UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PAULA CAROLINE PEREIRA DOS ANJOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PAULA CAROLINE PEREIRA DOS ANJOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PAULA CAROLINE PEREIRA DOS ANJOS TECENDO SIGNIFICADOS: A IMPORTÂNCIA DAS ILUSTRAÇÕES DO LIVRO DE LITERATURA INFANTIL A MOÇA TECELÃ. Abril, Salvador-Ba 2009.

2 PAULA CAROLINE PEREIRA DOS ANJOS TECENDO SIGNIFICADOS: A IMPORTÂNCIA DAS ILUSTRAÇÕES DO LIVRO DE LITERATURA INFANTIL A MOÇA TECELÃ. Monografia apresentada como requisito parcial de obtenção da graduação em Pedagogia, habilitação em Anos Iniciais, do Departamento de Educação, da Universidade do Estado da Bahia, sob orientação da Profª.Tânia Dantas. Abril, Salvador-Bahia 2009.

3 "Frente ao livro ilustrado a criança (...) vence a parede ilusória da superfície e, esgueirando-se entre tapetes e bastidores coloridos, penetra em um palco onde o conto de fadas vive". (BENJAMIN, 1984)

4 RESUMO Esta pesquisa foi realizada com intuito de descobrir como as ilustrações de um livro de literatura infantil, em especial as do livro A Moça Tecelã de autoria de Marina Colasanti, podem contribuir para o acesso e interesse da criança pela leitura. Através do estudo do contexto histórico no qual surgiram os livros de literatura infantil e do seu desenvolvimento ao longo do tempo, foi possível perceber que o livro de literatura infantil é um instrumento de grande ajuda ao docente, no sentido de auxiliar, como suporte, na elaboração de atividades significativas capazes de promover aprendizagens importantes, além de ajudar a criança no processo de aquisição da linguagem tanto oral quanto escrita. É portador de inúmeros recursos, dos quais a ilustração caracteriza-se como um dos principais, ao passo que está mais relacionada ao lúdico e o universo infantil. Na pesquisa de campo, que foi realizada na Escola Municipal Maria Conceição Santiago Imbassahy, foi feita atividade com os alunos do Ciclo 1, com base nas ilustrações do livro de literatura infantil A Moça Tecelã, de autoria de Marina Colasanti, sendo possível constatar que o trabalho com base nas ilustrações de livros de literatura infantil é extremamente importante e compensador, no sentido de aprimorar os conhecimentos dos alunos, despertar capacidades e interesses, antes adormecidos, contribuindo significativamente ao processo de desenvolvimento do qual as crianças estão vivenciando. Diante deste estudo, fica inevitável pensar na ilustração como uma ferramenta capaz de promover aprendizagens muito significativas, ao passo que possibilita ao aluno o acesso à leitura antes mesmo deste dominar a linguagem do código escrito. Palavras Chave: Ilustração. Livro de literatura infantil. Leitura.

5 ABSTRACT This research was made in order to discover how the illustrations for a book of children's literature, particularly the book. The authors of the Orb Weaver Young Woman Marina Colasanti, can access and contribute to the interest of the child for reading. By studying the historical context in which emerged the books children's books and their development over time, could see that the book of children's literature is an instrument of great help to teachers, to help and support in development of significant activities able to promote significant learning, help the child in the process of language acquisition both oral as written. It is the bearer of many resources, of which the illustration is characterized as a major, while is more related to the universe and playful child. In field research, which was held at the Municipal School Conceição Maria Santiago Imbassahy, was active with the students of Cycle 1, based on the book illustrations of children's books The Young Woman Orb Weaver, by Marina Colasanti, and can see that the work based on the illustrations of books of children's literature is extremely important and rewarding, to improve students' knowledge, awakening skills and interests, before sleeping, contributes significantly to the development process of which children are experiencing. In this study, it is thought inevitable in the illustration as a tool to promote learning very significant, while allowing the student access to reading this before they master the language of the written code. Key - words: Illustration. Book of the Child Literature. Reading.

6 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CONTRIBUIÇÕES DAS ILUSTRAÇÕES DOS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL O LIVRO INFANTIL: BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA O LIVRO DE LITERATURA INFANTIL ILUSTRADO UMA BREVE HISTÓRIA SOBRE A ILUSTRAÇÃO PARTICULARIDADES DA ILUSTRAÇÃO: CONHECENDO SUAS FUNÇÕES RELAÇÕES ENTRE A ILUSTRAÇÃO E O LEITOR O LÓCUS E OS ENVOLVIDOS NA PESQUISA DE CAMPO A ESCOLA ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES DAS ILUSTRAÇÕES DO LIVRO A MOÇA TECELÃ O LIVRO: A MOÇA TECELÃ MARINA COLASANTI CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DAS PERCEPÇÕES, DOS ALUNOS DA CLASSE PESQUISADA, PRESENTES NA ESCOLHA DO LIVRO...34 CONSIDERAÇÕES FINAIS...37 REFERÊNCIAS...40

7 Introdução O presente trabalho aborda a importância das ilustrações dos livros de literatura infantil (em especial as do livro A Moça Tecelã de autoria de Marina Colasanti), como estimuladora do gosto pela leitura, a fim de descobrir como estas contribuem para despertar esse interesse na criança (problemática). Tem como objetivo central a identificação e a avaliação dessas contribuições determinantes para este estímulo. Já os objetivos específicos se pautam no levantamento de informações bibliográficas sobre a importância da ilustração e sistematização de suas relações com o texto escrito do livro de literatura infantil, realizando coleta de informações sobre a contribuição das ilustrações como facilitadora no ensino-aprendizagem da leitura. Após fazer o levantamento bibliográfico dos aspectos que auxiliam a construção do conceito de ilustração no livro de literatura infantil, comecei a minha pesquisa de campo, na qual observei e registrei como os alunos do 1º Ciclo, do turno vespertino, da Escola Municipal Maria Conceição Santiago Imbassahy lêem as ilustrações do livro de literatura infantil A Moça Tecelã, de autoria de Marina Colasanti, que foi selecionado por apresentar riqueza da linguagem visual e por oferecer subsídios necessários à minha pesquisa no que tange aos aspectos relacionados às ilustrações dos livros contemporâneos de literatura infantil. Depois de ter coletado os dados necessários à pesquisa, analisei-os à luz dos teóricos estudados e citados no decorrer do trabalho. Contudo, é possível perceber (mesmo no começo da pesquisa bibliográfica) que, atualmente, algumas mídias estão prendendo, cada vez mais, a atenção e o interesse de adultos, jovens e crianças, principalmente do público infantil, que está em permanente contato com diferentes tipos de mídias visuais como, televisão, vídeo-game, computadores e Internet.

8 Dessa forma, as crianças têm se afastado da leitura de livros de literatura infantil, agentes importantes na formação de leitores ativos e na obtenção da escrita. Nesse sentido, o resgate de livros de literatura infantil pelas crianças é algo de grande necessidade e importância, já que, é nessa fase que se constrói a necessidade pela leitura, se forma a personalidade e se desenvolve atitudes de um futuro adulto leitor.

9 1. Contribuições das ilustrações dos livros de literatura infantil Segundo Faria (2004, p. 52), a leitura freqüente na infância, contribui de forma direta para o sucesso no processo de aquisição da escrita. Dentro dessa perspectiva, as ilustrações de um livro de literatura infantil são de grande importância para ajudar a atrair a atenção da criança para o livro e, possivelmente, sua leitura, auxiliando na formação de leitores e contribuindo no processo de aquisição da leitura e escrita por parte das crianças. Percebendo o interesse despertado pelas imagens, as editoras têm investido, cada vez mais, em livros modernos de literatura infantil, com ilustrações ricas em conteúdos que, em alguns casos, chegam a dispensar a linguagem escrita (texto). Atualmente, alguns livros são elaborados tendo como suporte apenas exposição de imagens. Assim, o ato de ler se inicia pelo contato visual e físico em que o sujeito olha e é atraído ou não pelo que vê e, na seqüência, toca na capa e passa a manusear o livro. Nos processos de apreensão do livro, as significações são atribuídas pelo leitor, a partir da interação entre visualidade da ilustração e o texto. As linguagens presentes no livro, esse objeto cultural, se oferecem como portas de acesso ao sentido ali constituído e cuja escolha inicial do leitor recai na ilustração sedutora, mas complexa em suas articulações ao dialogar com a palavra. Por isso, é imprescindível retirar a ilustração de uma condição secundária ou de invisibilidade e compreendê-la como linguagem impregnada na manifestação do sentido textual (RAMOS, 2004). Segundo Jesualdo (1993), é importante que se tenha preocupação em fazer uma obra voltada para os infantes, pois: Uma literatura para crianças com pretensões a alcançar completamente as finalidades a que se propôs não pode descurar sua feição material. E isto não apenas para que a leitura se faça mais agradável devido ao formato do livro, á graça e riqueza dos tipos utilizados na impressão, devendo, no caso do livro infantil, predominar os tipos redondos e graúdos, que são atrativos e agradáveis à vista; mas também pela proporção do volume e até pela encadernação, que o torna mais facilmente manuseável, como pelo material nele empregado papel,

10 tinta, cartão, etc. e muito especialmente por suas ilustrações. (Jesualdo, 1993, p.201). Conforme Jesualdo (1993) a criança compreende as belas estampas melhor do que qualquer outra linguagem, e estas coloridas, sem necessidade sequer da presença da palavra, devem ser o seu primeiro livro de leitura. Nada há que se marque tão profundamente na alma da criança como as imagens gráficas. Diante do exposto, é possível afirmar que para as crianças muito pequenas, o desenho das letras é um sinal incompreensível, não significa nada. A imagem (desenho, fotografia, recorte, gravura) é um sinal que elas traduzem facilmente, é um ícone. Este sinal (ou signo ) mantém relações muito próximas, na aparência, com o objeto representado, que é imediatamente entendido pelo recebedor. Como ressalta Cunha (1991), quando se quer despertar o interesse pelas histórias nas crianças, em geral lidas para elas, é importante a gravura: deve nesse caso, prevalecer a ilustração. O texto deve ser pequeno para conduzir a atenção na observação das figuras. Para os alunos que começam a ler, ainda deve predominar a ilustração e o texto, também pequeno, deve apresentar-se em letras grandes e redondas. Como percebemos, os livros de literatura infantil atuais, cheios de ilustrações, recursos gráficos dos mais variados, materiais diversos e estilos diversificados, portadores de histórias tradicionais ou contos modernos, são capazes de prender a atenção do pequeno leitor e abrir portas para o universo mágico e misterioso da leitura, resultando em inúmeras e importantes aprendizagens; ao passo que os livros de literatura infantil ajudam também a despertar o gosto pelo ato de ler e conseqüentemente auxiliam no processo não só de alfabetização, mas também no letramento do indivíduo O LIVRO INFANTIL: BREVE RETROSPECTIVA HISTÓRICA Conforme as pesquisas de Lajolo e Zilberman (2006), as primeiras publicações de livros apareceram no século XV, porém, é somente no século XVIII que surgem os livros

11 especificamente voltados para a criança. Até então, obras como as Fábulas de La Fontaine (1668 e 1694) e os Contos da Mamãe Gansa de Charles Perrault 1 (1697), atualmente associados ao gênero infantil, haviam sido publicados, visando o público em geral. É após o sucesso das obras de Perrault (1697) que a literatura infantil adquire espaço, caracterizada principalmente pelos contos de fada. Apesar das publicações francesas de La Fontaine e Perrault, é na Inglaterra que a literatura infantil, como produto de consumo, ganha importância, fortalecida pelo grande comércio deste país, abundância de matériaprima e, principalmente, pelo seu desenvolvimento no período da Revolução Industrial. Entre as instituições sociais que garantiram o seu fortalecimento está a família. Cada membro assumia um papel específico na sociedade, até mesmo a criança, motivando o aparecimento de objetos industrializados (o brinquedo) e culturais (o livro) ou novos ramos da ciência (a psicologia infantil, a pedagogia ou a pediatria) (LAJOLO E ZILBERMAN, 2006, p.17). Considerando a expansão da industrialização e do comércio nesse período histórico, o livro infantil surgiu com características de produto, com base no consumo. Para tanto, era necessário a alfabetização de grandes massas populares constituindo-se um público leitor. Daí decorreu a relação dos livros com a escola, fazendo com que muitas publicações adotassem uma postura bastante pedagógica. (LAJOLO E ZILBERMAN, 2006, p.18). Destacam-se, nesse século, as publicações adaptadas de clássicos da literatura ao gênero infantil, como Robinson Crusoé (1717) de Daniel Defoe e Viagens de Gulliver (1726) de Jonathan Swiff. No início do século XIX, surgem na Alemanha, as obras dos Irmãos Grimm 2 (1812), feitas a partir de adaptações de histórias folclóricas populares. 1 Charles Perrault é considerado o pai da literatura infantil por ter publicado Contos da Mamãe Gansa, uma coletânea de contos populares, em Jacob Grimm e Wilhelm Grimm publicaram contos populares alemães no início do século XIX.

12 Entre alguns dos seus contos estão: A Bela Adormecida, Os Sete anões e a Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, Joãozinho e Maria (1825). São também do mesmo século as publicações de Hans Andersen (1835,1842), na Dinamarca, com os contos O Patinho Feio, A Roupa Nova do Imperador, dentre muitos outros. Figura 1 - O Patinho Feio - Hans Andersen (1835). Como apresentado por Lajolo e Zilberman (2006), o livro no Brasil assim como nos outros países, também surgiu numa relação com a industrialização, o comércio, a urbanização e a propagação da escola como instituição. Alguns exemplos de obras brasileiras são: Contos Pátrios de Júlia Lopes de Almeida e Adelino Lopes Vieira (1886) e Contos Pátrios de Olavo Bilac e Coelho Neto (1904). Nessa época, prevalecem nos livros, valores como patriotismo, o civismo, a brasilidade, o moralismo, a obediência, a exaltação à natureza, além de tantos outros temas relacionados ao folclore brasileiro. Em 1912, Monteiro Lobato publica Narizinho Arrebitado 3 e, a partir de então, passa a se dedicar a esse gênero literário marcando para sempre a história da literatura no país. 3 Monteiro Lobato publicou uma versão escolar acrescida de aventuras inéditas, com 181 páginas e com o título de Narizinho Arrebitado. Depois de aprovado pelo governo de São Paulo, foi adotado como "Segundo Livro de Leitura" das escolas públicas.

13 Figura 2 - Narizinho Arrebitado Monteiro Lobato (1912). Posteriormente, surgem e se fortalecem outros nomes como José Lins do Rego, Érico Veríssimo e Graciliano Ramos, falando de temas até então inusitados na literatura infantil. Nas décadas de 30 e 40, período marcado pelo Estado Novo e pela ditadura, ocorreram diversas reformas na área da educação e prevaleceu a preocupação na formação da criança como cidadã. Os livros que remetem à fantasia passaram a ser considerados inadequados à infância (RADINO, 2003). Os anos 50 são marcados pelos avanços tecnológicos e o advento dos meios de comunicação audiovisuais. Acontece a massificação da imagem, levando ao que Radino (2003, p.107) considera uma crise na leitura. Já, a década de 70, é caracterizada por um grande salto de qualidade e criatividade, com inovações no gênero infantil, assumindo finalmente uma postura crítica. Valoriza-se neste momento, o espírito questionador, lúdico, irreverente e bem-humorado (ibid, p.108). São alguns títulos dessa nova fase: Bisa Bia Bisa Bel e História do Contrário de Ana Maria Machado; A Fada que tinha idéias, de Fernanda Lopes de Almeida e A Bolsa Amarela, de Lygia Bojunga Nunes. Os temas abordados nos livros infantis também se ampliam, aparecendo as histórias policiais e as ficções científicas, ambas associadas ao cenário urbano contemporâneo: mistérios a serem resolvidos e a manipulação de engenhos e fórmulas são atributos do

14 homem urbano, mesmo quando reduzido à faixa etária de uma criança. [...], se originam grandes inventos e superpoderes (LAJOLO e ZILBERMAN, 2006, p.161). Já nos últimos anos, o imaginário passa a ser bastante explorado, através de histórias baseadas em temas tanto universais como regionais, como elementos de nosso folclore, ocupando espaço de destaque dentro da literatura. [...] após ter conquistado a duras penas o direito de falar com realismo e sem retoques da realidade histórica, e ao mesmo tempo em que redescobre as fontes do fantástico e imaginário, a literatura infantil contempla-se a si mesma em seus textos (ibid, p.161) O LIVRO DE LITERATURA INFANTIL ILUSTRADO Os livros religiosos, as cartilhas escolares, principalmente as gramáticas e enciclopédias com imagens são considerados, por muitos, os precursores do livro infantil ilustrado. Nesse período, são raros os ilustradores que assinavam os seus trabalhos, permanecendo, na maioria das vezes, no anonimato. Além disso, a participação de diferentes gravadores (profissionais responsáveis pela reprodução dos originais nas matrizes de impressão) em uma mesma obra dificulta ainda mais a identificação da autoria. Um exemplo dos quais se tem conhecimento é o Orbis Sensualium Pictus (o livro visível em imagens) de John Amos Comenius (1658) (BURLINGHAM, 2007). No final do século XVII (1697), são publicados os contos de fadas de Perrault, ilustrados por Gustave Doré, com imagens em preto e branco caracterizadas, principalmente, pela grande riqueza de detalhes. Em contrapartida às fábulas, aparecem publicações de caráter moralista e religioso como Songs of Innocence do Illuminated Book (1789), de Willian Blake, que inovou no gênero ao trabalhar imagem e texto de forma integrada (QUENTIN BLAKE, 2003).

15 Já no século XIX, na Inglaterra, destacam-se as traduções dos Irmãos Grimm, German Popular Stories ilustradas por George Cruikshank 4 (1823), com ilustrações carregadas de humor e ritmo (QUENTIN BLAKE, 2003). Outra importante publicação deste mesmo século é Alice no País das Maravilhas, publicada em 1865, escrita por Lewis Carrol e ilustrada por John Tenniel. Até hoje, suas ilustrações da obra são as mais memoráveis, apesar do grande número de reedições feitas por diferentes ilustradores. In Fairyland, livro ilustrado por Richard Doyle e escrito por Willian Allingham, em 1870, também obteve grande sucesso entre o público infantil por suas imagens povoadas por duendes e fadas. É também deste século um grande número de publicações elaboradas com efeitos de popup (ilustrações tridimensionais), cortes especiais, peças para serem recortadas, livros que se tornavam cenários, bonecas de papel e os chamados harlequinade (ilustrações em abas móveis com imagens escondidas). Com a Iª Guerra Mundial esse tipo de livro deixou de ser publicado em função de seu alto custo e das dificuldades de importação. (BURLINGHAM, 2007). No início do século XX, destacam-se as obras de Beatrix Potter, que inovou ao associar comportamentos humanos a animais como em The Peter Rabbit (1900), além de demonstrar grande preocupação com as características físicas do livro, de forma a ser facilmente manuseável pelas crianças. Outro nome importante nesse período é E. H. Shepard, criador do até hoje famoso ursinho Pooh (1969). Este personagem chama a atenção por ser, não apenas um urso, mas também, um bicho de pelúcia que, em alguns momentos, deixa de ser um brinquedo e ganha vida. (QUENTIN BLAKE, 2003). 4 George Cruikshank ( ) artista e caricaturista inglês.

16 O final do século é marcado pela grande variedade de estilos de ilustrações, estimulada pelo desenvolvimento tecnológico na área editorial. No Brasil, é apenas nesse período que a ilustração começa a receber atenção dentro do livro infantil e nomes de ilustradores passam finalmente a serem conhecidos, como Eva Furnari, Roger Mello, Graça Lima, Nelson Cruz, entre outros. Cada vez mais ilustradores passam a escrever seus próprios livros, como Ziraldo, com a célebre publicação de O Menino Maluquinho (1980), entre muitos outros, além do aparecimento dos livros de imagens, ou seja, livros sem texto, como o Cântico dos Cânticos (1992) de Ângela Lago, mostrando que é possível construir uma história usando apenas ilustrações. Figura 3- O Menino maluquinho, Ziraldo (1980). No Brasil, nomes como o de Mariana Massarani, Elizabeth Teixeira e André Neves, têm conquistado o público infantil por explorarem o imaginário da criança através do inusitado. (BENJAMIM, 1984, p. 54). 2. UMA BREVE HISTÓRIA SOBRE A ILUSTRAÇÃO Tanto crianças, como jovens e até mesmo adultos de todas as faixas etárias apreciam uma boa narrativa apresentada por um contador que sabe dar vida a um conflito. A palavra oral adapta o conflito ao ouvinte e a história ouvida é o primeiro livro de diversos leitores. São livros ouvidos e vividos, literalmente.

17 Mediante nossas experiências enquanto infantes, há histórias ouvidas que se transformam dentro do leitor e com ele vão crescendo e o transformam. Porém, elas só acompanham determinado sujeito porque alguém lhe propiciou o contato inicial, normalmente a própria família e até mesmo a escola podem exercer esse papel. Cecília Meireles (1979) afirma que a literatura tradicional, entendida como a popular, é a primeira a instalar-se na memória da criança, ela representa o primeiro livro, antes mesmo da alfabetização, e para grupos sociais iletrados, pode até ser o único, ou seja, o texto escutado. Ainda, de acordo com a autora, enquanto a figura do narrador vai desaparecendo ou pelo menos vai sendo reduzida, surge o livro, enquanto objeto, com uma aura de significados. Trata-se de um bem cultural com o qual a criança precisa aprender a interagir, pois possui possibilidades de apropriação de sistemas de linguagem diversos, como verbal, visual, gestual e expressiva, principalmente. Conforme estudos realizados nas obras de autores como Camargo (1995), Mokarzel (1998) e Floch (1991), com o surgimento da escrita e da transposição da oralidade para a escritura ocorre um distanciamento entre texto e o leitor, que antes era ouvinte, pois não há mais o contato direto entre contador e ouvinte. De acordo com Coelho (2000, p.188) o texto imagético passa pela instância de mediação do olhar e essa mediação propiciada pelo contador é substituída por aspectos visuais como o planejamento gráfico e, mais especificamente, pela ilustração. Portanto, a ilustração na literatura para as crianças aparece como uma linguagem de acesso mais imediato, auxiliando o leitor mirim a interagir com a palavra. As duas linguagens (visual e verbal) compartilham o mesmo suporte e na ilustração, geralmente, predomina o figurativo, referindo modelos da natureza ou figuras fantásticas oriundas do imaginário (COELHO, 2000, p.189).

18 A natureza figurativa é de reconhecimento rápido e permite ao leitor estabelecer conexões com o mundo e elaborar redes interpretativas. Frente ao livro ilustrado a criança [...] vence a parede ilusória da superfície e, esgueirando-se entre tapetes e bastidores coloridos, penetra em um palco onde o conto de fadas vive (BENJAMIN, 1984, p.55). Confirmando o que foi exposto anteriormente, Ramos ressalta que: A presença de ilustrações/imagens acompanhando os textos, desde os primórdios de seu aparecimento, tinha a finalidade de enfeitar ou esclarecer, ilustrar/informar para educar ou criar e propiciar prazer estético. Essa noção ainda é explicitada nos dicionários contemporâneos, entretanto, várias outras funções podem surgir, reunindo-se a estas, predominando ou mesmo anulando-as. (RAMOS, 2002, p.84). Assim, esse caráter de apoio destinado à ilustração vai sendo alterado. A ilustração produzida para a literatura infantil ganha também reconhecimento no mundo artístico pelo aprimoramento de suas qualidades estéticas e como manifestação atual de cultura. Além disso, solidifica sua posição como parte integrante das diferentes manifestações da linguagem visual, possui características próprias e instala-se no texto, entendido como um todo de sentido. A ilustração convive e faz parte do contexto da história da arte. Ela é um objeto de reprodução e está inserida em uma indústria cultural. Interrelaciona-se com outras linguagens, transita em um espaço multifacetado. Dialoga com o verbal, mas pode utilizar recursos adivinhos do cinema, da pintura, dos quadrinhos. Pertence a um período em que diferentes manifestações artísticas interagem, se interpenetram. Não há, ou não deveria ter mais a divisão preconceituosa em arte maior e menor, nem a divisão rígida de categorias artísticas. Picasso, Matisse ou Miro pintam, produzem cartazes, criam cenários. (MOKARZEL, 1998, p.65). Para compreender-se a relação entre os livros infantis ilustrados e a criança, considera-se indispensável, segundo Benjamin (1984, p.51), o estudo do histórico da ilustração e do livro, visando destacar o momento em que ambos se encontram e passam a ser

19 desenvolvidos especificamente para o leitor infantil, com características específicas e objetivos diversos que vão se modificando dentro de cada período histórico. O estudo dessas modificações, relacionado, principalmente, aos acontecimentos sociais, econômicos e tecnológicos, pelos quais a sociedade tem passado nos permitem melhor entender o valor atribuído ao livro na infância, tanto no passado, quanto no presente. No livro Alice no País das Maravilhas 5 (Carrol, 2001) a personagem principal tenta acompanhar a leitura de um livro com sua irmã, mas se sente entediada, pois o livro não tinha figuras nem diálogos; para que serve um livro, pensou Alice, sem figuras ou diálogos? (Carrol, 2001, p.37). Essas figuras, das quais Alice fala, são as ilustrações do livro, que, principalmente na infância, instigam a curiosidade e convidam à leitura. Para a Associação dos Designers Gráficos (2000, p. 59) uma imagem é considerada ilustração quando seu objetivo for corroborar ou exemplificar o conteúdo de um texto de livro, jornal, revista ou qualquer outro tipo de publicação. Completando esta definição, a ilustração pode ser também uma imagem que substitui um texto, que o amplia, que adiciona a ele informações, ou que o questiona. Segundo pesquisas realizadas por Dalley ( apud Lajolo e Zilberman, 2006), não se tem exatidão de quando datam as primeiras ilustrações, principalmente devido às diferentes definições que o termo apresenta. Para alguns autores, como o próprio Dalley, tanto a ilustração, como a escrita, possuem suas origens na pré-história, a partir das inscrições rupestres 6. 5 Tradução de Neli Freitas (2001). 6 A arte rupestre (ou parietal) consiste em pinturas e gravuras efetuadas sobre a rocha (ao ar livre ou, mais frequentemente nas paredes e tetos de grutas) pelo homem do Paleolítico Superior. Na maior parte das vezes são representados animais em liberdade e cenas de caça. A arte rupestre constitui a primeira forma de manifestação artística do homem.

20 Figura 4 -Pintura Rupestre As ilustrações que tinham como objetivo registrar acontecimentos da época, como por exemplo, a construção dos monumentos, aparecem no Antigo Egito. É também desse período os primeiros pergaminhos ilustrados (DALLEY, 1982, apud LAJOLO E ZILBERMAN, 2006). Já na Idade Média, conforme Manguel (1997), a ilustração aparece a serviço da religião levando os ideais da igreja à grande parte da população analfabeta. Um exemplo desse período é a Bíblia Pauperum 7, reproduzida através da xilogravura, que é uma técnica de gravura na qual se utiliza madeira como matriz e possibilita a reprodução da imagem gravada sobre papel ou outro suporte adequado. Figura 5- Bíblia Pauperum Conforme ressalta Freitas (2005, p.85), com o retorno à cultura greco-romana e conseqüentemente, ao predomínio da razão e da ciência, durante o Renascimento, as ilustrações aparecem fortemente voltadas ao desenho técnico. Leonardo da Vinci é considerado o mais importante ilustrador técnico dessa época. 7 Bíblia pauperum ou Bíblia dos pobres: um dos primeiros livros xilografados e, certamente, também um dos mais conhecidos. Consistia de 40 quadros, ilustrando conhecimentos da vida de Cristo e cenas do Antigo Testamento; desta forma, foram feitas perto de onze edições.

21 A medida que novas técnicas de impressão surgem, a ilustração ganha maior espaço dentro das editoras (área editorial). Outro importante invento, segundo Freitas (2005, p. 85), do século XIX é a fotografia (1839) 8 que, por seu realismo, fez com que ilustradores se voltassem mais ao estímulo à imaginação do que ao realismo. Ainda segundo Freitas (2005, p.85), no início do século XX surge no ocidente a serigrafia, são feitos avanços consideráveis na área de produção de tintas, além do desenvolvimento da impressão em meio tom, aumentando substancialmente, ao ilustrador, as possibilidades técnicas de reprodução. A ilustração passa então a ser reconhecida como arte comercial. Nos últimos anos, entre as mais recentes e importantes inovações na área estão a introdução e o aperfeiçoamento da computação gráfica, além do surgimento das mídias digitais, como jornais, livros, revistas eletrônicas e websites, abrindo novos campos de atuação para ilustradores. No caso da obra destinada à infância ou mesmo ao jovem, considera se ilustração não apenas os desenhos que acompanham a palavra, mas todo e qualquer recurso de produção de imagem, seja uma vinheta (pequena imagem de até um quarto do tamanho da página), a capitular (letra que inicia um capítulo, geralmente em tamanho maior do que as outras e em fonte diferente), figuras ou manchas (CAMARGO, 1995, p.16) 9. Complementando o que Camargo (1995) enfatiza nos parágrafos anteriores, Ramos informa que: A ilustração não é privilégio do texto destinado à criança. Ela aparece em diferentes mídias, como na publicidade, visando dar um caráter de verdade, auxiliar na recepção da peça ou mesmo na constituição da vaguidade semântica, 8 Ano de surgimento da fotografia. 9 Luis Camargo afirma que, no livro, o projeto gráfico consiste no formato, número de páginas, tipo de papel, tamanho das letras, mancha, diagramação, encadernação, tipo de impressão, número de cores da impressão, etc.

A ILUSTRAÇÃO DE LIVROS INFANTIS UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA 1

A ILUSTRAÇÃO DE LIVROS INFANTIS UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA 1 A ILUSTRAÇÃO DE LIVROS INFANTIS UMA RETROSPECTIVA HISTÓRICA 1 Neli Klix Freitas 2, Anelise Zimmermann 3 Palavras-chave: ilustração, livro infantil, ilustrador Resumo: O presente estudo visa destacar a

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE

O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE O CONTO E O RECONTO E SUA CONTRIBUIÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE Maria Aline da Silva Graduanda do curso de Pedagogia da FECLESC-UECE Antonio Marcelo Pereira Sousa Graduando do curso de Pedagogia

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EDUCATIVO COM ILUSTRAÇÕES DE LIVROS DE LITERATURA INFANTIL. Fabiano José Colombo

A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EDUCATIVO COM ILUSTRAÇÕES DE LIVROS DE LITERATURA INFANTIL. Fabiano José Colombo A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EDUCATIVO COM ILUSTRAÇÕES DE LIVROS DE LITERATURA INFANTIL. Fabiano José Colombo FFC - Faculdade de Filosofia e Ciências UNESP - Marília-SP. PPGE Grupo de Pesqiuisa: Processos

Leia mais

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: A literatura infantil surgiu no século XVII, no intuito de educar as crianças moralmente. Em homenagem ao escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, foi criado

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos O TEXTO ESCRITO E A ILUSTRAÇÃO NOS LIVROS INFANTO-JUVENIS: UMA PARCERIA NECESSÁRIA Leonor Soares Cravo (UERR) leonorcravo@hotmail.com Carmen Véra Spotti (UERR) carmemspotti@bol.com.br Em língua corrente

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 IMAGENS CONTEMPORÂNEAS: ABORDAGENS ACERCA DA ANÁLISE DA IMAGEM Elis Crokidakis Castro (UFRJ/UNESA/UNIABEU) eliscrokidakis@yahoo.it Caminhei até o horizonte onde me afoguei no azul (Emil de Castro) Para

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS

GRUPO FRESTAS: FORMAÇÃO E RESSIGNIFICAÇÃO DO EDUCADOR: SABERES, TROCA, ARTE E SENTIDOS Eixo: Políticas para a Infância e Formação de Professores Contempla as produções acadêmico-científicas que tratam de ações políticas e legislações referentes à Educação Infantil e a infância. Aborda pesquisas

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO

CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA RESUMO CONTO LITERÁRIO: UM INCENTIVO À LEITURA * Lúcia Helena dos Santos Mattos * Mônica Rejiane Bierhals * Renata Faria Amaro da Silva ** Adriana Lemes RESUMO Como estimular a leitura através do conto literário?

Leia mais

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos

As adivinhas são jogos de linguagem em que a relação entre fatos semânticos As adivinhas na relação ilustração-texto na literatura infantil 73 Kassandra da Silva Muniz * Resumo: Esta pesquisa se insere no projeto A organização textual interativa das adivinhações, coordenado pela

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES

O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES 1 O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES Priscila Dantas Fernandes (UFS) INTRODUÇÃO Hoje, sabe-se o valor exercido pela leitura no dia-a-dia de uma pessoa,

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO DO LIVRO DE LITERATURA INFANTILE: LEITORES NA INFÂNCIA.

A ILUSTRAÇÃO DO LIVRO DE LITERATURA INFANTILE: LEITORES NA INFÂNCIA. A ILUSTRAÇÃO DO LIVRO DE LITERATURA INFANTILE: LEITORES NA INFÂNCIA. Thaíse Conceição dos Santos Unesp/Marília. Agência Financiadora. Fapesp. thaisecamp@hotmail.com. Elieuza Aparecida de Lima (orientadora)

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais

PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais PRODUÇÃO LITERÁRIA PARA CRIANÇAS E JOVENS NO BRASIL: 1 Perfil e desdobramentos textuais e paratextuais Autora: Carlanne Santos Carneiro (Graduada em Letras e mestranda em Educação/UFMG) Co-autores: Maria

Leia mais

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura.

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Helgair Kretschmer Aguirre (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa Bagé) Sheyla de Jesus Meireles Teixeira (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM

LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM LITERATURA INFANTIL: INTERAÇÃO E APRENDIZAGEM Adriana Bragagnolo i ( Universidade de Passo Fundo) 1. NOTA INICIAL O presente texto objetiva socializar reflexões a respeito da literatura infantil no cenário

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA.

A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. A FORMAÇÃO DE LEITORES EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES: CONHECENDO UMA EXPERIÊNCIA. Francisca Fabiana Ferreira da Silva 1 fabiana.igor@hotmail.com Francisca Mônica Paz de Sousa Dantas 2 monnyka@hotmail.com

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE:

PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: PARECER TÉCNICO DA ATIVIDADE: Encontro com o Livro no Colégio Coração de Maria Me. Maria Aparecida da Costa Bezerra - Bibliotecária escolar e universitária Resumo: O Colégio Coração de Maria proporciona

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LEME/SP Patrícia Helena Boldt Terossi Orientadora Técnica Oficina Pedagógica-SEC PROJETO SALAS DE LEITURA 1-JUSTIFICATIVA: O acesso à aprendizagem da leitura apresenta-se

Leia mais

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação A INFLUÊNCIA DA CONTAÇÃO DA HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL MENDONÇA, Magda Letícia Bezerra 1 Palavras-chave: Histórias, Educação infantil A presente apresentação refere-se a parte do trabalho

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA.

A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA. A LITERATURA INFANTIL COMO UM IMPORTANTE INSTRUMENTO NO PROCESSO DE APROPRIAÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA. FABIANO JOSÉ COLOMBO (UNESP - MARÍLIA). Resumo O ensino da língua materna e a formação

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO CONCURSO: 2013 QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA GREICIANE KRUMM QUALIDADE NA PRÁTICA DOCÊNCIA PRESIDENTE GETÚLIO 2013 GREICIANE KRUMM Experiência apresentada para Associação dos Municípios

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS

CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS CONSIDERAÇÕES SOBRE MONTEIRO LOBATO REPRESENTANDO A LITERATURA INFANTIL NAS ESCOLAS MEDEIROS, Elaine Regina de 1 PEREIRA, Estela Inácio 2 ANTONIO, Fernanda Peres 3 RESUMO O presente artigo objetiva a importância

Leia mais

A HORA DO CONTO E A FORMAÇÃO DO LEITOR: RELATOS DE EXPERIÊNCIA.

A HORA DO CONTO E A FORMAÇÃO DO LEITOR: RELATOS DE EXPERIÊNCIA. A HORA DO CONTO E A FORMAÇÃO DO LEITOR: RELATOS DE EXPERIÊNCIA. Marcela Coladello Ferro; Márcia Adriana Jorge; Renata Junqueira de Souza (orientadora). CELLIJ, Faculdade de Ciências e Tecnologia/UNESP/Presidente

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão!

PARA SABER MAIS. Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES GUIA DE LEITURA. Cabe aqui na minha mão! CLÁUDIO MARTINS & MAURILO ANDREAS PARA SABER MAIS Consulte o site do IAB www.alfaebeto.org.br COLEÇÃO PEQUENOS LEITORES LÚCIA HIRATSUKA JASON GARDNER Priscilla Kellen Cabe aqui na minha mão! Frutas GUIA

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS INFANTIS: O CAMINHO PARA INSERIR A CRIANÇA NO MUNDO DA LITERATURA

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS INFANTIS: O CAMINHO PARA INSERIR A CRIANÇA NO MUNDO DA LITERATURA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS INFANTIS: O CAMINHO PARA INSERIR A CRIANÇA NO MUNDO DA LITERATURA Geuciane Felipe Guerim (G-CCHE-UENP/CJ) Joselice Adriane da Costa (G-CLCA-UENP/CJ) Roseli de Cássia Afonso (Orientadora-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

PROJETO ECOLOGIA DA LEITURA: UMA INTERVENÇÃO NA SALA DE AULA A PARTIR DA VIVÊNCIA DA LITERATURA INFANTIL

PROJETO ECOLOGIA DA LEITURA: UMA INTERVENÇÃO NA SALA DE AULA A PARTIR DA VIVÊNCIA DA LITERATURA INFANTIL PROJETO ECOLOGIA DA LEITURA: UMA INTERVENÇÃO NA SALA DE AULA A PARTIR DA VIVÊNCIA DA LITERATURA INFANTIL Iêda Licurgo Gurgel Fernandes, UFRN ¹ Sâmela Raissa Oliveira Batista, UFRN ² Introdução O projeto

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura

Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Literatura na escola: um projeto de incentivo à leitura Renata Cavalcanti Eichenberg (PUCRS) Orientadora: Vera Teixeira de Aguiar (PUCRS) De acordo com Bruno Bettelheim (1980), a criança, à medida que

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ DEPARTAMENTO DE LETRAS E ARTES ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS COMPARADOS EM LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA A REPRESENTAÇÃO DA IDENTIDADE DA MULHER AFRO- DESCENDENTE, TIA

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Projeto de Leitura. Turma: 124. Professora Karine Beppler

Projeto de Leitura. Turma: 124. Professora Karine Beppler Projeto de Leitura Turma: 124 Professora Karine Beppler Objetivos - Adquirir o prazer pela leitura. - Estabelecer relação entre o texto lido e outros já conhecidos. - Desenvolver a capacidade de comentar

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza. Corpo, atividades criadoras {e letramento

Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza. Corpo, atividades criadoras {e letramento Marina Teixeira Mendes de Souza Costa Daniele Nunes Henrique Silva Flavia Faissal de Souza Corpo, atividades criadoras {e letramento Corpo, atividades criadoras e letramento Copyright 2013 by Marina Teixeira

Leia mais

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS

A FORMAÇÃO DE LEITORES: O CASO DO GRUPO AIMIRI OS CONTADORES DE HISTÓRIAS XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A FORMAÇÃO DE LEITORES:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL OFICINA DE ESCRITA E REESCRITA DE TEXTOS PARA ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Profª Drª Suzana Lima Vargas UFJF suzana_lima@uol.com.br Aida do Amaral Antunes UFJF amaral.aida@yahoo.com.br Andreza de Souza

Leia mais

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação

organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA EM MATO GROSSO: organização, funcionamento, acompanhamento e avaliação Cancionila Janzkovski Cardoso UFMT (Coordenadora Geral do PNAIC/MT) Objetivo Apresentar

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais