9 Meses de Apresentação de Resultados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9 Meses de 2014. Apresentação de Resultados"

Transcrição

1 9 Meses de 2014 Apresentação de Resultados

2 Disclaimer Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações e às atividades da Galp Energia, bem como alguns planos e objetivos da empresa face a estas questões. Os termos antecipa, acredita, estima, espera, prevê, pretende, planeia, e outros termos similares, visam identificar tais forward looking statements. Os forward looking statements envolvem, por natureza, riscos e incertezas, em virtude de estarem associados a eventos e a circunstâncias suscetíveis de ocorrerem no futuro. Os resultados e desenvolvimentos reais poderão diferir significativamente dos resultados expressos ou implícitos nas declarações em virtude de diferentes fatores. Estes incluem, mas não se limitam, a mudanças ao nível dos custos, alterações ao nível de condições económicas e alterações a nível regulamentar. Os forward looking statements reportam-se apenas à data em que são feitos, não assumindo a Galp Energia qualquer obrigação de os atualizar à luz de novas informações ou desenvolvimentos futuros, nem de explicar as razões porque os resultados efetivamente verificados são eventualmente diferentes. ABREVIATURAS: bbl: barris mboepd: mil barris de petróleo equivalente por dia Usd: dólar dos Estados Unidos Resultados 9 meses

3 Mercado Resultados Projetos

4 Refinação europeia atravessa período crítico Indicadores de mercado Fonte: 1Platts. 2 IEA 3 Fonte: Bloomberg. 4 calculada com a seguinte ponderação: 45% margem hydrocracking + 42,5% margem cracking de Roterdão + 7% Óleos Base de Roterdão + 5,5% aromáticos 5 Fonte: Apetro para Portugal; Cores para Espanha 6 Fonte: Galp Energia e Enagás. 9M2013 9M2014 Variação (%) Preço médio do dated Brent 1 USD/bbl 108,5 106,5 (2%) Procura mundial de petróleo 2 mboepd 92,5 93,0 +0,5% Preço de gás natural NBP do Reino Unido 3 BBp/term 68,2 49,3 (28%) Preço do GNL para o Japão e para Coreia 1 USD/ mmbtu 16,1 14,7 (9%) Margem de refinação benchmark 4 USD/bbl 1,6 0,5 (67%) Mercado oil ibérico 5 Milhões ton 43,5 43,5 +0,0% Mercado gás natural ibérico 6 Milhões m (9%) Taxa de câmbio / USD 1,32 1,36 +3% Desvalorização do brent no 3º T fez baixar preço médio em 2% face a 2013 Preço do gás natural na Europa diminui por efeito da temperatura mais amena e consequente aumento de stocks Mercado ibérico do gás natural contrai devido ao menor consumo residencial e na indústria Resultados 9 meses

5 Mercado oil ibérico estabilizado Mercado energético da Península Ibérica Portugal Espanha 9M2013 9M2014 Variação 9M2013 9M2014 Variação (2%) Produtos petroliferos (1) (mton) % (3%) GPL (mton) % (1%) Gasolina (mm 3 ) (2%) % Jets (mm 3 ) % % Gasóleo (mm 3 ) (1%) % Lubrificantes (mton) % (25%) Fuelóleo industrial (mton) (11%) % Fuelóleo marítimo (mton) % (34%) Betumes (mton) (12%) (4%) Gás natural (2) (Mm 3 ) (9%) % Elétrico (Mm 3 ) (7%) Consumo de produtos petrolíferos na Península Ibérica estabilizou em 43,5 milhões de toneladas Contexto económico adverso e temperaturas mais amenas, levaram a menor consumo de gás natural nos dois países, nos segmentos industrial e residencial (5%) Convencional (Mm 3 ) (10%) % Eletricidade (3) (GWh) (1%) (1) Fonte: DGEG com base no mercado Apetro e Cores (2 ) Fonte: Galp Energia; Enagas (3) Fonte: REN; REE Resultados 9 meses

6 Mercado Resultados Projetos

7 Aumento da produção no Brasil confirma estratégia Informação operacional 9M2013 9M2014 Variação Produção média working interest mboepd 24,3 28,5 +18% Angola mboepd 12,3 10,5 (14%) Brasil mboepd 12,0 18,0 +50% Produção média net entitlement mboepd 20,5 24,9 +22% Angola mboepd 8,5 6,9 (18%) Brasil mboepd 12,0 18,0 +50% Margem de refinação Galp Energia $/bbl 2,3 2,4 +4% Vendas produtos refinados Mton 12,8 12,2 (4%) Vendas oil clientes diretos Mton 7,0 6,9 (1%) Portugal Mton 3,6 3,5 (2%) Espanha Mton 2,9 2,9 +1% África Mton 0,6 0,5 (7%) Vendas de gás natural Milhões m % Portugal Milhões m (7%) Espanha Milhões m % Trading / Outros Milhões m % Produção de petróleo e gás no Brasil representa c. 60% do total Margens de refinação da Galp Energia estáveis num contexto de refinação europeia adverso Vendas de GNL nos mercados internacionais representa c. 50% das vendas de gás natural Resultados 9 meses

8 Resultado líquido atinge 236 M Demonstração de resultados ( milhões) 9M2013 9M2014 Variação (%) Vendas (10%) EBITDA % E&P % Resultado operacional (Ebit) evolui de forma positiva, com R&D a recuperar parte das perdas acumuladas no 1S2014 R&D (11%) G&P % EBIT % Aumento de 50% da produção no Brasil decisivo para resultados E&P % R&D 25 (6) s.s G&P % Resultado Líquido % Venda de GNL nos mercados internacionais compensa quebra das vendas a clientes diretos Resultados 9 meses

9 Ambição e estratégia global sustentam resultados Ebitda gerado no exterior 18% 35% 23% 40% C. 70% do Ebitda gerado fora de Portugal 47% 37% Produção de petróleo e gás continuarão a ser a grande fonte de crescimento internacional 9M2013 Portugal e Espanha Angola e Brasil 9M2014 Outros países Atividade ibérica com contribuição resiliente para os resultados Resultados 9 meses

10 Paragem programada de Sines impacta exportações Evolução das exportações ( milhões) % 6% 5% 4% % (25%) 6,5% (1) % 8% 6% 4% 2% Exportações de produtos petrolíferos representam 6,5% do total nacional, apesar de quebra de 25% Gasóleo, gasolina e fuel são os produtos mais exportados - 0% M2013 9M2014 Exportações Galp Energia % exportações Galp Energia no total nacional 1) No final de agosto de 2014 Os principais destinos das exportações foram Espanha, EUA, Países- Baixos e França Resultados 9 meses

11 E&P absorve 88% de todo o investimento efetuado Investimento total de 776 milhões Mais de 70% do investimento aplicado em atividades de desenvolvimento, sobretudo no campo Lula/Iracema * Inclui outros 9M2013 E&P R&D G&P 7% 9M2014 Investimentos na manutenção da refinaria de Sines e infraestruturas de distribuição de gás natural constituem principal fatia dos 90 milhões afetos à R&D e G&P Resultados 9 meses

12 Balanço robusto permite crescimento acelerado Balanço ( milhões) 31 dez set 2014 Variação Ativo fixo Imobilizado em curso Outros ativos (passivos) (460) (451) +9 Empréstimo à Sinopec (16) Fundo de maneio (10) Dívida líquida Total do capital próprio Capital empregue Dívida líquida para Ebitda (1) 1,2x 1,3x 0,2x 1) Considerando o empréstimo à Sinopec como caixa e equivalentes Valores em IFRS Execução dos projetos de investimento justificam aumento da dívida líquida Investimentos em curso responsáveis por milhões de ativo fixo Considerando empréstimo à Sinopec como cash, a dívida líquida seria de milhões e o net debt to Ebitda implícito seria de 1,3x Resultados 9 meses

13 Mercado Resultados Projetos

14 Cidade de Paraty: capacidade máxima antes do plano Principais etapas em Lula NE Entrega da FPSO Cidade de Paraty Data Mai-13 Início da produção Jun-13 Conexão de poço injetor Ago-13 Conexão de poço produtor 1 4T13 Ligação ao gasoduto 1T14 Instalação da 1ª BSR (BSR Sul) 1T14 Conexão de poço produtor #2 Mai-14 Instalação de 2ª BSR (BSR Norte) 2T14 Ligação do poço produtor #3 2 Jun- 14 Ligação do poço produtor #4 Ago- 14 FPSO a produzir à capacidade máxima Set-14 Ramp-up atingido em 15 meses vs plano inicial de 18 meses Produção média de 30 mbopd por poço supera as expetativas Ligação ao poço produtor #5 no 4T14 para otimizar produção Ligação do poço produtor #5 4T14 1 Medida de contenção para uso do riser flexível considerando o atraso na instalação da 1ª BSR. O poço #4 foi desligado no final do 1T14 no contexto da instalação da BSR Norte, e será novamente ligado durante o 4T14. 2 Ligação em junho embora a produção tenha começado em setembro de 2014 Resultados 9 meses

15 C. Mangaratiba: início das operações em Lula/ Iracema Início da produção em outubro 1º poço produtor com potencial de 30 mbopd dependente da ligação do primeiro poço injetor, em dezembro Produção em cruzeiro esperada no primeiro semestre de Medida de contenção para uso do riser flexível considerando o atraso na instalação da 1ª BSR. O poço #4 foi desligado no final do 1T14 no contexto da instalação da BSR Norte, e será novamente ligado durante o 4T14. 2 Ligação em junho embora a produção tenha começado em setembro de 2014 Resultados 9 meses Ligação de um total de oito poços produtores e oito injetores

16 Atividade de avaliação em Iara antecipa entrega de DoC Iara Bloco BM-S-11 EWT em Iara Oeste-2 com uma produção média de 29 mbopd até ao final do ano Iara RDA 2 (próximo do Iara Entorno) concluído durante o 4T14 Iniciadas as discussões acerca da unitização do Iara Entorno DoC: Declaração de Comercialidade Resultados 9 meses

17 Campanha de avaliação no bloco BM-S-24 Bloco BM-S-24 Poço Apollonia confirmou a extensão da descoberta de Júpiter e a mesma composição de hidrocarbonetos Drilling stem test realizado em Bracuhy Início da perfuração do poço de avaliação Elida no 4T14 Resultados 9 meses

18 Avaliação de potencial de recursos em Carcará Extensão Bloco BM-S-8 Retomada em setembro a perfuração do poço de avaliação Carcará Extensão Segunda fase será perfurada com equipamentos MPD no 2S2015 Drilling stem test planeado para 2015 Resultados 9 meses

19 Moçambique avança com o desenvolvimento da Área 4 Bacia de Rovuma em Moçambique Avaliação do poço Coral-4 concluída, confirmando qualidade do reservatório Legislação necessária ao desenvolvimento do projeto deverá ser aprovada até ao final do ano Processos FEED 1 e EPC 2 em curso para o projeto offshore 1 FEED: Front and engineering design 2 EPC: Engineering, procurement and construction Resultados 9 meses Lançado concurso para EPC para as infraestruturas onshore

20 Margens de refinação beneficiam de mercado favorável Evolução da margem de refinação da Galp Energia vs margem benchmark ($/bbl) Resultados da refinação impactados pelos desequilíbrios do mercado europeu Margem de refinação benchmark da Galp Energia aumentou $1,8/bbl no 3T2014 face ao homólogo Aumento suportado nos cracks da gasolina e do fuelóleo Resultados 9 meses

21 Cotações do crude e dos refinados ao nível de 2010 Evolução das cotações do brent, gasolina e gasóleo na Europa desde finais de Gasóleo Gasolina s/taxas PVP s/taxas PVP 0,650 1,227 0,610 1, Gasóleo Gasolina s/taxas PVP s/taxas PVP 0,657 1,263 0,621 1,485 Cotações dos produtos não coincidem com as do brent, embora as acompanhem tendencialmente PVP ligeiramente acima dos valores de 2010 Dez 2010 Out 2014 Branco: Brent Amarelo: Gasolina Laranja: Gasóleo Diferença (cts/l): Gasóleo Gasolina s/taxas PVP s/taxas PVP + 0,7 + 3,6 + 1,1 + 4,39 Fontes: Bloomberg DGEG Impostos explicam diferencial, dado que preço sem taxas está rigorosamente igual Resultados 9 meses

22 Comparação com Espanha favorável a Portugal Comparativo Portugal vs Espanha (20 de Outubro de 2014) Biodiesel com impacto de 2,1 cêntimos em cada litro de gasóleo face a Espanha Sem esse sobrecusto, o preço antes de impostos seria 4 cêntimos inferior Preço antes de impostos consistentemente abaixo dos valores em Espanha, tanto no gasóleo como na gasolina Resultados 9 meses

23 Preços do gasóleo e da gasolina sem taxas na UE28 Resultados 9 meses

24 9 meses de 2014 Apresentação de Resultados

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados 1º Trimestre de 2014 Apresentação de Resultados Disclaimer Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações e às atividades

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 1 27 Abril, 2015 RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 Operador integrado de energia focado na exploração e produção DISCLAIMER 2 Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements

Leia mais

Ebitda consolidado do grupo totalizou 844 milhões numa base replacement cost ajustada (RCA).

Ebitda consolidado do grupo totalizou 844 milhões numa base replacement cost ajustada (RCA). RESULTADOS DO 1º SEMESTRE DE 2015 Duplicação da produção no Brasil e investimento nas refinarias impulsionam resultado líquido para 310 milhões Produção total (working interest) de petróleo e gás natural

Leia mais

Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010. 30 Julho 2010. Do sucesso para novos desafios

Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010. 30 Julho 2010. Do sucesso para novos desafios Resultados PRIMEIRO SEMESTRE 2010 30 Julho 2010 Do sucesso para novos desafios Envolvente de mercado Análise financeira Perfil exportador Inovação e partilha do conhecimento 2 Sinais de retoma mostram

Leia mais

RESULTADOS QUARTO TRIMESTRE E DOZE MESES DE 2013

RESULTADOS QUARTO TRIMESTRE E DOZE MESES DE 2013 RESULTADOS QUARTO TRIMESTRE E DOZE MESES DE 2013 Um operador integrado de energia focado na exploração e produção ENERGIA EM CRESCIMENTO PARA CRIAR VALOR SUSTENTÁVEL Quem somos Somos uma Empresa integrada

Leia mais

RESULTADOS TERCEIRO TRIMESTRE DE 2015. 26 de outubro 2015. Um operador integrado de energia focado na exploração e produção

RESULTADOS TERCEIRO TRIMESTRE DE 2015. 26 de outubro 2015. Um operador integrado de energia focado na exploração e produção 1 34 26 de outubro 2015 RESULTADOS TERCEIRO TRIMESTRE 2015 Um operador integrado de energia focado na exploração e produção 2 34 ÍNDICE Sumário executivo... 4 Principais indicadores... 5 Atividades de

Leia mais

Energia em crescimento. Relatório & Contas 2012

Energia em crescimento. Relatório & Contas 2012 Energia em crescimento Relatório & Contas 2012 Energia em crescimento Relatório & Contas 2012 www.galpenergia.com Relatório & Contas 2012 01 1.1 1.2 1.3 1.4 A Galp Energia A Galp Energia no mundo Mensagem

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RELATÓRIO & CONTAS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 RELATÓRIO & CONTAS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Um operador integrado de energia focado na exploração e produção ENERGIA EM CRESCIMENTO PARA CRIAR VALOR SUSTENTÁVEL Quem somos Somos uma Empresa integrada

Leia mais

RESULTADOS E INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Novembro 2015. Um operador integrado de energia focado na exploração e produção

RESULTADOS E INFORMAÇÃO CONSOLIDADA. Novembro 2015. Um operador integrado de energia focado na exploração e produção 1 90 Novembro 2015 RESULTADOS E INFORMAÇÃO CONSOLIDADA Um operador integrado de energia focado na exploração e produção 2 90 ÍNDICE Sumário executivo... 4 Principais indicadores... 5 Atividades de Exploração

Leia mais

Informação à comunicação social

Informação à comunicação social Galp Energia - Capital Markets Day 2014 Um operador integrado de energia com foco em exploração e produção A Galp Energia apresenta hoje em Londres, no âmbito do seu Capital Markets Day 2014, a atualização

Leia mais

Energia em movimento. Relatório e Contas 2014

Energia em movimento. Relatório e Contas 2014 Energia em movimento Relatório e Contas 2014 Energia em movimento Relatório e Contas 2014 www.galpenergia.com ENERGIA EM movimento Evoluir é adaptarmonos aos desafios da envolvente, é ajustarmonos a novas

Leia mais

Energia em desenvolvimento. Relatório & Contas 2013

Energia em desenvolvimento. Relatório & Contas 2013 Energia em desenvolvimento Relatório & Contas 2013 Energia em desenvolvimento Relatório & Contas 2013 www.galpenergia.com Relatório & Contas 2013 01 1.1 1.2 1.3 1.4 A Galp Energia A Galp Energia no mundo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

Do sucesso para novos desafios RELATÓRIO & CONTAS 2008 GALP ENERGIA

Do sucesso para novos desafios RELATÓRIO & CONTAS 2008 GALP ENERGIA Do sucesso para novos desafios RELATÓRIO & CONTAS 2008 GALP ENERGIA RELATÓRIO & CONTAS 2008 GALP ENERGIA A Galp Energia é um operador integrado presente em toda a cadeia de valor do petróleo e do gás

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009

Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Teleconferência / Webcast DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS 2 o trimestre de 2009 (Legislação Societária) Almir Guilherme Barbassa Diretor Financeiro e de Relações com Investidores 18 de Agosto de 2009 Reservatório

Leia mais

13 de agosto de 2015. Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15

13 de agosto de 2015. Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15 13 de agosto de 2015 Apresentação de Resultados 2T15 e 6M15 Agenda Visão Geral Destaques Financeiros Atualização de Ativos DESTAQUES DO PERÍODO Manati produziu média de 5,7 MM m³ por dia no 2T15 e 6M15

Leia mais

Rio de Janeiro, Novembro 4 5 2010

Rio de Janeiro, Novembro 4 5 2010 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa RELOP Agência Nacional de Energia Elétrica III Reunião Anual

Leia mais

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Cap 1: Energia e Macroeconomia ANGOLA-Petróleo e macroeconomia (milhões de USD, salvo indicação em contrário) 2006 2007 2008 2009 Vendas líquidas

Leia mais

A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola

A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola Perspectivas Empresariais Instituto Camões João Pedro Brito - Administrador 19 de Maio de 2011 1. Galp Energia no Mundo 2. Península Ibérica 3. África 4. E&P

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014

Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 Nota à Imprensa 8 de agosto de 2014 Lucro líquido da Petrobras foi de R$ 10 bilhões 352 milhões no 1º semestre de 2014 O lucro bruto no 1º semestre de 2014 foi de R$ 38,5 bilhões, 2% superior ao 1º semestre

Leia mais

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 Nota à Imprensa 11 de maio de 2009 Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 O preço médio do barril do petróleo tipo Brent caiu 55%, passando de US$ 97 no 1º trimestre de 2008

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA

RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA 2009 GALP ENERGIA RELATÓRIO & CONTAS 2009 A Galp Energia é um operador integrado de energia, presente em todas as etapas da cadeia de valor do petróleo, gás natural e com

Leia mais

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. II Trimestre de 2013

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. II Trimestre de 2013 NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL II Trimestre de 2013 Setembro de 2013 1 / 85 Índice Sumário Executivo... 3 1. A venda de petróleo bruto... 6 1.1.

Leia mais

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E GÁS ENGARRAFADO. IV Trimestre de 2006

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E GÁS ENGARRAFADO. IV Trimestre de 2006 NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E GÁS ENGARRAFADO IV Trimestre de 2006 Março de 2007 Acompanhamento gfgdfgfdf dos Mercados dos Combustíveis Combustíveis Líquidos e Gás

Leia mais

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia José Eduardo Sequeira Nunes Chefe do Gabinete da Presidência Lisboa, 29 de outubro de 2013 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Subida do

Leia mais

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 Macro-tendências 1 Compromisso Global com temáticas relacionadas

Leia mais

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. IV Trimestre de 2012

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. IV Trimestre de 2012 NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL IV Trimestre de 2012 Março de 2013 1 / 83 Índice Sumário Executivo... 3 1. A venda de petróleo bruto... 6 1.1. Procura

Leia mais

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Manuel Ferreira De Oliveira 9 de julho de 2014 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Maior desafio do século

Leia mais

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia Os combustíveis rodoviários e o setor da energia António Ferreira Gomes Audição Parlamentar Comissão de Economia e Obras Públicas 11 de Fevereiro de 2015 Tópicos Combustíveis Rodoviários 1. Breve caracterização

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T13. Rio de Janeiro 10 de maio de 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T13. Rio de Janeiro 10 de maio de 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 1T13 Rio de Janeiro 10 de maio de 2013 1 DESTAQUES 1T13 DESTAQUES 1T13 E EVENTOS SUBSEQUENTES OGX demonstrou contínuo progresso no 1T13: OGX registrou maior receita líquida e

Leia mais

Resultados do Exercício de 2014 Auditados

Resultados do Exercício de 2014 Auditados Nota à Imprensa 22 de abril de 2015 Resultados do Exercício de 2014 Auditados A Petrobras apresentou prejuízo de R$ 21,6 bilhões no ano de 2014, em função, principalmente, da perda por desvalorização de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Comparação dos preços dos combustíveis entre Julho de 2008 e Janeiro de 2011 No passado mês de Dezembro, bem como já no corrente ano, foram muitos os Órgãos

Leia mais

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15

Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 2014/15 Tereos Internacional Resultados do Primeiro Trimestre 20 São Paulo 12 de agosto de 2014 Principais Iniciativas e Destaques do Operacional 2 Cana-de-açúcar Brasil: Aumento dos benefícios do programa Guarani

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 Rio de Janeiro, 15 de março de 2013 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho

Leia mais

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo Sylvie D Apote, Sócia-Diretora, 7mo. CONGRESO INTERNACIONAL BOLIVIA GAS & ENERGÍA 2014 Santa Cruz de la Sierra, 20-21 Agosto 2014 AGENDA O

Leia mais

OUTLOOK 2012. Lisboa, 29 de Maio de 2008. Carlos Nuno Gomes da Silva

OUTLOOK 2012. Lisboa, 29 de Maio de 2008. Carlos Nuno Gomes da Silva OUTLOOK 2012 Lisboa, 29 de Maio de 2008 Carlos Nuno Gomes da Silva DISCLAIMER Esta apresentação contém declarações prospectivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações

Leia mais

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia

edp edp Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 sinta a nossa energia sinta a nossa energia Resultados do 1S2007 26 de Julho de 2007 0 1S07: Principais Acontecimentos Crescimento de EBITDA: +27% com base em crescimento orgânico Turnaround das actividades em mercado: enfoque

Leia mais

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015

Resultados 1T15. 08 de maio de 2015 Resultados 1T15 08 de maio de 2015 2 Principais destaques do 1T15 Crescimento da receita líquida de 23%, sendo de 2 dígitos em todas unidades de negócio no comparativo ano vs. ano, favorecidas por 83%

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões

Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões Nota à Imprensa 25 de fevereiro de 2011 Lucro líquido da Petrobras em 2010 alcança valor recorde de R$ 35 bilhões 189 milhões O lucro líquido aumentou 17% em relação a 2009 e EBITDA atingiu de R$ 60 bilhões

Leia mais

Consumo energético Mundial O petróleo no cabaz energético do futuro

Consumo energético Mundial O petróleo no cabaz energético do futuro Consumo energético Mundial O petróleo no cabaz energético do futuro Conferência Indústria Petrolífera: Realidade e Desafios Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo da Galp Energia Lisboa, 27 de

Leia mais

15 de Outubro de 2015

15 de Outubro de 2015 out-14 nov-14 nov-14 dez-14 jan-15 jan-15 fev-15 mar-15 mar-15 abr-15 abr-15 mai-15 jun-15 jun-15 jul-15 jul-15 ago-15 set-15 set-15 jun-07 set-07 dez-07 mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013 2017

Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 1 Plano de Negócios e Gestão 2013 2017 Webcast 19 de março de 2013 2 Aviso Estas apresentações podem conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Reunião Pública 2013 Safra 13/14

Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Reunião Pública 2013 Safra 13/14 Grupo São Martinho 300.000 ha Área agrícola de colheita 4 usinas São Martinho, Iracema, Santa Cruz e Boa Vista 21 milhões de tons Capacidade de processamento de cana de

Leia mais

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014

Apresentação Corporativa. Dezembro 2014 Apresentação Corporativa Dezembro 2014 O Açu é uma solução estruturante para diversas indústrias Exemplo: evolução da indústria do petróleo nos próximos anos Crescimento esperado de 13% ao ano Crescimento

Leia mais

Recentemente os media dedicaram alguma atenção ao assunto margens de refinação.

Recentemente os media dedicaram alguma atenção ao assunto margens de refinação. N º 3 5 - D e z e m b r o 2 0 0 5 Recentemente os media dedicaram alguma atenção ao assunto margens de refinação. Mas, se analisarmos retrospectivamente as inúmeras ocasiões em que a Indústria Petrolífera

Leia mais

26 de Novembro de 2013. Reunião APIMEC QGEP

26 de Novembro de 2013. Reunião APIMEC QGEP 26 de Novembro de 2013 Reunião APIMEC QGEP Agenda Visão Geral da QGEP Portfólio Balanceado Principal Ativo em Produção Posição Financeira Privilegiada Estratégia de Crescimento VISÃO GERAL DO GRUPO QUEIROZ

Leia mais

OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia

OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia OGPar: Ativos e Situação Atual A Nova Companhia 27 de Novembro de 2014 Agenda 1 2 3 4 Histórico Ativos Situação Atual Próximos Passos 2 Histórico Histórico: Visão Geral Empresa brasileira independente

Leia mais

Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos

Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos Santos, novembro de 2015. Presente, Futuro e Desenvolvimento dos Projetos da Bacia de Santos José Marcelo Luvizotto UO-BS/ENGP BACIAS SEDIMENTARES BRASILEIRAS Unidades Operacionais de E&P Tacutu Foz do

Leia mais

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA PROMINP - 2o WORKSHOP NACIONAL ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA ÁREA DE NEGÓCIO INTERNACIONAL Cláudio Castejon Vitória, 28 de outubro de 2004 O portfolio

Leia mais

Participações Governamentais na Lei do Petróleo. José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo

Participações Governamentais na Lei do Petróleo. José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo Participações Governamentais na Lei do Petróleo José Gutman Analista Técnico, Controle das Participações Governamentais Agência Nacional do Petróleo Regime Fiscal Brasileiro Imposto Municipal IRPJ CSLL

Leia mais

Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil. Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015

Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil. Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015 Petrobras - PNG 2015/2019 Mercado de Embarcações de Apoio no Brasil Rio de Janeiro 27 de Agosto de 2015 Cláudio Araújo Gerente Geral de Contratações E&P - Serviços 2ª Conferência OAB/RJ de Direito Marítimo

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO

INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO INTRODUÇÃO À INDÚSTRIA DO PETRÓLEO UNIDADE VI ASPECTOS SOBRE COMERCIALIZAÇÃO BARRIL O Barril é uma unidade de medida de petróleo líquido (geralmente petróleo cru) igual a: 158,987294928 litros (se for

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015 PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015 Designação Classificação Caracterização do produto Garantia de capital Garantia de remuneração Depósito Energia

Leia mais

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Comissão de Minas e Energia Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio Câmara dos Deputados João Carlos de Luca Presidente

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Energia 1. Amorim Energia é accionista da petrolífera portuguesa Galp Energia, detendo uma participação de 33,34%.

Energia 1. Amorim Energia é accionista da petrolífera portuguesa Galp Energia, detendo uma participação de 33,34%. Energia Energia Amorim Energia é accionista da petrolífera portuguesa Galp Energia, detendo uma participação de 33,34%. Como accionista de referência, Amorim tem consciência da importância histórica da

Leia mais

Venda da Unidade Guaíba. 08 de outubro de 2009

Venda da Unidade Guaíba. 08 de outubro de 2009 Venda da Unidade Guaíba 08 de outubro de 2009 Aviso legal As informações contidas nesta apresentação poderão incluir afirmações que representem "forward looking statements" nos termos do disposto no Securities

Leia mais

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras Painel Inovação Aberta Colaborativa Inovação na Petrobras São Paulo, 23 de agosto de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (PETROBRAS/CENPES)

Leia mais

A sua energia positiva. Paula Barbeitos

A sua energia positiva. Paula Barbeitos A sua energia positiva. Paula Barbeitos 1. SÍNTESE DA ACTIVIDADE 5 2. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 11 3. FACTOS RELEVANTES 17 4. ORGÂNICA E MODELO DE GOVERNO 23 5. PERFORMANCE GALP ENERGIA EM

Leia mais

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004.

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004. Nº 26 - Janeiro 24 Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 24. Por uma questão de rigor, deveria antes dizer-se que se completou o processo

Leia mais

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões

Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Europac obtém um Ebitda de 49,73 milhões Neste trimestre obtém 17,94 milhões, cerca de 25% superior ao segundo trimestre deste ano Só o Ebitda de 2007, o melhor ano desde que a companhia é cotada em Bolsa,

Leia mais

3T12 TRADING UPDATE 0

3T12 TRADING UPDATE 0 TRADING UPDATE Lisboa, 8 novembro 2012 0 Aviso importante O presente comunicado contém objetivos acerca de eventos futuros, de acordo com o U.S. Private Securities Litigation Reform Act de 1995. Tais objetivos

Leia mais

2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P

2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P 2 Aspectos gerais sobre projetos de E&P Este trabalho define um projeto de E&P como um projeto que visa explorar reservatórios subterrâneos e produzir descobertas de hidrocarbonetos. Independente do local

Leia mais

A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN

A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN A evolução do GN como fonte energética Roteiro do GNL no Transporte Rodoviário de Mercadorias em Portugal António Pires Director Executivo da AGN Dezembro 215 Procura de energia crescerá 32% até 235 O

Leia mais

12 bbl/h = 288 bbl/d; 1 m³ = 6,29 bbl; 1bbl = 0,16 m³ Resposta: 288 bbl/d; aprox. 46 m³

12 bbl/h = 288 bbl/d; 1 m³ = 6,29 bbl; 1bbl = 0,16 m³ Resposta: 288 bbl/d; aprox. 46 m³ CENTRO UNIVERSITÁRIO TIRADENTES ME 2ª UNIDADE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DE PETRÓLEO PROF. ERNESTO MARCIEL AMORIM DE SOUZA 1º SEMESTRE ENG DE PETRÓLEO NOITE 1. Uma carreta de petróleo tem uma capacidade de

Leia mais

CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE. Preço do barril do Petróleo: Finalmente nos níveis projectados!

CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE. Preço do barril do Petróleo: Finalmente nos níveis projectados! CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Preço do barril do Petróleo: Finalmente nos níveis projectados! Eduardo Sengo Outubro, 2014 As projecções do Fundo Monetário Internacional (FMI)

Leia mais

O NOSSO TEMPO Uma História da Galp Energia. Uma edição de:

O NOSSO TEMPO Uma História da Galp Energia. Uma edição de: O NOSSO TEMPO Uma História da Galp Energia Uma edição de: Apresentação O livro O Nosso Tempo Uma História da Galp Energia traça o percurso da Galp Energia desde as suas origens até aos dias de hoje. Em

Leia mais

Resultados 1T15. 05 de Maio de 2015 11h00 (Brasília) / 10h00 (US EST) Português: +55 (11) 2188-0155 Inglês: +1 (646) 843-6054 Código de Acesso: Marisa

Resultados 1T15. 05 de Maio de 2015 11h00 (Brasília) / 10h00 (US EST) Português: +55 (11) 2188-0155 Inglês: +1 (646) 843-6054 Código de Acesso: Marisa Resultados 05 de Maio de 2015 11h00 (Brasília) / 10h00 (US EST) Português: +55 (11) 2188-0155 Inglês: +1 (646) 843-6054 Código de Acesso: Marisa Nota de Ressalva E s t a a p r e s e n t a ç ã o pode i

Leia mais

14 ENCONTRO INTERNACIONAL DE ENERGIA Painel: Oportunidades para o setor privado: do poço à chama EIC

14 ENCONTRO INTERNACIONAL DE ENERGIA Painel: Oportunidades para o setor privado: do poço à chama EIC 14 ENCONTRO INTERNACIONAL DE ENERGIA Painel: Oportunidades para o setor privado: do poço à chama EIC Clarisse Rocha Regional Manager South America Energy Industries Council Ago/013 Agenda O EIC Oportunidades

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381

CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 CIMPOR Cimentos de Portugal, SGPS, S. A. Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA PORTUGAL Tel. (+351) 21 311 8100 Fax. (+351) 21 356 1381 Sociedade Aberta Número único de Pessoa Colectiva e Cons. Reg.

Leia mais

Desafios na. Operação em Águas. Profundas no Brasil. Click to edit Master text styles. Second level Third level

Desafios na. Operação em Águas. Profundas no Brasil. Click to edit Master text styles. Second level Third level 29 de agosto de 2012 Desafios na Click to edit Master text styles Operação em Águas Second level Third level Profundas no Brasil Fourth level» Fifth level Jacques Braile Saliés, Ph.D. Agenda Motivação

Leia mais

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013

JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 JBS DAY Apresentação dos Resultados do 3T13 14 de Novembro de 2013 Apresentadores Wesley Batista Presidente Global da JBS André Nogueira Presidente da JBS USA Miguel Gularte Presidente da JBS Mercosul

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis

Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Os desafios da ANP: Pré-Sal e Biocombustíveis Comissão de Serviços de Infra-Estrutura Desafios para um país emergente Luis Eduardo Duque Dutra Chefe de Gabinete da Diretoria Geral Professor Adjunto EQ/UFRJ

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre

Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre Apresentação dos Resultados do 2º Trimestre 11 de Agosto de 2011 1 Agenda Tópicos Palestrante Visão Geral Destaques do 2T11 Jose Augusto Fernandes (CEO) Atualização da perfuração Resultados Financeiros

Leia mais

RESULTADO DO TERCEIRO TRIMESTRE 2014 NÃO REVISADO PELOS AUDITORES INDEPENDENTES

RESULTADO DO TERCEIRO TRIMESTRE 2014 NÃO REVISADO PELOS AUDITORES INDEPENDENTES RESULTADO DO TERCEIRO TRIMESTRE 2014 NÃO REVISADO PELOS AUDITORES INDEPENDENTES Rio de Janeiro 27 de janeiro de 2015 Petrobras divulga seus resultados consolidados não revisados pelos auditores independentes,

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE 2013

RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE 2013 RESULTADO DO QUARTO TRIMESTRE 2013 Rio de Janeiro 25 de fevereiro de 2014 Petrobras divulga hoje seus resultados consolidados expressos em milhões de reais, segundo os padrões internacionais de contabilidade

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO Cabaz Energia Série II Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 1 ano (360 dias),

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

APIMEC. 23 de outubro de 2008

APIMEC. 23 de outubro de 2008 APIMEC 23 de outubro de 2008 1 Importante As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração e informações

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 COMUNICADO Ílhavo, 30 de Agosto de 2013 RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Destaques»» As vendas da VAA no primeiro semestre de 2013 atingiram 24,7 M ;»» O mercado nacional apresentou um crescimento

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Paulínia Petróleo & Gás

Paulínia Petróleo & Gás CADEIA PRODUTIVA DO SETOR PETRÓLEO E GÁS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Paulínia Petróleo & Gás Alfredo Renault Paulínia, São Paulo, 21 de agosto de 2013 Sumário I ESTIMATIVAS DE INVESTIMENTO NO SETOR PETRÓLEO

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO CONSUMO DE ENERGIA FINAL ESPANHA PORTUGAL. Mtep. Mtep

BALANÇO ENERGÉTICO CONSUMO DE ENERGIA FINAL ESPANHA PORTUGAL. Mtep. Mtep DADOS IBÉRICOS 214 BALANÇO ENERGÉTICO ktep 212 213 (%) 212 213 (%) Consumo de Energia Primária 21 482 21 74 1 128 98 121 119-6 Petróleo 9 297 9 648 4 3 978 2 934-2 Carvão 2 91 2 63-9 1 1 1 31-32 Gás natural

Leia mais