A metáfora na ilustração narrativa de livros. Jorge Alberto Paiva da Costa 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A metáfora na ilustração narrativa de livros. Jorge Alberto Paiva da Costa 1"

Transcrição

1 A metáfora na ilustração narrativa de livros Jorge Alberto Paiva da Costa 1 Resumo: A ilustração ao utilizar-se de figuras de linguagem tem o poder de aproximar o conteúdo da mensagem do leitor. Partindo do ponto de vista de Gombrich de que as metáforas são um código de símbolos que constantemente são associados a maturidade emocional e cultural e que podem ser tanto de uso regional, como universal, pretende-se estudar os efeitos das metáforas visuais na narrativa de livros ilustrados através de uma análise semiótica. As análises serão feitas a partir das ilustrações de John Howe, ilustrador de livros inglês. E o método será embasado na semiótica Peirciana através dos estudos de Lúcia Santaella no livro Matrizes da Linguagem e pensamento. Palavras chave: semiótica, metáfora, ilustração, narrativa. Introdução O gênero de ilustração narrativa foi definido por Oliveira, segundo o autor: o que fundamentalmente caracteriza esse gênero são o narrar e o descrever histórias através de imagens, o que não significa em hipótese alguma uma tradução visual do texto. A ilustração começa no ponto em que o alcance literário do texto termina, e vice-versa (OLIVEIRA, 2008, p.44) Portanto, a ilustração narrativa refere-se ao descrever e narrar histórias através de imagens, por meio de uma relação íntima com o texto literário. Cavalcante em artigo sobre as figuras de linguagem, afirma que a ilustração inserida no texto por um lado, pode levar a conteúdos banais e alienantes de fácil e rápida captação mas que, por outro lado, pode trazer novas possibilidades abertas para construção de sentidos (CAVALVANTE, 2008, p.55). Cavalcante, sustenta que a ilustração assim vai além de um ornamento, de uma descrição, ou mesmo da tradução de um texto. Ilustrar, implica na construção de uma narrativa visual paralela ao texto e de uma construção de novos sentidos em sua relação com texto escrito. Uma das formas de trabalhar esta construção de novos sentidos acontece através da criação de metáforas. (CAVALVANTE, 2008, p.56). Utilizando-se de metáforas, a ilustração pode ampliar o sentido de uma mensagem verbal, além de representar uma síntese de idéias, ou de um conceito maior. Goodman, declara que o uso de metáforas não é apenas o resultado do amor pela cor literária, mas também da necessidade urgente de economia (GOODMAN, 2006, p.106). Assim, a partir de metáforas, a ilustração consegue que o seu leitor tome ciência de um conteúdo abstrato com a instantaneidade da visão. Goodman em seu texto sobre a metáfora discorre textualmente sobre uma série de metáforas ou figuras de linguagem como: a aliteração, a apóstrofe, o eufemismo, a aplicação literal, a hipérbole, a diminuição, a ênfase excessiva, a ênfase insuficiente e a ironia (GOODMAN, 2006, p.107). Guaraldo (2007) em dissertação de doutorado desenvolveu boa parte destas figuras de linguagem relacionando-as ilustrações de jornais e revista. Gombrich ao abordar o assunto da metáfora na arte, refere-se à metáforas visuais, que são as metáforas comunicadas através da linguagem visual. Gombrich conta que a metáfora decorre da infinita elasticidade da mente humana de perceber e assimilar que experiências novas são modificadas de outras mais antigas, a aptidão de descobrir equivalências nos fenômenos mais disparatados e de substituir um por outro qualquer (GOMBRICH, 1999, p.14). Guaraldo comenta que entende-se que a mente opera através de mecanismos de similaridade (metáfora) e também de correspondência (metonímia), conexão (sinédoque), e contrariedade (ironia) (GUARALDO, 2007, p.103). Guaraldo descreve que: 1 Jorge Alberto Paiva da Costa. Mestrando em design na Universidade Anhembi Morumbi. Formado em Programação Visual pela Universidade Mackenzie. Atuo como professor e freelancer na área de design e ilustração. Site: Telefone:

2 A elaboração de estruturas metafóricas, que são da natureza da vida mental, são sem dúvida a essência do trabalho do ilustrador. A escolha do termo apropriado para a comparação metafórica tem a ver com o atributo que se quer ressaltar, escolhendo para isso um representante por excelência, tendo esse termo um traço distintivo que se impõe aos sentidos, tornando familiar aquilo que poderia ser distante e abstrato (GUARALDO, 2007, p.103) O que colabora com o argumento de Guaraldo em aproximar a assimilação do texto através do uso da metáfora na ilustração é a constatação de Gombrich de que as metáforas são um código de símbolos que constantemente são associados a maturidade emocional e cultural. A metáfora dinheiro não dá em árvore é um exemplo de Gombrich do uso de metáfora associada ao uso cultural e regional (GOMBRICH, 1999, p.18). As metáforas naturais são definidas por Gombrich como aquelas que são de um entendimento quase universal como por exemplo o contraste entre luz e escuridão mostrarem um conflito entre o bem e o mal. Um exemplo empregado pelo autor é o brilho estar relacionado a beleza, ao divino e ao amor. Segundo Gombrich contrastes como claro e escuro, belo e feio, grande e pequeno, que constituem coordenadas do universo mítico do cartunista, não seriam tão eficazes se todos não estivéssemos inclinados a categorizar o mundo que nos rodeia em tais metáforas emocionais básicas (GOMBRICH, 1999, p.139). Em seu estudo Gombrich afirma que as metáforas são facetas da intraduzível experiência de uma plenitude de valores que fala ao homem inteiro (GOMBRICH, 1999, p.29). Torna-se então indissolúvel que a metáfora faz parte do aprendizado de um código da experiência e da natureza humana. Naturalmente, podemos notar a afirmação de Benjamin que escreveu que a experiência que passa de pessoa a pessoa é a fonte a que recorreram todos os narradores. E incorpora as coisas narradas à experiência dos seus ouvintes (BENJAMIN, 1996, p.198). Benjamin ao falar que a experiência de vida é a base da narrativa, está fazendo uma crítica ao romance em seu texto O narrador, porém sua afirmação também é verdadeira à arte de ilustrar. O ilustrador para narrar uma cena, depende não apenas dos seus conhecimentos sobre desenho, pintura e linguagem visual, mas também do seu conhecimento de mundo e cultura, sobretudo quando visa comunicar-se através de metáforas. Gombrich ao falar da leitura da arte narrativa, afirma que o que lemos nessas formas casuais depende da nossa capacidade de reconhecer nelas coisas ou imagens que temos armazenadas na mente (GOMBRICH, 2007, p. 155). Segundo o autor, na arte narrativa o artista preocupa-se não apenas no o que, mas também no como dos acontecimentos, e esta distinção entre um e outro seria impossível de se manter: A pintura da criação não diz apenas, como o faz a Sagrada escritura, que "no princípio Deus criou o céu e a terra. Queria ou não queira, o artista pictórico tem de incluir informações involuntárias e não premeditadas sobre a maneira pela qual Deus agiu e até que aspecto ele e o mundo tinham no primeiro dia da criação (GOMBRICH, 2007, p.110). Vemos através de Gombrich que no processo de concepção da imagem narrativa, o artista é fatalmente levado à exploração de efeitos visuais, e a interpretação desses efeitos (GOMBRICH, 2007, p.117). Esses efeitos visuais comumente dependem do aprendizado de um código que provém das vivências humanas, ou da cultura, adquirindo quase sempre um sentido de metáfora. Podemos perceber o emprego destes efeitos visuais através da análise de Arnheim da obra de Michelangelo: O criador, em vez de soprar uma alma viva ao corpo de argila um motivo difícil de se traduzir para uma configuração expressiva, estende-se em direção ao braço de Adão, como se uma centelha animadora, saltando da ponta de um dedo para a ponta de outro, fosse transmitida do criador para a criatura. A ponte do braço liga visualmente dois mundo separados: a compacidade auto-contida do manto que envolve Deus e o movimento para frente é dado pela diagonal do corpo; e o pedaço incompleto e plano da terra, cuja passividade é expressa no declive posterior de seu contorno. Há passividade também na curva côncava sobre à qual o corpo de Adão é moldado. Ele está deitado no chão e com possibilidade de erguer-se parcialmente pelo poder atrativo do criador, que se aproxima. O desejo e a capacidade potenciais para erguer-se e andar são indicados como um tema secundário na perna esquerda, que também serve de apoio para o braço de Adão, impossibilidade de manter-se livremente como o braço de Deus, carregando energia (ARNHEIM, 2008, p.451) Vemos na análise de Arnheim, que a postura curvada do homem, bem como todas as forças e tensões criadas para comunicar sua condição em relação ao criador, induzem a interpretação de um código cultural que temos armazenado em nossas mentes. Vemos também os efeitos visuais utilizados geram uma interpretação que relaciona-se diretamente ao tema da obra e ao texto bíblico. Gombrich considera este tipo de situação como metáforas visuais, porém para ele: Desse ponto de vista, as metáforas não são, basicamente, sentido transferidos, vinculações estabelecidas, como o entende a teoria clássica da expressão metafórica. São indicadores de vinculações ainda não rompidas, de pombais suficientemente amplos para abarcar tanto o azul de 2

3 um céu de primavera quanto um sorriso de uma mãe. Ao interesse dessas categorias acrescenta-se o fato de muitas vezes elas serem intra-sensoriais: o sorriso pertence à categoria das experiências calorosas, brilhantes, doces; a carranca é fria, escura e amarga nesse mundo primevo onde todas as coisas hostis ou desagradáveis se nos afiguram semelhantes ou pelo menos equivalentes (GOMBRICH, 1999, p.48). Gombrich relaciona essa capacidade de categorizar o que vemos com casualidade do próprio instinto de sobrevivência. E ao categorizar, Gombrich define que evocamos reações fisionômicas em relação ao que observamos, ou seja, interpretamos a mensagem ao nosso modo. Assim, Gombrich conclui que o que denominamos caráter expressivo dos sons, das cores ou das formas nada mais é, afinal de contas, que a capacidade de evocar reações fisionômicas (GOMBRICH, 1999, p.49). Deste modo, Gombrich afirma que nem todas as metáforas estão relacionadas à apelos culturais. Segundo o autor, existe em todos nós alguma disposição inata a identificar determinadas sensações com determinados tons sentimentais (GOMBRICH, 1999, p.55). Ele complementa dizendo que toda cor, som ou forma tem um tom sentimental natural assim como toda sensação tem uma equivalência no mundo da visão e do som (GOMBRICH, 1999, p.55). Gombrich também refere-se à metáforas sinestésicas, que são aquelas que transferem qualidades de uma experiência sensorial para outra (GOMBRICH, 1999, p.14). Alguns de seus exemplos para essas metáforas são cor gritante, tom aveludado e voz escura. Santaella em seu livro Matrizes da linguagem e pensamento (2010) apresenta sua teoria de que as linguagens são hibridas e que existem três lógicas distintas que alicerçam cada uma das três linguagens. A linguagem sonora no eixo lógico da sintaxe, a linguagem visual no eixo lógico da forma e a linguagem verbal no eixo do discurso. Cada uma destas categorias são relacionada as tríades Peircianas estando a sintaxe na primeiridade, a Forma na secundidade e o Discurso na terceiridade. No estudo de Santaella, a lógica da matriz verbal, por exemplo, não necessariamente precisa estar manifesta em palavras, assim como, a lógica da matriz sonora não necessariamente deva estar manifesta como som. Exemplo disto, seria a nossa escrita, que embora carregue as convenções da linguagem verbal, não deixam de ter sua hibridização com a visualidade. Dentro da classificação de Santaella a narrativa faz parte do discurso verbal, e embora possa hibridizar-se com a matriz da linguagem visual para manifestação das narrativas visuais, cada uma das lógicas das matrizes permanece inalterada mesmo quando há maior presença de uma sobre outra. Ou seja, é uma classificação de categorias fluídas que se sobrepõe umas às outras. Deste modo, através da linguagem visual com hibridizações com a linguagem verbal, a ilustração encontra o seu próprio meio de descrever e narrar e conseqüentemente, encontra seu próprio meio de expressar metáforas. Santaella introduz que há dois conceitos centrais embutidos na noção de metáfora de um lado, transferência e seus sucedâneos, substituição e tradução: de outro lado, similaridade e seus sucedâneos, comparação e analogia (SANTAELLA, 2009A, p.303). O primeiro reporta-se ao conceito abrangente de metáfora como sinônimo de qualquer figura de linguagem. Enquanto o segundo refere-se à metáfora em um sentido estrito, como uma figura de linguagem entre outras. A metáfora foi definida por Santaella como categoria da descrição qualitativa do discurso verbal. A metáfora enquanto código estabelecido por convenção, encontra respaldo na terceiridade das categorias Peircianas, na lógica do discurso verbal. A categoria descrição qualitativa foi dividida em três outras categorias: a descrição qualitativa imagética, diagramática e metafórica. Estas categorias refere-se ao fato de que para Peirce a metáfora funciona em três níveis. Santaella comenta que para Peirce as metáforas são um signo icônico, pois exibem uma espécie de terceiro nível de iconicidade operando em três níveis: No primeiro nível, o da imagem, os hipoícones representam seus objetos por similaridade na aparência, quer dizer, por meio de similaridades qualitativas. No segundo, o do diagrama, os hipoícones representam seus objetos devido a uma similaridade estrutural entre as relações dos seus elementos e aquelas do objeto. No terceiro nível, as metáforas são definidas como signos que representam o caráter representativo de um representamen [signo] por representarem um paralelismo com algo mais (CP2.277). A metáfora, portanto, estabelece um paralelo entre o caráter representativo do signo, ou seja, seu significado, e algo diverso dele (SANTAELLA, 2009, p.304) É importante, enfatizar que a existência da terceiridade pressupõe a existência da primeira e da segunda, ou seja a existência da metáfora pressupõe a existência do diagrama e consequentemente da imagem. As metáforas visuais de acordo com a teoria de Santaella, exigem uma hibridização da lógica da matriz verbal com a matriz da linguagem visual. Ao hibridizar-se com as formas visuais inserem-se obrigatoriamente terceiro nível das categorias da linguagem visual, o nível das formas representativas: também chamadas de simbólicas, são aquelas que, mesmo quando reproduzem a aparência das coisas visíveis, essa aparência é utilizada apenas como meio para representar algo que não está visivelmente acessível e que, via de regra, tem um caráter abstrato geral. O conceito peirciano do 3

4 símbolo cabe aqui com justeza, visto que o símbolo é um representamen que preenche sua função sem depender de qualquer similaridade ou analogia com o seu objeto e é igualmente independente de qualquer ligação factual, sendo símbolo unicamente por ser interpretado como tal (SANTAELLA, 2009, p.246). Embora as categorias das formas representativas tenham a capacidade de codificar o significado, esta codificação nem sempre atingirá o valor de metáfora, podendo abarcar conceitualmente outras figuras de linguagem como a alegoria, a hipérbole, ou meramente símbolos estabelecidos por convenção que não encaixam-se dentro das figuras de linguagem. Porém a metáfora, hibridizada com as formas visuais sempre atingirá um valor simbólico próprio das formas representativas. Como foi dito a existência da terceiridade implica na existência da segunda e da primeira. Assim, embora as hibridizações sejam fluídas, as metáforas visuais podem apresentar com maior ou menor força traços da primeira ou da secundidade. No nível da secundidade as metáforas operam com maior força quando hibridizam-se das formas figurativas: Assim sendo, formas figurativas dizem respeito às imagens que basicamente funcionam como duplos, isto é, transpõem para o plano bidimensional ou criam no espaço tridimensional réplicas de objetos preexistentes e, o mais das vezes, visíveis no mundo externo. São formas referenciais que, de um modo ou de outro, com maior ou menor ambigüidade, apontam para objetos ou situações em maior ou menor medida reconhecíveis fora daquele imagem. Por isso mesmo, nas formas figurativas, é grande o papel desempenhado pelo reconhecimento e pela identificação que pressupõem a memória e a antecipação no processo perceptivo. Nessas formas, que buscam reproduzir o aspecto exterior das coisas, os elementos visuais são postos a serviço da vocação mimética, ou seja, produzir a ilusão de que a imagem figurada é igual ou semelhante ao objeto (SANTAELLA, 2009, p.227). Um dos exemplos de metáforas presente nas formas figurativas foi comentado na análise de Arnheim que revelou todo código metafórico contido na postura do homem e de deus na pintura da criação de Michelangelo. Outro exemplo, pode ser encontrado na arte do antigo Egito, onde o Faraó é representado como um gigante em relação aos súditos. No nível da primeiridade das formas da linguagem visual encontramos as formas não-representativas: redução da declaração visual a elementos puros: tons, cores, manchas, brilhos, contornos, formas, movimentos, ritmos, concentrações de energia, textura, massas, proporções, dimensão, volume etc. A combinação de tais elementos não guarda conexão alguma com qualquer informação extraída da experiência visual externa. São relações visuais intrínsecas que não estão a serviço de qualquer ilustração. [...] são formas que carecem material, estrutural e iconograficamente de qualquer referência exterior. Não são figurativas, nem simbólicas, não indicam nada, não representam nada. São o que são e não outra coisa (SANTAELLA, 2009A, p.210). O aparecimento de uma hibridização da metáfora com as formas não-representativas, implica na existência de categorias das formas representativas da linguagem visual. Deste modo as cores, o tom, as concentrações de energia, ganham um sentido simbólico, ou seja representativo. Como vimos as cores e os contrastes podem atingir um sentido metafórico. Cada uma destas três categorias da linguagem visual apresentadas se dividem em mais outras três, e que se dividem em mais três categorias. Ao todo são 27 categorias da linguagem visual, 27 da linguagem verbal e mais 27 da linguagem sonora. Visto que as hibridizações possíveis são muitas, neste artigo, pretendo estudar como as metáforas agem ao hibridizar-se com as formas não-representativas através dos elementos visuais, e nas formas figurativas através dos personagens e suas posturas e objetos do cenário. Do que podemos retirar da lógica Peirciana sobre as metáforas é que, nas matrizes da linguagem e pensamento, há um modelo de auxilio para rastreamento dos recursos das metáforas visuais, além de também poder auxiliar o ilustrador como um método de raciocínio utilizado no trabalho da criação de metáforas. Como vimos até agora para criação de ilustrações narrativas que possuem sua origem no texto literário, quase sempre é necessário a exploração de efeitos visuais que sintetizem conceitos e códigos próprios da metáfora. Visto todas estas características das metáforas visuais, vamos agora analisar algumas ilustrações de John Howe, para percebermos como é dinâmico este processo das categorias. John Howe, é um ilustrador de livros inglês que juntamente com Alan Lee ficou conhecido por seus trabalhos nos livros de O senhor dos anéis e posteriormente nas ilustrações que inspiraram os personagens e cenários do filme da mesma franquia. Em seu livro, Fantasy art workshop, Howe (2007) apresenta estudos de caso do seu processo de criação de uma ilustração para livros, que parte do esboço e das primeiras camadas de tinta até a finalização. 4

5 A primeira ilustração que vamos analisar foi intitulada por Howe de Fitzchivalry Tom Badgerlok, e é parte de uma série de trabalhos realizados pelo ilustrador para a trilogia de livros The tawny man escrita por Robin Hobb. No nível da primeiridade das formas visuais, vemos o brilho como elemento na luz que entorna a cabeça do herói. Ao nos depararmos com a luz que ilumina o herói, podemos deduzir através das relações metafóricas que ele é de boa índole. Afinal é um código cultural, ou uma metáfora natural. No diagrama de relações que a metáfora sugere através do jogo de luz e sombras, poderíamos relacionar que a razão e as ações do herói são guiadas pela luz, já que a sua cabeça e suas mãos estão no topo do quadro onde a luz à ilumina. Porém, podemos pensar também que algo maligno sempre o espreita, já que as sombras também são abundantes sobretudo nas partes mais baixas do corpo da personagem. As cores que caracterizam as colunas do cenário são amareladas e avermelhadas, e poderíamos criar relações destas cores com as cores da batalha, onde o barro e o sangue se misturam. A luz branca e amarelada que entram por entre as colunas poderiam simbolizar a fé e a esperança dos guerreiros nas forças divinas. No nível da secundidade das formas visuais, vemos emergir das formas figurativas o valor de metáfora através da postura e do olhar do personagem. Howe descreve que o personagem por ele ilustrado, é bondoso, corajoso e destemido, porém ingênuo, e torna-se uma marionete fácil nos jogos de poder (HOWE, 2007, p.64). Talvez por isto, o ilustrador tenha representado o guerreiro com o pescoço levemente curvado, o que parece uma metáfora na postura do herói que denota desconfiança. Porém ao encarar o leitor, o herói demonstra sua coragem. Outra metáfora que podemos encontrar dentro das formas figurativas está nas colunas do cenário. Em uma narrativa onde a imagem aparece apenas entre dezenas e dezenas de texto escrito, o valor simbólico de toda cena colocada em uma ilustração deve ser muito bem planejado, o que exigem do ilustrador um trabalho de concepção de um conceito e aplicação prática, através de uma comunicação eficiente através da linguagem visual. Deste modo representar o guerreiro fechando uma composição com duas grandes colunas, parece ressaltar o peso e a força de um guerreiro. As colunas assim como os guerreiros, são um símbolo de ordem e sustentação social. A próxima ilustração que iremos analisar foi chamada In to the green por Howe. Ela é descrita por Howe como uma personagem fascinante e um pouco perigosa, que é a uma personificação da floresta (HOWE, 2007, p.80). Diferente da primeira ilustração analisada, os contrastes de luz e sombras aqui não simbolizam uma disputa entre o bem e o mal, mas sim, denotam a coexistência das duas forças em uma mesma manifestação, tanto na floresta, como na sua personificação humana. Ainda no nível da primeiridade das formas visuais, a cor do cabelo da personagem pode atingir o valor metafórico de perigo e ferocidade, uma vez que na natureza é um tipo de cor que visa afastar os inimigos. No nível da secundidade nas formas figurativas vemos que a postura corporal da personagem indica um tom ameaçador. O pescoço levemente abaixado com olhar de quem espreita entre as árvores. A inclinação e a tensão de peso em suas pernas demonstram agilidade e confiança. Em comparação com o peso visual das árvores, a personagem ganha leveza. Dando atenção aos galhos das árvores, notamos que todos eles estão direcionados na direção da personagem, o que torna definitivamente parte única da natureza, uma exaltação e proteção à criatura da floresta. A nossa última ilustração à ser analisada foi intitulada por Howe de The Pond, e foi produzida para o conto Rana-la-Menthe, do autor J.L. Trassard. Segundo Howe, trata-se da história de um larápio assombrado pelo barulho do bater dos cascos de cavalos. Em um uma determinada noite o moço resolve parar os cavalos, que são montados por uma silenciosa e bela mulher a qual o moço se apaixona. A mulher que obviamente não é humana sempre retorna ao pântano, deixando o moço desolado. (HOWE, 2007, p.18). O mais interessante de percebermos nesta ilustração em relação às demais analisadas, é que aqui a metáfora contida no contraste de luz e sombras não se refere à coexistência nem à disputa entre o bem e o mal. Aqui a luz e a sombra determinam a separação entre dois mundos distintos, o mundo dos homens e o mundo dos espíritos. Podemos ver assim que alguns códigos culturais inseridos dentro do tema de uma narrativa, passam à formar uma nova teia de sentidos diagramáticos entre o tema e o código estabelecido por convenção. Ainda no nível da primeiridade das formas visuais, no sentido diagramático que exige a metáfora, podemos ver que o brilho da luz do Sol, aparece atrás da personagem, como se a luz da razão estivesse em um último plano. No nível da primeiridade a marca do gesto, ou das pinceladas feitas para descrever as sombras na água são todas na direção do personagem, isto além de guiar o olhar do observador para um ponto focal, também cria uma relação metafórica de que todo este clima sombrio estão direcionados à uma personagem. No nível da secundidade das formas figurativas podemos perceber a figura do rapaz com o pescoço abaixado, olhando para o seu próprio reflexo. Em contexto de metáfora, o reflexo da figura humana na água, pode significar dúvida com o próprio eu. A figuração das árvores foi ilustrada de maneira sombria sugerindo o clima da narrativa. 5

6 Como vimos, as metáforas dentro da narrativa de livros, possuem o poder de criar sínteses dos conceitos abordados no texto. Sínteses que tornam o conteúdo por um lado mais rápido e acessível e por outro expandem o significado do texto abrindo espaço para novas sensações e interpretações sobre a narrativa. Os efeitos visuais como o brilho e os contrastes entre luz e sombra quando atingem sentido de metáfora em uma ilustração, relacionam-se ao tema da narrativa, sendo que o mesmo efeito pode buscar representar diferentes significandos em cada ilustração. Assim podemos pensar que as metáforas ao serem utilizadas repetidas vezes em determinados temas narrativos podem criar novas convenções culturais, expandindo os recursos da linguagem. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARNHEIM, Rudolf (2008). Arte e Percepção Visual: Uma psicologia da visão criadora: nova versão. São Paulo: Cengage Learning. BENJAMIN, Walter (1996). Obras escolhidas: A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. São Paulo: Brasiliense. CAVALCANTE, Natália Sá (2008), Linguagem das figures, figures de linguagem ou conversando sobre ilustração, in Jackline Lima Farbiarz (orgs.), Os lugares do design na leitura. Teresópolis: Editora Novas Idéias. GOMBRICH, Ernst Hans Josef (2007). Arte e Ilusão: Um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes. GOMBRICH, Ernst Hans Josef (1999). Meditações sobre um cavalinho de Pau e outros Ensaios sobre a teoria da arte. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. GOODMAN, Nelson (2006). Linguagens da arte Uma abordagem a uma teoria dos símbolos. Lisboa: Gradativa. GUARALDO, Laís (2007). A construção da linguagem gráfica na criação de ilustrações jornalísticas. São Paulo. Monografia (Doutorado em comunicação) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo HOWE, John (2007). Fantasy art workshop. United Kingdom: Impact Books. OLIVEIRA, Rui (2008A). Pelos Jardins de Boboli. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. SANTAELLA, Lúcia (2009). Matrizes da linguagem e pensamento. São Paulo: Iluminuras. 6

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL

PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL F PIXEL - DO DESENHO À PINTURA DIGITAL Carga Horária: 96 horas/aulas Módulo 01: Desenho de observação DESCRIÇÃO: Neste módulo o você irá praticar sua percepção de linhas e formas, bem como a relação entre

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA

UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA UMA PROPOSTA DE ANÁLISE DA NARRATIVA O ALQUIMISTA BASEADA NA ANÁLISE ESTRUTURAL DA NARRATIVA Mestranda Ivi Furloni Ribeiro Resumo: Nosso objetivo neste presente artigo é entender como se constitui a narrativa

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 1º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA

Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1. Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA RESUMO Aspectos Visuais e de Representação de um Slogan 1 Luciana da Silva Souza REINO 2 Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, MA O objetivo deste trabalho foi fazer uma análise dos aspectos visuais

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico

Conceitos de Design Gráfico. Disciplina de Design Gráfico Conceitos de Design Gráfico Disciplina de Design Gráfico Índice Projeto de Design Gráfico Layouts Efetivos Elementos de Design Princípios de Design Referências Bibliográficas 2 Projeto de Design Gráfico

Leia mais

Cores em Computação Gráfica

Cores em Computação Gráfica Cores em Computação Gráfica Uso de cores permite melhorar a legibilidade da informação, possibilita gerar imagens realistas, focar atenção do observador, passar emoções e muito mais. Colorimetria Conjunto

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

SaferNet Contra a Pedofilia Virtual 1

SaferNet Contra a Pedofilia Virtual 1 SaferNet Contra a Pedofilia Virtual 1 Dayane Gonçalves FERREIRA 2 Jéssica Passos LOUREIRO 3 Kássya Dy Karly Lima ALVES 4 Ana Paula Nazaré de FREITAS 5 Universidade Federal do Pará, Belém, PA RESUMO A peça

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Professora Josi e Professora Mara Denotação x Conotação Sentido denotativo: Meus alunos comeram uns doces. Sentido conotativo: Meus alunos são uns doces. Figuras

Leia mais

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1

O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 O processo de significação nas capas da Revista Elle Brasil em maio e junho de 2015 1 Pierre Míchel 2 Luãn Chagas 3 Faculdade Campo Real, Guarapuava, PR Resumo A partir dos estudos semióticos serão analisadas

Leia mais

Leandro Fabris Lugoboni

Leandro Fabris Lugoboni UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PESQUISAS ACADÊMICAS Leandro Fabris Lugoboni Semiótica Visual e Publicidade Digital: o estudo do material

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA

2. OBJETIVO E CONCEPÇÃO DA PROVA Aptidão Dança 1. INTRODUÇÃO O Curso de Graduação em Dança da Unicamp tem como objetivo formar o intérprete e criador em Dança, profissional capaz de contribuir como agente transformador da realidade, responsável

Leia mais

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais.

Específicos: O aluno deverá ter a capacidade de interpretar mensagens na leitura de formas visuais. Ficha de Unidade Curricular Cursos de Design: Industrial e Ambientes 2009/2010 Unidade Curricular Designação: Comunicação Visual Área Científica: Design de Comunicação (DC) Ciclo de Estudos: Licenciatura

Leia mais

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias:

2. Equilíbrio. Dividiremos as formas de equilíbrio visual nas seguintes categorias: 2. Equilíbrio O equilíbrio é um parâmetro da imagem que está diretamente relacionado com o inconsciente. Andamos de modo equilibrado, sem pensar que o estamos fazendo. Ao tentarmos a mesma experiência

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 No início do nível intermediário, falamos brevemente sobre a perspectiva e a aplicação de alguns dos seus elementos, como o ponto de fuga, a linha de horizonte e a relação dos objetos com o olho do observador.

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL

DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL DESCOBERTA DE UM UNIVERSO: A EVOLUÇÃO DO DESENHO INFANTIL "Antes eu desenhava como Rafael, mas precisei de toda uma existência para aprender a desenhar como as crianças. (Picasso) Os primeiros estudos

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES

RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES RIO 2016 & AS TRÊS GRAÇAS: AS MUITAS FACES EM UMA MESMA IMAGEM Maria da Glória Weissheimer Professora-Tutora Externa Marinilse Netto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso Artes Visuais

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos

Andrade & Alexandre (2008) In Prática da Escrita Histórias em Quadrinhos Ler HQs além de ser uma atividade que pode ser desenvolvida observando-se todas as estratégias de leitura, é também levar os leitores a momentos que antecedem a própria leitura das letras, pois a estrutura

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC

Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Turma 1222 Unidade Curricular INTERFACE HOMEM-COMPUTADOR Professor CLÁUDIA SANTOS FERNANDES Aula 4 Abordagens Teóricas em IHC Introdução -Apesar de IHC ser uma área bastante prática, muitos métodos, modelos

Leia mais

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort

Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort APRESENTAÇÕES ARTÍSTICAS E PROVOCAÇÕES PERMANENTES Tocando coisas: a impressão como registro de existência, ampliada em outras experiências. Por Carolina Rochefort - Conceito da Obra/Apresentação. Em minha

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹

Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Percepções acerca da autoestima na propaganda da Coca-Cola¹ Resumo Jasmine HORST² Nincía Cecília Ribas Borges TEIXEIRA³ Universidade Estadual do Centro Oeste - Unicentro Atualmente, a publicidade é um

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO

UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO DE LETRAS DIEGO LOPES MACEDO ELIANA ANTUNES DOS SANTOS GILMARA PEREIRA DE ALMEIDA RIBEIRO ANÁLISE DO DISCURSO DA PROPAGANDA MARLBORO SOROCABA 2014 1 Introdução O presente trabalho

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO CÁTEDRA UNESCO DE LEITURA PUC-RIO III CONGRESSO INTERNACINOAL DE LEITURA E LITERATURA INFANTIL E

Leia mais

II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL

II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL II CBEP CIRCUITO BATISTANO DE ESTUDOS PEDAGÓGICOS APOSTILA 2 LEITURA E INTERPRETAÇÃO DO DESENHO INFANTIL MINISTRANTE: Claudia Figueiró Souza, orientadora educacional, psicopedagoga e grafóloga, especialista

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

Produzir um desenho realista com o CorelDRAW

Produzir um desenho realista com o CorelDRAW Produzir um desenho realista com o CorelDRAW Hugo Hansen Sobre o autor Sobre o autor Hugo Hansen vive nos arredores da bela cidade de Copenhague. Como um profissional experiente na indústria de design

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS IMPLICAÇÕES DA PAISAGEM NO AUXÍLIO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Wallace Matheus Torres Peres / UERJ w.matheustorres@bol.com.br Renan Caldas Galhardo Azevedo / UERJ renan.azevedo08@outlook.com INTRODUÇÃO O

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa A Prática Pedagógica no Berçário "As pequenas atividades quotidianas tornam-se hábitos sobre os quais a criança fundamenta a sua autonomia" Tonucci Maria Carmen Silveira Barbosa As creches durante muitos

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

Análise Semiótica do comercial EX4GERADO 1. Raphaella Gomes de Lima 2 Letícia Barbosa Torres Americano³ Universidade de Federal de Juiz de Fora

Análise Semiótica do comercial EX4GERADO 1. Raphaella Gomes de Lima 2 Letícia Barbosa Torres Americano³ Universidade de Federal de Juiz de Fora Análise Semiótica do comercial EX4GERADO 1 Raphaella Gomes de Lima 2 Letícia Barbosa Torres Americano³ Universidade de Federal de Juiz de Fora Resumo O presente trabalho tem como proposta analisar o comercial

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS

30/8/2010 HARRY STACK SULLIVAN ESTRUTURA DA PERSONALIDADE PSIQUIATRIA PROCESSOS CAMPOS INTERATIVOS HARRY STACK SULLIVAN Profa. Marilene Zimmer Psicologia - FURG HARRY STACK SULLIVAN Nova York 21/2/1892 14/01/1949 1917 Diploma de Médico Chicago College of Medicine and Surgery Serviu forças armadas I

Leia mais

Análise Semiótica de Anúncio de TV

Análise Semiótica de Anúncio de TV Análise Semiótica de Anúncio de TV DADOS TÉCNICOS: Título: Segredos; Anunciante: Etti ; Criação: Fábio Fernandes e Renata Flori; Agência: F/Nazca; Produto: Molho de Tomate Salsaretti; Ano de veiculação

Leia mais

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis

- Aula 04_2012 - Profa. Ms. Karen Reis Protótipos de Jogos Digitais - Aula 04_2012-1 O documento do game (GDD) Game Design Document (GDD) usa palavras, tabelas e diagramas para explicar o conceito e o funcionamento de um game, a partir de uma

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2302N - Bacharelado em Design. Ênfase. Disciplina 0003607B - Desenho de Observação I

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2302N - Bacharelado em Design. Ênfase. Disciplina 0003607B - Desenho de Observação I Curso 2302N - Bacharelado em Design Ênfase Identificação Disciplina 0003607B - Desenho de Observação I Docente(s) Milton Koji Nakata Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento Departamento

Leia mais

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL

DETERMINANTES DA LINGUAGEM VISUAL 3 EQUILÍBRIO O principal objetivo de se estudar as qualidades particulares da experiência visual é aprimorar nossa sensibilidade inata e tentar educar o nosso olhar. Assim podemos alargar as possibilidades

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 2 MMXV Intermediária 2 Grupo A A TEMPESTADE É um quadro que mostra um profundo senso de

Leia mais

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional

Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010. Regional Pesquisa Qualitativa Campanha Brasil 2010 Regional Julho de 2010 Pesquisa de Avaliação Campanha Brasil 2010 - Regional No período entre 28 de junho e 02 de julho de 2010 foram realizados os Grupos Focais

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza. Corpo, atividades criadoras {e letramento

Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza. Corpo, atividades criadoras {e letramento Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza Corpo, atividades criadoras {e letramento Corpo, atividades criadoras e letramento Copyright 2013 by Marina Teixeira

Leia mais

Para Além das Palavras: Charges, Tiras e Quadrinhos Nilce Helena da Mota Garcia (UNIVAP)

Para Além das Palavras: Charges, Tiras e Quadrinhos Nilce Helena da Mota Garcia (UNIVAP) Para Além das Palavras: Charges, Tiras e Quadrinhos Nilce Helena da Mota Garcia (UNIVAP) O tema deste artigo, a linguagem verbal e não verbal na construção do sentido: Charges, Tiras e Quadrinhos visa

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Tobias através de Geoffrey Hoppe www.crimsoncircle.com Inspirando Consciências OS DOZE SIGNOS DO SEU DESPERTAR DIVINO Tobias através de Geoffrey Hoppe Por favor,

Leia mais

Introdução. Brasileiro de Ciências da Comunicação 2 Estudante de Graduação do Curso de Jornalismo do ICSEZ-UFAM, e-mail: hanne.ufam@gmail.

Introdução. Brasileiro de Ciências da Comunicação 2 Estudante de Graduação do Curso de Jornalismo do ICSEZ-UFAM, e-mail: hanne.ufam@gmail. Análise semiótica da logomarca do Movimento dos Atingidos por Barragens - MAB 1 Hanne Assimen CALDAS 2 Karliane Macedo NUNES 3 Universidade Federal do Amazonas, Parintins, AM RESUMO Este artigo diz respeito

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos CONTRIBUIÇÕES DA COMUNICABILIDADE DAS IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PARA ALUNOS SURDOS ERNANI NUNES RIBEIRO (UFPE). Resumo Resumo de pesquisa de mestrado em educação que

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Educação Infantil I Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Educação Infantil I Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Educação Infantil I Segmento I Disciplina: LÍNGUA PORTUGUESA Ano: Infantil I Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS - ALUNOS EIXOS TEMÁTICOS/CONTEÚDOS

Leia mais

Ateoria que Nelson Goodman tece sobre a metáfora distancia-se da maioria

Ateoria que Nelson Goodman tece sobre a metáfora distancia-se da maioria Uma abordagem da metáfora em Nelson Goodman Manuel Bogalheiro Universidade da Beira Interior, Portugal Ateoria que Nelson Goodman tece sobre a metáfora distancia-se da maioria das concepções tradicionais

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE

LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE LENDO IMAGENS NO ENSINO DA FÍSICA: CONSTRUÇÃO E REALIDADE SILVA,HENRIQUE CÉSAR DA 1 Universidade Católica de Brasília Palavras chave: Imagens; Realismo crítico; Iconicidade. INTRODUÇÃO Imagens

Leia mais

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1

A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 A Pobreza tem Cor no Brasil: Precisamos Reverter este Quadro 1 Andrey Scariott FILIPPI 2 Lucas Paiva de OLIVEIRA 3 Marcelo Barbosa CORRÊA 4 Virgínia FEIX 5 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto

Leia mais

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO

EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO EU SOU UM BONECO! UMA EXPERIÊNCIA EM AUTORRETRATO Adriana D Agostino Relato de experiência Resumo A experiência apresentada foi realizada em 2013 no Colégio Salesiano Santa Teresinha a partir do material

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Superinteressante: uma desconstrução de conceitos ambientais 1

Superinteressante: uma desconstrução de conceitos ambientais 1 Superinteressante: uma desconstrução de conceitos ambientais 1 Tamara Deina de Oliveira 2 Neusa de Oliveira Carneiro 3 Jéssica Câmara de Oliveira 4 Juliana de Sá França 5 Univel (Faculdade de Ciências

Leia mais

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS

MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS MARCAS, LOGOTIPOS E SÍMBOLOS Marca, segundo a lei brasileira, é todo sinal distintivo, visualmente perceptível, que identifica e distingue produtos e serviços de outros análogos, de procedência diversa,

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

INSTITUTO DOS IRMÃOS MARISTAS

INSTITUTO DOS IRMÃOS MARISTAS INSTITUTO DOS IRMÃOS MARISTAS Como líderes do instituto neste momento histórico, voltamos nosso olhar para Maria, aurora dos novos tempos, nos quais encontramos inspiração para descobrir como as atitudes

Leia mais

Cartaz: 12º Made 1. Dihego Feliciano da SILVA 2 Felipe Augusto NÓBREGA 3 Mariana Falcão do Rego BARROS 4 Tiago Pinheiro CUNHA 5

Cartaz: 12º Made 1. Dihego Feliciano da SILVA 2 Felipe Augusto NÓBREGA 3 Mariana Falcão do Rego BARROS 4 Tiago Pinheiro CUNHA 5 Cartaz: 12º Made 1 Dihego Feliciano da SILVA 2 Felipe Augusto NÓBREGA 3 Mariana Falcão do Rego BARROS 4 Tiago Pinheiro CUNHA 5 Prof. Gabriela Rocha Barros COELHO 6 UNINASSAU Centro Universitário Maurício

Leia mais

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS.

Desejos Ocultos 1. Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. Desejos Ocultos 1 Natalia Araújo Sosa 2 Laura Elise de Oliveira Fabrício 3 Centro Universitário Franciscano, Santa Maria, RS. RESUMO A fotografia pertence ao mundo das imagens como representações visuais.

Leia mais

PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014

PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014 CENTRO EDUCACIONAL DA LAGOA PLANEJAMENTO JULHO, AGOSTO E SETEMBRO 2014 PROJETO VENCER OU PERDER: O desafio da vida JULHO Dia 26/07 : Dia dos avós INVESTIGAÇÃO SOBRE ALGUNS FENÔMENOS DA NATUREZA: Início

Leia mais

O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1. Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG

O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1. Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG O que estou usando hoje? A comunicação por meio do vestuário 1 Paula Graziela de OLIVEIRA 2 Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG RESUMO Dentro das diversas formas que o homem possui para

Leia mais

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1

Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Identidade Visual do Movimento #Comfiltro 1 Rafael Duarte SILVA 2 Adriely Cristiny de Lima CUNHA 3 Rita Carla da Conceição SILVA 4 Paula Apolinário ZAGUI 5 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte,

Leia mais

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465

Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Curso: Estudos Diversificados 1 História da Arte Visual - Turma: 04 Professora: Dária Aluno: Wagner Kimura n USP: 6891465 Uma análise pessoal sobre obras abstracionistas Obras em observadas: Obra 1 Namorados

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo

LEITURA ORANTE DA BÍBLIA. Um encontro com Deus vivo LEITURA ORANTE DA BÍBLIA Um encontro com Deus vivo A quem nós iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (Jo 6,68) Recordando a história... A leitura orante da Palavra é uma tentativa de responder

Leia mais