UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE BELAS-ARTES IMAGENS PARA A INFÂNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE BELAS-ARTES IMAGENS PARA A INFÂNCIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE BELAS-ARTES IMAGENS PARA A INFÂNCIA PROCESSOS CONSTRUTIVOS DA ILUSTRAÇÃO DO LIVRO INFANTIL EM PORTUGAL Catarina Isabel Martins de Azevedo MESTRADO EM EDUCAÇÃO ARTÍSTICA 2007

2 UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE BELAS-ARTES IMAGENS PARA A INFÂNCIA PROCESSOS CONSTRUTIVOS DA ILUSTRAÇÃO DO LIVRO INFANTIL EM PORTUGAL Catarina Isabel Martins de Azevedo MESTRADO EM EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Dissertação orientada pelo Prof. Doutor Jorge Ramos do Ó 2007

3 AGRADECIMENTOS Gostaria de expressar os meus sinceros agradecimentos ao Professor Doutor Jorge Ramos do Ó pela orientação, pela transmissão dos seus conhecimentos e pela constante disponibilidade, sem os quais este trabalho jamais seria possível. Agradeço a preciosa ajuda e colaboração da Professora Doutora Ana Bela Mendes. A minha profunda gratidão ao Jorge Maurício pelo apoio incondicional desde o começo. A sua presença e compreensão foram elementos imprescindíveis de motivação e auxílio em todos os momentos. A todos os meus familiares e amigos que me apoiaram e incentivaram ao longo deste percurso, o meu sincero obrigada, especialmente a Andreia Moreira pela colaboração e pelas palavras carinhosas. Aos ilustradores e aos colegas Christine Reyntjens e Pedro Delgado, agradeço a colaboração e disponibilidade dispensada, sempre que foi necessário ao longo deste estudo. A todos os meus amigos e colegas do mestrado, especialmente à Lígia Duvergé, Ana Graça, Catarina Martins e Helena Cabeleira. Esta tese é dedicada à minha mãe por nunca ter deixado de acreditar em mim e a quem devo tudo o que sou. I

4 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal RESUMO Esta dissertação de mestrado apresenta como proposta a pesquisa sobre o processo construtivo da ilustração no livro infantil em Portugal, tendo como núcleo de análise dez entrevistas sobre a produção gráfica de alguns ilustradores: Alain Corbel, André Letria, Carla Pott, Cristina Sampaio, Inês de Oliveira, João Fazenda, João Vaz de Carvalho, Margarida Botelho, Pedro Morais e Teresa Lima. Pretende-se com este estudo contribuir para um conhecimento e uma compreensão melhores do quotidiano do ilustrador, através do estudo das suas preocupações, expectativas, decisões e da percepção que apresenta no trabalho criativo. A construção de todo o processo de estudo teve em consideração uma breve contextualização sobre o panorama infantil em Portugal. Para auxiliar o desenvolvimento da pesquisa foram tratadas questões relacionadas com a criação como um acto comunicativo, analisando-se: a noção que o ilustrador tem da percepção da criança leitora e as suas imposições; a importância da memória de infância na produção gráfica; a relação existente entre o discurso narrativo e a linguagem visual; por último, a intenção e fundamentação pedagógica na narrativa visual. O que o presente estudo visa, afinal, é ajudar a lançar novos olhares acerca do papel da ilustração, enquanto elemento na educação do olhar estético da criança. Palavras-chave: ilustração, literatura infantil, ilustradores, infância, educação artística. II

5 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal RÉSUMÉ Le thème de cette dissertation de maîtrise est la recherche sur le processus constructif de l illustration du livre infantile au Portugal. L analyse se base sur dix entrevues sur la production graphique de quelques illustrateurs à savoir : Alain Corbel, André Letria, Carla Pott, Cristina Sampaio, Inês de Oliveira, João Fazenda, João Vaz de Carvalho, Margarida Botelho, Pedro Morais et Teresa Lima. Cette étude, a comme objectif de contribuer pour une meilleure connaissance et compréhension du quotidien de l illustrateur, avec l étude de ses préoccupations, expectatives, décisions et avec la perception qu il présente dans le travail créatif. La construction de tout le processus de l étude a tenu en compte un bref encadrement du panorama infantile au Portugal. Pour aider le développemennt de la recherche on a réalisé des questions connexe avec la création comme un acte communicatif, en analysant la motion que l illustrateur a de la perception de l enfant lecteur et ses impositions ; l importance de la mémoire de l enfance dans la production graphique ; la relation existante entre le discours narratif et le langage visuel et, pour finir, l intention et la justification pédagogique dans la narrative visuelle. Ce que la présente étude vise, au fait, c est profiter d un éveil des consciences, ayant comme objectif l hypothèse du rôle de l illustration, en tant qu élément dans l éducation du regard esthétique de l enfant. Mots-clef : illustration, littérature infantile, illustrateurs, enfance, éducation artistique. III

6 ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS... I RESUMO... II RÉSUMÉ... III ÍNDICE GERAL... IV ÍNDICE DE FIGURAS... VI ÍNDICE DE ANEXOS...VII INTRODUÇÃO Selecção e caracterização da amostra Guião de entrevista Metodologia de análise das entrevistas Roteiro de escrita da dissertação...6 CAPÍTULO I - A ARTE DE ILUSTRAR PARA A INFÂNCIA Breve introdução sobre o panorama da ilustração infantil em portugal Definição do conceito ilustração infantil Ilustração ou Arte? A criatividade na ilustração para a infância...16 CAPÍTULO II - A IMAGEM E O DISCURSO NARRATIVO Introdução A importância da imagética no discurso narrativo A liberdade de expressão no processo criativo A autonomia ou descrição da imagética Uma ilustração, um significado...27 CAPÍTULO III - O AUTOR ILUSTRADOR Introdução Biografias O processo pessoal e o público alvo Inclusão do autor no processo imagético Ilustração e memórias de infância Técnicas de representação no processo criativo...67 CAPÍTULO IV - O PÚBLICO DA ILUSTRAÇÃO Introdução O público-alvo Especialização do ilustrador por faixa etária Imposições do público-alvo...73 CAPÍTULO V - PEDAGOGIA NA ILUSTRAÇÃO Introdução Intenção pedagógica na narrativa visual Fundamentação pedagógica na narrativa visual...79 IV

7 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal 4. Função da imagem na criança A criança e as novas tecnologias...82 CONSIDERAÇÕES FINAIS...85 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...88 ANEXO I Entrevistas aos Ilustradores...92 ANEXO II Grelha de Categorias V

8 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal ÍNDICE DE FIGURAS Ilustração 1 Alain Corbel, Ilhas de fogo...27 Ilustração 2 André Letria, Versos para os pais lerem aos filhos em noites de luar...28 Ilustração 3 André Letria, Letras e Letrias...29 Ilustração 4 Carla Pott, O Soldadinho de Chumbo...31 Ilustração 5 Cristina Sampaio, Bom dia Benjamim...32 Ilustração 6 Inês de Oliveira, Lendas e Contos Indianos...33 Ilustração 7 João Vaz de Carvalho, Prendas de Natal...35 Ilustração 8 João Fazenda Um Saltinho a Madrid...34 Ilustração 9 Margarida Botelho, Os Lugares de Maria...36 Ilustração 10 Pedro Morais, Branca Flor, o Príncipe e o Demónio...37 Ilustração 11 Teresa Lima, Histórias de Animais de Rudyard Kipling...38 Ilustração 12 Pedro Morais, Os Super 4 Sangue Secreto...66 VI

9 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal ÍNDICE DE ANEXOS (Algumas disponíveis em suporte digital na Contracapa) ANEXO I 1 - Entrevista ao ilustrador Alain Corbel...93 ANEXO I 2 - Entrevista ao ilustrador André Letria ANEXO I 3 - Entrevista à ilustradora Carla Pott ANEXO I 4 - Entrevista à ilustradora Cristina Sampaio ANEXO I 5 - Entrevista à ilustradora Inês de Oliveira ANEXO I 6 - Entrevista ao ilustrador João Fazenda ANEXO I 7 - Entrevista ao ilustrador João Vaz de Carvalho ANEXO I 8 - Entrevista à ilustradora Margarida Botelho ANEXO I 9 - Entrevista ao ilustrador Pedro Morais ANEXO I 10 - Entrevista à ilustradora Teresa Lima VII

10 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal INTRODUÇÃO A ilustração para a infância oferece-nos um campo de estudo inesgotável. No entanto, apesar da vasta publicação de estudos referentes à literatura para crianças e jovens, existe uma lacuna no que diz respeito à investigação teórica sobre a ilustração no livro infantil e o seu processo. A presente dissertação apresentará um estudo introdutório sobre o processo criativo do mundo pictórico da literatura infantil em contraste com o enriquecimento estético e contributo para a educação artística. Em algumas partes do mundo a ilustração para a infância é considerada uma manifestação de arte. De acordo com algumas entrevistas realizadas a alguns escritores sobre o significado da cor e da ilustração na literatura infantil em 1980, podemos analisar a relevância proporcionada pelas diferentes opiniões, tal como refere Sophia de Mello Breyner Andresen (1980) a ilustração deve ser iniciação cultural não só através do texto mas também através da ilustração e da qualidade gráfica. A autora defende que o ilustrador deve ser um verdadeiro pintor e artista por isso será fundamental que o pintor esteja disposto a mergulhar no reino da imaginação primordial que é o conto infantil. Segundo Ilse Losa (1980) a ilustração torna-se um elemento fulcral na literatura infantil, deve ser encarada como arte e imprescindível o contacto da criança desde cedo com os artistas plásticos do país, daí o cuidado de recorrer a ilustradores de qualidade. Luísa Ducla Soares (1980) indica que tanto a ilustração como a cor, constituem um apoio visual para o texto e simultaneamente um meio de estimular a sensibilidade estética. Já Maria Lúcia Namorado (1980) refere que são complementos enriquecedores da obra literária para a infância e que não pode deixar de ser uma expressão de arte. Alice Gomes (1980) classifica a ilustração para a infância como um complemento na literatura infantil, independentemente de apresentar cor, o desenho auxilia a criança leitora a formar imagens mentais que o texto 1

11 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal lhe propõe e sobre as quais tem dificuldade de concretização. Maria Cecília Correia defende a necessidade da visualização da imagem nos primeiros anos de vida de uma criança, pois guardará consigo aquilo que lhe for dado, daí a urgência de boas ilustrações. À luz da citação da ilustradora checa Kveta Pacovská - um livro ilustrado é a primeira galeria de arte que uma criança visita - poderíamos afirmar que um livro ilustrado dotado de imagens de acentuado valor estético, pode assumir um contributo importante para a Educação Artística; tanto na formação do leitor visual como na criança produtora de imagens, promovendo a sensibilização do olhar e uma experiência estética através de um acesso mais fácil e generalizado. Apesar do confronto de inúmeros veículos culturais para o público infantil, nomeadamente o cinema de animação, a banda desenhada e a publicidade foi escolhida a arte de ilustrar para a infância por vários motivos: a) a consciência do interessante e promissor desafio de tentar associar a formação visual do pequeno leitor com um objecto que lhe é próximo e acessível: o livro ilustrado; b) A preocupação com o livro entendido não apenas como suporte de palavras e ideias, mas também como um volume que se projecta no espaço e que desperta sentidos estéticos, sensações, amplia-se a percepção visual do que nos rodeia e como estimulante da criatividade, tudo através de um simples contacto do imaginário pictórico do ilustrador; c) O imenso fascínio que a ilustração infantil exerce sobre a minha sensibilidade estética; 2

12 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal d) Devido à carência de investigação teórica sobre a imagem no livro infantil, mesmo nos casos em a linguagem verbal e plástica são indissociáveis; e) E, sobretudo pela evolução da ilustração infantil em Portugal. O intuito do trabalho aqui desenvolvido traduz-se num estudo comparativo de alguns ilustradores residentes em Portugal, tendo como objecto a apreensão do processo criativo na concepção de imagens, tal como o seu contributo para o enriquecimento estético na criança leitora. A amostra do estudo é composta por dez ilustradores, nomeadamente: Alain Corbel, André Letria, Carla Pott, Cristina Sampaio, Inês de Oliveira, João Fazenda, João Vaz de Carvalho, Margarida Botelho, Pedro Morais e Teresa Lima, alguns através de encontros directos, com auxilio de um gravador áudio digital Olympus -Digital Voice Recorder VN-480 PC, quando não foi possível o encontro pessoal entre mim e o ilustrador, foi feito o inquérito através de correio electrónico. As declarações dos entrevistados encontram-se em anexo através do suporte de papel, assim como as gravações áudio disponíveis em suporte digital na contracapa. (Ver Anexo I, pág. 92) 1. Selecção e caracterização da amostra a) Que todos os ilustradores entrevistados apresentassem nacionalidade portuguesa ou que residissem em Portugal há pelo menos dois anos; b) Em relação à experiência, todos os ilustradores deviam ter participado ou ainda participam na publicação de livros infantis ilustrados. Todos os ilustradores concordaram em fazer parte da amostra, depois de expostos os objectivos de estudo. 3

13 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal 2. Guião de entrevista Foi utilizada uma entrevista com o objectivo de recolher as informações relativas ao pensamento e auto-percepção do processo criativo dos ilustradores, onde será discutido: a) A formação académica e profissional 1. Qual foi o seu percurso escolar?; 2. Qual foi o seu percurso profissional?; 3. Como chegou à ilustração? b) A existência ou não de uma recolha pedagógica sobre o público infantil. 4. No processo de criação de uma ilustração, tem por hábito a realização de alguma recolha documental de carácter pedagógico sobre o público infantil?; 5. Como se apercebe da formação do gosto e dos costumes culturais das crianças em torno das novas tecnologias?; 6. Existe uma faixa etária determinada, no público das suas ilustrações? Se não há, como convive com ideias de públicos diferentes?; 7. Entende que é importante especializar-se numa faixa etária específica, por exemplo, dos zero aos três anos ou dos três aos seis anos?; 8. Esteve alguma vez ligado à ilustração didáctica, relativa a manuais escolares? c) Os processos de tradução imagética da obra. 9. O que é para si a ilustração?; 10. Ilustração ou arte?; 11. A construção de uma ilustração depende dos autores do texto, ou tem bastante liberdade de expressão?; 12. Considera o seu trabalho, como ilustrador, entre o descritivo ou autónomo em relação ao texto?; 13. Que técnica artística costuma utilizar na Ilustração?; 14. Quando falamos de criatividade em ilustração de livros infantis, estamos a falar de quê, exactamente?; 15. Até que ponto, o público infantil impõe processos criativos diferentes: se altera toda a linguagem plástica ou só os temas, o que muda?; 16. Sente que o processo criativo o reenvia para a infância? Como? (Se através de filmes, livros ou revistas); 17. O que é mais decisivo no processo criativo: a imagem de si, como ilustrador, ou as fantasias que lhe surgem, sobre a criança leitora?;18. Como define a importância de um texto ser ilustrado?; 19. No 4

14 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal processo criativo, dá mais importância à originalidade ou à técnica?; 20. Já alguma vez aconteceu sentir a necessidade de se incluir nas ilustrações que produz? d) O impacto esperado na criança. 21. Qual é a sua opinião sobre o impacto esperado na criança, ao observar uma ilustração? Seduzi-la para a leitura? Levá-la a evadir-se da leitura; 22. Quais os temas que costumam fazer parte da sua ilustração (Ambiente, Ciência, Homem, Criança); 23. As suas ilustrações apresentam algum cariz pedagógico; 24. Escolha uma imagem produzida por si e descodifique-a. 3. Metodologia de análise das entrevistas A metodologia utilizada para analisar as entrevistas será a análise de conteúdo, que segundo Bardin (1977), é um método que possibilita inferências sobre as condições de produção das comunicações a partir de indicadores quantitativos ou não. Em seguida serão apresentados os passos a ter em conta nos procedimentos utilizados na análise de dados, e a sua posterior transformação em categorias. Em relação à metodologia de análise, a aplicação das entrevistas foi precedida de algumas preocupações a ter na aplicação desta técnica. Desta forma, foi necessário percorrer os seguintes passos, procedimentos e regras: a) Elaborar o guião de questões para a entrevista guiada; b) Contacto anterior com os ilustradores, para a autorização da entrevista e respectiva publicação na dissertação; c) Garantia da não utilização indevida ou abusiva das entrevistas e ilustrações; d) Preparação para a entrevista, tentando diminuir os receios que a entrevista sempre provoca nos entrevistados. Após a gravação áudio das entrevistas, foi necessário transcrever as declarações dos entrevistados para protocolo escrito, de forma a procederse mais facilmente à análise de conteúdo. O passo seguinte foi eliminar os 5

15 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal segmentos sem significado, bem como as repetições de palavras, muitas vezes naturais num discurso. O sistema de análise foi efectuado através do processo de categorização e de inferências. Segundo Bardin (1997) a categorização é uma operação de classificação de elementos constitutivos de um conjunto, por diferenciação e, seguidamente, por reagrupamentos segundo o género (analogia), com os critérios previamente definidos. Este procedimento permitiu quantificar os dados da entrevista para posterior análise, juntamente com os dados referentes ao processo criativo dos ilustradores. No que diz respeito ao sistema de categorização das entrevistas, foi realizada uma grelha categorial com as respectivas inferências que se encontra em anexo. (Ver Anexo II, pág. 177) Categorias: 1ª Formação Académica; 2ª Fundamentação Pedagógica; 3ª Novas Tecnologias; 4ª Público-Alvo; 5ª Especialização por Faixa Etária; 6ª Manuais Escolares; 7ª Definição do Conceito; 8ª Ilustração ou Arte; 9ª Relação Imagem/Texto; 10ª Autonomia da Imagem; 11ª Técnicas de Representação; 12ª Conceito Criatividade/Ilustração; 13ª Dinâmica do Processo Criativo; 14ª Processo Criativo/Infância; 15ª Processo Pessoal/Público-Alvo; 16ª Texto/Ilustração; 17ª Originalidade/Técnica; 18ª Inclusão do Autor; 19ª Função da Ilustração na Criança; 20ª Temas; 21ª Intenção Pedagógica 4. Roteiro de escrita da dissertação A presente dissertação dividir-se-á em cinco capítulos: no primeiro far-se-á uma breve introdução acerca do panorama da ilustração para a infância em Portugal. Serão abordados os conceitos dentro do tema, tais como: a ilustração infantil, a criatividade e a ilustração como forma de arte. No segundo capítulo proceder-se-á a uma análise acerca da relação entre a imagética na literatura infantil e o discurso narrativo. Para tal, abordar-se- 6

16 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal ão os aspectos inerentes a estes dois factores, que implicam a relevância da ilustração; analisar-se-á a existência ou não de liberdade por parte do ilustrador, na concepção da imagem; procurará perceber-se se o trabalho ilustrativo se apresenta autónomo ou descritivo em relação ao texto; por fim, proceder-se-á a análise descritiva por parte do ilustrador de uma ilustração da sua autoria. No terceiro capítulo perspectivar-se-á uma contextualização do autor ilustrador, atentando nos seguintes aspectos: análise das biografias; imagem de si como ilustrador e o impacto esperado na criança leitora; envolvimento pessoal no processo criativo, particularmente a inclusão ou não de si na ilustração; concepção de imagens como processo de reenvio para a infância e análise de procedimentos técnicos nas propostas visuais. O quarto capítulo do presente estudo ocupar-se-á do processo de avaliar o público da ilustração, no sentido de determinar a existência de uma faixa etária determinada; a pertinência no que diz respeito a uma especialização do ilustrador a um público-alvo específico e as imposições da criança leitora em relação aos temas propostos e respectiva linguagem plástica. O último capítulo desta dissertação visa a análise do papel pedagógico referente à alfabetização visual da criança leitora, ou seja, a existência de uma intenção de cariz pedagógico na proposta visual por parte do ilustrador; a presença ou não de uma fundamentação pedagógica na ilustração infantil; a intenção da ilustração para a criança, referentemente ao discurso narrativo, se existe um papel sedutor em relação ao texto ou de evasão e por último, o espaço das novas tecnologias em relação à leitura. O que o presente estudo visa, afinal, é tirar partido de um despertar de consciências em relação à ilustração infantil e o seu processo de concepção, como papel fundamental na formação artística da criança. 7

17 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal CAPÍTULO I - A ARTE DE ILUSTRAR PARA A INFÂNCIA Os últimos vinte anos trouxeram inovações tecnológicas de relevo que beneficiaram o aspecto gráfico da produção editorial. O frequente uso da impressão a quatro cores, o recurso ao computador, tanto para a impressão como para o desenho e também para a apresentação de originais, são elementos que contribuíram para notáveis alterações no trabalho de edição. Ligando estes benefícios à expansão do livro para o público infanto-juvenil, não podia deixar de se esperar que os reflexos da nova situação se avolumassem no campo da ilustração. (Rocha: 2001:163) 1. Breve Introdução sobre o Panorama da Ilustração Infantil em Portugal A extensão de assuntos a abordar nesta dissertação impossibilita uma visão histórica muito pormenorizada do panorama da literatura infantil em Portugal. Assim, serão mencionados, de um modo sucinto, apenas alguns marcos fundamentais, especialmente os aspectos conotativos do tema primordial deste estudo, sendo excluídos nomes de escritores e os seus respectivos livros. No século XIX assistimos a um momento marcante no historial da literatura para crianças. As profundas transformações sociais, derivadas da revolução burguesa na Europa da viragem do século XVII, impuseram alterações significativas ao conceito de infância que, paralelamente a uma metamorfose no domínio da educação, foram responsáveis pelo princípio de uma literatura destinada aos mais novos. Ressalte-se que, nas primeiras décadas do século XX, Portugal presencia o nascimento das correntes estéticas modernistas, que se fazem sentir de uma forma indirecta na ilustração de alguns livros infantis. Assim, surgem 8

18 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal ilustrações assinadas por nomes como: Màmia Roque Gameiro ( ); Raquel Roque Gameiro ( ); Milly Possoz ( ); Martins Barata ( ); Raul Lino ( ); Sarah Afonso ( ) ou em edições mais recentes, Luís Filipe de Abreu (1935). Em 1936 o governo de Oliveira Salazar leva a cabo uma reforma do Ensino Primário, que implica a redução da escolaridade obrigatória a três anos, o que resulta no encerramento de várias escolas generalizando-se a separação dos alunos por sexo. Diversas escolas do magistério Primário são encerradas, dando-se a extinção de classes infantis no ensino oficial. Portugal assiste por um lado à transformação de conteúdos de ensino simplistas e ideológicas, marcando assim nos anos trinta a sua política educativa, por outro lado, tal como refere José António Gomes, Os livros infantis ressentem-se desta situação: assiste-se ao surto de uma literatura de pendor nacionalista (por vezes historicista), não raro de cariz moralizante, onde se exaltam pretensos valores nacionais no contexto dos objectivos de doutrinação ideológica do Estado Novo. Neste período e salvo algumas excepções (...) não se regista, pois, um enriquecimento significativo da nossa literatura para crianças. (Gomes: 2002,15) Para além dos ilustradores referidos, outros nomes evidenciaram durante estas décadas nomeadamente, José de Lemos ( ) também escritor; Óscar Pinto Lobo ( ); Mário Costa; Emmerico Nunes ( ); Eduardo Teixeira Coelho ( ); Manuela Lapa; Laura Costa; Cambraia; Ofélia Marques ( ); Maria Vasconcellos e mais tarde, Neves e Sousa ( ); Júlio Pomar (1926) e Fernando Bento (1963) - que se imporá nos anos seguintes. Todavia, em 1956 a escolaridade passa a ser obrigatória para o sexo masculino, em 1960 para o sexo feminino e, em 1964, será alargado até seis anos. Estas transformações provocam uma explosão escolar e, 9

19 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal consequentemente, um aumento do público leitor que requer um maior número de material de leitura e maior diversidade. Salienta-se assim, em 1958, a criação da rede itinerante por parte da Fundação Calouste Gulbenkian e das bibliotecas fixas, três anos mais tarde, constituindo assim um passo importante no encontro facilitado da criança leitora e do adulto com o livro. Surgiam então várias movimentações que divulgavam os autores e a literatura para crianças mostrando a importância desta área cultural. Importa salientar que, entre os anos cinquenta e sessenta, se assiste à revelação ou à confirmação do talento de vários ilustradores, realçando os nomes de Maria Keill (1914); Câmara Leme; César Abbott; Armando Alves; Tòssan (1943); Fernando Bento (1963) e Leonor Praça. Em 2 de Abril de 1967 iniciou-se a comemoração do Dia Internacional do Livro Infantil, iniciativa do IBBY (International Board on Books for Young People). Entre 1974 e 1980, muitos foram os escritores e ilustradores que se dedicaram a esta área da criação. Não poderia deixar de destacar Manuela Bacelar (1943), vencedora de prémios de ilustração e que se ligou também a uma experiência dedicada ao álbum para crianças em idade pré-escolar, além de Júlio Resende (1917), Dário Alves (1940), João Machado (1942) e João Botelho (1949). Embora em Portugal fossem raras as apostas na criação e edição de livros ilustrados para os mais pequenos, a década de setenta assiste a um aparecimento de uma produção com interesse, destinada à faixa préescolar ou a crianças no início da Escola Primária. Importa salientar que a nossa literatura para a infância continuou a dispor de ilustradores de qualidade, cujo trabalho tem sido reconhecido, tanto a nível nacional como internacional. Assim, desde a década de setenta do século XX até à actualidade são muitos os que se vão dedicando com mais 10

20 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal regularidade à ilustração para crianças, tais como Henrique Cayatte (1957); António Modesto (1957); mais tarde juntaram-se Teresa Lima (1962); André Letria (1973); João Caetano (1962); João Fazenda (1979); Danuta Wojciechowska (1960); Alain Corbel(1965); João Vaz de Carvalho (1958); Cristina Valadas (1965); Luís Mendonça (1965); Elsa Navarro; Marta Torrão (1974); Carla Pott (1973); Margarida Botelho (1979); Inês de Oliveira (1979); Ângela Melo; José Manuel Saraiva (1974); Pedro Morais (1962); Cristina Sampaio (1960); Fernanda Fragateiro (1962); Carlos Marques; José Miguel Ribeiro (1966) entre outros. Todavia, não poderemos esquecer que para esta evolução de criadores e de novos talentos, contribuíram iniciativas como o Prémio Nacional de Ilustração (promovido pelo Instituto Português do Livro e das Bibliotecas e pela Associação Portuguesa para a Promoção do Livro Infantil e Juvenil secção portuguesa do International Board on Books for Young People) que teve início no ano de 1996, o Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças e jovens, modalidade ilustração, o Prémio do Melhor Livro de Ilustração Infantil (promovido pelo Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora, que teve início em 2003) e o Prémio ILUSTRARTE 1. Já em 1997 se realizava em Salamanca o IV Simpósio sobre a Literatura Infantil e Leitura intitulado La ilustración: primera lectura e educación artística. No início do encontro, a directora da Fundação de Madrid referiu que, tendo a literatura infantil um indiscutível valor, constituindo um caminho que conduz a um grande prazer e utilidade da leitura, será evidente que a ilustração constituirá a porta para esse caminho. Neste capítulo apresenta-se uma questão fulcral desta dissertação: a definição de ilustração infantil, um facto que por lacuna, não está patente 1 Um dos maiores contributos para a divulgação desta área em Portugal, um projecto cultural centrado no livro infantil ilustrado, com a primeira edição em 2003 e mais tarde a segunda edição em 2005, a Bienal Internacional de Ilustração para a Infância, ILUSTRARTE que tem lugar no Barreiro. 11

21 IMAGENS PARA A INFÂNCIA Processos Construtivos da Ilustração do Livro Infantil em Portugal no panorama literário infantil. Numa primeira secção será feita uma análise sobre a opinião pessoal de cada ilustrador com o intuito de esclarecer e definir o conceito. Numa segunda secção discutir-se-á o estatuto da ilustração como arte, sendo que esta questão surgiu através da leitura da entrevista inserida no catálogo pertencente à ILUSTRARTE e de como alguns países, nomeadamente Espanha, promovem a ilustração nesse sentido. Na última secção deste capítulo será feita uma análise acerca da concepção de criatividade na ilustração infantil. De que forma poderá o ilustrador conceber um trabalho criativo, a partir do momento em que está condicionado a um tema que lhe é imposto pelo escritor que cria a história. 2. Definição do Conceito Ilustração Infantil No que concerne às opiniões dos ilustradores, relativamente à definição pessoal sobre a ilustração, grande parte destes referiram que a ilustração para a infância constitui um complemento do texto e que esta não funciona como uma interpretação do mesmo. Segundo João Vaz de Carvalho a ilustração apresenta-se como uma forma de expressão que faz uso da imagética com o objectivo de transmitir ao leitor emoções que o autor tenciona transmitir. Assim, o ilustrador tem o dever de pesquisar, através da ideia do escritor, complementando através de imagens que seduzam o leitor, estabelecendo assim um ponto de contacto com o discurso literário. No que diz respeito a João Fazenda, este refere que a ilustração não se demonstra ilustrativa ou como uma legenda desenhada ; relaciona-se de uma forma muito dinâmica com o texto, tendo a obrigação de o completar e o enriquecer, excluindo a própria reprodução, transmitindo todos os factores exteriores. Já André Letria, alega que a ilustração 12

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074

Recensão Crítica. Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação. Docente: Prof. Fernanda Botelho. Teresa Cardim Nº 070142074 Recensão Crítica Língua Portuguesa e Tecnologias de Informação e Comunicação Docente: Prof. Fernanda Botelho Teresa Cardim Nº 070142074 Raquel Mendes Nº 070142032 Setúbal, Outubro de 2009 Referências Bibliográficas

Leia mais

Fundamentação do Projeto

Fundamentação do Projeto Fundamentação do Projeto Todos os alunos que têm uma alta dedicação à leitura alcançam pontuações de aptidão para a leitura que, em média, estão significativamente acima da média dos países membros da

Leia mais

A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos

A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos Apoio: A leitura e a discussão colectiva da banda desenhada: uma experiência e alguns apontamentos Grupo de Leitores de BD da Bedeteca de Lisboa Rosa Barreto e Pedro Moura Bedeteca de Lisboa 1996/2008

Leia mais

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO

2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO PROGRAMA DE DESENHO 10ª, 11ª e 12ª classes 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Área das Artes Visuais Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Desenho - 10ª, 11ª e 12ª classes EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica,

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores

Literatura infantil e juvenil Formação de leitores Coleção educação em análise A literatura é um campo privilegiado para ocultar/desocultar sentidos, e os livros contemporâneos (muitas vezes plenos de mensagens que vão além do texto literário, estabelecendo

Leia mais

Newsletter 92 - Dezembro 2013 Siga-nos: grupos de leitores 73ª Sessão. infoliteracia Correio Eletrónico ADULTOS

Newsletter 92 - Dezembro 2013 Siga-nos: grupos de leitores 73ª Sessão. infoliteracia Correio Eletrónico ADULTOS ADULTOS Newsletter 92 - Dezembro 2013 Siga-nos: As Bibliotecas Municipais de Oeiras desejam a todos os seus leitores e amigos Feliz Natal e um 2014 cheio de boas leituras! grupos de leitores 73ª Sessão

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente

O papel da prática pedagógica na formação inicial do docente Perspectivas e expectativas em relação à formação inicial e à profissão de educadora de Infância Ana Rita Graciano, Isabel Fialho IPSS Obra de S. José Operário, Évora Universidade de Évora Palavras-chave:

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA

DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA DESIGN Curso de Design de Comunicação / Curso de Design de Animação e Multimédia ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PARA MAIORES DE 23 ANOS Ano lectivo: 2014/2015 Data: 16 de Junho de 2014 Duração: 3h00m Valor

Leia mais

Escolas em Grande Plano

Escolas em Grande Plano Escolas em Grande Plano Integração do Vídeo na Educação e na Escola Trabalho realizado por: Elisa Castro e Fátima Chavarria Mestrado em Educação Tecnologia Educativa Tecnologia do Vídeo Docente: Doutor

Leia mais

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 /(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 CONSELHO EDITORIAL Luiz Percival Leme Britto (Universidade Federal do Oeste do Pará) Diógenes Buenos Aires de Carvalho (Universidade Estadual do

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego

AMIGOS DO PROJECTO. Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego Ler é sonhar pela mão de outrem. Fernando Pessoa, Livro do Desassossego AMIGOS DO PROJECTO O projecto Ler Mais e Escrever Melhor nasceu a 17 de Julho de 2008. Encontra-se numa fase de vida a infância que

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA

PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA PAINEL OFICINA DE HISTÓRIAS EM QUADINHOS NO PROJETO NOVA VIDA Fábio Tavares da Silva, Graduando Centro de Artes da Universidade Regional do Cariri - URCA Fábio José Rodrigues da Costa, Doutor Centro de

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Prefácio Prefácio Ao fim de uma década de seminários de investigação dedicados à apresentação de trabalhos empíricos e teóricos e à análise de temas específicos de educação matemática como a resolução

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

200 educação, ciência e tecnologia

200 educação, ciência e tecnologia 200 A LÍNGUA FRANCESA NO JARDIM DE INFÂNCIA E NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO * A Área Científica de Francês promoveu, no âmbito da Semana Cultural da Escola Superior de Educação de Viseu, que decorreu de

Leia mais

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO

GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO GUIÃO COMO FAZER UM TRABALHO BE-CRE 2012/2013 1ª Etapa Penso sobre o tema 2ª Etapa Onde vou encontrar a informação? 3ª Etapa Seleciono os documentos 4ª Etapa Recolho a informação 5ª Etapa Trato a informação

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense DESIGNAÇÃO OLHAR A FOTOGRAFIA,... DE OUTRO MODO LOCAL CLUB SETUBALENSE CARGA HORÁRIA - Nº de horas teóricas 28 h (4 módulos) - Nº de horas práticas (recolha

Leia mais

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Renata Cavalcanti Eichenberg (PUCRS) Orientadora: Vera Teixeira de Aguiar (PUCRS) De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que

Leia mais

2. REVISÃO DE LITERATURA

2. REVISÃO DE LITERATURA INVESTIGAÇÃO As histórias e os livros na Infância de pais e filhos Rute Moura Educadora de Infância 1. INTRODUÇÃO O presente estudo surgiu na sequência da nossa prática pedagógica como educadores de infância

Leia mais

PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais

PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: 1 Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais Autora: Carlanne Santos Carneiro (Graduada em Letras e mestranda em Educação/UFMG) Co-autores: Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DOS CONTOS DE FADAS PARA A CONSTRUÇÃO DO IMAGINÁRIO DAS CRIANÇAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Fernanda Maria Sousa Martins; Valdiêgo José Monteiro Tavares; Larissa Mabrine Dias da Silva; Professor

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE. Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares)

Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE. Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares) Nome: II Formar Bibliotecas Leitores Unidade orgânica: Divisão de Bibliotecas e Arquivos Municipais / Sector do SABE Data: Outubro de 2009 (Mês das Bibliotecas Escolares) Objectivos: A formação dos profissionais

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Actos de Fala Quadro Geral Significado e contexto

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA

A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA A IMPORTÂNCIA DO JOGO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Raquel Alves carinaferrao@live.com.pt Rita Brito britoarita@gmail.com RESUMO A Matemática é uma ciência de grande consideração para o desenvolvimento social

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007

ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa PLANO DE ACTIVIDADES BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS ANO LECTIVO 2006 / 2007 ESCOLA EB 2.3/S Dr. Isidoro de Sousa BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS PLANO DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO 2006 / 2007 Escola EB 2,3/S Dr. Isidoro de Sousa BE/CRE Pl de Actividades Ano Lectivo

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE HISTÓRIA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia do Ensino de História - 11ª, 12ª

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

Do Jornalismo aos Media

Do Jornalismo aos Media Do Jornalismo aos Media Estudos sobre a realidade portuguesa Rogério Santos Universidade Católica Editora Índice Introdução 7 Parte I Elementos para a história dos media em Portugal Jornalismo português

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

Metodologias de intervenção:

Metodologias de intervenção: Metodologias de intervenção: Algumas estratégias de intervenção Na intervenção directa com as crianças tenta-se reflectir o clima institucional da Casa da Praia. A dinâmica do funcionamento em Equipa,

Leia mais

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso. UM JORNAL DE PAREDE NUMA COMUNIDADE ESCOLAR É certo que faz parte

Leia mais

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO

1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1 - JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO A actual transformação do mundo confere a cada um de nós professores, o dever de preparar os nossos alunos, proporcionando-lhes as qualificações básicas necessárias a indivíduos

Leia mais

Receita para a Felicidade : Da compreensão de textos à escrita criativa

Receita para a Felicidade : Da compreensão de textos à escrita criativa A C T A S D O I E I E L P Receita para a Felicidade : Da compreensão de textos à escrita criativa Receita para a Felicidade : Da compreensão de textos à escrita criativa Conceição Manaia Professora do

Leia mais

Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças

Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças Directrizes para serviços de bibliotecas para crianças Os serviços de bibliotecas para crianças são mais importantes do que nunca para as crianças e para as suas famílias em todo o mundo Prefácio A sociedade

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA. Gabinete da Qualidade Observatório da Qualidade Agosto 2008 AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Agosto 08 de Comunicação e Design Multimédia 08 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. População e Amostra 5 3. Apresentação de Resultados 6 3.1. Opinião dos alunos

Leia mais

Dissertações de Doutoramento

Dissertações de Doutoramento Revista Portuguesa de Educação, 2006, 19(1), pp. 187-198 2006, CIEd - Universidade do Minho Dissertações de Doutoramento Marlène Fernandes da Silva e Silva (2005). A Pragmática Lexicultural em Educação

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA. A equipa de jornalistas

Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA. A equipa de jornalistas Centro de Transição para a Vida Adulta e Activa JORNAL VIDA ACTIVA A equipa de jornalistas Da esquerda para a direita e de cima para baixo: Tiago Videira, Albino Silva, Mafalda Celeste, Maria do Carmo

Leia mais

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável. b. Promover a contribuição das artes e humanidades,

Leia mais

Metodologias de Investigação em Educação

Metodologias de Investigação em Educação FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO Departamento de Química Metodologias de Investigação em Educação Relatório realizado por: Ana Amaro Andreia Póvoa Lúcia Macedo Ano lectivo 2004/2005 Índice

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais

31º Curso Normal de Magistrados para os Tribunais Judiciais A 796 Neuza Soraia Rodrigues Carvalhas Direito e Processual 729 Maria Teresa Barros Ferreira Direito e Processual 938 Rute Isabel Bexiga Ramos Direito e Processual 440 Inês Lopes Raimundo Direito e Processual

Leia mais

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS

EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS EXTERNATO JOÃO ALBERTO FARIA Arruda Dos Vinhos PLANO DE ACTIVIDADES CENTRO DE RECURSOS 2006 / 2009 Setembro 2006 PROJECTO DE TRABALHO DO CENTRO DE RECURSOS - 2006/09 PLANO NACIONAL DE LEITURA Identificação

Leia mais

BIOGRAFIA LINGUÍSTICA E SENSIBILIZAÇÃO À DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NOS PRIMEIROS ANOS DE ESCOLARIDADE

BIOGRAFIA LINGUÍSTICA E SENSIBILIZAÇÃO À DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NOS PRIMEIROS ANOS DE ESCOLARIDADE BIOGRAFIA LINGUÍSTICA E SENSIBILIZAÇÃO À DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NOS PRIMEIROS ANOS DE ESCOLARIDADE Filomena Martins Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa Universidade de Aveiro Este trabalho

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Retratos de Trabalho

Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho é uma exposição fotográfica organizada pela Cidade das Profissões e pelo Museu da Indústria do Porto que convida a comunidade do Porto a revisitar profissões e

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Resultados da 2ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14320023 ALEXANDRE VAZ MARQUES VASCONCELOS Colocado em 1105 Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia 9897 Ciências de Engenharia - Engenharia de Minas e Geoambiente 13840715 ANA CLÁUDIA DIAS MARTINS

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57.

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57. Nome da Escola : Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra Data final da candidatura : 2014-02-03 Disciplina Projeto: Higiene, Saúde e Segurança no trabalho Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57 Nº Candidato

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães.

NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. NARRATIVAS E PRÁTICAS DE LEITURA NA CRECHE: RELATOS SOBRE A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA BEBÊS. Uma experiência com mães. Autores: DILMA ANTUNES SILVA 1 ; MARCELO NASCIMENTO 2. Modalidade: Relato de experiência.

Leia mais

Jornadas de Enfermagem em Pediatria e Neonatologia: A criança sob o olhar de quem cuida.

Jornadas de Enfermagem em Pediatria e Neonatologia: A criança sob o olhar de quem cuida. Jornadas de Enfermagem em Pediatria e Neonatologia: A criança sob o olhar de quem cuida. Ensinar para Cuidar: Enfermagem Pediátrica que Futuro? Bom dia a todos os presentes, aos colegas de mesa e à comissão

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

2. Características das WebQuests Actividade de grupo aprendizagem colaborativa Contêm elementos de motivação intrínseca

2. Características das WebQuests Actividade de grupo aprendizagem colaborativa Contêm elementos de motivação intrínseca 1. Introdução Nas páginas WWW encontram-se diversos tipos de actividades para os alunos concretizarem, tais como: histórias interactivas, excursões virtuais, caça ao tesouro, visitas ao passado, WebQuests.

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Fototeca Municipal. Regulamento

Fototeca Municipal. Regulamento Fototeca Municipal Regulamento Índice 1. Norma Habilitante 2. Definição 3. Objectivos 4. Cedência de Fotografias 5. Condições de Utilização 6. Direito de Propriedade 7. Acesso Requisitos e Contactos 8.

Leia mais

Atividade Física e Desportiva em crianças com necessidades educativas especiais: inclusão, adaptações e bullying

Atividade Física e Desportiva em crianças com necessidades educativas especiais: inclusão, adaptações e bullying In: B. Pereira & G.S. Carvalho (Coord.) (2011) Atas do VII Seminário Internacional de Educação Física, Lazer e Saúde: A atividade física promotora de saúde e desenvolvimento pessoal e social. CIEC, Instituto

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Técnicas de Representação Digital I Área Científica: Desenho (DES) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 3º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015

LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS. Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110. Ano Letivo - 2014/2015 LISTA DE CANDIDATOS ADMITIDOS E NÃO ADMITIDOS Concurso Oferta de Escola para Contratação de Docente Grupo 110 Ano Letivo - 2014/2015 CANDIDATOS ADMITIDOS: Nº Candidato NOME OSERVAÇÕES 1367130034 Alexandra

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado

PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA. Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado PLANO DE PROMOÇÃO DA LEITURA Agrupamento de Escolas Mosteiro e Cávado 2014 1.Apresentação do plano 2. Objetivos gerais 3. Orientações 4. Objetivos específicos 5. Atividades 6. Avaliação 7. Aneos A leitura

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1

A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A AUTO-AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR EM PORTUGAL Cláudia Valadas Urbano 1 A presente comunicação resulta de um trabalho desenvolvido pelo CEOS Investigações Sociológicas da Faculdade de Ciências Sociais

Leia mais

Escrita Eficiente sem Plágio

Escrita Eficiente sem Plágio Escrita Eficiente sem Plágio Produza textos originais com qualidade e em tempo recorde Ana Lopes Revisão Rosana Rogeri Segunda Edição 2013 Direitos de cópia O conteúdo deste livro eletrônico tem direitos

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

Nº Escola : 145464. Nº Horário : 79. Nº Horas: 25. Tempo de Serviço antes da profissionalização. Data de Nascimento

Nº Escola : 145464. Nº Horário : 79. Nº Horas: 25. Tempo de Serviço antes da profissionalização. Data de Nascimento Nome da Escola : Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes, Portimão Nº Escola : 145464 Data final da candidatura : 2016-01-19 Nº Horário : 79 Grupo de Recrutamento: 110-1º Ciclo do Ensino Básico Nº

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais