Normas de Avaliação. - Disposições Especiais - Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de. Engenharia Mecânica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Normas de Avaliação. - Disposições Especiais - Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de. Engenharia Mecânica"

Transcrição

1 1 Normas de Avaliação - Disposições Especiais - da Universidade Técnica de Ilmenau, Faculdade de Engenharia Mecânica, Para o Curso de Engenharia Mecânica Tendo em vista a lei de Ensino Superior da Turíngia (ThürHG) de 07 de Julho de 1992, modificada pelo artigo 2º da Lei de 01 de Julho de 1998, o Conselho da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Técnica de Ilmenau resolveu em 18 de Dezembro de 1997 as seguintes normas de avaliação - disposições especiais para o curso de Engenharia Mecânica. O Senado da Universidade Técnica de Ilmenau em 07 de Abril de 1998 acordou as regras aqui dispostas. O Ministério de Ciência, Pesquisa e Arte da Turíngia por meio de decreto de 18 de Agosto de 1998 e de 26 de Junho de 2000 homologou as normas aqui estabelecidas. (Os trechos não essenciais ao processo de reconhecimento de diploma não foram traduzidos.)

2 2 Sumário Seção 1: Disposições Gerais 1 Escopo 2 Grau Acadêmico 3 Duração, Estrutura e Extensão do Curso 4 Estrutura e Período de Avaliações 5 Comitê de Avaliação 6 Examinadores e Avaliadores Seção 2: Exame Preliminar de Conclusão 7 Admissão 8 Objetivo, Âmbito e Tipo de Exame Preliminar de Conclusão 9 Avaliação do Desempenho nas Provas, Estabelecimento das Notas, Aprovação no Exame Preliminar de Conclusão e Certificado do Exame Preliminar de Conclusão 10 Repetição do Exame Preliminar de Conclusão Seção 3: Exame de Conclusão 11 Admissão 12 Âmbito e Tipo de Exame de Conclusão 13 Trabalho de Conclusão de Curso 14 Aprovação e Avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso 15 Avaliação do Desempenho nas Provas, Estabelecimento das Notas e Aprovação no Exame de Conclusão 16 Tentativa Livre 17 Repetição do Exame de Conclusão 18 Certificado do Exame de Conclusão, Atribuição de Grau e Documentação Acadêmicos Seção 4: Considerações Finais 19 Entrada em Vigor Apêndice 1: Avaliação em Disciplinas e Pré-Requisitos do Exame Preliminar de Conclusão Apêndice 2: Avaliação em Disciplinas e Pré-Requisitos do Exame de Conclusão

3 3 Seção 1: Disposições Gerais 1 Geltungsbereich (Escopo) (1) Die Diplomprüfungsordnung - Besondere Bestimmungen - (DPO - BB) für den Studiengang Maschinenbau mit dem Abschluss Diplom-Ingenieur (Dipl.-Ing.) regelt auf der Grundlage der Diplomprüfungsordnung - Allgemeine Bestimmungen - der TU Ilmenau (DPO - AB), veröffentlicht im Gemeinsamen Amtsblatt des Thüringer Kultusministeriums und des Thüringer Ministeriums für Wissenschaft, Forschung und Kultur 1997, S. 289, die Ausgestaltung der Fachprüfungen für den genannten Diplomstudiengang an der TU Ilmenau. Die Regelungen der Diplomprüfungsordnung - Allgemeine Bestimmungen - (DPO - AB) der Technischen Universität Ilmenau gelten, soweit in dieser Diplomprüfungsordnung nichts Abweichendes geregelt ist, ergänzend zu den Bestimmungen dieser Diplomprüfungsordnung. (2) Alle Personen- und Funktionsbezeichnungen gelten für Männer und Frauen in gleicher Weise. 2 Grau Acadêmico (zu 3 der DPO - AB) Dada a aprovação no exame de conclusão de curso, confere a Universidade Técnica de Ilmenau o título acadêmico de Engenheiro ou Engenheira (Dipl. - Ing.). 3 Duração, Estrutura e Extensão do Curso (zu 4 der DPO - AB) (1) A duração normal do curso de Engenharia Mecânica, incluindo o estágio (estágio básico e estágio técnico) é de 10 semestres. (2) Os estudos de base do curso de Engenharia Mecânica englobam 4 semestres e termina com o Exame Preliminar de Conclusão. A fase principal de estudos engloba 6 semestres, dentre os quais 4 semestres de aulas, 1 semestre de estágio técnico e 1 semestre para a preparação do trabalho de conclusão de curso com o colóquio final. (3) O currículo para os estudos de base e para a fase principal de estudos é constituído por disciplinas obrigatórias e opcionais, totalizando 172 horas-aula por semana (SWS), das quais 104 horas-aula por semana constituem os estudos de base e 68 horas-aula por semana a fase principal de estudos. As disciplinas que forma os estudos de base são disciplinas obrigatórias (exceto estudos gerais e cursos de línguas estrangeiras, que são oferecidas como disciplinas optativas); na fase principal de estudos está inclusa uma faixa de 32 horas-aula semanais de disciplina optativas. (4) Die Lehrveranstaltungen für die Studienrichtungen, Pflicht- und Wahlpflichtfächer und der Umfang des Lehrangebotes der einzelnen Studienabschnitte sind in der Studienordnung des Studienganges Maschinenbau sowie in den der Studienordnung als Empfehlung hinzugefügten Studienplänen des Grundstudiums und des Hauptstudiums festgelegt. Änderungen des Katalogs der Studienrichtungen, Pflicht- und Wahlpflichtfächer werden durch die Änderung der Studienordnung bekanntgegeben. (5) Voraussetzung für die Durchführung einer Studienrichtung bzw. eines Wahlpflichtfaches ist, daß sich mindestens 10 Studierende für die entsprechende Studienrichtung bzw. das Wahlpflichtfach imprüfungsamt der zuständigen Fakultät eingeschrieben haben. Über Fragen des Angebots und der Durchführung entscheidet in Zweifelsfällen die zuständige Fakultät. Für Studienrichtungen, Pflicht- und Wahlpflichtfächer, die nicht mehr Gegenstand der gültigen Studienordnung sind, werden die geforderten Fachprüfungen, Studien- und Prüfungsleistungen letztmalig 4 Semester nach Auslaufen der entsprechenden Lehrveranstaltung

4 4 angeboten. Der Termin der letztmöglichen Fachprüfung, Studien- und Prüfungsleistung ist bekanntzugeben. (6) A duração do estágio prático é de 26 semanas. Dessas, é exigida a conclusão de 6 semanas (estágio básico) no mais tardar até o registro na última avaliação do Exame Preliminar de Conclusão. O estágio técnico, de acordo com o 13 Alínea 3, tem a extensão mínima de 20 semanas e deve ser concluído até o início do trabalho de conclusão de curso. Conteúdo, requisitos e aprovação da formação são regidos de acordo com o Apêndice 1 Normas de Estágio das Normas de Ensino do Curso de Engenharia Mecânica. 4 Estrutura e Período de Avaliações (zu 5 der DPO - AB) (1) Os alunos são orientados a iniciar as avaliações de disciplinas do Exame Preliminar de Conclusão no final do 2º Semestre. A admissão ao Exame Preliminar de Conclusão é efetuada mediante um pedido escrito nos termos do 7. Durante os estudos de base, conforme o Apêndice 1, são oferecidos três conjuntos de provas: 1) 1. Seção de Provas no final do 2 º Semestre, 2) 2. Seção de Provas no final do 3 º Semestre, 3) 3. Seção de Provas no final do 4º Semestre. As avaliações de disciplinas do Exame Preliminar de Conclusão devem, no mais tardar, até o final do 4º Semestre ser concluídas. (2) Os estudantes são orientados a iniciar as avaliações de disciplinas do Exame de Conclusão no final do 5º Semestre. A admissão ao Exame de Conclusão é efetuada mediante pedido escrito nos termos do 11. Durante a fase principal dos estudos, conforme o Apêndice 2, são oferecidos os seguintes três conjuntos de provas: 1.) 1. Seção de Provas para disciplinas obrigatórias no final do 5º e/ou 6º e/ou 7º Semestre, 2.) 2. Seção de Provas para disciplinas optativas no final do 7º e/ou 8º e/ou 9º Semestre, 3.) 3. Seção de Avaliação para o trabalho de conclusão de curso, inclusive do colóquio associado, no 10º Semestre. O Exame de Conclusão deve até o final do período de estudos regulares, de acordo com 3, ser completamente concluído. (3) Para tentativas livres nas avaliações de disciplinas do Exame Preliminar de Conclusão e do Exame de Conclusão valem as regras estabelecidas em 16. (4) Outras formas válidas de avaliação de desempenho nas disciplinas, além de provas, estão presentes nos Anexos 1 e 2; Essas formas podem ser 1) Trabalhos experimentais 2) Projeto construtivo 3) Programa de computador 4) Apresentação Oral (5) Um trabalho experimental se realiza sob a supervisão em um laboratório. A tarefa experimental será proposta pelo examinador. O trabalho experimental inclui, nomeadamente, 1) a preparação teórica do experimento, 2) a elaboração e execução do experimento, 3) uma descrição por escrito de todos os passos do experimento, do procedimento experimental e dos resultados do experimento assim como uma avaliação crítica desses resultados. (6) Um projeto construtivo inclui a execução de uma determinada tarefa de foco em uma única disciplina ou interdisciplinar em termos conceituais, tendo-se em especial consideração os aspectos construtivos e de planejamento, assim como a apresentação e explicação das soluções desenvolvidas de forma profissional. A tarefa para o projeto é proposta pelo examinador, de forma que possa ser desenvolvida dentro de um período de até oito semanas. Aos candidatos é dada a oportunidade de fazer propostas sobre a tarefa do projeto; as soluções desenvolvidas são normalmente apresentadas e explicadas oralmente.

5 5 (7) Um programa de computador, cuja tarefa é determinada pelo examinador, é normalmente composto por 1) a descrição da tarefa, 2) o estudo das bases teóricas para a realização da tarefa, especialmente a seleção de métodos adequados e a avaliação da literatura pertinente, 3) a formulação dos algoritmos utilizados em uma linguagem de programação apropriada, 4) teste do programa com diferentes dados e verificação dos resultados quanto a sua precisão, 5) a documentação do programa, com informações sobre os métodos utilizados, com o diagrama lógico do programa, o protocolo do programa (código-fonte) e com instruções sobre os resultados e o uso. As frases 2 e 3 da Alínea (6) são também válidas. (8) Uma apresentação oral engloba 1.) uma discussão escrita independente e profunda sobre um problema relacionado à disciplina, incluindo uma avaliação da literatura pertinente, 2.) a apresentação do trabalho e a exposição dos resultados em uma apresentação oral, assim como 3.) uma posterior discussão na presença dos examinadores e ouvintes com base na apresentação oral e no trabalho escrito. As frases 2 e 3 da Alínea (6) são também válidas. (9) O número de formas de avaliação tanto no estudo de base quanto na fase principal de estudos é limitado em três. (10) A escolha entre uma forma alternativa de avaliação e uma prova é livre ao candidato, desde que o Comitê de Avaliação através de comunicado estabeleça a possibilidade de escolha. A comunicação sobre a possibilidade de escolha entre uma prova e uma forma alternativa de avaliação estudo, com a definição da forma alternativa, será divulgada publicamente, no mais tardar no início do semestre, pelo Comitê de Avaliação através de cartazes ou de outra forma adequada. (11) A inscrição para as provas das disciplinas é feita através da apresentação de um formulário de pedido de admissão para exames à Secretaria de Exames da Faculdade de Engenharia Mecânica. Para provas orais, os candidatos devem também, junto ao examinador, inscrever-se em uma lista de horários para a realização da avaliação. (12) Se quando feito o pedido para admissão para exames, não forem apresentados todos os certificados do semestre anterior necessários, será emitida então uma autorização condicional. A prova só poderá então ser realizada com a apresentação dos certificados necessários, no dia da prova, ao examinador. 5 Comitê de Avaliação (zu 6 der DPO - AB) O Comitê de Avaliação para o curso de Engenharia Mecânica tem 5 membros (3 Professores, 1 funcionário acadêmico, 1 estudante). 6 Prüfer und Beisitzer (Examinadores e Avaliadores) (zu 7 der DPO - AB) Regelungen zu Prüfern und Beisitzern, deren Bestellung und das Verfahren bei Prüfungen treffen insbesondere 7 DPO - AB der TU Ilmenau i.v.m. 21 ThürHG und 6 Abs. 4, 13, 14 DPO - AB sowie 21 Abs. 3 und 4 DPO - AB. Seção 2: Exame Preliminar de Conclusão 7 Admissão (1) Ao pedido de admissão ao Exame Preliminar de Conclusão do curso de Engenharia

6 6 Mecânica devem ser anexados os documentos específicos que comprovem os pré-requisitos indicados na 8, Alínea (1). O conselho do Curso de Engenharia Mecânica regula os procedimentos e requisitos das avaliações acadêmicas. (2) A admissão para a última avaliação do Exame Preliminar de Conclusão requer a comprovação da conclusão com êxito das disciplinas indicadas na 8 Alínea (2) e do estágio básico. A regulamentação sobre o estágio básico encontra-se no Anexo 1 das Normas de Ensino do Curso de Engenharia Mecânica. 8 Objetivo, Âmbito e Tipo de Exame Preliminar de Conclusão (1) O Exame Preliminar de Conclusão do curso de Engenharia Mecânica consiste de dez provas específicas. As provas específicas que integram o Exame Preliminar de Conclusão do curso de Engenharia Mecânica estão listada no Apêndice 1, juntamente com as seções e os pré-requisitos necessários para admissão. O Apêndice 1 é parte integrante desta Norma. (2) O objeto de avaliação das provas específicas é o conteúdo das disciplinas lecionado até o momento da prova. (3) Para a admissão nas provas finais do Exame de Preliminar Conclusão é necessária a conclusão das seguintes disciplinas dos estudos de base: Química (1 Disciplina, com avaliação), Algoritmos e Programação (2 Disciplinas, 1 com avaliação; 1 sem avaliação), Laboratório - Fundamentos da Eletrônica (1 Disciplina, com avaliação), Desenho Técnico (1 Disciplina, com avaliação), Materiais (2 Disciplinas, com avaliação), Termodinâmica (1 Disciplina, com avaliação), Fundamentos da Metrologia (1 Disciplina, sem avaliação). Para a admissão nas provas finais do Exame de Preliminar Conclusão é recomendada a conclusão das seguintes disciplinas dos estudos de base 1. Estudos Gerais (2 Disciplinas, sem avaliação), 2. Curso de Línguas (1 Disciplina, com avaliação). No mais tardar, estas disciplinas devem ser concluídas na admissão ao trabalho de conclusão de curso. 9 Avaliação do Desempenho nas Provas, Estabelecimento das Notas, Aprovação no Exame Preliminar de Conclusão e Certificado do Exame Preliminar de Conclusão (zu 15 und 17 der DPO - AB) (1) A nota final do Exame Preliminar de Conclusão é a média aritmética das notas obtidas nas provas específicas, sendo que as notas das disciplinas Matemática e Elementos de Máquinas têm peso 2. È válido o 15 Alínea 1 e 5 DPO - AB da TU Ilmenau. (2) Für das Bestehen der Fachprüfungen und der Diplom-Vorprüfung gelten die Regelungen von 15 Abs. 2 und 3 DPO - AB. (3) 17 DPO - AB regelt den Inhalt und die Ausgabe des Zeugnisses der Diplom- Vorprüfung. 10 Repetição do Exame Preliminar de Conclusão (zu 16 der DPO - AB) (1) No Exame Preliminar de Conclusão podem ser repetidas uma segunda vez no máximo 4 provas específicas. (2) Para a primeira repetição de uma prova específica do Exame Preliminar de Conclusão, vale o 8, juntamente com o Apêndice 1 e o 4 Alínea 4 a 11. A segunda repetição de uma prova específica será realizada através de avaliação oral com duração de 30 minutos.

7 7 Seção 3: Exame de Conclusão 11 Admissão (zu 18 der DPO - AB) Ao pedido de admissão ao Exame de Conclusão do curso de Engenharia Mecânica devem ser anexados os documentos específicos que comprovem os pré-requisitos indicados na 12, Alínea (2). O conselho do Curso de Engenharia Mecânica regula os procedimentos e requisitos das avaliações acadêmicas. 12 Âmbito e Tipo de Exame de Conclusão (zu 19 der DPO - AB) (1) O Exame de Conclusão marca o final da formação acadêmica no curso de Engenharia Mecânica. O Exame de Conclusão estabelece se e em que medida o candidato adquiriu os conhecimentos técnicos exigidos para sua atuação profissional como engenheiro, oferece uma visão geral da coerência e do foco de seus estudos e determina se ele possui a habilidade de aplicar conhecimentos e métodos científicos na formulação e solução de novos problemas. (2) O Exame de Conclusão do curso de Engenharia Mecânica consiste de dez provas específicas (parcialmente composto de notas de mais avaliações), de um trabalho de estudos, de um trabalho de projeto e de um trabalho de conclusão de curso. As provas específicas do Exame de Conclusão de Curso em cada uma das áreas de foco a serem escolhidas pelos estudantes são apresentadas no Apêndice 2, juntamente com as seções de provas e os prérequisitos necessários para admissão. O Apêndice 2 é uma parte integrante desta Norma. As áreas de foco são parte integrante das Normas de Estudo do Curso de Engenharia Mecânica. (3) As provas específicas N o 1 a 6 do Apêndice 2 são disciplinas obrigatórias e as provas específicas N o 7 a 10 do Apêndice 2 são disciplinas optativa de cada uma das áreas de foco de estudo. (4) O objeto de avaliação das provas específicas é o conteúdo das disciplinas lecionado até o momento da prova. (5) Na parte principal do curso Engenharia Mecânica, em todas as áreas de estudo, juntamente com as avaliações das disciplinas, são aplicados como uma forma paralela de avaliação (disciplinas optativas), em conformidade com a Seção 3 1) 1 Trabalho de Estudos e 2) 1 Trabalho de Projeto O tempo disponível para o trabalho de estudos e para o trabalho de projeto é de 6 meses para cada. A extensão de cada trabalho não deve exceder 400 horas. Em geral, o trabalho de estudos é realizado no 3º ano letivo e o trabalho de projeto no 4º ano. Os trabalhos devem ser concluídos antes do início do estágio técnico. O tema do trabalho de estudos e do trabalho de projeto é escolhido por um membro do corpo docente. O tema, a duração e a data de conclusão dos trabalhos devem ser registrados juntamente à Secretaria de Exames da Faculdade de Engenharia Mecânica. Os resultados dos trabalhos são apresentados pelo candidato em um colóquio (Apresentação de 20 minutos). O colóquio é uma avaliação oral. A nota do trabalho de estudos e a nota do trabalho de projeto são formadas por 80% da nota do trabalho escrito e 20% da nota do colóquio. 13 Trabalho de Conclusão de Curso (zu 20 der DPO - AB) (1) O trabalho de conclusão de curso em Engenharia Mecânica consiste de um trabalho escrito, e um colóquio. Os trabalhos escritos serão avaliados por dois revisores. O colóquio

8 8 será conduzido por uma comissão de avaliação formada, no mínimo, pelo orientador do trabalho e um professor pertencente à outra área. (2) No colóquio, o candidato realiza uma palestra de 20 minutos sobre o seu trabalho de conclusão de curso, seguida de uma argüição oral feita pela comissão de avaliação e os participantes do colóquio. A apresentação e a argüição são consideradas para a avaliação. A nota final do trabalho de conclusão de curso é determinada de acordo com 14. (3) Os requisitos para a emissão de um tema de trabalho de conclusão de curso são: 1.) Conclusão bem sucedida de todas as disciplinas da fase principal de estudos, 2.) conclusão bem sucedida do trabalho de estudos, 3.) conclusão bem sucedida do trabalho de projeto, 4.) certificado de estágio técnico de 20 semanas de duração. (4) O tempo disponível para a preparação do trabalho de conclusão de curso é de cinco meses. Em casos individuais, a pedido do candidato junto ao Comitê de Avaliação, esse tempo pode ser prorrogado por no máximo mais dois meses. (5) O trabalho de conclusão de curso é entregue em duas cópias à Secretaria de Exames da Faculdade de Engenharia Mecânica. Juntamente com o trabalho de conclusão de curso são entregues cinco cópias da dissertação (em cada cópia do trabalho de conclusão é anexada uma cópia; três cópias adicionais são entregues em separado). (6) O tema, a duração e a data de entrega do trabalho de conclusão de curso devem ser registrados juntamente à Secretaria de Exames da Faculdade de Engenharia Mecânica. 14 Aprovação e Avaliação do Trabalho de Conclusão de Curso (zu 21 der DPO - AB) O trabalho de conclusão de curso é, normalmente, avaliado por dois avaliadores qualificados da TU Ilmenau. As notas dos dois avaliadores, ou quando se aplica 21 Alínea 3 do DPO-AB, as notas do três avaliadores resultam através de média aritmética em 80% da nota do trabalho de conclusão de curso; o colóquio completa a nota com 20%. A nota do colóquio é determinada por uma comissão de avaliação. 15 Avaliação do Desempenho nas Provas, Estabelecimento das Notas e Aprovação no Exame de Conclusão (zu 23 der DPO - AB) (1) Caso a avaliação em uma disciplina seja composta de duas ou mais provas ou formas alternativa de avaliação, a nota final é calculada através da média aritmética do desempenho em cada uma dessas provas. (2) Para o Exame de Conclusão a nota final é formada de forma que % são as notas obtidas nas disciplinas da parte principal do estudo (dentre as quais 40% é a média aritmética das disciplinas obrigatórias e 30% das disciplinas optativas), 2. 10% é a média aritmética das notas do trabalho de estudo e do trabalho de projeto, % da nota do trabalho de conclusão de curso. (3) Caso um candidato alcance no Exame de Conclusão a nota final de 1.2, ou melhor, é concedido o veredicto Aprovado com Distinção. (4) O aluno é considerado aprovado no Exame de Conclusão quando, em cada uma das disciplinas, no trabalho de estudo, no trabalho de projeto e no trabalho de conclusão de curso for obtida a nota mínima suficiente (4.0). 17 Repetição do Exame de Conclusão (zu 26 der DPO-AB) (1) Para a primeira repetição de uma prova específica do Exame de Conclusão, vale o 12 a

9 9 15, juntamente com o Apêndice 2. (2) No Exame de Conclusão podem ser repetidas uma segunda vez no máximo 4 provas específicas. A segunda repetição de uma prova específica será realizada através de avaliação oral com duração de 30 minutos. (3) O trabalho de estudo, o trabalho de projeto e o trabalho de conclusão de curso, dada a não aprovação, podem ser repetidos uma única vez. Uma segunda repetição não é possível. 18 Zeugnis der Diplomprüfung, Verleihung des Diplomgrades und der Diplomurkunde (Certificado do Exame de Conclusão, Atribuição de Grau e Documentação Acadêmicos) (zu 27 und 28 der DPO - AB) (1) 27 der Diplomprüfungsordnung - Allgemeine Bestimmungen - (DPO - AB) der TU Ilmenau regelt den Inhalt und die Ausgabe des Zeugnisses der Diplomprüfung. (2) 28 der DPO - AB regelt die Verleihung des Diplomgrades und der Diplomurkunde. Seção 4: Considerações Finais 19 Inkrafttreten (Entrada em Vigor ) (zu 32 der DPO - AB) Diese Prüfungsordnung tritt am Tage nach der Veröffentlichung im Gemeinsamen Amtsblatt des Thüringer Kultusministeriums und des Thüringer Ministeriums für Wissenschaft, Forschung und Kunst in Kraft. Univ.-Prof. Dr. - Ing. habil. Wolfgang Gens Reitor da Universidade Técnica de Ilmenau

10 10 Apêndice 1 Avaliação em Disciplinas e Pré-Requisitos do Exame Preliminar de Conclusão Nr. Disciplinas Seção de Provas 1. (2 o Sem.) 2. (3 o Sem.) 3. (4 o Sem.) Tipo e Duração da Avaliação Pré-Requisitos para Realização das Provas 1 Matemática I + II 1 Prova, 180 min 2 Disciplinas 2 Matemática III + IV 3 Prova Oral, 30 min 2 Disciplinas 3 Física 1 Prova Oral, 30 min 2 Disciplinas 4 Fundamentos da 1 Prova, 90 min 2 Disciplinas Informática (Sistemas Digitais) 5 Fundamentos da 2 Prova Oral, 30 min 3 Disciplinas Eletrotécnica 6 Fundamentos da 2 Prova, 90 min - Eletrônica 7 Elementos de 3 Prova, 240 min 2 Disciplinas Máquinas 8 Mecânica dos Sólidos 3 Prova Oral, 45 min 2 Disciplinas 9 Tecnologia em Óptica/Tecnologia em Iluminação Tecnologia de 10 Fabricação 3 Prova Oral, 30 min - 2 Prova, 90 min - Sem. Semestre; min Minutos

11 11 Apêndice 2 Avaliação em Disciplinas e Pré-Requisitos do Exame de Conclusão As áreas de foco e as disciplinas optativas estão sujeitas ao 3 Alínea (5) Nr. Disciplinas Seção de Provas 1. (5 o, 6 o, 7 o Sem.) 2. (7 o, 8 o, 9 o Sem.) 3. (10 o Sem.) 1 Automação a. Metrologia e Sensores b. Automação e Controladores c. Computação Tipo e Duração da Avaliação a. Pr.Or., 30 min. b. Prova, 180 min. c. Prova, 90 min. Pré-Requisitos para Realização das Provas 1 Disciplina - 2 Mecânica dos Flúidos I 1 Prova, 90 min. - 3 a. Tecnologia em Mecanismos e Acionamentos na área de foco Mecânica Geral e Mecânica de Veículos Mecânica de Precisão e Dispositivos de Mídia Engenharia de Projeto b. Técnicas de Propulsão c. Transferência de Calor na área de foco Tecnologia de Produção e Engenharia Ambiental - Metrologia e Sensores 1 a. Pr.Or., 30 min. b. Pr.Or., 30 min. c. Prova, 90 min. 1 Disciplina a. Organização da Produção / Administração Técnica na área de foco Mecânica Geral e Mecânica de Veículos Mecânica de Precisão e Dispositivos de Mídia Engenharia de Projeto b. Organização da Produção / Administração Técnica na área de foco Tecnologia de Produção e Engenharia Ambiental - Metrologia e Sensores 1 1 a. Prova, 90 min. b. Prova 90 min. - -

12 12 Nr Disciplinas Seção de Provas 1. (5 o, 6 o, 7 o Sem.) 2. (7 o, 8 o, 9 o Sem.) 3. (10 o Sem.) Tipo e Duração da Avaliação Pré-Requisitos para Realização das Provas 5 Tecnologia de Fabricação 1 Prova, 90 min. - 6 Ciência de Projetos 1 Prova, 90 min. 1 Disciplina 7 Disciplina I da lista da área de foco nas Normas de Ensino 8 Disciplina II da lista da área de foco nas Normas de Ensino 9 Disciplina Técnica Optativa de acordo com as Normas de Ensino 10 Disciplina não-técnica Optativa de acordo com as Normas de Ensino 2 Pr.Or., 45 min. Disciplinas 2 Pr.Or., 45 min. Disciplinas 2 Pr.Or., 30 min. 1 Disciplina 2 Pr.Or., 30 min. 1 Disciplina Sem Semestre; Pr.Or. Prova Oral; min. - Minutos Cada aluno tem que escolher uma área de foco na parte principal dos estudos. As áreas de foco do curso de Engenharia Mecânica e os respectivos planos de estudo estão incluídos nas Normas de Ensino.

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE ANIMAL Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (FEPAGRO) Portaria FEPAGRO nº 154/2013. O Diretor-Presidente da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I. Introdução REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SAÚDE COLETIVA MESTRADO E DOUTORADO TÍTULO I Introdução Art. 1. Este regimento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO

Leia mais

Resolução nº 015, de 03 de março de 2015.

Resolução nº 015, de 03 de março de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ALIMENTAR Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade Técnica

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICA / PRODUÇÃO ANIMAL Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 de 26 de Outubro, da

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE

REGULAMENTO DOS CURSOS DO CENTRO DE ESTUDOS EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE CAPÍTULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO DO ORDENAMENTO, DO URBANISMO E DO AMBIENTE Artigo 1.º (Constituição do Curso) 1. O Curso de Especialização em Direito do Ordenamento, do Urbanismo e do Ambiente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS PPGPUR I - DA PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E USO DE RECURSOS RENOVÁVEIS E SEUS OBJETIVOS ART. 1 - A Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento regulamenta as atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Área de concentração: Materiais de Construção Civil CEPE 08/2015

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 11.09.07 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 483 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Currículo nº 02

Aprovado no CONGRAD: 11.09.07 Vigência: ingressos a partir de 2008/1. CÓD. 483 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Currículo nº 02 Aprovado no CONGRAD: 11.09.07 Vigência: ingressos a partir de 2008/1 CÓD. 483 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Currículo nº 02 DISCIPLINAS E PRÁTICAS DO CURRÍCULO PLENO I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos

O Reitor da Universidade Federal de São Carlos, no uso das atribuições legais e estatutárias, TÍTULO I Dos Objetivos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Via Washington Luís, km. 235 - Caixa Postal 676 CEP 13560-970 - São Carlos - SP - Brasil propg@power.ufscar.br / www.propg.ufscar.br

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA INFORMÁTICA, DA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO PREÂMBULO No cumprimento da sua missão, a FEUP tem desenvolvido uma significativa

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC - UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU agosto / 2010 1 REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Sumário TÍTULO I - DA NATUREZA E DAS FINALIDADES... 3 CAPÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA FAPEPE FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE CAPITULO I INTRODUÇÃO Artigo 1 - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é

Leia mais

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL

REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL 1 / 9 INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S/A - IPT REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO - MESTRADO PROFISSIONAL CAPÍTULO I - Das Finalidades 1.1 - Os Programas de Mestrado Profissional do

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE.

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO FAE. CAPÍTULO I Dos Objetivos e Prazos Artigo 1º Os Cursos Acadêmicos de Pós-Graduação stricto

Leia mais

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos

Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos Atividades Complementares Curso de Gestão em Recursos Humanos APRESENTAÇÃO As Atividades Complementares (AC) são práticas curriculares de caráter independente, interdisciplinar e transversal que visam

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015

EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015 EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 51 /2015 O Reitor da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais, RESOLVE tornar público, para conhecimento dos interessados,

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DA ATIVIDADE COMPLEMENTAR DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO 1. DA DEFINIÇÃO a) O Trabalho de Graduação (TG) compreende o estudo de um problema em profundidade, requerendo

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós- Graduação em Administração

Regulamento do Programa de Pós- Graduação em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Regulamento do Programa de Pós- Graduação em Administração PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Coordenadoria

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Gama DF fev./2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO II... 4 DA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES... 4 E SEU APROVEITAMENTO...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARANGUAPE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EDITAL Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES POR TEMPO DETERMINADO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARANGUAPE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EDITAL Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES POR TEMPO DETERMINADO PREFEITURA MUNICIPAL DE MARANGUAPE SECRETARIA DA EDUCAÇÃO EDITAL Nº 001/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE DOCENTES POR TEMPO DETERMINADO O Secretário da Educação do Município de Maranguape, JOSÉ

Leia mais

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA

>> PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS ESCOLA DE DESIGN >> PROGRAMA DE DISCIPLINA PERÍODO DISCIPLINA Prática Projetual VI 1 SEMESTRE [ X ] PROFESSOR Carlos Alberto Silva de Miranda 2 SEMESTRE [ ] CURSO

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL

ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA IAC/DG... REGIMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TORPICAL E SUBTROPICAL O Diretor Técnico de Departamento resolve elaborar e implantar o Regimento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia

Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Normas para Elaboração do Trabalho de Conclusão do Curso de Psicologia Petrolina PE Julho de 2015 1 Capítulo I Da natureza do TCC Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é um componente obrigatório

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 142/2008

RESOLUÇÃO N.º 142/2008 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 142/2008 EMENTA: Aprovação do Regimento Interno do Curso de Pós-Graduação em Nível de Especialização, sob a forma de Treinamento

Leia mais

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012

Reitoria. Universidade do Minho, 16 de fevereiro de 2012 Reitoria Despacho RT-12/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico do Instituto de Ciências Sociais, é homologado o Regulamento do Ciclo de Estudos Conducente à obtenção do Grau de Mestre em Geografia, anexo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Regulamento Específico do Curso de Especialização em Gestão e Tecnologia de Produção de Edifícios - CEGT CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 RESOLVE: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 RESOLVE: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM RESOLUÇÃO Nº 02/2015 Dispõe sobre as atividades de ensino e pesquisa do Programa de Pósgraduação em Enfermagem.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA/FUNDAÇÃO UNITINS/GRE/N 007/2012. Normatiza, no âmbito da Pró- Reitoria de Graduação, o Programa de Monitoria da Unitins e dá outras providências. O REITOR DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM METEOROLOGIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º - O Curso de Pós-Graduação em Meteorologia do INPE tem como objetivo a formação de recursos humanos, nos níveis

Leia mais

Regulamento Institucional PÓS-GRADUAÇÃO

Regulamento Institucional PÓS-GRADUAÇÃO Regulamento Institucional PÓS-GRADUAÇÃO 2014 REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU* CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 A Pós-Graduação Lato Sensu da UNESC é vinculada a Coordenação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAPÍTULO I NATUREZA, OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO Art. 1 o. O Programa de Pós-graduação stricto sensu em

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.198, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.198, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.198, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta o Processo Seletivo Simplificado e a contratação

Leia mais

EDITAL Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Universidade Federal de Sergipe Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas Departamento de Recrutamento e Seleção de Pessoal Divisão de Recrutamento e Seleção de Pessoal A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas da Universidade

Leia mais

NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL

NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL NORMAS PARA APROVAÇÃO, OFERTA E ACOMPANHAMENTO DE CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NA UFGD CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1º Os cursos de Aperfeiçoamento da Universidade Federal da Grande

Leia mais

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação

Universidade de Brasília FACE - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Economia Programa de Pós-Graduação Regulamento do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Economia Aprovado pelo Colegiado de Pós-Graduação em 17/02/2009 Título I Disposições Gerais Art. 1º Art. 2º Art. 3º O Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES-AAC

ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES-AAC ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES-AAC As atividades complementares serão incrementadas durante todo o Curso de Fisioterapia, onde a FAP propiciará mecanismos de aproveitamento de conhecimentos, adquiridos

Leia mais

CCT Secretaria Acadêmica

CCT Secretaria Acadêmica RESOLUÇÃO CPPGEC n o 02/2012 COMISSÃO COORDENADORA DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUACÃO EM ENGENHARIA Assunto: Modificação da Resolução 02/2009: Disciplina Seminários I, II, III, IV Art. 1º - O PPGEC oferecerá

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ

REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ REGIMENTO INTERNO ACADÊMICO DO DOUTORADO DO PROGRAMA DE PLANEJAMENTO ENERGÉTICO COPPE / UFRJ (Válido para alunos que farão exame de qualificação a partir de 2012) I. DO PROGRAMA DE DOUTORADO Art. 1. Esta

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES:

ATIVIDADES COMPLEMENTARES: 1/5 ATIVIDADES: DESCRIÇÃO: COMPROVAÇÃO E AVALIAÇÃO: 01 1. Atuações junto aos Centros e Núcleos: 02 2. Atividades acompanhadas por profissional especializado, em área afim ao curso.(diferenciado do Estágio

Leia mais

1. Do número de vagas para professor pesquisador conteudista para as disciplinas da primeira etapa do Módulo I:

1. Do número de vagas para professor pesquisador conteudista para as disciplinas da primeira etapa do Módulo I: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Edital Nº 06/202 Processo Seletivo para Professor Pesquisador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENSINO NA EDUCAÇÃO BÁSICA TÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 - Este regulamento estabelece as atribuições, responsabilidades e normas específicas do Programa

Leia mais

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso

MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA. Regulamento do Curso MESTRADO PROFISSIONAL EM ECONOMIA Regulamento do Curso CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Economia (MPE) tem os seguintes objetivos: I. formar recursos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES

REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES REGULAMENTO GERAL DAS PÓS-GRADUAÇÕES Título I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1 O presente Regulamento se constitui, em conjunção com o Estatuto e o Regimento Geral da Universidade Federal do Espírito Santo, bem

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação. Capítulo I Das Disposições Preliminares Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Sistemas de Informação Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1. Este regulamento define as diretrizes técnicas, procedimentos de acompanhamento

Leia mais

4084, 29/05/2013, 30/05/2013 PARECER CEE/PE Nº 54/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM

4084, 29/05/2013, 30/05/2013 PARECER CEE/PE Nº 54/2013-CES APROVADO PELO PLENÁRIO EM INTERESSADA: ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO POLI/UPE ASSUNTO: RENOVAÇÃO DE RECONHECIMENTO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA RELATORA: CONSELHEIRA NELLY MEDEIROS DE CARVALHO

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE

Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE Regulamento das Atividades Complementares Graduação em Administração da Faculdade Casa do Estudante FACE CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O presente regulamento tem por finalidade normatizar

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 144/2012 Altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade do Processo nº CIV- 574/2012, aprovou e eu

Leia mais

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem como objetivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 043 CONSUPER/2013 Dispõe sobre o regulamento das Atividades Curriculares Complementares no âmbito do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA. TÍTULO I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FÍSICA TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Física (PPGF) do Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia, da Universidade Federal

Leia mais

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado

Universidade de Caxias do Sul Programa de Pós-Graduação em Direito Mestrado REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM DIREITO Sumário CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA... 1 CAPÍTULO II DA ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA...2 CAPÍTULO III DO CORPO DOCENTE,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CENMEC Juazeiro, 23 de agosto de 2010. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CENMEC Juazeiro, 23 de agosto de 2010. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAMPUS JUAZEIRO JUAZEIRO/BA - FONE (74) 3614-1938 CEP 48902-300 http://www.univasf.edu.br/estagio

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA UVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Regulamento do Curso

Regulamento do Curso Regulamento do Curso Mestrado Profissional em Administração CAPÍTULO I DAS FINALIDADES DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Mestrado Profissional em Administração (MPA) tem os seguintes objetivos: I.

Leia mais

EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO

EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO EDITAL N 054/2012 PROCESSO SELETIVO PÚBLICO E SUMÁRIO PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSOR EM CARÁTER TEMPORÁRIO O Reitor da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB, no uso de suas atribuições e cumprindo

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG. NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA UESB PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG NORMA INTERNA Nº 01 2014 PPGEd 7 de janeiro de 2014 Dispõe sobre a Disciplina iniciação à docência no ensino

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e,

RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, RESOLUÇÃO Nº 07/2008 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2008. Altera o regulamento da Monitoria. O DIRETOR DA FACULDADE DE DIREITO DO SUL DE MINAS, no uso e gozo de suas atribuições e, Considerando a necessidade de

Leia mais

EDITAL Nº 055/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 055/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 055/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas do Instituto Federal do Paraná, conforme Portaria nº 1480 de 31/10/2014, torna público que estarão abertas

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO CURSO DE MESTRADO PROFISSIONAL EM URBANISMO O Mestrado Profissional em Urbanismo, ministrado pelo Curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM

Leia mais

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso

TÍTULO I Do Programa. TÍTULO II Do Curso Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de Políticas Públicas, Curso Mestrado Profissional, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais de Franca TÍTULO I Do Programa Artigo 1º

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Administração I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 08/2015 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, em nível

Leia mais

Portal dos Professores 2. LANÇAMENTO DE NOTAS DOS SEMESTRES... 4 3. PARA PROFESSORES DE CLASSE... 5

Portal dos Professores 2. LANÇAMENTO DE NOTAS DOS SEMESTRES... 4 3. PARA PROFESSORES DE CLASSE... 5 Portal dos Professores Sumário 1. ACESSO AO PORTAL...3 1.1 ALTERAR CONTEXTO (PROFESSOR OU FUNCIONÁRIO)...3 2. LANÇAMENTO DE NOTAS DOS SEMESTRES... 4 3. PARA PROFESSORES DE CLASSE... 5 3.1. LANÇAMENTO DE

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR

EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PARA PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR Nº 10/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Diretor Acadêmico da Faculdade Adventista da Bahia FADBA, no uso de suas atribuições, torna pública a

Leia mais

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

DOCUMENTOS COMPLEMENTARES DOCUMENTOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO DO CURSO DE DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO CDA EM ASSOCIAÇÃO DE IES (PUCRS e UCS) Janeiro de 2009 2 CAPÍTULO I Dos objetivos Art. 1 o - O curso confere o grau de Doutor

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer as normas relativas à elaboração, acompanhamento,

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA AMBIENTAL DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS - PPG SEA I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO TÍTULO I 3 DA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU E SEUS OBJETIVOS 3 TÍTULO II 5 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 5 CAPÍTULO I 5 DA ESTRUTURA 5 CAPÍTULO II 6 DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU 6 CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014

Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Regulamento de Avaliação e Frequência 2014 Suzano, 2014 CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS EDUCAÇÃO FÍSICA ENGENHARIA AMBIENTAL FARMÁCIA FISIOTERAPIA NUTRIÇÃO Índice Assunto Página ARTIGO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA SOCIAL E INSTITUCIONAL CAPÍTULO I OBJETIVOS Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, vinculado ao Instituto

Leia mais

Deliberação nº 02 / 2010 REGULAMENTO

Deliberação nº 02 / 2010 REGULAMENTO Deliberação nº 02 / 2010 Ementa: Regulamenta as Atividades Complementares dos cursos de graduação da Faculdade Guarapuava e revoga todas as portarias anteriores. REGULAMENTO Art. 1º. O presente Regulamento

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 CÂMARA OU COMISSÃO: CEB

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 CÂMARA OU COMISSÃO: CEB PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 18/12/1997 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Ver Resolução CNE/CEB nº 1/1998 INTERESSADO: SERVIÇO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa

UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa UNIVERSIDADE DO VALE DO SAPUCAÍ Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA LINGUAGEM MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO Pouso Alegre 2014 Universidade do Vale do Sapucaí

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 63/2009 Aprova o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em nível de Especialização, denominado

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Dispõe sobre a Orientação do Trabalho de Conclusão de Curso Superior de Tecnologia em Agronegócio da Faculdade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 13 /2015 PPGA/UECE

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 13 /2015 PPGA/UECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 13 /2015 PPGA/UECE O Magnífico Reitor da Universidade Estadual do Ceará, Prof. Dr. José Jackson Coelho Sampaio, no uso de suas atribuições estatutárias

Leia mais

EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 2013 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO

EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 2013 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO EDITAL Nº. 40 DE 27 DE AGOSTO DE 23 PROCESSO DE SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR SUBSTITUTO O Reitor da Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF, no uso das suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CULTURAS E IDENTIDADES BRASILEIRAS DO IEB: I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa Culturas e Identidades Brasileiras é a própria

Leia mais

EDITAL Nº 157, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 PROCESSO SELETIVO 2013/1 PARA INGRESSO DE ALUNOS NO IF FARROUPILHA CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO

EDITAL Nº 157, DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 PROCESSO SELETIVO 2013/1 PARA INGRESSO DE ALUNOS NO IF FARROUPILHA CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA REITORIA Rua Esmeralda, 430 Faixa Nova Camobi - 97110-767 Santa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação EDITAL Nº 021/2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação EDITAL Nº 021/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS Próreitoria de Pesquisa e Pósgraduação EDITAL Nº 021/2013 EDITAL DO PROCESSO PÚBLICO PARA SELEÇÃO E ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE FARMÁCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INOVAÇÃO FARMACÊUTICA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 EDITAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO DO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM ADMINISTRAÇÃO (CMAAD) DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA UECE (PPGA/UECE) Nº 37 /2015 O Magnífico

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA Capítulo I: Das Finalidades. Art.l - O Programa de Pós-Graduação em Matemática do Instituto de Matemática da UFRJ, a seguir designado por Programa, se destina a:

Leia mais

EDITAL N.º 016/2016 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM AGRONEGÓCIO

EDITAL N.º 016/2016 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM AGRONEGÓCIO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSANTES NO CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO MODALIDADE LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM AGRONEGÓCIO O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

Aprovado no CONGRAD: 24.08.10 Vigência: ingressos a partir 2011/1 CÓD. 622 - CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA MANHÃ E TARDE

Aprovado no CONGRAD: 24.08.10 Vigência: ingressos a partir 2011/1 CÓD. 622 - CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA MANHÃ E TARDE Aprovado no CONGRAD: 24.08.10 Vigência: ingressos a partir 2011/1 CÓD. 622 - CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I - NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática 10021

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS SUPERIORES I Regime de Ingresso 1. Podem concorrer à primeira matrícula nos CURSOS SUPERIORES DO ISTEC os indivíduos habilitados com: 1.1 Curso do ensino secundário, ou legalmente equivalente, com prova de ingresso

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 622/2004 Aprova o Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso -TCC, nos Cursos de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Tecnologia em Gestão da Tecnologia

Leia mais

REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA REFGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CANINDÉ CEARÁ 2014 R344 Regulamento das atividades complementares da licenciatura em matemática / Ana Claudia Gouveia de Sousa;

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS DA COMISSÃO DE MONOGRAFIA

CONSIDERAÇÕES GERAIS DA COMISSÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIURNO E NOTURNO NORMAS GERAIS DE DESENVOLVIMENTO DA MONOGRAFIA CONSIDERAÇÕES GERAIS Por monografia de graduação

Leia mais