde - www.hygeia.ig.ufu.br/ ISSN: 1980-1726 FEBRE AMARELA SILVESTRE NO BRASIL: UM DESAFIO NOS ÚLTIMOS ANOS YELLOW FEVER IN BRAZIL: A CHALLENGE IN RECENT

Leia mais